Slide empreendedorismo

1.089 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.089
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Clique para adicionar texto
  • Clique para adicionar texto
  • Slide empreendedorismo

    1. 1. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Pro fesso r Hélvio de Avellar Teixeira EMPREENDEDORISMO
    2. 2. Ementa • Preparar o aluno para o processo de transformação de idéias em negócios, capacitando-o a avaliar oportunidades e buscar os recursos necessários para colocar o negócio em prática. • O que é Empreendedorismo • Identificando Oportunidades • Administrador x Empreendedor • Criando um Plano de Negócios Eficaz • Importância do Plano de Negócios • Buscando os Recursos Necessários • Questões Legais na Constituição da Empresa
    3. 3. Objetivos • identificar a complexidade do mundo contemporâneo, contexto do ambiente de negócios, e as habilidades que esse mundo requer do gestor; • discutir o empreendedorismo e desenvolver a capacidade de formular estratégias e propor planos de ações empresariais ajustáveis aos recursos das organizações e às circunstâncias mutáveis do meio ambiente quer seja pela melhoria contínua do tripé de resultados da administração moderna competitividade/qualidade/produtividade, quer seja pela recriação dos negócios, transcendendo o processo de aquisição de tecnologia. • obter informações acerca das contribuições teóricas disponíveis e apreciá-las criticamente em face das características do novo ambiente de negócios; • identificar novas tendências; • estabelecer a ponte entre contribuições teóricas e sua prática cotidiana.
    4. 4. Metodologia APRENDIZAGEM COGNITIVA Aprender através da aquisição de novos conhecimentos => PENSAR APRENDIZAGEM EMOCIONAL Aprender através do SENTIR APRENDIZAGEM VIVENCIAL Aprender através do AGIR Recursos: Aulas expositivas, estudos de caso e leitura complementar. Leitura de processos empreendedores em filmes comerciais, projetando-os em organizações.
    5. 5. O mundo em que vivemos Um mar de TurbulênciasUm mar de Turbulências MUDANÇAS NOMUDANÇAS NO CAMPO ORGANIZACIONALCAMPO ORGANIZACIONAL MUDANÇAS NOMUDANÇAS NO CAMPO SOCIALCAMPO SOCIAL MUDANÇAS NOMUDANÇAS NO CAMPO POLÍTICOCAMPO POLÍTICO MUDANÇAS NOMUDANÇAS NO CAMPO ECONÔMICOCAMPO ECONÔMICO MUDANÇAS NOMUDANÇAS NO CAMPO TECNOLÓGICOCAMPO TECNOLÓGICO MUDANÇAS NOMUDANÇAS NO CAMPO GERENCIALCAMPO GERENCIAL MUDANÇAS NO CAMPOMUDANÇAS NO CAMPO VALORIZAÇÃO DO HOMEMVALORIZAÇÃO DO HOMEM MUDANÇAS NO CAMPOMUDANÇAS NO CAMPO DO CONHECIMENTODO CONHECIMENTO MUDANÇAS NOMUDANÇAS NO CAMPO DA ECOLOGIACAMPO DA ECOLOGIA
    6. 6. MUDANÇAS NO CAMPO SOCIAL MUDANÇAS NO CAMPO POLÍTICO MUDANÇAS NO CAMPO ORGANIZACIONAL MUDANÇAS NO CAMPO ECONÔMICO MUDANÇAS NO CAMPO DO CONHECIMENTO MUDANÇA NO CAMPO GERENCIAL MUDANÇA NO CAMPO DA ECOLOGIA MUDANÇA NA VALORIZAÇÃO DO HOMEM Fenômeno da Urbanização Crescimento Populacional Concentração de Renda Novas Teorias de Desenvolvimento Intervenção Governamental Nova Ordem Mundial Queda do Sistema Soviético Muro de Berlim Responsabilidade Social da Empresa Novas Tecnologias Produtivas Administração Pública e Administração Privada Tigres Asiáticos Mercosul Comunidade Econômica