SlideShare uma empresa Scribd logo
T E X T O D O D I A
"Na verdade, é já realmente uma
falta entre vós terdes demandas
uns contra os outros.
Por que não sofreis, antes, a
injustiça? Por que não sofreis,
antes, o dano?"
(1 Co 6.7).
SÍNTESE
Devemos evitar as contendas
judiciais entre os membros da
igreja, pois o acerto amigável é
melhor do que uma contenda
jurídica, principalmente, com um
irmão de fé.
1 Coríntios 6.1-6
1 Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo perante
os injustos e não perante os santos?
2 Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo
deve ser julgado por vós, sois, porventura, indignos de julgar as coisas
mínimas?
3 Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas
pertencentes a esta vida?
4 Então, se tiverdes negócios em juízo, pertencentes a esta vida, pondes
na cadeira aos que são de menos estima na igreja?
5 Para vos envergonhar o digo: Não há, pois, entre vós sábios, nem
mesmo um, que possa julgar entre seus irmãos?
6 Mas o irmão vai a juízo com o irmão, e isso perante infiéis.
Leitura bíblica
INTRODUÇÃO
• Os membros da igreja em Corinto estavam levando uns
aos outros aos tribunais para resolver suas diferenças.
• Paulo os exorta e os orienta a tratar as questões
internas entre eles.
• O litígio entre os irmãos estava causando escândalo para
a igreja e prejudicando a unidade.
• Paulo afirma que os crentes tinham competência para
julgar as questões internas, sem recorrer ao sistema
romano de justiça.
INTRODUÇÃO
TÓPICO I
O PODER DE JULGAMENTO
DA IGREJA LOCAL
• O sistema judicial atual herdou muito do
sistema jurídico e social do Império Romano.
• Os romanos tiveram que desenvolver uma
estrutura que atendesse a complexidade de
gestão e um império tão abrangente.
• No universo jurídico romano a prática da
injustiça era comum, as decisões eram tomadas
com objetivo de favorecer os patronos ricos ou
os "poderosos" citados por Paulo.
1. O universo jurídico romano
• Algumas contendas eram simplesmente pretextos
para vingar ofensas e perseguir pessoas
consideradas inimigas.
• A jurisprudência não era exercida com
imparcialidade.
• A sociedade romana ficou conhecida por ser
corrupta e ter por comum a prática do suborno.
1. O universo jurídico romano
• Certamente o modelo hierárquico do Império
Romano influenciava na estrutura da igreja local.
• A igreja jamais pode se deixar levar pelo
pensamento desse mundo (Rm 12.1,2).
• Igreja de Corinto - conflitos e a busca dos
"direitos” do sistema romano seriam inevitáveis.
• Paulo os exortou duramente. Ele trabalhava em
prol da unidade da igreja.
2. A organização da igreja local
• A igreja de Corinto vivia em constantes conflitos,
divisões, dissensões e casos de imoralidade (1
Co 1.10-17; 3.1-9; 5.1).
• Paulo defende que a igreja era competente para
fazer um julgamento justo:
• pessoas sábias o suficiente para julgar as rixas
internas (v.5);
• não era necessário submeter conflitos internos ao
julgamento perante infiéis (v.6).
3. Paulo propõe um modelo
de conciliação para a igreja cristã (vv.1-6)
TÓPICO II
A ESTRUTURA DE FUNCIONAMENTO
DAS IGREJAS CRISTÃS E
DOS TRIBUNAIS ROMANOS
• A igreja em Corinto era organizada nas casas de
alguns membros.
• Ela teve sua origem na casa de Justo, que
ficava ao lado da sinagoga.
• Igreja - grande maioria era formada pelos
pobres que viviam no cais do porto de Corinto.
• Reuniões - geralmente nas casas das pessoas
de melhor poder aquisitivo da comunidade.
1. O funcionamento da igreja em Corinto
• Se havia conflito e rixa a serem levadas a
julgamento era porque alguns continuavam
tirando vantagens dos próprios irmãos da igreja.
• Paulo afirma que tanto os que estavam
causando danos como os prejudicados
estavam errados.
• Ele incentiva aqueles que foram lesados a
