SlideShare uma empresa Scribd logo
19/12/2011




                                                                        RESUMO
            MANIFESTAÇÕES BUCAIS ASSOCIADAS                                 O papilomavírus (HPV) é um DNA vírus do grupo
             AO HPV: CONDILOMA ACUMINADO,                                   papovavírus, que é altamente transmissível
             PAPILOMA DE CÉLULA ESCAMOSA,                                   sexualmente, sendo freqüente na região ano-genital e
              VERRUGA VULGAR, HIPERPLASIA                                   raro na mucosa oral. A sua implantação oral pode ser
                    EPITELIAL FOCAL.                                        por auto-inoculação ou pelo contato oro-sexual.
               CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E                                   As lesões orais benignas associadas ao HPV são:
                      TRATAMENTO                                            papiloma de células escamosas, condiloma
                                                                            acuminado, verruga vulgar e hiperplasia
                                                                            epitelial focal. Essas lesões tem características
                            AUTORA: Victoria Caroline Guerreiro.            clínicas muito semelhantes. O tratamento, pode ser
                                                                            clínico e/ou cirúrgico, obtendo assim a cura clínica,
                            ORIENTADORA: Profª. Dulce Helena Cabelho.
                                                                            pois o vírus permanece no epitélio da mucosa mesmo
                                                                            após o tratamento.
                           SÃO PAULO
                              2008




INTRODUÇÃO
   O HPV é um conhecido DNA vírus do grupo
                                                                           Já foram identificados mais de 100 tipos de HPV,
    papovavírus, não cultivável, que possui considerável
                                                                            desses, 24 tipos associados com lesões orais.
    tropismo pelo tecido epitelial e mucoso.

                                                                           O HPV-16 é o tipo mais comum associado a câncer
   É altamente transmissível sexualmente sendo mais
                                                                            oral e de colo de útero, enquanto o tipo 6 e 11 são os
    freqüente na região ano-genital e raro na mucosa
                                                                            mais freqüentemente encontrados em lesões
    oral.
                                                                            benignas e pré-malignas.

   Devido o aumento da prática do sexo oral, o
                                                                           O diagnóstico do papilomavírus humano na mucosa
    papilomavírus passou a ser encontrado na mucosa
                                                                            oral é dado pelo exame clínico, citologia, biópsia,
    bucal.
                                                                            imuno-histoquímica, hibridização do DNA, captura
                                                                            híbrida e PCR.
   Na cavidade oral, a língua o local mais freqüente de
    lesões pelo HPV, com incidência de 55% em um estudo
                                                                           O tratamento de lesões orais por HPV pode ser
    realizado por Premoli de Percoco (1993).
                                                                            clínico ou cirúrgico.




PROPOSIÇÃO
   Este trabalho tem como propósito estudar
    através    da   revisão    de   literatura    as
    características clínicas e tratamento do HVP,
    para orientar o cirurgião dentista clínico geral
    em relação aos cuidados durante o exame
    clínico e tratamento destes pacientes, visando
    a prevenção de manifestações clínicas de DST
    em boca.

                                                                                        REVISÃO DE LITERATURA




                                                                                                                                             1
19/12/2011




    CONDILOMA ACUMINADO
           ORAL
Características Clínicas:
                                                                Kui L.L, Xiu H.Z, Ning L.Y, (2003) afirmaram
                                                                 clinicamente que o condiloma acuminado pode
   Segundo Tormiga S, Fukushima K, Nishizaki K,
    Watanabe S, Masuda Y, Ogura H, (1996) clinicamente           iniciar-se como uma formação de numerosas
    o condiloma oral se apresenta como nódulos                   pápulas agrupadas, de coloração rósea, que crescem
    múltiplos, pequenos, rosados ou esbranquiçados, que          e coalescem. O resultado é um crescimento papilar
    proliferam em projeções papilares e podem ser                (ou nodular) exofítico, com base larga, que pode ser
    pequenos e sésseis. O contorno da superfície na
    maioria dos casos é mais do tipo couve-flor do que de        ceratinizado ou não ceratinizado, firme, bem
    papilomas.                                                   edemaciada e séssil de coloração rósea, com
                                                                 superfície verrucosa, indolor, podendo ser única ou
   Segundo Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M.,                 múltipla. As lesões orais ocorrem geralmente, na
    Bouquot J.E , (1998) o condiloma acuminado oral              mucosa labial, palato mole e freio da língua, mas
    típico apresenta uma mucosa rosa, exofítica, firme,          podem ocorrer em quaisquer uns dos tecidos moles
    bem-edemaciada e séssil, com projeções superficiais
    embotadas e curtas. Tendem a ser maiores que os              da cavidade bucal. O tamanho médio da lesão é de 1
    papilomas, e são caracteristicamente múltiplos e             a 1,5 cm.
    aglutinados. O tamanho médio da lesão é de 1 a 1,5
    cm, mas podem ser encontradas até 3 cm.




TRATAMENTO:
                                                                       CONDILOMA ACUMINADO
                                                                              ORAL
   O condiloma acuminado quando demonstra uma
    obstinada     tendência     à      recidiva  após
    diatermocoagulação, pode recorrer a tratamentos
    imunoterápicos mediante interferon de fibroblastos
    humanos. Allegra F, Gennari U. P, (2000).

   De acordo com Kui L.L, Xiu H.Z, Ning L.Y, (2003) os
    condilomas orais são normalmente tratados por
    excisão cirúrgica conservadora. A aplicação tópica
    de podofilina nem sempre apresenta resultados
    satisfatórios  além    das   dificuldades   técnicas
    relacionadas a sua aplicação. A ablação a laser tem
    sido usada, mas este tratamento tem levantado
    algumas questões, como o transporte pelo ar de HPV
    pelas microgotas aerosolizadas, criadas pela
    vaporização do tecido lesional.
                                                                     Imagem cedida pela Profª.Dulce Cabelho Passarelli




                                                                    PAPILOMA DE CÉLULAS
                                                                         ESCAMOSAS
    Segundo Kodner CM, Nasraty S, (2004) o condiloma
     na mucosa bucal é normalmente tratado por excisão      Características Clínicas:
     cirúrgica conservadora. Atualmente, existem outras
     formas de tratamento que são efetivas e
     convenientes, como tratamento a laser, o uso de           De acordo com Regezi, J.A, (1991) o papiloma
     podofilotoxina e crioterapia. A escolha da terapia é       escamoso oral é relativamente pequeno, medindo
     baseada no número, tamanho, local e morfologia             menos de 1 cm, podendo, eventualmente, assumir
     das lesões, bem como da preferência do paciente,           proporções maiores. Normalmente, se apresenta
     custo, conveniência, efeitos adversos e experiência        como lesão única, embora possam ser encontradas
     clínica.                                                   lesões múltiplas. Na maioria dos casos         são
                                                                assintomáticos. Além disso, possui desenvolvimento
                                                                lento e duração prolongada.




