SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Sessão 3
16 de março, 2013
Amadora, Portugal
Pedagogia
empreendedora
2
Motivação
3
Metas & Objetivos
Desenvolver uma educação empreendedora
A orientação atenderá a três principais
resultados de aprendizagem:
•Entender as principais aprendizagens chave e
estratégias
•Desenvolver competências e formas de pensar
empreendedoras
•Elaborar as linhas gerais de um plano para a
Integração de uma educação empreendedora pela
escola
4
Modelo CRCL ou EPAC
Envolvimento da comunidade
Prática reflexiva
Ambiente de aprendizagem
Criatividade & Inovação
Atividade: Introdução ao Modelo CRCL
5
Modelo de aprendizagem empresarial
COMPETÊNCIAS - aprender a tornar-se um empreendedor
Planear; Organizar, Gerir; Lidar e delegar; Analisar; Comunicar;
Avaliar; Representação eficaz e negociação; Trabalho
individual; Trabalho de equipa; Avaliar e identificar os seus
pontos fortes e fracos; Avaliar e assumir riscos; Interligar ideias;
Mobilizar compromissos; Pensamento lateral
ATITUDES - aprender a ser empreendedor
Iniciativa; Independência e inovação em todos os aspetos da
vida; Motivação; Determinação para cumprir objetivos;
Propensão ao risco; Ambição/Mobilização; Persistência e
comprometimento; Autoconfiança; Autoeficácia;
Autoconsciência; Sentimento de ser capaz; Confiança social;
Criatividade e imaginação; Curiosidade; Tolerância com o erro.
CONHECIMENTO - aprender a compreender o
empreendedorismo
Sobre como identificar oportunidades
Sobre as questões gerais que explicam o contexto em que as
pessoas vivem e trabalham
Compreensão do funcionamento da economia
Posição ética das empresas
Processos de inovação e criatividade
O processo de empreendedorismo
INTENÇÃO
PROCURA E DESCOBERTA DE
OPORTUNIDADES
DECISÃO PARA EXPLORAR A
OPORTUNIDADE
EXPLORAÇÃO DA OPORTUNIDADE
PROATIVO
Procurar objetivos de forma ativa
INOVADOR
Procurar oportunidades
Lidar e saber viver com a incerteza
PROCESSO COMPORTAMENTO
MUDANÇA
Dispondo-se a ações de risco calculado em ambientes incertos
Respondendo de forma flexível a desafios
AÇÃO
Atuando de forma independente por iniciativa própria
Resolução criativa de problemas e conflitos
Persuadir os outros
Compromisso de fazer as coisas acontecer
6
Noções empreendedoras
O que é empreendedorismo?
Tipos de empreendedorismo?
O que significa ter mentalidade
empreendedora?
Qual a importância de ter uma educação
empreendedora?
7
Empreendedorismo
Definição de empreendedorismo segundo a
Harvard Business School
“A busca de oportunidades para além dos
recursos que atualmente se controlam.”
Provérbio chinês
“Dê um peixe a um homem, alimente-o por um
dia.
Ensine o homem a pescar e ele ficará alimentado
para uma vida.”
8
Empreendedorismo
O empreendedorismo combina:
 assunção do risco
 criatividade
 inovação
 boa gestão
 Uma educação empreendedora deve envolver os jovens,
no sistema de ensino
 autonomia
 pró-atividade
 perseverança
 autoconfiança
 O empreendedorismo é uma predisposição, uma atitude mental,
que pode desenvolver-se no seio de toda a sociedade.
9
Empreendedorismo
 O empreendedorismo recorre a características inerentes ao processo
de capacitação pessoal e social que se revelam essenciais para:
 Desenvolvimento pessoal
 Integração social
 Potenciar a criatividade
 Potenciar a inovação
 Potenciar a capacidade de intervenção
 Adaptação à evolução
 Capacidade de fazer uso mais eficiente dos recursos
 Com consequências importantes:
 A nível da cidadania
 A nível social
 A nível económico
10
Empreendedorismo
 Qual a diferença entre o empreendedorismo social e o
empreendedorismo empresarial?
 Empreendedorismo social:
 Produz bens e serviços para a comunidade
 Visa recuperar pessoas de situação de risco social e
promovê-las
 A medida de desempenho é o impacto social
11
Empreendedorismo
 Empreendedorismo empresarial:
 É individual
 É focalizado para a produção de bens e serviços para o
mercado
 Visa satisfazer as necessidades dos clientes e ampliar as
potencialidades do negócio
 A medida de desempenho é o lucro
 A necessidade de inovação é grande nas duas áreas
12
Empreendedorismo
 Objetivo Geral:
 Capacitar-vos para atitudes empreendedoras, através de três
vetores complementares:
 Capacitação pessoal
 Capacitação social
 Área da construção e planeamento de projetos
13
Empreendedorismo
 É necessário que os outros vejam valor na solução que se lhes propõe
 Através deste esforço, alguns empreendedores de sucesso
tornaram-se:
 Pessoas famosas
 Pessoas reconhecidas pelos seus contributos
 Pessoas satisfeitas por terem conseguido fazer o que
consideravam correto
Mas TODOS:
 Desenvolveram capacidades pessoais para além do que é vulgar
 Mudaram o estado das coisas à sua volta criando oportunidades
 Tornaram-se independentes em termos de emprego e
subsistência, tendo grande satisfação nisso
 Para ter sucesso como empreendedor é necessário satisfazer as
necessidades dos outros mais do que satisfazer uma ambição pessoal
14
Empreendedorismo
 Serem empreendedores significa igualmente que:
 Desenvolvem as vossas próprias capacidades para inovarem,
criarem e tomarem o vosso destino nas mãos
 Trabalharem para um objetivo e alcançarem esse objetivo o
que é muito motivador e dá vontade e confiança para irem mais
longe
 Para além de tudo isto, é divertido!
 Por isso…
 Uma boa forma para saberem se este projeto vos serve para
o vosso futuro é verificarem de vez em quando se se sentem
realizados e se estão a divertir-se com ele
15
Inovação
 Tudo existe graças à Inovação
 Tudo o que existe à nossa volta deve-se à iniciativa das pessoas
que aperfeiçoaram o produto e se asseguram de que o mesmo se
mantém disponível
16
Inovação
 Algumas coisas já são muito antigas e outras muito recentes
 No entanto, todas as coisas são melhoradas todos os dias…
 Por exemplo:
 Os primeiros telemóveis em Portugal há 20 anos:
 Custavam 2500 €
 Grandes
 Pesados
17
Inovação
 E os telemóveis em Portugal hoje, mostram evolução?
 Mostram sem dúvida, que houve muita inovação
18
Inovação
 A forma como nós usamos as coisas também se deve
a iniciativas
 Há muito tempo que se procura compreender como surgem:
 As iniciativas
 Os empreendedores
 Sabe-se que:
 Em que o empenho dos cidadãos é mais desenvolvido
 Em que a iniciativa cívica é mais desenvolvida
 A competitividade de um país depende da capacidade de novaçã
 A e o
são capazes de GRANDES impulsos de desenvolvimento
 As sociedades mais unidas e mais justas são aquelas:
19
Inovação
 Alguns exemplos…
 www.quercus.pt
 http://pumap.blogspot.com/
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Segway
 http://www.google.pt
 Uma iniciativa menos positiva:
20
Inovação
 Falhar é parte do jogo
 Toda a inovação se faz por:
 Erro
 Tentativa
 Só não erra quem nunca tentou, mas só:
 Se tem ideias inovadoras
 Se tem serviços inovadores
 Se tem produtos inovadores
 Depois de se ter tentado
21
Desmontar preconceitos
 E de facto ERAM!
 O que tinham de especial????
 TENTARAM
 Estas pessoas conseguiram melhorar alguma coisa
 Estas pessoas viram o sucesso das suas ideias
 O resultado do sucesso das suas ideias é para todos os que
usufruem dessa ideia
… que as pessoas que fizeram todas essas inovações eram especiais
 Talvez algum deles tenha sido vosso antepassado
 Porque não podes ser tu também inovador e empreendedor?
Podem
pensar…
22
Desmontar preconceitos
Podem
pensar…
… que as inovações só surgem através de:
 Grandes empresas
 Marcas famosas
 Pessoas que aparecem nos telejornais
 Uma parte fundamental do desenvolvimento de processos é
realizado por pessoas anónimas?
 Muitas empresas dão prémios aos colaboradores que
apresentam ideias para tornar um processo de
fabrico mais eficiente?
23
Desmontar preconceitos
 Mas a história mostra que não é assim:
 Os que têm iniciativa são aqueles que são capazes de
convencer outros a disponibilizar os meios
 E as boas iniciativas provam-se com poucos meios
… que as pessoas que têm iniciativas são aquelas que já
tinham meios para isso.
Podem
pensar…
24
Atitude
 Tomar parte nas propostas
 Acompanhar a evolução e saber influenciá-la
 Tirar proveito de novas oportunidades
 Num mundo em constante mudança é necessária uma
atitude pró-ativa para:
Os empreendedores com sucesso são aqueles que sabem
reconhecer novas oportunidades para oferecer:
 Novos produtos
 Novos serviços
E/ou…
 Que sabem reconhecer
 Novas maneiras de oferecer esses produtos ou serviços
 E que conseguem pôr em prática as suas ideias
25
Empreendedorismo
 Uma atitude de permanente procura de novas combinações
de recursos:
 Que consigam:
 E isto implica…
 Tecnológicos
 Materiais
 Humanos …
 Satisfazer necessidades
 Resolver problemas
 Exemplos:
 O empreendedorismo pode ser entendido como a prossecução
de oportunidades para além dos recursos atualmente controlados
26
Atividade
Exercício para fazerem durante a semana…
27
Pró-atividade
 A pro-atividade necessária ao empreendedorismo treina-se num
“ciclo virtuoso”, em que os próprios resultados obtidos estimulam
a procurar e alcançar novos resultados
28
Como construir objetivos/metas?
 Objetivo : Desenvolver a capacidade de compreender e comunicar
 Precisa de:
 Vamos lá dar um exemplo…
