SlideShare uma empresa Scribd logo
www.konia.com.br 
Métodos Ágeis 
Como trabalhar com engenharia de software sem perder 
a agilidade? 
Adriano Bertucci 
Consultor ALM – Konia Tecnologia 
Microsoft Visual Studio ALM MVP 
adriano.bertucci@konia.com.br 
@adrianobertucci
www.konia.com.br 
O Que veremos? 
 Métodos Ágeis 
 Métodos Tradicionais 
 Dinâmica conceitual 
 Scrum 
 Dinâmica conceitual
Como ganhar dinheiro resolvendo 
problemas que voce não conhece, com 
pessoas desconhecidas, em um tempo 
curto e com poucos recursos (e se 
www.konia.com.br 
Motivação 
divertindo)? 
Tradicional Nuvem privada Nuvem pública
www.konia.com.br 
Relatório do Chaos (Chaos Report)
www.konia.com.br 
Relatório do Chaos (Chaos Report) 
 Estudo do The Standish Group conclui (Chaos Report): 
Pesquisa sobre a utilização das funcionalidades do software ... 
Mais de 64% de um sistema de 
software quase nunca não é utilizado! 
DESPERDÍCIO!! 
!!
www.konia.com.br 
MOTIVAÇÃO
Como tratamos desenvolvimento de 
software? 
www.konia.com.br
www.konia.com.br 
Da para fazer diferente?
Problemas do mundo de desenvolvimento 
 Métodos tradicionais/clássicos de desenvolvimento 
www.konia.com.br 
 Supõem que é possível prever o futuro 
 Pouca interação com os clientes 
 Ênfase em burocracias 
 (documentos, formulários, processos, controles rígidos, etc.) 
 Avaliação do progresso baseado na evolução da burocracia e não do código 
 Softwares 
 Grande quantidade de erros 
 Falta de flexibilidade
www.konia.com.br 
Como resolver isso? 
 Melhores Tecnologias 
 Padrões de Projeto (reutilização de idéias) 
 Componentes (reutilização de código) 
 Middleware/frameworks (aumenta abstração) 
 Novas Metodologias 
Métodos Ágeis
O que é desenvolvimento de software? 
www.konia.com.br 
Modelagem (Jacobson) 
Engenharia (Meyer) 
Disciplina (Humphreys) 
Poesia (Cockburn) 
Artesanato (Knuth) 
Arte (Gabriel) 
Erro comum: olhar para software como 
apenas um desses itens e ignorar os 
demais
www.konia.com.br 
O que são métodos agéis? 
“Agile não é um conjunto de práticas, mas um 
conjunto de crenças e princípios” 
Jim Highsmith
www.konia.com.br 
PRINCIPIOS 
Retorno de investimento 
Inovação 
Melhoria de processo 
Pessoas 
Cultura 
Comunicação 
Adaptação x Antecipação
www.konia.com.br 
Manifesto ágil - histórico 
 Movimento iniciado por programadores experientes e consultores 
em desenvolvimento de software. 
 Questionam e se opõem a uma série de mitos e práticas adotadas 
em abordagens tradicionais de Engenharia de Software e Gerência 
de Projetos. 
 Manifesto Ágil: 
 Assinado por 17 desenvolvedores em Utah em fevereiro/2001. 
 http://agilemanifesto.org
www.konia.com.br 
Manifesto ágil
www.konia.com.br 
Um projeto ágil ideal… 
 O gerente de projeto concorda em prosseguir sem que todos os 
requisitos estejam bem definidos 
 Os desenvolvedores concordam em prosseguir sem ter todos os 
requisitos documentados 
 Os membros da equipe sabem que alguém vai ajudar quando 
ocorrerem problemas
www.konia.com.br 
Um projeto ágil ideal… 
 Os gerentes percebem que não precisam dizer à equipe o que fazer, 
ou garantir o que vai ser feito 
 A equipe percebe que ninguém vai dizer o que fazer, isto faz parte 
do trabalho da equipe 
 Não existem mais a impressão de divisão (testers and 
programmers), todos são desenvolvedores
www.konia.com.br 
EVITE MULTI-tarefa
www.konia.com.br 
O segredo da comunicação…
www.konia.com.br 
O desafio de uma equipe auto 
organizada
www.konia.com.br 
Premissas básicas do modelo 
tradicional 
 É necessário fazer uma análise de requisitos profunda e detalhada 
antes de projetar a arquitetura do sistema 
 É necessário fazer um estudo minucioso e elaborar uma descrição 
detalhada da arquitetura antes de começar a implementá-la 
 É necessário testar o sistema completamente antes de mandar a 
versão final para o cliente
www.konia.com.br 
Como funciona?
www.konia.com.br 
Mudança de postura! 
Tradicional Ágil 
Equipe 
Equipe 
Equipe 
Equipe 
GP 
Equipe 
Equipe 
Equipe 
Equipe 
GP 
Cross-funcional 
Auto-organização
www.konia.com.br 
Iterativo e incremental 
Desenvolvimento monolítico 
Interface 
Cliente 
Servidor 
BD 
C 
Desenvolvimento incremental 
Iterativo = não espere ter tudo correto na primeira vez 
Incremental = construa em ”pedaços” verticais (features) ao invés de horizontais (camadas) 
Talvez não seja 
necessário construir 
o resto 
C 
Interface 
Cliente 
Servidor 
BD 
Ref: Henrik Kniberg
www.konia.com.br 
Iterativo e incremental
IMPORTANTE!!! 
Metodologias ágeis são uma tentativa 
de refinar as metodologias iterativas, 
tirando o foco do processo em si e 
dando mais ênfase para a contribuição 
www.konia.com.br 
das pessoas
Importante!!! 
Metodologias ágeis é uma febre? 
www.konia.com.br 
Uma onda passageira? 
É o início de uma mudança na forma 
de trabalho...
www.konia.com.br 
O Paradoxo da multitarefa
www.konia.com.br 
O Que muda? 
 Métodos tradicionais 
 O planejamento deve propiciar a prevenção de mudanças 
 Métodos ágeis 
 A mudança é incorporada ao escopo 
 Razões 
 Necessidades de negócio 
 Novas oportunidades 
 Mudanças de legislação 
 Requisitos incompletos
www.konia.com.br 
O Que muda? 
Custo 
da 
mudança 
Intensidade 
e stress 
Tempo Tempo 
Tempo 
Entrega 
de valor 
Transparência 
Envolvimento 
do cliente 
Tempo 
Ref: Henrik Kniberg 
Ágil 
Tradicional
www.konia.com.br 
Relatório do Chaos (Chaos Report)
www.konia.com.br 
Principais métodos ágeis 
 Adaptative Software Development (ASD) 
 Crystal Clear (Crystal) 
 Extreme Programming (XP) 
 Scrum 
 Lean Software Development 
 Feature Driven Development (FDD) 
 Test Drive Development (TDD) 
 Kanban
www.konia.com.br 
Mudança de perspectiva
5 motivos para NÃO usar 
métodos ágeis?
Qual projeto de software possui todos os requisitos definidos (corretamente) 
www.konia.com.br 
Motivo 1 
Não preciso de ciclos iterativos 
no início? 
Eu sei e defino todos os 
requisitos no início do 
projeto
www.konia.com.br 
Motivo 2 
O cliente descobre o que quer ao longo do caminho 
Os objetivos do meu 
projeto estão muito 
claros desde o início
www.konia.com.br 
Motivo 3 
Qual projeto de software envolve baixa incerteza? 
Meu projeto envolve 
baixa incerteza
Em qual projeto de software consigo ter estimativas precisas? 
www.konia.com.br 
Motivo 4 
Minha estimativa está 
toda definida e com 
índice de erro muito 
baixo
www.konia.com.br 
Praticando… 
PRODUÇÃO X PRODUTIVIDADE 
Analista Projetista Programador Testador Cliente 
Æ OE 
Ref: Luiz Cláudio Parzianello
www.konia.com.br 
Praticando… 
PRODUÇÃO X PRODUTIVIDADE 
Pequenos Lotes 
Æ 
… 
Æ Æ OE Æ 
… 
Æ OE Æ OE ™ Æ OE 
… 
ÆÆ OEOE ™™ 
… 
Ref: Luiz Cláudio Parzianello 
Æ Æ OE Æ OE ™ 
