SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Grécia Antiga
Características físicas
• A Grécia Antiga localizava-se no Sudeste da Europa.
• Era composta por três áreas distintas – Uma ligada à Europa pela Península
Balcânica, a outra era composta por ilhas no Mar Egeu e por fim, a que fica na
própria Europa.
• O território era bastante montanhoso e de clima seco.
Esse tipo de formação geológica dificultou a unidade política entre os gregos e os
impulsionou para o comércio marítimo e a colonização de outras terras.
Povoamento
• Entre 2000 – 1200 a.C., chegaram ondas migratórias compostas por povos indo-
europeus, como os aqueus, eólios, jônios e dórios, que progressivamente
foram se instalando em diversas partes da Grécia.
Aqueus – Construíram cidades, entre elas Micenas, e entraram em contato com
uma exuberante civilização grega localizada em uma ilha do Mar Egeu, chamada
Creta.
Cretenses – Tinham uma economia baseada no comércio marítimo (tassalocracia =
governo do mar) e no uso da cerâmica e metalurgia. Possuíam muitas cidades e
palácios, palcos de uma vida social intensa, com eventos públicos e desportos
envolvendo algo parecido com o boxe e touradas. A mulher
em Creta possuía elevado grau de liberdade, podendo
inclusive participar de tais eventos; além disso, umas das
principais divindades da ilha era uma figura feminina, a
deusa – mãe.
Divisão da história grega
• Quando os aqueus entraram em contato com esse povo, acabaram assimilando
suas características antes do misterioso fim que a civilização cretense sofreu.
Tais elementos acabariam trazidos para a Grécia, naquilo que se convencionou
chamar de civilização creto-micênica.
Dórios – Sua chegada foi marcada pela violência e por graves convulsões sociais
que estimularam a primeira onda colonizadora dos gregos pelo Mar Mediterrâneo,
conhecida como Primeira Diáspora Grega. A oeste, os gregos chegaram à Sicília,
França e Península Ibérica e, a leste, ocuparam várias partes da Ásia Menor e do
Mediterrâneo.
• Período Pré – Homérico (século XX –XII a.C.):
Ocupação da Grécia e a formação dos primeiros
grandes centros urbanos da região. Vale destacar
a ascensão da civilização creto-micênica, que se
desenvolveu graças ao seu movimentado
comércio marítimo. Civilização
Creto-Micênica
• Período Homérico (século XI – VIII a.C.): As violentas invasões dos dórios com
suas armas de metal, provocaram a redução da vida urbana e o
desenvolvimento de comunidades agropastoris baseadas em laços de
parentesco e voltadas para a subsistência, chamadas genos. Sobre essa fase,
os documentos históricos são escassos e as principais fontes de estudo são as
escavações arqueológicas, assim como as obras do poeta Homero: Ilíada e
Odisseia – Cultivavam valores ligados à virilidade, honra, prestígio e glória
individual, um modelo de virtude conhecido como areté homérica.
• Período Arcaico (século VIII – VI a.C.): Não se sabe ao certo os motivos, talvez
um crescimento demográfico seguido por lutas pela posse das terras, mas o fato
é que os genos entraram em declínio. À medida que as comunidades gentílicas
iam se dissolvendo, tensões sociais aumentavam, assim como um novo ímpeto
colonizador conhecido como Segunda Diáspora Grega. Nessa época, um novo
tipo de organização política e social conhecida como pólis (cidade-Estado)
emergiu dentro da Grécia.
Cada pólis possuía governo autônomo, leis, moedas e exércitos próprios, e seu
desenvolvimento consolidou a fragmentação política dos gregos. Existiram dezenas
de pólis na Grécia, porém, por sua importância e papel de liderança no mundo
grego, apenas duas são estudadas – Atenas e Esparta.
O nascimento da política e
cidadania na Grécia
• Política – A origem dessa palavra remonta à Grécia e significa algo como “tratar
dos assuntos da pólis”. Para os gregos, o Estado deveria representar os homens
e não os deuses, como no Antigo Oriente.
• Cidadania - Os próprios homens deveriam tomar parte nas decisões sobre os
rumos de sua cidade. Daí advém a noção original da cidadania como direitos
políticos, ou seja, os direitos de participar de debates, elaborar leis e ocupar
cargos dentro da pólis. Convém lembrar que o conceito de cidadania na Grécia
era profundamente excludente e elitista, por exemplo, Atenas possuía 400 mil
habitantes, mas apenas 35 mil cidadãos.
Platão – Defendeu na sua obra A república um governo baseado na sabedoria, no
qual os governantes seriam filósofos e cada pessoa na sociedade deveria descobrir
sua vocação.
Aristóteles – Afirmou que o homem era, acima de tudo, um animal político, pois
possui capacidade de discernimento e julgamento moral e os exercita
principalmente nas questões da pólis em que vive. Por conta disso, foi considerado
o pai da ciência política.
Evolução política de Atenas
• Considerada o “berço da cidadania”.
• A organização política ateniense possuía traços extremamente elitistas,
passando por várias mudanças econômicas e sociais que repercutiram em sua
vida política.
Inicialmente era uma monarquia em que o rei (basileu) era auxiliado pela nobreza.
Posteriormente, a nobreza assumiu o poder político inaugurando a fase da
aristocracia (governo dos melhores). Nesse período, as tensões sociais