 Como?
 Jornal
 Uma pessoa que:
 Oiça o relato
 Com quem se verifique se ambos compreenderam a mensagem
 Ler assiduamente notícias de jornal e comunicar o seu
conteúdo a outras pessoas
 Para que se consiga atingir o objetivo, o importante é
compreender e ser compreendido
29
Objetivos pessoais
 Qual a vantagem de participar nesta atividade?
 Muitas das características necessárias ao empreendedorismo
são resultado de:
 Nossas escolhas
 Esforço pessoal
 Para terem êxito é necessário:
 Que os vossos objetivos pessoais sejam práticos
 Que se identifiquem com os objetivos
 Ou seja…
 Os objetivos têm que corresponder àquilo que querem ser
 Os objetivos têm que corresponder à forma que querem
estar na vida
30
Objetivos pessoais
Físicos: Servem para que tenham um corpo e hábitos
saudáveis.
Intelectuais: Servem para que exercitem e estimulem a mente,
preparando-vos para saberem tratar situações novas com
êxito.
Exemplo: Comer uma peça de fruta por dia
Exemplo: Ler 30 minutos por dia
Os objetivos pessoais devem abranger todas as áreas do
vosso desenvolvimento:
31
Objetivos pessoais
Exemplo: Reservar 5 minutos para pensar
no que fizeram
Emocionais: Pretendem que conheçam e controlem as vossas
emoções, de modo a que controlem os vossos
comportamentos.
Exemplo: Não fazer troça ou rebaixar
os outros
32
Competências
 Competências básicas necessárias ao empreendedorismo:
 Implicam:
 Humanas
 Pessoais
 Uma mentalidade empreendedora
 Um conjunto de competências
 Vamos começar a trabalhar as competências pessoais…
33
Competências
 Nesta atividade vão identificar-se competências de cada um
de nós, a explorar
 Atenção que:
 Qualquer um de nós tem características que podem ir de
encontro aos diferentes Perfis mas todos temos características
mais predominantes e que é a essas que o Perfil Pessoal de
cada um diz respeito
34
Competências
 Não há competências “femininas” e “masculinas”
 Atenção que:
 Nenhum perfil é melhor que outro e todos são necessários
O que é importante é que cada um conheça as suas
competências específicas para as poder valorizar mais
35
Qual o meu papel no grupo?
36
Qual o meu papel no grupo?
37
Qual o meu papel no grupo?
38
Qual o meu papel no grupo?
39
Qual o meu papel no grupo?
 As nossas diferenças individuais são:
 É importante a complementaridade entre os vários perfis, ou
seja, entre os vários elementos do grupo
 Atenção que:
 mais-valias pessoais de que cada um de nós pode tirar proveito
 marcas distintivas do funcionamento de cada um de nós
40
Qual o meu papel no grupo?
 Escrever agora numa folha
 O nosso perfil
 As competências associadas a esse perfil
41
Plano de melhorias pessoal
 Assumir
e
 Desenvolver
 As competências do nosso perfil pessoal
Ou seja…
 Durante a semana treinar à frente do
 A comunicação aos outros de qual é o nosso perfil
e
 Qual o nosso contributo para o grupo
O quê
42
Inovação
 Tudo à nossa volta se desenvolveu graças:
 a inovações permanentes
 à iniciativa de pôr em prática as ideias que tiveram
 Que as inovações se devem todas a:
 Génios
 Inventores
Podem
pensar…
43
Inovação
 Mas…
 A maior parte das inovações surge com trabalho em
EQUIPA
 As boas equipas são aquelas em que:
 As pessoas se complementam
 Todos estão sintonizados num mesmo objetivo
44
Trabalho de equipa
 Não há ninguém que tenha as qualidades todas para poder
fazer tudo sozinho
Porquê?
 Mas a equipa pode reunir essas qualidades
 É que…
 Todos temos qualidades diferentes
 TODAS elas são necessárias no processo de inovação
 E…
45
Trabalho de equipa
 Algumas pessoas têm muitas ideias
 No entanto, ter ideias só, não basta!
 O que é preciso???
 É preciso:
 Distinguir as boas ideias das más ideias
 Pôr as ideias em prática
 Por …
46
Trabalho de equipa
 Ou seja…
 Que pese as ideias e verifique que parte é que é aproveitável
 Que seja capaz de as pôr em prática
 Uma boa equipa tem de ter alguém:
 Que tenha
47
Trabalho de equipa
 É muito importante conhecerem as vossas qualidades, não só
pelo que elas valem, mas sobretudo para conhecerem a melhor
forma de trabalhar com outros em equipa
 As boas equipas NÃO SÃO aquelas em que todos os membros
têm o mesmo feitio e pensam todos da mesma maneira
 As boas equipas SÃO aquelas em que todos se completam e
se equilibram uns aos outros
48
Dinâmica
Os 12 Trabalhos de Hércules
49
Os 12 trabalhos de Hércules
 O que correu bem e o que correu mal?
 Porque cumpriram ou não cumpriram as tarefas?
 Quais as competências essenciais para trabalhar bem em equipa?
 Quais as vantagens do trabalho em equipa?
50
Trabalho de equipa
 O trabalho em equipa permite-nos atingir objetivos que
sozinhos não Conseguiríamos atingir
 O trabalho em equipa exige:
 Importa desenvolver a capacidade de distribuir tarefas em
conjunto com o grupo
 O trabalho em equipa exige que haja confiança no outro
 Articulação
 Coordenação
 Divisão de tarefas
 Responsabilidade de cada um
51
Criatividade
 A criatividade surge a maior parte das vezes de:
 Fazer associações inesperadas
 Questionar a prática corrente
 Observar a realidade circundante
 Experimentar e relacionar-se com pessoas diferentes
52
Criatividade
 Observação
 Experiência
 Uma boa rede de relações
e
 São as três questões fundamentais para inovar, sobretudo se
combinadas com:
53
Criatividade
Porquê?
 Pensem noutras formas de resolver a situação e procurem
descobrir se não era Melhor para todas as partes…
Porque não?
E se?
 Também é permitido sonhar: se tivessem uma “varinha mágica”
qual seria a solução que resolvia o problema a contento de todos?
 Tentem descobrir quem é que está envolvido na situação e
porque é que resolvem as coisas daquela maneira…
54
Criatividade
 Há também algumas estratégias que podemos utilizar:
 Escolhe-se um tema (por exemplo, que novidade é que falta
à comunidade?)
 Durante cinco minutos, todos lançam ideias, com total liberdade,
sem preocupação de serem boas ou más; Ninguém Critica!
Tempestade de Ideias
Brainstorming
Ideias novas
55
Criatividade
 Há também algumas estratégias que podemos utilizar:
 Alguém vai apontando todas as ideias num quadro ou papel
 Todos ajudam a agrupar as ideias, juntando as que forem
semelhantes ou tratarem da mesma coisa
 Todos pensam quais são os grupos de ideias mais interessantes,
que propõem maior inovação e que são realizáveis
Tempestade de Ideias
Brainstorming
Ideias novas
56
Criatividade
 Há também algumas estratégias que podemos utilizar:
 Pensem em outras situações que têm o mesmo tipo de
clientes (ou de fornecedores, ou qualquer outra restrição
semelhante à que te parece ser mais importante no nosso projeto)
 Vejam como é que eles resolveram o assunto
Analogia
 Vejam se pode aplicar a mesma solução ao vosso caso
Ideias novas
57
Criatividade
http://www.youtube.com/watch?v=u2BQbe_tLXc
http://www.youtube.com/watch?v=FB7vZyDgnC4
http://www.youtube.com/watch?v=Ti1PPd8ZU&noredirect=1
58
Dinâmica
59
Sim! Falhei!
 O que sentimos ao falhar ?
 Vamos analisar:
 Porque é que o sentimos ?
 Como é que é visto o fracasso na sociedade?
 Que significado é que teve esta dinâmica?
 O que aprendemos com esta dinâmica?
60
Criatividade
61
Criatividade
 Se esta ficha ficar em branco é porque nunca arriscaram fazer
alguma coisa nova…
 E a arriscar e a falhar também se aprende muita coisa importante!
 Não há que ter vergonha de falhar…
 Mas aprendemos também com as tentativas dos outros
 Pensem em tentativas que falharam e escrevam à frente o que
é que poderiam modificar para ter êxito
 Se considerarmos o fracasso como uma experiência de
aprendizagem deixará de ter poder sobre nós
62
Criatividade
 Se aprendermos com a experiência do fracasso, conduz-nos
para o sucesso
 Na realidade, os empreendedores aprendem mais com
fracassos do que com sucessos
 Frequentemente só aprendemos o que funciona quando
verificamos o que não funciona
 O velho provérbio chinês diz que:
“Fracassar não é cair mas recusar
levantar-se de novo”
63
Criatividade
 Há dois benefícios que se retiram do falhar:
 Primeiro, fica-se a saber o que não funciona
 Segundo, tem-se a oportunidade de tentar de modo diferente
 Entender a falha
e
 Conseguir guiar-se a si próprio e a outros através do “falhanço”
é
Parte da mentalidade e competências
de um empreendedor
64
Criatividade
 Um exemplo conhecido é o do inventor
 Edison falhou milhares de vezes até conseguir obter uma
lâmpada elétrica funcional
Thomas Alva Edison
 Conhecido pela invenção da Lâmpada elétrica
incandescente
 Qualquer outro teria visto em cada insucesso um fracasso
mas…
 Ele via um sucesso
65
Criatividade
 Porquê?
 Eliminava uma possibilidade
 Porque de cada vez que falhava:
e isso o aproximava mais do seu objetivo
 Redesenhava a peça
 Fazia ajustamentos
66
Criatividade
 Se Edison tivesse considerado o empreendedorismo um
fracasso, teria desistido e poderíamos hoje estar todos
ainda a ler à noite com lâmpadas de azeite
67
Tarefas a realizar
Encontre alguma inspiração
Que empreendedor tem dentro de si?
Aprendizagem takeaway
Reflexão "motivação no ensino"
Plano de aula e recursos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão empreendedorismo
Gestão empreendedorismoGestão empreendedorismo
Gestão empreendedorismo
Samira Magalhaes
 