… … … … 
Grandes Lotes
www.konia.com.br 
Praticando… 
PRODUÇÃO X PRODUTIVIDADE 
 Qual é o arranjo logístico mais rápido? 
 Qual equipe apresentou o maior esforço por projeto? 
 Quais as vantagens de cada abordagem? 
 Quais as desvantagens de cada abordagem? 
 Qual a justificativa para manter os grandes lotes?
SCRUM
www.konia.com.br 
SCRUM - Origem
Scrum foi criado no início da década de 1990 por Jeff Sutherland e Ken 
Schwaber, nos EUA 
www.konia.com.br 
Os pais da criança 
Ken Schwaber Jeff Sutherland
www.konia.com.br 
O que é SCRUM? 
 Um processo iterativo e incremental para o gerenciamento 
de projetos de desenvolvimento de produtos (especialmente 
software). 
 Mais um framework que uma metodologia. 
 Mais Atitude que uma processo. 
Cultura 
Auto-Gerenciamento, time multi-disciplinar, 
envolvimento do cliente, comprometimento, 
papéis, entregas frequentes, liderança, colaboração, 
Respeito, etc.
Beleza, mas como o 
SCRUM roda?
www.konia.com.br 
De forma iterativa
www.konia.com.br 
e Incremental…
www.konia.com.br 
Ênfase: processo empírico 
 Princípio 
 Características desconhecidas 
 Prioridades devem ser consideradas 
 Escopo irá mudar! 
 Essência do SCRUM 
 Inspeção 
• Verificar o que foi feito no período 
 Adaptação 
• Melhorar o processo 
 Planejar 
 Planejar o sprint 
 Desenvolver 
 Realizar o sprint 
 Inspecionar (check) 
 Sprint review e retrospectiva 
 Adaptar 
 Lições para o próximo planejamento 
PLAN 
DO 
ACT 
CHECK
www.konia.com.br 
O uso do SCRUM 
Ref.: 
3rd Annual ”State of Agile Development” Survey June-July 2008 
3061 respondentes, 80 países
www.konia.com.br 
O SCRUM possui 3 papéis.
www.konia.com.br 
Equipe de desenvolvimento 
 Auto gerenciáveis 
 “Sem títulos” definidos 
 TODOS são desenvolvedores
www.konia.com.br 
Product Owner 
 Responsável por Maximizar o ROI 
 Gerencia as demandas 
 Prioriza as tarefas 
 Garante o entendimento das tarefas 
 Apenas UMA pessoa
www.konia.com.br 
Scrum Master 
 Líder Servidor 
 Remover impedimentos 
 Proteger a equipe
www.konia.com.br 
SCRUM Master 
NÃO É 
Gerente de Projetos
www.konia.com.br 
Não delega tarefas; 
Não define responsabilidades;
www.konia.com.br 
Macro fases 
 Pregame 
 Planejamento 
 Desenho e alto nível da 
 Arquitetura 
 Modelo Abrangente 
 Game 
 Sprints (Modelagem incremental, desenvolvimento, revisões 
e ajustes) 
 Postgame 
 Fechamento (Agrupamento da Documentação, Treinamento, 
Lições Aprendidas)
www.konia.com.br
www.konia.com.br 
Fluxo do scrum
www.konia.com.br 
pregame
www.konia.com.br 
Product backlog
www.konia.com.br 
Business value - ROI 
 Business Value será uma moeda de troca durante o 
projeto e o cliente empresta um determinado valor dessa 
moeda para a equipe e esta por sua vez, terá que 
devolver o valor correspondente em forma de 
software, ou seja, é uma dívida que a equipe assume 
com o cliente e que deverá ser amortizada a cada 
ciclo(Sprint), até que a mesma seja totalmente liquidada 
(zerada).
www.konia.com.br 
User stories 
 User stories 
 Identificação de atores envolvidos 
 Como um [papel do usuário] 
quero [funcionalidade] 
para [valor de negócio] 
 I.N.V.E.S.T. (independente, negociável, valorizável, estimável, small e testável) 
 Quebrar grandes e juntar pequenas 
 Definição do conceito de DONE (testes) 
 Diferentes perspectivas 
 Prioridades das user stories 
 Valor entre 1 e 150? 
 Deve ter 
 Deveria ter 
 Poderia ter
www.konia.com.br 
Priorização e classificação do backlog
www.konia.com.br 
Tarefas 
Administrate 
users 
User admin 
Register new 
user 
User admin 
Find user 
User admin 
2 
Edit existing 
user 
User admin 
Delete user 
Write failing 
test 
Do GUI 
design 
Do 
integration 
test 
Create DB 
schema 
Write server-side 
logic 
Write form 
validation 
Dividir 
Quebrar em tarefas durante a reunião de sprint planning 
13 
5 
3 
8 
Ref: Henrik Kniberg
www.konia.com.br 
Os objetivos SMART de uma Sprint
www.konia.com.br 
ESTIMATIVAS 
 Estimativas 
 Tempo e/ou complexidade? 
 Fibonacci 
 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21… 
 Planning poker 
 As duas estratégias de uso de planning poker 
 Jogar as cartas para cada estória 
 Colocar cada estória embaixo de uma carta 
 Algumas práticas utilizadas: 
 Pontos para funcionalidades e horas para tarefas 
 1-day tasks (máximo 2 e mínimo 1/2) 
 Considerar tarefas como teste, pesquisas, documentação, etc.
www.konia.com.br 
Sprint Planning Meeting
Velocidade da sprint – o que teremos? 
www.konia.com.br 
 Técnicas de estimativas 
 Instinto, sentimentos e percepções 
 O cálculo de velocidade pode ser baseado: 
 HOMEM DIA DISPONIVEL * FATOR FOCO = VELOCIDADE
www.konia.com.br 
O dia a dia do scrum 
ScrumMaster e Equipe 
Dia-a-dia do SCRUM 
Sprint 
2 semanas a 4 semanas 
Daily meetings (Daily Scrum) 
Impedimentos 
Obstáculos ao trabalho da equipe 
Manter a taskboard 
Burndown 
Tarefas e estimativas 
Tarefas não-planejadas
www.konia.com.br 
Sprint backlog
www.konia.com.br 
KANBAN - VISIBILIDADE
www.konia.com.br 
Burndown
www.konia.com.br 
Dashboard – visibilidade
www.konia.com.br 
Daily meetings 
Daily Meetings (Daily Scrum) 
Reunião diária de 15 minutos 
Mantém equipe informada e 
O que você fez ontem? 
O que pretende fazer para amanhã? 
Quais são seus impedimentos? 
Questões técnicas 
No final da reunião 
Não se resolve problema, apenas se 
identifica
www.konia.com.br 
Sprint review 
 Cliente, PO, SM e Team 
 Apresentação do produto 
 Foco no QUE foi feito e não COMO foi feito 
 Aceite formal e feedback do cliente 
 Melhoria na forma de priorização?
www.konia.com.br 
Próxima sprint 
 Lições aprendidas 
 Alimentam o próximo sprint 
 Velocidade da equipe 
 Erros x acertos 
 Previsto x realizado 
 Fator de foco da equipe 
 Repositório de lições 
 Disseminação na empresa 
 Usar parte do sprint anterior para planejar o próximo sprint 
Lições aprendidas
www.konia.com.br 
Praticando Scrum 
 Fábrica de Aviões
Science to Business 
Copyright – Direitos autorais 
Copyright © 2011-2014 Konia Tecnologia. Este documento é inédito e a advertência precedente é fixada para proteger Konia Tecnologia. no caso de 
publicação não autorizada. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida em qualquer forma, inclusive fotocópia 
ou transmissão eletrônica para qualquer computador, sem autorização prévia por escrito de Konia Tecnologia. As informações contidas neste 
documento são confidenciais e propriedade da Konia Tecnologia. e não podem ser usadas ou reveladas exceto quando expressamente autorizado por 
escrito por Konia Tecnologia. 
Adriano Bertucci 
Consultor ALM – Konia Tecnologia 
Microsoft Visual Studio ALM MVP 
adriano.bertucci@konia.com.br 
@adrianobertucci

