SlideShare uma empresa Scribd logo
Arte Gótica
Período e localização:
1200 até 1300 d.C., desenvolveu-se na França e irradiou-se
por outras regiões da Europa.
Arte:
A arte Gótica divide-se em quatro períodos: Primitivo,
Lanceolado, Irradiante e Flamejante.
O termo Gótico foi utilizado pelos italianos
renascentistas, que consideravam a Idade Média como
a idade das trevas, época de bárbaros, e como para
eles os godos eram o povo bárbaro mais conhecido,
utilizaram a expressão gótica para designar o que até
então chamava-se “Arte Francesa ”.
Catedral Gótica
Arquitectura Gótica
Século XIX
Idade Média
Paris, França
A catedral gótica…
• Apoiava-se nos princípios de um simbolismo
teológico:
 Paredes base espiritual da igreja.
 Pilares representavam os santos.
 Arcos e nervos caminho para Deus.
Inovações Técnicas
• Arco Ogival
• Abóbada de cruzaria de ogivas
• Botaréus
• Arcobotantes
Uma nova estética
• Aumento da altura
• adelgaçou colunelos e pilares
• Libertação das paredes que suportavam a cobertura;
• Abertura de amplas janelas
• Planta em cruz latina;
• Cabeceira – tornou-se mais
complexa (deambulatório duplo,
por exemplo), ocupando cerca de
um terço da igreja.
• Transepto (dividido em três ou
cinco naves) tornou-se quase tão
largo como o corpo principal, mas
pouco ou nada saliente;
Planta
Verticalidade
No interior:
• Maior altura dos tectos;
• Pilares mais finos e altos;
• A proporção largura/altura da nave
central é progressivamente maior;
• Alongamento das arcadas e
das janelas do clerestório
(com o desaparecimento da galeria).
Verticalidade
No exterior:
• Torres sineiras, terminadas em telhados
cónicos ou flechas rendilhadas, prolongando-
se em pináculos e agulhas
Iluminação
• Amplas janelas, mais alongadas,
ocupando quase toda a largura
das paredes;
• Fachadas com imponentes
rosáceas;
• Vitrais coloridos.
Outras mudanças na estrutura das
igrejas…
Interior:
• Pilares mais próximos uns dos
outros, mas mais finos e altos
Exterior:
• Entradas monumentais em
todas as fachadas; portal oeste
triplo; portais num corpo
saliente da fachada,
enquadrados num pórtico
coberto e mais esguios devido
às arquivoltas ogivais…
Decoração (esculpida e pintada)
• Sóbria no interior;
• Exterior: decorado com
estatuária e relevos nos
tímpanos, arquivoltas,
colunelos, mainéis cornijas,
gárgulas, botaréus,
arcobotantes, pináculos…
• Valor doutrinal – “livro de
imagens” da Cristandade
Arquitectura civil e militar
Civil
Século XIII
• Moradas da aristocracia- castelos senhoriais
Século XIV
• Casas comunais
• Casas das corporações ou ofícios
Militar
Castelo-fortaleza
Dentro das igrejas ainda existiam
esculturas e afrescos que
buscavam representar a figura
humana com maior realismo
possível. Por isso eram feitos
muitos painéis e os manuscritos
tinha detalhes de iluminuras,
outro símbolo do período.
Escultura:
A escultura gótica desenvolveu-se paralelamente à
arquitetura das Igrejas e está presente nas fachadas,
tímpanos e portais das catedrais, que foram o espaço
ideal para sua realização. Caracterizou-se por um
calculado naturalismo que, mais do que as formas da
realidade, procurou expressar a beleza ideal do divino;
no entanto a escultura pode ser vista como um
complemento à arquitetura, na medida em que a maior
parte das obras foi desenvolvida separadamente e
depois colocadas no interiro das Igrejas, não fazendo
parte necessariamente da estrutura arquitetônica.
As estátuas parecem
animadas por vida e
movimento.
A rejeição da frontalidade do período
anterior é considerado um aspecto
inovador e a rotação das figuras passa
a idéia de movimento, quebrando o
rigorismo formal.
Naturalidade e dinamismo
Perfeição e equilíbrio
Procuram uma representação mais real
de corpos.
A escultura de vulto
redondo aparece
genericamente ligada à
oração individual, ao
culto privado, separada
de qualquer contexto.
Eram imagens para
adoração ou imagens de
devoção, como estátuas
da Virgem, imagens de
santos, pietàs, crucifixos.
Refletem uma procura da
perfeição formal, no
sentido de provocarem
uam forte emoção e uma
afirmação do verismo da
mensagem.
A Literatura e a arte tiveram por
