SlideShare uma empresa Scribd logo
CISTOCISTO
• CISTO DE DESENVOLVIMENTO
– FISSURAIS
• Cisto Nasolabial
• Cisto Globulomaxilar
• Cisto Nasopalatino
• Cisto Palatal Mediano
• Cisto Mandibular Mediano
– NÃO FISSURAIS
• Cistos Palatinos do Recém-Nascido
• Cisto Dermóide e Épidermóide
• Cisto do Ducto Tireoglosso
• Cisto da Fenda Branquial
• Cisto linfoepitelial oral
• CISTO ODONTOGÊNICO
– CISTO ODONTOGÊNICO DE DESENVOLVIMENTO
– CISTO ODONTOGÊNICO INFLAMATÓRIO
PÉROLAS DE EPSTEIN; NÓDULOS DE BOHN
CISTOS PALATINOS DO RECÉM-NASCIDO
ORIGEM:
 Ilhas de epitélio aprisionada ao longo da rafe palatina
mediana, na fusão dos processos palatinos.
PÉROLAS DE EPSTEIN
 Remanescente epiteliais das glândulas salivares
menores do palato.
NÓDULOS DE BOHN
CISTOS PALATINOS DO RECÉM-NASCIDO
• CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
– 65 A 85% (muito comum)
– Pequenas pápulas brancas ou branco-amareladas
– Longo da linha média próximo a junção dos palatos
duro e mole
CISTOS PALATINOS DO RECÉM-NASCIDO
• CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS
– Preenchidos por queratina
– Revestido por epitélio pavimentoso estratificado
CISTO NASOALVEOLARCISTO NASOALVEOLAR
CISTO NASOLABIAL
( NASO ALVEOLAR )
• ORIGEM
 Remanescente epiteliais retido ao longo da linha de
fusão dos processos naso lateral, naso mediano e maxilar.
 Deposição de epitélio do ducto nasolacrimal devido à
sua localização e histologia semelhante.
RARO
CISTO NASOLABIAL
( CISTO NASO ALVEOLAR )
• CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS
– Tumefação do lábio superior, lateralmente à linha
média, causando elevação da asa do nariz.
– Pode apagar o sulco mucolabial, interferir na dentadura
e causar obstrução nasal.
– Mulheres
– Ocasionalmente reabsorção superficial do osso por
pressão do cisto.
CISTO NASOLABIAL
( CISTO NASO ALVEOLAR )
•CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS
– Revestido por epitélio colunar pseudo-estratificado
com células caliciformes e ciliadas.
– Cápsula do cisto: tecido conjuntivo fibroso com
tecido muscular esquelético adjacente.
CISTO GLOBULOMAXILAR
• CISTO FISSURAL (?)
– Epitélio retido na fusão do processo globular do
processo nasal mediano com o processo maxilar
CISTO ODONTOGÊNICOCISTO ODONTOGÊNICO
CISTO GLOBULOMAXILAR
• CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS
– Canino e o incisivo lateral superior (+)
– Incisivo central e incisivo lateral
– Lesão radiolúcida unilocular bem circunscrita entre o
ápices dos dentes.
– Aspecto de “PERA INVERTIDA”
TOA
CISTO DO CANAL INCISIVOCISTO DO CANAL INCISIVO
CISTO DO DUCTO NASOPALATINO
(CISTO DO CANAL INCISIVO)
• ORIGEM
 Desenvolve do epitélio de Jacobson (muito
improvável)
 Trauma ou infecção do ducto e retenção de muco de
glândulas salivares menores
 Degeneração cística espontânea de remanescente do
ducto nasopalatino.
CISTO DO DUCTO NASOPALATINO
(CISTO DO CANAL INCISIVO)
• CARACTERÍSTICA CLÍNICAS E RADIOGRAFICAS
– 4° e 6° década, homem
– Tumefação da região anterior do palato, drenagem, “dor”
– Radiotransparente bem circunscrita, entre os ápices dos
incisivos centrais.
– Lesão redonda ou oval com borda esclerosada.
– Pêra invertida ou “FORMA DE CORAÇÃO”
– PAPILA INCISIVA: raro, desenvolve nos tecidos moles da
