SlideShare uma empresa Scribd logo
INCLUSÃO OU
INTEGRAÇÃO
O que é ideal e o que é
real.
EMANOELE FREITAS
I ENCONTRO PEDAGÓGICO
COLÉGIO PEDRO II
CONCEITOS
INTEGRAÇÃO ESCOLAR
O aluno com
necessidades especiais,
são integrados a sala
regular na medida em
que demonstrem
condições para
acompanhar a turma,
recebendo atendimento
paralelo em sala de
recurso
INCLUSÃO ESCOLAR
Independente do tipo
ou grau de
comprometimento, a
pessoa com NEE
DEVEM ser incluídos no
ensino regular, cabendo
à escola se adaptar para
atender suas
necessidades.
EDUCAÇÃO ESPECIAL
• “a modalidade de ensino que se caracteriza por um
conjunto de recursos e serviços educacionais
especiais organizados para apoiar, suplementar e,
em alguns casos, substituir os serviços educacionais
comuns, de modo a garantir a educação formal dos
educandos que apresentem necessidades
educacionais muito diferentes das da maioria das
crianças e jovens”.
(MAZZOTTA,1996,p.11)
HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO
BRASIL
marco histórico da educação especial no Brasil tem sido estabelecido no período final do século XIX
Instituto dos meninos cegos - IBC
• em 1854, sob a direção de Benjamin Constant
• Imperial Instituto dos Meninos Cegos, foi criada pelo Imperador D. Pedro
II (1840-1889) através do
• Decreto Imperial nº 1.428, de12 de setembro de 1854. Foi inaugurada,
solenemente, no dia 17 de setembro do mesmo ano
Instituto Nacional de Educação de Surdos – INES
• primeira denominação Collégio Nacional para Surdos-Mudos, criado por E.Huet,
começou a funcionar em 1º de janeiro de 1856,
• Em 1993, um projeto de Lei deu início a uma longa batalha de legalização e
regulamentação em âmbito federal, culminando com a criação da Lei nº 10.436
de 24 de abril de 2002, que reconhece a Língua Brasileira de Sinais, seguida pelo
Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005, que a regulamenta.
A constituição de 1891 instaurou o
federalismo e definiu as responsabilidades
pela política educacional: aos estados e
municípios do ensino primário ao
profissionalizante, e à união, o ensino
secundário e superior.
na década de vinte,
aparece o livro intitulado
Infância Retardatária, de
Norberto de Souza Pinto.
chega ao Brasil em 1929
Helena Antipoff, uma
psicóloga russa que se
radicou no país e
influenciou o panorama
nacional da educação
especial. criou o
Laboratório de Psicologia
Aplicada na Escola de
Aperfeiçoamento de
Professores, em Minas
Gerais, em 1929.
Helena Antipoff
Em 1932 criou a
Sociedade
Pestalozzi de
Minas Gerais,
que a partir de
1945, iria se
expandir no país.
Em 1939 ela
criou uma
escola para
crianças
excepcionais,
Complexo
Educacional da
Fazenda do
Rosário
participou ativamente
do movimento que
culminou na
implantação da
Associação de Pais e
Amigos dos
Excepcionais - APAE
em 1954,
Em 1967 a
Sociedade
Pestalozzi do Brasil
contava com 16
instituições
espalhadas pelo
país.
• A educação especial foi estabelecida como uma das
prioridades do I Plano Setorial de Educação e Cultural (1972-
1974) e foi neste contexto que surgiu em junho de 1973, o
Decreto 72.425, de 3 de julho de 1973, que criou o Centro
Nacional de Educação Especial (Cenesp), junto ao Ministério
de Educação; que iria se constituir no primeiro órgão
educacional do governo federal, responsável pela definição da
política de educação especial.
• No final da década de setenta são implantados os primeiros
cursos de formação de professores na área de educação
especial ao nível do terceiro grau e os primeiros programas de
pós-graduação a se dedicarem à área de educação especial.
ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO
ESPECIAL NO BRASIL
Podemos, pois, afirmar que a história da educação de pessoas com deficiência no
Brasil está dividida entre três grandes períodos:
de 1854 a 1956 - marcado por iniciativas de caráter privado;
de 1957 a 1993 – definido por ações oficiais de âmbito nacional;
de 1993.... – caracterizado pelos movimentos em favor da inclusão escolar.
• Segregação – Paradigma de institucionalização.
• Integração - Paradigma de Serviços.
• Inclusão - Paradigma de Suporte.
• Modelo
assistencialista no
qual a instituição
tinha caráter de
internato e as
pessoas eram
retiradas do convívio
familiar e social para
viver em instituições
asilares.
SEGREGAÇÃO
• A LDB 4024/61, no seu artigo 88
previa que “a educação de
