SlideShare uma empresa Scribd logo
Modelos atômicos
Da alquimia à Química moderna
 Tales de Mileto: Foi o primeiro filósofo a tentar desvendar a
constituição da matéria, considerava a água como a origem de todos os
materiais. Segundo Tales, tudo era originado da água e retornaria à água
quando decomposto.
 Anaxímenes: Acreditava que o ar era responsável pela formação da
matéria.
 Heráclito: Sugeriu que o fogo era responsável pela formação da
matéria.
 Aristóteles: Acreditava na existência dos quatro elementos básicos para
a formação da matéria – Terra, fogo, água e ar. A união desses quatro
elementos, em proporção diferentes, era responsável pela formação de
qualquer coisa.
 Demócrito de Abdera e Leucipo de Mileto: Sustentaram a hipótese de
que a matéria era constituída de átomos (elementos indivisíveis). Os
atomistas defendiam que, na natureza, tudo ocorria devido à ação
desses elementos mínimos invisíveis.
Leis Ponderais
 Alquimia: Os alquimistas eram obcecados pela ideia de transformar
metais comuns em ouro (pedra filosofal), criar o elixir da vida eterna e a
cura de todas as doenças. Com as experiências, eles acabaram
desenvolvendo muitos utensílios e descobrindo receitas para obtenção
de substâncias.
 Lei de Lavoisier – Conservação de massa.
“Na natureza, na se perde, nada se cria, tudo se transforma.”
Lavoisier utilizando um sistema fechado, conclui que em uma reação
química, a soma das massas dos reagentes é igual à massa dos produtos.
 Lei de Proust – Lei das proporções fixas.
“Independentemente da origem de uma determinada substância pura, ela é
sempre formada pelos mesmos elementos químicos, combinados entre si na
mesma proporção em massa.”
 Lei de Dalton – Lei das proporções múltiplas.
Segundo essa lei, quando se combina uma massa fixa de uma substância
com massas diferentes de outra substância, formando compostos diferentes,
as massas da outra substância variam em uma proporção de números
inteiros e pequenos.

Recomendado para você

Reprodução sexuada
Reprodução sexuadaReprodução sexuada
Reprodução sexuada

A reprodução sexuada ocorre através da conjugação de células ou da participação de gametas e resulta na variabilidade genética. Existem organismos monóicos e dióicos. A fecundação envolve a união dos gametas masculino e feminino formando o zigoto, podendo ocorrer de forma externa ou interna. O desenvolvimento pós-embrionário pode ser direto ou indireto e ocorre internamente ou externamente à mãe, classificando os organismos em ovíparos, ovovivíparos e vivíparos. Al

Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos

1. O documento discute as características gerais dos seres vivos e sua classificação. 2. Os seres vivos são classificados em cinco reinos - Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animalia - dependendo de fatores como o tipo de célula e nutrição. 3. A taxonomia biológica tem evoluído ao longo do tempo com contribuições de cientistas como Lineu, Whittaker e Woese.

Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria

Este documento discute transformações químicas e como representá-las. Ele explica que transformações químicas envolvem mudanças na composição química que formam novas substâncias, diferindo de transformações físicas. O documento também descreve evidências de transformações químicas e tipos como aquecimento, luz, força mecânica e corrente elétrica.

Átomo de John Dalton
Dalton se baseava nas seguintes hipóteses:
 Toda a matéria é formada por pequenas partículas denominadas átomos.
 Os átomos são indivisíveis, contínuos, indestrutíveis, invisíveis,
maciços e esféricos.
 A natureza apresenta um número limitado de elementos.
 Durante uma reação química, átomos não são criados, nem destruídos.
 Os átomos de um mesmo elemento são idênticos em todas as suas
propriedades, principalmente em tamanho e massa.
 Unindo átomos iguais e diferentes em variadas
proporções, é possível formar todas as matérias do
universo.
 O átomo podia ser comparado a uma bola de bilhar.
Descoberta das partículas subatômicas
Cientistas e filósofos da época se questionaram
sobre o átomo realmente ser indivisível.
 A descoberta dos elétrons:
Willian Crookes desenvolveu um dispositivo que continha, em seu interior,
uma pequena quantidade de gases inertes e, nas extremidades, duas peças
metálicas denominadas eletrodos (polo negativo – cátodo e polo positivo –
ânodo), sendo estes ligados a uma fonte elétrica.
Ao se aplicar uma alta diferença de potencial entre
os eletrodos, o gás sofre uma ionização e é
observado um fluxo de raios luminosos partindo
do cátodo em direção ao ânodo. A esse fluxo
luminoso deu-se o nome de raios catódicos.
Átomo de Thomson
Características dos raios catódicos:
 Propagam-se em linha reta.
 Formam sombras.
 Giram um pequeno moinho colocado em seu caminho, sugerindo que têm
massa.
 Podem ser desviados por um campo elétrico positivo, o que significa que
apresentam carga negativa.
 Apresentam as mesmas características independente do gás ou material
do eletrodo.
Concluiu que os raios catódicos eram, na verdade, uma
corrente de partículas negativas, denominadas elétrons –
Uma partícula fundamental, comum para todos os átomos.
Por isso, propôs um modelo atômico onde:
 Os elétrons estariam uniformemente distribuídos em um
fluido positivo, garantindo o equilíbrio elétrico –
Pudim de passas.
Experiência de Millikan
 Atribuiu a carga do elétron um valor de 1,6 x 𝟏𝟎−𝟏𝟗 Coulomb.
Essa experiência ficou conhecida como gota de óleo: Ao aumentar a
voltagem entre as placas, a gota carregada negativamente, cai mais devagar
sendo atraída por uma placa positiva.
Concluiu-se que:
 O elétron tem uma massa muito pequena.
 Tem uma carga elétrica muito grande.

