SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA BÍBLICA
IGREJA EVANGÉLICA SEM FRONTEIRA
O LIVRO DE
LIÇÃO 07 e
CRISTO, MEDIADOR DE UMA
MELHOR ALIANÇA
Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE
UMA MELHOR ALIANÇA
TEXTO ÁUREO
“Porque este é o concerto que, depois
daqueles dias, farei com a casa de
Israel, diz o Senhor: porei as minhas
leis no seu entendimento e em seu
coração as escreverei; e eu lhes serei
por Deus, e eles me serão por povo!”
(Hb 8.10).
VERDADE PRÁTICA
O Antigo Pacto cumpriu o seu
objetivo e foi substituído por outro
superior, sendo Cristo o seu
mediador.
Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE
UMA MELHOR ALIANÇA
LEITURA DIÁRIA
 1 Tm 2.5 - Cristo, mediador entre Deus e os
homens
 Hb 8.6 - Mediador de melhor concerto
 Hb 9.15 - Mediador da Nova Aliança
 Is 54.10 - Aliança da paz
 Is 55.3 - Aliança perpétua
 Jr 31.31 – Nova Aliança
Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE
UMA MELHOR ALIANÇA
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Hebreus 7: 12 / 8.1-4,6-13
Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE
UMA MELHOR ALIANÇA
OBJETIVOS
 Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
 Relembrar as características de Melquisedeque
como uma prefiguração de Cristo e descrever a
mudança obrigatória do sacerdócio e da lei, feita
por Jesus valorizando o sacerdócio perfeito de
Cristo.
 Explicar o que é uma aliança.
 Definir qual a posição de Cristo no céu.
 Valorizar Cristo como Ministro do santuário e do
Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE
UMA MELHOR ALIANÇA
O grupo A - Ler Hebreus 7:23-28,
Hebreus 8.1-5 e contrastar o ministério
sacerdotal de Cristo com o levítico.
O grupo B - Ler Hebreus 10:4,
Hebreus 8.7-13 e contrastar a Antiga
Aliança com a Nova.
DIDÁTICA EM CLASSE
DIDÁTICA EM CLASSE
 Jesus Cristo é o Mediador da Nova Aliança. Que significa
isso? Qual a importância desse fato? A aliança dada por
Moisés deveria ser desprezada? Se todos os rituais e
cerimônias do judaísmo haviam perdido o seu valor, o
que existia para tomar o seu lugar? Qual seria a base
para alguém se comunicar com Deus? Estas eram as
interrogações daqueles crentes hebreus. O presente
estudo declara-nos a resposta: a base agora deveria ser
Jesus Cristo. Ele é o Ministro do “verdadeiro
tabernáculo” (v.2); o Mediador de superior aliança (v.6).
O tabernáculo é a morada de Deus. Sendo Ministro,
Jesus Cristo nos leva à própria presença de Deus, onde
temos plena comunhão com Ele. Por ser de uma
superior aliança, Cristo nos prepara e equipa para
entrarmos e morarmos no Lugar Santíssimo. Aleluia!
PONTO DE CONTATO
 A Antiga Aliança implicava mandamentos,
estatutos e juízos, os quais não foram
observados pelo povo escolhido. Era um
concerto transitório, como indica o escritor:
“Porque se aquele primeiro fora irrepreensível,
nunca se teria buscado lugar para o segundo”
(v.7). Diante disso, Jesus trouxe uma Nova
Aliança, que se estabeleceu, não em atos
exteriores, rituais, mas no interior do homem, no
entendimento e no coração. Por isso, é um
melhor concerto. Que o Senhor nos faça
entender esse tema, e que o valorizemos em
INTRODUÇÃO
 1. Era rei de Salém. (Gn 14.18a; Hb7.1); Rei
de Salém que dizer “rei de paz” (v.2b).
 2. Era sacerdote do Deus Altíssimo. (Gn
14.18b; Hb 7.1). As funções de rei e sacerdote
conferiam-lhe grande dignidade perante os
que o conheciam. Estas duas funções são
relembradas em Hb 7.1
