SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUE É LITERATURA?
Por que estudar Literatura?
O que é literatura
• De uma forma simplificada, pode-se
dizer que literatura é a arte da
palavra. Carlos Drummond de
Andrade diz, em um de seus poemas:
Penetra surdamente no reino das
palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser
escritos.
• Como qualquer arte, a literatura exige,
da parte do escritor, técnicas,
conhecimentos, sensibilidade e
paciência. Esse trabalho às vezes se
assemelha a uma luta, às vezes, a um
vício:
Lutar com palavras
é a luta mais vã
Enquanto lutamos
Mal rompe a manhã.
[...]
Palavra, palavra
(digo exasperado),
Se me desafias
Aceito o combate.
(Carlos Drummond de Andrade)
Literatura e comunicação
• A literatura, assim como a língua que ela utiliza, é um
instrumento de comunicação e de interação social
e, por isso, cumpre também o papel social de
transmitir os conhecimentos e a cultura de uma
comunidade.
• A literatura faz uso livre da língua, chegando às vezes
até a subverter algumas de suas regras e o sentido
comum de algumas palavras.
A literatura e sua plurissignificação
• O poeta moderno norte-americano Ezra
Pound define literatura deste modo:
“Literatura é a linguagem carregada de
significado. Grande literatura é simplesmente
linguagem carregada de significado até o
máximo grau possível”.
• Os versos de Drummond que seguem
foram publicados em 1945, durante a
Segunda Guerra Mundial e durante a
ditadura de Vargas no Brasil. Observe os
vários significados que a palavra flor
pode assumir. O que ela representa?
Como pode uma flor furar o asfalto?
Seria a flor um elemento que transgride
a ordem estabelecida? Seria a flor a
metáfora da própria poesia, a poesia de
resistência política, ou a metáfora de
uma revolução?
Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego
Uma flor ainda desbotada
Ilude a polícia, rompe o asfalto.
Façam o completo silêncio, paralisem os negócios,
Garanto que uma flor nasceu.
Sua cor não se percebe.
Suas pétalas não se abrem.
Seu nome não está nos livros.
É feia. Mas é realmente uma flor.
Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da
tarde
E lentamente passo a mão nessa forma insegura.
Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se.
Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas
em pânico.
É feia. Mas é uma flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e
o ódio.
(“A flor e a náusea”. Reunião. 10 ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1980. p. 78-9.)
Literatura e sociedade
• Partindo das experiências pessoais e
sociais, o artista recria ou transcria a
realidade, dando origem a uma supra-
realidade ou a uma realidade ficcional.
Por meio dessa supra realidade, ele
consegue transmitir seus sentimentos e
idéias ao mundo real, de onde tudo se
origina. A reação do público à obra
também pode modificar as atitudes
futuras do artista.
• Assim, a obra literária é resultado das
relações dinâmicas entre escritos,
público e sociedade. E, como outras
obras de arte, ela não só nasce
vinculada a certa realidade, mas
também pode interferir nessa realidade,
auxiliando no processo de
transformação social.
• Por vezes, a literatura assume formas de
denúncia social, de crítica à realidade
circundante. Dizemos então, que se
trata de uma literatura engajada, que
serve a uma causa político-ideológica ou
a uma luta social.
• Observe como Drummond capta o
clima de medo que existiu durante a
Segunda Guerra Mundial:
Congresso internacional do medo
Provisoriamente não cantemos o amor
que se refugiou mais abaixo dos
subterrâneos.
Cantemos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantemos o ódio porque esse não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso
companheiro.
Literatura e Imaginação
• Como transcrição da realidade, a literatura não
precisa necessariamente estar presa a ela. Tanto
o escritor quanto o leitor fazem uso da
imaginação: o artista recria livremente a
realidade, assim como o leitor recria livremente o
texto literário que lê.
• O poeta português Fernando Pessoa já havia se
referido a essa postura participante do leitor.
Veja o poema a seguir, que é do começo do
século XX.
Autopsicografia
O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve
Mas só a que eles não têm.
E assim nas calhas de roda
Gira a entreter a razão
Este comboio de corda
Que se chama coração.
Literatura e Prazer
• A arte cumpre o papel de proporcionar prazer.
A literatura, jogando com as palavras, ritmos,
sons e imagens e conduzindo o leitor a
mundos imaginários, causa prazer aos
sentidos e à sensibilidade do homem.
A Dança
Não te amo como se fosses a rosa de sal,
topázio
Ou flechas de cravos que propagam o
fogo:
Te amo como se amam certas coisas
obscuras,
Secretamente, entre a sombra e a alma.
Te amo como a planta que não floresce e
leva
Dentro de si, oculta, a luz daquelas
flores,
E graças a teu amor vive escuro em meu
corpo
O apertado aroma que ascendeu da terra.
Te amo sem saber como, nem quando, nem
Senão assim deste modo que não sou
nem és,
Tão perto que tua mão sobre o meu peito
é minha,
Tão perto que se fecham teus olhos com
meu sonho.
Antes de amar-te, amor, nada era meu:
Vacilei pelas ruas e as coisas:
Nada contava nem tinha nome:
O mundo era do ar que esperava.
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se dependiam,
Perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo,
Caído, abandonado, decaído,
Tudo era inalianavelmente alheio,
Tudo era dos outros e de ninguém,
Literatura e História Literária
• Estudar literatura é, basicamente, ampliar
nossas habilidade de leitura do texto literário.
No ensino médio, a esse estudo se soma o da
história literária, por meio do qual é possível
acompanhar a evolução cronológica da
literatura de determinado povo e cultura e
observar a relação entre suas transformações
e os diversos momentos os históricos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
Cassandra Cruz
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
NAPNE
 
