SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Os n¶umeros inteiros
1.1 Propriedades b¶asicas
Nesta se»c~ao exploraremos propriedades b¶asicas dos n¶umeros inteiros, ponto de partida
para um estudo sistem¶atico de suas propriedades.
Assumiremos axiomaticamente, sem questionamentos, que existe um conjunto Z,
cujos elementos s~ao chamados de n¶umeros inteiros, tendo Z dois elementos destacados,
0 (zero) e 1 (um), e tamb¶em duas opera»c~oes, a adi»c~ao (+) e a multiplica»c~ao (¢).
Sendo a e b dois inteiros quaisquer, denotaremos por a + b a soma de a e b, e por
a ¢ b (ou por ab, quando isto n~ao nos causar confus~ao) o produto de a por b.
Assumiremos que os inteiros satisfazem os seguintes axiomas:
² Fechamento: a + b e a ¢ b s~ao inteiros sempre que a e b s~ao inteiros.
² Leis comutativas: a + b = b + a e a ¢ b = b ¢ a, para quaisquer inteiros a e b.
² Leis associativas: (a + b) + c = a + (b + c) e (a ¢ b) ¢ c = a ¢ (b ¢ c), para quaisquer
inteiros a, b e c.
² Leis de exist^encia de elementos neutros: a + 0 = 0 + a = a e a ¢ 1 = 1 ¢ a = a,
para todo inteiro a.
Em outras palavras, 0 e 1 s~ao elementos neutros das opera»c~oes + e ¢, respectiva-
mente.
² Lei distributiva (da multiplica»c~ao em rela»c~ao µa adi»c~ao): (a + b) ¢ c = a ¢ c + b ¢ c
² Lei da exist^encia de inversos aditivos: Para cada inteiro a, existe um inteiro x tal
que a + x = x + a = 0. Este inteiro x ¶e chamado inverso aditivo ou oposto, ou
ainda sim¶etrico de a e ¶e denotado por ¡a. Sendo a e b dois inteiros, de¯ne-se
a ¡ b = a + (¡b).
1
Os n¶umeros inteiros 2
² Lei do cancelamento da multiplica»c~ao: Se a, b e c s~ao inteiros, com c 6= 0, e
a ¢ c = b ¢ c ent~ao a = b.
A partir das propriedades acima, tomadas aqui como axiomas (ou postulados),
e das propriedades habituais da igualdade, podemos deduzir outras propriedades dos
n¶umeros inteiros, as quais, por serem deduzidas, recebem o nome de teoremas. Como
exemplo de uma dessas propriedades, temos os seguintes teoremas.
Teorema 1.1 Cada inteiro a tem um ¶unico inverso aditivo.
Demonstra»c~ao. Suponhamos que a0
e a00
s~ao ambos opostos de a, isto ¶e,
a + a0
= a0
+ a = 0 e a + a00
= a00
+ a = 0.
Ent~ao
a0
= a0
+ 0 (0 ¶e elemento neutro de +)
= a0
+ (a + a00
)
= (a0
+ a) + a00
(+ ¶e opera»c~ao associativa)
= 0 + a00
= a00
Portanto, a0
= a00
.
O pr¶oximo resultado ¶e bem conhecido pelo leitor, e n~ao faz parte dos axiomas
acima, justamente porque pode ser deduzido a partir deles.
Teorema 1.2 Se a ¶e um inteiro qualquer, a ¢ 0 = 0.
Demonstra»c~ao. Chamemos a ¢ 0 = x (mostraremos que x = 0). Ent~ao temos:
x = a ¢ 0 = a ¢ (0 + 0) (0 ¶e elemento neutro da adi»c~ao)
= a ¢ 0 + a ¢ 0 (Lei distributiva)
= x + x
Assim, x + x = x. Somando ¡x, o oposto de x, a ambos os membros, temos (x +x) +
(¡x) = x + (¡x).
Aplicando a lei associativa da adi»c~ao, deduzimos que x +(x +(¡x)) = 0, ou seja,
x + 0 = 0. Como 0 ¶e elemento neutro da adi»c~ao, obtemos x = 0.
Portanto, a ¢ 0 = 0, conforme quer¶³amos demonstrar.
Aqui e no restante do texto, o quadrado signi¯ca o ¯m de uma demonstra»c~ao.
1.1.1 Ordena»c~ao dos inteiros
A ordena»c~ao dos inteiros ¶e um conceito, que de¯niremos axiomaticamente, da seguinte
forma:
Os n¶umeros inteiros 3
Existe um conjunto P, subconjunto de Z, cujos elementos s~ao chamados inteiros
positivos, caracterizado pelos seguintes axiomas:
² Fechamento do conjunto P: Se a e b s~ao inteiros positivos, ent~ao a + b e ab
tamb¶em s~ao inteiros positivos.
² Lei da tricotomia: Para cada inteiro a, vale uma e somente uma das a¯rma»c~oes:
a 2 P; a = 0; ¡a 2 P
O conjunto Z diz-se ordenado (mais precisamente, um anel ordenado) por satis-
fazer os axiomas acima.
Habitualmente, escrevemos a > 0, em lugar de a 2 P. Assim, os axiomas de
ordena»c~ao dos inteiros podem ser reescritos da seguinte forma:
² Se a > 0 e b > 0, ent~ao a + b > 0 e a ¢ b > 0.
² Para cada inteiro a, tem-se uma e somente uma das a¯rma»c~oes:
a > 0; a = 0; ¡a > 0
De¯ni»c~ao 1.1 Sendo a e b inteiros quaisquer, dizemos que a < b (a ¶e menor que b),
ou que b > a (b ¶e maior que a), se b ¡ a > 0. Escrevemos a · b quando a < b ou
a = b, e escrevemos a ¸ b quando a > b ou a = b.
V¶arias propriedades da ordena»c~ao dos inteiros podem ser deduzidas (demonstradas)
usando-se os axiomas de ordena»c~ao e propriedades elementares das opera»c~oes + e ¢.
Um exemplo dessas propriedades ¶e a seguinte:
Proposi»c~ao 1.1 Sendo a, b e c inteiros,
1. se a > b e c > 0, ent~ao ac > bc;
2. se a > b e c < 0 ent~ao ac < bc.
Demonstra»c~ao. Se a > b ent~ao a ¡ b > 0, conforme a de¯ni»c~ao 1.1. Se c > 0 ent~ao,