 3. Era de uma ordem sacerdotal diferente.
Ele não pertencia à linhagem sacerdotal
arônica, proveniente da tribo de Levi.
I. RELEMBRANDO QUEM ERA
MELQUISEDEQUE
 4. Recebeu dízimos de Abraão (Hb 7.2). Isto nos
mostra que a instituição do dízimo remontava ao
período bem anterior à Lei. Esse fato indica “quão
grande” era Melquisedeque (v.4). Ele abençoou
Abraão, como detentor das promessas (vv.5,6).
 5. Era rei de justiça (v.2). Como um tipo de Cristo,
Melquisedeque tinha as qualidades de um rei justo e
fiel.
 6. Sem genealogia (v.3). O texto afirma ter sido
Melquisedeque “sem pai, sem mãe, sem genealogia,
não tendo princípio de dias nem fim de vida...”.
I. RELEMBRANDO QUEM ERA
MELQUISEDEQUE
E assim, pergunta-se o autor, quem é o único que
pode ser sacerdote como Melquisedec? Quem é o
único que reúne as duas características dele
(ausência de genealogia humana e de limites
temporais)? E responde: Jesus Cristo, ao
ressuscitar. Porque, ao erguer-se do túmulo, foi
como se tivesse nascido de novo, mas sem
intervenção de pais humanos (isto é, sem
antepassados); e desde então já não pode voltar a
morrer (isto é, permanece para sempre).
Portanto Jesus Cristo, embora não fosse sacerdote
durante a sua vida terrena, depois de ressuscitar
tornou-se sacerdote de uma nova “ordem”, um novo
estilo, tal como tinha sido anunciado pela profecia:
I. RELEMBRANDO QUEM ERA
MELQUISEDEQUE
 1. “Um sumo sacerdote tal...” (v.1a). Com esta expressão,
a Palavra de Deus visa mais uma vez enfatizar a
singularidade de Cristo como Sumo Sacerdote, destacando-o
e diferenciando-o dos sumo sacerdotes comuns, frágeis,
mortais, da Antiga Aliança. A expressão “tal”, aqui, evidencia a
incapacidade das palavras humanas para descrever a
grandeza de Cristo. É o que ocorre também em Jo 3.16 (de
“tal” maneira).
 2. “Assentado nos céus”. Esta expressão que também
aparece em 1.3; 10.12 e 12.2, indica Cristo, como Sumo
Sacerdote perfeito, que realizou sua obra de tal forma que
tem o direito de assentar-se no seu trono, ao lado direito do
Pai. Já os sacerdotes do Antigo Pacto não podiam assentar-
I. A POSIÇÃO DE CRISTO NO
CÉU
 3. “À destra do trono da majestade” (v.1b). Cristo,
à direita de Deus, está na posição da mais alta
honra, nos céus. Em Mc 16.19, está escrito: “Ora, o
Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu
e assentou-se à direita de Deus”. Jesus Cristo é o
único ser que tem essa posição de extremo
destaque nos céus. Tal verdade nos é transmitida,
para que saibamos que o nosso mediador não é um
ser celeste qualquer, mas aquele que tem posição
de honra, única e destacada, diante de Deus. As
nossas orações são levadas a Ele, que por nós
intercede junto ao Pai.
I. A POSIÇÃO DE CRISTO NO
CÉU
 1. “Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo”.
Não obstante estar Cristo assentado à destra de Deus, e
tendo concluído sua obra, quando do seu ministério terreno,
Ele é aqui descrito como “ministro do santuário e do
verdadeiro tabernáculo” (v.2). Nos céus, o Mestre amado
continua a executar seu ministério ou serviço divino, como
nosso mediador, intercessor, advogado e Sumo Sacerdote
perante o Pai, pois entrou no Santo dos Santos.
 2. O que cristo faz nos céus. Abrindo um pouco o véu da
eternidade, a Bíblia revela-nos algo sobre o trabalho de Cristo
nos céus. De lá, Ele controla todas as coisas, tanto as que
estão nos céus, quanto as que estão na terra, no universo,
enfim. Ele está assentado “à destra da majestade”,
“sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder”
II. O SACERDÓCIO DE CRISTO NOS
CÉUS
 Em relação a nós, diz a Bíblia, que “ele está à direita de
Deus, e também intercede por nós” (Rm 8.34b). Há milhões
de crentes, orando todos os dias, em todos os lugares, em
todas as mais de 6.000 línguas conhecidas, e Jesus está
ouvindo essas orações, e intercedendo por nós. Glória a
Deus! Jesus contempla todos os seus servos e trabalha em
favor deles. (Leia Is 64.4).
 3. Constituído por Deus (vv.2-4). Jesus, como Sumo
Sacerdote constituído por Deus, no céu, exerce seu trabalho
no verdadeiro tabernáculo, fundado pelo Senhor, e não pelo
homem. O antigo tabernáculo, montado no deserto, deixou de
existir. Sua exuberante glória desapareceu. Salomão
construiu o majestoso templo, que substituiu o tabernáculo (2
Cr 7.1,11). Mais tarde, esse templo foi destruído e substituído
II. O SACERDÓCIO DE CRISTO NOS
CÉUS
 1. “Um ministério mais excelente” (v.6a). Mais do que um
sacerdote, na terra, Jesus foi o “cordeiro de Deus”, oferecendo-se a
si mesmo como holocausto, entregando sua vida em nosso lugar
(cf. Jo 10.15,28). Agora Ele exerce as funções sumo sacerdotais lá
no céu: “ministério mais excelente” (1.4), que o realizado por todos
os sacerdotes e sumo sacerdotes terrenos, da Antiga Aliança.
 2. “Mediador dum melhor concerto” (v.6b). Numa aliança,
existem três elementos envolvidos. As partes, no mínimo duas, e
um mediador. No Antigo Pacto, vemos Deus de um lado e o povo
de Israel de outro. O mediador era o sacerdote ou o sumo
sacerdote. Foi Deus quem propôs e estabeleceu a Antiga Aliança.
Os sacerdotes fizeram seu trabalho, mas fracassaram. Foram
mediadores deficientes e falhos. O lado humano, representado por
Israel, arruinou-se apostatando. Mas Deus, por sua infinita
misericórdia, proveu-nos um Novo e melhor Concerto, “confirmado
III. UM NOVO CONCERTO
 3. O novo concerto aboliu o antigo (v.7). “Porque, se
aquele primeiro fora irrepreensível, nunca se teria buscado
lugar para o segundo”. Em Jeremias, lemos: “Mas este é o
concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles
dias, diz o SENHOR: porei a minha lei no seu interior e a
escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus, e eles
serão o meu povo” (Jr 31.33). Ver Ez 36.25,26. Isto é muito
significativo. No Antigo Pacto, o culto era mais exterior:
havia os sacrifícios de animais, os rituais, a guarda dos
sábados, das luas novas, etc. O Novo Concerto trazido por
Cristo, em tudo é superior. A lei de Cristo é colocada no
coração do homem. Em lugar de todos os sacrifícios do
Antigo Pacto, Cristo, entregando-se na cruz, efetuou um
III. UM NOVO CONCERTO
Não devemos ter nenhuma dúvida quanto à
validade da Nova Aliança, perpetrada por
Cristo. O apóstolo Paulo escrevendo aos
Coríntios, asseverou: “Assim que, se alguém
está em Cristo, nova criatura é: as coisas
velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”
(2 Co 5.17). Isso se refere a quem aceitou a
Cristo, deixando os velhos pecados e
costumes, e que deve valorizar a cada dia a
salvação em Cristo Jesus, não voltando às
CONCLUSÃO – O SACERDÓCIO PARA
TODOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
Respirando Deus
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
Sergio Silva
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 
Panorama do NT - Lucas
Panorama do NT - LucasPanorama do NT - Lucas
Panorama do NT - Lucas
Respirando Deus
 
