SlideShare uma empresa Scribd logo
UnG/MAG - Nov/2013

Nome

Objetivo da
criação da
Unidade de
Conservação
(UC)

Nome da
Unidade de
Conservação
(UC)

Meio físico Caracterização
da Unidade de
Conservação
(UC)

Grupo da
Unidade de
Conservação
(UC)

Grupo

Ato de
criação da
Ato de Criação
Unidade de
Conservação
Objetivo
(UC)
da criação
Categoria

Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas

Característica
Geoambiental
da Unidade de
Conservação
(UC)

Categoria da
Unidade de
Conservação
(UC)
Conselho
Gestor da
Unidade de
Conservação
(UC)

Plano de
Manejo da
Unidade de
Conservação
(UC)

Atividades
Permitidas na
Unidade de
Conservação
(UC)
Nome da
Unidade de
Conservação
(UC)

Nome

• Parque Nacional do Itatiaia (PNI)

Grupo

• O nome Itatiaia é uma palavra em tupi que significa

Categoria

"pedra pontuda", através da junção dos termos ita
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas

("pedra") e atiai ("pontudo")
Categoria da
Unidade de
Conservação
(UC)

Nome
Grupo

• O Parque Nacional do Itatiaia (PNI) é enquadrado
segundo o IUCN/SNUC na Categoria II – Parque

Categoria

Nacional
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Grupo da
Unidade de
Conservação
(UC)

Nome
Grupo

• O SNUC baseia-se na concepção da União
Internacional para Conservação da Natureza (IUCN)

Categoria

que agrupa as áreas protegidas em função de suas
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas

características e de seus objetivos.
• A categoria Parque Nacional se inclui no Grupo I UCs de Uso Indireto classificados pelo SNUC como
Unidade de Proteção Integral.
Ato de
criação da
Unidade de
Conservação
(UC)

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas

• Criado em 14 de junho de 1937, através do
Decreto no.1.713, pelo Presidente Getúlio Vargas.
Objetivo da
criação da
Unidade de
Conservação
(UC)

Nome
Grupo

• Os Parques Nacionais, conforme o Sistema Nacional
de Unidades de Conservação (SNUC) têm como

Categoria

objetivo básico a preservação de ecossistemas
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor

naturais de grande relevância ecológica e beleza
cênica, possibilitando a realização de pesquisas
científicas e o desenvolvimento de atividades de
educação e interpretação ambiental, de recreação
em contato com a natureza e de turismo ecológico
(Lei 9.985/2000).

Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Meio físico Caracterização
da Unidade de
Conservação
(UC)

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação

• Apresenta um relevo caracterizado por montanhas e
elevações rochosas, com altitude variando de 540 a 2.791m,
no seu ponto culminante, o Pico das Agulhas Negras.
• A unidade apresenta elevado grau de vulnerabilidade,

representando uma “ilha de conservação” da biodiversidade
entre Rio e São Paulo, as duas maiores metrópoles do país.

Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo

• A área do Parque abrange nascentes de 12 importantes
bacias hidrográficas regionais, que drenam para duas
bacias principais: ao Norte para a do Rio Grande, afluente
do rio Paraná, e. ao Sul para a do Rio Paraíba do Sul, o
mais importante do Estado do Rio de Janeiro.

Atividades Permitidas
Característica
Geoambiental
da Unidade de
Conservação
(UC)
•

A vegetação, toda dentro do contexto do Bioma Mata Atlântica, se modifica
gradativamente de acordo com a altitude. Nos gradientes mais baixos,

Nome

predomina a Floresta Densa, com fauna e flora ricas e exuberantes. Conforme

Grupo

a altitude aumenta, árvores e arbustos cedem espaço à vegetação rasteira
Categoria

caracterizando os Campos de Altitude, onde a flora é formada principalmente
por gramíneas que sobrevivem às condições de frio intenso, geada e formação

Ato de Criação
Objetivo
da criação

de crostas de gelo.
•

mamíferos, além de inúmeros répteis e anfíbios, muitas das quais endêmicas

Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental

O PNI abriga aproximadamente 5.000 espécies de insetos, 350 de aves e 50 de

ou ameaçadas, como o sapo flamenguinho, a onça parda ou suçuarana, o
macaco muriqui, entre outras.
•

As aves têm grande importância para a Unidade. O PNIl é considerado um
dos melhores locais do mundo para a prática do “birdwatching” ou

Conselho Gestor

observação de aves.
Plano de Manejo
Atividades Permitidas

•

Na flora, destacamos a araucária (ocorrência natural) além de inúmeras
espécies características dos campos de altitude.
Conselho
Gestor da
Unidade de
Conservação
(UC)
Nome

• O PNI possui gestores desde sua criação.

