SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTILÍSTICA
Prof. Jonh Jefferson Alves
CONCEITOS INICIAIS
A Estilística é a parte dos estudos da linguagem que, como o
próprio nome denota, preocupa-se com o estilo. Nela, a
linguagem pode ser utilizada para fins estéticos, conferindo à
palavra dados emotivos.
A Estilística está relacionada com a função expressiva, que
pretende conferir emoção ao discurso através de recursos como
as figuras de linguagem
CONCEITOS INICIAIS
A linguagem afetiva é representada por esse importante
recurso, no qual podemos observar os processos de manipulação
da linguagem utilizados para extrapolar a mera função de
informar. Na Estilística há um interessante contraste entre o
emocional e o intelectivo, estabelecendo uma relação de
complementaridade entre seu estudo e o estudo da Gramática,
que aborda a linguagem de uma maneira mais normativa e
sistematizada.
ESTILÍSTICA LITERÁRIA
Estrutura organizada a partir
de sons, sonoridade própria
das figuras de linguagem.
ESTILÍSTICA LINGUÍSTICA
Estrutura formadas por
flexão, aglutinação,
neologismos, classificação,
significação. Polissemia;
Efeitos de realce;
Substantivação.
● ALITERAÇÃO;
● ASSONÂNCIA;
● ONOMATOPEIA.
● METÁFORA;
● METONÍMIA.
Organização da estrutura de
uma oração.
● ELÍPSE;
● HIPERBATO;
● PLEONASMO.
Estrutura organizada a partir
de sons, sonoridade própria
das figuras de linguagem.
ESTILÍSTICA LINGUÍSTICA
Estrutura formadas por
flexão, aglutinação,
neologismos, classificação,
significação. Polissemia;
Efeitos de realce;
Substantivação.
● ALITERAÇÃO;
● ASSONÂNCIA;
● ONOMATOPEIA.
● METÁFORA;
● METONÍMIA.
Organização da estrutura de
uma oração.
● ELÍPSE;
● HIPERBATO;
● PLEONASMO.
FIGURAS FONOLÓGICAS
A aliteração é caracterizada pela repetição harmônica e
ritmada de sons consonantais. São destacadas, principalmente,
os fonemas iniciais das palavras .
FIGURAS FONOLÓGICAS
FIGURAS FONOLÓGICAS
Ocorre a assonância com a repetição de sons vocálicos na
frase ou período. Este com o intuito de conferir musicalidade ao
texto.
FIGURAS FONOLÓGICAS
FIGURAS FONOLÓGICAS
Palavra formada pela imitação de um som natural.
FIGURAS FONOLÓGICAS
Palavra formada pela imitação de um som natural.
Estrutura organizada a partir
de sons, sonoridade própria
das figuras de linguagem.
ESTILÍSTICA LINGUÍSTICA
Estrutura formadas por
flexão, aglutinação,
neologismos, classificação,
significação. Polissemia;
Efeitos de realce;
Substantivação.
● ALITERAÇÃO;
● ASSONÂNCIA;
● ONOMATOPEIA.
● METÁFORA;
● METONÍMIA.
Organização da estrutura de
uma oração.
● ELÍPSE;
● HIPERBATO;
● PLEONASMO.
FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS
A metáfora representa uma comparação de palavras com
significados diferentes e cujo conectivo de comparação (como, tal
qual) fica subentendido na frase.
FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS
Metáfora em músicas
As metáforas possuem um grande valor em construções poéticas, como em músicas,
devido a capacidade que as analogias tem de gerar um efeito muito bonito nas
associações e comparações implícitas que elas fazem. Observe:
“Mina, seus cabelo é da hora
Seu corpão violão
Meu docinho de coco
Tá me deixando louco
[...]”
Esse é um trecho canção “Pelados em Santos” dos Mamonas Assassinas, a fim de
elogiar a pessoa amada são feitas analogias, como por exemplo “da hora” podemos
subtender como “a moda do momento” e “violão” quer dizer um corpo “cheio de curvas
harmônicas”.
FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS
Metáfora na literatura
O lugar mais frutífero para encontrar metáforas é, sobretudo, na literatura, seja
poesia ou prosa. As analogias tornam os textos mais ricos e dinâmicos, ajudando