pelo primeiro axioma da ordena»c~ao de Z, (a ¡ b)c > 0.
Logo, (a + (¡b))c > 0 e ent~ao ac + (¡b)c > 0.
Agora, podemos demonstrar que (¡b)c = ¡bc (demonstre isto, mostrando que
(¡b)c ¶e elemento oposto de bc). Assim, deduzimos que ac¡bc > 0 e portanto ac > bc.
Como exerc¶³cio, demonstre que se a > b e c < 0, ent~ao ac < bc.
Finalizando nosso conjunto de axiomas para o conjunto Z, temos um importante
(e bem intuitivo) axioma , chamado axioma da boa ordena»c~ao:
Os n¶umeros inteiros 4
Axioma 1.1 (Axioma da boa ordena»c~ao dos inteiros positivos) O conjunto P
dos inteiros positivos ¶e bem ordenado, isto ¶e, todo subconjunto n~ao vazio de P possui
um menor (ou primeiro) elemento.
Em outras palavras, para cada conjunto A, subconjunto de P, se A 6= ¿, ent~ao
existe a 2 A tal que a · x para todo x 2 A.
O axioma da boa ordena»c~ao dos inteiros positivos torna o conjunto Z substan-
cialmente diferente do familiar conjunto Q dos n¶umeros racionais (admitamos, por um
momento, familiaridade com o conjunto Q), no seguinte sentido. Considere o conjunto
Q+
dos n¶umeros racionais positivos. Existem subconjuntos de Q+
, n~ao vazios, sem um
primeiro (menor) elemento. O pr¶oprio Q+
¶e um tal subconjunto!
Recordemo-nos de que um n¶umero real x ¶e um n¶umero racional se existem inteiros
a e b tais que x = a=b. Um n¶umero real n~ao racional ¶e um n¶umero irracional (aqui
estamos admitindo familiaridade com os n¶umeros reais). Os n¶umeros ¼ e e (conhece?)
s~ao exemplos famosos de n¶umeros irracionais.
Tamb¶em
p
2 ¶e um n¶umero irracional. Abaixo apresentamos uma demonstra»c~ao
deste fato, fazendo uso da propriedade de boa ordena»c~ao dos inteiros positivos.
Teorema 1.3
p
2 ¶e irracional.
Demonstra»c~ao. Suponhamos que
p
2 ¶e um n¶umero racional. Mostraremos que uma tal
suposi»c~ao nos leva a uma contradi»c~ao (isto ¶e, a uma a¯rma»c~ao falsa). Logo, a suposi»c~ao
inicial, de que
p
2 ¶e um n¶umero racional, ¶e falsa. Assim conclu¶³mos que
p
2 s¶o pode ser
irracional.
Um axioma da l¶ogica elementar, a l¶ogica que usamos nas demonstra»c~oes de teo-
remas, enuncia (a¯rma) que
De uma a¯rma»c~ao verdadeira n~ao se pode deduzir uma falsa. Ou seja, se
de uma suposi»c~ao inicial deduzimos uma a¯rma»c~ao falsa, ent~ao a suposi»c~ao
inicial tamb¶em ¶e falsa.
Pois bem, supondo-se que
p
2 ¶e racional, existem inteiros positivos a e b tais quep
2 = a=b. Da¶³, b ¢
p
2 = a.
Consideremos o conjunto A, dos inteiros positivos m tais que m e m
p
2 s~ao ambos
inteiros positivos.
Em linguagem simb¶olica,
A = fm 2 Z j m > 0 e m
p
2 2 Zg
A ¶e n~ao vazio, visto que b 2 A (b ¶e inteiro positivo, e b
p
2 ¶e o inteiro positivo a).
Os n¶umeros inteiros 5
Pelo princ¶³pio da boa ordena»c~ao dos inteiros positivos, A tem um menor elemento
s. Temos que s e s
p
2 s~ao ambos inteiros positivos.
Considere ent~ao o inteiro r = s
p
2¡s. Temos r = s(
p
2¡1) < s, pois
p
2¡1 < 1.
r ¶e um inteiro positivo, pois
p
2 ¡ 1 > 0.
Al¶em disso, r
p
2 ¶e tamb¶em um inteiro: r
p
2 = (s
p
2 ¡ s)
p
2 = 2s ¡ s
p
2 (s e
s
p
2 s~ao inteiros!).
Assim, r 2 A, mas r ¶e menor que o primeiro (o menor) elemento de A. Temos
ent~ao uma contradi»c~ao. Logo, nossa suposi»c~ao de que
p
2 ¶e racional est¶a errada. Por-
tanto,
p
2 62 Q.
1.1.2 Exerc¶³cios
Sendo P1 e P2 duas a¯rma»c~oes matem¶aticas, ao escrever P1 ) P2 queremos dizer Se
P1 ent~ao P2", ou que P1 acarreta (ou implica) P2".
1. Use os axiomas das opera»c~oes adi»c~ao e multiplica»c~ao em Z, para demonstrar que,
sendo a e b inteiros quaisquer,
(a) (a + b)2
= a2
+ 2ab + b2
(b) (¡1) ¢ a = ¡a
(c) Se a2
= a ent~ao a = 0 ou a = 1 (d) ¡(a + b) = (¡a) + (¡b)
(e) (¡a)b = ¡ab
Sugest~oes.
(b) Comece considerando que [(¡1) + 1] ¢ a = 0 ¢ a = 0 (justi¯que estes e os
demais argumentos).
(d) Calcule (a+b)+[(-a)+(-b)], usando as propriedades axiom¶aticas da adi»c~ao de
inteiros.
(e) Imite os procedimentos usados no item (b)
2. (a) Admita, no conjunto de axiomas dos n¶umeros inteiros, a propriedade
a ¢ b = 0 ) a = 0 ou b = 0
em lugar da lei do cancelamento da multiplica»c~ao (p¶agina 2). Demonstre
ent~ao a lei do cancelamento da multiplica»c~ao a partir de tal propriedade,
admitindo as demais propriedades axiom¶aticas das opera»c~oes em Z.
(b) Mostre que a lei do cancelamento da multiplica»c~ao n~ao precisa ser admitida
como um axioma, pois ela ¶e um teorema que pode ser deduzido a partir da
proposi»c~ao 1.1. Ou seja, mostre que a proposi»c~ao 1.1 tem como conseqÄu^encia
a lei do cancelamento da multiplica»c~ao.
3. Complete a seguinte demonstra»c~ao de que (¡1)(¡1) = 1.
