SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor André Fonseca
UERR - 2012
O estado moderno
 BAIXA IDADE MÉDIA: transição entre
o sistema feudal e o Estado.
 Época de redescoberta do homem – no sentido
religioso, espiritual, material, cultural e econômico.
 Crise irremediável do sistema feudal.
 Progressiva transformação do feudo em “senhoria”.
 Categoria: stand (alemão); Estat (francês); Estate
(Inglês). Todas derivadas do latim status. É o conjunto
de pessoas que se encontram em uma mesma posição
com relação aos direitos e deveres políticos (BOBBIO, p.
1214).
 A contraposição SOCIEDADE X ESTADO inexiste na
Sociedade por categorias, mas é essencial ao Estado
moderno.
 Público e privado não são categorias políticas antes da
Idade moderna.
 A concentração de poder em uma única sede é típica
da Idade Moderna. A Sociedade por Categorias era
POLICÊNTRICA. Faltava-lhe o monopólio da força
legítima (essência do Estado para Weber).
O estado moderno
 Senhorias e autonomias locais podem ser, ao mesmo
tempo, momentos de participação no poder e
momentos de exclusão/ opressão.
 “Podem refletir os interesses conservadores das
situações (status) constituídas ou promover e
estimular a mobilidade social, facilitando o surgimento
de status novos.” (BOBBIO, p. 1216).
 Pode ser “fator de mobilidade e progresso”, mas
também “fonte inesgotável de conflitos.”
O estado moderno
 Para Boeckenfoerde, “‘Estado’ não é um
conceito universal, mas serve apenas para
indicar e descrever uma forma de
ordenamento político surgida na Europa a
partir do século XIII até os fins do século
XVIII ou inícios do XIX, na base de
pressupostos e motivos específicos da
história europeia e que após esse período
se estendeu [...] a todo o mundo
civilizado.” (apud BOBBIO, p. 425).
 Entre o século XIII e o século XVI, o termo
“Estado” (Status, Estat, Estate, Staat)
refere-se, nos documentos da época, à
condição do país, em termos sociais,
políticos, constituição material, condição
do príncipe e de seus auxiliares, a
organização do poder.
 “O ‘Estado’, em conclusão, de tudo o que
diz respeito à esfera da vida humana
organizada, não voltada diretamente para
fins espirituais”. (BOBBIO, p. 427).
 As terríveis guerras de religião nos séculos
XVI-XVII na Europa levaram ao fim da
pretensão de fundar o poder sobre uma fé.
 A religião deixa de ser parte integrante da
política. Uma nova forma de organização
expressamente política do poder toma
forma.
 A política passa a se justificar, a partir de
dentro, pelos fins terrenos, materiais e
existenciais: em primeiro lugar a ordem e o
bem-estar.
 BODIN; HOBBES.
 “A ordem estatal torna-se assim um projeto
‘racional’ da humanidade em torno do
próprio destino terreno: o contrato social
que assinala simbolicamente a passagem do
Estado de natureza ao Estado civil não é
mais do que a tomada de consciência por
parte do homem dos condicionamentos
naturais a que está sujeita sua vida em
sociedade e das capacidades de que dispõe
para controlar, organizar, gerir e utilizar
esses condicionamentos para sua
sobrevivência e para seu crescente bem-
estar”. (BOBBIO, p. 428).
Os rendimentos privados do rei eram
insuficientes para gerir um exército e
uma burocracia permanentes
Era necessário portanto
recorrer ao país, em suas
expressões políticas e sociais,
reunidas em assembleia
Nobreza
(Segundo
Estado)
Clero
(Primeiro
Estado)
O Terceiro Estado fornece
financiamento e pessoal
qualificado para a
administração
E assim o rei consegue
um exército permanente
e, eventualmente,
dispensa os Estados
Gerais.
O estado moderno
Palavra cunhada no final do século XIX (ou seja, muito posterior
ao objeto cuja existência tenta delimitar – FALCON, p. 8)
Nunca foi um corpo doutrinário coerente.
Nem toda ideia ou prática de intervenção do Estado na economia é
mercantilista!
 “Conjunto de ideias e
práticas econômicas que
caracterizam a história
econômica europeia e,
principalmente, a
política econômica dos
Estados modernos
