SlideShare uma empresa Scribd logo
A MINERAÇÃO NO BRASIL
COLONIAL
8º ANO 2018 - PROFª CRISTINE
FONTE: PROJETO ARARIBÁ – HISTÓRIA – PGS. 40 A 59
Contexto Histórico
• Portugal entra em crise:
Após a expulsão dos holandeses do
território brasileiro, as Antilhas holandesas
passam a produzir açúcar de beterraba
mais barato que o brasileiro.
Tratado de Panos e Vinhos com a
Inglaterra acarreta prejuízos à economia
lusitana.
PORTUGAL PASSA A BUSCAR UMA NOVA FONTE DE RENDA.
Como resolver essa crise financeira?
• Incentivo às bandeiras;
Tinham como objetivo: a captura de escravos
fugitivos, o aprisionamento de indígenas e a
busca por metais preciosos;
Por volta de 1693, bandeirantes paulistas
encontram ouro na região de Minas Gerais
A maior parte do ouro brasileiro era de aluvião (leito
dos rios)
• Mercantilismo: acumulo de riquezas
(ouro e prata)
• Colônia portuguesa encontra ouro no
final do século XVII.
• Minas Gerais, posteriormente Mato
Grosso e Goiás;
• Milhares de colonos, estrangeiros,
funcionários da Coroa, tropeiros,
comerciantes, escravos, entre outros.
DISPUTA
• Bandeirantes Paulistas (primeiras);
• A notícia se espalhou e muitas pessoas se
deslocaram para Minas;
• Emboabas: pessoas que vieram de fora
(forasteiros);
• Muitas disputas, Guerra dos Emboabas;
• Fraco controle da Coroa.
Guerra dos Emboabas
A Guerra dos Emboabas foi
a insatisfação dos paulistas,
que encontraram as jazidas
e acreditavam ter o
monopólio da extração,
com as pessoas vindas de
outros
lugares.
Resultados: Portugal interferiu e
as consequências foram a
criação da
capitania de Minas Gerais e a
saída dos paulistas para Goiás
e Mato Grosso, onde também
encontraram ouro.
Formas de exploração do ouro:
LAVRA
FAISCAÇÃO
• METROPOLE X COLÔNIA
• Intenso fluxo de pessoas, a Coroa
portuguesa adotou medidas para aumentar
o controle político da região e garantir
taxação do metal;
• Capitania de São Paulo e Minas de Ouro,
instalação do Senado da Câmara Municipal e
da Cadeia, assim ampliou o quadro de
autoridades na capitania.
• Cria-se a Intendência de Minas (1720)
fiscalizar.
• Povoados viraram vilas;
• Nas vilas chegaram oficiais, judiciários,
administrativos, militares e fiscais.
• Regulamentavam leis, cuidavam da saúde
da população, administravam os espaços
públicos, promoviam festas religiosas,
fiscalizavam as atividades e geriam os
conflitos privados.
• Restringiram a liberdade dos colonos, o que
ocasionou em novos conflitos.
As datas
• A Coroa criou uma série de normas para
explorar o ouro;
• Cada lavra tinha que ser comunicada ao
governo e precisava de autorização para ser
explorada;
• Depois de registrada, a mina era dividida em
lotes, conhecidas como datas;
• O descobridor escolhia duas e a terceira era
da Coroa, as demais eram repartidas com os
mineradores que tivessem mais escravos.
• LAVRA: grande extração em jazidas;
exigiam técnicas, ferramentas e muitos
escravos para esse trabalho.
• FAISCAÇÃO: exploração simples feita nos
leitos dos rios, com auxílio da bateia (
bacia rasa, cônica, feita de madeira ou
metal). Praticada por pequeno número
de escravos.
• Apenas grandes comerciantes conseguiram investir neste
lucrativo mercado.
Equipamentos
Escravos africanos Compra de terrenos
Exploração das minas
Altos investimentos Mão-de-obra
Órgãos de controle:
• Intendência das Minas: fiscalizava o
controle e distribuição de terras para
exploração e cobrança dos impostos;
• Casa de fundição: para evitar
contrabando, todo o ouro encontrado
era fundido em barras, com o selo da
Coroa. Também era retirado o Quinto.
Acima, as
cidades de
Mariana e
Sabará. Ao
lado, Vila Rica.
Impostos
• Quinto: 20% de todo metal encontrado
era da Coroa;
• Para evitar o contrabando, proibição do
ouro em pó e implantou as casas de
fundição. Após o quinto ser recolhido, o
ouro era transformado em barras de ouro
e recebia o selo real. Somente após esse
procedimento, o ouro poderia circular.
• Ver tabela na página 45 e mapa 44
• Sistema de capitação: 17 gramas de ouro em
cima de cada escravo. A partir de 1750 fixou
uma cota de 100 arrobas;
• Caso a cota não fosse atingida, a coroa
instituiu a Derrama, ou seja, os mineradores
