SlideShare uma empresa Scribd logo
A Zona Costeira
O Brasil apresenta uma extensa área costeira.


Começa no Cabo Orange na Foz do Rio Oiapoque no Amapá até o Arroio
Chuí no Rio Grande do Sul.
•É quase toda voltada para o Atlântico Sul.
Porém, uma pequena parcela é banhada pelo
Mar do Caribe.

•Extensão: 8.698 km;

• Área total: Aproximadamente 388.000 km²;

• Amapá possui a maior área (12,3%);

• Piauí detém a menor área (0,2%);

• Bahia é o estado com maior extensão (12,7%);

• Piauí possui a menor extensão (0,9%).
Na Costa Brasileira ocorrem diversos tipos de hábitats, formando uma enorme
diversidade de ecossistemas.




    Praias arenosas               Manguezais              Recifes de corais




                Dunas                        Costões rochosos
É a região costeira onde as ondas constantemente movimentam quantidades
de areia.
As águas que compõe os oceanos estão sujeitas à atração gravitacional do
Sol e da Lua;




                                No lado do planeta em que a Lua se
                                encontra a maré é alta.
                                No lado oposto, a força gravitacional da
                                Lua sobre a água é menor do que nos
                                outros lados. Então, por inércia, a água
                                tende a se afastar da Terra, dando origem
                                neste lado também a uma maré alta.
Na Lua Nova e Cheia: a força
gravitacional da Lua está na mesma
direção do Sol, com isso, as marés altas
ficam mais altas e as marés baixas mais
baixas.

Na Lua Crescente e Minguante: parte
da força gravitacional da Lua é anulada
pelo Sol, com isso, as marés baixas são
menos baixas.
Faixa superior: apenas coberta pelo mar por ocasião de marés altas
   excepcionais, ressacas ou tempestades.


  Encontramos espécies melhor adaptadas à vida terrestre do que à aquática.




Crustáceo - Grauçá,                                      Insetos - Tesourinha
vaza-maré, Maria-farinha   Crustáceo - Tatuíra, tatu
                           d'água e pulga do mar
Faixa mediana: sempre coberta e descoberta pelas marés duas
 vezes por dia;


As espécies apresentam particularidades morfológicas ou
comportamentais para impedir a perda de água durante a maré baixa.




  Crustáceo – Corrupto
                                           Molusco – Unha de moça
Equinodermo - Bolacha da Praia
                                   Molusco - Vôngole




                                 Poliqueto – Verme de fogo
Faixa inferior: quase sempre submersa, eventualmente exposta
durante as marés baixas.


Animais quase sem adaptações para a vida fora d'água




                                           Renilla (rim-do-mar)
Exploram a praia em busca de alimento.




                                                    Maçaricos
Gaivotas




                            Piru-piru
Animais trazidos à praia pelos ventos, ondas ou correntes




                     Água-viva
Esgotos domésticos


Especulação imobiliária




             Crescimento desordenado
             do turismo
* Total de área de manguezais
 Brasileiros: 13.000 Km² a 25.000 Km²

 * Cabo Orange, no extremo
 norte do Amapá, até o rio
 Araranguá no litoral de Santa
 Catarina.
                                           • Em manguezais tropicais,
  * Temp. média acima de   20oC            bactérias e fungos constituem
  * Mínimas a 15o C                        91% da biomassa microbiana
                                           total.
Nordeste: mangue seco, onde predominam     •Algas 7% e os Protozoários
árvores de pequeno porte e solo com alta   2%.
salinidade.
Descrever uma variedade de comunidades costeiras tropicais dominadas por
 espécies vegetais, arbóreas ou arbustivas que conseguem crescer em solos
                            com alto teor de sal.

  O termo "mangue" origina-se do vocábulo Malaio, "manggimanggi" e do
inglês mangrove, servindo para descrever as espécies vegetais que vivem no
                               manguezal.
A importância deste ecossistema reside na grande
produtividade biológica com alta biodiversidade de
    peixes, crustáceos, moluscos, aves, répteis e
   mamíferos, sendo um dos ecossistemas mais
               produtivos de mundo.
Em virtude do solo salino e da deficiência de oxigênio, nos manguezais
                       predominam os vegetais halófilos




Rhizophora mangle (mangue vermelho):           Laguncularia racemosa (mangue branco):
próprio de solos lodosos, com raízes aéreas;   encontrado em terrenos mais altos, de solo
                                               mais firme, associado a formações
                                               arenosas;
Avicennia schaueriana (mangue preto,              Conocarpus erectus (mangue de
canoé):                                           botão):Pertencente ao gênero
Apresenta raízes horizontais e radiais a          Conocarpus é menos freqüente
poucos centímetros abaixo da superfície           na região Sudeste do Brasil.