Recomendado para você

Átomos
ÁtomosÁtomos
Átomos

O documento apresenta conceitos fundamentais sobre a estrutura atômica, incluindo prótons, nêutrons e elétrons. Explica os termos número atômico, número de massa, isótopos, isóbaros, isótonos e isoelétrônicos. Também aborda os conceitos de átomo neutro e íons positivos e negativos.

prof. andrei nóbrega
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vida

Este documento discute as principais teorias sobre a origem da vida na Terra, incluindo: 1) A teoria da abiogênese defendia que a vida poderia surgir espontaneamente da matéria não-viva, mas experimentos como os de Pasteur refutaram essa ideia. 2) A evolução química defende que a vida surgiu a partir de reações químicas complexas entre moléculas orgânicas simples na Terra primitiva, como sugerido por experimentos como o de Miller. 3) A panspermia

Composição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser VivoComposição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser Vivo

O documento descreve os principais componentes químicos das células vivas, incluindo água, sais minerais, carboidratos, lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucléicos. Ele explica o papel de cada um destes componentes no corpo humano, como a água que atua como solvente e regula a temperatura, e os sais minerais como cálcio e ferro que são essenciais para ossos, dentes e hemoglobina.

ser vivoorigem químicaeduc
Descoberta da Radiotividade
 Conrad Rogten realizou o experimento de Crookes em seu laboratório
e tentou observar os raios catódicos que escapavam do tubo e
iluminavam uma superfície que tinha recebido uma camada de material
fosforescente e localizava-se a certa distância do tubo.
Rogten havia descoberto os raios X. Por sua descoberta, recebeu o
primeiro Prêmio Nobel de Física, em 1901.
 Antoine-Henri Becquerel passou a investigar os materiais
fosforescentes. Iniciou utilizando um mineral à base de urânio,
colocando o composto sobre uma chapa fotográfica, Becquerel
expunha-os ao sol por um período e, então revelava a chapa. Assim,
constatou que esse material afetava a chapa de forma similar aos raios
X.
Segundo ele, a radioatividade é uma propriedade de alguns elementos,
como o urânio e o césio. Mais tarde, o casal Curie trabalhando em conjunto
com Becquerel, descobriram outros elementos radioativos, o polônio e o
rádio.
A radioatividade está relacionada com a instabilidade de um núcleo
atômico, que em consequência disso, emite partículas alfa, beta e gama.
Partículas Composição
Alfa 2 prótos + 2 elétrons
Beta Elétron
Gama Onda eletromagnética
Átomo de Rutherford
 Rutherford foi aluno de Thomson e seu modelo
foi baseado em experimentos com
radioatividade.
 Experiência de Rutherford: Bombardeou
com partículas alfa uma folha de ouro muito
fina. Envolvendo a lâmina de ouro, utilizou um
anteparo recoberto de sulfeto de zinco, o qual é
detector de cintilância, porque emite luz por
excitação causada por raios X ou feixe de
elétrons.
Com essa experiência, ele observou que: A maioria
das partículas atravessava a folha de ouro, mas
algumas se desviavam e pouquíssimas eram
rebatidas.
Rutherford esperava que, se o átomo fosse uma
esfera carregada positivamente com elétrons
incrustrados, o que poderia acontecer era um
pequeno desvio das partículas alfas.
Conclusões da experiência:
 O átomo é constituído de espaços vazios – As partículas atravessaram.
 O átomo apresenta uma região pequena,
densa e positiva, chamada núcleo – As partículas
desviaram e foram rebatidas.
 No núcleo está concentrada praticamente toda
a massa do átomo, sendo positivo, pois apresenta
prótons.
 Os elétrons giram em órbitas ao redor do núcleo.
Equívocos de Rutherford: Não conseguia
explicar como não ocorria colisão de um
elétron e um próton, ao redor do qual o
elétron estava em movimento e não
explicava como uma carga negativa
em movimento perde energia
constantemente, emitindo radiação.

Recomendado para você

O átomo
O átomoO átomo
O átomo

1) O documento descreve a evolução do conceito de átomo desde a antiga Grécia até os dias atuais. 2) Demócrito e Leucipo foram os primeiros a propor a teoria atômica na Grécia antiga, enquanto Dalton resgatou a ideia no século XIX. 3) Modelos atômicos foram propostos por Thomson, Rutherford e Bohr para explicar as propriedades dos átomos com base em experimentos sobre elétrons e radiação.

FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES

O documento discute a física das radiações, especificamente: 1) Estuda a interação de radiações com a matéria; 2) Apresenta a estrutura atômica e os tipos de radiação, incluindo radiação natural e artificial; 3) Explica que átomos podem perder ou ganhar elétrons e se tornar íons, alterando a estrutura molecular.

Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas

O documento descreve as principais relações ecológicas entre organismos, divididas em intra-específicas e interespecíficas. As relações podem ser harmônicas, onde ambas as espécies se beneficiam, ou desarmônicas, onde uma é prejudicada. Exemplos de relações harmônicas incluem colônias, sociedades, mutualismo e comensalismo. Relações desarmônicas incluem competição, predação, parasitismo e amensalismo.

Átomo de Bohr
Bohr fez as seguintes conclusões:
 Conceito de onda-partícula.
 A energia não é emitida de forma contínua, e sim em pacotes,
denominados quantum – O elétron não emite radiações quanto
permanecesse na mesma órbita, emitindo-as apenas quando se
deslocava de um nível de maior energia para outro de menor energia.
 As órbitas correspondem a um nível bem definido de energia do elétron.
 A transição de uma órbita pra outra seria
feita por saltos quânticos, pois ao absorver
energia, o elétron saltaria para uma órbita
mais externa e, ao liberá-la, passaria para
outra mais interna, emitindo fótons.
 Os fótons possuem uma quantidade de energia específica e fazem parte
da radiação.
Átomo de Sommerfeld
 Incluiu orbitais elípticos ao modelo Rutherford-Bohr.
 Dividiu as eletrosferas em camadas que estariam subdivididas em
regiões menores de energia.
Átomo atual
 Princípio da incerteza de Heinsenberg: É impossível determinar, ao
mesmo tempo, a posição de uma partícula e a sua velocidade.
 Alexandre Schrodinger, adaptou o conceito de incerteza e onda-
partícula ao elétron. Ele determinou o local é máxima a probabilidade
de encontrar um determinado elétron – O orbital.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Transformações químicas
Transformações químicasTransformações químicas
Transformações químicas
Dulcilene Figueiredo
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
Marilena Meira
 
Reprodução sexuada
Reprodução sexuadaReprodução sexuada
Reprodução sexuada
andreepinto
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Juliana Mendes
 
Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
Layanne Caetano
 
Átomos
ÁtomosÁtomos
Átomos
Estude Mais
 
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vida
edu.biologia
 
Composição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser VivoComposição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser Vivo
Killer Max
 
O átomo
O átomoO átomo
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
Gabriela de Lima
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
Profª Alda Ernestina
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
Alessandra Vieira da Silva
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Propriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - QuímicaPropriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - Química
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Fenômenos ópticos 9° ano
Fenômenos ópticos 9° anoFenômenos ópticos 9° ano
Fenômenos ópticos 9° ano
Wellington Sampaio
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
Tânia Reis
 
7 ano Fungos
7 ano Fungos7 ano Fungos
7 ano Fungos
Sarah Lemes
 

Mais procurados (20)

Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
 
Transformações químicas
Transformações químicasTransformações químicas
Transformações químicas
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Reprodução sexuada
Reprodução sexuadaReprodução sexuada
Reprodução sexuada
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
 
Átomos
ÁtomosÁtomos
Átomos
 
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vida
 
Composição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser VivoComposição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser Vivo
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Propriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - QuímicaPropriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - Química
 
Fenômenos ópticos 9° ano
Fenômenos ópticos 9° anoFenômenos ópticos 9° ano
Fenômenos ópticos 9° ano
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
7 ano Fungos
7 ano Fungos7 ano Fungos
7 ano Fungos
 

Destaque

Certificação linux carreira lpic 1, lpic-2 e lpic-3!
Certificação linux carreira lpic 1, lpic-2 e lpic-3!Certificação linux carreira lpic 1, lpic-2 e lpic-3!
Certificação linux carreira lpic 1, lpic-2 e lpic-3!
Marco Andrade
 
Ideas for Improving Finger Strength for Guitarists
Ideas for Improving Finger Strength for GuitaristsIdeas for Improving Finger Strength for Guitarists
Ideas for Improving Finger Strength for Guitarists
Terrell Herring
 
Semantic Support for Complex Ecosystem Research Environments
Semantic Support for Complex Ecosystem Research EnvironmentsSemantic Support for Complex Ecosystem Research Environments
Semantic Support for Complex Ecosystem Research Environments
Henrique O. Santos
 
Sistemas operativos
Sistemas operativosSistemas operativos
Sistemas operativos
Marco Landa
 
Búsqueda de empleo 2.0
Búsqueda de empleo 2.0Búsqueda de empleo 2.0
Búsqueda de empleo 2.0
Software Guru
 
Presentation week 4 mary lee
Presentation week 4 mary leePresentation week 4 mary lee
Presentation week 4 mary lee
Mary Lee
 
