SlideShare uma empresa Scribd logo
VIDA DEPOIS DA VIDA...
     Grupo Batuta 2012
Existe vida após a morte?
Como podemos entender melhor para onde vamos?
Como ter certeza que eu vou chegar do outro lado e encontrar a galera que já foi? É
merecimento?

PERGUNTAS DO PRIMEIRO ENCONTRO
A VIDA
•   Quando o Espírito deve se encarnar num corpo humano em vias de formação, um laço
    fluídico, que não é outra coisa senão uma expansão do seu Períspirito, liga-o ao germe
    para o qual se acha atraído, por uma força irresistível, desde o momento de concepção.
    À medida que o germe se desenvolve, o laço se aperta; sob a influência do principio vital
    material do germe, o períspirito, que possui certas propriedades da matéria, se
    une, molécula a molécula, com o corpo que se forma. Quando o germe está inteiramente
    desenvolvido, a união é completa, e então, ele nasce para a vida exterior.
FLUIDO VITAL
Num aparelho elétrico temos imagem mais exata da vida e da morte.
Esse aparelho, como todos os corpos da Natureza, contém eletricidade em
estado latente. Os fenômenos elétricos, porém, não se produzem senão quando o fluido
é posto em atividade por uma causa especial. Poder-se-ia então dizer que o aparelho está
vivo. Vindo a cessar a causa da atividade, cessa o fenômeno: o aparelho volta ao estado de
inércia. Os corpos orgânicos são, assim, uma espécie de pilhas ou aparelhos elétricos, nos
quais a atividade do fluido determina o fenômeno da vida. A cessação dessa atividade
causa a morte.
A quantidade de fluido vital não é absoluta em todos os seres orgânicos. Varia segundo as
espécies e não é constante, quer em cada indivíduo, quer nos indivíduos de uma espécie.
Alguns há, que se acham, por assim dizer saturados desse fluido, enquanto os outros o
possuem em quantidade apenas suficiente. Daí, para alguns, vida mais ativa, mais tenaz e,
de certo modo, superabundante.
A quantidade de fluido vital se esgota. Pode tornar-se insuficiente para a conservação da
vida, se não for renovada pela absorção e assimilação das substâncias que o contêm.
A MORTE
•   ―Os Espíritos revestem temporariamente um invólucro material perecível, cuja destruição
    pela morte lhes restitui a liberdade.‖




                Deteriorização
                do Fluído Vital
                                                              Destruição do
                                                               corpo físico
         Exaustão do
         corpo físico
                                                       Desligamento
                                                        do Espírito
                Desligamento
                 do Espírito
A MORTE

                                    Morte
                                    • A morte é o
                                      processo físico




   Desligamento
   • Meio pelo qual o espírito
     desencarnante se afasta do
     corpo físico definitivamente
http://www.youtube.com/watch?v=teAmF0CO-Z4




Para os que permanecem na carne, a morte significa o fim do corpo denso; para os
que vivem na esfera espiritual, representa o reinicio da experiência. - Vinhas de Luz
DESLIGAMENTO
149. Que sucede à alma no instante da morte?
―Volta a ser Espírito, isto é, volve ao mundo dos Espíritos, donde se apartara momentaneamente.‖


150. A alma, após a morte, conserva a sua individualidade?
―Sim; jamais a perde. Que seria ela, se não a conservasse?‖


155. Como se opera a separação da alma e do corpo?
―Rotos os laços que a retinham, ela se desprende.‖
               a) - A separação se dá instantaneamente por brusca transição? Haverá alguma
               linha de demarcação nitidamente traçada entre a vida e a morte?
               ―Não; a alma se desprende gradualmente, não se escapa como um pássaro cativo
               a que se restitua subitamente a liberdade. Aqueles dois estados se tocam e
               confundem, desorte que o Espírito se solta pouco a pouco dos laços que o
               prendiam. Estes laços se desatam, não se quebram.‖
UMA PAUSA.....
―Podemos considerar que um tratamento justo é aquele que prevê unicamente a igualdade
entre todos os seres.‖


Esta afirmação é ( ) Verdadeira         ( X ) Falsa

...E se a lógica nos conduz à individualidade da alma, também nos aponta esta outra conseqüência: a
sorte de cada alma deve depender das suas qualidades pessoais, pois seria irracional admitir que a alma
atrasada do selvagem, como a do homem perverso, estivesse no nível da do sábio, do homem de bem.
Segundo os princípios de justiça, as almas devem ter a responsabilidade dos seus atos, mas para haver
essa responsabilidade, preciso é que elas sejam livres na escolha do bem e do mal; sem o livre-arbítrio
há fatalidade, e com a fatalidade não coexistiria a responsabilidade... – Livro Céu e Inferno Kardec

       "A verdadeira igualdade consiste em tratar-se igualmente os iguais e desigualmente os
                                                 desiguais a medida em que se desigualem "
                                                                                  Aristóteles
DESLIGAMENTO
―...A observação demonstra que, no instante da morte, o desprendimento do períspirito não
se completa subitamente; que, ao contrário, se opera gradualmente e com uma lentidão muito
variável conforme os indivíduos. Em uns é bastante rápido, podendo dizer-se que o
momento da morte é mais ou menos o da libertação. Em outros, naqueles sobretudo
cuja vida toda material e sensual, o desprendimento é muito menos rápido, durando
algumas vezes dias, semanas e até meses, o que não implica existir, no corpo, a menor
vitalidade, nem a possibilidade de volver à vida, mas uma simples afinidade com o
Espírito, afinidade que guarda sempre proporção com a preponderância que, durante a
vida, o Espírito deu à matéria. É, com efeito, racional conceber-se que, quanto mais o
Espírito se haja identificado com a matéria, tanto mais penoso lhe seja separar-se dela;
ao passo que a atividade intelectual e moral, a elevação dos pensamentos operam um
começo de desprendimento, mesmo durante a vida do corpo, de modo que, em chegando a
morte, ele é quase instantâneo.‖
DESLIGAMENTO
163. A alma tem consciência de si mesma imediatamente depois de deixar o corpo?
―Imediatamente não é bem o termo. A alma passa algum tempo em estado de perturbação.‖


