SlideShare uma empresa Scribd logo
VIOLÊNCIA NO NAMORO
VIOLÊNCIA

    Violência é qualquer
comportamento ou conjunto
  de comportamentos que
 visem causar dano a outra
pessoa, ser vivo ou objecto.
                    (Wikipédia)
FORMAS DE VIOLÊNCIA


A violência pode assumir várias formas: tanto
 pode ser física, psicológica, emocional,
       verbal, económica e/ou sexual.
O objectivo da pessoa que agride é sempre o
de controlar a vítima, isolá-la, torná-la frágil e
                   insegura.
VIOLÊNCIA FÍSICA

- Bofetadas
- Puxar
- Empurrar
- Esmurrar
- Beliscar/picar
- Morder
- Arranhar
- Deitar ao chão
- Socos, pontapés
- Cuspir
- Bater com um objecto
- Agredir com armas ou objectos (pau, régua, cinto, chicote,
faca, etc.)
VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA
 -Ameaçar bater
 - Ameaçar fazer mal às crianças,
 animais, etc.
 - Ameaçar usar uma arma
 - Ameaçar matar-se
 - Partir objectos, destruir bens
 pessoais
 - Dar murros nas paredes
 - Bater com as portas
 - Perseguir (telefonemas
 incessantes, e-mails ou
 mensagens ameaçadores, fazer
 esperas)
VIOLÊNCIA EMOCIONAL
 - Criticar pensamentos, sentimentos, opiniões e acções
 - Interromper quando está a comer, a falar, etc.
 - Culpar de tudo o que corre mal
 - Deitar abaixo devido a defeitos físicos
 - Perseguir no contexto do emprego, família ou amigo/as
 - Ter atitudes de extremo ciúme (acusa-a de ter amantes, de
 andar a enganar)
 - Controlar as conversar telefónicas, os quilómetros do carro
 - Proibir de usar o telefone, de ver amigas/os
 - Não deixar sair de casa
 - Forçar a fazer coisas degradantes (por exemplo: ajoelhar-
 se)
 - Insultar pessoas de quem gosta, amigas/os ou família
 - Tratar como se fosse uma empregada
 - Não considerar a sua opinião nas decisões da família
VIOLÊNCIA VERBAL
 - Insultar, chamar nomes
 - Fazer comentários cruéis
 - Berrar
VIOLÊNCIA ECONÓMICA
 - Tirar o dinheiro (ordenado, subsídios e pensões)
 - Esconder a situação financeira do casal, negar o
 acesso à conta bancária
 - Obrigar a pedir dinheiro e a prestar contas
 - Controlar as despesas (o que comprou, quanto
 gastou, o uso do carro, o uso do telefone)
VIOLÊNCIA SEXUAL
 - Criticar (chamando-lhe “frígida”)
 - Chamar de prostituta
 - Toques não desejados
 - Forçar a actos sexuais que não deseja (sexo oral,
 actuação pornográfica, etc.)
 - Forçar a ter relações sexuais com outras pessoas
 - Exigir sexo quando está doente, cansada ou
 depois de lhe ter batido
 - Violação
VIOLÊNCIA NO NAMORO
O QUE É A VIOLÊNCIA NO NAMORO

  Existe violência quando, numa relação amorosa, um
  exerce poder e controlo sobre o outro, com o objectivo
  de obter o que deseja.
  A violência nas relações amorosas surge quando:
  os rapazes pensam que:
  - têm o direito de decidir determinadas coisas pela
  namorada
  - o respeito impõe-se
  - ser masculino é ser agressivo e usar a força
O QUE É A VIOLÊNCIA NO NAMORO?
 as raparigas acreditam que:
 - as crises de ciúme e o
 sentimento de posse do
 namorado significam que ele a
 ama
 - são responsáveis pelos
 problemas da relação
 - não podem recusar ter
 relações sexuais quando ele
 deseja

 A violência não conhece
 fronteiras de estratos sociais,
 faixas etárias, religiões, etnias,
 etc, e ocorre em todos os casais
 (hetero e homossexuais).
MITOS E REALIDADES

