SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Biofísica
Introdução à biofísica
Energia e teoria dos campos
Análise dimensional e grandezas
físicas
Prof. Caio Maximino
Objetivos
● Definir o campo da biofísica e suas relações com campos
afins
● Apresentar princípios de análise dimensional
● Revisar alguns conceitos básicos da teoria dos campos e
suas aplicações na biofísica
● Revisar alguns conceitos da termodinâmica e algumas
aplicações na biofísica
O que é biofísica? Qual o seu campo de estudo?
Algumas definições
● “A Biofísica é o estudo da Matéria, Energia, Espaço e Tempo nos
Sistemas Biológicos” (Heneine, 2002, p. 3)
● “O objeto da biofísica são os princípios físicos que subjazem todos
os processos dos sistemas vivos” (Glaser, 1999, p. 1)
● “Na biofísica são estudados em escala macroscópica e microscópica
os fenômenos físico-biológicos que envolvem organismos vivos e,
em nível molecular, os comportamentos resultantes dos vários
processos da vida, além da interação e da cooperação entre os
sistemas altamente organizados de macromoléculas, organelas e
células” (Durán, 2003)
Um pouco de história
● Escola de Berlim (1840): primeiros estudos de
biofísica
– Pioneiros – Johannes Peter Müller, Ernt Heinrich Weber,
Carl F. W. Ludwig, Hermann von Helmholtz
– Rejeição do vitalismo
– Psicofísica (Helmoltz, Weber, Müller), fisiologia da
circulação (Ludwig)
– Demonstração de que a comunicação nos nervos se dá
por potenciais elétricos (DuBois-Reymond)
● Popularidade do campo cresce com a publicação de
“O que é a vida?”, de Erwin Schrödinger, em 1944
G. Berger (lithography) -
http://ihm.nlm.nih.gov/images/B19893
https://commons.wiki
media.org/w/index.p
hp?curid=18535151
http://vlp.mpiwg-berlin.mpg.de/people/da
https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=74569
Uma digressão importante: Análise
dimensional e grandezas físicas
● A análise dimensional é a área da física que se
interessa pelas unidades de medida das grandezas
físicas
● As grandezas físicas Descrevem qualitativamente e
quantitativamente as relações entre as propriedades
observada no estudo dos fenômenos físicos
– Podem ser expressas tanto qualitativamente quanto
quantitativamente
Grandezas físicas no
Sistema Internacional
● Sete grandezas fundamentais:
– Comprimento (m)
– Massa (kg)
– Tempo (s)
– Intensidade de corrente elétrica (A)
– Temperatura termodinâmica (K)
– Intensidade luminosa (cdl)
– Quantidade de matéria (mol)
Múltiplos do SI
PREFIXO SÍMBOLO SIGNIFICADO
Yotta Y 1024
Zetta Z 1021
Exa E 1018
Peta P 1015
Tera T 1012
Giga G 109
Mega M 106
Quilo k 103
Hecto h 102
Deca da 10
Submúltiplos do SI
PREFIXO SÍMBOLO SIGNIFICADO
deci d 10-1
centi c 10-2
mili m 10-3
micro µ 10-6
nano n 10-9
pico p 10-12
femto f 10-15
atto a 10-18
zepto z 10-21
yocto y 10-24
Grandezas derivadas
● Grandezas derivadas de comprimento
– Área – em m² (ou subdivisões)
– Volume – em m³ (ou subdivisões); também são usados l e subdivisões
● Densidade – relação massa/volume
● Velocidade – espaço percorrido dividido pelo tempo decorrido
– Para reações químicas, a velocidade é a quantidade de matéria transformada por unidade de
tempo
● Aceleração – mudança de velocidade (ΔV) em função do tempo
● Força – produto da massa pela aceleração (unidade N)
LT-1
LT-1
/T = LT-2
MLT-2
Grandezas derivadas
● Energia e Trabalho – grandezas que possuem a mesma expressão
dimensional, porque representam aspectos de uma mesma grandeza
– Produto da força pela distância percorrida pela força (unidade j)
● Potência – capacidade de realizar trabalho em função do tempo
● Pressão – força agindo sobre uma área
● Viscosidade – força que deve ser exercida durante certo tempo para
deslocar uma área unitária de um fluido
MLT-2
x L = ML2
T-2
ML2
T-2
/ T = ML2
T-3
MLT-2
/ L² = ML-1
T-2
MLT-2
x T/ L² = ML-1
T-1
Exemplo de análise dimensional:
Pressão e trabalho
● Quando a pressão exercida modifica o volume
do sistema, aparece trabalho
Pressão x Volume = Trabalho
(ML-1
T-2
) x (L³) = ML²T-2
Questões para fixação
(Heneine, 2002)
● Uma hemácia marcada com radioisótopo se desloca entre
dois pontos de um vaso sanguíneo. A distância entre os
pontos é 0,2 m e o tempo gasto foi de 0,01 s. Calcule a
velocidade da corrente sanguínea, no SI.
● Uma hemácia é acelerada pela contração ventricular. No
primeiro 0,1 segundo, ela percorre 10 mm; no segundo, 20
mm; e, no terceiro, 30 mm. Calcule a aceleração em cm·s-
1
e em m·s-1
A teoria dos campos e a biofísica
● Toda matéria emite um campo (energia). Essa energia se manifesta com
uma Força, que pelo seu deslocamento é capaz de produzir Trabalho
● O campo se manifesta de três formas definidas
