SlideShare uma empresa Scribd logo
TROVADORISMO - CANTIGAS


Ifes campus Venda Nova do Imigrante
Disciplina: Literatura Portuguesa
Prof.: Olivaldo Marques
Índice
          Cantigas................................................................03
          Cantigas
             líricas........................................................04
          Cantigas de
             amor......................................................06
          Cantigas de
             amigo.....................................................09
          Cantigas
             satíricas......................................................10
          Cantigas de
             escárnio..................................................12
          professorolivaldo@gmail.com
2 de 16
          Cantigas de
CANTIGAS
          As cantigas foram cultivadas tanto no gênero lírico
            quanto no
          satírico:
          Líricas
          a) Cantigas de amor;
          b) Cantigas de amigo.


          Satíricas
          a) Cantigas de escárnio;
          b) Cantigas de maldizer.
3 de 16   professorolivaldo@gmail.com
Cantigas Líricas
          Cantigas de amor
           O cavalheiro se dirige à mulher amada como uma
           figura idealizada, distante. O poeta, na posição
           de fiel vassalo, se põe a serviço de sua senhora,
           dama da corte, tornando esse amor um objeto de
           sonho, distante, impossível. Mas nunca
           consegue conquistá-la, porque tem medo e
           também porque ela rejeita tua canção.

             Essa relação amorosa vertical é chamada
             "vassalagem amorosa", pois reproduz as
             relações dos vassalos com os seus senhores
  4
4 de 16      feudais.
          professorolivaldo@gmail.com
A dona que eu am'e tenho por Senhor
          amostrade-me-a Deus, se vos en prazer for,
          se non dade-me-a morte.
          A que tenh'eu por lume d'estes olhos meus
          e porque choran sempr(e) amostrade-me-a Deus,
          se non dade-me-a morte.
          Essa que Vós fezestes melhor parecer
          de quantas sei, a Deus, fazede-me-a veer,
          se non dade-me-a morte.
          A Deus, que me-a fizestes mais amar,
          mostrade-me-a algo possa con ela falar,
          se non dade-me-a morte.

          (Bernal de Bonaval)


  5
5 de 16   professorolivaldo@gmail.com
Cantigas de amor
          Características:
           Eu lírico masculino;
           Assunto principal: o sofrimento amoroso do eu
            lírico perante uma mulher idealizada e distante;
           Amor cortês (pág. 88);
           Amor impossível;
           Ambientação aristocrática das cortes;
           Vassalagem amorosa >> o eu lírico usa o
            pronome de tratamento "senhora".


  6
6 de 16   professorolivaldo@gmail.com
Cantigas Líricas
          Cantigas de amigo
           O eu lírico é uma mulher que canta seu amor pelo
           amigo (isto é, namorado), muitas vezes em ambiente
           natural, e muitas vezes também em diálogo com sua
           mãe, suas amigas ou com elementos da natureza.

            A figura feminina que as cantigas de amigo
            desenham é, pois, a da jovem que se inicia no
            universo do amor, por vezes lamentando a ausência
            do amado, por vezes cantando a sua alegria pelo
            próximo encontro.

             Outra diferença da cantiga de amigo para a de amor,
             é que na cantiga de amigo não há a relação suserano
             x vassalo. Ela é uma mulher do povo. Muitas vezes
             tal cantiga também revelava a tristeza da mulher, pela
  7
7 de 16      ida de seu amado à guerra (referência ao contexto
          professorolivaldo@gmail.com

             histórico).
"Ai flores, ai flores do verde pino,
          se sabedes novas do meu amigo!
          ai Deus, e u é?
          Ai flores, ai flores do verde ramo,
          se sabedes novas do meu amado!
          ai Deus, e u é?
          Se sabedes novas do meu amigo,
          aquel que mentiu do que pôs comigo!
          ai Deus, e u é?
          Se sabedes novas do meu amado,
          aquel que mentiu do que mi há jurado!
          ai Deus, e u é?"
          (...)
          (D. Dinis)
  8
8 de 16   professorolivaldo@gmail.com
CANTIGAS DE AMIGO
          Características
           Eu lírico feminino;
           Predomínio da musicalidade;
           Assunto principal: o lamento da moça cujo
            namorado partiu;
           Amor natural e espontâneo;
           Amor possível;
           Ambientação popular rural ou urbana;
           Influência da tradição oral ibérica.


  9
9 de 16   professorolivaldo@gmail.com
CANTIGAS SATÍRICAS
           Cantigas de escárnio
            A sátira, neste tipo de cantiga, era indireta, cheia
            de duplos sentidos. As cantigas de escárnio
            definem-se, pois, como sendo aquelas feitas
            pelos trovadores para falar mal de alguém, por
            meio de ambiguidades, trocadilhos e jogos
            semânticos.

