SlideShare uma empresa Scribd logo
e doenças mentais...
Liberdade Responsabilidade
responsabilidade
*O [cérebro] órgão de expressão mental, reclama
personalidades químicas de tipo sublimado, por alimentar-
se de experiências que devem ser registradas, arquivadas
e lembradas sempre que oportuno ou necessário.
Intervém, então, a química superior, dotando o cérebro de
material insubstituível em muitos departamentos de seu
laboratório íntimo.
Evolução
2008
*Voltemos aos ascendentes em evolução. O princípio espiritual
acolheu-se no seio tépido das águas, através dos organismos
celulares, que se mantinham e se multiplicavam por cissiparidade.
Em milhares de anos, fez longa viagem na esponja, passando a
dominar células autônomas, impondo-lhes o espírito de
obediência e de coletividade, na organização primordial dos
músculos. Experimentou longo tempo, antes de ensaiar os
alicerces do aparelho nervoso, na medusa, no verme, no
batráquio, arrastando-se para emergir do fundo escuro e lodoso
das águas, de modo a encetar as experiências primeiras, ao sol
meridiano. Sugou o seio farto da Terra, evoluindo sem parar,
através de milênios, até conquistar a região mais alta, onde
conseguiu elaborar o próprio alimento. Ergueu-se do solo,
contemplou os céus e, depois de longos milênios, durante os quais
aprendeu a procriar, alimentar-se, escolher, lembrar e sentir,
conquistou a inteligência...
Por mais esforços que envidemos por simplificar (…) o
retrospeto que a respeito fazemos sempre causa
perplexidade. Viajou do simples impulso para a
irritabilidade, da irritabilidade para a sensação, da
sensação para o instinto, do instinto para a razão.
*Evolução em 2 mundos, AL
*Com tempo, a Direção Espiritual da Vida
consegue, organizar, com eficiência, o
sistema nervoso autônomo, regulando e
coordenando (…) primorosamente (…) as vias
eletromagnéticas de comunicação entre o
governo espiritual e as províncias orgânicas
(…) sob o controle do Espírito, assimilando-
lhe os desejos e executando-lhe as ordens no
automatismo que a evolução lhe confere.
O SN é aparelho de expressão dos seus
sentimentos e pensamentos, com os quais
no regime de responsabilidade e de auto-
escolha, plasmará no espaço e tempo o seu
próprio caminho de ascensão para Deus.
*Com o exercício incessante da palavra, a energia mental do homem
primitivo encontra insopitável desenvolvimento (…) mobilidade e a
elasticidade imprescindíveis à expansão do pensamento assegurando o
intercâmbio (… entre) encarnados e desencarnados (… e permitindo o)
despertamento da responsabilidade.
O continuísmo da ideia consciente acende a luz da
memória sobre o pedestal do automatismo.
Desligado lentamente dos laços mais fortes que o prendiam às
Inteligências Divinas tutelares, sente-se sozinho, esmagado pelo Universo
A ideia moral da vida começa a ocupar-lhe o crânio (O Sol propicia-lhe a
conceção de um Criador, (…) e a noite povoa-lhe a alma com visões
nebulosas e pesadelos imaginários, dando-lhe a ideia do combate treva-luz
o Espírito responde ao Espírito, intuitivamente vê no mundo em que
vive a própria moradia, cuja ordem lhe requisita apoio e cooperação
passa a indagar sobre a causa das coisas... refugia-se no amor-egoísmo,
na intimidade da prole padece na defesa do lar(entre) aflição e temor
esboça-se imensa luta Percebe que não mais pode obedecer
cegamente aos impulsos da Natureza, ao modo dos animais a morte
impõe-lhe angustiosas perquirições (…) procurando ajustar-se às Leis
Divinas Frágil compreende que, perante Deus, estava entregue a si
mesmo. O Princípio da responsabilidade havia nascido.
*(…) as ideias-relâmpagos ou as ideias-fragmentos da crisálida de
consciência, no reino animal, se transformam em conceitos e
inquirições, traduzindo desejos e ideias de alentada substância íntima.
*[Fixando e exprimindo o pensamento] (…) inconscientemente (passou
…) a desprender-se do carro denso de carne, desligando as células de
seu corpo espiritual das células físicas, durante o sono comum, para
receber, em atitude passiva a visita dos Benfeitores Espirituais que o
instruem.
*Evolução em 2 mundos, AL
*no 3º, temos a casa das noções superiores, indicando as eminências que
nos cumpre atingir; aí demoram o ideal e a meta superior a ser
alcançada. Distribuímos, deste modo, o subconsciente, o consciente e o
superconsciente. Possuímos, em nós mesmos, o passado, o presente e o
futuro.” – André Luiz, No Mundo Maior, III
Passado
reflexos/
automatismos
Presente
MemLonPra
emoções
Futuro
antecipação
ideais/metas sup
Presente
decisões
esforço/
Vontade
“Não podemos dizer que possuímos
três cérebros simultaneamente.
Temos apenas um que, porém, se
divide em três regiões distintas.
Tomemo-lo como se fora um castelo
de três andares:
*no 1º situamos a residência de
nossos impulsos automáticos
(instintivos e inconscientes), arquivo
vivo dos serviços realizados, onde
moram o hábito e o automatismo;
*no 2º localizamos o domicílio das
conquistas atuais, onde (residem o
esforço e a vontade) se erguem e se
consolidam as qualidades nobres
que estamos edificando;
*A casa mental
É-nos imprescindível compreender a perversidade como loucura, a revolta
como ignorância e o desespero como enfermidade… (No Mundo Maior, III, AL)
*Livre-arbítrio equivocado,
Missionários da Luz, III, AL, Francisco Cândido Xavier
PROJETO IMAGEM
*Implicações diante da Vida Maior…
No Mundo Maior, XIV, AL, Francisco Cândido Xavier
Estaríamos diante de um homem embriagado ou de uma taça viva,
cujo conteúdo sorviam gênios satânicos do vicio?
*O infortunado Antídio trazia o estômago atestado de liquido e a