– Gravitacional – somente força de atração
– Eletromagnético – forças de atração e repulsão
● Com carga – campo elétrico, com cargas positivas e negativas; campo magnético, com polos
● Sem carga – radiações eletromagnéticas (raios cósmicos, raios X, ultravioleta, luz visível,
infravermelho, ondas de rádio
– Nuclear – forças principais de atração e repulsão muito fortes, agindo apenas em
distâncias intranucleares; forças secundárias fracas entre algumas particulas
● Variam inversamente com o quadrado das distâncias
A dimensão “tempo” na
teoria dos campos
● Os corpos não interagem diretamente entre si; toda interação é
entre corpos e campos, ou campos e campos
● “A propagação da interação no Espaço se faz através da
propagação do efeito do campo, e demanda certo tempo para
ocorrer” (Heneine, p. 13)
● Estritamente falando, não existem eventos instantâneos;
quando dizemos que uma reação foi instantânea, apenas
estamos indicando que o tempo da reação foi muito rápido
para ser percebido pelos nossos sentidos
Estados e formas de
energia nos campos
● Dois estados da energia:
– Energia potencial (Ep
), em repouso, “armazenada”
– Energia cinética (Ec
), em movimento,
“trabalhando”
● A conversão entre os dois estados ocorre
frequentemente nos sistemas biológicos
Questão para fixação
(Heneine, 2002)
● Assinalar os Estados de Energia, Ep
ou Ec
, nos
seguintes casos:
1.Movimento de íons através de membranas
2.Energia da glicose ou ATP
3.Contração muscular
4.Pressão causada pelas paredes arteriais
distendidas
5.Peso da coluna de sangue na artéria aorta
O campo gravitacional
● Emitido por toda e qualquer matéria; possui somente força de atração
● Energia gravitacional, energia mecânica (trabalho)
● Campo real – permanente, emitido pela matéria (p. ex., gravidade da Terra)
● Campo provocado – transitório, produzido pela aceleração dos corpos.
● Os sistemas biológicos provocam campo pelo movimento
● O campo gravitacional age sobre os macrossistemas biológicos, como a massa
sanguínea, as vísceras, as partes sustentadas pela coluna vertebral, etc.
O campo eletromagnético
● Energia elétrica, energia
magnética, energia
eletromagnética
O campo eletromagnético
● Os seres vivos, em sua atividade biológica, produzem campos elétricos, campos
magnéticos, e campos eletromagnéticos
– Os campos elétricos estão presentes em todas as células como energia potencial, e em
algumas como energia cinética
– Os campos magnéticos, como propriedades fundamentais das interações metalo-orgânicas,
participam das funções de grupamentos prostéticos (porfirinas)
– Os campos EM estão presentes na forma de calor, resultante de qualquer transformação em
processos biológicos. Alguns sistemas biológicos são capazes de produzir outras radiações
mais energéticas, como luz
● Os campos agem sobre os seres vivos de várias formas:
– Forças elétricas que mantém átomos e moléculas ligadas entre si
– Potenciais de membrana (mitocôndias e cloroplastos, membranas e paredes celulares)
– Os campos EM são responsáveis por fenômenos de visão e fotossíntese
– Radiações
O conceito de trabalho
●
O trabalho é a atividade final em Biologia
● Na teoria dos campos, como o trabalho é definido fisicamente como o
deslocamento de uma força, e como as forças só existem nos campos, só
os campos realizam trabalho, porque só eles podem dispender energia
●
Trabalho ativo (movimento se opõe às forças do campo) vs. trabalho
passivo (movimento segue as forças do campo) vs. trabalho combinado
(movimento segue as forças do campo, ajudado por força estranha ao campo)
●
Todo trabalho exige gasto de energia
Questão para fixação
(Heneine, 2002)
● Assinale as formas de energia nos seguintes
processos biológicos
1.Peso da coluna de sangue
2.Contração muscular
3.Fotoquímica da visão
4.Síntese de proteínas
5.Difusão de moléculas ou íons
6.Ligação química
Exemplos de trabalho
no campo gravitacional
Outros exemplos
biológicos?
Exemplos de trabalho
no campo eletromagnético
Questão para fixação
(Heneine, 2002)
● Assinale como trabalho ativo, passivo, ou
combinado
1.Pedra caindo
2.Pedra subindo
3.Sangue venoso descendo da cabeça para o coração
4.Sangue arterial descendo do coração para os pés
5.Íon Na+
se deslocando em direção a outro íon Na+
,
ambos em zona de mesma concentração
6.Íon Cl-
se deslocando na direção do íon Na+
Questão para fixação
(Heneine, 2002)
●
No sistema ao lado, separado por membrana permeável, os
íons Cl-
se deslocam de (1) para (2) devido ao gradiente
osmótico. Um campo elétrico foi aplicado, e o sentido do
deslocamento dos íons se inverte (Setas, antes e depois
do campo E). Responda:
1.O polo positivo foi colocado do lado ( ), e o negativo do lado ( ).
2.A força elétrica é maior ou menor que a força osmótica?
3.Os trabalhos são: Passivo para a força _______, e ativo para a
força _______
Termodinâmica, energia, e trabalho
● A transformação de energia em trabalho, e vice-versa, é o campo da termodinâmica
● Nesse campo, os parâmetros principais são o sistema e o entorno (ou ambiente)
● Um sistema é uma porção definida do espaço; o entorno é tudo o que envolve o sistema e com ele se
relaciona
Energia interna
● Diferentes medidas quantitativas da energia armazenada no sistema, usados para medir as
mudanças de energia em sistemas a partir de um estado inicial a um estado fina
● Os sistemas possuem dois tipos de energia
– Interna (U): Soma de todas as modalidades de energia que ocorrem no interior do sistema – energias cinéticas
(térmica), energias potenciais (química, nuclear), massa, e energias de campos radiantes
– Externa: Soma de todas as modalidades de energia que impingem sobre o sistema a partir do entorno –
energias cinéticas (deslocamento), energias potenciais (altura do sistema no campo gravitacional)
● U de um sistema, em seus parâmetros macroscópicos, pode ou não depender da massa
– Propriedades intensivas (independem de massa) – pressão, temperatura, voltagem, viscosidade
– Propriedades extensivas (dependem da massa) – volume, quantidade de matéria, densidade, quantidade de
energia
Sistemas abertos e fechados
A primeira e a segunda leis da
termodinâmica e a entropia
● 1ª lei: energia não pode ser criada ou destruída, mas somente convertida de uma forma em outra
– a energia total transferida para um sistema é igual à variação de sua energia interna, ou seja, em todo processo natural, a
energia do universo se conserva sendo que a energia do sistema quando isolado é constante
– Toda transformação de energia se acompanha da produção de calor
– Qualquer forma de energia ou trabalho pode ser totalmente convertida em calor; entretanto, a recíproca não é verdadeira
●
2ª lei: energia, espontaneamente, sempre se desloca de níveis mais altos para níveis mais baixos
– Para transferir energia ou matéria de nível mais baixo para nível mais alto, é preciso trabalho
● “Se, de acordo com a 1ª lei, a energia está em constante movimento (realizando Trabalho), e de acordo com a
2ª lei, a energia somente vai de lugares mais altos (mais Energia) para luga mais baixos (menos Energia),
conclui-se que (…) [t]odo sistema que realizou trabalho, tem sua energia diminuída” (Heneine, 2002, p. 59) →
ENTROPIA, quantidade de energia incapaz de realizar trabalho
Entalpia, entropia e energia livre
● A entalpia (H) é o conteúdo de calor de um sistema; aparece sempre como uma mudança de entalpia
(ΔH) nas transformações
– Quando a transformação libera calor, ela é exotérmica, e o sinal da entalpia é negativo (-ΔH) – exemplos?
– Quando a transformação absorve calor, ela é endotérmica, e o sinal de entalpia é positivo (ΔH) – exemplos?
● Toda transformação é acompanhada de uma mudança na entropia (ΔS), sempre no sentido de
aumento global da entropia.
– De um modo geral, a entropia aumenta com a elevação da temperatura; assim o produto da entropia pela
temperatura absoluta da reação dá a quantidade de entropia que acompanha essa reação
● A relação entre entalpia e entropia representa um potencial termodinâmico chamado de energia livre
de Gibbs: ΔH – TΔS = ΔG; essa energia livre é capaz de realizar trabalho a volume e pressão
constantes
– Processos que desprendem energia livre são chamados de exergônicos (-ΔG) – exemplos?
– Processos que absorvem energia livre são chamados de endergônicos (ΔG)
Questões de fixação
(Heneine, 2002)
●
Assinalar Certo (C) e Errado (E):
1.A Energia do universo é constante ( ).
2.A Entropia do universo aumenta sempre ( ).
3.Energia (matéria), espontaneamente, se desloca sempre de níveis mais altos para níveis mais baixos (
).
4.Realização de trabalho permite enviar energia (matéria) de níveis mais baixos para mais altos ( ).
5.Em qualquer mudança, a Entropia total diminui ( ).
●
Quando
– ΔH é negativo (-ΔH), a reação ______________ calor, e chama-se ____________
– ΔH é positivo (+ΔH), a reação ______________ calor, e chama-se ____________
●
Quando
– ΔG é negativo (-ΔG), a reação é __________________, e ________________ energia
– ΔG é positivo (+ΔH), a reação é __________________. e ________________ energia
Leituras para a próxima aula
● Heneine, 2002, pp. 244-260 (Biofísica da
circulação)
– Sugestão: Exercícios 12 a 40, pp. 261 e 262
● Heneine, 2002, pp. 265-277 (Biofísica da
respiração)
– Sugestão: Exercícios 03 a 17, pp. 282 e 283