Européia Estruturas Flat Administração Transpessoal Redução das Burocracias Nafta A Nova Racionalidade Novas Tecnologias Administrativas Circuitos Integrados Computação Hardware Software Planejamento Organ. estratégico Física Q uântica Biotecnologia Uma Nova Visão do Homem Teorias Participativas de Gestão Redefinição do Conceito de Liderança Novas Visões sobre o Comportamento Humano Esgotamento Fontes Enegéticas Poluição Desmatamento Efeito Estufa Homem Feliz Novas formas de Treinamento Homem Auto-Atualizado Vs. Homem Mosaico Homem Não-Encapsulado Homem Emergente Engenharia Genética Consultoria em Comportamento Aprendizagem Organizacional MUDANÇAS NO CAMPO TECNOLÓGICO MUDANÇAS NO CAMPO SOCIAL MUDANÇAS NO CAMPO POLÍTICO MUDANÇAS NO CAMPO ORGANIZACIONAL MUDANÇAS NO CAMPO ECONÔMICO MUDANÇAS NO CAMPO DO CONHECIMENTO MUDANÇA NO CAMPO GERENCIAL MUDANÇA NO CAMPO DA ECOLOGIA MUDANÇA NA VALORIZAÇÃO DO HOMEM Fenômeno da Urbanização Crescimento Populacional Concentração de Renda Novas Teorias de Desenvolvimento Intervenção Governamental Nova Ordem Mundial Queda do Sistema Soviético Muro de Berlim Responsabilidade Social da Empresa Novas Tecnologias Produtivas Administração Pública e Administração Privada Tigres Asiáticos Mercosul Comunidade Econômica Européia Estruturas Flat Administração Transpessoal Redução das Burocracias Nafta A Nova Racionalidade Novas Tecnologias Administrativas Circuitos Integrados Computação Hardware Software Planejamento Organ. estratégico Física Q uântica Biotecnologia Uma Nova Visão do Homem Teorias Participativas de Gestão Redefinição do Conceito de Liderança Novas Visões sobre o Comportamento Humano Esgotamento Fontes Enegéticas Poluição Desmatamento Efeito Estufa Homem Feliz Novas formas de Treinamento Homem Auto-Atualizado Vs. Homem Mosaico Homem Não-Encapsulado Homem Emergente Engenharia Genética Consultoria em Comportamento Aprendizagem Organizacional MUDANÇAS NO CAMPO TECNOLÓGICO
    7. 7. EstabilidadeEstabilidade • Estabilidade é a crença na imutabilidade, na constância ou manutenção dos aspectos centrais de nossas vidas, ou a crença que nós podemos atingir tal constância ou manutenção.
    8. 8. O Paradoxo a ser EnfrentadoO Paradoxo a ser Enfrentado • Para que as pessoas possam enfrentar a instabilidade e a incerteza elas devem, de alguma forma, sentirem-se seguras. Um senso de segurança pessoal é fundamental. • A pergunta chave é: quem pode se sentir seguro em meio a esta turbulência?
    9. 9. Novas Invenções/DescobertasNovas Invenções/Descobertas da Invenção à Utilizaçãoda Invenção à Utilização • 112 anos para a fotografia (1727-1839) • 56 anos para o telefone (1820-1876) • 35 anos para o rádio (1867-1920) • 15 anos para o radar (1925-1940) • 12 anos para a televisão (1922-1934) • 6 anos para a bomba atômica (1939-1945) • 5 anos para o transistor (1948-1953) • 3 anos para o circuito integrado (1958-1961)
    10. 10. Qual a conseqüência?Qual a conseqüência? • Com o encurtamento do tempo de utilização (difusão) as crises e as decorrentes mudanças que podiam ser resolvidas através do conflito de gerações e da substituição de uma geração por outra, passaram a ter de ser resolvidas dentro de uma mesma geração.