cabeça turva de vapores. Semidesligado do organismo denso pela
atuação anestesiante do tóxico, passou a identificar-se mais
intimamente com as entidades que o perseguiam. (… que) tinham a
mente invadida por visões terrificantes do sepulcro [entrando em
sintonia magnética com o psiquismo desequilibrado dos vampiros]
(… via agora aterrado) imagens espectrais de víboras e morcegos dos
lugares sombrios onde haviam estacionado.
PROJETO IMAGEM
*Por algum tempo, será amparado pela enfermidade. Conhecerá a prisão no
leito, durante 2 a 3 meses (sem anestésicos e desintoxicantes; conhecerá
intraduzível mal-estar, de modo a restabelecera harmonia do cosmo
psíquico; a medicação lhe diminuirá a tendência de esquecer as obrigações
sagradas e lhe acordarão os sentimentos, devagarinho, para a nobreza da
vida), a fim de que se lhe não apodreça o corpo num hospício, o que se
iniciaria dentro de alguns dias, lançando nobre mulher e duas crianças em
pungente incerteza do porvir - eflúvios luminosos sobre o coração
(…induziram) parada súbita.
*Também a tempestade devastadora [não apenas a brisa carinhosa]... são
elementos indispensáveis à glória da vida.
*Medida salvadora!
No Mundo Maior, XIV, AL, Francisco Cândido Xavier
PROJETO IMAGEM
*Foi assim que atingimos a época moderna, em que a loucura se generaliza
e a harmonia mental do homem está a pique de soçobro. De cérebro
evoluído e coração imaturo, requintamo-nos, na arte de esfacelar o
progresso espiritual.
*Nova ameaça surge ao domicílio terrestre: o profundo desequilíbrio, a
desarmonia generalizada, as moléstias da alma que se ingerem, sutis,
solapando-vos a estabilidade - alienação mental, que não nos desintegra
só os patrimônios celulares da vida física, senão também nos atinge o
tecido sutil da alma, invadindo o corpo perispiritual.
Eusébio, AL, No Mundo Maior, I
*Ao invés de servos leais do Senhor da Vida, temos sido soldados dos
exércitos da ilusão, deixando à retaguarda milhões de túmulos, abertos
sob aluviões de cinza e fumo.
*Cevamos e expandimos unicamente o egoísmo e a ambição, a vaidade e a
fantasia na Crosta Planetária. Contraímos pesados débitos e escravizamo-
nos aos tristes resultados de nossas obras, deixando-nos ficar,
indefinidamente, na messe dos espinhos.
*ALIENADOS MENTAIS
*Não são apenas os dementes, os esquizofrénicos, ou os alienados por
senilidade, mas também as criaturas que já renascem imperfeitas e
perturbadas (…) até as fobias sem número … [Esta enfermidade]
Constitui verdadeira a tragédia dos homens desencarnados, em pleno
desequilíbrio das sensações.
*Excetuados os casos puramente orgânicos, que se originam da incursão
microbiana sobre a matéria cinzenta, o louco é criatura que
abdicou da realidade, é alguém que desaproveitou as bênçãos da
experiência humana, preferindo segregar-se nos caprichos mentais;
que procurou forçar a libertação do aprendizado terrestre, por
indisciplina ou ignorância, num gênero de suicídio habilmente
dissimulado: na auto-eliminação da harmonia mental, pela
inconformação nos quadros de luta humana diante da dor,
do obstáculo ou da morte, entregando-se, sem resistência, à
perturbação destruidora, descerrando as portas do túmulo; que
fugindo deliberadamente às realidades da Vida e do Universo, criou
regiões purgatórias para si mesmo.
*Cerca de 90% dos casos de loucura, são consequência da impaciência/
revolta ou tristeza, atitudes mentais que imprimem deploráveis
reflexos aos que as alimentam.
*A princípio, são meros descontentes e desesperados(…) Pouco a
pouco, no entanto, transformam-se em doentes mentais de variadas
gradações, de cura quase impossível(…) Impercetíveis frutos da
desobediência/rebeldia começam por arruinar o patrimônio
fisiológico terrestre, e (…) desde os círculos terrenos padecem,
encovados em precipícios infernais(…) inicia-se a desintegração da
harmonia mental que por vezes perdura várias existências, até
que o interessado se disponha, a valer-se das bênçãos divinas, em
abençoado serviço evolutivo de renovação.
*os fenômenos senis do corpo são mais tristes para a alma, (… com)
fixação da mente nos impulsos inferiores; permanecem, séculos afora,
na fase infantil do entendimento(…) Enquanto recebem a transitória
cooperação de saúde física relativa,(…) das possibilidades financeiras e
das variadas impressões passageiras que a existência na Crosta
Planetária oferece, esteiam-se nos títulos de cidadãos que a sociedade
lhes confere; logo, porém, que visitados pela (…) decrepitude, revelam
a infância espiritual em que jazem(…) não obstante a idade provecta.
Negando-se, a alma a receber o auxilio divino, através dos
processos de transformação incessante que lhe são oferecidos,
em seu benefício próprio pelas diferentes situações do
aprendizado carnal, recolhe-se à margem da estrada, criando
paisagens perturbadoras com desejos injustificáveis.
PROJETO IMAGEM
*Afligente quadro de padecimentos espirituais, de desequilíbrios que
afetam a mente desviada das Leis Universais. Em verdade, na alienação
mental começa a descida da alma às zonas inferiores da morte (…)
permutam na Terra os eternos valores divinos por satisfações ilusórias
imediatas, sendo relegados, além do sepulcro, a inominável desespero…
*Quanto às perturbações que acompanham a alma no renascimento ou na
infância do corpo, na juventude ou na senilidade, é mister reconhecer
que o desequilíbrio começa na inobservância da Lei, como a expiação
se inicia no crime. Adotada a conduta em desacordo com a realidade,
encontra o espírito, invariavelmente, os efeitos da própria ação.