Grupo

• O Instituto Chico Mendes de Conservação da

Categoria

Biodiversidade ICMBio, vinculado ao Ministério do
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor

Meio Ambiente e integrante do Sistema Nacional do
Meio Ambiente (Sisnama) responde pela gestão do
parque a partir de 2007..Desde 13/06/2012 Gustavo
Wanderley Tomzhinski, é o gestor responsável.
• Possui ainda um Conselho Consultivo e Câmaras
Técnicas.

Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Plano de
Manejo da
Unidade de
Conservação
(UC)
•
Nome

indicou a adoção de 7 zonas na parte considerada como Parque

Grupo

Nacional:
•

Categoria

Meio físico Caracterização

Intangível; Primitiva; Uso Extensivo; Uso Intensivo;
Recuperação; Uso Especial e. Uso Conflitante.

Ato de Criação
Objetivo
da criação

Plano de Manejo foi elaborado em 1982. O Zoneamento proposto

•

Em 1994 foi elaborado Plano de Ação Emergencial - PAE (IBAMA)
sendo mais da metade de suas propostas levadas a cabo.

•

Seu Conselho Consultivo e suas Câmaras Técnicas, com a
participação de diversos segmentos da sociedade têm

Característica
Geoambiental
Conselho Gestor

contribuindo de forma decisiva para a elaboração e
implementação de projetos fundamentais para que o Primeiro
Parque Nacional do Brasil atinja seus objetivos e seja uma das

Plano de Manejo
Atividades Permitidas

referências positivas para as demais Unidades de Conservação.
Atividades
Permitidas na
Unidade de
Conservação
(UC)

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor

• Conforme apresentado no Guia do Visitante disponibilizado
pela Instituição gestora do Parque (ICMBio - Instituto Chico
Mendes de Conservação da Biodiversidade) é possível o

desenvolvimento das seguintes atividades: Banhos de
cachoeira; Birdwatching (observação de pássaros);
Butterflywatching (observação de borboletas); Caminhadas;
Ciclismo em áreas permitidas; Escalada; Montanhismo;

Observação de fauna; Pernoite autorizada nos abrigos;
Piquenique nas áreas permitidas e, Travessias. Sempre
considerando as regras especificadas para cada uma no Gui

Plano de Manejo

do Visitante.
Atividades Permitidas
Fotos
de áreas do
Parque
Nacional de
Itatiaia

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Fotos
de áreas do
Parque
Nacional de
Itatiaia

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Fotos
de áreas do
Parque
Nacional de
Itatiaia

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Fotos
de áreas do
Parque
Nacional de
Itatiaia

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Fotos
de áreas do
Parque
Nacional de
Itatiaia

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Zonas de
Plano de
Manejo
Pag. 01/02

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Zonas de
Plano de
Manejo
Pag. 02/02

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Objetivos
do Parque
Nacional do
Itatiaia

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Característica
Geoambiental

Nome
Grupo
Categoria
Ato de Criação
Objetivo
da criação
Meio físico Caracterização
Característica
Geoambiental
Conselho Gestor
Plano de Manejo
Atividades Permitidas
Bibliografia
Utilizada

Nome

• CADERNOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FBDS 3 –
Grupo

Parque Nacional do Itatiaia - Fundação Brasileira para o

Categoria

desenvolvimento Sustentável – Rio de Janeiro – 2000.
Ato de Criação

• ICMBio – Instituto Chico Mendes para a Preservação da Biodiversidade

Objetivo
da criação

- http://www.icmbio.gov.br/portal/ acessado dia 03/nov/2013.

Meio físico Caracterização

• Guia do visitante - http://www.icmbio.gov.br/parnaitatiaia/ acessado
dia 03/nov/2013.