europeus durante o
período situado entre os
séculos XV/XVI e XVIII”
(FALCON, p. 11).
 “O mercantilismo foi
essencialmente a política
econômica de uma era de
acumulação primitiva”
(DOBB, apud FALCON,
p. 11).
 “o Estado foi o sujeito e o
objeto da política
mercantilista”
(HECKSCHER, apud
FALCON, p. 12).
O estado moderno
 Conceito criado pelos constitucionalistas liberal-
burgueses do século XIX, em oposição ao “ESTADO
DE DIREITO”. Intenção pejorativa.
 Origem etimológica:
 (BOBBIO, Norberto. Dicionário de Política, p. 410).
Grego Latim medieval
politeia Politia
Aristóteles: politeia =
constituição da pólis.
São Tomás: politia =
ordenamento global da
vida terrena.
 Estados italianos da Renascença e Ducado da
Borgonha: polícia = instrumento do príncipe para a
consecução de seus fins políticos ou deveres de Estado.
 França: police adquire significado técnico. Inicialmente,
designava o conjunto das atividades de governo.
Depois, cristalizou-se em uma série de intervenções
destinadas a garantir a segurança e tranquilidade dos
súditos e do príncipe (BOBBIO, p. 410).
 Nos séculos XVI-XVII, cada príncipe territorial alemão
lutava para impor sua autoridade ao mesmo tempo
contra o IMPERADOR e contra as categorias
tradicionais.
 Nesse contexto, o problema fundamental do príncipe
era criar para si uma esfera soberana própria e
autônoma.
 A polizei era instrumento do príncipe no seu intuito
centralizador e ao mesmo tempo a justificativa
histórica de seu poder.
 Cada vez mais, as ordenanças de polícia dos príncipes
alemães tratavam de mais e mais aspectos da vida
social – que então encontrava-se em plena
transformação.
 Aos poucos, essas “ordens” ganhavam força de lei,
tornando-se novas fontes do direito.
Polizei
Pesos e
medidas
Exército
perma-
nente
Segurança
e bem-
estar dos
súditos
Fomento
econômico
Aumento
de
impostos
Profissio-
nalização
da
adminis-
tração
 Em uma diversidade de assuntos, o governo do
príncipe intervém como fator de racionalização, de
regulação.
 O Estado de Polícia típico é a Prússia do século XVIII:
“gute Ordnung und polizei”.
 “À hierarquia estática de uma ordem fechada, medieval
(imperial), sucede agora, graças à ação do príncipe e de
sua polícia, uma estrutura
aberta, inovadora, mecânica, propensamente
igualitária (os súditos de um lado, o príncipe de
outro), disposta desde cima”. (BOBBIO, p. 411).
O estado moderno
O estado moderno
 “Promover o bem-estar
significa [...] orientar a
economia, realizar
intervenções persuasivas
ou dissuasivas em relação
a esta ou àquela atividade
econômica. [...] valer-se
dos serviços de técnicos,
de administradores e de
expertos do setor.”
(BOBBIO, p. 412).
 A construção do Estado de Polícia prussiano foi a
grande obra dos Hohenzollern, de 1640 em diante (de
Frederico Guilherme a Frederico II, o Grande).
 “Foi contra ele que, de Kant em diante, se desenvolveu
na Alemanha o pensamento liberal contra o Estado
paternalista, contra o príncipe-pai que pretendia
decidir o que mais convinha aos súditos, contra a
tutela em que estes eram mantidos em tudo o que
concernia à sua vida.” (BOBBIO, p. 412).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
Paula Raphaela
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
harlissoncarvalho
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
Marcela Marangon Ribeiro
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
EEBMiguelCouto
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Eduard Henry
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gisele Finatti Baraglio
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Juliana Corvino de Araújo
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
Jeane Santos
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Portal do Vestibulando
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
Rafael Noronha
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Teoria Marxista
Teoria MarxistaTeoria Marxista
Teoria Marxista
Isabella Silva
 