Onde viverão meus parentes, cujo futuro me preocupava? onde rolará o
dinheiro que amontoei penosamente, olvidando minha própria alma? onde
respirará minha irmã, a quem despojei de todos os recursos? porque não me
ensinaram, na Terra, que a vida prosseguiria para além do sepulcro? estarei
efetivamente (morto) para o mundo, ou louco e cego? Ah! mísero que sou!
quem me socorrerá?
Meus familiares olvidaram-me o devotamento. Só uma pessoa no mundo se recordará
de mim e me estenderia mãos protetoras se soubesse do meu paradeiro... Meu neto
André Luiz… Em muitas ocasiões manifestei, destinei-lhe o legado da consagração à
Medicina… consolava-me com a ideia de que gastaria o dinheiro que eu indebitamente
aferrolhara, educando-se, para beneficio de todos... Seria o benfeitor dos pobres e
dos doentes, espargiria sementes dadivosas onde minha existência inútil espalhara
pedras e espinhos de insensatez. Meu neto seria belo, querido, respeitado...
*Velha afeição…
Tornando mentalmente a cenários da infância longínqua, senti-me
novamente menino; venci de um salto o espaço que nos separava e
ajoelhei-me aos pés do meu desventurado benfeitor.
Cobri-lhe as mãos de beijos e, erguendo para ele os olhos lacrimosos,
perguntei:
— Vovô Cláudio, pois o senhor não me conhece mais?
Impossível seria descrever o que se passou.
Esqueci, por momentos, os estudos que me impusera a fazer; olvidei os
quadros daquele ambiente, que provocavam curiosidade e pavor.
Meu espírito respirava o reconhecimento sincero e o amor puro;
amparado por Calderaro, que também enxugava lágrimas discretas,
diante da comoção que me assaltara, sustentei meu avô nos braços,
como se transportara, louco de alegria, precioso fardo que me era doce
e leve ao coração.
*Oficina de restauração
— Se o Céu me conceder a felicidade de com algo contribuir em benefício de
Cláudio, esse benefício será feito a mim mesma; e, se um dia eu receber a
ventura conjugal, será nosso primeiro e bem-amado filhinho. De antemão, sei que
Nicanor se regozijará com o meu compromisso.
— Partilhar-nos-á a vida pobre e honrada, conhecerá as alegrias do pão, filho do
suor com a Proteção Divina, e olvidará, em nossa companhia, as ilusões que por
tanto tempo nos separaram... Com singeleza de coração, projetava em êxtase:
— Será um pedreiro feliz, como Nicanor! abençoará a luta digna que atualmente
bendizemos!...
Como chorasse, comovida, Cipriana abraçou-a, também tocada no coração e de
olhos húmidos, assegurando: — Bem-aventurada sejas tu, querida filha, que
compreendes connosco o celestial ministério da mulher nobre, disposta à
maternidade sublime.
Acordou no veículo pesado, experimentando ignoto júbilo.
Quem poderia definir-nos o reconhecimento e a admiração daquela hora? Meus
companheiros abençoaram-na, e eu, por minha vez, despedindo-me dela
comovidamente, osculei-lhe a destra minúscula, num beijo silencioso de profunda
amizade e de indizível gratidão.
— Ah! em que poderia servir-vos, eu, mísera serva que sou?
— Agora, sim! Lembro-me... — gemeu, aterrada.
Alguns segundos de expectativa rolaram pesadamente; contudo, o amor,
sempre divino na mulher de aspirações elevadas, triunfou no olhar enternecido
de Ismênia, que, plenamente modificada, se abraçou ao doente
*Oficina de restauração
*Previna-se hoje
do remorso de amanhã
*A verdadeira morte começa na estagnação. Faça circular os
empréstimos de Deus; transfigure as coisas que lhe sejam inúteis
em forças vivas do bem.
*Retire da despensa os géneros alimentícios esquecidos para
distribuição fraterna; Reviste o guarda-roupa, libertando os
cabides das vestes que você não usa conduzindo-as aos viajores
desnudos; Estenda os pares de sapatos que lhe sobram, aos pés
descalços em derredor;
*Elimine o mobiliário excelente, alegrando as casas menos felizes;
Revolva objetos e livros parados endereçando-os a quem não tem
recursos; Examine a bolsa mostrando gratidão pelos acréscimos da
Divina Misericórdia
*Medique os enfermos; enxugue lágrimas; socorra feridas; O
excesso de nossa vida gera a necessidade no semelhante; os
valores mumificados das nossas mãos ressurgem nas criaturas de
Deus como valores de exaltação e luz!
O espírito da verdade, 2, AL
*A evolução da alma ergue-se desenvolta dos
ALICERCES INSUBSTITUÍVEIS do SACRIFÍCIO.
*Identifique, na dificuldade, o favor da Providência Divina
para dilatar-lhe a Paz…
*Quanto maior a sombra em torno, mais valiosa a fonte de
luz. Desse modo a alegria pura viceja entre a dor e o
obstáculo; a resignação santificante nasce em meio às
provas difíceis; a renúncia intrépida irrompe no seio da
injustiça das emulações acirradas; e a pureza construtiva
surge, não raro, em ambiente de viciação mais ampla.
* O espírito da verdade, 28, AL
*Quem se transfigura por dentro, pensa por si, desata as amarras
(…) todavia, quase sempre, desperta no mais doloroso tipo de
solidão - a dos que trabalham no mundo, a benefício do mundo,
mas desajustados no mundo, sem que o mundo os reconheça.
*Urge perceber, porém, que quantos consomem as próprias
energias, na exaltação do bem, se fazem clarão.
*E se temes a extensão das dificuldades, reflete na semente, a
morrer em refúgio anônimo para que a vida se garanta; mas, se o
exemplo de um ser pequenino te não satisfaz, medita no
ensinamento do maior e mais glorioso espírito que já pisou
caminhos terrestres.“ (Opinião Espírita, 29-30)
*Ele não atingiu as culminâncias da Ressurreição sem subir ao
Calvário, e as suas lições referem-se à fé que transporta montanhas.
Eusébio, AL, No Mundo Maior, II
As ETERNAS chaves da porta estreita…