Certificación internacional coaching ontologico Brasil
Certificación internacional coaching ontologico BrasilCertificación internacional coaching ontologico Brasil
Certificación internacional coaching ontologico Brasil
UCG Perú
 
Primeira certificação microsoft – como se preparar para o exame?
Primeira certificação microsoft – como se preparar para o exame? Primeira certificação microsoft – como se preparar para o exame?
Primeira certificação microsoft – como se preparar para o exame?
Marco Andrade
 
Certificação cisco - qual carreira cisco seguir?
Certificação cisco - qual carreira cisco seguir?Certificação cisco - qual carreira cisco seguir?
Certificação cisco - qual carreira cisco seguir?
Marco Andrade
 
La historia del futbol
La historia del futbolLa historia del futbol
La historia del futbol
Maestro de Educacion Fisica
 
Seminário clea e luziane
Seminário clea e luzianeSeminário clea e luziane
Seminário clea e luziane
clea2017
 
BSC (H) ARCHITECTURE DEGREE SEM 4.5 INTERNSHIP REPORT
BSC (H) ARCHITECTURE DEGREE SEM 4.5 INTERNSHIP REPORT BSC (H) ARCHITECTURE DEGREE SEM 4.5 INTERNSHIP REPORT
BSC (H) ARCHITECTURE DEGREE SEM 4.5 INTERNSHIP REPORT
jolynnTJL
 
Emerging trends in medical technology
Emerging trends  in medical technologyEmerging trends  in medical technology
Emerging trends in medical technology
bharathiaswin22
 
Presentacion red hfc
Presentacion red hfcPresentacion red hfc
Presentacion red hfc
Carlos Gutierrez
 
Slideshare 2: Apple Inc. and Human Resources
Slideshare 2: Apple Inc. and Human ResourcesSlideshare 2: Apple Inc. and Human Resources
Slideshare 2: Apple Inc. and Human Resources
Jayla Dunlap
 
Slideshare 1: Globalization and Samsung
Slideshare 1: Globalization and SamsungSlideshare 1: Globalization and Samsung
Slideshare 1: Globalization and Samsung
Jayla Dunlap
 
Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.
Lara Lídia
 
D direction 09032017
D direction 09032017D direction 09032017
D direction 09032017
choice broking
 
Madv
MadvMadv
Madv
marcoad95
 
χελωνα καρέτα καρέτα (τελικο)
χελωνα καρέτα  καρέτα (τελικο)χελωνα καρέτα  καρέτα (τελικο)
χελωνα καρέτα καρέτα (τελικο)
YPEPTH
 

Destaque (20)

Certificação linux carreira lpic 1, lpic-2 e lpic-3!
Certificação linux carreira lpic 1, lpic-2 e lpic-3!Certificação linux carreira lpic 1, lpic-2 e lpic-3!
Certificação linux carreira lpic 1, lpic-2 e lpic-3!
 
Ideas for Improving Finger Strength for Guitarists
Ideas for Improving Finger Strength for GuitaristsIdeas for Improving Finger Strength for Guitarists
Ideas for Improving Finger Strength for Guitarists
 
Semantic Support for Complex Ecosystem Research Environments
Semantic Support for Complex Ecosystem Research EnvironmentsSemantic Support for Complex Ecosystem Research Environments
Semantic Support for Complex Ecosystem Research Environments
 
Sistemas operativos
Sistemas operativosSistemas operativos
Sistemas operativos
 
Búsqueda de empleo 2.0
Búsqueda de empleo 2.0Búsqueda de empleo 2.0
Búsqueda de empleo 2.0
 
Presentation week 4 mary lee
Presentation week 4 mary leePresentation week 4 mary lee
Presentation week 4 mary lee
 
Certificación internacional coaching ontologico Brasil
Certificación internacional coaching ontologico BrasilCertificación internacional coaching ontologico Brasil
Certificación internacional coaching ontologico Brasil
 
Primeira certificação microsoft – como se preparar para o exame?
Primeira certificação microsoft – como se preparar para o exame? Primeira certificação microsoft – como se preparar para o exame?
Primeira certificação microsoft – como se preparar para o exame?
 
Certificação cisco - qual carreira cisco seguir?
Certificação cisco - qual carreira cisco seguir?Certificação cisco - qual carreira cisco seguir?
Certificação cisco - qual carreira cisco seguir?
 
La historia del futbol
La historia del futbolLa historia del futbol
La historia del futbol
 
Seminário clea e luziane
Seminário clea e luzianeSeminário clea e luziane
Seminário clea e luziane
 
BSC (H) ARCHITECTURE DEGREE SEM 4.5 INTERNSHIP REPORT
BSC (H) ARCHITECTURE DEGREE SEM 4.5 INTERNSHIP REPORT BSC (H) ARCHITECTURE DEGREE SEM 4.5 INTERNSHIP REPORT
BSC (H) ARCHITECTURE DEGREE SEM 4.5 INTERNSHIP REPORT
 
Emerging trends in medical technology
Emerging trends  in medical technologyEmerging trends  in medical technology
Emerging trends in medical technology
 
Presentacion red hfc
Presentacion red hfcPresentacion red hfc
Presentacion red hfc
 
Slideshare 2: Apple Inc. and Human Resources
Slideshare 2: Apple Inc. and Human ResourcesSlideshare 2: Apple Inc. and Human Resources
Slideshare 2: Apple Inc. and Human Resources
 
Slideshare 1: Globalization and Samsung
Slideshare 1: Globalization and SamsungSlideshare 1: Globalization and Samsung
Slideshare 1: Globalization and Samsung
 
Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.
 