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemasAnálise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemas
Diego Marek
 
Qualidade de Software: Modelos e normas
Qualidade de Software: Modelos e normasQualidade de Software: Modelos e normas
Qualidade de Software: Modelos e normas
Alex Camargo
 
Padrões de Projetos de Interface do Usuário
Padrões de Projetos de Interface do UsuárioPadrões de Projetos de Interface do Usuário
Padrões de Projetos de Interface do Usuário
Fatec Jales
 
Engenharia de Software 100% Agil (SCRUM, FDD e XP)
Engenharia de Software 100% Agil (SCRUM, FDD e XP)Engenharia de Software 100% Agil (SCRUM, FDD e XP)
Engenharia de Software 100% Agil (SCRUM, FDD e XP)
Rildo (@rildosan) Santos
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
Fábio Nogueira de Lucena
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Cloves da Rocha
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
Elaine Cecília Gatto
 
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Leinylson Fontinele
 
Aula 6 - Qualidade de Software
Aula 6 - Qualidade de SoftwareAula 6 - Qualidade de Software
Aula 6 - Qualidade de Software
Leinylson Fontinele
 
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHCInterface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
CEULJI/ULBRA Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
 
Mercado de Trabalho em TI
Mercado de Trabalho em TIMercado de Trabalho em TI
Mercado de Trabalho em TI
Norton Guimarães
 
Banco de Dados I - Aula Prática - Criando o Primeiro Banco
Banco de Dados I - Aula Prática - Criando o Primeiro BancoBanco de Dados I - Aula Prática - Criando o Primeiro Banco
Banco de Dados I - Aula Prática - Criando o Primeiro Banco
Leinylson Fontinele
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareIntrodução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Daniel Cukier
 
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMNMapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Rildo (@rildosan) Santos
 
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de SoftwareNormas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Danilo Sousa
 
Extreme programming (xp)
 Extreme programming   (xp) Extreme programming   (xp)
Extreme programming (xp)
João Carlos Ottobboni
 
Metodologia agil scrum
Metodologia agil scrumMetodologia agil scrum
Metodologia agil scrum
Pablo Juan ஃ
 
Clean Architecture
Clean ArchitectureClean Architecture
Clean Architecture
Rodrigo Branas
 
Introdução a Arquitetura de Sistemas
Introdução a Arquitetura de SistemasIntrodução a Arquitetura de Sistemas
Introdução a Arquitetura de Sistemas
Igor Takenami
 

Mais procurados (20)

Análise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemasAnálise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemas
 
Qualidade de Software: Modelos e normas
Qualidade de Software: Modelos e normasQualidade de Software: Modelos e normas
Qualidade de Software: Modelos e normas
 
