SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 92
PORTUGAL NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX
[object Object]
SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX 1850 1900 A
A  INDEPENDÊNCIA DO BRASIL (1822) DEIXOU PORTUGAL SEM OS LUCROS DOS PRODUTOS BRASILEIROS AO ENTRAR NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX, PORTUGAL ENFRENTAVA UMA GRAVE CRISE ECONÓMICA E SOCIAL
NAPOLEÃO AS  INVASÕES FRANCESAS  DEIXARAM O PAÍS QUASE DESTRUÍDO
D. MIGUEL D. PEDRO A  GUERRA CIVIL  ENTRE OS DOIS IRMÃOS, D. PEDRO E D. MIGUEL, DEIXOU  PORTUGAL DIVIDIDO EM TERMOS SOCIAIS
OS REIS DA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX FIZERAM  REFORMAS (mudanças) PARA  DESENVOLVER  PORTUGAL TRANSPORTES AGRICULTURA INDÚSTRIA D. MARIA II (1834 – 1853) 19 anos D. PEDRO V (1853 – 1861) 8 anos D. LUÍS I (1861 – 1889) 28 anos D. CARLOS (1889 – 1908) 19 anos REFORMAS
NOVOS TRANSPORTES A MALA- POSTA CARRUAGEM RÁPIDA TRANSPORTAVA PESSOAS E CORREIO AO LONGO DO CAMINHO HAVIA LOCAIS PARA AS PESSOAS DESCANSAREM E SE TROCAREM OS CAVALOS
O COMBOIO NA ÁREA DOS TRANSPORTES, O  COMBOIO  FOI A GRANDE NOVIDADE DO SÉCULO XIX TRANSPORTE  DE  MUITAS PESSOAS E  MERCADORIAS VIAGENS MAIS RÁPIDAS E  CONFORTÁVEIS
O BARCO A VAPOR O BARCO  A  VAPOR  TORNOU  AS  VIAGENS  MARITIMAS  MUITO  MAIS RÁPIDAS
O AUTOMÓVEL O AUTOMÓVEL ERA UM TRANSPORTE  DE LUXO. SÓ AS PESSOAS COM MUITO DINHEIRO O PODIAM COMPRAR. Gostaram do meu automóvel? Foi caríssimo…
NOVOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SELO  ADESIVO MARCO DE CORREIO
PLACAS TOPONIMICAS (Identificam os nomes das ruas, o que facilitava a entrega das cartas)
TELEFONE TELÉGRAFO (Permitia enviar mensagens  Num sistema de pontos e traços)
A maioria das crianças continuaram a não ir à escola porque precisavam de ajudar os pais na agricultura O ENSINO Construíram-se  muitas escola primárias porque 90% da população era analfabeta A  Cartilha Maternal , do Professor João de Deus, foi  O primeiro livro escolar JOÃO DE DEUS
LICEUS Iam do 5º ano ao 12º ano Construíram-se muitos Liceus nas cidades Construíram-se escolas Técnicas que preparavam os estudantes para um trabalho no  comércio ou  Indústria
UNIVERSIDADES Criaram-se novos cursos,  virados para a vida prática Os estudantes universitários eram, sobretudo, filhos de burgueses. MEDICINA QUÍMICA ARQUITECTURA
PASSOS MANUEL Em 1836 foi escolhido por D. Maria II para ministro do reino O pai, um lavrador pouco abastado, fez sacrifícios para que Passos Manuel tirasse o curso de Direito ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],EM HOMENAGEM A PASSOS MANUEL, UM DOS MAIS ANTIGOS LICEUS DE PORTUGAL TEM O SEU NOME
PORTUGAL NA SEGUNDA  METADE DO SÉCULO XIX CRISE  ECONÓMICA ,[object Object],[object Object],[object Object],REINADOS LIBERAIS REFORMAS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
NOVOS TRANSPORTES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],NOVOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
ENSINO CONSTRUÇÃO ,[object Object],[object Object],REFORMAS NAS  UNIVERSIDADES CURSOS MAIS PRÁTICOS PASSOS MANUEL ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object]
A AGRICULTURA RETIRARAM-SE TERRAS AOS NOBRES E ORDENS RELIGIOSAS. ESSAS TERRAS FORAM COMPRADAS POR BURGUESES RICOS O GOVERNO TIROU-ME AS TERRAS… DIZEM QUE EU NÃO AS CULTIVO … E COM TODA A RAZÃO, COMIGO A PRODUÇÃO TRIPLICOU!
LEI DO MORGADIO SÓ O FILHO MAIS VELHO (MORGADO) PODIA HERDAR AS TERRAS QUANDO O PAI MORRESSE ANTES DA  2ª METADE DO SÉCULO XIX TERRENO AGRÍCOLA DA FAMILIA TAVARES ESTA LEI DO MORGADIO É UMA… CENSURADO JOÃO TAVARES  65 ANOS DONO DAS TERRAS JOÃO TAVARES  65 ANOS - morre JOSÉ TAVARES  40 ANOS (Filho mais velho – Morgado) RUI TAVARES  35 ANOS (Filho do meio) PEDRO TAVARES  33  ANOS (Filho mais novo) JOÃO TAVARES  40 ANOS HERDA AS TERRAS RUI TAVARES  35 ANOS AJUDA O IRMÃO PEDRO TAVARES EMIGROU PARA O BRASIL