164. A perturbação que se segue à separação da alma e do corpo é do mesmo grau e da
mesma duração para todos os Espíritos?
―Não; depende da elevação de cada um. Aquele que já está purificado, se reconhece quase
imediatamente, pois que se libertou da matéria antes que cessasse a vida do corpo ,
enquanto que o homem carnal, aquele cuja consciência ainda não está pura, guarda por
muito mais tempo a impressão da matéria.‖
DESLIGAMENTO
165. O conhecimento do Espiritismo exerce alguma influência sobre a duração, mais ou
menos longa, da perturbação?
―Influência muito grande, por isso que o Espírito já antecipadamente compreendia a sua
situação. Mas, a prática do bem e a consciência pura são o que maior influência exercem.‖
DESLIGAMENTO
•   Por ocasião da morte, tudo, a princípio, é confuso. De algum tempo precisa a alma
    para entrar no conhecimento de si mesma...
•   ....A lucidez das idéias e a memória do passado lhe voltam, à medida que se apaga a
    influência da matéria que ela acaba de abandonar, e à medida que se dissipa a espécie
    de névoa que lhe obscurece os pensamentos.
•   ....Nos casos de morte violenta, por
    suicídio, suplício, acidente, apoplexia, ferimentos, etc., o Espírito fica
    surpreendido, espantado e não acredita estar morto. Obstinadamente sustenta que
    não o está. No entanto, vê o seu próprio corpo, reconhece que esse corpo é seu, mas
    não compreende que se ache separado dele. Acerca-se das pessoas a quem
    estima, fala-lhes e não percebe por que elas não o ouvem. Semelhante ilusão se
    prolonga até ao completo desprendimento do perispírito....
DESLIGAMENTO
...Ora, porque pensa, vê, ouve, tem a sensação de não estar morto. Mais lhe aumenta a
ilusão o fato de se ver com um corpo semelhante, na forma, ao precedente, mas cuja
natureza etérea ainda não teve tempo de estudar. Julga-o sólido e compacto como o primeiro
e, quando se lhe chama a atenção para esse ponto, admira-se de não poder palpálo.


...A perturbação que se segue à morte nada tem de penosa para o homem de bem, que
se conserva calmo, semelhante em tudo a quem acompanha as fases de um tranqüilo
despertar. Para aquele cuja consciência ainda não está pura, a perturbação é cheia de
ansiedade e de angústias, que aumentam à proporção que ele da sua situação se
compenetra.


Nos casos de morte coletiva, tem sido observado que todos os que perecem ao mesmo
tempo nem sempre tornam a ver-se logo. Presas da perturbação que se segue à morte, cada
um vai para seu lado, ou só se preocupa com os que lhe interessam.
APÓS O DESENCARNE
157. No momento da morte, a alma sente, alguma vez, qualquer aspiração ou êxtase que lhe
faça entrever o mundo onde vai de novo entrar?
―Muitas vezes a alma sente que se desfazem os laços que a prendem ao corpo. Entrega
então todos os esforços para desfazê-los inteiramente. Já em parte desprendida da
matéria, vê o futuro desdobrar-se diante de si e goza, por antecipação, do estado de
Espírito.‖


159. Que sensação experimenta a alma no momento em que reconhece estar no mundo dos
Espíritos?
―Depende. Se praticasse o mal, impelido pelo desejo de o praticar, no primeiro momento te
sentirás envergonhado de o haveres praticado. Com a alma do justo as coisas se passam de
modo bem diferente. Ela se sente como que aliviada de grande peso, pois que não teme
nenhum olhar perscrutador.‖
APÓS O DESENCARNE
160. O Espírito se encontra imediatamente com os que conheceu na Terra e que morreram
antes dele?
―Sim, conforme à afeição que lhes votava e a que eles lhe consagravam. Muitas vezes
aqueles seus conhecidos o vêm receber à entrada do mundo dos Espíritos e o ajudam a
desligar-se das faixas da matéria. Encontra-se também com muitos dos que conheceu e
perdeu de vista durante a sua vida terrena. Vê os que estão na erraticidade, como vê os
encarnados e os vai visitar.‖




...É no estado espiritual sobretudo que o Espírito colhe os frutos do progresso realizado pelo
trabalho da encarnação; é também nesse estado que se prepara para novas lutas e toma as
resoluções que há de pôr em prática na sua volta à Humanidade. – O Céu e o Inferno
NO PLANO ESPIRITUAL
237. Uma vez de volta ao mundo dos Espíritos, conserva a alma as percepções que tinha na Terra?
―Sim, além de outras de que aí não dispunha, porque o corpo, qual véu sobre elas lançado, as
obscurecia. A inteligência é um atributo, que tanto mais livremente se manifesta no Espírito, quanto
menos entraves tenha que vencer.‖


240. A duração, os Espíritos a compreendem como nós?
―Não e daí vem que nem sempre nos compreendeis, quando se trata de determinar datas ou
épocas.‖ Os Espíritos vivem fora do tempo como o compreendemos. A duração, para eles, deixa,
por assim dizer, de existir. Os séculos, para nós tão longos, não passam, aos olhos deles, de
instantes que se movem na eternidade, do mesmo modo que os relevos do solo se apagam e
desaparecem para quem se eleva no espaço.


241. Os Espíritos fazem do presente mais precisa e exata idéia do que nós?
―Do mesmo modo que aquele, que vê bem, faz mais exata idéia das coisas do que o cego. Os
Espíritos vêem o que não vedes. Tudo apreciam, pois, diversamente do modo por que o fazeis.
Mas, também isso depende da elevação deles.‖
NO PLANO ESPIRITUAL
1012. Haverá no Universo lugares circunscritos para as penas e gozos dos Espíritos segundo
seus merecimentos?
―Já respondemos a esta pergunta. As penas e os gozos são inerentes ao grau de perfeição
dos Espíritos. Cada um tira de si mesmo o princípio de sua felicidade ou de sua desgraça. E
como eles estão por toda parte, nenhum lugar circunscrito ou fechado existe especialmente
destinado a uma ou outra coisa. Quanto aos encarnados, esses são mais ou menos felizes
ou desgraçados, conforme é mais ou menos adiantado o mundo em que habitam.‖
          - De acordo, então, com o que vindes de dizer, o inferno e o paraíso não existem ,
          tais como o homem os imagina?
          ―São simples alegorias: por toda parte há Espíritos ditosos e inditosos. Entretanto,
          conforme também há dissemos, os Espíritos de uma mesma ordem se reúnem por
          simpatia; mas podem reunir-se onde queiram, quando são perfeitos.‖ A localização
          absoluta das regiões das penas e das recompensas só na imaginação do homem
          existe.
LAÇOS AFETIVOS
(trecho do livro nosso lar)
– Finalmente, vai você conhecer minha noiva, a quem tenho falado muitas vezes a seu respeito.
– É curioso - observei, intrigado - encontrarmos noivados, também por aqui...
– Como não? Vive o amor sublime no corpo mortal, ou na alma eterna? Lá, no círculo terrestre,
meu caro, o amor é uma espécie de ouro abafado nas pedras brutas. Tanto o misturam os homens
com as necessidades, os desejos e estados inferiores, que raramente se diferenciará a ganga do
precioso metal.