Padrões de Projetos de Interface do Usuário
Padrões de Projetos de Interface do UsuárioPadrões de Projetos de Interface do Usuário
Padrões de Projetos de Interface do Usuário
 
Engenharia de Software 100% Agil (SCRUM, FDD e XP)
Engenharia de Software 100% Agil (SCRUM, FDD e XP)Engenharia de Software 100% Agil (SCRUM, FDD e XP)
Engenharia de Software 100% Agil (SCRUM, FDD e XP)
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
 
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
 
Aula 6 - Qualidade de Software
Aula 6 - Qualidade de SoftwareAula 6 - Qualidade de Software
Aula 6 - Qualidade de Software
 
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHCInterface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
Interface Homem Computador - Aula01- Introdução a IHC
 
Mercado de Trabalho em TI
Mercado de Trabalho em TIMercado de Trabalho em TI
Mercado de Trabalho em TI
 
Banco de Dados I - Aula Prática - Criando o Primeiro Banco
Banco de Dados I - Aula Prática - Criando o Primeiro BancoBanco de Dados I - Aula Prática - Criando o Primeiro Banco
Banco de Dados I - Aula Prática - Criando o Primeiro Banco
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareIntrodução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
 
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMNMapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
Mapeamento e Modelagem de Processos de Negócio com BPMN
 
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de SoftwareNormas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
 
Extreme programming (xp)
 Extreme programming   (xp) Extreme programming   (xp)
Extreme programming (xp)
 
Metodologia agil scrum
Metodologia agil scrumMetodologia agil scrum
Metodologia agil scrum
 
Clean Architecture
Clean ArchitectureClean Architecture
Clean Architecture
 
Introdução a Arquitetura de Sistemas
Introdução a Arquitetura de SistemasIntrodução a Arquitetura de Sistemas
Introdução a Arquitetura de Sistemas
 

Semelhante a Métodos Ágeis

Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
Adriano Bertucci
 
Palestra scrum
Palestra scrumPalestra scrum
Palestra scrum
Paulo Igor Alves Godinho
 
Scrum na sua Empresa
Scrum na sua EmpresaScrum na sua Empresa
Scrum na sua Empresa
Fabiano Milani
 
Utilizando metologias ágeis com VSTS: Scrum e XP, YES WE CAN! (ALM204)
Utilizando metologias ágeis com VSTS: Scrum e XP, YES WE CAN! (ALM204)Utilizando metologias ágeis com VSTS: Scrum e XP, YES WE CAN! (ALM204)
Utilizando metologias ágeis com VSTS: Scrum e XP, YES WE CAN! (ALM204)
André Dias
 
XP - Extreme Programming
XP - Extreme ProgrammingXP - Extreme Programming
XP - Extreme Programming
Rodrigo Branas
 
Scrum para Desenvolvimento Interno e Produtos de Software
Scrum para Desenvolvimento Interno e Produtos de SoftwareScrum para Desenvolvimento Interno e Produtos de Software
Scrum para Desenvolvimento Interno e Produtos de Software
Rodrigo Yoshima
 
Oficina Métodos Ágeis UDESC
Oficina Métodos Ágeis UDESCOficina Métodos Ágeis UDESC
Oficina Métodos Ágeis UDESC
Wildtech
 
Scrum
ScrumScrum
Métodos ágeis
Métodos ágeisMétodos ágeis
Métodos ágeis
Evandro Agnes
 
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Cristiano Schwening
 
Encontrando equilíbrio do DDD enquanto sua aplicação cresce
Encontrando equilíbrio do DDD enquanto sua aplicação cresceEncontrando equilíbrio do DDD enquanto sua aplicação cresce
Encontrando equilíbrio do DDD enquanto sua aplicação cresce
Carolina Karklis
 
[DevDay2018] Arquitetura de Software num cenário de incertezas - Arquitetura ...
[DevDay2018] Arquitetura de Software num cenário de incertezas - Arquitetura ...[DevDay2018] Arquitetura de Software num cenário de incertezas - Arquitetura ...
[DevDay2018] Arquitetura de Software num cenário de incertezas - Arquitetura ...
André Paulovich
 
O que é SCRUM
O que é SCRUMO que é SCRUM
Treinamento Ágil / Scrum
Treinamento Ágil / ScrumTreinamento Ágil / Scrum
Treinamento Ágil / Scrum
Alessandro Rodrigues, CSM, SFC
 
Aula03 04 agile_scrum_xp
Aula03 04 agile_scrum_xpAula03 04 agile_scrum_xp
Aula03 04 agile_scrum_xp
Joaquim Lopes Júnior
 
Scrum: Uma Nova Abordagem No Desenvolvimento De Software Face À Demanda...
Scrum: Uma Nova Abordagem No Desenvolvimento De Software Face À       Demanda...Scrum: Uma Nova Abordagem No Desenvolvimento De Software Face À       Demanda...
Scrum: Uma Nova Abordagem No Desenvolvimento De Software Face À Demanda...
Luiz Lemos
 
Gestao Agil de Projetos com Scrum
Gestao Agil de Projetos com ScrumGestao Agil de Projetos com Scrum
Gestao Agil de Projetos com Scrum
Rafael Ramos
 
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Dextra Sistemas: A linguagem PHP no modelo de Fábrica de Software
Dextra Sistemas: A linguagem PHP no modelo de Fábrica de SoftwareDextra Sistemas: A linguagem PHP no modelo de Fábrica de Software
Dextra Sistemas: A linguagem PHP no modelo de Fábrica de Software
Dextra
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Marcos Garrido
 

Semelhante a Métodos Ágeis (20)

Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
 
Palestra scrum
Palestra scrumPalestra scrum
Palestra scrum
 
Scrum na sua Empresa
Scrum na sua EmpresaScrum na sua Empresa
Scrum na sua Empresa
 
Utilizando metologias ágeis com VSTS: Scrum e XP, YES WE CAN! (ALM204)
Utilizando metologias ágeis com VSTS: Scrum e XP, YES WE CAN! (ALM204)Utilizando metologias ágeis com VSTS: Scrum e XP, YES WE CAN! (ALM204)
Utilizando metologias ágeis com VSTS: Scrum e XP, YES WE CAN! (ALM204)
 
XP - Extreme Programming
XP - Extreme ProgrammingXP - Extreme Programming
XP - Extreme Programming
 