também a criar mensagens nas entrelinhas do que está escrito. Veja:
“Meu pensamento é um rio subterrâneo.
Para que terras vai e donde vem?
Não sei... Na noite em que o meu ser o tem
Emerge dele um ruído subitâneo
[...]”
Nessa estrofe do poema “Meu Pensamento” de Fernando Pessoa foi estabelecido
uma relação de semelhança entre seu pensamento e um rio subterrâneo, podemos
aferir que isso possa representar a profundidade ou a fluidez do raciocínio do autor.
FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS
Recurso expressivo que
consiste no emprego de uma
palavra em vez de outra
devido a uma relação de
contiguidade existente entre
elas, que se exprime nas
relações da causa pelo
efeito, do todo pela parte, do
continente pelo conteúdo,
etc., e vice-versa (exemplo:
beber um copo - conteúdo do
copo)
FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS
A metonímia é a transposição de significados considerando
parte pelo todo, autor pela obra.
Estrutura organizada a partir
de sons, sonoridade própria
das figuras de linguagem.
ESTILÍSTICA LINGUÍSTICA
Estrutura formadas por
flexão, aglutinação,
neologismos, classificação,
significação. Polissemia;
Efeitos de realce;
Substantivação.
● ALITERAÇÃO;
● ASSONÂNCIA;
● ONOMATOPEIA.
● METÁFORA;
● METONÍMIA.
Organização da estrutura de
uma oração.
● ELÍPSE;
● HIPERBATO;
● PLEONASMO.
FIGURAS SINTAXE
A elipse é uma figura de
linguagem caracterizada por
omitir um termo linguístico
(palavra ou expressão) no
enunciado. Apesar de omitido,
esse termo costuma ser
facilmente subentendido pelo
contexto. Assim, sua omissão
não torna o enunciado
incompreensível.
Exemplos:
Na minha estante, livros e
discos antigos.
Nessa frase foi omitido o termo “há”. A
frase completa seria: “Na minha
estante há livros e discos antigos”.
Chegamos tarde ontem.
Nesse exemplo foi omitido o pronome
pessoal “nós”, que é o sujeito da
oração. A frase completa seria: “Nós
chegamos tarde ontem”.
FIGURAS SINTAXE
A elipse é uma figura de linguagem caracterizada por omitir
um termo linguístico (palavra ou expressão) no enunciado.
Apesar de omitido, esse termo costuma ser facilmente
subentendido pelo contexto. Assim, sua omissão não torna o
enunciado incompreensível.
FIGURAS SINTAXE
Hipérbato também
conhecido como inversão ou
anástrofe, é uma figura de
linguagem que consiste na
troca da ordem direta dos
termos da frase ou de nomes e
seus determinantes. Incide
quando há demasia
propositada num conceito.
FIGURAS SINTAXE
Pleonasmo é uma figura de linguagem usada para intensificar o
significado de um termo através da repetição da própria palavra ou
da ideia contida nela.
No poema de Manuel Bandeira, na frase, "Chovia uma triste chuva
de resignação", o autor ao usar a palavra chuva, repete a ideia já contida
no verbo chover (chovia chuva). Essa repetição foi usada para reforçar a
expressividade do verbo chover.
FIGURAS SINTAXE
Pleonasmo é uma figura de linguagem usada para intensificar o
significado de um termo através da repetição da própria palavra ou
da ideia contida nela.
FIGURAS SINTAXE
FIGURAS SINTAXE
Muitas pessoas ainda associam o estilo a uma ideia de
deformação da norma linguística, o que não é necessariamente
uma verdade, visto que existe uma grande diferença entre traço
estilístico e erro gramatical. O traço estilístico acontece quando
há uma intenção estético-expressiva que justifique o desvio da
norma gramatical. Já o erro gramatical não apresenta uma
intenção estética, pois configura-se apenas como um
desconhecimento das regras.
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
Carolina Loçasso Pereira
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
Fábio Guimarães
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
Cassandra Cruz
 