sofrerem a injustiça sem buscarem os recursos
jurídicos (v. 7) - Sermão da Montanha (Mt 5.39).
2. O poder de julgamento da igreja estava condicionado
à prática da justiça (vv. 7,8).
• As pessoas mais indicadas para resolver os
conflitos internos seriam os próprios líderes da
igreja. Mas, se mesmo assim as partes
envolvidas não entrassem em acordo?
• Há questões que, por lei, têm de ser submetidas
as autoridades legais, mas outras podem ser
tratadas pelos líderes.
2. O poder de julgamento da igreja estava condicionado
à prática da justiça (vv. 7,8).
• Os tribunais romanos deliberavam sobre
processos que envolvessem cidadãos
romanos.
• O I.R. tinha como política respeitar a "tradição
local" ou "leis da terra" dos povos dominados,
como forma de fortalecer a estabilidade social.
• Se as leis provinciais entravam em conflito com
as leis ou costumes romanos, podiam ser feitos
apelos aos tribunais (imperador).
3. O modelo de funcionamento dos tribunais romanos
nos dias de Paulo.
• Em Corinto, o fórum do governador ficava no
centro da Ágora, em sua volta vários templos e
estátuas que representavam deuses pagãos.
• Costume romano - as sentenças eram proferidas
de dia para que o deus Júpiter assistisse os
debates e iluminasse o julgamento.
• Nos demais casos, os juízes ficavam às portas
das cidades para julgar questões, uma espécie
de "tribunal de pequenas causas”.
3. O modelo de funcionamento dos tribunais romanos
nos dias de Paulo.
TÓPICO III
CONFLITOS E DISPUTAS
PODEM COMPROMETER
A VIDA ETERNA COM DEUS
• Paulo adverte aos defraudadores dos irmãos
quanto à perda da vida eterna com Deus.
• Comportamento incoerente com o novo
relacionamento que o cristão deveria ter.
• O apóstolo estava se referindo àqueles que não
se arrependem de suas práticas injustas.
• Do que vale ganhar a causa na justiça
humana, mas perder a vida eterna com Deus?
1. Os injustos não irão herdar o Reino de Deus (v.9)
• A reprimenda paulina é forte: ele iguala quem defrauda
o irmão com os devassos, idólatras, adúlteros, ladrões
e roubadores, avarentos, os bêbados e os maldizentes
(v.10).
• “injusto” – termo usados em 1 Co 6.1 e 6.9 tanto para se
referir aos juízes dos tribunais romanos como aos
crentes que cometem injustiça.
• Portanto, todos estavam debaixo da mesma
condenação.
• Adverte a valorizar a graça divina a seu favor.
2. Os irmãos fraudulentos igualmente
são condenáveis como os juízes injustos (v.10)
• Os juízes pagãos não tinham o perfeito entendimento
de como funcionava a organização da igreja.
• As tomadas de decisões destes juízes não tinham como
base os princípios cristãos e poderiam ter um impacto
negativo significativo nos relacionamentos internos.
• O texto não fala quais eram os litígios, mas é possível
que fossem questões irrelevantes.
• A intercessão de Paulo no caso de Filemon é um bom
exemplo para o relacionamento cristão.
3. Disputas diante de juízes pagãos (v.11)
CONSIDERAÇÕES
FINAIS
1. Paulo propõe um modelo de conciliação para
os inúmeros conflitos internos levados aos
tribunais romanos;
2. Paulo adverte que quem não acatasse sua
sugestão estaria correndo o risco de ser
classificado com os demais pecadores e
condenados à perdição eterna; e
3. Afirma que é melhor “perder” uma causa do
que a salvação.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS
CONTATOS
Pr. Natalino das Neves
natalinoteologo@gmail.com
(41) 98409 8094
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Natalino das neves; natalino das neves II; e
Pastor Natalino das Neves (página)
@Natalinoneves
natalinodasneves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A família e a sexualidade
A família e a sexualidadeA família e a sexualidade
A família e a sexualidade
Moisés Sampaio
 
