SlideShare uma empresa Scribd logo
Modernismo 1ª fase apresentação
• Realizada a Semana de Arte Moderna e ainda
sob os ecos das vaias e gritarias, tem início
uma primeira fase modernista, que se
estende de 1922 a 1930, caracterizada pela
tentativa de definir e marcar posições.
Nessa década, a economia mundial
caminha para um colapso, que se
concretizaria com a quebra da Bolsa de
Valores de Nova Iorque, em 1929.
O Brasil vive os últimos anos da chamada
República Velha, ou seja, o período de
domínio político das oligarquias ligadas aos
grandes proprietários rurais.
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
• Não por mera coincidência, a partir de 1922,
com a revolta militar do Forte de
Copacabana(descontentamento dos tenentes
com o monopólio político do poder no Brasil por
parte das oligarquias), o Brasil passa por um
momento realmente revolucionário, que
culminaria com a Revolução de 1930 e a
ascensão de Getúlio Vargas.
MODERNISMO NO BRASIL
O modernismo brasileiro foi um amplo movimento
cultural que repercutiu fortemente sobre a cena
artística e a sociedade brasileira na primeira metade
do século XX, sobretudo no campo da literatura e
das artes plásticas.
O movimento no Brasil foi desencadeado a
partir da assimilação de tendências culturais e
artísticas lançadas pelas vanguardas europeias
no período que antecedeu a Primeira Guerra
Mundial, como o Cubismo e o Futurismo.
As novas linguagens modernas colocadas pelos
movimentos artísticos e literários europeus
foram aos poucos assimiladas pelo contexto
artístico brasileiro, mas colocando como
enfoque elementos da cultura brasileira.
Considera-se a Semana de Arte Moderna,
realizada em São Paulo, em 1922, como ponto
de partida do modernismo no Brasil. Porém,
nem todos os participantes desse evento eram
modernistas: Graça Aranha, um pré-modernista,
por exemplo, foi um dos oradores.
Não sendo dominante desde o início, o
modernismo, com o tempo, suplantou os
anteriores. Foi marcado, sobretudo, pela
liberdade de estilo e aproximação com a
linguagem falada, sendo os da primeira fase
mais radicais em relação a esse marco.
Didaticamente, divide-se o Modernismo em três
fases: a primeira fase, mais radical e
fortemente oposta a tudo que foi anterior,
cheia de irreverência e escândalo; uma segunda
mais amena, que formou grandes romancistas e
poetas; e uma terceira, também chamada Pós-
modernismo por vários autores, que se opunha
de certo modo a primeira e era por isso
ridicularizada com o apelido de Parnasianismo.
Momento Histórico
Foi o período mais radical do movimento
modernista, justamente em consequência da
necessidade de romper com todas as estruturas
do passado. Daí o caráter anárquico dessa
primeira fase modernista e seu forte sentido
destruidor, assim definido por Mário de
Andrade:"...se alastrou pelo Brasil o espírito
destruidor do movimento modernista. Isto é
teatro é uma experiência eficaz para o futebol.
Havia a busca pelo moderno, original e
polêmico, com o nacionalismo em suas
múltiplas facetas. A volta das origens, através da
valorização do indígena e a língua falada pelo
povo, também foram abordados. Contudo, o
nacionalismo foi empregado de duas formas
distintas: a crítica, alinhado a esquerda política
através da denúncia da realidade, e a ufanista,
exagerado e de extrema direita.
Modernismo 1ª fase apresentação
Manifestos e revistas
Revista Klaxon — Mensário de Arte Moderna (1922-
1923);
Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924-1925)
Escrito por Oswald de Andrade e publicado
inicialmente no Correio da Manhã. Em 1924, é
republicado como abertura do livro de poesias Pau-
Brasil, de Oswald. Apresenta uma proposta de
literatura vinculada à realidade brasileira, a partir de
uma redescoberta do Brasil. Este manifesto dizia que
a arte brasileira deveria ser de "exportação" tal qual
o Pau-Brasil.
Manifestos e revistas.
Verde-Amarelismo ou Escola da Anta (1916-1929)
