SlideShare uma empresa Scribd logo
Geoquímica – 4º Período de
Geologia - FINOMGeologia - FINOM
Aula 3 – Dispersão Geoquímica
professormarciosantosgeo.blogspot.com.br
• Uma dada massa de material na Terra, normalmente não mantém
sua identidade à medida que passa pelas transformações do ciclo
geoquímico, mas, ao contrário, tende a ser redistribuída e
fracionada e ainda misturada com outros materiais.
• Quando a erosão expõe as rochas ao ambiente superficial, os
elementos que as compõem são redistribuídos pela atuação dos
agentes do intemperismo.
• Uma série de rochas sedimentares químicas, clásticas ou
clastoquímicas pode então se depositar.
• Essas rochas sedimentares podem ser progressivamente• Essas rochas sedimentares podem ser progressivamente
metamorfisadas, à medida que são submetidas a temperaturas e
pressões progressivamente maiores, com acréscimo de eventuais
componentes externos ao sistema.
• As rochas submetidas a tais condições podem atingir um estado tão
fluido que, durante um processo de fusão posterior, poderão vir a
se diferenciar em vários tipos de rochas ígneas e de fluidos
hidrotermais.
Dispersão geoquímica
• É o processo pelo qual íons e partículas se movem para
novos locais de dispersão geoquímica.
• Toda a dispersão ocorre em um sistema aberto e dinâmico,
onde os materiais geológicos são submetidos a mudanças
de quimismo do ambiente, temperatura, pressões, tensões
mecânicas e outras condições físicas.
• As rochas ou minerais e os grãos ou íons neles contidos,
estáveis em determinado ambiente, são liberados e
• As rochas ou minerais e os grãos ou íons neles contidos,
estáveis em determinado ambiente, são liberados e
dispersos, tanto pela ação de processos químicos quanto
físicos.
• A dispersão pode ser o resultado da atuação de agentes
exclusivamente mecânicos, tais como a injeção de magmas
ou movimentação de materiais superficiais por ação das
águas das drenagens.
• Os processos puramente mecânicos de dispersão
envolvem a mistura, mas não a diferenciação dos
materiais dispersos em frações específicas (exceto na
segregação natural, característica das aluviões areno-
argilosas).
• Os processos químicos e bioquímicos geralmente
criam frações de composição bastante diversa.
• As frações mais móveis tendem a abandonar o seu• As frações mais móveis tendem a abandonar o seu
hospedeiro original quando estiverem disponíveis
condutos e gradientes físico-químicos mais adequados.
• Quando uma fase móvel entra em um novo ambiente,
uma parte do material introduzido pode se depositar
em virtude das novas condições de equilíbrio do
sistema.
Halos geoquímicos
• As rochas encaixantes, as formações
inconsolidadas, a vegetação e as águas
superficiais e subterrâneas podem revelar uma
anomalia geoquímica.
• Halo Geoquímico primário: formação durante os• Halo Geoquímico primário: formação durante os
processos de formação do depósito mineral.
• Halo Geoquímico Secundário: redistribuição do
padrão primário por processos tardios. Relaciona-
se com os processos de decomposição em
ambiente supergênico.
• A dispersão pode ser profunda ou superficial,
dependendo do ambiente geoquímico em que ocorrer,
e primária ou secundária se ocorrer durante a
formação do depósito mineral ou em um estágio
tardio.
– Na dispersão profunda, os canais e locais de migração e
redeposição são as fissuras e os espaços intergranulares
das rochas posicionadas em profundidade. Ambientes:
magmáticos, metamórficos ou hidrotermais.magmáticos, metamórficos ou hidrotermais.
• Nas proximidades dos depósitos magmáticos e da
maioria dos hidrotermais, a dispersão primária está
relacionada ao ambiente profundo e a dispersão
secundária ao ambiente superficial.
– A dispersão superficial se desenvolve próximo da
superfície ou nela mesma, em fissuras e juntas de rochas
próximas da superfície, na cobertura inconsolidada, nas
drenagens, lagos, vegetação e mesmo no ar.
• A dispersão primária inclui todos os processos que
conduzem ao posicionamento de elementos durante a
formação de um depósito mineral, não importando o modo
como o depósito tenha se formado.
• A dispersão secundária aplica-se à redistribuição das
feições primárias por qualquer processo posterior,
geralmente no ambiente superficial.
• Para as mineralizações formadas por soluções hidrotermais
e em profundidade, os dois termos têm significadose em profundidade, os dois termos têm significados
similares.
• Para os depósitos sedimentares singenéticos, entretanto, as
feições primárias seriam aquelas formadas durante a
sedimentação (tabela 2.1) e as secundárias seriam as
formadas posteriormente, casos o depósito fosse exposto
ao intemperismo ou se o depósito fosse metamorfisado
após a formação.
Dispersão e Ciclo
Geoquímico
• É importante distinguir entre ambiente e momento em
que o processo ocorre, pois é o conjunto que
determina as características da dispersão geoquímica
resultante.
• Na dispersão profunda, os canais e locais de migração
e redeposição são as fissuras e os espaços
intergranulares das rochas posicionadas emintergranulares das rochas posicionadas em
profundidade.
• A dispersão superficial se desenvolve próximo da
superfície ou nela mesma, possibilitando a formação
de feições nas fissuras e juntas de rochas próximas da
superfície, na cobertura inconsolidada, nas drenagens,
lagos, vegetação e mesmo no ar
• A dispersão química dependerá da mobilidade do
elemento.
– Mobilidade é a facilidade que o elemento químico se move
em solução em determinado ambiente. Ou seja, é a
resposta do elemento químico aos processos de dispersão
geoquímica.
• O geoquímico de exploração procura traços dos
elementos químicos que tenham se dispersado a partir
de corpos mineralizados.de corpos mineralizados.
• Esses processos de dispersão normalmente dão origem
a uma área-alvo, consideravelmente mais ampla que a
própria mineralização.
• Além disso, o geoquímico de exploração se interessa
pelas feições de distribuição dos elementos
mineralizadores, porque ele deve ser capaz de
distinguir essas feições normais daquelas relacionadas
a corpos de minério.
Associação de Elementos
• Os elementos tendem a se associar nos processos
geológicos devida às suas mobilidades relativas.
• Observando o conjunto de ambientes nos quais dois
elementos estão associados, a razão entre eles permanece
relativamente constante, de modo que os teores elevados
de um são acompanhados por valores elevados do outro e
vice-versa.
• Alguns elementos mantêm associações características em• Alguns elementos mantêm associações características em
um amplo espectro de condições geológicas e podem se
mover juntos durante a maioria dos processos do ambiente
profundo (hipogênico), rompendo-se essa afinidade sob as
condições ambientais do ambiente superficial.
• Outros são característicos de rochas plutônicas muito
específicas e dos minérios oxidados associados, ou de
minérios sulfetados ou de certos tipos de minérios
sedimentares. A presença de um membro associado sugere
a presença dos outros (tabela).
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fraturas e falhas
Fraturas e falhasFraturas e falhas
Fraturas e falhas
Nome Sobrenome
 