papila incisiva, sem envolvimento ósseo.
CISTO DO DUCTO NASOPALATINO
(CISTO DO CANAL INCISIVO)
CISTO NÃO ODONTOGÊNICO DA CAVIDADE ORAL MAIS COMUM
CISTO DO DUCTO NASOPALATINO
(CISTO DO CANAL INCISIVO)
CISTO DO DUCTO NASOPALATINO
(CISTO DO CANAL INCISIVO)
CISTO DA PAPAILA INCISIVA
CISTO DO DUCTO NASOPALATINO
(CISTO DO CANAL INCISIVO)
•CARACTERÍSTICA HISTOPATOLÓGICAS
•Revestimento epitelial:
–Epitélio Pavimentoso Estratificado (2/3)
–Epitélio colunar pseudo-estratificado (1/3)
–Epitélio colunar simples
–Epitélio cúbico simples
•Parede do cisto
–Nervos, artérias musculares pequenas e veias, pequenas glândulas
mucosas.
–inflamação moderada (linfócito, plasmócitos e histiócitos)
HE, 100X).
HE, 400X.
CISTO PALATINO MEDIANOCISTO PALATINO MEDIANO
CISTO PALATAL (PALATINO) MEDIANO
• ORIGEM
– Epitélio retido ao longo de alinha de fusão
embrionária dos processo palatinos laterais da
maxila.
RARO
CISTO PALATAL (PALATINO) MEDIANO
• CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS
– Adultos jovens
– Tumefação firme na linha média do palato duro,
posteriormente a papila, assintomático
– Radiotransparência bem circunscrita na linha média do
palato duro
Radiotransparência na linha média sem evidência clínica
expansão provavelmente é um cisto do ducto nasopalatino
CISTO PALATAL (PALATINO) MEDIANO
•CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS
– Revestido por epitélio pavimentoso estratificado,
algumas vezes, epitélio colunar pseudo-estratificado
– Inflamação crônica na cápsula cística pode estar
presente.
CISTO MANDIBULAR MEDIANO
• ORIGEM
“Restos epiteliais retidos durante a fusão das
metades da mandíbula na vida imbrionária.”
Não há fusão de processos limitados por
epitélios, não é possível ocorrer retenção
epitelial.
ODONTOGÊNICA
CISTO MANDIBULAR MEDIANO
• CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS
– Radiotransparência na linha média apicalmente ou entre os
incisivos centrais inferiores
– Expansão da cortical
• CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS
– Revestido por epitélio pavimentoso estratificado, na maioria são
dos cistos periapicais ou residuais
– Pouquíssimo casos: epitélio colunar ciliado pseudo-estratificado
CISTO DERMÓIDE & EPIDERMÓIDE
• Malformação cística
• Forma cística benigna de teratoma
• Forma frusta de um teratoma
CISTO DERMÓIDE & EPIDERMÓIDE
• CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS
– Criança e adulto jovens
– Linha média do assoalho da boca
– Músculo genioióide:  tumefação sublingual e
 tumefação submentoniana
– Crescimento lento, assintomático, massa de
consistência semelhante a borracha ou massa de pão.
CISTO DERMÓIDE & EPIDÉRMICO
•CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS
– Revestido por epitélio pavimentoso estratificado ortoqueratinizado,
com uma camada de células granulares proeminentes.
– Parede do cisto: tecido conjuntivo fibroso que contêm um ou mais
apêndice cutâneo – glândulas sebáceas, glândulas sudoríparas ou
folículos pilosos
Cisto epidérmico: não apresenta anexos cutâneo na
parede do cisto
CISTO EPIDÉRMICO
CISTO DO TRATO TIREOGLOSSOCISTO DO TRATO TIREOGLOSSO
CISTO DO DUCTO TIREOGLOSSO
• Formação da glândula tireóide:
• Ducto tireoglosso: trajeto da base da língua até o
osso hióide – ducto ou trato
• Epitélio do ducto tireoglosso atrofia e o ducto
oblitera. Epitélio pode persistir
CISTO DO DUCTO TIREOGLOSSO
• ORIGEM
 Inflamação: tecido linfóide que reage a
drenagem de infecção da cabeça e pescoço. (+)
 Retenção de secreção dentro do ducto
 Ocorrência familial
CISTO DO DUCTO TIREOGLOSSO
• CARACTERÍSTICA CLÍNICAS
– 50% antes dos 20 anos
– Linha média, do forâmen cego até a chanfradura supra-
external.
– 60 a 80% abaixo do osso hióide.
– Região da cartilagem tiroióide, muitas vezes, desviam
lateralmente da linha média.
– Tumefação móvel, flutuante e indolor.
CISTO DO DUCTO TIREOGLOSSO
•CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS
– Revestido por epitélio pavimentoso estratificado ou colunar
– Cúbico ou epitélio do intestino delgado ocasionalmente.
– Parede do cisto: tecido conjuntivo, tecido da tireóide.
Técnica de SISTRUNKSISTRUNK: recorrência de menos de 10%
CISTO LINFOEPITELIAL CERVICALCISTO LINFOEPITELIAL CERVICAL
CISTO DA FENDA BRANQUIAL
(CISTO LINFOEPITELIAL CERVICAL)
• ORIGEM
 Desenvolve de remanescente das fendas branquiais.
(teoria clássica)
 Degeneração cística do epitélio da glândula parótida
que ficou retido nos nódulos linfáticos cervicais
superiores durante a vida embrionária.
Evidências imuno-histoquímica suportam a teoria clássica
95% - 2° arco branquial
5% - 1°, 3°, e 4° arcos branquiais
CISTO DA FENDA BRANQUIAL
(CISTO LINFOEPITELIAL CERVICAL)
• CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
– 20 a 40 anos
– Região lateral superior do pescoço, ao longo da borda
anterior do músculo esternocleidomastóide.
– Massa mole, flutuante.
– 2/3 lado esquerdo do pescoço
CISTO DA FENDA BRANQUIAL
(CISTO LINFOEPITELIAL CERVICAL)
•CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS
– Revestido por epitélio pavimentoso estratificado com ou sem
queratina (+ de 90%); alguns respiratório.
– Parede do cisto: tecido linfóide, muitas vezes com formação de
centros germinativos.
CISTO LINFOEPITELIAL ORAL
• Incomum.
• Desenvolve no tecido epitelal oral.
– ANEL DE WALDEYER: Amígdalas palatinas
e linguais, e adenóides faringeanas.
– Agregados linfóides: assoalho da boca,
superfície ventral da língua e palato mole.
CISTO LINFOEPITELIAL ORAL
• Origem
 Criptas amigdalianas podem ser obstruídas ou
estreitadas na superfície produzindo um cisto
preenchido por queratina.
 Epitélio da mucosa de superfície e Epitélio da
glândula salivar retido no tecido linfóide
durante a embriogênese.
CISTO LINFOEPITELIAL ORAL
• CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
– Adulto jovem.
– Mais comum: assoalho da boca, depois: superfície ventral da
língua e bordas bilaterais da língua.
– Pequena massa na submucosa, firme ou mole à palpação.
– Lesão é branca ou amarela, assintomático
CISTO LINFOEPITELIAL ORAL
•CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS
– Revestido por epitélio pavimentoso estratificado
paraqueratinizado
– Presença de tecido linfóide na parede do cisto.
Usualmente com centros germinativos.
Cistos orais e para orais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e CementoHistologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
Raphael Machado
 
