SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE DE MEDICINA 
UNINOVE
SISTEMA LOCOMOTOR 
ORTOPEDIA 
E TRAUMATOLOGIA 
PROF CAIO GONÇALVES DE SOUZA
INFECÇÕES OSTEOARTICULARES
OSTEOMIELITE 
• É infecção piogênica do osso, mais comum em 
lactentes e crianças, mas pode ocorrer em 
qualquer idade 
• É URGÊNCIA, QUE NÃO DEVE TER SEU 
DIAGNÓSTICO OU TRATAMENTO RETARDADO
OSTEOMIELITE 
ETIOLOGIA 
1) Via hematogênica de focos à distância 
2) Extensão direta de processo infeccioso 
adjacente 
3) Introdução externa de organismos ( fratura 
exposta,cirurgias) 
• Agente principal: S. aureus
OSTEOMIELITE HEMATOGÊNICA 
FISIOPATOLOGIA 
• Tem início na metáfise, perto de vaso 
nutriente, nos sinusóides metafisários, e 
deve-se à natureza do suprimento vascular 
dos ossos longos de crianças
OSTEOMIELITE
OSTEOMIELITE 
• Fise funciona como barreira mecânica à 
disseminação da infecção para epífise 
• Se a metáfise for intra-articular (colo 
fêmur, úmero, tornozelo) o abscesso atinge 
articulação  Pioartrite 
• Forma-se tecido de granulação em torno 
osso morto  Sequestro ósseo
Infecções Osteoarticulares
Infecções Osteoarticulares
Infecções Osteoarticulares
Infecções Osteoarticulares
OSTEOMIELITE 
LOCAIS DE ACOMETIMENTO 
• + COMUNS: fêmur distal e tíbia proximal 
• metáfise proximal de fêmur e distais de rádio, 
úmero 
• qualquer osso pode ser acometido
OSTEOMIELITE 
QUADRO CLÍNICO 
• Febre alta, calafrios, vômitos, desidratação 
• História recente de lesão ou infecção (2 a 3 
semanas antes) 
• Neonatos podem ter poucos sintomas 
(inapetência, irritabilidade, pouco ganho de 
peso)
OSTEOMIELITE 
QUADRO CLÍNICO 
• Dor no osso (metáfise), intensa, constante, 
agravada pela manipulação 
• Claudicação antálgica 
• Aumento de volume e calor local 
• Espasmo protetor muscular da articulação 
adjacente
OSTEOMIELITE 
ACHADOS LABORATORIAIS 
• Hemograma : leucocitose, com desvio à 
esquerda 
• VHS : aumentado (Normalização do VHS é 
um critério de cura) 
• PCR : + 
• Hemocultura : + em 50%
OSTEOMIELITE 
RX 
• Primeiros dias: aumento de partes moles 
• 5-10 dias: estrutura óssea normal, leve 
desmineralização metafisária 
• 7-12 dias: áreas irregulares de rarefação e necrose 
em região metafisária. Início formação de osso 
subperiostal (periostite)=> significa que já ocorreu 
disseminação do abscesso p/ espaço subperiostal
Infecções Osteoarticulares
OSTEOMIELITE 
CINTILOGRAFIA ÓSSEA 
• Pode fazer com 24-48hs, mais precoce que RX 
• Aumento de captação no local acometido 
• Precisão de 90% na detecção 
• Usada quando os sinais clínicos são pobres 
• Não é específico para OMA ( falsos + com osteoblastoma, 
fratura de estresse, necrose avascular, anemia falciforme, 
metástases) 
• Tecnécio-99m 
• Gálio-67 e Índio WBC
OSTEOMIELITE 
US: 
• Importante para detecção de coleções extra-ósseas 
RM: 
• indicada para suspeitas de osteomielite em 
coluna e pelve
OSTEOMIELITE 
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL 
• Febre reumática aguda 
• Artrite séptica 
• Celulite (infecção do subcutâneo) 
• Artrite reumatóide aguda 
• Leucemia 
• Poliomielite 
• Hiperostose cortical infantil 
• Hipervitaminose A 
• Tumor de Ewing
OSTEOMIELITE 
• Urgência 
• Esperar tempo de jejum e operar 
• Iniciar Antibioticoprofilaxia 
• Se houver dúvida quanto a localização a ser 
drenada, fazer punção óssea
EtiolOogSiaT pEoOr MgruIEpoL IeTtEár io: 
-Neonatos(<2m): 
S. aureus,Sreptococos hemolíticos, bacilos 
entéricos (G-) 
-Crianças 2m-3anos: 
S.aureus, S.epidermidis, estreptococos  e 
hemolíticos, H. influenzae 
-Crianças > 3 anos: 
S.aureus e estreptococos
OSTEOMIELITE 
TRATAMENTO 
Antibióticoterapia: Bactericida 
- Neonatal: 
penicilina+aminoglicosídeo ou cefalosporina de 2a ou 3a 
geração 
- 2m-3a: 
cefalosporinas de 2a ou 3a geração 
->3a: 
Penicilina
Antibioticoterapia 
- Duração: a duração ótima EV-VO não foi 
estabelecida. Em geral 14 dias EV + 3 
semanas VO 
- O ATB deve ser mantido por pelo menos 