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Elucidário do livro evolução em dois mundos (josé marques mesquita)
Elucidário do livro evolução em dois mundos (josé marques mesquita)Elucidário do livro evolução em dois mundos (josé marques mesquita)
Elucidário do livro evolução em dois mundos (josé marques mesquita)
Erico Rocha
 
Ovóides
OvóidesOvóides
Estudo do livro Roteiro lição 3
Estudo do livro Roteiro lição 3Estudo do livro Roteiro lição 3
Estudo do livro Roteiro lição 3
Candice Gunther
 
2.8.5 Extase
2.8.5   Extase2.8.5   Extase
2.8.5 Extase
Marta Gomes
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Cynthia Castro
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Cynthia Castro
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Cynthia Castro
 
Animais tem espirito?
Animais tem espirito?Animais tem espirito?
Animais tem espirito?
Denise Aguiar
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VIIII - Novos Rum...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VIIII - Novos Rum...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VIIII - Novos Rum...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VIIII - Novos Rum...
Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Cynthia Castro
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
jcevadro
 
Vida depois da vida
Vida depois da vidaVida depois da vida
Vida depois da vida
Fabio Almeida Barbosa
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Cynthia Castro
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
Denise Aguiar
 
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Antonino Silva
 
A ciência secreta vol iv
A ciência secreta vol ivA ciência secreta vol iv
A ciência secreta vol iv
MongeTeodoro
 
Consequencias do suicidio no plano Espiritual
Consequencias do suicidio no plano EspiritualConsequencias do suicidio no plano Espiritual
Consequencias do suicidio no plano Espiritual
Marta Gomes
 

Mais procurados (20)

Elucidário do livro evolução em dois mundos (josé marques mesquita)
Elucidário do livro evolução em dois mundos (josé marques mesquita)Elucidário do livro evolução em dois mundos (josé marques mesquita)
Elucidário do livro evolução em dois mundos (josé marques mesquita)
 
Ovóides
OvóidesOvóides
Ovóides
 
Estudo do livro Roteiro lição 3
Estudo do livro Roteiro lição 3Estudo do livro Roteiro lição 3
Estudo do livro Roteiro lição 3
 
2.8.5 Extase
2.8.5   Extase2.8.5   Extase
2.8.5 Extase
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
 
Animais tem espirito?
Animais tem espirito?Animais tem espirito?
Animais tem espirito?
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VIIII - Novos Rum...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VIIII - Novos Rum...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VIIII - Novos Rum...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VIIII - Novos Rum...
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
 
Vida depois da vida
Vida depois da vidaVida depois da vida
Vida depois da vida
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
 
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
 
A ciência secreta vol iv
A ciência secreta vol ivA ciência secreta vol iv
A ciência secreta vol iv
 
Consequencias do suicidio no plano Espiritual
Consequencias do suicidio no plano EspiritualConsequencias do suicidio no plano Espiritual
Consequencias do suicidio no plano Espiritual
 

Destaque

Magnetismo e espiritismo - a terapia espírita
Magnetismo e espiritismo - a terapia espíritaMagnetismo e espiritismo - a terapia espírita
Magnetismo e espiritismo - a terapia espírita
Ponte de Luz ASEC
 
Desenvolvimento da autoconsciência 3
Desenvolvimento da autoconsciência 3Desenvolvimento da autoconsciência 3
Desenvolvimento da autoconsciência 3
Fatoze
 
Teoria da mediunidade
Teoria da mediunidadeTeoria da mediunidade
Teoria da mediunidade
Ponte de Luz ASEC
 
Milagres
MilagresMilagres
Mediunidade e corpo fisico
Mediunidade e corpo fisicoMediunidade e corpo fisico
Mediunidade e corpo fisico
Victor Passos
 
Aparições Pascais e mediunidade
Aparições Pascais e mediunidadeAparições Pascais e mediunidade
Aparições Pascais e mediunidade
Ponte de Luz ASEC
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
Claudio Macedo
 
Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
Ponte de Luz ASEC
 
Sentimentos a força do espírito
Sentimentos   a força do espíritoSentimentos   a força do espírito
Sentimentos a força do espírito
Ponte de Luz ASEC
 
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
Lar Irmã Zarabatana
 
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Helio Cruz
 
Magnetismo pessoal!
Magnetismo pessoal! Magnetismo pessoal!
Magnetismo pessoal!
Leonardo Pereira
 
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de TemasAula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Flávio Darin Buongermino
 
Eae aula 1 - inaugural - eae
Eae   aula 1 - inaugural - eaeEae   aula 1 - inaugural - eae
Eae aula 1 - inaugural - eae
Roberto Rossignatti
 
Eae 1 aula inaugural rev01
Eae 1   aula inaugural rev01Eae 1   aula inaugural rev01
Eae 1 aula inaugural rev01
Norberto Scavone Augusto
 
Sacrifícios do amor
Sacrifícios do amorSacrifícios do amor
Sacrifícios do amor
Luciane Belchior
 
Escola de Aprendizes do Evangelho 1b
Escola de Aprendizes do Evangelho 1bEscola de Aprendizes do Evangelho 1b
Escola de Aprendizes do Evangelho 1b
Roseli Lemes
 
Palestra a fé e sua vivência
Palestra  a fé e sua vivênciaPalestra  a fé e sua vivência
Palestra a fé e sua vivência
Cursilho Ged Taguatinga Df
 
Magnetismo: conceito e aplicação
Magnetismo: conceito e aplicaçãoMagnetismo: conceito e aplicação
Magnetismo: conceito e aplicação
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Coragem da fé
Coragem da féCoragem da fé
Coragem da fé
Luciane Belchior
 

Destaque (20)

Magnetismo e espiritismo - a terapia espírita
Magnetismo e espiritismo - a terapia espíritaMagnetismo e espiritismo - a terapia espírita
Magnetismo e espiritismo - a terapia espírita
 
Desenvolvimento da autoconsciência 3
Desenvolvimento da autoconsciência 3Desenvolvimento da autoconsciência 3
Desenvolvimento da autoconsciência 3
 
Teoria da mediunidade
Teoria da mediunidadeTeoria da mediunidade
Teoria da mediunidade
 
Milagres
MilagresMilagres
Milagres
 
Mediunidade e corpo fisico
Mediunidade e corpo fisicoMediunidade e corpo fisico
Mediunidade e corpo fisico
 
Aparições Pascais e mediunidade
Aparições Pascais e mediunidadeAparições Pascais e mediunidade
Aparições Pascais e mediunidade
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
 
Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
 
Sentimentos a força do espírito
Sentimentos   a força do espíritoSentimentos   a força do espírito
Sentimentos a força do espírito
 
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
 
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
 
Magnetismo pessoal!
Magnetismo pessoal! Magnetismo pessoal!
Magnetismo pessoal!
 