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
Cynthia Funchal
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
Fábio Guimarães
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
Jirede Abisai
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxe
Edson Alves
 
Repertório para redação
Repertório para redaçãoRepertório para redação
Repertório para redação
lipexleal
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
Patrícia Rabelo Goulart
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Joyce de Oliveira
 
Literatura é uma linguagem - 1° ano ensino médio
Literatura é uma linguagem -  1° ano ensino médioLiteratura é uma linguagem -  1° ano ensino médio
Literatura é uma linguagem - 1° ano ensino médio
Daniel Vitor de Almeida
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
A redação aula 1
A redação   aula 1A redação   aula 1
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
Cláudia Heloísa
 
Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
Cynthia Funchal
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
murilotome
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Andriane Cursino
 
Funções do pronome relativo
Funções do pronome relativoFunções do pronome relativo
Funções do pronome relativo
espacoaberto
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
Angela Santos
 

Mais procurados (20)

Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxe
 
Repertório para redação
Repertório para redaçãoRepertório para redação
Repertório para redação
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 
Literatura é uma linguagem - 1° ano ensino médio
Literatura é uma linguagem -  1° ano ensino médioLiteratura é uma linguagem -  1° ano ensino médio
Literatura é uma linguagem - 1° ano ensino médio
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
A redação aula 1
A redação   aula 1A redação   aula 1
A redação aula 1
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Funções do pronome relativo
Funções do pronome relativoFunções do pronome relativo
Funções do pronome relativo
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
 

Destaque

Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literatura
Isabella Silva
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
Robson Bertoldo
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
leliovr
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Ademir Teixeira de Freitas
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Atos de fingir
Atos de fingirAtos de fingir
Atos de fingir
Daliane Nascimento
 
O que é Literatura ?
O que é Literatura ?O que é Literatura ?
O que é Literatura ?
Christian Bruni
 
Literatura e sociedade
Literatura e sociedadeLiteratura e sociedade
Literatura e sociedade
Juçara Keylla
 
El hombrecito de_papel
El hombrecito de_papelEl hombrecito de_papel
El hombrecito de_papel
helenadetroya75
 
Prova literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médioProva literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médio
Geo Honório
 
Arcadismo I
Arcadismo IArcadismo I
Arcadismo I
Evilane Alves
 
Ticvv
TicvvTicvv
Las horas del reloj
Las horas del relojLas horas del reloj
Las horas del reloj
Maria Soledad Reynooso
 
Las horas
Las horasLas horas
Las horas
Evilane Alves
 
Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
Ma Hildebrand de Araujo
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Edcléia Xavier
 
Cardápio de-atividades-grécia-antiga
Cardápio de-atividades-grécia-antigaCardápio de-atividades-grécia-antiga
Cardápio de-atividades-grécia-antiga
aridu18
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
clemildapetrolina
 
Lista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literaturaLista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literatura
Daniela Gimael
 
Os gêneros literários
Os gêneros literáriosOs gêneros literários
Os gêneros literários
Evilane Alves
 

Destaque (20)

Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literatura
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Atos de fingir
Atos de fingirAtos de fingir
Atos de fingir
 
O que é Literatura ?
O que é Literatura ?O que é Literatura ?
O que é Literatura ?
 