D direction 09032017
D direction 09032017D direction 09032017
D direction 09032017
 
Madv
MadvMadv
Madv
 
χελωνα καρέτα καρέτα (τελικο)
χελωνα καρέτα  καρέτα (τελικο)χελωνα καρέτα  καρέτα (τελικο)
χελωνα καρέτα καρέτα (τελικο)
 

Semelhante a Modelos atômicos

Leis ponderais e modelos atômicos
Leis ponderais e modelos atômicosLeis ponderais e modelos atômicos
Leis ponderais e modelos atômicos
Roberta Almeida
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Estrutura atômica
Estrutura atômica Estrutura atômica
Estrutura atômica
ProfªThaiza Montine
 
Apresentação modelos atômicos elenice
Apresentação modelos atômicos  eleniceApresentação modelos atômicos  elenice
Apresentação modelos atômicos elenice
EEB Paulo Bauer
 
Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012
Matheus Oliveira Santana
 
Modelos Atômicos -CSSA 2014.PROF: WALDIR MONTENEGRO
Modelos Atômicos -CSSA 2014.PROF: WALDIR MONTENEGROModelos Atômicos -CSSA 2014.PROF: WALDIR MONTENEGRO
Modelos Atômicos -CSSA 2014.PROF: WALDIR MONTENEGRO
Waldir Montenegro
 
Modelos atômicos jaque
Modelos atômicos jaqueModelos atômicos jaque
Modelos atômicos jaque
quimica_prefederal
 
Evolução do modelo atómico
Evolução do modelo atómicoEvolução do modelo atómico
Evolução do modelo atómico
Inês Mota
 
Evolução modelo atómico
Evolução modelo atómicoEvolução modelo atómico
Evolução modelo atómico
Pedro Oliveira
 
Guião
GuiãoGuião
Guião
franciscaf
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
Patrícia Morais
 
Modelos atômicos
Modelos atômicos Modelos atômicos
Modelos atômicos
Amanda Barp
 
Estrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntaçãoEstrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntação
simone1444
 
Aula 02 - Evolução dos Modelos Atômicos.pdf
Aula 02 - Evolução dos Modelos Atômicos.pdfAula 02 - Evolução dos Modelos Atômicos.pdf
Aula 02 - Evolução dos Modelos Atômicos.pdf
KILVIARAQUELFERREIRA
 
Modelos atõmicos
Modelos atõmicosModelos atõmicos
Modelos atõmicos
Katharina Fernandes
 
FíSica Mode
FíSica ModeFíSica Mode
FíSica Mode
fisica303
 
Modelos
 Modelos Modelos
Tópicos de Mecânica Quântica - Capítulo 1
Tópicos de Mecânica Quântica - Capítulo 1Tópicos de Mecânica Quântica - Capítulo 1
Tópicos de Mecânica Quântica - Capítulo 1
Marivane Biazus
 
Modelo atômico
Modelo atômicoModelo atômico
Modelo atômico
Davi Gonçalves Valério
 
Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010
Coc2010
 

Semelhante a Modelos atômicos (20)

Leis ponderais e modelos atômicos
Leis ponderais e modelos atômicosLeis ponderais e modelos atômicos
Leis ponderais e modelos atômicos
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 
Estrutura atômica
Estrutura atômica Estrutura atômica
Estrutura atômica
 
Apresentação modelos atômicos elenice
Apresentação modelos atômicos  eleniceApresentação modelos atômicos  elenice
Apresentação modelos atômicos elenice
 
Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012Estrutura atomica 2012
Estrutura atomica 2012
 
Modelos Atômicos -CSSA 2014.PROF: WALDIR MONTENEGRO
Modelos Atômicos -CSSA 2014.PROF: WALDIR MONTENEGROModelos Atômicos -CSSA 2014.PROF: WALDIR MONTENEGRO
Modelos Atômicos -CSSA 2014.PROF: WALDIR MONTENEGRO
 
Modelos atômicos jaque
Modelos atômicos jaqueModelos atômicos jaque
Modelos atômicos jaque
 
Evolução do modelo atómico
Evolução do modelo atómicoEvolução do modelo atómico
Evolução do modelo atómico
 
Evolução modelo atómico
Evolução modelo atómicoEvolução modelo atómico
Evolução modelo atómico
 
Guião
GuiãoGuião
Guião
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
 
Modelos atômicos
Modelos atômicos Modelos atômicos
Modelos atômicos
 
Estrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntaçãoEstrutura atômica para apresntação
Estrutura atômica para apresntação
 
