SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
IMPÉRIO PORTUGUÊS NO SÉCULO XVI IMPÉRIO PORTUGUÊS NO SÉCULO XVIII
Houve grandes alterações no Império Português entre os séculos XVI e
XVIII.
O BRASIL – NOVA FONTE DE RIQUEZA
Com a diminuição dos lucros
do comércio do Oriente, os
Portugueses viram-se para a
exploração dos produtos bra-
sileiros, no século XVIII: açú-
car, tabaco, mandioca, algo-
dão e arroz.
BRASIL
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
PRODUÇÃO DE AÇÚCAR
ENGENHOS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
PRODUÇÃO DE AÇÚCAR
ENGENHOS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
PRODUÇÃO DE AÇÚCAR
ENGENHOS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
FINAIS DO SÉCULO XVII
O valor da exportação do açúcar e do
tabaco diminuiu devido a:
Concorrência holande-
sa e francesa
Aumento dos custos
da produção
Maus anos agrícolas
Princípios do século XVIII:
Grupos de Bandeirantes entraram no in-
terior do território brasileiro em busca
de ouro e pedras preciosas
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
A Expansão provocou a saída
de muitos portugueses para o
Brasil atraídos pelos lucros do
açúcar e pelo ouro
Para trabalhar nos engenhos
do açúcar e nas minas de ouro
teve de se recorrer aos escra-
vos africanos
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
D. JOÃO V – UM REI «ABSOLUTO»
D. JOÃO V governou num período em que
a chegada do ouro e das pedras preciosas
do Brasil trouxe grandes rendimentos à
Coroa.
Foi um rei muito rico e muito poderoso.
Este rei nunca convocou Cortes, pelo que
concentrou em si todos os poderes.
FOI UM REI ABSOLUTO
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
O LUXO NA CORTE
A corte de D. João V tornou-se famosa pela sua riqueza e ostentação
Construíram-se palácios mobilados com luxo, de-
ram-se concertos, bailes, espectáculos de ópera e
teatro, grandes festas com banquetes onde era
servido chá, café, chocolate e se aspirava rapé
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
PALÁCIO DA BREJOEIRA - MONÇÃO
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
SALA DO TRONO DO
PALÁCIO DE QUELUZ
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
OS GRUPOS SOCIAIS
CLERO
Dedicava-se ao ensino, à assis-
tência aos pobres e doentes.
Tinha também a seu cargo o Tri-
bunal da Inquisição
BURGUESIA
Dedicava-se ao comércio interno
e com o Brasil
POVO
Continuava com dificuldades e
emigravam para o Brasil ou des-
locavam-se para as cidades
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
AS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS
CONVENTO DE MAFRA
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
AS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS
AQUEDUTO DA ÁGUAS LIVRES
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
AS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS
CONVENTO DE
STA. INGRÁCIA
TORRE
DOS CLÉRIGOS
BIBLIOTECA
JOANINA
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
LISBOA POMBALINA
D. JOSÉ I
Se o reinado de D. João V foi de prosperidade e rique
za, já o de D. José I foi de grave crise económica.
Agricultura de
subsistência
Artesanato pou-
co desenvolvido
A riqueza e a prosperidade não se deviam
ao que se produzia no reino, mas às rique-
zas que chegavam do Brasil
Diminuição do
ouro do Brasil
D. José I herdou um país em crise, pelo que para to-
mar medidas eficazes, nomeou para seu ministro
SEBASTIÃO JOSÉ DE CARVALHO E MELO, mais co-
nhecido por MARQUÊS DE POMBAL
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
MARQUÊS DE POMBAL
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
TERRAMOTO DE 1755
Para piorar a situação em que Portugal se encontrava,
Lisboa e o sul de Portugal foram abalados por um vio-
lento TERRAMOTO.
A cidade de Lisboa ficou destruída e morreram milha-
res de pessoas
O Marquês de Pombal tomou
medidas de imediato:
- Socorrer os vivos e enterrar
os mortos
- Policiar as ruas para evitar as
pilhagens
- Proceder à reconstrução da
cidade de Lisboa
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
LISBOA POMBALINA
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
LISBOA POMBALINA
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
LISBOA POMBALINA
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
LISBOA POMBALINA
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
CARACTERÍSTICAS DA LISBOA POMBALINA
- Ruas largas e perpendiculares
- Passeios calcetados
- Esgotos
- Edifícios da mesma altura
- Estruturas anti sísmicas nos edifícios e sistema de corta - fogos
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
REFORMAS POMBALINAS
O Marquês de Pombal implementou uma série de reformas para modernizar
e desenvolver economicamente o nosso país e reforçar o poder absoluto do rei
REFORMAS ECONÓMICAS
- Criação das Companhias
Comerciais com o objec-
tivo de apoiar a grande
burguesia portuguesa e
desenvolver a agricultura
e a pesca
- Criação de indústrias para
aumentar as exportações
e diminuir as importações
REFORMAS SOCIAIS
- Retirou privilégios aos no-
bres
- Expulsou os Jesuítas
- Protegeu a burguesia
- Proibiu a escravatura no
reino
IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
REFORMAS POMBALINAS
REFORMAS NO ENSINO
- Criou escolas de instrução
primária
-Criou escolas de ensino téc-
nico em Lisboa e no Porto
- Fundou o Colégio dos No-
bres
- Reformou a Universidade de
Coimbra Quando, em 1777, D. MARIA I
subiu ao poder, demitiu o Mar-
quês de Pombal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXHgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXCarlos Vaz
 