Literatura e sociedade
Literatura e sociedadeLiteratura e sociedade
Literatura e sociedade
 
El hombrecito de_papel
El hombrecito de_papelEl hombrecito de_papel
El hombrecito de_papel
 
Prova literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médioProva literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médio
 
Arcadismo I
Arcadismo IArcadismo I
Arcadismo I
 
Ticvv
TicvvTicvv
Ticvv
 
Las horas del reloj
Las horas del relojLas horas del reloj
Las horas del reloj
 
Las horas
Las horasLas horas
Las horas
 
Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
 
Cardápio de-atividades-grécia-antiga
Cardápio de-atividades-grécia-antigaCardápio de-atividades-grécia-antiga
Cardápio de-atividades-grécia-antiga
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
 
Lista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literaturaLista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literatura
 
Os gêneros literários
Os gêneros literáriosOs gêneros literários
Os gêneros literários
 

Semelhante a O que é literatura

O que é literatura?
O que é literatura?O que é literatura?
O que é literatura?
O que é literatura?O que é literatura?
O que é literatura?
O que é literatura?O que é literatura?
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
Ronaldo Mesquita
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
Aline Almeida
 
Alguma poesia
Alguma poesiaAlguma poesia
Alguma poesia
Cleber Costa
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
PabloGabrielKdabra
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
PabloGabrielKdabra
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
William Ferraz
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
William Ferraz
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesia
Luci Cruz
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Walace Cestari
 
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptxAULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
Leidimarabatista
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
Bárbara Hellen
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Ana Polo
 
A forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaA forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literatura
Márcio Hilário
 
Natalia Correia
Natalia CorreiaNatalia Correia
Natalia Correia
timtim100
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesia
guesta742e2e
 
Revista Cultura Catarina
Revista Cultura CatarinaRevista Cultura Catarina
Revista Cultura Catarina
Adriana Calazans
 

Semelhante a O que é literatura (20)

O que é literatura?
O que é literatura?O que é literatura?
O que é literatura?
 
O que é literatura?
O que é literatura?O que é literatura?
O que é literatura?
 
O que é literatura?
O que é literatura?O que é literatura?
O que é literatura?
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
 
Alguma poesia
Alguma poesiaAlguma poesia
Alguma poesia
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesia
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
 
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptxAULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
 
A forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaA forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literatura
 
Natalia Correia
Natalia CorreiaNatalia Correia
Natalia Correia
 
Diapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesiaDiapositivos dia da poesia
Diapositivos dia da poesia
 
Revista Cultura Catarina
Revista Cultura CatarinaRevista Cultura Catarina
Revista Cultura Catarina
 

Mais de Evilane Alves

Pretérito imperfecto de subjuntivo
Pretérito imperfecto de subjuntivoPretérito imperfecto de subjuntivo
Pretérito imperfecto de subjuntivo
Evilane Alves
 
Orações coordenadas atividades
Orações coordenadas atividadesOrações coordenadas atividades
Orações coordenadas atividades
Evilane Alves
 
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Evilane Alves
 
Rp 2ºb lp_7º_novo
Rp 2ºb lp_7º_novoRp 2ºb lp_7º_novo
Rp 2ºb lp_7º_novo
Evilane Alves
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
Evilane Alves
 
Rp 2ºb lp_9º
Rp 2ºb lp_9ºRp 2ºb lp_9º
Rp 2ºb lp_9º
Evilane Alves
 
Rp 2ºb lp_7º
Rp 2ºb lp_7ºRp 2ºb lp_7º
Rp 2ºb lp_7º
Evilane Alves
 
A narração
A narraçãoA narração
A narração
Evilane Alves
 
Sujeito e predicado exercícios
Sujeito e predicado exercíciosSujeito e predicado exercícios
Sujeito e predicado exercícios
Evilane Alves
 
Mal x mau
Mal x mauMal x mau
Mal x mau
Evilane Alves
 
Sujeito e predicado
Sujeito e predicadoSujeito e predicado
Sujeito e predicado
Evilane Alves
 
Como o gato e o rato se tornaram amigos nonsense
Como o gato e o rato se tornaram amigos nonsenseComo o gato e o rato se tornaram amigos nonsense
Como o gato e o rato se tornaram amigos nonsense
Evilane Alves
 
Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
Evilane Alves
 
Cadernofone produção de texto
Cadernofone produção de textoCadernofone produção de texto
Cadernofone produção de texto
Evilane Alves
 
Ambiguidade e polissemia
Ambiguidade e polissemiaAmbiguidade e polissemia
Ambiguidade e polissemia
Evilane Alves
 
áLbum de figuritas 1_argentina y bolívia figuritas
áLbum de figuritas 1_argentina y bolívia figuritasáLbum de figuritas 1_argentina y bolívia figuritas
áLbum de figuritas 1_argentina y bolívia figuritas
Evilane Alves
 
áLbum de figuritas 1 argentina y bolivia
áLbum de figuritas 1 argentina y boliviaáLbum de figuritas 1 argentina y bolivia
áLbum de figuritas 1 argentina y bolivia
Evilane Alves
 
A plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literáriaA plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literária
Evilane Alves
 

Mais de Evilane Alves (20)

Pretérito imperfecto de subjuntivo
Pretérito imperfecto de subjuntivoPretérito imperfecto de subjuntivo
Pretérito imperfecto de subjuntivo
 
Orações coordenadas atividades
Orações coordenadas atividadesOrações coordenadas atividades
Orações coordenadas atividades
 
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
Escrevendo corretamente aulas 1 a 5
 
Los numerales
Los numeralesLos numerales
Los numerales
 
Rp 2ºb lp_7º_novo
Rp 2ºb lp_7º_novoRp 2ºb lp_7º_novo
Rp 2ºb lp_7º_novo
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Rp 2ºb lp_9º
Rp 2ºb lp_9ºRp 2ºb lp_9º
Rp 2ºb lp_9º
 
Rp 2ºb lp_7º
Rp 2ºb lp_7ºRp 2ºb lp_7º
Rp 2ºb lp_7º
 
A narração
A narraçãoA narração
A narração
 
Sujeito e predicado exercícios
Sujeito e predicado exercíciosSujeito e predicado exercícios
Sujeito e predicado exercícios
 
Mal x mau
Mal x mauMal x mau
Mal x mau
 
Sujeito e predicado
Sujeito e predicadoSujeito e predicado
Sujeito e predicado
 
Como o gato e o rato se tornaram amigos nonsense
Como o gato e o rato se tornaram amigos nonsenseComo o gato e o rato se tornaram amigos nonsense
Como o gato e o rato se tornaram amigos nonsense
 
Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
 
Cadernofone produção de texto
Cadernofone produção de textoCadernofone produção de texto
Cadernofone produção de texto
 
Ambiguidade e polissemia
Ambiguidade e polissemiaAmbiguidade e polissemia
Ambiguidade e polissemia
 
áLbum de figuritas 1_argentina y bolívia figuritas
áLbum de figuritas 1_argentina y bolívia figuritasáLbum de figuritas 1_argentina y bolívia figuritas
áLbum de figuritas 1_argentina y bolívia figuritas
 
áLbum de figuritas 1 argentina y bolivia
áLbum de figuritas 1 argentina y boliviaáLbum de figuritas 1 argentina y bolivia
áLbum de figuritas 1 argentina y bolivia
 
A plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literáriaA plurissignificação da linguagem literária
A plurissignificação da linguagem literária
 