           A espécie Laguncularia racemosa merece destaque por ser a única
           espécie típica de mangue encontrada no Arquipélago de Fernando de
           Noronha, num único manguezal localizado na Baía do Sueste
Sua biodiversidade tem significativa fonte de alimentos para
Mero (Epinephelus itajara)                      as populações humanas.
                                      Nesses ecossistemas se alimentam e reproduzem
                                      mamíferos, aves, peixes, moluscos e crustáceos.
         Aves                             Moluscos
                                                                      Crustáceos
* Bem-te-vi (Pitangus sulphuratus)
* Garça
* Gavião-carrapateiro
  Animais Semi-residentes

      Mamíferos
                                     Ostra do mangue
    * Lontra                     (Crassostrea rhizophorae)
    * Golfinho                       Animais residentes
    *Peixe-boi-marinho                                          Aratu (Aratus pisoni)
  Animais Semi-residentes                                          Animais residentes
Os principais fatores que causam alterações nas propriedades físicas, químicas
                        e biológicas do manguezal são:

                          •Aterro e Desmatamento
                                •Queimadas
                             •Deposição de lixo
                           •Lançamento de esgoto
                    •Lançamentos de efluentes industriais
                                 •Dragagens
                          •Construções de marinas
                              •Pesca predatória
(Curral Velho) Acaraú-CE
A Zona Costeira
A Zona Costeira
A Zona Costeira
FILO: Cnidários ou Coelenterata
CLASSE: Anthozoe
SUBCLASSE: Zoantharia
ORDEM: Madreporaria
DIÂMETRO DO PÓLIPO: cerca de 1 cm
SEXO: Os indivíduos podem ser de qualquer dos sexos ou hermafroditas
ALIMENTAÇÃO: plancto.
DISTRIBUIÇÃO: Águas não muito profundas, claras e quentes. Corais são
encartados do Maranhão até o Alagoas e do sul da Bahia até Santa Catarina.
* São formados pela ação de
comunidades      de     diversos
organismos, como as algas
calcárias e corais, entre outros
organismos.

•Animais marinhos do grupo dos
cnidários,     que       possuem
esqueleto calcário ou córneo.

* Os recifes de corais são os
ambientes    mais    ricos     e
produtivos     do       planeta,
importantes para o ecossistema
marinho.
No mundo : 350 espécies de corais
Costa Brasileira: 18 Espécies Corais 8 espécies são consideradas endêmicas.
Exemplo: Espécies gorgonácea, chifre-de-veado, alga verde, anêmona,
margarida, sargaço, lírio do mar e cérebro.


Os corais habitam cerca de 30% das espécies marinhas existentes no mundo e
65% dos peixes. São inúmeras espécies como: Moréia, polvo, camarão, estrela-
do-mar, ouriço-do-mar, siri, caracol, lesma do mar.
Os corais apresentam basicamente duas formas de reprodução:

            Assexuada: sem a participação de gametas (células sexuais)
                      Sexuada: Com a presença de gametas.

Na reprodução sexuada, os corais desenvolvem sistemas de fecundação que permitem
aos gametas se encontrarem. Já a reprodução assexuada, não há a necessidade de outro
                         indivíduo para gerar descendentes.       GEMULAÇÃO
                               ocorre por brotamento.




                                      O CORAL




                                            CISSIPARIDADE
Assim como servem de alimento, os recifes servem também para a
              proteção da linha de costa, evitando erosões decorrentes de fortes
                                        tempestades.


Crescem verticalmente de 0,2 a
                                                  São a base de sobrevivência de espécies,
         8mm/ano.
                                                   inclusive pelágicos, que não vivem nos
Os moluscos e caranguejos se
                                                                   corais.
 alimentam dos corais ou seu
           muco.
                                                           * Produção de alimento
                                                                * Medicina
                                                          * Indústria de cosméticos
Alimentam por filtração da água,                                * Economia
   retirando dela os nutrientes                                   * Lazer
           necessários.

                          Eles se alimentam basicamente de zooplâncton
                             - ou microanimais - que retiram da água
                                     preferencialmente à noite
O Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, localizado no Sul
da Bahia, é a maior reserva de recifes de coral do Brasil. Neste
ambiente, uma espécie de coral que só ocorre na Bahia ,
Mussismilia braziliensis (Verril), é a principal construtora dos
recifes.
• Poluição das águas

                          • Desmatamento

                          • Turismo marinho

                          • Pesca

A pesca de arrasto e as bombas de dinamite com o intuito de matar os
peixes de fundo e trazê-los a superfície; extinguindo toda a fauna e
flora presente.

                        • Aumento de temperatura

Se a temperatura da água for superior a 29 graus centígrados, os corais sofrem
                              "estresse térmico"
Uma das maiores ameaças aos recifes de corais é o chamado "branqueamento
de corais", processo que leva à morte centenas de corais ao redor do mundo. O
fenômeno ocorre quando a temperatura da água aumenta, devido a causas
naturais.CO2




             Colônia de Mussimilia          Palythoa caribaeorum
             hispida(branqueada)            (zoantídeo)
Vista aérea recifes Boipeba- BA    Zoantídeo - Palythoa, Abrolhos - BA




        Abrolhos - BA             Detalhe pólipo de coral, Abrolhos - BA
Anêmona-do-mar        Mussismilia e são as principais construtoras
                          dos recifes brasileiros




Estrela-do-mar vermelha                 Gorgônia
Cientistas descobrem sete novas espécies de coral
             Novas espécies foram encontradas no Monumento Nacional
                          Marinho Papahānaumokuākea.




