SlideShare uma empresa Scribd logo
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Durante a primeira metade do século XIX, Portugal
era um reino empobrecido devido:
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Durante a primeira metade do século XIX, Portugal era
um reino empobrecido devido:
 às invasões napoleónicas;
O saque francês
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Durante a primeira metade do século XIX, Portugal era
um reino empobrecido devido:
 às invasões napoleónicas
 à independência do Brasil;
A declaração da independência
do Brasil pelo príncipe D. Pedro
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Durante a primeira metade do século XIX, Portugal era
um reino empobrecido devido:
 às invasões napoleónicas
 à independência do Brasil
 à guerra civil entre liberais e absolutistas.
Caricatura que mostra D. Pedro e D. Miguel em guerra
Porque será que estes acontecimentos
empobreceram o reino?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Na segunda metade do século XIX, os governos da
monarquia liberal procuram desenvolver o país.
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Este período de modernização do reino começou no reinado de D. Maria II e continuou nos reinados
de D. Pedro V, D. Luís I e D. Carlos.
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A agricultura começou a modernizar-se com novas técnicas de
cultivo, novas sementes, novos adubos e novas máquinas
agrícolas, o que permitiu aumentar a produção e recuperar o
atraso em que Portugal se encontrava em relação aos outros
países europeus.
Ceifeira mecânica puxada a cavalos
Debulhadora mecânica movida por uma
máquina a vapor
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa o mapa e, de seguida, responde às questões.
Mapa do solo cultivado em Portugal na segunda
metade do século XIX
Por onde estavam distribuídas as áreas
cultivadas?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa o mapa e, de seguida, responde às questões.
Mapa do solo cultivado em Portugal na segunda
metade do século XIX
Qual a zona do país onde predominam as
áreas incultas?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa as figuras.
Mecanização da agricultura
A lavra da terra
Que diferenças existem entre as duas
imagens?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa com atenção o esquema e explica como se desenvolveu e modernizou a agricultura
portuguesa na segunda metade do século XIX.
Esquema de desenvolvimento e modernização da agricultura
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Foi ainda neste século que o arroz e a batata passaram a fazer parte da alimentação diária da
população portuguesa o que explica o aumento da sua produção.
A apanha da batata no século XIX
Plantação de arroz
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A utilização de máquinas a vapor na extração mineira permitiu um
melhor aproveitamento dos recursos minerais em Portugal.
Localização das principais jazidas minerais do século XIX
Ferro
Cobre
Estanho
Volfrâmio
Carvão
Onde se localizavam as minas de cobre?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A utilização de máquinas a vapor na extração mineira permitiu um
melhor aproveitamento dos recursos minerais em Portugal.
Localização das principais jazidas minerais do século XIX
Ferro
Cobre
Estanho
Volfrâmio
Carvão
E as minas de carvão?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A utilização de máquinas a vapor na extração mineira permitiu um melhor aproveitamento dos recursos minerais
portugueses. A extração de ferro, do cobre e do carvão aumentaram para responder às necessidades das novas
indústrias e dos usos domésticos.
As galerias de uma mina no século XIX Trabalhadores no interior de uma mina
Quais eram as condições vividas pelos
trabalhadores das minas?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Interior de uma fundição
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
As indústrias passaram a produzir mais e melhor com
recurso a máquinas a vapor.
Máquina a vapor
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
As indústrias que mais se modernizaram foram a têxtil, a
do tabaco, a do papel e a das conservas de peixe. Esta
modernização deu origem ao aparecimento de grandes
fábricas, onde trabalhava um grande número de operários.
Interior de uma fábrica têxtil
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa as figuras e, depois, responde às questões.
Trabalhadores de uma fábrica de têxteis
Mapa das principais zonas
industriais na segunda metade
do século XIX
Onde se localizavam as principais zonas
industriais na segunda metade do séc. XIX?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa as figuras e, depois, responde às questões.
Trabalhadores de uma fábrica de têxteis
Mapa das principais zonas
industriais na segunda metade
do século XIX
Porque será que as indústrias se localizavam
nessas zonas?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
No início do século XIX, a população continuava
a viver isolada. As más estradas e os antiquados
transportes assustavam o mais ousado viajante e
prejudicavam o desenvolvimento.
Estrada em más condições
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Fontes Pereira de Melo, ministro de D. Maria II, D. Pedro V e D. Luís,
foi o grande responsável pela modernização das vias de
comunicação e dos meios de transporte.
Fontes Pereira de Melo
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Construíram-se muitos quilómetros de novas estradas em
macadame. Iniciou-se a construção da rede ferroviária, de túneis
e de novas pontes. Melhorou-se o porto de Lisboa e construiu-se
o porto artificial de Leixões. É também nesta altura que se
restauram muitos faróis e se constroem outros.
A chegada do primeiro comboio ao Carregado
Evolução da rede de
caminhos de ferro
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Construíram-se muitos quilómetros de novas estradas em
macadame. Iniciou-se a construção da rede ferroviária, de túneis
e de novas pontes. Melhorou-se o porto de Lisboa e construiu-se
o porto artificial de Leixões. É também nesta altura que se
restauram muitos faróis e se constroem outros.
A chegada do primeiro comboio ao Carregado
Evolução da rede de
caminhos de ferro
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Construíram-se muitos quilómetros de novas estradas em
macadame. Iniciou-se a construção da rede ferroviária, de túneis
e de novas pontes. Melhorou-se o porto de Lisboa e construiu-se
o porto artificial de Leixões. É também nesta altura que se
restauram muitos faróis e se constroem outros.
Evolução da rede de
caminhos de ferro
A chegada do primeiro comboio ao Carregado
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Evolução da rede de estradas Ponte de D. Maria, Porto
Construção do porto de Leixões (1884-1892)
Construíram-se muitos quilómetros de novas estradas em
macadame. Iniciou-se a construção da rede ferroviária, de túneis
e de novas pontes. Melhorou-se o porto de Lisboa e construiu-se
o porto artificial de Leixões. É também nesta altura que se
restauram muitos faróis e se constroem outros.
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A circulação de pessoas e mercadorias passou a fazer-se de um modo mais rápido, barato e seguro. Os meios de
transporte modernizaram-se com o aparecimento dos serviços de “mala-posta” ou “diligência” que transportavam a
mala do correio e passageiros.
A Diligência da Valpaços – aguarela de Alberto de Souza,
Ilustração Portuguesa, 1913
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O aparecimento dos meios de transporte público que passavam a
horas mais ou menos certas nos locais de paragem, originou a
necessidade de utilização do relógio de bolso.
Relógio de bolso
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Telefone e jornais
Outros inventos e acontecimentos contribuíram uma melhor divulgação de
ideias e informações.
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Apareceu o primeiro selo postal adesivo, reorganizaram-se os correios e surgem os primeiros marcos do
correio. Foi neste período que se inaugurou a primeira rede pública de telefones e entrou em funcionamento o
telégrafo elétrico que permitiu uma ligação imediata com outros países.
Marco de correio Telégrafo do século XIX
Selo postal adesivo
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Escola primária
Durante este período, os governos da monarquia liberal
procuraram fazer importantes reformas no ensino, tais como:
 Aumentaram o número de escolas primárias
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Durante este período, os governos da monarquia liberal
procuraram fazer importantes reformas no ensino, tais como:
 Aumentaram o número de escolas primárias
 Alargaram o “ensino liceal”, criando um liceu em
todas as cidades capitais de distrito
Liceu Passos Manuel, Lisboa
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Durante este período, os governos da monarquia liberal
procuraram fazer importantes reformas no ensino, tais como:
 Aumentaram o número de escolas primárias
 Alargaram o “ensino liceal”, criando um liceu em
todas as cidades capitais de distrito
 Criaram as primeiras escolas do “ensino técnico”
(escolas comerciais, industriais e agrícolas)
Escola de Desenho Industrial Faria de Guimarães
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Contudo, a grande maioria da população continuava analfabeta,
principalmente as mulheres.
Mulheres a trabalhar numa fábrica de fiação
Percentagem de analfabetos
Qual era a percentagem de analfabetismo
em Portugal em 1878?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Contudo, a grande maioria da população continuava analfabeta,
principalmente as mulheres.
Mulheres a trabalhar numa fábrica de fiação
Percentagem de analfabetos
E qual era a percentagem de analfabetos
