SlideShare uma empresa Scribd logo
Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Adquira o livro de apoio para subsidiar seus estudos, no
site da CPAD (www.cpad.com.br) ou nas melhores
livrarias.
TEXTO DO DIA
“E eis que uma voz dos céus dizia: Este é
o meu Filho amado, em quem me
comprazo” (Mt 3.17)
SÍNTESE
Deus confirma a filiação divina de Jesus
por sinais, quando ele foi batizado por
João Batista.
LEITURA BÍBLICA
MT 3.13-17
13 Então, veio Jesus da Galileia ter com João junto
do Jordão, para ser batizado por ele.
14 Mas João opunha-se-lhe, dizendo: Eu careço de
ser batizado por ti, e vens tu a mim?
15 Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: Deixa por
agora, porque assim nos convém cumprir toda a
justiça. Então, ele o permitiu.
16 E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis
que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus
descendo como pomba e vindo sobre ele.
17 E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu
Filho amado, em quem me comprazo.
• Algumas pessoas não conseguem entender o
motivo que levou Jesus, sendo um Deus
encarnado, se sujeitar ser batizado por João
Batista.
• No entanto, a narrativa de Mateus, apesar de
resumida, vai pouco a pouco deixando claro o que
estava por trás desse gesto de Jesus.
• É o que veremos nesta lição.
INTRODUÇÃO
I. JESUS SE PERMITE SER
BATIZADO POR JOÃO BATISTA
(MT 3.13-15)
O batismo de Jesus é um exemplo de humildade e
obediência às Escrituras Sagradas.
Introdução ao tópico
• Mateus não menciona nada sobre o passado de
João. Figura conhecida de seus leitores, sem
necessidade de maiores detalhes.
• João é comparado a Elias pelo seu estilo de
vida e ousadia (2Rs 1.8ss; 18.21).
• Como Elias, Joao vestia roupas de pelo de
camelo e cinto de couro, além de se alimentar
de gafanhotos e mel silvestre.
• As semelhanças levaram alguns judeus
acreditarem que ela seria o Elias redivivo (Ml
4.5ss).
a) João, o batista
• Mateus descreve a aparição de João Batista
diretamente no deserto e em Mt 2.3, em
conecção com Is 40.3, base para a afirmação do
cumprimento das profecias.
• A profecia de Is 40.3 teve um significado especial
para os exilados da Babilônia (mudança de
rumos).
• Deus continua a confirmar o seu império ao
libertar as pessoas do poder imperial opressor.
a) João, o batista
• Mateus afirma que a missão de João estava
prevista no AT: preparar o caminho para o
messias.
• Além de preparar o caminho teve o privilégio de
batizá-lo.
• Apesar das diferenças entre Jesus e João
Batista, os primeiros cristãos relacionavam as
suas mensagens como convergentes.
• Alguns dos discípulos de João Batista
desenvolveram seu movimento à parte do
cristianismo (Mt 11.2), mas não por muito
tempo.
a) João, o batista
• O batismo de Jesus por João Batista no Jordão
é tratado por todos os quatro evangelistas
(importância).
• A narrativa do batismo tem um impacto
teológico forte em relação a identidade de
Jesus como Filho de Deus e autoridade
escriturística.
• O batismo de João era com água e para
arrependimento, um batismo de purificação,
que era precedido por uma confissão de seus
pecados (Mt 1.4).
b) O batismo de João
• Interessante como antes do batismo de Jesus,
João anuncia que existia um batismo superior
ao seu.
• Que seu batismo não era um fim em si, mas
uma preparação para o batismo com o Espírito
Santo e fogo.
• Se o batismo era superior o batizador também
o seria (“não era digno de tirar suas sandálias”).
• João não tinha nenhum constrangimento em
reconhecer a superioridade de Jesus.
c) João anuncia um batismo superior ao seu
• Desse modo, o processo do batismo de Jesus
tem muito a nos ensinar, além do próprio ritual.
• João demonstra a humildade que é peculiar das
pessoas que realmente tem um chamado
genuíno de Deus para realizar sua obra.
• Jesus era superior, pois ele:
• salva dos pecados (Mt 1.21);
• cura e perdoa (9.1-8; 8.17);
• tem poder sobre a morte (Mt 26.28).
c) João anuncia um batismo superior ao seu
• O batismo anunciado por João tinha dois
elementos: Espirito Santo e fogo, o que tem
causado confusões quanto à sua interpretação.
• Estes elementos podem ter significado positivo e
negativo.
• Espírito como:
• castigo de Deus (Is 4.4. Jr 4.11-16);
• dom da aliança e realização da vontade de Deus
(Ez 36.25-28; 39.29. Is 32.15; 44.3. Jl 2.28-29; Mt 1.18-
25);
• poder vivificador de Deus e rei (Is 61.1-3).