A REENCARNAÇÃO SÓ SEPARA, MOMENTANEAMENTE, OS ESPÍRITOS QUE SE AMAM



                  A AFEIÇÃO REAL SOBREVIVE ÀDESTRUIÇÃO DO CORPO
EXEMPLOS
Que vos leva a pedir preces?
Estou farto de vagar sem objetivo.

Estais há muito em tal situação?
Faz cento e oitenta anos mais ou menos.

Que fizestes na Terra?
Nada de bom.

Qual a vossa posição entre os Espíritos?
Estou entre os entediados.

Mas isso não forma categoria...
Entre nós, tudo forma categoria. Cada sensação encontra suas semelhantes, ou suas simpatias
que se reúnem.
EXEMPLOS
Caro avô, podeis dizer-me como vos encontrais no mundo dos Espíritos, dando-me quaisquer
pormenores úteis ao nosso progresso?
Tudo que quiseres, querida filha. Eu expio a minha descrença; porém, grande é a bondade de
Deus, que atende às circunstâncias. Sofro, mas não como poderias imaginar: é o desgosto
de não ter melhor aproveitado o tempo aí na Terra.


Como? Pois não vivestes sempre honestamente?
Sim, no juízo dos homens; mas há um abismo entre a honestidade perante os homens e a
honestidade perante Deus. E uma vez que desejas instruir-te, procurarei demonstrar-te a
diferença. Aí, entre vós, é reputado honesto aquele que respeita as leis do seu país, respeito
arbitrário para muitos. Honesto é aquele que não prejudica o próximo
ostensivamente, embora lhe arranque muitas vezes a felicidade e a honra, visto o código
penal e a opinião pública não atingirem o culpado hipócrita.
EXEMPLOS
―Sou eu quem vem pedir que oreis por mim. Será preciso irdes ao lugar em que jaz meu
corpo, a fim de implorar do Onipotente que me acalme os sofrimentos? Sofro! oh! se sofro!
Ide a esse lugar — assim é preciso — e dirigi ao Senhor uma prece para que me perdoe.
Vejo que poderei ficar mais tranqüilo, mas volto incessantemente ao lugar em que
depositaram o que me pertencia.‖
EXEMPLOS
―Não sei onde estou... que turbação me cerca! Chamaste-me, e eu vim. Não compreendo por
que não estou em minha casa; lamentam a minha ausência quando presente estou, sem
poder fazer-me reconhecida. Meu corpo não mais me pertence, e no entanto eu lhe sinto a
algidez... Quero deixá-lo e mais a ele me prendo, sempre... Sou como que duas
personalidades... Oh! quando chegarei a compreender o que comigo se passa? É necessário
que vá lá ainda... meu outro ‗eu‘, que lhe sucederá na minha ausência? Adeus.‖
EXEMPLOS
―Qual o motivo que vos arrastou ao suicídio?
Morto? Eu? Não... que habito o meu corpo... Não sabeis como sofro!... Sufoco-me... Oxalá
que mão compassiva me aniquilasse de vez!
EXEMPLOS
Podeis dizer-nos o que vos impressionou, o que vistes no momento em que os vossos olhos
se abriram à luz?
Podeis descrever-nos, se é possível, o aspecto das coisas que se vos depararam? Quando
pude voltar a mim e ver o que tinha diante dos olhos, fiquei como que ofuscado, sem poder
compreender, porquanto a lucidez não volta repentinamente. Deus, porém, que me deu uma
prova exuberante da sua bondade, permitiu-me recuperasse as faculdades, e foi então que
me vi cercado de numerosos, bons e fiéis amigos. Todos os Espíritos protetores que nos
assistem, rodeavam-me sorrindo; uma alegria sem par irradiava-lhes do semblante e também
eu, forte e animado, podia sem esforço percorrer os espaços.
EXEMPLOS
A vossa posição foi feliz desde logo que entrastes no mundo dos Espíritos?
Não; tive de pagar a dívida humana. Meu coração pressentira o futuro do Espírito, mas faltava-me a
fé. Tive que expiar a indiferença para com o meu Criador, porém a sua misericórdia levou-me em
conta o bem insignificante que pude fazer, as dores que resignado padeci, apesar dos
sofrimentos, e a sua justiça, cuja balança os homens jamais compreenderão, tão benévola e
amorosamente pesou o bem, que o mal depressa se extinguiu.


Podereis dar-me notícias da vossa filha? (morta quatro ou cinco anos antes)
Está em missão aí na Terra.


Ela é infeliz como encarnada? Notai que não quero fazer perguntas indiscretas.
R. Sei. Ou eu não veria o vosso pensamento como um quadro ante meus olhos. Minha filha não é
feliz, encarnada, antes, pelo contrário, deverá provar todas as misérias terrenas, pregando pelo
exemplo as grandes virtudes de que fazeis simples vocábulos retumbantes. Ajudá-la-ei, no
entanto, certo de que lhe não será penoso superar os obstáculos, pois está na Terra em missão, e
não em expiação.
EXEMPLOS
E como Espírito, agora, tendes ainda ocupações?
Acreditaríeis então que os Espíritos ficassem inativos? A inação, a inutilidade ser-nos-ia um
suplício. A minha missão é guiar centros espíritas aos quais inspiro bons pensamentos, ao
mesmo tempo que me esforço por neutralizar os sugeridos por maus Espíritos.
EXEMPLOS
A vossa posição (desencarnado) de agora poderia de algum modo diminuir ou enfraquecer as
relações com os que aqui deixastes?
Não, meu amigo, o amor aproxima as almas. Ficai certo de que na Terra podeis estar mais
próximos dos que atingiram a perfeição, do que daqueles que por sua inferioridade e
egoísmo gravitam ao redor da esfera terrestre. A caridade e o amor são dois motores de
poderosa atração, a qual consolida e prolonga a união das almas, a despeito de distâncias e
lugares. A distância só existe para os corpos materiais, nunca para os Espíritos.
Existe vida após a morte?
Como podemos entender melhor para onde vamos?
Como ter certeza que eu vou chegar do outro lado e encontrar a galera que já foi? É
merecimento?