                     Cientistas dizem que há potencial para descobertas de outras espécies (Foto:
                                    Hawaii Deep-Sea Coral Expedition 2007/NOA )

  Os cientistas encontraram uma árvore de corais amarela de quase dois metros, uma esponja
 gigante, duas espécies de esponja ainda não registradas, além de um "cemitério de corais". Os
            especialistas dizem que há potencial para descobertas de outras espécies.

O "cemitério" cobre uma área de mais de três mil metros e fica localizado a cerca de 500 metros
 de profundidade. Os cientistas estimam que os corais tenham morrido a milhares de anos e as
                  espécies não haviam sido registradas nos Estados Unidos.
São elevações de areia formadas pelos ventos que vêm do mar.




                Dunas de Genipabu - RN
As dunas costeiras formaram-se durante os últimos 5.000 anos pela interação entre
o mar, o vento, a areia e a vegetação.




Classificam-se de acordo com a sua mobilidade em:

• Dunas fixas - quando a vegetação, principalmente, ou outro fator impede que o
vento transfira as dunas de lugar;

• Dunas móveis - quando a ausência de uma barreira faz com que o vento
“carregue” as dunas.
Soterramento de via pública pela ação   Soterramento da rodovia Cabo Frio -
eólica das dunas - Cabo Frio - RJ       Arraial do Cabo pela ação das dunas.



 As dunas de Peró, em Cabo Frio já avançaram
 cerca de 130 metros em 40 anos.
Lagoa do Abaeté - Salvador - BA   Parque Nacional de Jericoacoara - CE




 Dunas de Natal - Natal - RN      Dunas dos Lençóis Maranhenses - MA
Tavares - RS


No Rio Grande do Sul encontramos um dos maiores sistemas contínuos de
dunas costeiras em todo o mundo. Já a duna mais alta do mundo, com 2.708
metros acima do nível do mar, é a “Cerro Blanco” no Vale de Nazca, Peru.
A Zona Costeira
Maria farinha   Piru-piru
Estorno (Ammophila arenaria)   Chorão (Carpobrotus edulis)
A Zona Costeira
Impactos decorrentes da urbanização
desordenada e do uso irracional dos
recursos naturais como colocação de lixo,
retirada de areia, pastoreio e trânsito de
automóveis e motocicletas constituem as
principais ameaças à conservação do
sistema de dunas costeiras.
É o nome dado ao ambiente costeiro formado por rochas, situado na
transição entre os meios terrestre e aquático.




         Vista aérea de uma baía formada por costa rochosa
         Fernando de Noronha, PE
Baía de São Marcos – MA   Torres – RS
Cabo Frio – RJ
• Suas rochas possuem origem vulcânica;



• O costões rochosos podem ser modelados por aspectos:

Físicos: temperatura , erosão por batimento de ondas, ventos e chuvas;

Químicos: reações da água do mar com os minerais que formam as
rochas;

Biológicos: causado por organismos habitantes ou visitantes do costão,
como ouriços, esponjas e moluscos.
• Tipos de costões rochosos:

Costões expostos: são aqueles que recebem maior impacto de ondas.

Costões protegidos: são localizados onde o embate de ondas é suave.
Esponja-do-mar   Anêmona         Caranguejo




    Camarão
                           Ouriço-roxo
Algas verdes       Algas azuis




Algas vermelhas   Algas pardas
A integridade ecológica da costa
brasileira é pressionada pelo crescimento sem
planejamento dos grandes centros urbanos, pela
especulação imobiliária, pela poluição e pelo
enorme fluxo de turistas, na sua maioria ainda
sem consciência ambiental.
          A natureza vem dando sinais de
descontentamento, algumas vezes de forma
amena e em outras de forma avassaladora,
obrigando os homens a rever seus
procedimentos nos cuidados para com a Terra e
seus habitantes.
http://www.ib.usp.br/ecosteiros/textos_educ/costao/index2.htm
http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./agua/salgada/index.html&conteudo=./a
gua/salgada/ecossistemacosteiro1.html
http://www.vivaterra.org.br/crustaceos.htm#caranguejoaranha
http://www.vivaterra.org.br/moluscos.htm
http://www.brasileitalia.info/forum/topic.asp?TOPIC_ID=7521
http://www.deleibio.hpg.ig.com.br/biologia/biomas.html#A%20Zona%20Costeira
http://www.infoescola.com/geografia/dunas/
http://www.comciencia.br/reportagens/litoral/lit09.shtml
http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=967&sid=2
http://astro.if.ufrgs.br/fordif/node5.htm
http://noticias.terra.com.br/educacao/vocesabia/interna/0,,OI3403001-EI8408,00.html
http://astro.if.ufrgs.br/fordif/node3.htm#
http://www.nema-rs.org.br/pags/pop_dunas.html
http://mundoestranho.abril.com.br/mundoanimal/pergunta_286796.shtml
http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./agua/salgada/index.html&conteudo=./n
atural/biomas/praias.html
http://br.geocities.com/saladefisica5/leituras/mares.htm
http://www.ipaq.org.br/modules.php?name=Aquarioes&op=mostrar_especie&id=376&nome_ma
p=d
Manguezal e Recifes de Corais:

http://vivimarc.sites.uol.com.br/manguezal2.htm
http://brasil.indymedia.org/pt/red/2004/09/289748.shtml
http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/manguezais/manguezais-e-estuario.php
http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/corais/recifes-de-corais-3.php
http://www.cnpma.embrapa.br/site_projeto_manguezais/
http://brasil.indymedia.org/pt/red/2004/09/289764.shtml
http://www.naufragiosdobrasil.com.br/matrecifescoral2.htm
http://curlygirl.no.sapo.pt/platelmintes.htm

http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/corais/recifes-de-corais-6.php
http://www.naufragiosdobrasil.com.br/matrecifescoral2.htm
http://www.faperj.br/boletim_interna.phtml?obj_id=368
http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/corais/recifes-de-corais-3.php
http://www.altiplano.com.br/Coral.html
http://www.faunabrasil.com.br/sistema/modules/news/article.php?storyid=114
http://www.miramarmaragogiresort.com/blog/Recifes-Costeiros---Coral/index.html
http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/branqueamento-dos-corais/recifes-de-
corais-5.php
http://www.usp.br/cbm/index.php/artigos-acesso-livre/73-recifes-de-coral-e-
branqueamento.html

   http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1033300-5603,00.html
A Zona Costeira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eco marinho
Eco marinhoEco marinho
Eco marinho
paulogrillo
 
Ecossistemas terrestres e aquáticos
Ecossistemas terrestres e aquáticosEcossistemas terrestres e aquáticos
Ecossistemas terrestres e aquáticos
Gisele A. Barbosa
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Maicon Azevedo
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
Ambientes costeiros e marinhos e Tundras
Ambientes costeiros e marinhos e TundrasAmbientes costeiros e marinhos e Tundras
Ambientes costeiros e marinhos e Tundras
Marcelo Siqueira
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Andre Luiz Nascimento
 
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EMAula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Ronaldo Santana
 
Células
CélulasCélulas
Células
Cláudia Moura
 
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Matheus Do Nascimento
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
Alessandra Vieira da Silva
 
IV.1 Peixes
IV.1 PeixesIV.1 Peixes
IV.1 Peixes
Rebeca Vale
 
Aula de Ciências sobre Animais Vertebrados e Invertebrados
Aula de Ciências sobre Animais Vertebrados e InvertebradosAula de Ciências sobre Animais Vertebrados e Invertebrados
Aula de Ciências sobre Animais Vertebrados e Invertebrados
Myla Sousa
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
Euna Machado
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
David Cavalcante
 
Grandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestresGrandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestres
João José Ferreira Tojal
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
Rebeca Vale
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
PIBID Joel Job
 
Adaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivosAdaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivos
Rosana Santos Quirino
 

Mais procurados (20)

Eco marinho
Eco marinhoEco marinho
Eco marinho
 
Ecossistemas terrestres e aquáticos
Ecossistemas terrestres e aquáticosEcossistemas terrestres e aquáticos
Ecossistemas terrestres e aquáticos
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Ambientes costeiros e marinhos e Tundras
Ambientes costeiros e marinhos e TundrasAmbientes costeiros e marinhos e Tundras
Ambientes costeiros e marinhos e Tundras
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EMAula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
 
IV.1 Peixes
IV.1 PeixesIV.1 Peixes
IV.1 Peixes
 
Aula de Ciências sobre Animais Vertebrados e Invertebrados
Aula de Ciências sobre Animais Vertebrados e InvertebradosAula de Ciências sobre Animais Vertebrados e Invertebrados
Aula de Ciências sobre Animais Vertebrados e Invertebrados
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
 
Grandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestresGrandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestres
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Adaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivosAdaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivos
 

Semelhante a A Zona Costeira

Ecologia - Restinga e Manguezal
Ecologia - Restinga e ManguezalEcologia - Restinga e Manguezal
Ecologia - Restinga e Manguezal
Giovanna Pezzini
 
Manguezal
ManguezalManguezal
Manguezal
profleofonseca
 
Manguezal
ManguezalManguezal
Manguezal
profleofonseca
 
Manguezal 2
Manguezal 2Manguezal 2
Manguezal 2
ressurreicaorecreio
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
claraallegro
 
Projeto trilha2007
Projeto trilha2007Projeto trilha2007
Bioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros MarinhosBioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros Marinhos
Jade
 
maritmo costeiros
maritmo costeirosmaritmo costeiros
maritmo costeiros
RAFAELA BARBOSA
 
Trabalho De Biologia Mangues
Trabalho De Biologia ManguesTrabalho De Biologia Mangues
Trabalho De Biologia Mangues
Carol G. Moraes
 
Biologia marinha - recife de corais
Biologia marinha - recife de coraisBiologia marinha - recife de corais
Biologia marinha - recife de corais
Isadora Oliveira
 
Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012
Marcus Corradini
 
Slides Bioge.pptx
Slides Bioge.pptxSlides Bioge.pptx
Slides Bioge.pptx
HERBERTHSOUZAMOTA
 
Leitura sobre manguezal
Leitura sobre manguezalLeitura sobre manguezal
Leitura sobre manguezal
emanuel
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
24355
 
A IMPORTÂNCIA DOS CORAIS PARA O AMBIENTE MARINHO.pptx
A IMPORTÂNCIA DOS CORAIS PARA O AMBIENTE MARINHO.pptxA IMPORTÂNCIA DOS CORAIS PARA O AMBIENTE MARINHO.pptx
A IMPORTÂNCIA DOS CORAIS PARA O AMBIENTE MARINHO.pptx
ellensamarab
 
Bioma Pantanal
Bioma PantanalBioma Pantanal
Bioma Pantanal
Jean Leão
 
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãOAnimais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
lisetemouta
 
Animais em extinção
Animais em extinçãoAnimais em extinção
Animais em extinção
teratici
 
Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses
Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses
Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses
CIDAADS
 
5a série ecossistemas brasileiros
5a série   ecossistemas brasileiros5a série   ecossistemas brasileiros
5a série ecossistemas brasileiros
SESI 422 - Americana
 

Semelhante a A Zona Costeira (20)

Ecologia - Restinga e Manguezal
Ecologia - Restinga e ManguezalEcologia - Restinga e Manguezal
Ecologia - Restinga e Manguezal
 
Manguezal
ManguezalManguezal
Manguezal
 
Manguezal
ManguezalManguezal
Manguezal
 
Manguezal 2
Manguezal 2Manguezal 2
Manguezal 2
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Projeto trilha2007
Projeto trilha2007Projeto trilha2007
Projeto trilha2007
 
Bioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros MarinhosBioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros Marinhos
 
maritmo costeiros
maritmo costeirosmaritmo costeiros
maritmo costeiros
 
Trabalho De Biologia Mangues
Trabalho De Biologia ManguesTrabalho De Biologia Mangues
Trabalho De Biologia Mangues
 
Biologia marinha - recife de corais
Biologia marinha - recife de coraisBiologia marinha - recife de corais
Biologia marinha - recife de corais
 
Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012
 
Slides Bioge.pptx
Slides Bioge.pptxSlides Bioge.pptx
Slides Bioge.pptx
 
Leitura sobre manguezal
Leitura sobre manguezalLeitura sobre manguezal
Leitura sobre manguezal
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
A IMPORTÂNCIA DOS CORAIS PARA O AMBIENTE MARINHO.pptx
A IMPORTÂNCIA DOS CORAIS PARA O AMBIENTE MARINHO.pptxA IMPORTÂNCIA DOS CORAIS PARA O AMBIENTE MARINHO.pptx
A IMPORTÂNCIA DOS CORAIS PARA O AMBIENTE MARINHO.pptx
 
Bioma Pantanal
Bioma PantanalBioma Pantanal
Bioma Pantanal
 
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãOAnimais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
 
Animais em extinção
Animais em extinçãoAnimais em extinção
Animais em extinção
 
Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses
Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses
Painel II - Conservação dos peixes de água doce portugueses
 
5a série ecossistemas brasileiros
5a série   ecossistemas brasileiros5a série   ecossistemas brasileiros
5a série ecossistemas brasileiros
 

Mais de Franklin Oliveira

Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Franklin Oliveira
 
Estrutura para projetos de pesquisa.
Estrutura para projetos de pesquisa.Estrutura para projetos de pesquisa.
Estrutura para projetos de pesquisa.
Franklin Oliveira
 
V Semeia - Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Municípi...
V Semeia - Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Municípi...V Semeia - Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Municípi...
V Semeia - Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Municípi...
Franklin Oliveira
 
Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Município de Lauro ...
Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Município de Lauro ...Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Município de Lauro ...
Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Município de Lauro ...
Franklin Oliveira
 
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Franklin Oliveira
 
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos PlásticosProcessos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Franklin Oliveira
 

Mais de Franklin Oliveira (6)

Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
 
Estrutura para projetos de pesquisa.
Estrutura para projetos de pesquisa.Estrutura para projetos de pesquisa.
Estrutura para projetos de pesquisa.
 
V Semeia - Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Municípi...
V Semeia - Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Municípi...V Semeia - Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Municípi...
V Semeia - Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Municípi...
 
Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Município de Lauro ...
Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Município de Lauro ...Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Município de Lauro ...
Gestão Ambiental em Posto de Gasolina – Estudo de caso no Município de Lauro ...
 