    11. 11. Estática AmbientalEstática Ambiental versusversus Turbulência AmbientaTurbulência Ambienta • Reação • Previsibilidade • Sistema Fechado • “Status Quo” • Eficiência • Competição • Orientação para a produção • Burocracia • Proação • Incerteza • Sistema Aberto • Inovação • Eficácia/Efetividade • Colaboração • Orientação para o mercado • Adhocracia
    12. 12. EMPREENDER dicas para se obterdicas para se obter sucessosucesso
    13. 13. Como avaliar idéias: •Por quê você quer ter o próprio negócio?
    14. 14. Como avaliar idéias: • Você quer isto tão firmemente que estaria disposto a trabalhar durante longas horas sem saber quanto dinheiro vai entrar?
    15. 15. Como avaliar idéias: •O que você gosta de fazer? •Quais são os seus pontos fortes?
    16. 16. Como avaliar idéias: •Você gosta disso o suficiente a ponto de fazer isto todo dia e o dia todo?
    17. 17. Como avaliar idéias: • Você buscou todos os conhecimentos/treinamentos disponíveis sobre a área onde quer atuar?
    18. 18. Como avaliar idéias: •Caso negativo, está disposto a trabalhar dependente de outra pessoa por alguns anos até aprender o serviço?
    19. 19. Como avaliar idéias: •Existem outras pessoas bem sucedidas atualmente no mesmo ramo de negócio?
    20. 20. Como avaliar idéias: •Essas pessoas bem sucedidas, há quanto tempo estão no ramo? •Por quê são bem sucedidas?
    21. 21. Como avaliar idéias: • O seu serviço ou produto é algo que as pessoas querem ou precisam? • Por quê?
    22. 22. Como avaliar idéias: • De onde virão seus clientes? • Eles são locais, regionais, nacionais ou globais?
    23. 23. Como avaliar idéias: •De quanto capital irá precisar para começar? •Você tem recursos suficientes ou precisará tomar emprestado?
    24. 24. Como avaliar idéias: • Você está disposto a penhorar todos os seus bens, inclusive garantias pessoais de seu cônjuge e uma hipoteca de sua casa para obter os recursos?
    25. 25. Como avaliar idéias: •Você sabe quanto tem que levar para casa todo mês para fazer frente às suas próprias obrigações pessoais?
    26. 26. Como avaliar idéias: • Você já pensou num sócio? • Você se relaciona tão bem assim com essa pessoa a ponto de saber que suas decisões poderão afetar sua vida pessoal também?
    27. 27. Como avaliar idéias: •Você já falou com especialistas como um advogado ou um contador?
    28. 28. Como avaliar idéias: •Você está disposto a correr atrás das coisas que necessita e ainda não possui?
    29. 29. Como avaliar idéias: •Você já obteve o apoio familiar necessário ao risco que pretende enfrentar?
    30. 30. O Perfil do Empreendedor • Aproveitar oportunidades; • Tomar decisões; • Saber organizar; • Conhecer o ramo; • Ser líder; • Ser independente; • Ter talento/Tino empresarial • Otimismo e tenacidade
    31. 31. A importância da definição do ponto • Um bom ponto deve ter foco no cliente. As principais variáveis a serem analisadas: – disponibilidade; – visibilidade; – acessibilidade/tráfego; – segurança; – possibilidade de expansão; – custos x benefícios.
    32. 32. Principais problemas enfrentados pelos novos empresários • Falta de definição do objetivo do negócio: o que realmente se quer fazer e onde se quer chegar; • Falta de conhecimento do mercado; • Erro na estimativa do capital necessário; • Super-estimação das receitas mensais; • Sub-avaliação dos problemas técnicos; • Desconhecimento dos aspectos legais.
    33. 33. Principais problemas enfrentados pelos novos empresários • Sub-estimação dos custos operacionais: a falta de sistemas básicos de administração e controle, aliada ao desconhecimento dos custos operacionais reais e das tecnologias de produção; • Falta de diferenciação de produtos e/ou serviços;
    34. 34. Fatores que devem ser analisados na montagem de um negócio: • Os riscos reais do negócio; • A escolha do sócio ou sócios; • A sazonalidade do produto/mercado escolhido como foco de atuação; • As mudanças na economia, na política fiscal e nos controles governamentais; • As mudanças e avanços tecnológicos que possam interferir no seu produto.
