SlideShare uma empresa Scribd logo
Vírus do Papiloma Humano


HPV   Coord. Educação para a Saúde ECVSC – Mª João Drumond
O que é o HPV?

          HPV é a abreviatura de
      
          Human Papillomavirus ou
          Vírus do Papiloma Humano
O que é o HPV?

          O HPV é transmitido por
      
          contacto sexual, podendo
          infectar indivíduos de ambos
          os sexos e de todas as
          idades e etnias,
          independentemente da
          localização geográfica.
O que é o HPV?

          O HPV infecta
      
          principalmente as áreas
          genitais femininas e
          masculinas mas também
          qualquer outra região do
          corpo, bastando uma lesão
          como porta de entrada da
          pele ou mucosa.
Este vírus foi já encontrado em locais como: olho,
boca, faringe, vias respiratórias, ânus, recto e uretra.
Diversos estudos revelam uma
associação entre o HPV e o
desenvolvimento do carcinoma do
colo do útero, verrugas e outras
patologias anogenitais.
Actualmente já se identificaram cerca
de 120 tipos virais.
HPV de alto risco /        HPV de baixo risco / não
oncogénicos                oncogénicos

    16, 18, 31, 33, 34,        6, 11, 42, etc.
                          

    entre outros.
    Os tipos 16 e 18 são


    de maior potencial
    oncogénico.
É de extrema importância estudar
este Vírus, pois o carcinoma do colo do
útero é um dos tipos de cancro que
mais tem aumentado nos últimos anos.
Cerca de 10 a 20% da
população sexualmente
  activa está infectada
    pelo HPV, sendo
diagnosticados por ano
  317000 novos casos
   em todo o mundo.
Em Portugal,
  estima-se em
 1000 o número
 de novos casos
de cancro do colo
do útero por ano.
Os jovens
representam o grupo
com o maior número
   de infectados,
chegando a taxas de
46% em mulheres de
    20 a 30 anos.
Geralmente uma infecção por HPV
não leva ao desenvolvimento de
cancro. No entanto, 99% das
mulheres que têm cancro do colo
uterino estão infectadas por estirpes
de HPV de alto risco.
O rastreio é essencial                               A origem vírica oferece
                            No entanto, o rastreio
     porque detecta                                    uma oportunidade de
                            não protege contra a
alterações nas células                                  prevenção primária
                                infecção por
  numa fase precoce,                                  destas doenças e das
                             Papilomavírus nem
permitindo que se evite                                    lesões que as
                            contra as alterações
   a progressão para                                  precedem, através de
                                nas células.
  lesões cancerosas.                                         vacinação


                                            A combinação do
               O rastreio continua
                                         rastreio e da vacinação
                   contudo a ser
                                          deverão maximizar a
             necessário para vigiar o
                                         eficácia no combate ao
                 aparecimento de
                                            cancro do colo do
               alterações celulares
                                                   útero.
Colo do útero
As células são raspadas do colo do útero e
examinadas ao microscópio para procurar
                anomalias




                                               Colo do útero
                                             observado através
                                                do espéculo
Sintomas de cervicite incluem um colo uterino
vermelho, inflamado, e com corrimento anormal

  Colo do útero normal        Cervicite
Erosão do colo uterino




  Colo Uterino

Parede Vaginal




             Vista do colo uterino através de um espéculo
Colo Uterino normal      Células normais




Colo Uterino com displasia   Células cancerosas ou pré-cancerosas
Vista Anterior



                  Cancro
                 Colo do
                  Útero
                 Parede
                 Vaginal



             Colo do útero
           observado através
              do espéculo
A vacinação universal de rotina com a vacina do
HPV tem como objectivo a prevenção de infecções
pelo vírus e a diminuição, a longo prazo, da
incidência do cancro do colo do útero.
Vacina

