SlideShare uma empresa Scribd logo

As Flores das Angiospermas
Professora: Andréa Barreto
Aula Síntese
O Grupo das Angiospermas
 É o mais numeroso grupo de
plantas atuais, variando de
gramíneas a enormes árvores.
Existem cerca de 235.000
espécies descritas e habitam
todos os tipos de ambientes.
 A principal característica deste
grupo é a presença do fruto e
das flores.
As Flores
 A flor é o sistema reprodutor de
uma planta (gimnospermas e
angiospermas). É nela que ocorre
a fecundação, ou seja, a união de
uma célula sexual masculina com
uma feminina. Depois da
fecundação, nas angiospermas,
formam-se frutos e sementes. A
semente contém o embrião, que
dará origem a uma nova planta,
da mesma espécie daquela da
qual se originou.
 Na maioria dos casos, as flores
são estruturas férteis protegidos
por folhas estéreis especiais, cujo
conjunto é chamado de flor (flor
verdadeira, diferente das
gimnospermas que possuem
estróbilos).
 A flor é sustentada pelo
pedúnculo ou pedicelo, cuja
porção superior é alargada e
constitui o receptáculo, que porta
os apêndices estéreis (sépalas e
pétalas) e os apêndices férteis
(estames e carpelos) da flor.
As partes das Flores
 Cálice
 O cálice é formado por
um conjunto de folhas
modificadas, as sépalas,
quase sempre verdes.
Em algumas flores, como
o cravo, as sépalas são
unidas, formando uma
peça única. Em outras,
como a rosa, elas são
separadas.
As partes das Flores
 Corola
 A corola é a parte geralmente
mais bonita e colorida da flor.
Constitui-se de folhas
modificadas chamadas pétalas.
Como as sépalas, também as
pétalas podem ser unidas
(campânula) ou separadas (cravo
e rosa).
 O conjunto formado
pelo cálice e pela corola é
chamado perianto. Ele envolve e
protege os órgãos reprodutores da
flor, o androceu e o gineceu.
Parte masculina: Androceu
Uma adaptação interessante!
Androceu
O androceu é o órgão masculino da flor.
Compõe-se de uma ou várias pecinhas
alongadas, os estames. Cada estame é
formado de antera, filete e conectivo.
Antera - Região dilatada que se situa na
ponta do estame; é aí que se formam os
grãos de pólen; o pólen é o pozinho
amarelo que você pode ver facilmente no
miolo das flores e é uma estrutura
reprodutora masculina. Filete - Haste
que sustenta a antera.
Parte feminina: Gineceu
Uma adaptação interessante!
Gineceu
O gineceu é o órgão feminino da flor. Constitui-se de
um ou mais carpelos. Os carpelos são folhas
modificadas e possuem estigma, estilete e ovário.
Estigma - Parte achatada do carpelo, situada na sua
extremidade superior; possui um líquido pegajoso que
contribui para a fixação do grão de pólen. Estilete -
Tubo estreito que liga o estigma ao ovário. Ovário -
Parte dilatada do carpelo, geralmente oval, onde se
formam os óvulos. A flor que possui apenas
o androceu é uma flor masculina. A flor feminina tem
apenas o gineceu. Se os dois órgãos reprodutores
estiverem presentes na flor, ela é hermafrodita.
A Flor das Angiospermas