    35. 35. O Brasileiro como empreendedor Um dado interessante sobre o Brasil é o empreendedorismo do brasileiro; O brasileiro é um empreendedor. É uma característica do brasileiro querer ter seu próprio negócio, ser patrão de si mesmo; Há inúmeros exemplos de pessoas simples que obtiveram grande sucesso com pequenos negócios, pequenas empresas, negócios simples;
    36. 36. O Sonho Acabou... Vários sonhos acabaram: O sonho das margens gordas; O sonho de que as empresas poderiam ser verdadeiras “patas gordas”, inchadas de pessoal; O sonho de que estamos competindo internamente com as empresas do Brasil; O sonho de que os custos definiam os preços.
    37. 37. O Preço define o “custo” O principal sonho que acabou é o sonho de que os “custos definiam os preços” Até aqui, para precificar um produto a empresa analisava os custos diretos e indiretos na fabricação do produto, colocava uma margem (mark-up) e colocava o preço de venda; Hoje é quanto o consumidor (mercado) está disposto a pagar por um produto é que define o custo!
    38. 38. Exigências Uma sociedade em desenvolvimento exige: Rompimento, Mudança e Novidade em Linguagem, Conceitos e Modos
    39. 39. A maior mudança... A maior mudança foi justamente no Mercado (marketing e vendas) O “poder” mudou da mão da empresa para a mão do cliente
    40. 40. Tecnologia e Preços A cada dia que passa os produtos concorrentes ficam mais similares em termos de tecnologia e preços O diferencial estará, portanto, na capacidade da EMPRESAEMPRESA em ser diferente E o diferencial estará a cada dia mais na prestação de serviços
    41. 41. O Passado não me ensina A grande verdade é o passado não me ensina muito mais. Nunca tivemos um tempo com tanta competição, com tantas empresas e produtos competindo com os nossos. Daí a importância da Inovação e da Criatividade
    42. 42. I.N.O.V.A.R. É preciso inovar Não dá para só copiar É preciso criar uma nova empresa e reinventar o nosso setor
    43. 43. O que o cliente quer? Se você ficar perguntando ao seu cliente o que ele deseja, receberá a merecida resposta: Cliente quer DESCONTO e PRAZO
    44. 44. As empresas que venceram E a grande verdade é que as empresas que venceram no mercado não foram aquelas que perguntaram o que seus cliente queriam; Foram aquelas que “Surpreenderam seus Clientes como Produtos e Serviços fundamentalmente Novos e Diferentes”
    45. 45. Não Pergunte ao Cliente... O cliente não sabe o que ele quer... As empresas é que têm a obrigação de, ouvindo o mercado, surpreender os clientes com produtos e serviços fundamentalmente novos e diferentes.
    46. 46. Qual cliente pediu? Fax Telefone celular McDonald’s Relógio digital Windows “Post-it” (3M) Ipod Etc, Etc.
    47. 47. Surpreenderam o cliente! Esses produtos todos (que são os maiores sucessos no mercado) nunca foram “pedidos” pelos clientes. Veja que esses produtos “reiventaram o seu setor” O “Post-it” reinventou o recado! O “walkman” reinventou o andar solitário! O “Ipod” reinventou o walkman! “Windows” reinventou o computador! “Linux” reinventou o windows!
    48. 48. Ouvir o cliente? Antes que você me ache louco, deixe-me explicar: É claro que você deve ouvir o cliente! Isto porque ouvir o cliente é a maneira mais simples, barata, eficaz para você COMPREENDER O MERCADO
    49. 49. Mas a sua missão é... Surpreender o Cliente! Encantar o Cliente! Entusiasmar o Cliente! Se você ficar só ouvindo o cliente e fazendo só o que ele pede, correrá o risco de aparecer alguém e surpreender o seu cliente e tomá-lo de você!
    50. 50. Por isso... A informação será o grande e único “produto” daqui para a frente!