Minerais
MineraisMinerais
Aula 4. prospecao geoquimica.pptx
Aula 4. prospecao geoquimica.pptxAula 4. prospecao geoquimica.pptx
Aula 4. prospecao geoquimica.pptx
FrancineSilva42
 
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggAula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Mauriceia Santana
 
Intemperismo quimico
Intemperismo quimicoIntemperismo quimico
Intemperismo quimico
jessica zambonato
 
Minerais.ppt
Minerais.pptMinerais.ppt
Minerais.ppt
Ana Castro
 
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctilGeologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
marciotecsoma
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
marciotecsoma
 
ciclo rochoso e rochas igneas
ciclo rochoso e rochas igneas ciclo rochoso e rochas igneas
ciclo rochoso e rochas igneas
Nice Maia
 
Progradação, agradação e retrogradação
Progradação, agradação e retrogradaçãoProgradação, agradação e retrogradação
Progradação, agradação e retrogradação
Ezequias Guimaraes
 
DeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das RochasDeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das Rochas
Arminda Malho
 
As rochas ígneas
As rochas ígneasAs rochas ígneas
As rochas ígneas
Marcio Santos
 
Aula 7 est. sedimentares e facies geof (1)
Aula 7   est. sedimentares e facies geof (1)Aula 7   est. sedimentares e facies geof (1)
Aula 7 est. sedimentares e facies geof (1)
nathaliaoliveira31945243
 