excepcionais deve, no que for
possível, enquadrar-se no
sistema geral de educação, a fim
de integrá-los na comunidade”.
• Os alunos frequentavam a
escola regular, mas
permaneciam, grande parte do
tempo, em classes especiais, nas
quais existiam professores
especializados, que acabavam
por ser responsáveis pela
educação do aluno.
INTEGRAÇÃO
• A Constituição de 1988 afirma
que “a educação é direito de
todos e dever do estado e da
família”, devendo ser
“promovida e incentivada com
a colaboração da sociedade”
(art. 205).
INCLUSÃO
Palestra emanoele   inclusão ou integração
Palestra emanoele   inclusão ou integração
2006
Convenção sobre os
direitos das pessoas
com deficiência
2008
Decreto Legislativo
186
Ratifica a Convenção
Decreto Executivo
6.949
Ratifica a Conveção
Decreto 6.571
Dispõe sobre o
Atendimento
Educacional
Especializado
2008
Política Nacional de
Educação Especial na
perspectiva da Educação
Inclusiva
2008 2009
2009
Resolução no. 4
Diretrizes Operacionais
para o Atendimento
Educacional
Especializado na
Educação Básica
2007
Cenário Educacional – Principais Marcos Legais
2008
CNE/CEBNº17/2001
Leinº12.764/2012
DECRETO Nº 8.368,
DE 2 DE DEZEMBRO DE
2014
Torna Oficial e explicito a
obrigatoriedade e
responsabilidades com relação
ao profissional especializado/
Mediador.
§ 2o Caso seja comprovada a necessidade de apoio
às atividades de comunicação, interação social,
locomoção, alimentação e cuidados pessoais, a
instituição de ensino em que a pessoa com
transtorno do espectro autista ou com outra
deficiência estiver matriculada disponibilizará
acompanhante especializado no contexto escolar,
nos termos do parágrafo único do art. 3o da Lei
no 12.764, de 2012.
Palestra emanoele   inclusão ou integração
ESTATÍSTICA DO DEFICIENTE NO BRASIL
ESTATÍSTICA DO TRANSTORNO GLOBAL
DO DESENVOLVIMENTO
Em 2007
Com uma população de cerca de
190 milhões de pessoas havia cerca
de 1 milhão de casos de autismo.
Em 2014 esse número subiu para
2 Milhões, seguindo as bases da
ONU;
CONSTRUINDO TRILHAS PARA A
INCLUSÃO
• COLOCAR UMA FIGURA DA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO
CAMINHO
OS ATUAIS PARAMETROS EDUCACIONAIS
OS ASPECTOS DE ADAPTAÇÃO CURRICULAR PARA
UMA ABORDAGEM INCLUSIVA DEVEM PREVER:
“ESTRATÉGIAS E CRITÉRIOS DE ATUAÇÃO DOCENTE,
ADMITINDO DECISÕES QUE OPORTUNIZAM ADEQUAR
A AÇÃO EDUCATIVA ESCOLAR ÀS MANEIRAS
PECULIARES DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS,
CONSIDERANDO QUE O PROCESSO DE ENSINO-
APRENDIZAGEM PRESSUPÕE ATENDER À
DIVERSIFICAÇÃO DE NECESSIDADES DOS ALUNOS NA
ESCOLA”
(MEC/SEESP/SEB, 1998).
Não é um novo currículo, mas um currículo
DINÂMICO, ALTERÁVEL,
passível de ampliação, para que atenda realmente
a todos os educandos.
Nessas circunstâncias, as adaptações curriculares
implicam a planificação pedagógica e as ações
docentes fundamentadas em critérios que
definem:
1 - O que o aluno deve aprender;
2 - Como e quando aprender;
3 - Que formas de organização de ensino são mais
eficientes para o processo de aprendizagem;
4 - Como e quando avaliar o aluno.
RESOLUÇÃO CURRÍCULO NACIONAL DA
EDUCAÇÃO – Nº 02/01
“ARTIGO 8 – AS ESCOLAS DA REDE REGULAR
DE ENSINO DEVEM PREVER E PROVER NA
ORGANIZAÇÃO DE SUAS CLASSES COMUNS:
III – FLEXIBILIZAÇÃO E ADAPTAÇÕES
CURRICULARES QUE CONSIDEREM O SIGNIFICADO
PRÁTICO E INSTRUMENTAL DOS CONTEÚDOS
BÁSICOS, METODOLOGIAS DE ENSINO, RECURSOS
DIDÁTICOS DIFERENCIADOS E PROCESSOS DE
AVALIAÇÃO ADEQUADOS AO DESENVOLVIMENTO
DOS ALUNOS QUE APRESENTAM NECESSIDADES
EDUCACIONAIS ESPECIAIS, EM CONSONÂNCIA COM
O PROJETO PEDAGÓGICO DA ESCOLA, RESPEITADA
A FREQUÊNCIA OBRIGATÓRIA.”
ADAPTAÇÃO
CURRICULAR DE
PEQUENO PORTE
Repetição da série
Programas de reforço e
apoio (SAPE)
Adaptações em grupo
Adaptações de grande porte,
extraordinárias e significativas
NÍVEIS
ADAPTAÇÕES
CURRICULARES
CENTRAIS
ADAPTAÇÕES
CURRICULARES
INDIVIDUALIZADAS
ADAPTAÇÕES NOS
ELEMENTOS
CURRICULARES
BÁSICOS
ADAPTAÇÕES NOS
ELEMENTOS DE
ACESSO AO
CURRÍCULO
ADAPTAÇÕES
CURRICULARES NA
AULA
ADAPTAÇÃO NOS
ELEMENTOS DE
ACESSO
ADAPTAÇÕES
MATERIAIS
UTILIZAÇÃO DE
OUTROS
RECURSOS
MUDANÇA NA
ORGANIZAÇÃO
ADAPTAÇÕES NOS
ELEMENTOS
CURRICULARES
BÁSICOS
OBJETIVOS
CONTEÚDOS
METODOLOGIA
ATIVIDADES
AVALIAÇÃO
ADAPTAÇÃO
CURRICULAR DE
GRANDE PORTE
Adaptações de Acesso ao Currículo Adaptação de Conteúdos
do Método de Ensino e da
Organização Didática.
Adaptação de Sistema de