Gênero Cronica
Gênero Cronica Gênero Cronica
Gênero Cronica
Lineia Bertollo
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
Marilia Teddy
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
Carolina Loçasso Pereira
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Andreia Jaqueline Bach
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Ricardo Leandro Flores Ricalde
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
Jaciara Mota
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
Antonio Minharro
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
leticiararek
 
Denotação e Conotação - Resumo.pptx
Denotação e Conotação - Resumo.pptxDenotação e Conotação - Resumo.pptx
Denotação e Conotação - Resumo.pptx
Rafael Moraes
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Andriane Cursino
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
Denise
 

Mais procurados (20)

Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Gênero Cronica
Gênero Cronica Gênero Cronica
Gênero Cronica
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Denotação e Conotação - Resumo.pptx
Denotação e Conotação - Resumo.pptxDenotação e Conotação - Resumo.pptx
Denotação e Conotação - Resumo.pptx
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 

Semelhante a ESTILÍSTICA.ppt

FIGURA DE LINGUAGEM E TEXTO DE LINGUAGEM POÉTICA (1).pdf
FIGURA DE LINGUAGEM E TEXTO DE LINGUAGEM POÉTICA (1).pdfFIGURA DE LINGUAGEM E TEXTO DE LINGUAGEM POÉTICA (1).pdf
FIGURA DE LINGUAGEM E TEXTO DE LINGUAGEM POÉTICA (1).pdf
Anna Vaz Boechat
 
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticosRecursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Marcia Oliveira
 
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptxSLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
Nathaly Teresa Paulino
 
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxrecursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
MarluceBrum1
 
Texto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literárioTexto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literário
Don Veneziani
 
Texto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literárioTexto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literário
vinivs
 
Semântica
SemânticaSemântica
Figura de som
Figura de somFigura de som
Figura de som
densron
 
22195856 figuras-de-linguagem
22195856 figuras-de-linguagem22195856 figuras-de-linguagem
22195856 figuras-de-linguagem
caio_phb
 
5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica
Pactoufba
 
Cadeia de referência
Cadeia de referênciaCadeia de referência
Cadeia de referência
Marluce Brum
 
Fonética maira
Fonética   mairaFonética   maira
Fonética maira
Henrique Andrade Germano
 
Fonética maira
Fonética   mairaFonética   maira
Fonética maira
Henrique Andrade Germano
 
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico ApresentacaoConciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
karla Brasil
 
Conciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento FonologicoConciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento Fonologico
estercotrim
 
Olimpiada de lingua_portuguesa
Olimpiada de lingua_portuguesaOlimpiada de lingua_portuguesa
Olimpiada de lingua_portuguesa
angelacolinas
 
Aula de linguagem de figuras portuguesas
Aula de linguagem de figuras portuguesasAula de linguagem de figuras portuguesas
Aula de linguagem de figuras portuguesas
irenekauane3
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..pptFiguras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
FelipeAcioli5
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..pptFiguras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Rozenilda1
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..pptFiguras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Sandra Lima
 

Semelhante a ESTILÍSTICA.ppt (20)

FIGURA DE LINGUAGEM E TEXTO DE LINGUAGEM POÉTICA (1).pdf
FIGURA DE LINGUAGEM E TEXTO DE LINGUAGEM POÉTICA (1).pdfFIGURA DE LINGUAGEM E TEXTO DE LINGUAGEM POÉTICA (1).pdf
FIGURA DE LINGUAGEM E TEXTO DE LINGUAGEM POÉTICA (1).pdf
 
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticosRecursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
 