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meioseCésar Milani
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaMarília Gomes
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesNaiiane Da Motta
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoCatir
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vidaemanuel
 
Biofisica da circulação
Biofisica da circulaçãoBiofisica da circulação
Biofisica da circulaçãowillian pessoa
 
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoAula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoHamilton Nobrega
 
Introdução à genética
Introdução à genética Introdução à genética
Introdução à genética nielimaia
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoGabriel Resende
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaMarília Gomes
 

Mais procurados (20)

Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Aula respiração celular
Aula respiração celularAula respiração celular
Aula respiração celular
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
 
Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humana
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Biofisica da circulação
Biofisica da circulaçãoBiofisica da circulação
Biofisica da circulação
 
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoAula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
 
Introdução à genética
Introdução à genética Introdução à genética
Introdução à genética
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humana
 

Semelhante a Introdução à biofísica

fdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.pptfdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.pptTedJunior1
 
Fisica10 11-110524183508-phpapp02
Fisica10 11-110524183508-phpapp02 Fisica10 11-110524183508-phpapp02
Fisica10 11-110524183508-phpapp02 Adriana Cahongo
 
Aula nº1 termodinâmica e energia -cap1
Aula nº1   termodinâmica e energia -cap1Aula nº1   termodinâmica e energia -cap1
Aula nº1 termodinâmica e energia -cap1daniel20ramos
 
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.pptfdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.pptTedJunior1
 
Mecanica exercicios resolvidos
Mecanica exercicios resolvidosMecanica exercicios resolvidos
Mecanica exercicios resolvidoswedson Oliveira
 
Mecanicaexerciciosresolvidos 141118162658-conversion-gate02
Mecanicaexerciciosresolvidos 141118162658-conversion-gate02Mecanicaexerciciosresolvidos 141118162658-conversion-gate02
Mecanicaexerciciosresolvidos 141118162658-conversion-gate02Othon Santos Medeiros
 
43640380 mecanica-vetorial2-130410152247-phpapp02
43640380 mecanica-vetorial2-130410152247-phpapp0243640380 mecanica-vetorial2-130410152247-phpapp02
43640380 mecanica-vetorial2-130410152247-phpapp02Fabiana Medeiros
 
Aula 08 - FENÔMENOS DE TRANSPORTES.pptx
Aula 08 - FENÔMENOS DE TRANSPORTES.pptxAula 08 - FENÔMENOS DE TRANSPORTES.pptx
Aula 08 - FENÔMENOS DE TRANSPORTES.pptxCamilaCamposGomezFam
 
43640380 mecanica-vetorial[2]
43640380 mecanica-vetorial[2]43640380 mecanica-vetorial[2]
43640380 mecanica-vetorial[2]afpinto
 
RADIOLOGIA_-_M_DULO_I_-_FISICA_APLICADA_AULA_01_a_10.pdf
RADIOLOGIA_-_M_DULO_I_-_FISICA_APLICADA_AULA_01_a_10.pdfRADIOLOGIA_-_M_DULO_I_-_FISICA_APLICADA_AULA_01_a_10.pdf
RADIOLOGIA_-_M_DULO_I_-_FISICA_APLICADA_AULA_01_a_10.pdfKarlaSilva246271
 
Apostila de fenômenos_de_transporte
Apostila de fenômenos_de_transporteApostila de fenômenos_de_transporte
Apostila de fenômenos_de_transporteMarianna Duarte
 

Semelhante a Introdução à biofísica (20)

fdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.pptfdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
 