Avaliação
Adaptação de Objetivos
Adaptação deTemporalidade
O PROFESSOR
INCLUSIVO
Nenhum de nós pode fazer as
coisas mais importantes sozinho.
A parceria e a colaboração são o
caminho para enfrentar todos os
desafios (autor desconhecido).
O papel do professor, numa escola que se pauta nos princípios de uma Educação
Inclusiva, é de facilitador no processo de busca de conhecimento que parte do
aluno.
Ele é quem organiza situações de aprendizagem adequadas às diferentes condições e
competências, oferecendo oportunidade de desenvolvimento pleno para todos os
alunos.
A ação pedagógica do professor deve ser detalhadamente planejada de forma a suprir
as necessidades educacionais de cada aluno, criando condições que proporcionam e
favorecem a sua aprendizagem, superando as barreiras antes existentes
Principais
problemas na
opinião dos
professores para
o sucesso da
inclusão.
1 – Estamos “ Engatinhando” no que se
refere a inclusão
2 – Os professores se sentem muito
inseguros diante dos desafios e da falta de
conhecimento.
3 – O foco do processo deve ser a
aprendizagem do professor e do aluno.
4 – É necessário o acolhimento dos pais,
para nos orientar quanto a criança.
5 – É difícil, mas é possível, só precisamos
saber como fazer, ter treinamento e
capacitação para lidar com o novo.
“A tristeza vem quando me deparo com a
realidade das nossas escolas. Pergunto-me
porque será que muitos professores resistem
tanto a uma pedagogia diferenciada, que gere
inclusão, quando, para mim e para tantos
outros professores, a sua pertinência é tão
óbvia”. ( M.G – Rio de Janeiro/RJ )
“A EDUCAÇÃO É O PONTO EM QUE SE
DECIDE QUE SE AMA SUFICIENTEMENTE O
MUNDO PARA ASSUMIR
RESPONSABILIDADES POR ELE, E O LUGAR
EM QUE SE DECIDE QUE SE AMA
SUFICIENTEMENTE AS CRIANÇAS PARA
NÃO AS EXPULSAR DO NOSSO MUNDO”
( Hannah Arendt)
Palestra emanoele   inclusão ou integração
ANNE SULLIVAN E HELEN KELLER
Anne Sullivan
foi uma educadora estadunidense, mais conhecida por ter sido a
professora de Helen Keller, uma adolescente surda-cega a quem
ensinou por meio da Língua de sinais através do tato.
Anne Sullivan também era deficiente; havia sido quase cega, mas
depois de nove operações, recuperou alguns graus da visão.
Alexander Graham Bell, Andrew Carnegie, Henry H. Rogers e
John Spaulding foram apenas alguns dos que as encontraram e as
apoiaram, Depois de recuperar parte de sua visão de uma série de
operações e de se graduar como a oradora da sala em 1886 no
Instituto Perkins para Cegos, ela começou sua longa carreira como
professora de Helen Keller.
Anne não recuperou sua visão total, mas ao final de sua vida
recebeu o reconhecimento da UniversidadeTemplo , o Instituto
Educacional da Escócia e a Fundação Memorial Roosevelt pelo
ensinamento e desenvolvimento de Helen Keller.
Helen Adams Keller
foi uma escritora, conferencista e ativista social estadunidense.
Foi a primeira pessoa surda e cega a conquistar um bacharelado.
A história sobre como sua professora, Anne Sullivan, conseguiu
romper o isolamento imposto pela quase total falta de
comunicação, permitindo à menina florescer enquanto aprendia
a se comunicar, tornou-se amplamente conhecida através do
roteiro da peçaThe MiracleWorker que virou o filme O Milagre
de Anne Sullivan
Tornou-se uma célebre e prolífica escritora, filósofa e
conferencista, uma personagem famosa pelo extenso trabalho
que desenvolveu em favor das pessoas portadoras
de deficiência. Keller viajou muito e expressava de forma
contundente suas convicções. Membro do Socialist Party of
America e do IndustrialWorkers of theWorld, participou das
campanhas pelo voto feminino, direitos trabalhistas, socialismo
e outras causas de esquerda. Ela foi introduzida no Alabama
Women's Hall of Fame em 1971.
Palestra emanoele   inclusão ou integração
EMANOELE FREITAS
ESCRITORA, PALESTRANTE, MEDIADORA,
FUNDADORA E PRESIDENTE DA
AAPA.ORG
MÃE DE AUTISTA E SONHADORA DA
EDUCAÇÃO INCLUSIVA E REAL!!!!
CONTATOS
FACEBOOK/EMANOELE FREITAS
TEL: 99114-5973 / 3488-3002
WEB: www.euemeuautista.blogspot.com
E-MAIL: emanoele@aapa-autismo.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
Pedagogo Santos
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Almeida Emilene Santos
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Thiago de Almeida
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
Thaisduarte
 