Temos 0 ¢ 0 = 0. Temos ainda 1 + (¡1) = 0. Da¶³, [1 + (¡1)] ¢ [1 + (¡1)] = 0.
Os n¶umeros inteiros 6
Agora use a propriedade distributiva da multiplica»c~ao sobre a adi»c~ao, e tenha em
vista que 1 ¶e elemento neutro da multiplica»c~ao.
4. Use os axiomas da rela»c~ao <" em Z, bem como propriedades da adi»c~ao e da
multiplica»c~ao em Z, para demonstrar que, sendo a, b e c inteiros,
(a) Se a < b ent~ao ¡a > ¡b (b) c > 0 e ac < bc ) a < b
(c) Se c < 0 e ac < bc ent~ao a > b (d) a2
+ ab + b2
¸ 0,
(e) a2
+ ab + b2
= 0 ) a = b = 0 (f) Se a < b ent~ao a3
< b3
(g) Se a3
< b3
ent~ao a < b (h) a < b 6) a2
< b2
Sugest~oes.
(d) Mostre que 2(a2
+ ab + b2
) ¸ 0;
(f) Fa»ca uso da fatora»c~ao a3
¡ b3
= (a ¡ b)(a2
+ ab + b2
);
(h) Para mostrar que n~ao vale a implica»c~ao a < b ) a2
< b2
," mostre que
existem inteiros a e b satisfazendo a < b e a2
¸ b2
.
5. Para cada inteiro a, de¯ne-se o valor absoluto de a como sendo o inteiro jaj, dado
por
jaj =
½
a; se a ¸ 0
¡a; se a < 0
Demonstre que, sendo a e b inteiros,
(a) jaj ¸ 0; jaj = 0 , a = 0 (b) ¡ jaj · a · jaj
(c) j¡aj = jaj (d) jabj = jajjbj
(e) jaj · b , ¡b · a · b (f) ja § bj · jaj + jbj
(g) jjaj ¡ jbjj · ja ¡ bj
Sugest~oes.
(e) Considere dois casos: (i) a ¸ 0 e (ii) a < 0.
(f) Deduza que a + b · jaj + jbj, e ¡jaj ¡ jbj · a + b. Agora use o resultado do
item (e);
(g) A partir do item (f), deduza que jaj · ja¡bj+jbj, de onde jaj¡jbj · ja¡bj.
Deduza tamb¶em que jbj · ja ¡ bj + jaj, e ent~ao jaj ¡ jbj ¸ ¡ja ¡ bj. Agora use
o resultado do item (e).
6. Usando o princ¶³pio da boa ordena»c~ao do conjunto P dos inteiros positivos, demons-
tre que o conjunto N = P [ f0g, dos n¶umeros naturais ¶e tamb¶em bem ordenado.
7. Usando o princ¶³pio da boa ordena»c~ao dos inteiros positivos, demonstre que n~ao
existe um inteiro n satisfazendo 0 < n < 1.
Sugest~ao. Suponha que, ao contr¶ario, existe um inteiro n satisfazendo 0 < n < 1.
Considere o conjunto A de todos os inteiros x com 0 < x < 1. A ¶e subconjunto
n~ao vazio de P (explique porqu^e). Mostre que A n~ao tem um menor elemento,
pois se a 2 A, ent~ao a2
< a.
Os n¶umeros inteiros 7
8. Mostre que, sendo a e b inteiros, se ab = 1 ent~ao a = b = §1.
Sugest~ao. Mostre primeiramente que se a e b s~ao inteiros positivos e ab = 1 ent~ao
a = b = 1. Para isto, suponha a e b inteiros positivos, com a 6= 1 e b 6= 1. Como
n~ao existem inteiros entre 0 e 1, mostre que ab > 1. Conclua adequadamente sua
demonstra»c~ao.
9. Se A ½ Z, dizemos que A ¶e limitado inferiormente se existe b 2 Z tal que x ¸ b
para todo x 2 A. Mostre que todo conjunto A de inteiros, n~ao vazio, limitado
inferiormente, tem um m¶³nimo, ou seja, existe a 2 A tal que x ¸ a, para todo
x 2 A. Sugest~ao. Considere o conjunto C = fy 2 Z j y = x ¡ b; x 2 Ag. Mostre
que C ½ N, e use o fato de que N ¶e bem ordenado.
10. Admita familiaridade com o conjunto R dos n¶umeros reais. Com rela»c~ao µa ordem
<" estabelecida em R, dizemos que um subconjunto X de R ¶e bem-ordenado
se todo subconjunto n~ao vazio de X possui um menor elemento ou m¶³nimo. De-
termine quais dos seguintes subconjuntos de R ¶e bem-ordenado. Em caso a¯r-
mativo, demonstre sua a¯rma»c~ao (usando, por exemplo, o fato de que o conjunto
de inteiros positivos ¶e bem-ordenado). Em caso negativo, d^e um exemplo de um
subconjunto (do conjunto dado) que n~ao possui um menor (ou primeiro) elemento.
(a) o conjunto dos inteiros negativos;
(b) o conjunto dos n¶umeros racionais n~ao negativos;
(c) o conjunto dos inteiros pares positivos;
(d) o conjunto dos n¶umeros racionais da forma a=2, com a inteiro positivo.
11. Admita familiaridade com n¶umeros racionais e irracionais.
(a) Demonstre que a soma e o produto de dois n¶umeros racionais ¶e racional.
(b) Demonstre ou d^e um contra-exemplo a cada uma das seguintes a¯rma»c~oes.
i. A soma de um n¶umero racional e um n¶umero irracional ¶e irracional.
ii. A soma de dois n¶umeros irracionais ¶e irracional.
iii. O produto de um n¶umero racional e um n¶umero irracional ¶e irracional.
iv. O produto de dois n¶umeros irracionais ¶e irracional.
12. Atrav¶es de uma pesquisa, fa»ca uma lista de propriedades do n¶umero real
p
2. Fa»ca
uma outra demonstra»c~ao de que
p
2 ¶e irracional.
13. Demonstre que
p
5 ¶e irracional. Sugest~ao. Tente imitar os passos da demonstra»c~ao
de que
p
2 ¶e irracional, teorema 1.3, ou crie sua pr¶opria demonstra»c~ao.
14. Atrav¶es de uma pesquisa, fa»ca uma lista de propriedades do n¶umero real
p
5.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pincipio da indução
Pincipio da induçãoPincipio da indução
Pincipio da indução
Bruno Araujo Lima
 
