SlideShare uma empresa Scribd logo
GENÉTICA MENDELIANA
Marcionedes de Souza
Instituto Federal de Rondônia
MENDELISMO
1. Termos e expressões
2. Mendel
3. Experimentos de Mendel
4. Primeira lei de Mendel
5. Segunda lei de Mendel
1. Termos e expressões
• Característica: caráter, traço.
• Fenótipo: aspecto da característica, que
pode ser (ou não) visível
• Genótipo: constituição genética
correspondente a determinado fenótipo
• Alelos: fatores alternativos que conferem as
formas distintas de uma característica
• Dominante: fator alélico que mascara o
aparecimento do outro
• Recessivo: fator alélico que é mascarado por
outro
• Homozigoto: indivíduo (ou genótipo) em que
uma característica é conferida por dois alelos
similares
• Heterozigoto: indivíduo (ou genótipo) em que
uma característica é conferida por dois alelos
distintos
2. Mendel
• Nasceu na Vila de
Heinzendorf
(Czechoslovakia) em
1822.
• Após estudar filosofia
por diversos anos, em
1843 Mendel entrou para
o Monastério
Augustiniano de Saint
Thomas, em Brno
(Eslováquia), quando
adotou o nome Gregor.
Mosteiro
• De 1851 a 1853 Mendel
estudou Física e
Botânica na
Universidade de Viena.
Retornou a Brno em
1854, passando a
ensinar Física e
Ciências Naturais.
• Em 1856 Mendel
realizou seus
primeiros grupos de
experimentos com
hibridização de
ervilhas. Trabalhou
com elas até 1868,
quando foi eleito
abade do Monastério.
• Morreu em 1884, com
problemas renais.
3. Experimentos de Mendel
3.1. Panorama pré-mendeliano
• A noção predominante era a da Herança por
mesclagem, segundo a qual o espermatozóide e
o óvulo continham uma amostra de essências
de várias partes do corpo parental, que se
misturavam para formar o padrão do novo
indivíduo.
• Esta hipótese explicava o fato de que a prole
exibe tipicamente algumas características
semelhantes às de ambos os pais, mas não
explicava por que nem sempre os filhos
possuem uma mistura intermediária das
características dos pais.
3.2. Herança particulada
• Como resultado do seu trabalho, Mendel
propôs substituir a teoria da herança por
mesclagem pela teoria da herança
particulada.
• Ele introduziu o conceito de gene (mas
não a palavra) em 1865, que seriam as
unidades independentes, herdadas ao
longo das gerações, e que determinariam
o aparecimento das características
hereditárias.
• Por razões tais como pioneirismo no uso
da matemática para tratar problemas
biológicos e a pouca divulgação, os
trabalhos de Mendel não foram
reconhecidos até 1900, quando três
pesquisadores (De Vries, Correns e
Tschermak), trabalhando
independentemente, redescobriram e
divulgaram os resultados de Mendel.
3.3. Razões do sucesso de
Mendel
1. Tomou conhecimento dos trabalhos de seus
colegas “hibridizadores”;
2. Planejou cuidadosamente os experimentos;
3. Escolheu um material de pesquisa adequado;
4. Executou os experimentos com rigor científico;
5. Analisou os dados matematicamente;
6. Testou suas hipóteses em novos experimentos.
3.4. A escolha da ervilha Pisum
sativum
• Disponibilidade de ervilhas em
variedades puras, com
caracteristicas contrastantes,
trazidas por mercador a preço
módico;
• As ervilhas são autopolinizantes,
mas permitem a realização de
cruzamentos planejados;
• A plantação ocupava pouco
espaço, o tempo de geração era
relativamente curto e a colheita
da descendência era farta.
• Durante 2 anos
Mendel fez testes de
pureza e de escolha
das características
que utilizaria em seus
experimentos
definitivos.
• Mendel possuia vários pares de plantas
exibindo diferenças de caráter:
• Sementes: lisas ou rugosas, amarelas ou
verdes
• Vagens: infladas ou sulcadas, verdes ou
amarelas
• Flores: violetas ou brancas, axiais ou
terminais
• Plantas: altas ou baixas.
Tabela 1. Cruzamentos realizados por
Mendel com a ervilha Pisum sativum
Cruzamento (P) F1
F2
Proporção
F2
1. Semente lisa x rugosa 100% lisas lisas 5.474 : 1.850 rugosas 2,96 : 1
