SlideShare uma empresa Scribd logo
SEQUÊNCIA DIDÁTICA COM
GÊNERO TEXTUAL CONTO
Texto “Pausa”- Moacyr Scliar
Disciplina: Língua Portuguesa
Público Alvo: 9º Ano / Ensino Fundamental
Tempo previsto: 6 a 8 aulas
• Competências e habilidades:saber organizar
informações sobre um mesmo tema,retiradas de
textos ou fontes diferentes;escutar e falar
respeitando o tempo do outro e o próprio;coletar,
relacionar e anotar informações; trabalhar de
maneira cooperativa; observar, investigar, refletir
e propor soluções para os problemas; escrever
resenhas e artigos de opinião utilizando os
conhecimentos adquiridos sobre textos
argumentativos.
• Avaliação: exposição oral de dados e opiniões
sobre textos lidos; elaboração de respostas
escritas a partir de questões sobre
entendimentos de textos; discussão oral sobre o
filme assistido; produção de resenha e artigo de
opinião .
ETAPA 1
ETAPA 1 - ATIVAÇÃO DE
CONHECIMENTOS PRÉVIOS
• O que é um conto?
• O que é uma pausa?
• Em que momento do seu dia é necessário dar uma
pausa?
• O que é rotina?
• O que podemos esperar de um conto intitulado
pausa?
ETAPA 2
ETAPA 2 – INFERÊNCIAS
A seguir, vamos ler o conto dividido em três
partes.
PAUSA
MOACYR SCLIAR
Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para o banheiro, fez a
barba e lavou-se. Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava na cozinha, preparando
sanduíches, quando a mulher apareceu,bocejando:
— Vais sair de novo, Samuel?
Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha a fronte calva; mas as sobrancelhas eram
espessas, a barba, embora recém-feita, deixava ainda no rosto uma sombra azulada. O
conjunto era uma máscara escura.
— Todos os domingos tu sais cedo — observou a mulher com azedume na voz.
— Temos muito trabalho no escritório — disse o marido, secamente.
Ela olhou os sanduíches:
— Por que não vens almoçar?
— Já te disse; muito trabalho. Não há tempo. Levo um lanche.
A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse à carga. Samuel pegou o chapéu:
— Volto de noite.
As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samuel tirou o carro da garagem. Guiava
vagarosamente; ao longo do cais, olhando os guindastes, as barcaças atracadas.
Estacionou o carro numa travessa quieta. Como pacote de sanduíches debaixo do braço,
caminhou apressadamente duas quadras. Deteve-se ao chegar a um hotel pequeno e sujo.
Olhou para os lados e entrou furtivamente. Bateu com as chaves do carro no balcão,
acordando um homenzinho que dormia sentado numa poltrona rasgada. Era o gerente.
Esfregando os olhos, pôs-se de pé:
— Ah! Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje. Friozinho bom este, não é? A gente...
— Estou com pressa, seu Raul - atalhou Samuel.
— Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre. - Estendeu a chave.
Depois dessa reflexão, podemos voltar ao conto.
a) O que você imagina que
Samuel fora fazer naquele hotel?
b) Qual era o motivo de sua
pressa?
c) Por que ele se apresentou com
outro nome para o gerente do
hotel?
Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante. Ao chegar ao último andar,
duas mulheres gordas, de chambre floreado, olharam-no com curiosidade:
— Aqui, meu bem! - uma gritou, e riu; um cacarejo curto.
Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta à chave. Era um aposento
pequeno: uma cama de casal, um guarda-roupa de pinho; a um canto, uma bacia
cheia d'água, sobre um tripé. Samuel correu as cortinas esfarrapadas, tirou do
bolso um despertador de viagem, deu corda e colocou-o na mesinha de cabeceira.
Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenho franzido; com um suspiro,
tirou o casaco e os sapatos, afrouxou a gravata.
Sentado na cama, comeu vorazmente quatro sanduíches. Limpou os dedos no
papel de embrulho, deitou-se e fechou os olhos.
Dormir.
Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava a mover-se: os automóveis
buzinando, os jornaleiros gritando, os sons longínquos.
Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou um círculo luminoso no chão
carcomido.
Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa. Perseguido por um
índio montado a cavalo. No quarto abafado ressoava o galope. No planalto da
testa, nas colinas do ventre, no vale entre as pernas, corriam. Samuel mexia-se e
resmungava. Às duas e meia da tarde sentiu uma dor lancinante nas costas.
Sentou-se na cama, os olhos esbugalhados; índio acabara de traspassá-lo com a
lança Esvaindo-se em sangue, molhado de suor. Samuel tombou lentamente: ouviu
o apito soturno de um vapor. Depois, silêncio.
Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para a bacia,
lavou-se. Vestiu-se rapidamente e saiu. Sentado numa poltrona, o gerente lia uma
revista.
- Já vai, seu Isidoro?
- Já - disse Samuel, entregando a chave. Pagou, conferiu o troco em silêncio.
- Até domingo que vem seu Isidoro - disse o gerente.
- Não sei se virei - respondeu Samuel, olhando pela porta; a noite caía.
- O senhor diz isto, mas volta sempre - observou o homem, rindo.
Samuel saiu.
VAMOS PARAR NOVAMENTE
PARA MAIS UMA PEQUENA
REFLEXÃO.
Ao longo do cais, guiava lentamente. Parou
um instante, ficou olhando os guindastes recortados
contra o céu avermelhado. Depois, seguiu. Para casa.
d) Por que Samuel saía de casa
aos domingos, apenas para
dormir no hotel?
e) O que você acha que vai
acontecer a seguir no conto?
ETAPA 3
ETAPA 3 – REFLEXÃO
• Escreva uma opinião a respeito do final
do conto. Para ajudá-lo na reflexão,
discuta com seus colegas em classe, o
que as pessoas devem fazer, para fugir
da rotina, do estresse do dia a dia, pois
a sociedade condiciona o homem e
mesmo que se tente fugir dela é inútil.
•Dica para o professor: Caso seja
possível, pode-se utilizar a ferramenta
de dicionário on-line para pesquisar as
palavras desconhecidas no texto.
ETAPA 4
ETAPA 4 – RECUPERANDO O
CONTEXTO DE PRODUÇÃO DE
TEXTO
Pesquise a biografia do autor Moacyr Scliar
ETAPA 5
ETAPA 5 – UTILIZAÇÃO DE
MÍDIAS
• O professor fará a reprodução da
música: COTIDIANO. Versão - Seu Jorge, leia a letra e
procure identificar o tema central.
• Discussão oral: Discuta com os colegas: há semelhanças
entre o conto e a letra da música? Quais?
Filme: Como se fosse a primeira vez
ETAPA 6
ETAPA 6 – PRODUÇÃO ESCRITA
1-) A tarefa de vocês agora, é digitar uma resenha
do filme Como se fosse a primeira vez, na SAI e
postar no blog. (trabalho em duplas)
2-)Você deve escrever um artigo de opinião,
discorrendo e posicionando-se sobre a questão do
estresse causado pela rotina do nosso dia a dia.
3-)De acordo com a orientação do professor , em
grupos, vocês vão imaginar o que aconteceu com o
homem ,depois que ele voltou para casa .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
Andrea Dutra
 