21 dias, até VHS normalizar e remissão dos 
sintomas clínicos de infecção
OSTEOMIELITE 
TRATAMENTO 
-Imobilização do membro para alívio dor 
-Drenagem cirúrgica 
-Após drenagem, imobilização do membro por 4-6 semanas 
-Não liberar carga precoce para evitar fraturas
OSTEOMIELITE 
COMPLICAÇÕES 
• Septicemia e morte 
• Artrite séptica 
• Cronificação 
• Fraturas patológicas
PIOARTRITE 
• Infecção articular 
• Ocorre em qualquer faixa etária, mas principalmente em 
neonatos , lactentes e crianças 2-3 anos 
• 2 meninos : 1 menina 
• Locais acometidos: 
– Joelho - 41% 
- Quadril - 23% ( maiores conseqüências) 
- Tornozelo - 14% 
- Cotovelo - 12% 
- Ombro - 4%
PIOARTRITE 
PATOGENIA 
Vias de contaminação articular: 
1) Hematogênica 
2) Extensão direta 
3) Inoculação direta
PIOARTRITE 
AGENTES ETIOLÓGICOS 
• S.aureus: principal no neonato e por infecções 
hospitalares (mais comum em qualquer faixa) 
• Streptococos hemolíticos ( grupo B) 
• Haemophilus influenzae 
• Pneumococo, gonococos,meningococos 
• Cândida: 2o em infecções hospitalares, em em 
pacientes predispostos  premauros
PIOARTRITE 
• Neonatos: 
– S. aureus e Streptococcus agalacteae 
• 1 mês - 5 anos: 
– Haemophilus influenzae - 31% 
• > 5 anos: 
– Staphylococcus aureus e S. Beta hemolítico
PIOARTRITE 
QUADRO CLÍNICO 
• Calor local, hiperemia e febre alta 
• História recente de lesão ou infecção (2 a 3 semanas antes) 
• Dor intensa e progressiva 
• Limitação importante da mobilidade articular =>é 
praticamente impossível movimentação ativa ou passiva da 
articulação 
• Posições antálgicas=> quadril: flexão , RE e abdução 
• Aumento de volume articular
PIOARTRITE 
Exames complementares: 
• Hemograma: leucocitose, com desvio a esquerda 
• VHS: elevado, acima 20 mm no início, eleva-se no 3o-4o dia à 60 mm 
• PCR: positiva 
• RX: 
-Alterações precoces: espessamento cápsula sinovial, infiltração e edema de 
partes moles e periarticular 
-Após 48 hs: afastamento entre superfícies articulares; sinais de subluxação 
ou luxação (quadril e ombro) 
-Sinais de osteomielite
PIOARTRITE 
Exames de imagem: 
• US: presença de líquido intra-articular (fase 
inicial da infecção) 
• Cintilografia: aumento de captação precoce
PUNÇÃO ARTICULAR 
• Exame que fecha o diagnóstico 
• Anestesia local 
• Material obtido na punção 
– Cultura e antibiograma
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL 
• Quadril: Leucemia 
Infecção Pélvica, Apendicite 
Sinovite Transitória 
Celulite 
Osteomielite ( derrame reacional ) 
Artrite Reumatóide, FR 
• Joelho: 
Fraturas 
Celulite 
Hemartrose 
• Ombro: Paralisia Obstétrica 
Fratura de Clavícula
PIOARTRITE 
TRATAMENTO 
• URGÊNCIA => DRENAGEM CIRÚRGICA 
• lavagem do espaço articular e alívio da pressão, 
retirando todo material purulento e necrótico 
• Irrigação contínua e drenagem com soro fisiológico 
por 24-48hs, ou até clareamento do líquido de 
drenagem
PIOARTRITE 
TRATAMENTO 
• Imobilização da articulação com tala gessada ou tração para 
diminuição da dor 
• Reabilitação com exercícios ativos e passivos 
• Antibioticoterapia: seguem os mesmos princípios da 
osteomielite, devem ser EV por 10-14 dias e VO por 2-3 
semanas 
• Exemplo: 
Oxacilina ( 1g Ev de 6 em 6 horas ) 
150 – 200 MG/KG/DIA 
Gentamicina (3-5 mg/kg de 8/8 horas)
COMPLICAÇÕES 
• Pioartrite Crônica 
• Subluxação do Quadril 
• Necrose da Cabeça do Fêmur
DÚVIDAS?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo nettoPatologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Semiologia 01   anamnese e ectoscopiaSemiologia 01   anamnese e ectoscopia
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Jucie Vasconcelos
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
resenfe2013
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
Elismmelo55
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Laped Ufrn
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
Janaína Lassala
 
