SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
Curso de Preparação para Tradutor/Intérprete da Língua Brasileira de Sinais  6ª Edição  Linguística Geral Prof.ª Esp. Mariana Correia marianacorreiail@yahoo.com.br http://profmarianacorreia.blogspot.com
Parte 2: Teorias LinguísticaS
Histórico do Estudo da Linguagem Índia, há mais ou menos 2500 anos atrás, Panini já tinha elaborado uma gramática bastante sofisticada do sânscrito, em seus aspectos fonéticos, fonológicos, morfológicos, sintáticos e semânticos. Na Grécia antiga, muitos filósofos também se interessavam por vários aspectos da língua humana, entre eles, a relação entre língua e pensamento, a gramática, a retórica, e a poética.
Histórico do Estudo da Linguagem Na Idade Média, um grande esforço foi feito por parte dos estudiosos da língua, no sentido de preservar o latim da influência das línguas dos povos bárbaros, que tinham invadido o Império Romano, e que tinham se estabelecido em toda a Europa. Isso significa que, nessa época, os estudos lingüísticos tinham uma orientação prescritivista.
Histórico do Estudo da Linguagem Na Idade Moderna, com os descobrimentos da África e das Américas, e com o domínio da Europa sobre boa parte da Ásia, um novo interesse linguístico surgiu. Os europeus estavam diante de línguas muito diferentes daquelas com as quais eles estavam acostumados.
Histórico do Estudo da Linguagem Os estudiosos das línguas não podiam mais ficar limitados aos estudos sobre o grego e o latim, e começaram a observar, ainda que perplexos, os fenômenos fonéticos e gramaticais de línguas como o chinês, como certas línguas indígenas da América, e certas línguas africanas. Aí tem início uma linha de estudos lingüísticos que atingiu seu apogeu no século XIX: os estudos histórico-comparativos.
Histórico do Estudo da Linguagem Em 1816, um estudioso da história das línguas chamado Franz Bopp publica um estudo comparativo da conjugação verbal do sânscrito, do grego, do latim, do persa e do germânico, que evidencia a enorme semelhança entre essas línguas. Surge, nesse momento, a idéiado parentesco entre línguas.
Ferndinand de Saussure
O nascimento de uma ciência No contexto desses estudos histórico-comparativos que Saussure lança suas ideias sobre a língua e sobre a linguagem.  Os estudos linguísticos começam a adquirir um caráter mais profundo e abstrato passando a se interessar pela língua como um sistema de valores estruturado e autônomo, que é subjacente a toda e qualquer produção linguística.  A linguística passa a ser concebida como uma ciência: ela não só descreve fatos linguísticos, mas busca uma explicação coerente para sua ocorrência.
O nascimento de uma ciência No início do século XX, a afirmação de Saussure de que a língua é fundamentalmente um instrumento de comunicação constituiu uma das principais rupturas da linguística saussureana, em relação às concepções anteriores dos comparatistas e das gramáticas gerais do século XIX. Porque, para estes estudiosos, a língua era uma representação, ou seja, representava uma estrutura de pensamento, que existiria independentemente da formalização linguística, e a comunicação e a “lei do menor esforço” que a caracterizam, seriam causas da “desorganização” gramatical das línguas, do seu declínio e transformação em “ruínas linguísticas”. BARROS in FIORIN (2010)
Curso de Linguística Geral O  Curso de Linguística Geral, de Saussure, é uma obra póstuma. Nos anos de 1907, 1908 e 1910, Saussure deu três cursos na Universidade de Genebra, na Suíça. Alguns de seus alunos tomaram notas de suas aulas, e, em 1916, publicaram a famosa obra intitulada Curso de Linguística Geral, contendo uma boa parte do pensamento de Saussure, que tinha morrido em 1913.
Linguagem x língua
Linguagem para Saussure A linguagem é uma faculdade humana, uma capacidade que os homens têm para produzir, desenvolver, compreender a língua e outras manifestações simbólicas semelhantes à língua. A linguagem é heterogênea e multifacetada: ela tem aspectos físicos, fisiológicos e psíquicos, e pertence tanto ao domínio individual quanto ao domínio social.
Linguagem para Saussure Para Saussure, é impossível descobrir a unidade da linguagem. Por isso, ela não pode ser estudada como uma categoria única de fatos humanos.
Objeto de estudo: Língua Diferentemente da linguagem a língua é uma parte bem definida e essencial da faculdade da linguagem. É um produto social da faculdade da linguagem e um conjunto de convenções necessárias, estabelecidas e adotadas por um grupo social para o exercício da faculdade da linguagem. A língua é uma unidade por si só.
