SlideShare uma empresa Scribd logo
Semana 10: Conjuntos
Disciplina: Estruturas Lógico - Dedutivas
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da igualdade de conjuntos
Igualdade de conjuntos
Exprime-se que o conjunto A não é igual ao conjunto B pela
notação usual: A ̸= B, que se lê: “A é diferente de B”.
Simbolicamente:
A ̸= B ⇔ ((∃x) (x ∈ A e x /
∈ B) ou (∃y) (y ∈ B e y /
∈ A))
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da igualdade de conjuntos
Igualdade de conjuntos
Exemplo
1 {5, 6, 7} = {7, 6, 5}
2 {x | x2 − 3x + 2 = 0} = {1, 2}
3 {x ∈ N | 5 < x < 9, x ̸= 7} = {x ∈ N | 5 < x < 9, x é par}
4 {1, 2} ̸= {1, 2, 3, 4}
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da igualdade de conjuntos
Propriedades da igualdade de conjuntos
A igualdade de conjuntos possui as seguintes propriedades:
(P1) Reflexiva: A = A
De fato:
1) (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ A)
2) (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ A)
3) (∀x)(x ∈ A ⇔ x ∈ A) [≡I 1, 2]
isto é A = A
(P2) Simétrica: A = B ⇒ B = A
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da igualdade de conjuntos
Propriedades da igualdade de conjuntos
(P3) Transitiva: A = B e B = C ⇒ A = C
De fato.
1) (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ B) [P]
2) (∀x)(x ∈ B ⇒ x ∈ C) [P]
3) A(a) ⇒ B(a) [EU1]
4) B(a) ⇒ C(a) [EU2]
5) A(a) ⇒ C(a)
6) (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ C) [≡IU 5]
Analogamente
7) (∀x)(x ∈ C ⇒ x ∈ A)
8) (∀x)(x ∈ C ⇔ x ∈ A) [≡I 6, 7]
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Relação de Inclusão
Dois conjuntos quaisquer podem ser comparados pela relação de
inclusão.
Definição
Diz-se que um conjunto A está contido num conjunto B se, e
somente se, todo elemento de A também é um elemento de B.
Indica-se que A está contido em B pela notação A ⊂ B, que se lê:
“A está contido em B”.
Simbolicamente,temos:
A ⊂ B ⇔ (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ B)
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Relação de Inclusão
Quando A está contido em B também se diz que B contém A, o
que se indica pela notação B ⊃ A, que se lê: “B contém A”.
A negação de A ⊂ B indica-se pela notação A ⊂
/B, que se lê: “A
não está contido em B”.
É evidente que A ⊂
/ B se, e somente se, existe ao menos um
elemento de A que não é elemento de B, isto é , simbolicamente:
A ⊂
/ B ⇔ (∃x)(x ∈ A e x /
∈ B)
Com o mesmo significado de A ⊂
/ B, escreve-se B ⊃
/ A, que se lê
“B não contém A”.
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Relação de Inclusão
Exemplo
1 {1, 2} ⊂ {1, 2, 5} ; {1, 5, 7} ⊂ {7, 1, 5}
2 O conjunto P dos números naturais pares está contido no
conjunto N dos números naturais: P ⊂ N.
3 O conjunto A dos números naturais terminados por 5
estácontido no conjunto B dos números naturais divisı́veis por
5: A ⊂ B.
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Propriedades da Relação de Inclusão
A relação de inclusão possui as seguintes propriedades:
(P1) Reflexiva: A ⊂ A
(∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ A), isto é A ⊂ A
A inclusão não exclui, pois a igualdade. Se A ⊂ B e A ̸= B,
diz-se que a inclusão é estrita e que A está contido
estritamente em B.
(P2) Transitiva:A ⊂ B e B ⊂ C ⇒ A ⊂ C
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Propriedades da Relação de Inclusão
(P3) Anti-simétrica: A ⊂ B e B ⊂ A ⇒ A = B Reciprocamente, é
óbvio: A = B ⇒ A ⊂ B e B ⊂ A
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Propriedades da Relação de Inclusão
(P4) O conjunto vazio está contido em qualquer conjunto A, isto é,
(∀A)(∅ ⊂ A).
Com efeito, suponhamos que ∅ ⊂
/ A. Então, existe x tal que
x ∈ ∅ e x /
∈ A. Mas, qualquer que seja x, x /
∈ ∅. Assim sendo,
temos a contradição: x ∈ ∅ e x /
∈ ∅. Logo, ∅ ⊂ A.
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Propriedades da Relação de Inclusão
(P5) Qualquer que seja o conjunto A num universo U, A está
contido em U, isto é, (∀A)(A ⊂ U).
Com efeito, obviamente:
(∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ U), isto é A ⊂ U
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Propriedades da Relação de Inclusão
Observação
(I) A propriedade anti-simétrica da relação de inclusão fornece o
método usual de demonstração da igualdade de dois
conjuntos. Para demonstrar que um conjunto A é igual a um
conjunto B, basta estabelecer sucesivamente que A está
contido em B (A ⊂ B) e que B está contido em A (B ⊂ A),
isto é, estabelecer que verificam simultaneamente as inclusões
A ⊂ B e B ⊂ A.
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Propriedades da Relação de Inclusão
Observação
(II) Importa distinguir cuidadosamente a relação de pertinência
(∈) da relação de inclusão (⊂). A pertinência é uma relação
entre elemento e conjunto e a inclusão é uma relação entre
conjuntos.