Apostilha Empreendedorismo senai
Apostilha Empreendedorismo senaiApostilha Empreendedorismo senai
Apostilha Empreendedorismo senai
Johnatan Andrade
 
Gestão Empreendedora
Gestão EmpreendedoraGestão Empreendedora
Gestão Empreendedora
Marcelo Aparecido Sampaio
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Aula 1 empreendedorismo - conceitos iniciais
Aula 1   empreendedorismo - conceitos iniciaisAula 1   empreendedorismo - conceitos iniciais
Aula 1 empreendedorismo - conceitos iniciais
Fátima Azevedo
 
Tipos de empreendedores
Tipos de empreendedoresTipos de empreendedores
Tipos de empreendedores
Diego Alexandre da Silva
 
Empreendedorismo slides
Empreendedorismo   slidesEmpreendedorismo   slides
Empreendedorismo slides
Cristiano Souza
 
empreendedorismo
empreendedorismoempreendedorismo
empreendedorismo
Cursos Profissionalizantes
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no BrasilEmpreendedorismo no Brasil
Perfil Empreendedor
Perfil EmpreendedorPerfil Empreendedor
Perfil Empreendedor
UEG
 
Palestra Empreendedorismo 2009
Palestra Empreendedorismo 2009Palestra Empreendedorismo 2009
Palestra Empreendedorismo 2009
SEBRAE MS
 
Palestra Empreendedorismo: A importância do comportamento Empreendedor pra vo...
Palestra Empreendedorismo: A importância do comportamento Empreendedor pra vo...Palestra Empreendedorismo: A importância do comportamento Empreendedor pra vo...
Palestra Empreendedorismo: A importância do comportamento Empreendedor pra vo...
Rodrigo Ramos
 
Empreendedorismo capitulo-2
Empreendedorismo capitulo-2Empreendedorismo capitulo-2
Empreendedorismo capitulo-2
anderson3mp
 
Apostila empreendedorismo
Apostila   empreendedorismoApostila   empreendedorismo
Apostila empreendedorismo
Silvia Maria de Marins e Souza
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Nyedson Barbosa
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Mauricio Maulaz
 