Semana 11
Semana 11Semana 11
Semana 11
Carlos Campani
 
áLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicosáLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicos
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Semana 10
Semana 10 Semana 10
Semana 10
Carlos Campani
 
Semana 9
Semana 9 Semana 9
Semana 9
Carlos Campani
 
Intro teoria dos números cap2
Intro teoria dos  números cap2Intro teoria dos  números cap2
Intro teoria dos números cap2
Paulo Martins
 
04 probabilidade
04 probabilidade04 probabilidade
04 probabilidade
奈莫 里玛
 
Matematica discreta - estruturas algebricas
Matematica discreta -  estruturas algebricasMatematica discreta -  estruturas algebricas
Matematica discreta - estruturas algebricas
Universidade de Pernambuco
 
Conjunto1
Conjunto1Conjunto1
Conjunto1
Carlos Almeida
 
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempoAplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Lucas Guimaraes
 
Aula 6: O caso estacioário em uma dimensão
Aula 6: O caso estacioário em uma dimensãoAula 6: O caso estacioário em uma dimensão
Aula 6: O caso estacioário em uma dimensão
Adriano Silva
 
Fórmulas matemáticas
Fórmulas matemáticasFórmulas matemáticas
Fórmulas matemáticas
Fernando Viana
 
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
W. Carvalho Carvalho
 
Aula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinitoAula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinito
Adriano Silva
 
Aula 10: Exercícios
Aula 10: ExercíciosAula 10: Exercícios
Aula 10: Exercícios
Adriano Silva
 
Lógica Matemática
Lógica MatemáticaLógica Matemática
Lógica Matemática
Carlos Campani
 
Aula 21: Exercícios
Aula 21: ExercíciosAula 21: Exercícios
Aula 21: Exercícios
Adriano Silva
 

Mais procurados (17)

Pincipio da indução
Pincipio da induçãoPincipio da indução
Pincipio da indução
 
Semana 11
Semana 11Semana 11
Semana 11
 
áLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicosáLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicos
 
Semana 10
Semana 10 Semana 10
Semana 10
 
Semana 9
Semana 9 Semana 9
Semana 9
 
Intro teoria dos números cap2
Intro teoria dos  números cap2Intro teoria dos  números cap2
Intro teoria dos números cap2
 
04 probabilidade
04 probabilidade04 probabilidade
04 probabilidade
 
Matematica discreta - estruturas algebricas
Matematica discreta -  estruturas algebricasMatematica discreta -  estruturas algebricas
Matematica discreta - estruturas algebricas
 
Conjunto1
Conjunto1Conjunto1
Conjunto1
 
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempoAplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
 
Aula 6: O caso estacioário em uma dimensão
Aula 6: O caso estacioário em uma dimensãoAula 6: O caso estacioário em uma dimensão
Aula 6: O caso estacioário em uma dimensão
 
Fórmulas matemáticas
Fórmulas matemáticasFórmulas matemáticas
Fórmulas matemáticas
 
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
 
Aula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinitoAula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinito
 
Aula 10: Exercícios
Aula 10: ExercíciosAula 10: Exercícios
Aula 10: Exercícios
 
Lógica Matemática
Lógica MatemáticaLógica Matemática
Lógica Matemática
 
Aula 21: Exercícios
Aula 21: ExercíciosAula 21: Exercícios
Aula 21: Exercícios
 

Destaque

Matematica fcul
Matematica fculMatematica fcul
Matematica fcul
emantunes
 
Matematica aplicada respostas
Matematica aplicada respostasMatematica aplicada respostas
Matematica aplicada respostas
con_seguir
 
Intro teoria dos numerros i
Intro teoria dos numerros iIntro teoria dos numerros i
Intro teoria dos numerros i
Paulo Martins
 
Intro teoria dos numerros cap7
Intro teoria dos numerros cap7Intro teoria dos numerros cap7
Intro teoria dos numerros cap7
Paulo Martins
 
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
Wilson Miranda
 
11 teoria numeros
11 teoria numeros11 teoria numeros
Teorema Chinês Dos Restos
Teorema Chinês Dos RestosTeorema Chinês Dos Restos
Teorema Chinês Dos Restos
Khayla Elias dos Santos
 
04 topicosde algebra
04 topicosde algebra04 topicosde algebra
04 topicosde algebra
Matemática Uncomplicated
 
Aritmetica Modular
Aritmetica ModularAritmetica Modular
Aritmetica Modular
Mauricio Villagran Torres
 
Congruencias
CongruenciasCongruencias
Congruencias
AlejandroUmpierrez
 
Livros para baixar 4shared
Livros para baixar 4sharedLivros para baixar 4shared
Livros para baixar 4shared
Edna Andrade
 

Destaque (11)

Matematica fcul
Matematica fculMatematica fcul
Matematica fcul
 
Matematica aplicada respostas
Matematica aplicada respostasMatematica aplicada respostas
Matematica aplicada respostas
 
Intro teoria dos numerros i
Intro teoria dos numerros iIntro teoria dos numerros i
Intro teoria dos numerros i
 
Intro teoria dos numerros cap7
Intro teoria dos numerros cap7Intro teoria dos numerros cap7
Intro teoria dos numerros cap7
 
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
 
11 teoria numeros
11 teoria numeros11 teoria numeros
11 teoria numeros
 
Teorema Chinês Dos Restos
Teorema Chinês Dos RestosTeorema Chinês Dos Restos
Teorema Chinês Dos Restos
 