histologia dentina (pdf)
histologia dentina (pdf)histologia dentina (pdf)
histologia dentina (pdf)
Stefano Moreira Loriato
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
Rayssa Mendonça
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
Rayssa Mendonça
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
profguilhermeterra
 
doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
Priscila Freitas
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
profguilhermeterra
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicosCistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
Nadia Morais Tonussi
 
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
André Milioli Martins
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013
Guilherme Terra
 
Anatomia, Histologia e Fisiologia do Periodonto - Arriba Dentista
Anatomia, Histologia e Fisiologia do Periodonto - Arriba DentistaAnatomia, Histologia e Fisiologia do Periodonto - Arriba Dentista
Anatomia, Histologia e Fisiologia do Periodonto - Arriba Dentista
André Milioli Martins
 
Implantes
ImplantesImplantes
Delineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelDelineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removível
Lorem Morais
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
Dr.João Calais.:
 
Anatomia do Periodonto
Anatomia do PeriodontoAnatomia do Periodonto
Anatomia do Periodonto
Zidane Rabelo
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese Total
Italo Gabriel
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
Rayssa Mendonça
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removível
Rhuan
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
Italo Gabriel
 

Mais procurados (20)

Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e CementoHistologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
Histologia do Esmalte, Dentina, Polpa e Cemento
 
histologia dentina (pdf)
histologia dentina (pdf)histologia dentina (pdf)
histologia dentina (pdf)
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)Endodontia (Revisão e resumo)
Endodontia (Revisão e resumo)
 
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicosCistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
 
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013
 
Anatomia, Histologia e Fisiologia do Periodonto - Arriba Dentista
Anatomia, Histologia e Fisiologia do Periodonto - Arriba DentistaAnatomia, Histologia e Fisiologia do Periodonto - Arriba Dentista
Anatomia, Histologia e Fisiologia do Periodonto - Arriba Dentista
 
Implantes
ImplantesImplantes
Implantes
 
Delineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removívelDelineamento em prótese parcial removível
Delineamento em prótese parcial removível
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
 
Anatomia do Periodonto
Anatomia do PeriodontoAnatomia do Periodonto
Anatomia do Periodonto
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese Total
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removível
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
 

Semelhante a Cistos orais e para orais

Tc osso temporal 1
Tc osso temporal 1Tc osso temporal 1
Tc osso temporal 1
Norberto Werle
 
Tc órbita aula
Tc órbita aulaTc órbita aula
Tc órbita aula
Norberto Werle
 
Roteiro 1 odonto
Roteiro 1 odontoRoteiro 1 odonto
Roteiro 1 odonto
LarissaDosSantos25
 
Aula.ppt neo
 Aula.ppt neo Aula.ppt neo
Aula.ppt neo
Leônidas Fernandes
 
Osteologia e sindesmologia
Osteologia e sindesmologia Osteologia e sindesmologia
Osteologia e sindesmologia
Ketinlly
 
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do...
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do...Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do...
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do...
Dani Dani
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga) Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Monitoria de Laringe e Faringe
Monitoria de Laringe e FaringeMonitoria de Laringe e Faringe
Monitoria de Laringe e Faringe
Norberto Werle
 
Aula 2 - Doenças Benignas da Laringe.pptx
Aula 2 - Doenças Benignas da Laringe.pptxAula 2 - Doenças Benignas da Laringe.pptx
Aula 2 - Doenças Benignas da Laringe.pptx
NEEMIASSANTOSCARNEIR
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco
Semiologia  -cabeca_e_pescocoSemiologia  -cabeca_e_pescoco
Semiologia -cabeca_e_pescoco
Cassia Campos
 
EXAME FISICO CABEÇA E PESCOÇO.pptx
EXAME FISICO CABEÇA E PESCOÇO.pptxEXAME FISICO CABEÇA E PESCOÇO.pptx
EXAME FISICO CABEÇA E PESCOÇO.pptx
pedroelias74
 
Tecidos
TecidosTecidos
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Cassia Campos
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
Giulio Bonanno
 
Semiologia neonatal2
Semiologia neonatal2Semiologia neonatal2
Semiologia neonatal2
Aline Leitão
 
Semiologia neonatal
Semiologia neonatalSemiologia neonatal
Semiologia neonatal
Exuperio Farias Santos
 
Glândulas Salivares
Glândulas SalivaresGlândulas Salivares
Glândulas Salivares
Gustavo Andreis
 
Histologia respiratória
Histologia respiratóriaHistologia respiratória
Histologia respiratória
Flávia Salame
 
Tc4 cavidade sinonasal
Tc4 cavidade sinonasalTc4 cavidade sinonasal
Tc4 cavidade sinonasal
Norberto Werle
 