              A cantiga de escárnio, exigindo unicamente a
              alusão indireta e velada, para que o destinatário
              não seja reconhecido, estimula a imaginação do
              ouvinte e sugere à cantiga uma expressão
              irônica, embora, por vezes, bastante mordaz.
  10
10 de 16   professorolivaldo@gmail.com
Ai, dona fea, foste-vos queixar
           que vos nunca louv[o] em meu cantar;
           mais ora quero fazer um cantar
           em que vos loarei toda via;
           e vedes como vos quero loar:
           dona fea, velha e sandia!
           (...)
           (Joan Garcia de Guilhade)



  11
11 de 16   professorolivaldo@gmail.com
CANTIGAS DE ESCÁRNIO
           Características

            Crítica indireta, normalmente a pessoa satirizada
             não é identificada;
            Linguagem trabalhada, cheia de sutilezas,
             trocadilho e ambiguidades;
            Ironia.




  12
12 de 16   professorolivaldo@gmail.com
CANTIGAS SATÍRICAS
           Cantigas de maldizer

              Ao contrário da cantiga de escárnio, a cantiga de
              maldizer traz uma sátira direta e sem duplos
              sentidos. É comum a agressão verbal à pessoa
              satirizada, e muitas vezes, são utilizados até
              palavrões. O nome da pessoa satirizada pode ou
              não ser revelado.




  13
13 de 16   professorolivaldo@gmail.com
Marinha, o teu folgar
              tenho eu por desacertado,
              e ando maravilhado
              de te não ver rebentar;
              pois tapo com esta minha
              boca, a tua boca, Marinha;
              e com este nariz meu,
              tapo eu, Marinha, o teu;
              com as mãos tapo as orelhas,
              os olhos e as sobrancelhas,
              tapo-te ao primeiro sono;
              com a minha piça o teu cono;
              e como o não faz nenhum,
              com os colhões te tapo o cu.
              E não rebentas, Marinha?
              (Afonso Eanes de Coton)

  14
14 de 16   professorolivaldo@gmail.com
CANTIGAS DE MALDIZER
           Características



            Crítica direta, geralmente a pessoa satirizada é
             identificada;
            Linguagem agressiva, direta, por vezes obscena;
            Zombaria.




  15
15 de 16   professorolivaldo@gmail.com
Referências

              CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C., Português:
              linguagens I. São Paulo: Atual, 2005.
              http://pt.wikipedia.org/wiki/Trovadorismo (acesso
              em 17/10/2011)
              http://cseabra.utopia.com.br/poesia/poesias/0012
              .html (acesso em 19/10/2011)




  16
16 de 16   professorolivaldo@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
Isabel DA COSTA
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
713773
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
Delfina Vernuccio
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
Isabel Martins
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Crónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptxCrónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptx
IriaVasconcelos
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
Célia Gonçalves
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
gracacruz
 

Mais procurados (20)

A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Crónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptxCrónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptx
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 

Semelhante a Cantigas trovadorescas

Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Aparecida Mallagoli
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Aparecida Mallagoli
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Aparecida Mallagoli
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
resumo-exame-10oano.pdf
resumo-exame-10oano.pdfresumo-exame-10oano.pdf
resumo-exame-10oano.pdf
AdliaMarques5
 
Trovadorismo português
Trovadorismo portuguêsTrovadorismo português
Trovadorismo português
Ana Karina Silva
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Flávia Andrade
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Guilherme Jésus
 
Ficha_de_consolidacao_Poesia_Trovadoresc.pdf
Ficha_de_consolidacao_Poesia_Trovadoresc.pdfFicha_de_consolidacao_Poesia_Trovadoresc.pdf
Ficha_de_consolidacao_Poesia_Trovadoresc.pdf
MariaMargaridaPereir5
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Kamila Barros
 
4.-Trovadorismo.pdf
4.-Trovadorismo.pdf4.-Trovadorismo.pdf
4.-Trovadorismo.pdf
TicianeRibeiro2
 
CANTIGAS_LIRICAS_E_SATIRICAS_(e__MPB).pdf
CANTIGAS_LIRICAS_E_SATIRICAS_(e__MPB).pdfCANTIGAS_LIRICAS_E_SATIRICAS_(e__MPB).pdf
CANTIGAS_LIRICAS_E_SATIRICAS_(e__MPB).pdf
JoyCosta6
 
Resumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesaResumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesa
Rosário Pinto
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Luciana Santos
 

Semelhante a Cantigas trovadorescas (20)

Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
resumo-exame-10oano.pdf
resumo-exame-10oano.pdfresumo-exame-10oano.pdf
resumo-exame-10oano.pdf
 