2. Semente amarela x verde 100% amarelas amarelas 6.022: 2.001 verdes 3,01 : 1
3. Pétala púrpura x branca 100% púrpuras púrpuras 705 : 224 brancas 3,15 : 1
4. Vagem inflada x vincada 100% infladas infladas 882 : 299 vincadas 2,95 : 1
5. Vagem verde x amarela 100% verdes verdes 428 : 152 amarelas 2,82 : 1
6. Flor axial x terminal 100% axiais axiais 651 : 207 terminais 3,14 : 1
7. Caule longo x curto 100% longos longos 787 : 277 curtos 2,84 : 1
3.5. Cruzamentos
Cor da flor
• Geração parental (P): branca X violeta
• Primeira geração filial (F1): 100% violeta
• (No cruzamento recíproco o resultado foi o
mesmo).
• Autopolinização da F1: Colheita de 929
sementes
• Segunda geração filial (F2, após plantio):
705 plantas com flores violetas
224 plantas com flores brancas
• Proporção: 705:224=3:1 (3,15:1)
Forma da semente
• P lisa X rugosa
• F1 100% lisas
• F2 lisas 5474: 1850 rugosas
• Proporção: 2,96:1 ou 3:1
• Em todos os experimentos Mendel obteve sempre os
mesmos resultados na F2, ou seja, a proporção de 3:1
se repetiu para cada par de características testadas.
• Uma cas caracterísicas ficava completamente ausente
na F1, mas reaparecia na F2, na proporção de ¼.
• Dedução de Mendel: As plantas F1, apesar da
aparência uniforme, receberam de seus genitores a
capacidade de produzir ambas as características e que
essa capacidade é transmitida para a geração seguinte
sem haver mistura.
• O fenótipo que não aparecia na F1 Mendel chamou de
recessivo, denominando o outro de dominante.
• 4. Dedução da 1ª. lei de Mendel
•
Cor da semente
• P amarela X verde
• F1 100% amarelas
• F2 amarelas 6022:2001 verdes
• Proporção: 3,01:1
• Autopolinização da F2
• F3
• Plantas F2 de sementes verdes produziram somente plantas com sementes
verdes
• De 519 plantas F2 com sementes amarelas produziram:
• 166 plantas com sementes amarelas
• 353 plantas com sementes verdes e amarelas, proporção de 3:1
• Desta forma, todas as sementes verdes eram puras
• Das amarelas, 1/3 era puro (homozigoto) e 2/3 era impuro (heterozigoto)
• Assim, a relação de 3:1 seria melhor escrita como 1:2:1
• Relação fenotípica Relação genotípica
• ¾ amarelas ¼ amarela pura
• 2/4 amarela impura
• ¼ verde ¼ verde pura
Primeira lei de Mendel
Os dois membros de um par de
genes se separam durante a
formação dos gametas.
Cada membro do par de genes é
carregado por metade dos gametas do
indivíduo.
Prova de Mendel:
Cor da semente
• Amarela F1 (impura) X verde
• Previsão: 1:1
• Resultado F2:
58 amarelas : 52 verdes, ou seja, 1:1,
confirmando a previsão.
Explicação de Mendel
• Existem determinantes hereditários de natureza
particulada;
• Cada caráter é determinado por 2 fatores
(elementos);
• Os membros de um par de fatores separam-se
igualmente para os gametas;
• Cada gameta carrega um só membro do par de
fatores;
• A união dos gametas é aleatória, produzindo as
proporções observadas.
Representação de cruzamentos
• P AA X aa
• Gametas A a
• F1 Aa Aa
Quadrado de Punnet
A a
A AA Aa
a Aa aa
6. Segunda lei de Mendel
Cruzamento diíbrido: cor e forma das sementes
• P RRvv (lisa, verde) X rrVV (rugosa, amarela)
• F1 100% RrVv (lisas, amarelas)
• (F1 X F1) RrVv X RrVv
• F2
• 315 lisas, amarelas 9:
• 108 lisas, verdes 3:
• 101 rugosas, amarelas 3:
• 32 rugosas, verdes 1
• Totais=556 16
Dedução da 2ª. Lei de Mendel
A proporção de 9:3:3:1 é simplesmente a
combinação aleatória de duas proporções
independentes de 3:1, assim:
• 315+108=423 lisas 3:
• 101+32=133 rugosas 1
• 315+101=416 amarelas 3:
• 108+32=140 1
2ª. Lei de Mendel
Durante a formação dos gametas, a
separação dos alelos de um par é
independente da separação dos
outros pares de genes.
Quadrado de Punnett
Proporção fenotípica (PF):
• 9 lisas, amarelas
• 3 lisas, verdes
• 3 rugosas, amarelas
• 1 rugosa, verde
F1 RrVv
RrVv Gametas RV Rv rV rv
RV RRVV RRVv RrVV RrVv
Rv RRVv RRvv RrVv Rrvv
rV RrVV RrVv rrVV rrVv
rv RrVv Rrvv rrVv rrvv