Objeto de estudo: Língua A língua é um fenômeno que está além do domínio individual de cada um de nós. Éproduto de uma comunidade, ela é parte do domínio dessa comunidade.
Objeto de estudo: Língua Essas línguas não se limitam a uma ou outra pessoa. Elas nascem e se desenvolvem no âmbito de um grupo social, não no âmbito individual. Uma consequência do fato de a língua ser social é ela ser também convencional: ela existe e se mantém por um acordo coletivo tácito entre os falantes.
Linguagem X Língua O que Saussure pensa é que os homens têm uma capacidade para produzir sistemas simbólicos, ou seja, sistemas de conceitos associados a uma determinada forma, como a língua, as artes plásticas, o cinema, o teatro, a dança. Essa capacidade é a linguagem. Para Saussure, a capacidade da linguagem não pode ser o objeto de estudo de uma única ciência como a linguística, na medida em que ela tem características de naturezas diversas: física, fisiológica, antropológica, etc. O objeto da linguística deve ser a língua, que é um produto social da faculdade da linguagem, e que é uma unidade.
Por que a língua é um produto social? A língua é um fenômeno que está além do domínio individual de cada um de nós. É produto de uma comunidade, ela é parte do domínio dessa comunidade.  As línguas não se limitam a uma ou outra pessoa. Elas nascem e se desenvolvem no âmbito de um grupo social, não no âmbito individual.  Uma consequência do fato de a língua ser social é ela ser também convencional: ela existe e se mantém por um acordo coletivo tácito entre os falantes.  Isso significa que um falante de uma língua não pode fazer modificações nessa língua a seu bel prazer.  A comunicação humana seria impossível se a língua não fosse convencional.
Linguagem X Língua Todas as manifestações da faculdade da linguagem, a língua é a que mais bem se presta a uma definição autônoma. Por isso, ela ocupa um lugar de destaque entre as manifestações da linguagem, e, como tal, deve ser tomada como base para o entendimento de todas essas outras manifestações. A linguagem é uma capacidade humana, da qual a língua é um produto. A língua é um fenômeno social e convencional.
Manifestações da faculdade da Linguagem
Dicotomias Divisão lógica de um conceito em dois outros conceitos, em geral contrários, que lhe esgotam a extensão. As dicotomias saussureanas só fazem sentido quando relacionadas, pois uma ganha sentido pleno quando em relação à outra.
Língua X Fala
Língua ,[object Object]
Social;
Sistemática: quer dizer que ela é um sistema, um conjunto organizado em que um elemento se define pela oposição a outros;
Independente (não é uma função do falante);
Produto que o indivíduo registra passivamente;
É um sistema de signos.,[object Object]
Definição de Língua As peças de um jogo de xadrez são definidas unicamente segundo suas funções e de acordo com as regras do jogo. A forma, a dimensão e a matéria de cada peça constituem propriedades puramente físicas e acidentais, que podem variar extremamente sem comprometer a identidade da peça. Essas características físicas são irrelevantes para o funcionamento do sistema (= o jogo de xadrez). Uma peça até pode ser substituída por outra, desde que a substituta venha a ser utilizada conforme as regras do jogo. CARVALHO, Castelar de. Para compreender Saussure. 2ª Ed.
Exemplos Pata Bata Mata Lata
Fala ,[object Object]
Assistemática: ato individual de vontade, ao falar, o falante precisa fazer opções por uma ou outra maneira de dizer a mesma coisa, fazer escolha entre vocabulários;
Particular;
Individual;
Dependente;
Lugar da fantasia, da liberdade, da diversidade (conotação);
Para Saussure, a fala não deve ser estudada pela linguística, pois é secundária e assistemática.,[object Object]
O Signo linguístico Signo = significante + significado Forma acústica de caráter linear		Conceito
Texto para discussão: FIORIN, José Luiz.  Teoria dos Signos. p. 55 a 57. In. FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística – I Objetos teóricos. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2010. 227 p.
Sintagma XParadigma  Eixo paradigmático ou das relações associativas, os signos que tem algo em comum se 	associam em nossa memória, formando grupos. Eixo sintagmático: corresponde a uma determinada ordem de sucessão dos elementos. Os signos que formam a palavra “inconstitucional” não podem aparecer em outra ordem, que não essa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dicotomias de saussure gabarito comentado
Dicotomias de saussure   gabarito comentadoDicotomias de saussure   gabarito comentado
Dicotomias de saussure gabarito comentadoVilmar Vilaça
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012Mariana Correia
 