Panorama do NT - 1João
Panorama do NT - 1JoãoPanorama do NT - 1João
Panorama do NT - 1João
Respirando Deus
 
Panorama do AT - Habacuque
Panorama do AT - HabacuquePanorama do AT - Habacuque
Panorama do AT - Habacuque
Respirando Deus
 
27
2727
Lição 3 Hebreus
Lição 3   HebreusLição 3   Hebreus
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
Respirando Deus
 
Panorama do AT - Isaías
Panorama do AT - IsaíasPanorama do AT - Isaías
Panorama do AT - Isaías
Respirando Deus
 
Panorama do AT - Jó
Panorama do AT - JóPanorama do AT - Jó
Panorama do AT - Jó
Respirando Deus
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
Pastor W. Costa
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
Moisés Sampaio
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
Panorama do AT - Eclesiastes
Panorama do AT - EclesiastesPanorama do AT - Eclesiastes
Panorama do AT - Eclesiastes
Respirando Deus
 
24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
Moisés Sampaio
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
Igreja Presbiteriana de Dourados
 

Mais procurados (20)

1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
 
41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
Panorama do NT - Lucas
Panorama do NT - LucasPanorama do NT - Lucas
Panorama do NT - Lucas
 
Panorama do NT - 1João
Panorama do NT - 1JoãoPanorama do NT - 1João
Panorama do NT - 1João
 
Panorama do AT - Habacuque
Panorama do AT - HabacuquePanorama do AT - Habacuque
Panorama do AT - Habacuque
 
27
2727
27
 
Lição 3 Hebreus
Lição 3   HebreusLição 3   Hebreus
Lição 3 Hebreus
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
Panorama do AT - Isaías
Panorama do AT - IsaíasPanorama do AT - Isaías
Panorama do AT - Isaías
 
Panorama do AT - Jó
Panorama do AT - JóPanorama do AT - Jó
Panorama do AT - Jó
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Panorama do AT - Eclesiastes
Panorama do AT - EclesiastesPanorama do AT - Eclesiastes
Panorama do AT - Eclesiastes
 
24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 

Destaque

Hebreus1
Hebreus1Hebreus1
Hebreus 7
Hebreus 7Hebreus 7
Dízimos e Ofertas.pps
Dízimos e Ofertas.ppsDízimos e Ofertas.pps
Dízimos e Ofertas.pps
Herbert de Carvalho
 
Dízimo
DízimoDízimo
Dízimo
Eid Marques
 
Hebreus
HebreusHebreus
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus
ipbmorrinhos
 
Dimensões do Dízimo
Dimensões do DízimoDimensões do Dízimo
Dimensões do Dízimo
Antonio Castro
 
Dez razões porque sou dizimista
Dez razões porque sou dizimistaDez razões porque sou dizimista
Dez razões porque sou dizimista
edivan silva pereira silva
 
Formação sobre Dízimo
Formação sobre DízimoFormação sobre Dízimo
Formação sobre Dízimo
mbsilva1971
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
HebreusHebreus

Destaque (11)

Hebreus1
Hebreus1Hebreus1
Hebreus1
 
Hebreus 7
Hebreus 7Hebreus 7
Hebreus 7
 
Dízimos e Ofertas.pps
Dízimos e Ofertas.ppsDízimos e Ofertas.pps
Dízimos e Ofertas.pps
 
Dízimo
DízimoDízimo
Dízimo
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus
 
Dimensões do Dízimo
Dimensões do DízimoDimensões do Dízimo
Dimensões do Dízimo
 
Dez razões porque sou dizimista
Dez razões porque sou dizimistaDez razões porque sou dizimista
Dez razões porque sou dizimista
 
Formação sobre Dízimo
Formação sobre DízimoFormação sobre Dízimo
Formação sobre Dízimo
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 

Semelhante a Lição 7 e 8 hebreus

Lição 5 Hebreus
Lição 5   Hebreus Lição 5   Hebreus
Lição 5 Hebreus
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 8 - Uma Aliança Superior
Lição 8 - Uma Aliança SuperiorLição 8 - Uma Aliança Superior
Lição 8 - Uma Aliança Superior
Éder Tomé
 
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
Gerson G. Ramos
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
dimas campos
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
dimas campos
 
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialLição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Marina de Morais
 
Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013
Gerson G. Ramos
 
Lição 1 Hebreus
Lição 1   HebreusLição 1   Hebreus
Lição 9 hebreus
Lição 9   hebreusLição 9   hebreus
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
Eraldo Luciano
 
Eclesiologia Ana Cristina Leão
Eclesiologia Ana Cristina LeãoEclesiologia Ana Cristina Leão
Eclesiologia Ana Cristina Leão
Eraldo Luciano
 
O sacerdócio segundo a ordem de melquisedeque
O sacerdócio segundo a ordem de melquisedequeO sacerdócio segundo a ordem de melquisedeque
O sacerdócio segundo a ordem de melquisedeque
Carlos Almeida
 
O santuário parte 1 - Autor. Ribamar Cantanhede
O santuário parte 1 - Autor. Ribamar CantanhedeO santuário parte 1 - Autor. Ribamar Cantanhede
O santuário parte 1 - Autor. Ribamar Cantanhede
Ribamar Cantanhede
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
José Lima
 
O tabernáculo e sua interpretação
O tabernáculo e sua interpretaçãoO tabernáculo e sua interpretação
O tabernáculo e sua interpretação
Oaidson Silva
 