                                                                                                                                 2
19/12/2011




   Segundo Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E , (1998) o
    papiloma escamoso oral é uma lesão mole, indolor e normalmente         TRATAMENTO:(1991) Afirmou que o tratamento
                                                                            Regezi, J.A,
    exofítica pedunculada, com numerosas projeções semelhantes a               recomendado para papiloma escamoso, consiste na
    dedos na superfície, que lhes dão uma aparência de couve-flor ou           excisão as lesão, incluindo a base da mucosa na qual
                                                                               se insere a haste do pedículo. A remoção jamais deve
    verruga. As projeções podem se pontudas. As lesões podem ser               ser feita por uma incisão através do pedículo.
    brancas, vermelhas claras, ou de cor normal, dependendo da                 Quando tumor é excisado de modo adequado, a
    quantidade de ceratinização da superfície. Os papilomas são                recidiva é rara.
    solitários e caracteristicamente aumentam de modo rápido para o
    tamanho máximo de aproximadamente 0,5cm, com pequena ou
                                                                              Dias P.E, (1997) o tratamento indicado do papiloma
    nenhuma mudança depois disso. Entretanto, têm sido noticiadas              escamoso é a remoção cirúrgica com pequena
    lesões que chegam a 3 cm de diâmetro.                                      margem de segurança e deve incluir a base da lesão,
                                                                               sua recidiva é bastante rara exceto em pacientes
                                                                               imunodeprimidos.
   Para Syrjänen S., (1999) o papiloma usualmente, afeta o palato
    mole, a língua, o freio da língua e o lábio inferior. Na maioria dos
    casos, os papilomas são únicos e pequenos (<1cm). Possuem um              De acordo com Allegra F, Gennari U. P, (2000), a
    crescimento exofítico e aparecem tanto como uma intumescência              terapia mais simples e resolutiva para o papiloma, é
    ovóide de base ampla ou como uma lesão pediculada. A superfície            a diatermocoagulação da lesão, que deve ser
                                                                               superficial, para evitar cicatrizes residuais: a lesão,
    pode apresentar pequenas projeções digitiformes, dando a ela um            de fato, é essencialmente epitelial e não requer uma
    contorno verrucoso grosseiro. A cor varia desde branca até rosa,           diatermocoagulação profunda.
    dependendo dos graus de queratinização e de vascularização.




           PAPILOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS                                   VERRUGA VULGAR
                                                                           Características Clínicas:

                                                                              Premoli G, (1993) afirmou que a verruga Vulgar na
                                                                               cavidade bucal se apresenta como uma lesão firme,
                                                                               esbranquiçada, séssil, circunscrita, exofítica que
                                                                               mostram hiperqueratinização superficial.


                                                                              A verruga vulgar oral afeta mais freqüentemente os
                                                                               lábios e sua aparência clínica é de uma lesão
                                                                               exofítica,  usualmente     com    uma     superfície
                                                                               hiperceratótica, formando projeções digitiformes e
                                                                               aparência esbranquiçada. Costa J.L. et al, (1994).



             Imagem cedida pela Profª.Dulce Cabelho Passarelli




                                                                                           VERRUGA VULGAR
       Segundo Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M.,
        Bouquot J.E , (1998) na verruga vulgar quando a
        mucosa oral está envolvida, as lesões são
        normalmente encontradas na zona do vermelhão do
        lábio, mucosa labial ou parte anterior da língua.
        Tipicamente, a lesão apresenta-se como pápula ou
        nódulo indolor, com projeções papilares ou uma
        superfície “verruciforme”. Pode ser pedunculada ou
        séssil. As lesões orais são quase sempre brancas. A
        verruga vulgar cresce rapidamente para seu
        tamanho máximo, normalmente menos que 5 mm, e
        o tamanho permanece constante por meses ou anos,
        a menos q a lesão esteja irritada. As lesões múltiplas
        ou aglomeradas são comuns.




                                                                                    Imagem cedida pela Profª.Dulce Cabelho Passarelli




                                                                                                                                                 3
19/12/2011




                                                                     HIPERPLASIA EPITELIAL
TRATAMENTO:                                                          HIPERPLASIA EPITELIAL
                                                                            FOCAL
                                                                            FOCAL
   Coleman C.G, Nelson J.F, (1996) afirmaram que para
    as verrugas vulgares é indicada a excisão cirúrgica
    conservadora, porém podem ser removidas por                  Características Clínicas:
    crioterapia, eletrocirurgia ou mesmo ablação a laser.
    O contato com o tecido circunvizinho deve ser evitado
    durante a remoção, a fim de minimizar a possibilidade           Allegra F, Gennari U. P, (2000) afirmaram que a
    de inoculação viral.                                             Hiperplasia Epitelial Focal oral manifesta-se sob
                                                                     forma de nódulos múltiplos, lisos ou salientes de
                                                                     contornos arredondados, levemente róseos ou
   Allegra F, Gennari U. P, (2000) afirmaram que as                 pálidos com relação à mucosa normal. Às dimensões
    verrugas vulgares da cavidade bucal, sofrem                      dos elementos simples variam de 1 a 5 mm de
    freqüentemente regressão espontânea e a crioterapia              diâmetro: a lesão pode desaparecer se a mucosa for
    parece ser o tratamento de escolha.                              esticada,   o    que   acontece   com    freqüência,
                                                                     principalmente no lábio inferior que, por outro lado,
   Rachid M, Schechter M, (2003) acreditam que os                   é o local mais freqüentemente atingido.
    tratamentos da verruga vulgar podem ser a excisão
    cirúrgica conservadora , crioterapia ou aplicação
    tópica de agentes ceratinolíticos.