04 topicosde algebra
04 topicosde algebra04 topicosde algebra
04 topicosde algebra
 
Aritmetica Modular
Aritmetica ModularAritmetica Modular
Aritmetica Modular
 
Congruencias
CongruenciasCongruencias
Congruencias
 
Livros para baixar 4shared
Livros para baixar 4sharedLivros para baixar 4shared
Livros para baixar 4shared
 

Semelhante a Intro teoria dos numeros cap1

Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3
Paulo Martins
 
Aula- 1 de eletrónica digital- 2022.pdf
Aula- 1 de eletrónica digital-  2022.pdfAula- 1 de eletrónica digital-  2022.pdf
Aula- 1 de eletrónica digital- 2022.pdf
DenilsonRodrigues53
 
Apostila de Algebra Linear.pdf
Apostila de Algebra Linear.pdfApostila de Algebra Linear.pdf
Apostila de Algebra Linear.pdf
Marcelo Martelli Rossilho
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
Chromus Master
 
Por que "menos com menos dá mais"?
Por que "menos com menos dá mais"?Por que "menos com menos dá mais"?
Por que "menos com menos dá mais"?
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
Teoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos iTeoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos i
Paulo Martins
 
Exercsolv1
Exercsolv1Exercsolv1
Exercsolv1
Rosinalldo Santos
 
Razão e proporção1
Razão e proporção1Razão e proporção1
Razão e proporção1
Luccy Crystal
 
conjuntos_numericos.pdf
conjuntos_numericos.pdfconjuntos_numericos.pdf
conjuntos_numericos.pdf
Marcelo Martelli Rossilho
 
Intro teoria dos numerros cap4
Intro teoria dos numerros cap4Intro teoria dos numerros cap4
Intro teoria dos numerros cap4
Paulo Martins
 
Equações Algébricas e Transcendentes - Isolamento de Raízes - @professorenan
Equações Algébricas e Transcendentes - Isolamento de Raízes - @professorenanEquações Algébricas e Transcendentes - Isolamento de Raízes - @professorenan
Equações Algébricas e Transcendentes - Isolamento de Raízes - @professorenan
Renan Gustavo
 
Mat regra de sinais
Mat regra de sinaisMat regra de sinais
Mat regra de sinais
trigono_metria
 
Slides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdfSlides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdf
RodrigoPereira803314
 
Lista de exercícios 1 - Cálculo
Lista de exercícios 1 - CálculoLista de exercícios 1 - Cálculo
Lista de exercícios 1 - Cálculo
Carlos Campani
 
Aula 4 espaços vetoriais
Aula 4   espaços vetoriaisAula 4   espaços vetoriais
Aula 4 espaços vetoriais
Fernanda Paola Butarelli
 
Sucessoes e series com res
Sucessoes e series com resSucessoes e series com res
Sucessoes e series com res
Maths Tutoring
 
Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6
Paulo Martins
 
Geometria euclidiana
Geometria euclidianaGeometria euclidiana
Geometria euclidiana
Ana Cristina Mesquita
 
Função do 1º grau
Função do 1º grauFunção do 1º grau
Função do 1º grau
Gabriela Ferreira
 
Teoria elementar dos numeros
Teoria elementar dos numerosTeoria elementar dos numeros
Teoria elementar dos numeros
lealtran
 

Semelhante a Intro teoria dos numeros cap1 (20)

Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3
 
Aula- 1 de eletrónica digital- 2022.pdf
Aula- 1 de eletrónica digital-  2022.pdfAula- 1 de eletrónica digital-  2022.pdf
Aula- 1 de eletrónica digital- 2022.pdf
 
Apostila de Algebra Linear.pdf
Apostila de Algebra Linear.pdfApostila de Algebra Linear.pdf
Apostila de Algebra Linear.pdf
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
 
Por que "menos com menos dá mais"?
Por que "menos com menos dá mais"?Por que "menos com menos dá mais"?
Por que "menos com menos dá mais"?
 
Teoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos iTeoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos i
 
Exercsolv1
Exercsolv1Exercsolv1
Exercsolv1
 
Razão e proporção1
Razão e proporção1Razão e proporção1
Razão e proporção1
 
conjuntos_numericos.pdf
conjuntos_numericos.pdfconjuntos_numericos.pdf
conjuntos_numericos.pdf
 
Intro teoria dos numerros cap4
Intro teoria dos numerros cap4Intro teoria dos numerros cap4
Intro teoria dos numerros cap4
 
Equações Algébricas e Transcendentes - Isolamento de Raízes - @professorenan
Equações Algébricas e Transcendentes - Isolamento de Raízes - @professorenanEquações Algébricas e Transcendentes - Isolamento de Raízes - @professorenan
Equações Algébricas e Transcendentes - Isolamento de Raízes - @professorenan
 
Mat regra de sinais
Mat regra de sinaisMat regra de sinais
Mat regra de sinais
 
Slides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdfSlides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdf
 
Lista de exercícios 1 - Cálculo
Lista de exercícios 1 - CálculoLista de exercícios 1 - Cálculo
Lista de exercícios 1 - Cálculo
 
Aula 4 espaços vetoriais
Aula 4   espaços vetoriaisAula 4   espaços vetoriais
Aula 4 espaços vetoriais
 
Sucessoes e series com res
Sucessoes e series com resSucessoes e series com res
Sucessoes e series com res
 
Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6
 
Geometria euclidiana
Geometria euclidianaGeometria euclidiana
Geometria euclidiana
 
Função do 1º grau
Função do 1º grauFunção do 1º grau
Função do 1º grau
 
Teoria elementar dos numeros
Teoria elementar dos numerosTeoria elementar dos numeros
Teoria elementar dos numeros
 

Último

CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 

Último (20)

CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 

Intro teoria dos numeros cap1

  • 1. 1 Os n¶umeros inteiros 1.1 Propriedades b¶asicas Nesta se»c~ao exploraremos propriedades b¶asicas dos n¶umeros inteiros, ponto de partida para um estudo sistem¶atico de suas propriedades. Assumiremos axiomaticamente, sem questionamentos, que existe um conjunto Z, cujos elementos s~ao chamados de n¶umeros inteiros, tendo Z dois elementos destacados, 0 (zero) e 1 (um), e tamb¶em duas opera»c~oes, a adi»c~ao (+) e a multiplica»c~ao (¢). Sendo a e b dois inteiros quaisquer, denotaremos por a + b a soma de a e b, e por a ¢ b (ou por ab, quando isto n~ao nos causar confus~ao) o produto de a por b. Assumiremos que os inteiros satisfazem os seguintes axiomas: ² Fechamento: a + b e a ¢ b s~ao inteiros sempre que a e b s~ao inteiros. ² Leis comutativas: a + b = b + a e a ¢ b = b ¢ a, para quaisquer inteiros a e b. ² Leis associativas: (a + b) + c = a + (b + c) e (a ¢ b) ¢ c = a ¢ (b ¢ c), para quaisquer inteiros a, b e c. ² Leis de exist^encia de elementos neutros: a + 0 = 0 + a = a e a ¢ 1 = 1 ¢ a = a, para todo inteiro a. Em outras palavras, 0 e 1 s~ao elementos neutros das opera»c~oes + e ¢, respectiva- mente. ² Lei distributiva (da multiplica»c~ao em rela»c~ao µa adi»c~ao): (a + b) ¢ c = a ¢ c + b ¢ c ² Lei da exist^encia de inversos aditivos: Para cada inteiro a, existe um inteiro x tal que a + x = x + a = 0. Este inteiro x ¶e chamado inverso aditivo ou oposto, ou ainda sim¶etrico de a e ¶e denotado por ¡a. Sendo a e b dois inteiros, de¯ne-se a ¡ b = a + (¡b). 1
  • 2. Os n¶umeros inteiros 2 ² Lei do cancelamento da multiplica»c~ao: Se a, b e c s~ao inteiros, com c 6= 0, e a ¢ c = b ¢ c ent~ao a = b. A partir das propriedades acima, tomadas aqui como axiomas (ou postulados), e das propriedades habituais da igualdade, podemos deduzir outras propriedades dos n¶umeros inteiros, as quais, por serem deduzidas, recebem o nome de teoremas. Como exemplo de uma dessas propriedades, temos os seguintes teoremas. Teorema 1.1 Cada inteiro a tem um ¶unico inverso aditivo. Demonstra»c~ao. Suponhamos que a0 e a00 s~ao ambos opostos de a, isto ¶e, a + a0 = a0 + a = 0 e a + a00 = a00 + a = 0. Ent~ao a0 = a0 + 0 (0 ¶e elemento neutro de +) = a0 + (a + a00 ) = (a0 + a) + a00 (+ ¶e opera»c~ao associativa) = 0 + a00 = a00 Portanto, a0 = a00 . O pr¶oximo resultado ¶e bem conhecido pelo leitor, e n~ao faz parte dos axiomas acima, justamente porque pode ser deduzido a partir deles. Teorema 1.2 Se a ¶e um inteiro qualquer, a ¢ 0 = 0. Demonstra»c~ao. Chamemos a ¢ 0 = x (mostraremos que x = 0). Ent~ao temos: x = a ¢ 0 = a ¢ (0 + 0) (0 ¶e elemento neutro da adi»c~ao) = a ¢ 0 + a ¢ 0 (Lei distributiva) = x + x Assim, x + x = x. Somando ¡x, o oposto de x, a ambos os membros, temos (x +x) + (¡x) = x + (¡x). Aplicando a lei associativa da adi»c~ao, deduzimos que x +(x +(¡x)) = 0, ou seja, x + 0 = 0. Como 0 ¶e elemento neutro da adi»c~ao, obtemos x = 0. Portanto, a ¢ 0 = 0, conforme quer¶³amos demonstrar. Aqui e no restante do texto, o quadrado signi¯ca o ¯m de uma demonstra»c~ao. 1.1.1 Ordena»c~ao dos inteiros A ordena»c~ao dos inteiros ¶e um conceito, que de¯niremos axiomaticamente, da seguinte forma:
  • 3. Os n¶umeros inteiros 3 Existe um conjunto P, subconjunto de Z, cujos elementos s~ao chamados inteiros positivos, caracterizado pelos seguintes axiomas: ² Fechamento do conjunto P: Se a e b s~ao inteiros positivos, ent~ao a + b e ab tamb¶em s~ao inteiros positivos. ² Lei da tricotomia: Para cada inteiro a, vale uma e somente uma das a¯rma»c~oes: a 2 P; a = 0; ¡a 2 P O conjunto Z diz-se ordenado (mais precisamente, um anel ordenado) por satis- fazer os axiomas acima. Habitualmente, escrevemos a > 0, em lugar de a 2 P. Assim, os axiomas de ordena»c~ao dos inteiros podem ser reescritos da seguinte forma: ² Se a > 0 e b > 0, ent~ao a + b > 0 e a ¢ b > 0. ² Para cada inteiro a, tem-se uma e somente uma das a¯rma»c~oes: a > 0; a = 0; ¡a > 0 De¯ni»c~ao 1.1 Sendo a e b inteiros quaisquer, dizemos que a < b (a ¶e menor que b), ou que b > a (b ¶e maior que a), se b ¡ a > 0. Escrevemos a · b quando a < b ou a = b, e escrevemos a ¸ b quando a > b ou a = b. V¶arias propriedades da ordena»c~ao dos inteiros podem ser deduzidas (demonstradas) usando-se os axiomas de ordena»c~ao e propriedades elementares das opera»c~oes + e ¢. Um exemplo dessas propriedades ¶e a seguinte: Proposi»c~ao 1.1 Sendo a, b e c inteiros, 1. se a > b e c > 0, ent~ao ac > bc; 2. se a > b e c < 0 ent~ao ac < bc. Demonstra»c~ao. Se a > b ent~ao a ¡ b > 0, conforme a de¯ni»c~ao 1.1. Se c > 0 ent~ao, pelo primeiro axioma da ordena»c~ao de Z, (a ¡ b)c > 0. Logo, (a + (¡b))c > 0 e ent~ao ac + (¡b)c > 0. Agora, podemos demonstrar que (¡b)c = ¡bc (demonstre isto, mostrando que (¡b)c ¶e elemento oposto de bc). Assim, deduzimos que ac¡bc > 0 e portanto ac > bc. Como exerc¶³cio, demonstre que se a > b e c < 0, ent~ao ac < bc. Finalizando nosso conjunto de axiomas para o conjunto Z, temos um importante (e bem intuitivo) axioma , chamado axioma da boa ordena»c~ao:
  • 4. Os n¶umeros inteiros 4 Axioma 1.1 (Axioma da boa ordena»c~ao dos inteiros positivos) O conjunto P dos inteiros positivos ¶e bem ordenado, isto ¶e, todo subconjunto n~ao vazio de P possui um menor (ou primeiro) elemento. Em outras palavras, para cada conjunto A, subconjunto de P, se A 6= ¿, ent~ao existe a 2 A tal que a · x para todo x 2 A. O axioma da boa ordena»c~ao dos inteiros positivos torna o conjunto Z substan- cialmente diferente do familiar conjunto Q dos n¶umeros racionais (admitamos, por um momento, familiaridade com o conjunto Q), no seguinte sentido. Considere o conjunto Q+ dos n¶umeros racionais positivos. Existem subconjuntos de Q+ , n~ao vazios, sem um primeiro (menor) elemento. O pr¶oprio Q+ ¶e um tal subconjunto! Recordemo-nos de que um n¶umero real x ¶e um n¶umero racional se existem inteiros a e b tais que x = a=b. Um n¶umero real n~ao racional ¶e um n¶umero irracional (aqui estamos admitindo familiaridade com os n¶umeros reais). Os n¶umeros ¼ e e (conhece?) s~ao exemplos famosos de n¶umeros irracionais. Tamb¶em p 2 ¶e um n¶umero irracional. Abaixo apresentamos uma demonstra»c~ao deste fato, fazendo uso da propriedade de boa ordena»c~ao dos inteiros positivos. Teorema 1.3 p 2 ¶e irracional. Demonstra»c~ao. Suponhamos que p 2 ¶e um n¶umero racional. Mostraremos que uma tal suposi»c~ao nos leva a uma contradi»c~ao (isto ¶e, a uma a¯rma»c~ao falsa). Logo, a suposi»c~ao inicial, de que p 2 ¶e um n¶umero racional, ¶e falsa. Assim conclu¶³mos que p 2 s¶o pode ser irracional. Um axioma da l¶ogica elementar, a l¶ogica que usamos nas demonstra»c~oes de teo- remas, enuncia (a¯rma) que De uma a¯rma»c~ao verdadeira n~ao se pode deduzir uma falsa. Ou seja, se de uma suposi»c~ao inicial deduzimos uma a¯rma»c~ao falsa, ent~ao a suposi»c~ao inicial tamb¶em ¶e falsa. Pois bem, supondo-se que p 2 ¶e racional, existem inteiros positivos a e b tais quep 2 = a=b. Da¶³, b ¢ p 2 = a. Consideremos o conjunto A, dos inteiros positivos m tais que m e m p 2 s~ao ambos inteiros positivos. Em linguagem simb¶olica, A = fm 2 Z j m > 0 e m p 2 2 Zg A ¶e n~ao vazio, visto que b 2 A (b ¶e inteiro positivo, e b p 2 ¶e o inteiro positivo a).
  • 5. Os n¶umeros inteiros 5 Pelo princ¶³pio da boa ordena»c~ao dos inteiros positivos, A tem um menor elemento s. Temos que s e s p 2 s~ao ambos inteiros positivos. Considere ent~ao o inteiro r = s p 2¡s. Temos r = s( p 2¡1) < s, pois p 2¡1 < 1. r ¶e um inteiro positivo, pois p 2 ¡ 1 > 0. Al¶em disso, r p 2 ¶e tamb¶em um inteiro: r p 2 = (s p 2 ¡ s) p 2 = 2s ¡ s p 2 (s e s p 2 s~ao inteiros!). Assim, r 2 A, mas r ¶e menor que o primeiro (o menor) elemento de A. Temos ent~ao uma contradi»c~ao. Logo, nossa suposi»c~ao de que p 2 ¶e racional est¶a errada. Por- tanto, p 2 62 Q. 1.1.2 Exerc¶³cios Sendo P1 e P2 duas a¯rma»c~oes matem¶aticas, ao escrever P1 ) P2 queremos dizer Se P1 ent~ao P2", ou que P1 acarreta (ou implica) P2". 1. Use os axiomas das opera»c~oes adi»c~ao e multiplica»c~ao em Z, para demonstrar que, sendo a e b inteiros quaisquer, (a) (a + b)2 = a2 + 2ab + b2 (b) (¡1) ¢ a = ¡a (c) Se a2 = a ent~ao a = 0 ou a = 1 (d) ¡(a + b) = (¡a) + (¡b) (e) (¡a)b = ¡ab Sugest~oes. (b) Comece considerando que [(¡1) + 1] ¢ a = 0 ¢ a = 0 (justi¯que estes e os demais argumentos). (d) Calcule (a+b)+[(-a)+(-b)], usando as propriedades axiom¶aticas da adi»c~ao de inteiros. (e) Imite os procedimentos usados no item (b) 2. (a) Admita, no conjunto de axiomas dos n¶umeros inteiros, a propriedade a ¢ b = 0 ) a = 0 ou b = 0 em lugar da lei do cancelamento da multiplica»c~ao (p¶agina 2). Demonstre ent~ao a lei do cancelamento da multiplica»c~ao a partir de tal propriedade, admitindo as demais propriedades axiom¶aticas das opera»c~oes em Z. (b) Mostre que a lei do cancelamento da multiplica»c~ao n~ao precisa ser admitida como um axioma, pois ela ¶e um teorema que pode ser deduzido a partir da proposi»c~ao 1.1. Ou seja, mostre que a proposi»c~ao 1.1 tem como conseqÄu^encia a lei do cancelamento da multiplica»c~ao. 3. Complete a seguinte demonstra»c~ao de que (¡1)(¡1) = 1. Temos 0 ¢ 0 = 0. Temos ainda 1 + (¡1) = 0. Da¶³, [1 + (¡1)] ¢ [1 + (¡1)] = 0.