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante VigilânciaLição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Éder Tomé
 
Resolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamentoResolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamento
Michel Plattiny
 
LIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃOLIBERTAÇÃO
Teologia sistemática bíblica e histórica robert duncan culver - parcial
Teologia sistemática bíblica e histórica   robert duncan culver - parcialTeologia sistemática bíblica e histórica   robert duncan culver - parcial
Teologia sistemática bíblica e histórica robert duncan culver - parcial
ALEX OLIVINDO
 
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoLição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Erberson Pinheiro
 
Maldição hereditaria
Maldição hereditariaMaldição hereditaria
Maldição hereditaria
João Campos
 
Educando filhos para o céu
Educando filhos para o céuEducando filhos para o céu
Educando filhos para o céu
Caio Cesar
 
Lição 13 - Ética Cristã e Redes Sociais
Lição 13 - Ética Cristã e Redes SociaisLição 13 - Ética Cristã e Redes Sociais
Lição 13 - Ética Cristã e Redes Sociais
Éder Tomé
 
Idolatria Moderna
Idolatria ModernaIdolatria Moderna
Idolatria Moderna
Marcelo Santos
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
Carlos Cirleno Neves
 
Transformando reclamações em crescimento (1)
Transformando reclamações em crescimento (1)Transformando reclamações em crescimento (1)
Transformando reclamações em crescimento (1)
Pr Ismael Carvalho
 
Apresentação1- A família : Plano de Deus - Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Apresentação1- A família : Plano de Deus -   Estudo bíblico 1 - 19-10-2014Apresentação1- A família : Plano de Deus -   Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Apresentação1- A família : Plano de Deus - Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Mapeamento espiritual
Mapeamento espiritualMapeamento espiritual
Curto Cirucuito - Palestra Para Jovens Evangélicos.
Curto Cirucuito - Palestra Para Jovens Evangélicos.Curto Cirucuito - Palestra Para Jovens Evangélicos.
Curto Cirucuito - Palestra Para Jovens Evangélicos.
Cristiano Marinho Maciel
 
Pastoreamento Inteligente
Pastoreamento InteligentePastoreamento Inteligente
Pastoreamento Inteligente
Adriano Simão
 
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
Estudo biblico 24  dons espirituais - part2Estudo biblico 24  dons espirituais - part2
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Intercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritualIntercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritual
Marcos Fernando Moreira
 
Como proteger-seu-casamento
Como proteger-seu-casamentoComo proteger-seu-casamento
Como proteger-seu-casamento
Daniel M Junior
 
3 libertação e quebra de maldições
3   libertação e quebra de maldições3   libertação e quebra de maldições
3 libertação e quebra de maldições
Jesiel Freitas
 

Mais procurados (20)

A família e a sexualidade
A família e a sexualidadeA família e a sexualidade
A família e a sexualidade
 
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante VigilânciaLição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
 
Resolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamentoResolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamento
 
LIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃOLIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃO
 
Teologia sistemática bíblica e histórica robert duncan culver - parcial
Teologia sistemática bíblica e histórica   robert duncan culver - parcialTeologia sistemática bíblica e histórica   robert duncan culver - parcial
Teologia sistemática bíblica e histórica robert duncan culver - parcial
 
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoLição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
 
Maldição hereditaria
Maldição hereditariaMaldição hereditaria
Maldição hereditaria
 
Educando filhos para o céu
Educando filhos para o céuEducando filhos para o céu
Educando filhos para o céu
 
Lição 13 - Ética Cristã e Redes Sociais
Lição 13 - Ética Cristã e Redes SociaisLição 13 - Ética Cristã e Redes Sociais
Lição 13 - Ética Cristã e Redes Sociais
 
Idolatria Moderna
Idolatria ModernaIdolatria Moderna
Idolatria Moderna
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
Transformando reclamações em crescimento (1)
Transformando reclamações em crescimento (1)Transformando reclamações em crescimento (1)
Transformando reclamações em crescimento (1)
 
Apresentação1- A família : Plano de Deus - Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Apresentação1- A família : Plano de Deus -   Estudo bíblico 1 - 19-10-2014Apresentação1- A família : Plano de Deus -   Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
Apresentação1- A família : Plano de Deus - Estudo bíblico 1 - 19-10-2014
 
Mapeamento espiritual
Mapeamento espiritualMapeamento espiritual
Mapeamento espiritual
 
Curto Cirucuito - Palestra Para Jovens Evangélicos.
Curto Cirucuito - Palestra Para Jovens Evangélicos.Curto Cirucuito - Palestra Para Jovens Evangélicos.
Curto Cirucuito - Palestra Para Jovens Evangélicos.
 
