SlideShare uma empresa Scribd logo
7
Equa»c~oes diofantinas lineares
Considere o seguinte problema. Se um trabalhador recebe 510 reais em t¶³quetes de
alimenta»c~ao, com valores de 20 reais ou 50 reais cada t¶³quete, de quantas formas pode
ser formado o carn^e de t¶³quetes desse trabalhador ?
Se x denota a quantidade de t¶³quetes de 20 reais e se y denota a quantidade de
t¶³quetes de 50 reais ent~ao a equa»c~ao 20x+50y = 510 deve ser satisfeita e o problema ¶e
resolvido determinando-se todas as solu»c~oes inteiras n~ao negativas desta equa»c~ao. Esta
equa»c~ao ¶e um exemplo de equa»c~ao linear diofantina em duas inc¶ognitas.
Como outro problema de ilustra»c~ao, se o custo da postagem de uma encomenda ¶e
de 83 centavos e devemos usar selos de 6 e de 15 centavos, como combinar os selos na
postagem ? Se x denota a quantidade de selos de 6 centavos e se y denota a quantidade
de selos de 15 centavos ent~ao a equa»c~ao 6x + 15y = 85 deve ser satisfeita e o problema
¶e resolvido determinando-se todas as solu»c~oes inteiras n~ao negativas de tal equa»c~ao.
Equa»c~oes polinomiais, em v¶arias inc¶ognitas, com coe¯cientes inteiros (ou racio-
nais), das quais se buscam solu»c~oes restritas ao conjunto dos n¶umeros inteiros, s~ao habi-
tualmente denominadas de equa»c~oes diofantinas, em refer^encia a Diofanto de Alexandria,
algebrista grego do s¶eculo 2, que estudou extensamente, em seu livro Arithmetica, a
obten»c~ao de solu»c~oes racionais de equa»c~oes polinomiais, com coe¯cientes racionais, em
v¶arias inc¶ognitas. Fermat foi um estudioso sistem¶atico desse livro, tendo anotado, em
uma de suas p¶aginas, sua famosa conjectura, agora teorema, o ¶ultimo teorema de
Fermat", que declara que n~ao existem inteiros positivos x, y e z satisfazendo xn
+ yn
=
zn
, quando n ¸ 3.
O problema de se determinar inteiros x1, x2, : : : , xn, satisfazendo uma equa»c~ao
da forma a1x1 + a2x2 + ¢ ¢ ¢ + anxn = b, sendo a1, a2, : : : , an e b n¶umeros inteiros (ou
racionais) ¶e o que chamamos de uma equa»c~ao diofantina linear.
Neste cap¶³tulo, estudaremos a equa»c~ao linear diofantina em duas inc¶ognitas x e
y, ax + by = c, sendo a, b e c n¶umeros inteiros. Desenvolveremos ainda considera»c~oes
estrat¶egicas para a obten»c~ao de solu»c~oes de equa»c~oes lineares diofantinas em tr^es ou
mais inc¶ognitas.
59
Equac»~oes diofantinas lineares 60
Proposi»c~ao 7.1 Sejam a, b e c n¶umeros inteiros. A equa»c~ao diofantina ax + by = c
possui solu»c~ao se e somente se mdc(a; b) divide c.
Demonstra»c~ao.
()) Suponhamos que (x0; y0) ¶e um par de inteiros satisfazento ax0 + by0 = c.
Sendo d = mdc(a; b), temos que d j a e d j b. Logo d j (ax0 + by0), ou seja, d j c.
(() Seja d = mdc(a; b) e suponhamos que d j c. Ent~ao c = d ¢ °, para algum ° 2 Z.
Pelo teorema 6.1, cap¶³tulo 6, existem inteiros r e s tais que ra + sb = d.
Logo, ra° + sb° = d°, ou seja a(r°) + b(s°) = c, e assim (x0; y0) = (r°; s°) ¶e
solu»c~ao de ax + by = c.
Proposi»c~ao 7.2 Sendo a e b inteiros, e mdc(a; b) = 1, as solu»c~oes da equa»c~ao dio-
fantina ax + by = 0 s~ao dadas pelas equa»c~oes param¶etricas
½
x = bt
y = ¡at
(t 2 Z)
Demonstra»c~ao. Se x = bt e y = ¡at, ent~ao
ax + by = a(bt) + b(¡at) = abt ¡ abt = 0
Assim, ¶e imediato ver que as equa»c~oes param¶etricas x = bt e y = ¡at, com t 2 Z, nos
d~ao solu»c~oes da equa»c~ao diofantina ax + by = 0.
Suponhamos agora que x e y s~ao inteiros satisfazendo ax + by = 0. Ent~ao
ax = ¡by. Logo b j (ax). Como a e b s~ao primos entre si, pela proposi»c~ao 6.2, cap¶³tulo
6, temos que b j x.
Existe ent~ao t 2 Z tal que x = bt. Substituindo x = bt em ax = ¡by, obtemos
y = ¡at.
Portanto, x = bt e y = ¡at, para algum t 2 Z.