c) João anuncia um batismo superior ao seu
• Fogo:
• purifica e limpa (Zc 13.9; Ml 3.1-3),
• Como juízo (3.18-4.1);
• Como castigo (Mt 3.10; 13.4-43; 25.41).
• A missão de Jesus é dupla: abençoar e
purificar o que aceitam seu Evangelho e
julgamento sobre o que rejeitam.
• Ele “limpará a sua eira, e recolherá no celeiro o
seu trigo, e queimará a palha com fogo que nunca
se apagará” (Mt 1.12).
c) João anuncia um batismo superior ao seu
PENSE
Durante o batismo, Jesus e João
demonstraram exemplos de humildade.
Jovem, que exemplo você pode tirar para
sua vida cristã?
PONTO IMPORTANTE
João batista não tinha inveja de Jesus. Ele
realça as qualidades e virtudes de Jesus,
mesmo correndo o risco de “perder” seus
discípulos para ele.
II. O BATISMO E OS SINAIS
(Mt 3.16-17)
• A narrativa do batismo de Jesus não era para ser
apenas mais um relato de batismo de João, o
Batista.
• Ele teve um significado importante para revelar a
divindade de Cristo e a confirmação
escriturística de sua missão.
Introdução ao tópico
• Se o batismo de João era para arrependimento,
por que Jesus vai até ele para ser batizado?
• A atitude de João demonstra que ele conhecia
Jesus e não via nele necessidade de
arrependimento e muito menos de ser batizado
• João se recusa a batizar Jesus. Sua recusa é
consistente com sua humildade e indignidade
reconhecida em Mt 3.11.
a) Jesus foi batizado para que se cumprissem as
Escrituras
• No entanto, quando Jesus menciona que é para
cumprimento de “toda a justiça”, o Batista se
rende e batiza Jesus.
• Quando Jesus se submeteu ao batismo de João
ele estava aceitando seu destino para que se
cumprisse o que estava escrito a respeito dele.
a) Jesus foi batizado para que se cumprissem as
Escrituras
• “Céus abertos” - artifício da literatura judaica
(revelação de conhecimento celestial - Ez 1.1;
At 7.56; 10.11; Ap 19.11; Ez 8.3).
• “[...] e eis que se lhe abriram os céus” indica uma
ação direta de Deus.
• Chegada de um novo império (justiça e
misericórdia) para substituir o império tirano
dos romanos.
b) Primeiro sinal: a descida do Espírito de Deus
como pomba (Mt 3.16)
• Jesus “viu o Espírito de Deus descendo como
pomba e vindo sobre ele”.
• Espírito descendo sobre ele significa que Jesus
foi ungido como messias (At 10,37-38).
• Jesus vem para ser a voz de quem não tinha.
b) Primeiro sinal: a descida do Espírito de Deus
como pomba (Mt 3.16)
• “E eis que uma voz dos céus dizia: este é o meu
Filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.17).
• Uma pequena voz ou sussurro como agente da
revelação (bat-qôl).
• Mateus recorre ao AT: “este é meu Filho amado”
(Sl 2.7 e Is 42.1).
• A referência ao Salmo 2.7 “[...] Tu és meu Filho;
eu hoje te gerei.”, que faz parte de um contexto
de coroação de um filho de Davi.
• Demonstrar que o evento já estava previsto.
c) Segundo sinal: uma voz dos céus (Mt 3.17)
• Todavia, na releitura de Mateus ele faz uma
mudança importante na frase, pois em vez de
dizer “tu és” como o salmista, ele diz “este é”.
• Além disso, ele substitui a última metade do
verso por palavras da passagem de Is 42.1 –
“servo sofredor”.
• Servo sofredor - é uma figura misteriosa que,
embora inocente, sofre por seu povo. Quatro
cânticos (42,1-4; 49,1-7; 50,4-11; 52,13; 53,12)”.
• A alternância entre filho e servo pode parecer
uma contradição, mas...
c) Segundo sinal: uma voz dos céus (Mt 3.17)
• Demonstra que mesmo sendo Filho de Deus,
Jesus tinha a humildade de servir.
• Outro aparente paradoxo: messias que
batizaria com Espírito e com fogo Vs descida do
Espírito em forma de pomba, um símbolo de
suavidade e mansidão.
• A atitude do ser humano = Jesus pode ser a
verdadeira benignidade ou severidade (Rm
11.22; Contraste entre Mt 11.29 e Mt 25.41).
c) Segundo sinal: uma voz dos céus (Mt 3.17)
“Jesus descobriu que o seu modo de ser
anunciador do Reino não era como um messias
poderoso, ou como Rei de Israel (Filho de Davi), e
sim sendo o Servo Sofredor de Deus (Is 42)”
(Barros, 1999, p. 33).
“Jesus, o Filho de Deus, que se fez servo e sofreu
para servir, mas que recebeu toda autoridade nos
céus e na terra do próprio Pai, que da vida e obra
dele se agradou” (NEVES, 2017, p. 41)
PENSE
Jesus recebe ao mesmo tempo o título de
Filho de Deus e Servo Sofredor. Jovem,
você sabe lidar com situações de glória e
de humilhação?
PONTO IMPORTANTE
A benignidade ou severidade de Jesus