  • 6. Os n¶umeros inteiros 6 Agora use a propriedade distributiva da multiplica»c~ao sobre a adi»c~ao, e tenha em vista que 1 ¶e elemento neutro da multiplica»c~ao. 4. Use os axiomas da rela»c~ao <" em Z, bem como propriedades da adi»c~ao e da multiplica»c~ao em Z, para demonstrar que, sendo a, b e c inteiros, (a) Se a < b ent~ao ¡a > ¡b (b) c > 0 e ac < bc ) a < b (c) Se c < 0 e ac < bc ent~ao a > b (d) a2 + ab + b2 ¸ 0, (e) a2 + ab + b2 = 0 ) a = b = 0 (f) Se a < b ent~ao a3 < b3 (g) Se a3 < b3 ent~ao a < b (h) a < b 6) a2 < b2 Sugest~oes. (d) Mostre que 2(a2 + ab + b2 ) ¸ 0; (f) Fa»ca uso da fatora»c~ao a3 ¡ b3 = (a ¡ b)(a2 + ab + b2 ); (h) Para mostrar que n~ao vale a implica»c~ao a < b ) a2 < b2 ," mostre que existem inteiros a e b satisfazendo a < b e a2 ¸ b2 . 5. Para cada inteiro a, de¯ne-se o valor absoluto de a como sendo o inteiro jaj, dado por jaj = ½ a; se a ¸ 0 ¡a; se a < 0 Demonstre que, sendo a e b inteiros, (a) jaj ¸ 0; jaj = 0 , a = 0 (b) ¡ jaj · a · jaj (c) j¡aj = jaj (d) jabj = jajjbj (e) jaj · b , ¡b · a · b (f) ja § bj · jaj + jbj (g) jjaj ¡ jbjj · ja ¡ bj Sugest~oes. (e) Considere dois casos: (i) a ¸ 0 e (ii) a < 0. (f) Deduza que a + b · jaj + jbj, e ¡jaj ¡ jbj · a + b. Agora use o resultado do item (e); (g) A partir do item (f), deduza que jaj · ja¡bj+jbj, de onde jaj¡jbj · ja¡bj. Deduza tamb¶em que jbj · ja ¡ bj + jaj, e ent~ao jaj ¡ jbj ¸ ¡ja ¡ bj. Agora use o resultado do item (e). 6. Usando o princ¶³pio da boa ordena»c~ao do conjunto P dos inteiros positivos, demons- tre que o conjunto N = P [ f0g, dos n¶umeros naturais ¶e tamb¶em bem ordenado. 7. Usando o princ¶³pio da boa ordena»c~ao dos inteiros positivos, demonstre que n~ao existe um inteiro n satisfazendo 0 < n < 1. Sugest~ao. Suponha que, ao contr¶ario, existe um inteiro n satisfazendo 0 < n < 1. Considere o conjunto A de todos os inteiros x com 0 < x < 1. A ¶e subconjunto n~ao vazio de P (explique porqu^e). Mostre que A n~ao tem um menor elemento, pois se a 2 A, ent~ao a2 < a.
  • 7. Os n¶umeros inteiros 7 8. Mostre que, sendo a e b inteiros, se ab = 1 ent~ao a = b = §1. Sugest~ao. Mostre primeiramente que se a e b s~ao inteiros positivos e ab = 1 ent~ao a = b = 1. Para isto, suponha a e b inteiros positivos, com a 6= 1 e b 6= 1. Como n~ao existem inteiros entre 0 e 1, mostre que ab > 1. Conclua adequadamente sua demonstra»c~ao. 9. Se A ½ Z, dizemos que A ¶e limitado inferiormente se existe b 2 Z tal que x ¸ b para todo x 2 A. Mostre que todo conjunto A de inteiros, n~ao vazio, limitado inferiormente, tem um m¶³nimo, ou seja, existe a 2 A tal que x ¸ a, para todo x 2 A. Sugest~ao. Considere o conjunto C = fy 2 Z j y = x ¡ b; x 2 Ag. Mostre que C ½ N, e use o fato de que N ¶e bem ordenado. 10. Admita familiaridade com o conjunto R dos n¶umeros reais. Com rela»c~ao µa ordem <" estabelecida em R, dizemos que um subconjunto X de R ¶e bem-ordenado se todo subconjunto n~ao vazio de X possui um menor elemento ou m¶³nimo. De- termine quais dos seguintes subconjuntos de R ¶e bem-ordenado. Em caso a¯r- mativo, demonstre sua a¯rma»c~ao (usando, por exemplo, o fato de que o conjunto de inteiros positivos ¶e bem-ordenado). Em caso negativo, d^e um exemplo de um subconjunto (do conjunto dado) que n~ao possui um menor (ou primeiro) elemento. (a) o conjunto dos inteiros negativos; (b) o conjunto dos n¶umeros racionais n~ao negativos; (c) o conjunto dos inteiros pares positivos; (d) o conjunto dos n¶umeros racionais da forma a=2, com a inteiro positivo. 11. Admita familiaridade com n¶umeros racionais e irracionais. (a) Demonstre que a soma e o produto de dois n¶umeros racionais ¶e racional. (b) Demonstre ou d^e um contra-exemplo a cada uma das seguintes a¯rma»c~oes. i. A soma de um n¶umero racional e um n¶umero irracional ¶e irracional. ii. A soma de dois n¶umeros irracionais ¶e irracional. iii. O produto de um n¶umero racional e um n¶umero irracional ¶e irracional. iv. O produto de dois n¶umeros irracionais ¶e irracional. 12. Atrav¶es de uma pesquisa, fa»ca uma lista de propriedades do n¶umero real p 2. Fa»ca uma outra demonstra»c~ao de que p 2 ¶e irracional. 13. Demonstre que p 5 ¶e irracional. Sugest~ao. Tente imitar os passos da demonstra»c~ao de que p 2 ¶e irracional, teorema 1.3, ou crie sua pr¶opria demonstra»c~ao. 14. Atrav¶es de uma pesquisa, fa»ca uma lista de propriedades do n¶umero real p 5.