SlideShare uma empresa Scribd logo
MODERNISMO
Revendo fatos, características e obras da Primeira e da
Segunda fase Modernista.
Eliete S. Farneda
CARACTERÍSTICAS DA PRIMEIRA FASE
MODERNISTA
 busca do moderno, original e polêmico,
 nacionalismo em suas múltiplas facetas,
 volta às origens e valorização do índio verdadeiramente
brasileiro,
 “língua brasileira”- falada pelo povo nas ruas,
 paródias - tentativa de repensar a história e a literatura
brasileiras,
 A postura nacionalista apresenta-se em duas vertentes:
 nacionalismo crítico, consciente, de denúncia da realidade, identificado
politicamente com as esquerdas.
 nacionalismo ufanista, utópico, exagerado, identificado com as correntes de
extrema direita.
MANIFESTOS
Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924-1925)
 Escrito por Oswald e publicado inicialmente no Correioda Manhã. Em 1925, é
publicado como abertura do livro de poesias Pau-Brasil de Oswald. Apresenta
uma proposta de literatura vinculada à realidade brasileira, a partir de uma
redescoberta do Brasil.
Verde-Amarelismo (1926-1929)
 Sua proposta era de um nacionalismo primitivista, ufanista, identificado com o
fascismo, evoluindo para o Integralismo de Plínio Salgado (década de 30).
Idolatria do tupi e a anta é eleita símbolo nacional.
MANIFESTOS (CONT.)
Manifesto Regionalista de 1926
 1925 e 1930 é um período marcado pela difusão do Modernismo pelos
estados brasileiros. Nesse sentido, o Centro Regionalista do Nordeste
(Recife) busca desenvolver o sentimento de unidade do Nordeste nos
novos moldes modernistas. Propõem trabalhar em favor dos interesses da
região, além de promover conferências, exposições de arte, congressos
etc. Para tanto, editaram uma revista. Vale ressaltar que o regionalismo
nordestino conta com Graciliano Ramos, José Lins do Rego, José
Américo de Almeida, Rachel de Queiroz, Jorge Amado e João Cabral - na
2ª fase modernista.
MANIFESTOS (CONT.)
Revista Antropofagia (1928-1929)
 Contou com duas fases (dentições): a primeira com 10 números
(1928 e 1929) direção Antônio Alcântara Machado e gerência de
Raul Bopp; a segunda foi publicada semanalmente em 16 números
no jornal Diário de São Paulo (1929) e seu “açougueiro”(secretário)
era Geraldo Ferraz. É uma nova etapa do nacionalismo Pau-Brasil e
resposta ao grupo Verde-amarelismo. A origem do nome movimento
esta na tela “Abaporu”de Tarsila do Amaral.
ALCÂNTARA MACHADO
 Este foi um autor muito importante e por muitas
vezes criticado por sua obra Brás, Bexiga e Barra
Funda.
 Nesta obra ele retrata a vida do imigrante italiano
que moravam nos bairros do Brá, Bexiga e Barra
Funda. Ele tenta capturar cenas do cotidiano e
contá-las em pequenas histórias.
REVENDO OS FATOS QUE DESENCADEARAM A
SEMANA DE ARTE MODERNA (1913 A 1930.
 Dois fatos provocaram a realização da Semana
de Arte Moderna de 22 e o início do movimento
Modernista propriamente dito:
A indiferença com que as obras do pintor
Lasar Segall foram recebidas em 1913.
As críticas a respeito das obras de Anita
Malfatti em 1917, feitas por Monteiro Lobato
ao Jornal da cidade de São Paulo.
IMIGRANTES E FAVELA - LASAR SEGALL
HTTP://TVRATIMBUM.CMAIS.COM.BR/TRACANDOARTE/IMAGENS/QUADROS-DE-LASAR-SEGALL
ABAPORU - A BOBA DE ANITA MALFATTI
SEGUNDA FASE MODERNISTA DE 1930 -1945
 É caracterizada pelo predomínio da prosa de
ficção. A partir deste período:
 os ideais difundidos em 1922 se espalham e se normalizam,
 os esforços anteriores para redefinir a linguagem artística se
unem a um forte interesse pelas temáticas nacionalistas,
 percebe-se um amadurecimento nas obras dos autores da
primeira fase, que continuam produzindo e,
 o surgimento de novos poetas, entre eles Carlos Drummond
de Andrade.
MOMENTO SÓCIO-POLÍTICO
 Em 1930, tem início os quinze anos da ditadura de
Getúlio Vargas. Com o objetivo de obter apoio junto
às massas, Getúlio toma uma série de medidas: o
país é dotado de uma legislação trabalhista e
previdenciária, decreta-se o salário mínimo e
adotam-se providências para a criação de um partido
trabalhista.
 Instituiu-se o voto secreto e deu-se o direito ao voto
à mulher.
O RÁDIO E O SAMBA
 O rádio era nesta época o meio de comunicação mais eficaz.
 No rádio ouvia-se notícias do governo, novelas, músicas.
 O Samba passou a ser autorizado. As pessoas já podiam tocar
e cantar samba sem medo de serem presas.
 Alguns representantes da música da época: Francisco Alves,
Mário Reis, Carmem Miranda, Sílvio Caldas e Orlando Silva.
Estes foram os mais famosos intérpretes de samba dessa
época.
A MAIOR EXPRESSÃO DA MÚSICA BRASILEIRA
(SAMBA) DENTRO E FORA DO BRASIL
 Carmem Miranda, uma portuguesa que cresceu no
Brasil e levou o Samba para Hollywood.
 http://www.youtube.com/watch?v=MnZPfTQ4KK4
A LITERATURA NA ERA VARGAS
 No campo da literatura, observamos que vários dos nossos autores se
concentravam em pensar a identidade do povo brasileiro.
 Os escritores de destaque dessa época enxergavam o Brasil como uma nação
composta por diferentes indivíduos e costumes.
 Por essa razão, a literatura se concentrou na chamada literatura regionalista,
que tentava criar personagens e histórias ocorridas em regiões específicas do
território brasileiro.
 Entre os mais importantes autores podemos destacar os nomes de Graciliano
Ramos, José Lins do Rego e Érico Veríssimo.