Prova de língua portuguesa coesão referencial e sequencial
Prova de língua portuguesa   coesão referencial e sequencialProva de língua portuguesa   coesão referencial e sequencial
Prova de língua portuguesa coesão referencial e sequencial
Miriam599424
 
Jogos de-lingua-portuguesa
Jogos de-lingua-portuguesaJogos de-lingua-portuguesa
Jogos de-lingua-portuguesa
Jorge Luciano
 
E trabalhar poesia em sala de aula
E trabalhar poesia em sala de aulaE trabalhar poesia em sala de aula
E trabalhar poesia em sala de aula
Marcos Antonio Leopoldino
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
becastanheiradepera
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Quem conta um conto aumenta um ponto port.
Quem conta um conto aumenta um ponto port.Quem conta um conto aumenta um ponto port.
Quem conta um conto aumenta um ponto port.
Angela Fernandes
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
Maurício Marques
 
Estratégias de leitura 9 ano
Estratégias de leitura 9 anoEstratégias de leitura 9 ano
Estratégias de leitura 9 ano
pedagogicosjdelrei
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
A. Simoes
 
Conto
ContoConto
Slide d20-aula-sexta-feira
Slide d20-aula-sexta-feiraSlide d20-aula-sexta-feira
Slide d20-aula-sexta-feira
Fabrício Linhares
 
Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
Cynthia Funchal
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
Eliete Sampaio Farneda
 
Características do texto dramático
Características do texto dramáticoCaracterísticas do texto dramático
Características do texto dramático
Vanda Marques
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
Professor Rômulo Viana
 
Conto
ContoConto
Gênero Cronica
Gênero Cronica Gênero Cronica
Gênero Cronica
Lineia Bertollo
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 

Mais procurados (20)

AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
 
Prova de língua portuguesa coesão referencial e sequencial
Prova de língua portuguesa   coesão referencial e sequencialProva de língua portuguesa   coesão referencial e sequencial
Prova de língua portuguesa coesão referencial e sequencial
 