Meningite Bacteriana
Meningite BacterianaMeningite Bacteriana
Meningite Bacteriana
Welisson Porto
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Meningite (1)
Meningite (1)Meningite (1)
Meningite (1)
Prune Mazer
 
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICAINFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
Dr. Mauricio Ferrufino Sequeiros
 
Seminario febre
Seminario febreSeminario febre
Seminario febre
Eduardo Lotti
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
Dario Hart
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
Potencial Empresário
 
Semiologia da Febre
Semiologia da FebreSemiologia da Febre
Semiologia da Febre
pauloalambert
 
Infeções da pele e dos tecidos moles
Infeções da pele e dos tecidos molesInfeções da pele e dos tecidos moles
Infeções da pele e dos tecidos moles
Nadine Sousa
 
Osteomielite e Pioartrite
Osteomielite e PioartriteOsteomielite e Pioartrite
Osteomielite e Pioartrite
Carlos Andrade
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
Thassiany Sarmento
 
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Jucie Vasconcelos
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
blogped1
 
Dengue - Epidemiologia, Fisiopatologia, Evolução e Tratamento.
Dengue - Epidemiologia, Fisiopatologia, Evolução e Tratamento.Dengue - Epidemiologia, Fisiopatologia, Evolução e Tratamento.
Dengue - Epidemiologia, Fisiopatologia, Evolução e Tratamento.
Italo Felipe Alves Antunes
 

Mais procurados (20)

Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo nettoPatologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
 
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Semiologia 01   anamnese e ectoscopiaSemiologia 01   anamnese e ectoscopia
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
 
Meningite Bacteriana
Meningite BacterianaMeningite Bacteriana
Meningite Bacteriana
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Meningite (1)
Meningite (1)Meningite (1)
Meningite (1)
 
