SlideShare uma empresa Scribd logo
O uso do gênero literário Crônica no cotidiano escolar• é publicada geralmente em jornais ou revistas; • relata de forma artística e pessoal fatos colhidos no noticiário jornalístico e no cotidiano; • consiste em um texto curto e leve, que tem por objetivo divertir e/ou fazer refletir criticamente sobre a vida e os comportamentos humanos; 
A crônica:• pode apresentar elementos básicos da narrativa - fatos, tempo, personagens e lugar – com tempo e espaço não limitados; • o narrador pode ser observador ou se constituir em personagem; • emprega a variedade informal da língua;• pode apresentar discurso direto, indireto e indireto livre. 
Os cronistas expõem seus ponto de vista, seus comentários e deduções, suas ironias e interpretações a respeito de fatos (notícias ou dia-a-dia pessoal). Ele não tem, no entanto, por finalidade apenas a informação, mas sua universalização para que as pessoas aprendam alguma coisa com o que é, aparentemente, corriqueiro. O que faz desse gênero ser um dos melhores para se trabalhado em sala de aula. 
Partilha fatos do cotidiano com seu leitor, dando singularidade a eles.Cobrança – Moacyr ScliarEla abriu a janela e ali estava ele, diante da casa, caminhando de um lado para outro. Carregava um cartaz, cujos dizeres atraíam a atenção dos passantes: "Aqui mora uma devedora inadimplente".        ― Você não pode fazer isso comigo ― protestou ela.      ― Claro que posso ― replicou ele. ― Você comprou, não pagou. Você é uma devedora inadimplente. E eu sou cobrador. Por diversas vezes tentei lhe cobrar, você não pagou.
    ― Não paguei porque não tenho dinheiro. Esta crise...        ― Já sei ― ironizou ele. ― Você vai me dizer que por causa daquele ataque lá em Nova York seus negócios ficaram prejudicados. Problema seu, ouviu? Problema seu. Meu problema é lhe cobrar. E é o que estou fazendo.
Traz aspectos de oralidade para a escrita: expressões de conversa familiar e íntima, repetições e o pronome “você”.― Mas você podia fazer isso de uma forma mais discreta...       ― Negativo. Já usei todas as formas discretas que podia. Falei com você, expliquei, avisei. Nada. Você fazia de conta que nada tinha a ver com o assunto. Minha paciência foi se esgotando, até que não me restou outro recurso: vou ficar aqui, carregando este cartaz, até você saldar sua dívida.
Emprega verbos flexionados na primeira e terceira pessoas. Neste momento começou a chuviscar.        ― Você vai se molhar ― advertiu ela. ― Vai acabar ficando doente.        Ele riu, amargo:        ― E daí? Se você está preocupada com minha saúde, pague o que deve.        ― Posso lhe dar um guarda-chuva...        ― Não quero. Tenho de carregar o cartaz, não um guarda-chuva.
Ela agora estava irritada:       ― Acabe com isso, Aristides, e venha para dentro. Afinal, você é meu marido, você mora aqui.
Vale-se do discurso direto no diálogo, verbos de dizer.― Sou seu marido ― retrucou ele ― e você é minha mulher, mas eu sou cobrador profissional e você é devedora. Eu avisei: não compre essa geladeira, eu não ganho o suficiente para pagar as prestações. Mas não, você não me ouviu. E agora o pessoal lá da empresa de cobrança quer o dinheiro. O que quer você que eu faça? Que perca meu emprego? De jeito nenhum. Vou ficar aqui até você cumprir sua obrigação.
Usa marcas de tempo e lugar que revelam fatos do cotidiano.  Chovia mais forte, agora. Borrada, a inscrição tornara-se ilegível. A ele, isso pouco importava: continuava andando de um lado para outro, diante da casa, carregando o seu cartaz.                                      O imaginário cotidiano. São Paulo: Global, 2001.   
Copie e responda as questões.1- O autor é observador ou personagem( foco narrativo)?2- Como o narrador introduz as personagens?3- Existe um elemento surpresa? Qual?4- Que aspectos do cotidiano são narrados? De que forma?5- Como é o diálogo das personagens?6-É possível localizar o conflito? E o desfecho?
Discurso direto:O narrador reproduz textualmente as palavras, falas, as características da personagem. Ao construir discurso direto, o autor atualiza o acontecimento, tornando viva e natural a personagem, a cena. Usa-se o travessão e certos verbos especiais “de dizer” (falar, dizer, responder, retrucar, indagar, declarar, exclamar).
Discurso indiretoO narrador “conta” o que a personagem disse. Conhecemos suas palavras indiretamente. Há uma intensa identidade, quase se misturam narrador e personagem.
Discurso indireto livre ou mistoO narrador incorpora na sua linguagem a fala das personagens e assim nos transmite a essência do pensamento ou sentimento. No discurso indireto livre existe a inserção sutil da fala da personagem sem as marcas do discurso direto, porém com toda sua força e vivacidade.
Leia novamente a crônica e encontre e copie o que se pede:1- uma passagem com discurso direto:2- uma passagem com discurso indireto:3- uma passagem com discurso indireto livre.Ouça mais algumas crônicas para a seguir escrever a sua.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
Keu Oliveira
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
Renally Arruda
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
SEEDUC
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
Andrea Dutra
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
Carolina Loçasso Pereira
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
diegoprofessor10
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
Keu Oliveira
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
Alice Silva
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OKAULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
Marcelo Cordeiro Souza
 