Grupo formado por Plínio Salgado, Menotti del
Picchia, Guilherme de Almeida e Cassiano Ricardo
em resposta ao nacionalismo do Pau-Brasil,
criticando-se o “nacionalismo afrancesado” de
Oswald. Sua proposta era de um nacionalismo
primitivista, ufanista, identificado com o fascismo,
evoluindo para o Integralismo. Idolatria do tupi e
a anta é eleita símbolo nacional. Em maio de 1929, o
grupo verde-amarelista publica o manifesto
"Nhengaçu Verde-Amarelo — Manifesto do Verde-
Amarelismo ou da Escola da Anta".
Manifestos e revistas
Manifesto Regionalista de 1926
De 1925 a 1930 foi um período marcado pela
difusão do Modernismo pelos estados
brasileiros. Nesse sentido, o Centro
Regionalista do Nordeste (Recife).Presidido ou
Gilberto Freire busca desenvolver o
sentimento de unidade do Nordeste nos novos
moldes modernistas. Propõem trabalhar em
favor dos interesses da região, além de
promover conferências, exposições de arte,
congressos etc. Para tanto, editaram uma
revista. Vale ressaltar que o regionalismo
nordestino conta com Graciliano Ramos.
Manifestos e revistas
Revista de Antropofagia (1928-1929)
É a nova etapa do Pau-Brasil, sendo resposta a
Escola da Anta. Seu nome origina-se da
tela Abaporu (O que come) de Tarsila do
Amaral.
O Antropofagismo foi caracterizado por
assimilação (“deglutição”) crítica às
vanguardas e culturas europeias, com o fim de
recriá-las, tendo em vista o redescobrimento
do Brasil em sua autenticidade primitiva.
TROPICALISMO
O Tropicalismo foi um movimento de
ruptura que sacudiu o ambiente da música
popular e da cultura brasileira entre 1967 e
1968.
Os tropicalistas deram um histórico passo à
frente no meio musical brasileiro.
TROPICALISMO
A música brasileira pós-Bossa Nova e a definição
da “qualidade musical” no País estavam cada vez
mais dominadas pelas posições tradicionais ou
nacionalistas de movimentos ligados à esquerda.
Contra essas tendências, o grupo baiano e seus
colaboradores procuram universalizar a
linguagem da MPB, incorporando elementos da
cultura jovem mundial, como o rock, a psicodélica
e a guitarra elétrica.
Irreverente, a Tropicália transformou os
critérios de gosto vigentes, não só quanto à
música e à política, mas também à moral e
ao comportamento, ao corpo, ao sexo e ao
vestuário. A contracultura hippie foi
assimilada, com a adoção da moda dos
cabelos longos encaracolados e das roupas
escandalosamente coloridas.
O movimento, libertário por excelência,
durou pouco mais de um ano e acabou
reprimido pelo governo militar. Seu fim
começou com a prisão de Gil e Caetano,
em dezembro de 1968. A cultura do País,
porém, já estava marcada para sempre
pela descoberta da modernidade e dos
trópicos.
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS II:
• COMBATE-RUPTURA-DESTRUIÇÃO;
• O RADICALISMO;
• O ANARQUISMO;
• O PERFIL ICONOCLASTA;
• A PRESENÇA DO COTIDIANO;
• A LIBERDADE DE EXPRESSÃO;
• O COLOQUIALISMO NA LINGUAGEM;
• A BUSCA PELO ORIGINALIDADE;
• A PARÓDIA;
• A SIMPLICIDADE.
Quanto Custa o quadro Abaporu?
Abaporu vem dos termos
em tupi aba (homem), pora (gente)
e ú (comer), significando "homem que
come gente"
O quadro “Abaporu”, de Tarsila do Amaral
(1886-1976), é a obra de arte brasileira mais
cara já vendida fora do território brasileiro. Este
quadro foi leiloado em 1995 por R$ 2,5 milhões.
O leilão ocorreu na cidade de Nova York e o
comprador do “Abaporu” foi o colecionador
argentino Eduardo Costantini. Hoje, o quadro
está exposto no Malba, museu de Buenos Aires
(Argentina), criado e organizado por Constantini.
MACUNAÍMA
Análise da obra de Mario de Andrade:
Com uma narrativa de caráter mítico, em que os
acontecimentos não seguem as convenções
realistas, a obra procura fazer um retrato do
povo brasileiro, por meio do “herói sem
caráter”.
Leia o resumo de Macunaíma
Rapsódia
"Macunaíma" é fruto do conhecimento reunido por
Mario de Andrade acerca das lendas e mitos