Parte 1 linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentaçãoParte 1   linguística geral apresentação
Parte 1 linguística geral apresentaçãoMariana Correia
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaFernanda Câmara
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoFrancione Brito
 
Formalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoFormalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoDaniele Silva
 
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtinianaAnálise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtinianaAmábile Piacentine
 
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação
Parte 2   linguística geral chomsky - apresentaçãoParte 2   linguística geral chomsky - apresentação
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentaçãoMariana Correia
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slidesfacope
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04Lygia Souza
 
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaIntrodução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaMárcio Leitão
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagemKelly Moraes
 

Mais procurados (20)

Dicotomias de saussure gabarito comentado
Dicotomias de saussure   gabarito comentadoDicotomias de saussure   gabarito comentado
Dicotomias de saussure gabarito comentado
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
 
Parte 1 linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentaçãoParte 1   linguística geral apresentação
Parte 1 linguística geral apresentação
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguística
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
Esquema Bakhtin
Esquema BakhtinEsquema Bakhtin
Esquema Bakhtin
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Semântica pragmática
Semântica pragmáticaSemântica pragmática
Semântica pragmática
 
Formalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoFormalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismo
 
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtinianaAnálise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação
Parte 2   linguística geral chomsky - apresentaçãoParte 2   linguística geral chomsky - apresentação
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slides
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaIntrodução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
 

Semelhante a Curso Língua Brasileira Sinais

Parte 2- A lingua_para_Saussure Ivani Viotti
Parte 2- A lingua_para_Saussure Ivani ViottiParte 2- A lingua_para_Saussure Ivani Viotti
Parte 2- A lingua_para_Saussure Ivani ViottiMariana Correia
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaEspaço da Criatividade Encantado
 
TEXTO_BASE_-_VERSAO_REVISADA (1).pdf
TEXTO_BASE_-_VERSAO_REVISADA (1).pdfTEXTO_BASE_-_VERSAO_REVISADA (1).pdf
TEXTO_BASE_-_VERSAO_REVISADA (1).pdflucasicm
 
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani ViottiParte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani ViottiMariana Correia
 
linguistica.ppt
linguistica.pptlinguistica.ppt
linguistica.pptlucasicm
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEveline Sol
 
Panorama dos estudos linguísticos
Panorama dos estudos linguísticosPanorama dos estudos linguísticos
Panorama dos estudos linguísticosMauro Toniolo Silva
 
Linguística como ciência
Linguística como ciênciaLinguística como ciência
Linguística como ciênciaAdventus Net
 
Conceito de lingua
Conceito de linguaConceito de lingua
Conceito de linguaLeYa
 
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...LIVROS PSI
 
Curso de lingüística geral saussure
Curso de lingüística geral   saussureCurso de lingüística geral   saussure
Curso de lingüística geral saussureLeYa
 