Scrum para Desenvolvimento Interno e Produtos de Software
Scrum para Desenvolvimento Interno e Produtos de SoftwareScrum para Desenvolvimento Interno e Produtos de Software
Scrum para Desenvolvimento Interno e Produtos de Software
 
Oficina Métodos Ágeis UDESC
Oficina Métodos Ágeis UDESCOficina Métodos Ágeis UDESC
Oficina Métodos Ágeis UDESC
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 
Métodos ágeis
Métodos ágeisMétodos ágeis
Métodos ágeis
 
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
 
Encontrando equilíbrio do DDD enquanto sua aplicação cresce
Encontrando equilíbrio do DDD enquanto sua aplicação cresceEncontrando equilíbrio do DDD enquanto sua aplicação cresce
Encontrando equilíbrio do DDD enquanto sua aplicação cresce
 
[DevDay2018] Arquitetura de Software num cenário de incertezas - Arquitetura ...
[DevDay2018] Arquitetura de Software num cenário de incertezas - Arquitetura ...[DevDay2018] Arquitetura de Software num cenário de incertezas - Arquitetura ...
[DevDay2018] Arquitetura de Software num cenário de incertezas - Arquitetura ...
 
O que é SCRUM
O que é SCRUMO que é SCRUM
O que é SCRUM
 
Treinamento Ágil / Scrum
Treinamento Ágil / ScrumTreinamento Ágil / Scrum
Treinamento Ágil / Scrum
 
Aula03 04 agile_scrum_xp
Aula03 04 agile_scrum_xpAula03 04 agile_scrum_xp
Aula03 04 agile_scrum_xp
 
Scrum: Uma Nova Abordagem No Desenvolvimento De Software Face À Demanda...
Scrum: Uma Nova Abordagem No Desenvolvimento De Software Face À       Demanda...Scrum: Uma Nova Abordagem No Desenvolvimento De Software Face À       Demanda...
Scrum: Uma Nova Abordagem No Desenvolvimento De Software Face À Demanda...
 
Gestao Agil de Projetos com Scrum
Gestao Agil de Projetos com ScrumGestao Agil de Projetos com Scrum
Gestao Agil de Projetos com Scrum
 
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Dextra Sistemas: A linguagem PHP no modelo de Fábrica de Software
Dextra Sistemas: A linguagem PHP no modelo de Fábrica de SoftwareDextra Sistemas: A linguagem PHP no modelo de Fábrica de Software
Dextra Sistemas: A linguagem PHP no modelo de Fábrica de Software
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
 

Mais de Adriano Bertucci

Criando indicadores de time com VSTS e POWER BI
Criando indicadores de time com VSTS e POWER BICriando indicadores de time com VSTS e POWER BI
Criando indicadores de time com VSTS e POWER BI
Adriano Bertucci
 
DevOps... O caminho! - Monitoramento de aplicações com App Insights
DevOps... O caminho! - Monitoramento de aplicações com App InsightsDevOps... O caminho! - Monitoramento de aplicações com App Insights
DevOps... O caminho! - Monitoramento de aplicações com App Insights
Adriano Bertucci
 
Trabalhando com ALM na nuvem
Trabalhando com ALM na nuvemTrabalhando com ALM na nuvem
Trabalhando com ALM na nuvem
Adriano Bertucci
 
Server Plugins - Team Foundation Server
Server Plugins - Team Foundation ServerServer Plugins - Team Foundation Server
Server Plugins - Team Foundation Server
Adriano Bertucci
 
Microsoft ALM = Produtividade
Microsoft ALM = ProdutividadeMicrosoft ALM = Produtividade
Microsoft ALM = Produtividade
Adriano Bertucci
 
Métodos Ágeis - Aula 01
Métodos Ágeis - Aula 01Métodos Ágeis - Aula 01
Métodos Ágeis - Aula 01
Adriano Bertucci
 
Qualidade - Porque testar seu software?
Qualidade - Porque testar seu software?Qualidade - Porque testar seu software?
Qualidade - Porque testar seu software?
Adriano Bertucci
 
Qualidade de Software com Microsoft Visual Studio
Qualidade de Software com Microsoft Visual StudioQualidade de Software com Microsoft Visual Studio
Qualidade de Software com Microsoft Visual Studio
Adriano Bertucci
 
Novidades do Visual Studio 2013
Novidades do Visual Studio 2013Novidades do Visual Studio 2013
Novidades do Visual Studio 2013
Adriano Bertucci
 
DevOps
DevOpsDevOps
BaixadaTech 2012 - Qualidade de Software
BaixadaTech 2012 - Qualidade de SoftwareBaixadaTech 2012 - Qualidade de Software
BaixadaTech 2012 - Qualidade de Software
Adriano Bertucci
 
Qualidade de Software com Visual Studio 2012
Qualidade de Software com Visual Studio 2012Qualidade de Software com Visual Studio 2012
Qualidade de Software com Visual Studio 2012
Adriano Bertucci
 
Qualidade de software com Visual Studio ALM
Qualidade de software com Visual Studio ALMQualidade de software com Visual Studio ALM
Qualidade de software com Visual Studio ALM
Adriano Bertucci
 

Mais de Adriano Bertucci (13)

Criando indicadores de time com VSTS e POWER BI
Criando indicadores de time com VSTS e POWER BICriando indicadores de time com VSTS e POWER BI
Criando indicadores de time com VSTS e POWER BI
 
DevOps... O caminho! - Monitoramento de aplicações com App Insights
DevOps... O caminho! - Monitoramento de aplicações com App InsightsDevOps... O caminho! - Monitoramento de aplicações com App Insights
DevOps... O caminho! - Monitoramento de aplicações com App Insights
 
Trabalhando com ALM na nuvem
Trabalhando com ALM na nuvemTrabalhando com ALM na nuvem
Trabalhando com ALM na nuvem
 
Server Plugins - Team Foundation Server
Server Plugins - Team Foundation ServerServer Plugins - Team Foundation Server
Server Plugins - Team Foundation Server
 
Microsoft ALM = Produtividade
Microsoft ALM = ProdutividadeMicrosoft ALM = Produtividade
Microsoft ALM = Produtividade
 
Métodos Ágeis - Aula 01
Métodos Ágeis - Aula 01Métodos Ágeis - Aula 01
Métodos Ágeis - Aula 01
 
Qualidade - Porque testar seu software?
Qualidade - Porque testar seu software?Qualidade - Porque testar seu software?
Qualidade - Porque testar seu software?
 
