SlideShare uma empresa Scribd logo
Trovadorismo (literatura portuguesa)
Contexto histórico
1ª Época Medieval
Trovadorismo: corresponde à primeira fase da história de Portugal e está intimamente ligado à
formação do país como reino independente.
O conjunto de suas manifestações literárias reúne os poemas feitos por trovadores para serem
cantados em feiras, festas e castelos nos últimos séculos da Idade Média.
Poesia trovadoresca: pode ser dividida em dois gêneros: lírico e satírico. O gênero lírico se
subdivide em duas categorias (cantigas de amigo e cantigas de amor) e o satírico é caracterizado
pelas cantigas de escárnio e cantigas de maldizer.
Com o que ficar atento? Dicas para o vestibular:
Cantigas de amor: o trovador assume um eu-lírico masculino e se dirige à mulher amada como uma
figura idealizada e distante. Ele se coloca na posição de fiel vassalo, a serviço de sua senhora - a
dama da corte -, fazendo desse amor um objeto de sonho, distante e impossível.
Cantigas de amigo: têm origem popular, eu-lírico feminino e marcas evidentes da literatura oral
(reiterações, paralelismo, refrão e estribilho). Esses recursos, típicos dos textos orais, facilitam a
memorização e execução das cantigas.
Cantiga de escárnio: são composições em que se critica alguém através da zombaria do sarcasmo.
Trazem sátiras indiretas por encobrir a agressividade através do equívoco e da ambiguidade.
Cantigas de maldizer: apresentam sátira direta, contundente e clara. Muitas vezes, há trechos de
baixo calão e a pessoa alvo da cantiga é citada nominalmente.
Como já caiu no vestibular?
A produção trovadoresca se desenvolveu na região de Castela, Galícia, Leão e Aragão (todas na
atual Espanha) entre o final do século 12 e meados do século 14. Ela constitui amplo repositório de
informações não apenas literárias, mas também históricas. Portanto, pode aparecer em questões de
literatura e de história.
Dicas para o vestibular
O trovadorismo reflete o ambiente religioso e as relações de poder típicos da Idade Média –
caracterizados, principalmente, pela visão teocêntrica de mundo e a servilidade do homem perante a
Igreja.
Como já caiu no vestibular?
1. (Mackenzie - SP) Sobre a poesia trovadoresca em Portugal, é incorreto afirmar que:
a) refletiu o pensamento da época, marcada pelo teocentrismo, o feudalismo e valores altamente
moralistas.
b) representou um claro apelo popular à arte, que passou a ser representada por setores mais baixos
da sociedade.
c) pode ser dividida em lírica e satírica.
d) em boa parte de sua realização, teve influência provençal.
e) as cantigas de amigo, apesar de escritas por trovadores, expressam o eu-lírico feminino.
Gabarito
1. Resposta correta: B
Comentário: A produção trovadoresca gravitou sempre em torno da corte e refletia as regras do amor
cortês, tendo sido produzida por nobres no ambiente palaciano. Portanto, não há como relacioná-la
às camadas mais baixas da sociedade.
2. (UEL - PR) Sobre a cultura medieval ocidental, considere as seguintes afirmativas:
I - A maioria dos "não-romanos" desconhecia a escrita e utilizava-se da oralidade para orientar a vida
social.
II - No campo da Filosofia, verificou-se a influência do pensamento escolástico, que retomou o debate
entre fé e razão.
III - A arquitetura medieval caracterizou-se pela presença de grandes construções inspiradas em
motivos religiosos, como mosteiros e igrejas.
IV - O heroísmo da cavalaria e o amor, temas característicos da poesia trovadoresca, tornaram-se
comuns na literatura medieval.
Assinale a alternativa correta.
a) Apenas as afirmativas III e IV são verdadeiras.
b) Apenas as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
c) Apenas as afirmativas I, II e III são verdadeiras.
d) Apenas as afirmativas I, III e IV são verdadeiras.
e) Todas as afirmativas são verdadeiras.
Gabarito
2. Resposta correta: E
Comentário: Essa questão tem caráter claramente interdisciplinar e exige do candidato um
conhecimento que extrapola o âmbito da literatura, passando por arte, arquitetura, filosofia e
sociologia. Fique atento.
Humanismo (Portugal) -
2ª Época Medieval
Humanismo é o nome da produção literária do período situado entre o final da Idade Média e o
início da Idade Moderna. Ou seja, entre o século 15 e o início do 16.
Além da produção historiográfica de Fernão Lopes (aproximadamente 1380-1460), esse período
compreende a Poesia Palaciana e a produção teatral de Gil Vicente (aproximadamente 1465-
1536).
Crônica histórica
Fernão Lopes, considerado o introdutor da historiografia em Portugal, é o principal representante
do gênero. Sua obra contém ironia e crítica à sociedade portuguesa.
Mesmo centralizando sua crônica nas ações da família real, Fernão Lopes também investigou as
relações entre outras classes sociais e captou o sentimento coletivo da nação. Seu maior mérito
foi conciliar pesquisa histórica e qualidade literária.
Poesia palaciana
Essa poesia trata de assuntos da vida palaciana e reproduz a visão de mundo dos nobres e
fidalgos que a produziam. O amor é tratado de forma mais sensual e a mulher já não é tão
idealizada quanto no trovadorismo.
Teatro popular
Pai do teatro português, Gil Vicente também foi músico, ator e encenador. Sua obra trata de
muitos temas, sempre com uma abordagem caracterizada pela transição entre a Idade Média e o
Renascimento. Ou seja: do pensamento teocêntrico (marcado por elementos de religião, como
céu e inferno) ao humanista (marcado pelo antropocentrismo e racionalismo).
Com o que ficar atento?
Humanismo é o nome dado a um movimento cultural iniciado no século 14, na Itália. Ele se
caracteriza pelo estudo de textos gregos e latinos, transformados em modelos e fontes de
inspiração.
O Humanismo português (desenvolvido ao longo do século 15 e em parte do 16) produziu
manifestação literária de vários gêneros: prosa, poesia e teatro.
Como pode cair no vestibular?
Dois dos principais vestibulares do país (Fuvest e Unicamp) listaram como obra obrigatória o Auto
da Barca do Inferno, de Gil Vicente. Por isso, outros exames podem elaborar questões sobre o
teatro popular medieval.
Auto da Barca do Inferno - Conheça os personagens da peça de Gil Vicente
ANJO – arrais, ou seja, navegante da barca celeste.
DIABO E SEU COMPANHEIRO – conduzem a barca infernal.
FIDALGO – representa todos os nobres ociosos de Portugal.
ONZENEI RO – simboliza o pecado da usura e a classe dos agiotas.
PARVO – representa o povo português, rude e ignorante, porém bom de coração e temente a Deus.
FRADE – representa os maus sacerdotes.
BRÍSIDA VAZ – alcoviteira (cafetina), simboliza a degradação moral e a feitiçaria popular.
JUDEU – representa os infiéis, que são alheios à fé cristã.
CORREGEDOR E PROCURADOR – encarnam a burocracia jurídica da época.
ENFORCADO – é o símbolo da falta de fé e da perdição.
QUATRO CAVALEIROS – representam as cruzadas contra os mouros e a força da fé católica.
Como já caiu no vestibular?
1. (PUC - SP) Considerando a peça "Auto da Barca do Inferno" como um todo, indique a alternativa
que melhor se adapta à proposta do teatro vicentino.
a) Preso aos valores cristãos, Gil Vicente tem como objetivo alcançar a consciência do homem,
lembrando-lhe que tem uma alma para salvar.
b) As figuras do Anjo e do Diabo, apesar de alegóricas, não estabelecem a divisão maniqueísta do
mundo entre o Bem e o Mal.
c) As personagens comparecem nesta peça de Gil Vicente com o perfil que apresentavam na terra,
porém apenas o Onzeneiro e o Parvo portam os instrumentos de sua culpa.
d) Gil Vicente traça um quadro crítico da sociedade portuguesa da época, porém poupa, por questões
ideológicas e políticas, a Igreja e a Nobreza.
e) Entre as características próprias da dramaturgia de Gil Vicente, destaca-se o fato de ele seguir
rigorosamente as normas do teatro clássico.
GABARITO
1. Resposta correta: A
Comentário: A produção vicentina está fortemente arraigada a valores cristãos e, além da visão
maniqueísta, apresenta caráter notadamente didático e moralizante.
Classicismo (Portugal)
Classicismo: é a face literária do Renascimento, movimento de renovação científica, artística e
cultural que marca o fim da Idade Média e o nascimento da Idade Moderna na Europa. O
Renascimento é fruto do crescimento gradativo da burguesia comercial e das atividades econômicas
entre as cidades europeias.
Portugal
O Classicismo português começa em 1527, quando o poeta Francisco Sá de Miranda retorna da Itália
a Portugal com ideias de renovação literária (caso do soneto, nova forma de composição poética).
Camões
Mais importante autor do período em Portugal, Luís de Camões apresenta uma biografia incerta e
cheia de aventura. Uma das poucas certezas sobre sua vida é que foi soldado e perdeu o olho direito
combatendo na África. Sua produção poética foi rica e variada, abrangendo poesia lírica e épica.
Poesia épica
Em 1572, Camões publica Os Lusíadas, poema que celebrava feitos marítimos e guerreiros recentes
de Portugal. O livro também narra a história do país (de sua fundação mítica até o período histórico).
O herói do poema é o próprio povo português e o enredo gira em torno da viagem de Vasco da Gama