está condicionada à atitude do ser
humano em relação à vontade de Deus
(Rm 11.22).
III - O BATISMO DE JESUS E
O BATISMO CRISTÃO
• Jesus o procurou na idade adulta e foi batizado
por imersão, nas águas do Jordão.
• No entanto, o significado do batismo à igreja
primitiva passa a ter um elemento essencial.
• Qual a principal diferença?
Introdução ao tópico
• Antes de João Batista, os judeus já batizavam
os novos convertidos ao judaísmo.
• O significado de arrependimento para João
não é o mesmo do batismo cristão (At 18.24-26;
19.1-7).
• O batismo de João era o batismo de
penitência, uma preparação para o batismo que
Jesus iria instituir em seu mistério pascal.
• Batismo cristão/evangélico: primeiro a pessoa
crê para ser justificada, frutifica e depois, vem o
batismo como ritual e símbolo da transformação
já realizada (At 2,41; 49.14-15).
a) O modelo do batismo de João foi adaptado
pelo cristianismo
• O batismo cristão é uma ordenança de Jesus
proferida pouco antes de sua ascensão (Mt
28.19-20).
• Orientações explícitas que as pessoas
convertidas dever ser batizadas “em nome do
Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt 28.19-
20).
• Igreja católica no Concílio de Trento (Séc. XVI)
define o batismo como um sacramento.
• Paulo já havia questionado esse tipo de
legalismo e apresentou a Doutrina da
Justificação pela Fé (Gl 3; Rm 3-4).
b) O batismo é uma ordenança de Cristo e não um
sacramento
• O batismo está simbolicamente relacionado com
a obra de Cristo na cruz e sua ressurreição.
• O crente em Cristo é declarado justo no tribunal
de Deus, o velho homem morre legalmente (Rm
6.6-7), crucificado com Cristo, e ressurge como
uma nova vida em sua ressurreição (2Co 5.17).
• O batismo é um ritual que simboliza esse
sepultamento e ressurgimento da nova criatura
em Cristo.
c) O batismo cristão ilustra a morte e ressurreição
de Cristo
• O batismo nas águas é um ato público para
atender uma ordenança que formaliza
simbolicamente o que já ocorreu (Cl 2.12).
• Uma bela representação da nova posição do
salvo em Cristo (Rm 6.3), morto para o pecado
(debaixo da água) justificado e reconciliado
com Deus (ao sair da água).
c) O batismo cristão ilustra a morte e ressurreição
de Cristo
“Esta nova posição assegura a vida eterna com
Deus, mas também exige uma aproximação com a
vida de obediência de Cristo, não priorizando a si
mesmo e seus desejos, mas o bem da coletividade,
o Reino dos céus.
Uma nova identidade, não mais relacionada ao
primeiro Adão, mas da descendência de Cristo, o
segundo Adão, e membro de sua família. Esta nova
vida, não significa que o crente nunca mais irá pecar,
mas que não viverá na prática do pecado, como seu
escravo. Portanto, uma vez justificados
(instantaneamente), sigamos a santificação
(processo contínuo) durante toda a vida ou até o
arrebatamento da Igreja” (NEVES, 2017, p. 44).
PENSE
Se o próprio Jesus que não tinha pecado
se submeteu ao batismo de João, porque
ainda tem jovens que resistem ao
batismo?
PONTO IMPORTANTE
O batismo nas águas é uma ordenança de
Jesus, um ritual que simboliza que um
pecador justificado confessa, em público,
sua fé em Cristo.
Nesta lição aprendemos que:
1. Jesus demonstra sua humildade e obediência
ao que estava predito nas Escrituras ao se
submeter ser batizado por João Batista,
mesmo não tendo pecado;
2. O batismo de Jesus foi acompanhado de sinais,
comprovando que ele era o Filho de Deus;
3. O batismo cristão é uma ordenança de Cristo e
símbolo de sua morte e ressurreição.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
BARROS, Marcelo. Conversando com Mateus. São Leopoldo/RS:
CEBI; São Paulo: Paulus, 1999.
LIÇÕES BÍBLICAS DE JOVENS. Seu Reino não Terá Fim: vida e obra
de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. 1 TRI 2018. Rio de
Janeiro: CPAD, 2017.
NEVES, Natalino das. Justiça e Graça: um estudo da doutrina da
salvação na Carta aos Romanos. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
NEVES, Natalino das. Seu Reino não terá Fim: vida e obra de Jesus,
segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.
REFERÊNCIAS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Facebook: www.facebook.com/natalino.neves
Contatos:
natalino6612@gmail.com
(41) 98409 8094 (TIM)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem SuperiorLição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Éder Tomé
 