Pastoreamento Inteligente
Pastoreamento InteligentePastoreamento Inteligente
Pastoreamento Inteligente
 
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
Estudo biblico 24  dons espirituais - part2Estudo biblico 24  dons espirituais - part2
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
 
Intercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritualIntercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritual
 
Como proteger-seu-casamento
Como proteger-seu-casamentoComo proteger-seu-casamento
Como proteger-seu-casamento
 
3 libertação e quebra de maldições
3   libertação e quebra de maldições3   libertação e quebra de maldições
3 libertação e quebra de maldições
 

Semelhante a LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS

2021 2º trimestre jovem - lição 09
2021   2º trimestre jovem - lição 092021   2º trimestre jovem - lição 09
2021 2º trimestre jovem - lição 09
Joel Silva
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
Pastor Natalino Das Neves
 
O Governo da Igreja Local - 2019 LBJ 2 TRI Lição 12
O Governo da Igreja Local - 2019 LBJ 2 TRI Lição 12O Governo da Igreja Local - 2019 LBJ 2 TRI Lição 12
O Governo da Igreja Local - 2019 LBJ 2 TRI Lição 12
Natalino das Neves Neves
 
Lição 12 - O governo da igreja local
Lição 12 - O governo da igreja localLição 12 - O governo da igreja local
Lição 12 - O governo da igreja local
Éder Tomé
 
Lição 5ª Cuidado com a sujeira
Lição 5ª Cuidado com a sujeiraLição 5ª Cuidado com a sujeira
Lição 5ª Cuidado com a sujeira
Igreja Presbiteriana Zona Sul
 
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOASLIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
Lourinaldo Serafim
 
Racismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos HumanosRacismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos Humanos
Hugo Machado
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
Ailton da Silva
 
Lição 05
Lição 05Lição 05
Lição 8 - As Mudanças dos Valores Morais - EBD Jovens - 3 Trimestre 2015 - C...
Lição 8 - As Mudanças dos Valores Morais -  EBD Jovens - 3 Trimestre 2015 - C...Lição 8 - As Mudanças dos Valores Morais -  EBD Jovens - 3 Trimestre 2015 - C...
Lição 8 - As Mudanças dos Valores Morais - EBD Jovens - 3 Trimestre 2015 - C...
ProCarreira
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
Joel Silva
 
4 1 Corintios.pptx
4  1 Corintios.pptx4  1 Corintios.pptx
4 1 Corintios.pptx
PIB Penha - SP
 
Submissão cristã
Submissão cristãSubmissão cristã
Submissão cristã
Silvio Dutra
 
A verdade e a justiça no brasil
A verdade e a justiça no brasilA verdade e a justiça no brasil
A verdade e a justiça no brasil
cantandocomahistoria
 
A verdade e a justiça no brasil
A verdade e a justiça no brasilA verdade e a justiça no brasil
A verdade e a justiça no brasil
edsonjsmarques
 
Legislador e Juiz_Lição_original com textos_942014
Legislador e Juiz_Lição_original com textos_942014Legislador e Juiz_Lição_original com textos_942014
Legislador e Juiz_Lição_original com textos_942014
Gerson G. Ramos
 
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituaisLBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
Natalino das Neves Neves
 
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
Natalino das Neves Neves
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 05
3º trimestre 2015 juvenis lição 053º trimestre 2015 juvenis lição 05
3º trimestre 2015 juvenis lição 05
Joel Silva
 
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
Joel Oliveira
 

Semelhante a LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS (20)

2021 2º trimestre jovem - lição 09
2021   2º trimestre jovem - lição 092021   2º trimestre jovem - lição 09
2021 2º trimestre jovem - lição 09
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE OS IRMÃOS
 
O Governo da Igreja Local - 2019 LBJ 2 TRI Lição 12
O Governo da Igreja Local - 2019 LBJ 2 TRI Lição 12O Governo da Igreja Local - 2019 LBJ 2 TRI Lição 12
O Governo da Igreja Local - 2019 LBJ 2 TRI Lição 12
 
Lição 12 - O governo da igreja local
Lição 12 - O governo da igreja localLição 12 - O governo da igreja local
Lição 12 - O governo da igreja local
 
Lição 5ª Cuidado com a sujeira
Lição 5ª Cuidado com a sujeiraLição 5ª Cuidado com a sujeira
Lição 5ª Cuidado com a sujeira
 
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOASLIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
 
Racismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos HumanosRacismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos Humanos
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
 
Lição 05
Lição 05Lição 05
Lição 05
 
Lição 8 - As Mudanças dos Valores Morais - EBD Jovens - 3 Trimestre 2015 - C...
Lição 8 - As Mudanças dos Valores Morais -  EBD Jovens - 3 Trimestre 2015 - C...Lição 8 - As Mudanças dos Valores Morais -  EBD Jovens - 3 Trimestre 2015 - C...
Lição 8 - As Mudanças dos Valores Morais - EBD Jovens - 3 Trimestre 2015 - C...
 
