SlideShare uma empresa Scribd logo
A MINERAÇÃO NO BRASIL
COLONIAL
 A descoberta de minas de ouro por bandeirantes paulistas no final do
século XVII provocou grande agitação.
 Gente de Portugal e de outras capitanias brasileiras se dirigia para as
“minas gerais” (região mineradora, por isso o nome do Estado Minas
Gerais), na esperança de enriquecerem facilmente.
 .
Hora de copiar!
05/05/2017
LEMBRE-SE DE QUE...
1-Até que fosse
descoberto ouro no
Brasil, a produção
açucareira tinha sido
fundamental para a
economia da América
Portuguesa.
2- A economia açucareira
colonial caracterizou-se
pela utilização de mão de
obra escrava e pelo
latifúndio (grandes
propriedades) e voltada
para o mercado externo.
3- Além do açúcar, outros
produtos, como o tabaco,
o gado e o algodão,
geravam riquezas para os
colonos e ajudavam a
impulsionar a economia
açucareira.
Lembre-se que...
05/05/2017
AS FORMAS DE MINERAÇÃO
As lavras, feitas em grandes jazidas, que
exigia muitos investimentos em equipamentos e
mão de obra escrava. Por este motivo, era
desenvolvida por mineradores ricos e foi
comum na fase áurea da mineração.
A faiscação era a pequena
extração realizada pelo próprio
garimpeiro que usava peneiras.
Eles eram homens livres pobres ou
mesmo escravos alforriados (ou
que buscavam se alforriar). Eram
feitas em áreas abandonadas,
principalmente no final do ciclo.
Havia duas formas de extração aurífera:
05/05/2017
 Foi um conflito armado ocorrido na região das Minas Gerais
entre os anos de 1707 e 1709, envolvendo os bandeirantes
paulistas e os emboabas (portugueses e imigrantes de outras
regiões do Brasil).
 O confronto tinha como causa principal a disputa pela
exploração das minas de ouro recém descobertas na região
das Minas Gerais. Os paulistas queriam exclusividade na
exploração da região, pois afirmavam que tinham descoberto
as minas.
 ulistas foram derrotados e a Coroa Portuguesa criou a
Capitania de São Paulo e Minas de Ouro.
CONSEQUÊNCIAS:
 - A cobrança do quinto foi regulamentada.
 - A Coroa Portuguesa, após acabar com o conflito e pacificar a
região, assumiu a exploração de ouro na região das Minas
Gerais.
 - Os bandeirantes paulistas, expulsos da região das Minas
Gerais, foram procurar em busca de ouro nas regiões de Goiás
e Mato Grosso.
A GUERRA DOS EMBOABAS
05/05/2017Profa. Alinnie Silvestre
A FISCALIZAÇÃO DO OURO
 Assim que foram descobertas as
primeiras minas de ouro, o rei de
Portugal tratou de organizar sua
extração e começou a cobrar o quinto.
 O quinto era imposto que correspondia
a 20% de todo ouro encontrado na
colônia.
 Ele era cobrado nas Casas de
Fundição e organizado pela
intendência das Minas (1702), que
também distribuía datas (terrenos),
favorecendo os ricos, que possuíam
mais escravos.
Hora de copiar!
05/05/2017
OS SANTOS DO “PAU OCO”
 A cobrança do quinto, muito alto para os
colonos, gerava insatisfação e favorecia o
contrabando.
 Foi nesta época que apareceu os santos
de pau oco, destinados, entre outras
coisas, a esconder ouro no seu interior.
05/05/2017Profa. Alinnie Silvestre
OUTRAS REAÇÕES DOS COLONOS
 Além dos santos de “pau oco”, alguns colonos
tentaram se revoltar contra a cobrança do quinto e
de outras taxas cobradas por Portugal.
 Todos eles, entretanto, foram violentamente punidos,
com penas que variavam de prisão, expulsão do
país ou morte.
 Este foi o caso da Revolta de Filipe dos Santos,
quando os moradores de Vila Rica (Ouro Preto), em
1720, tentaram se revoltar. Traído pelo governador
de Minas, o líder Filipe dos Santos, teve a sua casa
incendiada, foi enforcado e, como era de hábito na
época, também foi esquartejado.
Charge que retrata a execução de Filipe
dos Santos.Os portugueses fizeram desta
punição um exemplo para que outros
colonos não seguissem os seus caminhos.
05/05/2017
VAMOS PRATICAR?
O que era o
“quinto”?
a) Uma parte do componente
químico do ouro
b) Uma parte do lote destinado às
minas, de 20% das terras.
c) Um imposto pago à Portugal,
correspondia a 10% do
arrecadado.
d) Um imposto pago à Portugal,
correspondia a 20% do
arrecadado
05/05/2017
AS CIDADES DAS “MINAS GERAIS”
 Não foi somente em
Minas Gerais que se
achou ouro no Brasil.
Nos estados de Mato
Grosso e Goiás
também houve extração.
 Observe no mapa ao
lado as cidades
mineradoras do século
XVIII.
05/05/2017
AS CIDADES MINERADORAS E O
CRESCIMENTO COLONIAL
 A descoberta de ouro e o início da exploração da minas nas regiões auríferas provocou uma
verdadeira "corrida do ouro" para estas regiões. Procurando trabalho, desempregados do país
inteiro foram em busca do sonho de ficar rico com o ouro.
 Neste movimento, cidades começaram a surgir e se deu o desenvolvimento urbano e cultural
nestas regiões. Vila Rica, atual Ouro Preto, se destacou muito neste período. O comércio das