Aula 02 - Evolução dos Modelos Atômicos.pdf
Aula 02 - Evolução dos Modelos Atômicos.pdfAula 02 - Evolução dos Modelos Atômicos.pdf
Aula 02 - Evolução dos Modelos Atômicos.pdf
 
Modelos atõmicos
Modelos atõmicosModelos atõmicos
Modelos atõmicos
 
FíSica Mode
FíSica ModeFíSica Mode
FíSica Mode
 
Modelos
 Modelos Modelos
Modelos
 
Tópicos de Mecânica Quântica - Capítulo 1
Tópicos de Mecânica Quântica - Capítulo 1Tópicos de Mecânica Quântica - Capítulo 1
Tópicos de Mecânica Quântica - Capítulo 1
 
Modelo atômico
Modelo atômicoModelo atômico
Modelo atômico
 
Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010
 

Mais de Lara Lídia

Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
Lara Lídia
 
Nox - Número de Oxidação.
Nox - Número de Oxidação.Nox - Número de Oxidação.
Nox - Número de Oxidação.
Lara Lídia
 
Glicídios.
Glicídios.Glicídios.
Glicídios.
Lara Lídia
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
Lara Lídia
 
Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.
Lara Lídia
 
Introdução à evolução
Introdução à evoluçãoIntrodução à evolução
Introdução à evolução
Lara Lídia
 
Cartografia.
Cartografia.Cartografia.
Cartografia.
Lara Lídia
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
Lara Lídia
 
Substâncias puras, misturas e sistemas.
Substâncias puras, misturas e sistemas.Substâncias puras, misturas e sistemas.
Substâncias puras, misturas e sistemas.
Lara Lídia
 
Campo elétrico.
Campo elétrico.Campo elétrico.
Campo elétrico.
Lara Lídia
 
Força elétrica
Força elétricaForça elétrica
Força elétrica
Lara Lídia
 
Complexos geoeconômicos.
Complexos geoeconômicos.Complexos geoeconômicos.
Complexos geoeconômicos.
Lara Lídia
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Lara Lídia
 
Números quânticos.
Números quânticos.Números quânticos.
Números quânticos.
Lara Lídia
 
Fenícios e persas
Fenícios e persasFenícios e persas
Fenícios e persas
Lara Lídia
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
Lara Lídia
 
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Lara Lídia
 
Funções de linguagem.
Funções de linguagem.Funções de linguagem.
Funções de linguagem.
Lara Lídia
 
Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.
Lara Lídia
 
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Lara Lídia
 

Mais de Lara Lídia (20)

Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
 
Nox - Número de Oxidação.
Nox - Número de Oxidação.Nox - Número de Oxidação.
Nox - Número de Oxidação.
 
Glicídios.
Glicídios.Glicídios.
Glicídios.
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
 
Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.
 
Introdução à evolução
Introdução à evoluçãoIntrodução à evolução
Introdução à evolução
 
Cartografia.
Cartografia.Cartografia.
Cartografia.
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
 
Substâncias puras, misturas e sistemas.
Substâncias puras, misturas e sistemas.Substâncias puras, misturas e sistemas.
Substâncias puras, misturas e sistemas.
 
Campo elétrico.
Campo elétrico.Campo elétrico.
Campo elétrico.
 
Força elétrica
Força elétricaForça elétrica
Força elétrica
 
Complexos geoeconômicos.
Complexos geoeconômicos.Complexos geoeconômicos.
Complexos geoeconômicos.
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Números quânticos.
Números quânticos.Números quânticos.
Números quânticos.
 
Fenícios e persas
Fenícios e persasFenícios e persas
Fenícios e persas
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
 
Funções de linguagem.
Funções de linguagem.Funções de linguagem.
Funções de linguagem.
 
Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.
 
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
 

Último

(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR
Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALARApostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR
Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR
cbttreinamentos
 
Aula 01 - topografia, introdução e conceitos .pdf
Aula 01 - topografia, introdução e conceitos .pdfAula 01 - topografia, introdução e conceitos .pdf
Aula 01 - topografia, introdução e conceitos .pdf
evertondelimadeandra
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
01 - SLIDE ESPECIALIDADE CULTURA FÍSICA.pdf
01 - SLIDE ESPECIALIDADE CULTURA FÍSICA.pdf01 - SLIDE ESPECIALIDADE CULTURA FÍSICA.pdf
01 - SLIDE ESPECIALIDADE CULTURA FÍSICA.pdf
CalebeSeJoga
 
Apostila Legislação - Gerenciamento- Requalificação.pdf
Apostila Legislação - Gerenciamento- Requalificação.pdfApostila Legislação - Gerenciamento- Requalificação.pdf
Apostila Legislação - Gerenciamento- Requalificação.pdf
cbttreinamentos
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Ferias-2º-Ano FUNDAMENTAL atividades de férias
Ferias-2º-Ano FUNDAMENTAL  atividades de fériasFerias-2º-Ano FUNDAMENTAL  atividades de férias
Ferias-2º-Ano FUNDAMENTAL atividades de férias
RobertaBenittesdeFre
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Memória e identidade registro fotoetnográfico do Território Quilombola Nova J...
Memória e identidade registro fotoetnográfico do Território Quilombola Nova J...Memória e identidade registro fotoetnográfico do Território Quilombola Nova J...
Memória e identidade registro fotoetnográfico do Território Quilombola Nova J...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 