Empreendedorismo corporativo aula 1 e 2 slides
Empreendedorismo corporativo   aula 1 e 2 slidesEmpreendedorismo corporativo   aula 1 e 2 slides
Empreendedorismo corporativo aula 1 e 2 slides
Edvaldo Eliezer Gomes da Silva
 
Empreendedorismo Corporativo
Empreendedorismo CorporativoEmpreendedorismo Corporativo
Empreendedorismo Corporativo
Leonardo_Dias
 
Slide empreendedorismo
Slide empreendedorismoSlide empreendedorismo

Mais procurados (20)

Gestão empreendedorismo
Gestão empreendedorismoGestão empreendedorismo
Gestão empreendedorismo
 
Apostilha Empreendedorismo senai
Apostilha Empreendedorismo senaiApostilha Empreendedorismo senai
Apostilha Empreendedorismo senai
 
Gestão Empreendedora
Gestão EmpreendedoraGestão Empreendedora
Gestão Empreendedora
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Aula 1 empreendedorismo - conceitos iniciais
Aula 1   empreendedorismo - conceitos iniciaisAula 1   empreendedorismo - conceitos iniciais
Aula 1 empreendedorismo - conceitos iniciais
 
Tipos de empreendedores
Tipos de empreendedoresTipos de empreendedores
Tipos de empreendedores
 
Empreendedorismo slides
Empreendedorismo   slidesEmpreendedorismo   slides
Empreendedorismo slides
 
empreendedorismo
empreendedorismoempreendedorismo
empreendedorismo
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Empreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no BrasilEmpreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no Brasil
 
Perfil Empreendedor
Perfil EmpreendedorPerfil Empreendedor
Perfil Empreendedor
 
Palestra Empreendedorismo 2009
Palestra Empreendedorismo 2009Palestra Empreendedorismo 2009
Palestra Empreendedorismo 2009
 
Palestra Empreendedorismo: A importância do comportamento Empreendedor pra vo...
Palestra Empreendedorismo: A importância do comportamento Empreendedor pra vo...Palestra Empreendedorismo: A importância do comportamento Empreendedor pra vo...
Palestra Empreendedorismo: A importância do comportamento Empreendedor pra vo...
 
Empreendedorismo capitulo-2
Empreendedorismo capitulo-2Empreendedorismo capitulo-2
Empreendedorismo capitulo-2
 
Apostila empreendedorismo
Apostila   empreendedorismoApostila   empreendedorismo
Apostila empreendedorismo
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Empreendedorismo corporativo aula 1 e 2 slides
Empreendedorismo corporativo   aula 1 e 2 slidesEmpreendedorismo corporativo   aula 1 e 2 slides
Empreendedorismo corporativo aula 1 e 2 slides
 
Empreendedorismo Corporativo
Empreendedorismo CorporativoEmpreendedorismo Corporativo
Empreendedorismo Corporativo
 
Slide empreendedorismo
Slide empreendedorismoSlide empreendedorismo
Slide empreendedorismo
 

Destaque

Ppt semana empreendedorismo
Ppt semana empreendedorismo Ppt semana empreendedorismo
Ppt semana empreendedorismo
Paulo Loiola
 
EMPREENDEDORISMO
EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO
EMPREENDEDORISMO
mat_empreendedora
 
Intraempreendedorismo e redes colaborativas
Intraempreendedorismo e redes colaborativasIntraempreendedorismo e redes colaborativas
Intraempreendedorismo e redes colaborativas
Carlos Pires
 
Empreendedorismo, Mercado De Trabalho E Empregabilidade
Empreendedorismo, Mercado De Trabalho E EmpregabilidadeEmpreendedorismo, Mercado De Trabalho E Empregabilidade
Empreendedorismo, Mercado De Trabalho E Empregabilidade
edner
 
Workshop de Empreendedorismo Corporativo
Workshop de Empreendedorismo CorporativoWorkshop de Empreendedorismo Corporativo
Workshop de Empreendedorismo Corporativo
josedornelas
 
Empreendedorismo e ética profissional
Empreendedorismo e ética profissionalEmpreendedorismo e ética profissional
Empreendedorismo e ética profissional
Denis Carlos Sodré
 
Empreendedorismo para Advogados
Empreendedorismo para AdvogadosEmpreendedorismo para Advogados
Empreendedorismo para Advogados
Fernando Finger Santiago
 
Pacote Acadêmico Empreende
Pacote Acadêmico EmpreendePacote Acadêmico Empreende
Pacote Acadêmico Empreende
josedornelas
 
Empreendedorismo, perfil empreendedor, mitos e verdades
Empreendedorismo, perfil empreendedor, mitos e verdadesEmpreendedorismo, perfil empreendedor, mitos e verdades
Empreendedorismo, perfil empreendedor, mitos e verdades
josedornelas
 
História e conceito do empreendedorismo
História e conceito do empreendedorismoHistória e conceito do empreendedorismo
História e conceito do empreendedorismo
Gustavo De Souza Gabriel
 
Empreendedorismo 1 e 2
Empreendedorismo 1 e 2Empreendedorismo 1 e 2
Empreendedorismo 1 e 2
siqueiralc
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
cattonia
 

Destaque (12)

Ppt semana empreendedorismo
Ppt semana empreendedorismo Ppt semana empreendedorismo
Ppt semana empreendedorismo
 
EMPREENDEDORISMO
EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO
EMPREENDEDORISMO
 
Intraempreendedorismo e redes colaborativas
Intraempreendedorismo e redes colaborativasIntraempreendedorismo e redes colaborativas
Intraempreendedorismo e redes colaborativas
 
Empreendedorismo, Mercado De Trabalho E Empregabilidade
Empreendedorismo, Mercado De Trabalho E EmpregabilidadeEmpreendedorismo, Mercado De Trabalho E Empregabilidade
Empreendedorismo, Mercado De Trabalho E Empregabilidade
 
Workshop de Empreendedorismo Corporativo
Workshop de Empreendedorismo CorporativoWorkshop de Empreendedorismo Corporativo
Workshop de Empreendedorismo Corporativo
 
Empreendedorismo e ética profissional
Empreendedorismo e ética profissionalEmpreendedorismo e ética profissional
Empreendedorismo e ética profissional
 
Empreendedorismo para Advogados
Empreendedorismo para AdvogadosEmpreendedorismo para Advogados
Empreendedorismo para Advogados
 
Pacote Acadêmico Empreende
Pacote Acadêmico EmpreendePacote Acadêmico Empreende
Pacote Acadêmico Empreende
 
Empreendedorismo, perfil empreendedor, mitos e verdades
Empreendedorismo, perfil empreendedor, mitos e verdadesEmpreendedorismo, perfil empreendedor, mitos e verdades
Empreendedorismo, perfil empreendedor, mitos e verdades
 
História e conceito do empreendedorismo
História e conceito do empreendedorismoHistória e conceito do empreendedorismo
História e conceito do empreendedorismo
 
Empreendedorismo 1 e 2
Empreendedorismo 1 e 2Empreendedorismo 1 e 2
Empreendedorismo 1 e 2
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 

Semelhante a PPT session 3 16032013

Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Viviane Martins Dos Reis
 
Manual empreendedorismo e competências empreendedoras
Manual empreendedorismo e competências empreendedorasManual empreendedorismo e competências empreendedoras
Manual empreendedorismo e competências empreendedoras
Elvira Lopes
 
emprendedorismo & inovação
emprendedorismo & inovaçãoemprendedorismo & inovação
emprendedorismo & inovação
annoni
 