indígenas e folclóricos. Dessa forma, pode-se dizer
que a obra é uma rapsódia, que é uma palavra que
vem do grego e designa obras tais como a Ilíada e a
Odisseia de Homero. Para os gregos, uma rapsódia
é uma obra literária que condensa todas as
tradições orais e folclóricas de um povo. Além
disso, na música (Mario de Andrade tinha formação
musical também) uma rapsódia utiliza contos
tradicionais ou populares de certo povo em temas
de composição improvisada.
Há, ainda, uma aproximação ao gênero
épico: à medida que o livro narra, em
trechos fragmentados, a vida de um
personagem que simboliza uma nação.
Sobre a acepção musical dada pelo
dicionário, chama atenção o improviso da
narrativa, que impressiona e surpreende a
cada momento, tendo como pano de fundo
a cultura popular.
O enredo dessa rapsódia pode tornar-se
confuso ao leitor acostumado ao pacto de
verossimilhança realista. Por exemplo, é
necessário aceitar o fato de o protagonista
morrer duas vezes no romance; ou, então,
que Macunaíma, em uma fuga, possa estar
em Manaus e, algumas linhas depois,
aparecer na Argentina; ou ainda o fato de o
herói encontrar uma poça que
embranquece quem nela se banha.
A verossimilhança em questão é surrealista e
deve ser lida de forma simbólica. A cena em que
Macunaíma e seus dois irmãos se banham na
água que embranquece pode ser entendida
como o símbolo das três etnias que formaram o
Brasil: o branco, vindo da Europa; o negro,
trazido como escravo da África; e o índio nativo.
Nessa cena, Macunaíma é o primeiro a se
banhar e torna-se loiro. Jiguê é o segundo, e
como a água já estava “suja” do negrume do
herói, fica com a cor de bronze (índio); por
último, Manaape, que simboliza o negro, só
embranquece a palma das mãos e a sola dos
pés.
Retrato do povo brasileiro
O livro faz parte da primeira fase
modernista – a fase heroica. A influência
das vanguardas europeias é visível em
várias técnicas inovadoras de linguagem
que a obra apresenta. Por isso,
"Macunaíma" pode oferecer algumas
dificuldades ao leitor desavisado.
Há inúmeras referências ao folclore
brasileiro. A narrativa se aproxima da
oralidade – no capítulo “Cartas pras
Icamiabas”, Macunaíma ironiza o povo de
São Paulo, que fala em uma língua e
escreve em outra. Além disso, não existe
verossimilhança realista.
Alguns aspectos históricos motivaram Mário
de Andrade a criar tais “empecilhos”. A
referência ao folclore brasileiro e à linguagem
oral é manifestação típica da primeira fase
modernista, quando os escritores estavam
preocupados em descobrir a identidade do
país e do brasileiro. No plano formal, essa
busca se dá pela linguagem falada no Brasil,
ignorando, ou melhor, desafiando o português
lusitano. No plano temático, a utilização do
folclore servia como matéria-prima dessa
busca.
"Macunaíma" é, portanto, uma tentativa de
construção do retrato do povo brasileiro. Essa
tentativa não era nova. O autor romântico José de
Alencar, por exemplo, tivera a mesma intenção ao
criar, no romance O Guarani, o personagem Peri,
índio de aspirações nobres, que se assemelhava,
em relação a sua conduta ética, a um cavaleiro
medieval lusitano. Não é exagero dizer, se
compararmos Peri a Macunaíma, que esse é o
oposto daquele. Enquanto o primeiro é valente,
extremamente perseverante e encontra suas
motivações nos valores da ética e da moral,
Macunaíma, além de indolente, conduz a maioria
de seus atos movido pelo prazer terreno, mundano.
É “o herói sem nenhum caráter”.
Assim, "Macunaíma" é uma obra que busca
sintetizar o caráter brasileiro, segundo as
convicções da primeira fase modernista.
Uma leitura possível é a de que o povo
brasileiro não tem um caráter definido e o
Brasil é um país grande como o corpo de
Macunaíma, mas imaturo, característica
que é simbolizada pela cabeça pequena do
herói.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
Colégio Santa Luzia
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
rkhelena
 