 Mito: A violência no namoro não é uma situação comum nem séria.
 Realidade: A violência não é apenas um problema de adultos, também
 ocorre nas relações amorosas entre adolescentes.
 Mito: As adolescentes gostam dessas relações ou não continuariam com
 o namoro.
 Realidade: As adolescentes mantém as relações de namoro por várias e
 complexas razões, nunca por gostarem de ser abusadas. Ninguém se
 mantém numa relação de abuso porque gosta, e sair duma relação
 violenta pode ser um processo muito difícil.
 Mito: Um rapaz grita ou bate porque gosta da namorada.
 Realidade: Os rapazes que agem dessa forma estão a usar a violência
 para controlar a namorada. Gostar de alguém quer dizer respeitar a
 pessoa não a agredindo.

 Adaptado de: www.mccsmcrd.com
SINAIS DE UMA RELAÇÃO DE NAMORO
VIOLENTA?
 Estás a viver relação amorosa
 violenta se o teu namorado:

 - belisca-te, empurra-te, arranha-
 te
 - dá-te ordens ou toma todas as
 decisões
 - não valoriza as tuas opiniões
 - é ciumento e possessivo, não
 quer que saias com as tuas
 amigas e amigos
 - controla todos os teus
 movimentos (pergunta
 constantemente onde estiveste,
 com quem estiveste)
SINAIS DE UMA RELAÇÃO DE NAMORO
VIOLENTA?
 -humilha-te à frente das
 tuas amigas e amigos
 (insulta-te, diz que nada
 serias sem ele, etc.)
 - culpa-te pelos
 comportamentos violentos
 dele
 - assusta-te, tens medo da
 reacção dele quando dizes
 ou fazes alguma coisa
 - pressiona-te para terem
 relações sexuais, para
 terem relações sexuais não
 protegidas ou práticas
 sexuais não desejadas por ti
SINAIS DE UMA RELAÇÃO DE NAMORO
VIOLENTA?
- pressiona-te a consumir álcool
   ou outras drogas que te
   poderão desinibir
   sexualmente (como por
   exemplo o medicamento
   Rohypnol)
   - intimida-te
   - não aceita que queiras
   terminar a relação
   - ameaça espalhar rumores se
   acabares com a relação, fazer
   mal a alguém (ou a ele
   próprio)
   - oferece-te prendas em
   excesso, especialmente após
   um comportamento violento

Traduzido de:
  www.teenrelationships.org
LEMBRA-TE! TENS O DIREITO DE…

 1. Nao ter namorado
 2. Expressar as tuas ideias
 3. Expressar os teus sentimentos, mesmo sendo negativos
 4. Escolher o teu trabalho e a tua religião
 5. Viver sem medo
 6. Ter tempo para ti
 7. Gastar o teu dinheiro como bem entendes
 8. Ser apoiada pela tua família e amigas/os
 9. Ser ouvida pelas tuas amigas e amigos, e familiares
 10. Escolher as tuas amigas e amigos
 11. Expressar as tuas convicções, competências e talentos
 12. Decidir se queres participar em actos sexuais ou não

 Traduzido de: www.teenrelationships.org
Quem Ama não Destrói!
PORQUE É QUE UMA JOVEM MANTÉM UMA
RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA?

      Normalmente a violência não é uma
         constante na relação, acontece
     ocasionalmente, e após o episódio de
    violência existe a chamada fase de “lua-
    de-mel”. Nesta fase o agressor procura
    desculpabilizar-se e desresponsabilizar-
        se, pedindo desculpa, oferecendo
    presentes e prometendo que a violência
             não voltará a acontecer.
PORQUE É QUE UMA JOVEM MANTÉM UMA
RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA?
 As razões pelas quais as jovens mantêm uma relação de
 namoro violenta são várias, entre as quais:
 1. Gostar realmente do namorado, querer que a violência
 acabe e não o namoro, e acreditar que poderá mudá-lo.
 2. A pressão do grupo:
 - Aquilo que as nossas amigas e amigos pensam sobre nós
 tem muita importância e gostamos de sentir que somos
 aceites.
 - Os namorados normalmente partilham o mesmo grupo de
 amigas e amigos, o que é que o grupo vai fazer se terminar o
 namoro? Vai escolher ficar do lado dela ou dele? E se não
 acreditarem nela, ao saberem os motivos que a levaram a
 terminar a relação? E se escolherem ficar do lado dele? Os
 rapazes que são violentos em privado, podem aparentar
 serem calmos e carinhosos publicamente.
PORQUE É QUE UMA JOVEM MANTÉM UMA
RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA?