regiões mineradoras desenvolveu a economia colonial brasileira no período.
 A quantidade de pessoas com classes sociais diversas mudava a sociedade colonial, que se
tornava mais complexa e diversificada. Havia vários brancos livres pobres, chamados de “os
desclassificados do ouro”.
Casas de Ouro Preto no século XIX. Elas
eram bem parecidas com as do século XVIII.
Ouro Preto nos
dias atuais.
Notem que as
casas continuam
semelhantes, por
isso, ela se
tornou patrimônio
cultural da
Humanidade;
05/05/2017
A EXTRAÇÃO DE DIAMANTES
 O principal centro de extração da valiosa
pedra, foi o Arraial do Tijuco, hoje
Diamantina em Minas Gerais.
 A partir de 1734, visando um maior controle
sobre a região diamantina, foi estabelecido
um sistema de exploração de diamantes para
um único contratador.
 O primeiro deles em 1740, foi o milionário
João Fernandes de Oliveira, que se
apaixonou pela escrava Chica da Silva,
tornando-a uma nobre senhora do Arraial do
Tijuco, em Minas Gerais.
Cartaz do filme “Xica da Silva”, versão artística da
vida da escrava que se casou com o contratador, no
arraial do Tijuco, causando escândalo na Colônia..
05/05/2017
A SOCIEDADE MINERADORA
A sociedade mineradora se dividia em quatro
grupos sociais::
 Os grandes mineradores, donos das
grandes minas e de inúmeros escravos.
 A camada média, composta por funcionários
públicos, comerciantes, artesãos, padres,
militares, profissionais liberais e garimpeiros
bem sucedidos
 Os trabalhadores livres pobres, brasileiros
de outras regiões do país ou portugueses
menos favorecidos que buscavam uma vida
melhor como garimpeiros. Entre eles
também estavam os escravos alforriados
(libertos).
Hora de copiar!
05/05/2017
AS ARTES E A CULTURA
MINERADORA
 Foi neste contexto de extração do ouro que apareceu um dos mais importantes artistas
plásticos do Brasil, Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho.
 Na música destaca-se o estilo sacro barroco do mineiro José Joaquim Emérico Lobo de
Mesquita, além da música popular representada pela modinha e pela cantiga de ninar
de origem lusitana e pelo lundu de origem africana.
Escultura de aleijadinho em
Sabará (MG), na Igreja de
Nossa Senhora do Carmo
Charge ironizando
Aleijadinho, dizendo
que ele não teria
futuro como
escultor por fazer
uma arte nova, além
dos preconceitos
com a sua
aparência.
05/05/2017
A DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO
 Na segunda metade do século XVIII, a
mineração entra em decadência com a
paralisação das descobertas.
 Por serem de aluvião (feitos no leito dos
rios) o ouro e diamantes eram facilmente
extraídos. Isso levou a uma exploração
que fez com que as jazidas se
esgotassem rapidamente.
 Esse esgotamento deveu-se ao
desconhecimento técnico dos
mineradores.
 Após este período, aumenta a
diversificação de produtos agrícolas,
cultivados para abastecer o Brasil. Veja
no mapa ao lado.
 O comércio, já aquecido, se intensifica
com o esgotamento das jazidas.
05/05/2017Profa. Alinnie Silvestre
CONSEQÜÊNCIAS DA MINERAÇÃO
A mineração foi responsável por profundas mudanças na vida colonial brasileira:
 Em cem anos a população cresceu de 300 mil para, aproximadamente, 3 milhões de
pessoas, incluindo aí, um deslocamento de 800 mil portugueses para o Brasil.
 Além do comércio de escravos, a mineração ampliou o comércio interno na colônia
para abastecer a região mineradora. Houve um aumento significativo na produção de
alimentos e bens de consumo para a região.
 A sociedade colonial tornou-se mais diversificada que na economia açucareira: grandes
proprietários, camadas médias, trabalhadores livres pobre e escravos. Apesar da
concentração de riqueza ainda privilegiar os grandes proprietários.
 Transferência do eixo social e econômico do litoral para o interior da colônia, o que
acarretou na própria mudança da capital de Salvador para o Rio de Janeiro, cidade de
mais fácil acesso à região mineradora e próxima do oceano Atlântico.
05/05/2017
O DESTINO DO OURO BRASILEIRO
 A riqueza gerada pela mineração não permaneceu no Brasil e nem foi para Portugal.
 A dependência lusa (portuguesa) em relação à Inglaterra era antiga (Tratado de
Methuem) e grande parte das dívidas portuguesas foram pagas com o ouro brasileiro.
 Isso possibilitou uma grande acumulação de capital na Inglaterra, indispensável para
o seu pioneirismo na Revolução Industrial.
Este quadro explica o
caminho que o ouro
seguia quando saía do
Brasil. Mal chegava a
Portugal, ele seguia para
a Inglaterra para o
pagamento de dívidas e
das compras de tecidos.
05/05/2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
Aulas de História
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
Isabel Aguiar
 
A crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independênciaA crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independência
Andreia Regina Moura Mendes
 
Ciclo do Ouro
Ciclo do OuroCiclo do Ouro
Ciclo do Ouro
raphacorrea
 
A União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandêsA União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandês
Ramiro Bicca
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
2.conquista espanhola
2.conquista espanhola2.conquista espanhola
2.conquista espanhola
valdeck1
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
Rafael Noronha
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
Portal do Vestibulando
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
eiprofessor
 
Sociedade Mineradora
Sociedade MineradoraSociedade Mineradora
Sociedade Mineradora
jessycalafaiete
 
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Marcos Mamute
 
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Valéria Shoujofan
 
Brasil colonia 1
Brasil colonia 1Brasil colonia 1
Brasil colonia 1
harlissoncarvalho
 
Processo de Independência do Brasil
Processo de Independência do BrasilProcesso de Independência do Brasil
Processo de Independência do Brasil
Mauricio da Silva
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
Rose Vital
 
3º ano primeira guerra mundial
3º ano   primeira guerra mundial3º ano   primeira guerra mundial
3º ano primeira guerra mundial
Daniel Alves Bronstrup
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
Douglas Barraqui
 

Mais procurados (20)

Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
A crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independênciaA crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independência
 
Ciclo do Ouro
Ciclo do OuroCiclo do Ouro
Ciclo do Ouro
 
A União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandêsA União Ibérica e o Brasil holandês
A União Ibérica e o Brasil holandês
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
2.conquista espanhola
2.conquista espanhola2.conquista espanhola
2.conquista espanhola
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Sociedade Mineradora
Sociedade MineradoraSociedade Mineradora
Sociedade Mineradora
 
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
 
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
 
Brasil colonia 1
Brasil colonia 1Brasil colonia 1
Brasil colonia 1
 
Processo de Independência do Brasil
Processo de Independência do BrasilProcesso de Independência do Brasil
Processo de Independência do Brasil
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
 
3º ano primeira guerra mundial
3º ano   primeira guerra mundial3º ano   primeira guerra mundial
3º ano primeira guerra mundial
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 

Destaque

A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
Andressa Fontenele
 
Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colônia
João Marcelo
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
Jerry Guimarães
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
Alinnie Moreira
 
Brasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independênciaBrasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independência
Edenilson Morais
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américa
Carolina Medeiros
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileira
martinsramon
 

Destaque (7)

A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colônia
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
 
Brasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independênciaBrasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independência
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américa
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 

Semelhante a Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02

ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
DenisBrito16
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
Stephani Coelho
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
Loredana Ruffo
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
Lúcia Santana
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
Franciele Marques
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
Nelia Salles Nantes
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
historiando
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
otacio candido
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
otacio candido
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
Yara Ribeiro
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
Marcelo Ferreira Boia
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
Lucas Reis
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
Deusirene Aparecida
 