FIM DA LEI DO MORGADIO TODOS OS FILHOS PODIAM  HERDAR AS TERRAS QUANDO O PAI MORRESSE. AUMENTOU O NÚMERO  DE  PROPRIETÁRIOS  AGRÍCOLAS TERRENO AGRÍCOLA DA FAMILIA TAVARES NA  2ª METADE DO SÉCULO XIX JOÃO TAVARES  65 ANOS DONO DAS TERRAS JOÃO TAVARES  65 ANOS - morre JOSÉ TAVARES  40 ANOS RUI TAVARES  35 ANOS PEDRO TAVARES  33  ANOS
Os  BALDIOS  ( terras que não tinham dono e que serviam para pasto  dos animais e para fornecer lenha ) foram ocupados por donos de terras e aproveitados para a agricultura NOVAS ÁREAS CULTIVADAS
Antes da segunda metade do século XIX existia a técnica do  POUSIO  ( os solos agrícolas eram divididos em parcelas e uma, à vez, ficava em descanso durante dois anos ). NOVAS TÉCNICAS AGRÍCOLAS
Na segunda metade do século XIX a parcela em pousio passou a ser cultivada com batata, que não desgasta a terra, o que fez aumentar a produção agrícola
CHARRUA DE FERRO DEBULHADORA CEIFEIRA MECÂNICA ,[object Object],[object Object],NOVAS INSTRUMENTOS AGRÍCOLAS
A  INDÚSTRIA A DESCOBERTA DA MÁQUINA A VAPOR FEZ NASCER A INDÚSTRIA TRANSFORMA AS MATÉRIAS-PRIMAS EM PRODUTOS… …  NAS FÁBRICAS …  UTILIZANDO MÁQUINAS…
AS PRIMIRAS FÁBRICAS EM PORTUGAL APARECERAM NAS ZONAS DE  PORTO / GUIMARÃES  E  LISBOA / SETÚBAL  E USAVAM O CARVÃO PARA FAZER TRABALHAR AS MÁQUINAS.
COM A INDÚSTRIA APARECE UMA NOVA CLASSE SOCIAL:  OS OPERÁRIOS (Conjunto de pessoas que trabalham nas fábricas)
O  TRABALHO NAS FÁBRICAS FEZ DESENVOLVER O TRABALHO INFANTIL
ERA UM TRABALHO MUITO DURO E PERIGOSO OS MINEIROS RECEBIAM MUITO POUCO E TRABALHAVAM MUITO PRINCIPAIS ZONAS DE MINERAÇÃO EM PORTUGAL NO SÉCULO XIX COM A NECESSIDADE DE CARVÃO POR PARTE DAS FÁBRICAS, DESENVOLVEU-SE A EXPLORAÇÃO MINEIRA EM PORTUGAL
SAÍDA DE MUITOS CAMPONESES DOS CAMPOS PARA AS CIDADES DEVIDO AO DESEMPREGO E À POBREZA . O ÊXODO RURAL
NAS CIDADES, OS CAMPONESES PROCURAVAM TRABALHO, SOBRETUDO NAS FÁBRICAS, MAS NEM SEMPRE CONSEGUIAM…
QUANDO NÃO CONSEGUIAM EMPREGO NAS CIDADES, OS CAMPONESES EMIGRAVAM, PROCURANDO UMA VIDA MELHOR NOUTRO PAÍS
NO SÉCULO XIX O  BRASIL FOI O PRINCIPAL DESTINO DOS EMIGRANTES PORTUGUESES
AGRICULTURA NO SÉCULO XIX ,[object Object],[object Object],NOVOS PROPRIETÁRIOS AGRICOLAS ,[object Object],NOVAS ÁREAS DE CULTIVO ,[object Object],NOVAS TÉCNICAS AGRÍCOLAS NOVOS INSTRUMENTOS AGRÍCOLAS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],AUMENTO DA PRODUÇÃO
INDÚSTRIA  NO SÉCULO XIX OPERÁRIOS NOVA  CLASSE SOCIAL ZONAS  INDUSTRIAIS ,[object Object],[object Object],DESENVOLVIMENTO DA EXPLORAÇÃO MINEIRA
ÊXODO RURAL E EMIGRAÇÃO SAÍDA DE MUITOS CAMPONESES DO CAMPO PARA A CIDADE ÊXODO RURAL EMIGRAÇÃO SAÍDA DO PAÍS ONDE SE NASCEU PARA OUTRO PRINCIPAL DESTINO: BRASIL
[object Object]
ACTIVIDADES NO CAMPO AGRICULTURA PASTORÍCIA A VIDA NO CAMPO
OS CAMPONESES NÓS, OS CAMPONESES, NÃO SOMOS DONOS DA TERRA QUE TRABALHAMOS LEVAMOS UMA VIDA DE MISÉRIA E NÃO SABEMOS LER NEM ESCREVER… TRABALHAMOS DO NASCER AO PÔR-DO-SOL, MAS DE VEZ EM QUANDO, DIVERTIMO-NOS…
DIVERSÕES DOS CAMPONESES PROCISSÕES
BAILES JOGOS TRADICIONAIS
OS HOMENS, DEPOIS DE RECEBEREM, IAM GASTAR O  DINHEIRO QUASE TODO NA TABERNA
MELHORIAS NAS CIDADES DO SÉCULO XIX ÁGUA CANALIZADA A VIDA NA CIDADE
RECOLHA DO LIXO ILUMINAÇÃO PÚBLICA
TRANSPORTES PÚBLICOS AMERICANO CHORA
A VIDA DA BURGUESIA NA CIDADE
CLASSE LIGADA AO COMÉRCIO, ERA MUITO RICA E INFLUENTE, OCUPANDO CARGOS NO  GOVERNO
O SEU VESTUÁRIO REFLECTIA A  SUA RIQUEZA
 