11 Hebreus.pptx
11 Hebreus.pptx11 Hebreus.pptx
11 Hebreus.pptx
PIB Penha - SP
 
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recifeLição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Basicão em pdf
Basicão em pdfBasicão em pdf
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIALLição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Hamilton Souza
 
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialLição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Éder Tomé
 

Semelhante a Lição 7 e 8 hebreus (20)

Lição 5 Hebreus
Lição 5   Hebreus Lição 5   Hebreus
Lição 5 Hebreus
 
Lição 8 - Uma Aliança Superior
Lição 8 - Uma Aliança SuperiorLição 8 - Uma Aliança Superior
Lição 8 - Uma Aliança Superior
 
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
 
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialLição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
 
Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013
 
Lição 1 Hebreus
Lição 1   HebreusLição 1   Hebreus
Lição 1 Hebreus
 
Lição 9 hebreus
Lição 9   hebreusLição 9   hebreus
Lição 9 hebreus
 
Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
 
Eclesiologia Ana Cristina Leão
Eclesiologia Ana Cristina LeãoEclesiologia Ana Cristina Leão
Eclesiologia Ana Cristina Leão
 
O sacerdócio segundo a ordem de melquisedeque
O sacerdócio segundo a ordem de melquisedequeO sacerdócio segundo a ordem de melquisedeque
O sacerdócio segundo a ordem de melquisedeque
 
O santuário parte 1 - Autor. Ribamar Cantanhede
O santuário parte 1 - Autor. Ribamar CantanhedeO santuário parte 1 - Autor. Ribamar Cantanhede
O santuário parte 1 - Autor. Ribamar Cantanhede
 
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano AComentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
Comentário: 2° Domingo da Quaresma - Ano A
 
O tabernáculo e sua interpretação
O tabernáculo e sua interpretaçãoO tabernáculo e sua interpretação
O tabernáculo e sua interpretação
 
11 Hebreus.pptx
11 Hebreus.pptx11 Hebreus.pptx
11 Hebreus.pptx
 
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recifeLição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
 
Basicão em pdf
Basicão em pdfBasicão em pdf
Basicão em pdf
 
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIALLição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
Lição 13 O SACERDÓCIO CELESTIAL
 
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialLição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
 

Mais de Escola Bíblica Sem Fronteiras

Lição 11 final
Lição 11   finalLição 11   final
Lição 10
Lição 10Lição 10
Lição 09
Lição 09Lição 09
Lição 08
Lição 08Lição 08
Lição 07
Lição 07Lição 07
Lição 06
Lição 06Lição 06
Lição 05
Lição 05Lição 05
Lição 04
Lição 04Lição 04
Lição 03
Lição 03Lição 03
Lição 02
Lição 02Lição 02
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 02 ester
Lição 02 esterLição 02 ester
Lição 19 - Livro Apocalipse FINAL
Lição 19 - Livro Apocalipse FINALLição 19 - Livro Apocalipse FINAL
Lição 19 - Livro Apocalipse FINAL
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 18 - Livro de Apocalipse
Lição 18 - Livro de ApocalipseLição 18 - Livro de Apocalipse
Lição 18 - Livro de Apocalipse
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 17 Livro Apocalipse
Lição 17 Livro Apocalipse Lição 17 Livro Apocalipse
Lição 17 Livro Apocalipse
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 16 Livro Apocalipse
Lição 16 Livro Apocalipse Lição 16 Livro Apocalipse
Lição 16 Livro Apocalipse
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 15 Livro Apocalipse
Lição 15 Livro Apocalipse Lição 15 Livro Apocalipse
Lição 15 Livro Apocalipse
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 14 Livro Apocalipse
Lição 14 Livro Apocalipse Lição 14 Livro Apocalipse
Lição 14 Livro Apocalipse
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 12 Livro Apocalipse
Lição 12 Livro Apocalipse Lição 12 Livro Apocalipse
Lição 12 Livro Apocalipse
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 

Mais de Escola Bíblica Sem Fronteiras (20)