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
isameucci
 
Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
Cristine Becker
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
Rafael Noronha
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
LeandroDiniz36
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
patriciobr
 
História do brasil aula 04
História do brasil   aula 04História do brasil   aula 04
História do brasil aula 04
Fernanda Stang
 

Semelhante a Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02 (20)

ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
 
Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
História do brasil aula 04
História do brasil   aula 04História do brasil   aula 04
História do brasil aula 04
 

Mais de marlete andrade

Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
marlete andrade
 
brasil imperio
brasil imperiobrasil imperio
brasil imperio
marlete andrade
 
II REINADO
II REINADOII REINADO
II REINADO
marlete andrade
 
Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01
marlete andrade
 
Cana-de- açúcar e escravidão Brasil colônia
Cana-de- açúcar  e escravidão  Brasil colôniaCana-de- açúcar  e escravidão  Brasil colônia
Cana-de- açúcar e escravidão Brasil colônia
marlete andrade
 
Era vargas até o período da Redemocratização -1964
Era vargas até o período da Redemocratização -1964Era vargas até o período da Redemocratização -1964
Era vargas até o período da Redemocratização -1964
marlete andrade
 
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIAII GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
marlete andrade
 
Revolução Industrial 2º ano Bilac- Marlete
Revolução Industrial 2º ano  Bilac- MarleteRevolução Industrial 2º ano  Bilac- Marlete
Revolução Industrial 2º ano Bilac- Marlete
marlete andrade
 
Republica Velha
Republica Velha Republica Velha
Republica Velha
marlete andrade
 
Pre historia-111115181123-phpapp01 1ºs anos Bilac
Pre historia-111115181123-phpapp01 1ºs anos BilacPre historia-111115181123-phpapp01 1ºs anos Bilac
Pre historia-111115181123-phpapp01 1ºs anos Bilac
marlete andrade
 

Mais de marlete andrade (10)

Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
 
brasil imperio
brasil imperiobrasil imperio
brasil imperio
 
II REINADO
II REINADOII REINADO
II REINADO
 
Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01
 
Cana-de- açúcar e escravidão Brasil colônia
Cana-de- açúcar  e escravidão  Brasil colôniaCana-de- açúcar  e escravidão  Brasil colônia
Cana-de- açúcar e escravidão Brasil colônia
 
Era vargas até o período da Redemocratização -1964
Era vargas até o período da Redemocratização -1964Era vargas até o período da Redemocratização -1964
Era vargas até o período da Redemocratização -1964
 
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIAII GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
 
Revolução Industrial 2º ano Bilac- Marlete
Revolução Industrial 2º ano  Bilac- MarleteRevolução Industrial 2º ano  Bilac- Marlete
Revolução Industrial 2º ano Bilac- Marlete
 
Republica Velha
Republica Velha Republica Velha
Republica Velha
 
Pre historia-111115181123-phpapp01 1ºs anos Bilac
Pre historia-111115181123-phpapp01 1ºs anos BilacPre historia-111115181123-phpapp01 1ºs anos Bilac
Pre historia-111115181123-phpapp01 1ºs anos Bilac
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02