Sistema Respiratorio - Histologia.pptx
Sistema Respiratorio - Histologia.pptxSistema Respiratorio - Histologia.pptx
Sistema Respiratorio - Histologia.pptx
AnaCarolinaGaldino1
 

Semelhante a Cistos orais e para orais (20)

Tc osso temporal 1
Tc osso temporal 1Tc osso temporal 1
Tc osso temporal 1
 
Tc órbita aula
Tc órbita aulaTc órbita aula
Tc órbita aula
 
Roteiro 1 odonto
Roteiro 1 odontoRoteiro 1 odonto
Roteiro 1 odonto
 
Aula.ppt neo
 Aula.ppt neo Aula.ppt neo
Aula.ppt neo
 
Osteologia e sindesmologia
Osteologia e sindesmologia Osteologia e sindesmologia
Osteologia e sindesmologia
 
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do...
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do...Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do...
Pescoço - anatomia - o que um médico generalista precisa saber de anatomia do...
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga) Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
 
Monitoria de Laringe e Faringe
Monitoria de Laringe e FaringeMonitoria de Laringe e Faringe
Monitoria de Laringe e Faringe
 
Aula 2 - Doenças Benignas da Laringe.pptx
Aula 2 - Doenças Benignas da Laringe.pptxAula 2 - Doenças Benignas da Laringe.pptx
Aula 2 - Doenças Benignas da Laringe.pptx
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco
Semiologia  -cabeca_e_pescocoSemiologia  -cabeca_e_pescoco
Semiologia -cabeca_e_pescoco
 
EXAME FISICO CABEÇA E PESCOÇO.pptx
EXAME FISICO CABEÇA E PESCOÇO.pptxEXAME FISICO CABEÇA E PESCOÇO.pptx
EXAME FISICO CABEÇA E PESCOÇO.pptx
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Semiologia neonatal2
Semiologia neonatal2Semiologia neonatal2
Semiologia neonatal2
 
Semiologia neonatal
Semiologia neonatalSemiologia neonatal
Semiologia neonatal
 
Glândulas Salivares
Glândulas SalivaresGlândulas Salivares
Glândulas Salivares
 
Histologia respiratória
Histologia respiratóriaHistologia respiratória
Histologia respiratória
 
Tc4 cavidade sinonasal
Tc4 cavidade sinonasalTc4 cavidade sinonasal
Tc4 cavidade sinonasal
 
Sistema Respiratorio - Histologia.pptx
Sistema Respiratorio - Histologia.pptxSistema Respiratorio - Histologia.pptx
Sistema Respiratorio - Histologia.pptx
 

Mais de Lucas Almeida Sá

Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011
Lucas Almeida Sá
 
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Lucas Almeida Sá
 
Imagiologia
ImagiologiaImagiologia
Imagiologia
Lucas Almeida Sá
 
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Lucas Almeida Sá
 
Maxila
 Maxila Maxila
Tecnica radiografica
Tecnica radiograficaTecnica radiografica
Tecnica radiografica
Lucas Almeida Sá
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
Lucas Almeida Sá
 
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaSlm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Lucas Almeida Sá
 
Farmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisFarmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locais
Lucas Almeida Sá
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
Lucas Almeida Sá
 
Anatomia anestesica
Anatomia anestesicaAnatomia anestesica
Anatomia anestesica
Lucas Almeida Sá
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
Lucas Almeida Sá
 
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Lucas Almeida Sá
 
Como escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoComo escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesico
Lucas Almeida Sá
 
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia   uma revisão de literaturaAnestésicos locais em odontologia   uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
Lucas Almeida Sá
 
Inteligencias multiplas copia
Inteligencias multiplas   copiaInteligencias multiplas   copia
Inteligencias multiplas copia
Lucas Almeida Sá
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
Lucas Almeida Sá
 
Grupos
GruposGrupos
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
Lucas Almeida Sá
 
Behaviorismo certo
Behaviorismo certoBehaviorismo certo
Behaviorismo certo
Lucas Almeida Sá
 

Mais de Lucas Almeida Sá (20)

Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011
 
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
 
Imagiologia
ImagiologiaImagiologia
Imagiologia
 
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
 
Maxila
 Maxila Maxila
Maxila
 
Tecnica radiografica
Tecnica radiograficaTecnica radiografica
Tecnica radiografica
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
 