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptxSLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
 
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxrecursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
 
Texto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literárioTexto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literário
 
Texto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literárioTexto literário e texto não literário
Texto literário e texto não literário
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Figura de som
Figura de somFigura de som
Figura de som
 
22195856 figuras-de-linguagem
22195856 figuras-de-linguagem22195856 figuras-de-linguagem
22195856 figuras-de-linguagem
 
5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica
 
Cadeia de referência
Cadeia de referênciaCadeia de referência
Cadeia de referência
 
Fonética maira
Fonética   mairaFonética   maira
Fonética maira
 
Fonética maira
Fonética   mairaFonética   maira
Fonética maira
 
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico ApresentacaoConciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
Conciencia Conhecimento Fonologico Apresentacao
 
Conciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento FonologicoConciencia Conhecimento Fonologico
Conciencia Conhecimento Fonologico
 
Olimpiada de lingua_portuguesa
Olimpiada de lingua_portuguesaOlimpiada de lingua_portuguesa
Olimpiada de lingua_portuguesa
 
Aula de linguagem de figuras portuguesas
Aula de linguagem de figuras portuguesasAula de linguagem de figuras portuguesas
Aula de linguagem de figuras portuguesas
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..pptFiguras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..pptFiguras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..pptFiguras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
Figuras de linguagem e efeitos de sentido..ppt
 

Mais de JohnJeffersonAlves1

LITERATURA PIAUIENSE.pptx
LITERATURA PIAUIENSE.pptxLITERATURA PIAUIENSE.pptx
LITERATURA PIAUIENSE.pptx
JohnJeffersonAlves1
 
2. O adjetivo e sua construção de sentidos no texto..ppt
2. O adjetivo e sua construção de sentidos no texto..ppt2. O adjetivo e sua construção de sentidos no texto..ppt
2. O adjetivo e sua construção de sentidos no texto..ppt
JohnJeffersonAlves1
 
AULA ASSINCRONA 22.04.22.pdf
AULA ASSINCRONA 22.04.22.pdfAULA ASSINCRONA 22.04.22.pdf
AULA ASSINCRONA 22.04.22.pdf
JohnJeffersonAlves1
 
FATORES DE TEXTUALIDADE 2.pdf
FATORES DE TEXTUALIDADE 2.pdfFATORES DE TEXTUALIDADE 2.pdf
FATORES DE TEXTUALIDADE 2.pdf
JohnJeffersonAlves1
 
Literatura.pdf
Literatura.pdfLiteratura.pdf
Literatura.pdf
JohnJeffersonAlves1
 
estilística.pdf
estilística.pdfestilística.pdf
estilística.pdf
JohnJeffersonAlves1
 
Gênero textual 2.pptx
Gênero textual 2.pptxGênero textual 2.pptx
Gênero textual 2.pptx
JohnJeffersonAlves1
 
SLIDE JAYSLA.pptx
SLIDE JAYSLA.pptxSLIDE JAYSLA.pptx
SLIDE JAYSLA.pptx
JohnJeffersonAlves1
 
ALFABETO FONÉTICO INTERNACIONAL.ppt
ALFABETO FONÉTICO INTERNACIONAL.pptALFABETO FONÉTICO INTERNACIONAL.ppt
ALFABETO FONÉTICO INTERNACIONAL.ppt
JohnJeffersonAlves1
 
Fatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaFatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguística
JohnJeffersonAlves1
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
JohnJeffersonAlves1
 
BNCC
BNCCBNCC
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
JohnJeffersonAlves1
 
SEMANTICA.ppt
SEMANTICA.pptSEMANTICA.ppt
SEMANTICA.ppt
JohnJeffersonAlves1
 
FATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
FATORES DE TEXTUALIDADE.pptFATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
FATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
JohnJeffersonAlves1
 
Gênero textual - biografia
Gênero textual - biografiaGênero textual - biografia
Gênero textual - biografia
JohnJeffersonAlves1
 