DECIDIAM AS QUESTÕES DE HONRA EM DUELOS
DIVERTIAM-SE… … NO “PASSEIO PÚBLICO” … NO FUTEBOL (homens)
… NA PRAIA … NOS BAILES … NOS CAFÉS
OS BURGUESES VIVAM EM GRANDES PALACETES
O “BRASILEIRO” ALGUMAS PESSOAS DO POVO QUE ENRIQUECERAM NO BRASIL  REGRESSARAM A PORTUGAL E TENTAVAM IMITAR O ESTILO DE VIDA DOS BURGUESES
A VIDA DO POVO NA CIDADE
MUITAS PESSOAS DO POVO ERAM MUITO POBRES, TENDO DE RECORRER À SOPA DOS POBRES PARA SE ALIMENTAR
NA CIDADE AS PESSOAS DO POVO TINHAM MUITAS ACTIVIDADES
 
VIVIAM EM BAIRROS MUITO POBRES “ PÁTIOS” - LISBOA “ ILHAS” - PORTO BAIRROS OPERÁRIOS
 
O CAMPO ,[object Object],[object Object],[object Object],CAMPONESES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A CIDADE ,[object Object],[object Object],[object Object],MELHORIAS BURGUESES ,[object Object],[object Object],[object Object],POVO ,[object Object],[object Object]
[object Object]
OS ARQUITECTOS INPIRARAM-SE,  PARA FAZER AS SUAS OBRAS,  NOS GREGOS, ROMANOS, ÁRABES E NA ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS PALACETE DO PRINCÍPE REAL INFLUÊNCIA ÁRABE ARQUITECTURA
TEATRO  D. MARIA II INFLUÊNCIA GREGA E  ROMANA
ESTAÇÃO DE COMBOIOS DO ROSSIO INFLUÊNCIA ARTE MANUELINA
AZULEJO NOVOS MATERIAIS
PALÁCIO DA BOLSA  (Cúpula) FERRO  E VIDRO
PONTE  D. LUÍS - PORTO FERRO
JOSÉ MALHOA NA PINTURA OS PRINCIPAIS  TEMAS ERAM O  RETRATO , AS  PAISAGENS  E A  VIDA DO POVO PINTURA
“ OS BÊBADOS”
“ PRAIA DAS MAÇÃS”
COLUMBANO BORDALO PINHEIRO
“ GRUPO DO LEÃO”
SILVA PORTO
“ GUARDANDO O REBANHO”
“ COLHEITA”
RAFAEL BORDALO PINHEIRO CERÂMICA
“ ZÉ POVINHO”
“ PRATO DE FRUTAS”
CAMILO  CASTELO BRANCO LITERATURA
JÚLIO DINIS
RAMALHO ORTIGÃO
EÇA DE QUEIRÓS
 