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
Rebeca Vale
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Marcia Bantim
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
Iuri Fretta Wiggers
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
profatatiana
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Juliana Mendes
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Rebeca Vale
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
Hugo Martins
 
Reprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivosReprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivos
Andreza Campos
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
César Milani
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
Roberto Bagatini
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
Bio Sem Limites
 
Herança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexoHerança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexo
Fatima Comiotto
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Turma Olímpica
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
emanuel
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Fatima Comiotto
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
Kamila Joyce
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
emanuel
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
Fatima Comiotto
 

Mais procurados (20)

I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
 
Reprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivosReprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivos
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Herança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexoHerança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexo
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 

Destaque

Cariotipo practica 1
Cariotipo practica 1Cariotipo practica 1
Cariotipo practica 1
elitaluque
 
3 herdanza
3 herdanza3 herdanza
3 herdanza
David Casado Bravo
 
Los Cromosomas
Los CromosomasLos Cromosomas
Los Cromosomas
OLIETH REA
 
Tarea 5 genetica
Tarea 5 geneticaTarea 5 genetica
Tarea 5 genetica
carymarcomputer
 
Ciclo celular: mitosis y meiosis
Ciclo celular: mitosis y meiosisCiclo celular: mitosis y meiosis
Ciclo celular: mitosis y meiosis
Marysthela Marísela
 
Tarea3
Tarea3Tarea3
2° Genetica mendeliana. cromosomas humanos
2° Genetica mendeliana. cromosomas humanos2° Genetica mendeliana. cromosomas humanos
2° Genetica mendeliana. cromosomas humanos
Felipe Flores
 
Genética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Genética mendeliana Primeira Lei de MendelGenética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Genética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Carlos Priante
 
Herencia mendeliana. 2016. Dr. Igor Pardo Zapata. Docente Titular
Herencia mendeliana. 2016.  Dr. Igor Pardo Zapata. Docente TitularHerencia mendeliana. 2016.  Dr. Igor Pardo Zapata. Docente Titular
Herencia mendeliana. 2016. Dr. Igor Pardo Zapata. Docente Titular
Igor Pardo
 
Ima
ImaIma
Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Zoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoZoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumo
Carlos Priante
 
Zoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoZoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumo
Carlos Priante
 