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptxInfluência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptxAnnyGabrielly25
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1Danone
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagemDllubia
 
Enunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptxEnunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptxElymarTargino1
 

Semelhante a Curso Língua Brasileira Sinais (20)

2 a lingua_para_saussure
2 a lingua_para_saussure2 a lingua_para_saussure
2 a lingua_para_saussure
 
Parte 2- A lingua_para_Saussure Ivani Viotti
Parte 2- A lingua_para_Saussure Ivani ViottiParte 2- A lingua_para_Saussure Ivani Viotti
Parte 2- A lingua_para_Saussure Ivani Viotti
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
 
Resumão linguagem
Resumão linguagemResumão linguagem
Resumão linguagem
 
TEXTO_BASE_-_VERSAO_REVISADA (1).pdf
TEXTO_BASE_-_VERSAO_REVISADA (1).pdfTEXTO_BASE_-_VERSAO_REVISADA (1).pdf
TEXTO_BASE_-_VERSAO_REVISADA (1).pdf
 
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani ViottiParte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
 
linguistica.ppt
linguistica.pptlinguistica.ppt
linguistica.ppt
 
Estudos da linguagem livro
Estudos da linguagem livroEstudos da linguagem livro
Estudos da linguagem livro
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
 
Panorama dos estudos linguísticos
Panorama dos estudos linguísticosPanorama dos estudos linguísticos
Panorama dos estudos linguísticos
 
Linguística como ciência
Linguística como ciênciaLinguística como ciência
Linguística como ciência
 
Conceito de lingua
Conceito de linguaConceito de lingua
Conceito de lingua
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
 
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
 
Curso de lingüística geral saussure
Curso de lingüística geral   saussureCurso de lingüística geral   saussure
Curso de lingüística geral saussure
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
 
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptxInfluência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
 
Enunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptxEnunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptx
 

Mais de Mariana Correia

Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...Mariana Correia
 
Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Mariana Correia
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggsMariana Correia
 
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Mariana Correia
 
Questionário dados gerados
Questionário   dados geradosQuestionário   dados gerados
Questionário dados geradosMariana Correia
 
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Mariana Correia
 
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Mariana Correia
 
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilEntrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilMariana Correia
 
Fallen i fallen (lauren kate)
Fallen i   fallen (lauren kate)Fallen i   fallen (lauren kate)
Fallen i fallen (lauren kate)Mariana Correia
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtMariana Correia
 
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataHamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataMariana Correia
 
Paradigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosParadigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosMariana Correia
 
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentosFormação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentosMariana Correia
 
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradoresMariana Correia
 
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiFormação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiMariana Correia
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarMariana Correia
 

Mais de Mariana Correia (20)

Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
 
Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
 
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
 
Questionário dados gerados
Questionário   dados geradosQuestionário   dados gerados
Questionário dados gerados
 
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
 
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilEntrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
 
Fallen i fallen (lauren kate)
Fallen i   fallen (lauren kate)Fallen i   fallen (lauren kate)
Fallen i fallen (lauren kate)
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
 
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataHamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
 
Satisfaction
SatisfactionSatisfaction
Satisfaction
 
Formação 5
Formação 5Formação 5
Formação 5
 
Paradigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosParadigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textos
 
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentosFormação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
 
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
 
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiFormação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
 

