SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Centro Técnico de Educação Profissional


        Curso Técnico em Mineração




         Mecânica das Rochas




          Professora Érika Mendes




                Miraí – MG

               Maio – 2012
Centro Técnico de Educação Profissional


        Curso Técnico em Mineração




         Mecânica das Rochas




                             Trabalho   apresentado    pelo   aluno
                             Thiago     de   Meira    Rezende    à
                             professora Érika Mendes da disciplina
                             Mecânica Aplicada.




                Miraí – MG

               Maio - 2012
Introdução à Mecânica das rochas




       A Mecânica das rochas refere-se ao comportamento mecânico das mesmas,
incluindo os maciços rochosos que visa estudar as rochas no que diz respeito aos
campos de forças externas a que estão sujeitos no seu ambiente natural ou físico. Na
mineração possui como alvo principal a escavação. Sendo que este campo estar
relacionado mediante a escavação de uma abertura produzida por meios mecânicos.

       Sabendo-se que este processo é de suma importância na área da mineração, pois
a rocha é considerada o principal material de construção e também o principal produto
do processo de escavação.
Estados de tensões nos maciços rochosos
       O conhecimento do estado de tensões em maciços rochosos é de fundamental
importância para os trabalhos envolvendo a mineração.




       Os maciços rochosos estão relacionados mediante a junção de uma rocha,
descontinuidades e água. Estes são os principais componentes inseridos no universo dos
maciços rochosos que tem como função primordial alterar o comportamento no seu
ambiente natural ou físico.

        As tensões estão relacionadas à tendência de deslocamento relativo das
partículas de um corpo visando alterações externas no interior da rocha. O estado de
tensão no interior de um maciço rochoso varia frequentemente no que diz respeito aos
vários ângulos do mesmo, ou seja, a direção dos componentes essenciais que o definem
e o transformam completamente.

       As tensões podem ser divididas em:

       Tensões Naturais – São aquelas que existem nas rochas por efeito de algum tipo
       condicionante anterior, ou seja, efeito gravitacional, estrutural, dentre outros.
Tensões Induzidas – Estão associadas com perturbações artificiais, ou seja,
escavação, perfuração, dentre outros. É importante ressaltar que na escavação
ocorre uma profunda modificação no estado natural de tensões devido a
redistribuição no maciço realizado com a pressão e, consequentemente,
ocorrendo ruptura ocasionada com os esforços praticados.
Estimação e medição




        A caracterização de um maciço rochoso a partir da sua deformabilidade é um
dos principais problemas que qualquer estudo geotécnico deve enfrentar caso desejam-
se realizar cálculos tensão-deformação para a execução e desenho de estruturas.

       Através de pesquisas, notei que a natureza do maciço rochoso é muito complexa,
pois, são necessárias ferramentas teóricas que permitem estimar, medir, analisar e
controlar o seu comportamento.




       Devido ao fato abordado no parágrafo anterior, com o objetivo fundamental de
resolver esse problema, são idealizados, por especialistas, modelos teóricos que só
conseguem analisar um determinado processo em um tempo e um espaço determinado,
no qual o bom senso e a experiência prática são partes importantes.

       É importante sabermos que uma amostra de rocha intacta em laboratório é muito
menor que um maciço rochoso que, muitas vezes contem certo número de planos de
fraqueza. Devido a isso, o comportamento mecânico do maciço rochoso é bastante
diferente do material ensaiado no laboratório. Para determinar os parâmetros que
caracterizam os maciços rochosos têm-se três possibilidades a considerar: estimar os
valores in situ dos resultados obtidos no laboratório, utilizar correlações empíricas e
executar in situ.
Antes de fazer uma revisão das principais técnicas de medida, é necessário
lembrar algumas definições básicas que são importantes no momento de escolher
alguma técnica de medição, principalmente no que diz respeito à Matriz rochosa e às
Descontinuidades.

        O maciço rochoso é meio não homogêneo e descontínuo cujas propriedades
resistentes e deformacionais não podem ser medidas no laboratório, pois existe uma
diferença muito apreciável entre os valores que se obtém nos ensaios de laboratório e os
que se obtém dos ensaios realizados in situ, diferença que é conseqüência do volume
afetado em cada caso e que é conhecido como efeito de escala. O efeito escala é a
conseqüência mais importante do caráter heterogêneo e descontínuo dos maciços
rochosos.

        Os parâmetros geomecânicos de descontinuidades podem ser determinados
estimativamente, por ocasião do mapeamento geológico-geotécnico de superfície ou a
partir de testemunhos de sondagens rotativas.
Fluxo em maciço rochoso




    O fluxo de água subterrânea geralmente altera a condição de estabilidade dos
taludes. As principais razões para este fato são:

       Variação da pressão que atua nas superfícies de descontinuidades, ocasionando a
redução da resistência ao cisalhamento existente, e originando forças ativas que tendem
a induzir as rochas ao deslizamento;

       Alteração da textura e estrutura da rocha ou mesmo destruição e alteração do seu
grau de coesão ou consistência;

       Destruição, transporte ou mudança do grau de coesão do material de
       preenchimento.




    De acordo com Hoek e Bray ( 1981 ), há duas maneiras de se obter os dados
relativos às distribuições de pressão da água dentro do maciço rochoso:


       A dedução do padrão de fluxo de água subterrânea a partir da avaliação da
       permeabilidade do maciço rochoso e da avaliação das fontes de água;

       Medida direta dos níveis de água em furos de sonda ou poços, ou a medida da
       pressão de água através de piezômetros instalados nos furos de sonda.
Pode-se dizer que as hipóteses clássicas para a análise do fluxo de água subterrânea
em taludes em rocha são:

       O fluxo ocorre somente através de fissuras ou descontinuidades, e a
       permeabilidade da rocha é considerada insignificante, como primeira
       aproximação.
       O movimento do fluxo é laminar. Condições de fluxo turbulento somente
       ocorrem quando existem valores muito grandes em relação à abertura das
       descontinuidades e gradientes hidráulicos mais altos do que os normais.




        O fluxo de água através de microfraturas da rocha e o fluxo turbulento em
fissuras com superfícies rugosas são dois fenômenos que podem também ocorrer,
quando existem problemas de estabilidade de taludes em rocha.

        Quando as rochas são solúveis, as falhas e/ou fraturas ocasionam a formação de
cavernas ao longo da zona de falhamento. Isto também pode ocorrer em rochas não
solúveis, como um resultado da lavagem de rocha triturada e da abertura de fraturas de
tração, oblíquas ao plano de falha, consideradas um sub-produto do movimento ao
longo da superfície de falhamento. Em ambos os casos, identificam-se situações que
propiciam a formação de zonas instáveis, localizadas na região em que são identificados
os falhamentos e/ou fraturamentos.
Modelos de fluxo em maciços rochosos

      Segundo Louis ( 1976 ), são cinco grupos de maciços rochosos, classificados
segundo sua textura, estrutura e imperfeições.

      Meio poroso, predominantemente homogêneo, contendo somente poros
      pequenos;



      Meio fraturado poroso, onde as fissuras determinam o comportamento
      hidráulico do maciço rochoso;



      Meio poroso contendo barreiras impermeáveis onde as descontinuidades são
      preenchidas por material composto de partículas impermeáveis;



      Meio poroso com pequenos canais em que descontinuidades preenchidas por
      material impermeável contêm canais através dos quais a água pode fluir;



      Meio cárstico contendo passagens largas e cavernas de várias formas
      geométricas, criadas pela dissolução e remoção da rocha pelo fluxo de água
      subterrânea.
Classificação geomecânica do maciço rochoso
      Os principais objetivos do sistema de classificação são:

             Identificar os principais parâmetros que influenciaram o comportamento
             do maciço rochoso;

             Dividir uma formação rochosa particular em zonas de comportamento
             similar;

             Compreender as características de cada maciço rochoso;

             Relatar condições de um maciço em um local com experiência e
             encontrada em outros;

             Obter dados quantitativos e orientações para o projeto;

             Prover uma base comum para a comunicação em diversas áreas.