deveriam completar com seus próprios
recursos.
20% do ouro para
ser enviado á
Portugal
Pagar o
quinto
Casas de Fundição
(Órgão do governo português)
Cobrança de Impostos
Barras de Ouro do
século XVIII
Moeda portuguesa do
século XVII.
• 01- explique a Guerra dos Emboabas.
• 02- o que foi a Intendência de Minas?
• 03- Qual o papel dos Órgãos do
Governo?
• 04- Explique:
A) O que é lavra;
B) O que eram as datas;
C) Como as datas eram distribuídas.
Atividades
Mineração 8º ano
REVOLTAS
• Em 1720 dois mil mineiros, comandados
pelo comerciante Filipe dos Santos
tomaram Vila Rica e exigiram que os
impostos fossem cancelados.
• O governo reprimiu a revolta e enforcou
Filipe e esquartejou seu corpo expondo
em praça pública.
Revolta de Vila Rica
A Revolta de Vila Rica,
foi a reação contra a
criação
das Casas de
Fundição, liderados
por Felipe dos
Santos.
Resultados: o movimento foi sufocado pelas tropas reais e seu
líder condenado, executado e esquartejado.
Inconfidência
Mineira
A insatisfação dos
mineiros com a
exploração da
metrópole fez brotar
o sentimento de
liberdade e
independência.
Inconfidência Mineira
O movimento foi realizado por
elementos da elite intelectual e
econômica de Vila Rica, movidos
pelas idéias de liberdade e
autonomia.
Resultados: o movimento foi reprimido violentamente, sendo
os principais líderes presos e degredados, enquanto Tiradentes foi
enforcado para servir de exemplo.
Surgimento de novas profissões
aumentando as atividades
comerciais, sociais e de trabalho.
Foram criados teatros, escolas,
igrejas e órgãos públicos.
Cidades que mais se desenvolveram
Vila Rica, Mariana, Tiradentes e São
João Del Rei.
Desenvolvimento das Cidades
Descoberta e exploração de
Diamantes
• Provável que os primeiros diamantes tenham
sidos encontrados por volta de 1714, mas a
descoberta só foi avisada a Coroa 15 anos depois.
• Criou o Distrito Diamantino com objetivo de
impedir o contrabando, controlar a chegada de
aventureiros, arrecadar impostos e isolar a área,
• Sistema de contrato com duração de 4 anos e
pagando tributos.
• Negócio sempre muito lucrativo e com grande
prestígio na sociedade.
Mineração 8º ano
 O caminho
percorrido pela
busca do ouro,
originou estradas e
ligações importantes
para a ampliação do
território da colônia.
 Estradas reais
CAMINHO DO OURO ATÉ O
PORTO DO RIO DE JANEIRO
O comércio entre a
região
mineradora e o
restante da
capitania foi
intensificado,
promovendo uma
Integração, antes
limitada.
O papel dos Tropeiros
• Responsáveis por realizar o transporte e a
comercialização de mercadorias em diversas
regiões da colônia.
• Mulas, pois, são animais resistentes;
• Dependiam muito do trabalho dos tropeiros,
falta de agricultura no trajeto tornavam os
produtos muito caros;
• Coroa incentiva a agricultura;
• Leites e queijos (Minas) (ver pg. 510)
Abastecimento das cidades
• Tropeiros (carregavam alimentos e
outros produtos);
Uma das comidas típicas de
Minas Gerais é o Feijão Tropeiro, você sabe
como é feito e porque tem esse nome?
Abastecimento das cidades
• Boiadeiros (gado para o transporte do
ouro);
• Comboieiros (transporte de escravos);
Mudanças
• Intensa migração e imigração;
• Aumento na compra de escravos;
• Urbanização;
• Surgiu uma camada social entre os
escravos e os senhores: comerciantes e
profissionais liberais
Mineração 8º ano
• Após a descoberta das minas no sudeste e centro-
oeste da colônia, a capital transferiu-se de Salvador
para o Rio de Janeiro, essa medida foi para aumentar o
controle administrativo.
• O ouro era transportado através de cavalos e escravos
até o porto da nova capital.
Consequências da mineração no Brasil
• Expansão territorial;
• Crescimento populacional;
• Desenvolvimento do comércio interno;
• Transferência do pólo econômico e social
para o interior;
• Transferência da capital para o Rio de
Janeiro, em 1763;
• Surgimento de cidades;
• Criação da capitania de Minas Gerais.
MINERAÇÃO NO BRASIL
Antiga Intendência e Casa de
fundição (Museu do Ouro),
Sabará.
Casa de fundição de Ouro Preto
(MG)
ATIVIDADES
• PÁGINA: 58
• NºS 1, 2, 3, 4 (a, b, c) e 5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Privada
 