A equa»c~ao diofantina ax +by = 0 ¶e o que chamamos de equa»c~ao linear diofantina
homog^enea correspondente µa equa»c~ao ax + by = c (n~ao homog^enea se c 6= 0).
Sendo d = mdc(a; b), a proposi»c~ao 7.1 estabelece que a equa»c~ao diofantina ax +
by = c tem solu»c~ao se e somente se d j c. Assumindo que d j c, notemos que a equa»c~ao
ax + by = c ¶e equivalente µa equa»c~ao
³a
d
´
x +
µ
b
d
¶
y =
c
d
Equac»~oes diofantinas lineares 61
de coe¯cientes todos inteiros, j¶a que d j a e d j b. Al¶em disso, os inteiros a=d e
b=d s~ao primos entre si: como existem inteiros r e s tais que ra + sb = d, temos
r(a=d) + s(b=d) = 1.
Pelas observa»c~oes feitas acima, podemos nos restringir ao estudo de equa»c~ao dio-
fantinas ax + by = c assumindo a e b primos entre si.
Teorema 7.1 Sejam a, b e c inteiros, com a e b primos entre si. Seja (x0; y0) uma
solu»c~ao da equa»c~ao diofantina ax + by = c.
Ent~ao as solu»c~oes dessa equa»c~ao s~ao dadas pelas equa»c~oes param¶etricas
½
x = x0 + bt
y = y0 ¡ at
(t 2 Z)
Demonstra»c~ao. Seja (x0; y0) uma solu»c~ao da equa»c~ao diofantina ax + by = c.
Se x = x0 + bt e y = y0 ¡ at, com t 2 Z, ent~ao
ax + by = a(x0 + bt) + b(y0 ¡ at)
= ax0 + abt + by0 ¡ bat
= ax0 + by0 = c
e portanto (x; y) ¶e uma solu»c~ao da equa»c~ao diofantina ax + by = c.
Suponhamos agora que (x; y) ¶e solu»c~ao da equa»c~ao diofantina ax+by = c. Temos
ent~ao ½
ax + by = c
ax0 + by0 = c
e assim
a(x ¡ x0) + b(y ¡ y0) = ax ¡ ax0 + by ¡ by0
= (ax + by) ¡ (ax0 + by0)
= c ¡ c = 0
Logo, (x ¡ x0; y ¡ y0) ¶e solu»c~ao da correspondente equa»c~ao homog^enea ax + by = 0.
Pela proposi»c~ao 7.2, existe t 2 Z tal que x ¡ x0 = tb e y ¡ y0 = ¡ta, ou seja
½
x = x0 + bt
y = y0 ¡ at
para algum t 2 Z.
Exemplo 7.1 Se o custo de uma postagem ¶e de 83 centavos e os valores dos selos s~ao
de 6 e 15 centavos, como podemos combinar os selos na postagem ?
Equac»~oes diofantinas lineares 62
Solu»c~ao.
Se x denota a quantidade de selos de 6 centavos e y denota a quantidade de selos
de 15 centavos, ent~ao 6x + 15y = 85. Como mdc(6; 15) = 3 e 3 6j 83, a equa»c~ao
diofantina 6x + 15y = 83 n~ao possui solu»c~oes inteiras e assim o problema de postagem
n~ao tem solu»c~ao.
Exemplo 7.2 Consideremos agora o problemas dos t¶³quetes, mencionado no in¶³cio do
cap¶³tulo, que d¶a origem µa equa»c~ao diofantina 20x + 50y = 510.
Pelo teorema 7.1, a equa»c~ao tem solu»c~ao inteira, visto que mdc(20; 50) = 10 e
10 j 510.
Como observado, a equa»c~ao 20x+50y = 510 ¶e equivalente µa equa»c~ao 2x+5y = 51.
Assim sendo, passamos a buscar as solu»c~oes inteiras desta ¶ultima.
Posteriormente, devido µa natureza do problema original (contagem de t¶³quetes),
estaremos nos restringindo µas solu»c~oes (x; y) que tamb¶em satisfazem x ¸ 0 e y ¸ 0.
Como mdc(2; 5) = 1, pelo teorema 7.1, as solu»c~oes de 2x + 5y = 51 tem a forma
½
x = x0 + 5t
y = y0 ¡ 2t
(t 2 Z)
sendo (x0; y0) uma solu»c~ao particular da equa»c~ao.
Nos resta ent~ao obter uma solu»c~ao particular da equa»c~ao. Para tal, primeiramente
obtemos inteiros r e s satisfazendo 2r + 5s = mdc(2; 5) = 1. Podemos faz^e-lo usando
as divis~oes sucessivas do algoritmo euclidiano do c¶alculo de mdc(2; 5).
Neste problema particular, no entanto, podemos adivinhar" valores para r e s, a
saber, r = ¡2, s = 1. Tendo 2r + 5s = 1, teremos 2(51r) + 5(51s) = 51, de onde uma
solu»c~ao particular de 2x + 5y = 51 nos ¶e dada por x0 = ¡102, y0 = 51.
A solu»c~ao geral de 2x + 5y = 51 (ou de 20x + 50y = 510) ¶e portanto
½
x = ¡102 + 5t
y = 51 ¡ 2t
(t 2 Z)
Na busca de solu»c~oes n~ao negativas, impomos ¡102 + 5t ¸ 0 e 51 ¡ 2t ¸ 0, de
onde
A restri»c~ao de solu»c~oes n~ao negativas determinam que x = ¡102 + 5t ¸ 0, ou
seja, t ¸ 102=21 e que, simultaneamente, y = 51 ¡ 2t ¸ 0, ou seja, t · 51=2 < 26.