na busca de um novo caminho para as Índias. Escrito em dez cantos, Os Lusíadas tem 1.102 estrofes
(compostas em oitava-rima e versos decassílabos) e cinco partes.
Poesia lírica
Camões escreveu sua poesia lírica com versos na medida velha (versos redondilhos) e na medida
nova (versos decassílabos). É no soneto, contudo, que a lírica camoniana alcança seu ponto mais
alto: quer pela estrutura tipicamente silogística, quer pela constante dualidade entre o amor material e
o amor idealizado (platônico).
Com o que ficar atento?
O Renascimento envolveu um movimento intelectual que incentivou a recuperação de valores e
modelos da antiguidade clássica greco-romana. Isso desencadeou importantes transformações
políticas e econômicas na sociedade.
A preferência dos últimos exames recaiu sobre a épica camoniana, mas nada impede que a lírica
também seja abordada. Sobretudo, no que diz respeito ao tema do neoplatonismo e do desconcerto
do mundo.
(FGV-SP) Assinale a alternativa que completa corretamente a afirmação seguinte:
O movimento desenvolveu-se no apogeu político de Portugal; consiste numa concepção artística
baseada na imitação dos modelos clássicos gregos e latinos. Nele, o pensamento lógico predomina
sobre a emoção, e a estrutura da composição poética obedece a formas fixas, com a introdução da
medida nova, que convive com a medida velha das formas tradicionais.
Trata-se do:
a) Modernismo.b) Barroco.c) Romantismo.d) Classicismo.e) Realismo.
Gabarito :
Resposta correta: D
Comentário: Classicismo é a designação dada à tendência estética, literária, artística e filosófica que
reproduzia os ideais da antiguidade clássica.
O classicismo é um movimento cultural que valoriza e resgata elementos artísticos da cultura clássica
(greco-romana). Nas artes plásticas, teatro e literatura, o classicismo ocorreu no período
doRenascimento Cultural (séculos XIV ao XVI). Já na música, ele apareceu na metade do século
XVIII (Neoclassicismo).
Características do Classicismo:
- Valorização dos aspectos culturais e filosóficos da cultura das antigas Grécia e Roma;
- Influência do pensamento humanista;
- Antropocentrismo: o homem como o centro do Universo;
- Críticas às explicações e a visão de mundo pautada pela religião;
- Racionalismo: valorização das explicações baseadas na ciência;
- Busca do equilíbrio, rigor e pureza formal;
- Universalismo: abordagem de temas universais como, por exemplo, os sentimentos humanos.
Principais representantes do Classicismo dos séculos XIV ao XVI:
- Na literatura destacou-se o escritor português Camões, autor da grandiosa obra Os Lusíadas.
Podemos também destacar os escritores: Dante Alighieri, Petrarca e Boccacio.
- Nas artes plásticas, podemos destacar: Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafael Sanzio, Andrea
Mantegna, Claudio de Lorena entre outros.
Principais representantes do Neoclassicismo na música do século XVIII:
- Wolfgang Amadeus Mozart
- Joseph Haydn
- Ludwig van Beethoven
Vale deixar claro que essa cultura classicista formou-se duas grandes manifestações classicistas da
Idade Moderna europeia são o Renascimento e o Neoclassicismo.
Renascimento: redescoberta e revalorização das referências culturais da antiguidade clássica, que
nortearam as mudanças deste período em direção a um ideal humanista e naturalista.
Neoclassicismo: Também tem o interesse da Antiguidade clássica, porém surge com ideias
iluministas; pode-se também perceber conotações políticas com valores bem fortes como: honra,
dever e heroísmo;
Barroco (Portugal)
O Barroco português desenvolveu-se entre 1580 e 1756, época em que Portugal estava em profunda
crise econômica e social devido ao domínio da monarquia espanhola.
Padre Antônio Vieira
O melhor da produção barroca portuguesa encontra-se na obra do padre Antônio Vieira - político e
pregador de inteligência e sensibilidade acuradas, que sintetizou como poucos os conflitos do homem
barroco.
Chamado por Fernando Pessoa de "Imperador da Língua Portuguesa", Vieira explora em seus
sermões o melhor da retórica de sua época. Orador hábil e virtuoso, é também claro, engenhoso,
imaginativo e convincente.
Os sermões constituem o principal da obra de Vieira. Eles trazem a essência do estilo barroco: a
tentativa de promover uma síntese entre matéria e espírito. Nos sermões, Vieira busca cativar o
ouvinte despertando sua consciência e convidando-o a pensar e agir.
Divisão
No que toca à organização do discurso, a estética barroca apresenta duas tendências: o cultismo
(também chamado gongorismo) e o conceptismo (ou quevedismo).
Cultismo: caracteriza-se pelo uso de uma linguagem rebuscada, culta, extravagante e descritiva.
Tem como visível influência a produção do poeta espanhol Luís de Góngora y Argote.
Conceptismo: caracteriza-se pelo jogo de ideias e de conceitos, seguindo um raciocínio lógico,
racionalista. Entre seus principais difusores está o poeta espanhol Francisco de Quevedo.
Com o que ficar atento?
Os contrastes típicos do período Barroco revelam a tentativa de fundir a perspectiva antropocêntrica
(herdada do Renascimento) ao teocentrismo medieval (recuperado pela Contra-Reforma).
Como pode cair no vestibular?
Em língua portuguesa, o Barroco produziu manifestações em vários gêneros e formas - uma
variedade praticada não apenas como entretenimento intelectual, mas como forma de ação e debate.
A arquitetura do texto e o jogo de construções, correlações, paralelismo e simetrias que remetem não
apenas ao plano estético, mas também ao contexto histórico-social constroem um amplo painel
daquilo que pode ser explorado em questões sobre o Barroco em Portugal.
Como já caiu no vestibular?
Leia o seguinte fragmento, extraído do "Sermão de Santo Antônio", de Pe. Vieira.
"(...) o pão é comer de todos os dias, que sempre e continuamente se come: isto é o que padecem os
pequenos. São o pão cotidiano dos grandes; e assim como o pão se come com tudo, assim com tudo
e em tudo são comidos os miseráveis pequenos, não tendo, nem fazendo ofício em que os não
carreguem, em que os não multem, em que os não defraudem, em que os não comam, traguem e
devorem (...)"
No trecho, observa-se que Vieira
I. constrói a argumentação por meio da analogia, o que constitui um traço característico da prosa
vieiriana.
II. finaliza com uma gradação crescente a fim de dar ênfase à voracidade da exploração sofrida pelos
pequenos.
III. afirma, ao estabelecer uma comparação entre os humildes e o pão, alimento de consumo diário,
que a exploração dos pequenos é aceitável porque cotidiana.
Está (ão) correta (s)
a) apenas I.
b) apenas I e II.
c) apenas III.
d) apenas II e III.
e) I, II e III.
Gabarito :
Resposta correta: B
Comentário: A escolha inteligente de metáforas e analogias é uma das principais características dos
sermões de Vieira, que também procura cativar a plateia aproximando sua temática das questões de
ordem social e política.
Arcadismo (Portugal) - poesia de Bocage
Surgido na segunda metade do século 18, o Arcadismo (ou Neoclassicismo) caracteriza-se pelo o
espírito reformista e pela valorização antropocêntrica do saber racional - reflexo do desenvolvimento
tecnológico, social e científico do chamado "Século das Luzes".
Em Portugal, o Arcadismo inicia-se oficialmente em 1.756, data de fundação da Arcádia Lusitana
(sociedade poética em que artistas discutiam Arte e Literatura).
Bocage
A poesia de Bocage é marcada pelo erotismo e pela sátira de caráter social. Também se destacam
em sua obra duas vertentes líricas: a luminosa e etérea (em que o poeta se entrega inebriado à
evocação da beleza das suas amadas) e a noturna e pessimista (que manifesta a dor incomensurável
provocada pela indiferença, ingratidão e tirania de suas musas). Essas assimetrias refletem uma
personalidade complexa e multifacetada do autor, além do evidente jogo de contrários.
Com o que ficar atento?
A obra de Bocage reflete a instabilidade do período conturbado e de transição do século 18, em que
foi produzida. Por um lado, ela exibe as influências da cultura clássica. Por outro, mostra uma
tendência pré-romântica, que liberta das amarras da razão.
Bocage contrasta com o espírito neoclássico porque tende a falar mais sobre o sofrimento, o horror e
as trevas. Fornece, portanto, contraponto à visão iluminista de mundo (que tem na natureza o bem
supremo, fonte de toda bondade).
Como pode cair no vestibular?
A dualidade entre sentimento e razão é uma constante na obra de Bocage. O contraste entre a
exuberância do amor e a contenção e frieza racional do iluminismo é um excelente tema a ser
explorado nos vestibulares.
Como já caiu no vestibular?
(Unifesp-SP) Leia os versos do poeta português Bocage.
Vem, oh Marília, vem lograr comigo
Destes alegres campos a beleza,
Destas copadas árvores o abrigo.
Deixa louvar da corte a vã grandeza;
Quanto me agrada mais estar contigo,
Notando as perfeições da Natureza!
Nestes versos,
a) o poeta encara o amor de forma negativa por causa da fugacidade do tempo.
b) a linguagem, altamente subjetiva, denuncia características pré-românticas do autor.
c) a emoção predomina sobre a razão, numa ânsia de se aproveitar o tempo presente.
d) o amor e a mulher são idealizados pelo poeta, portanto, inacessíveis a ele.