aumentaram de maneira drástica, pois o desenvolvimento do comércio marítimo
provocou o surgimento de novas classes sociais compostas, sobretudo, por
comerciantes que, enriquecidos, queriam ter acesso aos direitos políticos que eram
monopolizados pelos aristocratas. Por outro lado, existiam as massas populares,
compostas por marinheiros, artesãos e camponeses, que se ressentiam ante às
pressões econômicas causadas pelo controle da nobreza e crescente escravização
por dívidas que sofriam.
• Legisladores – Como o risco de conflitos armados era
alto, foram nomeados legisladores para modificar as leis e
tentar apaziguar os conflitos.
Drácon – Elaborou leis escritas extremamente severas, como
a pena de morte, objetivando fortalecer o Estado e eliminar
as disputas pelo poder entre os clãs aristocráticos.
Sólon – Era nobre de nascimento e comerciante de
profissão. Privilegiou a divisão censitária da população,
concedendo aos mais ricos o acesso a cargos e outros
direitos políticos, quebrando o monopólio da aristocracia
sobre Atenas. Em relação aos pobres, proibiu a escravidão
por dívidas e permitiu que participassem da Assembleia
Popular.
Contudo, as disputas não cessaram e os nobres tomaram o
poder à força: tinha início o período dos chamados tiranos. A
nobreza foi perseguida pelo governo, que buscava
sustentação política por meio de medidas populares, como
obras públicas, festivais religiosos e empréstimo para
camponeses. Porém, as tensões política prosseguiram e a
tirania foi derrubada.
• Clístenes – “Pai da democracia”, promoveu uma série de
reformas política. Estabeleceu que todo homem adulto
nascido em Atenas e filho de pais atenienses seria cidadão,
independente de sua renda. Com medo de novos golpes,
institui o ostracismo: Uma votação em que os cidadão
exilavam pessoas que eram consideradas ameaças à
democracia por um período de dez anos.
Para evitar novas tensões e rivalidades, dividiu os cidadãos em
distritos, chamados demos, e assim misturou as várias
classes em unidades políticas comuns.
Democracia direta – Os cidadãos discutiam e votavam as leis
na assembleia feita na praça pública (ágora). Contudo,
estrangeiros, mulheres e escravos estavam excluídos de
exercer sua democracia.
Evolução política de
Esparta
• Remonta à chegada dos dórios à Grécia.
• Tornou-se uma cidade essencialmente voltada para a guerra, um verdadeiro
“acampamento militar”.
Os espartanos dominaram a fértil região da Messênia, em um violento processo que
subjugou os aqueus lá residentes, transformando-os em estrangeiros privados de
direitos políticos ou servos submetidos a uma exploração brutal. Não tardou para
que os messênios se rebelassem contra Esparta, um episódio de violentas guerras
de resistências. Mesmo derrotando os rebeldes, os espartanos perceberam que,
para manter a dominação sobre os servos, era necessário mobilizar seus 10 mil
cidadãos para uma intensa e perpétua vigilância militar.
O treinamento militar era a sustentação da cultura espartana, que desprezava
atividades intelectuais e cultivavam o laconismo (falar apenas o essencial), o
tradicionalismo (apego às tradições) e a xenofobia (aversão a estrangeiros),
medidas que fizeram de Esparta uma cidade politicamente fechada e culturalmente
atrofiada.
• Do ponto de vista político, era uma oligarquia (governo de poucos) na qual as
instituições, de certa forma, mascaravam o poder e a influência das famílias mais
poderosas da cidade.
Existiam dois reis (diarquia) responsáveis pela atividades religiosas e campanhas
militares, e todos os cidadãos a partir dos 30 anos poderiam participar da
Assembleia (Apela). Contudo, as principais decisões eram propostas pelo Conselho
(Gerúsia), composto por 28 anciãos das famílias mais importantes e pelos dois reis.
O poder executivo ficava a cargo de 5 magistrados (éforos).
Gerúsia e Éforos contabilizavam 35 pessoas que, na prática, detinham o controle
político de Esparta, configurando assim uma oligarquia.
Gerúsia Éforos
Guerra de Troia
Tróia – Existiu de 2.250 a.C. até aproximadamente 1250 a.C., quando foi destruída
pelos gregos. Localizava-se na colina Hissarlik na Turquia.
Motivo – Ao certo, não se sabe. Alguns historiadores acreditam ter ocorrido pelo
interesse nos tesouros do Rei “Priamo”, mas supõe-se que a cobrança de tributos
aos barcos que vinham do Negro em direção à Grécia, também pode ter sido uma
das causas.
A lenda – Helena (a mulher mais linda do mundo que era filha de Zeus com a
Rainha Leda de “Esparta”), era casada com Menelau (Rei de Esparta). Numa
dessas reuniões imperiais, conheceu Páris (Príncipe de Tróia) e se apaixonou por
ele, fugindo com o amante, abandonou seu marido. Menelau, traído, reuniu os ex-
pretendentes de sua esposa que haviam prometido sempre protegê-la e resolveu
atacar Tróia, numa aventura que durou dez anos, custando a vida de vários
guerreiros famosos da história, como Pátroclo, Ajax, Heitor, Aquiles, Ulisses, Príamo,
Agamenon e Páris. A história é repleta de fatos isolados provocados pela ira dos
Deuses e Deusa.
Cavalo de Tróia – Os homens ficaram durante
anos, acampados nas proximidades de Tróia
esperando o melhor momento para o ataque. Após