Primeira lei de mendel
Primeira lei de mendelPrimeira lei de mendel
Primeira lei de mendel
Evelyn Soares
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
biologiaricel
 
1a e 2a Leis de Mendel - Ensino Médio
1a e 2a Leis de Mendel - Ensino Médio1a e 2a Leis de Mendel - Ensino Médio
1a e 2a Leis de Mendel - Ensino Médio
Rodrigo Travitzki
 
Gregor Mendel y la Genética
Gregor Mendel y la GenéticaGregor Mendel y la Genética
Gregor Mendel y la Genética
Anita Lopez Moure
 
Caracteristicas generales del genoma
Caracteristicas generales del genomaCaracteristicas generales del genoma
Caracteristicas generales del genoma
Jesus Pichardo Delgado
 
Tema 8 la organización celular eat(2016)
Tema 8 la organización celular eat(2016)Tema 8 la organización celular eat(2016)
Tema 8 la organización celular eat(2016)
Encarna Alcacer Tomas
 

Destaque (19)

Cariotipo practica 1
Cariotipo practica 1Cariotipo practica 1
Cariotipo practica 1
 
3 herdanza
3 herdanza3 herdanza
3 herdanza
 
Los Cromosomas
Los CromosomasLos Cromosomas
Los Cromosomas
 
Tarea 5 genetica
Tarea 5 geneticaTarea 5 genetica
Tarea 5 genetica
 
Ciclo celular: mitosis y meiosis
Ciclo celular: mitosis y meiosisCiclo celular: mitosis y meiosis
Ciclo celular: mitosis y meiosis
 
Tarea3
Tarea3Tarea3
Tarea3
 
2° Genetica mendeliana. cromosomas humanos
2° Genetica mendeliana. cromosomas humanos2° Genetica mendeliana. cromosomas humanos
2° Genetica mendeliana. cromosomas humanos
 
Genética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Genética mendeliana Primeira Lei de MendelGenética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Genética mendeliana Primeira Lei de Mendel
 
Herencia mendeliana. 2016. Dr. Igor Pardo Zapata. Docente Titular
Herencia mendeliana. 2016.  Dr. Igor Pardo Zapata. Docente TitularHerencia mendeliana. 2016.  Dr. Igor Pardo Zapata. Docente Titular
Herencia mendeliana. 2016. Dr. Igor Pardo Zapata. Docente Titular
 
Ima
ImaIma
Ima
 
Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01
 
Zoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoZoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumo
 
Zoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoZoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumo
 
Primeira lei de mendel
Primeira lei de mendelPrimeira lei de mendel
Primeira lei de mendel
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
1a e 2a Leis de Mendel - Ensino Médio
1a e 2a Leis de Mendel - Ensino Médio1a e 2a Leis de Mendel - Ensino Médio
1a e 2a Leis de Mendel - Ensino Médio
 
Gregor Mendel y la Genética
Gregor Mendel y la GenéticaGregor Mendel y la Genética
Gregor Mendel y la Genética
 
Caracteristicas generales del genoma
Caracteristicas generales del genomaCaracteristicas generales del genoma
Caracteristicas generales del genoma
 
Tema 8 la organización celular eat(2016)
Tema 8 la organización celular eat(2016)Tema 8 la organización celular eat(2016)
Tema 8 la organización celular eat(2016)
 

Semelhante a Leis de mendel

Mendel e leis-313kb
Mendel e leis-313kbMendel e leis-313kb
Mendel e leis-313kb
Eudemeire Nunes Barbosa
 
Aula lei de mendel mendelismo sandra
Aula lei de mendel  mendelismo sandraAula lei de mendel  mendelismo sandra
Aula lei de mendel mendelismo sandra
Sandra Afonso Afonso
 
1a lei de mendel
1a lei de mendel1a lei de mendel
1a lei de mendel
LucianoRodriguesCard1
 
1a Lei de mendel.pdf
1a Lei de mendel.pdf1a Lei de mendel.pdf
1a Lei de mendel.pdf
antoniojosdaschagas
 