Mais procurados (20)

Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
 
Teoria Marxista
Teoria MarxistaTeoria Marxista
Teoria Marxista
 

Destaque

O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
Ramiro Bicca
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
Ramiro Bicca
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
vr1a2011
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
Juray Castro
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
Gilmar Rodrigues
 
Formação do estado moderno - historia das RI
Formação do estado moderno - historia das RIFormação do estado moderno - historia das RI
Formação do estado moderno - historia das RI
Felipe Hiago
 
Formação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeusFormação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeus
davincipatos
 
Aula 3 a formação dos estados nacionais
Aula 3   a formação dos estados nacionaisAula 3   a formação dos estados nacionais
Aula 3 a formação dos estados nacionais
profnelton
 

Destaque (8)

O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
 
Formação do estado moderno - historia das RI
Formação do estado moderno - historia das RIFormação do estado moderno - historia das RI
Formação do estado moderno - historia das RI
 
Formação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeusFormação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeus
 
Aula 3 a formação dos estados nacionais
Aula 3   a formação dos estados nacionaisAula 3   a formação dos estados nacionais
Aula 3 a formação dos estados nacionais
 

Semelhante a O estado moderno

Estado, território e nação
Estado, território e naçãoEstado, território e nação
Estado, território e nação
João Couto
 
Teoria Geral do Estado
Teoria Geral do EstadoTeoria Geral do Estado
Teoria Geral do Estado
PreOnline
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
JoanaRitaSilva
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
Péricles Penuel
 
Sobre as Origens e o Desenvolvimento do Estado Moderno no Ocidente.pdf
Sobre as Origens e o Desenvolvimento do Estado Moderno no Ocidente.pdfSobre as Origens e o Desenvolvimento do Estado Moderno no Ocidente.pdf
Sobre as Origens e o Desenvolvimento do Estado Moderno no Ocidente.pdf
AntonioVieira539017
 
Texto Introdutório - Absolutismo
Texto Introdutório - AbsolutismoTexto Introdutório - Absolutismo
Texto Introdutório - Absolutismo
PIBID HISTÓRIA
 
Texto introdutório absolutismo
Texto introdutório absolutismoTexto introdutório absolutismo
Texto introdutório absolutismo
Emilia Andrade
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
dmflores21
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Isabella Silva
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Isabella Silva
 
IDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdfIDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdf
QuentinBeck2
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Gretiane Pinheiro
 
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
História o estado moderno e o absolutismo monárquicoHistória o estado moderno e o absolutismo monárquico
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
Mariano Rubio
 
3698 7525-1-pb
3698 7525-1-pb3698 7525-1-pb
3698 7525-1-pb
jcrbsa
 
Estado 02
Estado 02Estado 02
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Alexandre Heleno
 
O absolutismo antigo regime 1453-1789
O absolutismo   antigo regime 1453-1789O absolutismo   antigo regime 1453-1789
O absolutismo antigo regime 1453-1789
Augustojq
 

Semelhante a O estado moderno (20)

Estado, território e nação
Estado, território e naçãoEstado, território e nação
Estado, território e nação
 
Teoria Geral do Estado
Teoria Geral do EstadoTeoria Geral do Estado
Teoria Geral do Estado
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
 
Sobre as Origens e o Desenvolvimento do Estado Moderno no Ocidente.pdf
Sobre as Origens e o Desenvolvimento do Estado Moderno no Ocidente.pdfSobre as Origens e o Desenvolvimento do Estado Moderno no Ocidente.pdf
Sobre as Origens e o Desenvolvimento do Estado Moderno no Ocidente.pdf
 
Texto Introdutório - Absolutismo
Texto Introdutório - AbsolutismoTexto Introdutório - Absolutismo
Texto Introdutório - Absolutismo
 
Texto introdutório absolutismo
Texto introdutório absolutismoTexto introdutório absolutismo
Texto introdutório absolutismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
IDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdfIDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdf
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
História o estado moderno e o absolutismo monárquicoHistória o estado moderno e o absolutismo monárquico
História o estado moderno e o absolutismo monárquico
 
3698 7525-1-pb
3698 7525-1-pb3698 7525-1-pb
3698 7525-1-pb
 
Estado 02
Estado 02Estado 02
Estado 02
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
O absolutismo antigo regime 1453-1789
O absolutismo   antigo regime 1453-1789O absolutismo   antigo regime 1453-1789
O absolutismo antigo regime 1453-1789
 