Empreendedorismo Motivacao
Empreendedorismo MotivacaoEmpreendedorismo Motivacao
Empreendedorismo Motivacao
geceli
 
Pós empreendedorismo
Pós empreendedorismoPós empreendedorismo
Pós empreendedorismo
ssuser62f9fe
 
Empreendedorismo social
Empreendedorismo socialEmpreendedorismo social
Empreendedorismo social
Tânia Lucas
 
Reflexões sobre Inovação.pptx
Reflexões sobre Inovação.pptxReflexões sobre Inovação.pptx
Reflexões sobre Inovação.pptx
AntonioCandidoRodrig2
 
131615881 manual empreendedorismo_e_competencias_empreendedoras
131615881 manual empreendedorismo_e_competencias_empreendedoras131615881 manual empreendedorismo_e_competencias_empreendedoras
131615881 manual empreendedorismo_e_competencias_empreendedoras
Fátima Nascimento
 
Empreendedorismo gerando valor com a inovação
Empreendedorismo gerando valor com a inovaçãoEmpreendedorismo gerando valor com a inovação
Empreendedorismo gerando valor com a inovação
Nelson Brazys
 
Ebook inovacao Corporativa
Ebook inovacao CorporativaEbook inovacao Corporativa
Ebook inovacao Corporativa
Sergio Calura
 
ajum2018
ajum2018ajum2018
Workshop EAPN: Será que sou empreendedor?
Workshop EAPN: Será que sou empreendedor? Workshop EAPN: Será que sou empreendedor?
Workshop EAPN: Será que sou empreendedor?
Vitor Gonçalves
 
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPMEconomia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Nei Grando
 
Empreendedorismo e atitude empreendedora ok (2)
Empreendedorismo e atitude empreendedora ok (2)Empreendedorismo e atitude empreendedora ok (2)
Empreendedorismo e atitude empreendedora ok (2)
Andrea Carvalho
 
APOSTILA 9 - EMPREENDEDORISMO.pdf
APOSTILA 9 - EMPREENDEDORISMO.pdfAPOSTILA 9 - EMPREENDEDORISMO.pdf
APOSTILA 9 - EMPREENDEDORISMO.pdf
Ilton Prandi
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Marcelo Bastos
 
empreendedorismo pelo IES
empreendedorismo pelo IESempreendedorismo pelo IES
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptxMaterial_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
DemtrioMarques
 
Comp org inovacao
Comp org inovacaoComp org inovacao
Comp org inovacao
Sayurï Yamane
 
Criatividade e inovação um guia prático - Fátima Alves Holanda
Criatividade e inovação   um guia prático - Fátima Alves HolandaCriatividade e inovação   um guia prático - Fátima Alves Holanda
Criatividade e inovação um guia prático - Fátima Alves Holanda
fatimaholandadh3
 

Semelhante a PPT session 3 16032013 (20)

Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Manual empreendedorismo e competências empreendedoras
Manual empreendedorismo e competências empreendedorasManual empreendedorismo e competências empreendedoras
Manual empreendedorismo e competências empreendedoras
 
emprendedorismo & inovação
emprendedorismo & inovaçãoemprendedorismo & inovação
emprendedorismo & inovação
 
Empreendedorismo Motivacao
Empreendedorismo MotivacaoEmpreendedorismo Motivacao
Empreendedorismo Motivacao
 
Pós empreendedorismo
Pós empreendedorismoPós empreendedorismo
Pós empreendedorismo
 
Empreendedorismo social
Empreendedorismo socialEmpreendedorismo social
Empreendedorismo social
 
Reflexões sobre Inovação.pptx
Reflexões sobre Inovação.pptxReflexões sobre Inovação.pptx
Reflexões sobre Inovação.pptx
 
131615881 manual empreendedorismo_e_competencias_empreendedoras
131615881 manual empreendedorismo_e_competencias_empreendedoras131615881 manual empreendedorismo_e_competencias_empreendedoras
131615881 manual empreendedorismo_e_competencias_empreendedoras
 
Empreendedorismo gerando valor com a inovação
Empreendedorismo gerando valor com a inovaçãoEmpreendedorismo gerando valor com a inovação
Empreendedorismo gerando valor com a inovação
 
Ebook inovacao Corporativa
Ebook inovacao CorporativaEbook inovacao Corporativa
Ebook inovacao Corporativa
 
ajum2018
ajum2018ajum2018
ajum2018
 
Workshop EAPN: Será que sou empreendedor?
Workshop EAPN: Será que sou empreendedor? Workshop EAPN: Será que sou empreendedor?
Workshop EAPN: Será que sou empreendedor?
 
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPMEconomia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
Economia Criativa Inovação e Negocios - ESPM
 
Empreendedorismo e atitude empreendedora ok (2)
Empreendedorismo e atitude empreendedora ok (2)Empreendedorismo e atitude empreendedora ok (2)
Empreendedorismo e atitude empreendedora ok (2)
 
APOSTILA 9 - EMPREENDEDORISMO.pdf
APOSTILA 9 - EMPREENDEDORISMO.pdfAPOSTILA 9 - EMPREENDEDORISMO.pdf
APOSTILA 9 - EMPREENDEDORISMO.pdf
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
empreendedorismo pelo IES
empreendedorismo pelo IESempreendedorismo pelo IES
empreendedorismo pelo IES
 
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptxMaterial_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
Material_Tutor_Empreendedorismo_Unidade_1.pptx
 
Comp org inovacao
Comp org inovacaoComp org inovacao
Comp org inovacao
 
Criatividade e inovação um guia prático - Fátima Alves Holanda
Criatividade e inovação   um guia prático - Fátima Alves HolandaCriatividade e inovação   um guia prático - Fátima Alves Holanda
Criatividade e inovação um guia prático - Fátima Alves Holanda
 

Mais de Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)

Folheto YSEC versão portuguesa
Folheto YSEC versão portuguesaFolheto YSEC versão portuguesa
Newsletter 2 Youth Start - Entrepreneurial Challenges PT
Newsletter 2 Youth Start - Entrepreneurial Challenges PTNewsletter 2 Youth Start - Entrepreneurial Challenges PT
Newsletter 2 Youth Start - Entrepreneurial Challenges PT
Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)
 
Call for Associate Partners
Call for Associate PartnersCall for Associate Partners
Adeptt training model final version pt
Adeptt training model final version ptAdeptt training model final version pt
Adeptt training model final version pt
Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)
 
Guião para preencher o documento de autoavaliação
Guião para preencher o documento de autoavaliaçãoGuião para preencher o documento de autoavaliação
Guião para preencher o documento de autoavaliação
Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)
 
Focus Group activity
Focus Group activityFocus Group activity
Quick user guide for trainee self-evaluation
Quick user guide for trainee self-evaluationQuick user guide for trainee self-evaluation
Quick user guide for trainee self-evaluation
Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)
 
The entrepreneurial method
The entrepreneurial methodThe entrepreneurial method
Canvas portuguese model
Canvas portuguese modelCanvas portuguese model
Trainees contacts document
Trainees contacts documentTrainees contacts document
Handout page 2
Handout page 2Handout page 2
Handout page 1
Handout page 1Handout page 1
An2B training pt
An2B training ptAn2B training pt
Trainees signatures document
Trainees signatures documentTrainees signatures document
Example lesson plan and resources
Example lesson plan and resourcesExample lesson plan and resources
Example lesson plan and resources
Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)
 
Activity Entrepreneur who has within himself?
Activity Entrepreneur who has within himself?Activity Entrepreneur who has within himself?
Activity Entrepreneur who has within himself?
Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)
 