        As classificações gemomecânicas do maciço rochoso variam de acordo com a
função da classe definida para o maciço mediante determinados parâmetros, além da
estrutura mais adequada de sustentação.

       São considerados sistemas simples, baratos e práticos. Fornece o tipo e a
quantidade de suporte necessário para estabilizar a escavação subterrânea, lê-se
empírico.

       O objetivo de uma classificação geomecânica é processar ou codificar
informações sobre as propriedades do material rochoso, características de
descontinuidades e geometria de escavação para obter valores representativos que
propiciem ou evidenciem uma base racional para decisões acerca dos trabalhos
referentes às rochas.
Pode obter-se, também, uma estimativa do comportamento do maciço, além de
avaliar a quantidade do mesmo levando em consideração características que vão muito
além do que uma simples análise da resistência a compressão da rocha intacta e,
envolvendo, uma correlação ou comparação das características de um local com
características e experiências com outros locais em que se encontram os maciços
rochosos.




       Devido às pesquisas realizadas,    percebi, que as empresas de mineração têm
desenvolvido classificações específicas   para o maciço em particular. Neste sentido,
existem atualmente diversos softwares     que auxiliam nesta análise. Mas que só são
efetivos quando o usuário conhece          as características do maciço através de
instrumentação adequada.
Ações dinâmicas sobre as rochas
        Sabemos que o relevo corresponde ao conjunto de formação apresentadas pela
litosfera. Essas formas são definidas pela estrutura geológica combinada com as ações
da dinâmica interna e externa da Terra.




       A estrutura geológica diz respeito ao tipo de rocha, lê-se magmática, sedimentar
e metamórfica, bem como à idade que elas apresentam, lê-se mais antigas ou mais
recentes. As características das rochas condicionam a ação dos fatores modificadores do
relevo que são os agentes de erosão.
Os fatores internos são responsáveis pela elevação ou rebaixamento da superfície da
crosta terrestre os fatores externos, por sua vez, causam modificações nessa superfície.

       Internos: tectonismo, vulcanismo e abalos sísmicos;




       Externos: intemperismos, águas correntes, vento, mar, gelo, seres vivos, entre
       outros.
Fatores internos: as pressões do magma

       Os fatores internos do relevo têm sua origem nas pressões que o magma exerce
sobre a crosta terrestre. Essas pressões podem provocar vulcanismo e outros fenômenos
chamados tectônicos, como a formação de dobras e fraturas e a criação montanhas.




        A diferença entre a temperatura do magma, uma substância quentíssima e por
isso fluida, a temperatura da crosta, que é mais baixa, pode resultar em dois fenômenos:
em algumas regiões o magma extravasa para a superfície, pelos vulcões, sob a forma de
lavas; em outras, é a crosta que se transforma novamente em magma. "sugada" para o
interior do manto. Essa troca de calor, como vimos, é denominada movimento de
convecção.




       Tais fenômenos ocorrem com maior intensidade nas zonas de contato das placas
tectônicas, que formam a crosta terrestre. Essa placas que compõem a litosfera, são
encontradas tanto nos continentes quanto sobre o mar. E a partir de rachaduras abertas
na crosta terrestre pela força sua pressão que o magma se movimenta realiza seu
trabalho de construção e destruição, ou seja, pratica a sua ação dinâmica.

        Em geral, as chamadas montanhas recentes apresentam intensa atividade
sísmica e vulcanismos, justamente porque estão no limite de destruição das placas
tectônicas.

        Tanto nas zonas de construção como nas zonas de destruição, além da ocorrência
de terremotos e vulcanismos é comum o aparecimento de dobras ou fraturas.

        As dobras ocorrem em rochas frágeis e mais ou menos plásticas, enquanto as
fraturas se formam em rochas mais resistentes ou rijas. Se os blocos fraturados não se
deslocarem uns em relação aos outros, dizemos que se formam juntas. Quando, ao
contrário, os blocos se afastam uns dos outros, terão ocorrido falhas.

      A grande ocorrência de dobras e falhas explica a formação de várias cadeias de
montanhas sobre a crosta — antigas e recentes. Dizemos que as dobras e falhas são
movimentos orogenéticos, ou seja, criadores de montanhas.

Fatores externos: a erosão da superfície

        Os fatores externo são as chuvas, a água corrente, o vento, o gelo, o calor, além
da própria gravidade, que desgastam e modificam o relevo terrestre, tendendo a
uniformizá-lo. Isso só não ocorre por causa da dinâmica, isto é, a atuação dos fatores
internos. Além disso, o desgaste das formas de relevo está associado à maior ou menor
resistência da rocha à erosão. As rochas sedimentares, por exemplo, formadas por
sedimentos originários de outras rochas, geralmente dispostos em camadas, são menos
resistentes à erosão que as rochas magmáticas, originárias da solidificação do magma, e
as metamórficas, que são rochas transformadas por variações de pressão e temperatura.
O aplainamento da superfície terrestre principia com os processos
intempéricos, que podem ser físicos ou químicos. Entre os agentes físicos destaca-se o
calor, ou melhor, as variações de calor, que provocam desagregação da rocha por
sucessiva dilatação e contração. Essa forma de intemperismo é típica das regiões áridas
e semi-áridas, em que há grandes variações de temperatura entre o dia e a noite. Entre os
agentes químicos, o principal é a água, que, dependendo da rocha, pode dissolver alguns
de seus minerais. Sua ação pode ser mais sentida nos climas úmidos.

       O intemperismo é seguido nela erosão, transporte e sedimentação, ou seja,
deposição dos sedimentos nas áreas mais baixas do terreno. Isso é feito pelos agentes
externos, que podem ser a água das chuvas, dos mares ou dos rios, o gelo, o vento, além
da própria gravidade, por meio de desmoronamentos.

       As regiões que há muito tempo não sofrem a influência dos fatores internos
apresentam de relevo consideradas antigas, geralmente suaves, pois já foram muito
desgastadas pela erosão.

As formas de relevo

       Dependendo da atuação de agentes internos e externos, o relevo pode apresentar
diversas formas. As principais são: montanhas, planaltos, planícies e depressões.
Comportamento, tensão, deformação
        Devido ao dinamismo interno da crosta terrestre, as rochas que integram a
litosfera estão sujeitas a tensões que são forrças exercidas por unidade de área,
resultantes dos movimentos tectônicos.

       Estas tensões podem ser compressivas, distensivas ou de cisalhamento. As
tensões compressivas estão associadas a forças convergentes; as tensões distensivas
estão associadas a forças divergentes; e, por fim, as tensões de cisalhamento estão
associadas a movimentos paralelos das rochas em sentidos contrários.




      Tensão                             Tensão                           Tensão de

  Compressiva                          Distensiva                      Cisalhamento




    Quando nas rochas atuam estados de tensões, o comportamento das mesmas podem
sofrer deformações que são reversíveis ou elásticas e irreversíveis ou plásticas.



       Comportamento Elástico – É reversível, pois o material deforma, mas quando a
       tensão cessa, recupera a sua forma ou volume inicial e verifica-se quando a força
       aplicada sobre a rocha não ultrapassou o seu limite de elasticidade.
Comportamento Plástico – É permanente, pois o material fica deformado sem
           rompimento e verifica-se quando a força aplicada sobre a rocha é superior ao seu
           limite de elasticidade e inferior ao limite de plasticidade.