Neologismos e os mecanismos de ressignificação de palavras
Neologismos e os mecanismos de ressignificação de palavrasNeologismos e os mecanismos de ressignificação de palavras
Neologismos e os mecanismos de ressignificação de palavras
JohnJeffersonAlves1
 
Aula BNCC em 29-08-2018.pptx
Aula BNCC em 29-08-2018.pptxAula BNCC em 29-08-2018.pptx
Aula BNCC em 29-08-2018.pptx
JohnJeffersonAlves1
 
Termos Associados ao Verbo -Lucas e Isabel.pdf
Termos Associados ao Verbo -Lucas e Isabel.pdfTermos Associados ao Verbo -Lucas e Isabel.pdf
Termos Associados ao Verbo -Lucas e Isabel.pdf
JohnJeffersonAlves1
 
Concepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensinoConcepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensino
JohnJeffersonAlves1
 

Mais de JohnJeffersonAlves1 (20)

LITERATURA PIAUIENSE.pptx
LITERATURA PIAUIENSE.pptxLITERATURA PIAUIENSE.pptx
LITERATURA PIAUIENSE.pptx
 
2. O adjetivo e sua construção de sentidos no texto..ppt
2. O adjetivo e sua construção de sentidos no texto..ppt2. O adjetivo e sua construção de sentidos no texto..ppt
2. O adjetivo e sua construção de sentidos no texto..ppt
 
AULA ASSINCRONA 22.04.22.pdf
AULA ASSINCRONA 22.04.22.pdfAULA ASSINCRONA 22.04.22.pdf
AULA ASSINCRONA 22.04.22.pdf
 
FATORES DE TEXTUALIDADE 2.pdf
FATORES DE TEXTUALIDADE 2.pdfFATORES DE TEXTUALIDADE 2.pdf
FATORES DE TEXTUALIDADE 2.pdf
 
Literatura.pdf
Literatura.pdfLiteratura.pdf
Literatura.pdf
 
estilística.pdf
estilística.pdfestilística.pdf
estilística.pdf
 
Gênero textual 2.pptx
Gênero textual 2.pptxGênero textual 2.pptx
Gênero textual 2.pptx
 
SLIDE JAYSLA.pptx
SLIDE JAYSLA.pptxSLIDE JAYSLA.pptx
SLIDE JAYSLA.pptx
 
ALFABETO FONÉTICO INTERNACIONAL.ppt
ALFABETO FONÉTICO INTERNACIONAL.pptALFABETO FONÉTICO INTERNACIONAL.ppt
ALFABETO FONÉTICO INTERNACIONAL.ppt
 
Fatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguísticaFatores responsáveis pela variação linguística
Fatores responsáveis pela variação linguística
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
BNCC
BNCCBNCC
BNCC
 
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
Níveis de linguagem formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasi...
 
SEMANTICA.ppt
SEMANTICA.pptSEMANTICA.ppt
SEMANTICA.ppt
 
FATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
FATORES DE TEXTUALIDADE.pptFATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
FATORES DE TEXTUALIDADE.ppt
 
Gênero textual - biografia
Gênero textual - biografiaGênero textual - biografia
Gênero textual - biografia
 
Neologismos e os mecanismos de ressignificação de palavras
Neologismos e os mecanismos de ressignificação de palavrasNeologismos e os mecanismos de ressignificação de palavras
Neologismos e os mecanismos de ressignificação de palavras
 
Aula BNCC em 29-08-2018.pptx
Aula BNCC em 29-08-2018.pptxAula BNCC em 29-08-2018.pptx
Aula BNCC em 29-08-2018.pptx
 
Termos Associados ao Verbo -Lucas e Isabel.pdf
Termos Associados ao Verbo -Lucas e Isabel.pdfTermos Associados ao Verbo -Lucas e Isabel.pdf
Termos Associados ao Verbo -Lucas e Isabel.pdf
 
Concepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensinoConcepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensino
 

Último

Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

ESTILÍSTICA.ppt

  • 2. CONCEITOS INICIAIS A Estilística é a parte dos estudos da linguagem que, como o próprio nome denota, preocupa-se com o estilo. Nela, a linguagem pode ser utilizada para fins estéticos, conferindo à palavra dados emotivos. A Estilística está relacionada com a função expressiva, que pretende conferir emoção ao discurso através de recursos como as figuras de linguagem
  • 3. CONCEITOS INICIAIS A linguagem afetiva é representada por esse importante recurso, no qual podemos observar os processos de manipulação da linguagem utilizados para extrapolar a mera função de informar. Na Estilística há um interessante contraste entre o emocional e o intelectivo, estabelecendo uma relação de complementaridade entre seu estudo e o estudo da Gramática, que aborda a linguagem de uma maneira mais normativa e sistematizada.
  • 5. Estrutura organizada a partir de sons, sonoridade própria das figuras de linguagem. ESTILÍSTICA LINGUÍSTICA Estrutura formadas por flexão, aglutinação, neologismos, classificação, significação. Polissemia; Efeitos de realce; Substantivação. ● ALITERAÇÃO; ● ASSONÂNCIA; ● ONOMATOPEIA. ● METÁFORA; ● METONÍMIA. Organização da estrutura de uma oração. ● ELÍPSE; ● HIPERBATO; ● PLEONASMO.
  • 6. Estrutura organizada a partir de sons, sonoridade própria das figuras de linguagem. ESTILÍSTICA LINGUÍSTICA Estrutura formadas por flexão, aglutinação, neologismos, classificação, significação. Polissemia; Efeitos de realce; Substantivação. ● ALITERAÇÃO; ● ASSONÂNCIA; ● ONOMATOPEIA. ● METÁFORA; ● METONÍMIA. Organização da estrutura de uma oração. ● ELÍPSE; ● HIPERBATO; ● PLEONASMO.
  • 7. FIGURAS FONOLÓGICAS A aliteração é caracterizada pela repetição harmônica e ritmada de sons consonantais. São destacadas, principalmente, os fonemas iniciais das palavras .
  • 9. FIGURAS FONOLÓGICAS Ocorre a assonância com a repetição de sons vocálicos na frase ou período. Este com o intuito de conferir musicalidade ao texto.
  • 11. FIGURAS FONOLÓGICAS Palavra formada pela imitação de um som natural.
  • 12. FIGURAS FONOLÓGICAS Palavra formada pela imitação de um som natural.
  • 13. Estrutura organizada a partir de sons, sonoridade própria das figuras de linguagem. ESTILÍSTICA LINGUÍSTICA Estrutura formadas por flexão, aglutinação, neologismos, classificação, significação. Polissemia; Efeitos de realce; Substantivação. ● ALITERAÇÃO; ● ASSONÂNCIA; ● ONOMATOPEIA. ● METÁFORA; ● METONÍMIA. Organização da estrutura de uma oração. ● ELÍPSE; ● HIPERBATO; ● PLEONASMO.
  • 14. FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS A metáfora representa uma comparação de palavras com significados diferentes e cujo conectivo de comparação (como, tal qual) fica subentendido na frase.
  • 15. FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS Metáfora em músicas As metáforas possuem um grande valor em construções poéticas, como em músicas, devido a capacidade que as analogias tem de gerar um efeito muito bonito nas associações e comparações implícitas que elas fazem. Observe: “Mina, seus cabelo é da hora Seu corpão violão Meu docinho de coco Tá me deixando louco [...]” Esse é um trecho canção “Pelados em Santos” dos Mamonas Assassinas, a fim de elogiar a pessoa amada são feitas analogias, como por exemplo “da hora” podemos subtender como “a moda do momento” e “violão” quer dizer um corpo “cheio de curvas harmônicas”.