Mais de André Augusto da Fonseca

Debate corrupção
Debate   corrupçãoDebate   corrupção
Debate corrupção
André Augusto da Fonseca
 
Qual é a função dos historiadores
Qual é a função dos historiadoresQual é a função dos historiadores
Qual é a função dos historiadores
André Augusto da Fonseca
 
Etnia
EtniaEtnia
Conceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de históriaConceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de história
André Augusto da Fonseca
 
Ensino aprendizagem de história
Ensino aprendizagem de históriaEnsino aprendizagem de história
Ensino aprendizagem de história
André Augusto da Fonseca
 
Um tutorial sobre como planejar suas aulas de História (Ens. Fundamental e Mé...
Um tutorial sobre como planejar suas aulas de História (Ens. Fundamental e Mé...Um tutorial sobre como planejar suas aulas de História (Ens. Fundamental e Mé...
Um tutorial sobre como planejar suas aulas de História (Ens. Fundamental e Mé...
André Augusto da Fonseca
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
André Augusto da Fonseca
 
Fredrik Barth
Fredrik BarthFredrik Barth
Karl polany
Karl polanyKarl polany
Prosopografia
ProsopografiaProsopografia
Estilos artísticos contextualizados
Estilos artísticos contextualizadosEstilos artísticos contextualizados
Estilos artísticos contextualizados
André Augusto da Fonseca
 
A acumulação primitiva de capital
A acumulação primitiva de capitalA acumulação primitiva de capital
A acumulação primitiva de capital
André Augusto da Fonseca
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
André Augusto da Fonseca
 
Lógica formal e lógica dialética
Lógica formal e lógica dialéticaLógica formal e lógica dialética
Lógica formal e lógica dialética
André Augusto da Fonseca
 
Como estudar um texto científico ou filosófico
Como estudar um texto científico ou filosóficoComo estudar um texto científico ou filosófico
Como estudar um texto científico ou filosófico
André Augusto da Fonseca
 
Vigotski
VigotskiVigotski
Métodos e técnicas do ensino de história
Métodos e técnicas do ensino de históriaMétodos e técnicas do ensino de história
Métodos e técnicas do ensino de história
André Augusto da Fonseca
 
História de roraima 2
História de roraima 2História de roraima 2
História de roraima 2
André Augusto da Fonseca
 
Projeto de pesquisa história
Projeto de pesquisa históriaProjeto de pesquisa história
Projeto de pesquisa história
André Augusto da Fonseca
 
Projeto de pesquisa história
Projeto de pesquisa históriaProjeto de pesquisa história
Projeto de pesquisa história
André Augusto da Fonseca
 

Mais de André Augusto da Fonseca (20)

Debate corrupção
Debate   corrupçãoDebate   corrupção
Debate corrupção
 
Qual é a função dos historiadores
Qual é a função dos historiadoresQual é a função dos historiadores
Qual é a função dos historiadores
 
Etnia
EtniaEtnia
Etnia
 
Conceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de históriaConceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de história
 
Ensino aprendizagem de história
Ensino aprendizagem de históriaEnsino aprendizagem de história
Ensino aprendizagem de história
 
Um tutorial sobre como planejar suas aulas de História (Ens. Fundamental e Mé...
Um tutorial sobre como planejar suas aulas de História (Ens. Fundamental e Mé...Um tutorial sobre como planejar suas aulas de História (Ens. Fundamental e Mé...
Um tutorial sobre como planejar suas aulas de História (Ens. Fundamental e Mé...
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
 
Fredrik Barth
Fredrik BarthFredrik Barth
Fredrik Barth
 
Karl polany
Karl polanyKarl polany
Karl polany
 
Prosopografia
ProsopografiaProsopografia
Prosopografia
 
Estilos artísticos contextualizados
Estilos artísticos contextualizadosEstilos artísticos contextualizados
Estilos artísticos contextualizados
 
A acumulação primitiva de capital
A acumulação primitiva de capitalA acumulação primitiva de capital
A acumulação primitiva de capital
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
 