Fisica10 11-110524183508-phpapp02
Fisica10 11-110524183508-phpapp02 Fisica10 11-110524183508-phpapp02
Fisica10 11-110524183508-phpapp02
 
Aula nº1 termodinâmica e energia -cap1
Aula nº1   termodinâmica e energia -cap1Aula nº1   termodinâmica e energia -cap1
Aula nº1 termodinâmica e energia -cap1
 
F101
F101F101
F101
 
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.pptfdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
fdocumentos.tips_introducao-biofisica.ppt
 
Mecanica exercicios resolvidos
Mecanica exercicios resolvidosMecanica exercicios resolvidos
Mecanica exercicios resolvidos
 
Mecanica geral
Mecanica geralMecanica geral
Mecanica geral
 
Mecanicaexerciciosresolvidos 141118162658-conversion-gate02
Mecanicaexerciciosresolvidos 141118162658-conversion-gate02Mecanicaexerciciosresolvidos 141118162658-conversion-gate02
Mecanicaexerciciosresolvidos 141118162658-conversion-gate02
 
43640380 mecanica-vetorial2-130410152247-phpapp02
43640380 mecanica-vetorial2-130410152247-phpapp0243640380 mecanica-vetorial2-130410152247-phpapp02
43640380 mecanica-vetorial2-130410152247-phpapp02
 
Fisica 10 11
Fisica 10 11Fisica 10 11
Fisica 10 11
 
Fisica
FisicaFisica
Fisica
 
3 biotermol 1
3 biotermol 13 biotermol 1
3 biotermol 1
 
Aula 1 introdução
Aula 1 introduçãoAula 1 introdução
Aula 1 introdução
 
Aula 08 - FENÔMENOS DE TRANSPORTES.pptx
Aula 08 - FENÔMENOS DE TRANSPORTES.pptxAula 08 - FENÔMENOS DE TRANSPORTES.pptx
Aula 08 - FENÔMENOS DE TRANSPORTES.pptx
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Física
FísicaFísica
Física
 
43640380 mecanica-vetorial[2]
43640380 mecanica-vetorial[2]43640380 mecanica-vetorial[2]
43640380 mecanica-vetorial[2]
 
RADIOLOGIA_-_M_DULO_I_-_FISICA_APLICADA_AULA_01_a_10.pdf
RADIOLOGIA_-_M_DULO_I_-_FISICA_APLICADA_AULA_01_a_10.pdfRADIOLOGIA_-_M_DULO_I_-_FISICA_APLICADA_AULA_01_a_10.pdf
RADIOLOGIA_-_M_DULO_I_-_FISICA_APLICADA_AULA_01_a_10.pdf
 
Apostila de fenômenos_de_transporte
Apostila de fenômenos_de_transporteApostila de fenômenos_de_transporte
Apostila de fenômenos_de_transporte
 
8a série introdução à física
8a série   introdução à física8a série   introdução à física
8a série introdução à física
 

Mais de Caio Maximino

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraCaio Maximino
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoCaio Maximino
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasCaio Maximino
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosCaio Maximino
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Caio Maximino
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoCaio Maximino
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneCaio Maximino
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeCaio Maximino
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachCaio Maximino
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeCaio Maximino
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaCaio Maximino
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Caio Maximino
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoCaio Maximino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaCaio Maximino
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisCaio Maximino
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoCaio Maximino
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalCaio Maximino
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoCaio Maximino
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaCaio Maximino
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentaresCaio Maximino
 