Qualidade de Software com Microsoft Visual Studio
Qualidade de Software com Microsoft Visual StudioQualidade de Software com Microsoft Visual Studio
Qualidade de Software com Microsoft Visual Studio
 
Novidades do Visual Studio 2013
Novidades do Visual Studio 2013Novidades do Visual Studio 2013
Novidades do Visual Studio 2013
 
DevOps
DevOpsDevOps
DevOps
 
BaixadaTech 2012 - Qualidade de Software
BaixadaTech 2012 - Qualidade de SoftwareBaixadaTech 2012 - Qualidade de Software
BaixadaTech 2012 - Qualidade de Software
 
Qualidade de Software com Visual Studio 2012
Qualidade de Software com Visual Studio 2012Qualidade de Software com Visual Studio 2012
Qualidade de Software com Visual Studio 2012
 
Qualidade de software com Visual Studio ALM
Qualidade de software com Visual Studio ALMQualidade de software com Visual Studio ALM
Qualidade de software com Visual Studio ALM
 

Métodos Ágeis

  • 1. www.konia.com.br Métodos Ágeis Como trabalhar com engenharia de software sem perder a agilidade? Adriano Bertucci Consultor ALM – Konia Tecnologia Microsoft Visual Studio ALM MVP adriano.bertucci@konia.com.br @adrianobertucci
  • 2. www.konia.com.br O Que veremos?  Métodos Ágeis  Métodos Tradicionais  Dinâmica conceitual  Scrum  Dinâmica conceitual
  • 3. Como ganhar dinheiro resolvendo problemas que voce não conhece, com pessoas desconhecidas, em um tempo curto e com poucos recursos (e se www.konia.com.br Motivação divertindo)? Tradicional Nuvem privada Nuvem pública
  • 4. www.konia.com.br Relatório do Chaos (Chaos Report)
  • 5. www.konia.com.br Relatório do Chaos (Chaos Report)  Estudo do The Standish Group conclui (Chaos Report): Pesquisa sobre a utilização das funcionalidades do software ... Mais de 64% de um sistema de software quase nunca não é utilizado! DESPERDÍCIO!! !!
  • 7. Como tratamos desenvolvimento de software? www.konia.com.br
  • 8. www.konia.com.br Da para fazer diferente?
  • 9. Problemas do mundo de desenvolvimento  Métodos tradicionais/clássicos de desenvolvimento www.konia.com.br  Supõem que é possível prever o futuro  Pouca interação com os clientes  Ênfase em burocracias  (documentos, formulários, processos, controles rígidos, etc.)  Avaliação do progresso baseado na evolução da burocracia e não do código  Softwares  Grande quantidade de erros  Falta de flexibilidade
  • 10. www.konia.com.br Como resolver isso?  Melhores Tecnologias  Padrões de Projeto (reutilização de idéias)  Componentes (reutilização de código)  Middleware/frameworks (aumenta abstração)  Novas Metodologias Métodos Ágeis
  • 11. O que é desenvolvimento de software? www.konia.com.br Modelagem (Jacobson) Engenharia (Meyer) Disciplina (Humphreys) Poesia (Cockburn) Artesanato (Knuth) Arte (Gabriel) Erro comum: olhar para software como apenas um desses itens e ignorar os demais
  • 12. www.konia.com.br O que são métodos agéis? “Agile não é um conjunto de práticas, mas um conjunto de crenças e princípios” Jim Highsmith
  • 13. www.konia.com.br PRINCIPIOS Retorno de investimento Inovação Melhoria de processo Pessoas Cultura Comunicação Adaptação x Antecipação
  • 14. www.konia.com.br Manifesto ágil - histórico  Movimento iniciado por programadores experientes e consultores em desenvolvimento de software.  Questionam e se opõem a uma série de mitos e práticas adotadas em abordagens tradicionais de Engenharia de Software e Gerência de Projetos.  Manifesto Ágil:  Assinado por 17 desenvolvedores em Utah em fevereiro/2001.  http://agilemanifesto.org
  • 16. www.konia.com.br Um projeto ágil ideal…  O gerente de projeto concorda em prosseguir sem que todos os requisitos estejam bem definidos  Os desenvolvedores concordam em prosseguir sem ter todos os requisitos documentados  Os membros da equipe sabem que alguém vai ajudar quando ocorrerem problemas
  • 17. www.konia.com.br Um projeto ágil ideal…  Os gerentes percebem que não precisam dizer à equipe o que fazer, ou garantir o que vai ser feito  A equipe percebe que ninguém vai dizer o que fazer, isto faz parte do trabalho da equipe  Não existem mais a impressão de divisão (testers and programmers), todos são desenvolvedores
  • 19. www.konia.com.br O segredo da comunicação…
  • 20. www.konia.com.br O desafio de uma equipe auto organizada
  • 21. www.konia.com.br Premissas básicas do modelo tradicional  É necessário fazer uma análise de requisitos profunda e detalhada antes de projetar a arquitetura do sistema  É necessário fazer um estudo minucioso e elaborar uma descrição detalhada da arquitetura antes de começar a implementá-la  É necessário testar o sistema completamente antes de mandar a versão final para o cliente
  • 23. www.konia.com.br Mudança de postura! Tradicional Ágil Equipe Equipe Equipe Equipe GP Equipe Equipe Equipe Equipe GP Cross-funcional Auto-organização
  • 24. www.konia.com.br Iterativo e incremental Desenvolvimento monolítico Interface Cliente Servidor BD C Desenvolvimento incremental Iterativo = não espere ter tudo correto na primeira vez Incremental = construa em ”pedaços” verticais (features) ao invés de horizontais (camadas) Talvez não seja necessário construir o resto C Interface Cliente Servidor BD Ref: Henrik Kniberg
  • 26. IMPORTANTE!!! Metodologias ágeis são uma tentativa de refinar as metodologias iterativas, tirando o foco do processo em si e dando mais ênfase para a contribuição www.konia.com.br das pessoas
  • 27. Importante!!! Metodologias ágeis é uma febre? www.konia.com.br Uma onda passageira? É o início de uma mudança na forma de trabalho...
  • 28. www.konia.com.br O Paradoxo da multitarefa
  • 29. www.konia.com.br O Que muda?  Métodos tradicionais  O planejamento deve propiciar a prevenção de mudanças  Métodos ágeis  A mudança é incorporada ao escopo  Razões  Necessidades de negócio  Novas oportunidades  Mudanças de legislação  Requisitos incompletos
  • 30. www.konia.com.br O Que muda? Custo da mudança Intensidade e stress Tempo Tempo Tempo Entrega de valor Transparência Envolvimento do cliente Tempo Ref: Henrik Kniberg Ágil Tradicional
  • 31. www.konia.com.br Relatório do Chaos (Chaos Report)
  • 32. www.konia.com.br Principais métodos ágeis  Adaptative Software Development (ASD)  Crystal Clear (Crystal)  Extreme Programming (XP)  Scrum  Lean Software Development  Feature Driven Development (FDD)  Test Drive Development (TDD)  Kanban
  • 34. 5 motivos para NÃO usar métodos ágeis?
  • 35. Qual projeto de software possui todos os requisitos definidos (corretamente) www.konia.com.br Motivo 1 Não preciso de ciclos iterativos no início? Eu sei e defino todos os requisitos no início do projeto
  • 36. www.konia.com.br Motivo 2 O cliente descobre o que quer ao longo do caminho Os objetivos do meu projeto estão muito claros desde o início