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICAINFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
 
Seminario febre
Seminario febreSeminario febre
Seminario febre
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
 
Semiologia da Febre
Semiologia da FebreSemiologia da Febre
Semiologia da Febre
 
Infeções da pele e dos tecidos moles
Infeções da pele e dos tecidos molesInfeções da pele e dos tecidos moles
Infeções da pele e dos tecidos moles
 
Osteomielite e Pioartrite
Osteomielite e PioartriteOsteomielite e Pioartrite
Osteomielite e Pioartrite
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
 
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
 
Dengue - Epidemiologia, Fisiopatologia, Evolução e Tratamento.
Dengue - Epidemiologia, Fisiopatologia, Evolução e Tratamento.Dengue - Epidemiologia, Fisiopatologia, Evolução e Tratamento.
Dengue - Epidemiologia, Fisiopatologia, Evolução e Tratamento.
 

Destaque

Pioartrite 2011
Pioartrite 2011Pioartrite 2011
Pioartrite 2011
Carlos Andrade
 
Osteomielitis
Osteomielitis Osteomielitis
Osteomielitis
Desirée Rodríguez
 
Fraturas Expostas
Fraturas ExpostasFraturas Expostas
Fraturas Expostas
Caio Gonçalves de Souza
 
Artrite
ArtriteArtrite
Artrite
Ramonn Maximo
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
Caio Gonçalves de Souza
 
Obstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial AgudaObstrução Arterial Aguda
Osteoporose e Osteoartrite
Osteoporose e OsteoartriteOsteoporose e Osteoartrite
Osteoporose e Osteoartrite
Caio Gonçalves de Souza
 
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
Caio Gonçalves de Souza
 
Conceitos Iniciais da Ortopedia
Conceitos Iniciais da OrtopediaConceitos Iniciais da Ortopedia
Conceitos Iniciais da Ortopedia
Caio Gonçalves de Souza
 
Complicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de FraturasComplicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e CartilagensFisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Caio Gonçalves de Souza
 
Patologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna VertebralPatologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna Vertebral
Caio Gonçalves de Souza
 
Osteomielitis
OsteomielitisOsteomielitis
Artigo
ArtigoArtigo
Pioartrite - 3o Ano
Pioartrite - 3o AnoPioartrite - 3o Ano
Pioartrite - 3o Ano
Carlos Andrade
 
Fisioterapia Neurologica
Fisioterapia NeurologicaFisioterapia Neurologica
Fisioterapia Neurologica
Maria3Maldonado
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Joana Campos
 
Caso de Fratura Exposta
Caso de Fratura ExpostaCaso de Fratura Exposta
Caso de Fratura Exposta
Carlos Andrade
 
Hemofilia Power Point
Hemofilia Power PointHemofilia Power Point
Hemofilia Power Point
robbialacman
 

Destaque (20)

Pioartrite 2011
Pioartrite 2011Pioartrite 2011
Pioartrite 2011
 
Osteomielitis
Osteomielitis Osteomielitis
Osteomielitis
 
Fraturas Expostas
Fraturas ExpostasFraturas Expostas
Fraturas Expostas
 
Artrite
ArtriteArtrite
Artrite
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
 
Obstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial AgudaObstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial Aguda
 
Osteoporose e Osteoartrite
Osteoporose e OsteoartriteOsteoporose e Osteoartrite
Osteoporose e Osteoartrite
 
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
 
Conceitos Iniciais da Ortopedia
Conceitos Iniciais da OrtopediaConceitos Iniciais da Ortopedia
Conceitos Iniciais da Ortopedia
 
Complicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de FraturasComplicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de Fraturas
 
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
 
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e CartilagensFisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
Fisiologia do Tecido Ósseo e Cartilagens
 
Patologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna VertebralPatologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna Vertebral
 