Lição 11 final
Lição 11   finalLição 11   final
Lição 11 final
 
Lição 10
Lição 10Lição 10
Lição 10
 
Lição 09
Lição 09Lição 09
Lição 09
 
Lição 08
Lição 08Lição 08
Lição 08
 
Lição 07
Lição 07Lição 07
Lição 07
 
Lição 06
Lição 06Lição 06
Lição 06
 
Lição 05
Lição 05Lição 05
Lição 05
 
Lição 04
Lição 04Lição 04
Lição 04
 
Lição 03
Lição 03Lição 03
Lição 03
 
Lição 02
Lição 02Lição 02
Lição 02
 
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 01
 
Lição 02 ester
Lição 02 esterLição 02 ester
Lição 02 ester
 
Lição 19 - Livro Apocalipse FINAL
Lição 19 - Livro Apocalipse FINALLição 19 - Livro Apocalipse FINAL
Lição 19 - Livro Apocalipse FINAL
 
Lição 18 - Livro de Apocalipse
Lição 18 - Livro de ApocalipseLição 18 - Livro de Apocalipse
Lição 18 - Livro de Apocalipse
 
Lição 17 Livro Apocalipse
Lição 17 Livro Apocalipse Lição 17 Livro Apocalipse
Lição 17 Livro Apocalipse
 
Lição 16 Livro Apocalipse
Lição 16 Livro Apocalipse Lição 16 Livro Apocalipse
Lição 16 Livro Apocalipse
 
Lição 15 Livro Apocalipse
Lição 15 Livro Apocalipse Lição 15 Livro Apocalipse
Lição 15 Livro Apocalipse
 
Lição 14 Livro Apocalipse
Lição 14 Livro Apocalipse Lição 14 Livro Apocalipse
Lição 14 Livro Apocalipse
 
Lição 13 Livro Apocalipse
Lição 13 Livro Apocalipse Lição 13 Livro Apocalipse
Lição 13 Livro Apocalipse
 
Lição 12 Livro Apocalipse
Lição 12 Livro Apocalipse Lição 12 Livro Apocalipse
Lição 12 Livro Apocalipse
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 