                                                                          HIPERPLASIA EPITELIAL FOCAL

       Segundo Schwenger J.U, Von Buchwald C,
        Lindeberg H, (2002) a Hiperplasia epitelial focal,
        clinicamente são lesões q surgem como nódulos
        múltiplos, elevados , moles e arredondados,
        assintomáticos e de coloração variável entre o rosa
        pálido à cor normal da mucosa. Quando a mucosa é
        distendida a lesão desaparece.

       De acordo com Santillan EM, (2003) a hiperplasia
        epitelial focal podem ser pálidas ou raramente
        brancas, apresenta–se como pápulas e placas
        achatadas. As lesões papilares são pequenas
        variando 0,3 a 1 cm. São assintomáticas e se
        encontram aglutinadas


                                                                           Imagem cedida pela Profª.Dulce Cabelho Passarelli




    TRATAMENTO: O, Akar A, Safali M, Tastan HB,
     Segundo Köse
        Kurumlu Z, Gür AR, (2001) a regressão espontânea
        da hiperplasia epitelial focal tem sido noticiada após
        meses ou anos, sendo confirmada pela raridade da
        doença em adultos. A excisão cirúrgica conservadora
        pode ser feita para fins diagnósticos ou por razões
        estéticas. O tratamento com interferon alpha-2a
        também tem sido citadas sendo necessárias
        aplicações duas vezes por semana por um período de
        14 semanas.

       Segundo Martins, WD; De Lima, AA; Vieira, S, (2006)                            DISCUSSÃO
        a excisão cirúrgica conservadora da Hiperplasia
        epitelial focal pode ser feita para diagnóstico, mas o
        tratamento adicional é desnecessário, exceto por
        razões estéticas. O risco de recorrência após a
        terapia é mínimo.




                                                                                                                                       4
19/12/2011




CONDILOMA ACUMINADO
       ORAL
                                                                   TRATAMENTO:
Características Clínicas:                                           De acordo com Shafer WG, Hine MK, Levy B.M,
                                                                       (1979), Neville B.W, Damm D.D, Allen C.M, Bouquot
    Para Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot                 J.E (1998), Kui L.L, Xiu H.Z, Ning L.Y (2003) e Kodner
    J.E , (1998), Camargos A.F., Hugo de Melo V.(2001), Kui            CM, Nasraty S, (2004) os condilomas normalmente
    L.L, Xiu H.Z, Ning L.Y (2003), Rachid M, Schechter M,              são tratados por excisão cirúrgica, podendo ser
    (2003) concluíram que o condiloma acuminado oral se                usados também aplicação tópica de podofilina e
    manifesta como uma lesão de crescimento exofítico,                 ablação a laser.
    firme, bem edemaciada e séssil. Apresenta-se com
    coloração rosa que crescem e depois coalescem.
                                                                      Para Allegra F, Gennari U. P (2000), podemos
                                                                       recorrer a tratamentos imunoterápicos mediante
   Para Eversole L.R., et al (1987), Chang F., Syrjãnen S.,           interferon de fibroblastos humanos.
    Kellokosk J., Syrjãnen K., (1991), Kelloski. J, (1992),
    Tormiga S, Fukushima K, Nishizaki K, Watanabe S,
    Masuda Y, Ogura H, (1996), o condiloma apresenta
    como pequenos nódulos rosados ou esbranquiçados
    possuindo uma superfície de aspecto de couve-flor.




      PAPILOMA DE CÉLULAS
           ESCAMOSAS
                                                                   TRATAMENTO:
Características Clínicas:
                                                                      Alguns autores como Regezi, J.A, (1991), Dias P.E,
                                                                       (1997), Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot
    Para Tommasi A. F (1988), Miller C.S, Zeuss M.S,                   J.E    (1998)    afirmaram   que     o   tratamento
    White D.K (1991), Kelloski J (1992), Syrjänen S.                   recomendado para o papiloma, consiste na excisão
    (1999), Nassif A.C.F, Bóros L.F, Júnior J.B (2003), o              cirúrgica conservadora, incluindo a base da lesão,
    papiloma apresenta-se como crescimento exofítico,                  senso a recorrência improvável.
    geralmente pediculado assemelhando à “couve-flor”;
    Tendo sua cor do rosa-pálido ao esbranquiçado.
                                                                      Já para Allegra F, Gennari U. P, (2000) o tratamento
   Já Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E                recomendado é a diatermocoagulação da lesão, que
    (1998), afirmam que a coloração pode ser branca,                   deve ser superficial, para evitar cicatrizes residuais.
    vermelho-clara, ou de cor normal, dependendo da
    quantidade de ceratinização. Relatando também que
    tem sido noticiadas lesões que chegam a 3 cm de
    diâmetro.




       VERRUGA
        VULGAR
                                                                   TRATAMENTO:
Características Clínicas:
                                                                      É consenso dos autores, Coleman C.G, Nelson J.F,
   Para Adler-Storthz K (1992), Costa J.L. et al, (1994), Srruf
                                                                       (1996), Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot
    M.B.J, Dias E.P, (1997) , a verruga localiza-se no lábio. Já       J.E (1998) e Allegra F, Gennari U. P, (2000) o
    para Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E              tratamento indicado para as verrugas vulgares é a
    (1998) as lesões são encontradas na zona do vermelhão do           excisão cirúrgica conservadora, porém podem ser
    lábio, mucosa labial ou parte anterior da língua. Porém,           removidas por crioterapia ou eletrocirurgia.
    Nassif Filho A.C, Boros L.F, Júnior J.B, (2003), discordam
    relatando a localização nos lábios, palato duro, gengiva e
    superfície dorsal da língua.                                      Já para Rachid M, Schechter M, (2003) e Neville
                                                                       B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E (1998) o
                                                                       tratamento pode ser feito com aplicação tópica de
   Para Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E
    (1998) e Allegra F, Gennari U. P, (2000) a verruga tem um
                                                                       agentes ceratinolítcos. Allegra F, Gennari U. P,
    aparecimento brusco e cresce rapidamente para o seu                (2000) afirmam que as verrugas sofrem regressão
    tamanho máximo, normalmente menos que 5 mm. Coleman                espontânea.
    C.G, Nelson J.F, (1996) discorda afirmando que o
    crescimento é vagaroso, e geralmente menos de 1cm de
    tamanho.