Assim, por exemplo, as sentenças:
2 ∈ {1, 2, 3} e {2} ⊂ {1, 2, 3}
são verdadeiras (V), mas as sentenças:
2 ⊂ {1, 2, 3} e {2} ∈ {1, 2, 3}
são falsas (F).
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades da Relação de Inclusão
Complementar de um subconjunto
Definição
Chama-se complemetar de A, o conjunto de todos os elementos de
U que não pertencem a A
A
′
= {x : x ∈ U e x /
∈ A}
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Subconjuntos
Definição
Todo conjunto A que está contido num conjunto B ( A ⊂ B),
diz-se subconjunto.
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Subconjuntos
Se, em particular, A ⊂ B e, além disso, A não é vazio e é diferente de B
(A ̸= ∅ e A ̸= B), então diz-se que A é subconjunto próprio de B ou que
A é a parte própria de B. Neste caso, todo elemento de A é elemento de
B e existe ao menos um elemento de B que não pertence a A.
Exemplo
1 O conjunto A = {1, 2, 3} é subconjunto próprio do conjunto
B = {1, 2, 3, 5, 7}.
2 Todo número natural que é múltiplo de 6. ( por exemplo,
6, 12, 18, . . .) também é múltiplo de 3, mas há números naturais
múltiplos de 3 que não são múltiplos de 6. (por exemplo,
3, 9, 15, . . .). Logo, o conjunto M(6) dos números naturais múltiplos
de 6 é subconjunto próprio do conjunto M(3) dos números naturais
múltiplos de 3.
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Subconjuntos de um conjunto finito
Dado um conjunto finito com n elementos, os seus subconjuntos
são todos finitos e encerram, quando muito n elementos.
Exemplo
Todos os subconjuntos do conjunto {1, 2, 3} são:
∅, {1}, {2}, {3}, {1, 2}, {1, 3}, {2, 3}, {1, 2, 3}
Observe-se que o conjunto {1, 2, 3}, com três elementos, tem
exatamente 8 = 23 subconjuntos, dos quais 23 − 2 = 6 são
subconjuntos próprios.
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Conjunto das partes de um conjunto
Definição
Chama-se conjunto das partes de um conjunto E o conjunto cujos
elementos são todas as partes de E, inclusive a parte cheia E e a
parte vazia ∅ ( partes triviais de E).
O conjunto das partes de E representa-se por P(E) e, por
definição, os seus elementos são todos os conjuntos X tais que
X ⊂ E, isto é, simbolicamente:
P(E) = {X | X ⊂ E}
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Conjunto das partes de um conjunto
Subsistem, pois, as propriedades:
X ⊂ E ⇔ X ∈ P(E)
a ∈ E ⇔ {a} ⊂ P(E)
e as relações:
∅ ∈ P(E), E ∈ P(E)
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Conjunto das partes de um conjunto
Exemplo
1 P({a}) = {∅, {a}}
2 P({a, b}) = {∅, {a}, {b}, {a, b}}
3 P(∅) = {∅}; P({∅}) = {∅, {∅}}
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Conjunto das partes de um conjunto
Teorema
Quaisquer que sejam os conjuntos E e F, tem-se:
E ⊂ F ⇔ P(E) ⊂ P(F)
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Complementar de um subconjunto
Seja A uma parte de um conjunto E ( A ⊂ E).
Definição
Chama-se complementar de A em relação a E ou complemento de
A em relação a E, o conjunto de todos os elementos de E que não
pertencem a A.
O complementar de A em relação a E é, pela sua definição, um
subconjunto de E ( CE A ⊂ E).
O conjunto E, em relação ao qual se determina o complementar,
chama-se conjunto de referência ou referencial.
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Complementar de um subconjunto
Dado um conjunto A, a passagem de A ao seu complementar é
uma operação cujo resultado depende do referencial considerado,
pois a mudança deste implica modificação no complementar de A.
Num dado universo U, pode-se falar simplesmente em
complementar de um conjunto A, ficando subentendido que se
trata do complementar em relação a U, e representá-lo pela
notação usual A′ ( A′ = CUA).
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Complementar de um subconjunto
Exemplo
1 Sejam os conjuntos:
E = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} A = {2, 4, 6, 8}
B = {1, 3, 5, 7, 9} C = {2, 3, 5, 7}
Temos: CE A = B; CE B = A; CE C = {1, 4, 6, 8, 9}.
2 Seja E o conjunto dos números naturais divisı́veis por 5 e A o
conjunto dos números naturais terminados por 5. Temos
CE A = {x ∈ N | x termina por 0}
3 Os complementares respectivos do conjunto unitário {0} em
relação aos conjuntos Z, Q e R são os conjuntos Z∗, Q∗ e R∗
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades do complementar
Sejam A e B partes de um conjunto E (A, B ⊂ E).
(P1) CE ∅ = E
(P2) CE E = ∅
(P3) CE (CE A) = A
(P4) A ⊂ B ⇔ CE A ⊃ CE B
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
Igualdade de conjuntos
Relação de Inclusão
Subconjuntos
Propriedades do complementar
Observação
Para conjuntos quaisquer A e B num universo U, temos:
∅′
= U, U′
= ∅, (A′
)′
= A, A ⊂ B ⇔ A′
⊃ B′
Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semana 13
Semana 13 Semana 13
Semana 13
Carlos Campani
 