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaLição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Éder Tomé
 
Lição 6 hebreus
Lição 6   hebreusLição 6   hebreus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Erberson Pinheiro
 
Lição 6 - Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia
Lição 6 - Perseverança e Fé em Tempo de ApostasiaLição 6 - Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia
Lição 6 - Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia
Éder Tomé
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Éder Tomé
 
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da FéLição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Éder Tomé
 
Lição 1 Hebreus
Lição 1   HebreusLição 1   Hebreus
Lição 4 - Jesus é Superior a Josué - O meio de entrar no Repouso de Deus
Lição 4 - Jesus é Superior a Josué - O meio de entrar no Repouso de DeusLição 4 - Jesus é Superior a Josué - O meio de entrar no Repouso de Deus
Lição 4 - Jesus é Superior a Josué - O meio de entrar no Repouso de Deus
Éder Tomé
 
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximoLição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
Erberson Pinheiro
 
Lição 7 e 8 hebreus
Lição 7 e 8   hebreusLição 7 e 8   hebreus
Lição 7 e 8 hebreus
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação GrandiosaLição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Éder Tomé
 
A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.
Márcio Martins
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Erberson Pinheiro
 
A ressurreição de_ cristo_parte_01
A  ressurreição  de_ cristo_parte_01A  ressurreição  de_ cristo_parte_01
A ressurreição de_ cristo_parte_01
Pr Neto
 
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitivaLição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Erberson Pinheiro
 
Lição 9 hebreus
Lição 9   hebreusLição 9   hebreus
Lição 4 Hebreus
Lição 4   HebreusLição 4   Hebreus
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santaLBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Natalino das Neves Neves
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
Pr Neto
 

Mais procurados (20)

Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem SuperiorLição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
 
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaLição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
 
Lição 6 hebreus
Lição 6   hebreusLição 6   hebreus
Lição 6 hebreus
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
 
Lição 6 - Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia
Lição 6 - Perseverança e Fé em Tempo de ApostasiaLição 6 - Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia
Lição 6 - Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
 
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da FéLição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
 
Lição 1 Hebreus
Lição 1   HebreusLição 1   Hebreus
Lição 1 Hebreus
 
Lição 4 - Jesus é Superior a Josué - O meio de entrar no Repouso de Deus
Lição 4 - Jesus é Superior a Josué - O meio de entrar no Repouso de DeusLição 4 - Jesus é Superior a Josué - O meio de entrar no Repouso de Deus
Lição 4 - Jesus é Superior a Josué - O meio de entrar no Repouso de Deus
 
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximoLição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
 
Lição 7 e 8 hebreus
Lição 7 e 8   hebreusLição 7 e 8   hebreus
Lição 7 e 8 hebreus
 
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação GrandiosaLição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
 
A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
 
A ressurreição de_ cristo_parte_01
A  ressurreição  de_ cristo_parte_01A  ressurreição  de_ cristo_parte_01
A ressurreição de_ cristo_parte_01
 
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitivaLição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
 
Lição 9 hebreus
Lição 9   hebreusLição 9   hebreus
Lição 9 hebreus
 
Lição 4 Hebreus
Lição 4   HebreusLição 4   Hebreus
Lição 4 Hebreus
 
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santaLBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 

Semelhante a Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018

O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fimO batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
Francelia Carvalho Oliveira
 
2022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 022022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 02
Joel Silva
 
2022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 022022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 02
JoelSilva477650
 
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águasLição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
Erberson Pinheiro
 
Aula Jonatas 58: O início da entronização
Aula Jonatas 58: O início da entronizaçãoAula Jonatas 58: O início da entronização
Aula Jonatas 58: O início da entronização
Andre Nascimento
 
CRISTOLOGIA 04 - Onipotência (Ev. João).pptx
CRISTOLOGIA 04 - Onipotência (Ev. João).pptxCRISTOLOGIA 04 - Onipotência (Ev. João).pptx
CRISTOLOGIA 04 - Onipotência (Ev. João).pptx
Tiago Silva
 