 3. A vergonha (por exemplo: de contar à família e
 amigas/os o que se está a passar)

 4. O medo (por exemplo: das
 represálias, perseguições, ameaças)


 É preciso muita coragem para terminar uma
 relação que não é violenta, torna-se ainda mais
 difícil quando se trata de uma relação violenta e
 abusiva.
QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO
VIOLENTA?
A violência no namoro tem consequências
graves em termos de saúde física e mental
para a jovem, tais como:

- Perda de apetite e emagrecimento excessivo
- Dores de cabeça
- Nódoas negras
- Queimaduras (ácido, pontas de cigarro)
- Nervosismo
- Tristeza
- Ansiedade
- Sentimentos de culpa
- Baixa auto-estima
- Confusão
- Depressão
- Isolamento
- Gravidez indesejada
- Doenças sexualmente transmissíveis
- Baixa dos rendimentos escolares ou
abandono escolar
- Suicídio
O QUE POSSO FAZER SE UMA AMIGA ESTIVER
ENVOLVIDA NUMA RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA?
 Se queres apoiar a tua amiga, é muito importante que ela perceba que está a viver uma relação
 amorosa violenta. Podes dizer-lhe que:
 - a violência é um crime punível por lei
 - ela tem direito a viver sem violência e a ser respeitada pelo namorado
 - procure alguém com quem falar sobre o assunto e que a possa auxiliar e informar
 (familiar, professor/a, psicólogo/a da escola, associações)
 Se pensas que a tua amiga se encontra numa situação de perigo iminente e que não consegue
 falar com ninguém, diz-lhe que vais procurar apoio de alguém de confiança.
 O fim da relação não significa o fim da violência. Por vezes, o ex-namorado não aceita o fim da
 relação, continuando a perseguir e a controlar todos os passos que a ex-namorada dá.

 Daí que seja importante ter em conta algumas medidas de segurança:
 - Mudar o número de telemóvel
 - Mudar de e-mail
 - Mudar a fechadura do cacifo da escola
 - Procurar caminhos alternativos para os locais que habitualmente frequentas
 - Procurar andar acompanhada
 - Falar da situação com pessoas de confiança que possam apoiar em situações de emergência
 - Manter um diário sobre as situações de violência que ocorreram
 - Gravar no telemóvel os contactos necessários em caso de emergência (112, polícia
 local, pessoa de confiança)
SERVIÇOS DE APOIO
 Linha de Emergência Nacional
 Serviço de apoio gratuito, funciona pelo telefone, através do número 144 – 24
 horas por dia.
 Proporciona alojamento de emergência e encaminha para recursos na
 comunidade


 Linha Telefónica de Informação às Vítimas de Violência Doméstica
 Serviço de informação, anónimo, confidencial e gratuito, funciona pelo
 telefone, através do número 800 202 148 - 24 horas por dia.


 APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima
 Disponibiliza apoio emocional, jurídico, psicológico e social a quem é vítima
 de crime e a seus familiares. Contactos.

 Número único: 707 20 00 77
SITES
   Sites de interesse


    http://www.love is not abuse.com

    http://www.teenrelationships.org/quiz

    http://www.uhavetheright.net/home.html
ENQUADRAMENTO LEGAL

 A violência entre namorados é um crime punível
 pela lei (Código Penal, artigos 143º e seguintes).



 É punido com pena de prisão de 2 a 10 anos.


