SlideShare uma empresa Scribd logo
MODERNISMO DE 22
“Época triste a nossa, em que é mais difícil quebrar
um preconceito do que um átomo”
Albert Einsten
Semana de Arte Moderna
13 a 17 de FEVEREIRO DE 1922
(... ) “Semana de escândalos literários e artísticos, de
meter os estribos na barriga da burguesiazinha
paulistana”.
Di Cavalcanti
NÃO SABEMOS O QUE QUEREMOS,
MAS SABEMOS O QUE NÃO QUEREMOS
 A Semana de Arte Moderna ocorreu em uma época
com dificuldades de aceitar o que era novo e que
abalasse as estruturas da sociedade e da cultura.
Como as novas vanguardas estéticas surgiam, o mundo
não estava preparado para as novas linguagens
desprovidas de regras.
A Semana de Arte Moderna ocorrida na época da
República Velha, controlada pelas oligarquias cafeeiras
e pela política do café-com-leite foi muito criticada. O
capitalismo crescia no Brasil, consolidando a República
e a elite paulista, esta totalmente influenciada pelos
Renovar o
ambiente
artístico e
cultural da
cidade sob o
efeito das
esculturas,
arquiteturas,
músicas e
literaturas do
ponto de vista
atual, como
informava o
Correio
Paulistano a 29
de janeiro de
1922.
Capa de Anita Malfatti
para romance de Menotti
del Picchia, lançado por
Lobato em 1922 
A necessidade de abandono dos antigos ideais estéticos
do século XIX aumentava cada vez mais. Algumas notícias
sobre as mudanças artísticas na Europa estavam aos
poucos abalando a sociedade brasileira.
 O maior
descontentamento estava
na literatura (poesia, em
especial). Exemplares do
Futurismo italiano
chegavam ao país e
começavam a influenciar
alguns escritores, como
Oswald de Andrade e
Guilherme de Almeida.
Da esquerda para a direita:
Oswald de Andrade (4º)
Guilherme de
Almeida
 A jovem pintora
Anita Malfatti voltava
da Europa trazendo a
experiência das
novas vanguardas, e
em 1917 realiza a que
foi chamada de
primeira exposição
modernista
brasileira, com
influências do
cubismo,
expressionismo e
futurismo.
 A exposição
causa
escândalo e é
alvo de duras
críticas de
Monteiro
Lobato, o que
foi o estopim
para que a
Semana de
Arte Moderna
Anita Malfatti, Tarsila
do Amaral e Oswald de
Andrade
Cubismo
As
Vanguardas
Européias
Futurismo
Dadaísmo
Cubismo
Expressionismo
Surrealismo
 Ocorreu em São Paulo em 1922, entre 11 e 18 de
fevereiro no Teatro Municipal da cidade.
 Nos sete dias aconteceu exposições modernistas e
nos dias 13, 15 e 17 apresentações de poesia, música e
palestras sobre o modernismo encheu os olhos do
público.
 A Semana, foi uma maré de novas idéias totalmente
libertadas, nacionalista em busca de uma identidade
própria e de uma maneira mais livre de expressão.
 Sentia-se um desejo de experimentar diferentes
caminhos do que de definir um único ideal moderno.
 13 de fevereiro (Segunda-
feira) - Abertura oficial do
evento. Muitas pinturas e
esculturas provocam reações
de espanto e repúdio por
parte do público. O
espetáculo tem início com a
confusa conferência de
Graça Aranha, intitulada "A
emoção estética da Arte
Moderna".
 15 de fevereiro (Quarta-
feira) - Guiomar Novaes
toca alguns clássicos
consagrados. Palestra de
Menotti del Picchia sobre a
arte estética. Menotti
apresenta os novos
escritores dos novos
tempos. Ronald de
Carvalho lê o poema
intitulado Os Sapos, de
Manuel Bandeira.
José Pereira
da Graça
Aranha
Guiomar
Novaes
Menotti del
Picchia
 17 de
fevereiro
(Sexta-feira)
-Apresentaçõe
s musicais de
Villa-Lobos.
Villa-Lobos
Semana de Arte Moderna de 1922
A Semana não foi o Modernismo, mas ela
aglutinou as insatisfações estéticas e
extrapolou as novas concepções
artísticas. Na poesia, a métrica e a rima
foram questionadas em nome da liberdade
criativa; na pintura, o academicismo da
tradição renascentista deu lugar às novas
formas, cores e temas; na música a
tonalidade e melodia tradicionais sofreram
abalos. A Semana representa um vivo e
radical esforço de atualizar a linguagem
da arte.
Manifestado especialmente
pela arte, mas manchando
também com violência os
costumes sociais e
políticos, o movimento
modernista foi o
prenunciador, o
preparador e, por muitas
partes, o criador de um
estado de espírito nacional.
Conceito
Mário de Andrade
Modernismo deModernismo de
2222
 Movimento Pau-
Brasil : lançado
em 1924 por
Oswald de
Andrade e Tarsila
do Amaral que
apresentava uma
posição
primitivista,
buscando uma
poesia ingênua,
de redescoberta
do mundo e do
Brasil.
O movimento
exaltava o
progresso e a era
presente, ao
mesmo tempo em
 Movimento
Verde-Amarelo e
o Grupo da Anta:
foi cultural
decorrentes da
Semana de 1922.
Na literatura tem
por
característica
textos
patrióticos.
Características
formais: versos
livres, sem rima,
sem métrica e
discurso não
linear.
Linguagem
coloquial e
textos sem
lógica.
 Movimento
antropofágico:
Baseado no
Manifesto
Antropófago
escrito por
Oswald de
Andrade, o
movimento
antropofágico
brasileiro tinha
por objetivo a
deglutição da
cultura externa,
não se deve
negar a cultura
estrangeira,
mas ela não
deve ser