    51. 51. Empreender Hoje Assim, será capaz de vender para mim quem souber: O que eu quero? Como quero? Onde quero? E me surpreender e encantar com produtos e serviços novos e diferentes que eu não imaginava serem possíveis!
    52. 52. A grande pergunta Assim, a grande pergunta que temos que fazer não é o que o cliente espera de nós mas sim... O que ele NÃO ESPERANÃO ESPERA de nós e de nossa empresa!
    53. 53. O que não espera? O cliente só venderá de uma empresa aquilo que a empresa o surpreender. Não venderá o que ele espera. Ninguém dirá de uma companhia de aviação que os aviões “decolam, voam e aterrissam”. Ele falará do “tapete vermelho, do café, do piano na sala de embarque”, etc. Ninguém (quando fala da Disney) diz: “- Vi o Mickey”. Dirá das coisas que não havia esperado ter visto na Disney e assim por diante - todos verão o Mickey! Ninguém fala de um supermercado dizendo que ele tem produtos nas gôndolas. Ele falará do que não esperava ou seja do que não é comum a todos os supermercados - um caixa super-rápido, por exemplo.
    54. 54. O que é Administrar, Hoje? Administrar é hoje um exercício constante de quebra de tradições teóricas estabelecidas As Escolas de Administração de Empresas ensinam o passado É preciso fazer o presente e criar o futuro
    55. 55. Século XXI REINVENTAR A EMPRESA!! REINVENTAR A EMPRESA!! ©Anthropos Consulting
    56. 56. Pense nisso! Mude! Acredite! Pense Grande! Agora é a Hora! Afinal, estamos no Século XXI!! Pense nisso! Mude! Acredite! Pense Grande! Agora é a Hora! Afinal, estamos no Século XXI!! Empreender
    57. 57. As seis dimensões da capacidade empreendora • Orientação estratégica • Comprometimento com a oportunidade • Comprometimento dos recursos • Controle sobre os recursos • Estrutura administrativa • Filosofia de recompensas
    58. 58. Fontes de Idéias • Novo negócio com base em novo conceito - o empreendedor clássico constrói um negócio a partir de um produto ou idéia. Essa linha baseia- se em competência técnica e grande criatividade, bem como habilidade para prever padrões e tendências antes da maioria das pessoas. O conceito do negócio e tão novo e revolucionário que cria um novo mercado e, corno já foi dito, revoluciona a sociedade.
    59. 59. Fontes de Idéias • Novo negócio com base em conceito existente - Há também pessoas que iniciam um empreendimento com base em velhos conceitos. Por exemplo, se alguém abre urna padaria, a idéia não é nova e o empreendedor não criou algo inovador, mas o negócio representa um risco financeiro para o proprietário que, além disso, está desenvolvendo algo onde nada existia. Essa pessoa é um legítimo empreendedor, embora o novo negócio não tenha nascido da criatividade ou da inovação.
    60. 60. Fontes de Idéias • Necessidade dos consumidores - o empreendedor potencial pode identificar carências e interesses das pessoas prestando atenção em suas reclamações, hábitos e traços culturais, entre outros e, em seguida, interpretar esses comportamentos para desenvolver produtos ou serviços.
    61. 61. Fontes de Idéias • Aperfeiçoamento do negócio - Uma das bases do planejamento estratégico, a identificação de oportunidades de aperfeiçoamento possibilita ao empreendedor adequar seus produtos e serviços a novos formatos e padrões de qualidade, bem como a reduzir o preço ou melhorar a forma de distribuição, por exemplo .
    62. 62. Fontes de Idéias • Exploração de hobbies - Um hobby do potencial empreendedor pode transformar-se em oportunidade de negócio, a partir do momento em que identificar suas possibilidades comerciais em algum segmento da sociedade.
    63. 63. Fontes de Idéias • Derivação de ocupação - Alguns empreendedores iniciam um negócio com base em sua atividade. Analisando sua ocupação, e seu grau de sucesso ou insucesso, o empreendedor poderá desenvolver produtos e serviços em que sua experiência e seus conhecimentos são aproveitados.