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Rute Pereira
 
Educação Inclusiva no Brasil
Educação Inclusiva no BrasilEducação Inclusiva no Brasil
Educação Inclusiva no Brasil
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
AEE
AEEAEE
Integração e inclusão 2 formas de olhar
Integração e inclusão    2 formas de olharIntegração e inclusão    2 formas de olhar
Integração e inclusão 2 formas de olhar
isamota
 
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
Resumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   MantoanResumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   Mantoan
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
♥Marcinhatinelli♥
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
Palestra sobre educação inclusiva
Palestra sobre educação inclusivaPalestra sobre educação inclusiva
Palestra sobre educação inclusiva
Bárbara Delpretto
 
Palestra Inclusão
Palestra InclusãoPalestra Inclusão
Palestra Inclusão
Paty Almada
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
Deisiane Cazaroto
 
Princípios da educação inclusiva
Princípios da educação inclusivaPrincípios da educação inclusiva
Princípios da educação inclusiva
mainamgar
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercício
Shirley Lauria
 
Didática geral tendências pedagógicas
Didática geral   tendências pedagógicasDidática geral   tendências pedagógicas
Didática geral tendências pedagógicas
Fernanda Câmara
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
carmemlima
 
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADOAEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
Danielle Souza
 

Mais procurados (20)

Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
 
Educação Inclusiva no Brasil
Educação Inclusiva no BrasilEducação Inclusiva no Brasil
Educação Inclusiva no Brasil
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Integração e inclusão 2 formas de olhar
Integração e inclusão    2 formas de olharIntegração e inclusão    2 formas de olhar
Integração e inclusão 2 formas de olhar
 
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
Resumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   MantoanResumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   Mantoan
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Palestra sobre educação inclusiva
Palestra sobre educação inclusivaPalestra sobre educação inclusiva
Palestra sobre educação inclusiva
 
Palestra Inclusão
Palestra InclusãoPalestra Inclusão
Palestra Inclusão
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Princípios da educação inclusiva
Princípios da educação inclusivaPrincípios da educação inclusiva
Princípios da educação inclusiva
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercício
 
Didática geral tendências pedagógicas
Didática geral   tendências pedagógicasDidática geral   tendências pedagógicas
Didática geral tendências pedagógicas
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
 
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADOAEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
 

Destaque

Reflexão acerca da integração à inclusão
Reflexão acerca da integração à inclusãoReflexão acerca da integração à inclusão
Reflexão acerca da integração à inclusão
Fátima Nunes
 
Adaptação curricular de pequeno porte
Adaptação curricular de pequeno porteAdaptação curricular de pequeno porte
Adaptação curricular de pequeno porte
Solange Das Graças Seno
 
Exclusão na escola
Exclusão na escolaExclusão na escola
Exclusão na escola
clubecomunica2010
 
Educacao especial
Educacao especial Educacao especial
Educacao especial
Itana Silva
 
Observação - teste sua memória
Observação  -  teste sua memóriaObservação  -  teste sua memória
Observação - teste sua memória
Daniela Sipert
 
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
Jean Rodrigo
 
Integração Treinamento Colaboradores
Integração Treinamento ColaboradoresIntegração Treinamento Colaboradores
Integração Treinamento Colaboradores
SINDILOJAS POA
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
Leonardo Boles
 
Direitos e deveres na escola
Direitos e deveres na escolaDireitos e deveres na escola
Direitos e deveres na escola
Danielle Souza
 
Todos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusivaTodos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusiva
SimoneHelenDrumond
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Instituto Consciência GO
 
O LaçO E O AbraçO
O LaçO E O AbraçOO LaçO E O AbraçO
O LaçO E O AbraçO
JNR
 
Educação de Surdos
Educação de SurdosEducação de Surdos
Educação de Surdos
Vanessa Dagostim
 