                                                                                                                                         5
19/12/2011




    HIPERPLASIA EPITELIAL                                        TRATAMENTO:
           FOCAL
                                                                    O tratamento com excisão cirúrgica conservadora é
                                                                     indicado segundo Martins W.D, De Lima A.A e Vieira
Características Clínicas:                                            S, (2006).

   As lesões surgem como nódulos múltiplos, elevados,              Já Köse O, Akar A, Safali M, Tastan HB, Kurumlu Z,
    amolecidos, arredondados e assintomáticos segundo os             Gür AR, (2001) relatam que o tratamento pode
    autores Garlick J, Calderon S, Buchchner A, Mitrani-
                                                                     também ser através do interferon alpha-2a sendo
    Rosenbaum S, (1989), Allegra F, Gennari U. P, (2000),
    Schwenger J.U, Von Buchwald C, Lindeberg H, (2002),
                                                                     necessárias aplicações duas vezes por semana por
    Herrero R, Castellangue X, Pawlita M, Lissowska J, Kee F,        um período de 14 semanas.
    Balaram P, (2003).
                                                                    . No tratamento clínico podem ser utilizados agentes
   De acordo com Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M.,               cálcicos que diminuem o tamanho da lesão. Já o
    Bouquot J.E (1998) e Martins W.D, De Lima A.A, Vieira S,         tratamento cirúrgico pode envolver a remoção com a
    (2006) as lesões são pequenas de tamanho ( 0,3 a 1cm),           incisão ou eletrocoagulação ou laser podendo ser
    apresenta pápulas e placas moles e chatas. Já para Allegra       usados também a crioterapia concluíram, Castro
    F, Gennari U. P, (2000) o tamanho varia de 1 a 5mm de
                                                                     T.M.P.G, Neto C.E.R, Scala.K.A, Scala.W.A (2004).
    diâmetro.




CONCLUSÃO
    A cavidade bucal é considerada por muitos autores

                                                                    O tratamento indicado para as lesões do
    como reservatórios e fonte de infecção desse vírus.
                                                                     HPV     baseia-se  em     excisão cirúrgica
                                                                     conservadora, elétrica, laser ou crioterapia,
    Foram encontardos HPVs responsáveis por diversas
    lesões bucais benignas.
                                                                     interferon e diatermocoagulação.

   Lesões que se assemelham sob o ponto de vista                   Objetivo do tratamento é a cura clínica.
    histológica, porém variam em relação à localização.

                                                                    É importante a conscientização do paciente.
   Geralmente têm características clínicas semelhantes
    sendo de crescimentos exofíticos, que aumentam
    com o decorrer do tempo, e são freqüentemente
    confluentes,  com coloração rosa pálido ao
    esbranquiçado apresentando aspecto de "couve-flor"
    e podendo acometer áreas queratinizadas ou não-
    queratinizadas.




REFERÊNCIAS




                                                                                                                                    6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Instrumental endodontico blog
Instrumental endodontico   blogInstrumental endodontico   blog
Instrumental endodontico blog
Charles Pereira
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
Camilla Bringel
 

Mais procurados (20)

Resinas
ResinasResinas
Resinas
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Instrumental endodontico blog
Instrumental endodontico   blogInstrumental endodontico   blog
Instrumental endodontico blog
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Tumores odontogênicos
Tumores odontogênicosTumores odontogênicos
Tumores odontogênicos
 
Cariologia
CariologiaCariologia
Cariologia
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
 
Caso Clínico odontológico
Caso Clínico odontológicoCaso Clínico odontológico
Caso Clínico odontológico
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese Total
 
Amálgama Dental
Amálgama DentalAmálgama Dental
Amálgama Dental
 
Anestesicos locais foa
Anestesicos locais   foaAnestesicos locais   foa
Anestesicos locais foa
 
Livro Prótese fixa: odontostation
Livro Prótese fixa:  odontostationLivro Prótese fixa:  odontostation
Livro Prótese fixa: odontostation
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
 
Amálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata RegisAmálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata Regis
 
Cancer boca
Cancer boca Cancer boca
Cancer boca
 
Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos
 
Selantes odontopediatria
Selantes odontopediatriaSelantes odontopediatria
Selantes odontopediatria
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Paramentação em Cirurgia BMF
Paramentação em Cirurgia BMFParamentação em Cirurgia BMF
Paramentação em Cirurgia BMF
 

Destaque (7)

Hiperplasias reacionais do tecido conjuntivo
Hiperplasias reacionais do tecido conjuntivo Hiperplasias reacionais do tecido conjuntivo
Hiperplasias reacionais do tecido conjuntivo
 
Ppr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
Ppr FlexivelapresentaçãO OdontoflexPpr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
Ppr FlexivelapresentaçãO Odontoflex
 
Cistos orais e para orais
Cistos orais e para oraisCistos orais e para orais
Cistos orais e para orais
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
HPV
HPVHPV
HPV
 
HPV
HPVHPV
HPV
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 

Semelhante a HPV

HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
ITPAC PORTO
 
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Nadia Morais Tonussi
 
Allan artigo 2013 spemd
Allan artigo 2013 spemdAllan artigo 2013 spemd
Allan artigo 2013 spemd
Allan Ulisses
 
1 infecções virais e fúngicas do sistema estomatognático completo
1 infecções virais e fúngicas do sistema estomatognático completo1 infecções virais e fúngicas do sistema estomatognático completo
1 infecções virais e fúngicas do sistema estomatognático completo
Ronaldo Oliveira
 
Herpes (seminário)
Herpes (seminário)Herpes (seminário)
Herpes (seminário)
Odontologia
 

Semelhante a HPV (20)

Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
Alterações bucais em pacientes imunocomprometidos
 
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia - Questão 01 Comentada.pdf
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia - Questão 01 Comentada.pdfManifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia - Questão 01 Comentada.pdf
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia - Questão 01 Comentada.pdf
 