Processos magmáticos
Processos magmáticos Processos magmáticos
Processos magmáticos
UEM
 
Dobras elementos de uma dobra
Dobras   elementos de uma dobraDobras   elementos de uma dobra
Dobras elementos de uma dobra
marciotecsoma
 
Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentares
Géssica Santos
 
Geologia estrutural classificação das dobras 1
Geologia estrutural   classificação das dobras 1Geologia estrutural   classificação das dobras 1
Geologia estrutural classificação das dobras 1
marciotecsoma
 
Granulometria grossa e média
Granulometria grossa e médiaGranulometria grossa e média
Granulometria grossa e média
GabrielSantos423080
 
7 metamorfismo de rochas pelíticas 2012
7   metamorfismo de rochas pelíticas 20127   metamorfismo de rochas pelíticas 2012
7 metamorfismo de rochas pelíticas 2012
Alex Ramires
 
Rochas metamórficas viii
Rochas metamórficas  viiiRochas metamórficas  viii
Rochas metamórficas viii
Isabel Henriques
 

Mais procurados (20)

Fraturas e falhas
Fraturas e falhasFraturas e falhas
Fraturas e falhas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Aula 4. prospecao geoquimica.pptx
Aula 4. prospecao geoquimica.pptxAula 4. prospecao geoquimica.pptx
Aula 4. prospecao geoquimica.pptx
 
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggAula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
 
Intemperismo quimico
Intemperismo quimicoIntemperismo quimico
Intemperismo quimico
 
Minerais.ppt
Minerais.pptMinerais.ppt
Minerais.ppt
 
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctilGeologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
 
ciclo rochoso e rochas igneas
ciclo rochoso e rochas igneas ciclo rochoso e rochas igneas
ciclo rochoso e rochas igneas
 
Progradação, agradação e retrogradação
Progradação, agradação e retrogradaçãoProgradação, agradação e retrogradação
Progradação, agradação e retrogradação
 
DeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das RochasDeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das Rochas
 
As rochas ígneas
As rochas ígneasAs rochas ígneas
As rochas ígneas
 
Aula 7 est. sedimentares e facies geof (1)
Aula 7   est. sedimentares e facies geof (1)Aula 7   est. sedimentares e facies geof (1)
Aula 7 est. sedimentares e facies geof (1)
 
Processos magmáticos
Processos magmáticos Processos magmáticos
Processos magmáticos
 
Dobras elementos de uma dobra
Dobras   elementos de uma dobraDobras   elementos de uma dobra
Dobras elementos de uma dobra
 
Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentares
 
Geologia estrutural classificação das dobras 1
Geologia estrutural   classificação das dobras 1Geologia estrutural   classificação das dobras 1
Geologia estrutural classificação das dobras 1
 
Granulometria grossa e média
Granulometria grossa e médiaGranulometria grossa e média
Granulometria grossa e média
 
7 metamorfismo de rochas pelíticas 2012
7   metamorfismo de rochas pelíticas 20127   metamorfismo de rochas pelíticas 2012
7 metamorfismo de rochas pelíticas 2012
 
Rochas metamórficas viii
Rochas metamórficas  viiiRochas metamórficas  viii
Rochas metamórficas viii
 

Destaque

Geoquímica: uma introdução
Geoquímica: uma introduçãoGeoquímica: uma introdução
Geoquímica: uma introdução
Oficina de Textos
 
Geoquímica
GeoquímicaGeoquímica
Geoquímica
MinnieZlav
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismo
marciotecsoma
 
Geoquimica
GeoquimicaGeoquimica
Fracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveisFracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveis
Marcio Santos
 
Geoquímica do solo aula 6
Geoquímica do solo   aula 6Geoquímica do solo   aula 6
Geoquímica do solo aula 6
marciotecsoma
 
HISTORIA GEOQUIMICA, GEOQUIMICA ORGANICA Y LIBROS GEO.ORGANIC
HISTORIA GEOQUIMICA, GEOQUIMICA ORGANICA Y LIBROS GEO.ORGANICHISTORIA GEOQUIMICA, GEOQUIMICA ORGANICA Y LIBROS GEO.ORGANIC
HISTORIA GEOQUIMICA, GEOQUIMICA ORGANICA Y LIBROS GEO.ORGANIC
Julian De Bedout Ordoñez
 