Corpo reais
Corpo reaisCorpo reais
Corpo reais
Josué Sebastian
 
Matematica discreta - estruturas algebricas
Matematica discreta -  estruturas algebricasMatematica discreta -  estruturas algebricas
Matematica discreta - estruturas algebricas
Universidade de Pernambuco
 
Ma12 20160512-wa0001
Ma12 20160512-wa0001Ma12 20160512-wa0001
Ma12 20160512-wa0001
Jair Ferreira
 
Matemática Discreta - Parte V relações
Matemática Discreta - Parte V relaçõesMatemática Discreta - Parte V relações
Matemática Discreta - Parte V relações
Ulrich Schiel
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
Luciano Bittencourt de Abreu
 
Nota aula 01
Nota aula 01Nota aula 01
Nota aula 01
Pitterpp
 
33379
3337933379
Relacoes matematicas
Relacoes matematicasRelacoes matematicas
Relacoes matematicas
gabaritocontabil
 
Estruturas algébricas
Estruturas algébricasEstruturas algébricas
Estruturas algébricas
Universidade de Pernambuco
 
Relações
RelaçõesRelações
Relações
Chromus Master
 
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
W. Carvalho Carvalho
 
Algebra
AlgebraAlgebra
Intro teoria dos numeros cap1
Intro teoria dos numeros cap1Intro teoria dos numeros cap1
Intro teoria dos numeros cap1
Paulo Martins
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
Chromus Master
 
Relaçõese ordem parcial cor
Relaçõese ordem parcial corRelaçõese ordem parcial cor
Relaçõese ordem parcial cor
Universidade de Pernambuco
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
06 conjuntos - operaes
06 conjuntos - operaes06 conjuntos - operaes
06 conjuntos - operaes
resolvidos
 
Semana 12
Semana 12Semana 12
Semana 12
Carlos Campani
 
Cap02 aula02 variavel_complexa_funcoes
Cap02 aula02 variavel_complexa_funcoesCap02 aula02 variavel_complexa_funcoes
Cap02 aula02 variavel_complexa_funcoes
Jose Reginaldo
 

Mais procurados (20)

Semana 13
Semana 13 Semana 13
Semana 13
 
Corpo reais
Corpo reaisCorpo reais
Corpo reais
 
Matematica discreta - estruturas algebricas
Matematica discreta -  estruturas algebricasMatematica discreta -  estruturas algebricas
Matematica discreta - estruturas algebricas
 
Ma12 20160512-wa0001
Ma12 20160512-wa0001Ma12 20160512-wa0001
Ma12 20160512-wa0001
 