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08E.b.d   jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
E.b.d jovens 4ºtrimestre 2016 lição 08
 
4 1 Corintios.pptx
4  1 Corintios.pptx4  1 Corintios.pptx
4 1 Corintios.pptx
 
Submissão cristã
Submissão cristãSubmissão cristã
Submissão cristã
 
A verdade e a justiça no brasil
A verdade e a justiça no brasilA verdade e a justiça no brasil
A verdade e a justiça no brasil
 
A verdade e a justiça no brasil
A verdade e a justiça no brasilA verdade e a justiça no brasil
A verdade e a justiça no brasil
 
Legislador e Juiz_Lição_original com textos_942014
Legislador e Juiz_Lição_original com textos_942014Legislador e Juiz_Lição_original com textos_942014
Legislador e Juiz_Lição_original com textos_942014
 
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituaisLBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
LBA Lição 10 - Deveres civis, morais e espirituais
 
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 05
3º trimestre 2015 juvenis lição 053º trimestre 2015 juvenis lição 05
3º trimestre 2015 juvenis lição 05
 
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
Natalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
Natalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
Natalino das Neves Neves
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
Natalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
 

Último

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 

Último (11)

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 

LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS

  • 1.
  • 2.
  • 3. T E X T O D O D I A "Na verdade, é já realmente uma falta entre vós terdes demandas uns contra os outros. Por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o dano?" (1 Co 6.7).
  • 4. SÍNTESE Devemos evitar as contendas judiciais entre os membros da igreja, pois o acerto amigável é melhor do que uma contenda jurídica, principalmente, com um irmão de fé.
  • 5. 1 Coríntios 6.1-6 1 Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo perante os injustos e não perante os santos? 2 Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois, porventura, indignos de julgar as coisas mínimas? 3 Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida? 4 Então, se tiverdes negócios em juízo, pertencentes a esta vida, pondes na cadeira aos que são de menos estima na igreja? 5 Para vos envergonhar o digo: Não há, pois, entre vós sábios, nem mesmo um, que possa julgar entre seus irmãos? 6 Mas o irmão vai a juízo com o irmão, e isso perante infiéis. Leitura bíblica
  • 7. • Os membros da igreja em Corinto estavam levando uns aos outros aos tribunais para resolver suas diferenças. • Paulo os exorta e os orienta a tratar as questões internas entre eles. • O litígio entre os irmãos estava causando escândalo para a igreja e prejudicando a unidade. • Paulo afirma que os crentes tinham competência para julgar as questões internas, sem recorrer ao sistema romano de justiça. INTRODUÇÃO
  • 8. TÓPICO I O PODER DE JULGAMENTO DA IGREJA LOCAL
  • 9. • O sistema judicial atual herdou muito do sistema jurídico e social do Império Romano. • Os romanos tiveram que desenvolver uma estrutura que atendesse a complexidade de gestão e um império tão abrangente. • No universo jurídico romano a prática da injustiça era comum, as decisões eram tomadas com objetivo de favorecer os patronos ricos ou os "poderosos" citados por Paulo. 1. O universo jurídico romano
  • 10. • Algumas contendas eram simplesmente pretextos para vingar ofensas e perseguir pessoas consideradas inimigas. • A jurisprudência não era exercida com imparcialidade. • A sociedade romana ficou conhecida por ser corrupta e ter por comum a prática do suborno. 1. O universo jurídico romano
  • 11. • Certamente o modelo hierárquico do Império Romano influenciava na estrutura da igreja local. • A igreja jamais pode se deixar levar pelo pensamento desse mundo (Rm 12.1,2). • Igreja de Corinto - conflitos e a busca dos "direitos” do sistema romano seriam inevitáveis. • Paulo os exortou duramente. Ele trabalhava em prol da unidade da igreja. 2. A organização da igreja local
  • 12. • A igreja de Corinto vivia em constantes conflitos, divisões, dissensões e casos de imoralidade (1 Co 1.10-17; 3.1-9; 5.1). • Paulo defende que a igreja era competente para fazer um julgamento justo: • pessoas sábias o suficiente para julgar as rixas internas (v.5); • não era necessário submeter conflitos internos ao julgamento perante infiéis (v.6). 3. Paulo propõe um modelo de conciliação para a igreja cristã (vv.1-6)