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 

Último

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 

Introdução à biofísica

  • 1. Biofísica Introdução à biofísica Energia e teoria dos campos Análise dimensional e grandezas físicas Prof. Caio Maximino
  • 2. Objetivos ● Definir o campo da biofísica e suas relações com campos afins ● Apresentar princípios de análise dimensional ● Revisar alguns conceitos básicos da teoria dos campos e suas aplicações na biofísica ● Revisar alguns conceitos da termodinâmica e algumas aplicações na biofísica
  • 3. O que é biofísica? Qual o seu campo de estudo?
  • 4. Algumas definições ● “A Biofísica é o estudo da Matéria, Energia, Espaço e Tempo nos Sistemas Biológicos” (Heneine, 2002, p. 3) ● “O objeto da biofísica são os princípios físicos que subjazem todos os processos dos sistemas vivos” (Glaser, 1999, p. 1) ● “Na biofísica são estudados em escala macroscópica e microscópica os fenômenos físico-biológicos que envolvem organismos vivos e, em nível molecular, os comportamentos resultantes dos vários processos da vida, além da interação e da cooperação entre os sistemas altamente organizados de macromoléculas, organelas e células” (Durán, 2003)
  • 5. Um pouco de história ● Escola de Berlim (1840): primeiros estudos de biofísica – Pioneiros – Johannes Peter Müller, Ernt Heinrich Weber, Carl F. W. Ludwig, Hermann von Helmholtz – Rejeição do vitalismo – Psicofísica (Helmoltz, Weber, Müller), fisiologia da circulação (Ludwig) – Demonstração de que a comunicação nos nervos se dá por potenciais elétricos (DuBois-Reymond) ● Popularidade do campo cresce com a publicação de “O que é a vida?”, de Erwin Schrödinger, em 1944 G. Berger (lithography) - http://ihm.nlm.nih.gov/images/B19893 https://commons.wiki media.org/w/index.p hp?curid=18535151 http://vlp.mpiwg-berlin.mpg.de/people/da https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=74569
  • 6. Uma digressão importante: Análise dimensional e grandezas físicas ● A análise dimensional é a área da física que se interessa pelas unidades de medida das grandezas físicas ● As grandezas físicas Descrevem qualitativamente e quantitativamente as relações entre as propriedades observada no estudo dos fenômenos físicos – Podem ser expressas tanto qualitativamente quanto quantitativamente
  • 7. Grandezas físicas no Sistema Internacional ● Sete grandezas fundamentais: – Comprimento (m) – Massa (kg) – Tempo (s) – Intensidade de corrente elétrica (A) – Temperatura termodinâmica (K) – Intensidade luminosa (cdl) – Quantidade de matéria (mol)
  • 8. Múltiplos do SI PREFIXO SÍMBOLO SIGNIFICADO Yotta Y 1024 Zetta Z 1021 Exa E 1018 Peta P 1015 Tera T 1012 Giga G 109 Mega M 106 Quilo k 103 Hecto h 102 Deca da 10
  • 9. Submúltiplos do SI PREFIXO SÍMBOLO SIGNIFICADO deci d 10-1 centi c 10-2 mili m 10-3 micro µ 10-6 nano n 10-9 pico p 10-12 femto f 10-15 atto a 10-18 zepto z 10-21 yocto y 10-24
  • 10. Grandezas derivadas ● Grandezas derivadas de comprimento – Área – em m² (ou subdivisões) – Volume – em m³ (ou subdivisões); também são usados l e subdivisões ● Densidade – relação massa/volume ● Velocidade – espaço percorrido dividido pelo tempo decorrido – Para reações químicas, a velocidade é a quantidade de matéria transformada por unidade de tempo ● Aceleração – mudança de velocidade (ΔV) em função do tempo ● Força – produto da massa pela aceleração (unidade N) LT-1 LT-1 /T = LT-2 MLT-2
  • 11. Grandezas derivadas ● Energia e Trabalho – grandezas que possuem a mesma expressão dimensional, porque representam aspectos de uma mesma grandeza – Produto da força pela distância percorrida pela força (unidade j) ● Potência – capacidade de realizar trabalho em função do tempo ● Pressão – força agindo sobre uma área ● Viscosidade – força que deve ser exercida durante certo tempo para deslocar uma área unitária de um fluido MLT-2 x L = ML2 T-2 ML2 T-2 / T = ML2 T-3 MLT-2 / L² = ML-1 T-2 MLT-2 x T/ L² = ML-1 T-1
  • 12. Exemplo de análise dimensional: Pressão e trabalho ● Quando a pressão exercida modifica o volume do sistema, aparece trabalho Pressão x Volume = Trabalho (ML-1 T-2 ) x (L³) = ML²T-2
  • 13. Questões para fixação (Heneine, 2002) ● Uma hemácia marcada com radioisótopo se desloca entre dois pontos de um vaso sanguíneo. A distância entre os pontos é 0,2 m e o tempo gasto foi de 0,01 s. Calcule a velocidade da corrente sanguínea, no SI. ● Uma hemácia é acelerada pela contração ventricular. No primeiro 0,1 segundo, ela percorre 10 mm; no segundo, 20 mm; e, no terceiro, 30 mm. Calcule a aceleração em cm·s- 1 e em m·s-1