em 1900?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Contudo, a grande maioria da população continuava analfabeta,
principalmente as mulheres.
Mulheres a trabalhar numa fábrica de fiação
Percentagem de analfabetos
Parece-te que as medidas tomadas pelos
governos liberais tiveram bons resultados?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Também foram publicadas leis que pretendiam defender os direitos de todos
os seres humanos.
Carta de lei pela qual D. Luís aprova o decreto das Cortes Gerais
de 26 de junho de 1867 que aprova a abolição da pena de morte
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Foi em 1864 que se realizou o primeiro recenseamento
da população portuguesa com a contagem de todos os
habitantes do Reino, através de boletins próprios.
A contagem demorou 2 anos e pôde concluir-se que o
país teria por essa altura 3 829 618 habitantes.
Duque de Loulé responsável pelo primeiro recenseamento
da população portuguesa
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Na segunda metade do século XIX, o número de pessoas aumentou em Portugal.
Observa o esquema e indica as razões do crescimento da população.
Motivos do crescimento da população
A consulta médica
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O crescimento da população, a vida de miséria que os
camponeses viviam e a sua dependência dos donos das
terras, levaram a que muitos fugissem das suas aldeias para
irem trabalhar nas grandes cidades ou emigrassem.
Os imigrantes, de António Rocco (1910)
Barco com emigrantes, finais
do século XIX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa com atenção o mapa que se segue e diz quais eram os principais
destinos dos emigrantes portugueses do século XIX.
Principais destinos da emigração
portuguesa no século XIX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa com atenção o mapa que se segue e diz quais eram os principais
destinos dos emigrantes portugueses do século XIX.
Principais destinos da emigração
portuguesa no século XIX
Quais eram os destinos dos emigrantes
portugueses no século XIX?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Com os governos liberais, produziram-se alterações na
sociedade que fizeram com que os grupos privilegiados
perdessem alguma importância e outros adquirissem um
estatuto mais elevado.
A burguesia no século XIX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A burguesia no século XIX
Lê o texto com atenção e, depois, responde às questões.
O bem estar material e a escolha do tipo de vida são
elementos que distinguem a burguesia do resto da
população. A habitação, o mobiliário, as roupas de casa, o
vestuário, os utensílios domésticos, os livros, os
instrumentos musicais, espelham os seus usos e valores e
refletem a diferença.
Maria Antonieta Cruz, Facetas do quotidiano burguês no Portugal de Oitocentos
A que grupo social se refere a autora do
texto?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A burguesia no século XIX
Lê o texto com atenção e, depois, responde às questões.
O bem estar material e a escolha do tipo de vida são
elementos que distinguem a burguesia do resto da
população. A habitação, o mobiliário, as roupas de casa, o
vestuário, os utensílios domésticos, os livros, os
instrumentos musicais, espelham os seus usos e valores e
refletem a diferença.
Maria Antonieta Cruz, Facetas do quotidiano burguês no Portugal de Oitocentos
O que distinguia a burguesia do resto da
população?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A burguesia no século XIX
Lê o texto com atenção e, depois, responde às questões.
O bem estar material e a escolha do tipo de vida são
elementos que distinguem a burguesia do resto da
população. A habitação, o mobiliário, as roupas de casa, o
vestuário, os utensílios domésticos, os livros, os
instrumentos musicais, espelham os seus usos e valores e
refletem a diferença.
Maria Antonieta Cruz, Facetas do quotidiano burguês no Portugal de Oitocentos
Que tipo de bens materiais é que os
burgueses possuíam?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
As pessoas que viviam no campo eram, na sua maioria, gente do
povo, tais como os rendeiros ou caseiros, jornaleiros, criados, moços
de lavoura e outros assalariados. Todos trabalhavam terras que não
eram suas, sobretudo em propriedades de burgueses e de alguns
nobres.
A vida dos camponeses no século XIX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Trabalhavam de sol a sol e tinham uma vida dura e
difícil. Viviam pobremente e a sua alimentação era à
base de pão de milho ou centeio, batata, azeitonas,
sardinha e carne de porco.
Trabalho agrícola Camponeses a fazer a poda das videiras
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Os divertimentos da gente do povo estavam ligados aos trabalhos agrícolas e às festas da Igreja. Por exemplo,
a ida à feira e às desfolhadas, assistir a corridas de touros e participar nas procissões e romarias.
A festa na aldeia
Procissão, século XIX, de José de Brito
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Na segunda metade do século XIX
deu-se um grande
desenvolvimento nas cidades
portuguesas.
Lisboa no século XIX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Em Lisboa e no Porto abriram-se grandes avenidas, pavimentaram-se ruas, fizeram-se passeios e
construíram-se jardins públicos. Começam a surgir edifícios mais altos.
Avenida da Liberdade, Lisboa,
nos finais do século XIX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O chora, em Lisboa
Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes
públicos coletivos
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Carro de recolha de lixo
Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes
públicos coletivos, a recolha de lixo
O chora, em Lisboa
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
A iluminação pública em Lisboa
Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes
públicos coletivos, a recolha de lixo, a instalação de redes de esgotos e de iluminação pública
Carro de recolha de lixo
O chora, em Lisboa
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes
públicos coletivos, a recolha de lixo, a instalação de redes de esgotos e de iluminação pública, o corpo de
bombeiros
Bombeiros da Real Fábrica de Fiação, Tomar, 1900
A iluminação pública em
Lisboa
Carro de recolha de lixo
O chora, em Lisboa
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes
públicos coletivos, a recolha de lixo, a instalação de redes de esgotos e de iluminação pública, o corpo de
bombeiros e o policiamento das ruas.
A iluminação pública em
Lisboa
Carro de recolha de lixo
O chora, em Lisboa Bombeiros da Real Fábrica
de Fiação, Tomar, 1900
Polícia urbana de Lisboa, finais do século XIX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Havia grandes diferenças na forma de vida
da população da cidade. Os burgueses e
os nobres viviam em luxuosas moradias,
faziam uma alimentação abundante e
variada e tinham uma vida social intensa.
Palacete Pinto Leite, Porto, século XIX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Os burgueses e os nobres tinham muitos divertimentos, como passearem no jardim público
O Passeio Público, em Lisboa
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Os burgueses e os nobres tinham muitos divertimentos, como passearem no jardim público,
ir ao teatro
O Passeio Público, em Lisboa
A ida ao Teatro de S. Carlos
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Os burgueses e os nobres tinham muitos divertimentos, como passearem no jardim público,
ir ao teatro, à ópera
O Passeio Público, em Lisboa A ida ao Teatro de S. Carlos
Veio, apenas o pano desceu, e felicitou-as imediatamente
por terem escolhido aquela noite: a ópera era das melhores
e estava gente muito fina. Lamentou ter perdido o primeiro
ato; ainda que não gostasse extremamente da música,
apreciava-o por ser muito filosófico.
O Primo Basílio, Eça de Queirós
Quem frequentava a ópera?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Os burgueses e os nobres tinham muitos divertimentos, como passearem no jardim público,
ir ao teatro, à ópera, frequentar bailes nos clubes e ir aos cafés.
O Passeio Público, em Lisboa A ida ao Teatro de S. Carlos
Veio, apenas o pano desceu, e
felicitou-as imediatamente por
terem escolhido aquela noite: a
ópera era das melhores e
estava gente muito fina.
Lamentou ter perdido o
primeiro ato; ainda que não
gostasse extremamente da
música,
apreciava-o por ser muito
filosófico.
O Primo Basílio, Eça de Queirós
Columbano Bordalo Pinheiro,
Um concerto de amadores, 1882
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa as imagens e diz quais eram outros divertimentos dos burgueses e nobres do final do século XIX.
O críquete O ténis Banhos de mar
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
As classes populares desempenhavam as
inúmeras profissões e serviços necessários
à vida na cidade.
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Muitos eram vendedores ambulantes que
iam de rua em rua a apregoar os seus
produtos.
Vendedores ambulantes e
varredor de rua
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
As classes populares viviam em bairros miseráveis. Tinham uma alimentação pobre e usavam um vestuário
simples adaptado à sua profissão. Os seus locais de convívios eram as romarias, as feiras, as festas religiosas,
a rua e a taberna do bairro em que viviam.
Bairro de Lisboa no século XIX Os miúdos na rua Na taberna
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Foi também nos finais do século XIX que os operários que trabalhavam nas fábricas de Lisboa e do Porto
começaram a organizar as primeiras associações de operários e as primeiras greves.
Greve das varinas de Lisboa – foto de Joshua Benoliel
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Foi também nos finais do século XIX que os operários que trabalhavam nas fábricas de Lisboa e do Porto
começaram a organizar as primeiras associações de operários e as primeiras greves.