e) o poeta propõe, em linguagem clara, que se aproveite o presente de forma simples junto à
natureza.
Gabarito
Resposta correta: E
Comentário: Com clareza e objetividade o poeta lança mão dos principais ingredientes da convenção
árcade: o ambiente campesino, o locus amoenus e a paisagem rústica despojada de atrativos
materiais.
Romantismo (Portugal)
O Romantismo está ligado à Revolução Industrial e à Revolução Francesa, dois acontecimentos que
mudaram a história da Europa e colocaram em evidência valores burgueses como o individualismo e
a desobediência aos valores pré-estabelecidos.
Em Portugal, o Romantismo começou com a publicação do poema Camões, de João de Almeida
Garrett. Escrito no momento em que o país se encontrava sob domínio inglês e enfrentava graves
perturbações políticas, o poema tenta resgatar o passado e o orgulho do povo português.
Gerações
O movimento romântico português durou quatro décadas e teve três períodos diferentes – cada um
com uma geração particular de autores.
Primeira geração: empenhada em implantar o Romantismo em Portugal, apresenta ainda influências
neoclássicas e certa preocupação com questões históricas e políticas. Entre seus autores, destacam-
se João de Almeida Garret e Alexandre Herculano - cujas produções tendem ao subjetivismo
extremado, ao medievalismo, ao nacionalismo e à idealização da mulher.
Segunda geração: consolida o movimento romântico em Portugal. Caracteriza-se pelas ideias do "mal
do século": negativismo, morbidez e sentimentalismo exagerado. O principal autor dessa tendência é
o romancista Camilo Castelo Branco, autor de estilo passional e pitoresco.
Terceira geração: livre dos exageros ultrarromânticos, apresenta espontaneidade lírica e musical.
Sobressaem-se nesse período a poesia de João de Deus e a prosa de Júlio Dinis.
Com o que ficar atento?
Combinando originalidade e subjetivismo, o Romantismo considera a imaginação superior à razão e à
beleza. Os românticos, livres do racionalismo do Arcadismo, promoveram uma verdadeira revolução
na produção estética europeia da primeira metade do século 19.
Como pode cair no vestibular?
Questões sobre o tema costumam lembrar que tudo o que é escrito no Romantismo parte de uma
perspectiva individual e subjetiva. Além disso, muitas perguntas giram em torno do grande projeto
literário do Romantismo: a criação de uma identidade estética para a arte burguesa.
Como já caiu no vestibular?
(Mackenzie -SP) É uma característica da obra de Camilo Castelo Branco:
a) a influência rica em sua poesia de símbolos, imagens alegóricas e construções.
b) a oscilação entre o lirismo e o sarcasmo, deixando páginas de autêntica dramaticidade, vibrando
com personagens que comumente intervêm no enredo, tecendo comentários piedosos, indignados ou
sarcásticos.
c) a busca de uma forma adequada para conter o sentimentalismo do passado e das formas
românticas.
d) o fato de deixar ao mundo um alerta sobre o mal-estar trazido pela civilização moderna e
industrializada.
e) o apego ao conto como principal realização literária, através do qual se tornou um dos autores
mais respeitados na literatura portuguesa.
Gabarito
Resposta correta: B
Comentário: O tom dramático e passional das novelas e romances de Camilo, muitas vezes é
acompanhado de certo desengano, do qual resulta uma visão sarcástica e contundente.
Realismo (Português)
Preocupando-se com a verdade dos fatos e a realidade concreta, o Realismo surge como reação ao
idealismo e ao subjetivismo românticos. Inicia-se na França, em 1857, com o romance Madame
Bovary, de Gustav Flaubert.
Em Portugal, o Realismo começa com a polêmica entre seus partidários e seguidores
do Romantismo- a chamada Questão Coimbrã. A discussão envolve António Feliciano de Castilho -
que escreve posfácio para o livro Poema da Mocidade, de Pinheiro Chagas - e Antero de Quental -
que critica Castilho e defende o ideário realista no opúsculo Bom senso e bom gosto.
Poesia
Antero de Quental: adotando uma postura oposta ao lirismo ultrarromântico, defende a missão social
da poesia e apresenta em sua obra uma busca filosófica da verdade através da própria experiência.
Cesário Verde: também se afasta do lirismo tradicional português, sobretudo pelo tratamento que dá
a temas como cidade, amor e mulher. Buscando espontaneidade, usa estilo que valoriza a linguagem
concreta e o tom coloquial. "Poeta dos sentidos", constrói imagens com muitas cores, formas e sons.
Essa visão plástica do mundo antecipa a postura assumida por Fernando Pessoa na pele de seu
Heterônimo Alberto Caeiro.
Prosa
Eça de Queirós: admirador de Gustav Flaubert, Émile Zola e Honoré de Balzac, produz romances
marcados pelo uso do determinismo e do impressionismo para construir críticas (à burguesia e ao
clero, por exemplo). Dono de um estilo direto e contundente, é hábil na descrição de locais e
comportamentos. O pessimismo, o humor e a ironia com que constrói personagens são tipicamente
realistas.
Com o que ficar atento?
Orientado para a análise psicológica da sociedade, o romance realista tem como tema a riqueza e a
miséria resultantes do crescimento desordenado dos grandes centros urbanos. Por isso, seus heróis
são indivíduos em conflito com o meio em que estão.
Como pode cair no vestibular?
As transformações sociais ocorridas a partir da segunda metade do século 19 ocasionaram o
aparecimento de novas maneiras de pensar e explicar o mundo capitalista. Por isso, as diversas
doutrinas surgidas nessa época são tema frequente das questões sobre o Realismo. As provas
também costumam perguntar sobre o interesse realista pelo funcionamento e organização da
sociedade, o racionalismo, a objetividade e a dinâmica social retratada pelos artistas do período.
Como já caiu no vestibular?
(Fuvest-SP) Ao criticar O Primo Basílio, Machado de Assis afirmou: "(...) a Luísa é um caráter
negativo, e no meio da ação ideada pelo autor, é antes um títere que uma pessoa moral."
Títere é um boneco mecânico, acionado por cordéis controlados por um manipulador. Nesse sentido,
as personagens que, principalmente, manipulam Luísa, determinando-lhe o modo de agir, são:
a) Basílio e Juliana.
b) Jorge e Justina.
c) Jorge, Conselheiro Acácio e Juliana.
d) Basílio, Leopoldina e Conselheiro Acácio.
e) Jorge e Leopoldina.
Gabarito
Resposta correta: A
Comentário: Em sua crítica ao romance de Eça de Queirós, Machado condena uma das principais
características da prosa de viés naturalista de Portugal: o determinismo biológico e social.
Simbolismo (Portugal)
O Simbolismo começou em 1857 com a publicação de As flores do Mal, de Charles Baudelaire (1821
– 1867). Esteticamente, os simbolistas se opuseram às propostas do Realismo na Europa. Em
Portugal, o movimento iniciou-se com o livro Oaristos (1890), de Eugénio de Castro (1869 – 1944).
Autores
Antônio Nobre (1867 – 1900): trata a temática da saudade enfatizando a musicalidade e a utilização
de imagens estranhas e inesperadas. Sua obra apresenta a idealização da infância e do campo em
contraposição à decadência do espaço urbano.
Camilo Pessanha (1867 - 1926): utiliza uma linguagem moderna, que passa ao largo dos simbolistas
convencionais, para discutir questões existenciais. A obra de Pessanha apresenta um simbolismo
arrebatado, considerado o verdadeiro sentimento simbolista para muitos críticos.
Com o que ficar atento?
Os artistas simbolistas dão ênfase a temas místicos, imaginários e subjetivos. Produzem poesia de
caráter individualista, descartam a lógica e a razão e valorizam a intuição. Usam sinestesias e figuras
sonoras – como assonância e a aliteração – para criar musicalidade e despertar os sentidos. Para
sugerir a imagem de objetos, usam símbolos.
O Simbolismo é um contraponto à rigidez parnasiana e à subjetividade ausente de sentimentalismo
da estética romântica.
Como pode cair no vestibular?
Sobre certos aspectos, o Simbolismo resgata o gosto romântico pelo vago e pelo impreciso e essa
relação embasa muitas questões. Também são comuns as perguntas sobre o pessimismo e a
efemeridade da vida que aparecem nas obras simbolistas.
Como já caiu no vestibular?
1. (Mackenzie)
Chorai, arcadas
Do violoncelo!
Convulsionadas
Pontes aladas
De pesadelo ...
Trêmulos astros...
Soidões* lacustres...
- Lemes e mastros...
E os alabastros
Dos balaústres!
soidões – solidões.
Camilo Pessanha
Assinale a alternativa correta sobre o texto.
a) Destaca a expressão egocêntrica do sofrimento amoroso, de nítida influência romântica.
b) Recupera da lírica trovadoresca a redondilha maior, a estrutura paralelística e os versos brancos.
c) A influência do Futurismo italiano é comprovada pela presença de frases nominais curtas e
temática onírica.
d) A linguagem grandiloquente, as metáforas cósmicas e o pessimismo exacerbado comprovam o
estilo condoreiro.
e) A valorização de recursos estilísticos relacionados ao ritmo e à sonoridade é índice do estilo
simbolista.
GABARITO
Resposta correta: E
Comentário: È característica marcante do simbolismo a aproximação entre música e poesia. Nesse
poema em particular Camilo Pessanha explora esse recurso através do uso de assonâncias e
aliterações.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Nivaldo Marques
 