 Apesar de todas essas manifestações artísticas de grande riqueza,
devemos nos lembrar de que o governo Vargas também limitou a
liberdade dos artistas dessa época.
 Entre os anos de 1937 e 1945, o governo de Vargas proibiu a
divulgação e a publicação de qualquer tipo de notícia ou
manifestação artística que quisesse criticar o seu governo.
 Nessa época ele criou o Departamento de Imprensa e Propaganda, o
DIP, que tinha a tarefa de evitar as manifestações artísticas que
falassem mal do governo e investir em propagandas que falassem
bem de Vargas.
CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS MODERNISTAS
DA SEGUNDA FASE
 Repensar a história nacional com humor e ironia - "Em
outubro de 1930 / Nós fizemos —que animação! —/ Um pic-nic
com carabinas." (Festa Familiar - Murilo Mendes).
 Verso livre e poesia sintética - " Stop. / A vida parou / ou foi o
automóvel?" (Cota Zero, Carlos Drummond de Andrade).
 Nova postura temática - questionar mais a realidade e a si
mesmo enquanto indivíduo.
 Tentativa de interpretar o estar-no-mundo e seu papel de
poeta.
 Literatura mais construtiva e mais politizada.
CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS MODERNISTAS
DA SEGUNDA FASE
 Surge uma corrente mais voltada para o espiritualismo e o
intimismo (Cecília, Murilo Mendes, Jorge de Lima e Vinícius).
 Aprofundamento das relações do eu com o mundo.
 Consciência da fragilidade do eu - "Tenho apenas duas mãos
/ e o sentimento do mundo" (Carlos Drummond de Andrade -
Sentimento do Mundo).
 Perspectiva única para enfrentar os tempos difíceis é a
união, as soluções coletivas - "O presente é tão grande, ano
nos afastemos, / Ano nos afastemos muito, vamos de mãos
dadas." (Carlos Drummond de Andrade - Mãos dadas).
A POESIA
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
 Mineiro, trabalha lecionando em Itabira e, em 45, trabalha na
diretoria de um jornal comunista. Maior nome da poesia
contemporânea, registrando a realidade cotidiana e os
acontecimentos da época.
 Ironia fina, lucidez, e calma, traduzidos numa linguagem
flexível, rica, mas rica de dimensões humanas.
 Poesias refletem os problemas do mundo e do ser humano
diante dos regimes totalitários, da 2a GM e da guerra fria.
 Poesia de Drummond apresenta uns momentos de
esperança, mas prevalece a descrença diante do rumo dos
acontecimentos.
 Nega formas de fuga da realidade, volta-se para o momento
presente.
CIDADEZINHA QUALQUER
Casas entre bananeiras
mulheres entre laranjeiras
pomar amor cantar.
Um homem vai devagar.
Um cachorro vai devagar.
Um burro vai devagar.
Devagar... as janelas olham.
Eta vida besta, meu Deus.
QUADRILHA
João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.
CECÍLIA MEIRELES
Órfã, carioca, foi criada pela avó e fez Magistério e
lecionou Literatura em várias universidades.
Estréia com o livro Espectros (1919), participando da
corrente espiritualista, sob a influência dos poetas que
formariam o grupo da revista Festa (neo-simbolista).
Suas principais características são sensibilidade forte,
intimisno, introspecção, viagem para dentro de si mesma
e consciência da transitoriedade das coisas (tempo =
personagem principal).
Para ela as realidades não são para se filosofar, são
inexplicáveis, basta vivê-las.
MOTIVO
Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.
Cecília Meireles
VINÍCIUS DE MORAES
Carioca conhecido como Poetinha, participou também da
MPB desde a Bossa-nova até sua morte. Assim como
Cecília, inicia sua carreira ligado ao neo-simbolismo da
corrente espiritualista e também a renovação católica de
30.
Vários de seus poemas apresentam tom bíblico, mas há,
concomitantemente, um sensualismo erótico. Essa
dualidade acentua a contradição entre o prazer da carne e
a formação religiosa. Valoriza o momento com presença de
imediatismos (de repente constante). Temática constante o
jogo entre felicidade e infelicidade, onde muitas vezes
associa a inspiração poética com a tristeza, sem
abandonar o social.
SONETO DE FIDELIDADE
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
http://www.youtube.com/watch?v=QQAMuqo-WnY
SITES IMPORTANTES
 http://www.graudez.com.br/literatura/modernismo.html#
modernismo1
 http://www.slideshare.net/proflourdesadvent/a-segunda-
gerao-modernista-no-brasil
 http://www.infoescola.com/literatura/modernismo/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
Luan Victor
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMOSEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
Marcelo Fernandes
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Adriana Masson
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Modernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase BrasilModernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase Brasil
ggmota93
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
Cláudia Heloísa
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
Colégio Santa Luzia
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Romantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - ProsaRomantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - Prosa
Cynthia Funchal
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Bruna Wagner
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
Carolina Loçasso Pereira
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Ajudar Pessoas
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
profconrad
 