Greve das varinas de Lisboa – foto de Joshua Benoliel
Pretendiam melhorar as suas condições de trabalho e lutar por
melhores salários.
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Na segunda metade do século XIX, a utilização do ferro e do vidro permitiu encontrar novas soluções para a
construção de edifícios.
Palácio de Cristal, cerca de 1864
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Observa as imagens com atenção.
Garagem AutoPalace Estação do Rossio Mercado Ferreira Borges
Clicar nas imagens para aumentar
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Garagem AutoPalace − Construída para a Sociedade
Portuguesa de Automóveis, segundo projeto de Vieillard &
Touzet, datado de 1906, constitui um dos raros exemplares
da arquitetura do ferro em Lisboa.
Que materiais foram utilizados na
fachada da Garagem AutoPalace?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Estação do Rossio – situada em Lisboa, esta
estação apresenta características
neomanuelinas na fachada e as naves centrais
são construídas em ferro e vidro.
Porque será que se diz que a estação do
Rossio tem características neomanuelinas?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Mercado Ferreira Borges – Construído em 1885
para substituir o já velho Mercado da Ribeira, é
um edifício histórico da cidade do Porto.
Quais são os materiais predominantes na
construção do Mercado Ferreira Borges?
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores,
escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
João Cristino da Silva, Cinco
Artistas em Sintra, 1855
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores,
escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
João Cristino da Silva, Cinco
Artistas em Sintra, 1855
Visconde de Meneses,
Retrato da Condessa de
Meneses, 1862
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores,
escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
João Cristino da Silva, Cinco
Artistas em Sintra, 1855
Henrique Pousão, Cecília,
1882
Visconde de Meneses,
Retrato da Condessa de
Meneses, 1862
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores,
escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
João Cristino da Silva, Cinco
Artistas em Sintra, 1855
Henrique Pousão, Cecília,
1882
Aurélia de Sousa, Cena familiar,
1911
Visconde de Meneses,
Retrato da Condessa de
Meneses, 1862
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores,
escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
António Teixeira Lopes,
Monumento a Eça de Queirós, 1903
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores,
escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
António Teixeira Lopes,
Monumento a Eça de Queirós, 1903
António Soares dos Reis,
O desterrado, 1872
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores,
escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
Eça de Queirós, O crime
do Padre Amaro, 1875
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores,
escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
Eça de Queirós, O crime
do Padre Amaro, 1875 Camilo Castelo Branco,
Amor de Perdição, 1862
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e
caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
Rafael Bordallo Pinheiro,
A Lanterna Mágica, 1875
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e
caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas.
Rafael Bordallo Pinheiro,
A Lanterna Mágica, 1875
Tomás Leal da Câmara,
A Corja, 1898
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX também viu nascer a fotografia, a publicidade e o cinema.
Câmara fotográfica dos
princípios do século XX
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX também viu nascer a fotografia, a publicidade e o cinema.
Câmara fotográfica dos
princípios do século XX
Anúncio publicitário de 1906
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
O século XIX também viu nascer a fotografia, a publicidade e o cinema.
Câmara fotográfica dos
princípios do século XX
Anúncio publicitário de 1906
Aurélio da Paz dos Reis, Saída do pessoal
operário da Camisaria Confiança, 1896
Clicar para ver vídeo
Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
HGP 6
Aurélio da Paz dos Reis, Saída do pessoal
operário da Camisaria Confiança, 1896
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
8. Quais foram as principais consequências do aumento da população?
9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX?
10. Como se modernizaram as grandes cidades?
11. Que serviços públicos foram criados nas cidades?
12. Como era o dia a dia da nobreza e da alta burguesia?
13. Como viviam as classes populares?
14. Quais foram as principais novidades na arquitetura, escultura, pintura e literatura em Portugal?
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
Os governos liberais tomaram medidas para dividir a terra, fomentaram a utilização de adubos e
fertilizantes e a adoção de novas técnicas de cultivo e, lentamente, introduziram máquinas nas
grandes propriedades.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
Foi a introdução da máquina a vapor.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
Foi o ministro Fontes Pereira de Melo.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
Foram o selo postal adesivo, os marcos do correio, o telégrafo elétrico e o telefone.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
Os governos liberais aumentaram o número de escolas primárias, alargaram o “ensino liceal”,
criando um liceu em todas as cidades capitais de distrito, fundaram as primeiras escolas do “ensino
técnico”.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
A abolição da pena de morte, a extinção das “rodas dos enjeitados” e a sua substituição pelos
hospícios e a abolição da escravatura em todos os domínios portugueses.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
Os aspetos que contribuíram para o crescimento da população foram uma melhor alimentação, uma
melhor assistência médica e mais cuidados de higiene, que promoveram uma diminuição do número
de mortes.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
8. Quais foram as principais consequências do aumento da população?
As principais consequências foram o êxodo rural e a emigração.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
8. Quais foram as principais consequências do aumento da população?
9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX?
As principais alterações foram a perda de poder por parte da nobreza e do clero, a igualdade de
todos perante a lei e o crescimento da burguesia e da sua importância na sociedade.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
8. Quais foram as principais consequências do aumento da população?
9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX?
10. Como se modernizaram as grandes cidades?
As cidades modernizaram-se com a abertura de avenidas, pavimentaram-se ruas, fizeram-se
passeios e jardins; construíram-se novos edifícios públicos.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
8. Quais foram as principais consequências do aumento da população?
9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX?
10. Como se modernizaram as grandes cidades?
11. Que serviços públicos foram criados nas cidades?
A recolha do lixo e a instalação de redes de esgotos e de água canalizada, o primeiro corpo de
bombeiros e o policiamento de ruas, os primeiros transportes públicos coletivos.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
8. Quais foram as principais consequências do aumento da população?
9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX?
10. Como se modernizaram as grandes cidades?
11. Que serviços públicos foram criados nas cidades?
12. Como era o dia a dia da nobreza e da alta burguesia?
O dia a dia da nobreza e da alta burguesia era passado a tratar de negócios e a frequentar as
melhores lojas da cidade. Os seus divertimentos passavam por frequentar o jardim público, o teatro,
a ópera, os clubes e os cafés.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
8. Quais foram as principais consequências do aumento da população?
9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX?
10. Como se modernizaram as grandes cidades?
11. Que serviços públicos foram criados nas cidades?
12. Como era o dia a dia da nobreza e da alta burguesia?
13. Como viviam as classes populares?
As classes populares viviam em condições miseráveis, trabalhavam muitas horas por dia e recebiam
salários baixos.
HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro
1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura?
2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção?
3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação?
4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação?
5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino?
6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos?
7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX?
8. Quais foram as principais consequências do aumento da população?
9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX?
10. Como se modernizaram as grandes cidades?
11. Que serviços públicos foram criados nas cidades?
12. Como era o dia a dia da nobreza e da alta burguesia?
13. Como viviam as classes populares?
14. Quais foram as principais novidades na arquitetura, escultura, pintura e literatura em Portugal?
As principais novidades na arquitetura foram a utilização do ferro e do vidro, os revivalismos e o
aparecimento de muitos escultores, pintores, escritores e caricaturistas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
A Rede de Transportes na segunda metade do século XIXA Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
A Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
António Teixeira
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
cattonia
 
A agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xixA agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xix
Anabela Sobral
 
Os transportes e as comunicações em portugal no século xix
Os transportes e as comunicações em portugal no século xixOs transportes e as comunicações em portugal no século xix
Os transportes e as comunicações em portugal no século xix
Anabela Sobral
 
Parte 3ª os transportes e as comunicações no século xix
Parte 3ª   os transportes e as comunicações no século xixParte 3ª   os transportes e as comunicações no século xix
Parte 3ª os transportes e as comunicações no século xix
anabelasilvasobral
 
A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)
inessalgado
 
século XIX em Portugal
século XIX em Portugalséculo XIX em Portugal
século XIX em Portugal
Marilia Ferreira
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xix
Carla Freitas
 
Portugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xixPortugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xix
David Antunes
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
guestbfbc7a
 
O atraso da agricultura
O atraso da agriculturaO atraso da agricultura
O atraso da agricultura
maria40
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIX
martamariafonseca
 
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª   a industria na segunda metade do século xixParte 2ª   a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
anabelasilvasobral
 
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926 A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
martamariafonseca
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
cattonia
 
O ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xixO ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xix
anabelasilvasobral
 
Portugal na segunda metade do séc. xix 1
Portugal na segunda metade do séc. xix 1Portugal na segunda metade do séc. xix 1
Portugal na segunda metade do séc. xix 1
luiscontente
 
Mala posta
Mala postaMala posta
Mala posta
Marilia Ferreira
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa
13_ines_silva
 
Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
FernandoMarques
 

Mais procurados (20)

A Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
A Rede de Transportes na segunda metade do século XIXA Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
A Rede de Transportes na segunda metade do século XIX
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
 
A agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xixA agricultura em portugal no século xix
A agricultura em portugal no século xix
 
Os transportes e as comunicações em portugal no século xix
Os transportes e as comunicações em portugal no século xixOs transportes e as comunicações em portugal no século xix
Os transportes e as comunicações em portugal no século xix
 
Parte 3ª os transportes e as comunicações no século xix
Parte 3ª   os transportes e as comunicações no século xixParte 3ª   os transportes e as comunicações no século xix
Parte 3ª os transportes e as comunicações no século xix
 
A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)
 
século XIX em Portugal
século XIX em Portugalséculo XIX em Portugal
século XIX em Portugal
 
38 portugal no século xix
38   portugal no século xix38   portugal no século xix
38 portugal no século xix
 
Portugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xixPortugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xix
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
 
O atraso da agricultura
O atraso da agriculturaO atraso da agricultura
O atraso da agricultura
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIX
 
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª   a industria na segunda metade do século xixParte 2ª   a industria na segunda metade do século xix
Parte 2ª a industria na segunda metade do século xix
 
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926 A Revolução Republicana de 1910 e a  ditadura militar de 1926
A Revolução Republicana de 1910 e a ditadura militar de 1926
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
 
O ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xixO ensino e a população em portugal do século xix
O ensino e a população em portugal do século xix
 
Portugal na segunda metade do séc. xix 1
Portugal na segunda metade do séc. xix 1Portugal na segunda metade do séc. xix 1
Portugal na segunda metade do séc. xix 1
 
Mala posta
Mala postaMala posta
Mala posta
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa
 
Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
 

Semelhante a Portugal na 2ª metade do século XIX.

HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
Luís Ferreira
 
Hgp telegrafo séc xix pedro pereira 6ºb n.24
Hgp telegrafo  séc xix  pedro pereira 6ºb n.24Hgp telegrafo  séc xix  pedro pereira 6ºb n.24
Hgp telegrafo séc xix pedro pereira 6ºb n.24
Ana Paiva
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
R C
 
A IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os TransportesA IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os Transportes
jdlimaaear
 
A IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os TransportesA IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os Transportes
guest541661c7
 
A Queda da Monarquia e a implantação da Monarquia
A Queda da Monarquia e a implantação da MonarquiaA Queda da Monarquia e a implantação da Monarquia
A Queda da Monarquia e a implantação da Monarquia
martamariafonseca
 
Da Revolução Republicana à Ditadura militar
Da Revolução Republicana à Ditadura militarDa Revolução Republicana à Ditadura militar
Da Revolução Republicana à Ditadura militar
martamariafonseca
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
saramanuelaa
 
995
995995
A expansão marítima
 A expansão marítima A expansão marítima
A expansão marítima
martamariafonseca
 
Portugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIVPortugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIV
martamariafonseca
 
Paises de dificil industrialização
Paises de dificil industrializaçãoPaises de dificil industrialização
Paises de dificil industrialização
Dora Alexandra Batista de Sousa Rocha
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
Jorge Almeida
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
PAFB
 
Proposta res-guias-de-estudo
Proposta res-guias-de-estudoProposta res-guias-de-estudo
Proposta res-guias-de-estudo
cgouveia
 
Teste hgp 3 correção
Teste hgp 3   correçãoTeste hgp 3   correção
Teste hgp 3 correção
Ana Pereira
 
Correção hgp
Correção hgpCorreção hgp
Correção hgp
sgrbrito
 
Tentativas de modernização
Tentativas de modernizaçãoTentativas de modernização
Tentativas de modernização
maria40
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Carlos Duarte Castanheira
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacional
Vítor Santos
 

Semelhante a Portugal na 2ª metade do século XIX. (20)

HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
 
Hgp telegrafo séc xix pedro pereira 6ºb n.24
Hgp telegrafo  séc xix  pedro pereira 6ºb n.24Hgp telegrafo  séc xix  pedro pereira 6ºb n.24
Hgp telegrafo séc xix pedro pereira 6ºb n.24
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
 
A IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os TransportesA IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os Transportes
 
A IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os TransportesA IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os Transportes
 
A Queda da Monarquia e a implantação da Monarquia
A Queda da Monarquia e a implantação da MonarquiaA Queda da Monarquia e a implantação da Monarquia
A Queda da Monarquia e a implantação da Monarquia
 
Da Revolução Republicana à Ditadura militar
Da Revolução Republicana à Ditadura militarDa Revolução Republicana à Ditadura militar
Da Revolução Republicana à Ditadura militar
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
 
995
995995
995
 
A expansão marítima
 A expansão marítima A expansão marítima
A expansão marítima
 
Portugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIVPortugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIV
 
Paises de dificil industrialização
Paises de dificil industrializaçãoPaises de dificil industrialização
Paises de dificil industrialização
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
 
Proposta res-guias-de-estudo
Proposta res-guias-de-estudoProposta res-guias-de-estudo
Proposta res-guias-de-estudo
 
Teste hgp 3 correção
Teste hgp 3   correçãoTeste hgp 3   correção
Teste hgp 3 correção
 
Correção hgp
Correção hgpCorreção hgp
Correção hgp
 
Tentativas de modernização
Tentativas de modernizaçãoTentativas de modernização
Tentativas de modernização
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacional
 

Mais de martamariafonseca

O 25 de Abril
O 25 de AbrilO 25 de Abril
O 25 de Abril
martamariafonseca
 
O 25 de Abril
O 25 de AbrilO 25 de Abril
O 25 de Abril
martamariafonseca
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
martamariafonseca
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
martamariafonseca
 
Da Revolução republicana de 1910 à ditadura militar de 1926
Da Revolução republicana de 1910 à ditadura militar de 1926Da Revolução republicana de 1910 à ditadura militar de 1926
Da Revolução republicana de 1910 à ditadura militar de 1926
martamariafonseca
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
martamariafonseca
 
As Invasões francesas e suas consequências em Portugal
As Invasões francesas e suas consequências em PortugalAs Invasões francesas e suas consequências em Portugal
As Invasões francesas e suas consequências em Portugal
martamariafonseca
 
Portugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIVPortugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIV
martamariafonseca
 
A formação do Reino de Portugal
A formação do Reino de PortugalA formação do Reino de Portugal
A formação do Reino de Portugal
martamariafonseca
 
A Reconquista na Península Ibérica
 A Reconquista na Península Ibérica A Reconquista na Península Ibérica
A Reconquista na Península Ibérica
martamariafonseca
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
martamariafonseca
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
martamariafonseca
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
martamariafonseca
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
martamariafonseca
 
A vida quotidiana na cidade na 2ª metade do século XIX
A vida quotidiana na cidade na 2ª metade do século XIXA vida quotidiana na cidade na 2ª metade do século XIX
A vida quotidiana na cidade na 2ª metade do século XIX
martamariafonseca
 
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIIIImperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
martamariafonseca
 
A formação do reino de portugal
A formação do reino de portugalA formação do reino de portugal
A formação do reino de portugal
martamariafonseca
 

Mais de martamariafonseca (17)

O 25 de Abril
O 25 de AbrilO 25 de Abril
O 25 de Abril
 
O 25 de Abril
O 25 de AbrilO 25 de Abril
O 25 de Abril
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Da Revolução republicana de 1910 à ditadura militar de 1926
Da Revolução republicana de 1910 à ditadura militar de 1926Da Revolução republicana de 1910 à ditadura militar de 1926
Da Revolução republicana de 1910 à ditadura militar de 1926
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
As Invasões francesas e suas consequências em Portugal
As Invasões francesas e suas consequências em PortugalAs Invasões francesas e suas consequências em Portugal
As Invasões francesas e suas consequências em Portugal
 
Portugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIVPortugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIV
 
A formação do Reino de Portugal
A formação do Reino de PortugalA formação do Reino de Portugal
A formação do Reino de Portugal
 
A Reconquista na Península Ibérica
 A Reconquista na Península Ibérica A Reconquista na Península Ibérica
A Reconquista na Península Ibérica
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
A vida quotidiana na cidade na 2ª metade do século XIX
A vida quotidiana na cidade na 2ª metade do século XIXA vida quotidiana na cidade na 2ª metade do século XIX
A vida quotidiana na cidade na 2ª metade do século XIX
 
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIIIImperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
 
A formação do reino de portugal
A formação do reino de portugalA formação do reino de portugal
A formação do reino de portugal
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 

Portugal na 2ª metade do século XIX.