Aula 03 classicismo
Aula 03   classicismoAula 03   classicismo
Aula 03 classicismo
Jonatas Carlos
 
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
ma.no.el.ne.ves
 
Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parna...
Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parna...Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parna...
Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parna...
ma.no.el.ne.ves
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
Sinziana Socol
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Edcléia Xavier
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Exercícios Literatura (Romantismo)
Exercícios Literatura (Romantismo)Exercícios Literatura (Romantismo)
Exercícios Literatura (Romantismo)
Andriane Cursino
 
Trovadorismo humanismo e classicismo
Trovadorismo  humanismo e classicismoTrovadorismo  humanismo e classicismo
Trovadorismo humanismo e classicismo
NaraSomerhalder
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
Raika Barreto
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Hildalene Pinheiro
 
Literatura portuguesa
Literatura portuguesaLiteratura portuguesa
Literatura portuguesa
cassab96
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
Sinziana Socol
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
Brenda Tacchelli
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
rosangelajoao
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
Helena Perdigão
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
José Ricardo Lima
 

Mais procurados (20)

Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
 
Aula 03 classicismo
Aula 03   classicismoAula 03   classicismo
Aula 03 classicismo
 
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
Revisando a literatura imperial 01: Romantismo, Realismo, Parnasianismo e Sim...
 
Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parna...
Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parna...Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parna...
Revisando a literatura imperial, 02: Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parna...
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exercícios Literatura (Romantismo)
Exercícios Literatura (Romantismo)Exercícios Literatura (Romantismo)
Exercícios Literatura (Romantismo)
 
Trovadorismo humanismo e classicismo
Trovadorismo  humanismo e classicismoTrovadorismo  humanismo e classicismo
Trovadorismo humanismo e classicismo
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Literatura portuguesa
Literatura portuguesaLiteratura portuguesa
Literatura portuguesa
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 

Destaque

Contosdefadas
ContosdefadasContosdefadas
Contosdefadas
Vanessa Casaro
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º ano
Colégio Santa Luzia
 
Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013
Esquadrão Do Conhecimento
 
Marie l v Franz - A interpretacao dos contos de fada
Marie l v Franz - A interpretacao dos contos de fadaMarie l v Franz - A interpretacao dos contos de fada
Marie l v Franz - A interpretacao dos contos de fada
Leandro Scrifter
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 
Arte e Literatura Romanas
Arte e Literatura RomanasArte e Literatura Romanas
Arte e Literatura Romanas
CPH
 
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionadosA verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
Renata Maria
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Gabriel Alves
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
bruno03051997
 
Resumo Literatura
Resumo LiteraturaResumo Literatura
Resumo Literatura
Larissa Lima
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Angela Santos
 

Destaque (11)

Contosdefadas
ContosdefadasContosdefadas
Contosdefadas
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º ano
 
Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013
 
Marie l v Franz - A interpretacao dos contos de fada
Marie l v Franz - A interpretacao dos contos de fadaMarie l v Franz - A interpretacao dos contos de fada
Marie l v Franz - A interpretacao dos contos de fada
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Arte e Literatura Romanas
Arte e Literatura RomanasArte e Literatura Romanas
Arte e Literatura Romanas
 
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionadosA verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Resumo Literatura
Resumo LiteraturaResumo Literatura
Resumo Literatura
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 

Semelhante a Resumo literatura portuguesa20143anoEM

Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
CindiaAianaFariaLima1
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
Portal do Vestibulando
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
Karen Olivan
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Revisão – literatura II
Revisão – literatura IIRevisão – literatura II
Revisão – literatura II
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
A literatura portuguesa
A literatura portuguesaA literatura portuguesa
A literatura portuguesa
Professora Cleusa da Paz
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
Nataly Silva
 
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptxAula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
JaquelineFernandes79
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
CiceroMarcosSantos1
 
Camões
Camões Camões
Camões
Filipe Ferreira
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
PATRICIA VIANA
 
Literatura E Teatro Na Idade Média
Literatura E Teatro Na Idade MédiaLiteratura E Teatro Na Idade Média
Literatura E Teatro Na Idade Média
kelvin45170
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Simone Giglio
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
mariasantos1451
 
Simulado lit-prise 1 ok
Simulado lit-prise 1 okSimulado lit-prise 1 ok
Simulado lit-prise 1 ok
Shislaine Mary Carvalho
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
heleira02
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
Lidiane Rodrigues
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo

Semelhante a Resumo literatura portuguesa20143anoEM (20)

Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Revisão – literatura II
Revisão – literatura IIRevisão – literatura II
Revisão – literatura II
 
A literatura portuguesa
A literatura portuguesaA literatura portuguesa
A literatura portuguesa
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptxAula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
Camões
Camões Camões
Camões
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
Literatura E Teatro Na Idade Média
Literatura E Teatro Na Idade MédiaLiteratura E Teatro Na Idade Média
Literatura E Teatro Na Idade Média
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
 
Simulado lit-prise 1 ok
Simulado lit-prise 1 okSimulado lit-prise 1 ok
Simulado lit-prise 1 ok
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 