Lógica formal e lógica dialética
Lógica formal e lógica dialéticaLógica formal e lógica dialética
Lógica formal e lógica dialética
 
Como estudar um texto científico ou filosófico
Como estudar um texto científico ou filosóficoComo estudar um texto científico ou filosófico
Como estudar um texto científico ou filosófico
 
Vigotski
VigotskiVigotski
Vigotski
 
Métodos e técnicas do ensino de história
Métodos e técnicas do ensino de históriaMétodos e técnicas do ensino de história
Métodos e técnicas do ensino de história
 
História de roraima 2
História de roraima 2História de roraima 2
História de roraima 2
 
Projeto de pesquisa história
Projeto de pesquisa históriaProjeto de pesquisa história
Projeto de pesquisa história
 
Projeto de pesquisa história
Projeto de pesquisa históriaProjeto de pesquisa história
Projeto de pesquisa história
 

O estado moderno

  • 3.  BAIXA IDADE MÉDIA: transição entre o sistema feudal e o Estado.  Época de redescoberta do homem – no sentido religioso, espiritual, material, cultural e econômico.  Crise irremediável do sistema feudal.  Progressiva transformação do feudo em “senhoria”.  Categoria: stand (alemão); Estat (francês); Estate (Inglês). Todas derivadas do latim status. É o conjunto de pessoas que se encontram em uma mesma posição com relação aos direitos e deveres políticos (BOBBIO, p. 1214).
  • 4.  A contraposição SOCIEDADE X ESTADO inexiste na Sociedade por categorias, mas é essencial ao Estado moderno.  Público e privado não são categorias políticas antes da Idade moderna.  A concentração de poder em uma única sede é típica da Idade Moderna. A Sociedade por Categorias era POLICÊNTRICA. Faltava-lhe o monopólio da força legítima (essência do Estado para Weber).
  • 6.  Senhorias e autonomias locais podem ser, ao mesmo tempo, momentos de participação no poder e momentos de exclusão/ opressão.  “Podem refletir os interesses conservadores das situações (status) constituídas ou promover e estimular a mobilidade social, facilitando o surgimento de status novos.” (BOBBIO, p. 1216).  Pode ser “fator de mobilidade e progresso”, mas também “fonte inesgotável de conflitos.”
  • 8.  Para Boeckenfoerde, “‘Estado’ não é um conceito universal, mas serve apenas para indicar e descrever uma forma de ordenamento político surgida na Europa a partir do século XIII até os fins do século XVIII ou inícios do XIX, na base de pressupostos e motivos específicos da história europeia e que após esse período se estendeu [...] a todo o mundo civilizado.” (apud BOBBIO, p. 425).
  • 9.  Entre o século XIII e o século XVI, o termo “Estado” (Status, Estat, Estate, Staat) refere-se, nos documentos da época, à condição do país, em termos sociais, políticos, constituição material, condição do príncipe e de seus auxiliares, a organização do poder.  “O ‘Estado’, em conclusão, de tudo o que diz respeito à esfera da vida humana organizada, não voltada diretamente para fins espirituais”. (BOBBIO, p. 427).
  • 10.  As terríveis guerras de religião nos séculos XVI-XVII na Europa levaram ao fim da pretensão de fundar o poder sobre uma fé.  A religião deixa de ser parte integrante da política. Uma nova forma de organização expressamente política do poder toma forma.  A política passa a se justificar, a partir de dentro, pelos fins terrenos, materiais e existenciais: em primeiro lugar a ordem e o bem-estar.
  • 11.  BODIN; HOBBES.  “A ordem estatal torna-se assim um projeto ‘racional’ da humanidade em torno do próprio destino terreno: o contrato social que assinala simbolicamente a passagem do Estado de natureza ao Estado civil não é mais do que a tomada de consciência por parte do homem dos condicionamentos naturais a que está sujeita sua vida em sociedade e das capacidades de que dispõe para controlar, organizar, gerir e utilizar esses condicionamentos para sua sobrevivência e para seu crescente bem- estar”. (BOBBIO, p. 428).