funçao tratar a vida como algo
de muito passageiro.
O enterro dos nobres nas
igrejas, ad sanctos (junto dos
santos), foi tradicional.
A partir de 1200, vulgarizou-se a
construção de estátuas
jacentes, mostrando bem o
cuidado dos reis, príncipes e
clero, em fazer cenotáfios, arcas
e túmulos para que sempre
fossem lembrados. Esta
escultura não fixava com
promenor os traços físicos do
morto, só procuravam evocar o
defunto.
Em meados do século XIII
apareceu o retrato idealizado.
Pintura
-1200 , 50 anos depois do inicio da
arquitectura e escultura gótica ;
-1300e 1350 tem o seu apogeu como
expressão de arquitectura
Vitral:
• Auxílio à estruturação da catedral;
• Carácter abstracto sem efeito tridimensional.
Vitral
• Na última metade do século XIV a influência dos
mestres italianos no norte europeu é forte e a
iluminura ganha uma estrutura espacial mais
harmoniosa.
Iluminura
Mestres italianos
• A pintura apresenta uma escala monumental;
• Forte dramatização das personagens.
A Arquitetura
A arte gótica acompanhou, no território nacional,
o final da reconquista, a sedimentação do
povoamento, o desenvolvimento da economia
interna, o arranque do comércio externo, a
organização administrativa do território ou seja a
consolidação da monarquia que só agora se tinha
visto reconhecida pelo papado. Se o nosso berço foi
românico, a juventude passámo-la sob as ogivas do
gótico.
Consequências
 Desenvolvimento tardio e o seu prolongamento
através do Manuelismo.
 Uma arte monástica e rural e não episcopal e
urbana.
 Maior simplicidade e pobreza do gótico
português
A Arquitetura religiosa do
Gótico Inicial (séc. XIII-XIV)
O gótico português realizou-se primeiro na
arquitetura religiosa que se manifestou como a mais
excessiva e rica de todo o período.
As primeiras edificações totalmente góticas
surgiram entre finais do século XII e inícios do seculo
XIII, demonstrando pela sua alta qualidade técnica a
origem estrangeira dos seus construtores.
Sé Velha, Coimbra
Mosteiro de Alcobaça
Sé de Évora
Igreja de
Santa Clara
de Vila do
Conde
Igreja –Fortaleça de Leça do Balio
–
Sé de Lisboa
Igreja de S. Francisco,
Santarém
O Florescimento do Gótico
Nacional (seculo XV)
Esta situação modificou após a construção do
grandioso Mosteiro da Batalha mandado construir
por D. João I para cumprimento de um voto feito
aquando da Batalha de Aljubarrota e entre pelo
mesmo aos monges dominicanos que tão bem
assumiram a defesa da sua causa nas cortes de 1385.
Mosteiro da Batalha
Arquitetura civil e militar
A arte gótica continua a ser caracterizada por ser
uma época rude, de violência e de guerras, o que
colocou as construções defensivas do território em
destaque apesar de que até ao século XIII a
arquitetura militar portuguesa (castelos, cercas, e
simples torres) mantiveram-se apegadas às tradições
românicas de defesa passiva, sem registarem grandes
alterações.
Escultura
• Séc. XIV-XV
Escultura decorativa:
• Capitéis;
• Portais;
Exagerada utilização do vegetalismo na decoração (influências
das artes muçulmana e mudéjar);
Escultura de Vulto
• São senhoras delicadas, doces maternais, coloridas, com
panejamentos movimentados e um discreto requebro em forma
de ‘S’. É também visível um maior realismo nos rostos e nos
gestos.
Material:
• Pedra
• Madeira
Virgem com o menino Nossa Senhora do Ó
Escultura tumular
-Modelos ideais
-Expressão facial
A pintura
Tal como no resto da Europa, o Período Gótico,
em Portugal, foi de maior riqueza e por isso propicio
ao desenvolvimento das atividades artísticas,
cabendo sobretudo à igreja o papel de principal
encomendador. Também neste facto, Portugal não
foi exceção á regra, pois só por volta do século XV se
deu uma verdadeira eclosão da clientela laica.
Iluminura
Cancioneiro da Ajuda
Missal Antigo de Lorvão
A pintura
A pintura Gótica produzida por Portugueses
(seculo XIV e XV) constituiu uma das atividades
artísticas mais importantes deste período e ate,
talvez, de todos os tempos.
É a qualidade estética e técnica das obras que
reflete a grande diferença nas obras devido á sua
formação diferente de artista para artista.
Políptico de
S. Vicente de Fora
Políptico de
Santa Clara