HPV na laringe
HPV na laringeHPV na laringe
HPV na laringe
 
1o ano ds ts - cancro mole
1o ano   ds ts - cancro mole1o ano   ds ts - cancro mole
1o ano ds ts - cancro mole
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
 
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdfManifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
Manifestações Orais do HIV - Concurso Odontologia Banca VUNESP - Questão 01.pdf
 
TC - RELATO DE CASO - ADENOMA PLEOMÓRFICO.pptx
TC - RELATO DE CASO - ADENOMA PLEOMÓRFICO.pptxTC - RELATO DE CASO - ADENOMA PLEOMÓRFICO.pptx
TC - RELATO DE CASO - ADENOMA PLEOMÓRFICO.pptx
 
Hiv 04
Hiv 04Hiv 04
Hiv 04
 
Apresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringeApresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringe
 
Apresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringeApresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringe
 
Neurofibromatose
NeurofibromatoseNeurofibromatose
Neurofibromatose
 
Adenopatia
Adenopatia Adenopatia
Adenopatia
 
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
Apresentação TCC - Penfigoide Mucoso: Relato de casos com destauqe para o tra...
 
Allan artigo 2013 spemd
Allan artigo 2013 spemdAllan artigo 2013 spemd
Allan artigo 2013 spemd
 
1 infecções virais e fúngicas do sistema estomatognático completo
1 infecções virais e fúngicas do sistema estomatognático completo1 infecções virais e fúngicas do sistema estomatognático completo
1 infecções virais e fúngicas do sistema estomatognático completo
 
IST's Verrugas anogenitais
IST's Verrugas anogenitaisIST's Verrugas anogenitais
IST's Verrugas anogenitais
 
Herpes (seminário)
Herpes (seminário)Herpes (seminário)
Herpes (seminário)
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
 
Dst pdf
Dst pdfDst pdf
Dst pdf
 
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdf
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdfTumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdf
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdf
 

Mais de Estomatologista- Dra Dulce Cabelho

Mais de Estomatologista- Dra Dulce Cabelho (20)

Curso usp 2019 -Dra Dulce Cabelho -Atlas em Estomatologia
Curso usp 2019 -Dra Dulce Cabelho -Atlas em EstomatologiaCurso usp 2019 -Dra Dulce Cabelho -Atlas em Estomatologia
Curso usp 2019 -Dra Dulce Cabelho -Atlas em Estomatologia
 
ATLAS de Estomatologia-casos clínicos
ATLAS de Estomatologia-casos clínicosATLAS de Estomatologia-casos clínicos
ATLAS de Estomatologia-casos clínicos
 
Periimplantite
PeriimplantitePeriimplantite
Periimplantite
 
HPV Bucal - aspectos atuais com o carcinoma epidermóide
HPV Bucal - aspectos atuais com o carcinoma epidermóideHPV Bucal - aspectos atuais com o carcinoma epidermóide
HPV Bucal - aspectos atuais com o carcinoma epidermóide
 
A utilização das Céls Tronco na Odontologia
A utilização das Céls Tronco na OdontologiaA utilização das Céls Tronco na Odontologia
A utilização das Céls Tronco na Odontologia
 
Distrofia Muscular e Parkinson
Distrofia Muscular e ParkinsonDistrofia Muscular e Parkinson
Distrofia Muscular e Parkinson
 
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICIDSarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
Sarcoma de Ewing CONLIGAS MEDICINA UNICID
 
Oxigenação hiperbárica em Necroses de Cabeça e Pescoço
Oxigenação hiperbárica em Necroses de Cabeça e PescoçoOxigenação hiperbárica em Necroses de Cabeça e Pescoço
Oxigenação hiperbárica em Necroses de Cabeça e Pescoço
 
Enxertos ósseos
Enxertos ósseosEnxertos ósseos
Enxertos ósseos
 
Abfração- Fatores etiológicos e características clínicas
Abfração- Fatores etiológicos e características clínicasAbfração- Fatores etiológicos e características clínicas
Abfração- Fatores etiológicos e características clínicas
 
Pacientes especiais
Pacientes especiais Pacientes especiais
Pacientes especiais
 
Links
Links Links
Links
 
Cistos periapicais
Cistos periapicais Cistos periapicais
Cistos periapicais
 
Consequências bucais do piercing intrabucal
Consequências bucais do piercing intrabucal Consequências bucais do piercing intrabucal
Consequências bucais do piercing intrabucal
 
Efeitos colaterais bucais decorrentes da cirurgia bariátrica
Efeitos colaterais bucais decorrentes da cirurgia bariátricaEfeitos colaterais bucais decorrentes da cirurgia bariátrica
Efeitos colaterais bucais decorrentes da cirurgia bariátrica
 
Pênfigo Vulgar e Lesões Bucais
Pênfigo Vulgar e Lesões BucaisPênfigo Vulgar e Lesões Bucais
Pênfigo Vulgar e Lesões Bucais
 
Radioterapia e Mucosite
Radioterapia e MucositeRadioterapia e Mucosite
Radioterapia e Mucosite
 
Granuloma Piogênico
Granuloma PiogênicoGranuloma Piogênico
Granuloma Piogênico
 
Bulimia e Boca
Bulimia e BocaBulimia e Boca
Bulimia e Boca
 
OSTEONECROSE POR BIFOSFONATO ASPECTOS CLÍNICOS BUCAIS
OSTEONECROSE POR BIFOSFONATO   ASPECTOS CLÍNICOS BUCAIS OSTEONECROSE POR BIFOSFONATO   ASPECTOS CLÍNICOS BUCAIS
OSTEONECROSE POR BIFOSFONATO ASPECTOS CLÍNICOS BUCAIS
 