A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsCarlos Vieira
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-pointPAFB
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
Da união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaDa união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaxicao97
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xixcattonia
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixcattonia
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXmartamariafonseca
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820jdlimaaear
 
A revolução repúblicana
A revolução repúblicanaA revolução repúblicana
A revolução repúblicanaeb23ja
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Joana Filipa Rodrigues
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90BarbaraSilveira9
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Maria Gomes
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatívelAnabela Sobral
 

Mais procurados (20)

Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXHgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
 
A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império Português
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Da união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaDa união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independência
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIX
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
 
A revolução repúblicana
A revolução repúblicanaA revolução repúblicana
A revolução repúblicana
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
 

Destaque

O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalinoborgia
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesasjdlimaaear
 
1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos LiberaisSandra Sousa
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...maria.antonia
 
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIIIO Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIIIBeatriz Moscatel
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xixPelo Siro
 
Império e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviiiImpério e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviiiCarlos Vaz
 
Teste hgp 3 correção
Teste hgp 3   correçãoTeste hgp 3   correção
Teste hgp 3 correçãoAna Pereira
 
Desafio #04: O filho do meu pai é pai do padre, o que sou do padre
Desafio #04: O filho do meu pai é pai do padre, o que sou do padreDesafio #04: O filho do meu pai é pai do padre, o que sou do padre
Desafio #04: O filho do meu pai é pai do padre, o que sou do padreO Bichinho do Saber
 
Desafio #3 - Quantos quadrados consegues contar na figura ao lado?
Desafio #3 - Quantos quadrados consegues contar na figura ao lado?Desafio #3 - Quantos quadrados consegues contar na figura ao lado?
Desafio #3 - Quantos quadrados consegues contar na figura ao lado?O Bichinho do Saber
 
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xixTeste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xixAna Pereira
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 
O império colonial português no século xviii
O império colonial português no século xviiiO império colonial português no século xviii
O império colonial português no século xviiiAnabela Sobral
 
O império português
O império portuguêsO império português
O império portuguêsCarla Freitas
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 

Destaque (20)

O Absolutismo
O AbsolutismoO Absolutismo
O Absolutismo
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
 
Friso CronolóGico
Friso CronolóGicoFriso CronolóGico
Friso CronolóGico
 
1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
 
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIIIO Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
 
Império e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviiiImpério e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviii
 
Teste hgp 3 correção
Teste hgp 3   correçãoTeste hgp 3   correção
Teste hgp 3 correção
 
Desafio #04: O filho do meu pai é pai do padre, o que sou do padre
Desafio #04: O filho do meu pai é pai do padre, o que sou do padreDesafio #04: O filho do meu pai é pai do padre, o que sou do padre
Desafio #04: O filho do meu pai é pai do padre, o que sou do padre
 
Desafio #3 - Quantos quadrados consegues contar na figura ao lado?
Desafio #3 - Quantos quadrados consegues contar na figura ao lado?Desafio #3 - Quantos quadrados consegues contar na figura ao lado?
Desafio #3 - Quantos quadrados consegues contar na figura ao lado?
 