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaSlm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
 
Farmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisFarmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locais
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
 
Anatomia anestesica
Anatomia anestesicaAnatomia anestesica
Anatomia anestesica
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
 
Como escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoComo escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesico
 
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia   uma revisão de literaturaAnestésicos locais em odontologia   uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
 
Inteligencias multiplas copia
Inteligencias multiplas   copiaInteligencias multiplas   copia
Inteligencias multiplas copia
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
 
Behaviorismo certo
Behaviorismo certoBehaviorismo certo
Behaviorismo certo
 

Cistos orais e para orais

  • 1.
  • 2. CISTOCISTO • CISTO DE DESENVOLVIMENTO – FISSURAIS • Cisto Nasolabial • Cisto Globulomaxilar • Cisto Nasopalatino • Cisto Palatal Mediano • Cisto Mandibular Mediano – NÃO FISSURAIS • Cistos Palatinos do Recém-Nascido • Cisto Dermóide e Épidermóide • Cisto do Ducto Tireoglosso • Cisto da Fenda Branquial • Cisto linfoepitelial oral • CISTO ODONTOGÊNICO – CISTO ODONTOGÊNICO DE DESENVOLVIMENTO – CISTO ODONTOGÊNICO INFLAMATÓRIO
  • 3. PÉROLAS DE EPSTEIN; NÓDULOS DE BOHN
  • 4. CISTOS PALATINOS DO RECÉM-NASCIDO ORIGEM:  Ilhas de epitélio aprisionada ao longo da rafe palatina mediana, na fusão dos processos palatinos. PÉROLAS DE EPSTEIN  Remanescente epiteliais das glândulas salivares menores do palato. NÓDULOS DE BOHN
  • 5. CISTOS PALATINOS DO RECÉM-NASCIDO • CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS – 65 A 85% (muito comum) – Pequenas pápulas brancas ou branco-amareladas – Longo da linha média próximo a junção dos palatos duro e mole
  • 6.
  • 7. CISTOS PALATINOS DO RECÉM-NASCIDO • CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS – Preenchidos por queratina – Revestido por epitélio pavimentoso estratificado
  • 8.
  • 10. CISTO NASOLABIAL ( NASO ALVEOLAR ) • ORIGEM  Remanescente epiteliais retido ao longo da linha de fusão dos processos naso lateral, naso mediano e maxilar.  Deposição de epitélio do ducto nasolacrimal devido à sua localização e histologia semelhante. RARO
  • 11. CISTO NASOLABIAL ( CISTO NASO ALVEOLAR ) • CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS – Tumefação do lábio superior, lateralmente à linha média, causando elevação da asa do nariz. – Pode apagar o sulco mucolabial, interferir na dentadura e causar obstrução nasal. – Mulheres – Ocasionalmente reabsorção superficial do osso por pressão do cisto.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. CISTO NASOLABIAL ( CISTO NASO ALVEOLAR ) •CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS – Revestido por epitélio colunar pseudo-estratificado com células caliciformes e ciliadas. – Cápsula do cisto: tecido conjuntivo fibroso com tecido muscular esquelético adjacente.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22. CISTO GLOBULOMAXILAR • CISTO FISSURAL (?) – Epitélio retido na fusão do processo globular do processo nasal mediano com o processo maxilar CISTO ODONTOGÊNICOCISTO ODONTOGÊNICO
  • 23. CISTO GLOBULOMAXILAR • CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS – Canino e o incisivo lateral superior (+) – Incisivo central e incisivo lateral – Lesão radiolúcida unilocular bem circunscrita entre o ápices dos dentes. – Aspecto de “PERA INVERTIDA”
  • 24.
  • 25. TOA