Curso Língua Brasileira Sinais

  • 1. Curso de Preparação para Tradutor/Intérprete da Língua Brasileira de Sinais 6ª Edição Linguística Geral Prof.ª Esp. Mariana Correia marianacorreiail@yahoo.com.br http://profmarianacorreia.blogspot.com
  • 2. Parte 2: Teorias LinguísticaS
  • 3. Histórico do Estudo da Linguagem Índia, há mais ou menos 2500 anos atrás, Panini já tinha elaborado uma gramática bastante sofisticada do sânscrito, em seus aspectos fonéticos, fonológicos, morfológicos, sintáticos e semânticos. Na Grécia antiga, muitos filósofos também se interessavam por vários aspectos da língua humana, entre eles, a relação entre língua e pensamento, a gramática, a retórica, e a poética.
  • 4. Histórico do Estudo da Linguagem Na Idade Média, um grande esforço foi feito por parte dos estudiosos da língua, no sentido de preservar o latim da influência das línguas dos povos bárbaros, que tinham invadido o Império Romano, e que tinham se estabelecido em toda a Europa. Isso significa que, nessa época, os estudos lingüísticos tinham uma orientação prescritivista.
  • 5. Histórico do Estudo da Linguagem Na Idade Moderna, com os descobrimentos da África e das Américas, e com o domínio da Europa sobre boa parte da Ásia, um novo interesse linguístico surgiu. Os europeus estavam diante de línguas muito diferentes daquelas com as quais eles estavam acostumados.
  • 6. Histórico do Estudo da Linguagem Os estudiosos das línguas não podiam mais ficar limitados aos estudos sobre o grego e o latim, e começaram a observar, ainda que perplexos, os fenômenos fonéticos e gramaticais de línguas como o chinês, como certas línguas indígenas da América, e certas línguas africanas. Aí tem início uma linha de estudos lingüísticos que atingiu seu apogeu no século XIX: os estudos histórico-comparativos.
  • 7. Histórico do Estudo da Linguagem Em 1816, um estudioso da história das línguas chamado Franz Bopp publica um estudo comparativo da conjugação verbal do sânscrito, do grego, do latim, do persa e do germânico, que evidencia a enorme semelhança entre essas línguas. Surge, nesse momento, a idéiado parentesco entre línguas.
  • 8.
  • 10. O nascimento de uma ciência No contexto desses estudos histórico-comparativos que Saussure lança suas ideias sobre a língua e sobre a linguagem. Os estudos linguísticos começam a adquirir um caráter mais profundo e abstrato passando a se interessar pela língua como um sistema de valores estruturado e autônomo, que é subjacente a toda e qualquer produção linguística. A linguística passa a ser concebida como uma ciência: ela não só descreve fatos linguísticos, mas busca uma explicação coerente para sua ocorrência.
  • 11. O nascimento de uma ciência No início do século XX, a afirmação de Saussure de que a língua é fundamentalmente um instrumento de comunicação constituiu uma das principais rupturas da linguística saussureana, em relação às concepções anteriores dos comparatistas e das gramáticas gerais do século XIX. Porque, para estes estudiosos, a língua era uma representação, ou seja, representava uma estrutura de pensamento, que existiria independentemente da formalização linguística, e a comunicação e a “lei do menor esforço” que a caracterizam, seriam causas da “desorganização” gramatical das línguas, do seu declínio e transformação em “ruínas linguísticas”. BARROS in FIORIN (2010)
  • 12. Curso de Linguística Geral O Curso de Linguística Geral, de Saussure, é uma obra póstuma. Nos anos de 1907, 1908 e 1910, Saussure deu três cursos na Universidade de Genebra, na Suíça. Alguns de seus alunos tomaram notas de suas aulas, e, em 1916, publicaram a famosa obra intitulada Curso de Linguística Geral, contendo uma boa parte do pensamento de Saussure, que tinha morrido em 1913.
  • 14. Linguagem para Saussure A linguagem é uma faculdade humana, uma capacidade que os homens têm para produzir, desenvolver, compreender a língua e outras manifestações simbólicas semelhantes à língua. A linguagem é heterogênea e multifacetada: ela tem aspectos físicos, fisiológicos e psíquicos, e pertence tanto ao domínio individual quanto ao domínio social.