Batismo em aguas
Batismo em aguasBatismo em aguas
Batismo em aguas
jonasfreitasdejesus
 
Profetas menores lição 3 - Joel
Profetas menores   lição 3 - JoelProfetas menores   lição 3 - Joel
Profetas menores lição 3 - Joel
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 3 - A Salvação e o Advento do Salvador
Lição 3 - A Salvação e o Advento do SalvadorLição 3 - A Salvação e o Advento do Salvador
Lição 3 - A Salvação e o Advento do Salvador
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
José Lima
 
Comentário Bíblico para o 5° domingo do tempo comum
Comentário Bíblico para o 5° domingo do tempo comumComentário Bíblico para o 5° domingo do tempo comum
Comentário Bíblico para o 5° domingo do tempo comum
José Lima
 
Aula Jonatas 44: A transfiguração
Aula Jonatas 44: A transfiguraçãoAula Jonatas 44: A transfiguração
Aula Jonatas 44: A transfiguração
Andre Nascimento
 
Lição 3: Um exemplo a ser imitado
Lição 3: Um exemplo a ser imitadoLição 3: Um exemplo a ser imitado
Lição 3: Um exemplo a ser imitado
Quenia Damata
 
Trabalho da mainha
Trabalho da mainhaTrabalho da mainha
Trabalho da mainha
Vitor Santos
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Erberson Pinheiro
 
Retiro do Advento_Parte 5_terceira semana
Retiro do Advento_Parte 5_terceira semanaRetiro do Advento_Parte 5_terceira semana
Retiro do Advento_Parte 5_terceira semana
Cris Simoni
 
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano B
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano BComentário: 2º Domingo do advento - Ano B
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano B
José Lima
 
O nascimento de jesus - Lição 02/2015
O nascimento de jesus - Lição 02/2015O nascimento de jesus - Lição 02/2015
O nascimento de jesus - Lição 02/2015
Pr. Andre Luiz
 
Escatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamentoEscatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamento
Francileide Corte Real
 
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editadoLição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Pr Neto
 

Semelhante a Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018 (20)

O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fimO batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
 
2022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 022022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 02
 
2022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 022022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 02
 
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águasLição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
 
Aula Jonatas 58: O início da entronização
Aula Jonatas 58: O início da entronizaçãoAula Jonatas 58: O início da entronização
Aula Jonatas 58: O início da entronização
 
CRISTOLOGIA 04 - Onipotência (Ev. João).pptx
CRISTOLOGIA 04 - Onipotência (Ev. João).pptxCRISTOLOGIA 04 - Onipotência (Ev. João).pptx
CRISTOLOGIA 04 - Onipotência (Ev. João).pptx
 
Batismo em aguas
Batismo em aguasBatismo em aguas
Batismo em aguas
 
Profetas menores lição 3 - Joel
Profetas menores   lição 3 - JoelProfetas menores   lição 3 - Joel
Profetas menores lição 3 - Joel
 
Lição 3 - A Salvação e o Advento do Salvador
Lição 3 - A Salvação e o Advento do SalvadorLição 3 - A Salvação e o Advento do Salvador
Lição 3 - A Salvação e o Advento do Salvador
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
 
Comentário Bíblico para o 5° domingo do tempo comum
Comentário Bíblico para o 5° domingo do tempo comumComentário Bíblico para o 5° domingo do tempo comum
Comentário Bíblico para o 5° domingo do tempo comum
 
Aula Jonatas 44: A transfiguração
Aula Jonatas 44: A transfiguraçãoAula Jonatas 44: A transfiguração
Aula Jonatas 44: A transfiguração
 
Lição 3: Um exemplo a ser imitado
Lição 3: Um exemplo a ser imitadoLição 3: Um exemplo a ser imitado
Lição 3: Um exemplo a ser imitado
 
Trabalho da mainha
Trabalho da mainhaTrabalho da mainha
Trabalho da mainha
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
 
Retiro do Advento_Parte 5_terceira semana
Retiro do Advento_Parte 5_terceira semanaRetiro do Advento_Parte 5_terceira semana
Retiro do Advento_Parte 5_terceira semana
 
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano B
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano BComentário: 2º Domingo do advento - Ano B
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano B
 
O nascimento de jesus - Lição 02/2015
O nascimento de jesus - Lição 02/2015O nascimento de jesus - Lição 02/2015
O nascimento de jesus - Lição 02/2015
 
Escatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamentoEscatologia do antigo testamento
Escatologia do antigo testamento
 