Jogos de-lingua-portuguesa
Jogos de-lingua-portuguesaJogos de-lingua-portuguesa
Jogos de-lingua-portuguesa
 
E trabalhar poesia em sala de aula
E trabalhar poesia em sala de aulaE trabalhar poesia em sala de aula
E trabalhar poesia em sala de aula
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Quem conta um conto aumenta um ponto port.
Quem conta um conto aumenta um ponto port.Quem conta um conto aumenta um ponto port.
Quem conta um conto aumenta um ponto port.
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 
Estratégias de leitura 9 ano
Estratégias de leitura 9 anoEstratégias de leitura 9 ano
Estratégias de leitura 9 ano
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Slide d20-aula-sexta-feira
Slide d20-aula-sexta-feiraSlide d20-aula-sexta-feira
Slide d20-aula-sexta-feira
 
Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Características do texto dramático
Características do texto dramáticoCaracterísticas do texto dramático
Características do texto dramático
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Gênero Cronica
Gênero Cronica Gênero Cronica
Gênero Cronica
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 

Destaque

Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
guestd9a4ef3c
 
Gênero textual Conto
Gênero textual ContoGênero textual Conto
Gênero textual Conto
Jomari
 
Apostila sobre elaboração de relatórios
Apostila sobre elaboração de relatóriosApostila sobre elaboração de relatórios
Apostila sobre elaboração de relatórios
Kauê Monteiro
 
Língua portuguesa 5 ano
Língua portuguesa  5 anoLíngua portuguesa  5 ano
Língua portuguesa 5 ano
Silvânia Silveira
 
dedução e indução
dedução e induçãodedução e indução
dedução e indução
Lucas Barbosa
 
conto tradicional-popular
 conto tradicional-popular conto tradicional-popular
conto tradicional-popular
sesal
 

Destaque (6)

Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 
Gênero textual Conto
Gênero textual ContoGênero textual Conto
Gênero textual Conto
 
Apostila sobre elaboração de relatórios
Apostila sobre elaboração de relatóriosApostila sobre elaboração de relatórios
Apostila sobre elaboração de relatórios
 
Língua portuguesa 5 ano
Língua portuguesa  5 anoLíngua portuguesa  5 ano
Língua portuguesa 5 ano
 
dedução e indução
dedução e induçãodedução e indução
dedução e indução
 
conto tradicional-popular
 conto tradicional-popular conto tradicional-popular
conto tradicional-popular
 

Semelhante a Sequência didática com gênero textual conto

Aula mgme alessandra
Aula mgme alessandraAula mgme alessandra
Aula mgme alessandra
giselemmlopes
 
Aula mgme abre
Aula mgme abreAula mgme abre
Aula mgme abre
lesrodriguesedassan
 
Aula mgme abre
Aula mgme abreAula mgme abre
Aula mgme abre
lesrodriguesedassan
 
Sa pausa (sabrina)
Sa  pausa (sabrina)Sa  pausa (sabrina)
Sa pausa (sabrina)
Roberta Marcon
 
Situação de aprendizagem curso mgme -pausa (sabrina) - cópia
Situação de aprendizagem   curso mgme -pausa (sabrina) - cópiaSituação de aprendizagem   curso mgme -pausa (sabrina) - cópia
Situação de aprendizagem curso mgme -pausa (sabrina) - cópia
Roberta Marcon
 
Aula mgme abre
Aula mgme abreAula mgme abre
Aula mgme abre
Leonardo Teixeira
 
Manuel bandeira cotidiano (1)
Manuel bandeira cotidiano (1)Manuel bandeira cotidiano (1)
Manuel bandeira cotidiano (1)
nagelavdb
 
Situação de aprendizagem Lucilene
Situação de aprendizagem LucileneSituação de aprendizagem Lucilene
Situação de aprendizagem Lucilene
maragsilva
 
Sequência didática crônica pausa
Sequência didática   crônica pausaSequência didática   crônica pausa
Sequência didática crônica pausa
Maria Angelica botoni de souza
 
Situação de aprendizagem 2
Situação de aprendizagem 2Situação de aprendizagem 2
Situação de aprendizagem 2
Luciane Blanco
 
Conto -Pausa
Conto -PausaConto -Pausa
Conto -Pausa
1j2uliana
 
Conto
ContoConto
Conto 2
Conto 2Conto 2
Leda aula
Leda   aulaLeda   aula
Leda aula
ledamaria891952
 
Leda aula
Leda   aulaLeda   aula
Leda aula
ledamaria891952
 
Construção de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagemConstrução de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagem
Rosângela Faria
 