  • 1. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6
  • 2. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Durante a primeira metade do século XIX, Portugal era um reino empobrecido devido:
  • 3. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Durante a primeira metade do século XIX, Portugal era um reino empobrecido devido:  às invasões napoleónicas; O saque francês
  • 4. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Durante a primeira metade do século XIX, Portugal era um reino empobrecido devido:  às invasões napoleónicas  à independência do Brasil; A declaração da independência do Brasil pelo príncipe D. Pedro
  • 5. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Durante a primeira metade do século XIX, Portugal era um reino empobrecido devido:  às invasões napoleónicas  à independência do Brasil  à guerra civil entre liberais e absolutistas. Caricatura que mostra D. Pedro e D. Miguel em guerra Porque será que estes acontecimentos empobreceram o reino?
  • 6. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Na segunda metade do século XIX, os governos da monarquia liberal procuram desenvolver o país.
  • 7. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Este período de modernização do reino começou no reinado de D. Maria II e continuou nos reinados de D. Pedro V, D. Luís I e D. Carlos.
  • 8. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A agricultura começou a modernizar-se com novas técnicas de cultivo, novas sementes, novos adubos e novas máquinas agrícolas, o que permitiu aumentar a produção e recuperar o atraso em que Portugal se encontrava em relação aos outros países europeus. Ceifeira mecânica puxada a cavalos Debulhadora mecânica movida por uma máquina a vapor
  • 9. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa o mapa e, de seguida, responde às questões. Mapa do solo cultivado em Portugal na segunda metade do século XIX Por onde estavam distribuídas as áreas cultivadas?
  • 10. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa o mapa e, de seguida, responde às questões. Mapa do solo cultivado em Portugal na segunda metade do século XIX Qual a zona do país onde predominam as áreas incultas?
  • 11. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa as figuras. Mecanização da agricultura A lavra da terra Que diferenças existem entre as duas imagens?
  • 12. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa com atenção o esquema e explica como se desenvolveu e modernizou a agricultura portuguesa na segunda metade do século XIX. Esquema de desenvolvimento e modernização da agricultura
  • 13. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Foi ainda neste século que o arroz e a batata passaram a fazer parte da alimentação diária da população portuguesa o que explica o aumento da sua produção. A apanha da batata no século XIX Plantação de arroz
  • 14. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A utilização de máquinas a vapor na extração mineira permitiu um melhor aproveitamento dos recursos minerais em Portugal. Localização das principais jazidas minerais do século XIX Ferro Cobre Estanho Volfrâmio Carvão Onde se localizavam as minas de cobre?
  • 15. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A utilização de máquinas a vapor na extração mineira permitiu um melhor aproveitamento dos recursos minerais em Portugal. Localização das principais jazidas minerais do século XIX Ferro Cobre Estanho Volfrâmio Carvão E as minas de carvão?
  • 16. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A utilização de máquinas a vapor na extração mineira permitiu um melhor aproveitamento dos recursos minerais portugueses. A extração de ferro, do cobre e do carvão aumentaram para responder às necessidades das novas indústrias e dos usos domésticos. As galerias de uma mina no século XIX Trabalhadores no interior de uma mina Quais eram as condições vividas pelos trabalhadores das minas?
  • 17. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Interior de uma fundição
  • 18. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 As indústrias passaram a produzir mais e melhor com recurso a máquinas a vapor. Máquina a vapor
  • 19. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 As indústrias que mais se modernizaram foram a têxtil, a do tabaco, a do papel e a das conservas de peixe. Esta modernização deu origem ao aparecimento de grandes fábricas, onde trabalhava um grande número de operários. Interior de uma fábrica têxtil
  • 20. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa as figuras e, depois, responde às questões. Trabalhadores de uma fábrica de têxteis Mapa das principais zonas industriais na segunda metade do século XIX Onde se localizavam as principais zonas industriais na segunda metade do séc. XIX?
  • 21. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa as figuras e, depois, responde às questões. Trabalhadores de uma fábrica de têxteis Mapa das principais zonas industriais na segunda metade do século XIX Porque será que as indústrias se localizavam nessas zonas?
  • 22. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 No início do século XIX, a população continuava a viver isolada. As más estradas e os antiquados transportes assustavam o mais ousado viajante e prejudicavam o desenvolvimento. Estrada em más condições
  • 23. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fontes Pereira de Melo, ministro de D. Maria II, D. Pedro V e D. Luís, foi o grande responsável pela modernização das vias de comunicação e dos meios de transporte. Fontes Pereira de Melo
  • 24. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Construíram-se muitos quilómetros de novas estradas em macadame. Iniciou-se a construção da rede ferroviária, de túneis e de novas pontes. Melhorou-se o porto de Lisboa e construiu-se o porto artificial de Leixões. É também nesta altura que se restauram muitos faróis e se constroem outros. A chegada do primeiro comboio ao Carregado Evolução da rede de caminhos de ferro
  • 25. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Construíram-se muitos quilómetros de novas estradas em macadame. Iniciou-se a construção da rede ferroviária, de túneis e de novas pontes. Melhorou-se o porto de Lisboa e construiu-se o porto artificial de Leixões. É também nesta altura que se restauram muitos faróis e se constroem outros. A chegada do primeiro comboio ao Carregado Evolução da rede de caminhos de ferro
  • 26. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Construíram-se muitos quilómetros de novas estradas em macadame. Iniciou-se a construção da rede ferroviária, de túneis e de novas pontes. Melhorou-se o porto de Lisboa e construiu-se o porto artificial de Leixões. É também nesta altura que se restauram muitos faróis e se constroem outros. Evolução da rede de caminhos de ferro A chegada do primeiro comboio ao Carregado
  • 27. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Evolução da rede de estradas Ponte de D. Maria, Porto Construção do porto de Leixões (1884-1892) Construíram-se muitos quilómetros de novas estradas em macadame. Iniciou-se a construção da rede ferroviária, de túneis e de novas pontes. Melhorou-se o porto de Lisboa e construiu-se o porto artificial de Leixões. É também nesta altura que se restauram muitos faróis e se constroem outros.
  • 28. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A circulação de pessoas e mercadorias passou a fazer-se de um modo mais rápido, barato e seguro. Os meios de transporte modernizaram-se com o aparecimento dos serviços de “mala-posta” ou “diligência” que transportavam a mala do correio e passageiros. A Diligência da Valpaços – aguarela de Alberto de Souza, Ilustração Portuguesa, 1913
  • 29. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O aparecimento dos meios de transporte público que passavam a horas mais ou menos certas nos locais de paragem, originou a necessidade de utilização do relógio de bolso. Relógio de bolso
  • 30. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Telefone e jornais Outros inventos e acontecimentos contribuíram uma melhor divulgação de ideias e informações.
  • 31. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Apareceu o primeiro selo postal adesivo, reorganizaram-se os correios e surgem os primeiros marcos do correio. Foi neste período que se inaugurou a primeira rede pública de telefones e entrou em funcionamento o telégrafo elétrico que permitiu uma ligação imediata com outros países. Marco de correio Telégrafo do século XIX Selo postal adesivo
  • 32. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Escola primária Durante este período, os governos da monarquia liberal procuraram fazer importantes reformas no ensino, tais como:  Aumentaram o número de escolas primárias
  • 33. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Durante este período, os governos da monarquia liberal procuraram fazer importantes reformas no ensino, tais como:  Aumentaram o número de escolas primárias  Alargaram o “ensino liceal”, criando um liceu em todas as cidades capitais de distrito Liceu Passos Manuel, Lisboa
  • 34. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Durante este período, os governos da monarquia liberal procuraram fazer importantes reformas no ensino, tais como:  Aumentaram o número de escolas primárias  Alargaram o “ensino liceal”, criando um liceu em todas as cidades capitais de distrito  Criaram as primeiras escolas do “ensino técnico” (escolas comerciais, industriais e agrícolas) Escola de Desenho Industrial Faria de Guimarães
  • 35. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Contudo, a grande maioria da população continuava analfabeta, principalmente as mulheres. Mulheres a trabalhar numa fábrica de fiação Percentagem de analfabetos Qual era a percentagem de analfabetismo em Portugal em 1878?
  • 36. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Contudo, a grande maioria da população continuava analfabeta, principalmente as mulheres. Mulheres a trabalhar numa fábrica de fiação Percentagem de analfabetos E qual era a percentagem de analfabetos em 1900?