Mendelismo
Mendelismo Mendelismo
Mendelismo
UERGS
 
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
vaniele17
 
Primeira Aula Genética
Primeira Aula GenéticaPrimeira Aula Genética
Primeira Aula Genética
Naiara Batista
 
1 Leis De Mendel
1 Leis De Mendel1 Leis De Mendel
1 Leis De Mendel
Ana Paula Ribeiro
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
Felipe José
 
Trabalho darwin
Trabalho darwinTrabalho darwin
Trabalho darwin
alinesantos2403
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
alinesantos2403
 
7. Genética e hereditariedade.pdf
7. Genética e hereditariedade.pdf7. Genética e hereditariedade.pdf
7. Genética e hereditariedade.pdf
CarinaAmorim10
 
1°leidemendel
1°leidemendel1°leidemendel
1°leidemendel
Joselito Oliveira Neto
 
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
Jose Carlos Machado Cunha
 
II_A genética antes e depois de Mendel
II_A genética antes e depois de MendelII_A genética antes e depois de Mendel
II_A genética antes e depois de Mendel
Rinaldo Pereira
 
3 s aula 3_introd. genética_março 2015
3 s  aula 3_introd. genética_março 20153 s  aula 3_introd. genética_março 2015
3 s aula 3_introd. genética_março 2015
Ionara Urrutia Moura
 
GENÉTICA.pptx
GENÉTICA.pptxGENÉTICA.pptx
GENÉTICA.pptx
JuliethAlmeidaC
 
1ª lei de mendel
1ª lei de mendel1ª lei de mendel
1ª lei de mendel
giovannimusetti
 
1ª lei de mendel
1ª lei de mendel1ª lei de mendel
1ª lei de mendel
giovannimusetti
 
3 s aula 3_introd. genética_março 2014
3 s  aula 3_introd. genética_março 20143 s  aula 3_introd. genética_março 2014
3 s aula 3_introd. genética_março 2014
Ionara Urrutia Moura
 

Semelhante a Leis de mendel (20)

Mendel e leis-313kb
Mendel e leis-313kbMendel e leis-313kb
Mendel e leis-313kb
 
Aula lei de mendel mendelismo sandra
Aula lei de mendel  mendelismo sandraAula lei de mendel  mendelismo sandra
Aula lei de mendel mendelismo sandra
 
1a lei de mendel
1a lei de mendel1a lei de mendel
1a lei de mendel
 
1a Lei de mendel.pdf
1a Lei de mendel.pdf1a Lei de mendel.pdf
1a Lei de mendel.pdf
 
Mendelismo
Mendelismo Mendelismo
Mendelismo
 
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
 
Primeira Aula Genética
Primeira Aula GenéticaPrimeira Aula Genética
Primeira Aula Genética
 
1 Leis De Mendel
1 Leis De Mendel1 Leis De Mendel
1 Leis De Mendel
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Trabalho darwin
Trabalho darwinTrabalho darwin
Trabalho darwin
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
7. Genética e hereditariedade.pdf
7. Genética e hereditariedade.pdf7. Genética e hereditariedade.pdf
7. Genética e hereditariedade.pdf
 
1°leidemendel
1°leidemendel1°leidemendel
1°leidemendel
 
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
BIOLOGIA GENÉTICA DO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR DA UNIVERSIDADE FEDER...
 