Tensão




           Elástica                      Plástica                        Frágil           Deformação


           Os materiais, quando sujeitos a tensões, apresentam diferentes comportamentos
    de natureza frágil e de natureza dúctil. Uma mesma rocha sujeita a condições de pressão
    e temperatura distintas, pode apresentar comportamentos diferenciados.

         Estado de Tensão           Comportamento Frágil         Comportamento Dúctil
           Compressivo                  Falha inversa                   Dobra
            Distensivo                  Falha normal                 Estiramento
            Cisalhante              Falha de desligamento           Cisalhamento


           Os limites tectônicos são zonas onde existem grandes pressões e,
    consequentemente, os materiais sofrem profundas pressões. Com o aumento da
    temperatura, o limite de elasticidade dos materiais aumenta, tornando-se mais dúcteis. A
    temperatura é superior, devido ao fato dos materiais serem mais plásticos do que à
    superfície.

           Na superfície, como a pressão e a temperatura são menores, apresenta-se um
    comportamento elástico, seguido de ruptura. Alguns estudos afirmam que a deformação
    ocorre em regime frágil.
É importante ressaltar que os regimes dúcteis e frágeis estão associados,
respectivamente, a dobras e falhas.

        As falhas são deformações associadas a comportamentos frágeis do material
geológico. Correspondem a superfícies de fratura ao longo das quais ocorreram
movimentos relativos entre os dois blocos que separam. Surgem quando o limite de
plasticidade das rochas é ultrapassado e estão, muitas vezes, associadas a sismos.

      Sendo que os tipos de falhas são:




Falha Normal                     Falha                        Falha inversa ou
                              Horizontal ou                    de empurrão
                              Transcorrente


        Enquanto, as dobras são deformações associadas a comportamentos dúcteis das
rochas, em regimes compressivos. Correspondem a encurvamentos de camadas
anteriormente planas. As dobras ocorrem dentro do limite de plasticidade das rochas.
Assim como nas falhas é possível descrever as dobras tendo em conta certos elementos
caracterizados da sua geometria.

      Sendo que as dobras podem ser caracterizadas dos seguintes elementos:
Resumindo: Comportamento em detalhes




De acordo com o tipo de tensão e resistência de deformação, as rochas
apresentam diferentes comportamentos.
Tempo de rochas e maciços rochosos




    Os três grandes ambientes geológicos geradores de rochas, também ditos
petrogénicos são:

       ambiente magmático;
       ambiente sedimentar;
       ambiente metamórfico.

   As principais diferenças entre eles são definidas em termos de:

       pressão
       temperatura
       composição química

    A estes ambientes correspondem respectivamente, as rochas magmáticas, as rochas
sedimentares e as rochas metamórficas.

Ambiente Magmático

   O ambiente magmático caracteriza-se geralmente por:

   a. Temperaturas elevadas (acima dos 800ºC);
b. Pressões muito variadas, desde muito baixas, no caso do Vulcanismo, a muito
      altas, no caso do Plutonismo, ocorrido no interior da Litosfera, variando num
      intervalo que reflete as diferentes profundidades a que pode ocorrer;

   c. Variações de composição química, considerada restrita em comparação com ou
      outros ambientes.

Ambiente Sedimentar

   É praticamente o ambiente existente à superfície da Terra, caracteriza-se por:

   a. Baixos valores de temperatura e pressão;

   b. Grande variabilidade na composição química dos materiais;

   c. Proporcionar grandes transformações químicas, tais como a oxidação,
      carbonatação, hidrólise e a hidratação.

Ambiente Metamórfico

       É caracterizada por um grande intervalo de pressões e temperaturas.

       O metamorfismo pode ser essencialmente térmico - Metamorfismo de Contato,
ou essencialmente dinâmico - Metamorfismo Regional estreitamente ligado com a
formação das cadeias montanhosas.

      Quanto à temperatura os valores não excedem, em regra, os 800ºC (valor que
marca o início da fusão de parte dos minerais, isto é o começo do magmatismo). O
ambiente metamórfico tem lugar em meio essencialmente sólido.



Ciclo das Rochas ou Ciclo Petrogénico

      As rochas geradas num determinado ambiente geológico são estáveis enquanto
permanecem nesse mesmo ambiente. Uma mudança nas condições do ambiente
induzem a transformações mais ou menos lentas de modo a que as rochas se adaptem e
fiquem estáveis nessas novas condições.

       As principais alterações são as da sua textura e a criação de novos minerais de
acordo com o novo ambiente, a partir da destruição de outros que mediante as novas
condições deixam de ser estáveis. Por exemplo, muitos dos minerais das rochas que se
formam em zonas profundas da litosfera alteram-se quando chegam à superfície, dando
origem a outros minerais que vão participar na formação das rochas sedimentares. Estas
rochas, com o decorrer do tempo geológico podem ser sujeitas a novas condições
termodinâmicas, originando rochas metamórficas e mesmo magmáticas quando há fusão
do material.
Podemos dizer que as rochas dependem umas das outras e que ao longo do
tempo se transformam umas nas outras, dando lugar aos diferentes tipos litológicos ou
petrográficos.

       A litosfera é a zona da Terra onde se dão os processos internos, a grande
profundidade e que consomem energia vinda do interior do Globo, tais como o
magmatismo, incluindo o vulcanismo, o metamorfismo e outras ações que resultam em
deformações da crosta (dobramentos e falhas) e deslocações da litosfera - são os
chamados fenômenos geodinâmicos internos ou endógenos.

Os processos que ocorrem à superfície ou na película mais externa da crosta terrestre e
que consomem energia exterior ao nosso planeta, principalmente energia solar, são
chamados fenômenos geodinâmicos externos ou exógenos.

       A partir do magma por arrefecimento, solidificação e cristalização originam-se
as rochas magmáticas ou ígneas que por processos de levantamento podem chegar à
superfície onde ficam sujeitas aos processos geodinâmicos externos (meteorização,
erosão, transporte e sedimentação) originando-se sedimentos.

        Posteriormente, estes sedimentos são sujeitos a processos físico-químicos que
conduzem à formação de rochas sedimentares. O conjunto desses processos denomina-
se por diagénese. À medida que estas rochas ou os sedimentos vão atingindo zonas mais
profundas da litosfera, por subsidência ou por subducção, a temperatura e a pressão
aumentam dando-se então inicio a processos metamórficos com geração de rochas
metamórficas. Com a continuação do aumento de pressão e temperatura, as rochas
podem fundir dando origem a um magma, completando assim o ciclo.

       Dentro deste ciclo existem ciclos mais pequenos, como se pode ver na figura
abaixo, já que uma rocha magmática ou uma rocha sedimentar podem sofrer processos
metamórficos e mesmo voltar a fundir originando um magma.
Resistência e deformabilidade de descontinuidade
        Sabemos, mediante conhecimentos prévios, que qualquer estrutura a implantar
no terreno ora localizada à superfície ora localizado no espaço subterrâneo deve incluir
um minucioso estudo das estruturas geológicas do local da construção.

       A descrição da qualidade de um maciço, especialmente de um maciço rochoso,
inclui em seu estudo uma intensa análise das características das descontinuidades
ocorrentes nos locais em que são encontrados.

       São as descontinuidades, com efeito, que condicionam as propriedades
geotécnicas de grande número de terrenos conferindo-lhes um comportamento em
termos de deformabilidade, resistência ao corte e permeabilidade substancialmente
diferente do material que constitui esses maciços.

       A imagem abaixo mostra em detalhes a forma de um bloco de rocha, delimitado
por duas descontinuidades, provocando o recuo da face do talude.




    A interseção de descontinuidades numa rocha muito resistente produziu o colapso
    de blocos da fundação das casas construídas junto à crista da escarpa.