2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)
Nathaly Caldas Costa
 

Mais procurados (20)

A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Verso) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMOSEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - MODERNISMO
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Modernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase BrasilModernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase Brasil
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Romantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - ProsaRomantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - Prosa
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
 
2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)
 

Semelhante a Modernismo segunda fase

O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
Claudinei Jesus
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo Desdobramentos
Modernismo DesdobramentosModernismo Desdobramentos
Modernismo Desdobramentos
ISJ
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
Carlos Zaranza
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Modernismo brasileiro apresentação final
Modernismo brasileiro apresentação finalModernismo brasileiro apresentação final
Modernismo brasileiro apresentação final
Pedro Guilherme
 
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Brigitte Lispector
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
Thiago Rodrigues
 
Tdpp2
Tdpp2Tdpp2
Tdpp2
lokitoloko
 
modernismo_2geracao.pdf
modernismo_2geracao.pdfmodernismo_2geracao.pdf
modernismo_2geracao.pdf
josue261257
 
2 tempo modernista
2 tempo modernista2 tempo modernista
2 tempo modernista
Gustavo Caracho
 
1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt
PATRICIA VIANA
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
Nádia França
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 

Semelhante a Modernismo segunda fase (20)

O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo Desdobramentos
Modernismo DesdobramentosModernismo Desdobramentos
Modernismo Desdobramentos
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Modernismo brasileiro apresentação final
Modernismo brasileiro apresentação finalModernismo brasileiro apresentação final
Modernismo brasileiro apresentação final
 