Último

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 

Resumo literatura portuguesa20143anoEM

  • 1. Trovadorismo (literatura portuguesa) Contexto histórico 1ª Época Medieval Trovadorismo: corresponde à primeira fase da história de Portugal e está intimamente ligado à formação do país como reino independente. O conjunto de suas manifestações literárias reúne os poemas feitos por trovadores para serem cantados em feiras, festas e castelos nos últimos séculos da Idade Média. Poesia trovadoresca: pode ser dividida em dois gêneros: lírico e satírico. O gênero lírico se subdivide em duas categorias (cantigas de amigo e cantigas de amor) e o satírico é caracterizado pelas cantigas de escárnio e cantigas de maldizer. Com o que ficar atento? Dicas para o vestibular: Cantigas de amor: o trovador assume um eu-lírico masculino e se dirige à mulher amada como uma figura idealizada e distante. Ele se coloca na posição de fiel vassalo, a serviço de sua senhora - a dama da corte -, fazendo desse amor um objeto de sonho, distante e impossível. Cantigas de amigo: têm origem popular, eu-lírico feminino e marcas evidentes da literatura oral (reiterações, paralelismo, refrão e estribilho). Esses recursos, típicos dos textos orais, facilitam a memorização e execução das cantigas. Cantiga de escárnio: são composições em que se critica alguém através da zombaria do sarcasmo. Trazem sátiras indiretas por encobrir a agressividade através do equívoco e da ambiguidade. Cantigas de maldizer: apresentam sátira direta, contundente e clara. Muitas vezes, há trechos de baixo calão e a pessoa alvo da cantiga é citada nominalmente. Como já caiu no vestibular? A produção trovadoresca se desenvolveu na região de Castela, Galícia, Leão e Aragão (todas na atual Espanha) entre o final do século 12 e meados do século 14. Ela constitui amplo repositório de informações não apenas literárias, mas também históricas. Portanto, pode aparecer em questões de literatura e de história. Dicas para o vestibular O trovadorismo reflete o ambiente religioso e as relações de poder típicos da Idade Média – caracterizados, principalmente, pela visão teocêntrica de mundo e a servilidade do homem perante a Igreja. Como já caiu no vestibular? 1. (Mackenzie - SP) Sobre a poesia trovadoresca em Portugal, é incorreto afirmar que: a) refletiu o pensamento da época, marcada pelo teocentrismo, o feudalismo e valores altamente moralistas. b) representou um claro apelo popular à arte, que passou a ser representada por setores mais baixos da sociedade. c) pode ser dividida em lírica e satírica. d) em boa parte de sua realização, teve influência provençal. e) as cantigas de amigo, apesar de escritas por trovadores, expressam o eu-lírico feminino. Gabarito 1. Resposta correta: B Comentário: A produção trovadoresca gravitou sempre em torno da corte e refletia as regras do amor cortês, tendo sido produzida por nobres no ambiente palaciano. Portanto, não há como relacioná-la às camadas mais baixas da sociedade.
  • 2. 2. (UEL - PR) Sobre a cultura medieval ocidental, considere as seguintes afirmativas: I - A maioria dos "não-romanos" desconhecia a escrita e utilizava-se da oralidade para orientar a vida social. II - No campo da Filosofia, verificou-se a influência do pensamento escolástico, que retomou o debate entre fé e razão. III - A arquitetura medieval caracterizou-se pela presença de grandes construções inspiradas em motivos religiosos, como mosteiros e igrejas. IV - O heroísmo da cavalaria e o amor, temas característicos da poesia trovadoresca, tornaram-se comuns na literatura medieval. Assinale a alternativa correta. a) Apenas as afirmativas III e IV são verdadeiras. b) Apenas as afirmativas II, III e IV são verdadeiras. c) Apenas as afirmativas I, II e III são verdadeiras. d) Apenas as afirmativas I, III e IV são verdadeiras. e) Todas as afirmativas são verdadeiras. Gabarito 2. Resposta correta: E Comentário: Essa questão tem caráter claramente interdisciplinar e exige do candidato um conhecimento que extrapola o âmbito da literatura, passando por arte, arquitetura, filosofia e sociologia. Fique atento. Humanismo (Portugal) - 2ª Época Medieval Humanismo é o nome da produção literária do período situado entre o final da Idade Média e o início da Idade Moderna. Ou seja, entre o século 15 e o início do 16. Além da produção historiográfica de Fernão Lopes (aproximadamente 1380-1460), esse período compreende a Poesia Palaciana e a produção teatral de Gil Vicente (aproximadamente 1465- 1536). Crônica histórica Fernão Lopes, considerado o introdutor da historiografia em Portugal, é o principal representante do gênero. Sua obra contém ironia e crítica à sociedade portuguesa. Mesmo centralizando sua crônica nas ações da família real, Fernão Lopes também investigou as relações entre outras classes sociais e captou o sentimento coletivo da nação. Seu maior mérito foi conciliar pesquisa histórica e qualidade literária. Poesia palaciana Essa poesia trata de assuntos da vida palaciana e reproduz a visão de mundo dos nobres e fidalgos que a produziam. O amor é tratado de forma mais sensual e a mulher já não é tão idealizada quanto no trovadorismo. Teatro popular Pai do teatro português, Gil Vicente também foi músico, ator e encenador. Sua obra trata de muitos temas, sempre com uma abordagem caracterizada pela transição entre a Idade Média e o Renascimento. Ou seja: do pensamento teocêntrico (marcado por elementos de religião, como céu e inferno) ao humanista (marcado pelo antropocentrismo e racionalismo).
  • 3. Com o que ficar atento? Humanismo é o nome dado a um movimento cultural iniciado no século 14, na Itália. Ele se caracteriza pelo estudo de textos gregos e latinos, transformados em modelos e fontes de inspiração. O Humanismo português (desenvolvido ao longo do século 15 e em parte do 16) produziu manifestação literária de vários gêneros: prosa, poesia e teatro. Como pode cair no vestibular? Dois dos principais vestibulares do país (Fuvest e Unicamp) listaram como obra obrigatória o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente. Por isso, outros exames podem elaborar questões sobre o teatro popular medieval. Auto da Barca do Inferno - Conheça os personagens da peça de Gil Vicente ANJO – arrais, ou seja, navegante da barca celeste. DIABO E SEU COMPANHEIRO – conduzem a barca infernal. FIDALGO – representa todos os nobres ociosos de Portugal. ONZENEI RO – simboliza o pecado da usura e a classe dos agiotas. PARVO – representa o povo português, rude e ignorante, porém bom de coração e temente a Deus. FRADE – representa os maus sacerdotes. BRÍSIDA VAZ – alcoviteira (cafetina), simboliza a degradação moral e a feitiçaria popular. JUDEU – representa os infiéis, que são alheios à fé cristã. CORREGEDOR E PROCURADOR – encarnam a burocracia jurídica da época. ENFORCADO – é o símbolo da falta de fé e da perdição. QUATRO CAVALEIROS – representam as cruzadas contra os mouros e a força da fé católica. Como já caiu no vestibular? 1. (PUC - SP) Considerando a peça "Auto da Barca do Inferno" como um todo, indique a alternativa que melhor se adapta à proposta do teatro vicentino. a) Preso aos valores cristãos, Gil Vicente tem como objetivo alcançar a consciência do homem, lembrando-lhe que tem uma alma para salvar. b) As figuras do Anjo e do Diabo, apesar de alegóricas, não estabelecem a divisão maniqueísta do mundo entre o Bem e o Mal. c) As personagens comparecem nesta peça de Gil Vicente com o perfil que apresentavam na terra, porém apenas o Onzeneiro e o Parvo portam os instrumentos de sua culpa. d) Gil Vicente traça um quadro crítico da sociedade portuguesa da época, porém poupa, por questões ideológicas e políticas, a Igreja e a Nobreza. e) Entre as características próprias da dramaturgia de Gil Vicente, destaca-se o fato de ele seguir rigorosamente as normas do teatro clássico. GABARITO 1. Resposta correta: A Comentário: A produção vicentina está fortemente arraigada a valores cristãos e, além da visão maniqueísta, apresenta caráter notadamente didático e moralizante.