várias tentativas sem sucesso, Odisseu (Ulisses),
que era um estrategista, deu a ideia de oferecer ao
Rei um presente. Um gigantesco cavalo de madeira
que passaria pelos portões de Tróia. O Rei baixou
sua guarda e recebeu o Cavalo sem saber, que no
seu interior, estavam os soldados prontos para o
ataque. Durante a madrugada, os soldados saíram
do seu interior e abriram as portas do reino para os
demais soldados prontos para destruir Tróia.
Desfecho – Foi assim que os “Aqueus” (antigos
gregos), venceram os Troianos. Helena foi
recuperada pelo marido e levada de volta a Tróia,
onde permaneceu até o final dos seus dias.
Esta história se popularizou através dos poemas
épicos atribuídos a Homero - Ilíada e Odisseia.
Organização social de
Atenas
Eupátridas – Designa os cidadãos, ou seja, todos os homens adultos nascidos em
Atenas e filhos de pais atenienses. Possuíam direitos políticos, participavam do
processo decisório da pólis e ocupavam cargos políticos.
Convém lembrar que as mulheres eram privadas de direitos políticos em todo o
mundo grego, sua função social estava centrada no papel de esposa e nos afazeres
domésticos. Casavam por volta dos 13 anos com um homem mais velho e indicado
pelos pais, ficavam confinadas em casa, saindo apenas para funerais e cerimônias
religiosas.
Metecos – Correspondiam aos estrangeiros, embora livres, não tinham direito de
participar da política nem de possuir terras, e por isso, geralmente dedicavam-se ao
comércio e ao artesanato.
Escravos – Eram os prisioneiros de guerras ou os filhos de pais escravos. Esses
indivíduos formavam a maioria da população de Atenas, constituindo, assim, a base
da produção econômica da pólis e de todo o mundo grego.
Organização social de
Esparta
Espartanos – Descendentes dos antigos dórios que fundaram a cidade. Os homens
a partir de 30 anos eram os detentores de direitos políticos
A educação iniciava-se aos sete anos de idade (lembrando que bebês com
deformidades físicas eram deixados para morrer) baseando-se, sobretudo, na
disciplina e na educação física. Após dez anos de treinamento, os jovens espartanos
participavam de uma matança periódica de hilotas (servos do governo) como uma
espécie de prova final para sua habilidades: era a chamada kriptia, que também
servia como uma espécie de violento controle demográfico.
A mulher também era privada da cidadania, mas, ao contrário de Atenas, ela
possuía maior valorização social, (pois geravam guerreiros para cidade) e grau de
liberdade (como possuir negócios).
Periecos – Estrangeiros livres, mas privados de direitos políticos e sujeitos à
cobrança de impostos.
Hilotas – Servos e propriedades do Estado. Era a classe mais numerosa, sofriam
extermínios periódicos.
Últimos períodos da
história grega
• Clássico (V – IV a.C.): Apogeu do mundo grego, as pólis estavam em pleno
crescimento econômico e estabilidade política. Porém, o poderoso império Persa
ameaçava o mundo grego, essas tensões geraram conflitos entre as pólis e com
os persas – As guerras médicas, vencidas pelos gregos, que barraram a
expansão persa na Europa.
Liga de Delos – Nesse contexto, a grande vitoriosa foi Atenas, que adquiriu papel
de liderança e criou uma aliança política-militar. No entanto, passou a impor sua
hegemonia sobre as outras pólis (atitude imperialista), obrigando o pagamento de
impostos e exercendo dominação econômica e social.
Guerra do Peloponeso – As pretensões de Atenas preocuparam Esparta, fazendo-
as entrar em uma guerra, na qual os espartanos foram vitoriosos.
Outros conflitos foram gerados, pois Esparta passou a forçar seus interesses às
demais pólis. Após décadas de guerras internas, os gregos estavam enfraquecidos
e não conseguiram repelir a invasão da Macedônia, perdendo, assim, sua liberdade
política.
• Helenístico ( século III – II a.C.): Filipe II, o rei da Macedônia, organizou o seu
exército e aproveitou o enfraquecimento grego para conquistar o seu território e
submeter as pólis ao seu domínio político. Após a morte de Filipe II, seu filho
Alexandre Magno iniciou um período de expansão militar, fazendo da Macedônia
o maior império conhecido até então na Antiguidade.
Alexandre foi educado por Aristóteles, que o fez estabelecer respeito pela cultura
grega, tida como superior. Após se tornar imperador, procurou difundi-la pelos
territórios conquistados, estimulando o comércio, a miscigenação com os povos
orientais e a divulgação da língua e da cultura grega em dezenas de cidades.
Cultura helenística – Mistura da cultura grega com a oriental.
As cidades imperiais eram centros administrativos e não mais unidades
independentes. Cosmopolitismo: Pessoas que apesar das fronteiras geográficas,
sentem-se parte de um todo comum.
Alexandria – Simbolizava a grandiosidade desse império, com 1 milhão de
habitantes e um farol de 135 metros que abrigava uma biblioteca com mais de 750
mil volumes.
Em 323 a.C. Alexandre contraiu febre tifoide e morreu na Babilônia aos 33 anos.
Não deu tempo de consolidar seu domínio, que acabou fragmentado nas mãos dos
generais.
Grécia antiga.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Os sumérios
Os sumériosOs sumérios
Os sumérios
 