  • 16. FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS Metáfora na literatura O lugar mais frutífero para encontrar metáforas é, sobretudo, na literatura, seja poesia ou prosa. As analogias tornam os textos mais ricos e dinâmicos, ajudando também a criar mensagens nas entrelinhas do que está escrito. Veja: “Meu pensamento é um rio subterrâneo. Para que terras vai e donde vem? Não sei... Na noite em que o meu ser o tem Emerge dele um ruído subitâneo [...]” Nessa estrofe do poema “Meu Pensamento” de Fernando Pessoa foi estabelecido uma relação de semelhança entre seu pensamento e um rio subterrâneo, podemos aferir que isso possa representar a profundidade ou a fluidez do raciocínio do autor.
  • 17. FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS Recurso expressivo que consiste no emprego de uma palavra em vez de outra devido a uma relação de contiguidade existente entre elas, que se exprime nas relações da causa pelo efeito, do todo pela parte, do continente pelo conteúdo, etc., e vice-versa (exemplo: beber um copo - conteúdo do copo)
  • 18. FIGURAS LEXICAIS/SEMÂNTICAS A metonímia é a transposição de significados considerando parte pelo todo, autor pela obra.
  • 19. Estrutura organizada a partir de sons, sonoridade própria das figuras de linguagem. ESTILÍSTICA LINGUÍSTICA Estrutura formadas por flexão, aglutinação, neologismos, classificação, significação. Polissemia; Efeitos de realce; Substantivação. ● ALITERAÇÃO; ● ASSONÂNCIA; ● ONOMATOPEIA. ● METÁFORA; ● METONÍMIA. Organização da estrutura de uma oração. ● ELÍPSE; ● HIPERBATO; ● PLEONASMO.
  • 20. FIGURAS SINTAXE A elipse é uma figura de linguagem caracterizada por omitir um termo linguístico (palavra ou expressão) no enunciado. Apesar de omitido, esse termo costuma ser facilmente subentendido pelo contexto. Assim, sua omissão não torna o enunciado incompreensível. Exemplos: Na minha estante, livros e discos antigos. Nessa frase foi omitido o termo “há”. A frase completa seria: “Na minha estante há livros e discos antigos”. Chegamos tarde ontem. Nesse exemplo foi omitido o pronome pessoal “nós”, que é o sujeito da oração. A frase completa seria: “Nós chegamos tarde ontem”.
  • 21. FIGURAS SINTAXE A elipse é uma figura de linguagem caracterizada por omitir um termo linguístico (palavra ou expressão) no enunciado. Apesar de omitido, esse termo costuma ser facilmente subentendido pelo contexto. Assim, sua omissão não torna o enunciado incompreensível.
  • 22. FIGURAS SINTAXE Hipérbato também conhecido como inversão ou anástrofe, é uma figura de linguagem que consiste na troca da ordem direta dos termos da frase ou de nomes e seus determinantes. Incide quando há demasia propositada num conceito.
  • 23. FIGURAS SINTAXE Pleonasmo é uma figura de linguagem usada para intensificar o significado de um termo através da repetição da própria palavra ou da ideia contida nela. No poema de Manuel Bandeira, na frase, "Chovia uma triste chuva de resignação", o autor ao usar a palavra chuva, repete a ideia já contida no verbo chover (chovia chuva). Essa repetição foi usada para reforçar a expressividade do verbo chover.
  • 24. FIGURAS SINTAXE Pleonasmo é uma figura de linguagem usada para intensificar o significado de um termo através da repetição da própria palavra ou da ideia contida nela.
  • 26. FIGURAS SINTAXE Muitas pessoas ainda associam o estilo a uma ideia de deformação da norma linguística, o que não é necessariamente uma verdade, visto que existe uma grande diferença entre traço estilístico e erro gramatical. O traço estilístico acontece quando há uma intenção estético-expressiva que justifique o desvio da norma gramatical. Já o erro gramatical não apresenta uma intenção estética, pois configura-se apenas como um desconhecimento das regras.