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Ana Barreiros
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
Susana Simões
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
Joana Tavares
 
A arte do rococó
A arte do rococóA arte do rococó
A arte do rococó
Guilherme Malta
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
Ana Barreiros
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
Marcio Duarte
 
A pintura gótica ii
A pintura gótica iiA pintura gótica ii
A pintura gótica ii
Ana Barreiros
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
cattonia
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
Ana Barreiros
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
Ana Barreiros
 
Arte Renascentista
Arte RenascentistaArte Renascentista
Arte Renascentista
Maria Gomes
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
Feliciabalan04
 
A cultura da catedral escultura e pintura
A cultura da catedral   escultura e pinturaA cultura da catedral   escultura e pintura
A cultura da catedral escultura e pintura
cattonia
 
Módulo 3 contexto histórico profissional
Módulo 3   contexto histórico profissionalMódulo 3   contexto histórico profissional
Módulo 3 contexto histórico profissional
Carla Freitas
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Carlos Vieira
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
Carla Freitas
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
Ana Barreiros
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
Maiara Giordani
 
Escultura grega classica
Escultura grega classica Escultura grega classica
Escultura grega classica
Lorredana Pereira
 

Mais procurados (20)

A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
A arte do rococó
A arte do rococóA arte do rococó
A arte do rococó
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
 
A pintura gótica ii
A pintura gótica iiA pintura gótica ii
A pintura gótica ii
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
Arte Renascentista
Arte RenascentistaArte Renascentista
Arte Renascentista
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
A cultura da catedral escultura e pintura
A cultura da catedral   escultura e pinturaA cultura da catedral   escultura e pintura
A cultura da catedral escultura e pintura
 
Módulo 3 contexto histórico profissional
Módulo 3   contexto histórico profissionalMódulo 3   contexto histórico profissional
Módulo 3 contexto histórico profissional
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
 
Escultura grega classica
Escultura grega classica Escultura grega classica
Escultura grega classica
 

Semelhante a Arte gotica

Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
CLEBER LUIS DAMACENO
 
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdfartenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
LILIANADESOUZAADRIO
 
Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
Aline Raposo
 
imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)
professoramariaraquel
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
Thassia Izabel
 
Romanico 3
Romanico 3Romanico 3
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
Rafael Lucas da Silva
 
Arteromanica gotica2019
Arteromanica gotica2019Arteromanica gotica2019
Arteromanica gotica2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptxhistoria-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
Sandra Sousa
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
cattonia
 
Arte gótica 2014
Arte gótica 2014Arte gótica 2014
Arte gótica 2014
Avatar Cuamba
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
Sofia Yuna
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
www.historiadasartes.com
 
Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1 Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1
Marcos Vinícius
 
Arte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptArte em portugal curso pt
Arte em portugal curso pt
Cristina Alves
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
Rococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11ºRococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11º
Valeriya Rozhkova
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
João Lima
 
Linha-Do-Tempo ARTE
Linha-Do-Tempo ARTELinha-Do-Tempo ARTE
Linha-Do-Tempo ARTE
LucimeireMellodosRei
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
bragapinheiro
 

Semelhante a Arte gotica (20)

Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
 
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdfartenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
 
Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
 
imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)imagens arte românica e gótica (7º ano)
imagens arte românica e gótica (7º ano)
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
 
Romanico 3
Romanico 3Romanico 3
Romanico 3
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
 
Arteromanica gotica2019
Arteromanica gotica2019Arteromanica gotica2019
Arteromanica gotica2019
 
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptxhistoria-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
 
Arte gótica 2014
Arte gótica 2014Arte gótica 2014
Arte gótica 2014
 
Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
 
Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1 Arte Gótica 1.1
Arte Gótica 1.1
 