Trovadorismo português
Trovadorismo portuguêsTrovadorismo português
Trovadorismo português
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Ficha_de_consolidacao_Poesia_Trovadoresc.pdf
Ficha_de_consolidacao_Poesia_Trovadoresc.pdfFicha_de_consolidacao_Poesia_Trovadoresc.pdf
Ficha_de_consolidacao_Poesia_Trovadoresc.pdf
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
4.-Trovadorismo.pdf
4.-Trovadorismo.pdf4.-Trovadorismo.pdf
4.-Trovadorismo.pdf
 
CANTIGAS_LIRICAS_E_SATIRICAS_(e__MPB).pdf
CANTIGAS_LIRICAS_E_SATIRICAS_(e__MPB).pdfCANTIGAS_LIRICAS_E_SATIRICAS_(e__MPB).pdf
CANTIGAS_LIRICAS_E_SATIRICAS_(e__MPB).pdf
 
Resumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesaResumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesa
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Mais de Olivaldo Ferreira

Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
Olivaldo Ferreira
 
A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
Olivaldo Ferreira
 
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIAINTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
Olivaldo Ferreira
 
A linguagem publicitária
A linguagem publicitáriaA linguagem publicitária
A linguagem publicitária
Olivaldo Ferreira
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
Olivaldo Ferreira
 
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUALAVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
Olivaldo Ferreira
 
Cultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letradaCultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letrada
Olivaldo Ferreira
 
Principais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Principais dificuldades relativas à Língua PortuguesaPrincipais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Principais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Olivaldo Ferreira
 
Realismo
RealismoRealismo
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
Olivaldo Ferreira
 
Atividades do livro correção
Atividades do livro   correçãoAtividades do livro   correção
Atividades do livro correção
Olivaldo Ferreira
 
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Olivaldo Ferreira
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
Olivaldo Ferreira
 
Humanismo - introdução
Humanismo - introduçãoHumanismo - introdução
Humanismo - introdução
Olivaldo Ferreira
 
Desenvolvimento do parágrafo
Desenvolvimento do parágrafoDesenvolvimento do parágrafo
Desenvolvimento do parágrafo
Olivaldo Ferreira
 
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
Olivaldo Ferreira
 
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Olivaldo Ferreira
 

Mais de Olivaldo Ferreira (17)

Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
 
A ARTE BARROCA
A ARTE BARROCAA ARTE BARROCA
A ARTE BARROCA
 
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIAINTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
INTRODUÇÃO À LINGUAGEM LITERÁRIA
 
A linguagem publicitária
A linguagem publicitáriaA linguagem publicitária
A linguagem publicitária
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
 
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUALAVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
AVALIAÇÃO E REVISÃO TEXTUAL
 
Cultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letradaCultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letrada
 
Principais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Principais dificuldades relativas à Língua PortuguesaPrincipais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
Principais dificuldades relativas à Língua Portuguesa
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Atividades do livro correção
Atividades do livro   correçãoAtividades do livro   correção
Atividades do livro correção
 
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
Apresentação reunião Ifes VNI 25/07/12
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
 
Humanismo - introdução
Humanismo - introduçãoHumanismo - introdução
Humanismo - introdução
 
Desenvolvimento do parágrafo
Desenvolvimento do parágrafoDesenvolvimento do parágrafo
Desenvolvimento do parágrafo
 
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
(Comunicação Empresarial) Comunicação oral no contexto empresarial
 
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
Linguagem, comunicação e interação (15/02/2012)
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 