 
A ARTE E  CULTURA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ARQUITECTURA PINTURA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CERÂMICA ,[object Object],[object Object],LITERATURA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
Pelo Siro
 
A agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xixA agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xix
Anabela Sobral
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
cattonia
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
guestbfbc7a
 
O ensino e a população em portugal no século xix
O ensino e a população em portugal no século xixO ensino e a população em portugal no século xix
O ensino e a população em portugal no século xix
Anabela Sobral
 
C3 portugal na segunda metade do século xix (2ª parte)
C3   portugal na segunda metade do século xix (2ª parte)C3   portugal na segunda metade do século xix (2ª parte)
C3 portugal na segunda metade do século xix (2ª parte)
Carlos Vaz
 

Mais procurados (20)

A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xix
 
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xix
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xixA modernização do reino na 2ª met. do séc. xix
A modernização do reino na 2ª met. do séc. xix
 
Portugal na 2ª metade do século. XIX
Portugal na 2ª metade do século. XIXPortugal na 2ª metade do século. XIX
Portugal na 2ª metade do século. XIX
 
Mala posta
Mala postaMala posta
Mala posta
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIX
 
Portugal na 2ª metade do século XIX.
 Portugal na 2ª metade do século XIX. Portugal na 2ª metade do século XIX.
Portugal na 2ª metade do século XIX.
 
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª   a industria na segunda metade do século xixParte 2ª   a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
 
O ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xixO ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xix
 
século XIX em Portugal
século XIX em Portugalséculo XIX em Portugal
século XIX em Portugal
 
A agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xixA agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xix
 
A Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
A Rede de Transportes na segunda metade do século XIXA Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
A Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
 
A vida no campo em Portugal no século XIX
A vida no campo  em Portugal no século XIXA vida no campo  em Portugal no século XIX
A vida no campo em Portugal no século XIX
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
 
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926 A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
 
O ensino e a população em portugal no século xix
O ensino e a população em portugal no século xixO ensino e a população em portugal no século xix
O ensino e a população em portugal no século xix
 
C3 portugal na segunda metade do século xix (2ª parte)
C3   portugal na segunda metade do século xix (2ª parte)C3   portugal na segunda metade do século xix (2ª parte)
C3 portugal na segunda metade do século xix (2ª parte)
 

Destaque (15)

Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
 
D.Manuel II
D.Manuel IID.Manuel II
D.Manuel II
 
D.Maria II
D.Maria IID.Maria II
D.Maria II
 
Estado Novo
Estado NovoEstado Novo
Estado Novo
 
D.Maria I
D.Maria ID.Maria I
D.Maria I
 
D.Maria 2
D.Maria 2D.Maria 2
D.Maria 2
 
A ModernizaçãO
A ModernizaçãOA ModernizaçãO
A ModernizaçãO
 
A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)
 
O Absolutismo
O AbsolutismoO Absolutismo
O Absolutismo
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
Friso CronolóGico
Friso CronolóGicoFriso CronolóGico
Friso CronolóGico
 
1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 

Semelhante a Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX

12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
R C
 
O surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
O  surgimento da sociedade de-massas - 9-anoO  surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
O surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
Lucas Degiovani
 
A vida na cidade na segunda metade do século xix
A vida na cidade na segunda metade do século xixA vida na cidade na segunda metade do século xix
A vida na cidade na segunda metade do século xix
Anabela Sobral
 
Vida quotidiana cidade século xix
Vida quotidiana cidade   século xixVida quotidiana cidade   século xix
Vida quotidiana cidade século xix
cameloburro
 
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdfAULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
MisslenePereira1
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
Carla Teixeira
 
Contraste Cidade Campo Focando Fernando Pessoa E Seus Heterónimos
Contraste Cidade Campo Focando Fernando Pessoa E Seus HeterónimosContraste Cidade Campo Focando Fernando Pessoa E Seus Heterónimos
Contraste Cidade Campo Focando Fernando Pessoa E Seus Heterónimos
Ana Oliveira
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5
anabelasilvasobral
 