Último (20)

(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR
Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALARApostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR
Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR
 
Aula 01 - topografia, introdução e conceitos .pdf
Aula 01 - topografia, introdução e conceitos .pdfAula 01 - topografia, introdução e conceitos .pdf
Aula 01 - topografia, introdução e conceitos .pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
01 - SLIDE ESPECIALIDADE CULTURA FÍSICA.pdf
01 - SLIDE ESPECIALIDADE CULTURA FÍSICA.pdf01 - SLIDE ESPECIALIDADE CULTURA FÍSICA.pdf
01 - SLIDE ESPECIALIDADE CULTURA FÍSICA.pdf
 
Apostila Legislação - Gerenciamento- Requalificação.pdf
Apostila Legislação - Gerenciamento- Requalificação.pdfApostila Legislação - Gerenciamento- Requalificação.pdf
Apostila Legislação - Gerenciamento- Requalificação.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Ferias-2º-Ano FUNDAMENTAL atividades de férias
Ferias-2º-Ano FUNDAMENTAL  atividades de fériasFerias-2º-Ano FUNDAMENTAL  atividades de férias
Ferias-2º-Ano FUNDAMENTAL atividades de férias
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Memória e identidade registro fotoetnográfico do Território Quilombola Nova J...
Memória e identidade registro fotoetnográfico do Território Quilombola Nova J...Memória e identidade registro fotoetnográfico do Território Quilombola Nova J...
Memória e identidade registro fotoetnográfico do Território Quilombola Nova J...
 