Assim, t deve assumir um dos seguintes valores: 21, 22, 23, 24 e 25.
Temos ent~ao 5 possibilidades para os carn^es, a saber:
{ carn^e com 3 t¶³quetes de $20 reais e 9 t¶³quetes de $50 reais;
Equac»~oes diofantinas lineares 63
{ carn^e com 8 t¶³quetes de $20 reais e 7 t¶³quetes de $50 reais;
{ carn^e com 13 t¶³quetes de $20 reais e 5 t¶³quetes de $50 reais;
{ carn^e com 18 t¶³quetes de $20 reais e 3 t¶³quetes de $50 reais;
{ carn^e com 23 t¶³quetes de $20 reais e 1 t¶³quete de $50 reais;
Atrav¶es de um exemplo, mostraremos agora uma estrat¶egia para obten»c~ao de
solu»c~oes de uma equa»c~ao diofantina linear em tr^es inc¶ognitas.
Exemplo 7.3 Resolver a equa»c~ao diofantina 2x ¡ 6y + 5z = 3.
Primeiramente determinamos que o problema tem solu»c~ao, pois mdc(2; 6; 5) = 1 e 1 j 3.
Como mdc(2; 6) = 2, podemos escrever 2x ¡ 6y = 2¸. Aqui estamos usando o
fato de que sendo a e b inteiros, toda combina»c~ao linear ax + by, com x e y inteiros, ¶e
m¶ultiplo de d = mdc(a; b): se d j a e d j b, ent~ao d j (ax + by).
Temos ent~ao
2x ¡ 6y
| {z }
=2¸
+5z = 3
Tratamos ent~ao de, primeiramente, resolver a equa»c~ao 2¸ + 5z = 3. Uma solu»c~ao
particular ¶e (¸0; z0) = (¡6; 3). Assim, a solu»c~ao geral dessa equa»c~ao ¶e dada por
½
¸ = ¡6 + 5t
z = 3 ¡ 2t
(t 2 Z)
Passamos ent~ao µa equa»c~ao diofantina 2x ¡ 6y = 2¸, assumindo que ¸ ¶e uma
constante inteira.
A equa»c~ao 2x ¡ 6y = 2¸ ¶e equivalente a x ¡ 3y = ¸. Uma solu»c~ao particular
desta equa»c~ao ¶e dada por x0 = 4¸, y0 = ¸. A solu»c~ao geral desta equa»c~ao ¶e dada por
½
x = 4¸ + 3u
y = ¸ + u
(u 2 Z)
Como ¸ = ¡6 + 5t, chegamos ¯nalmente µa solu»c~ao do problema:
8
<
:
x = ¡24 + 20t + 3u
y = ¡6 + 5t + u
z = 3 ¡ 2t
(t; u 2 Z)
Equac»~oes diofantinas lineares 64
7.1 Exerc¶³cios
1. Encontre todas as solu»c~oes das seguintes equa»c~oes diofantinas lineares:
(a) 17x + 13y = 100 (b) 12x + 18y = 50
(d) 60x + 18y = 67 (e) 1402x + 1969y = 1
(g) 102x + 1001y = 533 (h) 33x + 25y = 0
2. Encontre as solu»c~oes das seguintes equa»c~oes diofantinas
(a) 2x ¡ 10y + 35z = 0
(b) 101x ¡ 102y + 103z = 1
(c) 12x + 21y + 9z + 15w = 9
3. Uma ag^encia de correios possui apenas selos de 14 centavos e de 21 centavos.
Determine as combina»c~oes desses selos que podem ser feitas para postar cartas
dos seguintes valores postais:
(a) R$ 3,50 (b) R$ 4,00 (c) R$ 7,77
4. Com R$ 5,49 pode-se comprar ma»c~as, a 18 centavos cada, e peras, a 33 centavos
cada. Qual ¶e o n¶umero m¶³nimo de frutas que podem ser compradas?
5. Um estudante, viajando da Europa aos Estados Unidos, troca seus francos su¶³»cos
e francos franceses por d¶olares. Ele recebe US$ 17,06, tendo recebido US$ 0,19
(19 `cents') por cada franco franc^es e US$ 0,59 por cada franco su¶³»co. Quanto de
cada moeda ele possu¶³a?
6. Encontre as solu»c~oes inteiras dos sistemas de equa»c~oes lineares
(a)
½
x + y + z = 100
x + 8y + 50z = 156
(b)
8
<
:
x + y + z + w = 100
x + 2y + 3z + 4w = 300
x + 4y + 9z + 16w = 1000
Sugest~ao: Primeiramente, passe os sistemas µa uma forma escalonada, mantendo
os coe¯cientes inteiros.
7. De que modos ¶e poss¶³vel combinar 50 moedas, misturando moedas de 1, de 10 e
de 25 centavos, de modo a totalizar 3 reais?
8. Resolva o seguinte problema, como se estivesse fazendo-o a uma classe de alunos
do ensino b¶asico, isto ¶e, por uma estrat¶egia que n~ao fa»ca uso dos teoremas sobre
equa»c~oes diofantinas desenvolvidos no cap¶³tulo: Combinando moedas de 1, 10 e
25 centavos, como podemos totalizar 99 centavos?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Congruências Lineares e Classes Residuais
Congruências Lineares e Classes ResiduaisCongruências Lineares e Classes Residuais
Congruências Lineares e Classes Residuais
Luciana Martino
 