Matemática Discreta - Parte V relações
Matemática Discreta - Parte V relaçõesMatemática Discreta - Parte V relações
Matemática Discreta - Parte V relações
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
 
Nota aula 01
Nota aula 01Nota aula 01
Nota aula 01
 
33379
3337933379
33379
 
Relacoes matematicas
Relacoes matematicasRelacoes matematicas
Relacoes matematicas
 
Estruturas algébricas
Estruturas algébricasEstruturas algébricas
Estruturas algébricas
 
Relações
RelaçõesRelações
Relações
 
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
Apostilade precalculodiferencialeintegral(1) (1)
 
Algebra
AlgebraAlgebra
Algebra
 
Intro teoria dos numeros cap1
Intro teoria dos numeros cap1Intro teoria dos numeros cap1
Intro teoria dos numeros cap1
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
 
Relaçõese ordem parcial cor
Relaçõese ordem parcial corRelaçõese ordem parcial cor
Relaçõese ordem parcial cor
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
06 conjuntos - operaes
06 conjuntos - operaes06 conjuntos - operaes
06 conjuntos - operaes
 
Semana 12
Semana 12Semana 12
Semana 12
 
Cap02 aula02 variavel_complexa_funcoes
Cap02 aula02 variavel_complexa_funcoesCap02 aula02 variavel_complexa_funcoes
Cap02 aula02 variavel_complexa_funcoes
 

Semelhante a Semana 10

Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
Carlos Campani
 
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Antonio Tatero Spindler
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos   Teoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
Luciano Pessanha
 
TEORIA DE CONJUNTOS
TEORIA DE CONJUNTOS TEORIA DE CONJUNTOS
TEORIA DE CONJUNTOS
Luciano Pessanha
 
Apostila 001 conjuntos operações
Apostila  001 conjuntos operaçõesApostila  001 conjuntos operações
Apostila 001 conjuntos operações
con_seguir
 
Matemática - Aula 1
Matemática - Aula 1Matemática - Aula 1
Matemática - Aula 1
IBEST ESCOLA
 
01 teoria-dos-conjuntos1
01 teoria-dos-conjuntos101 teoria-dos-conjuntos1
01 teoria-dos-conjuntos1
Bernardo José Pica
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
Mônica Almeida
 
7463_APOSTILA_Matematica_Prof_Roberto.pdf
7463_APOSTILA_Matematica_Prof_Roberto.pdf7463_APOSTILA_Matematica_Prof_Roberto.pdf
7463_APOSTILA_Matematica_Prof_Roberto.pdf
JoseJoanicioBenevinu1
 
Wania regia 5º aula
Wania regia     5º aulaWania regia     5º aula
Wania regia 5º aula
Wania Regia Borges Gogia
 
Aula 01 conjuntos
Aula 01   conjuntosAula 01   conjuntos
Aula 01 conjuntos
Professor Serginho
 
Aula02-teoConj.pptx
Aula02-teoConj.pptxAula02-teoConj.pptx
Aula02-teoConj.pptx
EizoKato
 
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
yusayakytakashyxavie
 
Dicas quentes conjuntos
Dicas quentes conjuntosDicas quentes conjuntos
Dicas quentes conjuntos
trigono_metria
 
Matemática discreta 1: alfabeto palavras e conjuntos
Matemática discreta 1: alfabeto palavras e conjuntosMatemática discreta 1: alfabeto palavras e conjuntos
Matemática discreta 1: alfabeto palavras e conjuntos
EdsonArlindoNhatuve
 
Conjuntos1
Conjuntos1Conjuntos1
Conjuntos1
Raquel Almeida
 
00Capítulo 2-conjuntos (1)
00Capítulo 2-conjuntos (1)00Capítulo 2-conjuntos (1)
00Capítulo 2-conjuntos (1)
Samira Carla Damasceno Carla
 
Conjuntos Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
Conjuntos Autor Antonio Carlos Carneiro BarrosoConjuntos Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
Conjuntos Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
guestbf5561
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
Ronoaldo Cavalcante
 
Conjuntos Numéricos - parte 1
Conjuntos Numéricos - parte 1Conjuntos Numéricos - parte 1
Conjuntos Numéricos - parte 1
Carlos Eduardo Rigoti
 

Semelhante a Semana 10 (20)

Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
Slide teoria dos conjuntos e conjuntos numéricos terceirão 1
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos   Teoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
 