HPV

  • 1. 19/12/2011 RESUMO MANIFESTAÇÕES BUCAIS ASSOCIADAS O papilomavírus (HPV) é um DNA vírus do grupo AO HPV: CONDILOMA ACUMINADO, papovavírus, que é altamente transmissível PAPILOMA DE CÉLULA ESCAMOSA, sexualmente, sendo freqüente na região ano-genital e VERRUGA VULGAR, HIPERPLASIA raro na mucosa oral. A sua implantação oral pode ser EPITELIAL FOCAL. por auto-inoculação ou pelo contato oro-sexual. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E As lesões orais benignas associadas ao HPV são: TRATAMENTO papiloma de células escamosas, condiloma acuminado, verruga vulgar e hiperplasia epitelial focal. Essas lesões tem características AUTORA: Victoria Caroline Guerreiro. clínicas muito semelhantes. O tratamento, pode ser clínico e/ou cirúrgico, obtendo assim a cura clínica, ORIENTADORA: Profª. Dulce Helena Cabelho. pois o vírus permanece no epitélio da mucosa mesmo após o tratamento. SÃO PAULO 2008 INTRODUÇÃO  O HPV é um conhecido DNA vírus do grupo  Já foram identificados mais de 100 tipos de HPV, papovavírus, não cultivável, que possui considerável desses, 24 tipos associados com lesões orais. tropismo pelo tecido epitelial e mucoso.  O HPV-16 é o tipo mais comum associado a câncer  É altamente transmissível sexualmente sendo mais oral e de colo de útero, enquanto o tipo 6 e 11 são os freqüente na região ano-genital e raro na mucosa mais freqüentemente encontrados em lesões oral. benignas e pré-malignas.  Devido o aumento da prática do sexo oral, o  O diagnóstico do papilomavírus humano na mucosa papilomavírus passou a ser encontrado na mucosa oral é dado pelo exame clínico, citologia, biópsia, bucal. imuno-histoquímica, hibridização do DNA, captura híbrida e PCR.  Na cavidade oral, a língua o local mais freqüente de lesões pelo HPV, com incidência de 55% em um estudo  O tratamento de lesões orais por HPV pode ser realizado por Premoli de Percoco (1993). clínico ou cirúrgico. PROPOSIÇÃO  Este trabalho tem como propósito estudar através da revisão de literatura as características clínicas e tratamento do HVP, para orientar o cirurgião dentista clínico geral em relação aos cuidados durante o exame clínico e tratamento destes pacientes, visando a prevenção de manifestações clínicas de DST em boca. REVISÃO DE LITERATURA 1
  • 2. 19/12/2011 CONDILOMA ACUMINADO ORAL Características Clínicas:  Kui L.L, Xiu H.Z, Ning L.Y, (2003) afirmaram clinicamente que o condiloma acuminado pode  Segundo Tormiga S, Fukushima K, Nishizaki K, Watanabe S, Masuda Y, Ogura H, (1996) clinicamente iniciar-se como uma formação de numerosas o condiloma oral se apresenta como nódulos pápulas agrupadas, de coloração rósea, que crescem múltiplos, pequenos, rosados ou esbranquiçados, que e coalescem. O resultado é um crescimento papilar proliferam em projeções papilares e podem ser (ou nodular) exofítico, com base larga, que pode ser pequenos e sésseis. O contorno da superfície na maioria dos casos é mais do tipo couve-flor do que de ceratinizado ou não ceratinizado, firme, bem papilomas. edemaciada e séssil de coloração rósea, com superfície verrucosa, indolor, podendo ser única ou  Segundo Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., múltipla. As lesões orais ocorrem geralmente, na Bouquot J.E , (1998) o condiloma acuminado oral mucosa labial, palato mole e freio da língua, mas típico apresenta uma mucosa rosa, exofítica, firme, podem ocorrer em quaisquer uns dos tecidos moles bem-edemaciada e séssil, com projeções superficiais embotadas e curtas. Tendem a ser maiores que os da cavidade bucal. O tamanho médio da lesão é de 1 papilomas, e são caracteristicamente múltiplos e a 1,5 cm. aglutinados. O tamanho médio da lesão é de 1 a 1,5 cm, mas podem ser encontradas até 3 cm. TRATAMENTO: CONDILOMA ACUMINADO ORAL  O condiloma acuminado quando demonstra uma obstinada tendência à recidiva após diatermocoagulação, pode recorrer a tratamentos imunoterápicos mediante interferon de fibroblastos humanos. Allegra F, Gennari U. P, (2000).  De acordo com Kui L.L, Xiu H.Z, Ning L.Y, (2003) os condilomas orais são normalmente tratados por excisão cirúrgica conservadora. A aplicação tópica de podofilina nem sempre apresenta resultados satisfatórios além das dificuldades técnicas relacionadas a sua aplicação. A ablação a laser tem sido usada, mas este tratamento tem levantado algumas questões, como o transporte pelo ar de HPV pelas microgotas aerosolizadas, criadas pela vaporização do tecido lesional. Imagem cedida pela Profª.Dulce Cabelho Passarelli PAPILOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS  Segundo Kodner CM, Nasraty S, (2004) o condiloma na mucosa bucal é normalmente tratado por excisão Características Clínicas: cirúrgica conservadora. Atualmente, existem outras formas de tratamento que são efetivas e convenientes, como tratamento a laser, o uso de  De acordo com Regezi, J.A, (1991) o papiloma podofilotoxina e crioterapia. A escolha da terapia é escamoso oral é relativamente pequeno, medindo baseada no número, tamanho, local e morfologia menos de 1 cm, podendo, eventualmente, assumir das lesões, bem como da preferência do paciente, proporções maiores. Normalmente, se apresenta custo, conveniência, efeitos adversos e experiência como lesão única, embora possam ser encontradas clínica. lesões múltiplas. Na maioria dos casos são assintomáticos. Além disso, possui desenvolvimento lento e duração prolongada. 2