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editadoLição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
Natalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
Natalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 

Último (20)

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 

Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018

  • 3. Adquira o livro de apoio para subsidiar seus estudos, no site da CPAD (www.cpad.com.br) ou nas melhores livrarias.
  • 4. TEXTO DO DIA “E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.17)
  • 5. SÍNTESE Deus confirma a filiação divina de Jesus por sinais, quando ele foi batizado por João Batista.
  • 7. 13 Então, veio Jesus da Galileia ter com João junto do Jordão, para ser batizado por ele. 14 Mas João opunha-se-lhe, dizendo: Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim? 15 Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o permitiu. 16 E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele. 17 E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.
  • 8. • Algumas pessoas não conseguem entender o motivo que levou Jesus, sendo um Deus encarnado, se sujeitar ser batizado por João Batista. • No entanto, a narrativa de Mateus, apesar de resumida, vai pouco a pouco deixando claro o que estava por trás desse gesto de Jesus. • É o que veremos nesta lição. INTRODUÇÃO
  • 9. I. JESUS SE PERMITE SER BATIZADO POR JOÃO BATISTA (MT 3.13-15)
  • 10. O batismo de Jesus é um exemplo de humildade e obediência às Escrituras Sagradas. Introdução ao tópico
  • 11. • Mateus não menciona nada sobre o passado de João. Figura conhecida de seus leitores, sem necessidade de maiores detalhes. • João é comparado a Elias pelo seu estilo de vida e ousadia (2Rs 1.8ss; 18.21). • Como Elias, Joao vestia roupas de pelo de camelo e cinto de couro, além de se alimentar de gafanhotos e mel silvestre. • As semelhanças levaram alguns judeus acreditarem que ela seria o Elias redivivo (Ml 4.5ss). a) João, o batista
  • 12. • Mateus descreve a aparição de João Batista diretamente no deserto e em Mt 2.3, em conecção com Is 40.3, base para a afirmação do cumprimento das profecias. • A profecia de Is 40.3 teve um significado especial para os exilados da Babilônia (mudança de rumos). • Deus continua a confirmar o seu império ao libertar as pessoas do poder imperial opressor. a) João, o batista
  • 13. • Mateus afirma que a missão de João estava prevista no AT: preparar o caminho para o messias. • Além de preparar o caminho teve o privilégio de batizá-lo. • Apesar das diferenças entre Jesus e João Batista, os primeiros cristãos relacionavam as suas mensagens como convergentes. • Alguns dos discípulos de João Batista desenvolveram seu movimento à parte do cristianismo (Mt 11.2), mas não por muito tempo. a) João, o batista
  • 14. • O batismo de Jesus por João Batista no Jordão é tratado por todos os quatro evangelistas (importância). • A narrativa do batismo tem um impacto teológico forte em relação a identidade de Jesus como Filho de Deus e autoridade escriturística. • O batismo de João era com água e para arrependimento, um batismo de purificação, que era precedido por uma confissão de seus pecados (Mt 1.4). b) O batismo de João
  • 15. • Interessante como antes do batismo de Jesus, João anuncia que existia um batismo superior ao seu. • Que seu batismo não era um fim em si, mas uma preparação para o batismo com o Espírito Santo e fogo. • Se o batismo era superior o batizador também o seria (“não era digno de tirar suas sandálias”). • João não tinha nenhum constrangimento em reconhecer a superioridade de Jesus. c) João anuncia um batismo superior ao seu
  • 16. • Desse modo, o processo do batismo de Jesus tem muito a nos ensinar, além do próprio ritual. • João demonstra a humildade que é peculiar das pessoas que realmente tem um chamado genuíno de Deus para realizar sua obra. • Jesus era superior, pois ele: • salva dos pecados (Mt 1.21); • cura e perdoa (9.1-8; 8.17); • tem poder sobre a morte (Mt 26.28). c) João anuncia um batismo superior ao seu
  • 17. • O batismo anunciado por João tinha dois elementos: Espirito Santo e fogo, o que tem causado confusões quanto à sua interpretação. • Estes elementos podem ter significado positivo e negativo. • Espírito como: • castigo de Deus (Is 4.4. Jr 4.11-16); • dom da aliança e realização da vontade de Deus (Ez 36.25-28; 39.29. Is 32.15; 44.3. Jl 2.28-29; Mt 1.18- 25); • poder vivificador de Deus e rei (Is 61.1-3). c) João anuncia um batismo superior ao seu