Característica
Geoambiental

• Código Florestal Brasileiro

Conselho Gestor

• IBAMA – Instituo Brasileiro do Meio Ambiente Plano de Manejo

http://www.ibama.gov.br/ acessado dia 03/nov/2013.
Atividades Permitidas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
Sandra Semedo
 
O Desmatamento
O DesmatamentoO Desmatamento
O Desmatamento
biodeise
 
Sistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservaçãoSistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservação
guest0a95ab
 
América
América América
América
isabel preto
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Introdução ao geoprocessamento
Introdução ao geoprocessamento Introdução ao geoprocessamento
Introdução ao geoprocessamento
Pedro Nelson
 
Eia-rima
Eia-rimaEia-rima
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
Marina Godoy
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
Victor Ygor
 
Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
Malu Anacleto
 
A evolução da legislação ambiental brasileira e a proteção do meio ambiente
A evolução da legislação ambiental brasileira e a proteção do meio ambienteA evolução da legislação ambiental brasileira e a proteção do meio ambiente
A evolução da legislação ambiental brasileira e a proteção do meio ambiente
DireitoCivilContemporaneo
 
Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade ppt
guest7b65ee
 
Mata atlântica
Mata atlânticaMata atlântica
Mata atlântica
Edmar Souza
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
marco :)
 
CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005
Francielson Almeida Alves
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
Prof.Paulo/geografia
 
Os princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atualOs princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atual
João Alfredo Telles Melo
 
Património Mundial e Turismo Cultural - Parque Nacional de Yellowstone - Artu...
Património Mundial e Turismo Cultural - Parque Nacional de Yellowstone - Artu...Património Mundial e Turismo Cultural - Parque Nacional de Yellowstone - Artu...
Património Mundial e Turismo Cultural - Parque Nacional de Yellowstone - Artu...
Artur Filipe dos Santos
 
Apresentação Queimadas
Apresentação QueimadasApresentação Queimadas
Apresentação Queimadas
Rádio-uca Fhm
 

Mais procurados (20)

Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
 
O Desmatamento
O DesmatamentoO Desmatamento
O Desmatamento
 
Sistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservaçãoSistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservação
 
América
América América
América
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Introdução ao geoprocessamento
Introdução ao geoprocessamento Introdução ao geoprocessamento
Introdução ao geoprocessamento
 
Eia-rima
Eia-rimaEia-rima
Eia-rima
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
 
Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.Conferencias ambientais-e-cops.
Conferencias ambientais-e-cops.
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
 
A evolução da legislação ambiental brasileira e a proteção do meio ambiente
A evolução da legislação ambiental brasileira e a proteção do meio ambienteA evolução da legislação ambiental brasileira e a proteção do meio ambiente
A evolução da legislação ambiental brasileira e a proteção do meio ambiente
 
Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade ppt
 
Mata atlântica
Mata atlânticaMata atlântica
Mata atlântica
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Os princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atualOs princípios de direito ambiental atual
Os princípios de direito ambiental atual
 
Património Mundial e Turismo Cultural - Parque Nacional de Yellowstone - Artu...
Património Mundial e Turismo Cultural - Parque Nacional de Yellowstone - Artu...Património Mundial e Turismo Cultural - Parque Nacional de Yellowstone - Artu...
Património Mundial e Turismo Cultural - Parque Nacional de Yellowstone - Artu...
 
Apresentação Queimadas
Apresentação QueimadasApresentação Queimadas
Apresentação Queimadas
 

Destaque

Ecoturismo e os parques nacionais
Ecoturismo e os parques nacionaisEcoturismo e os parques nacionais
Ecoturismo e os parques nacionais
Denis Fernandes
 
Icmbio - apresentação sobre o parque nacional da Serra da Gandarela
Icmbio - apresentação sobre o parque nacional da Serra da GandarelaIcmbio - apresentação sobre o parque nacional da Serra da Gandarela
Icmbio - apresentação sobre o parque nacional da Serra da Gandarela
Agência Peixe Vivo
 
Tutorial Slideshare
Tutorial SlideshareTutorial Slideshare
Tutorial Slideshare
ntecaxambu
 
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologiasAula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Rosilene
RosileneRosilene
Rosilene
kassiarios
 
Gestão de Unidades de Conservação
Gestão de Unidades de ConservaçãoGestão de Unidades de Conservação
Gestão de Unidades de Conservação
Urialisson Queiroz
 
Unidades de Conservação Paraíba
Unidades de Conservação ParaíbaUnidades de Conservação Paraíba
Unidades de Conservação Paraíba
Junior França
 
Tamanho e densidade
Tamanho e densidadeTamanho e densidade
Tamanho e densidade
unesp
 
Palestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservaçãoPalestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservação
Cristy Handson
 
Slide projeto de educação ambiental na feira do ceasa.
Slide projeto de educação ambiental na feira do ceasa.Slide projeto de educação ambiental na feira do ceasa.
Slide projeto de educação ambiental na feira do ceasa.
netolimask89
 
Parques nacionais 2011
Parques nacionais 2011Parques nacionais 2011
Parques nacionais 2011
FUNDACÃO FÓRMULA CULTURAL
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
Leandro A. Machado de Moura
 