Uma questão de evolução.
A Polinização
O que é?
Polinização é o transporte de grãos de pólen de
uma flor para outra, ou para o seu próprio
estigma. É através deste processo que as flores
se reproduzem.
Transporte do pólen:
A transferência de pólen pode ocorrer de duas
maneiras: através do auxílio de seres vivos
(abelhas, borboletas, besouros, morcegos, aves,
etc) que transportam o pólen de uma flor para
outra, ou por fatores ambientais (através do vento
ou da água).
A Polinização
A polinização pode acontecer pela ação do vento, sendo que, na maioria das
vezes, são por insetos ou outros animais que se alimentam do néctar da
planta, o que torna a fecundação independente da água e, além disso, a
probabilidade do grão de pólen ser levado para uma planta da mesma espécie
é maior já que cada planta possui atrativos como tamanho da flor, cor ou
cheiro que atraem certos tipos de polinizadores.
Algumas angiospermas que não possuem essas flores atrativas, como é o
caso das gramíneas (capim, trigo, entre outros), possuem adaptações para que
consigam ser polinizadas pelo vento. Estas possuem como adaptação,
estigmas grandes, bem expostos e com ramificações em forma de plumas
para facilitar a interceptação do grão de pólen.
Quando a polinização acontece pela ação do vento, esta é chamada de
anemofilia, por insetos é a entomofilia, por aves é ornitofilia e por morcegos,
quiropterofilia.
Autopolinização autogamia ou
polinização direta - é a transferência
do pólen da antera para o estigma da
mesma flor (caso que só ocorre quando
a planta é hermafrodita). É pouco
freqüente, ocorre na ervilha, no fumo,
no algodão e em muitos cereais,
exceção do milho e centeio.
A polinização cruzada ou indireta ocorre
quando os grãos de pólen são levados da antera
de uma flor até o estigma da outra.
Vantagens evolutivas
A polinização cruzada gera a diversidade biológica das plantas e
das plantações do planeta. Muitos vegetais híbridos - as orquídeas,
por exemplo - são de polinização cruzada, o que cria mais espécies
raras e exóticas. Ela também oferece um rendimento melhor em
pomares comerciais, porque os produtores podem cuidar de suas
plantações de uma forma mais sistemática. A polinização cruzada
também protege as abelhas e borboletas, e muitas vezes também
leva a melhores colheitas e a plantas mais fortes. Este processo de
seleção natural é benéfico para as espécies de plantas que
poderiam de outra maneira se extinguir.
Vantagens evolutivas
A autopolinização não garante a diversidade. Este tipo de
polinização garante a rápida propagação de uma espécie, já que não
é necessária a ajuda externa. Para os horticultores e agricultores,
isso significa ser capaz de cultivar plantas autopolinizadoras em
maior número, pois não têm que depender do transporte de pólen de
uma planta para outra.

Flores diferentes
Evolução na nossa frente
Flor Cadáver –
com cheiro
intenso de carne
podre atrai a
mosca como
polinizador

Flores diferentes
Evolução na nossa frente
Flores de
Gramíneas –
polinizadas pelo
vento. Não há
necessidade de
cores e cheiros
para atrair
polinizadores

Flores diferentes
Evolução na nossa frente
Flores de
Cactos- brancas
e super
cheirosas.
Abrem de noite
para atrair seu
polinizador, o
morcego.

Flores diferentes
Evolução na nossa frente
Flor polinizada
pela água – o
pólen flutua na
água e é levado
pela correnteza
para outra flor.

Flores diferentes
Evolução na nossa frente
Flor de orquídea que
mimetiza a fêmea de
uma vespa. O macho
enganado tenta cruzar
com a suposta fêmea e
poliniza a flor.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e FrutoSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Turma Olímpica
 
Morfologia floral
Morfologia floralMorfologia floral
Morfologia floral
David Oliveira
 
Reino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aulaReino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aula
Professora Raquel
 
Órgãos Vegetativos
Órgãos VegetativosÓrgãos Vegetativos
Órgãos Vegetativos
Jézili Dias
 
V.1 Plantas
V.1 PlantasV.1 Plantas
V.1 Plantas
Rebeca Vale
 
Gimnospermas e Angiospermas
Gimnospermas e AngiospermasGimnospermas e Angiospermas
Gimnospermas e Angiospermas
Elisa Margarita Orlandi
 
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth BergerAula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdfAula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
ViniciusCavalcante33
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
Joseanny Pereira
 
O fruto - About The Fruits
O fruto  -  About The FruitsO fruto  -  About The Fruits
O fruto - About The Fruits
Lídia Pavan
 
Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantas
Joseanny Pereira
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Bruno Rodrigues
 
Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
Vitor Morais
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
Janaína Baldêz
 
Apresentação orthoptera
Apresentação orthopteraApresentação orthoptera
Apresentação orthoptera
Anderson Santos
 
Folhas 2012 aula
Folhas 2012 aulaFolhas 2012 aula
Folhas 2012 aula
Priscila Belintani
 
Aula4 epiderme
Aula4 epidermeAula4 epiderme
Aula4 epiderme
Viviane Porto
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
Pedr457
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
Rebeca Vale
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e FrutoSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Semente e Fruto
 
Morfologia floral
Morfologia floralMorfologia floral
Morfologia floral
 
Reino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aulaReino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aula
 
Órgãos Vegetativos
Órgãos VegetativosÓrgãos Vegetativos
Órgãos Vegetativos
 
V.1 Plantas
V.1 PlantasV.1 Plantas
V.1 Plantas
 
Gimnospermas e Angiospermas
Gimnospermas e AngiospermasGimnospermas e Angiospermas
Gimnospermas e Angiospermas
 
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth BergerAula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
 
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdfAula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
Aula 1 Definição e Campo da Olericultura (2022).pdf
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
 
O fruto - About The Fruits
O fruto  -  About The FruitsO fruto  -  About The Fruits
O fruto - About The Fruits
 
Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantas
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
 
Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
 
Apresentação orthoptera
Apresentação orthopteraApresentação orthoptera
Apresentação orthoptera
 
Folhas 2012 aula
Folhas 2012 aulaFolhas 2012 aula
Folhas 2012 aula
 
Aula4 epiderme
Aula4 epidermeAula4 epiderme
Aula4 epiderme
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
 

Destaque

Os vírus
Os vírusOs vírus
Os vírus
silvioemanoel07
 
Bio 1 genetica
Bio 1   geneticaBio 1   genetica
Bio 1 genetica
marishendges
 
Seminario biologia criacionismo e evolucionismo.
Seminario biologia criacionismo e evolucionismo.Seminario biologia criacionismo e evolucionismo.
Seminario biologia criacionismo e evolucionismo.
Carolayne Carvalho dos Santos
 
Diretivas 6o ano 2017 nahya
Diretivas 6o ano 2017 nahyaDiretivas 6o ano 2017 nahya
Diretivas 6o ano 2017 nahya
Nahya Paola Souza
 
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folhaV.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
Rebeca Vale
 
Biologia 11 do fixismo ao lamarquismo
Biologia 11    do fixismo ao lamarquismoBiologia 11    do fixismo ao lamarquismo
Biologia 11 do fixismo ao lamarquismo
Nuno Correia
 
Biologia 11 argumentos de evolução
Biologia 11   argumentos de evoluçãoBiologia 11   argumentos de evolução
Biologia 11 argumentos de evolução
Nuno Correia
 
Seres vivos 7o ano evolução e classificação dos seres vivos
Seres vivos 7o ano   evolução e classificação dos seres vivosSeres vivos 7o ano   evolução e classificação dos seres vivos
Seres vivos 7o ano evolução e classificação dos seres vivos
Nahya Paola Souza
 
Fixismo Vs Evo 2003
Fixismo Vs Evo 2003Fixismo Vs Evo 2003
Fixismo Vs Evo 2003
João Leitão
 
Fixismo e Evolucionismo
 Fixismo e Evolucionismo Fixismo e Evolucionismo
Fixismo e Evolucionismo
elvira.sequeira
 
EVOLUCIONISMO
EVOLUCIONISMOEVOLUCIONISMO
EVOLUCIONISMO
Larissa Averna
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
prodeinha
 
Evolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x CriacionismoEvolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x Criacionismo
Rafael
 

Destaque (13)

Os vírus
Os vírusOs vírus
Os vírus
 
Bio 1 genetica
Bio 1   geneticaBio 1   genetica
Bio 1 genetica
 
Seminario biologia criacionismo e evolucionismo.
Seminario biologia criacionismo e evolucionismo.Seminario biologia criacionismo e evolucionismo.
Seminario biologia criacionismo e evolucionismo.
 