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
 
Tdpp2
Tdpp2Tdpp2
Tdpp2
 
modernismo_2geracao.pdf
modernismo_2geracao.pdfmodernismo_2geracao.pdf
modernismo_2geracao.pdf
 
2 tempo modernista
2 tempo modernista2 tempo modernista
2 tempo modernista
 
1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 

Mais de Eliete Sampaio Farneda

A prosa contempor_nea
A prosa contempor_neaA prosa contempor_nea
A prosa contempor_nea
Eliete Sampaio Farneda
 
Orações subordinadas
Orações subordinadasOrações subordinadas
Orações subordinadas
Eliete Sampaio Farneda
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
Eliete Sampaio Farneda
 
Contemporaneidade
Contemporaneidade Contemporaneidade
Contemporaneidade
Eliete Sampaio Farneda
 
Contemporaneidade (1)
Contemporaneidade (1)Contemporaneidade (1)
Contemporaneidade (1)
Eliete Sampaio Farneda
 
Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
Eliete Sampaio Farneda
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
Eliete Sampaio Farneda
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Eliete Sampaio Farneda
 

Mais de Eliete Sampaio Farneda (8)

A prosa contempor_nea
A prosa contempor_neaA prosa contempor_nea
A prosa contempor_nea
 
Orações subordinadas
Orações subordinadasOrações subordinadas
Orações subordinadas
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Contemporaneidade
Contemporaneidade Contemporaneidade
Contemporaneidade
 
Contemporaneidade (1)
Contemporaneidade (1)Contemporaneidade (1)
Contemporaneidade (1)
 
Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 

Modernismo segunda fase

  • 1. MODERNISMO Revendo fatos, características e obras da Primeira e da Segunda fase Modernista. Eliete S. Farneda
  • 2. CARACTERÍSTICAS DA PRIMEIRA FASE MODERNISTA  busca do moderno, original e polêmico,  nacionalismo em suas múltiplas facetas,  volta às origens e valorização do índio verdadeiramente brasileiro,  “língua brasileira”- falada pelo povo nas ruas,  paródias - tentativa de repensar a história e a literatura brasileiras,  A postura nacionalista apresenta-se em duas vertentes:  nacionalismo crítico, consciente, de denúncia da realidade, identificado politicamente com as esquerdas.  nacionalismo ufanista, utópico, exagerado, identificado com as correntes de extrema direita.
  • 3. MANIFESTOS Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924-1925)  Escrito por Oswald e publicado inicialmente no Correioda Manhã. Em 1925, é publicado como abertura do livro de poesias Pau-Brasil de Oswald. Apresenta uma proposta de literatura vinculada à realidade brasileira, a partir de uma redescoberta do Brasil. Verde-Amarelismo (1926-1929)  Sua proposta era de um nacionalismo primitivista, ufanista, identificado com o fascismo, evoluindo para o Integralismo de Plínio Salgado (década de 30). Idolatria do tupi e a anta é eleita símbolo nacional.
  • 4. MANIFESTOS (CONT.) Manifesto Regionalista de 1926  1925 e 1930 é um período marcado pela difusão do Modernismo pelos estados brasileiros. Nesse sentido, o Centro Regionalista do Nordeste (Recife) busca desenvolver o sentimento de unidade do Nordeste nos novos moldes modernistas. Propõem trabalhar em favor dos interesses da região, além de promover conferências, exposições de arte, congressos etc. Para tanto, editaram uma revista. Vale ressaltar que o regionalismo nordestino conta com Graciliano Ramos, José Lins do Rego, José Américo de Almeida, Rachel de Queiroz, Jorge Amado e João Cabral - na 2ª fase modernista.
  • 5. MANIFESTOS (CONT.) Revista Antropofagia (1928-1929)  Contou com duas fases (dentições): a primeira com 10 números (1928 e 1929) direção Antônio Alcântara Machado e gerência de Raul Bopp; a segunda foi publicada semanalmente em 16 números no jornal Diário de São Paulo (1929) e seu “açougueiro”(secretário) era Geraldo Ferraz. É uma nova etapa do nacionalismo Pau-Brasil e resposta ao grupo Verde-amarelismo. A origem do nome movimento esta na tela “Abaporu”de Tarsila do Amaral.
  • 6. ALCÂNTARA MACHADO  Este foi um autor muito importante e por muitas vezes criticado por sua obra Brás, Bexiga e Barra Funda.  Nesta obra ele retrata a vida do imigrante italiano que moravam nos bairros do Brá, Bexiga e Barra Funda. Ele tenta capturar cenas do cotidiano e contá-las em pequenas histórias.
  • 7. REVENDO OS FATOS QUE DESENCADEARAM A SEMANA DE ARTE MODERNA (1913 A 1930.  Dois fatos provocaram a realização da Semana de Arte Moderna de 22 e o início do movimento Modernista propriamente dito: A indiferença com que as obras do pintor Lasar Segall foram recebidas em 1913. As críticas a respeito das obras de Anita Malfatti em 1917, feitas por Monteiro Lobato ao Jornal da cidade de São Paulo.
  • 8. IMIGRANTES E FAVELA - LASAR SEGALL HTTP://TVRATIMBUM.CMAIS.COM.BR/TRACANDOARTE/IMAGENS/QUADROS-DE-LASAR-SEGALL
  • 9. ABAPORU - A BOBA DE ANITA MALFATTI
  • 10. SEGUNDA FASE MODERNISTA DE 1930 -1945  É caracterizada pelo predomínio da prosa de ficção. A partir deste período:  os ideais difundidos em 1922 se espalham e se normalizam,  os esforços anteriores para redefinir a linguagem artística se unem a um forte interesse pelas temáticas nacionalistas,  percebe-se um amadurecimento nas obras dos autores da primeira fase, que continuam produzindo e,  o surgimento de novos poetas, entre eles Carlos Drummond de Andrade.
  • 11. MOMENTO SÓCIO-POLÍTICO  Em 1930, tem início os quinze anos da ditadura de Getúlio Vargas. Com o objetivo de obter apoio junto às massas, Getúlio toma uma série de medidas: o país é dotado de uma legislação trabalhista e previdenciária, decreta-se o salário mínimo e adotam-se providências para a criação de um partido trabalhista.  Instituiu-se o voto secreto e deu-se o direito ao voto à mulher.
  • 12. O RÁDIO E O SAMBA  O rádio era nesta época o meio de comunicação mais eficaz.  No rádio ouvia-se notícias do governo, novelas, músicas.  O Samba passou a ser autorizado. As pessoas já podiam tocar e cantar samba sem medo de serem presas.  Alguns representantes da música da época: Francisco Alves, Mário Reis, Carmem Miranda, Sílvio Caldas e Orlando Silva. Estes foram os mais famosos intérpretes de samba dessa época.
  • 13. A MAIOR EXPRESSÃO DA MÚSICA BRASILEIRA (SAMBA) DENTRO E FORA DO BRASIL  Carmem Miranda, uma portuguesa que cresceu no Brasil e levou o Samba para Hollywood.  http://www.youtube.com/watch?v=MnZPfTQ4KK4