Unidades de Conservação
Unidades de ConservaçãoUnidades de Conservação
Unidades de Conservação
parquedaamizade
 
Areas protegidas
Areas protegidasAreas protegidas
Areas protegidas
JoseOliveiraPT
 
A biologia da conservação
A biologia da conservaçãoA biologia da conservação
A biologia da conservação
Gabriela de Lima
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasil
guiodrumond
 
Biologia da Conservação
Biologia da ConservaçãoBiologia da Conservação
Biologia da Conservação
Gabriel Lopes (Guma)
 
Brasil rural
Brasil ruralBrasil rural
O brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizadoO brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizado
marcosa1212
 
Atividade do 6º ano: nº primo, nº composto, decomposição, mdc e mmc
Atividade do 6º ano: nº primo, nº composto, decomposição, mdc e mmcAtividade do 6º ano: nº primo, nº composto, decomposição, mdc e mmc
Atividade do 6º ano: nº primo, nº composto, decomposição, mdc e mmc
Ilton Bruno
 

Destaque (20)

Ecoturismo e os parques nacionais
Ecoturismo e os parques nacionaisEcoturismo e os parques nacionais
Ecoturismo e os parques nacionais
 
Icmbio - apresentação sobre o parque nacional da Serra da Gandarela
Icmbio - apresentação sobre o parque nacional da Serra da GandarelaIcmbio - apresentação sobre o parque nacional da Serra da Gandarela
Icmbio - apresentação sobre o parque nacional da Serra da Gandarela
 
Tutorial Slideshare
Tutorial SlideshareTutorial Slideshare
Tutorial Slideshare
 
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologiasAula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 06 de ciências humanas e suas tecnologias
 
Rosilene
RosileneRosilene
Rosilene
 
Gestão de Unidades de Conservação
Gestão de Unidades de ConservaçãoGestão de Unidades de Conservação
Gestão de Unidades de Conservação
 
Unidades de Conservação Paraíba
Unidades de Conservação ParaíbaUnidades de Conservação Paraíba
Unidades de Conservação Paraíba
 
Tamanho e densidade
Tamanho e densidadeTamanho e densidade
Tamanho e densidade
 
Palestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservaçãoPalestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservação
 
Slide projeto de educação ambiental na feira do ceasa.
Slide projeto de educação ambiental na feira do ceasa.Slide projeto de educação ambiental na feira do ceasa.
Slide projeto de educação ambiental na feira do ceasa.
 
Parques nacionais 2011
Parques nacionais 2011Parques nacionais 2011
Parques nacionais 2011
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
 
Unidades de Conservação
Unidades de ConservaçãoUnidades de Conservação
Unidades de Conservação
 
Areas protegidas
Areas protegidasAreas protegidas
Areas protegidas
 
A biologia da conservação
A biologia da conservaçãoA biologia da conservação
A biologia da conservação
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasil
 
Biologia da Conservação
Biologia da ConservaçãoBiologia da Conservação
Biologia da Conservação
 
Brasil rural
Brasil ruralBrasil rural
Brasil rural
 
O brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizadoO brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizado
 
Atividade do 6º ano: nº primo, nº composto, decomposição, mdc e mmc
Atividade do 6º ano: nº primo, nº composto, decomposição, mdc e mmcAtividade do 6º ano: nº primo, nº composto, decomposição, mdc e mmc
Atividade do 6º ano: nº primo, nº composto, decomposição, mdc e mmc
 

Semelhante a Parque nacional itatiaia_azambuja

Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
Fatima de Luzie Cavalcante
 
Corredores ecológicos Serra do Cabral
Corredores ecológicos Serra do CabralCorredores ecológicos Serra do Cabral
Corredores ecológicos Serra do Cabral
CBH Rio das Velhas
 
Manejo de Áreas Silvestres
Manejo de Áreas SilvestresManejo de Áreas Silvestres
Manejo de Áreas Silvestres
Brenno Silva
 
PARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - Audiência Pública
PARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - Audiência PúblicaPARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - Audiência Pública
PARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - Audiência Pública
Fernando Lemos
 
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Leandro A. Machado de Moura
 
Unidades de Conservação - ensino fundamenta 2.pdf
Unidades de Conservação - ensino fundamenta 2.pdfUnidades de Conservação - ensino fundamenta 2.pdf
Unidades de Conservação - ensino fundamenta 2.pdf
Diogo Rosas
 
Uc's - Unidades de conservação
Uc's - Unidades de conservação Uc's - Unidades de conservação
Uc's - Unidades de conservação
Jhoony Larrye
 