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de TemasAula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
 
Eae aula 1 - inaugural - eae
Eae   aula 1 - inaugural - eaeEae   aula 1 - inaugural - eae
Eae aula 1 - inaugural - eae
 
Eae 1 aula inaugural rev01
Eae 1   aula inaugural rev01Eae 1   aula inaugural rev01
Eae 1 aula inaugural rev01
 
Sacrifícios do amor
Sacrifícios do amorSacrifícios do amor
Sacrifícios do amor
 
Escola de Aprendizes do Evangelho 1b
Escola de Aprendizes do Evangelho 1bEscola de Aprendizes do Evangelho 1b
Escola de Aprendizes do Evangelho 1b
 
Palestra a fé e sua vivência
Palestra  a fé e sua vivênciaPalestra  a fé e sua vivência
Palestra a fé e sua vivência
 
Magnetismo: conceito e aplicação
Magnetismo: conceito e aplicaçãoMagnetismo: conceito e aplicação
Magnetismo: conceito e aplicação
 
Coragem da fé
Coragem da féCoragem da fé
Coragem da fé
 

Semelhante a Liberdade responsabilidade e doenças mentais

Causa e efeito mod.2
Causa e efeito mod.2Causa e efeito mod.2
Causa e efeito mod.2
Ademilson Figueiredo
 
Conceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessãoConceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessão
jcevadro
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
dinamica_espirita_73.pdf
dinamica_espirita_73.pdfdinamica_espirita_73.pdf
dinamica_espirita_73.pdf
CESARSOMMER2
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
Francisco Baptista
 
Palavra e responsabilidade
Palavra e responsabilidadePalavra e responsabilidade
Palavra e responsabilidade
arianerodrigues
 
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologiasCorpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Fernando Vieira Filho
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Antonino Silva
 
Curso_MENTALISMO_Aula 2.pptx
Curso_MENTALISMO_Aula 2.pptxCurso_MENTALISMO_Aula 2.pptx
Curso_MENTALISMO_Aula 2.pptx
MarceloBorgesFigueir
 
01 - Exórdio e prolegômenos - Nos Bastidores da Obsessão
01 - Exórdio e prolegômenos - Nos Bastidores da Obsessão01 - Exórdio e prolegômenos - Nos Bastidores da Obsessão
01 - Exórdio e prolegômenos - Nos Bastidores da Obsessão
GEOMPM FEEB
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Cynthia Castro
 
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Patricia Farias
 
Obsessao e mediunidade
Obsessao e mediunidadeObsessao e mediunidade
Obsessao e mediunidade
Prof. Paulo Ratki
 
Larvas astrais ou formas
Larvas astrais ou formasLarvas astrais ou formas
Larvas astrais ou formas
Roberto Vallejo
 
Espiritismo e mediunidade 05
Espiritismo e mediunidade 05Espiritismo e mediunidade 05
Espiritismo e mediunidade 05
Leonardo Pereira
 
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
Denise Aguiar
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Cynthia Castro
 
Palestra max umbral 22 nov 21 2021.pptx1
Palestra max   umbral  22 nov 21  2021.pptx1Palestra max   umbral  22 nov 21  2021.pptx1
Palestra max umbral 22 nov 21 2021.pptx1
MaxLeahy2
 
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Ponte de Luz ASEC
 
05-Causas de vidas anteriores.
05-Causas de vidas anteriores.05-Causas de vidas anteriores.
05-Causas de vidas anteriores.
ThiagoPereiraSantos2
 

Semelhante a Liberdade responsabilidade e doenças mentais (20)

Causa e efeito mod.2
Causa e efeito mod.2Causa e efeito mod.2
Causa e efeito mod.2
 
Conceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessãoConceito,causas e graus da obsessão
Conceito,causas e graus da obsessão
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
dinamica_espirita_73.pdf
dinamica_espirita_73.pdfdinamica_espirita_73.pdf
dinamica_espirita_73.pdf
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 
Palavra e responsabilidade
Palavra e responsabilidadePalavra e responsabilidade
Palavra e responsabilidade
 
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologiasCorpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
Curso_MENTALISMO_Aula 2.pptx
Curso_MENTALISMO_Aula 2.pptxCurso_MENTALISMO_Aula 2.pptx
Curso_MENTALISMO_Aula 2.pptx
 
01 - Exórdio e prolegômenos - Nos Bastidores da Obsessão
01 - Exórdio e prolegômenos - Nos Bastidores da Obsessão01 - Exórdio e prolegômenos - Nos Bastidores da Obsessão
01 - Exórdio e prolegômenos - Nos Bastidores da Obsessão
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
 
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
Livro dos Espíritos Q371 ESE cap.28 item38
 
Obsessao e mediunidade
Obsessao e mediunidadeObsessao e mediunidade
Obsessao e mediunidade
 
Larvas astrais ou formas
Larvas astrais ou formasLarvas astrais ou formas
Larvas astrais ou formas
 
Espiritismo e mediunidade 05
Espiritismo e mediunidade 05Espiritismo e mediunidade 05
Espiritismo e mediunidade 05
 
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
 
Palestra max umbral 22 nov 21 2021.pptx1
Palestra max   umbral  22 nov 21  2021.pptx1Palestra max   umbral  22 nov 21  2021.pptx1
Palestra max umbral 22 nov 21 2021.pptx1
 
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
Aprofundando a transição: evolução, fases do desenlace e sensações inê...
 
05-Causas de vidas anteriores.
05-Causas de vidas anteriores.05-Causas de vidas anteriores.
05-Causas de vidas anteriores.
 

Mais de Ponte de Luz ASEC

Vencendo os vícios
Vencendo os víciosVencendo os vícios
Vencendo os vícios
Ponte de Luz ASEC
 
Transcomunicação instrumental
Transcomunicação instrumentalTranscomunicação instrumental
Transcomunicação instrumental
Ponte de Luz ASEC
 
As experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de ScoleAs experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de Scole
Ponte de Luz ASEC
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
Ponte de Luz ASEC
 
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funçõesPeríspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Ponte de Luz ASEC
 
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por JesusPai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Ponte de Luz ASEC
 
A oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das OliveirasA oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das Oliveiras
Ponte de Luz ASEC
 
O milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismoO milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismo
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo NascimentoJesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Ponte de Luz ASEC
 
O nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questõesO nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questões
Ponte de Luz ASEC
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
Ponte de Luz ASEC
 
Mediunidade e Justiça
Mediunidade e JustiçaMediunidade e Justiça
Mediunidade e Justiça
Ponte de Luz ASEC
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
Ponte de Luz ASEC
 
Conversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - TolerânciaConversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - Tolerância
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontroJesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Ponte de Luz ASEC
 
Conversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - JustiçaConversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - Justiça
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no LarJesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Ponte de Luz ASEC
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
Ponte de Luz ASEC
 
Experiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo FísicoExperiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo Físico
Ponte de Luz ASEC
 

Mais de Ponte de Luz ASEC (20)

Vencendo os vícios
Vencendo os víciosVencendo os vícios
Vencendo os vícios
 
Transcomunicação instrumental
Transcomunicação instrumentalTranscomunicação instrumental
Transcomunicação instrumental
 
As experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de ScoleAs experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de Scole
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
 
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funçõesPeríspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funções
 
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por JesusPai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
 
A oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das OliveirasA oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das Oliveiras
 
O milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismoO milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismo
 
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo NascimentoJesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
 
O nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questõesO nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questões
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
 
Mediunidade e Justiça
Mediunidade e JustiçaMediunidade e Justiça
Mediunidade e Justiça
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
 
Conversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - TolerânciaConversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - Tolerância
 
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontroJesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontro
 
Conversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - JustiçaConversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - Justiça
 
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no LarJesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
 
Experiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo FísicoExperiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo Físico
 

Último

Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 

Último (14)

Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 

Liberdade responsabilidade e doenças mentais

  • 2. responsabilidade *O [cérebro] órgão de expressão mental, reclama personalidades químicas de tipo sublimado, por alimentar- se de experiências que devem ser registradas, arquivadas e lembradas sempre que oportuno ou necessário. Intervém, então, a química superior, dotando o cérebro de material insubstituível em muitos departamentos de seu laboratório íntimo. Evolução
  • 3. 2008 *Voltemos aos ascendentes em evolução. O princípio espiritual acolheu-se no seio tépido das águas, através dos organismos celulares, que se mantinham e se multiplicavam por cissiparidade. Em milhares de anos, fez longa viagem na esponja, passando a dominar células autônomas, impondo-lhes o espírito de obediência e de coletividade, na organização primordial dos músculos. Experimentou longo tempo, antes de ensaiar os alicerces do aparelho nervoso, na medusa, no verme, no batráquio, arrastando-se para emergir do fundo escuro e lodoso das águas, de modo a encetar as experiências primeiras, ao sol meridiano. Sugou o seio farto da Terra, evoluindo sem parar, através de milênios, até conquistar a região mais alta, onde conseguiu elaborar o próprio alimento. Ergueu-se do solo, contemplou os céus e, depois de longos milênios, durante os quais aprendeu a procriar, alimentar-se, escolher, lembrar e sentir, conquistou a inteligência... Por mais esforços que envidemos por simplificar (…) o retrospeto que a respeito fazemos sempre causa perplexidade. Viajou do simples impulso para a irritabilidade, da irritabilidade para a sensação, da sensação para o instinto, do instinto para a razão.
  • 4. *Evolução em 2 mundos, AL *Com tempo, a Direção Espiritual da Vida consegue, organizar, com eficiência, o sistema nervoso autônomo, regulando e coordenando (…) primorosamente (…) as vias eletromagnéticas de comunicação entre o governo espiritual e as províncias orgânicas (…) sob o controle do Espírito, assimilando- lhe os desejos e executando-lhe as ordens no automatismo que a evolução lhe confere. O SN é aparelho de expressão dos seus sentimentos e pensamentos, com os quais no regime de responsabilidade e de auto- escolha, plasmará no espaço e tempo o seu próprio caminho de ascensão para Deus. *Com o exercício incessante da palavra, a energia mental do homem primitivo encontra insopitável desenvolvimento (…) mobilidade e a elasticidade imprescindíveis à expansão do pensamento assegurando o intercâmbio (… entre) encarnados e desencarnados (… e permitindo o) despertamento da responsabilidade.
  • 5. O continuísmo da ideia consciente acende a luz da memória sobre o pedestal do automatismo. Desligado lentamente dos laços mais fortes que o prendiam às Inteligências Divinas tutelares, sente-se sozinho, esmagado pelo Universo A ideia moral da vida começa a ocupar-lhe o crânio (O Sol propicia-lhe a conceção de um Criador, (…) e a noite povoa-lhe a alma com visões nebulosas e pesadelos imaginários, dando-lhe a ideia do combate treva-luz o Espírito responde ao Espírito, intuitivamente vê no mundo em que vive a própria moradia, cuja ordem lhe requisita apoio e cooperação passa a indagar sobre a causa das coisas... refugia-se no amor-egoísmo, na intimidade da prole padece na defesa do lar(entre) aflição e temor esboça-se imensa luta Percebe que não mais pode obedecer cegamente aos impulsos da Natureza, ao modo dos animais a morte impõe-lhe angustiosas perquirições (…) procurando ajustar-se às Leis Divinas Frágil compreende que, perante Deus, estava entregue a si mesmo. O Princípio da responsabilidade havia nascido. *(…) as ideias-relâmpagos ou as ideias-fragmentos da crisálida de consciência, no reino animal, se transformam em conceitos e inquirições, traduzindo desejos e ideias de alentada substância íntima. *[Fixando e exprimindo o pensamento] (…) inconscientemente (passou …) a desprender-se do carro denso de carne, desligando as células de seu corpo espiritual das células físicas, durante o sono comum, para receber, em atitude passiva a visita dos Benfeitores Espirituais que o instruem. *Evolução em 2 mundos, AL
  • 6. *no 3º, temos a casa das noções superiores, indicando as eminências que nos cumpre atingir; aí demoram o ideal e a meta superior a ser alcançada. Distribuímos, deste modo, o subconsciente, o consciente e o superconsciente. Possuímos, em nós mesmos, o passado, o presente e o futuro.” – André Luiz, No Mundo Maior, III Passado reflexos/ automatismos Presente MemLonPra emoções Futuro antecipação ideais/metas sup Presente decisões esforço/ Vontade “Não podemos dizer que possuímos três cérebros simultaneamente. Temos apenas um que, porém, se divide em três regiões distintas. Tomemo-lo como se fora um castelo de três andares: *no 1º situamos a residência de nossos impulsos automáticos (instintivos e inconscientes), arquivo vivo dos serviços realizados, onde moram o hábito e o automatismo; *no 2º localizamos o domicílio das conquistas atuais, onde (residem o esforço e a vontade) se erguem e se consolidam as qualidades nobres que estamos edificando; *A casa mental
  • 7. É-nos imprescindível compreender a perversidade como loucura, a revolta como ignorância e o desespero como enfermidade… (No Mundo Maior, III, AL) *Livre-arbítrio equivocado, Missionários da Luz, III, AL, Francisco Cândido Xavier PROJETO IMAGEM
  • 8. *Implicações diante da Vida Maior… No Mundo Maior, XIV, AL, Francisco Cândido Xavier Estaríamos diante de um homem embriagado ou de uma taça viva, cujo conteúdo sorviam gênios satânicos do vicio? *O infortunado Antídio trazia o estômago atestado de liquido e a cabeça turva de vapores. Semidesligado do organismo denso pela atuação anestesiante do tóxico, passou a identificar-se mais intimamente com as entidades que o perseguiam. (… que) tinham a mente invadida por visões terrificantes do sepulcro [entrando em sintonia magnética com o psiquismo desequilibrado dos vampiros] (… via agora aterrado) imagens espectrais de víboras e morcegos dos lugares sombrios onde haviam estacionado. PROJETO IMAGEM
  • 9. *Por algum tempo, será amparado pela enfermidade. Conhecerá a prisão no leito, durante 2 a 3 meses (sem anestésicos e desintoxicantes; conhecerá intraduzível mal-estar, de modo a restabelecera harmonia do cosmo psíquico; a medicação lhe diminuirá a tendência de esquecer as obrigações sagradas e lhe acordarão os sentimentos, devagarinho, para a nobreza da vida), a fim de que se lhe não apodreça o corpo num hospício, o que se iniciaria dentro de alguns dias, lançando nobre mulher e duas crianças em pungente incerteza do porvir - eflúvios luminosos sobre o coração (…induziram) parada súbita. *Também a tempestade devastadora [não apenas a brisa carinhosa]... são elementos indispensáveis à glória da vida. *Medida salvadora! No Mundo Maior, XIV, AL, Francisco Cândido Xavier PROJETO IMAGEM
  • 10. *Foi assim que atingimos a época moderna, em que a loucura se generaliza e a harmonia mental do homem está a pique de soçobro. De cérebro evoluído e coração imaturo, requintamo-nos, na arte de esfacelar o progresso espiritual. *Nova ameaça surge ao domicílio terrestre: o profundo desequilíbrio, a desarmonia generalizada, as moléstias da alma que se ingerem, sutis, solapando-vos a estabilidade - alienação mental, que não nos desintegra só os patrimônios celulares da vida física, senão também nos atinge o tecido sutil da alma, invadindo o corpo perispiritual. Eusébio, AL, No Mundo Maior, I *Ao invés de servos leais do Senhor da Vida, temos sido soldados dos exércitos da ilusão, deixando à retaguarda milhões de túmulos, abertos sob aluviões de cinza e fumo. *Cevamos e expandimos unicamente o egoísmo e a ambição, a vaidade e a fantasia na Crosta Planetária. Contraímos pesados débitos e escravizamo- nos aos tristes resultados de nossas obras, deixando-nos ficar, indefinidamente, na messe dos espinhos.