  • 18. • Fogo: • purifica e limpa (Zc 13.9; Ml 3.1-3), • Como juízo (3.18-4.1); • Como castigo (Mt 3.10; 13.4-43; 25.41). • A missão de Jesus é dupla: abençoar e purificar o que aceitam seu Evangelho e julgamento sobre o que rejeitam. • Ele “limpará a sua eira, e recolherá no celeiro o seu trigo, e queimará a palha com fogo que nunca se apagará” (Mt 1.12). c) João anuncia um batismo superior ao seu
  • 19. PENSE Durante o batismo, Jesus e João demonstraram exemplos de humildade. Jovem, que exemplo você pode tirar para sua vida cristã?
  • 20. PONTO IMPORTANTE João batista não tinha inveja de Jesus. Ele realça as qualidades e virtudes de Jesus, mesmo correndo o risco de “perder” seus discípulos para ele.
  • 21. II. O BATISMO E OS SINAIS (Mt 3.16-17)
  • 22. • A narrativa do batismo de Jesus não era para ser apenas mais um relato de batismo de João, o Batista. • Ele teve um significado importante para revelar a divindade de Cristo e a confirmação escriturística de sua missão. Introdução ao tópico
  • 23. • Se o batismo de João era para arrependimento, por que Jesus vai até ele para ser batizado? • A atitude de João demonstra que ele conhecia Jesus e não via nele necessidade de arrependimento e muito menos de ser batizado • João se recusa a batizar Jesus. Sua recusa é consistente com sua humildade e indignidade reconhecida em Mt 3.11. a) Jesus foi batizado para que se cumprissem as Escrituras
  • 24. • No entanto, quando Jesus menciona que é para cumprimento de “toda a justiça”, o Batista se rende e batiza Jesus. • Quando Jesus se submeteu ao batismo de João ele estava aceitando seu destino para que se cumprisse o que estava escrito a respeito dele. a) Jesus foi batizado para que se cumprissem as Escrituras
  • 25. • “Céus abertos” - artifício da literatura judaica (revelação de conhecimento celestial - Ez 1.1; At 7.56; 10.11; Ap 19.11; Ez 8.3). • “[...] e eis que se lhe abriram os céus” indica uma ação direta de Deus. • Chegada de um novo império (justiça e misericórdia) para substituir o império tirano dos romanos. b) Primeiro sinal: a descida do Espírito de Deus como pomba (Mt 3.16)
  • 26. • Jesus “viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele”. • Espírito descendo sobre ele significa que Jesus foi ungido como messias (At 10,37-38). • Jesus vem para ser a voz de quem não tinha. b) Primeiro sinal: a descida do Espírito de Deus como pomba (Mt 3.16)
  • 27. • “E eis que uma voz dos céus dizia: este é o meu Filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.17). • Uma pequena voz ou sussurro como agente da revelação (bat-qôl). • Mateus recorre ao AT: “este é meu Filho amado” (Sl 2.7 e Is 42.1). • A referência ao Salmo 2.7 “[...] Tu és meu Filho; eu hoje te gerei.”, que faz parte de um contexto de coroação de um filho de Davi. • Demonstrar que o evento já estava previsto. c) Segundo sinal: uma voz dos céus (Mt 3.17)
  • 28. • Todavia, na releitura de Mateus ele faz uma mudança importante na frase, pois em vez de dizer “tu és” como o salmista, ele diz “este é”. • Além disso, ele substitui a última metade do verso por palavras da passagem de Is 42.1 – “servo sofredor”. • Servo sofredor - é uma figura misteriosa que, embora inocente, sofre por seu povo. Quatro cânticos (42,1-4; 49,1-7; 50,4-11; 52,13; 53,12)”. • A alternância entre filho e servo pode parecer uma contradição, mas... c) Segundo sinal: uma voz dos céus (Mt 3.17)
  • 29. • Demonstra que mesmo sendo Filho de Deus, Jesus tinha a humildade de servir. • Outro aparente paradoxo: messias que batizaria com Espírito e com fogo Vs descida do Espírito em forma de pomba, um símbolo de suavidade e mansidão. • A atitude do ser humano = Jesus pode ser a verdadeira benignidade ou severidade (Rm 11.22; Contraste entre Mt 11.29 e Mt 25.41). c) Segundo sinal: uma voz dos céus (Mt 3.17)
  • 30. “Jesus descobriu que o seu modo de ser anunciador do Reino não era como um messias poderoso, ou como Rei de Israel (Filho de Davi), e sim sendo o Servo Sofredor de Deus (Is 42)” (Barros, 1999, p. 33). “Jesus, o Filho de Deus, que se fez servo e sofreu para servir, mas que recebeu toda autoridade nos céus e na terra do próprio Pai, que da vida e obra dele se agradou” (NEVES, 2017, p. 41)