  • 37. www.konia.com.br Motivo 3 Qual projeto de software envolve baixa incerteza? Meu projeto envolve baixa incerteza
  • 38. Em qual projeto de software consigo ter estimativas precisas? www.konia.com.br Motivo 4 Minha estimativa está toda definida e com índice de erro muito baixo
  • 39. www.konia.com.br Praticando… PRODUÇÃO X PRODUTIVIDADE Analista Projetista Programador Testador Cliente Æ OE Ref: Luiz Cláudio Parzianello
  • 40. www.konia.com.br Praticando… PRODUÇÃO X PRODUTIVIDADE Pequenos Lotes Æ … Æ Æ OE Æ … Æ OE Æ OE ™ Æ OE … ÆÆ OEOE ™™ … Ref: Luiz Cláudio Parzianello Æ Æ OE Æ OE ™ … … … … Grandes Lotes
  • 41. www.konia.com.br Praticando… PRODUÇÃO X PRODUTIVIDADE  Qual é o arranjo logístico mais rápido?  Qual equipe apresentou o maior esforço por projeto?  Quais as vantagens de cada abordagem?  Quais as desvantagens de cada abordagem?  Qual a justificativa para manter os grandes lotes?
  • 42. SCRUM
  • 44. Scrum foi criado no início da década de 1990 por Jeff Sutherland e Ken Schwaber, nos EUA www.konia.com.br Os pais da criança Ken Schwaber Jeff Sutherland
  • 45. www.konia.com.br O que é SCRUM?  Um processo iterativo e incremental para o gerenciamento de projetos de desenvolvimento de produtos (especialmente software).  Mais um framework que uma metodologia.  Mais Atitude que uma processo. Cultura Auto-Gerenciamento, time multi-disciplinar, envolvimento do cliente, comprometimento, papéis, entregas frequentes, liderança, colaboração, Respeito, etc.
  • 46. Beleza, mas como o SCRUM roda?
  • 49. www.konia.com.br Ênfase: processo empírico  Princípio  Características desconhecidas  Prioridades devem ser consideradas  Escopo irá mudar!  Essência do SCRUM  Inspeção • Verificar o que foi feito no período  Adaptação • Melhorar o processo  Planejar  Planejar o sprint  Desenvolver  Realizar o sprint  Inspecionar (check)  Sprint review e retrospectiva  Adaptar  Lições para o próximo planejamento PLAN DO ACT CHECK
  • 50. www.konia.com.br O uso do SCRUM Ref.: 3rd Annual ”State of Agile Development” Survey June-July 2008 3061 respondentes, 80 países
  • 51. www.konia.com.br O SCRUM possui 3 papéis.
  • 52. www.konia.com.br Equipe de desenvolvimento  Auto gerenciáveis  “Sem títulos” definidos  TODOS são desenvolvedores
  • 53. www.konia.com.br Product Owner  Responsável por Maximizar o ROI  Gerencia as demandas  Prioriza as tarefas  Garante o entendimento das tarefas  Apenas UMA pessoa
  • 54. www.konia.com.br Scrum Master  Líder Servidor  Remover impedimentos  Proteger a equipe
  • 55. www.konia.com.br SCRUM Master NÃO É Gerente de Projetos
  • 56. www.konia.com.br Não delega tarefas; Não define responsabilidades;
  • 57. www.konia.com.br Macro fases  Pregame  Planejamento  Desenho e alto nível da  Arquitetura  Modelo Abrangente  Game  Sprints (Modelagem incremental, desenvolvimento, revisões e ajustes)  Postgame  Fechamento (Agrupamento da Documentação, Treinamento, Lições Aprendidas)
  • 62. www.konia.com.br Business value - ROI  Business Value será uma moeda de troca durante o projeto e o cliente empresta um determinado valor dessa moeda para a equipe e esta por sua vez, terá que devolver o valor correspondente em forma de software, ou seja, é uma dívida que a equipe assume com o cliente e que deverá ser amortizada a cada ciclo(Sprint), até que a mesma seja totalmente liquidada (zerada).
  • 63. www.konia.com.br User stories  User stories  Identificação de atores envolvidos  Como um [papel do usuário] quero [funcionalidade] para [valor de negócio]  I.N.V.E.S.T. (independente, negociável, valorizável, estimável, small e testável)  Quebrar grandes e juntar pequenas  Definição do conceito de DONE (testes)  Diferentes perspectivas  Prioridades das user stories  Valor entre 1 e 150?  Deve ter  Deveria ter  Poderia ter
  • 64. www.konia.com.br Priorização e classificação do backlog
  • 65. www.konia.com.br Tarefas Administrate users User admin Register new user User admin Find user User admin 2 Edit existing user User admin Delete user Write failing test Do GUI design Do integration test Create DB schema Write server-side logic Write form validation Dividir Quebrar em tarefas durante a reunião de sprint planning 13 5 3 8 Ref: Henrik Kniberg
  • 66. www.konia.com.br Os objetivos SMART de uma Sprint
  • 67. www.konia.com.br ESTIMATIVAS  Estimativas  Tempo e/ou complexidade?  Fibonacci  1, 2, 3, 5, 8, 13, 21…  Planning poker  As duas estratégias de uso de planning poker  Jogar as cartas para cada estória  Colocar cada estória embaixo de uma carta  Algumas práticas utilizadas:  Pontos para funcionalidades e horas para tarefas  1-day tasks (máximo 2 e mínimo 1/2)  Considerar tarefas como teste, pesquisas, documentação, etc.
  • 69. Velocidade da sprint – o que teremos? www.konia.com.br  Técnicas de estimativas  Instinto, sentimentos e percepções  O cálculo de velocidade pode ser baseado:  HOMEM DIA DISPONIVEL * FATOR FOCO = VELOCIDADE
  • 70. www.konia.com.br O dia a dia do scrum ScrumMaster e Equipe Dia-a-dia do SCRUM Sprint 2 semanas a 4 semanas Daily meetings (Daily Scrum) Impedimentos Obstáculos ao trabalho da equipe Manter a taskboard Burndown Tarefas e estimativas Tarefas não-planejadas
  • 75. www.konia.com.br Daily meetings Daily Meetings (Daily Scrum) Reunião diária de 15 minutos Mantém equipe informada e O que você fez ontem? O que pretende fazer para amanhã? Quais são seus impedimentos? Questões técnicas No final da reunião Não se resolve problema, apenas se identifica
  • 76. www.konia.com.br Sprint review  Cliente, PO, SM e Team  Apresentação do produto  Foco no QUE foi feito e não COMO foi feito  Aceite formal e feedback do cliente  Melhoria na forma de priorização?
  • 77. www.konia.com.br Próxima sprint  Lições aprendidas  Alimentam o próximo sprint  Velocidade da equipe  Erros x acertos  Previsto x realizado  Fator de foco da equipe  Repositório de lições  Disseminação na empresa  Usar parte do sprint anterior para planejar o próximo sprint Lições aprendidas
  • 78. www.konia.com.br Praticando Scrum  Fábrica de Aviões
  • 79. Science to Business Copyright – Direitos autorais Copyright © 2011-2014 Konia Tecnologia. Este documento é inédito e a advertência precedente é fixada para proteger Konia Tecnologia. no caso de publicação não autorizada. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida em qualquer forma, inclusive fotocópia ou transmissão eletrônica para qualquer computador, sem autorização prévia por escrito de Konia Tecnologia. As informações contidas neste documento são confidenciais e propriedade da Konia Tecnologia. e não podem ser usadas ou reveladas exceto quando expressamente autorizado por escrito por Konia Tecnologia. Adriano Bertucci Consultor ALM – Konia Tecnologia Microsoft Visual Studio ALM MVP adriano.bertucci@konia.com.br @adrianobertucci