 Podes apresentar queixa em qualquer posto da
 PSP ou GNR.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
Cláudia Marques
 
Bullying apresentação
Bullying apresentaçãoBullying apresentação
Bullying apresentação
-
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
Ana Barros
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Discriminação
 Discriminação Discriminação
Discriminação
kikatitic
 
Igualdade de Género
Igualdade de GéneroIgualdade de Género
Igualdade de Género
Ana Lúcia Francisco
 
Igualdade de género
Igualdade de géneroIgualdade de género
Igualdade de género
200166754
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
Jorge Barbosa
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAno
turma12d
 
Desigualdade de gênero
Desigualdade de gêneroDesigualdade de gênero
Desigualdade de gênero
Wednei Gama
 
Redes sociais
Redes sociais Redes sociais
Redes sociais
Dália Pereira
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Vitor Manuel de Carvalho
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Universidade Católica Portuguesa
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
Sara Afonso
 
Relatório extração dna
Relatório extração dnaRelatório extração dna
Relatório extração dna
margaridabt
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
Carolina Serra
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
MINV
 
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
bejr
 
Doping
DopingDoping
Trabalho sobre bullying
Trabalho sobre bullyingTrabalho sobre bullying
Trabalho sobre bullying
jackzeus
 

Mais procurados (20)

Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 
Bullying apresentação
Bullying apresentaçãoBullying apresentação
Bullying apresentação
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Discriminação
 Discriminação Discriminação
Discriminação
 
Igualdade de Género
Igualdade de GéneroIgualdade de Género
Igualdade de Género
 
Igualdade de género
Igualdade de géneroIgualdade de género
Igualdade de género
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAno
 
Desigualdade de gênero
Desigualdade de gêneroDesigualdade de gênero
Desigualdade de gênero
 
Redes sociais
Redes sociais Redes sociais
Redes sociais
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
 
Relatório extração dna
Relatório extração dnaRelatório extração dna
Relatório extração dna
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Trabalho sobre bullying
Trabalho sobre bullyingTrabalho sobre bullying
Trabalho sobre bullying
 

Semelhante a Violência no namoro

Violncianonamoro 120322111805-phpapp02
Violncianonamoro 120322111805-phpapp02Violncianonamoro 120322111805-phpapp02
Violncianonamoro 120322111805-phpapp02
becastanheiradepera
 
Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0
Jornal do Commercio
 
Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0
Maureen Coité
 
Namoro sobral
Namoro sobralNamoro sobral
Namoro sobral
LugaraoAfecto
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutal
guest4f2f68
 
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIVDireitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
MovimentoMulher360
 
Apresentação1 (m, m, p,c)
Apresentação1 (m, m, p,c)Apresentação1 (m, m, p,c)
Apresentação1 (m, m, p,c)
kikissima
 
Violência no Namoro
Violência no NamoroViolência no Namoro
Violência no Namoro
Associação Casa Estrela do Mar
 
Violência doméstica seminário lei maria da penha
Violência doméstica seminário lei maria da penhaViolência doméstica seminário lei maria da penha
Violência doméstica seminário lei maria da penha
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Versão power point
Versão power pointVersão power point
Versão power point
Marcel Carvalho
 
Word 9 b_4
Word 9 b_4Word 9 b_4
Word 9 b_4
pedrofranciscotic
 
(Dw) violencia contra mulher - palestra para hoje20200821
(Dw) violencia contra mulher -  palestra para hoje20200821(Dw) violencia contra mulher -  palestra para hoje20200821
(Dw) violencia contra mulher - palestra para hoje20200821
Development Workshop Angola
 
RELACIONAMENTOS ABUSIVOS
RELACIONAMENTOS ABUSIVOSRELACIONAMENTOS ABUSIVOS
RELACIONAMENTOS ABUSIVOS
Karina Cunha
 
Violência doméstica e familiar polícia militar
Violência doméstica e familiar   polícia militarViolência doméstica e familiar   polícia militar
Violência doméstica e familiar polícia militar
Geazi San
 
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na InfânciaPalestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Psicólogo - Vilson da Mata
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
AP6Dmundao
 
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoViolência conjugal - formação
Violência conjugal - formação
Helena Rocha
 
Sexo, amor e outras drogas
Sexo, amor e outras drogasSexo, amor e outras drogas
Sexo, amor e outras drogas
Thales Fernandes
 