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xixTeste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
O império colonial português no século xviii
O império colonial português no século xviiiO império colonial português no século xviii
O império colonial português no século xviii
 
O império português
O império portuguêsO império português
O império português
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
O sistema digestivo do homem
O sistema digestivo do homemO sistema digestivo do homem
O sistema digestivo do homem
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 

Semelhante a Império português no século XVIII

1261613546 imperio portugues_no_seculo_xviii
1261613546 imperio portugues_no_seculo_xviii1261613546 imperio portugues_no_seculo_xviii
1261613546 imperio portugues_no_seculo_xviiiPelo Siro
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completoPrivada
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5anabelasilvasobral
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)Nefer19
 
Historia e geografia de portugal Resumos
Historia e geografia de portugal ResumosHistoria e geografia de portugal Resumos
Historia e geografia de portugal Resumostixinhatsilva
 
Historia e geografia de portugal
Historia e geografia de portugalHistoria e geografia de portugal
Historia e geografia de portugaltixinhatsilva
 
Formação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7anoFormação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7anoSuely Takahashi
 
6º tema i - da união ibérica a d. josé i
6º   tema i - da união ibérica a d. josé i6º   tema i - da união ibérica a d. josé i
6º tema i - da união ibérica a d. josé iliedson
 
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016Nefer19
 
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º impérioUnidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º impérioAnabela Sobral
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiro Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiro SvioCarvalho10
 
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil ColôniaRetrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil ColôniaFabio Santos
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)Nefer19
 
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01Sidnea Marinho
 
Book oficial carnaval 2011 coloninha
Book oficial carnaval 2011  coloninhaBook oficial carnaval 2011  coloninha
Book oficial carnaval 2011 coloninhaMari Barboza
 

Semelhante a Império português no século XVIII (20)

1261613546 imperio portugues_no_seculo_xviii
1261613546 imperio portugues_no_seculo_xviii1261613546 imperio portugues_no_seculo_xviii
1261613546 imperio portugues_no_seculo_xviii
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completo
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
 
Historia e geografia de portugal Resumos
Historia e geografia de portugal ResumosHistoria e geografia de portugal Resumos
Historia e geografia de portugal Resumos
 
Historia e geografia de portugal
Historia e geografia de portugalHistoria e geografia de portugal
Historia e geografia de portugal
 
Economia do açucar
Economia do açucarEconomia do açucar
Economia do açucar
 
Formação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7anoFormação do povo brasileiro_7ano
Formação do povo brasileiro_7ano
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
6º tema i - da união ibérica a d. josé i
6º   tema i - da união ibérica a d. josé i6º   tema i - da união ibérica a d. josé i
6º tema i - da união ibérica a d. josé i
 
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016
 
cap20e21.ppt
cap20e21.pptcap20e21.ppt
cap20e21.ppt
 
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º impérioUnidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiro Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil ColôniaRetrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
 
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
 
Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
 
Book oficial carnaval 2011 coloninha
Book oficial carnaval 2011  coloninhaBook oficial carnaval 2011  coloninha
Book oficial carnaval 2011 coloninha
 
Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
 

Mais de cruchinho

Amar... no meu tempo
Amar... no meu tempoAmar... no meu tempo
Amar... no meu tempocruchinho
 
Para mim...janeiro
Para mim...janeiroPara mim...janeiro
Para mim...janeirocruchinho
 
A rainha das cores
A rainha das coresA rainha das cores
A rainha das corescruchinho
 
Civilizações e povos
Civilizações e povosCivilizações e povos
Civilizações e povoscruchinho
 
O livro dos porquinhos - Anthony Browne
O livro dos porquinhos - Anthony BrowneO livro dos porquinhos - Anthony Browne
O livro dos porquinhos - Anthony Brownecruchinho
 
A princesa espertalhona - Babette Cole
A princesa espertalhona - Babette ColeA princesa espertalhona - Babette Cole
A princesa espertalhona - Babette Colecruchinho
 
Coisas de mãe - sílvia alves
Coisas de mãe - sílvia alvesCoisas de mãe - sílvia alves
Coisas de mãe - sílvia alvescruchinho
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lercruchinho
 
Espelho da saúde oral
Espelho da saúde oralEspelho da saúde oral
Espelho da saúde oralcruchinho
 
O menino de vento
O menino de ventoO menino de vento
O menino de ventocruchinho
 
Amores de D. Pedro e D. Inês
Amores de D. Pedro e D. InêsAmores de D. Pedro e D. Inês
Amores de D. Pedro e D. Inêscruchinho
 
PAA HGP AESCD 2016.2017-História local-Sta. Comba Dão
PAA HGP AESCD 2016.2017-História local-Sta. Comba DãoPAA HGP AESCD 2016.2017-História local-Sta. Comba Dão
PAA HGP AESCD 2016.2017-História local-Sta. Comba Dãocruchinho
 
PAA HGP AESCD 2016.2017-História Local-Sta. Comba Dão
PAA HGP AESCD 2016.2017-História Local-Sta. Comba DãoPAA HGP AESCD 2016.2017-História Local-Sta. Comba Dão
PAA HGP AESCD 2016.2017-História Local-Sta. Comba Dãocruchinho
 