AS PROPOSTAS MODERNISTAS
1. Adaptar a arte nacional ao momento
futurista e tecnológico:
1. Adaptar a arte nacional ao momento
futurista e tecnológico:
“Aqui de cima destes edifícios, nós olhamos
para o passado e contemplamos sua
nulidade.”
“Aqui de cima destes edifícios, nós olhamos
para o passado e contemplamos sua
nulidade.”
“Queremos luz, ar, ventiladores, aeroplanos,
motores, chaminés de fabrica, velocidade...
E que o rufo do automóvel, nos trilhos de
dois versos, espante da poesia o último deus
homérico...”.
Ó poetas de gabinete.
Que da vida sabeis apenas a lição dos livros,
Vossa poesia é um jogo de palavras.
Vossa poesia é toda feita de habilidades de estilo,
Sem a marca um pouco suja de experiências
vividas.
Não sabeis de nenhuma espécie de sofrimento,
De nenhum dos aspectos sedutores do mal,
Não sabeis de nada que está realmente na vida.
2. Combater a cultura formal, gabinetista,
acadêmica, livresca:
2. Combater a cultura formal, gabinetista,
acadêmica, livresca:
Não vos inquieta o desejo de quebrar a
monotonia,
A exasperada fadiga das coisas iguais,
A saborosa audácia do mau gosto.
Tudo em vós é correto, frio, sem surpresas.
Ah, tudo que sabeis é através dos livros
Não sofreis a curiosidade viciosa das
aventuras,
Nem a mágoa dos meses vividos à toa,
Nem o bocejo que a mulher tão desejada
provocará
[um dia.
Não conheceis o remorso das devassidões
E a desvairada esperança que há num
amanhecer
[depois da noite perdida.
Para vós não existe a vida : existem os temas
poéticos.
(Ribeiro Couto)
Estou fardo do lirismo comedido.
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com
livros de ponto expediente protocolo e
manifestações de apreço ao sr.diretor.
Estou farto do lirismo que pára e vai
averiguar no dicionário o cunho
vernáculo de um vocábulo
3. Destruir os modelos artísticos do
Parnasianismo
3. Destruir os modelos artísticos do
Parnasianismo
Abaixo os puristas
Todas as palavras sobretudo os
barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as
sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os
inumeráveis
(. . .)
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbados
O lirismo difícil e pungente dos bêbados
O lirismo dos clowns de Shakespeare
- Não quero mais saber do lirismo que
não é libertaçao
(M. Bandeira)
“Irene preta
Irene boa
Irene sempre de bom humor
Imagino Irene entrando no céu:
-Licença , meu branco!
E São Pedro bonachão:
-Entra, Irene, você não precisa pedir
licença.”
4. Linguagem espontânea, coloquial:4. Linguagem espontânea, coloquial:
“Dê-me um cigarro
Diz a gramatica
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da nação brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro”
5. Desprezo pelas normas gramaticais :5. Desprezo pelas normas gramaticais :
Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá.
Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro
Minha terra tem mais terra.
6. Uso da paródia como elemento
desmitificador:
6. Uso da paródia como elemento
desmitificador:
Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá.
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo
Sem que veja a rua 15
E o progresso de São Paulo.
Moça linda bem tratada,
Três séculos de família,
Burra como uma porta:
Um amor.
Grã-fino do despudor,
Esporte, ignorância e sexo
Burro como porta:
Um coió.
Mulher gordaça, filó
De ouro por todos os poros
Burra como uma porta:
Paciência...
7. Emprego da ironia e do poema–piada:7. Emprego da ironia e do poema–piada:
Plutocrata sem consciência,
Nada porta, terremoto
Que a porta do pobre arromba:
Um bomba.
(Mário de Andrade)
DESDOBRAMENTO
EUROPEIZAÇÃOEUROPEIZAÇÃO
19241924
NACIONALIZAÇÃONACIONALIZAÇÃO
VANGUARDAS
EUROPÉIAS
VANGUARDAS
EUROPÉIAS
UM OLHAR
PARA O BRASIL
UM OLHAR
PARA O BRASIL
GRUPOSGRUPOSCUBISMO
PAU-BRASILFUTURISMO
DADAÍSMO
EXPRESSIONISM
O
SURREALISMO
ANTROPOFÁGICO
VERDE-AMARELO
REGIONALISTA
A semana da Arte Moderna foi uma renovação da
linguagem em busca de novas experiências e novos
horizontes. Foi na liberdade da criação que os laços com
o passado e o velho foram rompidos. Algumas mudanças
ficaram claras: a poesia passou a ser declamada, ocorria
apresentações musicais (concertos), as artes plásticas
eram exibidas em telas e as esculturas eram de
arquitetura. O novo foi incluído aos poucos pela
sociedade nas artes e recebido com curiosidade e
interesse.
Nas apresentações da Semana de 1922, a “nova arte”
provocou reações de espanto ou incentivadores aplausos,
alguns artistas foram sarcasticamente vaiados outros
admirados. Aos poucos a sociedade foi se enquadrando ao
novo estilo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Colégio Santa Luzia
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
Abrahão Costa de Freitas
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
Eline Lima
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
Priscila Hilária
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
Zenia Ferreira
 