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
EcoHospedagem
 
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA NATUREZA.pptx
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA NATUREZA.pptxUNIDADES DE CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA NATUREZA.pptx
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA NATUREZA.pptx
WelligtonGabriel1
 
AULA SNUC - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO.pdf
AULA SNUC - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO.pdfAULA SNUC - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO.pdf
AULA SNUC - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO.pdf
PaulaMariaMagalhesTe
 
Aula SNUC - Introdução
Aula SNUC  - IntroduçãoAula SNUC  - Introdução
Aula SNUC - Introdução
lucianagraciano
 
Guia Parques estaduais de Minas Gerais
Guia  Parques estaduais de Minas GeraisGuia  Parques estaduais de Minas Gerais
Guia Parques estaduais de Minas Gerais
Gabriela Leal
 
Aula_2.pdf
Aula_2.pdfAula_2.pdf
Aula_2.pdf
drestranho888
 
Lei 9985 de 18 de julho de2000 – uc's
Lei 9985 de 18 de julho de2000 – uc'sLei 9985 de 18 de julho de2000 – uc's
Lei 9985 de 18 de julho de2000 – uc's
James Pinho Ladislau Pinho
 
Sistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservaçãoSistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservação
guest0a95ab
 
mma-apresentacao-geral-snuc-convertido.pdf
mma-apresentacao-geral-snuc-convertido.pdfmma-apresentacao-geral-snuc-convertido.pdf
mma-apresentacao-geral-snuc-convertido.pdf
UsoPblicoPEPB
 
Consulta pública apa
Consulta pública apaConsulta pública apa
Consulta pública apa
Pedro Stiehl
 
Apresenta[1]uc
Apresenta[1]ucApresenta[1]uc
Bid wash envio
Bid wash envioBid wash envio
Bid wash envio
Lu Mota
 
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José LutzenbergerI Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
Associação Amigos do Meio Ambiente
 

Semelhante a Parque nacional itatiaia_azambuja (20)

Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
 
Corredores ecológicos Serra do Cabral
Corredores ecológicos Serra do CabralCorredores ecológicos Serra do Cabral
Corredores ecológicos Serra do Cabral
 
Manejo de Áreas Silvestres
Manejo de Áreas SilvestresManejo de Áreas Silvestres
Manejo de Áreas Silvestres
 
PARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - Audiência Pública
PARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - Audiência PúblicaPARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - Audiência Pública
PARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - Audiência Pública
 
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
 
Unidades de Conservação - ensino fundamenta 2.pdf
Unidades de Conservação - ensino fundamenta 2.pdfUnidades de Conservação - ensino fundamenta 2.pdf
Unidades de Conservação - ensino fundamenta 2.pdf
 
Uc's - Unidades de conservação
Uc's - Unidades de conservação Uc's - Unidades de conservação
Uc's - Unidades de conservação
 
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
 
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA NATUREZA.pptx
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA NATUREZA.pptxUNIDADES DE CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA NATUREZA.pptx
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO DA NATUREZA.pptx
 
AULA SNUC - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO.pdf
AULA SNUC - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO.pdfAULA SNUC - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO.pdf
AULA SNUC - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO.pdf
 
Aula SNUC - Introdução
Aula SNUC  - IntroduçãoAula SNUC  - Introdução
Aula SNUC - Introdução
 
Guia Parques estaduais de Minas Gerais
Guia  Parques estaduais de Minas GeraisGuia  Parques estaduais de Minas Gerais
Guia Parques estaduais de Minas Gerais
 
Aula_2.pdf
Aula_2.pdfAula_2.pdf
Aula_2.pdf
 
Lei 9985 de 18 de julho de2000 – uc's
Lei 9985 de 18 de julho de2000 – uc'sLei 9985 de 18 de julho de2000 – uc's
Lei 9985 de 18 de julho de2000 – uc's
 
Sistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservaçãoSistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservação
 
mma-apresentacao-geral-snuc-convertido.pdf
mma-apresentacao-geral-snuc-convertido.pdfmma-apresentacao-geral-snuc-convertido.pdf
mma-apresentacao-geral-snuc-convertido.pdf
 
Consulta pública apa
Consulta pública apaConsulta pública apa
Consulta pública apa
 
Apresenta[1]uc
Apresenta[1]ucApresenta[1]uc
Apresenta[1]uc
 
Bid wash envio
Bid wash envioBid wash envio
Bid wash envio
 
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José LutzenbergerI Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
I Seminário de Patrimônio de Guaíba - Tema Morro José Lutzenberger
 