PERGUNTAS DO PRIMEIRO ENCONTRO
Evangelho Segundo o espiritismo
Nosso Lar
O Céu e o Inferno
Livro dos Espíritos
Sites:
         http://estarbemcorpoalma.blogspot.com/2009/03/encarnacao-dos-espiritos.html
         http://www.palestras.diversas.com.br/arquivos%20em%20pps/sociabilidade%20no%20p
         lano%20espiritual.ppt
         http://dc261.4shared.com/download/SLo0Olk1/AULA_-
         _Origem_e_natureza_dos_E.pps?tsid=20120211-132001-e9eff834
         http://www.youtube.com/watch?v=teAmF0CO-Z4

BIBLIOGRAFIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roteiro 2 origem e natureza do espírito
Roteiro  2   origem e natureza do espíritoRoteiro  2   origem e natureza do espírito
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Divulgador do Espiritismo
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morte
home
 
25/10/1013 OBSESSÃO E DESOBSESSÃO
25/10/1013 OBSESSÃO E DESOBSESSÃO25/10/1013 OBSESSÃO E DESOBSESSÃO
25/10/1013 OBSESSÃO E DESOBSESSÃO
Lar Irmã Zarabatana
 
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Ana Lucia Silva
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
JulianoCarvalho29
 
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDECO CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
Jorge Luiz dos Santos
 
Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
Semente de Esperança
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
Marcos Antônio Alves
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Sede perfeitos
Sede perfeitosSede perfeitos
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
Sergio Menezes
 
O cisco e a trave no olho
O cisco e a trave no olhoO cisco e a trave no olho
O cisco e a trave no olho
Luciane Belchior
 
Escala Espírita
Escala EspíritaEscala Espírita
Escala Espírita
Graça Maciel
 
Disciplina mental
Disciplina mental  Disciplina mental
Disciplina mental
grupodepaisceb
 
O fenômeno da Morte - ESDE: programa complementar, módulo 1, roteiro I.
O fenômeno da Morte - ESDE: programa complementar, módulo 1, roteiro I.O fenômeno da Morte - ESDE: programa complementar, módulo 1, roteiro I.
O fenômeno da Morte - ESDE: programa complementar, módulo 1, roteiro I.
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Palestra Espírita - Reforma íntima na prática
Palestra Espírita - Reforma íntima na práticaPalestra Espírita - Reforma íntima na prática
Palestra Espírita - Reforma íntima na prática
Divulgador do Espiritismo
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
Jerri Almeida
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Denise Aguiar
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
Fatoze
 

Mais procurados (20)

Roteiro 2 origem e natureza do espírito
Roteiro  2   origem e natureza do espíritoRoteiro  2   origem e natureza do espírito
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morte
 
25/10/1013 OBSESSÃO E DESOBSESSÃO
25/10/1013 OBSESSÃO E DESOBSESSÃO25/10/1013 OBSESSÃO E DESOBSESSÃO
25/10/1013 OBSESSÃO E DESOBSESSÃO
 
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
Introdução do Livro dos Espíritos - itens de 11 a 17
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
 
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDECO CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
 
Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Sede perfeitos
Sede perfeitosSede perfeitos
Sede perfeitos
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
 
O cisco e a trave no olho
O cisco e a trave no olhoO cisco e a trave no olho
O cisco e a trave no olho
 
Escala Espírita
Escala EspíritaEscala Espírita
Escala Espírita
 
Disciplina mental
Disciplina mental  Disciplina mental
Disciplina mental
 
O fenômeno da Morte - ESDE: programa complementar, módulo 1, roteiro I.
O fenômeno da Morte - ESDE: programa complementar, módulo 1, roteiro I.O fenômeno da Morte - ESDE: programa complementar, módulo 1, roteiro I.
O fenômeno da Morte - ESDE: programa complementar, módulo 1, roteiro I.
 
Palestra Espírita - Reforma íntima na prática
Palestra Espírita - Reforma íntima na práticaPalestra Espírita - Reforma íntima na prática
Palestra Espírita - Reforma íntima na prática
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
 

Destaque

Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5hOs parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
home
 
Mensagem: Partida e chegada
Mensagem: Partida e chegada Mensagem: Partida e chegada
Mensagem: Partida e chegada
Graça Maciel
 
A Morte segundo Rabino Henry Sobel
A Morte segundo Rabino Henry SobelA Morte segundo Rabino Henry Sobel
A Morte segundo Rabino Henry Sobel
CNA - CLUBE NAMORO OU AMIZADE
 
O que sucede após a morte
O que sucede após a morte O que sucede após a morte
O que sucede após a morte
Graça Maciel
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
home
 
Relação no além túmulo
Relação no além túmuloRelação no além túmulo
Relação no além túmulo
wanderespiritismo
 
O homem depois da morte
O homem depois da morteO homem depois da morte
O homem depois da morte
Graça Maciel
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Adriana Reis
 
Aborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestraAborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestra
Rita Jussara
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
Graça Maciel
 
Aborto
AbortoAborto
o Aborto
o Abortoo Aborto
o Aborto
hugo87
 
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual   - O fenômeno da morteVida no mundo espiritual   - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
Denise Aguiar
 
Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas
Samuel Benjamin
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
Maria Stella
 
Aborto slides
Aborto slidesAborto slides
Apresentação aborto
Apresentação abortoApresentação aborto
Apresentação aborto
luciana
 
ABORTO
ABORTOABORTO
ABORTO
jekinha
 

Destaque (20)

Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5hOs parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
Os parentes desencarnados nos recebem após a morte 1,5h
 
Mensagem: Partida e chegada
Mensagem: Partida e chegada Mensagem: Partida e chegada
Mensagem: Partida e chegada
 
A Morte segundo Rabino Henry Sobel
A Morte segundo Rabino Henry SobelA Morte segundo Rabino Henry Sobel
A Morte segundo Rabino Henry Sobel
 
O que sucede após a morte
O que sucede após a morte O que sucede após a morte
O que sucede após a morte
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
Relação no além túmulo
Relação no além túmuloRelação no além túmulo
Relação no além túmulo
 
O homem depois da morte
O homem depois da morteO homem depois da morte
O homem depois da morte
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestraAborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestra
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
o Aborto
o Abortoo Aborto
o Aborto
 
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual   - O fenômeno da morteVida no mundo espiritual   - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
 
Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
 
Aborto slides
Aborto slidesAborto slides
Aborto slides
 
Apresentação aborto
Apresentação abortoApresentação aborto
Apresentação aborto
 
ABORTO
ABORTOABORTO
ABORTO
 

Semelhante a Vida depois da vida

Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Separação da alma e do corpo
Separação da alma e do corpoSeparação da alma e do corpo
Separação da alma e do corpo
Izabel Cristina Fonseca
 
SeparaçãO Da Alma E Do Corpo
SeparaçãO Da Alma E Do CorpoSeparaçãO Da Alma E Do Corpo
SeparaçãO Da Alma E Do Corpo
Grupo Espírita Cristão
 