Modernismo primeira fase
Modernismo  primeira faseModernismo  primeira fase
Modernismo primeira fase
Gabriel Monteiro
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
licss
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
seixasmarianas
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
Andriane Cursino
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 

Mais procurados (20)

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
 
Modernismo primeira fase
Modernismo  primeira faseModernismo  primeira fase
Modernismo primeira fase
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 

Destaque

Avaliação modernismo no brasil, estudo de caso sobre a Casa Robert Schuster/S...
Avaliação modernismo no brasil, estudo de caso sobre a Casa Robert Schuster/S...Avaliação modernismo no brasil, estudo de caso sobre a Casa Robert Schuster/S...
Avaliação modernismo no brasil, estudo de caso sobre a Casa Robert Schuster/S...
Mustafa Hassan
 
Semana da Arte Moderna e Modernismo
Semana da Arte Moderna e ModernismoSemana da Arte Moderna e Modernismo
Semana da Arte Moderna e Modernismo
Thanmires Quariniri
 
Modernismo no brasil introdução
Modernismo no brasil introduçãoModernismo no brasil introdução
Modernismo no brasil introdução
rillaryalvesj
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
Meire Falco
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
Elaine Maia
 
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCOMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
Cynthia Funchal
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
zildagomesk
 
Arte moderna slide
Arte moderna slideArte moderna slide
Arte moderna slide
Isabel Aguiar
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
veroleal
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
Daniella Cincoetti
 

Destaque (10)

Avaliação modernismo no brasil, estudo de caso sobre a Casa Robert Schuster/S...
Avaliação modernismo no brasil, estudo de caso sobre a Casa Robert Schuster/S...Avaliação modernismo no brasil, estudo de caso sobre a Casa Robert Schuster/S...
Avaliação modernismo no brasil, estudo de caso sobre a Casa Robert Schuster/S...
 