  • 1. A MINERAÇÃO NO BRASIL COLONIAL  A descoberta de minas de ouro por bandeirantes paulistas no final do século XVII provocou grande agitação.  Gente de Portugal e de outras capitanias brasileiras se dirigia para as “minas gerais” (região mineradora, por isso o nome do Estado Minas Gerais), na esperança de enriquecerem facilmente.  . Hora de copiar! 05/05/2017
  • 2. LEMBRE-SE DE QUE... 1-Até que fosse descoberto ouro no Brasil, a produção açucareira tinha sido fundamental para a economia da América Portuguesa. 2- A economia açucareira colonial caracterizou-se pela utilização de mão de obra escrava e pelo latifúndio (grandes propriedades) e voltada para o mercado externo. 3- Além do açúcar, outros produtos, como o tabaco, o gado e o algodão, geravam riquezas para os colonos e ajudavam a impulsionar a economia açucareira. Lembre-se que... 05/05/2017
  • 3. AS FORMAS DE MINERAÇÃO As lavras, feitas em grandes jazidas, que exigia muitos investimentos em equipamentos e mão de obra escrava. Por este motivo, era desenvolvida por mineradores ricos e foi comum na fase áurea da mineração. A faiscação era a pequena extração realizada pelo próprio garimpeiro que usava peneiras. Eles eram homens livres pobres ou mesmo escravos alforriados (ou que buscavam se alforriar). Eram feitas em áreas abandonadas, principalmente no final do ciclo. Havia duas formas de extração aurífera: 05/05/2017
  • 4.  Foi um conflito armado ocorrido na região das Minas Gerais entre os anos de 1707 e 1709, envolvendo os bandeirantes paulistas e os emboabas (portugueses e imigrantes de outras regiões do Brasil).  O confronto tinha como causa principal a disputa pela exploração das minas de ouro recém descobertas na região das Minas Gerais. Os paulistas queriam exclusividade na exploração da região, pois afirmavam que tinham descoberto as minas.  ulistas foram derrotados e a Coroa Portuguesa criou a Capitania de São Paulo e Minas de Ouro. CONSEQUÊNCIAS:  - A cobrança do quinto foi regulamentada.  - A Coroa Portuguesa, após acabar com o conflito e pacificar a região, assumiu a exploração de ouro na região das Minas Gerais.  - Os bandeirantes paulistas, expulsos da região das Minas Gerais, foram procurar em busca de ouro nas regiões de Goiás e Mato Grosso. A GUERRA DOS EMBOABAS 05/05/2017Profa. Alinnie Silvestre
  • 5. A FISCALIZAÇÃO DO OURO  Assim que foram descobertas as primeiras minas de ouro, o rei de Portugal tratou de organizar sua extração e começou a cobrar o quinto.  O quinto era imposto que correspondia a 20% de todo ouro encontrado na colônia.  Ele era cobrado nas Casas de Fundição e organizado pela intendência das Minas (1702), que também distribuía datas (terrenos), favorecendo os ricos, que possuíam mais escravos. Hora de copiar! 05/05/2017
  • 6. OS SANTOS DO “PAU OCO”  A cobrança do quinto, muito alto para os colonos, gerava insatisfação e favorecia o contrabando.  Foi nesta época que apareceu os santos de pau oco, destinados, entre outras coisas, a esconder ouro no seu interior. 05/05/2017Profa. Alinnie Silvestre
  • 7. OUTRAS REAÇÕES DOS COLONOS  Além dos santos de “pau oco”, alguns colonos tentaram se revoltar contra a cobrança do quinto e de outras taxas cobradas por Portugal.  Todos eles, entretanto, foram violentamente punidos, com penas que variavam de prisão, expulsão do país ou morte.  Este foi o caso da Revolta de Filipe dos Santos, quando os moradores de Vila Rica (Ouro Preto), em 1720, tentaram se revoltar. Traído pelo governador de Minas, o líder Filipe dos Santos, teve a sua casa incendiada, foi enforcado e, como era de hábito na época, também foi esquartejado. Charge que retrata a execução de Filipe dos Santos.Os portugueses fizeram desta punição um exemplo para que outros colonos não seguissem os seus caminhos. 05/05/2017
  • 8. VAMOS PRATICAR? O que era o “quinto”? a) Uma parte do componente químico do ouro b) Uma parte do lote destinado às minas, de 20% das terras. c) Um imposto pago à Portugal, correspondia a 10% do arrecadado. d) Um imposto pago à Portugal, correspondia a 20% do arrecadado 05/05/2017
  • 9. AS CIDADES DAS “MINAS GERAIS”  Não foi somente em Minas Gerais que se achou ouro no Brasil. Nos estados de Mato Grosso e Goiás também houve extração.  Observe no mapa ao lado as cidades mineradoras do século XVIII. 05/05/2017