  • 4. Classicismo (Portugal) Classicismo: é a face literária do Renascimento, movimento de renovação científica, artística e cultural que marca o fim da Idade Média e o nascimento da Idade Moderna na Europa. O Renascimento é fruto do crescimento gradativo da burguesia comercial e das atividades econômicas entre as cidades europeias. Portugal O Classicismo português começa em 1527, quando o poeta Francisco Sá de Miranda retorna da Itália a Portugal com ideias de renovação literária (caso do soneto, nova forma de composição poética). Camões Mais importante autor do período em Portugal, Luís de Camões apresenta uma biografia incerta e cheia de aventura. Uma das poucas certezas sobre sua vida é que foi soldado e perdeu o olho direito combatendo na África. Sua produção poética foi rica e variada, abrangendo poesia lírica e épica. Poesia épica Em 1572, Camões publica Os Lusíadas, poema que celebrava feitos marítimos e guerreiros recentes de Portugal. O livro também narra a história do país (de sua fundação mítica até o período histórico). O herói do poema é o próprio povo português e o enredo gira em torno da viagem de Vasco da Gama na busca de um novo caminho para as Índias. Escrito em dez cantos, Os Lusíadas tem 1.102 estrofes (compostas em oitava-rima e versos decassílabos) e cinco partes. Poesia lírica Camões escreveu sua poesia lírica com versos na medida velha (versos redondilhos) e na medida nova (versos decassílabos). É no soneto, contudo, que a lírica camoniana alcança seu ponto mais alto: quer pela estrutura tipicamente silogística, quer pela constante dualidade entre o amor material e o amor idealizado (platônico). Com o que ficar atento? O Renascimento envolveu um movimento intelectual que incentivou a recuperação de valores e modelos da antiguidade clássica greco-romana. Isso desencadeou importantes transformações políticas e econômicas na sociedade. A preferência dos últimos exames recaiu sobre a épica camoniana, mas nada impede que a lírica também seja abordada. Sobretudo, no que diz respeito ao tema do neoplatonismo e do desconcerto do mundo. (FGV-SP) Assinale a alternativa que completa corretamente a afirmação seguinte: O movimento desenvolveu-se no apogeu político de Portugal; consiste numa concepção artística baseada na imitação dos modelos clássicos gregos e latinos. Nele, o pensamento lógico predomina sobre a emoção, e a estrutura da composição poética obedece a formas fixas, com a introdução da medida nova, que convive com a medida velha das formas tradicionais. Trata-se do: a) Modernismo.b) Barroco.c) Romantismo.d) Classicismo.e) Realismo. Gabarito : Resposta correta: D Comentário: Classicismo é a designação dada à tendência estética, literária, artística e filosófica que reproduzia os ideais da antiguidade clássica. O classicismo é um movimento cultural que valoriza e resgata elementos artísticos da cultura clássica (greco-romana). Nas artes plásticas, teatro e literatura, o classicismo ocorreu no período doRenascimento Cultural (séculos XIV ao XVI). Já na música, ele apareceu na metade do século XVIII (Neoclassicismo).
  • 5. Características do Classicismo: - Valorização dos aspectos culturais e filosóficos da cultura das antigas Grécia e Roma; - Influência do pensamento humanista; - Antropocentrismo: o homem como o centro do Universo; - Críticas às explicações e a visão de mundo pautada pela religião; - Racionalismo: valorização das explicações baseadas na ciência; - Busca do equilíbrio, rigor e pureza formal; - Universalismo: abordagem de temas universais como, por exemplo, os sentimentos humanos. Principais representantes do Classicismo dos séculos XIV ao XVI: - Na literatura destacou-se o escritor português Camões, autor da grandiosa obra Os Lusíadas. Podemos também destacar os escritores: Dante Alighieri, Petrarca e Boccacio. - Nas artes plásticas, podemos destacar: Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafael Sanzio, Andrea Mantegna, Claudio de Lorena entre outros. Principais representantes do Neoclassicismo na música do século XVIII: - Wolfgang Amadeus Mozart - Joseph Haydn - Ludwig van Beethoven Vale deixar claro que essa cultura classicista formou-se duas grandes manifestações classicistas da Idade Moderna europeia são o Renascimento e o Neoclassicismo. Renascimento: redescoberta e revalorização das referências culturais da antiguidade clássica, que nortearam as mudanças deste período em direção a um ideal humanista e naturalista. Neoclassicismo: Também tem o interesse da Antiguidade clássica, porém surge com ideias iluministas; pode-se também perceber conotações políticas com valores bem fortes como: honra, dever e heroísmo; Barroco (Portugal) O Barroco português desenvolveu-se entre 1580 e 1756, época em que Portugal estava em profunda crise econômica e social devido ao domínio da monarquia espanhola. Padre Antônio Vieira O melhor da produção barroca portuguesa encontra-se na obra do padre Antônio Vieira - político e pregador de inteligência e sensibilidade acuradas, que sintetizou como poucos os conflitos do homem barroco. Chamado por Fernando Pessoa de "Imperador da Língua Portuguesa", Vieira explora em seus sermões o melhor da retórica de sua época. Orador hábil e virtuoso, é também claro, engenhoso, imaginativo e convincente. Os sermões constituem o principal da obra de Vieira. Eles trazem a essência do estilo barroco: a tentativa de promover uma síntese entre matéria e espírito. Nos sermões, Vieira busca cativar o ouvinte despertando sua consciência e convidando-o a pensar e agir. Divisão No que toca à organização do discurso, a estética barroca apresenta duas tendências: o cultismo (também chamado gongorismo) e o conceptismo (ou quevedismo). Cultismo: caracteriza-se pelo uso de uma linguagem rebuscada, culta, extravagante e descritiva. Tem como visível influência a produção do poeta espanhol Luís de Góngora y Argote. Conceptismo: caracteriza-se pelo jogo de ideias e de conceitos, seguindo um raciocínio lógico, racionalista. Entre seus principais difusores está o poeta espanhol Francisco de Quevedo.
  • 6. Com o que ficar atento? Os contrastes típicos do período Barroco revelam a tentativa de fundir a perspectiva antropocêntrica (herdada do Renascimento) ao teocentrismo medieval (recuperado pela Contra-Reforma). Como pode cair no vestibular? Em língua portuguesa, o Barroco produziu manifestações em vários gêneros e formas - uma variedade praticada não apenas como entretenimento intelectual, mas como forma de ação e debate. A arquitetura do texto e o jogo de construções, correlações, paralelismo e simetrias que remetem não apenas ao plano estético, mas também ao contexto histórico-social constroem um amplo painel daquilo que pode ser explorado em questões sobre o Barroco em Portugal. Como já caiu no vestibular? Leia o seguinte fragmento, extraído do "Sermão de Santo Antônio", de Pe. Vieira. "(...) o pão é comer de todos os dias, que sempre e continuamente se come: isto é o que padecem os pequenos. São o pão cotidiano dos grandes; e assim como o pão se come com tudo, assim com tudo e em tudo são comidos os miseráveis pequenos, não tendo, nem fazendo ofício em que os não carreguem, em que os não multem, em que os não defraudem, em que os não comam, traguem e devorem (...)" No trecho, observa-se que Vieira I. constrói a argumentação por meio da analogia, o que constitui um traço característico da prosa vieiriana. II. finaliza com uma gradação crescente a fim de dar ênfase à voracidade da exploração sofrida pelos pequenos. III. afirma, ao estabelecer uma comparação entre os humildes e o pão, alimento de consumo diário, que a exploração dos pequenos é aceitável porque cotidiana. Está (ão) correta (s) a) apenas I. b) apenas I e II. c) apenas III. d) apenas II e III. e) I, II e III. Gabarito : Resposta correta: B Comentário: A escolha inteligente de metáforas e analogias é uma das principais características dos sermões de Vieira, que também procura cativar a plateia aproximando sua temática das questões de ordem social e política. Arcadismo (Portugal) - poesia de Bocage Surgido na segunda metade do século 18, o Arcadismo (ou Neoclassicismo) caracteriza-se pelo o espírito reformista e pela valorização antropocêntrica do saber racional - reflexo do desenvolvimento tecnológico, social e científico do chamado "Século das Luzes". Em Portugal, o Arcadismo inicia-se oficialmente em 1.756, data de fundação da Arcádia Lusitana (sociedade poética em que artistas discutiam Arte e Literatura). Bocage A poesia de Bocage é marcada pelo erotismo e pela sátira de caráter social. Também se destacam em sua obra duas vertentes líricas: a luminosa e etérea (em que o poeta se entrega inebriado à evocação da beleza das suas amadas) e a noturna e pessimista (que manifesta a dor incomensurável provocada pela indiferença, ingratidão e tirania de suas musas). Essas assimetrias refletem uma personalidade complexa e multifacetada do autor, além do evidente jogo de contrários.