  • 3. 19/12/2011  Segundo Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E , (1998) o papiloma escamoso oral é uma lesão mole, indolor e normalmente TRATAMENTO:(1991) Afirmou que o tratamento  Regezi, J.A, exofítica pedunculada, com numerosas projeções semelhantes a recomendado para papiloma escamoso, consiste na dedos na superfície, que lhes dão uma aparência de couve-flor ou excisão as lesão, incluindo a base da mucosa na qual se insere a haste do pedículo. A remoção jamais deve verruga. As projeções podem se pontudas. As lesões podem ser ser feita por uma incisão através do pedículo. brancas, vermelhas claras, ou de cor normal, dependendo da Quando tumor é excisado de modo adequado, a quantidade de ceratinização da superfície. Os papilomas são recidiva é rara. solitários e caracteristicamente aumentam de modo rápido para o tamanho máximo de aproximadamente 0,5cm, com pequena ou  Dias P.E, (1997) o tratamento indicado do papiloma nenhuma mudança depois disso. Entretanto, têm sido noticiadas escamoso é a remoção cirúrgica com pequena lesões que chegam a 3 cm de diâmetro. margem de segurança e deve incluir a base da lesão, sua recidiva é bastante rara exceto em pacientes imunodeprimidos.  Para Syrjänen S., (1999) o papiloma usualmente, afeta o palato mole, a língua, o freio da língua e o lábio inferior. Na maioria dos casos, os papilomas são únicos e pequenos (<1cm). Possuem um  De acordo com Allegra F, Gennari U. P, (2000), a crescimento exofítico e aparecem tanto como uma intumescência terapia mais simples e resolutiva para o papiloma, é ovóide de base ampla ou como uma lesão pediculada. A superfície a diatermocoagulação da lesão, que deve ser superficial, para evitar cicatrizes residuais: a lesão, pode apresentar pequenas projeções digitiformes, dando a ela um de fato, é essencialmente epitelial e não requer uma contorno verrucoso grosseiro. A cor varia desde branca até rosa, diatermocoagulação profunda. dependendo dos graus de queratinização e de vascularização. PAPILOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS VERRUGA VULGAR Características Clínicas:  Premoli G, (1993) afirmou que a verruga Vulgar na cavidade bucal se apresenta como uma lesão firme, esbranquiçada, séssil, circunscrita, exofítica que mostram hiperqueratinização superficial.  A verruga vulgar oral afeta mais freqüentemente os lábios e sua aparência clínica é de uma lesão exofítica, usualmente com uma superfície hiperceratótica, formando projeções digitiformes e aparência esbranquiçada. Costa J.L. et al, (1994). Imagem cedida pela Profª.Dulce Cabelho Passarelli VERRUGA VULGAR  Segundo Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E , (1998) na verruga vulgar quando a mucosa oral está envolvida, as lesões são normalmente encontradas na zona do vermelhão do lábio, mucosa labial ou parte anterior da língua. Tipicamente, a lesão apresenta-se como pápula ou nódulo indolor, com projeções papilares ou uma superfície “verruciforme”. Pode ser pedunculada ou séssil. As lesões orais são quase sempre brancas. A verruga vulgar cresce rapidamente para seu tamanho máximo, normalmente menos que 5 mm, e o tamanho permanece constante por meses ou anos, a menos q a lesão esteja irritada. As lesões múltiplas ou aglomeradas são comuns. Imagem cedida pela Profª.Dulce Cabelho Passarelli 3
  • 4. 19/12/2011 HIPERPLASIA EPITELIAL TRATAMENTO: HIPERPLASIA EPITELIAL FOCAL FOCAL  Coleman C.G, Nelson J.F, (1996) afirmaram que para as verrugas vulgares é indicada a excisão cirúrgica conservadora, porém podem ser removidas por Características Clínicas: crioterapia, eletrocirurgia ou mesmo ablação a laser. O contato com o tecido circunvizinho deve ser evitado durante a remoção, a fim de minimizar a possibilidade  Allegra F, Gennari U. P, (2000) afirmaram que a de inoculação viral. Hiperplasia Epitelial Focal oral manifesta-se sob forma de nódulos múltiplos, lisos ou salientes de contornos arredondados, levemente róseos ou  Allegra F, Gennari U. P, (2000) afirmaram que as pálidos com relação à mucosa normal. Às dimensões verrugas vulgares da cavidade bucal, sofrem dos elementos simples variam de 1 a 5 mm de freqüentemente regressão espontânea e a crioterapia diâmetro: a lesão pode desaparecer se a mucosa for parece ser o tratamento de escolha. esticada, o que acontece com freqüência, principalmente no lábio inferior que, por outro lado,  Rachid M, Schechter M, (2003) acreditam que os é o local mais freqüentemente atingido. tratamentos da verruga vulgar podem ser a excisão cirúrgica conservadora , crioterapia ou aplicação tópica de agentes ceratinolíticos. HIPERPLASIA EPITELIAL FOCAL  Segundo Schwenger J.U, Von Buchwald C, Lindeberg H, (2002) a Hiperplasia epitelial focal, clinicamente são lesões q surgem como nódulos múltiplos, elevados , moles e arredondados, assintomáticos e de coloração variável entre o rosa pálido à cor normal da mucosa. Quando a mucosa é distendida a lesão desaparece.  De acordo com Santillan EM, (2003) a hiperplasia epitelial focal podem ser pálidas ou raramente brancas, apresenta–se como pápulas e placas achatadas. As lesões papilares são pequenas variando 0,3 a 1 cm. São assintomáticas e se encontram aglutinadas Imagem cedida pela Profª.Dulce Cabelho Passarelli TRATAMENTO: O, Akar A, Safali M, Tastan HB,  Segundo Köse Kurumlu Z, Gür AR, (2001) a regressão espontânea da hiperplasia epitelial focal tem sido noticiada após meses ou anos, sendo confirmada pela raridade da doença em adultos. A excisão cirúrgica conservadora pode ser feita para fins diagnósticos ou por razões estéticas. O tratamento com interferon alpha-2a também tem sido citadas sendo necessárias aplicações duas vezes por semana por um período de 14 semanas.  Segundo Martins, WD; De Lima, AA; Vieira, S, (2006) DISCUSSÃO a excisão cirúrgica conservadora da Hiperplasia epitelial focal pode ser feita para diagnóstico, mas o tratamento adicional é desnecessário, exceto por razões estéticas. O risco de recorrência após a terapia é mínimo. 4