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grauExercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
André Luís Nogueira
 
Aula 10 profmat - congruencias lineares e quadraticas - 10 11-17
Aula 10   profmat - congruencias lineares e quadraticas - 10 11-17Aula 10   profmat - congruencias lineares e quadraticas - 10 11-17
Aula 10 profmat - congruencias lineares e quadraticas - 10 11-17
Aline Guedes
 
Lista de exercícios 1 - Mat Elem
Lista de exercícios 1 - Mat ElemLista de exercícios 1 - Mat Elem
Lista de exercícios 1 - Mat Elem
Carlos Campani
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
aldaalves
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
aldaalves
 
1+1=2
1+1=21+1=2
Inequações
InequaçõesInequações
Inequações
Carlos Campani
 
Conjuntos numéricos, mdc e mmc
Conjuntos numéricos, mdc e mmcConjuntos numéricos, mdc e mmc
Conjuntos numéricos, mdc e mmc
Romulo Garcia
 
Progressões
ProgressõesProgressões
Progressões
Romulo Garcia
 
Equações Modulares
Equações ModularesEquações Modulares
Equações Modulares
Carlos Campani
 
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio CarlosEquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
Antonio Carneiro
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
con_seguir
 
Lista de exercícios 2
Lista de exercícios 2Lista de exercícios 2
Lista de exercícios 2
Carlos Campani
 
Equações Irracionais
Equações IrracionaisEquações Irracionais
Equações Irracionais
Carlos Campani
 
Mat equacoes do 1 grau 002
Mat equacoes do 1 grau  002Mat equacoes do 1 grau  002
Mat equacoes do 1 grau 002
trigono_metria
 
Resumo EquaçõEs 8º Ano
Resumo EquaçõEs 8º AnoResumo EquaçõEs 8º Ano
Resumo EquaçõEs 8º Ano
nescalda
 
Teorema chinês do resto
Teorema chinês do restoTeorema chinês do resto
Teorema chinês do resto
Universidade Federal de Pernambuco
 
Apostila matematica
Apostila matematicaApostila matematica
Apostila matematica
J M
 
Pequeno teorema de fermat
Pequeno teorema de fermatPequeno teorema de fermat
Pequeno teorema de fermat
Universidade Federal de Pernambuco
 

Mais procurados (20)

Congruências Lineares e Classes Residuais
Congruências Lineares e Classes ResiduaisCongruências Lineares e Classes Residuais
Congruências Lineares e Classes Residuais
 
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grauExercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
Exercícios resolvidos de problemas de equações do 2º grau
 
Aula 10 profmat - congruencias lineares e quadraticas - 10 11-17
Aula 10   profmat - congruencias lineares e quadraticas - 10 11-17Aula 10   profmat - congruencias lineares e quadraticas - 10 11-17
Aula 10 profmat - congruencias lineares e quadraticas - 10 11-17
 
Lista de exercícios 1 - Mat Elem
Lista de exercícios 1 - Mat ElemLista de exercícios 1 - Mat Elem
Lista de exercícios 1 - Mat Elem
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
 
1+1=2
1+1=21+1=2
1+1=2
 
Inequações
InequaçõesInequações
Inequações
 
Conjuntos numéricos, mdc e mmc
Conjuntos numéricos, mdc e mmcConjuntos numéricos, mdc e mmc
Conjuntos numéricos, mdc e mmc
 
Progressões
ProgressõesProgressões
Progressões
 
Equações Modulares
Equações ModularesEquações Modulares
Equações Modulares
 
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio CarlosEquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
EquaçõEs De 2º Grau,Sistema E Problema Autor Antonio Carlos
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
 
Lista de exercícios 2
Lista de exercícios 2Lista de exercícios 2
Lista de exercícios 2
 
Equações Irracionais
Equações IrracionaisEquações Irracionais
Equações Irracionais
 
Mat equacoes do 1 grau 002
Mat equacoes do 1 grau  002Mat equacoes do 1 grau  002
Mat equacoes do 1 grau 002
 
Resumo EquaçõEs 8º Ano
Resumo EquaçõEs 8º AnoResumo EquaçõEs 8º Ano
Resumo EquaçõEs 8º Ano
 
Teorema chinês do resto
Teorema chinês do restoTeorema chinês do resto
Teorema chinês do resto
 
Apostila matematica
Apostila matematicaApostila matematica
Apostila matematica
 
Pequeno teorema de fermat
Pequeno teorema de fermatPequeno teorema de fermat
Pequeno teorema de fermat
 

Destaque

Intro teoria dos numerros i
Intro teoria dos numerros iIntro teoria dos numerros i
Intro teoria dos numerros i
Paulo Martins
 
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
Wilson Miranda
 
Intro teoria dos numeros cap1
Intro teoria dos numeros cap1Intro teoria dos numeros cap1
Intro teoria dos numeros cap1
Paulo Martins
 
11 teoria numeros
11 teoria numeros11 teoria numeros
Teorema Chinês Dos Restos
Teorema Chinês Dos RestosTeorema Chinês Dos Restos
Teorema Chinês Dos Restos
Khayla Elias dos Santos
 
04 topicosde algebra
04 topicosde algebra04 topicosde algebra
04 topicosde algebra
Matemática Uncomplicated
 
Aritmetica Modular
Aritmetica ModularAritmetica Modular
Aritmetica Modular
Mauricio Villagran Torres
 
Congruencias
CongruenciasCongruencias
Congruencias
AlejandroUmpierrez
 
Livros para baixar 4shared
Livros para baixar 4sharedLivros para baixar 4shared
Livros para baixar 4shared
Edna Andrade
 

Destaque (9)

Intro teoria dos numerros i
Intro teoria dos numerros iIntro teoria dos numerros i
Intro teoria dos numerros i
 
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
01 primeira avaliação_de_teoria_dos_números
 
Intro teoria dos numeros cap1
Intro teoria dos numeros cap1Intro teoria dos numeros cap1
Intro teoria dos numeros cap1
 
11 teoria numeros
11 teoria numeros11 teoria numeros
11 teoria numeros
 
Teorema Chinês Dos Restos
Teorema Chinês Dos RestosTeorema Chinês Dos Restos
Teorema Chinês Dos Restos
 
04 topicosde algebra
04 topicosde algebra04 topicosde algebra
04 topicosde algebra
 
Aritmetica Modular
Aritmetica ModularAritmetica Modular
Aritmetica Modular
 
Congruencias
CongruenciasCongruencias
Congruencias
 
Livros para baixar 4shared
Livros para baixar 4sharedLivros para baixar 4shared
Livros para baixar 4shared
 

