SlideShare uma empresa Scribd logo
 Inês de Castro é um episódio que simboliza a força do
amor em Portugal. Ocorreu em 1355. Esse episódio
ocupa as estrofes 118 até a 135 do canto III. Esse conto,
narra o assassinato de Inês de Castro comandado pelos
ministros do rei D. Afonso IV de Borgonha, pai de D.
Pedro, seu amante. Sua maior parte é narrada por Vasco
da Gama, que conta a história de Portugal ao rei de
Melinde. O canto III é considerado um dos mais belos
momentos do poema, pois é a um só tempo um episódio
histórico e lírico: por trás da voz do narrador, e da própria
Inês, da para perceber a voz e a expressão pessoal do
poeta. Camões, através da fala de Vasco da Gama,
destaca do episódio sua carga romântica e dramática,
deixando assim em segundo plano as questões políticas
que o marcam.
 Dom Pedro, príncipe de Portugal, filho do Rei Afonso IV,
era casado com D. Constança, mas se apaixonara por
Inês de Castro, que era dama de companhia de D.
Constança e filha ilegítima de um nobre português. Após
a morte de D. Constança, Inês foi morar em Coimbra às
margens do Rio Mondego e D. Pedro, futuro Reio de
Portugal, viúvo, queria selar seu amor com Inês fazendo
dela sua rainha.
 Rei Afonso IV, temendo pela sucessão do trono que seria
seu neto, filho de Constança e pela influência dos nobres
que temiam a influência castelhana, tenta resgatar o filho
e conduzi-lo a um casamento que obedecesse não aos
caprichos do cupido, mas sim às conveniências de
Portugal. Para isso, sem outra alternativa, o rei manda vir
Inês para que seja executada.
 Após ouvir a sentença, Inês ergueu os olhos aos céus e disse:
 “Até mesmo as feras, cruéis de nascença, e as aves de rapina já
demonstraram piedade com as crianças pequenas. O senhor,
que tem o rosto e o coração humanos, deveria ao menos
compadecer-se destas criancinhas, seus netos, já que não se
comove com a morte de uma mulher fraca e sem força,
condenada somente por ter entregue o coração a quem soube
conquistá-lo. E se o senhor sabe espalhar a morte com fogo e
ferro, vencendo a resistência dos mouros, deve saber também
dar a vida, com clemência, a quem nenhum crime cometeu para
perdê-la. Mas se devo ser punida, mesmo inocente, mande-me
para o exílio perpétuo e mísero na gelada Cítia ou na ardente
Líbia onde eu viva eternamente em lágrimas. Ponha-me entre os
leões e tigres, onde só exista crueldade. E verei se neles posso
achar a piedade que não achei entre corações humanos. E lá, o
amor e o pensamento naquele por quem fui condenada a morrer,
criarei os seus filhos, que o senhor acaba de ver, e que serão o
consolo de sua triste mãe.”
 O rei, apesar de ter-se comovido com essas palavras, até
chegou a pensar em absolver Inês, quando os executores
sacaram suas espadas e degolaram Inês. Isso ocorreu em 1355
e diz a lenda que D. Pedro, inconformado, mandou vesti-la com
roupas nupciais, sentou o cadáver no trono e fez os nobres lhe
beijarem a mão. Daí fala-se que “a infeliz foi rainha depois de
morta”.
 Na verdade, D. Pedro manda transladar o corpo de Inês do
mosteiro com pompas de rainha para o mosteiro de Alcobaça em
1361, quando já era rei. Portanto, seis anos após o assassinato.
Após subir ao trono, D. Pedro conseguiu que outro Pedro, o
Cruel, rei de Castela, lhe entregasse os homicidas, que para lá
fugiram, pois os dois monarcas tinham um pacto de devolver um
ao outro os respectivos inimigos.
 D. Pedro, querendo imortalizar seu amor por Inês, jurou em
presença de sua corte que havia se casado clandestinamente
com ela, tornando-a, dessa maneira, em rainha após a morte.
 Passada esta tão próspera
vitória,
Tornado Afonso à Lusitana
Terra,
A se lograr da paz com tanta
glória
Quanta soube ganhar na dura
guerra,
O caso triste e dino da
memória,
Que do sepulcro os homens
desenterra,
Aconteceu da mísera e
mesquinha
Que despois de ser morta foi
Rainha.
 Tu, só tu, puro amor, com
força crua,
Que os corações humanos
tanto obriga,
Deste causa à molesta morte
sua,
Como se fora pérfida inimiga.
Se dizem, fero Amor, que a
sede tua
Nem com lágrimas tristes se
mitiga,
É porque queres, áspero e
tirano,
Tuas aras banhar em sangue
humano.
 Estavas, linda Inês, posta em
sossego,
De teus anos colhendo doce
fruito,
Naquele engano da alma,
ledo e cego,
Que a fortuna não deixa
durar muito,
Nos saudosos campos do
Mondego,
De teus fermosos olhos
nunca enxuito,
Aos montes insinando e às
ervinhas
O nome que no peito escrito