Ciclo tropeiro e indaiatuba 1
Ciclo tropeiro e indaiatuba 1Ciclo tropeiro e indaiatuba 1
Ciclo tropeiro e indaiatuba 1
Dagoberto Mebius
 
Da Vida Nas Cidades
Da Vida Nas CidadesDa Vida Nas Cidades
Da Vida Nas Cidades
jdlimaaear
 
Terceirão 3 história - 2º bimestre 2013
Terceirão 3   história - 2º bimestre  2013Terceirão 3   história - 2º bimestre  2013
Terceirão 3 história - 2º bimestre 2013
Maria Schmitt
 

Semelhante a Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX (20)

Portugal no xix
Portugal no xixPortugal no xix
Portugal no xix
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
 
O surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
O  surgimento da sociedade de-massas - 9-anoO  surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
O surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
 
A vida na cidade na segunda metade do século xix
A vida na cidade na segunda metade do século xixA vida na cidade na segunda metade do século xix
A vida na cidade na segunda metade do século xix
 
Vida quotidiana cidade século xix
Vida quotidiana cidade   século xixVida quotidiana cidade   século xix
Vida quotidiana cidade século xix
 
Capitalismo e Imperialismo
Capitalismo e ImperialismoCapitalismo e Imperialismo
Capitalismo e Imperialismo
 
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdfAULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
AULA 02 - O PRÉ-URBANISMO - DA CIDADE INDUSTRIAL AO HIGIENISMO 2022.2.pdf
 
995
995995
995
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
revolta
revoltarevolta
revolta
 
Aula 1 módulo 8
Aula 1 módulo 8Aula 1 módulo 8
Aula 1 módulo 8
 
A vida quotidiana
A vida quotidiana A vida quotidiana
A vida quotidiana
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
 
Contraste Cidade Campo Focando Fernando Pessoa E Seus Heterónimos
Contraste Cidade Campo Focando Fernando Pessoa E Seus HeterónimosContraste Cidade Campo Focando Fernando Pessoa E Seus Heterónimos
Contraste Cidade Campo Focando Fernando Pessoa E Seus Heterónimos
 
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5
 
Ciclo tropeiro e Indaiatuba
Ciclo tropeiro e Indaiatuba Ciclo tropeiro e Indaiatuba
Ciclo tropeiro e Indaiatuba
 
Ciclo tropeiro e indaiatuba 1
Ciclo tropeiro e indaiatuba 1Ciclo tropeiro e indaiatuba 1
Ciclo tropeiro e indaiatuba 1
 
Da Vida Nas Cidades
Da Vida Nas CidadesDa Vida Nas Cidades
Da Vida Nas Cidades
 
Terceirão 3 história - 2º bimestre 2013
Terceirão 3   história - 2º bimestre  2013Terceirão 3   história - 2º bimestre  2013
Terceirão 3 história - 2º bimestre 2013
 

Mais de Sandra Sousa

Candidatura delegado de turma_joaoa
Candidatura delegado de turma_joaoaCandidatura delegado de turma_joaoa
Candidatura delegado de turma_joaoa
Sandra Sousa
 
Candidatura delegada de turma
Candidatura delegada de turmaCandidatura delegada de turma
Candidatura delegada de turma
Sandra Sousa
 
Organizacao caderno diário_lp_ing
Organizacao caderno diário_lp_ingOrganizacao caderno diário_lp_ing
Organizacao caderno diário_lp_ing
Sandra Sousa
 

Mais de Sandra Sousa (20)

avaliação das aulas de formação cívica- Carolina N.
avaliação das aulas de formação cívica- Carolina N.avaliação das aulas de formação cívica- Carolina N.
avaliação das aulas de formação cívica- Carolina N.
 