Fenicios
FeniciosFenicios
Fenicios
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Antiguidade Oriental
Antiguidade OrientalAntiguidade Oriental
Antiguidade Oriental
 
Civilização Grega aula 01
Civilização Grega   aula 01Civilização Grega   aula 01
Civilização Grega aula 01
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Antiga Grecia
Antiga GreciaAntiga Grecia
Antiga Grecia
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
 
Democracia ateniense
Democracia atenienseDemocracia ateniense
Democracia ateniense
 
Grecia antiga período arcaico
Grecia antiga   período arcaicoGrecia antiga   período arcaico
Grecia antiga período arcaico
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 

Destaque

TV Corporativa - Como funciona
TV Corporativa - Como funcionaTV Corporativa - Como funciona
TV Corporativa - Como funcionaJhonatanFelipeSgg
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksSlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareSlideShare
 
Nox - Número de Oxidação.
Nox - Número de Oxidação.Nox - Número de Oxidação.
Nox - Número de Oxidação.Lara Lídia
 
3Com 3C96620M-F-ST
3Com 3C96620M-F-ST3Com 3C96620M-F-ST
3Com 3C96620M-F-STsavomir
 
DIVULGACIÓN DE LOS ESTUDIOS TÉCNICOS CONTRATADOS Y/O FINANCIADOS POR ENTIDADE...
DIVULGACIÓN DE LOS ESTUDIOS TÉCNICOS CONTRATADOS Y/O FINANCIADOS POR ENTIDADE...DIVULGACIÓN DE LOS ESTUDIOS TÉCNICOS CONTRATADOS Y/O FINANCIADOS POR ENTIDADE...
DIVULGACIÓN DE LOS ESTUDIOS TÉCNICOS CONTRATADOS Y/O FINANCIADOS POR ENTIDADE...alexa842003
 
Recursos informativos y medios de comunicación
Recursos informativos  y medios de comunicaciónRecursos informativos  y medios de comunicación
Recursos informativos y medios de comunicaciónIriana González
 
Definiciones clave del curriculo final
Definiciones clave del curriculo finalDefiniciones clave del curriculo final
Definiciones clave del curriculo finallos olivos solaris
 
Managing Cloud identities in Hybrid Cloud | Sysfore
Managing Cloud identities in Hybrid Cloud | SysforeManaging Cloud identities in Hybrid Cloud | Sysfore
Managing Cloud identities in Hybrid Cloud | SysforeSysfore Technologies
 
Diseño y construccion de circuitos
Diseño y construccion de circuitosDiseño y construccion de circuitos
Diseño y construccion de circuitosJulieth Rosero
 
Form aplikasi a2 versi juli 2016 (Rekrutmen PT JIAEC)
Form aplikasi a2 versi juli 2016 (Rekrutmen PT JIAEC)Form aplikasi a2 versi juli 2016 (Rekrutmen PT JIAEC)
Form aplikasi a2 versi juli 2016 (Rekrutmen PT JIAEC)Eko Agus Triswanto
 
Apresentação 2016 consad - tecnologia aplicada a auditoria
Apresentação 2016  consad - tecnologia aplicada a auditoriaApresentação 2016  consad - tecnologia aplicada a auditoria
Apresentação 2016 consad - tecnologia aplicada a auditoriaRonald Balbe
 

Destaque (16)

TV Corporativa - Como funciona
TV Corporativa - Como funcionaTV Corporativa - Como funciona
TV Corporativa - Como funciona
 
Romania
RomaniaRomania
Romania
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 
Nox - Número de Oxidação.
Nox - Número de Oxidação.Nox - Número de Oxidação.
Nox - Número de Oxidação.
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
 
Webquest
WebquestWebquest
Webquest
 
3Com 3C96620M-F-ST
3Com 3C96620M-F-ST3Com 3C96620M-F-ST
3Com 3C96620M-F-ST
 
DIVULGACIÓN DE LOS ESTUDIOS TÉCNICOS CONTRATADOS Y/O FINANCIADOS POR ENTIDADE...
DIVULGACIÓN DE LOS ESTUDIOS TÉCNICOS CONTRATADOS Y/O FINANCIADOS POR ENTIDADE...DIVULGACIÓN DE LOS ESTUDIOS TÉCNICOS CONTRATADOS Y/O FINANCIADOS POR ENTIDADE...
DIVULGACIÓN DE LOS ESTUDIOS TÉCNICOS CONTRATADOS Y/O FINANCIADOS POR ENTIDADE...
 