O bullying conhecer para combater
O bullying conhecer para combaterO bullying conhecer para combater
O bullying conhecer para combater
Antonio Reali
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Thiago de Almeida
 

Semelhante a Violência no namoro (20)

Violncianonamoro 120322111805-phpapp02
Violncianonamoro 120322111805-phpapp02Violncianonamoro 120322111805-phpapp02
Violncianonamoro 120322111805-phpapp02
 
Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0
 
Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0
 
Namoro sobral
Namoro sobralNamoro sobral
Namoro sobral
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutal
 
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIVDireitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
 
Apresentação1 (m, m, p,c)
Apresentação1 (m, m, p,c)Apresentação1 (m, m, p,c)
Apresentação1 (m, m, p,c)
 
Violência no Namoro
Violência no NamoroViolência no Namoro
Violência no Namoro
 
Violência doméstica seminário lei maria da penha
Violência doméstica seminário lei maria da penhaViolência doméstica seminário lei maria da penha
Violência doméstica seminário lei maria da penha
 
Versão power point
Versão power pointVersão power point
Versão power point
 
Word 9 b_4
Word 9 b_4Word 9 b_4
Word 9 b_4
 
(Dw) violencia contra mulher - palestra para hoje20200821
(Dw) violencia contra mulher -  palestra para hoje20200821(Dw) violencia contra mulher -  palestra para hoje20200821
(Dw) violencia contra mulher - palestra para hoje20200821
 
RELACIONAMENTOS ABUSIVOS
RELACIONAMENTOS ABUSIVOSRELACIONAMENTOS ABUSIVOS
RELACIONAMENTOS ABUSIVOS
 
Violência doméstica e familiar polícia militar
Violência doméstica e familiar   polícia militarViolência doméstica e familiar   polícia militar
Violência doméstica e familiar polícia militar
 
Palestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na InfânciaPalestra sobre abuso sexual na Infância
Palestra sobre abuso sexual na Infância
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoViolência conjugal - formação
Violência conjugal - formação
 
Sexo, amor e outras drogas
Sexo, amor e outras drogasSexo, amor e outras drogas
Sexo, amor e outras drogas
 
O bullying conhecer para combater
O bullying conhecer para combaterO bullying conhecer para combater
O bullying conhecer para combater
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
 

Mais de pief2

Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
pief2
 
Violência nl
Violência nlViolência nl
Violência nl
pief2
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
pief2
 
Actividades do 2º período
Actividades do 2º períodoActividades do 2º período
Actividades do 2º período
pief2
 
Dia da prevenção da shst
Dia da prevenção da shstDia da prevenção da shst
Dia da prevenção da shst
pief2
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
pief2
 
Dia mundial da luta contra o cancro
Dia mundial da luta contra o cancroDia mundial da luta contra o cancro
Dia mundial da luta contra o cancro
pief2
 
A carta
A cartaA carta
A carta
pief2
 
Actividades do 1º período
Actividades do 1º períodoActividades do 1º período
Actividades do 1º período
pief2
 
Dia Mundial do não Fumador
Dia Mundial do não FumadorDia Mundial do não Fumador
Dia Mundial do não Fumador
pief2
 
Dia Mundial da Alimentação
Dia Mundial da AlimentaçãoDia Mundial da Alimentação
Dia Mundial da Alimentação
pief2
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
pief2
 
Cruzada das crianças powerpoint
Cruzada das crianças powerpointCruzada das crianças powerpoint
Cruzada das crianças powerpoint
pief2
 
Convencao direitos crianca2010
Convencao direitos crianca2010Convencao direitos crianca2010
Convencao direitos crianca2010
pief2
 
Dia mundial da sida
Dia mundial da sidaDia mundial da sida
Dia mundial da sida
pief2
 
Atelier de bijuteria
Atelier de bijuteriaAtelier de bijuteria
Atelier de bijuteria
pief2
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
pief2
 
Comemoração da Convenção
Comemoração da Convenção Comemoração da Convenção
Comemoração da Convenção
pief2
 

Mais de pief2 (18)

Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Violência nl
Violência nlViolência nl
Violência nl
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Actividades do 2º período
Actividades do 2º períodoActividades do 2º período
Actividades do 2º período
 