4 dinâmicas de motivação no trabalho muito fáceis de aplicar
4 dinâmicas de motivação no trabalho muito fáceis de aplicar 4 dinâmicas de motivação no trabalho muito fáceis de aplicar
4 dinâmicas de motivação no trabalho muito fáceis de aplicar
Agendor
 
10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes
Seduc MT
 

Destaque (15)

Reflexão acerca da integração à inclusão
Reflexão acerca da integração à inclusãoReflexão acerca da integração à inclusão
Reflexão acerca da integração à inclusão
 
Adaptação curricular de pequeno porte
Adaptação curricular de pequeno porteAdaptação curricular de pequeno porte
Adaptação curricular de pequeno porte
 
Exclusão na escola
Exclusão na escolaExclusão na escola
Exclusão na escola
 
Educacao especial
Educacao especial Educacao especial
Educacao especial
 
Observação - teste sua memória
Observação  -  teste sua memóriaObservação  -  teste sua memória
Observação - teste sua memória
 
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
 
Integração Treinamento Colaboradores
Integração Treinamento ColaboradoresIntegração Treinamento Colaboradores
Integração Treinamento Colaboradores
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
Direitos e deveres na escola
Direitos e deveres na escolaDireitos e deveres na escola
Direitos e deveres na escola
 
Todos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusivaTodos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusiva
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
O LaçO E O AbraçO
O LaçO E O AbraçOO LaçO E O AbraçO
O LaçO E O AbraçO
 
Educação de Surdos
Educação de SurdosEducação de Surdos
Educação de Surdos
 
4 dinâmicas de motivação no trabalho muito fáceis de aplicar
4 dinâmicas de motivação no trabalho muito fáceis de aplicar 4 dinâmicas de motivação no trabalho muito fáceis de aplicar
4 dinâmicas de motivação no trabalho muito fáceis de aplicar
 
10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes
 

Semelhante a Palestra emanoele inclusão ou integração

Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
Slides apresentação tcc final
Slides apresentação tcc finalSlides apresentação tcc final
Slides apresentação tcc final
Edu Uninter
 
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVADESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
Marileide Alves
 
Currículo nee
Currículo neeCurrículo nee
Currículo nee
Sandrastos
 
Adequação curricular estudo 2
Adequação curricular estudo 2Adequação curricular estudo 2
Adequação curricular estudo 2
sedf
 
Declaração de Salamanca(Parte I) GT10
Declaração de Salamanca(Parte I) GT10 Declaração de Salamanca(Parte I) GT10
Declaração de Salamanca(Parte I) GT10
♥Marcinhatinelli♥
 
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
christianceapcursos
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
Inc Forma De Diretores 2009 Parte I
Inc Forma De Diretores 2009 Parte IInc Forma De Diretores 2009 Parte I
Inc Forma De Diretores 2009 Parte I
Iris Elisabeth Tempel Costa
 
Acolhimento: Princípio a Prática Inclusiva
Acolhimento: Princípio a Prática InclusivaAcolhimento: Princípio a Prática Inclusiva
Acolhimento: Princípio a Prática Inclusiva
Camila Freitas
 
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARA INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
christianceapcursos
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
christianceapcursos
 
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
Fundación Universitaria Iberoamericana (FUNIBER)
 
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
mkbariotto
 
TCC - Facon
TCC - FaconTCC - Facon
TCC - Facon
mkbariotto
 
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de TaguatingaPPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
anapedro44
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva  aproximações e convergênciasEducação especial e educação inclusiva  aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
Gizéle Vianna
 
Pratica de ensino
Pratica de ensinoPratica de ensino
Pratica de ensino
FABIANA CRISTINA MIRANDA
 
Material impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraesMaterial impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraes
Angela Rosa de Moraes
 

Semelhante a Palestra emanoele inclusão ou integração (20)

Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Slides apresentação tcc final
Slides apresentação tcc finalSlides apresentação tcc final
Slides apresentação tcc final
 
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVADESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
DESAFIOS NAS AÇÕES ESCOLARES INCLUSIVA
 
Currículo nee
Currículo neeCurrículo nee
Currículo nee
 
Adequação curricular estudo 2
Adequação curricular estudo 2Adequação curricular estudo 2
Adequação curricular estudo 2
 
Declaração de Salamanca(Parte I) GT10
Declaração de Salamanca(Parte I) GT10 Declaração de Salamanca(Parte I) GT10
Declaração de Salamanca(Parte I) GT10
 
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...EDUCAÇÃO ESPECIAL:  A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO SÓCIO – EDUCATIVA NO ENSINO REGULAR Monalisa A...
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Inc Forma De Diretores 2009 Parte I
Inc Forma De Diretores 2009 Parte IInc Forma De Diretores 2009 Parte I
Inc Forma De Diretores 2009 Parte I
 
Acolhimento: Princípio a Prática Inclusiva
Acolhimento: Princípio a Prática InclusivaAcolhimento: Princípio a Prática Inclusiva
Acolhimento: Princípio a Prática Inclusiva
 
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARA INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
 
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
 
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...Pscopedagogia   a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
Pscopedagogia a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na...
 