Brasil Período Joanino
Brasil Período JoaninoBrasil Período Joanino
Brasil Período Joanino
dmflores21
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
Creusa Lima
 
Resumo História e Geografia do Tocantins
Resumo História e Geografia do TocantinsResumo História e Geografia do Tocantins
Resumo História e Geografia do Tocantins
Amilcar Veiga
 
O segundo governo vargas
O segundo governo vargasO segundo governo vargas
O segundo governo vargas
Edenilson Morais
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
16 Revoltas Separatistas
16 Revoltas Separatistas16 Revoltas Separatistas
16 Revoltas Separatistas
Renato Coutinho
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Marilia Pimentel
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
Daniel Alves Bronstrup
 
Inconfidência mineira X Conjuração baiana
Inconfidência mineira X Conjuração baianaInconfidência mineira X Conjuração baiana
Inconfidência mineira X Conjuração baiana
Edilene Ruth Pereira
 
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Capitulo 02  a expansao da america portuguesaCapitulo 02  a expansao da america portuguesa
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Educandário Imaculada Conceição
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
ana paula santos molina
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
Daniel Alves Bronstrup
 
Era napoleônica 8 ano
Era napoleônica 8 anoEra napoleônica 8 ano
Era napoleônica 8 ano
Adriana Gomes Messias
 
Mineração e interiorização no brasil colônia
Mineração e interiorização no brasil colôniaMineração e interiorização no brasil colônia
Mineração e interiorização no brasil colônia
MARIANO C7S
 
A proclamação da república
A proclamação da repúblicaA proclamação da república
A proclamação da república
robson30
 
Descolonização africana
Descolonização africanaDescolonização africana
Descolonização africana
Camila Brito
 
A economia cafeeira
A economia cafeeiraA economia cafeeira
A economia cafeeira
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
 
Brasil Período Joanino
Brasil Período JoaninoBrasil Período Joanino
Brasil Período Joanino
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Resumo História e Geografia do Tocantins
Resumo História e Geografia do TocantinsResumo História e Geografia do Tocantins
Resumo História e Geografia do Tocantins
 
O segundo governo vargas
O segundo governo vargasO segundo governo vargas
O segundo governo vargas
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
16 Revoltas Separatistas
16 Revoltas Separatistas16 Revoltas Separatistas
16 Revoltas Separatistas
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
 
Inconfidência mineira X Conjuração baiana
Inconfidência mineira X Conjuração baianaInconfidência mineira X Conjuração baiana
Inconfidência mineira X Conjuração baiana
 
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Capitulo 02  a expansao da america portuguesaCapitulo 02  a expansao da america portuguesa
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
Era napoleônica 8 ano
Era napoleônica 8 anoEra napoleônica 8 ano
Era napoleônica 8 ano
 
Mineração e interiorização no brasil colônia
Mineração e interiorização no brasil colôniaMineração e interiorização no brasil colônia
Mineração e interiorização no brasil colônia
 
A proclamação da república
A proclamação da repúblicaA proclamação da república
A proclamação da república
 
Descolonização africana
Descolonização africanaDescolonização africana
Descolonização africana
 
A economia cafeeira
A economia cafeeiraA economia cafeeira
A economia cafeeira
 

Semelhante a Mineração 8º ano

Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
Loredana Ruffo
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
Andressa Fontenele
 