Arte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptArte em portugal curso pt
Arte em portugal curso pt
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Rococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11ºRococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11º
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
 
Linha-Do-Tempo ARTE
Linha-Do-Tempo ARTELinha-Do-Tempo ARTE
Linha-Do-Tempo ARTE
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 

Mais de RosaNardaci1

lazer-ed-fisica.pdf
lazer-ed-fisica.pdflazer-ed-fisica.pdf
lazer-ed-fisica.pdf
RosaNardaci1
 
trabalho-1000005747.pdf
trabalho-1000005747.pdftrabalho-1000005747.pdf
trabalho-1000005747.pdf
RosaNardaci1
 
O_conceito_de_lazer_nas_concepcoes_da_ef_escolar-o_dito_e_o_nao_dito10.pdf
O_conceito_de_lazer_nas_concepcoes_da_ef_escolar-o_dito_e_o_nao_dito10.pdfO_conceito_de_lazer_nas_concepcoes_da_ef_escolar-o_dito_e_o_nao_dito10.pdf
O_conceito_de_lazer_nas_concepcoes_da_ef_escolar-o_dito_e_o_nao_dito10.pdf
RosaNardaci1
 
Article Text-12164-1-10-20090708.pdf
Article Text-12164-1-10-20090708.pdfArticle Text-12164-1-10-20090708.pdf
Article Text-12164-1-10-20090708.pdf
RosaNardaci1
 
document.pdf
document.pdfdocument.pdf
document.pdf
RosaNardaci1
 
7058-26755-1-PB.pdf
7058-26755-1-PB.pdf7058-26755-1-PB.pdf
7058-26755-1-PB.pdf
RosaNardaci1
 
Introdução_ao_Estudo_do_Lazer_-_5ºLicenciatura.pdf
Introdução_ao_Estudo_do_Lazer_-_5ºLicenciatura.pdfIntrodução_ao_Estudo_do_Lazer_-_5ºLicenciatura.pdf
Introdução_ao_Estudo_do_Lazer_-_5ºLicenciatura.pdf
RosaNardaci1
 
Article Text-10744-1-10-20080607.pdf
Article Text-10744-1-10-20080607.pdfArticle Text-10744-1-10-20080607.pdf
Article Text-10744-1-10-20080607.pdf
RosaNardaci1
 

Mais de RosaNardaci1 (8)

lazer-ed-fisica.pdf
lazer-ed-fisica.pdflazer-ed-fisica.pdf
lazer-ed-fisica.pdf
 
trabalho-1000005747.pdf
trabalho-1000005747.pdftrabalho-1000005747.pdf
trabalho-1000005747.pdf
 
O_conceito_de_lazer_nas_concepcoes_da_ef_escolar-o_dito_e_o_nao_dito10.pdf
O_conceito_de_lazer_nas_concepcoes_da_ef_escolar-o_dito_e_o_nao_dito10.pdfO_conceito_de_lazer_nas_concepcoes_da_ef_escolar-o_dito_e_o_nao_dito10.pdf
O_conceito_de_lazer_nas_concepcoes_da_ef_escolar-o_dito_e_o_nao_dito10.pdf
 
Article Text-12164-1-10-20090708.pdf
Article Text-12164-1-10-20090708.pdfArticle Text-12164-1-10-20090708.pdf
Article Text-12164-1-10-20090708.pdf
 
document.pdf
document.pdfdocument.pdf
document.pdf
 
7058-26755-1-PB.pdf
7058-26755-1-PB.pdf7058-26755-1-PB.pdf
7058-26755-1-PB.pdf
 
Introdução_ao_Estudo_do_Lazer_-_5ºLicenciatura.pdf
Introdução_ao_Estudo_do_Lazer_-_5ºLicenciatura.pdfIntrodução_ao_Estudo_do_Lazer_-_5ºLicenciatura.pdf
Introdução_ao_Estudo_do_Lazer_-_5ºLicenciatura.pdf
 
Article Text-10744-1-10-20080607.pdf
Article Text-10744-1-10-20080607.pdfArticle Text-10744-1-10-20080607.pdf
Article Text-10744-1-10-20080607.pdf
 