  • 10. AS CIDADES MINERADORAS E O CRESCIMENTO COLONIAL  A descoberta de ouro e o início da exploração da minas nas regiões auríferas provocou uma verdadeira "corrida do ouro" para estas regiões. Procurando trabalho, desempregados do país inteiro foram em busca do sonho de ficar rico com o ouro.  Neste movimento, cidades começaram a surgir e se deu o desenvolvimento urbano e cultural nestas regiões. Vila Rica, atual Ouro Preto, se destacou muito neste período. O comércio das regiões mineradoras desenvolveu a economia colonial brasileira no período.  A quantidade de pessoas com classes sociais diversas mudava a sociedade colonial, que se tornava mais complexa e diversificada. Havia vários brancos livres pobres, chamados de “os desclassificados do ouro”. Casas de Ouro Preto no século XIX. Elas eram bem parecidas com as do século XVIII. Ouro Preto nos dias atuais. Notem que as casas continuam semelhantes, por isso, ela se tornou patrimônio cultural da Humanidade; 05/05/2017
  • 11. A EXTRAÇÃO DE DIAMANTES  O principal centro de extração da valiosa pedra, foi o Arraial do Tijuco, hoje Diamantina em Minas Gerais.  A partir de 1734, visando um maior controle sobre a região diamantina, foi estabelecido um sistema de exploração de diamantes para um único contratador.  O primeiro deles em 1740, foi o milionário João Fernandes de Oliveira, que se apaixonou pela escrava Chica da Silva, tornando-a uma nobre senhora do Arraial do Tijuco, em Minas Gerais. Cartaz do filme “Xica da Silva”, versão artística da vida da escrava que se casou com o contratador, no arraial do Tijuco, causando escândalo na Colônia.. 05/05/2017
  • 12. A SOCIEDADE MINERADORA A sociedade mineradora se dividia em quatro grupos sociais::  Os grandes mineradores, donos das grandes minas e de inúmeros escravos.  A camada média, composta por funcionários públicos, comerciantes, artesãos, padres, militares, profissionais liberais e garimpeiros bem sucedidos  Os trabalhadores livres pobres, brasileiros de outras regiões do país ou portugueses menos favorecidos que buscavam uma vida melhor como garimpeiros. Entre eles também estavam os escravos alforriados (libertos). Hora de copiar! 05/05/2017
  • 13. AS ARTES E A CULTURA MINERADORA  Foi neste contexto de extração do ouro que apareceu um dos mais importantes artistas plásticos do Brasil, Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho.  Na música destaca-se o estilo sacro barroco do mineiro José Joaquim Emérico Lobo de Mesquita, além da música popular representada pela modinha e pela cantiga de ninar de origem lusitana e pelo lundu de origem africana. Escultura de aleijadinho em Sabará (MG), na Igreja de Nossa Senhora do Carmo Charge ironizando Aleijadinho, dizendo que ele não teria futuro como escultor por fazer uma arte nova, além dos preconceitos com a sua aparência. 05/05/2017
  • 14. A DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO  Na segunda metade do século XVIII, a mineração entra em decadência com a paralisação das descobertas.  Por serem de aluvião (feitos no leito dos rios) o ouro e diamantes eram facilmente extraídos. Isso levou a uma exploração que fez com que as jazidas se esgotassem rapidamente.  Esse esgotamento deveu-se ao desconhecimento técnico dos mineradores.  Após este período, aumenta a diversificação de produtos agrícolas, cultivados para abastecer o Brasil. Veja no mapa ao lado.  O comércio, já aquecido, se intensifica com o esgotamento das jazidas. 05/05/2017Profa. Alinnie Silvestre
  • 15. CONSEQÜÊNCIAS DA MINERAÇÃO A mineração foi responsável por profundas mudanças na vida colonial brasileira:  Em cem anos a população cresceu de 300 mil para, aproximadamente, 3 milhões de pessoas, incluindo aí, um deslocamento de 800 mil portugueses para o Brasil.  Além do comércio de escravos, a mineração ampliou o comércio interno na colônia para abastecer a região mineradora. Houve um aumento significativo na produção de alimentos e bens de consumo para a região.  A sociedade colonial tornou-se mais diversificada que na economia açucareira: grandes proprietários, camadas médias, trabalhadores livres pobre e escravos. Apesar da concentração de riqueza ainda privilegiar os grandes proprietários.  Transferência do eixo social e econômico do litoral para o interior da colônia, o que acarretou na própria mudança da capital de Salvador para o Rio de Janeiro, cidade de mais fácil acesso à região mineradora e próxima do oceano Atlântico. 05/05/2017
  • 16. O DESTINO DO OURO BRASILEIRO  A riqueza gerada pela mineração não permaneceu no Brasil e nem foi para Portugal.  A dependência lusa (portuguesa) em relação à Inglaterra era antiga (Tratado de Methuem) e grande parte das dívidas portuguesas foram pagas com o ouro brasileiro.  Isso possibilitou uma grande acumulação de capital na Inglaterra, indispensável para o seu pioneirismo na Revolução Industrial. Este quadro explica o caminho que o ouro seguia quando saía do Brasil. Mal chegava a Portugal, ele seguia para a Inglaterra para o pagamento de dívidas e das compras de tecidos. 05/05/2017