Osteomielitis
OsteomielitisOsteomielitis
Osteomielitis
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Pioartrite - 3o Ano
Pioartrite - 3o AnoPioartrite - 3o Ano
Pioartrite - 3o Ano
 
Fisioterapia Neurologica
Fisioterapia NeurologicaFisioterapia Neurologica
Fisioterapia Neurologica
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Caso de Fratura Exposta
Caso de Fratura ExpostaCaso de Fratura Exposta
Caso de Fratura Exposta
 
Hemofilia Power Point
Hemofilia Power PointHemofilia Power Point
Hemofilia Power Point
 

Semelhante a Infecções Osteoarticulares

Infecções da coluna vertebral
Infecções da coluna vertebralInfecções da coluna vertebral
Infecções da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátricaDiagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
salgadokk
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia  2013Tétano com espasmo e apneia  2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
Yvone Formiga
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
Yvone Formiga
 
Artrite.pptx
Artrite.pptxArtrite.pptx
Artrite.pptx
BaivoNeves1
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
salgadokk
 
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Erion Junior de Andrade
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Paulo Alambert
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites
Diagnósticos diferenciais das monoartritesDiagnósticos diferenciais das monoartrites
Diagnósticos diferenciais das monoartrites
pauloalambert
 
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartritesDiagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
Paulo Alambert
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
Claupaiva
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
Claupaiva
 
Espondiloartrites
EspondiloartritesEspondiloartrites
Espondiloartrites
pauloalambert
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
Abian Maquera
 
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICAARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
Victor G. Bertoli
 
Doença de Paget
Doença de PagetDoença de Paget
Doença de Paget
MarceloMadureiraRama
 
Discite e mal de pott
Discite e mal de pottDiscite e mal de pott
Discite e mal de pott
Leandro Freire
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
CHRISLAYNESILVA2
 
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptxapresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
ENFERMAGEMELAINNE
 
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
Alinebrauna Brauna
 

Semelhante a Infecções Osteoarticulares (20)

Infecções da coluna vertebral
Infecções da coluna vertebralInfecções da coluna vertebral
Infecções da coluna vertebral
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátricaDiagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia  2013Tétano com espasmo e apneia  2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
 
Artrite.pptx
Artrite.pptxArtrite.pptx
Artrite.pptx
 
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
Diagnósticos frequentes reumatologia pediátrica 16.10.14
 
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites
Diagnósticos diferenciais das monoartritesDiagnósticos diferenciais das monoartrites
Diagnósticos diferenciais das monoartrites
 
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartritesDiagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
 
Chikungunya
Chikungunya Chikungunya
Chikungunya
 
Espondiloartrites
EspondiloartritesEspondiloartrites
Espondiloartrites
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
 
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICAARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
 
Doença de Paget
Doença de PagetDoença de Paget
Doença de Paget
 
Discite e mal de pott
Discite e mal de pottDiscite e mal de pott
Discite e mal de pott
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
 
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptxapresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
 