Palestra de 22 agosto 2014 - A MORTE DÓI?
Palestra de 22 agosto 2014  - A MORTE DÓI?Palestra de 22 agosto 2014  - A MORTE DÓI?
Palestra de 22 agosto 2014 - A MORTE DÓI?
Lar Irmã Zarabatana
 
081015 le–livro ii-cap.3–separação da alma e do corpo-pertubação espiritual
081015 le–livro ii-cap.3–separação da alma e do corpo-pertubação espiritual081015 le–livro ii-cap.3–separação da alma e do corpo-pertubação espiritual
081015 le–livro ii-cap.3–separação da alma e do corpo-pertubação espiritual
Carlos Alberto Freire De Souza
 
2.3.2 separacao da alma e do corpo
2.3.2   separacao da alma e do corpo2.3.2   separacao da alma e do corpo
2.3.2 separacao da alma e do corpo
Marta Gomes
 
PDF 01 O_fenô‚meno_da_morte_e_perturbação_espiritual_.pdf
PDF 01 O_fenô‚meno_da_morte_e_perturbação_espiritual_.pdfPDF 01 O_fenô‚meno_da_morte_e_perturbação_espiritual_.pdf
PDF 01 O_fenô‚meno_da_morte_e_perturbação_espiritual_.pdf
Pensadores - criação & designer
 
D 6 Desencarnação
D 6 DesencarnaçãoD 6 Desencarnação
D 6 Desencarnação
JPS Junior
 
A desencarnação
A desencarnaçãoA desencarnação
A desencarnação
Ponte de Luz ASEC
 
090708 a alma após a morte–separação da alma e do corpo-livro ii, cap.3
090708 a alma após a morte–separação da alma e do corpo-livro ii, cap.3090708 a alma após a morte–separação da alma e do corpo-livro ii, cap.3
090708 a alma após a morte–separação da alma e do corpo-livro ii, cap.3
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]
Jeanne Geyer
 
Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]
Jeanne Geyer
 
Curso ESDE cap3 separação da alma e do corpo 20160801 v2
Curso ESDE cap3 separação da alma e do corpo 20160801 v2Curso ESDE cap3 separação da alma e do corpo 20160801 v2
Curso ESDE cap3 separação da alma e do corpo 20160801 v2
Tiburcio Santos
 
A morte: transição para a vida espiritual
A morte: transição para a vida espiritualA morte: transição para a vida espiritual
A morte: transição para a vida espiritual
Felipe Guedes
 
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
CeiClarencio
 
63 doação de orgãos (um ato de amor ao próximo)
63 doação de orgãos (um ato de amor ao próximo)63 doação de orgãos (um ato de amor ao próximo)
63 doação de orgãos (um ato de amor ao próximo)
Antonio SSantos
 
Doação de orgãos
Doação de orgãosDoação de orgãos
Doação de orgãos
batepapoespirita
 
Transplante de órgãos e suas repercussões espirituais
Transplante de órgãos   e suas repercussões espirituaisTransplante de órgãos   e suas repercussões espirituais
Transplante de órgãos e suas repercussões espirituais
Eduardo Henrique Marçal
 
Transplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Transplante de Órgãos e suas Repercussões EspirituaisTransplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Transplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Eduardo Henrique Marçal
 

Semelhante a Vida depois da vida (20)

Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Separação da alma e do corpo
Separação da alma e do corpoSeparação da alma e do corpo
Separação da alma e do corpo
 
SeparaçãO Da Alma E Do Corpo
SeparaçãO Da Alma E Do CorpoSeparaçãO Da Alma E Do Corpo
SeparaçãO Da Alma E Do Corpo
 
Palestra de 22 agosto 2014 - A MORTE DÓI?
Palestra de 22 agosto 2014  - A MORTE DÓI?Palestra de 22 agosto 2014  - A MORTE DÓI?
Palestra de 22 agosto 2014 - A MORTE DÓI?
 
081015 le–livro ii-cap.3–separação da alma e do corpo-pertubação espiritual
081015 le–livro ii-cap.3–separação da alma e do corpo-pertubação espiritual081015 le–livro ii-cap.3–separação da alma e do corpo-pertubação espiritual
081015 le–livro ii-cap.3–separação da alma e do corpo-pertubação espiritual
 
2.3.2 separacao da alma e do corpo
2.3.2   separacao da alma e do corpo2.3.2   separacao da alma e do corpo
2.3.2 separacao da alma e do corpo
 
PDF 01 O_fenô‚meno_da_morte_e_perturbação_espiritual_.pdf
PDF 01 O_fenô‚meno_da_morte_e_perturbação_espiritual_.pdfPDF 01 O_fenô‚meno_da_morte_e_perturbação_espiritual_.pdf
PDF 01 O_fenô‚meno_da_morte_e_perturbação_espiritual_.pdf
 
D 6 Desencarnação
D 6 DesencarnaçãoD 6 Desencarnação
D 6 Desencarnação
 
A desencarnação
A desencarnaçãoA desencarnação
A desencarnação
 
090708 a alma após a morte–separação da alma e do corpo-livro ii, cap.3
090708 a alma após a morte–separação da alma e do corpo-livro ii, cap.3090708 a alma após a morte–separação da alma e do corpo-livro ii, cap.3
090708 a alma após a morte–separação da alma e do corpo-livro ii, cap.3
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]
 
Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]
 
Curso ESDE cap3 separação da alma e do corpo 20160801 v2
Curso ESDE cap3 separação da alma e do corpo 20160801 v2Curso ESDE cap3 separação da alma e do corpo 20160801 v2
Curso ESDE cap3 separação da alma e do corpo 20160801 v2
 
A morte: transição para a vida espiritual
A morte: transição para a vida espiritualA morte: transição para a vida espiritual
A morte: transição para a vida espiritual
 
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
 
63 doação de orgãos (um ato de amor ao próximo)
63 doação de orgãos (um ato de amor ao próximo)63 doação de orgãos (um ato de amor ao próximo)
63 doação de orgãos (um ato de amor ao próximo)
 
Doação de orgãos
Doação de orgãosDoação de orgãos
Doação de orgãos
 
Transplante de órgãos e suas repercussões espirituais
Transplante de órgãos   e suas repercussões espirituaisTransplante de órgãos   e suas repercussões espirituais
Transplante de órgãos e suas repercussões espirituais
 
Transplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Transplante de Órgãos e suas Repercussões EspirituaisTransplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
Transplante de Órgãos e suas Repercussões Espirituais
 

Último

Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 

Último (15)

Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 

Vida depois da vida

  • 1. VIDA DEPOIS DA VIDA... Grupo Batuta 2012
  • 2. Existe vida após a morte? Como podemos entender melhor para onde vamos? Como ter certeza que eu vou chegar do outro lado e encontrar a galera que já foi? É merecimento? PERGUNTAS DO PRIMEIRO ENCONTRO
  • 3. A VIDA • Quando o Espírito deve se encarnar num corpo humano em vias de formação, um laço fluídico, que não é outra coisa senão uma expansão do seu Períspirito, liga-o ao germe para o qual se acha atraído, por uma força irresistível, desde o momento de concepção. À medida que o germe se desenvolve, o laço se aperta; sob a influência do principio vital material do germe, o períspirito, que possui certas propriedades da matéria, se une, molécula a molécula, com o corpo que se forma. Quando o germe está inteiramente desenvolvido, a união é completa, e então, ele nasce para a vida exterior.
  • 4. FLUIDO VITAL Num aparelho elétrico temos imagem mais exata da vida e da morte. Esse aparelho, como todos os corpos da Natureza, contém eletricidade em estado latente. Os fenômenos elétricos, porém, não se produzem senão quando o fluido é posto em atividade por uma causa especial. Poder-se-ia então dizer que o aparelho está vivo. Vindo a cessar a causa da atividade, cessa o fenômeno: o aparelho volta ao estado de inércia. Os corpos orgânicos são, assim, uma espécie de pilhas ou aparelhos elétricos, nos quais a atividade do fluido determina o fenômeno da vida. A cessação dessa atividade causa a morte. A quantidade de fluido vital não é absoluta em todos os seres orgânicos. Varia segundo as espécies e não é constante, quer em cada indivíduo, quer nos indivíduos de uma espécie. Alguns há, que se acham, por assim dizer saturados desse fluido, enquanto os outros o possuem em quantidade apenas suficiente. Daí, para alguns, vida mais ativa, mais tenaz e, de certo modo, superabundante. A quantidade de fluido vital se esgota. Pode tornar-se insuficiente para a conservação da vida, se não for renovada pela absorção e assimilação das substâncias que o contêm.
  • 5. A MORTE • ―Os Espíritos revestem temporariamente um invólucro material perecível, cuja destruição pela morte lhes restitui a liberdade.‖ Deteriorização do Fluído Vital Destruição do corpo físico Exaustão do corpo físico Desligamento do Espírito Desligamento do Espírito
  • 6. A MORTE Morte • A morte é o processo físico Desligamento • Meio pelo qual o espírito desencarnante se afasta do corpo físico definitivamente
  • 7. http://www.youtube.com/watch?v=teAmF0CO-Z4 Para os que permanecem na carne, a morte significa o fim do corpo denso; para os que vivem na esfera espiritual, representa o reinicio da experiência. - Vinhas de Luz
  • 8. DESLIGAMENTO 149. Que sucede à alma no instante da morte? ―Volta a ser Espírito, isto é, volve ao mundo dos Espíritos, donde se apartara momentaneamente.‖ 150. A alma, após a morte, conserva a sua individualidade? ―Sim; jamais a perde. Que seria ela, se não a conservasse?‖ 155. Como se opera a separação da alma e do corpo? ―Rotos os laços que a retinham, ela se desprende.‖ a) - A separação se dá instantaneamente por brusca transição? Haverá alguma linha de demarcação nitidamente traçada entre a vida e a morte? ―Não; a alma se desprende gradualmente, não se escapa como um pássaro cativo a que se restitua subitamente a liberdade. Aqueles dois estados se tocam e confundem, desorte que o Espírito se solta pouco a pouco dos laços que o prendiam. Estes laços se desatam, não se quebram.‖
  • 9. UMA PAUSA..... ―Podemos considerar que um tratamento justo é aquele que prevê unicamente a igualdade entre todos os seres.‖ Esta afirmação é ( ) Verdadeira ( X ) Falsa ...E se a lógica nos conduz à individualidade da alma, também nos aponta esta outra conseqüência: a sorte de cada alma deve depender das suas qualidades pessoais, pois seria irracional admitir que a alma atrasada do selvagem, como a do homem perverso, estivesse no nível da do sábio, do homem de bem. Segundo os princípios de justiça, as almas devem ter a responsabilidade dos seus atos, mas para haver essa responsabilidade, preciso é que elas sejam livres na escolha do bem e do mal; sem o livre-arbítrio há fatalidade, e com a fatalidade não coexistiria a responsabilidade... – Livro Céu e Inferno Kardec "A verdadeira igualdade consiste em tratar-se igualmente os iguais e desigualmente os desiguais a medida em que se desigualem " Aristóteles
  • 10. DESLIGAMENTO ―...A observação demonstra que, no instante da morte, o desprendimento do períspirito não se completa subitamente; que, ao contrário, se opera gradualmente e com uma lentidão muito variável conforme os indivíduos. Em uns é bastante rápido, podendo dizer-se que o momento da morte é mais ou menos o da libertação. Em outros, naqueles sobretudo cuja vida toda material e sensual, o desprendimento é muito menos rápido, durando algumas vezes dias, semanas e até meses, o que não implica existir, no corpo, a menor vitalidade, nem a possibilidade de volver à vida, mas uma simples afinidade com o Espírito, afinidade que guarda sempre proporção com a preponderância que, durante a vida, o Espírito deu à matéria. É, com efeito, racional conceber-se que, quanto mais o Espírito se haja identificado com a matéria, tanto mais penoso lhe seja separar-se dela; ao passo que a atividade intelectual e moral, a elevação dos pensamentos operam um começo de desprendimento, mesmo durante a vida do corpo, de modo que, em chegando a morte, ele é quase instantâneo.‖
  • 11. DESLIGAMENTO 163. A alma tem consciência de si mesma imediatamente depois de deixar o corpo? ―Imediatamente não é bem o termo. A alma passa algum tempo em estado de perturbação.‖ 164. A perturbação que se segue à separação da alma e do corpo é do mesmo grau e da mesma duração para todos os Espíritos? ―Não; depende da elevação de cada um. Aquele que já está purificado, se reconhece quase imediatamente, pois que se libertou da matéria antes que cessasse a vida do corpo , enquanto que o homem carnal, aquele cuja consciência ainda não está pura, guarda por muito mais tempo a impressão da matéria.‖