Construção de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagemConstrução de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagem
2628330
 
Construção de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagemConstrução de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagem
2628330
 
Pausa
PausaPausa
Sa blog
Sa blogSa blog
Sa blog
Iamara Dias
 

Semelhante a Sequência didática com gênero textual conto (20)

Aula mgme alessandra
Aula mgme alessandraAula mgme alessandra
Aula mgme alessandra
 
Aula mgme abre
Aula mgme abreAula mgme abre
Aula mgme abre
 
Aula mgme abre
Aula mgme abreAula mgme abre
Aula mgme abre
 
Sa pausa (sabrina)
Sa  pausa (sabrina)Sa  pausa (sabrina)
Sa pausa (sabrina)
 
Situação de aprendizagem curso mgme -pausa (sabrina) - cópia
Situação de aprendizagem   curso mgme -pausa (sabrina) - cópiaSituação de aprendizagem   curso mgme -pausa (sabrina) - cópia
Situação de aprendizagem curso mgme -pausa (sabrina) - cópia
 
Aula mgme abre
Aula mgme abreAula mgme abre
Aula mgme abre
 
Manuel bandeira cotidiano (1)
Manuel bandeira cotidiano (1)Manuel bandeira cotidiano (1)
Manuel bandeira cotidiano (1)
 
Situação de aprendizagem Lucilene
Situação de aprendizagem LucileneSituação de aprendizagem Lucilene
Situação de aprendizagem Lucilene
 
Sequência didática crônica pausa
Sequência didática   crônica pausaSequência didática   crônica pausa
Sequência didática crônica pausa
 
Situação de aprendizagem 2
Situação de aprendizagem 2Situação de aprendizagem 2
Situação de aprendizagem 2
 
Conto -Pausa
Conto -PausaConto -Pausa
Conto -Pausa
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Conto 2
Conto 2Conto 2
Conto 2
 
Leda aula
Leda   aulaLeda   aula
Leda aula
 
Leda aula
Leda   aulaLeda   aula
Leda aula
 
Construção de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagemConstrução de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagem
 
Construção de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagemConstrução de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagem
 
Construção de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagemConstrução de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagem
 