tinhas.
 Do teu Príncipe ali te
respondiam
As lembranças que na alma
lhe moravam,
Que sempre ante seus olhos
te traziam,
Quando dos teus fernosos se
apartavam;
De noite, em doces sonhos
que mentiam,
De dia, em pensamentos que
voavam;
E quanto, enfim, cuidava e
quanto via
Eram tudo memórias de
alegria.
 De outras belas senhoras e
Princesas
Os desejados tálamos
enjeita,
Que tudo, enfim, tu, puro
amor, desprezas,
Quando um gesto suave te
sujeita.
Vendo estas namoradas
estranhezas,
O velho pai sesudo, que
respeita
O murmurar do povo e a
fantasia
Do filho, que casar-se não
queria,
 Tirar Inês ao mundo
determina,
Por lhe tirar o filho que tem
preso,
Crendo co sangue só da
morte ladina
Matar do firme amor o fogo
aceso.
Que furor consentiu que a
espada fina,
Que pôde sustentar o grande
peso
Do furor Mauro, fosse
alevantada
Contra hûa fraca dama
delicada?
 Traziam-na os horríficos
algozes
Ante o Rei, já movido a
piedade;
Mas o povo, com falsas e
ferozes
Razões, à morte crua o
persuade.
Ela, com tristes e piedosas
vozes,
Saídas só da mágoa e
saudade
Do seu Príncipe e filhos, que
deixava,
Que mais que a própria
morte a magoava,
 Pera o céu cristalino
alevantando,
Com lágrimas, os olhos
piedosos
(Os olhos, porque as mãos lhe
estava atando
Um dos duros ministros
rigorosos);
E despois, nos mininos
atentando,
Que tão queridos tinha e tão
mimosos,
Cuja orfindade como mãe
temia,
Pera o avô cruel assi dizia:
 (Se já nas brutas feras, cuja
mente
Natura fez cruel de
nascimento,
E nas aves agrestes, que
somente
Nas rapinas aéreas tem o
intento,
Com pequenas crianças viu
a gente
Terem tão piedoso
sentimento
Como co a mãe de Nino já
mostraram,
E cos irmãos que Roma
edificaram:
 ó tu, que tens de humano o
gesto e o peito
(Se de humano é matar hûa
donzela,
Fraca e sem força, só por ter
sujeito
O coração a quem soube
vencê-la),
A estas criancinhas tem
respeito,
Pois o não tens à morte
escura dela;
Mova-te a piedade sua e
minha,
Pois te não move a culpa que
não tinha.
 E se, vencendo a Maura
resistência,
A morte sabes dar com fogo
e ferro,
Sabe também dar vida, com
clemência,
A quem peja perdê-la não fez
erro.
Mas, se to assi merece esta
inocência,
Põe-me em perpétuo e
mísero desterro,
Na Cítia fria ou lá na Líbia
ardente,
Onde em lágrimas viva
eternamente.
 Põe-me onde se use toda a
feridade,
Entre leões e tigres, e verei
Se neles achar posso a
piedade
Que entre peitos humanos
não achei.
Ali, co amor intrínseco e
vontade
Naquele por quem mouro,
criarei
Estas relíquias suas que aqui
viste,
Que refrigério sejam da mãe
triste.)
 Queria perdoar-lhe o Rei
benino,
Movido das palavras que o
magoam;
Mas o pertinaz povo e seu
destino
(Que desta sorte o quis) lhe
não perdoam.
Arrancam das espadas de
aço fino
Os que por bom tal feito ali
apregoam.
Contra hûa dama, ó peitos
carniceiros,
Feros vos amostrais e
cavaleiros?
 Qual contra a linda moça
Polycena,
Consolação extrema da mãe
velha,
Porque a sombra de Aquiles a
condena,
Co ferro o duro Pirro se
aparelha;
Mas ela, os olhos, com que o
ar serena
(Bem como paciente e mansa
ovelha),
Na mísera mãe postos, que
endoudece,
Ao duro sacrifício se oferece:
 Tais contra Inês os brutos
matadores,
No colo de alabastro, que
sustinha
As obras com que Amor
matou de amores
Aquele que despois a fez
Rainha,
As espadas banhando e as
brancas flores,
Que ela dos olhos seus
regadas tinha,
Se encarniçavam, fervidos e
irosos,
No futuro castigo não
cuidosos.
 Bem puderas, ó Sol, da vista
destes,
Teus raios apartar aquele dia,
Como da seva mesa de
Tiestes,
Quando os filhos por mão de
Atreu comia !
Vós, ó côncavos vales, que
pudestes
A voz extrema ouvir da boca
fria,
O nome do seu Pedro, que lhe
ouvistes,
Por muito grande espaço
repetistes.
 Assi como a bonina, que
cortada
Antes do tempo foi, cândida
e bela,
Sendo das mãos lacivas
maltratada
Da minina que a trouxe na
capela,
O cheiro traz perdido e a cor
murchada:
Tal está, morta, a pálida
donzela,
Secas do rosto as rosas e
perdida
A branca e viva cor, co a
doce vida.
 As filhas do Mondego a morte
escura
Longo tempo chorando
memoraram,
E, por memória eterna, em
fonte pura
As lágrimas choradas
transformaram.
O nome lhe puseram, que
inda dura,
Dos amores de Inês, que ali
passaram.
Vede que fresca fonte rega as
flores,
Que lágrimas são a água e o
nome Amores.
 Trabalho de Literatura
 Os Lusíadas – Canto III
 Alunas:
 Cláudia Augusto nº 4
 Sofia Lopes nº 25
 Professora: Eloá Schuler