Diretivas 6o ano 2017 nahya
Diretivas 6o ano 2017 nahyaDiretivas 6o ano 2017 nahya
Diretivas 6o ano 2017 nahya
 
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folhaV.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
 
Biologia 11 do fixismo ao lamarquismo
Biologia 11    do fixismo ao lamarquismoBiologia 11    do fixismo ao lamarquismo
Biologia 11 do fixismo ao lamarquismo
 
Biologia 11 argumentos de evolução
Biologia 11   argumentos de evoluçãoBiologia 11   argumentos de evolução
Biologia 11 argumentos de evolução
 
Seres vivos 7o ano evolução e classificação dos seres vivos
Seres vivos 7o ano   evolução e classificação dos seres vivosSeres vivos 7o ano   evolução e classificação dos seres vivos
Seres vivos 7o ano evolução e classificação dos seres vivos
 
Fixismo Vs Evo 2003
Fixismo Vs Evo 2003Fixismo Vs Evo 2003
Fixismo Vs Evo 2003
 
Fixismo e Evolucionismo
 Fixismo e Evolucionismo Fixismo e Evolucionismo
Fixismo e Evolucionismo
 
EVOLUCIONISMO
EVOLUCIONISMOEVOLUCIONISMO
EVOLUCIONISMO
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Evolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x CriacionismoEvolucionismo x Criacionismo
Evolucionismo x Criacionismo
 

Semelhante a Flores angiospermas

reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
Brígida Menário
 
Angiospermas - Slide.pptx
Angiospermas  - Slide.pptxAngiospermas  - Slide.pptx
Angiospermas - Slide.pptx
LuisRicardoMonteiroC
 
Angiosperma – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Angiosperma – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdfAngiosperma – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Angiosperma – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
DenyGouveia
 
Flores e Tipo De Polinização
Flores e Tipo De PolinizaçãoFlores e Tipo De Polinização
Flores e Tipo De Polinização
jorgeeerick
 
Flores e Polonização
Flores e PolonizaçãoFlores e Polonização
O problema e as consequências do desmatamento
O problema e as consequências do desmatamentoO problema e as consequências do desmatamento
O problema e as consequências do desmatamento
ℓµลи∂ล ๏ℓเ√эเяล э ลи∂яé ℓµเร
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
Fatima Comiotto
 
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
MayaraOliveira228
 
Plantas vasculares 1
Plantas  vasculares 1Plantas  vasculares 1
Plantas vasculares 1
SESI 422 - Americana
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
biologando
 
Angiosperma
AngiospermaAngiosperma
Angiosperma
Ronan Carvalho
 
Angiosperma
AngiospermaAngiosperma
Angiosperma
brasilina
 
3 classe gimnospermae e angiospermae
3 classe gimnospermae e angiospermae3 classe gimnospermae e angiospermae
3 classe gimnospermae e angiospermae
Pelo Siro
 
Angiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato PaivaAngiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato Paiva
Turma Olímpica
 
Reino Vegetal
Reino VegetalReino Vegetal
Reino Vegetal
Giseli Trento
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
infoeducp2
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
infoeducp2
 
Aulas sobre plantas
Aulas sobre plantasAulas sobre plantas
Aulas sobre plantas
Fatima Comiotto
 
Aula bio 30set2011 2
Aula bio 30set2011 2Aula bio 30set2011 2
Aula bio 30set2011 2
Roberto Bagatini
 
Allan smith
Allan smithAllan smith
Allan smith
colegiopacostasilva
 

Semelhante a Flores angiospermas (20)

reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
 
Angiospermas - Slide.pptx
Angiospermas  - Slide.pptxAngiospermas  - Slide.pptx
Angiospermas - Slide.pptx
 