Bilhetinhos de namorados
Bilhetinhos de namoradosBilhetinhos de namorados
Bilhetinhos de namoradoscruchinho
 
João Manuel Ribeiro
João Manuel RibeiroJoão Manuel Ribeiro
João Manuel Ribeirocruchinho
 
Amores de D. Pedro e D. Inês
Amores de D. Pedro e D. InêsAmores de D. Pedro e D. Inês
Amores de D. Pedro e D. Inêscruchinho
 
Pelo nosso planeta... traps
Pelo nosso planeta... trapsPelo nosso planeta... traps
Pelo nosso planeta... trapscruchinho
 

Mais de cruchinho (20)

Amar... no meu tempo
Amar... no meu tempoAmar... no meu tempo
Amar... no meu tempo
 
Para mim...janeiro
Para mim...janeiroPara mim...janeiro
Para mim...janeiro
 
Quitapenas
QuitapenasQuitapenas
Quitapenas
 
Dia do pai
Dia do paiDia do pai
Dia do pai
 
O regresso
O regressoO regresso
O regresso
 
A rainha das cores
A rainha das coresA rainha das cores
A rainha das cores
 
Civilizações e povos
Civilizações e povosCivilizações e povos
Civilizações e povos
 
O livro dos porquinhos - Anthony Browne
O livro dos porquinhos - Anthony BrowneO livro dos porquinhos - Anthony Browne
O livro dos porquinhos - Anthony Browne
 
A princesa espertalhona - Babette Cole
A princesa espertalhona - Babette ColeA princesa espertalhona - Babette Cole
A princesa espertalhona - Babette Cole
 
Coisas de mãe - sílvia alves
Coisas de mãe - sílvia alvesCoisas de mãe - sílvia alves
Coisas de mãe - sílvia alves
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
 
Espelho da saúde oral
Espelho da saúde oralEspelho da saúde oral
Espelho da saúde oral
 
O menino de vento
O menino de ventoO menino de vento
O menino de vento
 
Amores de D. Pedro e D. Inês
Amores de D. Pedro e D. InêsAmores de D. Pedro e D. Inês
Amores de D. Pedro e D. Inês
 
PAA HGP AESCD 2016.2017-História local-Sta. Comba Dão
PAA HGP AESCD 2016.2017-História local-Sta. Comba DãoPAA HGP AESCD 2016.2017-História local-Sta. Comba Dão
PAA HGP AESCD 2016.2017-História local-Sta. Comba Dão
 
PAA HGP AESCD 2016.2017-História Local-Sta. Comba Dão
PAA HGP AESCD 2016.2017-História Local-Sta. Comba DãoPAA HGP AESCD 2016.2017-História Local-Sta. Comba Dão
PAA HGP AESCD 2016.2017-História Local-Sta. Comba Dão
 
Bilhetinhos de namorados
Bilhetinhos de namoradosBilhetinhos de namorados
Bilhetinhos de namorados
 
João Manuel Ribeiro
João Manuel RibeiroJoão Manuel Ribeiro
João Manuel Ribeiro
 
Amores de D. Pedro e D. Inês
Amores de D. Pedro e D. InêsAmores de D. Pedro e D. Inês
Amores de D. Pedro e D. Inês
 
Pelo nosso planeta... traps
Pelo nosso planeta... trapsPelo nosso planeta... traps
Pelo nosso planeta... traps
 

Último

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 

Último (20)

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Império português no século XVIII