TEORIA DE CONJUNTOS
TEORIA DE CONJUNTOS TEORIA DE CONJUNTOS
TEORIA DE CONJUNTOS
 
Apostila 001 conjuntos operações
Apostila  001 conjuntos operaçõesApostila  001 conjuntos operações
Apostila 001 conjuntos operações
 
Matemática - Aula 1
Matemática - Aula 1Matemática - Aula 1
Matemática - Aula 1
 
01 teoria-dos-conjuntos1
01 teoria-dos-conjuntos101 teoria-dos-conjuntos1
01 teoria-dos-conjuntos1
 
Conjuntos
ConjuntosConjuntos
Conjuntos
 
7463_APOSTILA_Matematica_Prof_Roberto.pdf
7463_APOSTILA_Matematica_Prof_Roberto.pdf7463_APOSTILA_Matematica_Prof_Roberto.pdf
7463_APOSTILA_Matematica_Prof_Roberto.pdf
 
Wania regia 5º aula
Wania regia     5º aulaWania regia     5º aula
Wania regia 5º aula
 
Aula 01 conjuntos
Aula 01   conjuntosAula 01   conjuntos
Aula 01 conjuntos
 
Aula02-teoConj.pptx
Aula02-teoConj.pptxAula02-teoConj.pptx
Aula02-teoConj.pptx
 
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
01-teoria-dos-conjuntos1.pdf
 
Dicas quentes conjuntos
Dicas quentes conjuntosDicas quentes conjuntos
Dicas quentes conjuntos
 
Matemática discreta 1: alfabeto palavras e conjuntos
Matemática discreta 1: alfabeto palavras e conjuntosMatemática discreta 1: alfabeto palavras e conjuntos
Matemática discreta 1: alfabeto palavras e conjuntos
 
Conjuntos1
Conjuntos1Conjuntos1
Conjuntos1
 
00Capítulo 2-conjuntos (1)
00Capítulo 2-conjuntos (1)00Capítulo 2-conjuntos (1)
00Capítulo 2-conjuntos (1)
 
Conjuntos Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
Conjuntos Autor Antonio Carlos Carneiro BarrosoConjuntos Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
Conjuntos Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
 
Conjuntos Numéricos - parte 1
Conjuntos Numéricos - parte 1Conjuntos Numéricos - parte 1
Conjuntos Numéricos - parte 1
 

Mais de Carlos Campani

Técnicas de integração
Técnicas de integraçãoTécnicas de integração
Técnicas de integração
Carlos Campani
 
Lista de exercícios 3
Lista de exercícios 3Lista de exercícios 3
Lista de exercícios 3
Carlos Campani
 
Lista de exercícios 2
Lista de exercícios 2Lista de exercícios 2
Lista de exercícios 2
Carlos Campani
 
Aplicações da integração
Aplicações da integraçãoAplicações da integração
Aplicações da integração
Carlos Campani
 
Lista de exercícios 1
Lista de exercícios 1Lista de exercícios 1
Lista de exercícios 1
Carlos Campani
 
Integral
IntegralIntegral
Integral
Carlos Campani
 
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃOANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
Carlos Campani
 
PROPRIEDADES DAS FUNÇÕES
PROPRIEDADES DAS FUNÇÕESPROPRIEDADES DAS FUNÇÕES
PROPRIEDADES DAS FUNÇÕES
Carlos Campani
 
Funções, suas propriedades e gráfico
Funções, suas propriedades e gráficoFunções, suas propriedades e gráfico
Funções, suas propriedades e gráfico
Carlos Campani
 
Solução de equações modulares
Solução de equações modularesSolução de equações modulares
Solução de equações modulares
Carlos Campani
 
Equações polinomiais
Equações polinomiaisEquações polinomiais
Equações polinomiais
Carlos Campani
 
PROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMASPROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMAS
Carlos Campani
 
Instruções de Aprendiz
Instruções de AprendizInstruções de Aprendiz
Instruções de Aprendiz
Carlos Campani
 
Álgebra básica, potenciação, notação científica, radiciação, polinômios, fato...
Álgebra básica, potenciação, notação científica, radiciação, polinômios, fato...Álgebra básica, potenciação, notação científica, radiciação, polinômios, fato...
Álgebra básica, potenciação, notação científica, radiciação, polinômios, fato...
Carlos Campani
 