Dia da prevenção da shst
Dia da prevenção da shstDia da prevenção da shst
Dia da prevenção da shst
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
 
Dia mundial da luta contra o cancro
Dia mundial da luta contra o cancroDia mundial da luta contra o cancro
Dia mundial da luta contra o cancro
 
A carta
A cartaA carta
A carta
 
Actividades do 1º período
Actividades do 1º períodoActividades do 1º período
Actividades do 1º período
 
Dia Mundial do não Fumador
Dia Mundial do não FumadorDia Mundial do não Fumador
Dia Mundial do não Fumador
 
Dia Mundial da Alimentação
Dia Mundial da AlimentaçãoDia Mundial da Alimentação
Dia Mundial da Alimentação
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
 
Cruzada das crianças powerpoint
Cruzada das crianças powerpointCruzada das crianças powerpoint
Cruzada das crianças powerpoint
 
Convencao direitos crianca2010
Convencao direitos crianca2010Convencao direitos crianca2010
Convencao direitos crianca2010
 
Dia mundial da sida
Dia mundial da sidaDia mundial da sida
Dia mundial da sida
 
Atelier de bijuteria
Atelier de bijuteriaAtelier de bijuteria
Atelier de bijuteria
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Comemoração da Convenção
Comemoração da Convenção Comemoração da Convenção
Comemoração da Convenção
 