Semelhante a Intro teoria dos numerros cap7

Slides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdfSlides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdf
RodrigoPereira803314
 
MAT 3ª Série 3º Bimestre Estudante.pdf
MAT 3ª Série 3º Bimestre Estudante.pdfMAT 3ª Série 3º Bimestre Estudante.pdf
MAT 3ª Série 3º Bimestre Estudante.pdf
GernciadeProduodeMat
 
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aline Guedes
 
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C BarrosoEquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
Antonio Carneiro
 
Equaçoes literais
Equaçoes literaisEquaçoes literais
Equaçoes literais
Laurinda Barros
 
matematica
matematica matematica
2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito
2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito
2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito
profzwipp
 
inequacoes_do_1o_grau 6a série ou 5° ano
inequacoes_do_1o_grau 6a série ou 5° anoinequacoes_do_1o_grau 6a série ou 5° ano
inequacoes_do_1o_grau 6a série ou 5° ano
amulherdarosa
 
02 matematica 7ano1
02 matematica 7ano102 matematica 7ano1
02 matematica 7ano1
Bruno Araujo Lima
 
Mat equacoes do 1 grau 003
Mat equacoes do 1 grau  003Mat equacoes do 1 grau  003
Mat equacoes do 1 grau 003
trigono_metria
 
Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6
Paulo Martins
 
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADAProva do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
thieresaulas
 
Ap matematica
Ap matematicaAp matematica
Ap matematica
marcioluiz2008
 
Equação biquadrada exercicios
Equação biquadrada exerciciosEquação biquadrada exercicios
Equação biquadrada exercicios
Marcia Roberto
 
Teste Derivadas
Teste DerivadasTeste Derivadas
Teste Derivadas
Maths Tutoring
 
EquaçAo Do 2º Grau
EquaçAo Do 2º GrauEquaçAo Do 2º Grau
EquaçAo Do 2º Grau
Antonio Carneiro
 
Equações
EquaçõesEquações
Equações
Carlos Campani
 
Equações de recorrência - II (Otimização)
Equações de recorrência - II (Otimização)Equações de recorrência - II (Otimização)
Equações de recorrência - II (Otimização)
Jedson Guedes
 
euclides primos
euclides primoseuclides primos
euclides primos
IsraelMendes25
 
Equações sistemas de equações e inequações
Equações  sistemas de equações e inequaçõesEquações  sistemas de equações e inequações
Equações sistemas de equações e inequações
Antonio Magno Ferreira
 

Semelhante a Intro teoria dos numerros cap7 (20)

Slides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdfSlides Aula - Equações.pdf
Slides Aula - Equações.pdf
 
MAT 3ª Série 3º Bimestre Estudante.pdf
MAT 3ª Série 3º Bimestre Estudante.pdfMAT 3ª Série 3º Bimestre Estudante.pdf
MAT 3ª Série 3º Bimestre Estudante.pdf
 
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
Aula 5- Profmat-Aplicacoes do mdc - Equacoes diofantinas - Expressoes binomia...
 
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C BarrosoEquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
EquaçãO Do 2º Grau Autor Antonio Carlos C Barroso
 
Equaçoes literais
Equaçoes literaisEquaçoes literais
Equaçoes literais
 
matematica
matematica matematica
matematica
 
2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito
2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito
2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito
 
inequacoes_do_1o_grau 6a série ou 5° ano
inequacoes_do_1o_grau 6a série ou 5° anoinequacoes_do_1o_grau 6a série ou 5° ano
inequacoes_do_1o_grau 6a série ou 5° ano
 
02 matematica 7ano1
02 matematica 7ano102 matematica 7ano1
02 matematica 7ano1
 
Mat equacoes do 1 grau 003
Mat equacoes do 1 grau  003Mat equacoes do 1 grau  003
Mat equacoes do 1 grau 003
 
Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6Intro teoria dos numerros cap6
Intro teoria dos numerros cap6
 
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADAProva do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
 
Ap matematica
Ap matematicaAp matematica
Ap matematica
 
Equação biquadrada exercicios
Equação biquadrada exerciciosEquação biquadrada exercicios
Equação biquadrada exercicios
 
Teste Derivadas
Teste DerivadasTeste Derivadas
Teste Derivadas
 
EquaçAo Do 2º Grau
EquaçAo Do 2º GrauEquaçAo Do 2º Grau
EquaçAo Do 2º Grau
 
Equações
EquaçõesEquações
Equações
 
Equações de recorrência - II (Otimização)
Equações de recorrência - II (Otimização)Equações de recorrência - II (Otimização)
Equações de recorrência - II (Otimização)
 
euclides primos
euclides primoseuclides primos
euclides primos
 
Equações sistemas de equações e inequações
Equações  sistemas de equações e inequaçõesEquações  sistemas de equações e inequações
Equações sistemas de equações e inequações
 

Mais de Paulo Martins

Teoria dos-numerosiii
Teoria dos-numerosiiiTeoria dos-numerosiii
Teoria dos-numerosiii
Paulo Martins
 
Teoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos iTeoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos i
Paulo Martins
 
N inteiros
N inteirosN inteiros
N inteiros
Paulo Martins
 
Introd logica mat ii
Introd logica mat iiIntrod logica mat ii
Introd logica mat ii
Paulo Martins
 
Introd logica mat
Introd logica matIntrod logica mat
Introd logica mat
Paulo Martins
 
Intro teoria dos numerros cap8
Intro teoria dos numerros cap8Intro teoria dos numerros cap8
Intro teoria dos numerros cap8
Paulo Martins
 
Intro teoria dos numerros cap5
Intro teoria dos numerros cap5Intro teoria dos numerros cap5
Intro teoria dos numerros cap5
Paulo Martins
 