Processos supergênicos
Processos supergênicosProcessos supergênicos
Processos supergênicos
Jonathas Santos
 
Geoquímica dos elementos Terras Raras
Geoquímica dos elementos Terras RarasGeoquímica dos elementos Terras Raras
Geoquímica dos elementos Terras Raras
Cidinhoveronese
 
Classificação Geoquímica de Rochas Igneas
Classificação Geoquímica de Rochas IgneasClassificação Geoquímica de Rochas Igneas
Classificação Geoquímica de Rochas Igneas
Astrid Siachoque
 
Hidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios CársticosHidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios Cársticos
BrunoS26
 
Geoquimica y mineralogia de los elementos
Geoquimica y mineralogia de los elementosGeoquimica y mineralogia de los elementos
Geoquimica y mineralogia de los elementos
jeanka17
 
As falesias brancas da inglaterra - fotos
As falesias brancas da inglaterra - fotosAs falesias brancas da inglaterra - fotos
As falesias brancas da inglaterra - fotos
Serginho Sucesso
 
Geografia do Brasil
Geografia do BrasilGeografia do Brasil
Geografia do Brasil
Dário Melo
 
14 Encontro dos Viajantes - Chile de Norte a Sul
14 Encontro dos Viajantes - Chile de Norte a Sul14 Encontro dos Viajantes - Chile de Norte a Sul
14 Encontro dos Viajantes - Chile de Norte a Sul
Quatro Cantos do Mundo
 
Glaciações
GlaciaçõesGlaciações
Glaciações
Cristina Penha
 
Decaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologiaDecaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologia
Marcio Santos
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
Afonso Cardal
 
Dispersao 1 ufra
Dispersao 1 ufraDispersao 1 ufra
Dispersao 1 ufra
FlaviaVelasco
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
jrcruzoficial
 

Destaque (20)

Geoquímica: uma introdução
Geoquímica: uma introduçãoGeoquímica: uma introdução
Geoquímica: uma introdução
 
Geoquímica
GeoquímicaGeoquímica
Geoquímica
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismo
 
Geoquimica
GeoquimicaGeoquimica
Geoquimica
 
Fracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveisFracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveis
 
Geoquímica do solo aula 6
Geoquímica do solo   aula 6Geoquímica do solo   aula 6
Geoquímica do solo aula 6
 
HISTORIA GEOQUIMICA, GEOQUIMICA ORGANICA Y LIBROS GEO.ORGANIC
HISTORIA GEOQUIMICA, GEOQUIMICA ORGANICA Y LIBROS GEO.ORGANICHISTORIA GEOQUIMICA, GEOQUIMICA ORGANICA Y LIBROS GEO.ORGANIC
HISTORIA GEOQUIMICA, GEOQUIMICA ORGANICA Y LIBROS GEO.ORGANIC
 
Processos supergênicos
Processos supergênicosProcessos supergênicos
Processos supergênicos
 
Geoquímica dos elementos Terras Raras
Geoquímica dos elementos Terras RarasGeoquímica dos elementos Terras Raras
Geoquímica dos elementos Terras Raras
 
Classificação Geoquímica de Rochas Igneas
Classificação Geoquímica de Rochas IgneasClassificação Geoquímica de Rochas Igneas
Classificação Geoquímica de Rochas Igneas
 
Hidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios CársticosHidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios Cársticos
 
Geoquimica y mineralogia de los elementos
Geoquimica y mineralogia de los elementosGeoquimica y mineralogia de los elementos
Geoquimica y mineralogia de los elementos
 
As falesias brancas da inglaterra - fotos
As falesias brancas da inglaterra - fotosAs falesias brancas da inglaterra - fotos
As falesias brancas da inglaterra - fotos
 
Geografia do Brasil
Geografia do BrasilGeografia do Brasil
Geografia do Brasil
 
14 Encontro dos Viajantes - Chile de Norte a Sul
14 Encontro dos Viajantes - Chile de Norte a Sul14 Encontro dos Viajantes - Chile de Norte a Sul
14 Encontro dos Viajantes - Chile de Norte a Sul
 