Recursos informativos y medios de comunicación
Recursos informativos  y medios de comunicaciónRecursos informativos  y medios de comunicación
Recursos informativos y medios de comunicación
 
Definiciones clave del curriculo final
Definiciones clave del curriculo finalDefiniciones clave del curriculo final
Definiciones clave del curriculo final
 
Managing Cloud identities in Hybrid Cloud | Sysfore
Managing Cloud identities in Hybrid Cloud | SysforeManaging Cloud identities in Hybrid Cloud | Sysfore
Managing Cloud identities in Hybrid Cloud | Sysfore
 
COMMISSION STAFF WORKING DOCUMENT
COMMISSION STAFF WORKING DOCUMENTCOMMISSION STAFF WORKING DOCUMENT
COMMISSION STAFF WORKING DOCUMENT
 
Diseño y construccion de circuitos
Diseño y construccion de circuitosDiseño y construccion de circuitos
Diseño y construccion de circuitos
 
Form aplikasi a2 versi juli 2016 (Rekrutmen PT JIAEC)
Form aplikasi a2 versi juli 2016 (Rekrutmen PT JIAEC)Form aplikasi a2 versi juli 2016 (Rekrutmen PT JIAEC)
Form aplikasi a2 versi juli 2016 (Rekrutmen PT JIAEC)
 
Apresentação 2016 consad - tecnologia aplicada a auditoria
Apresentação 2016  consad - tecnologia aplicada a auditoriaApresentação 2016  consad - tecnologia aplicada a auditoria
Apresentação 2016 consad - tecnologia aplicada a auditoria
 

Semelhante a Grécia antiga.

Semelhante a Grécia antiga. (20)

Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
 
Direito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacaoDireito grego.apresentacao
Direito grego.apresentacao
 
Slide sobre direito grego
Slide sobre direito gregoSlide sobre direito grego
Slide sobre direito grego
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodosGrécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
Grécia antiga completa com todo o conteudo dos cinco periodos
 
Grecia antiga
Grecia antigaGrecia antiga
Grecia antiga
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Grécia show de bola
Grécia show de bolaGrécia show de bola
Grécia show de bola
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
A antiguidade clássica
A antiguidade clássicaA antiguidade clássica
A antiguidade clássica
 
Antiguida..
Antiguida..Antiguida..
Antiguida..
 
GRECIA 2013
GRECIA 2013GRECIA 2013
GRECIA 2013
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
História (Grécia)
História (Grécia)História (Grécia)
História (Grécia)
 
Pism
PismPism
Pism
 

Mais de Lara Lídia

Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.Lara Lídia
 
Introdução à evolução
Introdução à evoluçãoIntrodução à evolução
Introdução à evoluçãoLara Lídia
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.Lara Lídia
 
Substâncias puras, misturas e sistemas.
Substâncias puras, misturas e sistemas.Substâncias puras, misturas e sistemas.
Substâncias puras, misturas e sistemas.Lara Lídia
 
Campo elétrico.
Campo elétrico.Campo elétrico.
Campo elétrico.Lara Lídia
 
Força elétrica
Força elétricaForça elétrica
Força elétricaLara Lídia
 
Complexos geoeconômicos.
Complexos geoeconômicos.Complexos geoeconômicos.
Complexos geoeconômicos.Lara Lídia
 
Números quânticos.
Números quânticos.Números quânticos.
Números quânticos.Lara Lídia
 
Fenícios e persas
Fenícios e persasFenícios e persas
Fenícios e persasLara Lídia
 
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.Lara Lídia
 
Funções de linguagem.
Funções de linguagem.Funções de linguagem.
Funções de linguagem.Lara Lídia
 
Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Lara Lídia
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicosLara Lídia
 
Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.Lara Lídia
 
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.Lara Lídia
 

Mais de Lara Lídia (20)

Glicídios.
Glicídios.Glicídios.
Glicídios.
 
Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.
 
Introdução à evolução
Introdução à evoluçãoIntrodução à evolução
Introdução à evolução
 
Cartografia.
Cartografia.Cartografia.
Cartografia.
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
 
Substâncias puras, misturas e sistemas.
Substâncias puras, misturas e sistemas.Substâncias puras, misturas e sistemas.
Substâncias puras, misturas e sistemas.
 
Campo elétrico.
Campo elétrico.Campo elétrico.
Campo elétrico.
 
Força elétrica
Força elétricaForça elétrica
Força elétrica
 
Complexos geoeconômicos.
Complexos geoeconômicos.Complexos geoeconômicos.
Complexos geoeconômicos.
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Números quânticos.
Números quânticos.Números quânticos.
Números quânticos.
 
Fenícios e persas
Fenícios e persasFenícios e persas
Fenícios e persas
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
Introdução a Eletrostática e Processos de eletrização.
 
Funções de linguagem.
Funções de linguagem.Funções de linguagem.
Funções de linguagem.
 
Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.Classificação dos seres vivos.
Classificação dos seres vivos.
 
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
 
Sais minerais.
Sais minerais.Sais minerais.
Sais minerais.
 

Último

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 

Último (20)

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 

Grécia antiga.