Modernismo primeira fase
Modernismo  primeira faseModernismo  primeira fase
Modernismo primeira fase
Gabriel Monteiro
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
Luan Victor
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
Miquéias Vitorino
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
Abrahão Costa de Freitas
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
Andrea Dressler
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
Zenia Ferreira
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
 
Modernismo primeira fase
Modernismo  primeira faseModernismo  primeira fase
Modernismo primeira fase
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 

Destaque

Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
rillaryalvesj
 
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
CrisBiagio
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
Thiago Rodrigues
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Zenia Ferreira
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Elaine Blogger
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Figuras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Figuras de linguagem - Profª. Zenia FerreiraFiguras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Figuras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Antonio Luiz
 
1ª Fase Do Modernismo
1ª Fase Do Modernismo1ª Fase Do Modernismo
1ª Fase Do Modernismo
Amandeixom
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
1fasemodernismoequar 140802112350-phpapp01
1fasemodernismoequar 140802112350-phpapp011fasemodernismoequar 140802112350-phpapp01
1fasemodernismoequar 140802112350-phpapp01
E.E. Mario Martins Pereira
 
Modernismo (2ª fase) - Romance de 30
Modernismo (2ª fase) -  Romance de 30Modernismo (2ª fase) -  Romance de 30
Modernismo (2ª fase) - Romance de 30
Bruna M
 
Oficina cronica olp
Oficina  cronica   olpOficina  cronica   olp
Oficina cronica olp
MariadasMerces
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
Ilana Fernandes
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
Andriane Cursino
 
A Crônica
A CrônicaA Crônica
A Crônica
Walace Cestari
 
Aula sobre Modernismo
Aula sobre ModernismoAula sobre Modernismo
Aula sobre Modernismo
Universidade das Quebradas
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Blog Estudo
 
Um apologo
Um apologoUm apologo
Um apologo
technoeduca
 
Power Point Pintura Modernista
Power Point Pintura ModernistaPower Point Pintura Modernista
Power Point Pintura Modernista
guestbdd8c1f
 
A historia do lapis
A historia do lapisA historia do lapis
A historia do lapis
Jorge Colares
 

Destaque (20)

Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Figuras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Figuras de linguagem - Profª. Zenia FerreiraFiguras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
Figuras de linguagem - Profª. Zenia Ferreira
 
1ª Fase Do Modernismo
1ª Fase Do Modernismo1ª Fase Do Modernismo
1ª Fase Do Modernismo
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
1fasemodernismoequar 140802112350-phpapp01
1fasemodernismoequar 140802112350-phpapp011fasemodernismoequar 140802112350-phpapp01
1fasemodernismoequar 140802112350-phpapp01
 
Modernismo (2ª fase) - Romance de 30
Modernismo (2ª fase) -  Romance de 30Modernismo (2ª fase) -  Romance de 30
Modernismo (2ª fase) - Romance de 30
 
Oficina cronica olp
Oficina  cronica   olpOficina  cronica   olp
Oficina cronica olp
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
 
A Crônica
A CrônicaA Crônica
A Crônica
 
Aula sobre Modernismo
Aula sobre ModernismoAula sobre Modernismo
Aula sobre Modernismo
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Um apologo
Um apologoUm apologo
Um apologo
 