A linguagem
A linguagemA linguagem
A linguagem
 

Último

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

O que é literatura

  • 1. O QUE É LITERATURA? Por que estudar Literatura?
  • 2. O que é literatura • De uma forma simplificada, pode-se dizer que literatura é a arte da palavra. Carlos Drummond de Andrade diz, em um de seus poemas: Penetra surdamente no reino das palavras. Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
  • 3. • Como qualquer arte, a literatura exige, da parte do escritor, técnicas, conhecimentos, sensibilidade e paciência. Esse trabalho às vezes se assemelha a uma luta, às vezes, a um vício: Lutar com palavras é a luta mais vã Enquanto lutamos Mal rompe a manhã. [...] Palavra, palavra (digo exasperado), Se me desafias Aceito o combate. (Carlos Drummond de Andrade)
  • 4. Literatura e comunicação • A literatura, assim como a língua que ela utiliza, é um instrumento de comunicação e de interação social e, por isso, cumpre também o papel social de transmitir os conhecimentos e a cultura de uma comunidade. • A literatura faz uso livre da língua, chegando às vezes até a subverter algumas de suas regras e o sentido comum de algumas palavras.
  • 5. A literatura e sua plurissignificação • O poeta moderno norte-americano Ezra Pound define literatura deste modo: “Literatura é a linguagem carregada de significado. Grande literatura é simplesmente linguagem carregada de significado até o máximo grau possível”.
  • 6. • Os versos de Drummond que seguem foram publicados em 1945, durante a Segunda Guerra Mundial e durante a ditadura de Vargas no Brasil. Observe os vários significados que a palavra flor pode assumir. O que ela representa? Como pode uma flor furar o asfalto? Seria a flor um elemento que transgride a ordem estabelecida? Seria a flor a metáfora da própria poesia, a poesia de resistência política, ou a metáfora de uma revolução?
  • 7. Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego Uma flor ainda desbotada Ilude a polícia, rompe o asfalto. Façam o completo silêncio, paralisem os negócios, Garanto que uma flor nasceu. Sua cor não se percebe. Suas pétalas não se abrem. Seu nome não está nos livros. É feia. Mas é realmente uma flor. Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde E lentamente passo a mão nessa forma insegura. Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se. Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico. É feia. Mas é uma flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio. (“A flor e a náusea”. Reunião. 10 ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1980. p. 78-9.)
  • 8. Literatura e sociedade • Partindo das experiências pessoais e sociais, o artista recria ou transcria a realidade, dando origem a uma supra- realidade ou a uma realidade ficcional. Por meio dessa supra realidade, ele consegue transmitir seus sentimentos e idéias ao mundo real, de onde tudo se origina. A reação do público à obra também pode modificar as atitudes futuras do artista.
  • 9. • Assim, a obra literária é resultado das relações dinâmicas entre escritos, público e sociedade. E, como outras obras de arte, ela não só nasce vinculada a certa realidade, mas também pode interferir nessa realidade, auxiliando no processo de transformação social. • Por vezes, a literatura assume formas de denúncia social, de crítica à realidade circundante. Dizemos então, que se trata de uma literatura engajada, que serve a uma causa político-ideológica ou a uma luta social.
  • 10. • Observe como Drummond capta o clima de medo que existiu durante a Segunda Guerra Mundial: Congresso internacional do medo Provisoriamente não cantemos o amor que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos. Cantemos o medo, que esteriliza os abraços, não cantemos o ódio porque esse não existe, existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro.
  • 11. Literatura e Imaginação • Como transcrição da realidade, a literatura não precisa necessariamente estar presa a ela. Tanto o escritor quanto o leitor fazem uso da imaginação: o artista recria livremente a realidade, assim como o leitor recria livremente o texto literário que lê. • O poeta português Fernando Pessoa já havia se referido a essa postura participante do leitor. Veja o poema a seguir, que é do começo do século XX.
  • 12. Autopsicografia O poeta é um fingidor Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira a entreter a razão Este comboio de corda Que se chama coração.
  • 13. Literatura e Prazer • A arte cumpre o papel de proporcionar prazer. A literatura, jogando com as palavras, ritmos, sons e imagens e conduzindo o leitor a mundos imaginários, causa prazer aos sentidos e à sensibilidade do homem.
  • 14. A Dança Não te amo como se fosses a rosa de sal, topázio Ou flechas de cravos que propagam o fogo: Te amo como se amam certas coisas obscuras, Secretamente, entre a sombra e a alma. Te amo como a planta que não floresce e leva Dentro de si, oculta, a luz daquelas flores, E graças a teu amor vive escuro em meu corpo O apertado aroma que ascendeu da terra. Te amo sem saber como, nem quando, nem Senão assim deste modo que não sou nem és, Tão perto que tua mão sobre o meu peito é minha, Tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho. Antes de amar-te, amor, nada era meu: Vacilei pelas ruas e as coisas: Nada contava nem tinha nome: O mundo era do ar que esperava. E conheci salões cinzentos, Túneis habitados pela lua, Hangares cruéis que se dependiam, Perguntas que insistiam na areia. Tudo estava vazio, morto e mudo, Caído, abandonado, decaído, Tudo era inalianavelmente alheio, Tudo era dos outros e de ninguém,
  • 15. Literatura e História Literária • Estudar literatura é, basicamente, ampliar nossas habilidade de leitura do texto literário. No ensino médio, a esse estudo se soma o da história literária, por meio do qual é possível acompanhar a evolução cronológica da literatura de determinado povo e cultura e observar a relação entre suas transformações e os diversos momentos os históricos.