  • 14. A LITERATURA NA ERA VARGAS  No campo da literatura, observamos que vários dos nossos autores se concentravam em pensar a identidade do povo brasileiro.  Os escritores de destaque dessa época enxergavam o Brasil como uma nação composta por diferentes indivíduos e costumes.  Por essa razão, a literatura se concentrou na chamada literatura regionalista, que tentava criar personagens e histórias ocorridas em regiões específicas do território brasileiro.  Entre os mais importantes autores podemos destacar os nomes de Graciliano Ramos, José Lins do Rego e Érico Veríssimo. 
  • 15.  Apesar de todas essas manifestações artísticas de grande riqueza, devemos nos lembrar de que o governo Vargas também limitou a liberdade dos artistas dessa época.  Entre os anos de 1937 e 1945, o governo de Vargas proibiu a divulgação e a publicação de qualquer tipo de notícia ou manifestação artística que quisesse criticar o seu governo.  Nessa época ele criou o Departamento de Imprensa e Propaganda, o DIP, que tinha a tarefa de evitar as manifestações artísticas que falassem mal do governo e investir em propagandas que falassem bem de Vargas.
  • 16. CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS MODERNISTAS DA SEGUNDA FASE  Repensar a história nacional com humor e ironia - "Em outubro de 1930 / Nós fizemos —que animação! —/ Um pic-nic com carabinas." (Festa Familiar - Murilo Mendes).  Verso livre e poesia sintética - " Stop. / A vida parou / ou foi o automóvel?" (Cota Zero, Carlos Drummond de Andrade).  Nova postura temática - questionar mais a realidade e a si mesmo enquanto indivíduo.  Tentativa de interpretar o estar-no-mundo e seu papel de poeta.  Literatura mais construtiva e mais politizada.
  • 17. CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS MODERNISTAS DA SEGUNDA FASE  Surge uma corrente mais voltada para o espiritualismo e o intimismo (Cecília, Murilo Mendes, Jorge de Lima e Vinícius).  Aprofundamento das relações do eu com o mundo.  Consciência da fragilidade do eu - "Tenho apenas duas mãos / e o sentimento do mundo" (Carlos Drummond de Andrade - Sentimento do Mundo).  Perspectiva única para enfrentar os tempos difíceis é a união, as soluções coletivas - "O presente é tão grande, ano nos afastemos, / Ano nos afastemos muito, vamos de mãos dadas." (Carlos Drummond de Andrade - Mãos dadas).
  • 19. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE  Mineiro, trabalha lecionando em Itabira e, em 45, trabalha na diretoria de um jornal comunista. Maior nome da poesia contemporânea, registrando a realidade cotidiana e os acontecimentos da época.  Ironia fina, lucidez, e calma, traduzidos numa linguagem flexível, rica, mas rica de dimensões humanas.  Poesias refletem os problemas do mundo e do ser humano diante dos regimes totalitários, da 2a GM e da guerra fria.  Poesia de Drummond apresenta uns momentos de esperança, mas prevalece a descrença diante do rumo dos acontecimentos.  Nega formas de fuga da realidade, volta-se para o momento presente.
  • 20. CIDADEZINHA QUALQUER Casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar. Um homem vai devagar. Um cachorro vai devagar. Um burro vai devagar. Devagar... as janelas olham. Eta vida besta, meu Deus.
  • 21. QUADRILHA João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história.
  • 22. CECÍLIA MEIRELES Órfã, carioca, foi criada pela avó e fez Magistério e lecionou Literatura em várias universidades. Estréia com o livro Espectros (1919), participando da corrente espiritualista, sob a influência dos poetas que formariam o grupo da revista Festa (neo-simbolista). Suas principais características são sensibilidade forte, intimisno, introspecção, viagem para dentro de si mesma e consciência da transitoriedade das coisas (tempo = personagem principal). Para ela as realidades não são para se filosofar, são inexplicáveis, basta vivê-las.
  • 23. MOTIVO Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste: sou poeta. Irmão das coisas fugidias, não sinto gozo nem tormento. Atravesso noites e dias no vento. Se desmorono ou se edifico, se permaneço ou me desfaço, — não sei, não sei. Não sei se fico ou passo. Sei que canto. E a canção é tudo. Tem sangue eterno a asa ritmada. E um dia sei que estarei mudo: — mais nada. Cecília Meireles
  • 24. VINÍCIUS DE MORAES Carioca conhecido como Poetinha, participou também da MPB desde a Bossa-nova até sua morte. Assim como Cecília, inicia sua carreira ligado ao neo-simbolismo da corrente espiritualista e também a renovação católica de 30. Vários de seus poemas apresentam tom bíblico, mas há, concomitantemente, um sensualismo erótico. Essa dualidade acentua a contradição entre o prazer da carne e a formação religiosa. Valoriza o momento com presença de imediatismos (de repente constante). Temática constante o jogo entre felicidade e infelicidade, onde muitas vezes associa a inspiração poética com a tristeza, sem abandonar o social.
  • 25. SONETO DE FIDELIDADE De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure. http://www.youtube.com/watch?v=QQAMuqo-WnY
  • 26. SITES IMPORTANTES  http://www.graudez.com.br/literatura/modernismo.html# modernismo1  http://www.slideshare.net/proflourdesadvent/a-segunda- gerao-modernista-no-brasil  http://www.infoescola.com/literatura/modernismo/