Intro teoria dos numerros cap4
Intro teoria dos numerros cap4Intro teoria dos numerros cap4
Intro teoria dos numerros cap4
Paulo Martins
 
Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3
Paulo Martins
 
Intro teoria dos números cap2
Intro teoria dos  números cap2Intro teoria dos  números cap2
Intro teoria dos números cap2
Paulo Martins
 

Mais de Paulo Martins (10)

Teoria dos-numerosiii
Teoria dos-numerosiiiTeoria dos-numerosiii
Teoria dos-numerosiii
 
Teoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos iTeoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos i
 
N inteiros
N inteirosN inteiros
N inteiros
 
Introd logica mat ii
Introd logica mat iiIntrod logica mat ii
Introd logica mat ii
 
Introd logica mat
Introd logica matIntrod logica mat
Introd logica mat
 
Intro teoria dos numerros cap8
Intro teoria dos numerros cap8Intro teoria dos numerros cap8
Intro teoria dos numerros cap8
 
Intro teoria dos numerros cap5
Intro teoria dos numerros cap5Intro teoria dos numerros cap5
Intro teoria dos numerros cap5
 
Intro teoria dos numerros cap4
Intro teoria dos numerros cap4Intro teoria dos numerros cap4
Intro teoria dos numerros cap4
 
Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3Intro teoria dos numerros cap3
Intro teoria dos numerros cap3
 
Intro teoria dos números cap2
Intro teoria dos  números cap2Intro teoria dos  números cap2
Intro teoria dos números cap2
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Intro teoria dos numerros cap7