         Qualquer outra escavação no pé do talude pode igualmente determinar
instabilidade similares de cunhas, as quais poderão levar à destruição de várias
habitações construídas ao longo da crista da escarpa. A estabilidade das fundações
destas habitações depende fundamentalmente das propriedades das descontinuidades,
isto é, da sua orientação, desenvolvimento e resistência ao deslizamento.

        Na imagem acima, a resistência da rocha propriamente dita, de valor elevado
para suportar as cargas transmitidas pelas fundações, não é determinante para a
estabilidade. Este é um exemplo onde o projeto da fundação deve ter como enfoque a
geologia estrutural do local e não a resistência da rocha. Mas para analisar a estabilidade
de blocos em fundações rochosas é de suma importância conhecer informações básicas
ou características das descontinuidades como: orientação e dimensões das
descontinuidades, as quais definem a forma e grandeza dos blocos e a direção segundo a
qual o bloco pode deslizar e as propriedades de resistência ao deslizamento das
descontinuidades que determinam a resistência ao escorregamento dos blocos.

         Sob a designação de descontinuidade engloba-se qualquer entidade geológica
que interrompa a continuidade física de uma dada formação. As características
geológicas classificam geralmente as descontinuidades de acordo com o modo da sua
formação. Os tipos mais freqüentes de descontinuidades são: falha, superfície de
estratificação, foliação, diaclase, clivagem de fratura e xistosidade.
Referências Bibliográficas


www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/11328/11328_4.PDF

http://www.ppgem.ufop.br/arquivos/7260757111d001df73140e64a180c0a6.pdf

http://www.lapes.ufrgs.br/discpl_grad/geologia3/rafael-luizcarlos.pdf

http://cegeo.ist.utl.pt/html/investiga/artigo1.pdf

http://soraiabiogeo.blogs.sapo.pt/10649.html

http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/9597/9597_3.PDF

http://soraiabiogeo.blogs.sapo.pt/10649.html

http://e-porteflio.blogspot.com.br/2009/04/deformacao-das-rochas.html

http://paginas.fe.up.pt/~geng/ge/apontamentos/Cap_4_GE.pdf

www.ebah.com.br/content/.../apostila-mecanica-das-rochas

www.civil.uminho.pt/cec/revista/Num25/n_25_pag_17-40.pdf

http://www.lapes.ufrgs.br/discpl_grad/mec_rochas_aplicada/Presentation.pdf

http://www.cprm.gov.br/publique/media/dou_claudia_nonato.pdf

http://e-geo.ineti.pt/edicoes_online/diversos/guiao_litoteca/capitulo4.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Perfilagem de poços_de_petróleo
Perfilagem de poços_de_petróleoPerfilagem de poços_de_petróleo
Perfilagem de poços_de_petróleo
Edson Verissimo
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
margaridabt
 

Mais procurados (20)

Nbr 13441 rochas e solos
Nbr 13441   rochas e solosNbr 13441   rochas e solos
Nbr 13441 rochas e solos
 
Bacia do Parnaíba
Bacia do ParnaíbaBacia do Parnaíba
Bacia do Parnaíba
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografia
 
Ppt rochas.
Ppt rochas.Ppt rochas.
Ppt rochas.
 
Seminário classificação de rochas carbonáticas
Seminário classificação de rochas carbonáticasSeminário classificação de rochas carbonáticas
Seminário classificação de rochas carbonáticas
 
Perfilagem de poços_de_petróleo
Perfilagem de poços_de_petróleoPerfilagem de poços_de_petróleo
Perfilagem de poços_de_petróleo
 
Aula minerais
Aula mineraisAula minerais
Aula minerais
 
Prospecção de Petróleo
Prospecção de PetróleoProspecção de Petróleo
Prospecção de Petróleo
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
 
Deltas e Estuários
Deltas e EstuáriosDeltas e Estuários
Deltas e Estuários
 
Identificação de Rochas 1
Identificação de Rochas 1Identificação de Rochas 1
Identificação de Rochas 1
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Geologia estrutural lineações em rocha
Geologia estrutural   lineações em rochaGeologia estrutural   lineações em rocha
Geologia estrutural lineações em rocha
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
 
Relatório de ensaio de permeabilidade
Relatório de ensaio de permeabilidadeRelatório de ensaio de permeabilidade
Relatório de ensaio de permeabilidade
 
Ensaios e limites do solo
Ensaios e limites do soloEnsaios e limites do solo
Ensaios e limites do solo
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
Sistema unificado-de-classificacao-dos-solos (s.u.c.s)
 
Texturas magmaticas
Texturas magmaticasTexturas magmaticas
Texturas magmaticas
 

Destaque

Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
Bruno Castilho
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
Virgilio Nt
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xerox
Matheus Alves
 
Geologia na engenharia
Geologia na engenhariaGeologia na engenharia
Geologia na engenharia
PublicaTUDO
 
Processos e materiais geológicos deformações
Processos e materiais geológicos   deformaçõesProcessos e materiais geológicos   deformações
Processos e materiais geológicos deformações
Anne Armas
 

Destaque (20)

Mecânica das rochas - Escavações IFPA - Polo avançado Ipixuna do Pará
Mecânica das rochas - Escavações IFPA - Polo avançado Ipixuna do ParáMecânica das rochas - Escavações IFPA - Polo avançado Ipixuna do Pará
Mecânica das rochas - Escavações IFPA - Polo avançado Ipixuna do Pará
 
Mecânica das Rochas
Mecânica das RochasMecânica das Rochas
Mecânica das Rochas
 
Introdução m ecânica das rochas
Introdução m ecânica das rochasIntrodução m ecânica das rochas
Introdução m ecânica das rochas
 
Fraturas e falhas
Fraturas e falhasFraturas e falhas
Fraturas e falhas
 
Geologia Estrutural Aula 18 fev
Geologia Estrutural   Aula 18 fevGeologia Estrutural   Aula 18 fev
Geologia Estrutural Aula 18 fev
 
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia EstruturalAnálise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
 
Dobras E Falhas
Dobras E FalhasDobras E Falhas
Dobras E Falhas
 
Trabalho propriedades física das rochas
Trabalho propriedades física das rochasTrabalho propriedades física das rochas
Trabalho propriedades física das rochas
 
Litorais Rochosos, Arenosos, Costas Lunares
Litorais Rochosos, Arenosos, Costas LunaresLitorais Rochosos, Arenosos, Costas Lunares
Litorais Rochosos, Arenosos, Costas Lunares
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiro Relevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
mineralogia
mineralogiamineralogia
mineralogia
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xerox
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhas
 
Geologia na engenharia
Geologia na engenhariaGeologia na engenharia
Geologia na engenharia
 
Processos e materiais geológicos deformações
Processos e materiais geológicos   deformaçõesProcessos e materiais geológicos   deformações
Processos e materiais geológicos deformações
 
Geo fund 8
Geo fund 8Geo fund 8
Geo fund 8
 
Dobras elementos de uma dobra
Dobras   elementos de uma dobraDobras   elementos de uma dobra
Dobras elementos de uma dobra
 
Aplicação de geologia na elaboração de barragens
Aplicação de geologia na elaboração de barragensAplicação de geologia na elaboração de barragens
Aplicação de geologia na elaboração de barragens
 

Semelhante a Mecânica das Rochas

Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Homero Alves de Lima
 
Resumorochasmetamrficas
ResumorochasmetamrficasResumorochasmetamrficas
Resumorochasmetamrficas
Giovani Lucca
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
Cidinhoveronese
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
Arminda Malho
 
Geodinamica_ Ciências Naturais
Geodinamica_ Ciências NaturaisGeodinamica_ Ciências Naturais
Geodinamica_ Ciências Naturais
SusanaLucas10
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
engenhar
 
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
Sabina Tique
 

Semelhante a Mecânica das Rochas (20)