Quem vacinar?   2008 -> nascidas em 1995

                    A vacinação aplica-se às
                

                    jovens que fazem 13 anos
                    de idade no respectivo
                    ano civil, iniciando-se com
                    a coorte de nascimento
                    em 1995 (13 anos em
                    2008). As jovens que não
                    se vacinem na idade
                    recomendada,         podem
                    iniciar o esquema até aos
                    18     anos      de   idade,
                    inclusive.
Esquema vacinal…

         três doses
     

         o fabricante refere que deve ser
     

         concluído no primeiro ano após a
         toma inicial.
Quanto à vacina HPV,
  as jovens devem ser informadas que:


a vacina não protege contra todos os genótipos de
HPV causadores de cancro do colo do útero;



a vacina não tem eficácia terapêutica para
infecções eventualmente já existentes por
genótipos de HPV incluídos na vacina, mas será
eficaz contra os genótipos ainda não adquiridos;
Quanto à vacina HPV,
   as jovens devem ser informadas que:

a vacina não protege de          outras   infecções
sexualmente transmissíveis;


devem iniciar a rotina de rastreio do cancro do colo
do útero, dois anos após o início da vida sexual
activa;

devem informar o serviço onde foram vacinadas, se
ocorrerem reacções adversas atribuídas à
administração desta vacina.
Vacinação, e depois?
Prevenção



                                           Número
                                        reduzido de
              Visitar
Manter a                  Atenção aos    parceiros
           regularmente
higiene                    sintomas     sexuais (ao
             o Médico
                                          longo da
                                            vida)
Prevenção

     Sintomas
Co-factores de risco para
            cancro do colo do útero…




                                             1ª relação    Multiplos
                                               sexual      parceiros
                                              precoce     sexuais ao
Tabagismo    Pílula   IST´s   Má nutrição
                                                           longo da
                                            (não tenhas
                                                             vida
                                              pressa)
Sê inteligente, cuida da tua Saúde!
Fontes
             •http://www.sppv.org
             •http://www.ligacontracancro.pt
             •http://www.dgs.pt
             •http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/



Novembro de 2008


                   Coord. Educação para a Saúde ECVSC – Mª João Drumond

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Oncoguia
 
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Carlos Priante
 
Hpv seminário de microbiologia
Hpv  seminário de microbiologiaHpv  seminário de microbiologia
Hpv seminário de microbiologia
Laíz Coutinho
 

Mais procurados (20)

Hpv tira15
Hpv tira15Hpv tira15
Hpv tira15
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
 
Cancer colo do utero
Cancer colo do uteroCancer colo do utero
Cancer colo do utero
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPVAula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
 
Cancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero prontoCancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero pronto
 
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
 
DST
DSTDST
DST
 
Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
 
Vacinação contra o HPV no SUS
Vacinação contra o HPV no SUSVacinação contra o HPV no SUS
Vacinação contra o HPV no SUS
 
Hpv seminário de microbiologia
Hpv  seminário de microbiologiaHpv  seminário de microbiologia
Hpv seminário de microbiologia
 
Cancer de colo do utero
Cancer de colo do utero Cancer de colo do utero
Cancer de colo do utero
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 

Semelhante a HPV

Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Gardênia Souza
 
Prevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo ÚteroPrevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo Útero
Nuno Mateus
 
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpv
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpvRecomendações nacionais sobre a vacinação hpv
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpv
João Pedro Batista Tomaz
 
Prevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo ÚteroPrevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo Útero
Nuno Mateus
 
Prevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo ÚteroPrevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo Útero
Nuno Mateus
 
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoLesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
itsufpr
 
Dimensão da participação do papilomavírus humano
Dimensão da participação do papilomavírus humanoDimensão da participação do papilomavírus humano
Dimensão da participação do papilomavírus humano
Safia Naser
 
Prevençao em saude item 11
Prevençao em saude  item 11Prevençao em saude  item 11
Prevençao em saude item 11
' Paan
 

Semelhante a HPV (20)

Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
Apresentaohpv 090413110804-phpapp01
 
Ist hpv
Ist hpvIst hpv
Ist hpv
 
Poster cientifico
Poster cientificoPoster cientifico
Poster cientifico
 
Câncer de colo
Câncer de coloCâncer de colo
Câncer de colo
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Microscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia ClínicaMicroscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia Clínica
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Prevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo ÚteroPrevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo Útero
 
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpv
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpvRecomendações nacionais sobre a vacinação hpv
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpv
 
Previna o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de úteroPrevina o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de útero
 
Prevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo ÚteroPrevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo Útero
 
Prevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo ÚteroPrevenção Cancro Colo Útero
Prevenção Cancro Colo Útero
 
Condiloma acuminado hpv
Condiloma acuminado  hpvCondiloma acuminado  hpv
Condiloma acuminado hpv
 
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoLesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
 
Dimensão da participação do papilomavírus humano
Dimensão da participação do papilomavírus humanoDimensão da participação do papilomavírus humano
Dimensão da participação do papilomavírus humano
 
Artigo hpv dra gloria
Artigo hpv dra gloriaArtigo hpv dra gloria
Artigo hpv dra gloria
 
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptxSLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
 
Prevençao em saude item 11
Prevençao em saude  item 11Prevençao em saude  item 11
Prevençao em saude item 11
 
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamentoCâncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
Câncer de Colo Uterino - do HPV às vacinas de tratamento
 

Mais de Maria João Drumond

Mais de Maria João Drumond (20)

9 sistemas classificação
9 sistemas classificação9 sistemas classificação
9 sistemas classificação
 
7 unicelularidade multicelularidade
7 unicelularidade multicelularidade7 unicelularidade multicelularidade
7 unicelularidade multicelularidade
 
8 mecanisnos evolução
8 mecanisnos evolução8 mecanisnos evolução
8 mecanisnos evolução
 
4 rochas magmáticas
4 rochas magmáticas4 rochas magmáticas
4 rochas magmáticas
 
1 ocupação antrópica
1 ocupação antrópica1 ocupação antrópica
1 ocupação antrópica
 
5 reprodução sexuada
5 reprodução sexuada5 reprodução sexuada
5 reprodução sexuada
 
10 regulação animais
10 regulação animais10 regulação animais
10 regulação animais
 
9 trocas gasosas
9 trocas gasosas9 trocas gasosas
9 trocas gasosas
 
8 fermentação respiração
8 fermentação respiração8 fermentação respiração
8 fermentação respiração
 
7 transporte animais
7 transporte animais7 transporte animais
7 transporte animais
 
6 transporte plantas
6 transporte plantas6 transporte plantas
6 transporte plantas
 
1 diversidade biosfera
1 diversidade biosfera1 diversidade biosfera
1 diversidade biosfera
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
 
7 neuro hormonal2
7 neuro hormonal27 neuro hormonal2
7 neuro hormonal2
 
6 hereditariedade
6 hereditariedade6 hereditariedade
6 hereditariedade
 
3 reprodução humana-parte_ii
3 reprodução humana-parte_ii3 reprodução humana-parte_ii
3 reprodução humana-parte_ii
 
6 ciclos vida
6 ciclos vida6 ciclos vida
6 ciclos vida
 
4 hiv sida
4 hiv sida4 hiv sida
4 hiv sida
 
5 reprodução sexuada
5 reprodução sexuada5 reprodução sexuada
5 reprodução sexuada
 
4 reprodução assexuada
4 reprodução assexuada4 reprodução assexuada
4 reprodução assexuada
 

Último

O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
LisaneWerlang
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 