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
Maria Teresa Soveral
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Helena Coutinho
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
nanasimao
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
nanasimao
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
Paula Oliveira Cruz
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
julykathy
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
quintaldasletras
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
Rosalina Simão Nunes
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
Karyn XP
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Lurdes
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
domplex123
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
Emília Maij
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Daniela Filipa Sousa
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
Raffaella Ergün
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
André Cerqueira
 

Mais procurados (20)

Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 

Destaque

Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
sin3stesia
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
Inês Moreira
 
Os Lusíadas canto II
Os Lusíadas   canto IIOs Lusíadas   canto II
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
Os Lusíadas canto I
Os Lusíadas   canto IOs Lusíadas   canto I
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas -  Canto V - O Gigante AdamastorOs Lusíadas -  Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
aramalho340
 

Destaque (9)

Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
Os Lusíadas canto II
Os Lusíadas   canto IIOs Lusíadas   canto II
Os Lusíadas canto II
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas canto I
Os Lusíadas   canto IOs Lusíadas   canto I
Os Lusíadas canto I
 
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas -  Canto V - O Gigante AdamastorOs Lusíadas -  Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
 
D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
 

Semelhante a Os Lusíadas - Canto III

Resumo do episódio Despedidas de Belém.docx
Resumo do episódio Despedidas de Belém.docxResumo do episódio Despedidas de Belém.docx
Resumo do episódio Despedidas de Belém.docx
Paula Vieira
 
Inês de castro
Inês de castroInês de castro
Inês de castro
Lurdes
 
C:\Users\Enzo Vernuccio\Desktop\Lusiadas
C:\Users\Enzo Vernuccio\Desktop\LusiadasC:\Users\Enzo Vernuccio\Desktop\Lusiadas
C:\Users\Enzo Vernuccio\Desktop\Lusiadas
Delfina Vernuccio
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentao
armindaalmeida
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentao
armindaalmeida
 