Violência no namoro

  • 2. VIOLÊNCIA Violência é qualquer comportamento ou conjunto de comportamentos que visem causar dano a outra pessoa, ser vivo ou objecto. (Wikipédia)
  • 3. FORMAS DE VIOLÊNCIA A violência pode assumir várias formas: tanto pode ser física, psicológica, emocional, verbal, económica e/ou sexual. O objectivo da pessoa que agride é sempre o de controlar a vítima, isolá-la, torná-la frágil e insegura.
  • 4. VIOLÊNCIA FÍSICA - Bofetadas - Puxar - Empurrar - Esmurrar - Beliscar/picar - Morder - Arranhar - Deitar ao chão - Socos, pontapés - Cuspir - Bater com um objecto - Agredir com armas ou objectos (pau, régua, cinto, chicote, faca, etc.)
  • 5. VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA -Ameaçar bater - Ameaçar fazer mal às crianças, animais, etc. - Ameaçar usar uma arma - Ameaçar matar-se - Partir objectos, destruir bens pessoais - Dar murros nas paredes - Bater com as portas - Perseguir (telefonemas incessantes, e-mails ou mensagens ameaçadores, fazer esperas)
  • 6. VIOLÊNCIA EMOCIONAL - Criticar pensamentos, sentimentos, opiniões e acções - Interromper quando está a comer, a falar, etc. - Culpar de tudo o que corre mal - Deitar abaixo devido a defeitos físicos - Perseguir no contexto do emprego, família ou amigo/as - Ter atitudes de extremo ciúme (acusa-a de ter amantes, de andar a enganar) - Controlar as conversar telefónicas, os quilómetros do carro - Proibir de usar o telefone, de ver amigas/os - Não deixar sair de casa - Forçar a fazer coisas degradantes (por exemplo: ajoelhar- se) - Insultar pessoas de quem gosta, amigas/os ou família - Tratar como se fosse uma empregada - Não considerar a sua opinião nas decisões da família
  • 7. VIOLÊNCIA VERBAL - Insultar, chamar nomes - Fazer comentários cruéis - Berrar
  • 8. VIOLÊNCIA ECONÓMICA - Tirar o dinheiro (ordenado, subsídios e pensões) - Esconder a situação financeira do casal, negar o acesso à conta bancária - Obrigar a pedir dinheiro e a prestar contas - Controlar as despesas (o que comprou, quanto gastou, o uso do carro, o uso do telefone)
  • 9. VIOLÊNCIA SEXUAL - Criticar (chamando-lhe “frígida”) - Chamar de prostituta - Toques não desejados - Forçar a actos sexuais que não deseja (sexo oral, actuação pornográfica, etc.) - Forçar a ter relações sexuais com outras pessoas - Exigir sexo quando está doente, cansada ou depois de lhe ter batido - Violação
  • 11. O QUE É A VIOLÊNCIA NO NAMORO Existe violência quando, numa relação amorosa, um exerce poder e controlo sobre o outro, com o objectivo de obter o que deseja. A violência nas relações amorosas surge quando: os rapazes pensam que: - têm o direito de decidir determinadas coisas pela namorada - o respeito impõe-se - ser masculino é ser agressivo e usar a força
  • 12. O QUE É A VIOLÊNCIA NO NAMORO? as raparigas acreditam que: - as crises de ciúme e o sentimento de posse do namorado significam que ele a ama - são responsáveis pelos problemas da relação - não podem recusar ter relações sexuais quando ele deseja A violência não conhece fronteiras de estratos sociais, faixas etárias, religiões, etnias, etc, e ocorre em todos os casais (hetero e homossexuais).
  • 13. MITOS E REALIDADES Mito: A violência no namoro não é uma situação comum nem séria. Realidade: A violência não é apenas um problema de adultos, também ocorre nas relações amorosas entre adolescentes. Mito: As adolescentes gostam dessas relações ou não continuariam com o namoro. Realidade: As adolescentes mantém as relações de namoro por várias e complexas razões, nunca por gostarem de ser abusadas. Ninguém se mantém numa relação de abuso porque gosta, e sair duma relação violenta pode ser um processo muito difícil. Mito: Um rapaz grita ou bate porque gosta da namorada. Realidade: Os rapazes que agem dessa forma estão a usar a violência para controlar a namorada. Gostar de alguém quer dizer respeitar a pessoa não a agredindo. Adaptado de: www.mccsmcrd.com
  • 14. SINAIS DE UMA RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA? Estás a viver relação amorosa violenta se o teu namorado: - belisca-te, empurra-te, arranha- te - dá-te ordens ou toma todas as decisões - não valoriza as tuas opiniões - é ciumento e possessivo, não quer que saias com as tuas amigas e amigos - controla todos os teus movimentos (pergunta constantemente onde estiveste, com quem estiveste)
  • 15. SINAIS DE UMA RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA? -humilha-te à frente das tuas amigas e amigos (insulta-te, diz que nada serias sem ele, etc.) - culpa-te pelos comportamentos violentos dele - assusta-te, tens medo da reacção dele quando dizes ou fazes alguma coisa - pressiona-te para terem relações sexuais, para terem relações sexuais não protegidas ou práticas sexuais não desejadas por ti
  • 16. SINAIS DE UMA RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA? - pressiona-te a consumir álcool ou outras drogas que te poderão desinibir sexualmente (como por exemplo o medicamento Rohypnol) - intimida-te - não aceita que queiras terminar a relação - ameaça espalhar rumores se acabares com a relação, fazer mal a alguém (ou a ele próprio) - oferece-te prendas em excesso, especialmente após um comportamento violento Traduzido de: www.teenrelationships.org