  • 37. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Contudo, a grande maioria da população continuava analfabeta, principalmente as mulheres. Mulheres a trabalhar numa fábrica de fiação Percentagem de analfabetos Parece-te que as medidas tomadas pelos governos liberais tiveram bons resultados?
  • 38. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Também foram publicadas leis que pretendiam defender os direitos de todos os seres humanos. Carta de lei pela qual D. Luís aprova o decreto das Cortes Gerais de 26 de junho de 1867 que aprova a abolição da pena de morte
  • 39. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Foi em 1864 que se realizou o primeiro recenseamento da população portuguesa com a contagem de todos os habitantes do Reino, através de boletins próprios. A contagem demorou 2 anos e pôde concluir-se que o país teria por essa altura 3 829 618 habitantes. Duque de Loulé responsável pelo primeiro recenseamento da população portuguesa
  • 40. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Na segunda metade do século XIX, o número de pessoas aumentou em Portugal. Observa o esquema e indica as razões do crescimento da população. Motivos do crescimento da população A consulta médica
  • 41. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O crescimento da população, a vida de miséria que os camponeses viviam e a sua dependência dos donos das terras, levaram a que muitos fugissem das suas aldeias para irem trabalhar nas grandes cidades ou emigrassem. Os imigrantes, de António Rocco (1910) Barco com emigrantes, finais do século XIX
  • 42. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa com atenção o mapa que se segue e diz quais eram os principais destinos dos emigrantes portugueses do século XIX. Principais destinos da emigração portuguesa no século XIX
  • 43. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa com atenção o mapa que se segue e diz quais eram os principais destinos dos emigrantes portugueses do século XIX. Principais destinos da emigração portuguesa no século XIX Quais eram os destinos dos emigrantes portugueses no século XIX?
  • 44. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Com os governos liberais, produziram-se alterações na sociedade que fizeram com que os grupos privilegiados perdessem alguma importância e outros adquirissem um estatuto mais elevado. A burguesia no século XIX
  • 45. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A burguesia no século XIX Lê o texto com atenção e, depois, responde às questões. O bem estar material e a escolha do tipo de vida são elementos que distinguem a burguesia do resto da população. A habitação, o mobiliário, as roupas de casa, o vestuário, os utensílios domésticos, os livros, os instrumentos musicais, espelham os seus usos e valores e refletem a diferença. Maria Antonieta Cruz, Facetas do quotidiano burguês no Portugal de Oitocentos A que grupo social se refere a autora do texto?
  • 46. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A burguesia no século XIX Lê o texto com atenção e, depois, responde às questões. O bem estar material e a escolha do tipo de vida são elementos que distinguem a burguesia do resto da população. A habitação, o mobiliário, as roupas de casa, o vestuário, os utensílios domésticos, os livros, os instrumentos musicais, espelham os seus usos e valores e refletem a diferença. Maria Antonieta Cruz, Facetas do quotidiano burguês no Portugal de Oitocentos O que distinguia a burguesia do resto da população?
  • 47. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A burguesia no século XIX Lê o texto com atenção e, depois, responde às questões. O bem estar material e a escolha do tipo de vida são elementos que distinguem a burguesia do resto da população. A habitação, o mobiliário, as roupas de casa, o vestuário, os utensílios domésticos, os livros, os instrumentos musicais, espelham os seus usos e valores e refletem a diferença. Maria Antonieta Cruz, Facetas do quotidiano burguês no Portugal de Oitocentos Que tipo de bens materiais é que os burgueses possuíam?
  • 48. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 As pessoas que viviam no campo eram, na sua maioria, gente do povo, tais como os rendeiros ou caseiros, jornaleiros, criados, moços de lavoura e outros assalariados. Todos trabalhavam terras que não eram suas, sobretudo em propriedades de burgueses e de alguns nobres. A vida dos camponeses no século XIX
  • 49. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Trabalhavam de sol a sol e tinham uma vida dura e difícil. Viviam pobremente e a sua alimentação era à base de pão de milho ou centeio, batata, azeitonas, sardinha e carne de porco. Trabalho agrícola Camponeses a fazer a poda das videiras
  • 50. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Os divertimentos da gente do povo estavam ligados aos trabalhos agrícolas e às festas da Igreja. Por exemplo, a ida à feira e às desfolhadas, assistir a corridas de touros e participar nas procissões e romarias. A festa na aldeia Procissão, século XIX, de José de Brito
  • 51. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Na segunda metade do século XIX deu-se um grande desenvolvimento nas cidades portuguesas. Lisboa no século XIX
  • 52. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Em Lisboa e no Porto abriram-se grandes avenidas, pavimentaram-se ruas, fizeram-se passeios e construíram-se jardins públicos. Começam a surgir edifícios mais altos. Avenida da Liberdade, Lisboa, nos finais do século XIX
  • 53. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O chora, em Lisboa Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes públicos coletivos
  • 54. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Carro de recolha de lixo Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes públicos coletivos, a recolha de lixo O chora, em Lisboa
  • 55. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 A iluminação pública em Lisboa Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes públicos coletivos, a recolha de lixo, a instalação de redes de esgotos e de iluminação pública Carro de recolha de lixo O chora, em Lisboa
  • 56. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes públicos coletivos, a recolha de lixo, a instalação de redes de esgotos e de iluminação pública, o corpo de bombeiros Bombeiros da Real Fábrica de Fiação, Tomar, 1900 A iluminação pública em Lisboa Carro de recolha de lixo O chora, em Lisboa
  • 57. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Desenvolveu-se um conjunto de serviços públicos de apoio à vida quotidiana na cidade, tais como os transportes públicos coletivos, a recolha de lixo, a instalação de redes de esgotos e de iluminação pública, o corpo de bombeiros e o policiamento das ruas. A iluminação pública em Lisboa Carro de recolha de lixo O chora, em Lisboa Bombeiros da Real Fábrica de Fiação, Tomar, 1900 Polícia urbana de Lisboa, finais do século XIX
  • 58. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Havia grandes diferenças na forma de vida da população da cidade. Os burgueses e os nobres viviam em luxuosas moradias, faziam uma alimentação abundante e variada e tinham uma vida social intensa. Palacete Pinto Leite, Porto, século XIX
  • 59. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Os burgueses e os nobres tinham muitos divertimentos, como passearem no jardim público O Passeio Público, em Lisboa
  • 60. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Os burgueses e os nobres tinham muitos divertimentos, como passearem no jardim público, ir ao teatro O Passeio Público, em Lisboa A ida ao Teatro de S. Carlos
  • 61. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Os burgueses e os nobres tinham muitos divertimentos, como passearem no jardim público, ir ao teatro, à ópera O Passeio Público, em Lisboa A ida ao Teatro de S. Carlos Veio, apenas o pano desceu, e felicitou-as imediatamente por terem escolhido aquela noite: a ópera era das melhores e estava gente muito fina. Lamentou ter perdido o primeiro ato; ainda que não gostasse extremamente da música, apreciava-o por ser muito filosófico. O Primo Basílio, Eça de Queirós Quem frequentava a ópera?
  • 62. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Os burgueses e os nobres tinham muitos divertimentos, como passearem no jardim público, ir ao teatro, à ópera, frequentar bailes nos clubes e ir aos cafés. O Passeio Público, em Lisboa A ida ao Teatro de S. Carlos Veio, apenas o pano desceu, e felicitou-as imediatamente por terem escolhido aquela noite: a ópera era das melhores e estava gente muito fina. Lamentou ter perdido o primeiro ato; ainda que não gostasse extremamente da música, apreciava-o por ser muito filosófico. O Primo Basílio, Eça de Queirós Columbano Bordalo Pinheiro, Um concerto de amadores, 1882
  • 63. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa as imagens e diz quais eram outros divertimentos dos burgueses e nobres do final do século XIX. O críquete O ténis Banhos de mar
  • 64. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 As classes populares desempenhavam as inúmeras profissões e serviços necessários à vida na cidade.
  • 65. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Muitos eram vendedores ambulantes que iam de rua em rua a apregoar os seus produtos. Vendedores ambulantes e varredor de rua
  • 66. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 As classes populares viviam em bairros miseráveis. Tinham uma alimentação pobre e usavam um vestuário simples adaptado à sua profissão. Os seus locais de convívios eram as romarias, as feiras, as festas religiosas, a rua e a taberna do bairro em que viviam. Bairro de Lisboa no século XIX Os miúdos na rua Na taberna