Brasil na época do Ouro
Brasil na época do OuroBrasil na época do Ouro
Brasil na época do Ouro
JESSICAFRONTELLIRIBE
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
Lucas Reis
 
Mineração no Brasil Colonial..ppt
Mineração no Brasil Colonial..pptMineração no Brasil Colonial..ppt
Mineração no Brasil Colonial..ppt
JosWilliam14
 
Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2
Eliphas Rodrigues
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
jessica Nogueira
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
Lara Lídia
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
Marcelo Ferreira Boia
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
DenisBrito16
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
Lúcia Santana
 
Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colônia
João Marcelo
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
LeandroDiniz36
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIII
Gabriel da Silva
 
Ouro em minas gerais
Ouro em minas geraisOuro em minas gerais
Ouro em minas gerais
Marcia Dias da Silva
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
Stephani Coelho
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
Pérysson Nogueira
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
Nelia Salles Nantes
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
Daniel Alves Bronstrup
 

Semelhante a Mineração 8º ano (20)

Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
Brasil na época do Ouro
Brasil na época do OuroBrasil na época do Ouro
Brasil na época do Ouro
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Mineração no Brasil Colonial..ppt
Mineração no Brasil Colonial..pptMineração no Brasil Colonial..ppt
Mineração no Brasil Colonial..ppt
 
Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
 
Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colônia
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIII
 
Ouro em minas gerais
Ouro em minas geraisOuro em minas gerais
Ouro em minas gerais
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 

Mais de Cristine Becker

QUIZ 2ª GUERRA MUNDIAL
QUIZ 2ª GUERRA MUNDIALQUIZ 2ª GUERRA MUNDIAL
QUIZ 2ª GUERRA MUNDIAL
Cristine Becker
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Cristine Becker
 
SÍMBOLOS NACIONAIS
SÍMBOLOS NACIONAISSÍMBOLOS NACIONAIS
SÍMBOLOS NACIONAIS
Cristine Becker
 
O TERRITÓRIO BRASILEIRO
O TERRITÓRIO BRASILEIROO TERRITÓRIO BRASILEIRO
O TERRITÓRIO BRASILEIRO
Cristine Becker
 
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESAA EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
Cristine Becker
 
Projeto formas de relevo
Projeto formas de relevoProjeto formas de relevo
Projeto formas de relevo
Cristine Becker
 
Revisão1-7º ano Geografia
Revisão1-7º ano  GeografiaRevisão1-7º ano  Geografia
Revisão1-7º ano Geografia
Cristine Becker
 

Mais de Cristine Becker (7)

QUIZ 2ª GUERRA MUNDIAL
QUIZ 2ª GUERRA MUNDIALQUIZ 2ª GUERRA MUNDIAL
QUIZ 2ª GUERRA MUNDIAL
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
SÍMBOLOS NACIONAIS
SÍMBOLOS NACIONAISSÍMBOLOS NACIONAIS
SÍMBOLOS NACIONAIS
 
O TERRITÓRIO BRASILEIRO
O TERRITÓRIO BRASILEIROO TERRITÓRIO BRASILEIRO
O TERRITÓRIO BRASILEIRO
 
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESAA EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
 
Projeto formas de relevo
Projeto formas de relevoProjeto formas de relevo
Projeto formas de relevo
 
Revisão1-7º ano Geografia
Revisão1-7º ano  GeografiaRevisão1-7º ano  Geografia
Revisão1-7º ano Geografia
 