Estabilidade de escavações subterrâneas
Estabilidade de escavações subterrâneasEstabilidade de escavações subterrâneas
Estabilidade de escavações subterrâneas
 
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
Aula 04 auxiliar de mineração (mecânica das rochas)
 
Resumorochasmetamrficas
ResumorochasmetamrficasResumorochasmetamrficas
Resumorochasmetamrficas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
 
Texturase estruturas
Texturase estruturasTexturase estruturas
Texturase estruturas
 
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rocha
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rochaManual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rocha
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rocha
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
Rochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptxRochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptx
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
 
ae_mt7_ppt_geodinamica.pptx
ae_mt7_ppt_geodinamica.pptxae_mt7_ppt_geodinamica.pptx
ae_mt7_ppt_geodinamica.pptx
 
Geodinamica_ Ciências Naturais
Geodinamica_ Ciências NaturaisGeodinamica_ Ciências Naturais
Geodinamica_ Ciências Naturais
 
Areal_ppt_G10_Rochas.pdf
Areal_ppt_G10_Rochas.pdfAreal_ppt_G10_Rochas.pdf
Areal_ppt_G10_Rochas.pdf
 
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de conceitos rochas-solos-srl
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de  conceitos rochas-solos-srlA1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de  conceitos rochas-solos-srl
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de conceitos rochas-solos-srl
 
Ficha relembrar rochas sed alunos
Ficha relembrar rochas sed alunosFicha relembrar rochas sed alunos
Ficha relembrar rochas sed alunos
 
Sistemas contencao
Sistemas contencaoSistemas contencao
Sistemas contencao
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
 
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
 
rochas.pptx
rochas.pptxrochas.pptx
rochas.pptx
 

Mais de Thiago Meira

Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
Thiago Meira
 
Projetos Profissionais
Projetos ProfissionaisProjetos Profissionais
Projetos Profissionais
Thiago Meira
 
Marketing e Recursos Humanos
Marketing e Recursos HumanosMarketing e Recursos Humanos
Marketing e Recursos Humanos
Thiago Meira
 
Cominuição: Moagem
Cominuição: MoagemCominuição: Moagem
Cominuição: Moagem
Thiago Meira
 
Cominuição: Moagem
Cominuição: MoagemCominuição: Moagem
Cominuição: Moagem
Thiago Meira
 
Depósitos Vulcanogênicos e Depósitos Plutogênicos
Depósitos Vulcanogênicos e Depósitos PlutogênicosDepósitos Vulcanogênicos e Depósitos Plutogênicos
Depósitos Vulcanogênicos e Depósitos Plutogênicos
Thiago Meira
 
Pacific Ring of Fire: Cinturão de Fogo ou Anel de Fogo.
Pacific Ring of Fire: Cinturão de Fogo ou Anel de Fogo.Pacific Ring of Fire: Cinturão de Fogo ou Anel de Fogo.
Pacific Ring of Fire: Cinturão de Fogo ou Anel de Fogo.
Thiago Meira
 
Japão: um desastre histórico.
Japão: um desastre histórico.Japão: um desastre histórico.
Japão: um desastre histórico.
Thiago Meira
 
Trabalho de Mineralogia - Bauxita
Trabalho de Mineralogia - BauxitaTrabalho de Mineralogia - Bauxita
Trabalho de Mineralogia - Bauxita
Thiago Meira
 
Trabalho de Mineralogia - Gnaisse
Trabalho de Mineralogia - GnaisseTrabalho de Mineralogia - Gnaisse
Trabalho de Mineralogia - Gnaisse
Thiago Meira
 
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - LimonitaTrabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Thiago Meira
 
Trabalho de Mineralogia - Água Mineral
Trabalho de Mineralogia - Água MineralTrabalho de Mineralogia - Água Mineral
Trabalho de Mineralogia - Água Mineral
Thiago Meira
 

Mais de Thiago Meira (20)

Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
Projetos Profissionais
Projetos ProfissionaisProjetos Profissionais
Projetos Profissionais
 
Marketing e Recursos Humanos
Marketing e Recursos HumanosMarketing e Recursos Humanos
Marketing e Recursos Humanos
 
Ementa do curso
Ementa do cursoEmenta do curso
Ementa do curso
 
Perfuratriz
PerfuratrizPerfuratriz
Perfuratriz
 
Perfuratriz
PerfuratrizPerfuratriz
Perfuratriz
 
Cominuição: Moagem
Cominuição: MoagemCominuição: Moagem
Cominuição: Moagem
 
Cominuição: Moagem
Cominuição: MoagemCominuição: Moagem
Cominuição: Moagem
 
Depósitos Vulcanogênicos e Depósitos Plutogênicos
Depósitos Vulcanogênicos e Depósitos PlutogênicosDepósitos Vulcanogênicos e Depósitos Plutogênicos
Depósitos Vulcanogênicos e Depósitos Plutogênicos
 
Estofados Miraí
Estofados MiraíEstofados Miraí
Estofados Miraí
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Peneiramento
PeneiramentoPeneiramento
Peneiramento
 
Pesquisa Mineral
Pesquisa MineralPesquisa Mineral
Pesquisa Mineral
 
Gemologia
GemologiaGemologia
Gemologia
 
Pacific Ring of Fire: Cinturão de Fogo ou Anel de Fogo.
Pacific Ring of Fire: Cinturão de Fogo ou Anel de Fogo.Pacific Ring of Fire: Cinturão de Fogo ou Anel de Fogo.
Pacific Ring of Fire: Cinturão de Fogo ou Anel de Fogo.
 
Japão: um desastre histórico.
Japão: um desastre histórico.Japão: um desastre histórico.
Japão: um desastre histórico.
 
Trabalho de Mineralogia - Bauxita
Trabalho de Mineralogia - BauxitaTrabalho de Mineralogia - Bauxita
Trabalho de Mineralogia - Bauxita
 
Trabalho de Mineralogia - Gnaisse
Trabalho de Mineralogia - GnaisseTrabalho de Mineralogia - Gnaisse
Trabalho de Mineralogia - Gnaisse
 
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - LimonitaTrabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - Limonita
 
Trabalho de Mineralogia - Água Mineral
Trabalho de Mineralogia - Água MineralTrabalho de Mineralogia - Água Mineral
Trabalho de Mineralogia - Água Mineral
 