Activity find some inspiration
Activity find some inspirationActivity find some inspiration
Takeaway learning activity
Takeaway learning activityTakeaway learning activity
Activity reflection "motivation in teaching"
Activity reflection "motivation in teaching"Activity reflection "motivation in teaching"
Activity reflection "motivation in teaching"
Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP)
 

Mais de Portugal Entrepreneurship Education Platform (PEEP) (20)

Folheto YSEC versão portuguesa
Folheto YSEC versão portuguesaFolheto YSEC versão portuguesa
Folheto YSEC versão portuguesa
 
Newsletter 2 Youth Start - Entrepreneurial Challenges PT
Newsletter 2 Youth Start - Entrepreneurial Challenges PTNewsletter 2 Youth Start - Entrepreneurial Challenges PT
Newsletter 2 Youth Start - Entrepreneurial Challenges PT
 
Framework for entrepreneurship competences
Framework for entrepreneurship competencesFramework for entrepreneurship competences
Framework for entrepreneurship competences
 
Call for Associate Partners
Call for Associate PartnersCall for Associate Partners
Call for Associate Partners
 
Adeptt training model final version pt
Adeptt training model final version ptAdeptt training model final version pt
Adeptt training model final version pt
 
Guião para preencher o documento de autoavaliação
Guião para preencher o documento de autoavaliaçãoGuião para preencher o documento de autoavaliação
Guião para preencher o documento de autoavaliação
 
Focus Group activity
Focus Group activityFocus Group activity
Focus Group activity
 
Quick user guide for trainee self-evaluation
Quick user guide for trainee self-evaluationQuick user guide for trainee self-evaluation
Quick user guide for trainee self-evaluation
 
The entrepreneurial method
The entrepreneurial methodThe entrepreneurial method
The entrepreneurial method
 
Canvas portuguese model
Canvas portuguese modelCanvas portuguese model
Canvas portuguese model
 
Trainees contacts document
Trainees contacts documentTrainees contacts document
Trainees contacts document
 
Handout page 2
Handout page 2Handout page 2
Handout page 2
 
Handout page 1
Handout page 1Handout page 1
Handout page 1
 
An2B training pt
An2B training ptAn2B training pt
An2B training pt
 
Trainees signatures document
Trainees signatures documentTrainees signatures document
Trainees signatures document
 
Example lesson plan and resources
Example lesson plan and resourcesExample lesson plan and resources
Example lesson plan and resources
 
Activity Entrepreneur who has within himself?
Activity Entrepreneur who has within himself?Activity Entrepreneur who has within himself?
Activity Entrepreneur who has within himself?
 
Activity find some inspiration
Activity find some inspirationActivity find some inspiration
Activity find some inspiration
 
Takeaway learning activity
Takeaway learning activityTakeaway learning activity
Takeaway learning activity
 
Activity reflection "motivation in teaching"
Activity reflection "motivation in teaching"Activity reflection "motivation in teaching"
Activity reflection "motivation in teaching"
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 