HPV

  • 1. Vírus do Papiloma Humano HPV Coord. Educação para a Saúde ECVSC – Mª João Drumond
  • 2. O que é o HPV? HPV é a abreviatura de  Human Papillomavirus ou Vírus do Papiloma Humano
  • 3. O que é o HPV? O HPV é transmitido por  contacto sexual, podendo infectar indivíduos de ambos os sexos e de todas as idades e etnias, independentemente da localização geográfica.
  • 4. O que é o HPV? O HPV infecta  principalmente as áreas genitais femininas e masculinas mas também qualquer outra região do corpo, bastando uma lesão como porta de entrada da pele ou mucosa.
  • 5. Este vírus foi já encontrado em locais como: olho, boca, faringe, vias respiratórias, ânus, recto e uretra.
  • 6. Diversos estudos revelam uma associação entre o HPV e o desenvolvimento do carcinoma do colo do útero, verrugas e outras patologias anogenitais.
  • 7. Actualmente já se identificaram cerca de 120 tipos virais. HPV de alto risco / HPV de baixo risco / não oncogénicos oncogénicos 16, 18, 31, 33, 34, 6, 11, 42, etc.   entre outros. Os tipos 16 e 18 são  de maior potencial oncogénico.
  • 8. É de extrema importância estudar este Vírus, pois o carcinoma do colo do útero é um dos tipos de cancro que mais tem aumentado nos últimos anos.
  • 9. Cerca de 10 a 20% da população sexualmente activa está infectada pelo HPV, sendo diagnosticados por ano 317000 novos casos em todo o mundo.
  • 10. Em Portugal, estima-se em 1000 o número de novos casos de cancro do colo do útero por ano.
  • 11. Os jovens representam o grupo com o maior número de infectados, chegando a taxas de 46% em mulheres de 20 a 30 anos.
  • 12. Geralmente uma infecção por HPV não leva ao desenvolvimento de cancro. No entanto, 99% das mulheres que têm cancro do colo uterino estão infectadas por estirpes de HPV de alto risco.
  • 13. O rastreio é essencial A origem vírica oferece No entanto, o rastreio porque detecta uma oportunidade de não protege contra a alterações nas células prevenção primária infecção por numa fase precoce, destas doenças e das Papilomavírus nem permitindo que se evite lesões que as contra as alterações a progressão para precedem, através de nas células. lesões cancerosas. vacinação A combinação do O rastreio continua rastreio e da vacinação contudo a ser deverão maximizar a necessário para vigiar o eficácia no combate ao aparecimento de cancro do colo do alterações celulares útero.
  • 14.
  • 16.
  • 17. As células são raspadas do colo do útero e examinadas ao microscópio para procurar anomalias Colo do útero observado através do espéculo
  • 18. Sintomas de cervicite incluem um colo uterino vermelho, inflamado, e com corrimento anormal Colo do útero normal Cervicite
  • 19. Erosão do colo uterino Colo Uterino Parede Vaginal Vista do colo uterino através de um espéculo
  • 20. Colo Uterino normal Células normais Colo Uterino com displasia Células cancerosas ou pré-cancerosas
  • 21. Vista Anterior Cancro Colo do Útero Parede Vaginal Colo do útero observado através do espéculo
  • 22. A vacinação universal de rotina com a vacina do HPV tem como objectivo a prevenção de infecções pelo vírus e a diminuição, a longo prazo, da incidência do cancro do colo do útero.
  • 23. Vacina Quem vacinar? 2008 -> nascidas em 1995 A vacinação aplica-se às  jovens que fazem 13 anos de idade no respectivo ano civil, iniciando-se com a coorte de nascimento em 1995 (13 anos em 2008). As jovens que não se vacinem na idade recomendada, podem iniciar o esquema até aos 18 anos de idade, inclusive.
  • 24. Esquema vacinal… três doses  o fabricante refere que deve ser  concluído no primeiro ano após a toma inicial.
  • 25. Quanto à vacina HPV, as jovens devem ser informadas que: a vacina não protege contra todos os genótipos de HPV causadores de cancro do colo do útero; a vacina não tem eficácia terapêutica para infecções eventualmente já existentes por genótipos de HPV incluídos na vacina, mas será eficaz contra os genótipos ainda não adquiridos;
  • 26. Quanto à vacina HPV, as jovens devem ser informadas que: a vacina não protege de outras infecções sexualmente transmissíveis; devem iniciar a rotina de rastreio do cancro do colo do útero, dois anos após o início da vida sexual activa; devem informar o serviço onde foram vacinadas, se ocorrerem reacções adversas atribuídas à administração desta vacina.
  • 27.
  • 29. Prevenção Número reduzido de Visitar Manter a Atenção aos parceiros regularmente higiene sintomas sexuais (ao o Médico longo da vida)
  • 30. Prevenção Sintomas
  • 31. Co-factores de risco para cancro do colo do útero… 1ª relação Multiplos sexual parceiros precoce sexuais ao Tabagismo Pílula IST´s Má nutrição longo da (não tenhas vida pressa)
  • 32. Sê inteligente, cuida da tua Saúde!
  • 33. Fontes •http://www.sppv.org •http://www.ligacontracancro.pt •http://www.dgs.pt •http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ Novembro de 2008 Coord. Educação para a Saúde ECVSC – Mª João Drumond