Cantigas trovadorescas

  • 1. TROVADORISMO - CANTIGAS Ifes campus Venda Nova do Imigrante Disciplina: Literatura Portuguesa Prof.: Olivaldo Marques
  • 2. Índice Cantigas................................................................03 Cantigas líricas........................................................04 Cantigas de amor......................................................06 Cantigas de amigo.....................................................09 Cantigas satíricas......................................................10 Cantigas de escárnio..................................................12 professorolivaldo@gmail.com 2 de 16 Cantigas de
  • 3. CANTIGAS As cantigas foram cultivadas tanto no gênero lírico quanto no satírico: Líricas a) Cantigas de amor; b) Cantigas de amigo. Satíricas a) Cantigas de escárnio; b) Cantigas de maldizer. 3 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 4. Cantigas Líricas Cantigas de amor O cavalheiro se dirige à mulher amada como uma figura idealizada, distante. O poeta, na posição de fiel vassalo, se põe a serviço de sua senhora, dama da corte, tornando esse amor um objeto de sonho, distante, impossível. Mas nunca consegue conquistá-la, porque tem medo e também porque ela rejeita tua canção. Essa relação amorosa vertical é chamada "vassalagem amorosa", pois reproduz as relações dos vassalos com os seus senhores 4 4 de 16 feudais. professorolivaldo@gmail.com
  • 5. A dona que eu am'e tenho por Senhor amostrade-me-a Deus, se vos en prazer for, se non dade-me-a morte. A que tenh'eu por lume d'estes olhos meus e porque choran sempr(e) amostrade-me-a Deus, se non dade-me-a morte. Essa que Vós fezestes melhor parecer de quantas sei, a Deus, fazede-me-a veer, se non dade-me-a morte. A Deus, que me-a fizestes mais amar, mostrade-me-a algo possa con ela falar, se non dade-me-a morte. (Bernal de Bonaval) 5 5 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 6. Cantigas de amor Características:  Eu lírico masculino;  Assunto principal: o sofrimento amoroso do eu lírico perante uma mulher idealizada e distante;  Amor cortês (pág. 88);  Amor impossível;  Ambientação aristocrática das cortes;  Vassalagem amorosa >> o eu lírico usa o pronome de tratamento "senhora". 6 6 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 7. Cantigas Líricas Cantigas de amigo O eu lírico é uma mulher que canta seu amor pelo amigo (isto é, namorado), muitas vezes em ambiente natural, e muitas vezes também em diálogo com sua mãe, suas amigas ou com elementos da natureza. A figura feminina que as cantigas de amigo desenham é, pois, a da jovem que se inicia no universo do amor, por vezes lamentando a ausência do amado, por vezes cantando a sua alegria pelo próximo encontro. Outra diferença da cantiga de amigo para a de amor, é que na cantiga de amigo não há a relação suserano x vassalo. Ela é uma mulher do povo. Muitas vezes tal cantiga também revelava a tristeza da mulher, pela 7 7 de 16 ida de seu amado à guerra (referência ao contexto professorolivaldo@gmail.com histórico).
  • 8. "Ai flores, ai flores do verde pino, se sabedes novas do meu amigo! ai Deus, e u é? Ai flores, ai flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amado! ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquel que mentiu do que pôs comigo! ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amado, aquel que mentiu do que mi há jurado! ai Deus, e u é?" (...) (D. Dinis) 8 8 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 9. CANTIGAS DE AMIGO Características  Eu lírico feminino;  Predomínio da musicalidade;  Assunto principal: o lamento da moça cujo namorado partiu;  Amor natural e espontâneo;  Amor possível;  Ambientação popular rural ou urbana;  Influência da tradição oral ibérica. 9 9 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 10. CANTIGAS SATÍRICAS Cantigas de escárnio A sátira, neste tipo de cantiga, era indireta, cheia de duplos sentidos. As cantigas de escárnio definem-se, pois, como sendo aquelas feitas pelos trovadores para falar mal de alguém, por meio de ambiguidades, trocadilhos e jogos semânticos. A cantiga de escárnio, exigindo unicamente a alusão indireta e velada, para que o destinatário não seja reconhecido, estimula a imaginação do ouvinte e sugere à cantiga uma expressão irônica, embora, por vezes, bastante mordaz. 10 10 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 11. Ai, dona fea, foste-vos queixar que vos nunca louv[o] em meu cantar; mais ora quero fazer um cantar em que vos loarei toda via; e vedes como vos quero loar: dona fea, velha e sandia! (...) (Joan Garcia de Guilhade) 11 11 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 12. CANTIGAS DE ESCÁRNIO Características  Crítica indireta, normalmente a pessoa satirizada não é identificada;  Linguagem trabalhada, cheia de sutilezas, trocadilho e ambiguidades;  Ironia. 12 12 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 13. CANTIGAS SATÍRICAS Cantigas de maldizer Ao contrário da cantiga de escárnio, a cantiga de maldizer traz uma sátira direta e sem duplos sentidos. É comum a agressão verbal à pessoa satirizada, e muitas vezes, são utilizados até palavrões. O nome da pessoa satirizada pode ou não ser revelado. 13 13 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 14. Marinha, o teu folgar tenho eu por desacertado, e ando maravilhado de te não ver rebentar; pois tapo com esta minha boca, a tua boca, Marinha; e com este nariz meu, tapo eu, Marinha, o teu; com as mãos tapo as orelhas, os olhos e as sobrancelhas, tapo-te ao primeiro sono; com a minha piça o teu cono; e como o não faz nenhum, com os colhões te tapo o cu. E não rebentas, Marinha? (Afonso Eanes de Coton) 14 14 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 15. CANTIGAS DE MALDIZER Características  Crítica direta, geralmente a pessoa satirizada é identificada;  Linguagem agressiva, direta, por vezes obscena;  Zombaria. 15 15 de 16 professorolivaldo@gmail.com
  • 16. Referências CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C., Português: linguagens I. São Paulo: Atual, 2005. http://pt.wikipedia.org/wiki/Trovadorismo (acesso em 17/10/2011) http://cseabra.utopia.com.br/poesia/poesias/0012 .html (acesso em 19/10/2011) 16 16 de 16 professorolivaldo@gmail.com