Opiniao blogue 5ºH_2011/12
Opiniao blogue 5ºH_2011/12Opiniao blogue 5ºH_2011/12
Opiniao blogue 5ºH_2011/12
 
Cores
CoresCores
Cores
 
Estatistica trabalho projeto
Estatistica trabalho projetoEstatistica trabalho projeto
Estatistica trabalho projeto
 
Trabalho escrito
Trabalho escritoTrabalho escrito
Trabalho escrito
 
Sólidos geométricos
Sólidos geométricosSólidos geométricos
Sólidos geométricos
 
Candidatura delegado de turma_joaoa
Candidatura delegado de turma_joaoaCandidatura delegado de turma_joaoa
Candidatura delegado de turma_joaoa
 
Candidatura delegada de turma
Candidatura delegada de turmaCandidatura delegada de turma
Candidatura delegada de turma
 
Organizacao caderno diário_lp_ing
Organizacao caderno diário_lp_ingOrganizacao caderno diário_lp_ing
Organizacao caderno diário_lp_ing
 
Certificado blogue
Certificado blogueCertificado blogue
Certificado blogue
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
Banda desenhada
Banda desenhadaBanda desenhada
Banda desenhada
 
Os Portugueses que se destacaram nos últimos 100 Anos no Mundo
Os Portugueses que se destacaram nos últimos 100 Anos no MundoOs Portugueses que se destacaram nos últimos 100 Anos no Mundo
Os Portugueses que se destacaram nos últimos 100 Anos no Mundo
 
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 AnosOs Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
 
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 AnosOs Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
 
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 AnosOs Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
 
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 AnosOs Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
 
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 AnosOs Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
 
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 AnosOs Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
 
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 AnosOs Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
Os Portugueses que se destacaram no Mundo nos últimos 100 Anos
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 

Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX

  • 1. PORTUGAL NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX
  • 2.
  • 3. SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX 1850 1900 A
  • 4. A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL (1822) DEIXOU PORTUGAL SEM OS LUCROS DOS PRODUTOS BRASILEIROS AO ENTRAR NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX, PORTUGAL ENFRENTAVA UMA GRAVE CRISE ECONÓMICA E SOCIAL
  • 5. NAPOLEÃO AS INVASÕES FRANCESAS DEIXARAM O PAÍS QUASE DESTRUÍDO
  • 6. D. MIGUEL D. PEDRO A GUERRA CIVIL ENTRE OS DOIS IRMÃOS, D. PEDRO E D. MIGUEL, DEIXOU PORTUGAL DIVIDIDO EM TERMOS SOCIAIS
  • 7. OS REIS DA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX FIZERAM REFORMAS (mudanças) PARA DESENVOLVER PORTUGAL TRANSPORTES AGRICULTURA INDÚSTRIA D. MARIA II (1834 – 1853) 19 anos D. PEDRO V (1853 – 1861) 8 anos D. LUÍS I (1861 – 1889) 28 anos D. CARLOS (1889 – 1908) 19 anos REFORMAS
  • 8. NOVOS TRANSPORTES A MALA- POSTA CARRUAGEM RÁPIDA TRANSPORTAVA PESSOAS E CORREIO AO LONGO DO CAMINHO HAVIA LOCAIS PARA AS PESSOAS DESCANSAREM E SE TROCAREM OS CAVALOS
  • 9. O COMBOIO NA ÁREA DOS TRANSPORTES, O COMBOIO FOI A GRANDE NOVIDADE DO SÉCULO XIX TRANSPORTE DE MUITAS PESSOAS E MERCADORIAS VIAGENS MAIS RÁPIDAS E CONFORTÁVEIS
  • 10. O BARCO A VAPOR O BARCO A VAPOR TORNOU AS VIAGENS MARITIMAS MUITO MAIS RÁPIDAS
  • 11. O AUTOMÓVEL O AUTOMÓVEL ERA UM TRANSPORTE DE LUXO. SÓ AS PESSOAS COM MUITO DINHEIRO O PODIAM COMPRAR. Gostaram do meu automóvel? Foi caríssimo…
  • 12. NOVOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SELO ADESIVO MARCO DE CORREIO
  • 13. PLACAS TOPONIMICAS (Identificam os nomes das ruas, o que facilitava a entrega das cartas)
  • 14. TELEFONE TELÉGRAFO (Permitia enviar mensagens Num sistema de pontos e traços)
  • 15. A maioria das crianças continuaram a não ir à escola porque precisavam de ajudar os pais na agricultura O ENSINO Construíram-se muitas escola primárias porque 90% da população era analfabeta A Cartilha Maternal , do Professor João de Deus, foi O primeiro livro escolar JOÃO DE DEUS
  • 16. LICEUS Iam do 5º ano ao 12º ano Construíram-se muitos Liceus nas cidades Construíram-se escolas Técnicas que preparavam os estudantes para um trabalho no comércio ou Indústria
  • 17. UNIVERSIDADES Criaram-se novos cursos, virados para a vida prática Os estudantes universitários eram, sobretudo, filhos de burgueses. MEDICINA QUÍMICA ARQUITECTURA
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. A AGRICULTURA RETIRARAM-SE TERRAS AOS NOBRES E ORDENS RELIGIOSAS. ESSAS TERRAS FORAM COMPRADAS POR BURGUESES RICOS O GOVERNO TIROU-ME AS TERRAS… DIZEM QUE EU NÃO AS CULTIVO … E COM TODA A RAZÃO, COMIGO A PRODUÇÃO TRIPLICOU!
  • 24. LEI DO MORGADIO SÓ O FILHO MAIS VELHO (MORGADO) PODIA HERDAR AS TERRAS QUANDO O PAI MORRESSE ANTES DA 2ª METADE DO SÉCULO XIX TERRENO AGRÍCOLA DA FAMILIA TAVARES ESTA LEI DO MORGADIO É UMA… CENSURADO JOÃO TAVARES 65 ANOS DONO DAS TERRAS JOÃO TAVARES 65 ANOS - morre JOSÉ TAVARES 40 ANOS (Filho mais velho – Morgado) RUI TAVARES 35 ANOS (Filho do meio) PEDRO TAVARES 33 ANOS (Filho mais novo) JOÃO TAVARES 40 ANOS HERDA AS TERRAS RUI TAVARES 35 ANOS AJUDA O IRMÃO PEDRO TAVARES EMIGROU PARA O BRASIL
  • 25. FIM DA LEI DO MORGADIO TODOS OS FILHOS PODIAM HERDAR AS TERRAS QUANDO O PAI MORRESSE. AUMENTOU O NÚMERO DE PROPRIETÁRIOS AGRÍCOLAS TERRENO AGRÍCOLA DA FAMILIA TAVARES NA 2ª METADE DO SÉCULO XIX JOÃO TAVARES 65 ANOS DONO DAS TERRAS JOÃO TAVARES 65 ANOS - morre JOSÉ TAVARES 40 ANOS RUI TAVARES 35 ANOS PEDRO TAVARES 33 ANOS
  • 26. Os BALDIOS ( terras que não tinham dono e que serviam para pasto dos animais e para fornecer lenha ) foram ocupados por donos de terras e aproveitados para a agricultura NOVAS ÁREAS CULTIVADAS