Pausa
PausaPausa
Pausa
 
Sa blog
Sa blogSa blog
Sa blog
 

Sequência didática com gênero textual conto

  • 1. SEQUÊNCIA DIDÁTICA COM GÊNERO TEXTUAL CONTO Texto “Pausa”- Moacyr Scliar
  • 2. Disciplina: Língua Portuguesa Público Alvo: 9º Ano / Ensino Fundamental Tempo previsto: 6 a 8 aulas
  • 3. • Competências e habilidades:saber organizar informações sobre um mesmo tema,retiradas de textos ou fontes diferentes;escutar e falar respeitando o tempo do outro e o próprio;coletar, relacionar e anotar informações; trabalhar de maneira cooperativa; observar, investigar, refletir e propor soluções para os problemas; escrever resenhas e artigos de opinião utilizando os conhecimentos adquiridos sobre textos argumentativos. • Avaliação: exposição oral de dados e opiniões sobre textos lidos; elaboração de respostas escritas a partir de questões sobre entendimentos de textos; discussão oral sobre o filme assistido; produção de resenha e artigo de opinião .
  • 5. ETAPA 1 - ATIVAÇÃO DE CONHECIMENTOS PRÉVIOS • O que é um conto? • O que é uma pausa? • Em que momento do seu dia é necessário dar uma pausa? • O que é rotina? • O que podemos esperar de um conto intitulado pausa?
  • 7. ETAPA 2 – INFERÊNCIAS A seguir, vamos ler o conto dividido em três partes.
  • 8. PAUSA MOACYR SCLIAR Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para o banheiro, fez a barba e lavou-se. Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava na cozinha, preparando sanduíches, quando a mulher apareceu,bocejando: — Vais sair de novo, Samuel? Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha a fronte calva; mas as sobrancelhas eram espessas, a barba, embora recém-feita, deixava ainda no rosto uma sombra azulada. O conjunto era uma máscara escura. — Todos os domingos tu sais cedo — observou a mulher com azedume na voz. — Temos muito trabalho no escritório — disse o marido, secamente. Ela olhou os sanduíches: — Por que não vens almoçar? — Já te disse; muito trabalho. Não há tempo. Levo um lanche. A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse à carga. Samuel pegou o chapéu: — Volto de noite. As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samuel tirou o carro da garagem. Guiava vagarosamente; ao longo do cais, olhando os guindastes, as barcaças atracadas. Estacionou o carro numa travessa quieta. Como pacote de sanduíches debaixo do braço, caminhou apressadamente duas quadras. Deteve-se ao chegar a um hotel pequeno e sujo. Olhou para os lados e entrou furtivamente. Bateu com as chaves do carro no balcão, acordando um homenzinho que dormia sentado numa poltrona rasgada. Era o gerente. Esfregando os olhos, pôs-se de pé: — Ah! Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje. Friozinho bom este, não é? A gente... — Estou com pressa, seu Raul - atalhou Samuel. — Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre. - Estendeu a chave.
  • 9. Depois dessa reflexão, podemos voltar ao conto. a) O que você imagina que Samuel fora fazer naquele hotel? b) Qual era o motivo de sua pressa? c) Por que ele se apresentou com outro nome para o gerente do hotel?
  • 10. Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante. Ao chegar ao último andar, duas mulheres gordas, de chambre floreado, olharam-no com curiosidade: — Aqui, meu bem! - uma gritou, e riu; um cacarejo curto. Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta à chave. Era um aposento pequeno: uma cama de casal, um guarda-roupa de pinho; a um canto, uma bacia cheia d'água, sobre um tripé. Samuel correu as cortinas esfarrapadas, tirou do bolso um despertador de viagem, deu corda e colocou-o na mesinha de cabeceira. Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenho franzido; com um suspiro, tirou o casaco e os sapatos, afrouxou a gravata. Sentado na cama, comeu vorazmente quatro sanduíches. Limpou os dedos no papel de embrulho, deitou-se e fechou os olhos. Dormir. Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava a mover-se: os automóveis buzinando, os jornaleiros gritando, os sons longínquos. Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou um círculo luminoso no chão carcomido. Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa. Perseguido por um índio montado a cavalo. No quarto abafado ressoava o galope. No planalto da testa, nas colinas do ventre, no vale entre as pernas, corriam. Samuel mexia-se e resmungava. Às duas e meia da tarde sentiu uma dor lancinante nas costas. Sentou-se na cama, os olhos esbugalhados; índio acabara de traspassá-lo com a lança Esvaindo-se em sangue, molhado de suor. Samuel tombou lentamente: ouviu o apito soturno de um vapor. Depois, silêncio. Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para a bacia, lavou-se. Vestiu-se rapidamente e saiu. Sentado numa poltrona, o gerente lia uma revista. - Já vai, seu Isidoro? - Já - disse Samuel, entregando a chave. Pagou, conferiu o troco em silêncio. - Até domingo que vem seu Isidoro - disse o gerente. - Não sei se virei - respondeu Samuel, olhando pela porta; a noite caía. - O senhor diz isto, mas volta sempre - observou o homem, rindo. Samuel saiu.
  • 11. VAMOS PARAR NOVAMENTE PARA MAIS UMA PEQUENA REFLEXÃO. Ao longo do cais, guiava lentamente. Parou um instante, ficou olhando os guindastes recortados contra o céu avermelhado. Depois, seguiu. Para casa. d) Por que Samuel saía de casa aos domingos, apenas para dormir no hotel? e) O que você acha que vai acontecer a seguir no conto?
  • 13. ETAPA 3 – REFLEXÃO • Escreva uma opinião a respeito do final do conto. Para ajudá-lo na reflexão, discuta com seus colegas em classe, o que as pessoas devem fazer, para fugir da rotina, do estresse do dia a dia, pois a sociedade condiciona o homem e mesmo que se tente fugir dela é inútil. •Dica para o professor: Caso seja possível, pode-se utilizar a ferramenta de dicionário on-line para pesquisar as palavras desconhecidas no texto.
  • 15. ETAPA 4 – RECUPERANDO O CONTEXTO DE PRODUÇÃO DE TEXTO Pesquise a biografia do autor Moacyr Scliar
  • 17. ETAPA 5 – UTILIZAÇÃO DE MÍDIAS • O professor fará a reprodução da música: COTIDIANO. Versão - Seu Jorge, leia a letra e procure identificar o tema central. • Discussão oral: Discuta com os colegas: há semelhanças entre o conto e a letra da música? Quais? Filme: Como se fosse a primeira vez
  • 19. ETAPA 6 – PRODUÇÃO ESCRITA 1-) A tarefa de vocês agora, é digitar uma resenha do filme Como se fosse a primeira vez, na SAI e postar no blog. (trabalho em duplas) 2-)Você deve escrever um artigo de opinião, discorrendo e posicionando-se sobre a questão do estresse causado pela rotina do nosso dia a dia. 3-)De acordo com a orientação do professor , em grupos, vocês vão imaginar o que aconteceu com o homem ,depois que ele voltou para casa .