  • 15. Linguagem para Saussure Para Saussure, é impossível descobrir a unidade da linguagem. Por isso, ela não pode ser estudada como uma categoria única de fatos humanos.
  • 16. Objeto de estudo: Língua Diferentemente da linguagem a língua é uma parte bem definida e essencial da faculdade da linguagem. É um produto social da faculdade da linguagem e um conjunto de convenções necessárias, estabelecidas e adotadas por um grupo social para o exercício da faculdade da linguagem. A língua é uma unidade por si só.
  • 17. Objeto de estudo: Língua A língua é um fenômeno que está além do domínio individual de cada um de nós. Éproduto de uma comunidade, ela é parte do domínio dessa comunidade.
  • 18. Objeto de estudo: Língua Essas línguas não se limitam a uma ou outra pessoa. Elas nascem e se desenvolvem no âmbito de um grupo social, não no âmbito individual. Uma consequência do fato de a língua ser social é ela ser também convencional: ela existe e se mantém por um acordo coletivo tácito entre os falantes.
  • 19. Linguagem X Língua O que Saussure pensa é que os homens têm uma capacidade para produzir sistemas simbólicos, ou seja, sistemas de conceitos associados a uma determinada forma, como a língua, as artes plásticas, o cinema, o teatro, a dança. Essa capacidade é a linguagem. Para Saussure, a capacidade da linguagem não pode ser o objeto de estudo de uma única ciência como a linguística, na medida em que ela tem características de naturezas diversas: física, fisiológica, antropológica, etc. O objeto da linguística deve ser a língua, que é um produto social da faculdade da linguagem, e que é uma unidade.
  • 20. Por que a língua é um produto social? A língua é um fenômeno que está além do domínio individual de cada um de nós. É produto de uma comunidade, ela é parte do domínio dessa comunidade. As línguas não se limitam a uma ou outra pessoa. Elas nascem e se desenvolvem no âmbito de um grupo social, não no âmbito individual. Uma consequência do fato de a língua ser social é ela ser também convencional: ela existe e se mantém por um acordo coletivo tácito entre os falantes. Isso significa que um falante de uma língua não pode fazer modificações nessa língua a seu bel prazer. A comunicação humana seria impossível se a língua não fosse convencional.
  • 21. Linguagem X Língua Todas as manifestações da faculdade da linguagem, a língua é a que mais bem se presta a uma definição autônoma. Por isso, ela ocupa um lugar de destaque entre as manifestações da linguagem, e, como tal, deve ser tomada como base para o entendimento de todas essas outras manifestações. A linguagem é uma capacidade humana, da qual a língua é um produto. A língua é um fenômeno social e convencional.
  • 23. Dicotomias Divisão lógica de um conceito em dois outros conceitos, em geral contrários, que lhe esgotam a extensão. As dicotomias saussureanas só fazem sentido quando relacionadas, pois uma ganha sentido pleno quando em relação à outra.
  • 25.
  • 27. Sistemática: quer dizer que ela é um sistema, um conjunto organizado em que um elemento se define pela oposição a outros;
  • 28. Independente (não é uma função do falante);
  • 29. Produto que o indivíduo registra passivamente;
  • 30.
  • 31. Definição de Língua As peças de um jogo de xadrez são definidas unicamente segundo suas funções e de acordo com as regras do jogo. A forma, a dimensão e a matéria de cada peça constituem propriedades puramente físicas e acidentais, que podem variar extremamente sem comprometer a identidade da peça. Essas características físicas são irrelevantes para o funcionamento do sistema (= o jogo de xadrez). Uma peça até pode ser substituída por outra, desde que a substituta venha a ser utilizada conforme as regras do jogo. CARVALHO, Castelar de. Para compreender Saussure. 2ª Ed.
  • 32. Exemplos Pata Bata Mata Lata
  • 33.
  • 34. Assistemática: ato individual de vontade, ao falar, o falante precisa fazer opções por uma ou outra maneira de dizer a mesma coisa, fazer escolha entre vocabulários;
  • 38. Lugar da fantasia, da liberdade, da diversidade (conotação);
  • 39.
  • 40. O Signo linguístico Signo = significante + significado Forma acústica de caráter linear Conceito