Último

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 

Mineração 8º ano

  • 1. A MINERAÇÃO NO BRASIL COLONIAL 8º ANO 2018 - PROFª CRISTINE FONTE: PROJETO ARARIBÁ – HISTÓRIA – PGS. 40 A 59
  • 2. Contexto Histórico • Portugal entra em crise: Após a expulsão dos holandeses do território brasileiro, as Antilhas holandesas passam a produzir açúcar de beterraba mais barato que o brasileiro. Tratado de Panos e Vinhos com a Inglaterra acarreta prejuízos à economia lusitana. PORTUGAL PASSA A BUSCAR UMA NOVA FONTE DE RENDA.
  • 3. Como resolver essa crise financeira? • Incentivo às bandeiras; Tinham como objetivo: a captura de escravos fugitivos, o aprisionamento de indígenas e a busca por metais preciosos;
  • 4. Por volta de 1693, bandeirantes paulistas encontram ouro na região de Minas Gerais
  • 5. A maior parte do ouro brasileiro era de aluvião (leito dos rios)
  • 6. • Mercantilismo: acumulo de riquezas (ouro e prata) • Colônia portuguesa encontra ouro no final do século XVII. • Minas Gerais, posteriormente Mato Grosso e Goiás; • Milhares de colonos, estrangeiros, funcionários da Coroa, tropeiros, comerciantes, escravos, entre outros.
  • 7. DISPUTA • Bandeirantes Paulistas (primeiras); • A notícia se espalhou e muitas pessoas se deslocaram para Minas; • Emboabas: pessoas que vieram de fora (forasteiros); • Muitas disputas, Guerra dos Emboabas; • Fraco controle da Coroa.
  • 8. Guerra dos Emboabas A Guerra dos Emboabas foi a insatisfação dos paulistas, que encontraram as jazidas e acreditavam ter o monopólio da extração, com as pessoas vindas de outros lugares. Resultados: Portugal interferiu e as consequências foram a criação da capitania de Minas Gerais e a saída dos paulistas para Goiás e Mato Grosso, onde também encontraram ouro.
  • 9. Formas de exploração do ouro: LAVRA FAISCAÇÃO
  • 10. • METROPOLE X COLÔNIA • Intenso fluxo de pessoas, a Coroa portuguesa adotou medidas para aumentar o controle político da região e garantir taxação do metal; • Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, instalação do Senado da Câmara Municipal e da Cadeia, assim ampliou o quadro de autoridades na capitania. • Cria-se a Intendência de Minas (1720) fiscalizar.
  • 11. • Povoados viraram vilas; • Nas vilas chegaram oficiais, judiciários, administrativos, militares e fiscais. • Regulamentavam leis, cuidavam da saúde da população, administravam os espaços públicos, promoviam festas religiosas, fiscalizavam as atividades e geriam os conflitos privados. • Restringiram a liberdade dos colonos, o que ocasionou em novos conflitos.
  • 12. As datas • A Coroa criou uma série de normas para explorar o ouro; • Cada lavra tinha que ser comunicada ao governo e precisava de autorização para ser explorada; • Depois de registrada, a mina era dividida em lotes, conhecidas como datas; • O descobridor escolhia duas e a terceira era da Coroa, as demais eram repartidas com os mineradores que tivessem mais escravos.
  • 13. • LAVRA: grande extração em jazidas; exigiam técnicas, ferramentas e muitos escravos para esse trabalho. • FAISCAÇÃO: exploração simples feita nos leitos dos rios, com auxílio da bateia ( bacia rasa, cônica, feita de madeira ou metal). Praticada por pequeno número de escravos.
  • 14. • Apenas grandes comerciantes conseguiram investir neste lucrativo mercado. Equipamentos Escravos africanos Compra de terrenos Exploração das minas Altos investimentos Mão-de-obra
  • 15. Órgãos de controle: • Intendência das Minas: fiscalizava o controle e distribuição de terras para exploração e cobrança dos impostos; • Casa de fundição: para evitar contrabando, todo o ouro encontrado era fundido em barras, com o selo da Coroa. Também era retirado o Quinto.
  • 16. Acima, as cidades de Mariana e Sabará. Ao lado, Vila Rica.
  • 17. Impostos • Quinto: 20% de todo metal encontrado era da Coroa; • Para evitar o contrabando, proibição do ouro em pó e implantou as casas de fundição. Após o quinto ser recolhido, o ouro era transformado em barras de ouro e recebia o selo real. Somente após esse procedimento, o ouro poderia circular.
  • 18. • Ver tabela na página 45 e mapa 44 • Sistema de capitação: 17 gramas de ouro em cima de cada escravo. A partir de 1750 fixou uma cota de 100 arrobas; • Caso a cota não fosse atingida, a coroa instituiu a Derrama, ou seja, os mineradores deveriam completar com seus próprios recursos.