D.Pedro & Inês de Castro
D.Pedro & Inês de CastroD.Pedro & Inês de Castro
D.Pedro & Inês de Castro
Chuck Gary
 
D.Pedro e Inês de Castro
D.Pedro e Inês de CastroD.Pedro e Inês de Castro
D.Pedro e Inês de Castro
Umberto Pacheco
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Susana Sobrenome
 
Inês de castro
Inês de castroInês de castro
Trabalho de Português - Gabriela Pinto nº2
Trabalho de Português - Gabriela Pinto nº2Trabalho de Português - Gabriela Pinto nº2
Trabalho de Português - Gabriela Pinto nº2
Rita Costa
 
Alexandre herculano a vitória e a piedade
Alexandre herculano   a vitória e a piedadeAlexandre herculano   a vitória e a piedade
Alexandre herculano a vitória e a piedade
Tulipa Zoá
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
wiyofog561
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
wiyofog561
 
Ft29 Ines De Castro
Ft29 Ines De CastroFt29 Ines De Castro
Ft29 Ines De Castro
Fernanda Soares
 
Electra
ElectraElectra
Electra
Ariane Mafra
 
Canto iii (1)
Canto iii (1)Canto iii (1)
Canto iii (1)
Nome Sobrenome
 
ApresentaçãO Para úLtima Aula Suplementar
ApresentaçãO Para úLtima Aula SuplementarApresentaçãO Para úLtima Aula Suplementar
ApresentaçãO Para úLtima Aula Suplementar
luisprista
 
Fedra
FedraFedra
Elogio a Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Elogio a  Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...Elogio a  Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Elogio a Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Artista Plástico, Arquiteto Urbanista e Educador
 
Os doze de inglaterra
Os doze de inglaterraOs doze de inglaterra
Os doze de inglaterra
agnes2012
 

Semelhante a Os Lusíadas - Canto III (20)

Resumo do episódio Despedidas de Belém.docx
Resumo do episódio Despedidas de Belém.docxResumo do episódio Despedidas de Belém.docx
Resumo do episódio Despedidas de Belém.docx
 
Inês de castro
Inês de castroInês de castro
Inês de castro
 
C:\Users\Enzo Vernuccio\Desktop\Lusiadas
C:\Users\Enzo Vernuccio\Desktop\LusiadasC:\Users\Enzo Vernuccio\Desktop\Lusiadas
C:\Users\Enzo Vernuccio\Desktop\Lusiadas
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentao
 
Insdecastro apresentao
Insdecastro apresentaoInsdecastro apresentao
Insdecastro apresentao
 
D.Pedro & Inês de Castro
D.Pedro & Inês de CastroD.Pedro & Inês de Castro
D.Pedro & Inês de Castro
 
D.Pedro e Inês de Castro
D.Pedro e Inês de CastroD.Pedro e Inês de Castro
D.Pedro e Inês de Castro
 
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - ParáfraseFicha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
Ficha de Trabalho - Episódio de Inês de Castro - Paráfrase
 
Inês de castro
Inês de castroInês de castro
Inês de castro
 
Trabalho de Português - Gabriela Pinto nº2
Trabalho de Português - Gabriela Pinto nº2Trabalho de Português - Gabriela Pinto nº2
Trabalho de Português - Gabriela Pinto nº2
 
Alexandre herculano a vitória e a piedade
Alexandre herculano   a vitória e a piedadeAlexandre herculano   a vitória e a piedade
Alexandre herculano a vitória e a piedade
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
 
Ft29 Ines De Castro
Ft29 Ines De CastroFt29 Ines De Castro
Ft29 Ines De Castro
 
Electra
ElectraElectra
Electra
 
Canto iii (1)
Canto iii (1)Canto iii (1)
Canto iii (1)
 
ApresentaçãO Para úLtima Aula Suplementar
ApresentaçãO Para úLtima Aula SuplementarApresentaçãO Para úLtima Aula Suplementar
ApresentaçãO Para úLtima Aula Suplementar
 
Fedra
FedraFedra
Fedra
 
Elogio a Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Elogio a  Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...Elogio a  Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
Elogio a Don Quixote - Conferências literárias - Gabinete Português de Leitu...
 