Power Point Pintura Modernista
Power Point Pintura ModernistaPower Point Pintura Modernista
Power Point Pintura Modernista
 
A historia do lapis
A historia do lapisA historia do lapis
A historia do lapis
 

Semelhante a Modernismo 1ª fase apresentação

Primeira fase do Modernismo no Brasil
Primeira fase do Modernismo no BrasilPrimeira fase do Modernismo no Brasil
Primeira fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
Carlos Zaranza
 
1 fase do modernismo
1 fase do modernismo1 fase do modernismo
1 fase do modernismo
Laboratório de Informática
 
O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
Claudinei Jesus
 
Tdpp2
Tdpp2Tdpp2
Tdpp2
lokitoloko
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
EndelCosta1
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
EndelCosta1
 
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª faseModernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Miriam Zelmikaitis
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
Eliete Sampaio Farneda
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
Aline Ferreira
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Andriane Cursino
 
Literatura A Geração de 1945 e o Concretismo.docx.pdf
Literatura A Geração de 1945 e o Concretismo.docx.pdfLiteratura A Geração de 1945 e o Concretismo.docx.pdf
Literatura A Geração de 1945 e o Concretismo.docx.pdf
MAURICIOMARQUESDACOS
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
PATRICIA VIANA
 
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
MrPitobaldo
 
Hipertexto modernismo semana_da_arte_moderna_d
Hipertexto modernismo semana_da_arte_moderna_dHipertexto modernismo semana_da_arte_moderna_d
Hipertexto modernismo semana_da_arte_moderna_d
Vera Pinho
 
Hipertexto Modernismo-Semana da Arte moderna de 22
Hipertexto Modernismo-Semana da Arte moderna de 22Hipertexto Modernismo-Semana da Arte moderna de 22
Hipertexto Modernismo-Semana da Arte moderna de 22
Vera Pinho
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
Eliete Sampaio Farneda
 
Literatura do brasil
Literatura do brasilLiteratura do brasil
Literatura do brasil
Erika Renata
 
Modernismo
ModernismoModernismo

Semelhante a Modernismo 1ª fase apresentação (20)

Primeira fase do Modernismo no Brasil
Primeira fase do Modernismo no BrasilPrimeira fase do Modernismo no Brasil
Primeira fase do Modernismo no Brasil
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
 
1 fase do modernismo
1 fase do modernismo1 fase do modernismo
1 fase do modernismo
 
O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
 
Tdpp2
Tdpp2Tdpp2
Tdpp2
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
 
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª faseModernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª fase
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
 
Literatura A Geração de 1945 e o Concretismo.docx.pdf
Literatura A Geração de 1945 e o Concretismo.docx.pdfLiteratura A Geração de 1945 e o Concretismo.docx.pdf
Literatura A Geração de 1945 e o Concretismo.docx.pdf
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
 
Hipertexto modernismo semana_da_arte_moderna_d
Hipertexto modernismo semana_da_arte_moderna_dHipertexto modernismo semana_da_arte_moderna_d
Hipertexto modernismo semana_da_arte_moderna_d
 
Hipertexto Modernismo-Semana da Arte moderna de 22
Hipertexto Modernismo-Semana da Arte moderna de 22Hipertexto Modernismo-Semana da Arte moderna de 22
Hipertexto Modernismo-Semana da Arte moderna de 22
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
 
Literatura do brasil
Literatura do brasilLiteratura do brasil
Literatura do brasil
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 

Último

Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 

Último (20)

Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 

Modernismo 1ª fase apresentação

  • 2. • Realizada a Semana de Arte Moderna e ainda sob os ecos das vaias e gritarias, tem início uma primeira fase modernista, que se estende de 1922 a 1930, caracterizada pela tentativa de definir e marcar posições.
  • 3. Nessa década, a economia mundial caminha para um colapso, que se concretizaria com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 1929. O Brasil vive os últimos anos da chamada República Velha, ou seja, o período de domínio político das oligarquias ligadas aos grandes proprietários rurais.
  • 6. • Não por mera coincidência, a partir de 1922, com a revolta militar do Forte de Copacabana(descontentamento dos tenentes com o monopólio político do poder no Brasil por parte das oligarquias), o Brasil passa por um momento realmente revolucionário, que culminaria com a Revolução de 1930 e a ascensão de Getúlio Vargas.
  • 7. MODERNISMO NO BRASIL O modernismo brasileiro foi um amplo movimento cultural que repercutiu fortemente sobre a cena artística e a sociedade brasileira na primeira metade do século XX, sobretudo no campo da literatura e das artes plásticas.
  • 8. O movimento no Brasil foi desencadeado a partir da assimilação de tendências culturais e artísticas lançadas pelas vanguardas europeias no período que antecedeu a Primeira Guerra Mundial, como o Cubismo e o Futurismo.
  • 9. As novas linguagens modernas colocadas pelos movimentos artísticos e literários europeus foram aos poucos assimiladas pelo contexto artístico brasileiro, mas colocando como enfoque elementos da cultura brasileira. Considera-se a Semana de Arte Moderna, realizada em São Paulo, em 1922, como ponto de partida do modernismo no Brasil. Porém, nem todos os participantes desse evento eram modernistas: Graça Aranha, um pré-modernista, por exemplo, foi um dos oradores.
  • 10. Não sendo dominante desde o início, o modernismo, com o tempo, suplantou os anteriores. Foi marcado, sobretudo, pela liberdade de estilo e aproximação com a linguagem falada, sendo os da primeira fase mais radicais em relação a esse marco.
  • 11. Didaticamente, divide-se o Modernismo em três fases: a primeira fase, mais radical e fortemente oposta a tudo que foi anterior, cheia de irreverência e escândalo; uma segunda mais amena, que formou grandes romancistas e poetas; e uma terceira, também chamada Pós- modernismo por vários autores, que se opunha de certo modo a primeira e era por isso ridicularizada com o apelido de Parnasianismo.
  • 13. Foi o período mais radical do movimento modernista, justamente em consequência da necessidade de romper com todas as estruturas do passado. Daí o caráter anárquico dessa primeira fase modernista e seu forte sentido destruidor, assim definido por Mário de Andrade:"...se alastrou pelo Brasil o espírito destruidor do movimento modernista. Isto é teatro é uma experiência eficaz para o futebol.
  • 14. Havia a busca pelo moderno, original e polêmico, com o nacionalismo em suas múltiplas facetas. A volta das origens, através da valorização do indígena e a língua falada pelo povo, também foram abordados. Contudo, o nacionalismo foi empregado de duas formas distintas: a crítica, alinhado a esquerda política através da denúncia da realidade, e a ufanista, exagerado e de extrema direita.
  • 16. Manifestos e revistas Revista Klaxon — Mensário de Arte Moderna (1922- 1923); Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924-1925) Escrito por Oswald de Andrade e publicado inicialmente no Correio da Manhã. Em 1924, é republicado como abertura do livro de poesias Pau- Brasil, de Oswald. Apresenta uma proposta de literatura vinculada à realidade brasileira, a partir de uma redescoberta do Brasil. Este manifesto dizia que a arte brasileira deveria ser de "exportação" tal qual o Pau-Brasil.