  • 17. LEMBRA-TE! TENS O DIREITO DE… 1. Nao ter namorado 2. Expressar as tuas ideias 3. Expressar os teus sentimentos, mesmo sendo negativos 4. Escolher o teu trabalho e a tua religião 5. Viver sem medo 6. Ter tempo para ti 7. Gastar o teu dinheiro como bem entendes 8. Ser apoiada pela tua família e amigas/os 9. Ser ouvida pelas tuas amigas e amigos, e familiares 10. Escolher as tuas amigas e amigos 11. Expressar as tuas convicções, competências e talentos 12. Decidir se queres participar em actos sexuais ou não Traduzido de: www.teenrelationships.org
  • 18. Quem Ama não Destrói!
  • 19. PORQUE É QUE UMA JOVEM MANTÉM UMA RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA? Normalmente a violência não é uma constante na relação, acontece ocasionalmente, e após o episódio de violência existe a chamada fase de “lua- de-mel”. Nesta fase o agressor procura desculpabilizar-se e desresponsabilizar- se, pedindo desculpa, oferecendo presentes e prometendo que a violência não voltará a acontecer.
  • 20. PORQUE É QUE UMA JOVEM MANTÉM UMA RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA? As razões pelas quais as jovens mantêm uma relação de namoro violenta são várias, entre as quais: 1. Gostar realmente do namorado, querer que a violência acabe e não o namoro, e acreditar que poderá mudá-lo. 2. A pressão do grupo: - Aquilo que as nossas amigas e amigos pensam sobre nós tem muita importância e gostamos de sentir que somos aceites. - Os namorados normalmente partilham o mesmo grupo de amigas e amigos, o que é que o grupo vai fazer se terminar o namoro? Vai escolher ficar do lado dela ou dele? E se não acreditarem nela, ao saberem os motivos que a levaram a terminar a relação? E se escolherem ficar do lado dele? Os rapazes que são violentos em privado, podem aparentar serem calmos e carinhosos publicamente.
  • 21. PORQUE É QUE UMA JOVEM MANTÉM UMA RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA? 3. A vergonha (por exemplo: de contar à família e amigas/os o que se está a passar) 4. O medo (por exemplo: das represálias, perseguições, ameaças) É preciso muita coragem para terminar uma relação que não é violenta, torna-se ainda mais difícil quando se trata de uma relação violenta e abusiva.
  • 22. QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO VIOLENTA? A violência no namoro tem consequências graves em termos de saúde física e mental para a jovem, tais como: - Perda de apetite e emagrecimento excessivo - Dores de cabeça - Nódoas negras - Queimaduras (ácido, pontas de cigarro) - Nervosismo - Tristeza - Ansiedade - Sentimentos de culpa - Baixa auto-estima - Confusão - Depressão - Isolamento - Gravidez indesejada - Doenças sexualmente transmissíveis - Baixa dos rendimentos escolares ou abandono escolar - Suicídio
  • 23. O QUE POSSO FAZER SE UMA AMIGA ESTIVER ENVOLVIDA NUMA RELAÇÃO DE NAMORO VIOLENTA? Se queres apoiar a tua amiga, é muito importante que ela perceba que está a viver uma relação amorosa violenta. Podes dizer-lhe que: - a violência é um crime punível por lei - ela tem direito a viver sem violência e a ser respeitada pelo namorado - procure alguém com quem falar sobre o assunto e que a possa auxiliar e informar (familiar, professor/a, psicólogo/a da escola, associações) Se pensas que a tua amiga se encontra numa situação de perigo iminente e que não consegue falar com ninguém, diz-lhe que vais procurar apoio de alguém de confiança. O fim da relação não significa o fim da violência. Por vezes, o ex-namorado não aceita o fim da relação, continuando a perseguir e a controlar todos os passos que a ex-namorada dá. Daí que seja importante ter em conta algumas medidas de segurança: - Mudar o número de telemóvel - Mudar de e-mail - Mudar a fechadura do cacifo da escola - Procurar caminhos alternativos para os locais que habitualmente frequentas - Procurar andar acompanhada - Falar da situação com pessoas de confiança que possam apoiar em situações de emergência - Manter um diário sobre as situações de violência que ocorreram - Gravar no telemóvel os contactos necessários em caso de emergência (112, polícia local, pessoa de confiança)
  • 24. SERVIÇOS DE APOIO Linha de Emergência Nacional Serviço de apoio gratuito, funciona pelo telefone, através do número 144 – 24 horas por dia. Proporciona alojamento de emergência e encaminha para recursos na comunidade Linha Telefónica de Informação às Vítimas de Violência Doméstica Serviço de informação, anónimo, confidencial e gratuito, funciona pelo telefone, através do número 800 202 148 - 24 horas por dia. APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima Disponibiliza apoio emocional, jurídico, psicológico e social a quem é vítima de crime e a seus familiares. Contactos. Número único: 707 20 00 77
  • 25. SITES  Sites de interesse http://www.love is not abuse.com http://www.teenrelationships.org/quiz http://www.uhavetheright.net/home.html
  • 26. ENQUADRAMENTO LEGAL A violência entre namorados é um crime punível pela lei (Código Penal, artigos 143º e seguintes). É punido com pena de prisão de 2 a 10 anos. Podes apresentar queixa em qualquer posto da PSP ou GNR.