  • 2. Características físicas • A Grécia Antiga localizava-se no Sudeste da Europa. • Era composta por três áreas distintas – Uma ligada à Europa pela Península Balcânica, a outra era composta por ilhas no Mar Egeu e por fim, a que fica na própria Europa. • O território era bastante montanhoso e de clima seco. Esse tipo de formação geológica dificultou a unidade política entre os gregos e os impulsionou para o comércio marítimo e a colonização de outras terras.
  • 3. Povoamento • Entre 2000 – 1200 a.C., chegaram ondas migratórias compostas por povos indo- europeus, como os aqueus, eólios, jônios e dórios, que progressivamente foram se instalando em diversas partes da Grécia. Aqueus – Construíram cidades, entre elas Micenas, e entraram em contato com uma exuberante civilização grega localizada em uma ilha do Mar Egeu, chamada Creta. Cretenses – Tinham uma economia baseada no comércio marítimo (tassalocracia = governo do mar) e no uso da cerâmica e metalurgia. Possuíam muitas cidades e palácios, palcos de uma vida social intensa, com eventos públicos e desportos envolvendo algo parecido com o boxe e touradas. A mulher em Creta possuía elevado grau de liberdade, podendo inclusive participar de tais eventos; além disso, umas das principais divindades da ilha era uma figura feminina, a deusa – mãe.
  • 4. Divisão da história grega • Quando os aqueus entraram em contato com esse povo, acabaram assimilando suas características antes do misterioso fim que a civilização cretense sofreu. Tais elementos acabariam trazidos para a Grécia, naquilo que se convencionou chamar de civilização creto-micênica. Dórios – Sua chegada foi marcada pela violência e por graves convulsões sociais que estimularam a primeira onda colonizadora dos gregos pelo Mar Mediterrâneo, conhecida como Primeira Diáspora Grega. A oeste, os gregos chegaram à Sicília, França e Península Ibérica e, a leste, ocuparam várias partes da Ásia Menor e do Mediterrâneo. • Período Pré – Homérico (século XX –XII a.C.): Ocupação da Grécia e a formação dos primeiros grandes centros urbanos da região. Vale destacar a ascensão da civilização creto-micênica, que se desenvolveu graças ao seu movimentado comércio marítimo. Civilização Creto-Micênica
  • 5. • Período Homérico (século XI – VIII a.C.): As violentas invasões dos dórios com suas armas de metal, provocaram a redução da vida urbana e o desenvolvimento de comunidades agropastoris baseadas em laços de parentesco e voltadas para a subsistência, chamadas genos. Sobre essa fase, os documentos históricos são escassos e as principais fontes de estudo são as escavações arqueológicas, assim como as obras do poeta Homero: Ilíada e Odisseia – Cultivavam valores ligados à virilidade, honra, prestígio e glória individual, um modelo de virtude conhecido como areté homérica. • Período Arcaico (século VIII – VI a.C.): Não se sabe ao certo os motivos, talvez um crescimento demográfico seguido por lutas pela posse das terras, mas o fato é que os genos entraram em declínio. À medida que as comunidades gentílicas iam se dissolvendo, tensões sociais aumentavam, assim como um novo ímpeto colonizador conhecido como Segunda Diáspora Grega. Nessa época, um novo tipo de organização política e social conhecida como pólis (cidade-Estado) emergiu dentro da Grécia. Cada pólis possuía governo autônomo, leis, moedas e exércitos próprios, e seu desenvolvimento consolidou a fragmentação política dos gregos. Existiram dezenas de pólis na Grécia, porém, por sua importância e papel de liderança no mundo grego, apenas duas são estudadas – Atenas e Esparta.
  • 6. O nascimento da política e cidadania na Grécia • Política – A origem dessa palavra remonta à Grécia e significa algo como “tratar dos assuntos da pólis”. Para os gregos, o Estado deveria representar os homens e não os deuses, como no Antigo Oriente. • Cidadania - Os próprios homens deveriam tomar parte nas decisões sobre os rumos de sua cidade. Daí advém a noção original da cidadania como direitos políticos, ou seja, os direitos de participar de debates, elaborar leis e ocupar cargos dentro da pólis. Convém lembrar que o conceito de cidadania na Grécia era profundamente excludente e elitista, por exemplo, Atenas possuía 400 mil habitantes, mas apenas 35 mil cidadãos. Platão – Defendeu na sua obra A república um governo baseado na sabedoria, no qual os governantes seriam filósofos e cada pessoa na sociedade deveria descobrir sua vocação. Aristóteles – Afirmou que o homem era, acima de tudo, um animal político, pois possui capacidade de discernimento e julgamento moral e os exercita principalmente nas questões da pólis em que vive. Por conta disso, foi considerado o pai da ciência política.