  • 17. Manifestos e revistas. Verde-Amarelismo ou Escola da Anta (1916-1929) Grupo formado por Plínio Salgado, Menotti del Picchia, Guilherme de Almeida e Cassiano Ricardo em resposta ao nacionalismo do Pau-Brasil, criticando-se o “nacionalismo afrancesado” de Oswald. Sua proposta era de um nacionalismo primitivista, ufanista, identificado com o fascismo, evoluindo para o Integralismo. Idolatria do tupi e a anta é eleita símbolo nacional. Em maio de 1929, o grupo verde-amarelista publica o manifesto "Nhengaçu Verde-Amarelo — Manifesto do Verde- Amarelismo ou da Escola da Anta".
  • 18. Manifestos e revistas Manifesto Regionalista de 1926 De 1925 a 1930 foi um período marcado pela difusão do Modernismo pelos estados brasileiros. Nesse sentido, o Centro Regionalista do Nordeste (Recife).Presidido ou Gilberto Freire busca desenvolver o sentimento de unidade do Nordeste nos novos moldes modernistas. Propõem trabalhar em favor dos interesses da região, além de promover conferências, exposições de arte, congressos etc. Para tanto, editaram uma revista. Vale ressaltar que o regionalismo nordestino conta com Graciliano Ramos.
  • 19. Manifestos e revistas Revista de Antropofagia (1928-1929) É a nova etapa do Pau-Brasil, sendo resposta a Escola da Anta. Seu nome origina-se da tela Abaporu (O que come) de Tarsila do Amaral. O Antropofagismo foi caracterizado por assimilação (“deglutição”) crítica às vanguardas e culturas europeias, com o fim de recriá-las, tendo em vista o redescobrimento do Brasil em sua autenticidade primitiva.
  • 20. TROPICALISMO O Tropicalismo foi um movimento de ruptura que sacudiu o ambiente da música popular e da cultura brasileira entre 1967 e 1968. Os tropicalistas deram um histórico passo à frente no meio musical brasileiro.
  • 21. TROPICALISMO A música brasileira pós-Bossa Nova e a definição da “qualidade musical” no País estavam cada vez mais dominadas pelas posições tradicionais ou nacionalistas de movimentos ligados à esquerda. Contra essas tendências, o grupo baiano e seus colaboradores procuram universalizar a linguagem da MPB, incorporando elementos da cultura jovem mundial, como o rock, a psicodélica e a guitarra elétrica.
  • 22. Irreverente, a Tropicália transformou os critérios de gosto vigentes, não só quanto à música e à política, mas também à moral e ao comportamento, ao corpo, ao sexo e ao vestuário. A contracultura hippie foi assimilada, com a adoção da moda dos cabelos longos encaracolados e das roupas escandalosamente coloridas.
  • 23. O movimento, libertário por excelência, durou pouco mais de um ano e acabou reprimido pelo governo militar. Seu fim começou com a prisão de Gil e Caetano, em dezembro de 1968. A cultura do País, porém, já estava marcada para sempre pela descoberta da modernidade e dos trópicos.
  • 35. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS II: • COMBATE-RUPTURA-DESTRUIÇÃO; • O RADICALISMO; • O ANARQUISMO; • O PERFIL ICONOCLASTA; • A PRESENÇA DO COTIDIANO; • A LIBERDADE DE EXPRESSÃO; • O COLOQUIALISMO NA LINGUAGEM; • A BUSCA PELO ORIGINALIDADE; • A PARÓDIA; • A SIMPLICIDADE.
  • 36. Quanto Custa o quadro Abaporu? Abaporu vem dos termos em tupi aba (homem), pora (gente) e ú (comer), significando "homem que come gente"
  • 37. O quadro “Abaporu”, de Tarsila do Amaral (1886-1976), é a obra de arte brasileira mais cara já vendida fora do território brasileiro. Este quadro foi leiloado em 1995 por R$ 2,5 milhões. O leilão ocorreu na cidade de Nova York e o comprador do “Abaporu” foi o colecionador argentino Eduardo Costantini. Hoje, o quadro está exposto no Malba, museu de Buenos Aires (Argentina), criado e organizado por Constantini.
  • 38. MACUNAÍMA Análise da obra de Mario de Andrade: Com uma narrativa de caráter mítico, em que os acontecimentos não seguem as convenções realistas, a obra procura fazer um retrato do povo brasileiro, por meio do “herói sem caráter”.