Gênero textual crônica (narrativa)
Gênero textual crônica (narrativa)Gênero textual crônica (narrativa)
Gênero textual crônica (narrativa)
Mariany Dutra
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 

Mais procurados (20)

Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OKAULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
 
Gênero textual crônica (narrativa)
Gênero textual crônica (narrativa)Gênero textual crônica (narrativa)
Gênero textual crônica (narrativa)
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 

Semelhante a Gênero Cronica

Portugues vol3
Portugues vol3Portugues vol3
Portugues vol3
Blaunier Matheus
 
Gênero Textual Diário
Gênero Textual DiárioGênero Textual Diário
Gênero Textual Diário
Jomari
 
Texto - definições
Texto - definiçõesTexto - definições
Texto - definições
Ingridd Lopes
 
Gêneros textuais trabalho de português (3° série - a)
Gêneros textuais   trabalho de português (3° série - a)Gêneros textuais   trabalho de português (3° série - a)
Gêneros textuais trabalho de português (3° série - a)
Matheus Alves
 
2 portugues novo superior
2 portugues novo superior2 portugues novo superior
2 portugues novo superior
Janice Porto
 
Ppt unidade 8 ano 2
Ppt unidade 8 ano 2Ppt unidade 8 ano 2
Ppt unidade 8 ano 2
michelly
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas
ProfFernandaBraga
 
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
marina cangussu starling
 
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
WandersonBarros16
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
julianadias218
 
O homem trocado
O homem trocadoO homem trocado
O homem trocado
Girleno Oliveira
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
guestd9a4ef3c
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
Joseline Pippi
 
Funções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibularFunções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibular
Silene Faro
 
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
JessicaHendscke1
 
Portugues1em
Portugues1emPortugues1em
Portugues1em
Greice Gomes
 
www.AulasParticulares.Info - Português - Contos e Crônicas
www.AulasParticulares.Info - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasParticulares.Info - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasParticulares.Info - Português - Contos e Crônicas
AulasPartInfo
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
AulasEnsinoMedio
 
Oficina literária conceitos.
Oficina literária   conceitos.Oficina literária   conceitos.
Oficina literária conceitos.
greghouse48
 

Semelhante a Gênero Cronica (20)

Portugues vol3
Portugues vol3Portugues vol3
Portugues vol3
 
Gênero Textual Diário
Gênero Textual DiárioGênero Textual Diário
Gênero Textual Diário
 
Texto - definições
Texto - definiçõesTexto - definições
Texto - definições
 
Gêneros textuais trabalho de português (3° série - a)
Gêneros textuais   trabalho de português (3° série - a)Gêneros textuais   trabalho de português (3° série - a)
Gêneros textuais trabalho de português (3° série - a)
 
2 portugues novo superior
2 portugues novo superior2 portugues novo superior
2 portugues novo superior
 
Ppt unidade 8 ano 2
Ppt unidade 8 ano 2Ppt unidade 8 ano 2
Ppt unidade 8 ano 2
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas3° ano - Contos e crônicas
3° ano - Contos e crônicas
 
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
 
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
O homem trocado
O homem trocadoO homem trocado
O homem trocado
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Funções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibularFunções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibular
 
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
7_106_-_7o_ano_aula_N1_2024.pdfddfdxcfff
 
Portugues1em
Portugues1emPortugues1em
Portugues1em
 
www.AulasParticulares.Info - Português - Contos e Crônicas
www.AulasParticulares.Info - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasParticulares.Info - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasParticulares.Info - Português - Contos e Crônicas
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
 
Oficina literária conceitos.
Oficina literária   conceitos.Oficina literária   conceitos.
Oficina literária conceitos.
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 