  • 19. 20% do ouro para ser enviado á Portugal Pagar o quinto Casas de Fundição (Órgão do governo português) Cobrança de Impostos
  • 20. Barras de Ouro do século XVIII Moeda portuguesa do século XVII.
  • 21. • 01- explique a Guerra dos Emboabas. • 02- o que foi a Intendência de Minas? • 03- Qual o papel dos Órgãos do Governo? • 04- Explique: A) O que é lavra; B) O que eram as datas; C) Como as datas eram distribuídas. Atividades
  • 23. REVOLTAS • Em 1720 dois mil mineiros, comandados pelo comerciante Filipe dos Santos tomaram Vila Rica e exigiram que os impostos fossem cancelados. • O governo reprimiu a revolta e enforcou Filipe e esquartejou seu corpo expondo em praça pública.
  • 24. Revolta de Vila Rica A Revolta de Vila Rica, foi a reação contra a criação das Casas de Fundição, liderados por Felipe dos Santos. Resultados: o movimento foi sufocado pelas tropas reais e seu líder condenado, executado e esquartejado.
  • 25. Inconfidência Mineira A insatisfação dos mineiros com a exploração da metrópole fez brotar o sentimento de liberdade e independência.
  • 26. Inconfidência Mineira O movimento foi realizado por elementos da elite intelectual e econômica de Vila Rica, movidos pelas idéias de liberdade e autonomia. Resultados: o movimento foi reprimido violentamente, sendo os principais líderes presos e degredados, enquanto Tiradentes foi enforcado para servir de exemplo.
  • 27. Surgimento de novas profissões aumentando as atividades comerciais, sociais e de trabalho. Foram criados teatros, escolas, igrejas e órgãos públicos. Cidades que mais se desenvolveram Vila Rica, Mariana, Tiradentes e São João Del Rei. Desenvolvimento das Cidades
  • 28. Descoberta e exploração de Diamantes • Provável que os primeiros diamantes tenham sidos encontrados por volta de 1714, mas a descoberta só foi avisada a Coroa 15 anos depois. • Criou o Distrito Diamantino com objetivo de impedir o contrabando, controlar a chegada de aventureiros, arrecadar impostos e isolar a área, • Sistema de contrato com duração de 4 anos e pagando tributos. • Negócio sempre muito lucrativo e com grande prestígio na sociedade.
  • 30.  O caminho percorrido pela busca do ouro, originou estradas e ligações importantes para a ampliação do território da colônia.  Estradas reais CAMINHO DO OURO ATÉ O PORTO DO RIO DE JANEIRO
  • 31. O comércio entre a região mineradora e o restante da capitania foi intensificado, promovendo uma Integração, antes limitada.
  • 32. O papel dos Tropeiros • Responsáveis por realizar o transporte e a comercialização de mercadorias em diversas regiões da colônia. • Mulas, pois, são animais resistentes; • Dependiam muito do trabalho dos tropeiros, falta de agricultura no trajeto tornavam os produtos muito caros; • Coroa incentiva a agricultura; • Leites e queijos (Minas) (ver pg. 510)
  • 33. Abastecimento das cidades • Tropeiros (carregavam alimentos e outros produtos);
  • 34. Uma das comidas típicas de Minas Gerais é o Feijão Tropeiro, você sabe como é feito e porque tem esse nome?
  • 35. Abastecimento das cidades • Boiadeiros (gado para o transporte do ouro); • Comboieiros (transporte de escravos);
  • 36. Mudanças • Intensa migração e imigração; • Aumento na compra de escravos; • Urbanização; • Surgiu uma camada social entre os escravos e os senhores: comerciantes e profissionais liberais
  • 38. • Após a descoberta das minas no sudeste e centro- oeste da colônia, a capital transferiu-se de Salvador para o Rio de Janeiro, essa medida foi para aumentar o controle administrativo. • O ouro era transportado através de cavalos e escravos até o porto da nova capital.
  • 39. Consequências da mineração no Brasil • Expansão territorial; • Crescimento populacional; • Desenvolvimento do comércio interno; • Transferência do pólo econômico e social para o interior; • Transferência da capital para o Rio de Janeiro, em 1763; • Surgimento de cidades; • Criação da capitania de Minas Gerais.
  • 40. MINERAÇÃO NO BRASIL Antiga Intendência e Casa de fundição (Museu do Ouro), Sabará. Casa de fundição de Ouro Preto (MG)
  • 41. ATIVIDADES • PÁGINA: 58 • NºS 1, 2, 3, 4 (a, b, c) e 5