Glaciações
GlaciaçõesGlaciações
Glaciações
 
Decaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologiaDecaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologia
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
 
Dispersao 1 ufra
Dispersao 1 ufraDispersao 1 ufra
Dispersao 1 ufra
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
 

Semelhante a Geoquímica - Dispersão Geoquímica

Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
Bruno Castilho
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Vitor Perfeito
 
resumo de geologia 10 ano
resumo de geologia 10 anoresumo de geologia 10 ano
resumo de geologia 10 ano
Diogo Batista
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Cidinhoveronese
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
Cidinhoveronese
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
engenhar
 
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
Sabina Tique
 
Glossário - Tema I
Glossário - Tema IGlossário - Tema I
Glossário - Tema I
Isaura Mourão
 
Resumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoResumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º ano
Rita Pereira
 
Geologia sedimentar
Geologia sedimentarGeologia sedimentar
Geologia sedimentar
Mateus Manharage
 
(1) biologia e geologia 10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
(1) biologia e geologia   10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...(1) biologia e geologia   10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
(1) biologia e geologia 10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
Hugo Martins
 
Processos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoProcessos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismo
Marcio Santos
 
01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx
Teresa Cardoso
 
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTESUNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
Rodrigo Andrade Brígido
 
Agentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevoAgentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevo
Fernando M. Knapik
 
Rochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptxRochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptx
JernimoLoureno1
 
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte III
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte III Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte III
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte III
Inct Acqua
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
Guilherme Ribeiro
 
Apresentação do 10.º ano de escolaridade sobre o Vulcanismo
Apresentação do 10.º ano de escolaridade sobre o VulcanismoApresentação do 10.º ano de escolaridade sobre o Vulcanismo
Apresentação do 10.º ano de escolaridade sobre o Vulcanismo
João Esperanço
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Hugo Martins
 

Semelhante a Geoquímica - Dispersão Geoquímica (20)

Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 
resumo de geologia 10 ano
resumo de geologia 10 anoresumo de geologia 10 ano
resumo de geologia 10 ano
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
 
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
 
Glossário - Tema I
Glossário - Tema IGlossário - Tema I
Glossário - Tema I
 
Resumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoResumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º ano
 
Geologia sedimentar
Geologia sedimentarGeologia sedimentar
Geologia sedimentar
 
(1) biologia e geologia 10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
(1) biologia e geologia   10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...(1) biologia e geologia   10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
(1) biologia e geologia 10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
 
Processos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoProcessos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismo
 
01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx
 
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTESUNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
 
Agentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevoAgentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevo
 
Rochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptxRochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptx
 
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte III
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte III Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte III
Curso de Biogeoquímica de Sedimentos Aquáticos - Parte III
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
 
Apresentação do 10.º ano de escolaridade sobre o Vulcanismo
Apresentação do 10.º ano de escolaridade sobre o VulcanismoApresentação do 10.º ano de escolaridade sobre o Vulcanismo
Apresentação do 10.º ano de escolaridade sobre o Vulcanismo
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
 

Mais de marciotecsoma

Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia   sustentabilidade dos aquíferosHidrologia   sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
marciotecsoma
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5
marciotecsoma
 
Impactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosImpactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferos
marciotecsoma
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferos
marciotecsoma
 
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
marciotecsoma
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidade
marciotecsoma
 
Hdrologia aplicada
Hdrologia aplicadaHdrologia aplicada
Hdrologia aplicada
marciotecsoma
 
Hidrologia porosidade
Hidrologia   porosidadeHidrologia   porosidade
Hidrologia porosidade
marciotecsoma
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
marciotecsoma
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferos
marciotecsoma
 
Ação geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneaAção geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrânea
marciotecsoma
 
Água subterrânea infiltração
Água subterrânea   infiltraçãoÁgua subterrânea   infiltração
Água subterrânea infiltração
marciotecsoma
 
Mapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosMapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicos
marciotecsoma
 
A geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGA geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MG
marciotecsoma
 
Hidrologia - Água Subterrânea 1
Hidrologia -  Água Subterrânea 1Hidrologia -  Água Subterrânea 1
Hidrologia - Água Subterrânea 1
marciotecsoma
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
marciotecsoma
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
marciotecsoma
 