Os doze de inglaterra
Os doze de inglaterraOs doze de inglaterra
Os doze de inglaterra
 

Mais de Cláudia Augusto

Trabalho de Sociologia sobre Pobreza nos Estados Unidos
Trabalho de Sociologia sobre Pobreza nos Estados UnidosTrabalho de Sociologia sobre Pobreza nos Estados Unidos
Trabalho de Sociologia sobre Pobreza nos Estados Unidos
Cláudia Augusto
 
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturasQuímica - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Cláudia Augusto
 
Oraciones condicionales, causales, temporales y adversativas. "Falsos amigos"...
Oraciones condicionales, causales, temporales y adversativas. "Falsos amigos"...Oraciones condicionales, causales, temporales y adversativas. "Falsos amigos"...
Oraciones condicionales, causales, temporales y adversativas. "Falsos amigos"...
Cláudia Augusto
 
A televisão durante a ditadura militar
A televisão durante a ditadura militarA televisão durante a ditadura militar
A televisão durante a ditadura militar
Cláudia Augusto
 
A história do computador
A história do computadorA história do computador
A história do computador
Cláudia Augusto
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
Cláudia Augusto
 

Mais de Cláudia Augusto (6)

Trabalho de Sociologia sobre Pobreza nos Estados Unidos
Trabalho de Sociologia sobre Pobreza nos Estados UnidosTrabalho de Sociologia sobre Pobreza nos Estados Unidos
Trabalho de Sociologia sobre Pobreza nos Estados Unidos
 
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturasQuímica - Estados físicos da matéria e separação de misturas
Química - Estados físicos da matéria e separação de misturas
 
Oraciones condicionales, causales, temporales y adversativas. "Falsos amigos"...
Oraciones condicionales, causales, temporales y adversativas. "Falsos amigos"...Oraciones condicionales, causales, temporales y adversativas. "Falsos amigos"...
Oraciones condicionales, causales, temporales y adversativas. "Falsos amigos"...
 
A televisão durante a ditadura militar
A televisão durante a ditadura militarA televisão durante a ditadura militar
A televisão durante a ditadura militar
 
A história do computador
A história do computadorA história do computador
A história do computador
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