Arte gotica

  • 2. Período e localização: 1200 até 1300 d.C., desenvolveu-se na França e irradiou-se por outras regiões da Europa. Arte: A arte Gótica divide-se em quatro períodos: Primitivo, Lanceolado, Irradiante e Flamejante. O termo Gótico foi utilizado pelos italianos renascentistas, que consideravam a Idade Média como a idade das trevas, época de bárbaros, e como para eles os godos eram o povo bárbaro mais conhecido, utilizaram a expressão gótica para designar o que até então chamava-se “Arte Francesa ”.
  • 5. A catedral gótica… • Apoiava-se nos princípios de um simbolismo teológico:  Paredes base espiritual da igreja.  Pilares representavam os santos.  Arcos e nervos caminho para Deus.
  • 6. Inovações Técnicas • Arco Ogival • Abóbada de cruzaria de ogivas • Botaréus • Arcobotantes
  • 7. Uma nova estética • Aumento da altura • adelgaçou colunelos e pilares • Libertação das paredes que suportavam a cobertura; • Abertura de amplas janelas
  • 8. • Planta em cruz latina; • Cabeceira – tornou-se mais complexa (deambulatório duplo, por exemplo), ocupando cerca de um terço da igreja. • Transepto (dividido em três ou cinco naves) tornou-se quase tão largo como o corpo principal, mas pouco ou nada saliente; Planta
  • 9. Verticalidade No interior: • Maior altura dos tectos; • Pilares mais finos e altos; • A proporção largura/altura da nave central é progressivamente maior; • Alongamento das arcadas e das janelas do clerestório (com o desaparecimento da galeria).
  • 10. Verticalidade No exterior: • Torres sineiras, terminadas em telhados cónicos ou flechas rendilhadas, prolongando- se em pináculos e agulhas
  • 11. Iluminação • Amplas janelas, mais alongadas, ocupando quase toda a largura das paredes; • Fachadas com imponentes rosáceas; • Vitrais coloridos.
  • 12. Outras mudanças na estrutura das igrejas… Interior: • Pilares mais próximos uns dos outros, mas mais finos e altos Exterior: • Entradas monumentais em todas as fachadas; portal oeste triplo; portais num corpo saliente da fachada, enquadrados num pórtico coberto e mais esguios devido às arquivoltas ogivais…
  • 13. Decoração (esculpida e pintada) • Sóbria no interior; • Exterior: decorado com estatuária e relevos nos tímpanos, arquivoltas, colunelos, mainéis cornijas, gárgulas, botaréus, arcobotantes, pináculos… • Valor doutrinal – “livro de imagens” da Cristandade
  • 14. Arquitectura civil e militar Civil Século XIII • Moradas da aristocracia- castelos senhoriais Século XIV • Casas comunais • Casas das corporações ou ofícios Militar Castelo-fortaleza
  • 15. Dentro das igrejas ainda existiam esculturas e afrescos que buscavam representar a figura humana com maior realismo possível. Por isso eram feitos muitos painéis e os manuscritos tinha detalhes de iluminuras, outro símbolo do período.
  • 16. Escultura: A escultura gótica desenvolveu-se paralelamente à arquitetura das Igrejas e está presente nas fachadas, tímpanos e portais das catedrais, que foram o espaço ideal para sua realização. Caracterizou-se por um calculado naturalismo que, mais do que as formas da realidade, procurou expressar a beleza ideal do divino; no entanto a escultura pode ser vista como um complemento à arquitetura, na medida em que a maior parte das obras foi desenvolvida separadamente e depois colocadas no interiro das Igrejas, não fazendo parte necessariamente da estrutura arquitetônica.
  • 17. As estátuas parecem animadas por vida e movimento. A rejeição da frontalidade do período anterior é considerado um aspecto inovador e a rotação das figuras passa a idéia de movimento, quebrando o rigorismo formal. Naturalidade e dinamismo Perfeição e equilíbrio Procuram uma representação mais real de corpos.
  • 18. A escultura de vulto redondo aparece genericamente ligada à oração individual, ao culto privado, separada de qualquer contexto. Eram imagens para adoração ou imagens de devoção, como estátuas da Virgem, imagens de santos, pietàs, crucifixos. Refletem uma procura da perfeição formal, no sentido de provocarem uam forte emoção e uma afirmação do verismo da mensagem.