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
 

Infecções Osteoarticulares

  • 2. SISTEMA LOCOMOTOR ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PROF CAIO GONÇALVES DE SOUZA
  • 4. OSTEOMIELITE • É infecção piogênica do osso, mais comum em lactentes e crianças, mas pode ocorrer em qualquer idade • É URGÊNCIA, QUE NÃO DEVE TER SEU DIAGNÓSTICO OU TRATAMENTO RETARDADO
  • 5. OSTEOMIELITE ETIOLOGIA 1) Via hematogênica de focos à distância 2) Extensão direta de processo infeccioso adjacente 3) Introdução externa de organismos ( fratura exposta,cirurgias) • Agente principal: S. aureus
  • 6. OSTEOMIELITE HEMATOGÊNICA FISIOPATOLOGIA • Tem início na metáfise, perto de vaso nutriente, nos sinusóides metafisários, e deve-se à natureza do suprimento vascular dos ossos longos de crianças
  • 8. OSTEOMIELITE • Fise funciona como barreira mecânica à disseminação da infecção para epífise • Se a metáfise for intra-articular (colo fêmur, úmero, tornozelo) o abscesso atinge articulação  Pioartrite • Forma-se tecido de granulação em torno osso morto  Sequestro ósseo
  • 13. OSTEOMIELITE LOCAIS DE ACOMETIMENTO • + COMUNS: fêmur distal e tíbia proximal • metáfise proximal de fêmur e distais de rádio, úmero • qualquer osso pode ser acometido
  • 14. OSTEOMIELITE QUADRO CLÍNICO • Febre alta, calafrios, vômitos, desidratação • História recente de lesão ou infecção (2 a 3 semanas antes) • Neonatos podem ter poucos sintomas (inapetência, irritabilidade, pouco ganho de peso)
  • 15. OSTEOMIELITE QUADRO CLÍNICO • Dor no osso (metáfise), intensa, constante, agravada pela manipulação • Claudicação antálgica • Aumento de volume e calor local • Espasmo protetor muscular da articulação adjacente
  • 16. OSTEOMIELITE ACHADOS LABORATORIAIS • Hemograma : leucocitose, com desvio à esquerda • VHS : aumentado (Normalização do VHS é um critério de cura) • PCR : + • Hemocultura : + em 50%
  • 17. OSTEOMIELITE RX • Primeiros dias: aumento de partes moles • 5-10 dias: estrutura óssea normal, leve desmineralização metafisária • 7-12 dias: áreas irregulares de rarefação e necrose em região metafisária. Início formação de osso subperiostal (periostite)=> significa que já ocorreu disseminação do abscesso p/ espaço subperiostal
  • 19. OSTEOMIELITE CINTILOGRAFIA ÓSSEA • Pode fazer com 24-48hs, mais precoce que RX • Aumento de captação no local acometido • Precisão de 90% na detecção • Usada quando os sinais clínicos são pobres • Não é específico para OMA ( falsos + com osteoblastoma, fratura de estresse, necrose avascular, anemia falciforme, metástases) • Tecnécio-99m • Gálio-67 e Índio WBC
  • 20. OSTEOMIELITE US: • Importante para detecção de coleções extra-ósseas RM: • indicada para suspeitas de osteomielite em coluna e pelve
  • 21. OSTEOMIELITE DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Febre reumática aguda • Artrite séptica • Celulite (infecção do subcutâneo) • Artrite reumatóide aguda • Leucemia • Poliomielite • Hiperostose cortical infantil • Hipervitaminose A • Tumor de Ewing
  • 22. OSTEOMIELITE • Urgência • Esperar tempo de jejum e operar • Iniciar Antibioticoprofilaxia • Se houver dúvida quanto a localização a ser drenada, fazer punção óssea
  • 23. EtiolOogSiaT pEoOr MgruIEpoL IeTtEár io: -Neonatos(<2m): S. aureus,Sreptococos hemolíticos, bacilos entéricos (G-) -Crianças 2m-3anos: S.aureus, S.epidermidis, estreptococos  e hemolíticos, H. influenzae -Crianças > 3 anos: S.aureus e estreptococos
  • 24. OSTEOMIELITE TRATAMENTO Antibióticoterapia: Bactericida - Neonatal: penicilina+aminoglicosídeo ou cefalosporina de 2a ou 3a geração - 2m-3a: cefalosporinas de 2a ou 3a geração ->3a: Penicilina