II_A genética antes e depois de Mendel
II_A genética antes e depois de MendelII_A genética antes e depois de Mendel
II_A genética antes e depois de Mendel
 
3 s aula 3_introd. genética_março 2015
3 s  aula 3_introd. genética_março 20153 s  aula 3_introd. genética_março 2015
3 s aula 3_introd. genética_março 2015
 
GENÉTICA.pptx
GENÉTICA.pptxGENÉTICA.pptx
GENÉTICA.pptx
 
1ª lei de mendel
1ª lei de mendel1ª lei de mendel
1ª lei de mendel
 
1ª lei de mendel
1ª lei de mendel1ª lei de mendel
1ª lei de mendel
 
3 s aula 3_introd. genética_março 2014
3 s  aula 3_introd. genética_março 20143 s  aula 3_introd. genética_março 2014
3 s aula 3_introd. genética_março 2014
 

Mais de Marcionedes De Souza

Aula 1 conceitos em biologia celular
Aula 1 conceitos em biologia celularAula 1 conceitos em biologia celular
Aula 1 conceitos em biologia celular
Marcionedes De Souza
 
Os vírus e as viroses eja 2º período
Os vírus e as viroses   eja 2º períodoOs vírus e as viroses   eja 2º período
Os vírus e as viroses eja 2º período
Marcionedes De Souza
 
Aula sobre citologia
Aula sobre    citologiaAula sobre    citologia
Aula sobre citologia
Marcionedes De Souza
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Marcionedes De Souza
 
Aula sobre dst's
Aula sobre dst'sAula sobre dst's
Aula sobre dst's
Marcionedes De Souza
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
Marcionedes De Souza
 
Aula de genética tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Aula de genética   tipos sanguíneos e eritroblastose fetalAula de genética   tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Aula de genética tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Marcionedes De Souza
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Marcionedes De Souza
 
Apresentação orgaos do sentidos
Apresentação orgaos do  sentidosApresentação orgaos do  sentidos
Apresentação orgaos do sentidos
Marcionedes De Souza
 

Mais de Marcionedes De Souza (9)

Aula 1 conceitos em biologia celular
Aula 1 conceitos em biologia celularAula 1 conceitos em biologia celular
Aula 1 conceitos em biologia celular
 
Os vírus e as viroses eja 2º período
Os vírus e as viroses   eja 2º períodoOs vírus e as viroses   eja 2º período
Os vírus e as viroses eja 2º período
 
Aula sobre citologia
Aula sobre    citologiaAula sobre    citologia
Aula sobre citologia
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
 
Aula sobre dst's
Aula sobre dst'sAula sobre dst's
Aula sobre dst's
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Aula de genética tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Aula de genética   tipos sanguíneos e eritroblastose fetalAula de genética   tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
Aula de genética tipos sanguíneos e eritroblastose fetal
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Apresentação orgaos do sentidos
Apresentação orgaos do  sentidosApresentação orgaos do  sentidos
Apresentação orgaos do sentidos
 