  • 12. DESLIGAMENTO 165. O conhecimento do Espiritismo exerce alguma influência sobre a duração, mais ou menos longa, da perturbação? ―Influência muito grande, por isso que o Espírito já antecipadamente compreendia a sua situação. Mas, a prática do bem e a consciência pura são o que maior influência exercem.‖
  • 13. DESLIGAMENTO • Por ocasião da morte, tudo, a princípio, é confuso. De algum tempo precisa a alma para entrar no conhecimento de si mesma... • ....A lucidez das idéias e a memória do passado lhe voltam, à medida que se apaga a influência da matéria que ela acaba de abandonar, e à medida que se dissipa a espécie de névoa que lhe obscurece os pensamentos. • ....Nos casos de morte violenta, por suicídio, suplício, acidente, apoplexia, ferimentos, etc., o Espírito fica surpreendido, espantado e não acredita estar morto. Obstinadamente sustenta que não o está. No entanto, vê o seu próprio corpo, reconhece que esse corpo é seu, mas não compreende que se ache separado dele. Acerca-se das pessoas a quem estima, fala-lhes e não percebe por que elas não o ouvem. Semelhante ilusão se prolonga até ao completo desprendimento do perispírito....
  • 14. DESLIGAMENTO ...Ora, porque pensa, vê, ouve, tem a sensação de não estar morto. Mais lhe aumenta a ilusão o fato de se ver com um corpo semelhante, na forma, ao precedente, mas cuja natureza etérea ainda não teve tempo de estudar. Julga-o sólido e compacto como o primeiro e, quando se lhe chama a atenção para esse ponto, admira-se de não poder palpálo. ...A perturbação que se segue à morte nada tem de penosa para o homem de bem, que se conserva calmo, semelhante em tudo a quem acompanha as fases de um tranqüilo despertar. Para aquele cuja consciência ainda não está pura, a perturbação é cheia de ansiedade e de angústias, que aumentam à proporção que ele da sua situação se compenetra. Nos casos de morte coletiva, tem sido observado que todos os que perecem ao mesmo tempo nem sempre tornam a ver-se logo. Presas da perturbação que se segue à morte, cada um vai para seu lado, ou só se preocupa com os que lhe interessam.
  • 15. APÓS O DESENCARNE 157. No momento da morte, a alma sente, alguma vez, qualquer aspiração ou êxtase que lhe faça entrever o mundo onde vai de novo entrar? ―Muitas vezes a alma sente que se desfazem os laços que a prendem ao corpo. Entrega então todos os esforços para desfazê-los inteiramente. Já em parte desprendida da matéria, vê o futuro desdobrar-se diante de si e goza, por antecipação, do estado de Espírito.‖ 159. Que sensação experimenta a alma no momento em que reconhece estar no mundo dos Espíritos? ―Depende. Se praticasse o mal, impelido pelo desejo de o praticar, no primeiro momento te sentirás envergonhado de o haveres praticado. Com a alma do justo as coisas se passam de modo bem diferente. Ela se sente como que aliviada de grande peso, pois que não teme nenhum olhar perscrutador.‖
  • 16. APÓS O DESENCARNE 160. O Espírito se encontra imediatamente com os que conheceu na Terra e que morreram antes dele? ―Sim, conforme à afeição que lhes votava e a que eles lhe consagravam. Muitas vezes aqueles seus conhecidos o vêm receber à entrada do mundo dos Espíritos e o ajudam a desligar-se das faixas da matéria. Encontra-se também com muitos dos que conheceu e perdeu de vista durante a sua vida terrena. Vê os que estão na erraticidade, como vê os encarnados e os vai visitar.‖ ...É no estado espiritual sobretudo que o Espírito colhe os frutos do progresso realizado pelo trabalho da encarnação; é também nesse estado que se prepara para novas lutas e toma as resoluções que há de pôr em prática na sua volta à Humanidade. – O Céu e o Inferno
  • 17. NO PLANO ESPIRITUAL 237. Uma vez de volta ao mundo dos Espíritos, conserva a alma as percepções que tinha na Terra? ―Sim, além de outras de que aí não dispunha, porque o corpo, qual véu sobre elas lançado, as obscurecia. A inteligência é um atributo, que tanto mais livremente se manifesta no Espírito, quanto menos entraves tenha que vencer.‖ 240. A duração, os Espíritos a compreendem como nós? ―Não e daí vem que nem sempre nos compreendeis, quando se trata de determinar datas ou épocas.‖ Os Espíritos vivem fora do tempo como o compreendemos. A duração, para eles, deixa, por assim dizer, de existir. Os séculos, para nós tão longos, não passam, aos olhos deles, de instantes que se movem na eternidade, do mesmo modo que os relevos do solo se apagam e desaparecem para quem se eleva no espaço. 241. Os Espíritos fazem do presente mais precisa e exata idéia do que nós? ―Do mesmo modo que aquele, que vê bem, faz mais exata idéia das coisas do que o cego. Os Espíritos vêem o que não vedes. Tudo apreciam, pois, diversamente do modo por que o fazeis. Mas, também isso depende da elevação deles.‖
  • 18. NO PLANO ESPIRITUAL 1012. Haverá no Universo lugares circunscritos para as penas e gozos dos Espíritos segundo seus merecimentos? ―Já respondemos a esta pergunta. As penas e os gozos são inerentes ao grau de perfeição dos Espíritos. Cada um tira de si mesmo o princípio de sua felicidade ou de sua desgraça. E como eles estão por toda parte, nenhum lugar circunscrito ou fechado existe especialmente destinado a uma ou outra coisa. Quanto aos encarnados, esses são mais ou menos felizes ou desgraçados, conforme é mais ou menos adiantado o mundo em que habitam.‖ - De acordo, então, com o que vindes de dizer, o inferno e o paraíso não existem , tais como o homem os imagina? ―São simples alegorias: por toda parte há Espíritos ditosos e inditosos. Entretanto, conforme também há dissemos, os Espíritos de uma mesma ordem se reúnem por simpatia; mas podem reunir-se onde queiram, quando são perfeitos.‖ A localização absoluta das regiões das penas e das recompensas só na imaginação do homem existe.