  • 13. TÓPICO II A ESTRUTURA DE FUNCIONAMENTO DAS IGREJAS CRISTÃS E DOS TRIBUNAIS ROMANOS
  • 14. • A igreja em Corinto era organizada nas casas de alguns membros. • Ela teve sua origem na casa de Justo, que ficava ao lado da sinagoga. • Igreja - grande maioria era formada pelos pobres que viviam no cais do porto de Corinto. • Reuniões - geralmente nas casas das pessoas de melhor poder aquisitivo da comunidade. 1. O funcionamento da igreja em Corinto
  • 15. • Se havia conflito e rixa a serem levadas a julgamento era porque alguns continuavam tirando vantagens dos próprios irmãos da igreja. • Paulo afirma que tanto os que estavam causando danos como os prejudicados estavam errados. • Ele incentiva aqueles que foram lesados a sofrerem a injustiça sem buscarem os recursos jurídicos (v. 7) - Sermão da Montanha (Mt 5.39). 2. O poder de julgamento da igreja estava condicionado à prática da justiça (vv. 7,8).
  • 16. • As pessoas mais indicadas para resolver os conflitos internos seriam os próprios líderes da igreja. Mas, se mesmo assim as partes envolvidas não entrassem em acordo? • Há questões que, por lei, têm de ser submetidas as autoridades legais, mas outras podem ser tratadas pelos líderes. 2. O poder de julgamento da igreja estava condicionado à prática da justiça (vv. 7,8).
  • 17. • Os tribunais romanos deliberavam sobre processos que envolvessem cidadãos romanos. • O I.R. tinha como política respeitar a "tradição local" ou "leis da terra" dos povos dominados, como forma de fortalecer a estabilidade social. • Se as leis provinciais entravam em conflito com as leis ou costumes romanos, podiam ser feitos apelos aos tribunais (imperador). 3. O modelo de funcionamento dos tribunais romanos nos dias de Paulo.
  • 18. • Em Corinto, o fórum do governador ficava no centro da Ágora, em sua volta vários templos e estátuas que representavam deuses pagãos. • Costume romano - as sentenças eram proferidas de dia para que o deus Júpiter assistisse os debates e iluminasse o julgamento. • Nos demais casos, os juízes ficavam às portas das cidades para julgar questões, uma espécie de "tribunal de pequenas causas”. 3. O modelo de funcionamento dos tribunais romanos nos dias de Paulo.
  • 19. TÓPICO III CONFLITOS E DISPUTAS PODEM COMPROMETER A VIDA ETERNA COM DEUS
  • 20. • Paulo adverte aos defraudadores dos irmãos quanto à perda da vida eterna com Deus. • Comportamento incoerente com o novo relacionamento que o cristão deveria ter. • O apóstolo estava se referindo àqueles que não se arrependem de suas práticas injustas. • Do que vale ganhar a causa na justiça humana, mas perder a vida eterna com Deus? 1. Os injustos não irão herdar o Reino de Deus (v.9)
  • 21. • A reprimenda paulina é forte: ele iguala quem defrauda o irmão com os devassos, idólatras, adúlteros, ladrões e roubadores, avarentos, os bêbados e os maldizentes (v.10). • “injusto” – termo usados em 1 Co 6.1 e 6.9 tanto para se referir aos juízes dos tribunais romanos como aos crentes que cometem injustiça. • Portanto, todos estavam debaixo da mesma condenação. • Adverte a valorizar a graça divina a seu favor. 2. Os irmãos fraudulentos igualmente são condenáveis como os juízes injustos (v.10)
  • 22. • Os juízes pagãos não tinham o perfeito entendimento de como funcionava a organização da igreja. • As tomadas de decisões destes juízes não tinham como base os princípios cristãos e poderiam ter um impacto negativo significativo nos relacionamentos internos. • O texto não fala quais eram os litígios, mas é possível que fossem questões irrelevantes. • A intercessão de Paulo no caso de Filemon é um bom exemplo para o relacionamento cristão. 3. Disputas diante de juízes pagãos (v.11)
  • 24. 1. Paulo propõe um modelo de conciliação para os inúmeros conflitos internos levados aos tribunais romanos; 2. Paulo adverte que quem não acatasse sua sugestão estaria correndo o risco de ser classificado com os demais pecadores e condenados à perdição eterna; e 3. Afirma que é melhor “perder” uma causa do que a salvação. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 26. CONTATOS Pr. Natalino das Neves natalinoteologo@gmail.com (41) 98409 8094 www.natalinodasneves.blogspot.com.br Natalino das neves; natalino das neves II; e Pastor Natalino das Neves (página) @Natalinoneves natalinodasneves