  • 39. Leia o resumo de Macunaíma Rapsódia "Macunaíma" é fruto do conhecimento reunido por Mario de Andrade acerca das lendas e mitos indígenas e folclóricos. Dessa forma, pode-se dizer que a obra é uma rapsódia, que é uma palavra que vem do grego e designa obras tais como a Ilíada e a Odisseia de Homero. Para os gregos, uma rapsódia é uma obra literária que condensa todas as tradições orais e folclóricas de um povo. Além disso, na música (Mario de Andrade tinha formação musical também) uma rapsódia utiliza contos tradicionais ou populares de certo povo em temas de composição improvisada.
  • 40. Há, ainda, uma aproximação ao gênero épico: à medida que o livro narra, em trechos fragmentados, a vida de um personagem que simboliza uma nação. Sobre a acepção musical dada pelo dicionário, chama atenção o improviso da narrativa, que impressiona e surpreende a cada momento, tendo como pano de fundo a cultura popular.
  • 41. O enredo dessa rapsódia pode tornar-se confuso ao leitor acostumado ao pacto de verossimilhança realista. Por exemplo, é necessário aceitar o fato de o protagonista morrer duas vezes no romance; ou, então, que Macunaíma, em uma fuga, possa estar em Manaus e, algumas linhas depois, aparecer na Argentina; ou ainda o fato de o herói encontrar uma poça que embranquece quem nela se banha.
  • 42. A verossimilhança em questão é surrealista e deve ser lida de forma simbólica. A cena em que Macunaíma e seus dois irmãos se banham na água que embranquece pode ser entendida como o símbolo das três etnias que formaram o Brasil: o branco, vindo da Europa; o negro, trazido como escravo da África; e o índio nativo. Nessa cena, Macunaíma é o primeiro a se banhar e torna-se loiro. Jiguê é o segundo, e como a água já estava “suja” do negrume do herói, fica com a cor de bronze (índio); por último, Manaape, que simboliza o negro, só embranquece a palma das mãos e a sola dos pés.
  • 43. Retrato do povo brasileiro O livro faz parte da primeira fase modernista – a fase heroica. A influência das vanguardas europeias é visível em várias técnicas inovadoras de linguagem que a obra apresenta. Por isso, "Macunaíma" pode oferecer algumas dificuldades ao leitor desavisado.
  • 44. Há inúmeras referências ao folclore brasileiro. A narrativa se aproxima da oralidade – no capítulo “Cartas pras Icamiabas”, Macunaíma ironiza o povo de São Paulo, que fala em uma língua e escreve em outra. Além disso, não existe verossimilhança realista.
  • 45. Alguns aspectos históricos motivaram Mário de Andrade a criar tais “empecilhos”. A referência ao folclore brasileiro e à linguagem oral é manifestação típica da primeira fase modernista, quando os escritores estavam preocupados em descobrir a identidade do país e do brasileiro. No plano formal, essa busca se dá pela linguagem falada no Brasil, ignorando, ou melhor, desafiando o português lusitano. No plano temático, a utilização do folclore servia como matéria-prima dessa busca.
  • 46. "Macunaíma" é, portanto, uma tentativa de construção do retrato do povo brasileiro. Essa tentativa não era nova. O autor romântico José de Alencar, por exemplo, tivera a mesma intenção ao criar, no romance O Guarani, o personagem Peri, índio de aspirações nobres, que se assemelhava, em relação a sua conduta ética, a um cavaleiro medieval lusitano. Não é exagero dizer, se compararmos Peri a Macunaíma, que esse é o oposto daquele. Enquanto o primeiro é valente, extremamente perseverante e encontra suas motivações nos valores da ética e da moral, Macunaíma, além de indolente, conduz a maioria de seus atos movido pelo prazer terreno, mundano. É “o herói sem nenhum caráter”.
  • 47. Assim, "Macunaíma" é uma obra que busca sintetizar o caráter brasileiro, segundo as convicções da primeira fase modernista. Uma leitura possível é a de que o povo brasileiro não tem um caráter definido e o Brasil é um país grande como o corpo de Macunaíma, mas imaturo, característica que é simbolizada pela cabeça pequena do herói.