PPT session 3 16032013

  • 1. 1 Sessão 3 16 de março, 2013 Amadora, Portugal Pedagogia empreendedora
  • 3. 3 Metas & Objetivos Desenvolver uma educação empreendedora A orientação atenderá a três principais resultados de aprendizagem: •Entender as principais aprendizagens chave e estratégias •Desenvolver competências e formas de pensar empreendedoras •Elaborar as linhas gerais de um plano para a Integração de uma educação empreendedora pela escola
  • 4. 4 Modelo CRCL ou EPAC Envolvimento da comunidade Prática reflexiva Ambiente de aprendizagem Criatividade & Inovação Atividade: Introdução ao Modelo CRCL
  • 5. 5 Modelo de aprendizagem empresarial COMPETÊNCIAS - aprender a tornar-se um empreendedor Planear; Organizar, Gerir; Lidar e delegar; Analisar; Comunicar; Avaliar; Representação eficaz e negociação; Trabalho individual; Trabalho de equipa; Avaliar e identificar os seus pontos fortes e fracos; Avaliar e assumir riscos; Interligar ideias; Mobilizar compromissos; Pensamento lateral ATITUDES - aprender a ser empreendedor Iniciativa; Independência e inovação em todos os aspetos da vida; Motivação; Determinação para cumprir objetivos; Propensão ao risco; Ambição/Mobilização; Persistência e comprometimento; Autoconfiança; Autoeficácia; Autoconsciência; Sentimento de ser capaz; Confiança social; Criatividade e imaginação; Curiosidade; Tolerância com o erro. CONHECIMENTO - aprender a compreender o empreendedorismo Sobre como identificar oportunidades Sobre as questões gerais que explicam o contexto em que as pessoas vivem e trabalham Compreensão do funcionamento da economia Posição ética das empresas Processos de inovação e criatividade O processo de empreendedorismo INTENÇÃO PROCURA E DESCOBERTA DE OPORTUNIDADES DECISÃO PARA EXPLORAR A OPORTUNIDADE EXPLORAÇÃO DA OPORTUNIDADE PROATIVO Procurar objetivos de forma ativa INOVADOR Procurar oportunidades Lidar e saber viver com a incerteza PROCESSO COMPORTAMENTO MUDANÇA Dispondo-se a ações de risco calculado em ambientes incertos Respondendo de forma flexível a desafios AÇÃO Atuando de forma independente por iniciativa própria Resolução criativa de problemas e conflitos Persuadir os outros Compromisso de fazer as coisas acontecer
  • 6. 6 Noções empreendedoras O que é empreendedorismo? Tipos de empreendedorismo? O que significa ter mentalidade empreendedora? Qual a importância de ter uma educação empreendedora?
  • 7. 7 Empreendedorismo Definição de empreendedorismo segundo a Harvard Business School “A busca de oportunidades para além dos recursos que atualmente se controlam.” Provérbio chinês “Dê um peixe a um homem, alimente-o por um dia. Ensine o homem a pescar e ele ficará alimentado para uma vida.”
  • 8. 8 Empreendedorismo O empreendedorismo combina:  assunção do risco  criatividade  inovação  boa gestão  Uma educação empreendedora deve envolver os jovens, no sistema de ensino  autonomia  pró-atividade  perseverança  autoconfiança  O empreendedorismo é uma predisposição, uma atitude mental, que pode desenvolver-se no seio de toda a sociedade.
  • 9. 9 Empreendedorismo  O empreendedorismo recorre a características inerentes ao processo de capacitação pessoal e social que se revelam essenciais para:  Desenvolvimento pessoal  Integração social  Potenciar a criatividade  Potenciar a inovação  Potenciar a capacidade de intervenção  Adaptação à evolução  Capacidade de fazer uso mais eficiente dos recursos  Com consequências importantes:  A nível da cidadania  A nível social  A nível económico
  • 10. 10 Empreendedorismo  Qual a diferença entre o empreendedorismo social e o empreendedorismo empresarial?  Empreendedorismo social:  Produz bens e serviços para a comunidade  Visa recuperar pessoas de situação de risco social e promovê-las  A medida de desempenho é o impacto social
  • 11. 11 Empreendedorismo  Empreendedorismo empresarial:  É individual  É focalizado para a produção de bens e serviços para o mercado  Visa satisfazer as necessidades dos clientes e ampliar as potencialidades do negócio  A medida de desempenho é o lucro  A necessidade de inovação é grande nas duas áreas
  • 12. 12 Empreendedorismo  Objetivo Geral:  Capacitar-vos para atitudes empreendedoras, através de três vetores complementares:  Capacitação pessoal  Capacitação social  Área da construção e planeamento de projetos
  • 13. 13 Empreendedorismo  É necessário que os outros vejam valor na solução que se lhes propõe  Através deste esforço, alguns empreendedores de sucesso tornaram-se:  Pessoas famosas  Pessoas reconhecidas pelos seus contributos  Pessoas satisfeitas por terem conseguido fazer o que consideravam correto Mas TODOS:  Desenvolveram capacidades pessoais para além do que é vulgar  Mudaram o estado das coisas à sua volta criando oportunidades  Tornaram-se independentes em termos de emprego e subsistência, tendo grande satisfação nisso  Para ter sucesso como empreendedor é necessário satisfazer as necessidades dos outros mais do que satisfazer uma ambição pessoal
  • 14. 14 Empreendedorismo  Serem empreendedores significa igualmente que:  Desenvolvem as vossas próprias capacidades para inovarem, criarem e tomarem o vosso destino nas mãos  Trabalharem para um objetivo e alcançarem esse objetivo o que é muito motivador e dá vontade e confiança para irem mais longe  Para além de tudo isto, é divertido!  Por isso…  Uma boa forma para saberem se este projeto vos serve para o vosso futuro é verificarem de vez em quando se se sentem realizados e se estão a divertir-se com ele
  • 15. 15 Inovação  Tudo existe graças à Inovação  Tudo o que existe à nossa volta deve-se à iniciativa das pessoas que aperfeiçoaram o produto e se asseguram de que o mesmo se mantém disponível
  • 16. 16 Inovação  Algumas coisas já são muito antigas e outras muito recentes  No entanto, todas as coisas são melhoradas todos os dias…  Por exemplo:  Os primeiros telemóveis em Portugal há 20 anos:  Custavam 2500 €  Grandes  Pesados
  • 17. 17 Inovação  E os telemóveis em Portugal hoje, mostram evolução?  Mostram sem dúvida, que houve muita inovação
  • 18. 18 Inovação  A forma como nós usamos as coisas também se deve a iniciativas  Há muito tempo que se procura compreender como surgem:  As iniciativas  Os empreendedores  Sabe-se que:  Em que o empenho dos cidadãos é mais desenvolvido  Em que a iniciativa cívica é mais desenvolvida  A competitividade de um país depende da capacidade de novaçã  A e o são capazes de GRANDES impulsos de desenvolvimento  As sociedades mais unidas e mais justas são aquelas:
  • 19. 19 Inovação  Alguns exemplos…  www.quercus.pt  http://pumap.blogspot.com/  http://pt.wikipedia.org/wiki/Segway  http://www.google.pt  Uma iniciativa menos positiva:
  • 20. 20 Inovação  Falhar é parte do jogo  Toda a inovação se faz por:  Erro  Tentativa  Só não erra quem nunca tentou, mas só:  Se tem ideias inovadoras  Se tem serviços inovadores  Se tem produtos inovadores  Depois de se ter tentado
  • 21. 21 Desmontar preconceitos  E de facto ERAM!  O que tinham de especial????  TENTARAM  Estas pessoas conseguiram melhorar alguma coisa  Estas pessoas viram o sucesso das suas ideias  O resultado do sucesso das suas ideias é para todos os que usufruem dessa ideia … que as pessoas que fizeram todas essas inovações eram especiais  Talvez algum deles tenha sido vosso antepassado  Porque não podes ser tu também inovador e empreendedor? Podem pensar…
  • 22. 22 Desmontar preconceitos Podem pensar… … que as inovações só surgem através de:  Grandes empresas  Marcas famosas  Pessoas que aparecem nos telejornais  Uma parte fundamental do desenvolvimento de processos é realizado por pessoas anónimas?  Muitas empresas dão prémios aos colaboradores que apresentam ideias para tornar um processo de fabrico mais eficiente?
  • 23. 23 Desmontar preconceitos  Mas a história mostra que não é assim:  Os que têm iniciativa são aqueles que são capazes de convencer outros a disponibilizar os meios  E as boas iniciativas provam-se com poucos meios … que as pessoas que têm iniciativas são aquelas que já tinham meios para isso. Podem pensar…
  • 24. 24 Atitude  Tomar parte nas propostas  Acompanhar a evolução e saber influenciá-la  Tirar proveito de novas oportunidades  Num mundo em constante mudança é necessária uma atitude pró-ativa para: Os empreendedores com sucesso são aqueles que sabem reconhecer novas oportunidades para oferecer:  Novos produtos  Novos serviços E/ou…  Que sabem reconhecer  Novas maneiras de oferecer esses produtos ou serviços  E que conseguem pôr em prática as suas ideias
  • 25. 25 Empreendedorismo  Uma atitude de permanente procura de novas combinações de recursos:  Que consigam:  E isto implica…  Tecnológicos  Materiais  Humanos …  Satisfazer necessidades  Resolver problemas  Exemplos:  O empreendedorismo pode ser entendido como a prossecução de oportunidades para além dos recursos atualmente controlados
  • 27. 27 Pró-atividade  A pro-atividade necessária ao empreendedorismo treina-se num “ciclo virtuoso”, em que os próprios resultados obtidos estimulam a procurar e alcançar novos resultados