  • 26. CISTO DO CANAL INCISIVOCISTO DO CANAL INCISIVO
  • 27. CISTO DO DUCTO NASOPALATINO (CISTO DO CANAL INCISIVO) • ORIGEM  Desenvolve do epitélio de Jacobson (muito improvável)  Trauma ou infecção do ducto e retenção de muco de glândulas salivares menores  Degeneração cística espontânea de remanescente do ducto nasopalatino.
  • 28. CISTO DO DUCTO NASOPALATINO (CISTO DO CANAL INCISIVO) • CARACTERÍSTICA CLÍNICAS E RADIOGRAFICAS – 4° e 6° década, homem – Tumefação da região anterior do palato, drenagem, “dor” – Radiotransparente bem circunscrita, entre os ápices dos incisivos centrais. – Lesão redonda ou oval com borda esclerosada. – Pêra invertida ou “FORMA DE CORAÇÃO” – PAPILA INCISIVA: raro, desenvolve nos tecidos moles da papila incisiva, sem envolvimento ósseo.
  • 29. CISTO DO DUCTO NASOPALATINO (CISTO DO CANAL INCISIVO) CISTO NÃO ODONTOGÊNICO DA CAVIDADE ORAL MAIS COMUM
  • 30. CISTO DO DUCTO NASOPALATINO (CISTO DO CANAL INCISIVO)
  • 31. CISTO DO DUCTO NASOPALATINO (CISTO DO CANAL INCISIVO)
  • 32.
  • 33.
  • 34. CISTO DA PAPAILA INCISIVA
  • 35. CISTO DO DUCTO NASOPALATINO (CISTO DO CANAL INCISIVO) •CARACTERÍSTICA HISTOPATOLÓGICAS •Revestimento epitelial: –Epitélio Pavimentoso Estratificado (2/3) –Epitélio colunar pseudo-estratificado (1/3) –Epitélio colunar simples –Epitélio cúbico simples •Parede do cisto –Nervos, artérias musculares pequenas e veias, pequenas glândulas mucosas. –inflamação moderada (linfócito, plasmócitos e histiócitos)
  • 38.
  • 39. CISTO PALATINO MEDIANOCISTO PALATINO MEDIANO
  • 40. CISTO PALATAL (PALATINO) MEDIANO • ORIGEM – Epitélio retido ao longo de alinha de fusão embrionária dos processo palatinos laterais da maxila. RARO
  • 41. CISTO PALATAL (PALATINO) MEDIANO • CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS – Adultos jovens – Tumefação firme na linha média do palato duro, posteriormente a papila, assintomático – Radiotransparência bem circunscrita na linha média do palato duro Radiotransparência na linha média sem evidência clínica expansão provavelmente é um cisto do ducto nasopalatino
  • 42.
  • 43.
  • 44. CISTO PALATAL (PALATINO) MEDIANO •CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS – Revestido por epitélio pavimentoso estratificado, algumas vezes, epitélio colunar pseudo-estratificado – Inflamação crônica na cápsula cística pode estar presente.
  • 45.
  • 46.
  • 47. CISTO MANDIBULAR MEDIANO • ORIGEM “Restos epiteliais retidos durante a fusão das metades da mandíbula na vida imbrionária.” Não há fusão de processos limitados por epitélios, não é possível ocorrer retenção epitelial. ODONTOGÊNICA
  • 48. CISTO MANDIBULAR MEDIANO • CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS – Radiotransparência na linha média apicalmente ou entre os incisivos centrais inferiores – Expansão da cortical • CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS – Revestido por epitélio pavimentoso estratificado, na maioria são dos cistos periapicais ou residuais – Pouquíssimo casos: epitélio colunar ciliado pseudo-estratificado
  • 49.
  • 50. CISTO DERMÓIDE & EPIDERMÓIDE • Malformação cística • Forma cística benigna de teratoma • Forma frusta de um teratoma
  • 51. CISTO DERMÓIDE & EPIDERMÓIDE • CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E RADIOGRÁFICAS – Criança e adulto jovens – Linha média do assoalho da boca – Músculo genioióide:  tumefação sublingual e  tumefação submentoniana – Crescimento lento, assintomático, massa de consistência semelhante a borracha ou massa de pão.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55. CISTO DERMÓIDE & EPIDÉRMICO •CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS – Revestido por epitélio pavimentoso estratificado ortoqueratinizado, com uma camada de células granulares proeminentes. – Parede do cisto: tecido conjuntivo fibroso que contêm um ou mais apêndice cutâneo – glândulas sebáceas, glândulas sudoríparas ou folículos pilosos Cisto epidérmico: não apresenta anexos cutâneo na parede do cisto