Iezzi solcos
Iezzi solcosIezzi solcos
Iezzi solcos
Carlos Campani
 
Iezzi93 109
Iezzi93 109Iezzi93 109
Iezzi93 109
Carlos Campani
 
Iezzi24 35
Iezzi24 35Iezzi24 35
Iezzi24 35
Carlos Campani
 
Equações
EquaçõesEquações
Equações
Carlos Campani
 
Indução Matemática - Exemplos
Indução Matemática - ExemplosIndução Matemática - Exemplos
Indução Matemática - Exemplos
Carlos Campani
 
Indução Matemática
Indução MatemáticaIndução Matemática
Indução Matemática
Carlos Campani
 

Mais de Carlos Campani (20)

Técnicas de integração
Técnicas de integraçãoTécnicas de integração
Técnicas de integração
 
Lista de exercícios 3
Lista de exercícios 3Lista de exercícios 3
Lista de exercícios 3
 
Lista de exercícios 2
Lista de exercícios 2Lista de exercícios 2
Lista de exercícios 2
 
Aplicações da integração
Aplicações da integraçãoAplicações da integração
Aplicações da integração
 
Lista de exercícios 1
Lista de exercícios 1Lista de exercícios 1
Lista de exercícios 1
 
Integral
IntegralIntegral
Integral
 
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃOANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
 
PROPRIEDADES DAS FUNÇÕES
PROPRIEDADES DAS FUNÇÕESPROPRIEDADES DAS FUNÇÕES
PROPRIEDADES DAS FUNÇÕES
 
Funções, suas propriedades e gráfico
Funções, suas propriedades e gráficoFunções, suas propriedades e gráfico
Funções, suas propriedades e gráfico
 
Solução de equações modulares
Solução de equações modularesSolução de equações modulares
Solução de equações modulares
 
Equações polinomiais
Equações polinomiaisEquações polinomiais
Equações polinomiais
 
PROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMASPROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMAS
 
Instruções de Aprendiz
Instruções de AprendizInstruções de Aprendiz
Instruções de Aprendiz
 
Álgebra básica, potenciação, notação científica, radiciação, polinômios, fato...
Álgebra básica, potenciação, notação científica, radiciação, polinômios, fato...Álgebra básica, potenciação, notação científica, radiciação, polinômios, fato...
Álgebra básica, potenciação, notação científica, radiciação, polinômios, fato...
 
Iezzi solcos
Iezzi solcosIezzi solcos
Iezzi solcos
 
Iezzi93 109
Iezzi93 109Iezzi93 109
Iezzi93 109
 
Iezzi24 35
Iezzi24 35Iezzi24 35
Iezzi24 35
 
Equações
EquaçõesEquações
Equações
 
Indução Matemática - Exemplos
Indução Matemática - ExemplosIndução Matemática - Exemplos
Indução Matemática - Exemplos
 