  • 19. A Literatura e a arte tiveram por funçao tratar a vida como algo de muito passageiro. O enterro dos nobres nas igrejas, ad sanctos (junto dos santos), foi tradicional. A partir de 1200, vulgarizou-se a construção de estátuas jacentes, mostrando bem o cuidado dos reis, príncipes e clero, em fazer cenotáfios, arcas e túmulos para que sempre fossem lembrados. Esta escultura não fixava com promenor os traços físicos do morto, só procuravam evocar o defunto. Em meados do século XIII apareceu o retrato idealizado.
  • 20. Pintura -1200 , 50 anos depois do inicio da arquitectura e escultura gótica ; -1300e 1350 tem o seu apogeu como expressão de arquitectura
  • 21. Vitral: • Auxílio à estruturação da catedral; • Carácter abstracto sem efeito tridimensional. Vitral
  • 22.
  • 23. • Na última metade do século XIV a influência dos mestres italianos no norte europeu é forte e a iluminura ganha uma estrutura espacial mais harmoniosa. Iluminura
  • 24.
  • 25. Mestres italianos • A pintura apresenta uma escala monumental; • Forte dramatização das personagens.
  • 26. A Arquitetura A arte gótica acompanhou, no território nacional, o final da reconquista, a sedimentação do povoamento, o desenvolvimento da economia interna, o arranque do comércio externo, a organização administrativa do território ou seja a consolidação da monarquia que só agora se tinha visto reconhecida pelo papado. Se o nosso berço foi românico, a juventude passámo-la sob as ogivas do gótico.
  • 27. Consequências  Desenvolvimento tardio e o seu prolongamento através do Manuelismo.  Uma arte monástica e rural e não episcopal e urbana.  Maior simplicidade e pobreza do gótico português
  • 28. A Arquitetura religiosa do Gótico Inicial (séc. XIII-XIV) O gótico português realizou-se primeiro na arquitetura religiosa que se manifestou como a mais excessiva e rica de todo o período. As primeiras edificações totalmente góticas surgiram entre finais do século XII e inícios do seculo XIII, demonstrando pela sua alta qualidade técnica a origem estrangeira dos seus construtores.
  • 30. Sé de Évora Igreja de Santa Clara de Vila do Conde Igreja –Fortaleça de Leça do Balio
  • 31. – Sé de Lisboa Igreja de S. Francisco, Santarém
  • 32. O Florescimento do Gótico Nacional (seculo XV) Esta situação modificou após a construção do grandioso Mosteiro da Batalha mandado construir por D. João I para cumprimento de um voto feito aquando da Batalha de Aljubarrota e entre pelo mesmo aos monges dominicanos que tão bem assumiram a defesa da sua causa nas cortes de 1385.
  • 34. Arquitetura civil e militar A arte gótica continua a ser caracterizada por ser uma época rude, de violência e de guerras, o que colocou as construções defensivas do território em destaque apesar de que até ao século XIII a arquitetura militar portuguesa (castelos, cercas, e simples torres) mantiveram-se apegadas às tradições românicas de defesa passiva, sem registarem grandes alterações.
  • 35. Escultura • Séc. XIV-XV Escultura decorativa: • Capitéis; • Portais; Exagerada utilização do vegetalismo na decoração (influências das artes muçulmana e mudéjar);
  • 36. Escultura de Vulto • São senhoras delicadas, doces maternais, coloridas, com panejamentos movimentados e um discreto requebro em forma de ‘S’. É também visível um maior realismo nos rostos e nos gestos. Material: • Pedra • Madeira Virgem com o menino Nossa Senhora do Ó
  • 38. A pintura Tal como no resto da Europa, o Período Gótico, em Portugal, foi de maior riqueza e por isso propicio ao desenvolvimento das atividades artísticas, cabendo sobretudo à igreja o papel de principal encomendador. Também neste facto, Portugal não foi exceção á regra, pois só por volta do século XV se deu uma verdadeira eclosão da clientela laica.
  • 40. Cancioneiro da Ajuda Missal Antigo de Lorvão
  • 41. A pintura A pintura Gótica produzida por Portugueses (seculo XIV e XV) constituiu uma das atividades artísticas mais importantes deste período e ate, talvez, de todos os tempos. É a qualidade estética e técnica das obras que reflete a grande diferença nas obras devido á sua formação diferente de artista para artista.
  • 42. Políptico de S. Vicente de Fora Políptico de Santa Clara