Semana da Arte Moderna e Modernismo
Semana da Arte Moderna e ModernismoSemana da Arte Moderna e Modernismo
Semana da Arte Moderna e Modernismo
 
Modernismo no brasil introdução
Modernismo no brasil introduçãoModernismo no brasil introdução
Modernismo no brasil introdução
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCOMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
 
Arte moderna slide
Arte moderna slideArte moderna slide
Arte moderna slide
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 

Semelhante a Modernismo no Brasil - Literatura

M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
Prof Palmito Rocha
 
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.pptliteratura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
almeidaluana280
 
literatura modernismo brasileiro 1 fase.pdf
literatura modernismo brasileiro 1 fase.pdfliteratura modernismo brasileiro 1 fase.pdf
literatura modernismo brasileiro 1 fase.pdf
GustavoSantos252007
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
jasonrplima
 
semana de arte moderna
semana de arte modernasemana de arte moderna
semana de arte moderna
tatipines
 
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.pptMODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
AssisTeixeira2
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Marivaldo Gomes
 
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Alexandre Nicácio
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
José Ricardo Lima
 
Primeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do ModernismoPrimeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do Modernismo
Camila Jamyly
 
Semana da Arte Moderna (1922)
Semana da Arte Moderna (1922)Semana da Arte Moderna (1922)
Semana da Arte Moderna (1922)
Vinícius Fabreau
 
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
Roseli Gomes Martins
 
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaSemana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
liceuterceiroc
 
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
Jonas_Jr96
 
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.pptsemana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
billieeilish3214553
 
Literatura pos modernismo
Literatura pos modernismo Literatura pos modernismo
Literatura pos modernismo
samuelmuller
 
Modernismo.
Modernismo.Modernismo.
Modernismo.
Bruna
 
A
AA
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
Valkiria Marks
 

Semelhante a Modernismo no Brasil - Literatura (20)

M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
 
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.pptliteratura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
literatura-modernismobrasileiro1fase-120815151939-phpapp01.ppt
 
literatura modernismo brasileiro 1 fase.pdf
literatura modernismo brasileiro 1 fase.pdfliteratura modernismo brasileiro 1 fase.pdf
literatura modernismo brasileiro 1 fase.pdf
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
 
semana de arte moderna
semana de arte modernasemana de arte moderna
semana de arte moderna
 
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.pptMODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Primeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do ModernismoPrimeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do Modernismo
 
Semana da Arte Moderna (1922)
Semana da Arte Moderna (1922)Semana da Arte Moderna (1922)
Semana da Arte Moderna (1922)
 
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
3º Ano - 2. Modernismo Brasileiro.ppt
 
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaSemana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Semana De Arte Moderna - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
 
Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007Modernismosetembro2007
Modernismosetembro2007
 
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.pptsemana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
 
Literatura pos modernismo
Literatura pos modernismo Literatura pos modernismo
Literatura pos modernismo
 
Modernismo.
Modernismo.Modernismo.
Modernismo.
 