Mais de Antonio Azambuja

Cadê o cliente? Azambuja
Cadê o cliente? AzambujaCadê o cliente? Azambuja
Cadê o cliente? Azambuja
Antonio Azambuja
 
Teletrabalho Azambuja
Teletrabalho AzambujaTeletrabalho Azambuja
Teletrabalho Azambuja
Antonio Azambuja
 
Um novo normal azambuja
Um novo normal   azambujaUm novo normal   azambuja
Um novo normal azambuja
Antonio Azambuja
 
EstrategiasparaAumentarEmpregabilidade
EstrategiasparaAumentarEmpregabilidadeEstrategiasparaAumentarEmpregabilidade
EstrategiasparaAumentarEmpregabilidade
Antonio Azambuja
 
Truste 02 2016 vf
Truste 02 2016 vfTruste 02 2016 vf
Truste 02 2016 vf
Antonio Azambuja
 
A arte de falar em público
A arte de falar em públicoA arte de falar em público
A arte de falar em público
Antonio Azambuja
 
Empreendedorismo sumaré
Empreendedorismo sumaréEmpreendedorismo sumaré
Empreendedorismo sumaré
Antonio Azambuja
 
Aula teste -Sumaré
Aula teste -SumaréAula teste -Sumaré
Aula teste -Sumaré
Antonio Azambuja
 
Um mundo cada vez mais interessante 2011 jun
Um mundo cada vez mais interessante 2011 junUm mundo cada vez mais interessante 2011 jun
Um mundo cada vez mais interessante 2011 jun
Antonio Azambuja
 
Toma que o lixo é seu 2010 jun
Toma que o lixo é seu 2010 junToma que o lixo é seu 2010 jun
Toma que o lixo é seu 2010 jun
Antonio Azambuja
 
Toma que o lixo é seu 2010 jun
Toma que o lixo é seu 2010 junToma que o lixo é seu 2010 jun
Toma que o lixo é seu 2010 jun
Antonio Azambuja
 
Quanto custa fazer preço 2005 mar
Quanto custa fazer preço 2005 marQuanto custa fazer preço 2005 mar
Quanto custa fazer preço 2005 mar
Antonio Azambuja
 
Pequenas ações, grandes atitudes 2010 abr
Pequenas ações, grandes atitudes 2010 abrPequenas ações, grandes atitudes 2010 abr
Pequenas ações, grandes atitudes 2010 abr
Antonio Azambuja
 
Chico buarque, roberto carlos, a crise e eu 2009 jan
Chico buarque, roberto carlos, a crise e eu 2009 janChico buarque, roberto carlos, a crise e eu 2009 jan
Chico buarque, roberto carlos, a crise e eu 2009 jan
Antonio Azambuja
 
Aprender e ensinar 2009 jan
Aprender e ensinar 2009 janAprender e ensinar 2009 jan
Aprender e ensinar 2009 jan
Antonio Azambuja
 
2010 um ano da abundância e do sms 2010-jan
2010   um ano da abundância e do sms 2010-jan2010   um ano da abundância e do sms 2010-jan
2010 um ano da abundância e do sms 2010-jan
Antonio Azambuja
 

Mais de Antonio Azambuja (16)

Cadê o cliente? Azambuja
Cadê o cliente? AzambujaCadê o cliente? Azambuja
Cadê o cliente? Azambuja
 
Teletrabalho Azambuja
Teletrabalho AzambujaTeletrabalho Azambuja
Teletrabalho Azambuja
 
Um novo normal azambuja
Um novo normal   azambujaUm novo normal   azambuja
Um novo normal azambuja
 
EstrategiasparaAumentarEmpregabilidade
EstrategiasparaAumentarEmpregabilidadeEstrategiasparaAumentarEmpregabilidade
EstrategiasparaAumentarEmpregabilidade
 
Truste 02 2016 vf
Truste 02 2016 vfTruste 02 2016 vf
Truste 02 2016 vf
 
A arte de falar em público
A arte de falar em públicoA arte de falar em público
A arte de falar em público
 
Empreendedorismo sumaré
Empreendedorismo sumaréEmpreendedorismo sumaré
Empreendedorismo sumaré
 
Aula teste -Sumaré
Aula teste -SumaréAula teste -Sumaré
Aula teste -Sumaré
 
Um mundo cada vez mais interessante 2011 jun
Um mundo cada vez mais interessante 2011 junUm mundo cada vez mais interessante 2011 jun
Um mundo cada vez mais interessante 2011 jun
 