  • 14. A teoria dos campos e a biofísica ● Toda matéria emite um campo (energia). Essa energia se manifesta com uma Força, que pelo seu deslocamento é capaz de produzir Trabalho ● O campo se manifesta de três formas definidas – Gravitacional – somente força de atração – Eletromagnético – forças de atração e repulsão ● Com carga – campo elétrico, com cargas positivas e negativas; campo magnético, com polos ● Sem carga – radiações eletromagnéticas (raios cósmicos, raios X, ultravioleta, luz visível, infravermelho, ondas de rádio – Nuclear – forças principais de atração e repulsão muito fortes, agindo apenas em distâncias intranucleares; forças secundárias fracas entre algumas particulas ● Variam inversamente com o quadrado das distâncias
  • 15. A dimensão “tempo” na teoria dos campos ● Os corpos não interagem diretamente entre si; toda interação é entre corpos e campos, ou campos e campos ● “A propagação da interação no Espaço se faz através da propagação do efeito do campo, e demanda certo tempo para ocorrer” (Heneine, p. 13) ● Estritamente falando, não existem eventos instantâneos; quando dizemos que uma reação foi instantânea, apenas estamos indicando que o tempo da reação foi muito rápido para ser percebido pelos nossos sentidos
  • 16. Estados e formas de energia nos campos ● Dois estados da energia: – Energia potencial (Ep ), em repouso, “armazenada” – Energia cinética (Ec ), em movimento, “trabalhando” ● A conversão entre os dois estados ocorre frequentemente nos sistemas biológicos
  • 17. Questão para fixação (Heneine, 2002) ● Assinalar os Estados de Energia, Ep ou Ec , nos seguintes casos: 1.Movimento de íons através de membranas 2.Energia da glicose ou ATP 3.Contração muscular 4.Pressão causada pelas paredes arteriais distendidas 5.Peso da coluna de sangue na artéria aorta
  • 18. O campo gravitacional ● Emitido por toda e qualquer matéria; possui somente força de atração ● Energia gravitacional, energia mecânica (trabalho) ● Campo real – permanente, emitido pela matéria (p. ex., gravidade da Terra) ● Campo provocado – transitório, produzido pela aceleração dos corpos. ● Os sistemas biológicos provocam campo pelo movimento ● O campo gravitacional age sobre os macrossistemas biológicos, como a massa sanguínea, as vísceras, as partes sustentadas pela coluna vertebral, etc.
  • 19. O campo eletromagnético ● Energia elétrica, energia magnética, energia eletromagnética
  • 20. O campo eletromagnético ● Os seres vivos, em sua atividade biológica, produzem campos elétricos, campos magnéticos, e campos eletromagnéticos – Os campos elétricos estão presentes em todas as células como energia potencial, e em algumas como energia cinética – Os campos magnéticos, como propriedades fundamentais das interações metalo-orgânicas, participam das funções de grupamentos prostéticos (porfirinas) – Os campos EM estão presentes na forma de calor, resultante de qualquer transformação em processos biológicos. Alguns sistemas biológicos são capazes de produzir outras radiações mais energéticas, como luz ● Os campos agem sobre os seres vivos de várias formas: – Forças elétricas que mantém átomos e moléculas ligadas entre si – Potenciais de membrana (mitocôndias e cloroplastos, membranas e paredes celulares) – Os campos EM são responsáveis por fenômenos de visão e fotossíntese – Radiações
  • 21. O conceito de trabalho ● O trabalho é a atividade final em Biologia ● Na teoria dos campos, como o trabalho é definido fisicamente como o deslocamento de uma força, e como as forças só existem nos campos, só os campos realizam trabalho, porque só eles podem dispender energia ● Trabalho ativo (movimento se opõe às forças do campo) vs. trabalho passivo (movimento segue as forças do campo) vs. trabalho combinado (movimento segue as forças do campo, ajudado por força estranha ao campo) ● Todo trabalho exige gasto de energia
  • 22. Questão para fixação (Heneine, 2002) ● Assinale as formas de energia nos seguintes processos biológicos 1.Peso da coluna de sangue 2.Contração muscular 3.Fotoquímica da visão 4.Síntese de proteínas 5.Difusão de moléculas ou íons 6.Ligação química
  • 23. Exemplos de trabalho no campo gravitacional Outros exemplos biológicos?
  • 24. Exemplos de trabalho no campo eletromagnético
  • 25. Questão para fixação (Heneine, 2002) ● Assinale como trabalho ativo, passivo, ou combinado 1.Pedra caindo 2.Pedra subindo 3.Sangue venoso descendo da cabeça para o coração 4.Sangue arterial descendo do coração para os pés 5.Íon Na+ se deslocando em direção a outro íon Na+ , ambos em zona de mesma concentração 6.Íon Cl- se deslocando na direção do íon Na+
  • 26. Questão para fixação (Heneine, 2002) ● No sistema ao lado, separado por membrana permeável, os íons Cl- se deslocam de (1) para (2) devido ao gradiente osmótico. Um campo elétrico foi aplicado, e o sentido do deslocamento dos íons se inverte (Setas, antes e depois do campo E). Responda: 1.O polo positivo foi colocado do lado ( ), e o negativo do lado ( ). 2.A força elétrica é maior ou menor que a força osmótica? 3.Os trabalhos são: Passivo para a força _______, e ativo para a força _______