TCC - Facon
TCC - FaconTCC - Facon
TCC - Facon
 
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de TaguatingaPPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
 
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva  aproximações e convergênciasEducação especial e educação inclusiva  aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
 
Pratica de ensino
Pratica de ensinoPratica de ensino
Pratica de ensino
 
Material impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraesMaterial impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraes
 

Último

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Palestra emanoele inclusão ou integração

  • 1. INCLUSÃO OU INTEGRAÇÃO O que é ideal e o que é real. EMANOELE FREITAS I ENCONTRO PEDAGÓGICO COLÉGIO PEDRO II
  • 2. CONCEITOS INTEGRAÇÃO ESCOLAR O aluno com necessidades especiais, são integrados a sala regular na medida em que demonstrem condições para acompanhar a turma, recebendo atendimento paralelo em sala de recurso INCLUSÃO ESCOLAR Independente do tipo ou grau de comprometimento, a pessoa com NEE DEVEM ser incluídos no ensino regular, cabendo à escola se adaptar para atender suas necessidades.
  • 3. EDUCAÇÃO ESPECIAL • “a modalidade de ensino que se caracteriza por um conjunto de recursos e serviços educacionais especiais organizados para apoiar, suplementar e, em alguns casos, substituir os serviços educacionais comuns, de modo a garantir a educação formal dos educandos que apresentem necessidades educacionais muito diferentes das da maioria das crianças e jovens”. (MAZZOTTA,1996,p.11)
  • 4. HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL marco histórico da educação especial no Brasil tem sido estabelecido no período final do século XIX Instituto dos meninos cegos - IBC • em 1854, sob a direção de Benjamin Constant • Imperial Instituto dos Meninos Cegos, foi criada pelo Imperador D. Pedro II (1840-1889) através do • Decreto Imperial nº 1.428, de12 de setembro de 1854. Foi inaugurada, solenemente, no dia 17 de setembro do mesmo ano Instituto Nacional de Educação de Surdos – INES • primeira denominação Collégio Nacional para Surdos-Mudos, criado por E.Huet, começou a funcionar em 1º de janeiro de 1856, • Em 1993, um projeto de Lei deu início a uma longa batalha de legalização e regulamentação em âmbito federal, culminando com a criação da Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002, que reconhece a Língua Brasileira de Sinais, seguida pelo Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005, que a regulamenta.
  • 5. A constituição de 1891 instaurou o federalismo e definiu as responsabilidades pela política educacional: aos estados e municípios do ensino primário ao profissionalizante, e à união, o ensino secundário e superior. na década de vinte, aparece o livro intitulado Infância Retardatária, de Norberto de Souza Pinto. chega ao Brasil em 1929 Helena Antipoff, uma psicóloga russa que se radicou no país e influenciou o panorama nacional da educação especial. criou o Laboratório de Psicologia Aplicada na Escola de Aperfeiçoamento de Professores, em Minas Gerais, em 1929. Helena Antipoff Em 1932 criou a Sociedade Pestalozzi de Minas Gerais, que a partir de 1945, iria se expandir no país. Em 1939 ela criou uma escola para crianças excepcionais, Complexo Educacional da Fazenda do Rosário participou ativamente do movimento que culminou na implantação da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - APAE em 1954, Em 1967 a Sociedade Pestalozzi do Brasil contava com 16 instituições espalhadas pelo país.
  • 6. • A educação especial foi estabelecida como uma das prioridades do I Plano Setorial de Educação e Cultural (1972- 1974) e foi neste contexto que surgiu em junho de 1973, o Decreto 72.425, de 3 de julho de 1973, que criou o Centro Nacional de Educação Especial (Cenesp), junto ao Ministério de Educação; que iria se constituir no primeiro órgão educacional do governo federal, responsável pela definição da política de educação especial. • No final da década de setenta são implantados os primeiros cursos de formação de professores na área de educação especial ao nível do terceiro grau e os primeiros programas de pós-graduação a se dedicarem à área de educação especial.