  • 7. Com o que ficar atento? A obra de Bocage reflete a instabilidade do período conturbado e de transição do século 18, em que foi produzida. Por um lado, ela exibe as influências da cultura clássica. Por outro, mostra uma tendência pré-romântica, que liberta das amarras da razão. Bocage contrasta com o espírito neoclássico porque tende a falar mais sobre o sofrimento, o horror e as trevas. Fornece, portanto, contraponto à visão iluminista de mundo (que tem na natureza o bem supremo, fonte de toda bondade). Como pode cair no vestibular? A dualidade entre sentimento e razão é uma constante na obra de Bocage. O contraste entre a exuberância do amor e a contenção e frieza racional do iluminismo é um excelente tema a ser explorado nos vestibulares. Como já caiu no vestibular? (Unifesp-SP) Leia os versos do poeta português Bocage. Vem, oh Marília, vem lograr comigo Destes alegres campos a beleza, Destas copadas árvores o abrigo. Deixa louvar da corte a vã grandeza; Quanto me agrada mais estar contigo, Notando as perfeições da Natureza! Nestes versos, a) o poeta encara o amor de forma negativa por causa da fugacidade do tempo. b) a linguagem, altamente subjetiva, denuncia características pré-românticas do autor. c) a emoção predomina sobre a razão, numa ânsia de se aproveitar o tempo presente. d) o amor e a mulher são idealizados pelo poeta, portanto, inacessíveis a ele. e) o poeta propõe, em linguagem clara, que se aproveite o presente de forma simples junto à natureza. Gabarito Resposta correta: E Comentário: Com clareza e objetividade o poeta lança mão dos principais ingredientes da convenção árcade: o ambiente campesino, o locus amoenus e a paisagem rústica despojada de atrativos materiais. Romantismo (Portugal) O Romantismo está ligado à Revolução Industrial e à Revolução Francesa, dois acontecimentos que mudaram a história da Europa e colocaram em evidência valores burgueses como o individualismo e a desobediência aos valores pré-estabelecidos. Em Portugal, o Romantismo começou com a publicação do poema Camões, de João de Almeida Garrett. Escrito no momento em que o país se encontrava sob domínio inglês e enfrentava graves perturbações políticas, o poema tenta resgatar o passado e o orgulho do povo português. Gerações O movimento romântico português durou quatro décadas e teve três períodos diferentes – cada um com uma geração particular de autores. Primeira geração: empenhada em implantar o Romantismo em Portugal, apresenta ainda influências neoclássicas e certa preocupação com questões históricas e políticas. Entre seus autores, destacam- se João de Almeida Garret e Alexandre Herculano - cujas produções tendem ao subjetivismo extremado, ao medievalismo, ao nacionalismo e à idealização da mulher. Segunda geração: consolida o movimento romântico em Portugal. Caracteriza-se pelas ideias do "mal do século": negativismo, morbidez e sentimentalismo exagerado. O principal autor dessa tendência é o romancista Camilo Castelo Branco, autor de estilo passional e pitoresco. Terceira geração: livre dos exageros ultrarromânticos, apresenta espontaneidade lírica e musical. Sobressaem-se nesse período a poesia de João de Deus e a prosa de Júlio Dinis.
  • 8. Com o que ficar atento? Combinando originalidade e subjetivismo, o Romantismo considera a imaginação superior à razão e à beleza. Os românticos, livres do racionalismo do Arcadismo, promoveram uma verdadeira revolução na produção estética europeia da primeira metade do século 19. Como pode cair no vestibular? Questões sobre o tema costumam lembrar que tudo o que é escrito no Romantismo parte de uma perspectiva individual e subjetiva. Além disso, muitas perguntas giram em torno do grande projeto literário do Romantismo: a criação de uma identidade estética para a arte burguesa. Como já caiu no vestibular? (Mackenzie -SP) É uma característica da obra de Camilo Castelo Branco: a) a influência rica em sua poesia de símbolos, imagens alegóricas e construções. b) a oscilação entre o lirismo e o sarcasmo, deixando páginas de autêntica dramaticidade, vibrando com personagens que comumente intervêm no enredo, tecendo comentários piedosos, indignados ou sarcásticos. c) a busca de uma forma adequada para conter o sentimentalismo do passado e das formas românticas. d) o fato de deixar ao mundo um alerta sobre o mal-estar trazido pela civilização moderna e industrializada. e) o apego ao conto como principal realização literária, através do qual se tornou um dos autores mais respeitados na literatura portuguesa. Gabarito Resposta correta: B Comentário: O tom dramático e passional das novelas e romances de Camilo, muitas vezes é acompanhado de certo desengano, do qual resulta uma visão sarcástica e contundente. Realismo (Português) Preocupando-se com a verdade dos fatos e a realidade concreta, o Realismo surge como reação ao idealismo e ao subjetivismo românticos. Inicia-se na França, em 1857, com o romance Madame Bovary, de Gustav Flaubert. Em Portugal, o Realismo começa com a polêmica entre seus partidários e seguidores do Romantismo- a chamada Questão Coimbrã. A discussão envolve António Feliciano de Castilho - que escreve posfácio para o livro Poema da Mocidade, de Pinheiro Chagas - e Antero de Quental - que critica Castilho e defende o ideário realista no opúsculo Bom senso e bom gosto. Poesia Antero de Quental: adotando uma postura oposta ao lirismo ultrarromântico, defende a missão social da poesia e apresenta em sua obra uma busca filosófica da verdade através da própria experiência. Cesário Verde: também se afasta do lirismo tradicional português, sobretudo pelo tratamento que dá a temas como cidade, amor e mulher. Buscando espontaneidade, usa estilo que valoriza a linguagem concreta e o tom coloquial. "Poeta dos sentidos", constrói imagens com muitas cores, formas e sons. Essa visão plástica do mundo antecipa a postura assumida por Fernando Pessoa na pele de seu Heterônimo Alberto Caeiro. Prosa Eça de Queirós: admirador de Gustav Flaubert, Émile Zola e Honoré de Balzac, produz romances marcados pelo uso do determinismo e do impressionismo para construir críticas (à burguesia e ao clero, por exemplo). Dono de um estilo direto e contundente, é hábil na descrição de locais e comportamentos. O pessimismo, o humor e a ironia com que constrói personagens são tipicamente realistas.
  • 9. Com o que ficar atento? Orientado para a análise psicológica da sociedade, o romance realista tem como tema a riqueza e a miséria resultantes do crescimento desordenado dos grandes centros urbanos. Por isso, seus heróis são indivíduos em conflito com o meio em que estão. Como pode cair no vestibular? As transformações sociais ocorridas a partir da segunda metade do século 19 ocasionaram o aparecimento de novas maneiras de pensar e explicar o mundo capitalista. Por isso, as diversas doutrinas surgidas nessa época são tema frequente das questões sobre o Realismo. As provas também costumam perguntar sobre o interesse realista pelo funcionamento e organização da sociedade, o racionalismo, a objetividade e a dinâmica social retratada pelos artistas do período. Como já caiu no vestibular? (Fuvest-SP) Ao criticar O Primo Basílio, Machado de Assis afirmou: "(...) a Luísa é um caráter negativo, e no meio da ação ideada pelo autor, é antes um títere que uma pessoa moral." Títere é um boneco mecânico, acionado por cordéis controlados por um manipulador. Nesse sentido, as personagens que, principalmente, manipulam Luísa, determinando-lhe o modo de agir, são: a) Basílio e Juliana. b) Jorge e Justina. c) Jorge, Conselheiro Acácio e Juliana. d) Basílio, Leopoldina e Conselheiro Acácio. e) Jorge e Leopoldina. Gabarito Resposta correta: A Comentário: Em sua crítica ao romance de Eça de Queirós, Machado condena uma das principais características da prosa de viés naturalista de Portugal: o determinismo biológico e social. Simbolismo (Portugal) O Simbolismo começou em 1857 com a publicação de As flores do Mal, de Charles Baudelaire (1821 – 1867). Esteticamente, os simbolistas se opuseram às propostas do Realismo na Europa. Em Portugal, o movimento iniciou-se com o livro Oaristos (1890), de Eugénio de Castro (1869 – 1944). Autores Antônio Nobre (1867 – 1900): trata a temática da saudade enfatizando a musicalidade e a utilização de imagens estranhas e inesperadas. Sua obra apresenta a idealização da infância e do campo em contraposição à decadência do espaço urbano. Camilo Pessanha (1867 - 1926): utiliza uma linguagem moderna, que passa ao largo dos simbolistas convencionais, para discutir questões existenciais. A obra de Pessanha apresenta um simbolismo arrebatado, considerado o verdadeiro sentimento simbolista para muitos críticos. Com o que ficar atento? Os artistas simbolistas dão ênfase a temas místicos, imaginários e subjetivos. Produzem poesia de caráter individualista, descartam a lógica e a razão e valorizam a intuição. Usam sinestesias e figuras sonoras – como assonância e a aliteração – para criar musicalidade e despertar os sentidos. Para sugerir a imagem de objetos, usam símbolos. O Simbolismo é um contraponto à rigidez parnasiana e à subjetividade ausente de sentimentalismo da estética romântica. Como pode cair no vestibular? Sobre certos aspectos, o Simbolismo resgata o gosto romântico pelo vago e pelo impreciso e essa relação embasa muitas questões. Também são comuns as perguntas sobre o pessimismo e a efemeridade da vida que aparecem nas obras simbolistas.
  • 10. Como já caiu no vestibular? 1. (Mackenzie) Chorai, arcadas Do violoncelo! Convulsionadas Pontes aladas De pesadelo ... Trêmulos astros... Soidões* lacustres... - Lemes e mastros... E os alabastros Dos balaústres! soidões – solidões. Camilo Pessanha Assinale a alternativa correta sobre o texto. a) Destaca a expressão egocêntrica do sofrimento amoroso, de nítida influência romântica. b) Recupera da lírica trovadoresca a redondilha maior, a estrutura paralelística e os versos brancos. c) A influência do Futurismo italiano é comprovada pela presença de frases nominais curtas e temática onírica. d) A linguagem grandiloquente, as metáforas cósmicas e o pessimismo exacerbado comprovam o estilo condoreiro. e) A valorização de recursos estilísticos relacionados ao ritmo e à sonoridade é índice do estilo simbolista. GABARITO Resposta correta: E Comentário: È característica marcante do simbolismo a aproximação entre música e poesia. Nesse poema em particular Camilo Pessanha explora esse recurso através do uso de assonâncias e aliterações.