Indução Matemática
Indução MatemáticaIndução Matemática
Indução Matemática
 

Semana 10

  • 1. Semana 10: Conjuntos Disciplina: Estruturas Lógico - Dedutivas
  • 2. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da igualdade de conjuntos Igualdade de conjuntos Exprime-se que o conjunto A não é igual ao conjunto B pela notação usual: A ̸= B, que se lê: “A é diferente de B”. Simbolicamente: A ̸= B ⇔ ((∃x) (x ∈ A e x / ∈ B) ou (∃y) (y ∈ B e y / ∈ A)) Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 3. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da igualdade de conjuntos Igualdade de conjuntos Exemplo 1 {5, 6, 7} = {7, 6, 5} 2 {x | x2 − 3x + 2 = 0} = {1, 2} 3 {x ∈ N | 5 < x < 9, x ̸= 7} = {x ∈ N | 5 < x < 9, x é par} 4 {1, 2} ̸= {1, 2, 3, 4} Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 4. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da igualdade de conjuntos Propriedades da igualdade de conjuntos A igualdade de conjuntos possui as seguintes propriedades: (P1) Reflexiva: A = A De fato: 1) (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ A) 2) (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ A) 3) (∀x)(x ∈ A ⇔ x ∈ A) [≡I 1, 2] isto é A = A (P2) Simétrica: A = B ⇒ B = A Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 5. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da igualdade de conjuntos Propriedades da igualdade de conjuntos (P3) Transitiva: A = B e B = C ⇒ A = C De fato. 1) (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ B) [P] 2) (∀x)(x ∈ B ⇒ x ∈ C) [P] 3) A(a) ⇒ B(a) [EU1] 4) B(a) ⇒ C(a) [EU2] 5) A(a) ⇒ C(a) 6) (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ C) [≡IU 5] Analogamente 7) (∀x)(x ∈ C ⇒ x ∈ A) 8) (∀x)(x ∈ C ⇔ x ∈ A) [≡I 6, 7] Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 6. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Relação de Inclusão Dois conjuntos quaisquer podem ser comparados pela relação de inclusão. Definição Diz-se que um conjunto A está contido num conjunto B se, e somente se, todo elemento de A também é um elemento de B. Indica-se que A está contido em B pela notação A ⊂ B, que se lê: “A está contido em B”. Simbolicamente,temos: A ⊂ B ⇔ (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ B) Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 7. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Relação de Inclusão Quando A está contido em B também se diz que B contém A, o que se indica pela notação B ⊃ A, que se lê: “B contém A”. A negação de A ⊂ B indica-se pela notação A ⊂ /B, que se lê: “A não está contido em B”. É evidente que A ⊂ / B se, e somente se, existe ao menos um elemento de A que não é elemento de B, isto é , simbolicamente: A ⊂ / B ⇔ (∃x)(x ∈ A e x / ∈ B) Com o mesmo significado de A ⊂ / B, escreve-se B ⊃ / A, que se lê “B não contém A”. Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 8. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Relação de Inclusão Exemplo 1 {1, 2} ⊂ {1, 2, 5} ; {1, 5, 7} ⊂ {7, 1, 5} 2 O conjunto P dos números naturais pares está contido no conjunto N dos números naturais: P ⊂ N. 3 O conjunto A dos números naturais terminados por 5 estácontido no conjunto B dos números naturais divisı́veis por 5: A ⊂ B. Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 9. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Propriedades da Relação de Inclusão A relação de inclusão possui as seguintes propriedades: (P1) Reflexiva: A ⊂ A (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ A), isto é A ⊂ A A inclusão não exclui, pois a igualdade. Se A ⊂ B e A ̸= B, diz-se que a inclusão é estrita e que A está contido estritamente em B. (P2) Transitiva:A ⊂ B e B ⊂ C ⇒ A ⊂ C Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 10. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Propriedades da Relação de Inclusão (P3) Anti-simétrica: A ⊂ B e B ⊂ A ⇒ A = B Reciprocamente, é óbvio: A = B ⇒ A ⊂ B e B ⊂ A Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 11. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Propriedades da Relação de Inclusão (P4) O conjunto vazio está contido em qualquer conjunto A, isto é, (∀A)(∅ ⊂ A). Com efeito, suponhamos que ∅ ⊂ / A. Então, existe x tal que x ∈ ∅ e x / ∈ A. Mas, qualquer que seja x, x / ∈ ∅. Assim sendo, temos a contradição: x ∈ ∅ e x / ∈ ∅. Logo, ∅ ⊂ A. Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 12. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Propriedades da Relação de Inclusão (P5) Qualquer que seja o conjunto A num universo U, A está contido em U, isto é, (∀A)(A ⊂ U). Com efeito, obviamente: (∀x)(x ∈ A ⇒ x ∈ U), isto é A ⊂ U Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 13. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Propriedades da Relação de Inclusão Observação (I) A propriedade anti-simétrica da relação de inclusão fornece o método usual de demonstração da igualdade de dois conjuntos. Para demonstrar que um conjunto A é igual a um conjunto B, basta estabelecer sucesivamente que A está contido em B (A ⊂ B) e que B está contido em A (B ⊂ A), isto é, estabelecer que verificam simultaneamente as inclusões A ⊂ B e B ⊂ A. Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 14. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Propriedades da Relação de Inclusão Observação (II) Importa distinguir cuidadosamente a relação de pertinência (∈) da relação de inclusão (⊂). A pertinência é uma relação entre elemento e conjunto e a inclusão é uma relação entre conjuntos. Assim, por exemplo, as sentenças: 2 ∈ {1, 2, 3} e {2} ⊂ {1, 2, 3} são verdadeiras (V), mas as sentenças: 2 ⊂ {1, 2, 3} e {2} ∈ {1, 2, 3} são falsas (F). Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 15. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades da Relação de Inclusão Complementar de um subconjunto Definição Chama-se complemetar de A, o conjunto de todos os elementos de U que não pertencem a A A ′ = {x : x ∈ U e x / ∈ A} Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 16. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Subconjuntos Definição Todo conjunto A que está contido num conjunto B ( A ⊂ B), diz-se subconjunto. Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 17. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Subconjuntos Se, em particular, A ⊂ B e, além disso, A não é vazio e é diferente de B (A ̸= ∅ e A ̸= B), então diz-se que A é subconjunto próprio de B ou que A é a parte própria de B. Neste caso, todo elemento de A é elemento de B e existe ao menos um elemento de B que não pertence a A. Exemplo 1 O conjunto A = {1, 2, 3} é subconjunto próprio do conjunto B = {1, 2, 3, 5, 7}. 2 Todo número natural que é múltiplo de 6. ( por exemplo, 6, 12, 18, . . .) também é múltiplo de 3, mas há números naturais múltiplos de 3 que não são múltiplos de 6. (por exemplo, 3, 9, 15, . . .). Logo, o conjunto M(6) dos números naturais múltiplos de 6 é subconjunto próprio do conjunto M(3) dos números naturais múltiplos de 3. Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 18. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Subconjuntos de um conjunto finito Dado um conjunto finito com n elementos, os seus subconjuntos são todos finitos e encerram, quando muito n elementos. Exemplo Todos os subconjuntos do conjunto {1, 2, 3} são: ∅, {1}, {2}, {3}, {1, 2}, {1, 3}, {2, 3}, {1, 2, 3} Observe-se que o conjunto {1, 2, 3}, com três elementos, tem exatamente 8 = 23 subconjuntos, dos quais 23 − 2 = 6 são subconjuntos próprios. Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 19. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Conjunto das partes de um conjunto Definição Chama-se conjunto das partes de um conjunto E o conjunto cujos elementos são todas as partes de E, inclusive a parte cheia E e a parte vazia ∅ ( partes triviais de E). O conjunto das partes de E representa-se por P(E) e, por definição, os seus elementos são todos os conjuntos X tais que X ⊂ E, isto é, simbolicamente: P(E) = {X | X ⊂ E} Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 20. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Conjunto das partes de um conjunto Subsistem, pois, as propriedades: X ⊂ E ⇔ X ∈ P(E) a ∈ E ⇔ {a} ⊂ P(E) e as relações: ∅ ∈ P(E), E ∈ P(E) Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 21. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Conjunto das partes de um conjunto Exemplo 1 P({a}) = {∅, {a}} 2 P({a, b}) = {∅, {a}, {b}, {a, b}} 3 P(∅) = {∅}; P({∅}) = {∅, {∅}} Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 22. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Conjunto das partes de um conjunto Teorema Quaisquer que sejam os conjuntos E e F, tem-se: E ⊂ F ⇔ P(E) ⊂ P(F) Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 23. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Complementar de um subconjunto Seja A uma parte de um conjunto E ( A ⊂ E). Definição Chama-se complementar de A em relação a E ou complemento de A em relação a E, o conjunto de todos os elementos de E que não pertencem a A. O complementar de A em relação a E é, pela sua definição, um subconjunto de E ( CE A ⊂ E). O conjunto E, em relação ao qual se determina o complementar, chama-se conjunto de referência ou referencial. Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 24. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Complementar de um subconjunto Dado um conjunto A, a passagem de A ao seu complementar é uma operação cujo resultado depende do referencial considerado, pois a mudança deste implica modificação no complementar de A. Num dado universo U, pode-se falar simplesmente em complementar de um conjunto A, ficando subentendido que se trata do complementar em relação a U, e representá-lo pela notação usual A′ ( A′ = CUA). Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 25. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Complementar de um subconjunto Exemplo 1 Sejam os conjuntos: E = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} A = {2, 4, 6, 8} B = {1, 3, 5, 7, 9} C = {2, 3, 5, 7} Temos: CE A = B; CE B = A; CE C = {1, 4, 6, 8, 9}. 2 Seja E o conjunto dos números naturais divisı́veis por 5 e A o conjunto dos números naturais terminados por 5. Temos CE A = {x ∈ N | x termina por 0} 3 Os complementares respectivos do conjunto unitário {0} em relação aos conjuntos Z, Q e R são os conjuntos Z∗, Q∗ e R∗ Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 26. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades do complementar Sejam A e B partes de um conjunto E (A, B ⊂ E). (P1) CE ∅ = E (P2) CE E = ∅ (P3) CE (CE A) = A (P4) A ⊂ B ⇔ CE A ⊃ CE B Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10
  • 27. Igualdade de conjuntos Relação de Inclusão Subconjuntos Propriedades do complementar Observação Para conjuntos quaisquer A e B num universo U, temos: ∅′ = U, U′ = ∅, (A′ )′ = A, A ⊂ B ⇔ A′ ⊃ B′ Prof. Liliana Olga Jurado Cerron Semana 10