  • 19. LAÇOS AFETIVOS (trecho do livro nosso lar) – Finalmente, vai você conhecer minha noiva, a quem tenho falado muitas vezes a seu respeito. – É curioso - observei, intrigado - encontrarmos noivados, também por aqui... – Como não? Vive o amor sublime no corpo mortal, ou na alma eterna? Lá, no círculo terrestre, meu caro, o amor é uma espécie de ouro abafado nas pedras brutas. Tanto o misturam os homens com as necessidades, os desejos e estados inferiores, que raramente se diferenciará a ganga do precioso metal. A REENCARNAÇÃO SÓ SEPARA, MOMENTANEAMENTE, OS ESPÍRITOS QUE SE AMAM A AFEIÇÃO REAL SOBREVIVE ÀDESTRUIÇÃO DO CORPO
  • 20. EXEMPLOS Que vos leva a pedir preces? Estou farto de vagar sem objetivo. Estais há muito em tal situação? Faz cento e oitenta anos mais ou menos. Que fizestes na Terra? Nada de bom. Qual a vossa posição entre os Espíritos? Estou entre os entediados. Mas isso não forma categoria... Entre nós, tudo forma categoria. Cada sensação encontra suas semelhantes, ou suas simpatias que se reúnem.
  • 21. EXEMPLOS Caro avô, podeis dizer-me como vos encontrais no mundo dos Espíritos, dando-me quaisquer pormenores úteis ao nosso progresso? Tudo que quiseres, querida filha. Eu expio a minha descrença; porém, grande é a bondade de Deus, que atende às circunstâncias. Sofro, mas não como poderias imaginar: é o desgosto de não ter melhor aproveitado o tempo aí na Terra. Como? Pois não vivestes sempre honestamente? Sim, no juízo dos homens; mas há um abismo entre a honestidade perante os homens e a honestidade perante Deus. E uma vez que desejas instruir-te, procurarei demonstrar-te a diferença. Aí, entre vós, é reputado honesto aquele que respeita as leis do seu país, respeito arbitrário para muitos. Honesto é aquele que não prejudica o próximo ostensivamente, embora lhe arranque muitas vezes a felicidade e a honra, visto o código penal e a opinião pública não atingirem o culpado hipócrita.
  • 22. EXEMPLOS ―Sou eu quem vem pedir que oreis por mim. Será preciso irdes ao lugar em que jaz meu corpo, a fim de implorar do Onipotente que me acalme os sofrimentos? Sofro! oh! se sofro! Ide a esse lugar — assim é preciso — e dirigi ao Senhor uma prece para que me perdoe. Vejo que poderei ficar mais tranqüilo, mas volto incessantemente ao lugar em que depositaram o que me pertencia.‖
  • 23. EXEMPLOS ―Não sei onde estou... que turbação me cerca! Chamaste-me, e eu vim. Não compreendo por que não estou em minha casa; lamentam a minha ausência quando presente estou, sem poder fazer-me reconhecida. Meu corpo não mais me pertence, e no entanto eu lhe sinto a algidez... Quero deixá-lo e mais a ele me prendo, sempre... Sou como que duas personalidades... Oh! quando chegarei a compreender o que comigo se passa? É necessário que vá lá ainda... meu outro ‗eu‘, que lhe sucederá na minha ausência? Adeus.‖
  • 24. EXEMPLOS ―Qual o motivo que vos arrastou ao suicídio? Morto? Eu? Não... que habito o meu corpo... Não sabeis como sofro!... Sufoco-me... Oxalá que mão compassiva me aniquilasse de vez!
  • 25. EXEMPLOS Podeis dizer-nos o que vos impressionou, o que vistes no momento em que os vossos olhos se abriram à luz? Podeis descrever-nos, se é possível, o aspecto das coisas que se vos depararam? Quando pude voltar a mim e ver o que tinha diante dos olhos, fiquei como que ofuscado, sem poder compreender, porquanto a lucidez não volta repentinamente. Deus, porém, que me deu uma prova exuberante da sua bondade, permitiu-me recuperasse as faculdades, e foi então que me vi cercado de numerosos, bons e fiéis amigos. Todos os Espíritos protetores que nos assistem, rodeavam-me sorrindo; uma alegria sem par irradiava-lhes do semblante e também eu, forte e animado, podia sem esforço percorrer os espaços.
  • 26. EXEMPLOS A vossa posição foi feliz desde logo que entrastes no mundo dos Espíritos? Não; tive de pagar a dívida humana. Meu coração pressentira o futuro do Espírito, mas faltava-me a fé. Tive que expiar a indiferença para com o meu Criador, porém a sua misericórdia levou-me em conta o bem insignificante que pude fazer, as dores que resignado padeci, apesar dos sofrimentos, e a sua justiça, cuja balança os homens jamais compreenderão, tão benévola e amorosamente pesou o bem, que o mal depressa se extinguiu. Podereis dar-me notícias da vossa filha? (morta quatro ou cinco anos antes) Está em missão aí na Terra. Ela é infeliz como encarnada? Notai que não quero fazer perguntas indiscretas. R. Sei. Ou eu não veria o vosso pensamento como um quadro ante meus olhos. Minha filha não é feliz, encarnada, antes, pelo contrário, deverá provar todas as misérias terrenas, pregando pelo exemplo as grandes virtudes de que fazeis simples vocábulos retumbantes. Ajudá-la-ei, no entanto, certo de que lhe não será penoso superar os obstáculos, pois está na Terra em missão, e não em expiação.
  • 27. EXEMPLOS E como Espírito, agora, tendes ainda ocupações? Acreditaríeis então que os Espíritos ficassem inativos? A inação, a inutilidade ser-nos-ia um suplício. A minha missão é guiar centros espíritas aos quais inspiro bons pensamentos, ao mesmo tempo que me esforço por neutralizar os sugeridos por maus Espíritos.
  • 28. EXEMPLOS A vossa posição (desencarnado) de agora poderia de algum modo diminuir ou enfraquecer as relações com os que aqui deixastes? Não, meu amigo, o amor aproxima as almas. Ficai certo de que na Terra podeis estar mais próximos dos que atingiram a perfeição, do que daqueles que por sua inferioridade e egoísmo gravitam ao redor da esfera terrestre. A caridade e o amor são dois motores de poderosa atração, a qual consolida e prolonga a união das almas, a despeito de distâncias e lugares. A distância só existe para os corpos materiais, nunca para os Espíritos.
  • 29. Existe vida após a morte? Como podemos entender melhor para onde vamos? Como ter certeza que eu vou chegar do outro lado e encontrar a galera que já foi? É merecimento? PERGUNTAS DO PRIMEIRO ENCONTRO
  • 30. Evangelho Segundo o espiritismo Nosso Lar O Céu e o Inferno Livro dos Espíritos Sites: http://estarbemcorpoalma.blogspot.com/2009/03/encarnacao-dos-espiritos.html http://www.palestras.diversas.com.br/arquivos%20em%20pps/sociabilidade%20no%20p lano%20espiritual.ppt http://dc261.4shared.com/download/SLo0Olk1/AULA_- _Origem_e_natureza_dos_E.pps?tsid=20120211-132001-e9eff834 http://www.youtube.com/watch?v=teAmF0CO-Z4 BIBLIOGRAFIA