Modelos atômicos

  • 2. Da alquimia à Química moderna  Tales de Mileto: Foi o primeiro filósofo a tentar desvendar a constituição da matéria, considerava a água como a origem de todos os materiais. Segundo Tales, tudo era originado da água e retornaria à água quando decomposto.  Anaxímenes: Acreditava que o ar era responsável pela formação da matéria.  Heráclito: Sugeriu que o fogo era responsável pela formação da matéria.  Aristóteles: Acreditava na existência dos quatro elementos básicos para a formação da matéria – Terra, fogo, água e ar. A união desses quatro elementos, em proporção diferentes, era responsável pela formação de qualquer coisa.  Demócrito de Abdera e Leucipo de Mileto: Sustentaram a hipótese de que a matéria era constituída de átomos (elementos indivisíveis). Os atomistas defendiam que, na natureza, tudo ocorria devido à ação desses elementos mínimos invisíveis.
  • 3. Leis Ponderais  Alquimia: Os alquimistas eram obcecados pela ideia de transformar metais comuns em ouro (pedra filosofal), criar o elixir da vida eterna e a cura de todas as doenças. Com as experiências, eles acabaram desenvolvendo muitos utensílios e descobrindo receitas para obtenção de substâncias.  Lei de Lavoisier – Conservação de massa. “Na natureza, na se perde, nada se cria, tudo se transforma.” Lavoisier utilizando um sistema fechado, conclui que em uma reação química, a soma das massas dos reagentes é igual à massa dos produtos.
  • 4.  Lei de Proust – Lei das proporções fixas. “Independentemente da origem de uma determinada substância pura, ela é sempre formada pelos mesmos elementos químicos, combinados entre si na mesma proporção em massa.”  Lei de Dalton – Lei das proporções múltiplas. Segundo essa lei, quando se combina uma massa fixa de uma substância com massas diferentes de outra substância, formando compostos diferentes, as massas da outra substância variam em uma proporção de números inteiros e pequenos.
  • 5. Átomo de John Dalton Dalton se baseava nas seguintes hipóteses:  Toda a matéria é formada por pequenas partículas denominadas átomos.  Os átomos são indivisíveis, contínuos, indestrutíveis, invisíveis, maciços e esféricos.  A natureza apresenta um número limitado de elementos.  Durante uma reação química, átomos não são criados, nem destruídos.  Os átomos de um mesmo elemento são idênticos em todas as suas propriedades, principalmente em tamanho e massa.  Unindo átomos iguais e diferentes em variadas proporções, é possível formar todas as matérias do universo.  O átomo podia ser comparado a uma bola de bilhar.
  • 6. Descoberta das partículas subatômicas Cientistas e filósofos da época se questionaram sobre o átomo realmente ser indivisível.  A descoberta dos elétrons: Willian Crookes desenvolveu um dispositivo que continha, em seu interior, uma pequena quantidade de gases inertes e, nas extremidades, duas peças metálicas denominadas eletrodos (polo negativo – cátodo e polo positivo – ânodo), sendo estes ligados a uma fonte elétrica. Ao se aplicar uma alta diferença de potencial entre os eletrodos, o gás sofre uma ionização e é observado um fluxo de raios luminosos partindo do cátodo em direção ao ânodo. A esse fluxo luminoso deu-se o nome de raios catódicos.
  • 7. Átomo de Thomson Características dos raios catódicos:  Propagam-se em linha reta.  Formam sombras.  Giram um pequeno moinho colocado em seu caminho, sugerindo que têm massa.  Podem ser desviados por um campo elétrico positivo, o que significa que apresentam carga negativa.  Apresentam as mesmas características independente do gás ou material do eletrodo. Concluiu que os raios catódicos eram, na verdade, uma corrente de partículas negativas, denominadas elétrons – Uma partícula fundamental, comum para todos os átomos. Por isso, propôs um modelo atômico onde:  Os elétrons estariam uniformemente distribuídos em um fluido positivo, garantindo o equilíbrio elétrico – Pudim de passas.
  • 8. Experiência de Millikan  Atribuiu a carga do elétron um valor de 1,6 x 𝟏𝟎−𝟏𝟗 Coulomb. Essa experiência ficou conhecida como gota de óleo: Ao aumentar a voltagem entre as placas, a gota carregada negativamente, cai mais devagar sendo atraída por uma placa positiva. Concluiu-se que:  O elétron tem uma massa muito pequena.  Tem uma carga elétrica muito grande.
  • 9. Descoberta da Radiotividade  Conrad Rogten realizou o experimento de Crookes em seu laboratório e tentou observar os raios catódicos que escapavam do tubo e iluminavam uma superfície que tinha recebido uma camada de material fosforescente e localizava-se a certa distância do tubo. Rogten havia descoberto os raios X. Por sua descoberta, recebeu o primeiro Prêmio Nobel de Física, em 1901.  Antoine-Henri Becquerel passou a investigar os materiais fosforescentes. Iniciou utilizando um mineral à base de urânio, colocando o composto sobre uma chapa fotográfica, Becquerel expunha-os ao sol por um período e, então revelava a chapa. Assim, constatou que esse material afetava a chapa de forma similar aos raios X. Segundo ele, a radioatividade é uma propriedade de alguns elementos, como o urânio e o césio. Mais tarde, o casal Curie trabalhando em conjunto com Becquerel, descobriram outros elementos radioativos, o polônio e o rádio.
  • 10. A radioatividade está relacionada com a instabilidade de um núcleo atômico, que em consequência disso, emite partículas alfa, beta e gama. Partículas Composição Alfa 2 prótos + 2 elétrons Beta Elétron Gama Onda eletromagnética
  • 11. Átomo de Rutherford  Rutherford foi aluno de Thomson e seu modelo foi baseado em experimentos com radioatividade.  Experiência de Rutherford: Bombardeou com partículas alfa uma folha de ouro muito fina. Envolvendo a lâmina de ouro, utilizou um anteparo recoberto de sulfeto de zinco, o qual é detector de cintilância, porque emite luz por excitação causada por raios X ou feixe de elétrons. Com essa experiência, ele observou que: A maioria das partículas atravessava a folha de ouro, mas algumas se desviavam e pouquíssimas eram rebatidas. Rutherford esperava que, se o átomo fosse uma esfera carregada positivamente com elétrons incrustrados, o que poderia acontecer era um pequeno desvio das partículas alfas.
  • 12. Conclusões da experiência:  O átomo é constituído de espaços vazios – As partículas atravessaram.  O átomo apresenta uma região pequena, densa e positiva, chamada núcleo – As partículas desviaram e foram rebatidas.  No núcleo está concentrada praticamente toda a massa do átomo, sendo positivo, pois apresenta prótons.  Os elétrons giram em órbitas ao redor do núcleo. Equívocos de Rutherford: Não conseguia explicar como não ocorria colisão de um elétron e um próton, ao redor do qual o elétron estava em movimento e não explicava como uma carga negativa em movimento perde energia constantemente, emitindo radiação.
  • 13. Átomo de Bohr Bohr fez as seguintes conclusões:  Conceito de onda-partícula.  A energia não é emitida de forma contínua, e sim em pacotes, denominados quantum – O elétron não emite radiações quanto permanecesse na mesma órbita, emitindo-as apenas quando se deslocava de um nível de maior energia para outro de menor energia.  As órbitas correspondem a um nível bem definido de energia do elétron.  A transição de uma órbita pra outra seria feita por saltos quânticos, pois ao absorver energia, o elétron saltaria para uma órbita mais externa e, ao liberá-la, passaria para outra mais interna, emitindo fótons.  Os fótons possuem uma quantidade de energia específica e fazem parte da radiação.
  • 14. Átomo de Sommerfeld  Incluiu orbitais elípticos ao modelo Rutherford-Bohr.  Dividiu as eletrosferas em camadas que estariam subdivididas em regiões menores de energia.
  • 15. Átomo atual  Princípio da incerteza de Heinsenberg: É impossível determinar, ao mesmo tempo, a posição de uma partícula e a sua velocidade.  Alexandre Schrodinger, adaptou o conceito de incerteza e onda- partícula ao elétron. Ele determinou o local é máxima a probabilidade de encontrar um determinado elétron – O orbital.