Último

Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

Leis de mendel

  • 1. GENÉTICA MENDELIANA Marcionedes de Souza Instituto Federal de Rondônia
  • 2. MENDELISMO 1. Termos e expressões 2. Mendel 3. Experimentos de Mendel 4. Primeira lei de Mendel 5. Segunda lei de Mendel
  • 3. 1. Termos e expressões • Característica: caráter, traço. • Fenótipo: aspecto da característica, que pode ser (ou não) visível • Genótipo: constituição genética correspondente a determinado fenótipo
  • 4. • Alelos: fatores alternativos que conferem as formas distintas de uma característica • Dominante: fator alélico que mascara o aparecimento do outro • Recessivo: fator alélico que é mascarado por outro • Homozigoto: indivíduo (ou genótipo) em que uma característica é conferida por dois alelos similares • Heterozigoto: indivíduo (ou genótipo) em que uma característica é conferida por dois alelos distintos
  • 5. 2. Mendel • Nasceu na Vila de Heinzendorf (Czechoslovakia) em 1822. • Após estudar filosofia por diversos anos, em 1843 Mendel entrou para o Monastério Augustiniano de Saint Thomas, em Brno (Eslováquia), quando adotou o nome Gregor.
  • 6. Mosteiro • De 1851 a 1853 Mendel estudou Física e Botânica na Universidade de Viena. Retornou a Brno em 1854, passando a ensinar Física e Ciências Naturais.
  • 7. • Em 1856 Mendel realizou seus primeiros grupos de experimentos com hibridização de ervilhas. Trabalhou com elas até 1868, quando foi eleito abade do Monastério. • Morreu em 1884, com problemas renais.
  • 8. 3. Experimentos de Mendel 3.1. Panorama pré-mendeliano • A noção predominante era a da Herança por mesclagem, segundo a qual o espermatozóide e o óvulo continham uma amostra de essências de várias partes do corpo parental, que se misturavam para formar o padrão do novo indivíduo. • Esta hipótese explicava o fato de que a prole exibe tipicamente algumas características semelhantes às de ambos os pais, mas não explicava por que nem sempre os filhos possuem uma mistura intermediária das características dos pais.
  • 10. • Como resultado do seu trabalho, Mendel propôs substituir a teoria da herança por mesclagem pela teoria da herança particulada. • Ele introduziu o conceito de gene (mas não a palavra) em 1865, que seriam as unidades independentes, herdadas ao longo das gerações, e que determinariam o aparecimento das características hereditárias.
  • 11. • Por razões tais como pioneirismo no uso da matemática para tratar problemas biológicos e a pouca divulgação, os trabalhos de Mendel não foram reconhecidos até 1900, quando três pesquisadores (De Vries, Correns e Tschermak), trabalhando independentemente, redescobriram e divulgaram os resultados de Mendel.
  • 12. 3.3. Razões do sucesso de Mendel 1. Tomou conhecimento dos trabalhos de seus colegas “hibridizadores”; 2. Planejou cuidadosamente os experimentos; 3. Escolheu um material de pesquisa adequado; 4. Executou os experimentos com rigor científico; 5. Analisou os dados matematicamente; 6. Testou suas hipóteses em novos experimentos.
  • 13. 3.4. A escolha da ervilha Pisum sativum • Disponibilidade de ervilhas em variedades puras, com caracteristicas contrastantes, trazidas por mercador a preço módico; • As ervilhas são autopolinizantes, mas permitem a realização de cruzamentos planejados; • A plantação ocupava pouco espaço, o tempo de geração era relativamente curto e a colheita da descendência era farta.
  • 14. • Durante 2 anos Mendel fez testes de pureza e de escolha das características que utilizaria em seus experimentos definitivos.
  • 15. • Mendel possuia vários pares de plantas exibindo diferenças de caráter: • Sementes: lisas ou rugosas, amarelas ou verdes • Vagens: infladas ou sulcadas, verdes ou amarelas • Flores: violetas ou brancas, axiais ou terminais • Plantas: altas ou baixas.