Último

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Mecânica das Rochas

  • 1. Centro Técnico de Educação Profissional Curso Técnico em Mineração Mecânica das Rochas Professora Érika Mendes Miraí – MG Maio – 2012
  • 2. Centro Técnico de Educação Profissional Curso Técnico em Mineração Mecânica das Rochas Trabalho apresentado pelo aluno Thiago de Meira Rezende à professora Érika Mendes da disciplina Mecânica Aplicada. Miraí – MG Maio - 2012
  • 3. Introdução à Mecânica das rochas A Mecânica das rochas refere-se ao comportamento mecânico das mesmas, incluindo os maciços rochosos que visa estudar as rochas no que diz respeito aos campos de forças externas a que estão sujeitos no seu ambiente natural ou físico. Na mineração possui como alvo principal a escavação. Sendo que este campo estar relacionado mediante a escavação de uma abertura produzida por meios mecânicos. Sabendo-se que este processo é de suma importância na área da mineração, pois a rocha é considerada o principal material de construção e também o principal produto do processo de escavação.
  • 4. Estados de tensões nos maciços rochosos O conhecimento do estado de tensões em maciços rochosos é de fundamental importância para os trabalhos envolvendo a mineração. Os maciços rochosos estão relacionados mediante a junção de uma rocha, descontinuidades e água. Estes são os principais componentes inseridos no universo dos maciços rochosos que tem como função primordial alterar o comportamento no seu ambiente natural ou físico. As tensões estão relacionadas à tendência de deslocamento relativo das partículas de um corpo visando alterações externas no interior da rocha. O estado de tensão no interior de um maciço rochoso varia frequentemente no que diz respeito aos vários ângulos do mesmo, ou seja, a direção dos componentes essenciais que o definem e o transformam completamente. As tensões podem ser divididas em: Tensões Naturais – São aquelas que existem nas rochas por efeito de algum tipo condicionante anterior, ou seja, efeito gravitacional, estrutural, dentre outros.
  • 5. Tensões Induzidas – Estão associadas com perturbações artificiais, ou seja, escavação, perfuração, dentre outros. É importante ressaltar que na escavação ocorre uma profunda modificação no estado natural de tensões devido a redistribuição no maciço realizado com a pressão e, consequentemente, ocorrendo ruptura ocasionada com os esforços praticados.
  • 6. Estimação e medição A caracterização de um maciço rochoso a partir da sua deformabilidade é um dos principais problemas que qualquer estudo geotécnico deve enfrentar caso desejam- se realizar cálculos tensão-deformação para a execução e desenho de estruturas. Através de pesquisas, notei que a natureza do maciço rochoso é muito complexa, pois, são necessárias ferramentas teóricas que permitem estimar, medir, analisar e controlar o seu comportamento. Devido ao fato abordado no parágrafo anterior, com o objetivo fundamental de resolver esse problema, são idealizados, por especialistas, modelos teóricos que só conseguem analisar um determinado processo em um tempo e um espaço determinado, no qual o bom senso e a experiência prática são partes importantes. É importante sabermos que uma amostra de rocha intacta em laboratório é muito menor que um maciço rochoso que, muitas vezes contem certo número de planos de fraqueza. Devido a isso, o comportamento mecânico do maciço rochoso é bastante diferente do material ensaiado no laboratório. Para determinar os parâmetros que caracterizam os maciços rochosos têm-se três possibilidades a considerar: estimar os valores in situ dos resultados obtidos no laboratório, utilizar correlações empíricas e executar in situ.
  • 7. Antes de fazer uma revisão das principais técnicas de medida, é necessário lembrar algumas definições básicas que são importantes no momento de escolher alguma técnica de medição, principalmente no que diz respeito à Matriz rochosa e às Descontinuidades. O maciço rochoso é meio não homogêneo e descontínuo cujas propriedades resistentes e deformacionais não podem ser medidas no laboratório, pois existe uma diferença muito apreciável entre os valores que se obtém nos ensaios de laboratório e os que se obtém dos ensaios realizados in situ, diferença que é conseqüência do volume afetado em cada caso e que é conhecido como efeito de escala. O efeito escala é a conseqüência mais importante do caráter heterogêneo e descontínuo dos maciços rochosos. Os parâmetros geomecânicos de descontinuidades podem ser determinados estimativamente, por ocasião do mapeamento geológico-geotécnico de superfície ou a partir de testemunhos de sondagens rotativas.
  • 8. Fluxo em maciço rochoso O fluxo de água subterrânea geralmente altera a condição de estabilidade dos taludes. As principais razões para este fato são: Variação da pressão que atua nas superfícies de descontinuidades, ocasionando a redução da resistência ao cisalhamento existente, e originando forças ativas que tendem a induzir as rochas ao deslizamento; Alteração da textura e estrutura da rocha ou mesmo destruição e alteração do seu grau de coesão ou consistência; Destruição, transporte ou mudança do grau de coesão do material de preenchimento. De acordo com Hoek e Bray ( 1981 ), há duas maneiras de se obter os dados relativos às distribuições de pressão da água dentro do maciço rochoso: A dedução do padrão de fluxo de água subterrânea a partir da avaliação da permeabilidade do maciço rochoso e da avaliação das fontes de água; Medida direta dos níveis de água em furos de sonda ou poços, ou a medida da pressão de água através de piezômetros instalados nos furos de sonda.
  • 9. Pode-se dizer que as hipóteses clássicas para a análise do fluxo de água subterrânea em taludes em rocha são: O fluxo ocorre somente através de fissuras ou descontinuidades, e a permeabilidade da rocha é considerada insignificante, como primeira aproximação. O movimento do fluxo é laminar. Condições de fluxo turbulento somente ocorrem quando existem valores muito grandes em relação à abertura das descontinuidades e gradientes hidráulicos mais altos do que os normais. O fluxo de água através de microfraturas da rocha e o fluxo turbulento em fissuras com superfícies rugosas são dois fenômenos que podem também ocorrer, quando existem problemas de estabilidade de taludes em rocha. Quando as rochas são solúveis, as falhas e/ou fraturas ocasionam a formação de cavernas ao longo da zona de falhamento. Isto também pode ocorrer em rochas não solúveis, como um resultado da lavagem de rocha triturada e da abertura de fraturas de tração, oblíquas ao plano de falha, consideradas um sub-produto do movimento ao longo da superfície de falhamento. Em ambos os casos, identificam-se situações que propiciam a formação de zonas instáveis, localizadas na região em que são identificados os falhamentos e/ou fraturamentos.
  • 10. Modelos de fluxo em maciços rochosos Segundo Louis ( 1976 ), são cinco grupos de maciços rochosos, classificados segundo sua textura, estrutura e imperfeições. Meio poroso, predominantemente homogêneo, contendo somente poros pequenos; Meio fraturado poroso, onde as fissuras determinam o comportamento hidráulico do maciço rochoso; Meio poroso contendo barreiras impermeáveis onde as descontinuidades são preenchidas por material composto de partículas impermeáveis; Meio poroso com pequenos canais em que descontinuidades preenchidas por material impermeável contêm canais através dos quais a água pode fluir; Meio cárstico contendo passagens largas e cavernas de várias formas geométricas, criadas pela dissolução e remoção da rocha pelo fluxo de água subterrânea.
  • 11. Classificação geomecânica do maciço rochoso Os principais objetivos do sistema de classificação são: Identificar os principais parâmetros que influenciaram o comportamento do maciço rochoso; Dividir uma formação rochosa particular em zonas de comportamento similar; Compreender as características de cada maciço rochoso; Relatar condições de um maciço em um local com experiência e encontrada em outros; Obter dados quantitativos e orientações para o projeto; Prover uma base comum para a comunicação em diversas áreas. As classificações gemomecânicas do maciço rochoso variam de acordo com a função da classe definida para o maciço mediante determinados parâmetros, além da estrutura mais adequada de sustentação. São considerados sistemas simples, baratos e práticos. Fornece o tipo e a quantidade de suporte necessário para estabilizar a escavação subterrânea, lê-se empírico. O objetivo de uma classificação geomecânica é processar ou codificar informações sobre as propriedades do material rochoso, características de descontinuidades e geometria de escavação para obter valores representativos que propiciem ou evidenciem uma base racional para decisões acerca dos trabalhos referentes às rochas.