Angiosperma – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Angiosperma – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdfAngiosperma – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Angiosperma – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
 
Flores e Tipo De Polinização
Flores e Tipo De PolinizaçãoFlores e Tipo De Polinização
Flores e Tipo De Polinização
 
Flores e Polonização
Flores e PolonizaçãoFlores e Polonização
Flores e Polonização
 
O problema e as consequências do desmatamento
O problema e as consequências do desmatamentoO problema e as consequências do desmatamento
O problema e as consequências do desmatamento
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
 
Plantas vasculares 1
Plantas  vasculares 1Plantas  vasculares 1
Plantas vasculares 1
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Angiosperma
AngiospermaAngiosperma
Angiosperma
 
Angiosperma
AngiospermaAngiosperma
Angiosperma
 
3 classe gimnospermae e angiospermae
3 classe gimnospermae e angiospermae3 classe gimnospermae e angiospermae
3 classe gimnospermae e angiospermae
 
Angiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato PaivaAngiospermas - Renato Paiva
Angiospermas - Renato Paiva
 
Reino Vegetal
Reino VegetalReino Vegetal
Reino Vegetal
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Aulas sobre plantas
Aulas sobre plantasAulas sobre plantas
Aulas sobre plantas
 
Aula bio 30set2011 2
Aula bio 30set2011 2Aula bio 30set2011 2
Aula bio 30set2011 2
 
Allan smith
Allan smithAllan smith
Allan smith
 

Mais de Andrea Barreto

Termos Científicos
Termos CientíficosTermos Científicos
Termos Científicos
Andrea Barreto
 
Dúvida Genética
Dúvida GenéticaDúvida Genética
Dúvida Genética
Andrea Barreto
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
Andrea Barreto
 
Seres vivos e o meio ambiente
Seres vivos e o meio ambienteSeres vivos e o meio ambiente
Seres vivos e o meio ambiente
Andrea Barreto
 
Grupos vegetais
Grupos vegetaisGrupos vegetais
Grupos vegetais
Andrea Barreto
 
Termorregulação
TermorregulaçãoTermorregulação
Termorregulação
Andrea Barreto
 
Adaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivosAdaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivos
Andrea Barreto
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
Andrea Barreto
 
Funções inorgânicas
Funções inorgânicasFunções inorgânicas
Funções inorgânicas
Andrea Barreto
 
MRU & MRUV
MRU & MRUVMRU & MRUV
MRU & MRUV
Andrea Barreto
 
Substâncias
Substâncias Substâncias
Substâncias
Andrea Barreto
 
Terrário
TerrárioTerrário
Terrário
Andrea Barreto
 
Orgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogosOrgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogos
Andrea Barreto
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Andrea Barreto
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Andrea Barreto
 
Origem da Célula Eucarionte
Origem da Célula EucarionteOrigem da Célula Eucarionte
Origem da Célula Eucarionte
Andrea Barreto
 
Exercícios de Célula
Exercícios de CélulaExercícios de Célula
Exercícios de Célula
Andrea Barreto
 
Recursos digitais
Recursos digitaisRecursos digitais
Recursos digitais
Andrea Barreto
 
Fatores abio limitantes
Fatores abio limitantesFatores abio limitantes
Fatores abio limitantes
Andrea Barreto
 
Ciclo biogeoquiii
Ciclo biogeoquiiiCiclo biogeoquiii
Ciclo biogeoquiii
Andrea Barreto
 

Mais de Andrea Barreto (20)

Termos Científicos
Termos CientíficosTermos Científicos
Termos Científicos
 
Dúvida Genética
Dúvida GenéticaDúvida Genética
Dúvida Genética
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Seres vivos e o meio ambiente
Seres vivos e o meio ambienteSeres vivos e o meio ambiente
Seres vivos e o meio ambiente
 