  • 1. 7 Equa»c~oes diofantinas lineares Considere o seguinte problema. Se um trabalhador recebe 510 reais em t¶³quetes de alimenta»c~ao, com valores de 20 reais ou 50 reais cada t¶³quete, de quantas formas pode ser formado o carn^e de t¶³quetes desse trabalhador ? Se x denota a quantidade de t¶³quetes de 20 reais e se y denota a quantidade de t¶³quetes de 50 reais ent~ao a equa»c~ao 20x+50y = 510 deve ser satisfeita e o problema ¶e resolvido determinando-se todas as solu»c~oes inteiras n~ao negativas desta equa»c~ao. Esta equa»c~ao ¶e um exemplo de equa»c~ao linear diofantina em duas inc¶ognitas. Como outro problema de ilustra»c~ao, se o custo da postagem de uma encomenda ¶e de 83 centavos e devemos usar selos de 6 e de 15 centavos, como combinar os selos na postagem ? Se x denota a quantidade de selos de 6 centavos e se y denota a quantidade de selos de 15 centavos ent~ao a equa»c~ao 6x + 15y = 85 deve ser satisfeita e o problema ¶e resolvido determinando-se todas as solu»c~oes inteiras n~ao negativas de tal equa»c~ao. Equa»c~oes polinomiais, em v¶arias inc¶ognitas, com coe¯cientes inteiros (ou racio- nais), das quais se buscam solu»c~oes restritas ao conjunto dos n¶umeros inteiros, s~ao habi- tualmente denominadas de equa»c~oes diofantinas, em refer^encia a Diofanto de Alexandria, algebrista grego do s¶eculo 2, que estudou extensamente, em seu livro Arithmetica, a obten»c~ao de solu»c~oes racionais de equa»c~oes polinomiais, com coe¯cientes racionais, em v¶arias inc¶ognitas. Fermat foi um estudioso sistem¶atico desse livro, tendo anotado, em uma de suas p¶aginas, sua famosa conjectura, agora teorema, o ¶ultimo teorema de Fermat", que declara que n~ao existem inteiros positivos x, y e z satisfazendo xn + yn = zn , quando n ¸ 3. O problema de se determinar inteiros x1, x2, : : : , xn, satisfazendo uma equa»c~ao da forma a1x1 + a2x2 + ¢ ¢ ¢ + anxn = b, sendo a1, a2, : : : , an e b n¶umeros inteiros (ou racionais) ¶e o que chamamos de uma equa»c~ao diofantina linear. Neste cap¶³tulo, estudaremos a equa»c~ao linear diofantina em duas inc¶ognitas x e y, ax + by = c, sendo a, b e c n¶umeros inteiros. Desenvolveremos ainda considera»c~oes estrat¶egicas para a obten»c~ao de solu»c~oes de equa»c~oes lineares diofantinas em tr^es ou mais inc¶ognitas. 59
  • 2. Equac»~oes diofantinas lineares 60 Proposi»c~ao 7.1 Sejam a, b e c n¶umeros inteiros. A equa»c~ao diofantina ax + by = c possui solu»c~ao se e somente se mdc(a; b) divide c. Demonstra»c~ao. ()) Suponhamos que (x0; y0) ¶e um par de inteiros satisfazento ax0 + by0 = c. Sendo d = mdc(a; b), temos que d j a e d j b. Logo d j (ax0 + by0), ou seja, d j c. (() Seja d = mdc(a; b) e suponhamos que d j c. Ent~ao c = d ¢ °, para algum ° 2 Z. Pelo teorema 6.1, cap¶³tulo 6, existem inteiros r e s tais que ra + sb = d. Logo, ra° + sb° = d°, ou seja a(r°) + b(s°) = c, e assim (x0; y0) = (r°; s°) ¶e solu»c~ao de ax + by = c. Proposi»c~ao 7.2 Sendo a e b inteiros, e mdc(a; b) = 1, as solu»c~oes da equa»c~ao dio- fantina ax + by = 0 s~ao dadas pelas equa»c~oes param¶etricas ½ x = bt y = ¡at (t 2 Z) Demonstra»c~ao. Se x = bt e y = ¡at, ent~ao ax + by = a(bt) + b(¡at) = abt ¡ abt = 0 Assim, ¶e imediato ver que as equa»c~oes param¶etricas x = bt e y = ¡at, com t 2 Z, nos d~ao solu»c~oes da equa»c~ao diofantina ax + by = 0. Suponhamos agora que x e y s~ao inteiros satisfazendo ax + by = 0. Ent~ao ax = ¡by. Logo b j (ax). Como a e b s~ao primos entre si, pela proposi»c~ao 6.2, cap¶³tulo 6, temos que b j x. Existe ent~ao t 2 Z tal que x = bt. Substituindo x = bt em ax = ¡by, obtemos y = ¡at. Portanto, x = bt e y = ¡at, para algum t 2 Z. A equa»c~ao diofantina ax +by = 0 ¶e o que chamamos de equa»c~ao linear diofantina homog^enea correspondente µa equa»c~ao ax + by = c (n~ao homog^enea se c 6= 0). Sendo d = mdc(a; b), a proposi»c~ao 7.1 estabelece que a equa»c~ao diofantina ax + by = c tem solu»c~ao se e somente se d j c. Assumindo que d j c, notemos que a equa»c~ao ax + by = c ¶e equivalente µa equa»c~ao ³a d ´ x + µ b d ¶ y = c d
  • 3. Equac»~oes diofantinas lineares 61 de coe¯cientes todos inteiros, j¶a que d j a e d j b. Al¶em disso, os inteiros a=d e b=d s~ao primos entre si: como existem inteiros r e s tais que ra + sb = d, temos r(a=d) + s(b=d) = 1. Pelas observa»c~oes feitas acima, podemos nos restringir ao estudo de equa»c~ao dio- fantinas ax + by = c assumindo a e b primos entre si. Teorema 7.1 Sejam a, b e c inteiros, com a e b primos entre si. Seja (x0; y0) uma solu»c~ao da equa»c~ao diofantina ax + by = c. Ent~ao as solu»c~oes dessa equa»c~ao s~ao dadas pelas equa»c~oes param¶etricas ½ x = x0 + bt y = y0 ¡ at (t 2 Z) Demonstra»c~ao. Seja (x0; y0) uma solu»c~ao da equa»c~ao diofantina ax + by = c. Se x = x0 + bt e y = y0 ¡ at, com t 2 Z, ent~ao ax + by = a(x0 + bt) + b(y0 ¡ at) = ax0 + abt + by0 ¡ bat = ax0 + by0 = c e portanto (x; y) ¶e uma solu»c~ao da equa»c~ao diofantina ax + by = c. Suponhamos agora que (x; y) ¶e solu»c~ao da equa»c~ao diofantina ax+by = c. Temos ent~ao ½ ax + by = c ax0 + by0 = c e assim a(x ¡ x0) + b(y ¡ y0) = ax ¡ ax0 + by ¡ by0 = (ax + by) ¡ (ax0 + by0) = c ¡ c = 0 Logo, (x ¡ x0; y ¡ y0) ¶e solu»c~ao da correspondente equa»c~ao homog^enea ax + by = 0. Pela proposi»c~ao 7.2, existe t 2 Z tal que x ¡ x0 = tb e y ¡ y0 = ¡ta, ou seja ½ x = x0 + bt y = y0 ¡ at para algum t 2 Z. Exemplo 7.1 Se o custo de uma postagem ¶e de 83 centavos e os valores dos selos s~ao de 6 e 15 centavos, como podemos combinar os selos na postagem ?