Toma que o lixo é seu 2010 jun
Toma que o lixo é seu 2010 junToma que o lixo é seu 2010 jun
Toma que o lixo é seu 2010 jun
 
Toma que o lixo é seu 2010 jun
Toma que o lixo é seu 2010 junToma que o lixo é seu 2010 jun
Toma que o lixo é seu 2010 jun
 
Quanto custa fazer preço 2005 mar
Quanto custa fazer preço 2005 marQuanto custa fazer preço 2005 mar
Quanto custa fazer preço 2005 mar
 
Pequenas ações, grandes atitudes 2010 abr
Pequenas ações, grandes atitudes 2010 abrPequenas ações, grandes atitudes 2010 abr
Pequenas ações, grandes atitudes 2010 abr
 
Chico buarque, roberto carlos, a crise e eu 2009 jan
Chico buarque, roberto carlos, a crise e eu 2009 janChico buarque, roberto carlos, a crise e eu 2009 jan
Chico buarque, roberto carlos, a crise e eu 2009 jan
 
Aprender e ensinar 2009 jan
Aprender e ensinar 2009 janAprender e ensinar 2009 jan
Aprender e ensinar 2009 jan
 
2010 um ano da abundância e do sms 2010-jan
2010   um ano da abundância e do sms 2010-jan2010   um ano da abundância e do sms 2010-jan
2010 um ano da abundância e do sms 2010-jan
 