  • 11. *ALIENADOS MENTAIS *Não são apenas os dementes, os esquizofrénicos, ou os alienados por senilidade, mas também as criaturas que já renascem imperfeitas e perturbadas (…) até as fobias sem número … [Esta enfermidade] Constitui verdadeira a tragédia dos homens desencarnados, em pleno desequilíbrio das sensações. *Excetuados os casos puramente orgânicos, que se originam da incursão microbiana sobre a matéria cinzenta, o louco é criatura que abdicou da realidade, é alguém que desaproveitou as bênçãos da experiência humana, preferindo segregar-se nos caprichos mentais; que procurou forçar a libertação do aprendizado terrestre, por indisciplina ou ignorância, num gênero de suicídio habilmente dissimulado: na auto-eliminação da harmonia mental, pela inconformação nos quadros de luta humana diante da dor, do obstáculo ou da morte, entregando-se, sem resistência, à perturbação destruidora, descerrando as portas do túmulo; que fugindo deliberadamente às realidades da Vida e do Universo, criou regiões purgatórias para si mesmo.
  • 12. *Cerca de 90% dos casos de loucura, são consequência da impaciência/ revolta ou tristeza, atitudes mentais que imprimem deploráveis reflexos aos que as alimentam. *A princípio, são meros descontentes e desesperados(…) Pouco a pouco, no entanto, transformam-se em doentes mentais de variadas gradações, de cura quase impossível(…) Impercetíveis frutos da desobediência/rebeldia começam por arruinar o patrimônio fisiológico terrestre, e (…) desde os círculos terrenos padecem, encovados em precipícios infernais(…) inicia-se a desintegração da harmonia mental que por vezes perdura várias existências, até que o interessado se disponha, a valer-se das bênçãos divinas, em abençoado serviço evolutivo de renovação. *os fenômenos senis do corpo são mais tristes para a alma, (… com) fixação da mente nos impulsos inferiores; permanecem, séculos afora, na fase infantil do entendimento(…) Enquanto recebem a transitória cooperação de saúde física relativa,(…) das possibilidades financeiras e das variadas impressões passageiras que a existência na Crosta Planetária oferece, esteiam-se nos títulos de cidadãos que a sociedade lhes confere; logo, porém, que visitados pela (…) decrepitude, revelam a infância espiritual em que jazem(…) não obstante a idade provecta.
  • 13. Negando-se, a alma a receber o auxilio divino, através dos processos de transformação incessante que lhe são oferecidos, em seu benefício próprio pelas diferentes situações do aprendizado carnal, recolhe-se à margem da estrada, criando paisagens perturbadoras com desejos injustificáveis. PROJETO IMAGEM
  • 14. *Afligente quadro de padecimentos espirituais, de desequilíbrios que afetam a mente desviada das Leis Universais. Em verdade, na alienação mental começa a descida da alma às zonas inferiores da morte (…) permutam na Terra os eternos valores divinos por satisfações ilusórias imediatas, sendo relegados, além do sepulcro, a inominável desespero… *Quanto às perturbações que acompanham a alma no renascimento ou na infância do corpo, na juventude ou na senilidade, é mister reconhecer que o desequilíbrio começa na inobservância da Lei, como a expiação se inicia no crime. Adotada a conduta em desacordo com a realidade, encontra o espírito, invariavelmente, os efeitos da própria ação.
  • 15. Onde viverão meus parentes, cujo futuro me preocupava? onde rolará o dinheiro que amontoei penosamente, olvidando minha própria alma? onde respirará minha irmã, a quem despojei de todos os recursos? porque não me ensinaram, na Terra, que a vida prosseguiria para além do sepulcro? estarei efetivamente (morto) para o mundo, ou louco e cego? Ah! mísero que sou! quem me socorrerá? Meus familiares olvidaram-me o devotamento. Só uma pessoa no mundo se recordará de mim e me estenderia mãos protetoras se soubesse do meu paradeiro... Meu neto André Luiz… Em muitas ocasiões manifestei, destinei-lhe o legado da consagração à Medicina… consolava-me com a ideia de que gastaria o dinheiro que eu indebitamente aferrolhara, educando-se, para beneficio de todos... Seria o benfeitor dos pobres e dos doentes, espargiria sementes dadivosas onde minha existência inútil espalhara pedras e espinhos de insensatez. Meu neto seria belo, querido, respeitado... *Velha afeição…
  • 16. Tornando mentalmente a cenários da infância longínqua, senti-me novamente menino; venci de um salto o espaço que nos separava e ajoelhei-me aos pés do meu desventurado benfeitor. Cobri-lhe as mãos de beijos e, erguendo para ele os olhos lacrimosos, perguntei: — Vovô Cláudio, pois o senhor não me conhece mais? Impossível seria descrever o que se passou. Esqueci, por momentos, os estudos que me impusera a fazer; olvidei os quadros daquele ambiente, que provocavam curiosidade e pavor. Meu espírito respirava o reconhecimento sincero e o amor puro; amparado por Calderaro, que também enxugava lágrimas discretas, diante da comoção que me assaltara, sustentei meu avô nos braços, como se transportara, louco de alegria, precioso fardo que me era doce e leve ao coração.
  • 17. *Oficina de restauração — Se o Céu me conceder a felicidade de com algo contribuir em benefício de Cláudio, esse benefício será feito a mim mesma; e, se um dia eu receber a ventura conjugal, será nosso primeiro e bem-amado filhinho. De antemão, sei que Nicanor se regozijará com o meu compromisso. — Partilhar-nos-á a vida pobre e honrada, conhecerá as alegrias do pão, filho do suor com a Proteção Divina, e olvidará, em nossa companhia, as ilusões que por tanto tempo nos separaram... Com singeleza de coração, projetava em êxtase: — Será um pedreiro feliz, como Nicanor! abençoará a luta digna que atualmente bendizemos!... Como chorasse, comovida, Cipriana abraçou-a, também tocada no coração e de olhos húmidos, assegurando: — Bem-aventurada sejas tu, querida filha, que compreendes connosco o celestial ministério da mulher nobre, disposta à maternidade sublime. Acordou no veículo pesado, experimentando ignoto júbilo. Quem poderia definir-nos o reconhecimento e a admiração daquela hora? Meus companheiros abençoaram-na, e eu, por minha vez, despedindo-me dela comovidamente, osculei-lhe a destra minúscula, num beijo silencioso de profunda amizade e de indizível gratidão. — Ah! em que poderia servir-vos, eu, mísera serva que sou? — Agora, sim! Lembro-me... — gemeu, aterrada. Alguns segundos de expectativa rolaram pesadamente; contudo, o amor, sempre divino na mulher de aspirações elevadas, triunfou no olhar enternecido de Ismênia, que, plenamente modificada, se abraçou ao doente
  • 19. *Previna-se hoje do remorso de amanhã *A verdadeira morte começa na estagnação. Faça circular os empréstimos de Deus; transfigure as coisas que lhe sejam inúteis em forças vivas do bem. *Retire da despensa os géneros alimentícios esquecidos para distribuição fraterna; Reviste o guarda-roupa, libertando os cabides das vestes que você não usa conduzindo-as aos viajores desnudos; Estenda os pares de sapatos que lhe sobram, aos pés descalços em derredor; *Elimine o mobiliário excelente, alegrando as casas menos felizes; Revolva objetos e livros parados endereçando-os a quem não tem recursos; Examine a bolsa mostrando gratidão pelos acréscimos da Divina Misericórdia *Medique os enfermos; enxugue lágrimas; socorra feridas; O excesso de nossa vida gera a necessidade no semelhante; os valores mumificados das nossas mãos ressurgem nas criaturas de Deus como valores de exaltação e luz! O espírito da verdade, 2, AL
  • 20. *A evolução da alma ergue-se desenvolta dos ALICERCES INSUBSTITUÍVEIS do SACRIFÍCIO. *Identifique, na dificuldade, o favor da Providência Divina para dilatar-lhe a Paz… *Quanto maior a sombra em torno, mais valiosa a fonte de luz. Desse modo a alegria pura viceja entre a dor e o obstáculo; a resignação santificante nasce em meio às provas difíceis; a renúncia intrépida irrompe no seio da injustiça das emulações acirradas; e a pureza construtiva surge, não raro, em ambiente de viciação mais ampla. * O espírito da verdade, 28, AL
  • 21. *Quem se transfigura por dentro, pensa por si, desata as amarras (…) todavia, quase sempre, desperta no mais doloroso tipo de solidão - a dos que trabalham no mundo, a benefício do mundo, mas desajustados no mundo, sem que o mundo os reconheça. *Urge perceber, porém, que quantos consomem as próprias energias, na exaltação do bem, se fazem clarão. *E se temes a extensão das dificuldades, reflete na semente, a morrer em refúgio anônimo para que a vida se garanta; mas, se o exemplo de um ser pequenino te não satisfaz, medita no ensinamento do maior e mais glorioso espírito que já pisou caminhos terrestres.“ (Opinião Espírita, 29-30) *Ele não atingiu as culminâncias da Ressurreição sem subir ao Calvário, e as suas lições referem-se à fé que transporta montanhas. Eusébio, AL, No Mundo Maior, II
  • 22. As ETERNAS chaves da porta estreita…