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
 
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos PlásticosProcessos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
Processos Industriais e Sustentabilidade: Indústria dos Plásticos
 

Último

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

A Zona Costeira

  • 2. O Brasil apresenta uma extensa área costeira. Começa no Cabo Orange na Foz do Rio Oiapoque no Amapá até o Arroio Chuí no Rio Grande do Sul.
  • 3. •É quase toda voltada para o Atlântico Sul. Porém, uma pequena parcela é banhada pelo Mar do Caribe. •Extensão: 8.698 km; • Área total: Aproximadamente 388.000 km²; • Amapá possui a maior área (12,3%); • Piauí detém a menor área (0,2%); • Bahia é o estado com maior extensão (12,7%); • Piauí possui a menor extensão (0,9%).
  • 4. Na Costa Brasileira ocorrem diversos tipos de hábitats, formando uma enorme diversidade de ecossistemas. Praias arenosas Manguezais Recifes de corais Dunas Costões rochosos
  • 5. É a região costeira onde as ondas constantemente movimentam quantidades de areia.
  • 6. As águas que compõe os oceanos estão sujeitas à atração gravitacional do Sol e da Lua; No lado do planeta em que a Lua se encontra a maré é alta. No lado oposto, a força gravitacional da Lua sobre a água é menor do que nos outros lados. Então, por inércia, a água tende a se afastar da Terra, dando origem neste lado também a uma maré alta.
  • 7. Na Lua Nova e Cheia: a força gravitacional da Lua está na mesma direção do Sol, com isso, as marés altas ficam mais altas e as marés baixas mais baixas. Na Lua Crescente e Minguante: parte da força gravitacional da Lua é anulada pelo Sol, com isso, as marés baixas são menos baixas.
  • 8. Faixa superior: apenas coberta pelo mar por ocasião de marés altas excepcionais, ressacas ou tempestades. Encontramos espécies melhor adaptadas à vida terrestre do que à aquática. Crustáceo - Grauçá, Insetos - Tesourinha vaza-maré, Maria-farinha Crustáceo - Tatuíra, tatu d'água e pulga do mar
  • 9. Faixa mediana: sempre coberta e descoberta pelas marés duas vezes por dia; As espécies apresentam particularidades morfológicas ou comportamentais para impedir a perda de água durante a maré baixa. Crustáceo – Corrupto Molusco – Unha de moça
  • 10. Equinodermo - Bolacha da Praia Molusco - Vôngole Poliqueto – Verme de fogo
  • 11. Faixa inferior: quase sempre submersa, eventualmente exposta durante as marés baixas. Animais quase sem adaptações para a vida fora d'água Renilla (rim-do-mar)
  • 12. Exploram a praia em busca de alimento. Maçaricos Gaivotas Piru-piru
  • 13. Animais trazidos à praia pelos ventos, ondas ou correntes Água-viva
  • 14. Esgotos domésticos Especulação imobiliária Crescimento desordenado do turismo
  • 15. * Total de área de manguezais Brasileiros: 13.000 Km² a 25.000 Km² * Cabo Orange, no extremo norte do Amapá, até o rio Araranguá no litoral de Santa Catarina. • Em manguezais tropicais, * Temp. média acima de 20oC bactérias e fungos constituem * Mínimas a 15o C 91% da biomassa microbiana total. Nordeste: mangue seco, onde predominam •Algas 7% e os Protozoários árvores de pequeno porte e solo com alta 2%. salinidade.
  • 16. Descrever uma variedade de comunidades costeiras tropicais dominadas por espécies vegetais, arbóreas ou arbustivas que conseguem crescer em solos com alto teor de sal. O termo "mangue" origina-se do vocábulo Malaio, "manggimanggi" e do inglês mangrove, servindo para descrever as espécies vegetais que vivem no manguezal.
  • 17. A importância deste ecossistema reside na grande produtividade biológica com alta biodiversidade de peixes, crustáceos, moluscos, aves, répteis e mamíferos, sendo um dos ecossistemas mais produtivos de mundo.
  • 18. Em virtude do solo salino e da deficiência de oxigênio, nos manguezais predominam os vegetais halófilos Rhizophora mangle (mangue vermelho): Laguncularia racemosa (mangue branco): próprio de solos lodosos, com raízes aéreas; encontrado em terrenos mais altos, de solo mais firme, associado a formações arenosas;
  • 19. Avicennia schaueriana (mangue preto, Conocarpus erectus (mangue de canoé): botão):Pertencente ao gênero Apresenta raízes horizontais e radiais a Conocarpus é menos freqüente poucos centímetros abaixo da superfície na região Sudeste do Brasil. A espécie Laguncularia racemosa merece destaque por ser a única espécie típica de mangue encontrada no Arquipélago de Fernando de Noronha, num único manguezal localizado na Baía do Sueste
  • 20. Sua biodiversidade tem significativa fonte de alimentos para Mero (Epinephelus itajara) as populações humanas. Nesses ecossistemas se alimentam e reproduzem mamíferos, aves, peixes, moluscos e crustáceos. Aves Moluscos Crustáceos * Bem-te-vi (Pitangus sulphuratus) * Garça * Gavião-carrapateiro Animais Semi-residentes Mamíferos Ostra do mangue * Lontra (Crassostrea rhizophorae) * Golfinho Animais residentes *Peixe-boi-marinho Aratu (Aratus pisoni) Animais Semi-residentes Animais residentes