A
AA
A
 
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 

Modernismo no Brasil - Literatura

  • 1. MODERNISMO DE 22 “Época triste a nossa, em que é mais difícil quebrar um preconceito do que um átomo” Albert Einsten Semana de Arte Moderna 13 a 17 de FEVEREIRO DE 1922 (... ) “Semana de escândalos literários e artísticos, de meter os estribos na barriga da burguesiazinha paulistana”. Di Cavalcanti NÃO SABEMOS O QUE QUEREMOS, MAS SABEMOS O QUE NÃO QUEREMOS
  • 2.
  • 3.  A Semana de Arte Moderna ocorreu em uma época com dificuldades de aceitar o que era novo e que abalasse as estruturas da sociedade e da cultura. Como as novas vanguardas estéticas surgiam, o mundo não estava preparado para as novas linguagens desprovidas de regras. A Semana de Arte Moderna ocorrida na época da República Velha, controlada pelas oligarquias cafeeiras e pela política do café-com-leite foi muito criticada. O capitalismo crescia no Brasil, consolidando a República e a elite paulista, esta totalmente influenciada pelos
  • 4. Renovar o ambiente artístico e cultural da cidade sob o efeito das esculturas, arquiteturas, músicas e literaturas do ponto de vista atual, como informava o Correio Paulistano a 29 de janeiro de 1922. Capa de Anita Malfatti para romance de Menotti del Picchia, lançado por Lobato em 1922 
  • 5. A necessidade de abandono dos antigos ideais estéticos do século XIX aumentava cada vez mais. Algumas notícias sobre as mudanças artísticas na Europa estavam aos poucos abalando a sociedade brasileira.  O maior descontentamento estava na literatura (poesia, em especial). Exemplares do Futurismo italiano chegavam ao país e começavam a influenciar alguns escritores, como Oswald de Andrade e Guilherme de Almeida. Da esquerda para a direita: Oswald de Andrade (4º) Guilherme de Almeida
  • 6.  A jovem pintora Anita Malfatti voltava da Europa trazendo a experiência das novas vanguardas, e em 1917 realiza a que foi chamada de primeira exposição modernista brasileira, com influências do cubismo, expressionismo e futurismo.  A exposição causa escândalo e é alvo de duras críticas de Monteiro Lobato, o que foi o estopim para que a Semana de Arte Moderna Anita Malfatti, Tarsila do Amaral e Oswald de Andrade Cubismo
  • 13.  Ocorreu em São Paulo em 1922, entre 11 e 18 de fevereiro no Teatro Municipal da cidade.  Nos sete dias aconteceu exposições modernistas e nos dias 13, 15 e 17 apresentações de poesia, música e palestras sobre o modernismo encheu os olhos do público.  A Semana, foi uma maré de novas idéias totalmente libertadas, nacionalista em busca de uma identidade própria e de uma maneira mais livre de expressão.  Sentia-se um desejo de experimentar diferentes caminhos do que de definir um único ideal moderno.
  • 14.  13 de fevereiro (Segunda- feira) - Abertura oficial do evento. Muitas pinturas e esculturas provocam reações de espanto e repúdio por parte do público. O espetáculo tem início com a confusa conferência de Graça Aranha, intitulada "A emoção estética da Arte Moderna".  15 de fevereiro (Quarta- feira) - Guiomar Novaes toca alguns clássicos consagrados. Palestra de Menotti del Picchia sobre a arte estética. Menotti apresenta os novos escritores dos novos tempos. Ronald de Carvalho lê o poema intitulado Os Sapos, de Manuel Bandeira. José Pereira da Graça Aranha Guiomar Novaes Menotti del Picchia  17 de fevereiro (Sexta-feira) -Apresentaçõe s musicais de Villa-Lobos. Villa-Lobos
  • 15. Semana de Arte Moderna de 1922 A Semana não foi o Modernismo, mas ela aglutinou as insatisfações estéticas e extrapolou as novas concepções artísticas. Na poesia, a métrica e a rima foram questionadas em nome da liberdade criativa; na pintura, o academicismo da tradição renascentista deu lugar às novas formas, cores e temas; na música a tonalidade e melodia tradicionais sofreram abalos. A Semana representa um vivo e radical esforço de atualizar a linguagem da arte.
  • 16. Manifestado especialmente pela arte, mas manchando também com violência os costumes sociais e políticos, o movimento modernista foi o prenunciador, o preparador e, por muitas partes, o criador de um estado de espírito nacional. Conceito Mário de Andrade Modernismo deModernismo de 2222
  • 17.  Movimento Pau- Brasil : lançado em 1924 por Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral que apresentava uma posição primitivista, buscando uma poesia ingênua, de redescoberta do mundo e do Brasil. O movimento exaltava o progresso e a era presente, ao mesmo tempo em  Movimento Verde-Amarelo e o Grupo da Anta: foi cultural decorrentes da Semana de 1922. Na literatura tem por característica textos patrióticos. Características formais: versos livres, sem rima, sem métrica e discurso não linear. Linguagem coloquial e textos sem lógica.  Movimento antropofágico: Baseado no Manifesto Antropófago escrito por Oswald de Andrade, o movimento antropofágico brasileiro tinha por objetivo a deglutição da cultura externa, não se deve negar a cultura estrangeira, mas ela não deve ser