Grupos vegetais
Grupos vegetaisGrupos vegetais
Grupos vegetais
 
Termorregulação
TermorregulaçãoTermorregulação
Termorregulação
 
Adaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivosAdaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivos
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
 
Funções inorgânicas
Funções inorgânicasFunções inorgânicas
Funções inorgânicas
 
MRU & MRUV
MRU & MRUVMRU & MRUV
MRU & MRUV
 
Substâncias
Substâncias Substâncias
Substâncias
 
Terrário
TerrárioTerrário
Terrário
 
Orgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogosOrgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogos
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Origem da Célula Eucarionte
Origem da Célula EucarionteOrigem da Célula Eucarionte
Origem da Célula Eucarionte
 
Exercícios de Célula
Exercícios de CélulaExercícios de Célula
Exercícios de Célula
 
Recursos digitais
Recursos digitaisRecursos digitais
Recursos digitais
 
Fatores abio limitantes
Fatores abio limitantesFatores abio limitantes
Fatores abio limitantes
 
Ciclo biogeoquiii
Ciclo biogeoquiiiCiclo biogeoquiii
Ciclo biogeoquiii
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 

Flores angiospermas

  • 1.  As Flores das Angiospermas Professora: Andréa Barreto Aula Síntese
  • 2. O Grupo das Angiospermas  É o mais numeroso grupo de plantas atuais, variando de gramíneas a enormes árvores. Existem cerca de 235.000 espécies descritas e habitam todos os tipos de ambientes.  A principal característica deste grupo é a presença do fruto e das flores.
  • 3. As Flores  A flor é o sistema reprodutor de uma planta (gimnospermas e angiospermas). É nela que ocorre a fecundação, ou seja, a união de uma célula sexual masculina com uma feminina. Depois da fecundação, nas angiospermas, formam-se frutos e sementes. A semente contém o embrião, que dará origem a uma nova planta, da mesma espécie daquela da qual se originou.  Na maioria dos casos, as flores são estruturas férteis protegidos por folhas estéreis especiais, cujo conjunto é chamado de flor (flor verdadeira, diferente das gimnospermas que possuem estróbilos).  A flor é sustentada pelo pedúnculo ou pedicelo, cuja porção superior é alargada e constitui o receptáculo, que porta os apêndices estéreis (sépalas e pétalas) e os apêndices férteis (estames e carpelos) da flor.
  • 4. As partes das Flores  Cálice  O cálice é formado por um conjunto de folhas modificadas, as sépalas, quase sempre verdes. Em algumas flores, como o cravo, as sépalas são unidas, formando uma peça única. Em outras, como a rosa, elas são separadas.
  • 5. As partes das Flores  Corola  A corola é a parte geralmente mais bonita e colorida da flor. Constitui-se de folhas modificadas chamadas pétalas. Como as sépalas, também as pétalas podem ser unidas (campânula) ou separadas (cravo e rosa).  O conjunto formado pelo cálice e pela corola é chamado perianto. Ele envolve e protege os órgãos reprodutores da flor, o androceu e o gineceu.
  • 6. Parte masculina: Androceu Uma adaptação interessante! Androceu O androceu é o órgão masculino da flor. Compõe-se de uma ou várias pecinhas alongadas, os estames. Cada estame é formado de antera, filete e conectivo. Antera - Região dilatada que se situa na ponta do estame; é aí que se formam os grãos de pólen; o pólen é o pozinho amarelo que você pode ver facilmente no miolo das flores e é uma estrutura reprodutora masculina. Filete - Haste que sustenta a antera.
  • 7. Parte feminina: Gineceu Uma adaptação interessante! Gineceu O gineceu é o órgão feminino da flor. Constitui-se de um ou mais carpelos. Os carpelos são folhas modificadas e possuem estigma, estilete e ovário. Estigma - Parte achatada do carpelo, situada na sua extremidade superior; possui um líquido pegajoso que contribui para a fixação do grão de pólen. Estilete - Tubo estreito que liga o estigma ao ovário. Ovário - Parte dilatada do carpelo, geralmente oval, onde se formam os óvulos. A flor que possui apenas o androceu é uma flor masculina. A flor feminina tem apenas o gineceu. Se os dois órgãos reprodutores estiverem presentes na flor, ela é hermafrodita.