  • 25. Antibioticoterapia - Duração: a duração ótima EV-VO não foi estabelecida. Em geral 14 dias EV + 3 semanas VO - O ATB deve ser mantido por pelo menos 21 dias, até VHS normalizar e remissão dos sintomas clínicos de infecção
  • 26. OSTEOMIELITE TRATAMENTO -Imobilização do membro para alívio dor -Drenagem cirúrgica -Após drenagem, imobilização do membro por 4-6 semanas -Não liberar carga precoce para evitar fraturas
  • 27. OSTEOMIELITE COMPLICAÇÕES • Septicemia e morte • Artrite séptica • Cronificação • Fraturas patológicas
  • 28. PIOARTRITE • Infecção articular • Ocorre em qualquer faixa etária, mas principalmente em neonatos , lactentes e crianças 2-3 anos • 2 meninos : 1 menina • Locais acometidos: – Joelho - 41% - Quadril - 23% ( maiores conseqüências) - Tornozelo - 14% - Cotovelo - 12% - Ombro - 4%
  • 29. PIOARTRITE PATOGENIA Vias de contaminação articular: 1) Hematogênica 2) Extensão direta 3) Inoculação direta
  • 30. PIOARTRITE AGENTES ETIOLÓGICOS • S.aureus: principal no neonato e por infecções hospitalares (mais comum em qualquer faixa) • Streptococos hemolíticos ( grupo B) • Haemophilus influenzae • Pneumococo, gonococos,meningococos • Cândida: 2o em infecções hospitalares, em em pacientes predispostos  premauros
  • 31. PIOARTRITE • Neonatos: – S. aureus e Streptococcus agalacteae • 1 mês - 5 anos: – Haemophilus influenzae - 31% • > 5 anos: – Staphylococcus aureus e S. Beta hemolítico
  • 32. PIOARTRITE QUADRO CLÍNICO • Calor local, hiperemia e febre alta • História recente de lesão ou infecção (2 a 3 semanas antes) • Dor intensa e progressiva • Limitação importante da mobilidade articular =>é praticamente impossível movimentação ativa ou passiva da articulação • Posições antálgicas=> quadril: flexão , RE e abdução • Aumento de volume articular
  • 33. PIOARTRITE Exames complementares: • Hemograma: leucocitose, com desvio a esquerda • VHS: elevado, acima 20 mm no início, eleva-se no 3o-4o dia à 60 mm • PCR: positiva • RX: -Alterações precoces: espessamento cápsula sinovial, infiltração e edema de partes moles e periarticular -Após 48 hs: afastamento entre superfícies articulares; sinais de subluxação ou luxação (quadril e ombro) -Sinais de osteomielite
  • 34. PIOARTRITE Exames de imagem: • US: presença de líquido intra-articular (fase inicial da infecção) • Cintilografia: aumento de captação precoce
  • 35. PUNÇÃO ARTICULAR • Exame que fecha o diagnóstico • Anestesia local • Material obtido na punção – Cultura e antibiograma
  • 36. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL • Quadril: Leucemia Infecção Pélvica, Apendicite Sinovite Transitória Celulite Osteomielite ( derrame reacional ) Artrite Reumatóide, FR • Joelho: Fraturas Celulite Hemartrose • Ombro: Paralisia Obstétrica Fratura de Clavícula
  • 37. PIOARTRITE TRATAMENTO • URGÊNCIA => DRENAGEM CIRÚRGICA • lavagem do espaço articular e alívio da pressão, retirando todo material purulento e necrótico • Irrigação contínua e drenagem com soro fisiológico por 24-48hs, ou até clareamento do líquido de drenagem
  • 38. PIOARTRITE TRATAMENTO • Imobilização da articulação com tala gessada ou tração para diminuição da dor • Reabilitação com exercícios ativos e passivos • Antibioticoterapia: seguem os mesmos princípios da osteomielite, devem ser EV por 10-14 dias e VO por 2-3 semanas • Exemplo: Oxacilina ( 1g Ev de 6 em 6 horas ) 150 – 200 MG/KG/DIA Gentamicina (3-5 mg/kg de 8/8 horas)
  • 39. COMPLICAÇÕES • Pioartrite Crônica • Subluxação do Quadril • Necrose da Cabeça do Fêmur