  • 18.
  • 19.
  • 20. AS PROPOSTAS MODERNISTAS 1. Adaptar a arte nacional ao momento futurista e tecnológico: 1. Adaptar a arte nacional ao momento futurista e tecnológico: “Aqui de cima destes edifícios, nós olhamos para o passado e contemplamos sua nulidade.” “Aqui de cima destes edifícios, nós olhamos para o passado e contemplamos sua nulidade.” “Queremos luz, ar, ventiladores, aeroplanos, motores, chaminés de fabrica, velocidade... E que o rufo do automóvel, nos trilhos de dois versos, espante da poesia o último deus homérico...”.
  • 21. Ó poetas de gabinete. Que da vida sabeis apenas a lição dos livros, Vossa poesia é um jogo de palavras. Vossa poesia é toda feita de habilidades de estilo, Sem a marca um pouco suja de experiências vividas. Não sabeis de nenhuma espécie de sofrimento, De nenhum dos aspectos sedutores do mal, Não sabeis de nada que está realmente na vida. 2. Combater a cultura formal, gabinetista, acadêmica, livresca: 2. Combater a cultura formal, gabinetista, acadêmica, livresca:
  • 22. Não vos inquieta o desejo de quebrar a monotonia, A exasperada fadiga das coisas iguais, A saborosa audácia do mau gosto. Tudo em vós é correto, frio, sem surpresas. Ah, tudo que sabeis é através dos livros Não sofreis a curiosidade viciosa das aventuras, Nem a mágoa dos meses vividos à toa,
  • 23. Nem o bocejo que a mulher tão desejada provocará [um dia. Não conheceis o remorso das devassidões E a desvairada esperança que há num amanhecer [depois da noite perdida. Para vós não existe a vida : existem os temas poéticos. (Ribeiro Couto)
  • 24. Estou fardo do lirismo comedido. Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livros de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao sr.diretor. Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo 3. Destruir os modelos artísticos do Parnasianismo 3. Destruir os modelos artísticos do Parnasianismo
  • 25. Abaixo os puristas Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis (. . .)
  • 26. Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados O lirismo difícil e pungente dos bêbados O lirismo dos clowns de Shakespeare - Não quero mais saber do lirismo que não é libertaçao (M. Bandeira)
  • 27. “Irene preta Irene boa Irene sempre de bom humor Imagino Irene entrando no céu: -Licença , meu branco! E São Pedro bonachão: -Entra, Irene, você não precisa pedir licença.” 4. Linguagem espontânea, coloquial:4. Linguagem espontânea, coloquial:
  • 28. “Dê-me um cigarro Diz a gramatica Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e o bom branco Da nação brasileira Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me dá um cigarro” 5. Desprezo pelas normas gramaticais :5. Desprezo pelas normas gramaticais :
  • 29. Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá. Minha terra tem mais rosas E quase que mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra. 6. Uso da paródia como elemento desmitificador: 6. Uso da paródia como elemento desmitificador:
  • 30. Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte para lá. Não permita Deus que eu morra Sem que volte pra São Paulo Sem que veja a rua 15 E o progresso de São Paulo.
  • 31. Moça linda bem tratada, Três séculos de família, Burra como uma porta: Um amor. Grã-fino do despudor, Esporte, ignorância e sexo Burro como porta: Um coió. Mulher gordaça, filó De ouro por todos os poros Burra como uma porta: Paciência... 7. Emprego da ironia e do poema–piada:7. Emprego da ironia e do poema–piada:
  • 32. Plutocrata sem consciência, Nada porta, terremoto Que a porta do pobre arromba: Um bomba. (Mário de Andrade)
  • 33. DESDOBRAMENTO EUROPEIZAÇÃOEUROPEIZAÇÃO 19241924 NACIONALIZAÇÃONACIONALIZAÇÃO VANGUARDAS EUROPÉIAS VANGUARDAS EUROPÉIAS UM OLHAR PARA O BRASIL UM OLHAR PARA O BRASIL GRUPOSGRUPOSCUBISMO PAU-BRASILFUTURISMO DADAÍSMO EXPRESSIONISM O SURREALISMO ANTROPOFÁGICO VERDE-AMARELO REGIONALISTA
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42. A semana da Arte Moderna foi uma renovação da linguagem em busca de novas experiências e novos horizontes. Foi na liberdade da criação que os laços com o passado e o velho foram rompidos. Algumas mudanças ficaram claras: a poesia passou a ser declamada, ocorria apresentações musicais (concertos), as artes plásticas eram exibidas em telas e as esculturas eram de arquitetura. O novo foi incluído aos poucos pela sociedade nas artes e recebido com curiosidade e interesse. Nas apresentações da Semana de 1922, a “nova arte” provocou reações de espanto ou incentivadores aplausos, alguns artistas foram sarcasticamente vaiados outros admirados. Aos poucos a sociedade foi se enquadrando ao novo estilo.