Precipitação chuva, granizo e neve
Precipitação   chuva, granizo e nevePrecipitação   chuva, granizo e neve
Precipitação chuva, granizo e neve
marciotecsoma
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7
marciotecsoma
 
Geologia estrutural uso da bússola
Geologia estrutural   uso da bússolaGeologia estrutural   uso da bússola
Geologia estrutural uso da bússola
marciotecsoma
 

Mais de marciotecsoma (20)

Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia   sustentabilidade dos aquíferosHidrologia   sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5
 
Impactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosImpactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferos
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferos
 
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidade
 
Hdrologia aplicada
Hdrologia aplicadaHdrologia aplicada
Hdrologia aplicada
 
Hidrologia porosidade
Hidrologia   porosidadeHidrologia   porosidade
Hidrologia porosidade
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferos
 
Ação geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneaAção geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrânea
 
Água subterrânea infiltração
Água subterrânea   infiltraçãoÁgua subterrânea   infiltração
Água subterrânea infiltração
 
Mapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosMapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicos
 
A geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGA geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MG
 
Hidrologia - Água Subterrânea 1
Hidrologia -  Água Subterrânea 1Hidrologia -  Água Subterrânea 1
Hidrologia - Água Subterrânea 1
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
 
Precipitação chuva, granizo e neve
Precipitação   chuva, granizo e nevePrecipitação   chuva, granizo e neve
Precipitação chuva, granizo e neve
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7
 
Geologia estrutural uso da bússola
Geologia estrutural   uso da bússolaGeologia estrutural   uso da bússola
Geologia estrutural uso da bússola
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Geoquímica - Dispersão Geoquímica