  • 28. 28 Como construir objetivos/metas?  Objetivo : Desenvolver a capacidade de compreender e comunicar  Precisa de:  Vamos lá dar um exemplo…  Como?  Jornal  Uma pessoa que:  Oiça o relato  Com quem se verifique se ambos compreenderam a mensagem  Ler assiduamente notícias de jornal e comunicar o seu conteúdo a outras pessoas  Para que se consiga atingir o objetivo, o importante é compreender e ser compreendido
  • 29. 29 Objetivos pessoais  Qual a vantagem de participar nesta atividade?  Muitas das características necessárias ao empreendedorismo são resultado de:  Nossas escolhas  Esforço pessoal  Para terem êxito é necessário:  Que os vossos objetivos pessoais sejam práticos  Que se identifiquem com os objetivos  Ou seja…  Os objetivos têm que corresponder àquilo que querem ser  Os objetivos têm que corresponder à forma que querem estar na vida
  • 30. 30 Objetivos pessoais Físicos: Servem para que tenham um corpo e hábitos saudáveis. Intelectuais: Servem para que exercitem e estimulem a mente, preparando-vos para saberem tratar situações novas com êxito. Exemplo: Comer uma peça de fruta por dia Exemplo: Ler 30 minutos por dia Os objetivos pessoais devem abranger todas as áreas do vosso desenvolvimento:
  • 31. 31 Objetivos pessoais Exemplo: Reservar 5 minutos para pensar no que fizeram Emocionais: Pretendem que conheçam e controlem as vossas emoções, de modo a que controlem os vossos comportamentos. Exemplo: Não fazer troça ou rebaixar os outros
  • 32. 32 Competências  Competências básicas necessárias ao empreendedorismo:  Implicam:  Humanas  Pessoais  Uma mentalidade empreendedora  Um conjunto de competências  Vamos começar a trabalhar as competências pessoais…
  • 33. 33 Competências  Nesta atividade vão identificar-se competências de cada um de nós, a explorar  Atenção que:  Qualquer um de nós tem características que podem ir de encontro aos diferentes Perfis mas todos temos características mais predominantes e que é a essas que o Perfil Pessoal de cada um diz respeito
  • 34. 34 Competências  Não há competências “femininas” e “masculinas”  Atenção que:  Nenhum perfil é melhor que outro e todos são necessários O que é importante é que cada um conheça as suas competências específicas para as poder valorizar mais
  • 35. 35 Qual o meu papel no grupo?
  • 36. 36 Qual o meu papel no grupo?
  • 37. 37 Qual o meu papel no grupo?
  • 38. 38 Qual o meu papel no grupo?
  • 39. 39 Qual o meu papel no grupo?  As nossas diferenças individuais são:  É importante a complementaridade entre os vários perfis, ou seja, entre os vários elementos do grupo  Atenção que:  mais-valias pessoais de que cada um de nós pode tirar proveito  marcas distintivas do funcionamento de cada um de nós
  • 40. 40 Qual o meu papel no grupo?  Escrever agora numa folha  O nosso perfil  As competências associadas a esse perfil
  • 41. 41 Plano de melhorias pessoal  Assumir e  Desenvolver  As competências do nosso perfil pessoal Ou seja…  Durante a semana treinar à frente do  A comunicação aos outros de qual é o nosso perfil e  Qual o nosso contributo para o grupo O quê
  • 42. 42 Inovação  Tudo à nossa volta se desenvolveu graças:  a inovações permanentes  à iniciativa de pôr em prática as ideias que tiveram  Que as inovações se devem todas a:  Génios  Inventores Podem pensar…
  • 43. 43 Inovação  Mas…  A maior parte das inovações surge com trabalho em EQUIPA  As boas equipas são aquelas em que:  As pessoas se complementam  Todos estão sintonizados num mesmo objetivo
  • 44. 44 Trabalho de equipa  Não há ninguém que tenha as qualidades todas para poder fazer tudo sozinho Porquê?  Mas a equipa pode reunir essas qualidades  É que…  Todos temos qualidades diferentes  TODAS elas são necessárias no processo de inovação  E…
  • 45. 45 Trabalho de equipa  Algumas pessoas têm muitas ideias  No entanto, ter ideias só, não basta!  O que é preciso???  É preciso:  Distinguir as boas ideias das más ideias  Pôr as ideias em prática  Por …
  • 46. 46 Trabalho de equipa  Ou seja…  Que pese as ideias e verifique que parte é que é aproveitável  Que seja capaz de as pôr em prática  Uma boa equipa tem de ter alguém:  Que tenha
  • 47. 47 Trabalho de equipa  É muito importante conhecerem as vossas qualidades, não só pelo que elas valem, mas sobretudo para conhecerem a melhor forma de trabalhar com outros em equipa  As boas equipas NÃO SÃO aquelas em que todos os membros têm o mesmo feitio e pensam todos da mesma maneira  As boas equipas SÃO aquelas em que todos se completam e se equilibram uns aos outros
  • 49. 49 Os 12 trabalhos de Hércules  O que correu bem e o que correu mal?  Porque cumpriram ou não cumpriram as tarefas?  Quais as competências essenciais para trabalhar bem em equipa?  Quais as vantagens do trabalho em equipa?
  • 50. 50 Trabalho de equipa  O trabalho em equipa permite-nos atingir objetivos que sozinhos não Conseguiríamos atingir  O trabalho em equipa exige:  Importa desenvolver a capacidade de distribuir tarefas em conjunto com o grupo  O trabalho em equipa exige que haja confiança no outro  Articulação  Coordenação  Divisão de tarefas  Responsabilidade de cada um
  • 51. 51 Criatividade  A criatividade surge a maior parte das vezes de:  Fazer associações inesperadas  Questionar a prática corrente  Observar a realidade circundante  Experimentar e relacionar-se com pessoas diferentes
  • 52. 52 Criatividade  Observação  Experiência  Uma boa rede de relações e  São as três questões fundamentais para inovar, sobretudo se combinadas com:
  • 53. 53 Criatividade Porquê?  Pensem noutras formas de resolver a situação e procurem descobrir se não era Melhor para todas as partes… Porque não? E se?  Também é permitido sonhar: se tivessem uma “varinha mágica” qual seria a solução que resolvia o problema a contento de todos?  Tentem descobrir quem é que está envolvido na situação e porque é que resolvem as coisas daquela maneira…
  • 54. 54 Criatividade  Há também algumas estratégias que podemos utilizar:  Escolhe-se um tema (por exemplo, que novidade é que falta à comunidade?)  Durante cinco minutos, todos lançam ideias, com total liberdade, sem preocupação de serem boas ou más; Ninguém Critica! Tempestade de Ideias Brainstorming Ideias novas
  • 55. 55 Criatividade  Há também algumas estratégias que podemos utilizar:  Alguém vai apontando todas as ideias num quadro ou papel  Todos ajudam a agrupar as ideias, juntando as que forem semelhantes ou tratarem da mesma coisa  Todos pensam quais são os grupos de ideias mais interessantes, que propõem maior inovação e que são realizáveis Tempestade de Ideias Brainstorming Ideias novas
  • 56. 56 Criatividade  Há também algumas estratégias que podemos utilizar:  Pensem em outras situações que têm o mesmo tipo de clientes (ou de fornecedores, ou qualquer outra restrição semelhante à que te parece ser mais importante no nosso projeto)  Vejam como é que eles resolveram o assunto Analogia  Vejam se pode aplicar a mesma solução ao vosso caso Ideias novas
  • 59. 59 Sim! Falhei!  O que sentimos ao falhar ?  Vamos analisar:  Porque é que o sentimos ?  Como é que é visto o fracasso na sociedade?  Que significado é que teve esta dinâmica?  O que aprendemos com esta dinâmica?
  • 61. 61 Criatividade  Se esta ficha ficar em branco é porque nunca arriscaram fazer alguma coisa nova…  E a arriscar e a falhar também se aprende muita coisa importante!  Não há que ter vergonha de falhar…  Mas aprendemos também com as tentativas dos outros  Pensem em tentativas que falharam e escrevam à frente o que é que poderiam modificar para ter êxito  Se considerarmos o fracasso como uma experiência de aprendizagem deixará de ter poder sobre nós
  • 62. 62 Criatividade  Se aprendermos com a experiência do fracasso, conduz-nos para o sucesso  Na realidade, os empreendedores aprendem mais com fracassos do que com sucessos  Frequentemente só aprendemos o que funciona quando verificamos o que não funciona  O velho provérbio chinês diz que: “Fracassar não é cair mas recusar levantar-se de novo”
  • 63. 63 Criatividade  Há dois benefícios que se retiram do falhar:  Primeiro, fica-se a saber o que não funciona  Segundo, tem-se a oportunidade de tentar de modo diferente  Entender a falha e  Conseguir guiar-se a si próprio e a outros através do “falhanço” é Parte da mentalidade e competências de um empreendedor
  • 64. 64 Criatividade  Um exemplo conhecido é o do inventor  Edison falhou milhares de vezes até conseguir obter uma lâmpada elétrica funcional Thomas Alva Edison  Conhecido pela invenção da Lâmpada elétrica incandescente  Qualquer outro teria visto em cada insucesso um fracasso mas…  Ele via um sucesso
  • 65. 65 Criatividade  Porquê?  Eliminava uma possibilidade  Porque de cada vez que falhava: e isso o aproximava mais do seu objetivo  Redesenhava a peça  Fazia ajustamentos
  • 66. 66 Criatividade  Se Edison tivesse considerado o empreendedorismo um fracasso, teria desistido e poderíamos hoje estar todos ainda a ler à noite com lâmpadas de azeite
  • 67. 67 Tarefas a realizar Encontre alguma inspiração Que empreendedor tem dentro de si? Aprendizagem takeaway Reflexão "motivação no ensino" Plano de aula e recursos