  • 7. ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL Podemos, pois, afirmar que a história da educação de pessoas com deficiência no Brasil está dividida entre três grandes períodos: de 1854 a 1956 - marcado por iniciativas de caráter privado; de 1957 a 1993 – definido por ações oficiais de âmbito nacional; de 1993.... – caracterizado pelos movimentos em favor da inclusão escolar. • Segregação – Paradigma de institucionalização. • Integração - Paradigma de Serviços. • Inclusão - Paradigma de Suporte.
  • 8. • Modelo assistencialista no qual a instituição tinha caráter de internato e as pessoas eram retiradas do convívio familiar e social para viver em instituições asilares. SEGREGAÇÃO • A LDB 4024/61, no seu artigo 88 previa que “a educação de excepcionais deve, no que for possível, enquadrar-se no sistema geral de educação, a fim de integrá-los na comunidade”. • Os alunos frequentavam a escola regular, mas permaneciam, grande parte do tempo, em classes especiais, nas quais existiam professores especializados, que acabavam por ser responsáveis pela educação do aluno. INTEGRAÇÃO • A Constituição de 1988 afirma que “a educação é direito de todos e dever do estado e da família”, devendo ser “promovida e incentivada com a colaboração da sociedade” (art. 205). INCLUSÃO
  • 11. 2006 Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2008 Decreto Legislativo 186 Ratifica a Convenção Decreto Executivo 6.949 Ratifica a Conveção Decreto 6.571 Dispõe sobre o Atendimento Educacional Especializado 2008 Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva 2008 2009 2009 Resolução no. 4 Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica 2007 Cenário Educacional – Principais Marcos Legais 2008
  • 12. CNE/CEBNº17/2001 Leinº12.764/2012 DECRETO Nº 8.368, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Torna Oficial e explicito a obrigatoriedade e responsabilidades com relação ao profissional especializado/ Mediador. § 2o Caso seja comprovada a necessidade de apoio às atividades de comunicação, interação social, locomoção, alimentação e cuidados pessoais, a instituição de ensino em que a pessoa com transtorno do espectro autista ou com outra deficiência estiver matriculada disponibilizará acompanhante especializado no contexto escolar, nos termos do parágrafo único do art. 3o da Lei no 12.764, de 2012.
  • 15. ESTATÍSTICA DO TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO Em 2007 Com uma população de cerca de 190 milhões de pessoas havia cerca de 1 milhão de casos de autismo. Em 2014 esse número subiu para 2 Milhões, seguindo as bases da ONU;
  • 16. CONSTRUINDO TRILHAS PARA A INCLUSÃO • COLOCAR UMA FIGURA DA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO CAMINHO
  • 17. OS ATUAIS PARAMETROS EDUCACIONAIS OS ASPECTOS DE ADAPTAÇÃO CURRICULAR PARA UMA ABORDAGEM INCLUSIVA DEVEM PREVER: “ESTRATÉGIAS E CRITÉRIOS DE ATUAÇÃO DOCENTE, ADMITINDO DECISÕES QUE OPORTUNIZAM ADEQUAR A AÇÃO EDUCATIVA ESCOLAR ÀS MANEIRAS PECULIARES DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS, CONSIDERANDO QUE O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PRESSUPÕE ATENDER À DIVERSIFICAÇÃO DE NECESSIDADES DOS ALUNOS NA ESCOLA” (MEC/SEESP/SEB, 1998).
  • 18. Não é um novo currículo, mas um currículo DINÂMICO, ALTERÁVEL, passível de ampliação, para que atenda realmente a todos os educandos. Nessas circunstâncias, as adaptações curriculares implicam a planificação pedagógica e as ações docentes fundamentadas em critérios que definem: 1 - O que o aluno deve aprender; 2 - Como e quando aprender; 3 - Que formas de organização de ensino são mais eficientes para o processo de aprendizagem; 4 - Como e quando avaliar o aluno.
  • 19. RESOLUÇÃO CURRÍCULO NACIONAL DA EDUCAÇÃO – Nº 02/01 “ARTIGO 8 – AS ESCOLAS DA REDE REGULAR DE ENSINO DEVEM PREVER E PROVER NA ORGANIZAÇÃO DE SUAS CLASSES COMUNS: III – FLEXIBILIZAÇÃO E ADAPTAÇÕES CURRICULARES QUE CONSIDEREM O SIGNIFICADO PRÁTICO E INSTRUMENTAL DOS CONTEÚDOS BÁSICOS, METODOLOGIAS DE ENSINO, RECURSOS DIDÁTICOS DIFERENCIADOS E PROCESSOS DE AVALIAÇÃO ADEQUADOS AO DESENVOLVIMENTO DOS ALUNOS QUE APRESENTAM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS, EM CONSONÂNCIA COM O PROJETO PEDAGÓGICO DA ESCOLA, RESPEITADA A FREQUÊNCIA OBRIGATÓRIA.”
  • 20. ADAPTAÇÃO CURRICULAR DE PEQUENO PORTE Repetição da série Programas de reforço e apoio (SAPE) Adaptações em grupo Adaptações de grande porte, extraordinárias e significativas