    64. 64. Fontes de Idéias • Observação de tendências - As comunidades e sociedade mudam constantemente. Em decorrência, os mercados e os consumidores também mudam. A observação da realidade permite a descoberta de novos mercados.
    65. 65. Avaliação de idéias de produtos A principal pergunta é: • há um mercado, real ou potencial, para a idéia? Ou: quem compraria o produto ou serviço? Outras perguntas importantes são: • Como seria comprado o produto ou serviço? Todos os dias, uma vez por ano, em ocasiões especiais?
    66. 66. Avaliação de idéias de produtos • Seria comprado para uso próprio ou, por exemplo, as famílias os comprariam para os filhos? • Qual o tamanho do mercado? Quantas pessoas, organizações ou outros tipos de clientes há no mercado?
    67. 67. Avaliação de idéias de produtos • Como se distribuem geograficamente os clientes? Quantos há em cada território do mercado? • Qual preço seria aceito pelos clientes? • Quais políticas são necessárias para ajustar o negócio ao risco da sazonalidade, presente em muitos ramos de atividades, como a moda, alimentos e brinquedos?
    68. 68. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 1: Pequenas e médias empresas (PMEs) são as criadoras de empregos • Realidade: Somente um tipo de PME – empresas dinâmicas e indivíduos empreendedores”- crece e gera empregos.
    69. 69. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 2: Novas companhias são a fonte fundamental de crescimento de empregos • Realidade: Alta criação de empregos é produzida tanto pelas novas empresas quanto pelas antigas.
    70. 70. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 3: Empresas que crescem vêm de setores novos e de alto crescimento • Realidade: As empresas dinâmicas vêm de todos os setores.
    71. 71. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 4: Os empreendedores das companhias que crescem são jovens e têm alto nível educacional • Realidade: Os empreendedores dinâmicos são de todas as idades e nível educacional.
    72. 72. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 5: As empresas que crescem são desenvolvidas por empreendedores enérgicos e auto-suficientes • Realidade: As empresas dinâmicas são construídas por equipes ou por uma parceria de empreendedores com uma abordagem profissional à administração.
    73. 73. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 6: Empresas que crescem têm como alvo mercados grandes e em crescimento • Realidade: As empresas dinâmicas têm por alvo os segmentos de mercado em que podem ser líderes ou competidores fortes.
    74. 74. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 7: As empresas que crescem têm por alvo geralmente os mercados nacionais que puderem dominá-los • Realidade: As empresas dinâmicas procuram fazer parte considerável das suas vendas em mercados estrangeiros, onde podem aprender e crescer.
    75. 75. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 8: Empresas bem-sucedidas que crescem usam estratégias de baixos custos para competir • Realidade: As empresas dinâmicas competem com produtos de alta qualidade e um serviço superior.
    76. 76. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 9: Empresas bem-sucedidas que crescem se baseiam principalmente em tecnologias exclusivas • Realidade: As empresas dinâmicas se baseiam principalmente em pessoas, que são recrutadas, treinadas e desenvolvidas cuidadosamente.
    77. 77. Dez mitos sobre os empreendedores • Mito 10: Empresas que crescem usam fontes sofisticadas de financiamento para se estabelecer • Realidade: As empresas dinâmicas são predominantemente autofinanciadas, com apoio de empréstimos bancários.