  • 56.
  • 58. CISTO DO TRATO TIREOGLOSSOCISTO DO TRATO TIREOGLOSSO
  • 59. CISTO DO DUCTO TIREOGLOSSO • Formação da glândula tireóide: • Ducto tireoglosso: trajeto da base da língua até o osso hióide – ducto ou trato • Epitélio do ducto tireoglosso atrofia e o ducto oblitera. Epitélio pode persistir
  • 60. CISTO DO DUCTO TIREOGLOSSO • ORIGEM  Inflamação: tecido linfóide que reage a drenagem de infecção da cabeça e pescoço. (+)  Retenção de secreção dentro do ducto  Ocorrência familial
  • 61. CISTO DO DUCTO TIREOGLOSSO • CARACTERÍSTICA CLÍNICAS – 50% antes dos 20 anos – Linha média, do forâmen cego até a chanfradura supra- external. – 60 a 80% abaixo do osso hióide. – Região da cartilagem tiroióide, muitas vezes, desviam lateralmente da linha média. – Tumefação móvel, flutuante e indolor.
  • 62.
  • 63. CISTO DO DUCTO TIREOGLOSSO •CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS – Revestido por epitélio pavimentoso estratificado ou colunar – Cúbico ou epitélio do intestino delgado ocasionalmente. – Parede do cisto: tecido conjuntivo, tecido da tireóide. Técnica de SISTRUNKSISTRUNK: recorrência de menos de 10%
  • 64.
  • 65. CISTO LINFOEPITELIAL CERVICALCISTO LINFOEPITELIAL CERVICAL
  • 66. CISTO DA FENDA BRANQUIAL (CISTO LINFOEPITELIAL CERVICAL) • ORIGEM  Desenvolve de remanescente das fendas branquiais. (teoria clássica)  Degeneração cística do epitélio da glândula parótida que ficou retido nos nódulos linfáticos cervicais superiores durante a vida embrionária. Evidências imuno-histoquímica suportam a teoria clássica 95% - 2° arco branquial 5% - 1°, 3°, e 4° arcos branquiais
  • 67. CISTO DA FENDA BRANQUIAL (CISTO LINFOEPITELIAL CERVICAL) • CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS – 20 a 40 anos – Região lateral superior do pescoço, ao longo da borda anterior do músculo esternocleidomastóide. – Massa mole, flutuante. – 2/3 lado esquerdo do pescoço
  • 68.
  • 69. CISTO DA FENDA BRANQUIAL (CISTO LINFOEPITELIAL CERVICAL) •CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS – Revestido por epitélio pavimentoso estratificado com ou sem queratina (+ de 90%); alguns respiratório. – Parede do cisto: tecido linfóide, muitas vezes com formação de centros germinativos.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74. CISTO LINFOEPITELIAL ORAL • Incomum. • Desenvolve no tecido epitelal oral. – ANEL DE WALDEYER: Amígdalas palatinas e linguais, e adenóides faringeanas. – Agregados linfóides: assoalho da boca, superfície ventral da língua e palato mole.
  • 75. CISTO LINFOEPITELIAL ORAL • Origem  Criptas amigdalianas podem ser obstruídas ou estreitadas na superfície produzindo um cisto preenchido por queratina.  Epitélio da mucosa de superfície e Epitélio da glândula salivar retido no tecido linfóide durante a embriogênese.
  • 76. CISTO LINFOEPITELIAL ORAL • CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS – Adulto jovem. – Mais comum: assoalho da boca, depois: superfície ventral da língua e bordas bilaterais da língua. – Pequena massa na submucosa, firme ou mole à palpação. – Lesão é branca ou amarela, assintomático
  • 77.
  • 78.
  • 79. CISTO LINFOEPITELIAL ORAL •CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS – Revestido por epitélio pavimentoso estratificado paraqueratinizado – Presença de tecido linfóide na parede do cisto. Usualmente com centros germinativos.