  • 4. Equac»~oes diofantinas lineares 62 Solu»c~ao. Se x denota a quantidade de selos de 6 centavos e y denota a quantidade de selos de 15 centavos, ent~ao 6x + 15y = 85. Como mdc(6; 15) = 3 e 3 6j 83, a equa»c~ao diofantina 6x + 15y = 83 n~ao possui solu»c~oes inteiras e assim o problema de postagem n~ao tem solu»c~ao. Exemplo 7.2 Consideremos agora o problemas dos t¶³quetes, mencionado no in¶³cio do cap¶³tulo, que d¶a origem µa equa»c~ao diofantina 20x + 50y = 510. Pelo teorema 7.1, a equa»c~ao tem solu»c~ao inteira, visto que mdc(20; 50) = 10 e 10 j 510. Como observado, a equa»c~ao 20x+50y = 510 ¶e equivalente µa equa»c~ao 2x+5y = 51. Assim sendo, passamos a buscar as solu»c~oes inteiras desta ¶ultima. Posteriormente, devido µa natureza do problema original (contagem de t¶³quetes), estaremos nos restringindo µas solu»c~oes (x; y) que tamb¶em satisfazem x ¸ 0 e y ¸ 0. Como mdc(2; 5) = 1, pelo teorema 7.1, as solu»c~oes de 2x + 5y = 51 tem a forma ½ x = x0 + 5t y = y0 ¡ 2t (t 2 Z) sendo (x0; y0) uma solu»c~ao particular da equa»c~ao. Nos resta ent~ao obter uma solu»c~ao particular da equa»c~ao. Para tal, primeiramente obtemos inteiros r e s satisfazendo 2r + 5s = mdc(2; 5) = 1. Podemos faz^e-lo usando as divis~oes sucessivas do algoritmo euclidiano do c¶alculo de mdc(2; 5). Neste problema particular, no entanto, podemos adivinhar" valores para r e s, a saber, r = ¡2, s = 1. Tendo 2r + 5s = 1, teremos 2(51r) + 5(51s) = 51, de onde uma solu»c~ao particular de 2x + 5y = 51 nos ¶e dada por x0 = ¡102, y0 = 51. A solu»c~ao geral de 2x + 5y = 51 (ou de 20x + 50y = 510) ¶e portanto ½ x = ¡102 + 5t y = 51 ¡ 2t (t 2 Z) Na busca de solu»c~oes n~ao negativas, impomos ¡102 + 5t ¸ 0 e 51 ¡ 2t ¸ 0, de onde A restri»c~ao de solu»c~oes n~ao negativas determinam que x = ¡102 + 5t ¸ 0, ou seja, t ¸ 102=21 e que, simultaneamente, y = 51 ¡ 2t ¸ 0, ou seja, t · 51=2 < 26. Assim, t deve assumir um dos seguintes valores: 21, 22, 23, 24 e 25. Temos ent~ao 5 possibilidades para os carn^es, a saber: { carn^e com 3 t¶³quetes de $20 reais e 9 t¶³quetes de $50 reais;
  • 5. Equac»~oes diofantinas lineares 63 { carn^e com 8 t¶³quetes de $20 reais e 7 t¶³quetes de $50 reais; { carn^e com 13 t¶³quetes de $20 reais e 5 t¶³quetes de $50 reais; { carn^e com 18 t¶³quetes de $20 reais e 3 t¶³quetes de $50 reais; { carn^e com 23 t¶³quetes de $20 reais e 1 t¶³quete de $50 reais; Atrav¶es de um exemplo, mostraremos agora uma estrat¶egia para obten»c~ao de solu»c~oes de uma equa»c~ao diofantina linear em tr^es inc¶ognitas. Exemplo 7.3 Resolver a equa»c~ao diofantina 2x ¡ 6y + 5z = 3. Primeiramente determinamos que o problema tem solu»c~ao, pois mdc(2; 6; 5) = 1 e 1 j 3. Como mdc(2; 6) = 2, podemos escrever 2x ¡ 6y = 2¸. Aqui estamos usando o fato de que sendo a e b inteiros, toda combina»c~ao linear ax + by, com x e y inteiros, ¶e m¶ultiplo de d = mdc(a; b): se d j a e d j b, ent~ao d j (ax + by). Temos ent~ao 2x ¡ 6y | {z } =2¸ +5z = 3 Tratamos ent~ao de, primeiramente, resolver a equa»c~ao 2¸ + 5z = 3. Uma solu»c~ao particular ¶e (¸0; z0) = (¡6; 3). Assim, a solu»c~ao geral dessa equa»c~ao ¶e dada por ½ ¸ = ¡6 + 5t z = 3 ¡ 2t (t 2 Z) Passamos ent~ao µa equa»c~ao diofantina 2x ¡ 6y = 2¸, assumindo que ¸ ¶e uma constante inteira. A equa»c~ao 2x ¡ 6y = 2¸ ¶e equivalente a x ¡ 3y = ¸. Uma solu»c~ao particular desta equa»c~ao ¶e dada por x0 = 4¸, y0 = ¸. A solu»c~ao geral desta equa»c~ao ¶e dada por ½ x = 4¸ + 3u y = ¸ + u (u 2 Z) Como ¸ = ¡6 + 5t, chegamos ¯nalmente µa solu»c~ao do problema: 8 < : x = ¡24 + 20t + 3u y = ¡6 + 5t + u z = 3 ¡ 2t (t; u 2 Z)
  • 6. Equac»~oes diofantinas lineares 64 7.1 Exerc¶³cios 1. Encontre todas as solu»c~oes das seguintes equa»c~oes diofantinas lineares: (a) 17x + 13y = 100 (b) 12x + 18y = 50 (d) 60x + 18y = 67 (e) 1402x + 1969y = 1 (g) 102x + 1001y = 533 (h) 33x + 25y = 0 2. Encontre as solu»c~oes das seguintes equa»c~oes diofantinas (a) 2x ¡ 10y + 35z = 0 (b) 101x ¡ 102y + 103z = 1 (c) 12x + 21y + 9z + 15w = 9 3. Uma ag^encia de correios possui apenas selos de 14 centavos e de 21 centavos. Determine as combina»c~oes desses selos que podem ser feitas para postar cartas dos seguintes valores postais: (a) R$ 3,50 (b) R$ 4,00 (c) R$ 7,77 4. Com R$ 5,49 pode-se comprar ma»c~as, a 18 centavos cada, e peras, a 33 centavos cada. Qual ¶e o n¶umero m¶³nimo de frutas que podem ser compradas? 5. Um estudante, viajando da Europa aos Estados Unidos, troca seus francos su¶³»cos e francos franceses por d¶olares. Ele recebe US$ 17,06, tendo recebido US$ 0,19 (19 `cents') por cada franco franc^es e US$ 0,59 por cada franco su¶³»co. Quanto de cada moeda ele possu¶³a? 6. Encontre as solu»c~oes inteiras dos sistemas de equa»c~oes lineares (a) ½ x + y + z = 100 x + 8y + 50z = 156 (b) 8 < : x + y + z + w = 100 x + 2y + 3z + 4w = 300 x + 4y + 9z + 16w = 1000 Sugest~ao: Primeiramente, passe os sistemas µa uma forma escalonada, mantendo os coe¯cientes inteiros. 7. De que modos ¶e poss¶³vel combinar 50 moedas, misturando moedas de 1, de 10 e de 25 centavos, de modo a totalizar 3 reais? 8. Resolva o seguinte problema, como se estivesse fazendo-o a uma classe de alunos do ensino b¶asico, isto ¶e, por uma estrat¶egia que n~ao fa»ca uso dos teoremas sobre equa»c~oes diofantinas desenvolvidos no cap¶³tulo: Combinando moedas de 1, 10 e 25 centavos, como podemos totalizar 99 centavos?