Os Lusíadas - Canto III

  • 1.
  • 2.  Inês de Castro é um episódio que simboliza a força do amor em Portugal. Ocorreu em 1355. Esse episódio ocupa as estrofes 118 até a 135 do canto III. Esse conto, narra o assassinato de Inês de Castro comandado pelos ministros do rei D. Afonso IV de Borgonha, pai de D. Pedro, seu amante. Sua maior parte é narrada por Vasco da Gama, que conta a história de Portugal ao rei de Melinde. O canto III é considerado um dos mais belos momentos do poema, pois é a um só tempo um episódio histórico e lírico: por trás da voz do narrador, e da própria Inês, da para perceber a voz e a expressão pessoal do poeta. Camões, através da fala de Vasco da Gama, destaca do episódio sua carga romântica e dramática, deixando assim em segundo plano as questões políticas que o marcam.
  • 3.  Dom Pedro, príncipe de Portugal, filho do Rei Afonso IV, era casado com D. Constança, mas se apaixonara por Inês de Castro, que era dama de companhia de D. Constança e filha ilegítima de um nobre português. Após a morte de D. Constança, Inês foi morar em Coimbra às margens do Rio Mondego e D. Pedro, futuro Reio de Portugal, viúvo, queria selar seu amor com Inês fazendo dela sua rainha.  Rei Afonso IV, temendo pela sucessão do trono que seria seu neto, filho de Constança e pela influência dos nobres que temiam a influência castelhana, tenta resgatar o filho e conduzi-lo a um casamento que obedecesse não aos caprichos do cupido, mas sim às conveniências de Portugal. Para isso, sem outra alternativa, o rei manda vir Inês para que seja executada.
  • 4.  Após ouvir a sentença, Inês ergueu os olhos aos céus e disse:  “Até mesmo as feras, cruéis de nascença, e as aves de rapina já demonstraram piedade com as crianças pequenas. O senhor, que tem o rosto e o coração humanos, deveria ao menos compadecer-se destas criancinhas, seus netos, já que não se comove com a morte de uma mulher fraca e sem força, condenada somente por ter entregue o coração a quem soube conquistá-lo. E se o senhor sabe espalhar a morte com fogo e ferro, vencendo a resistência dos mouros, deve saber também dar a vida, com clemência, a quem nenhum crime cometeu para perdê-la. Mas se devo ser punida, mesmo inocente, mande-me para o exílio perpétuo e mísero na gelada Cítia ou na ardente Líbia onde eu viva eternamente em lágrimas. Ponha-me entre os leões e tigres, onde só exista crueldade. E verei se neles posso achar a piedade que não achei entre corações humanos. E lá, o amor e o pensamento naquele por quem fui condenada a morrer, criarei os seus filhos, que o senhor acaba de ver, e que serão o consolo de sua triste mãe.”
  • 5.  O rei, apesar de ter-se comovido com essas palavras, até chegou a pensar em absolver Inês, quando os executores sacaram suas espadas e degolaram Inês. Isso ocorreu em 1355 e diz a lenda que D. Pedro, inconformado, mandou vesti-la com roupas nupciais, sentou o cadáver no trono e fez os nobres lhe beijarem a mão. Daí fala-se que “a infeliz foi rainha depois de morta”.  Na verdade, D. Pedro manda transladar o corpo de Inês do mosteiro com pompas de rainha para o mosteiro de Alcobaça em 1361, quando já era rei. Portanto, seis anos após o assassinato. Após subir ao trono, D. Pedro conseguiu que outro Pedro, o Cruel, rei de Castela, lhe entregasse os homicidas, que para lá fugiram, pois os dois monarcas tinham um pacto de devolver um ao outro os respectivos inimigos.  D. Pedro, querendo imortalizar seu amor por Inês, jurou em presença de sua corte que havia se casado clandestinamente com ela, tornando-a, dessa maneira, em rainha após a morte.
  • 6.  Passada esta tão próspera vitória, Tornado Afonso à Lusitana Terra, A se lograr da paz com tanta glória Quanta soube ganhar na dura guerra, O caso triste e dino da memória, Que do sepulcro os homens desenterra, Aconteceu da mísera e mesquinha Que despois de ser morta foi Rainha.  Tu, só tu, puro amor, com força crua, Que os corações humanos tanto obriga, Deste causa à molesta morte sua, Como se fora pérfida inimiga. Se dizem, fero Amor, que a sede tua Nem com lágrimas tristes se mitiga, É porque queres, áspero e tirano, Tuas aras banhar em sangue humano.
  • 7.  Estavas, linda Inês, posta em sossego, De teus anos colhendo doce fruito, Naquele engano da alma, ledo e cego, Que a fortuna não deixa durar muito, Nos saudosos campos do Mondego, De teus fermosos olhos nunca enxuito, Aos montes insinando e às ervinhas O nome que no peito escrito tinhas.  Do teu Príncipe ali te respondiam As lembranças que na alma lhe moravam, Que sempre ante seus olhos te traziam, Quando dos teus fernosos se apartavam; De noite, em doces sonhos que mentiam, De dia, em pensamentos que voavam; E quanto, enfim, cuidava e quanto via Eram tudo memórias de alegria.