  • 41. Texto para discussão: FIORIN, José Luiz. Teoria dos Signos. p. 55 a 57. In. FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística – I Objetos teóricos. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2010. 227 p.
  • 42. Sintagma XParadigma Eixo paradigmático ou das relações associativas, os signos que tem algo em comum se associam em nossa memória, formando grupos. Eixo sintagmático: corresponde a uma determinada ordem de sucessão dos elementos. Os signos que formam a palavra “inconstitucional” não podem aparecer em outra ordem, que não essa.
  • 43. Sincronia X Diacronia Sincronia: estudo da língua em um dado momento, ou seja, recorte e análise de um momento específico da língua. Não relacionado a sua modificação ao longo da história, mas às relações no momento do recorte. Comer= radical + vogal temática + marca de infinitivo Diacronia: análise da língua numa sucessão, na sua mudança de um momento a outro da história, constatando, inicialmente, as mudanças que se produzem e as localiza no tempo. Comer do latim edere, diferenciar do latim vulgar + cum = cum edere = cumedere = comer Vossamercê Você
  • 44. Arbitrariedade Arbitrariedade: caracteriza a relação existente entre o significado e o significante. A língua é arbitrária na medida em que é uma convenção implícita entre os membros da sociedade que a usam; é nesse sentido que ela não é natural. O conceito que exprime a palavra mar não tem relação de necessidade com sequência de sons ou com a grafia de mar.
  • 45. Linearidade Os enunciados são sequencias de elementos ordenados de forma linear. É uma característica da Língua. Cada morfema é uma sequência de fonemas, cada frase é uma sequência de morfemas, cada discurso uma sequência de frases.
  • 46. Saussure: resumo Vídeo disponível no blog: http://profmarianacorreia.blogspot.com Ou no You tube: http://www.youtube.com/watch?v=WiURWRFcQsc
  • 47. Vamos organizar os conceitos e suas interrelações?
  • 48. Mapa conceitual Elaborado Mariana Correia, disponível em: http:// profmarianacorreia.blogspot.com
  • 49.
  • 50. Cruzadinha Responda a cruzadinha utilizando o quadro resumo recebido.
  • 51. Referências BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico: O que é e como se faz. 52ª Edição. Edições Loyola, 2009. 207 p.  DUBOIS, Jean et al. Dicionário de Linguística. São Paulo: Cultrix, 2004. 653 p.  FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística – I Objetos teóricos. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2010. 227 p.  FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística – II Princípios de análise. 4 ed. São Paulo: Contexto, 2010. 227 p. MEDEIROS, Janaína. O poder da palavra no Egito. Disponível em: http://www.slideshare.net/marianacorreiail/o-poder-da-palavra-no-egito  MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Christina (org.). Introdução à Linguística: Domínios e fronteiras. Volume 1, 2 e 3. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2011. 294 p. REITER, Aírton Júlio. Caderno de Estudos: Fundamentos da Linguística. Indaial: Editora ASSELVI, 2007. 136 p. SPARANO, Maria Cristina de Távora. Linguagem e significado: O projeto filosófico de Davidson. Coleção filosofia 164. Edipucrs, 2003. 208 p. VIOTTI, Ivani. Temática 1: O que é linguística. Os conceitos de Língua e Linguagem. Curso de Licenciatura em Letras-LIBRAS – UFSC. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/hiperlab/avalibras/moodle/prelogin/index.htm. Acessado em: 10/09/2011. VIOTTI, Ivani. Temática 2: A língua para Fernidand de Saussure. Curso de Licenciatura em Letras-LIBRAS – UFSC. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/hiperlab/avalibras/moodle/prelogin/index.htm. Acessado em: 10/09/2011. VIOTTI, Ivani. Temática 3: A língua para Noan Chomsky. Curso de Licenciatura em Letras-LIBRAS – UFSC. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/hiperlab/avalibras/moodle/prelogin/index.htm. Acessado em: 10/09/2011. VIOTTI, Ivani. Temática 4: Linguística Geral. Curso de Licenciatura em Letras-LIBRAS – UFSC. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/hiperlab/avalibras/moodle/prelogin/index.htm. Acessado em: 10/09/2011.