  • 1. Geoquímica – 4º Período de Geologia - FINOMGeologia - FINOM Aula 3 – Dispersão Geoquímica professormarciosantosgeo.blogspot.com.br
  • 2. • Uma dada massa de material na Terra, normalmente não mantém sua identidade à medida que passa pelas transformações do ciclo geoquímico, mas, ao contrário, tende a ser redistribuída e fracionada e ainda misturada com outros materiais. • Quando a erosão expõe as rochas ao ambiente superficial, os elementos que as compõem são redistribuídos pela atuação dos agentes do intemperismo. • Uma série de rochas sedimentares químicas, clásticas ou clastoquímicas pode então se depositar. • Essas rochas sedimentares podem ser progressivamente• Essas rochas sedimentares podem ser progressivamente metamorfisadas, à medida que são submetidas a temperaturas e pressões progressivamente maiores, com acréscimo de eventuais componentes externos ao sistema. • As rochas submetidas a tais condições podem atingir um estado tão fluido que, durante um processo de fusão posterior, poderão vir a se diferenciar em vários tipos de rochas ígneas e de fluidos hidrotermais.
  • 3. Dispersão geoquímica • É o processo pelo qual íons e partículas se movem para novos locais de dispersão geoquímica. • Toda a dispersão ocorre em um sistema aberto e dinâmico, onde os materiais geológicos são submetidos a mudanças de quimismo do ambiente, temperatura, pressões, tensões mecânicas e outras condições físicas. • As rochas ou minerais e os grãos ou íons neles contidos, estáveis em determinado ambiente, são liberados e • As rochas ou minerais e os grãos ou íons neles contidos, estáveis em determinado ambiente, são liberados e dispersos, tanto pela ação de processos químicos quanto físicos. • A dispersão pode ser o resultado da atuação de agentes exclusivamente mecânicos, tais como a injeção de magmas ou movimentação de materiais superficiais por ação das águas das drenagens.
  • 4. • Os processos puramente mecânicos de dispersão envolvem a mistura, mas não a diferenciação dos materiais dispersos em frações específicas (exceto na segregação natural, característica das aluviões areno- argilosas). • Os processos químicos e bioquímicos geralmente criam frações de composição bastante diversa. • As frações mais móveis tendem a abandonar o seu• As frações mais móveis tendem a abandonar o seu hospedeiro original quando estiverem disponíveis condutos e gradientes físico-químicos mais adequados. • Quando uma fase móvel entra em um novo ambiente, uma parte do material introduzido pode se depositar em virtude das novas condições de equilíbrio do sistema.
  • 5. Halos geoquímicos • As rochas encaixantes, as formações inconsolidadas, a vegetação e as águas superficiais e subterrâneas podem revelar uma anomalia geoquímica. • Halo Geoquímico primário: formação durante os• Halo Geoquímico primário: formação durante os processos de formação do depósito mineral. • Halo Geoquímico Secundário: redistribuição do padrão primário por processos tardios. Relaciona- se com os processos de decomposição em ambiente supergênico.
  • 6. • A dispersão pode ser profunda ou superficial, dependendo do ambiente geoquímico em que ocorrer, e primária ou secundária se ocorrer durante a formação do depósito mineral ou em um estágio tardio. – Na dispersão profunda, os canais e locais de migração e redeposição são as fissuras e os espaços intergranulares das rochas posicionadas em profundidade. Ambientes: magmáticos, metamórficos ou hidrotermais.magmáticos, metamórficos ou hidrotermais. • Nas proximidades dos depósitos magmáticos e da maioria dos hidrotermais, a dispersão primária está relacionada ao ambiente profundo e a dispersão secundária ao ambiente superficial. – A dispersão superficial se desenvolve próximo da superfície ou nela mesma, em fissuras e juntas de rochas próximas da superfície, na cobertura inconsolidada, nas drenagens, lagos, vegetação e mesmo no ar.
  • 7. • A dispersão primária inclui todos os processos que conduzem ao posicionamento de elementos durante a formação de um depósito mineral, não importando o modo como o depósito tenha se formado. • A dispersão secundária aplica-se à redistribuição das feições primárias por qualquer processo posterior, geralmente no ambiente superficial. • Para as mineralizações formadas por soluções hidrotermais e em profundidade, os dois termos têm significadose em profundidade, os dois termos têm significados similares. • Para os depósitos sedimentares singenéticos, entretanto, as feições primárias seriam aquelas formadas durante a sedimentação (tabela 2.1) e as secundárias seriam as formadas posteriormente, casos o depósito fosse exposto ao intemperismo ou se o depósito fosse metamorfisado após a formação.
  • 9. • É importante distinguir entre ambiente e momento em que o processo ocorre, pois é o conjunto que determina as características da dispersão geoquímica resultante. • Na dispersão profunda, os canais e locais de migração e redeposição são as fissuras e os espaços intergranulares das rochas posicionadas emintergranulares das rochas posicionadas em profundidade. • A dispersão superficial se desenvolve próximo da superfície ou nela mesma, possibilitando a formação de feições nas fissuras e juntas de rochas próximas da superfície, na cobertura inconsolidada, nas drenagens, lagos, vegetação e mesmo no ar
  • 10.
  • 11. • A dispersão química dependerá da mobilidade do elemento. – Mobilidade é a facilidade que o elemento químico se move em solução em determinado ambiente. Ou seja, é a resposta do elemento químico aos processos de dispersão geoquímica. • O geoquímico de exploração procura traços dos elementos químicos que tenham se dispersado a partir de corpos mineralizados.de corpos mineralizados. • Esses processos de dispersão normalmente dão origem a uma área-alvo, consideravelmente mais ampla que a própria mineralização. • Além disso, o geoquímico de exploração se interessa pelas feições de distribuição dos elementos mineralizadores, porque ele deve ser capaz de distinguir essas feições normais daquelas relacionadas a corpos de minério.
  • 12. Associação de Elementos • Os elementos tendem a se associar nos processos geológicos devida às suas mobilidades relativas. • Observando o conjunto de ambientes nos quais dois elementos estão associados, a razão entre eles permanece relativamente constante, de modo que os teores elevados de um são acompanhados por valores elevados do outro e vice-versa. • Alguns elementos mantêm associações características em• Alguns elementos mantêm associações características em um amplo espectro de condições geológicas e podem se mover juntos durante a maioria dos processos do ambiente profundo (hipogênico), rompendo-se essa afinidade sob as condições ambientais do ambiente superficial. • Outros são característicos de rochas plutônicas muito específicas e dos minérios oxidados associados, ou de minérios sulfetados ou de certos tipos de minérios sedimentares. A presença de um membro associado sugere a presença dos outros (tabela).