  • 21. NÍVEIS ADAPTAÇÕES CURRICULARES CENTRAIS ADAPTAÇÕES CURRICULARES INDIVIDUALIZADAS ADAPTAÇÕES NOS ELEMENTOS CURRICULARES BÁSICOS ADAPTAÇÕES NOS ELEMENTOS DE ACESSO AO CURRÍCULO ADAPTAÇÕES CURRICULARES NA AULA ADAPTAÇÃO NOS ELEMENTOS DE ACESSO ADAPTAÇÕES MATERIAIS UTILIZAÇÃO DE OUTROS RECURSOS MUDANÇA NA ORGANIZAÇÃO ADAPTAÇÕES NOS ELEMENTOS CURRICULARES BÁSICOS OBJETIVOS CONTEÚDOS METODOLOGIA ATIVIDADES AVALIAÇÃO
  • 22. ADAPTAÇÃO CURRICULAR DE GRANDE PORTE Adaptações de Acesso ao Currículo Adaptação de Conteúdos do Método de Ensino e da Organização Didática. Adaptação de Sistema de Avaliação Adaptação de Objetivos Adaptação deTemporalidade
  • 23. O PROFESSOR INCLUSIVO Nenhum de nós pode fazer as coisas mais importantes sozinho. A parceria e a colaboração são o caminho para enfrentar todos os desafios (autor desconhecido). O papel do professor, numa escola que se pauta nos princípios de uma Educação Inclusiva, é de facilitador no processo de busca de conhecimento que parte do aluno. Ele é quem organiza situações de aprendizagem adequadas às diferentes condições e competências, oferecendo oportunidade de desenvolvimento pleno para todos os alunos. A ação pedagógica do professor deve ser detalhadamente planejada de forma a suprir as necessidades educacionais de cada aluno, criando condições que proporcionam e favorecem a sua aprendizagem, superando as barreiras antes existentes
  • 24. Principais problemas na opinião dos professores para o sucesso da inclusão. 1 – Estamos “ Engatinhando” no que se refere a inclusão 2 – Os professores se sentem muito inseguros diante dos desafios e da falta de conhecimento. 3 – O foco do processo deve ser a aprendizagem do professor e do aluno. 4 – É necessário o acolhimento dos pais, para nos orientar quanto a criança. 5 – É difícil, mas é possível, só precisamos saber como fazer, ter treinamento e capacitação para lidar com o novo. “A tristeza vem quando me deparo com a realidade das nossas escolas. Pergunto-me porque será que muitos professores resistem tanto a uma pedagogia diferenciada, que gere inclusão, quando, para mim e para tantos outros professores, a sua pertinência é tão óbvia”. ( M.G – Rio de Janeiro/RJ )
  • 25. “A EDUCAÇÃO É O PONTO EM QUE SE DECIDE QUE SE AMA SUFICIENTEMENTE O MUNDO PARA ASSUMIR RESPONSABILIDADES POR ELE, E O LUGAR EM QUE SE DECIDE QUE SE AMA SUFICIENTEMENTE AS CRIANÇAS PARA NÃO AS EXPULSAR DO NOSSO MUNDO” ( Hannah Arendt)
  • 27. ANNE SULLIVAN E HELEN KELLER
  • 28. Anne Sullivan foi uma educadora estadunidense, mais conhecida por ter sido a professora de Helen Keller, uma adolescente surda-cega a quem ensinou por meio da Língua de sinais através do tato. Anne Sullivan também era deficiente; havia sido quase cega, mas depois de nove operações, recuperou alguns graus da visão. Alexander Graham Bell, Andrew Carnegie, Henry H. Rogers e John Spaulding foram apenas alguns dos que as encontraram e as apoiaram, Depois de recuperar parte de sua visão de uma série de operações e de se graduar como a oradora da sala em 1886 no Instituto Perkins para Cegos, ela começou sua longa carreira como professora de Helen Keller. Anne não recuperou sua visão total, mas ao final de sua vida recebeu o reconhecimento da UniversidadeTemplo , o Instituto Educacional da Escócia e a Fundação Memorial Roosevelt pelo ensinamento e desenvolvimento de Helen Keller.
  • 29. Helen Adams Keller foi uma escritora, conferencista e ativista social estadunidense. Foi a primeira pessoa surda e cega a conquistar um bacharelado. A história sobre como sua professora, Anne Sullivan, conseguiu romper o isolamento imposto pela quase total falta de comunicação, permitindo à menina florescer enquanto aprendia a se comunicar, tornou-se amplamente conhecida através do roteiro da peçaThe MiracleWorker que virou o filme O Milagre de Anne Sullivan Tornou-se uma célebre e prolífica escritora, filósofa e conferencista, uma personagem famosa pelo extenso trabalho que desenvolveu em favor das pessoas portadoras de deficiência. Keller viajou muito e expressava de forma contundente suas convicções. Membro do Socialist Party of America e do IndustrialWorkers of theWorld, participou das campanhas pelo voto feminino, direitos trabalhistas, socialismo e outras causas de esquerda. Ela foi introduzida no Alabama Women's Hall of Fame em 1971.
  • 31. EMANOELE FREITAS ESCRITORA, PALESTRANTE, MEDIADORA, FUNDADORA E PRESIDENTE DA AAPA.ORG MÃE DE AUTISTA E SONHADORA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA E REAL!!!! CONTATOS FACEBOOK/EMANOELE FREITAS TEL: 99114-5973 / 3488-3002 WEB: www.euemeuautista.blogspot.com E-MAIL: emanoele@aapa-autismo.org.br