  • 1. MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII
  • 2. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII IMPÉRIO PORTUGUÊS NO SÉCULO XVI IMPÉRIO PORTUGUÊS NO SÉCULO XVIII Houve grandes alterações no Império Português entre os séculos XVI e XVIII. O BRASIL – NOVA FONTE DE RIQUEZA Com a diminuição dos lucros do comércio do Oriente, os Portugueses viram-se para a exploração dos produtos bra- sileiros, no século XVIII: açú- car, tabaco, mandioca, algo- dão e arroz. BRASIL
  • 3. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII PRODUÇÃO DE AÇÚCAR ENGENHOS
  • 4. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII PRODUÇÃO DE AÇÚCAR ENGENHOS
  • 5. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII PRODUÇÃO DE AÇÚCAR ENGENHOS
  • 6. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII FINAIS DO SÉCULO XVII O valor da exportação do açúcar e do tabaco diminuiu devido a: Concorrência holande- sa e francesa Aumento dos custos da produção Maus anos agrícolas Princípios do século XVIII: Grupos de Bandeirantes entraram no in- terior do território brasileiro em busca de ouro e pedras preciosas
  • 7. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII A Expansão provocou a saída de muitos portugueses para o Brasil atraídos pelos lucros do açúcar e pelo ouro Para trabalhar nos engenhos do açúcar e nas minas de ouro teve de se recorrer aos escra- vos africanos
  • 8. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII D. JOÃO V – UM REI «ABSOLUTO» D. JOÃO V governou num período em que a chegada do ouro e das pedras preciosas do Brasil trouxe grandes rendimentos à Coroa. Foi um rei muito rico e muito poderoso. Este rei nunca convocou Cortes, pelo que concentrou em si todos os poderes. FOI UM REI ABSOLUTO
  • 9. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII O LUXO NA CORTE A corte de D. João V tornou-se famosa pela sua riqueza e ostentação Construíram-se palácios mobilados com luxo, de- ram-se concertos, bailes, espectáculos de ópera e teatro, grandes festas com banquetes onde era servido chá, café, chocolate e se aspirava rapé
  • 10. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII PALÁCIO DA BREJOEIRA - MONÇÃO
  • 11. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII SALA DO TRONO DO PALÁCIO DE QUELUZ
  • 12. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII OS GRUPOS SOCIAIS CLERO Dedicava-se ao ensino, à assis- tência aos pobres e doentes. Tinha também a seu cargo o Tri- bunal da Inquisição BURGUESIA Dedicava-se ao comércio interno e com o Brasil POVO Continuava com dificuldades e emigravam para o Brasil ou des- locavam-se para as cidades
  • 13. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII AS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS CONVENTO DE MAFRA
  • 14. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII AS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS AQUEDUTO DA ÁGUAS LIVRES
  • 15. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII AS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS CONVENTO DE STA. INGRÁCIA TORRE DOS CLÉRIGOS BIBLIOTECA JOANINA
  • 16. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII LISBOA POMBALINA D. JOSÉ I Se o reinado de D. João V foi de prosperidade e rique za, já o de D. José I foi de grave crise económica. Agricultura de subsistência Artesanato pou- co desenvolvido A riqueza e a prosperidade não se deviam ao que se produzia no reino, mas às rique- zas que chegavam do Brasil Diminuição do ouro do Brasil D. José I herdou um país em crise, pelo que para to- mar medidas eficazes, nomeou para seu ministro SEBASTIÃO JOSÉ DE CARVALHO E MELO, mais co- nhecido por MARQUÊS DE POMBAL
  • 17. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII MARQUÊS DE POMBAL
  • 18. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
  • 19. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
  • 20. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
  • 21. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
  • 22. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
  • 23. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
  • 24. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII TERRAMOTO DE 1755 EM IMAGENS
  • 25. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII TERRAMOTO DE 1755 Para piorar a situação em que Portugal se encontrava, Lisboa e o sul de Portugal foram abalados por um vio- lento TERRAMOTO. A cidade de Lisboa ficou destruída e morreram milha- res de pessoas O Marquês de Pombal tomou medidas de imediato: - Socorrer os vivos e enterrar os mortos - Policiar as ruas para evitar as pilhagens - Proceder à reconstrução da cidade de Lisboa
  • 26. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII LISBOA POMBALINA
  • 27. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII LISBOA POMBALINA
  • 28. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII LISBOA POMBALINA
  • 29. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII LISBOA POMBALINA
  • 30. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII CARACTERÍSTICAS DA LISBOA POMBALINA - Ruas largas e perpendiculares - Passeios calcetados - Esgotos - Edifícios da mesma altura - Estruturas anti sísmicas nos edifícios e sistema de corta - fogos
  • 31. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII REFORMAS POMBALINAS O Marquês de Pombal implementou uma série de reformas para modernizar e desenvolver economicamente o nosso país e reforçar o poder absoluto do rei REFORMAS ECONÓMICAS - Criação das Companhias Comerciais com o objec- tivo de apoiar a grande burguesia portuguesa e desenvolver a agricultura e a pesca - Criação de indústrias para aumentar as exportações e diminuir as importações REFORMAS SOCIAIS - Retirou privilégios aos no- bres - Expulsou os Jesuítas - Protegeu a burguesia - Proibiu a escravatura no reino
  • 32. IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII REFORMAS POMBALINAS REFORMAS NO ENSINO - Criou escolas de instrução primária -Criou escolas de ensino téc- nico em Lisboa e no Porto - Fundou o Colégio dos No- bres - Reformou a Universidade de Coimbra Quando, em 1777, D. MARIA I subiu ao poder, demitiu o Mar- quês de Pombal