  • 12. Os rendimentos privados do rei eram insuficientes para gerir um exército e uma burocracia permanentes Era necessário portanto recorrer ao país, em suas expressões políticas e sociais, reunidas em assembleia Nobreza (Segundo Estado) Clero (Primeiro Estado) O Terceiro Estado fornece financiamento e pessoal qualificado para a administração E assim o rei consegue um exército permanente e, eventualmente, dispensa os Estados Gerais.
  • 14. Palavra cunhada no final do século XIX (ou seja, muito posterior ao objeto cuja existência tenta delimitar – FALCON, p. 8) Nunca foi um corpo doutrinário coerente. Nem toda ideia ou prática de intervenção do Estado na economia é mercantilista!
  • 15.  “Conjunto de ideias e práticas econômicas que caracterizam a história econômica europeia e, principalmente, a política econômica dos Estados modernos europeus durante o período situado entre os séculos XV/XVI e XVIII” (FALCON, p. 11).
  • 16.  “O mercantilismo foi essencialmente a política econômica de uma era de acumulação primitiva” (DOBB, apud FALCON, p. 11).  “o Estado foi o sujeito e o objeto da política mercantilista” (HECKSCHER, apud FALCON, p. 12).
  • 18.  Conceito criado pelos constitucionalistas liberal- burgueses do século XIX, em oposição ao “ESTADO DE DIREITO”. Intenção pejorativa.  Origem etimológica:  (BOBBIO, Norberto. Dicionário de Política, p. 410). Grego Latim medieval politeia Politia Aristóteles: politeia = constituição da pólis. São Tomás: politia = ordenamento global da vida terrena.
  • 19.  Estados italianos da Renascença e Ducado da Borgonha: polícia = instrumento do príncipe para a consecução de seus fins políticos ou deveres de Estado.  França: police adquire significado técnico. Inicialmente, designava o conjunto das atividades de governo. Depois, cristalizou-se em uma série de intervenções destinadas a garantir a segurança e tranquilidade dos súditos e do príncipe (BOBBIO, p. 410).
  • 20.  Nos séculos XVI-XVII, cada príncipe territorial alemão lutava para impor sua autoridade ao mesmo tempo contra o IMPERADOR e contra as categorias tradicionais.  Nesse contexto, o problema fundamental do príncipe era criar para si uma esfera soberana própria e autônoma.  A polizei era instrumento do príncipe no seu intuito centralizador e ao mesmo tempo a justificativa histórica de seu poder.
  • 21.  Cada vez mais, as ordenanças de polícia dos príncipes alemães tratavam de mais e mais aspectos da vida social – que então encontrava-se em plena transformação.  Aos poucos, essas “ordens” ganhavam força de lei, tornando-se novas fontes do direito.
  • 22. Polizei Pesos e medidas Exército perma- nente Segurança e bem- estar dos súditos Fomento econômico Aumento de impostos Profissio- nalização da adminis- tração
  • 23.  Em uma diversidade de assuntos, o governo do príncipe intervém como fator de racionalização, de regulação.  O Estado de Polícia típico é a Prússia do século XVIII: “gute Ordnung und polizei”.  “À hierarquia estática de uma ordem fechada, medieval (imperial), sucede agora, graças à ação do príncipe e de sua polícia, uma estrutura aberta, inovadora, mecânica, propensamente igualitária (os súditos de um lado, o príncipe de outro), disposta desde cima”. (BOBBIO, p. 411).
  • 26.  “Promover o bem-estar significa [...] orientar a economia, realizar intervenções persuasivas ou dissuasivas em relação a esta ou àquela atividade econômica. [...] valer-se dos serviços de técnicos, de administradores e de expertos do setor.” (BOBBIO, p. 412).
  • 27.  A construção do Estado de Polícia prussiano foi a grande obra dos Hohenzollern, de 1640 em diante (de Frederico Guilherme a Frederico II, o Grande).  “Foi contra ele que, de Kant em diante, se desenvolveu na Alemanha o pensamento liberal contra o Estado paternalista, contra o príncipe-pai que pretendia decidir o que mais convinha aos súditos, contra a tutela em que estes eram mantidos em tudo o que concernia à sua vida.” (BOBBIO, p. 412).