  • 67. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Foi também nos finais do século XIX que os operários que trabalhavam nas fábricas de Lisboa e do Porto começaram a organizar as primeiras associações de operários e as primeiras greves. Greve das varinas de Lisboa – foto de Joshua Benoliel
  • 68. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Foi também nos finais do século XIX que os operários que trabalhavam nas fábricas de Lisboa e do Porto começaram a organizar as primeiras associações de operários e as primeiras greves. Greve das varinas de Lisboa – foto de Joshua Benoliel Pretendiam melhorar as suas condições de trabalho e lutar por melhores salários.
  • 69. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Na segunda metade do século XIX, a utilização do ferro e do vidro permitiu encontrar novas soluções para a construção de edifícios. Palácio de Cristal, cerca de 1864
  • 70. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Observa as imagens com atenção. Garagem AutoPalace Estação do Rossio Mercado Ferreira Borges Clicar nas imagens para aumentar
  • 71. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Garagem AutoPalace − Construída para a Sociedade Portuguesa de Automóveis, segundo projeto de Vieillard & Touzet, datado de 1906, constitui um dos raros exemplares da arquitetura do ferro em Lisboa. Que materiais foram utilizados na fachada da Garagem AutoPalace?
  • 72. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Estação do Rossio – situada em Lisboa, esta estação apresenta características neomanuelinas na fachada e as naves centrais são construídas em ferro e vidro. Porque será que se diz que a estação do Rossio tem características neomanuelinas?
  • 73. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Mercado Ferreira Borges – Construído em 1885 para substituir o já velho Mercado da Ribeira, é um edifício histórico da cidade do Porto. Quais são os materiais predominantes na construção do Mercado Ferreira Borges?
  • 74. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. João Cristino da Silva, Cinco Artistas em Sintra, 1855
  • 75. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. João Cristino da Silva, Cinco Artistas em Sintra, 1855 Visconde de Meneses, Retrato da Condessa de Meneses, 1862
  • 76. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. João Cristino da Silva, Cinco Artistas em Sintra, 1855 Henrique Pousão, Cecília, 1882 Visconde de Meneses, Retrato da Condessa de Meneses, 1862
  • 77. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. João Cristino da Silva, Cinco Artistas em Sintra, 1855 Henrique Pousão, Cecília, 1882 Aurélia de Sousa, Cena familiar, 1911 Visconde de Meneses, Retrato da Condessa de Meneses, 1862
  • 78. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. António Teixeira Lopes, Monumento a Eça de Queirós, 1903
  • 79. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. António Teixeira Lopes, Monumento a Eça de Queirós, 1903 António Soares dos Reis, O desterrado, 1872
  • 80. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. Eça de Queirós, O crime do Padre Amaro, 1875
  • 81. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. Eça de Queirós, O crime do Padre Amaro, 1875 Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição, 1862
  • 82. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. Rafael Bordallo Pinheiro, A Lanterna Mágica, 1875
  • 83. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX foi um período muito rico em termos culturais, pois surgiram pintores, escultores, escritores e caricaturistas que produziram obras que ainda hoje são muito conhecidas. Rafael Bordallo Pinheiro, A Lanterna Mágica, 1875 Tomás Leal da Câmara, A Corja, 1898
  • 84. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX também viu nascer a fotografia, a publicidade e o cinema. Câmara fotográfica dos princípios do século XX
  • 85. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX também viu nascer a fotografia, a publicidade e o cinema. Câmara fotográfica dos princípios do século XX Anúncio publicitário de 1906
  • 86. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 O século XIX também viu nascer a fotografia, a publicidade e o cinema. Câmara fotográfica dos princípios do século XX Anúncio publicitário de 1906 Aurélio da Paz dos Reis, Saída do pessoal operário da Camisaria Confiança, 1896 Clicar para ver vídeo
  • 87. Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro HGP 6 Aurélio da Paz dos Reis, Saída do pessoal operário da Camisaria Confiança, 1896
  • 88. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? 8. Quais foram as principais consequências do aumento da população? 9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX? 10. Como se modernizaram as grandes cidades? 11. Que serviços públicos foram criados nas cidades? 12. Como era o dia a dia da nobreza e da alta burguesia? 13. Como viviam as classes populares? 14. Quais foram as principais novidades na arquitetura, escultura, pintura e literatura em Portugal?
  • 89. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? Os governos liberais tomaram medidas para dividir a terra, fomentaram a utilização de adubos e fertilizantes e a adoção de novas técnicas de cultivo e, lentamente, introduziram máquinas nas grandes propriedades.
  • 90. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? Foi a introdução da máquina a vapor.
  • 91. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? Foi o ministro Fontes Pereira de Melo.
  • 92. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? Foram o selo postal adesivo, os marcos do correio, o telégrafo elétrico e o telefone.
  • 93. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? Os governos liberais aumentaram o número de escolas primárias, alargaram o “ensino liceal”, criando um liceu em todas as cidades capitais de distrito, fundaram as primeiras escolas do “ensino técnico”.
  • 94. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? A abolição da pena de morte, a extinção das “rodas dos enjeitados” e a sua substituição pelos hospícios e a abolição da escravatura em todos os domínios portugueses.
  • 95. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? Os aspetos que contribuíram para o crescimento da população foram uma melhor alimentação, uma melhor assistência médica e mais cuidados de higiene, que promoveram uma diminuição do número de mortes.
  • 96. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? 8. Quais foram as principais consequências do aumento da população? As principais consequências foram o êxodo rural e a emigração.
  • 97. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? 8. Quais foram as principais consequências do aumento da população? 9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX? As principais alterações foram a perda de poder por parte da nobreza e do clero, a igualdade de todos perante a lei e o crescimento da burguesia e da sua importância na sociedade.
  • 98. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? 8. Quais foram as principais consequências do aumento da população? 9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX? 10. Como se modernizaram as grandes cidades? As cidades modernizaram-se com a abertura de avenidas, pavimentaram-se ruas, fizeram-se passeios e jardins; construíram-se novos edifícios públicos.
  • 99. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? 8. Quais foram as principais consequências do aumento da população? 9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX? 10. Como se modernizaram as grandes cidades? 11. Que serviços públicos foram criados nas cidades? A recolha do lixo e a instalação de redes de esgotos e de água canalizada, o primeiro corpo de bombeiros e o policiamento de ruas, os primeiros transportes públicos coletivos.
  • 100. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? 8. Quais foram as principais consequências do aumento da população? 9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX? 10. Como se modernizaram as grandes cidades? 11. Que serviços públicos foram criados nas cidades? 12. Como era o dia a dia da nobreza e da alta burguesia? O dia a dia da nobreza e da alta burguesia era passado a tratar de negócios e a frequentar as melhores lojas da cidade. Os seus divertimentos passavam por frequentar o jardim público, o teatro, a ópera, os clubes e os cafés.
  • 101. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? 8. Quais foram as principais consequências do aumento da população? 9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX? 10. Como se modernizaram as grandes cidades? 11. Que serviços públicos foram criados nas cidades? 12. Como era o dia a dia da nobreza e da alta burguesia? 13. Como viviam as classes populares? As classes populares viviam em condições miseráveis, trabalhavam muitas horas por dia e recebiam salários baixos.
  • 102. HGP 6 Fátima Costa | António Marques | Cláudia Pinto Ribeiro 1. Que medidas tomadas pelos governos liberais permitiram modernizar a agricultura? 2. Que inovação introduzida na indústria permitiu aumentar a produção? 3. Quem foi o principal dinamizador do desenvolvimento das vias de comunicação? 4. Quais foram as principais inovações ao nível da comunicação de ideias e de informação? 5. Que medidas foram tomadas pelos governos liberais para desenvolver o ensino? 6. Quais foram as leis que contribuíram para a defesa dos direitos humanos? 7. Que aspetos contribuíram para o crescimento da população na segunda metade do século XIX? 8. Quais foram as principais consequências do aumento da população? 9. Quais foram as principais alterações ocorridas na sociedade da segunda metade do século XIX? 10. Como se modernizaram as grandes cidades? 11. Que serviços públicos foram criados nas cidades? 12. Como era o dia a dia da nobreza e da alta burguesia? 13. Como viviam as classes populares? 14. Quais foram as principais novidades na arquitetura, escultura, pintura e literatura em Portugal? As principais novidades na arquitetura foram a utilização do ferro e do vidro, os revivalismos e o aparecimento de muitos escultores, pintores, escritores e caricaturistas.