  • 21. Os principais fatores que causam alterações nas propriedades físicas, químicas e biológicas do manguezal são: •Aterro e Desmatamento •Queimadas •Deposição de lixo •Lançamento de esgoto •Lançamentos de efluentes industriais •Dragagens •Construções de marinas •Pesca predatória
  • 26. FILO: Cnidários ou Coelenterata CLASSE: Anthozoe SUBCLASSE: Zoantharia ORDEM: Madreporaria DIÂMETRO DO PÓLIPO: cerca de 1 cm SEXO: Os indivíduos podem ser de qualquer dos sexos ou hermafroditas ALIMENTAÇÃO: plancto. DISTRIBUIÇÃO: Águas não muito profundas, claras e quentes. Corais são encartados do Maranhão até o Alagoas e do sul da Bahia até Santa Catarina.
  • 27. * São formados pela ação de comunidades de diversos organismos, como as algas calcárias e corais, entre outros organismos. •Animais marinhos do grupo dos cnidários, que possuem esqueleto calcário ou córneo. * Os recifes de corais são os ambientes mais ricos e produtivos do planeta, importantes para o ecossistema marinho.
  • 28. No mundo : 350 espécies de corais Costa Brasileira: 18 Espécies Corais 8 espécies são consideradas endêmicas. Exemplo: Espécies gorgonácea, chifre-de-veado, alga verde, anêmona, margarida, sargaço, lírio do mar e cérebro. Os corais habitam cerca de 30% das espécies marinhas existentes no mundo e 65% dos peixes. São inúmeras espécies como: Moréia, polvo, camarão, estrela- do-mar, ouriço-do-mar, siri, caracol, lesma do mar.
  • 29. Os corais apresentam basicamente duas formas de reprodução: Assexuada: sem a participação de gametas (células sexuais) Sexuada: Com a presença de gametas. Na reprodução sexuada, os corais desenvolvem sistemas de fecundação que permitem aos gametas se encontrarem. Já a reprodução assexuada, não há a necessidade de outro indivíduo para gerar descendentes. GEMULAÇÃO ocorre por brotamento. O CORAL CISSIPARIDADE
  • 30. Assim como servem de alimento, os recifes servem também para a proteção da linha de costa, evitando erosões decorrentes de fortes tempestades. Crescem verticalmente de 0,2 a São a base de sobrevivência de espécies, 8mm/ano. inclusive pelágicos, que não vivem nos Os moluscos e caranguejos se corais. alimentam dos corais ou seu muco. * Produção de alimento * Medicina * Indústria de cosméticos Alimentam por filtração da água, * Economia retirando dela os nutrientes * Lazer necessários. Eles se alimentam basicamente de zooplâncton - ou microanimais - que retiram da água preferencialmente à noite
  • 31. O Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, localizado no Sul da Bahia, é a maior reserva de recifes de coral do Brasil. Neste ambiente, uma espécie de coral que só ocorre na Bahia , Mussismilia braziliensis (Verril), é a principal construtora dos recifes.
  • 32. • Poluição das águas • Desmatamento • Turismo marinho • Pesca A pesca de arrasto e as bombas de dinamite com o intuito de matar os peixes de fundo e trazê-los a superfície; extinguindo toda a fauna e flora presente. • Aumento de temperatura Se a temperatura da água for superior a 29 graus centígrados, os corais sofrem "estresse térmico"
  • 33. Uma das maiores ameaças aos recifes de corais é o chamado "branqueamento de corais", processo que leva à morte centenas de corais ao redor do mundo. O fenômeno ocorre quando a temperatura da água aumenta, devido a causas naturais.CO2 Colônia de Mussimilia Palythoa caribaeorum hispida(branqueada) (zoantídeo)
  • 34. Vista aérea recifes Boipeba- BA Zoantídeo - Palythoa, Abrolhos - BA Abrolhos - BA Detalhe pólipo de coral, Abrolhos - BA
  • 35. Anêmona-do-mar Mussismilia e são as principais construtoras dos recifes brasileiros Estrela-do-mar vermelha Gorgônia
  • 36. Cientistas descobrem sete novas espécies de coral Novas espécies foram encontradas no Monumento Nacional Marinho Papahānaumokuākea. Cientistas dizem que há potencial para descobertas de outras espécies (Foto: Hawaii Deep-Sea Coral Expedition 2007/NOA ) Os cientistas encontraram uma árvore de corais amarela de quase dois metros, uma esponja gigante, duas espécies de esponja ainda não registradas, além de um "cemitério de corais". Os especialistas dizem que há potencial para descobertas de outras espécies. O "cemitério" cobre uma área de mais de três mil metros e fica localizado a cerca de 500 metros de profundidade. Os cientistas estimam que os corais tenham morrido a milhares de anos e as espécies não haviam sido registradas nos Estados Unidos.
  • 37. São elevações de areia formadas pelos ventos que vêm do mar. Dunas de Genipabu - RN
  • 38. As dunas costeiras formaram-se durante os últimos 5.000 anos pela interação entre o mar, o vento, a areia e a vegetação. Classificam-se de acordo com a sua mobilidade em: • Dunas fixas - quando a vegetação, principalmente, ou outro fator impede que o vento transfira as dunas de lugar; • Dunas móveis - quando a ausência de uma barreira faz com que o vento “carregue” as dunas.