Último

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

Parque nacional itatiaia_azambuja

  • 1. UnG/MAG - Nov/2013 Nome Objetivo da criação da Unidade de Conservação (UC) Nome da Unidade de Conservação (UC) Meio físico Caracterização da Unidade de Conservação (UC) Grupo da Unidade de Conservação (UC) Grupo Ato de criação da Ato de Criação Unidade de Conservação Objetivo (UC) da criação Categoria Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas Característica Geoambiental da Unidade de Conservação (UC) Categoria da Unidade de Conservação (UC) Conselho Gestor da Unidade de Conservação (UC) Plano de Manejo da Unidade de Conservação (UC) Atividades Permitidas na Unidade de Conservação (UC)
  • 2. Nome da Unidade de Conservação (UC) Nome • Parque Nacional do Itatiaia (PNI) Grupo • O nome Itatiaia é uma palavra em tupi que significa Categoria "pedra pontuda", através da junção dos termos ita Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas ("pedra") e atiai ("pontudo")
  • 3. Categoria da Unidade de Conservação (UC) Nome Grupo • O Parque Nacional do Itatiaia (PNI) é enquadrado segundo o IUCN/SNUC na Categoria II – Parque Categoria Nacional Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 4. Grupo da Unidade de Conservação (UC) Nome Grupo • O SNUC baseia-se na concepção da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN) Categoria que agrupa as áreas protegidas em função de suas Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas características e de seus objetivos. • A categoria Parque Nacional se inclui no Grupo I UCs de Uso Indireto classificados pelo SNUC como Unidade de Proteção Integral.
  • 5. Ato de criação da Unidade de Conservação (UC) Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas • Criado em 14 de junho de 1937, através do Decreto no.1.713, pelo Presidente Getúlio Vargas.
  • 6. Objetivo da criação da Unidade de Conservação (UC) Nome Grupo • Os Parques Nacionais, conforme o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) têm como Categoria objetivo básico a preservação de ecossistemas Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico (Lei 9.985/2000). Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 7. Meio físico Caracterização da Unidade de Conservação (UC) Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação • Apresenta um relevo caracterizado por montanhas e elevações rochosas, com altitude variando de 540 a 2.791m, no seu ponto culminante, o Pico das Agulhas Negras. • A unidade apresenta elevado grau de vulnerabilidade, representando uma “ilha de conservação” da biodiversidade entre Rio e São Paulo, as duas maiores metrópoles do país. Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo • A área do Parque abrange nascentes de 12 importantes bacias hidrográficas regionais, que drenam para duas bacias principais: ao Norte para a do Rio Grande, afluente do rio Paraná, e. ao Sul para a do Rio Paraíba do Sul, o mais importante do Estado do Rio de Janeiro. Atividades Permitidas
  • 8. Característica Geoambiental da Unidade de Conservação (UC) • A vegetação, toda dentro do contexto do Bioma Mata Atlântica, se modifica gradativamente de acordo com a altitude. Nos gradientes mais baixos, Nome predomina a Floresta Densa, com fauna e flora ricas e exuberantes. Conforme Grupo a altitude aumenta, árvores e arbustos cedem espaço à vegetação rasteira Categoria caracterizando os Campos de Altitude, onde a flora é formada principalmente por gramíneas que sobrevivem às condições de frio intenso, geada e formação Ato de Criação Objetivo da criação de crostas de gelo. • mamíferos, além de inúmeros répteis e anfíbios, muitas das quais endêmicas Meio físico Caracterização Característica Geoambiental O PNI abriga aproximadamente 5.000 espécies de insetos, 350 de aves e 50 de ou ameaçadas, como o sapo flamenguinho, a onça parda ou suçuarana, o macaco muriqui, entre outras. • As aves têm grande importância para a Unidade. O PNIl é considerado um dos melhores locais do mundo para a prática do “birdwatching” ou Conselho Gestor observação de aves. Plano de Manejo Atividades Permitidas • Na flora, destacamos a araucária (ocorrência natural) além de inúmeras espécies características dos campos de altitude.
  • 9. Conselho Gestor da Unidade de Conservação (UC) Nome • O PNI possui gestores desde sua criação. Grupo • O Instituto Chico Mendes de Conservação da Categoria Biodiversidade ICMBio, vinculado ao Ministério do Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Meio Ambiente e integrante do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama) responde pela gestão do parque a partir de 2007..Desde 13/06/2012 Gustavo Wanderley Tomzhinski, é o gestor responsável. • Possui ainda um Conselho Consultivo e Câmaras Técnicas. Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 10. Plano de Manejo da Unidade de Conservação (UC) • Nome indicou a adoção de 7 zonas na parte considerada como Parque Grupo Nacional: • Categoria Meio físico Caracterização Intangível; Primitiva; Uso Extensivo; Uso Intensivo; Recuperação; Uso Especial e. Uso Conflitante. Ato de Criação Objetivo da criação Plano de Manejo foi elaborado em 1982. O Zoneamento proposto • Em 1994 foi elaborado Plano de Ação Emergencial - PAE (IBAMA) sendo mais da metade de suas propostas levadas a cabo. • Seu Conselho Consultivo e suas Câmaras Técnicas, com a participação de diversos segmentos da sociedade têm Característica Geoambiental Conselho Gestor contribuindo de forma decisiva para a elaboração e implementação de projetos fundamentais para que o Primeiro Parque Nacional do Brasil atinja seus objetivos e seja uma das Plano de Manejo Atividades Permitidas referências positivas para as demais Unidades de Conservação.
  • 11. Atividades Permitidas na Unidade de Conservação (UC) Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor • Conforme apresentado no Guia do Visitante disponibilizado pela Instituição gestora do Parque (ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) é possível o desenvolvimento das seguintes atividades: Banhos de cachoeira; Birdwatching (observação de pássaros); Butterflywatching (observação de borboletas); Caminhadas; Ciclismo em áreas permitidas; Escalada; Montanhismo; Observação de fauna; Pernoite autorizada nos abrigos; Piquenique nas áreas permitidas e, Travessias. Sempre considerando as regras especificadas para cada uma no Gui Plano de Manejo do Visitante. Atividades Permitidas
  • 12. Fotos de áreas do Parque Nacional de Itatiaia Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 13. Fotos de áreas do Parque Nacional de Itatiaia Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 14. Fotos de áreas do Parque Nacional de Itatiaia Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 15. Fotos de áreas do Parque Nacional de Itatiaia Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 16. Fotos de áreas do Parque Nacional de Itatiaia Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 17. Zonas de Plano de Manejo Pag. 01/02 Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 18. Zonas de Plano de Manejo Pag. 02/02 Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 19. Objetivos do Parque Nacional do Itatiaia Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 20. Característica Geoambiental Nome Grupo Categoria Ato de Criação Objetivo da criação Meio físico Caracterização Característica Geoambiental Conselho Gestor Plano de Manejo Atividades Permitidas
  • 21. Bibliografia Utilizada Nome • CADERNOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FBDS 3 – Grupo Parque Nacional do Itatiaia - Fundação Brasileira para o Categoria desenvolvimento Sustentável – Rio de Janeiro – 2000. Ato de Criação • ICMBio – Instituto Chico Mendes para a Preservação da Biodiversidade Objetivo da criação - http://www.icmbio.gov.br/portal/ acessado dia 03/nov/2013. Meio físico Caracterização • Guia do visitante - http://www.icmbio.gov.br/parnaitatiaia/ acessado dia 03/nov/2013. Característica Geoambiental • Código Florestal Brasileiro Conselho Gestor • IBAMA – Instituo Brasileiro do Meio Ambiente Plano de Manejo http://www.ibama.gov.br/ acessado dia 03/nov/2013. Atividades Permitidas