    78. 78. O Plano de Negócios Plano de Negócios – exemplo de tópicos: • 1.0 A empresa – 1.1 Descrição do negócio - produto/serviço e mercado/cliente – 1.2 Missão - utilidade do produto ou serviço e da empresa para seus clientes – 1.3 Nome da empresa e do produto – 1.4 Localização – 1.5 Apresentação do empreendedor e ou dos sócios
    79. 79. O Plano de Negócios • 2.0 Análise do mercado e do ambiente • 2.1 Tendências econômicas e sociais que criam a oportunidade e influenciam o negócio: Demografia, distribuição de renda e outras tendências • 2.2 Análise do ramo de negócios • 2.2.1 Empresas que atuam no mesmo mercado ou com o mesmo produto ou serviço • 2.2.3 Vantagens competitivas dos principais concorrentes • 2.2.4 Capacidade de produção dos principais concorrentes • 2.2.5 Esforço promocional dos concorrentes
    80. 80. O Plano de Negócios • 2.2 Análise do ramo de negócios(continuação) • 2.2.6 Idade do equipamento que usam • 2.2.7 Tipo de mão-de-obra empregada • 2.2.8 Pontos fortes e fracos da concorrência • 2.3 Mercado • 2.3.1 Compradores potenciais • 2.3.2 Motivação para a compra
    81. 81. O Plano de Negócios • 3.0 Estratégia • 3.1 Objetivos de desempenho: volume de vendas, participação no mercado, • posicionamento em relação aos concorrentes • 3.2 Vantagens competitivas - coma você pretende se distinguir da concorrência e conquistar os consumidores • 3.3 Projeção do desempenho e perspectivas de crescimento dentro do ramo escolhido • 3.4 Perspectivas de diversificação • 3.5 Indicadores e mecanismos de controle do desempenho estratégico - volume efetivo de vendas, crescimento, participação no mercado etc. • 3.6 Iniciativas de responsabilidade social
    82. 82. O Plano de Negócios • 4.0 Marketing e vendas • 4.1 Descrição do mercado-alvo • 4.2 Estratégia de marketing • 4.2.1 Descrição do produto ou serviço • 4.2.2 Preços • 4.2.3 Distribuição e vendas • 4.2.4 Esforço promocional
    83. 83. O Plano de Negócios • 5.0 Operações • 5.1 Especificações do produto/serviço • 5.2 Modo de operações: projeto ou atividade continua • 5.3 Sistema de gestão da qualidade: garantia e controle da qualidade • 5.4 projeto do processo de fornecimento do produto/serviço • 5.5 Projeto das instalações • 5.6 Fornecedores e cadeia de suprimentos • 5.7 Controle de estoques
    84. 84. O Plano de Negócios • 6.0 Estrutura organizacional • 6.1 Estrutura organizacional da empresa 6.2 Descrições dos principais cargos • 6.3 Nomes dos ocupantes dos cargos de direção • 7.0 Recursos humanos • 7.1 Plano de mão-de-obra da empresa - lista de cargos e quantidade de ocupantes necessários • 7.2 Competências desejadas dos funcionários • 7.3 Processos de recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento 7.4 Política salarial • 7.5 Benefícios • 7.6 Sistema motivacional
    85. 85. O Plano de Negócios • 8.0 Tecnologia da informação • 8.1 Infra-estrutura • 8.2 Definição dos pacotes de software para apoiar as operações da empresa • 8.3 Site na Internet • 9.0 Riscos • 9.1 Identificação dos principais riscos do negócio • 9.2 Mecanismos de gestão dos riscos e prevenção de perdas
    86. 86. O Plano de Negócios • 10.0 Finanças • 10.1 Orçamento de implantação • 10.2 Orçamento de operação • 10.3Análise do ponto de equilíbrio • 10.4Fluxo de caixa projetado • 10.5 Balanço projetado • 10.6DRE projetado • 10.7Indicadores de desempenho
    87. 87. O Plano de Negócios • 11.0 Legislação • 11.1 Legislação aplicável a empresa • 11.2 Serviços profissionais a serem contratados - advogado, contador • 12.0 Outros possíveis componentes
    88. 88. A “NOVA” ESTRATÉGIA PARA O LUCRO LEALDADE CONFIANÇA SATISFAÇÃO LUCRO
    89. 89. Capital Tecnologia • Diferencial competitivo Commodities Talento Conhecimento Criatividade Fator Humano O MUNDO DOS NEGÓCIOS ESTÁ MUDANDO...
    90. 90. Estamos gerenciando ações quando deveríamos estar gerenciando interações
    91. 91. 91 Para Refletir… “No mundo dos negócios, você não obtém o que merece, você obtém aquilo que você consegue negociar”. Chester L Karrass. The Negotiating Game.

    ×