Último (12)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 

Lição 7 e 8 hebreus

  • 1. ESCOLA BÍBLICA IGREJA EVANGÉLICA SEM FRONTEIRA O LIVRO DE
  • 2. LIÇÃO 07 e CRISTO, MEDIADOR DE UMA MELHOR ALIANÇA
  • 3. Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE UMA MELHOR ALIANÇA TEXTO ÁUREO “Porque este é o concerto que, depois daqueles dias, farei com a casa de Israel, diz o Senhor: porei as minhas leis no seu entendimento e em seu coração as escreverei; e eu lhes serei por Deus, e eles me serão por povo!” (Hb 8.10).
  • 4. VERDADE PRÁTICA O Antigo Pacto cumpriu o seu objetivo e foi substituído por outro superior, sendo Cristo o seu mediador. Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE UMA MELHOR ALIANÇA
  • 5. LEITURA DIÁRIA  1 Tm 2.5 - Cristo, mediador entre Deus e os homens  Hb 8.6 - Mediador de melhor concerto  Hb 9.15 - Mediador da Nova Aliança  Is 54.10 - Aliança da paz  Is 55.3 - Aliança perpétua  Jr 31.31 – Nova Aliança Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE UMA MELHOR ALIANÇA
  • 6. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Hebreus 7: 12 / 8.1-4,6-13 Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE UMA MELHOR ALIANÇA
  • 7. OBJETIVOS  Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:  Relembrar as características de Melquisedeque como uma prefiguração de Cristo e descrever a mudança obrigatória do sacerdócio e da lei, feita por Jesus valorizando o sacerdócio perfeito de Cristo.  Explicar o que é uma aliança.  Definir qual a posição de Cristo no céu.  Valorizar Cristo como Ministro do santuário e do Lição 7 e 8: CRISTO, MEDIADOR DE UMA MELHOR ALIANÇA
  • 8. O grupo A - Ler Hebreus 7:23-28, Hebreus 8.1-5 e contrastar o ministério sacerdotal de Cristo com o levítico. O grupo B - Ler Hebreus 10:4, Hebreus 8.7-13 e contrastar a Antiga Aliança com a Nova. DIDÁTICA EM CLASSE
  • 10.  Jesus Cristo é o Mediador da Nova Aliança. Que significa isso? Qual a importância desse fato? A aliança dada por Moisés deveria ser desprezada? Se todos os rituais e cerimônias do judaísmo haviam perdido o seu valor, o que existia para tomar o seu lugar? Qual seria a base para alguém se comunicar com Deus? Estas eram as interrogações daqueles crentes hebreus. O presente estudo declara-nos a resposta: a base agora deveria ser Jesus Cristo. Ele é o Ministro do “verdadeiro tabernáculo” (v.2); o Mediador de superior aliança (v.6). O tabernáculo é a morada de Deus. Sendo Ministro, Jesus Cristo nos leva à própria presença de Deus, onde temos plena comunhão com Ele. Por ser de uma superior aliança, Cristo nos prepara e equipa para entrarmos e morarmos no Lugar Santíssimo. Aleluia! PONTO DE CONTATO
  • 11.  A Antiga Aliança implicava mandamentos, estatutos e juízos, os quais não foram observados pelo povo escolhido. Era um concerto transitório, como indica o escritor: “Porque se aquele primeiro fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para o segundo” (v.7). Diante disso, Jesus trouxe uma Nova Aliança, que se estabeleceu, não em atos exteriores, rituais, mas no interior do homem, no entendimento e no coração. Por isso, é um melhor concerto. Que o Senhor nos faça entender esse tema, e que o valorizemos em INTRODUÇÃO
  • 12.  1. Era rei de Salém. (Gn 14.18a; Hb7.1); Rei de Salém que dizer “rei de paz” (v.2b).  2. Era sacerdote do Deus Altíssimo. (Gn 14.18b; Hb 7.1). As funções de rei e sacerdote conferiam-lhe grande dignidade perante os que o conheciam. Estas duas funções são relembradas em Hb 7.1  3. Era de uma ordem sacerdotal diferente. Ele não pertencia à linhagem sacerdotal arônica, proveniente da tribo de Levi. I. RELEMBRANDO QUEM ERA MELQUISEDEQUE
  • 13.  4. Recebeu dízimos de Abraão (Hb 7.2). Isto nos mostra que a instituição do dízimo remontava ao período bem anterior à Lei. Esse fato indica “quão grande” era Melquisedeque (v.4). Ele abençoou Abraão, como detentor das promessas (vv.5,6).  5. Era rei de justiça (v.2). Como um tipo de Cristo, Melquisedeque tinha as qualidades de um rei justo e fiel.  6. Sem genealogia (v.3). O texto afirma ter sido Melquisedeque “sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida...”. I. RELEMBRANDO QUEM ERA MELQUISEDEQUE
  • 14. E assim, pergunta-se o autor, quem é o único que pode ser sacerdote como Melquisedec? Quem é o único que reúne as duas características dele (ausência de genealogia humana e de limites temporais)? E responde: Jesus Cristo, ao ressuscitar. Porque, ao erguer-se do túmulo, foi como se tivesse nascido de novo, mas sem intervenção de pais humanos (isto é, sem antepassados); e desde então já não pode voltar a morrer (isto é, permanece para sempre). Portanto Jesus Cristo, embora não fosse sacerdote durante a sua vida terrena, depois de ressuscitar tornou-se sacerdote de uma nova “ordem”, um novo estilo, tal como tinha sido anunciado pela profecia: I. RELEMBRANDO QUEM ERA MELQUISEDEQUE
  • 15.  1. “Um sumo sacerdote tal...” (v.1a). Com esta expressão, a Palavra de Deus visa mais uma vez enfatizar a singularidade de Cristo como Sumo Sacerdote, destacando-o e diferenciando-o dos sumo sacerdotes comuns, frágeis, mortais, da Antiga Aliança. A expressão “tal”, aqui, evidencia a incapacidade das palavras humanas para descrever a grandeza de Cristo. É o que ocorre também em Jo 3.16 (de “tal” maneira).  2. “Assentado nos céus”. Esta expressão que também aparece em 1.3; 10.12 e 12.2, indica Cristo, como Sumo Sacerdote perfeito, que realizou sua obra de tal forma que tem o direito de assentar-se no seu trono, ao lado direito do Pai. Já os sacerdotes do Antigo Pacto não podiam assentar- I. A POSIÇÃO DE CRISTO NO CÉU