  • 8.  De outras belas senhoras e Princesas Os desejados tálamos enjeita, Que tudo, enfim, tu, puro amor, desprezas, Quando um gesto suave te sujeita. Vendo estas namoradas estranhezas, O velho pai sesudo, que respeita O murmurar do povo e a fantasia Do filho, que casar-se não queria,  Tirar Inês ao mundo determina, Por lhe tirar o filho que tem preso, Crendo co sangue só da morte ladina Matar do firme amor o fogo aceso. Que furor consentiu que a espada fina, Que pôde sustentar o grande peso Do furor Mauro, fosse alevantada Contra hûa fraca dama delicada?
  • 9.  Traziam-na os horríficos algozes Ante o Rei, já movido a piedade; Mas o povo, com falsas e ferozes Razões, à morte crua o persuade. Ela, com tristes e piedosas vozes, Saídas só da mágoa e saudade Do seu Príncipe e filhos, que deixava, Que mais que a própria morte a magoava,  Pera o céu cristalino alevantando, Com lágrimas, os olhos piedosos (Os olhos, porque as mãos lhe estava atando Um dos duros ministros rigorosos); E despois, nos mininos atentando, Que tão queridos tinha e tão mimosos, Cuja orfindade como mãe temia, Pera o avô cruel assi dizia:
  • 10.  (Se já nas brutas feras, cuja mente Natura fez cruel de nascimento, E nas aves agrestes, que somente Nas rapinas aéreas tem o intento, Com pequenas crianças viu a gente Terem tão piedoso sentimento Como co a mãe de Nino já mostraram, E cos irmãos que Roma edificaram:  ó tu, que tens de humano o gesto e o peito (Se de humano é matar hûa donzela, Fraca e sem força, só por ter sujeito O coração a quem soube vencê-la), A estas criancinhas tem respeito, Pois o não tens à morte escura dela; Mova-te a piedade sua e minha, Pois te não move a culpa que não tinha.
  • 11.  E se, vencendo a Maura resistência, A morte sabes dar com fogo e ferro, Sabe também dar vida, com clemência, A quem peja perdê-la não fez erro. Mas, se to assi merece esta inocência, Põe-me em perpétuo e mísero desterro, Na Cítia fria ou lá na Líbia ardente, Onde em lágrimas viva eternamente.  Põe-me onde se use toda a feridade, Entre leões e tigres, e verei Se neles achar posso a piedade Que entre peitos humanos não achei. Ali, co amor intrínseco e vontade Naquele por quem mouro, criarei Estas relíquias suas que aqui viste, Que refrigério sejam da mãe triste.)
  • 12.  Queria perdoar-lhe o Rei benino, Movido das palavras que o magoam; Mas o pertinaz povo e seu destino (Que desta sorte o quis) lhe não perdoam. Arrancam das espadas de aço fino Os que por bom tal feito ali apregoam. Contra hûa dama, ó peitos carniceiros, Feros vos amostrais e cavaleiros?  Qual contra a linda moça Polycena, Consolação extrema da mãe velha, Porque a sombra de Aquiles a condena, Co ferro o duro Pirro se aparelha; Mas ela, os olhos, com que o ar serena (Bem como paciente e mansa ovelha), Na mísera mãe postos, que endoudece, Ao duro sacrifício se oferece:
  • 13.  Tais contra Inês os brutos matadores, No colo de alabastro, que sustinha As obras com que Amor matou de amores Aquele que despois a fez Rainha, As espadas banhando e as brancas flores, Que ela dos olhos seus regadas tinha, Se encarniçavam, fervidos e irosos, No futuro castigo não cuidosos.  Bem puderas, ó Sol, da vista destes, Teus raios apartar aquele dia, Como da seva mesa de Tiestes, Quando os filhos por mão de Atreu comia ! Vós, ó côncavos vales, que pudestes A voz extrema ouvir da boca fria, O nome do seu Pedro, que lhe ouvistes, Por muito grande espaço repetistes.
  • 14.  Assi como a bonina, que cortada Antes do tempo foi, cândida e bela, Sendo das mãos lacivas maltratada Da minina que a trouxe na capela, O cheiro traz perdido e a cor murchada: Tal está, morta, a pálida donzela, Secas do rosto as rosas e perdida A branca e viva cor, co a doce vida.  As filhas do Mondego a morte escura Longo tempo chorando memoraram, E, por memória eterna, em fonte pura As lágrimas choradas transformaram. O nome lhe puseram, que inda dura, Dos amores de Inês, que ali passaram. Vede que fresca fonte rega as flores, Que lágrimas são a água e o nome Amores.
  • 15.  Trabalho de Literatura  Os Lusíadas – Canto III  Alunas:  Cláudia Augusto nº 4  Sofia Lopes nº 25  Professora: Eloá Schuler