  • 31. PENSE Jesus recebe ao mesmo tempo o título de Filho de Deus e Servo Sofredor. Jovem, você sabe lidar com situações de glória e de humilhação?
  • 32. PONTO IMPORTANTE A benignidade ou severidade de Jesus está condicionada à atitude do ser humano em relação à vontade de Deus (Rm 11.22).
  • 33. III - O BATISMO DE JESUS E O BATISMO CRISTÃO
  • 34. • Jesus o procurou na idade adulta e foi batizado por imersão, nas águas do Jordão. • No entanto, o significado do batismo à igreja primitiva passa a ter um elemento essencial. • Qual a principal diferença? Introdução ao tópico
  • 35. • Antes de João Batista, os judeus já batizavam os novos convertidos ao judaísmo. • O significado de arrependimento para João não é o mesmo do batismo cristão (At 18.24-26; 19.1-7). • O batismo de João era o batismo de penitência, uma preparação para o batismo que Jesus iria instituir em seu mistério pascal. • Batismo cristão/evangélico: primeiro a pessoa crê para ser justificada, frutifica e depois, vem o batismo como ritual e símbolo da transformação já realizada (At 2,41; 49.14-15). a) O modelo do batismo de João foi adaptado pelo cristianismo
  • 36. • O batismo cristão é uma ordenança de Jesus proferida pouco antes de sua ascensão (Mt 28.19-20). • Orientações explícitas que as pessoas convertidas dever ser batizadas “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt 28.19- 20). • Igreja católica no Concílio de Trento (Séc. XVI) define o batismo como um sacramento. • Paulo já havia questionado esse tipo de legalismo e apresentou a Doutrina da Justificação pela Fé (Gl 3; Rm 3-4). b) O batismo é uma ordenança de Cristo e não um sacramento
  • 37. • O batismo está simbolicamente relacionado com a obra de Cristo na cruz e sua ressurreição. • O crente em Cristo é declarado justo no tribunal de Deus, o velho homem morre legalmente (Rm 6.6-7), crucificado com Cristo, e ressurge como uma nova vida em sua ressurreição (2Co 5.17). • O batismo é um ritual que simboliza esse sepultamento e ressurgimento da nova criatura em Cristo. c) O batismo cristão ilustra a morte e ressurreição de Cristo
  • 38. • O batismo nas águas é um ato público para atender uma ordenança que formaliza simbolicamente o que já ocorreu (Cl 2.12). • Uma bela representação da nova posição do salvo em Cristo (Rm 6.3), morto para o pecado (debaixo da água) justificado e reconciliado com Deus (ao sair da água). c) O batismo cristão ilustra a morte e ressurreição de Cristo
  • 39. “Esta nova posição assegura a vida eterna com Deus, mas também exige uma aproximação com a vida de obediência de Cristo, não priorizando a si mesmo e seus desejos, mas o bem da coletividade, o Reino dos céus. Uma nova identidade, não mais relacionada ao primeiro Adão, mas da descendência de Cristo, o segundo Adão, e membro de sua família. Esta nova vida, não significa que o crente nunca mais irá pecar, mas que não viverá na prática do pecado, como seu escravo. Portanto, uma vez justificados (instantaneamente), sigamos a santificação (processo contínuo) durante toda a vida ou até o arrebatamento da Igreja” (NEVES, 2017, p. 44).
  • 40. PENSE Se o próprio Jesus que não tinha pecado se submeteu ao batismo de João, porque ainda tem jovens que resistem ao batismo?
  • 41. PONTO IMPORTANTE O batismo nas águas é uma ordenança de Jesus, um ritual que simboliza que um pecador justificado confessa, em público, sua fé em Cristo.
  • 42. Nesta lição aprendemos que: 1. Jesus demonstra sua humildade e obediência ao que estava predito nas Escrituras ao se submeter ser batizado por João Batista, mesmo não tendo pecado; 2. O batismo de Jesus foi acompanhado de sinais, comprovando que ele era o Filho de Deus; 3. O batismo cristão é uma ordenança de Cristo e símbolo de sua morte e ressurreição. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 43. BARROS, Marcelo. Conversando com Mateus. São Leopoldo/RS: CEBI; São Paulo: Paulus, 1999. LIÇÕES BÍBLICAS DE JOVENS. Seu Reino não Terá Fim: vida e obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. 1 TRI 2018. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. NEVES, Natalino das. Justiça e Graça: um estudo da doutrina da salvação na Carta aos Romanos. Rio de Janeiro: CPAD, 2015. NEVES, Natalino das. Seu Reino não terá Fim: vida e obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. REFERÊNCIAS
  • 44. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 98409 8094 (TIM)