  • 16.  3. “À destra do trono da majestade” (v.1b). Cristo, à direita de Deus, está na posição da mais alta honra, nos céus. Em Mc 16.19, está escrito: “Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu e assentou-se à direita de Deus”. Jesus Cristo é o único ser que tem essa posição de extremo destaque nos céus. Tal verdade nos é transmitida, para que saibamos que o nosso mediador não é um ser celeste qualquer, mas aquele que tem posição de honra, única e destacada, diante de Deus. As nossas orações são levadas a Ele, que por nós intercede junto ao Pai. I. A POSIÇÃO DE CRISTO NO CÉU
  • 17.  1. “Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo”. Não obstante estar Cristo assentado à destra de Deus, e tendo concluído sua obra, quando do seu ministério terreno, Ele é aqui descrito como “ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo” (v.2). Nos céus, o Mestre amado continua a executar seu ministério ou serviço divino, como nosso mediador, intercessor, advogado e Sumo Sacerdote perante o Pai, pois entrou no Santo dos Santos.  2. O que cristo faz nos céus. Abrindo um pouco o véu da eternidade, a Bíblia revela-nos algo sobre o trabalho de Cristo nos céus. De lá, Ele controla todas as coisas, tanto as que estão nos céus, quanto as que estão na terra, no universo, enfim. Ele está assentado “à destra da majestade”, “sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder” II. O SACERDÓCIO DE CRISTO NOS CÉUS
  • 18.  Em relação a nós, diz a Bíblia, que “ele está à direita de Deus, e também intercede por nós” (Rm 8.34b). Há milhões de crentes, orando todos os dias, em todos os lugares, em todas as mais de 6.000 línguas conhecidas, e Jesus está ouvindo essas orações, e intercedendo por nós. Glória a Deus! Jesus contempla todos os seus servos e trabalha em favor deles. (Leia Is 64.4).  3. Constituído por Deus (vv.2-4). Jesus, como Sumo Sacerdote constituído por Deus, no céu, exerce seu trabalho no verdadeiro tabernáculo, fundado pelo Senhor, e não pelo homem. O antigo tabernáculo, montado no deserto, deixou de existir. Sua exuberante glória desapareceu. Salomão construiu o majestoso templo, que substituiu o tabernáculo (2 Cr 7.1,11). Mais tarde, esse templo foi destruído e substituído II. O SACERDÓCIO DE CRISTO NOS CÉUS
  • 19.  1. “Um ministério mais excelente” (v.6a). Mais do que um sacerdote, na terra, Jesus foi o “cordeiro de Deus”, oferecendo-se a si mesmo como holocausto, entregando sua vida em nosso lugar (cf. Jo 10.15,28). Agora Ele exerce as funções sumo sacerdotais lá no céu: “ministério mais excelente” (1.4), que o realizado por todos os sacerdotes e sumo sacerdotes terrenos, da Antiga Aliança.  2. “Mediador dum melhor concerto” (v.6b). Numa aliança, existem três elementos envolvidos. As partes, no mínimo duas, e um mediador. No Antigo Pacto, vemos Deus de um lado e o povo de Israel de outro. O mediador era o sacerdote ou o sumo sacerdote. Foi Deus quem propôs e estabeleceu a Antiga Aliança. Os sacerdotes fizeram seu trabalho, mas fracassaram. Foram mediadores deficientes e falhos. O lado humano, representado por Israel, arruinou-se apostatando. Mas Deus, por sua infinita misericórdia, proveu-nos um Novo e melhor Concerto, “confirmado III. UM NOVO CONCERTO
  • 20.  3. O novo concerto aboliu o antigo (v.7). “Porque, se aquele primeiro fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para o segundo”. Em Jeremias, lemos: “Mas este é o concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: porei a minha lei no seu interior e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo” (Jr 31.33). Ver Ez 36.25,26. Isto é muito significativo. No Antigo Pacto, o culto era mais exterior: havia os sacrifícios de animais, os rituais, a guarda dos sábados, das luas novas, etc. O Novo Concerto trazido por Cristo, em tudo é superior. A lei de Cristo é colocada no coração do homem. Em lugar de todos os sacrifícios do Antigo Pacto, Cristo, entregando-se na cruz, efetuou um III. UM NOVO CONCERTO
  • 21. Não devemos ter nenhuma dúvida quanto à validade da Nova Aliança, perpetrada por Cristo. O apóstolo Paulo escrevendo aos Coríntios, asseverou: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Co 5.17). Isso se refere a quem aceitou a Cristo, deixando os velhos pecados e costumes, e que deve valorizar a cada dia a salvação em Cristo Jesus, não voltando às CONCLUSÃO – O SACERDÓCIO PARA TODOS

Notas do Editor

  1. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  2. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  3. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  4. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  5. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  6. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  7. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  8. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  9. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  10. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  11. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  12. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  13. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  14. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  15. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  16. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  17. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  18. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  19. Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.