  • 27. Termodinâmica, energia, e trabalho ● A transformação de energia em trabalho, e vice-versa, é o campo da termodinâmica ● Nesse campo, os parâmetros principais são o sistema e o entorno (ou ambiente) ● Um sistema é uma porção definida do espaço; o entorno é tudo o que envolve o sistema e com ele se relaciona
  • 28. Energia interna ● Diferentes medidas quantitativas da energia armazenada no sistema, usados para medir as mudanças de energia em sistemas a partir de um estado inicial a um estado fina ● Os sistemas possuem dois tipos de energia – Interna (U): Soma de todas as modalidades de energia que ocorrem no interior do sistema – energias cinéticas (térmica), energias potenciais (química, nuclear), massa, e energias de campos radiantes – Externa: Soma de todas as modalidades de energia que impingem sobre o sistema a partir do entorno – energias cinéticas (deslocamento), energias potenciais (altura do sistema no campo gravitacional) ● U de um sistema, em seus parâmetros macroscópicos, pode ou não depender da massa – Propriedades intensivas (independem de massa) – pressão, temperatura, voltagem, viscosidade – Propriedades extensivas (dependem da massa) – volume, quantidade de matéria, densidade, quantidade de energia
  • 29. Sistemas abertos e fechados
  • 30. A primeira e a segunda leis da termodinâmica e a entropia ● 1ª lei: energia não pode ser criada ou destruída, mas somente convertida de uma forma em outra – a energia total transferida para um sistema é igual à variação de sua energia interna, ou seja, em todo processo natural, a energia do universo se conserva sendo que a energia do sistema quando isolado é constante – Toda transformação de energia se acompanha da produção de calor – Qualquer forma de energia ou trabalho pode ser totalmente convertida em calor; entretanto, a recíproca não é verdadeira ● 2ª lei: energia, espontaneamente, sempre se desloca de níveis mais altos para níveis mais baixos – Para transferir energia ou matéria de nível mais baixo para nível mais alto, é preciso trabalho ● “Se, de acordo com a 1ª lei, a energia está em constante movimento (realizando Trabalho), e de acordo com a 2ª lei, a energia somente vai de lugares mais altos (mais Energia) para luga mais baixos (menos Energia), conclui-se que (…) [t]odo sistema que realizou trabalho, tem sua energia diminuída” (Heneine, 2002, p. 59) → ENTROPIA, quantidade de energia incapaz de realizar trabalho
  • 31. Entalpia, entropia e energia livre ● A entalpia (H) é o conteúdo de calor de um sistema; aparece sempre como uma mudança de entalpia (ΔH) nas transformações – Quando a transformação libera calor, ela é exotérmica, e o sinal da entalpia é negativo (-ΔH) – exemplos? – Quando a transformação absorve calor, ela é endotérmica, e o sinal de entalpia é positivo (ΔH) – exemplos? ● Toda transformação é acompanhada de uma mudança na entropia (ΔS), sempre no sentido de aumento global da entropia. – De um modo geral, a entropia aumenta com a elevação da temperatura; assim o produto da entropia pela temperatura absoluta da reação dá a quantidade de entropia que acompanha essa reação ● A relação entre entalpia e entropia representa um potencial termodinâmico chamado de energia livre de Gibbs: ΔH – TΔS = ΔG; essa energia livre é capaz de realizar trabalho a volume e pressão constantes – Processos que desprendem energia livre são chamados de exergônicos (-ΔG) – exemplos? – Processos que absorvem energia livre são chamados de endergônicos (ΔG)
  • 32. Questões de fixação (Heneine, 2002) ● Assinalar Certo (C) e Errado (E): 1.A Energia do universo é constante ( ). 2.A Entropia do universo aumenta sempre ( ). 3.Energia (matéria), espontaneamente, se desloca sempre de níveis mais altos para níveis mais baixos ( ). 4.Realização de trabalho permite enviar energia (matéria) de níveis mais baixos para mais altos ( ). 5.Em qualquer mudança, a Entropia total diminui ( ). ● Quando – ΔH é negativo (-ΔH), a reação ______________ calor, e chama-se ____________ – ΔH é positivo (+ΔH), a reação ______________ calor, e chama-se ____________ ● Quando – ΔG é negativo (-ΔG), a reação é __________________, e ________________ energia – ΔG é positivo (+ΔH), a reação é __________________. e ________________ energia
  • 33. Leituras para a próxima aula ● Heneine, 2002, pp. 244-260 (Biofísica da circulação) – Sugestão: Exercícios 12 a 40, pp. 261 e 262 ● Heneine, 2002, pp. 265-277 (Biofísica da respiração) – Sugestão: Exercícios 03 a 17, pp. 282 e 283