  • 39. Soterramento de via pública pela ação Soterramento da rodovia Cabo Frio - eólica das dunas - Cabo Frio - RJ Arraial do Cabo pela ação das dunas. As dunas de Peró, em Cabo Frio já avançaram cerca de 130 metros em 40 anos.
  • 40. Lagoa do Abaeté - Salvador - BA Parque Nacional de Jericoacoara - CE Dunas de Natal - Natal - RN Dunas dos Lençóis Maranhenses - MA
  • 41. Tavares - RS No Rio Grande do Sul encontramos um dos maiores sistemas contínuos de dunas costeiras em todo o mundo. Já a duna mais alta do mundo, com 2.708 metros acima do nível do mar, é a “Cerro Blanco” no Vale de Nazca, Peru.
  • 43. Maria farinha Piru-piru
  • 44. Estorno (Ammophila arenaria) Chorão (Carpobrotus edulis)
  • 46. Impactos decorrentes da urbanização desordenada e do uso irracional dos recursos naturais como colocação de lixo, retirada de areia, pastoreio e trânsito de automóveis e motocicletas constituem as principais ameaças à conservação do sistema de dunas costeiras.
  • 47. É o nome dado ao ambiente costeiro formado por rochas, situado na transição entre os meios terrestre e aquático. Vista aérea de uma baía formada por costa rochosa Fernando de Noronha, PE
  • 48. Baía de São Marcos – MA Torres – RS
  • 50. • Suas rochas possuem origem vulcânica; • O costões rochosos podem ser modelados por aspectos: Físicos: temperatura , erosão por batimento de ondas, ventos e chuvas; Químicos: reações da água do mar com os minerais que formam as rochas; Biológicos: causado por organismos habitantes ou visitantes do costão, como ouriços, esponjas e moluscos.
  • 51. • Tipos de costões rochosos: Costões expostos: são aqueles que recebem maior impacto de ondas. Costões protegidos: são localizados onde o embate de ondas é suave.
  • 52. Esponja-do-mar Anêmona Caranguejo Camarão Ouriço-roxo
  • 53. Algas verdes Algas azuis Algas vermelhas Algas pardas
  • 54. A integridade ecológica da costa brasileira é pressionada pelo crescimento sem planejamento dos grandes centros urbanos, pela especulação imobiliária, pela poluição e pelo enorme fluxo de turistas, na sua maioria ainda sem consciência ambiental. A natureza vem dando sinais de descontentamento, algumas vezes de forma amena e em outras de forma avassaladora, obrigando os homens a rever seus procedimentos nos cuidados para com a Terra e seus habitantes.
  • 55. http://www.ib.usp.br/ecosteiros/textos_educ/costao/index2.htm http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./agua/salgada/index.html&conteudo=./a gua/salgada/ecossistemacosteiro1.html http://www.vivaterra.org.br/crustaceos.htm#caranguejoaranha http://www.vivaterra.org.br/moluscos.htm http://www.brasileitalia.info/forum/topic.asp?TOPIC_ID=7521 http://www.deleibio.hpg.ig.com.br/biologia/biomas.html#A%20Zona%20Costeira http://www.infoescola.com/geografia/dunas/ http://www.comciencia.br/reportagens/litoral/lit09.shtml http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=967&sid=2 http://astro.if.ufrgs.br/fordif/node5.htm http://noticias.terra.com.br/educacao/vocesabia/interna/0,,OI3403001-EI8408,00.html http://astro.if.ufrgs.br/fordif/node3.htm# http://www.nema-rs.org.br/pags/pop_dunas.html http://mundoestranho.abril.com.br/mundoanimal/pergunta_286796.shtml http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./agua/salgada/index.html&conteudo=./n atural/biomas/praias.html http://br.geocities.com/saladefisica5/leituras/mares.htm http://www.ipaq.org.br/modules.php?name=Aquarioes&op=mostrar_especie&id=376&nome_ma p=d
  • 56. Manguezal e Recifes de Corais: http://vivimarc.sites.uol.com.br/manguezal2.htm http://brasil.indymedia.org/pt/red/2004/09/289748.shtml http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/manguezais/manguezais-e-estuario.php http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/corais/recifes-de-corais-3.php http://www.cnpma.embrapa.br/site_projeto_manguezais/ http://brasil.indymedia.org/pt/red/2004/09/289764.shtml http://www.naufragiosdobrasil.com.br/matrecifescoral2.htm http://curlygirl.no.sapo.pt/platelmintes.htm http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/corais/recifes-de-corais-6.php http://www.naufragiosdobrasil.com.br/matrecifescoral2.htm http://www.faperj.br/boletim_interna.phtml?obj_id=368 http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/corais/recifes-de-corais-3.php http://www.altiplano.com.br/Coral.html http://www.faunabrasil.com.br/sistema/modules/news/article.php?storyid=114 http://www.miramarmaragogiresort.com/blog/Recifes-Costeiros---Coral/index.html http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/branqueamento-dos-corais/recifes-de- corais-5.php http://www.usp.br/cbm/index.php/artigos-acesso-livre/73-recifes-de-coral-e- branqueamento.html http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1033300-5603,00.html