  • 7. Evolução política de Atenas • Considerada o “berço da cidadania”. • A organização política ateniense possuía traços extremamente elitistas, passando por várias mudanças econômicas e sociais que repercutiram em sua vida política. Inicialmente era uma monarquia em que o rei (basileu) era auxiliado pela nobreza. Posteriormente, a nobreza assumiu o poder político inaugurando a fase da aristocracia (governo dos melhores). Nesse período, as tensões sociais aumentaram de maneira drástica, pois o desenvolvimento do comércio marítimo provocou o surgimento de novas classes sociais compostas, sobretudo, por comerciantes que, enriquecidos, queriam ter acesso aos direitos políticos que eram monopolizados pelos aristocratas. Por outro lado, existiam as massas populares, compostas por marinheiros, artesãos e camponeses, que se ressentiam ante às pressões econômicas causadas pelo controle da nobreza e crescente escravização por dívidas que sofriam.
  • 8. • Legisladores – Como o risco de conflitos armados era alto, foram nomeados legisladores para modificar as leis e tentar apaziguar os conflitos. Drácon – Elaborou leis escritas extremamente severas, como a pena de morte, objetivando fortalecer o Estado e eliminar as disputas pelo poder entre os clãs aristocráticos. Sólon – Era nobre de nascimento e comerciante de profissão. Privilegiou a divisão censitária da população, concedendo aos mais ricos o acesso a cargos e outros direitos políticos, quebrando o monopólio da aristocracia sobre Atenas. Em relação aos pobres, proibiu a escravidão por dívidas e permitiu que participassem da Assembleia Popular. Contudo, as disputas não cessaram e os nobres tomaram o poder à força: tinha início o período dos chamados tiranos. A nobreza foi perseguida pelo governo, que buscava sustentação política por meio de medidas populares, como obras públicas, festivais religiosos e empréstimo para camponeses. Porém, as tensões política prosseguiram e a tirania foi derrubada.
  • 9. • Clístenes – “Pai da democracia”, promoveu uma série de reformas política. Estabeleceu que todo homem adulto nascido em Atenas e filho de pais atenienses seria cidadão, independente de sua renda. Com medo de novos golpes, institui o ostracismo: Uma votação em que os cidadão exilavam pessoas que eram consideradas ameaças à democracia por um período de dez anos. Para evitar novas tensões e rivalidades, dividiu os cidadãos em distritos, chamados demos, e assim misturou as várias classes em unidades políticas comuns. Democracia direta – Os cidadãos discutiam e votavam as leis na assembleia feita na praça pública (ágora). Contudo, estrangeiros, mulheres e escravos estavam excluídos de exercer sua democracia.
  • 10. Evolução política de Esparta • Remonta à chegada dos dórios à Grécia. • Tornou-se uma cidade essencialmente voltada para a guerra, um verdadeiro “acampamento militar”. Os espartanos dominaram a fértil região da Messênia, em um violento processo que subjugou os aqueus lá residentes, transformando-os em estrangeiros privados de direitos políticos ou servos submetidos a uma exploração brutal. Não tardou para que os messênios se rebelassem contra Esparta, um episódio de violentas guerras de resistências. Mesmo derrotando os rebeldes, os espartanos perceberam que, para manter a dominação sobre os servos, era necessário mobilizar seus 10 mil cidadãos para uma intensa e perpétua vigilância militar. O treinamento militar era a sustentação da cultura espartana, que desprezava atividades intelectuais e cultivavam o laconismo (falar apenas o essencial), o tradicionalismo (apego às tradições) e a xenofobia (aversão a estrangeiros), medidas que fizeram de Esparta uma cidade politicamente fechada e culturalmente atrofiada.
  • 11. • Do ponto de vista político, era uma oligarquia (governo de poucos) na qual as instituições, de certa forma, mascaravam o poder e a influência das famílias mais poderosas da cidade. Existiam dois reis (diarquia) responsáveis pela atividades religiosas e campanhas militares, e todos os cidadãos a partir dos 30 anos poderiam participar da Assembleia (Apela). Contudo, as principais decisões eram propostas pelo Conselho (Gerúsia), composto por 28 anciãos das famílias mais importantes e pelos dois reis. O poder executivo ficava a cargo de 5 magistrados (éforos). Gerúsia e Éforos contabilizavam 35 pessoas que, na prática, detinham o controle político de Esparta, configurando assim uma oligarquia. Gerúsia Éforos
  • 12. Guerra de Troia Tróia – Existiu de 2.250 a.C. até aproximadamente 1250 a.C., quando foi destruída pelos gregos. Localizava-se na colina Hissarlik na Turquia. Motivo – Ao certo, não se sabe. Alguns historiadores acreditam ter ocorrido pelo interesse nos tesouros do Rei “Priamo”, mas supõe-se que a cobrança de tributos aos barcos que vinham do Negro em direção à Grécia, também pode ter sido uma das causas. A lenda – Helena (a mulher mais linda do mundo que era filha de Zeus com a Rainha Leda de “Esparta”), era casada com Menelau (Rei de Esparta). Numa dessas reuniões imperiais, conheceu Páris (Príncipe de Tróia) e se apaixonou por ele, fugindo com o amante, abandonou seu marido. Menelau, traído, reuniu os ex- pretendentes de sua esposa que haviam prometido sempre protegê-la e resolveu atacar Tróia, numa aventura que durou dez anos, custando a vida de vários guerreiros famosos da história, como Pátroclo, Ajax, Heitor, Aquiles, Ulisses, Príamo, Agamenon e Páris. A história é repleta de fatos isolados provocados pela ira dos Deuses e Deusa.