  • 27. Antes da segunda metade do século XIX existia a técnica do POUSIO ( os solos agrícolas eram divididos em parcelas e uma, à vez, ficava em descanso durante dois anos ). NOVAS TÉCNICAS AGRÍCOLAS
  • 28. Na segunda metade do século XIX a parcela em pousio passou a ser cultivada com batata, que não desgasta a terra, o que fez aumentar a produção agrícola
  • 29.
  • 30. A INDÚSTRIA A DESCOBERTA DA MÁQUINA A VAPOR FEZ NASCER A INDÚSTRIA TRANSFORMA AS MATÉRIAS-PRIMAS EM PRODUTOS… … NAS FÁBRICAS … UTILIZANDO MÁQUINAS…
  • 31. AS PRIMIRAS FÁBRICAS EM PORTUGAL APARECERAM NAS ZONAS DE PORTO / GUIMARÃES E LISBOA / SETÚBAL E USAVAM O CARVÃO PARA FAZER TRABALHAR AS MÁQUINAS.
  • 32. COM A INDÚSTRIA APARECE UMA NOVA CLASSE SOCIAL: OS OPERÁRIOS (Conjunto de pessoas que trabalham nas fábricas)
  • 33. O TRABALHO NAS FÁBRICAS FEZ DESENVOLVER O TRABALHO INFANTIL
  • 34. ERA UM TRABALHO MUITO DURO E PERIGOSO OS MINEIROS RECEBIAM MUITO POUCO E TRABALHAVAM MUITO PRINCIPAIS ZONAS DE MINERAÇÃO EM PORTUGAL NO SÉCULO XIX COM A NECESSIDADE DE CARVÃO POR PARTE DAS FÁBRICAS, DESENVOLVEU-SE A EXPLORAÇÃO MINEIRA EM PORTUGAL
  • 35. SAÍDA DE MUITOS CAMPONESES DOS CAMPOS PARA AS CIDADES DEVIDO AO DESEMPREGO E À POBREZA . O ÊXODO RURAL
  • 36. NAS CIDADES, OS CAMPONESES PROCURAVAM TRABALHO, SOBRETUDO NAS FÁBRICAS, MAS NEM SEMPRE CONSEGUIAM…
  • 37. QUANDO NÃO CONSEGUIAM EMPREGO NAS CIDADES, OS CAMPONESES EMIGRAVAM, PROCURANDO UMA VIDA MELHOR NOUTRO PAÍS
  • 38. NO SÉCULO XIX O BRASIL FOI O PRINCIPAL DESTINO DOS EMIGRANTES PORTUGUESES
  • 39.
  • 40.
  • 41. ÊXODO RURAL E EMIGRAÇÃO SAÍDA DE MUITOS CAMPONESES DO CAMPO PARA A CIDADE ÊXODO RURAL EMIGRAÇÃO SAÍDA DO PAÍS ONDE SE NASCEU PARA OUTRO PRINCIPAL DESTINO: BRASIL
  • 42.
  • 43. ACTIVIDADES NO CAMPO AGRICULTURA PASTORÍCIA A VIDA NO CAMPO
  • 44. OS CAMPONESES NÓS, OS CAMPONESES, NÃO SOMOS DONOS DA TERRA QUE TRABALHAMOS LEVAMOS UMA VIDA DE MISÉRIA E NÃO SABEMOS LER NEM ESCREVER… TRABALHAMOS DO NASCER AO PÔR-DO-SOL, MAS DE VEZ EM QUANDO, DIVERTIMO-NOS…
  • 47. OS HOMENS, DEPOIS DE RECEBEREM, IAM GASTAR O DINHEIRO QUASE TODO NA TABERNA
  • 48. MELHORIAS NAS CIDADES DO SÉCULO XIX ÁGUA CANALIZADA A VIDA NA CIDADE
  • 49. RECOLHA DO LIXO ILUMINAÇÃO PÚBLICA
  • 51. A VIDA DA BURGUESIA NA CIDADE
  • 52. CLASSE LIGADA AO COMÉRCIO, ERA MUITO RICA E INFLUENTE, OCUPANDO CARGOS NO GOVERNO
  • 53. O SEU VESTUÁRIO REFLECTIA A SUA RIQUEZA
  • 54.  
  • 55. DECIDIAM AS QUESTÕES DE HONRA EM DUELOS
  • 56. DIVERTIAM-SE… … NO “PASSEIO PÚBLICO” … NO FUTEBOL (homens)
  • 57. … NA PRAIA … NOS BAILES … NOS CAFÉS
  • 58. OS BURGUESES VIVAM EM GRANDES PALACETES
  • 59. O “BRASILEIRO” ALGUMAS PESSOAS DO POVO QUE ENRIQUECERAM NO BRASIL REGRESSARAM A PORTUGAL E TENTAVAM IMITAR O ESTILO DE VIDA DOS BURGUESES
  • 60. A VIDA DO POVO NA CIDADE
  • 61. MUITAS PESSOAS DO POVO ERAM MUITO POBRES, TENDO DE RECORRER À SOPA DOS POBRES PARA SE ALIMENTAR
  • 62. NA CIDADE AS PESSOAS DO POVO TINHAM MUITAS ACTIVIDADES
  • 63.  
  • 64. VIVIAM EM BAIRROS MUITO POBRES “ PÁTIOS” - LISBOA “ ILHAS” - PORTO BAIRROS OPERÁRIOS
  • 65.  
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69. OS ARQUITECTOS INPIRARAM-SE, PARA FAZER AS SUAS OBRAS, NOS GREGOS, ROMANOS, ÁRABES E NA ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS PALACETE DO PRINCÍPE REAL INFLUÊNCIA ÁRABE ARQUITECTURA
  • 70. TEATRO D. MARIA II INFLUÊNCIA GREGA E ROMANA
  • 71. ESTAÇÃO DE COMBOIOS DO ROSSIO INFLUÊNCIA ARTE MANUELINA
  • 73. PALÁCIO DA BOLSA (Cúpula) FERRO E VIDRO
  • 74. PONTE D. LUÍS - PORTO FERRO
  • 75. JOSÉ MALHOA NA PINTURA OS PRINCIPAIS TEMAS ERAM O RETRATO , AS PAISAGENS E A VIDA DO POVO PINTURA
  • 77. “ PRAIA DAS MAÇÃS”
  • 79. “ GRUPO DO LEÃO”
  • 81. “ GUARDANDO O REBANHO”
  • 85. “ PRATO DE FRUTAS”
  • 86. CAMILO CASTELO BRANCO LITERATURA
  • 90.  
  • 91.  
  • 92.