  • 16. Tabela 1. Cruzamentos realizados por Mendel com a ervilha Pisum sativum Cruzamento (P) F1 F2 Proporção F2 1. Semente lisa x rugosa 100% lisas lisas 5.474 : 1.850 rugosas 2,96 : 1 2. Semente amarela x verde 100% amarelas amarelas 6.022: 2.001 verdes 3,01 : 1 3. Pétala púrpura x branca 100% púrpuras púrpuras 705 : 224 brancas 3,15 : 1 4. Vagem inflada x vincada 100% infladas infladas 882 : 299 vincadas 2,95 : 1 5. Vagem verde x amarela 100% verdes verdes 428 : 152 amarelas 2,82 : 1 6. Flor axial x terminal 100% axiais axiais 651 : 207 terminais 3,14 : 1 7. Caule longo x curto 100% longos longos 787 : 277 curtos 2,84 : 1
  • 17. 3.5. Cruzamentos Cor da flor • Geração parental (P): branca X violeta • Primeira geração filial (F1): 100% violeta • (No cruzamento recíproco o resultado foi o mesmo). • Autopolinização da F1: Colheita de 929 sementes • Segunda geração filial (F2, após plantio): 705 plantas com flores violetas 224 plantas com flores brancas • Proporção: 705:224=3:1 (3,15:1)
  • 18. Forma da semente • P lisa X rugosa • F1 100% lisas • F2 lisas 5474: 1850 rugosas • Proporção: 2,96:1 ou 3:1
  • 19. • Em todos os experimentos Mendel obteve sempre os mesmos resultados na F2, ou seja, a proporção de 3:1 se repetiu para cada par de características testadas. • Uma cas caracterísicas ficava completamente ausente na F1, mas reaparecia na F2, na proporção de ¼. • Dedução de Mendel: As plantas F1, apesar da aparência uniforme, receberam de seus genitores a capacidade de produzir ambas as características e que essa capacidade é transmitida para a geração seguinte sem haver mistura. • O fenótipo que não aparecia na F1 Mendel chamou de recessivo, denominando o outro de dominante.
  • 20. • 4. Dedução da 1ª. lei de Mendel • Cor da semente • P amarela X verde • F1 100% amarelas • F2 amarelas 6022:2001 verdes • Proporção: 3,01:1 • Autopolinização da F2 • F3 • Plantas F2 de sementes verdes produziram somente plantas com sementes verdes • De 519 plantas F2 com sementes amarelas produziram: • 166 plantas com sementes amarelas • 353 plantas com sementes verdes e amarelas, proporção de 3:1 • Desta forma, todas as sementes verdes eram puras • Das amarelas, 1/3 era puro (homozigoto) e 2/3 era impuro (heterozigoto) • Assim, a relação de 3:1 seria melhor escrita como 1:2:1
  • 21. • Relação fenotípica Relação genotípica • ¾ amarelas ¼ amarela pura • 2/4 amarela impura • ¼ verde ¼ verde pura
  • 22. Primeira lei de Mendel Os dois membros de um par de genes se separam durante a formação dos gametas. Cada membro do par de genes é carregado por metade dos gametas do indivíduo.
  • 23. Prova de Mendel: Cor da semente • Amarela F1 (impura) X verde • Previsão: 1:1 • Resultado F2: 58 amarelas : 52 verdes, ou seja, 1:1, confirmando a previsão.
  • 24. Explicação de Mendel • Existem determinantes hereditários de natureza particulada; • Cada caráter é determinado por 2 fatores (elementos); • Os membros de um par de fatores separam-se igualmente para os gametas; • Cada gameta carrega um só membro do par de fatores; • A união dos gametas é aleatória, produzindo as proporções observadas.
  • 25. Representação de cruzamentos • P AA X aa • Gametas A a • F1 Aa Aa
  • 26. Quadrado de Punnet A a A AA Aa a Aa aa
  • 27. 6. Segunda lei de Mendel Cruzamento diíbrido: cor e forma das sementes • P RRvv (lisa, verde) X rrVV (rugosa, amarela) • F1 100% RrVv (lisas, amarelas) • (F1 X F1) RrVv X RrVv • F2 • 315 lisas, amarelas 9: • 108 lisas, verdes 3: • 101 rugosas, amarelas 3: • 32 rugosas, verdes 1 • Totais=556 16
  • 28. Dedução da 2ª. Lei de Mendel A proporção de 9:3:3:1 é simplesmente a combinação aleatória de duas proporções independentes de 3:1, assim: • 315+108=423 lisas 3: • 101+32=133 rugosas 1 • 315+101=416 amarelas 3: • 108+32=140 1
  • 29. 2ª. Lei de Mendel Durante a formação dos gametas, a separação dos alelos de um par é independente da separação dos outros pares de genes.
  • 30. Quadrado de Punnett Proporção fenotípica (PF): • 9 lisas, amarelas • 3 lisas, verdes • 3 rugosas, amarelas • 1 rugosa, verde F1 RrVv RrVv Gametas RV Rv rV rv RV RRVV RRVv RrVV RrVv Rv RRVv RRvv RrVv Rrvv rV RrVV RrVv rrVV rrVv rv RrVv Rrvv rrVv rrvv