  • 13. Cavalo de Tróia – Os homens ficaram durante anos, acampados nas proximidades de Tróia esperando o melhor momento para o ataque. Após várias tentativas sem sucesso, Odisseu (Ulisses), que era um estrategista, deu a ideia de oferecer ao Rei um presente. Um gigantesco cavalo de madeira que passaria pelos portões de Tróia. O Rei baixou sua guarda e recebeu o Cavalo sem saber, que no seu interior, estavam os soldados prontos para o ataque. Durante a madrugada, os soldados saíram do seu interior e abriram as portas do reino para os demais soldados prontos para destruir Tróia. Desfecho – Foi assim que os “Aqueus” (antigos gregos), venceram os Troianos. Helena foi recuperada pelo marido e levada de volta a Tróia, onde permaneceu até o final dos seus dias. Esta história se popularizou através dos poemas épicos atribuídos a Homero - Ilíada e Odisseia.
  • 14. Organização social de Atenas Eupátridas – Designa os cidadãos, ou seja, todos os homens adultos nascidos em Atenas e filhos de pais atenienses. Possuíam direitos políticos, participavam do processo decisório da pólis e ocupavam cargos políticos. Convém lembrar que as mulheres eram privadas de direitos políticos em todo o mundo grego, sua função social estava centrada no papel de esposa e nos afazeres domésticos. Casavam por volta dos 13 anos com um homem mais velho e indicado pelos pais, ficavam confinadas em casa, saindo apenas para funerais e cerimônias religiosas. Metecos – Correspondiam aos estrangeiros, embora livres, não tinham direito de participar da política nem de possuir terras, e por isso, geralmente dedicavam-se ao comércio e ao artesanato. Escravos – Eram os prisioneiros de guerras ou os filhos de pais escravos. Esses indivíduos formavam a maioria da população de Atenas, constituindo, assim, a base da produção econômica da pólis e de todo o mundo grego.
  • 15. Organização social de Esparta Espartanos – Descendentes dos antigos dórios que fundaram a cidade. Os homens a partir de 30 anos eram os detentores de direitos políticos A educação iniciava-se aos sete anos de idade (lembrando que bebês com deformidades físicas eram deixados para morrer) baseando-se, sobretudo, na disciplina e na educação física. Após dez anos de treinamento, os jovens espartanos participavam de uma matança periódica de hilotas (servos do governo) como uma espécie de prova final para sua habilidades: era a chamada kriptia, que também servia como uma espécie de violento controle demográfico. A mulher também era privada da cidadania, mas, ao contrário de Atenas, ela possuía maior valorização social, (pois geravam guerreiros para cidade) e grau de liberdade (como possuir negócios). Periecos – Estrangeiros livres, mas privados de direitos políticos e sujeitos à cobrança de impostos. Hilotas – Servos e propriedades do Estado. Era a classe mais numerosa, sofriam extermínios periódicos.
  • 16. Últimos períodos da história grega • Clássico (V – IV a.C.): Apogeu do mundo grego, as pólis estavam em pleno crescimento econômico e estabilidade política. Porém, o poderoso império Persa ameaçava o mundo grego, essas tensões geraram conflitos entre as pólis e com os persas – As guerras médicas, vencidas pelos gregos, que barraram a expansão persa na Europa. Liga de Delos – Nesse contexto, a grande vitoriosa foi Atenas, que adquiriu papel de liderança e criou uma aliança política-militar. No entanto, passou a impor sua hegemonia sobre as outras pólis (atitude imperialista), obrigando o pagamento de impostos e exercendo dominação econômica e social. Guerra do Peloponeso – As pretensões de Atenas preocuparam Esparta, fazendo- as entrar em uma guerra, na qual os espartanos foram vitoriosos. Outros conflitos foram gerados, pois Esparta passou a forçar seus interesses às demais pólis. Após décadas de guerras internas, os gregos estavam enfraquecidos e não conseguiram repelir a invasão da Macedônia, perdendo, assim, sua liberdade política.
  • 17. • Helenístico ( século III – II a.C.): Filipe II, o rei da Macedônia, organizou o seu exército e aproveitou o enfraquecimento grego para conquistar o seu território e submeter as pólis ao seu domínio político. Após a morte de Filipe II, seu filho Alexandre Magno iniciou um período de expansão militar, fazendo da Macedônia o maior império conhecido até então na Antiguidade. Alexandre foi educado por Aristóteles, que o fez estabelecer respeito pela cultura grega, tida como superior. Após se tornar imperador, procurou difundi-la pelos territórios conquistados, estimulando o comércio, a miscigenação com os povos orientais e a divulgação da língua e da cultura grega em dezenas de cidades. Cultura helenística – Mistura da cultura grega com a oriental. As cidades imperiais eram centros administrativos e não mais unidades independentes. Cosmopolitismo: Pessoas que apesar das fronteiras geográficas, sentem-se parte de um todo comum. Alexandria – Simbolizava a grandiosidade desse império, com 1 milhão de habitantes e um farol de 135 metros que abrigava uma biblioteca com mais de 750 mil volumes. Em 323 a.C. Alexandre contraiu febre tifoide e morreu na Babilônia aos 33 anos. Não deu tempo de consolidar seu domínio, que acabou fragmentado nas mãos dos generais.