  • 5. 19/12/2011 CONDILOMA ACUMINADO ORAL TRATAMENTO: Características Clínicas:  De acordo com Shafer WG, Hine MK, Levy B.M, (1979), Neville B.W, Damm D.D, Allen C.M, Bouquot  Para Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E (1998), Kui L.L, Xiu H.Z, Ning L.Y (2003) e Kodner J.E , (1998), Camargos A.F., Hugo de Melo V.(2001), Kui CM, Nasraty S, (2004) os condilomas normalmente L.L, Xiu H.Z, Ning L.Y (2003), Rachid M, Schechter M, são tratados por excisão cirúrgica, podendo ser (2003) concluíram que o condiloma acuminado oral se usados também aplicação tópica de podofilina e manifesta como uma lesão de crescimento exofítico, ablação a laser. firme, bem edemaciada e séssil. Apresenta-se com coloração rosa que crescem e depois coalescem.  Para Allegra F, Gennari U. P (2000), podemos recorrer a tratamentos imunoterápicos mediante  Para Eversole L.R., et al (1987), Chang F., Syrjãnen S., interferon de fibroblastos humanos. Kellokosk J., Syrjãnen K., (1991), Kelloski. J, (1992), Tormiga S, Fukushima K, Nishizaki K, Watanabe S, Masuda Y, Ogura H, (1996), o condiloma apresenta como pequenos nódulos rosados ou esbranquiçados possuindo uma superfície de aspecto de couve-flor. PAPILOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS TRATAMENTO: Características Clínicas:  Alguns autores como Regezi, J.A, (1991), Dias P.E, (1997), Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot Para Tommasi A. F (1988), Miller C.S, Zeuss M.S, J.E (1998) afirmaram que o tratamento White D.K (1991), Kelloski J (1992), Syrjänen S. recomendado para o papiloma, consiste na excisão (1999), Nassif A.C.F, Bóros L.F, Júnior J.B (2003), o cirúrgica conservadora, incluindo a base da lesão, papiloma apresenta-se como crescimento exofítico, senso a recorrência improvável. geralmente pediculado assemelhando à “couve-flor”; Tendo sua cor do rosa-pálido ao esbranquiçado.  Já para Allegra F, Gennari U. P, (2000) o tratamento  Já Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E recomendado é a diatermocoagulação da lesão, que (1998), afirmam que a coloração pode ser branca, deve ser superficial, para evitar cicatrizes residuais. vermelho-clara, ou de cor normal, dependendo da quantidade de ceratinização. Relatando também que tem sido noticiadas lesões que chegam a 3 cm de diâmetro. VERRUGA VULGAR TRATAMENTO: Características Clínicas:  É consenso dos autores, Coleman C.G, Nelson J.F,  Para Adler-Storthz K (1992), Costa J.L. et al, (1994), Srruf (1996), Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot M.B.J, Dias E.P, (1997) , a verruga localiza-se no lábio. Já J.E (1998) e Allegra F, Gennari U. P, (2000) o para Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E tratamento indicado para as verrugas vulgares é a (1998) as lesões são encontradas na zona do vermelhão do excisão cirúrgica conservadora, porém podem ser lábio, mucosa labial ou parte anterior da língua. Porém, removidas por crioterapia ou eletrocirurgia. Nassif Filho A.C, Boros L.F, Júnior J.B, (2003), discordam relatando a localização nos lábios, palato duro, gengiva e superfície dorsal da língua.  Já para Rachid M, Schechter M, (2003) e Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E (1998) o tratamento pode ser feito com aplicação tópica de  Para Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., Bouquot J.E (1998) e Allegra F, Gennari U. P, (2000) a verruga tem um agentes ceratinolítcos. Allegra F, Gennari U. P, aparecimento brusco e cresce rapidamente para o seu (2000) afirmam que as verrugas sofrem regressão tamanho máximo, normalmente menos que 5 mm. Coleman espontânea. C.G, Nelson J.F, (1996) discorda afirmando que o crescimento é vagaroso, e geralmente menos de 1cm de tamanho. 5
  • 6. 19/12/2011 HIPERPLASIA EPITELIAL TRATAMENTO: FOCAL  O tratamento com excisão cirúrgica conservadora é indicado segundo Martins W.D, De Lima A.A e Vieira Características Clínicas: S, (2006).  As lesões surgem como nódulos múltiplos, elevados,  Já Köse O, Akar A, Safali M, Tastan HB, Kurumlu Z, amolecidos, arredondados e assintomáticos segundo os Gür AR, (2001) relatam que o tratamento pode autores Garlick J, Calderon S, Buchchner A, Mitrani- também ser através do interferon alpha-2a sendo Rosenbaum S, (1989), Allegra F, Gennari U. P, (2000), Schwenger J.U, Von Buchwald C, Lindeberg H, (2002), necessárias aplicações duas vezes por semana por Herrero R, Castellangue X, Pawlita M, Lissowska J, Kee F, um período de 14 semanas. Balaram P, (2003).  . No tratamento clínico podem ser utilizados agentes  De acordo com Neville B.W., Damm D.D., Allen C.M., cálcicos que diminuem o tamanho da lesão. Já o Bouquot J.E (1998) e Martins W.D, De Lima A.A, Vieira S, tratamento cirúrgico pode envolver a remoção com a (2006) as lesões são pequenas de tamanho ( 0,3 a 1cm), incisão ou eletrocoagulação ou laser podendo ser apresenta pápulas e placas moles e chatas. Já para Allegra usados também a crioterapia concluíram, Castro F, Gennari U. P, (2000) o tamanho varia de 1 a 5mm de T.M.P.G, Neto C.E.R, Scala.K.A, Scala.W.A (2004). diâmetro. CONCLUSÃO A cavidade bucal é considerada por muitos autores   O tratamento indicado para as lesões do como reservatórios e fonte de infecção desse vírus. HPV baseia-se em excisão cirúrgica conservadora, elétrica, laser ou crioterapia,  Foram encontardos HPVs responsáveis por diversas lesões bucais benignas. interferon e diatermocoagulação.  Lesões que se assemelham sob o ponto de vista  Objetivo do tratamento é a cura clínica. histológica, porém variam em relação à localização.  É importante a conscientização do paciente.  Geralmente têm características clínicas semelhantes sendo de crescimentos exofíticos, que aumentam com o decorrer do tempo, e são freqüentemente confluentes, com coloração rosa pálido ao esbranquiçado apresentando aspecto de "couve-flor" e podendo acometer áreas queratinizadas ou não- queratinizadas. REFERÊNCIAS 6