Notas do Editor

  1. Objetivo da apresentação: Apresentar e discutir soluçoes para o desenvolvimento de aplicacoes modernadas, baseado em estratégias empresarias modernas, com foco economia, agilidade e escala Falar: Desenvolvimento Aplicações hoje Infraestrutura para manter um ciclo de desenvolvimento Gestão moderna Soluçao de gestao: Visual Studio ALM Solucao de infraestrutura: Nuvem (Windows Azure) Vantagens e o porque cloud?
  2. Era uma vez um consumidor. Um consumidor moderno. Como você! CLIQUE Este ser humano deseja trabalhar, se divertir e consumir informação e usa muitos dispositivos. Cada vez mais. Um americano adulto hoje usa em média 4 dispositivos conectados. Estamos vivendo uma explosão de dispositivos CLIQUE Estes dispositivos consomem aplicações modernas. Twitter, Facebook, Instagram. De simples a complexas. Cada usuário de iPhone investe em torno de 84 minutos por dia nas aplicações e têm no seu iPhone de 80 a 100 aplicações instaladas Estas aplicações geram e consomem uma quantidade crescente de dados. Este ano calendário o IDC estima que existam 2.7ZB (1ZB = 1 billion terabytes) um crescimento de 48% em um ano podendo chegar a 8ZB em 2015 Estes dispositivos, aplicações e dados consomem uma quantidade crescente de serviços que obvimente rodam em servidores, nas configurações tradicinais (on premise, client server e mainframe) e as mais modernas public & private clouds. Só que existe a volta neste caminho. Milhões de usuários que usam dispositivos modernos podem ser encontrados com precisão por técnicas modernas de advertising que usam as apps como veículo. Isto é uma parte importante das estratégias de online advertising que podem acelerar o market share do advertising online versus as midias tradicionais como jornais, revistas, Tv e Rádio.
  3. Aumento de sucesso a partir de 2001
  4. Outro ponto que precisamos ficar atentos além da todo suporte a infraestrutra é o modelo de gestão de todo ciclo de desenvolvimento, aplicando um modelo de gestão moderna.
  5. Outro ponto que precisamos ficar atentos além da todo suporte a infraestrutra é o modelo de gestão de todo ciclo de desenvolvimento, aplicando um modelo de gestão moderna.
  6. A origem do termo scrum vem do esporte rúgbi, onde scrum define a aglomeração dos jogadores, muitas vezes vista como "formação ordenada". No scrum, 8 jogadores de cada time estão frente a frente e têm que fazer um esforço para recuperar a bola que se encontra no meio do "aglomerado".
  7. Outro ponto que precisamos ficar atentos além da todo suporte a infraestrutra é o modelo de gestão de todo ciclo de desenvolvimento, aplicando um modelo de gestão moderna.
  8. ACT = AGIR
  9. Product Owner e Cliente Visão do produto Requisitos funcionais e não funcionais Restrições e User stories (prática do XP) Criação do product backlog Conjunto de funcionalidades do sistema Priorização das funcionalidades Preparação da base necessária para o desenvolvimeto Mecanismos de comunicação e coordenação Formação das equips Product Owner e Cliente Visão do produto Requisitos funcionais e não funcionais Restrições e User stories (prática do XP) Criação do product backlog Conjunto de funcionalidades do sistema Priorização das funcionalidades Preparação da base necessária para o desenvolvimeto Mecanismos de comunicação e coordenação Formação das equips User stories Identificação de atores envolvidos Como um [papel do usuário] quero [funcionalidade] para [valor de negócio] I.N.V.E.S.T. (independente, negociável, valorizável, estimável, small e testável) Quebrar grandes e juntar pequenas Definição do conceito de DONE (testes) Diferentes perspectivas Prioridades das user stories
  10. FATOR FOCO é onde uma estimativa de como a equipe é focada para achar o fator foco, então o calculo para encontrar esse “fator foco” HOMEM DIA Camilo: 20 dias João: 20 dias Maria: 10 dias 50 homens-dia disponiveis