Gênero Cronica

  • 1. O uso do gênero literário Crônica no cotidiano escolar• é publicada geralmente em jornais ou revistas; • relata de forma artística e pessoal fatos colhidos no noticiário jornalístico e no cotidiano; • consiste em um texto curto e leve, que tem por objetivo divertir e/ou fazer refletir criticamente sobre a vida e os comportamentos humanos; 
  • 2. A crônica:• pode apresentar elementos básicos da narrativa - fatos, tempo, personagens e lugar – com tempo e espaço não limitados; • o narrador pode ser observador ou se constituir em personagem; • emprega a variedade informal da língua;• pode apresentar discurso direto, indireto e indireto livre. 
  • 3. Os cronistas expõem seus ponto de vista, seus comentários e deduções, suas ironias e interpretações a respeito de fatos (notícias ou dia-a-dia pessoal). Ele não tem, no entanto, por finalidade apenas a informação, mas sua universalização para que as pessoas aprendam alguma coisa com o que é, aparentemente, corriqueiro. O que faz desse gênero ser um dos melhores para se trabalhado em sala de aula. 
  • 4. Partilha fatos do cotidiano com seu leitor, dando singularidade a eles.Cobrança – Moacyr ScliarEla abriu a janela e ali estava ele, diante da casa, caminhando de um lado para outro. Carregava um cartaz, cujos dizeres atraíam a atenção dos passantes: "Aqui mora uma devedora inadimplente".        ― Você não pode fazer isso comigo ― protestou ela.      ― Claro que posso ― replicou ele. ― Você comprou, não pagou. Você é uma devedora inadimplente. E eu sou cobrador. Por diversas vezes tentei lhe cobrar, você não pagou.
  • 5.     ― Não paguei porque não tenho dinheiro. Esta crise...        ― Já sei ― ironizou ele. ― Você vai me dizer que por causa daquele ataque lá em Nova York seus negócios ficaram prejudicados. Problema seu, ouviu? Problema seu. Meu problema é lhe cobrar. E é o que estou fazendo.
  • 6. Traz aspectos de oralidade para a escrita: expressões de conversa familiar e íntima, repetições e o pronome “você”.― Mas você podia fazer isso de uma forma mais discreta...       ― Negativo. Já usei todas as formas discretas que podia. Falei com você, expliquei, avisei. Nada. Você fazia de conta que nada tinha a ver com o assunto. Minha paciência foi se esgotando, até que não me restou outro recurso: vou ficar aqui, carregando este cartaz, até você saldar sua dívida.
  • 7. Emprega verbos flexionados na primeira e terceira pessoas. Neste momento começou a chuviscar.        ― Você vai se molhar ― advertiu ela. ― Vai acabar ficando doente.        Ele riu, amargo:        ― E daí? Se você está preocupada com minha saúde, pague o que deve.        ― Posso lhe dar um guarda-chuva...        ― Não quero. Tenho de carregar o cartaz, não um guarda-chuva.
  • 8. Ela agora estava irritada:       ― Acabe com isso, Aristides, e venha para dentro. Afinal, você é meu marido, você mora aqui.
  • 9. Vale-se do discurso direto no diálogo, verbos de dizer.― Sou seu marido ― retrucou ele ― e você é minha mulher, mas eu sou cobrador profissional e você é devedora. Eu avisei: não compre essa geladeira, eu não ganho o suficiente para pagar as prestações. Mas não, você não me ouviu. E agora o pessoal lá da empresa de cobrança quer o dinheiro. O que quer você que eu faça? Que perca meu emprego? De jeito nenhum. Vou ficar aqui até você cumprir sua obrigação.
  • 10. Usa marcas de tempo e lugar que revelam fatos do cotidiano.  Chovia mais forte, agora. Borrada, a inscrição tornara-se ilegível. A ele, isso pouco importava: continuava andando de um lado para outro, diante da casa, carregando o seu cartaz.                                      O imaginário cotidiano. São Paulo: Global, 2001.   
  • 11. Copie e responda as questões.1- O autor é observador ou personagem( foco narrativo)?2- Como o narrador introduz as personagens?3- Existe um elemento surpresa? Qual?4- Que aspectos do cotidiano são narrados? De que forma?5- Como é o diálogo das personagens?6-É possível localizar o conflito? E o desfecho?
  • 12. Discurso direto:O narrador reproduz textualmente as palavras, falas, as características da personagem. Ao construir discurso direto, o autor atualiza o acontecimento, tornando viva e natural a personagem, a cena. Usa-se o travessão e certos verbos especiais “de dizer” (falar, dizer, responder, retrucar, indagar, declarar, exclamar).
  • 13. Discurso indiretoO narrador “conta” o que a personagem disse. Conhecemos suas palavras indiretamente. Há uma intensa identidade, quase se misturam narrador e personagem.
  • 14. Discurso indireto livre ou mistoO narrador incorpora na sua linguagem a fala das personagens e assim nos transmite a essência do pensamento ou sentimento. No discurso indireto livre existe a inserção sutil da fala da personagem sem as marcas do discurso direto, porém com toda sua força e vivacidade.
  • 15. Leia novamente a crônica e encontre e copie o que se pede:1- uma passagem com discurso direto:2- uma passagem com discurso indireto:3- uma passagem com discurso indireto livre.Ouça mais algumas crônicas para a seguir escrever a sua.