  • 8. A Flor das Angiospermas
  • 9.  Uma questão de evolução. A Polinização O que é? Polinização é o transporte de grãos de pólen de uma flor para outra, ou para o seu próprio estigma. É através deste processo que as flores se reproduzem. Transporte do pólen: A transferência de pólen pode ocorrer de duas maneiras: através do auxílio de seres vivos (abelhas, borboletas, besouros, morcegos, aves, etc) que transportam o pólen de uma flor para outra, ou por fatores ambientais (através do vento ou da água).
  • 10. A Polinização A polinização pode acontecer pela ação do vento, sendo que, na maioria das vezes, são por insetos ou outros animais que se alimentam do néctar da planta, o que torna a fecundação independente da água e, além disso, a probabilidade do grão de pólen ser levado para uma planta da mesma espécie é maior já que cada planta possui atrativos como tamanho da flor, cor ou cheiro que atraem certos tipos de polinizadores. Algumas angiospermas que não possuem essas flores atrativas, como é o caso das gramíneas (capim, trigo, entre outros), possuem adaptações para que consigam ser polinizadas pelo vento. Estas possuem como adaptação, estigmas grandes, bem expostos e com ramificações em forma de plumas para facilitar a interceptação do grão de pólen. Quando a polinização acontece pela ação do vento, esta é chamada de anemofilia, por insetos é a entomofilia, por aves é ornitofilia e por morcegos, quiropterofilia.
  • 11. Autopolinização autogamia ou polinização direta - é a transferência do pólen da antera para o estigma da mesma flor (caso que só ocorre quando a planta é hermafrodita). É pouco freqüente, ocorre na ervilha, no fumo, no algodão e em muitos cereais, exceção do milho e centeio. A polinização cruzada ou indireta ocorre quando os grãos de pólen são levados da antera de uma flor até o estigma da outra.
  • 12. Vantagens evolutivas A polinização cruzada gera a diversidade biológica das plantas e das plantações do planeta. Muitos vegetais híbridos - as orquídeas, por exemplo - são de polinização cruzada, o que cria mais espécies raras e exóticas. Ela também oferece um rendimento melhor em pomares comerciais, porque os produtores podem cuidar de suas plantações de uma forma mais sistemática. A polinização cruzada também protege as abelhas e borboletas, e muitas vezes também leva a melhores colheitas e a plantas mais fortes. Este processo de seleção natural é benéfico para as espécies de plantas que poderiam de outra maneira se extinguir.
  • 13. Vantagens evolutivas A autopolinização não garante a diversidade. Este tipo de polinização garante a rápida propagação de uma espécie, já que não é necessária a ajuda externa. Para os horticultores e agricultores, isso significa ser capaz de cultivar plantas autopolinizadoras em maior número, pois não têm que depender do transporte de pólen de uma planta para outra.
  • 14.  Flores diferentes Evolução na nossa frente Flor Cadáver – com cheiro intenso de carne podre atrai a mosca como polinizador
  • 15.  Flores diferentes Evolução na nossa frente Flores de Gramíneas – polinizadas pelo vento. Não há necessidade de cores e cheiros para atrair polinizadores
  • 16.  Flores diferentes Evolução na nossa frente Flores de Cactos- brancas e super cheirosas. Abrem de noite para atrair seu polinizador, o morcego.
  • 17.  Flores diferentes Evolução na nossa frente Flor polinizada pela água – o pólen flutua na água e é levado pela correnteza para outra flor.
  • 18.  Flores diferentes Evolução na nossa frente Flor de orquídea que mimetiza a fêmea de uma vespa. O macho enganado tenta cruzar com a suposta fêmea e poliniza a flor.