  • 12. Pode obter-se, também, uma estimativa do comportamento do maciço, além de avaliar a quantidade do mesmo levando em consideração características que vão muito além do que uma simples análise da resistência a compressão da rocha intacta e, envolvendo, uma correlação ou comparação das características de um local com características e experiências com outros locais em que se encontram os maciços rochosos. Devido às pesquisas realizadas, percebi, que as empresas de mineração têm desenvolvido classificações específicas para o maciço em particular. Neste sentido, existem atualmente diversos softwares que auxiliam nesta análise. Mas que só são efetivos quando o usuário conhece as características do maciço através de instrumentação adequada.
  • 13. Ações dinâmicas sobre as rochas Sabemos que o relevo corresponde ao conjunto de formação apresentadas pela litosfera. Essas formas são definidas pela estrutura geológica combinada com as ações da dinâmica interna e externa da Terra. A estrutura geológica diz respeito ao tipo de rocha, lê-se magmática, sedimentar e metamórfica, bem como à idade que elas apresentam, lê-se mais antigas ou mais recentes. As características das rochas condicionam a ação dos fatores modificadores do relevo que são os agentes de erosão.
  • 14. Os fatores internos são responsáveis pela elevação ou rebaixamento da superfície da crosta terrestre os fatores externos, por sua vez, causam modificações nessa superfície. Internos: tectonismo, vulcanismo e abalos sísmicos; Externos: intemperismos, águas correntes, vento, mar, gelo, seres vivos, entre outros.
  • 15. Fatores internos: as pressões do magma Os fatores internos do relevo têm sua origem nas pressões que o magma exerce sobre a crosta terrestre. Essas pressões podem provocar vulcanismo e outros fenômenos chamados tectônicos, como a formação de dobras e fraturas e a criação montanhas. A diferença entre a temperatura do magma, uma substância quentíssima e por isso fluida, a temperatura da crosta, que é mais baixa, pode resultar em dois fenômenos: em algumas regiões o magma extravasa para a superfície, pelos vulcões, sob a forma de lavas; em outras, é a crosta que se transforma novamente em magma. "sugada" para o interior do manto. Essa troca de calor, como vimos, é denominada movimento de convecção. Tais fenômenos ocorrem com maior intensidade nas zonas de contato das placas tectônicas, que formam a crosta terrestre. Essa placas que compõem a litosfera, são encontradas tanto nos continentes quanto sobre o mar. E a partir de rachaduras abertas
  • 16. na crosta terrestre pela força sua pressão que o magma se movimenta realiza seu trabalho de construção e destruição, ou seja, pratica a sua ação dinâmica. Em geral, as chamadas montanhas recentes apresentam intensa atividade sísmica e vulcanismos, justamente porque estão no limite de destruição das placas tectônicas. Tanto nas zonas de construção como nas zonas de destruição, além da ocorrência de terremotos e vulcanismos é comum o aparecimento de dobras ou fraturas. As dobras ocorrem em rochas frágeis e mais ou menos plásticas, enquanto as fraturas se formam em rochas mais resistentes ou rijas. Se os blocos fraturados não se deslocarem uns em relação aos outros, dizemos que se formam juntas. Quando, ao contrário, os blocos se afastam uns dos outros, terão ocorrido falhas. A grande ocorrência de dobras e falhas explica a formação de várias cadeias de montanhas sobre a crosta — antigas e recentes. Dizemos que as dobras e falhas são movimentos orogenéticos, ou seja, criadores de montanhas. Fatores externos: a erosão da superfície Os fatores externo são as chuvas, a água corrente, o vento, o gelo, o calor, além da própria gravidade, que desgastam e modificam o relevo terrestre, tendendo a uniformizá-lo. Isso só não ocorre por causa da dinâmica, isto é, a atuação dos fatores internos. Além disso, o desgaste das formas de relevo está associado à maior ou menor resistência da rocha à erosão. As rochas sedimentares, por exemplo, formadas por sedimentos originários de outras rochas, geralmente dispostos em camadas, são menos resistentes à erosão que as rochas magmáticas, originárias da solidificação do magma, e as metamórficas, que são rochas transformadas por variações de pressão e temperatura.
  • 17. O aplainamento da superfície terrestre principia com os processos intempéricos, que podem ser físicos ou químicos. Entre os agentes físicos destaca-se o calor, ou melhor, as variações de calor, que provocam desagregação da rocha por sucessiva dilatação e contração. Essa forma de intemperismo é típica das regiões áridas e semi-áridas, em que há grandes variações de temperatura entre o dia e a noite. Entre os agentes químicos, o principal é a água, que, dependendo da rocha, pode dissolver alguns de seus minerais. Sua ação pode ser mais sentida nos climas úmidos. O intemperismo é seguido nela erosão, transporte e sedimentação, ou seja, deposição dos sedimentos nas áreas mais baixas do terreno. Isso é feito pelos agentes externos, que podem ser a água das chuvas, dos mares ou dos rios, o gelo, o vento, além da própria gravidade, por meio de desmoronamentos. As regiões que há muito tempo não sofrem a influência dos fatores internos apresentam de relevo consideradas antigas, geralmente suaves, pois já foram muito desgastadas pela erosão. As formas de relevo Dependendo da atuação de agentes internos e externos, o relevo pode apresentar diversas formas. As principais são: montanhas, planaltos, planícies e depressões.
  • 18. Comportamento, tensão, deformação Devido ao dinamismo interno da crosta terrestre, as rochas que integram a litosfera estão sujeitas a tensões que são forrças exercidas por unidade de área, resultantes dos movimentos tectônicos. Estas tensões podem ser compressivas, distensivas ou de cisalhamento. As tensões compressivas estão associadas a forças convergentes; as tensões distensivas estão associadas a forças divergentes; e, por fim, as tensões de cisalhamento estão associadas a movimentos paralelos das rochas em sentidos contrários. Tensão Tensão Tensão de Compressiva Distensiva Cisalhamento Quando nas rochas atuam estados de tensões, o comportamento das mesmas podem sofrer deformações que são reversíveis ou elásticas e irreversíveis ou plásticas. Comportamento Elástico – É reversível, pois o material deforma, mas quando a tensão cessa, recupera a sua forma ou volume inicial e verifica-se quando a força aplicada sobre a rocha não ultrapassou o seu limite de elasticidade.
  • 19. Comportamento Plástico – É permanente, pois o material fica deformado sem rompimento e verifica-se quando a força aplicada sobre a rocha é superior ao seu limite de elasticidade e inferior ao limite de plasticidade. Tensão Elástica Plástica Frágil Deformação Os materiais, quando sujeitos a tensões, apresentam diferentes comportamentos de natureza frágil e de natureza dúctil. Uma mesma rocha sujeita a condições de pressão e temperatura distintas, pode apresentar comportamentos diferenciados. Estado de Tensão Comportamento Frágil Comportamento Dúctil Compressivo Falha inversa Dobra Distensivo Falha normal Estiramento Cisalhante Falha de desligamento Cisalhamento Os limites tectônicos são zonas onde existem grandes pressões e, consequentemente, os materiais sofrem profundas pressões. Com o aumento da temperatura, o limite de elasticidade dos materiais aumenta, tornando-se mais dúcteis. A temperatura é superior, devido ao fato dos materiais serem mais plásticos do que à superfície. Na superfície, como a pressão e a temperatura são menores, apresenta-se um comportamento elástico, seguido de ruptura. Alguns estudos afirmam que a deformação ocorre em regime frágil.
  • 20. É importante ressaltar que os regimes dúcteis e frágeis estão associados, respectivamente, a dobras e falhas. As falhas são deformações associadas a comportamentos frágeis do material geológico. Correspondem a superfícies de fratura ao longo das quais ocorreram movimentos relativos entre os dois blocos que separam. Surgem quando o limite de plasticidade das rochas é ultrapassado e estão, muitas vezes, associadas a sismos. Sendo que os tipos de falhas são: Falha Normal Falha Falha inversa ou Horizontal ou de empurrão Transcorrente Enquanto, as dobras são deformações associadas a comportamentos dúcteis das rochas, em regimes compressivos. Correspondem a encurvamentos de camadas anteriormente planas. As dobras ocorrem dentro do limite de plasticidade das rochas. Assim como nas falhas é possível descrever as dobras tendo em conta certos elementos caracterizados da sua geometria. Sendo que as dobras podem ser caracterizadas dos seguintes elementos:
  • 21. Resumindo: Comportamento em detalhes De acordo com o tipo de tensão e resistência de deformação, as rochas apresentam diferentes comportamentos.
  • 22. Tempo de rochas e maciços rochosos Os três grandes ambientes geológicos geradores de rochas, também ditos petrogénicos são: ambiente magmático; ambiente sedimentar; ambiente metamórfico. As principais diferenças entre eles são definidas em termos de: pressão temperatura composição química A estes ambientes correspondem respectivamente, as rochas magmáticas, as rochas sedimentares e as rochas metamórficas. Ambiente Magmático O ambiente magmático caracteriza-se geralmente por: a. Temperaturas elevadas (acima dos 800ºC);
  • 23. b. Pressões muito variadas, desde muito baixas, no caso do Vulcanismo, a muito altas, no caso do Plutonismo, ocorrido no interior da Litosfera, variando num intervalo que reflete as diferentes profundidades a que pode ocorrer; c. Variações de composição química, considerada restrita em comparação com ou outros ambientes. Ambiente Sedimentar É praticamente o ambiente existente à superfície da Terra, caracteriza-se por: a. Baixos valores de temperatura e pressão; b. Grande variabilidade na composição química dos materiais; c. Proporcionar grandes transformações químicas, tais como a oxidação, carbonatação, hidrólise e a hidratação. Ambiente Metamórfico É caracterizada por um grande intervalo de pressões e temperaturas. O metamorfismo pode ser essencialmente térmico - Metamorfismo de Contato, ou essencialmente dinâmico - Metamorfismo Regional estreitamente ligado com a formação das cadeias montanhosas. Quanto à temperatura os valores não excedem, em regra, os 800ºC (valor que marca o início da fusão de parte dos minerais, isto é o começo do magmatismo). O ambiente metamórfico tem lugar em meio essencialmente sólido. Ciclo das Rochas ou Ciclo Petrogénico As rochas geradas num determinado ambiente geológico são estáveis enquanto permanecem nesse mesmo ambiente. Uma mudança nas condições do ambiente induzem a transformações mais ou menos lentas de modo a que as rochas se adaptem e fiquem estáveis nessas novas condições. As principais alterações são as da sua textura e a criação de novos minerais de acordo com o novo ambiente, a partir da destruição de outros que mediante as novas condições deixam de ser estáveis. Por exemplo, muitos dos minerais das rochas que se formam em zonas profundas da litosfera alteram-se quando chegam à superfície, dando origem a outros minerais que vão participar na formação das rochas sedimentares. Estas rochas, com o decorrer do tempo geológico podem ser sujeitas a novas condições termodinâmicas, originando rochas metamórficas e mesmo magmáticas quando há fusão do material.
  • 24. Podemos dizer que as rochas dependem umas das outras e que ao longo do tempo se transformam umas nas outras, dando lugar aos diferentes tipos litológicos ou petrográficos. A litosfera é a zona da Terra onde se dão os processos internos, a grande profundidade e que consomem energia vinda do interior do Globo, tais como o magmatismo, incluindo o vulcanismo, o metamorfismo e outras ações que resultam em deformações da crosta (dobramentos e falhas) e deslocações da litosfera - são os chamados fenômenos geodinâmicos internos ou endógenos. Os processos que ocorrem à superfície ou na película mais externa da crosta terrestre e que consomem energia exterior ao nosso planeta, principalmente energia solar, são chamados fenômenos geodinâmicos externos ou exógenos. A partir do magma por arrefecimento, solidificação e cristalização originam-se as rochas magmáticas ou ígneas que por processos de levantamento podem chegar à superfície onde ficam sujeitas aos processos geodinâmicos externos (meteorização, erosão, transporte e sedimentação) originando-se sedimentos. Posteriormente, estes sedimentos são sujeitos a processos físico-químicos que conduzem à formação de rochas sedimentares. O conjunto desses processos denomina- se por diagénese. À medida que estas rochas ou os sedimentos vão atingindo zonas mais profundas da litosfera, por subsidência ou por subducção, a temperatura e a pressão aumentam dando-se então inicio a processos metamórficos com geração de rochas metamórficas. Com a continuação do aumento de pressão e temperatura, as rochas podem fundir dando origem a um magma, completando assim o ciclo. Dentro deste ciclo existem ciclos mais pequenos, como se pode ver na figura abaixo, já que uma rocha magmática ou uma rocha sedimentar podem sofrer processos metamórficos e mesmo voltar a fundir originando um magma.
  • 25. Resistência e deformabilidade de descontinuidade Sabemos, mediante conhecimentos prévios, que qualquer estrutura a implantar no terreno ora localizada à superfície ora localizado no espaço subterrâneo deve incluir um minucioso estudo das estruturas geológicas do local da construção. A descrição da qualidade de um maciço, especialmente de um maciço rochoso, inclui em seu estudo uma intensa análise das características das descontinuidades ocorrentes nos locais em que são encontrados. São as descontinuidades, com efeito, que condicionam as propriedades geotécnicas de grande número de terrenos conferindo-lhes um comportamento em termos de deformabilidade, resistência ao corte e permeabilidade substancialmente diferente do material que constitui esses maciços. A imagem abaixo mostra em detalhes a forma de um bloco de rocha, delimitado por duas descontinuidades, provocando o recuo da face do talude. A interseção de descontinuidades numa rocha muito resistente produziu o colapso de blocos da fundação das casas construídas junto à crista da escarpa. Qualquer outra escavação no pé do talude pode igualmente determinar instabilidade similares de cunhas, as quais poderão levar à destruição de várias habitações construídas ao longo da crista da escarpa. A estabilidade das fundações destas habitações depende fundamentalmente das propriedades das descontinuidades, isto é, da sua orientação, desenvolvimento e resistência ao deslizamento. Na imagem acima, a resistência da rocha propriamente dita, de valor elevado para suportar as cargas transmitidas pelas fundações, não é determinante para a estabilidade. Este é um exemplo onde o projeto da fundação deve ter como enfoque a
  • 26. geologia estrutural do local e não a resistência da rocha. Mas para analisar a estabilidade de blocos em fundações rochosas é de suma importância conhecer informações básicas ou características das descontinuidades como: orientação e dimensões das descontinuidades, as quais definem a forma e grandeza dos blocos e a direção segundo a qual o bloco pode deslizar e as propriedades de resistência ao deslizamento das descontinuidades que determinam a resistência ao escorregamento dos blocos. Sob a designação de descontinuidade engloba-se qualquer entidade geológica que interrompa a continuidade física de uma dada formação. As características geológicas classificam geralmente as descontinuidades de acordo com o modo da sua formação. Os tipos mais freqüentes de descontinuidades são: falha, superfície de estratificação, foliação, diaclase, clivagem de fratura e xistosidade.
  • 27. Referências Bibliográficas www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/11328/11328_4.PDF http://www.ppgem.ufop.br/arquivos/7260757111d001df73140e64a180c0a6.pdf http://www.lapes.ufrgs.br/discpl_grad/geologia3/rafael-luizcarlos.pdf http://cegeo.ist.utl.pt/html/investiga/artigo1.pdf http://soraiabiogeo.blogs.sapo.pt/10649.html http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/9597/9597_3.PDF http://soraiabiogeo.blogs.sapo.pt/10649.html http://e-porteflio.blogspot.com.br/2009/04/deformacao-das-rochas.html http://paginas.fe.up.pt/~geng/ge/apontamentos/Cap_4_GE.pdf www.ebah.com.br/content/.../apostila-mecanica-das-rochas www.civil.uminho.pt/cec/revista/Num25/n_25_pag_17-40.pdf http://www.lapes.ufrgs.br/discpl_grad/mec_rochas_aplicada/Presentation.pdf http://www.cprm.gov.br/publique/media/dou_claudia_nonato.pdf http://e-geo.ineti.pt/edicoes_online/diversos/guiao_litoteca/capitulo4.htm