SlideShare uma empresa Scribd logo
Gerenciamento de projetos

    PROVA É UM MOMENTO PRIVILEGIADO DE
                 ESTUDO
 “QUEM NÃO COLA, NÃO SAI DA ESCOLA.... MAS SE
   ENGANA E, UM DIA, PODE PRECISAR DO QUE
                 COLOU....”
 SEJA HONESTO CONSIGO MESMO.... PROFESSOR JÁ
 VAI PARA O CÉU, PORTANTO, FAÇA A SUA PARTE!

     Não se esqueça destes assuntos:
Início de um projeto

 –Os projetos são um meio de organizar atividades
 que não podem ser abordadas dentro dos limites
 operacionais normais da organização.


 –Os projetos são freqüentemente utilizados como
 um meio de atingir o plano estratégico de uma
 organização, seja a equipe do projeto formada por
 funcionários da organização ou um prestador de
 serviços contratado.
Início de um projeto

• Os projetos são tipicamente autorizados como
  resultado de uma ou mais das seguintes situações:
  –   uma demanda de mercado
  –   uma solicitação de um cliente    Necessidade do
  –   um avanço tecnológico               negócio:
  –   um requisito legal/regulatório    Problema ou
  –   uma necessidade social            Oportunidade

 A alta gerência precisa decidir como responder a
 esses “estímulos” e para quais projetos deve
 fornecer autorização e termo de abertura.
Início de um projeto
Objetivo do projeto

 • Descreve o que o projeto deve fazer ou produzir
 • Deve seguir a regra SMART:
       •   Specific (específico)
       •   Measurable (mensurável)
       •   Accurate (exato)
       •   Realistic (realista)
       •   Time bounded (limitado no tempo)
Início de um projeto
Objetivo do projeto
Exemplo 1:
   1. Construção de depósitos para mantimentos
   2. Construção de 5 depósitos para mantimentos, em
      8 meses, com previsão de investimento no valor de
      R$ 60.000,00
Exemplo 2:
   1. Aumento da capacidade de processamento do
      servidor de dados
   2. Aumento da capacidade de processamento do
      servidor de dados de 1.2 GHz para 3 GHz até o
      próximo período de elaboração da folha de
      pagamento
Início de um projeto
Restrições

Fatos concretos que limitam as opções da equipe.


                        Tempo




                      A tríplice
                      restrição!
             C usto                Escopo
Início de um projeto
Restrições


Exemplo:

  1. “O projeto deverá estar operacional até o ano fiscal de

    2009”

  2. “O limite de gastos é de R$ 60.000,00”

  3. “Todos os produtos devem atender às especificações

    da norma ISO XXXXX”
Planejamento


 Planejar é definir e refinar os
  objetivos e traçar o caminho
  necessário para alcançá-los.


“Muitos caminhos levam a Roma.
  O objetivo do planejamento
     é encontrar o melhor”.
Introdução ao Gerenciamento de Projetos


Elementos básicos de um projeto

   Subprojeto
    É uma parte de um projeto de grande porte.
    Ex:
    Jogos Pan-americanos
    (projeto)

    Construção da arena João
    Havelange
    (subprojeto)
Introdução ao Gerenciamento de Projetos




   Atividade
    Conjunto mínimo de esforços
      para os quais é possível
      alocar   recursos,    definir
      responsabilidades e controlar
      custos.
     Ex: Implantação do gramado
      na arena João Havelange.
Introdução ao Gerenciamento de Projetos


Elementos básicos de um projeto


       Atividades interdisciplinares
        Envolvem execução de tarefas de áreas de atuação
           diferentes. Ex: Bancos de dados, redes, etc.
       Atividades interdependentes
        Quando uma tarefa depende          de outra para ser
           concluída.
       Atividades finitas, não repetitivas
        Possuem início e fim bem definidos e não se repetem.
Introdução ao Gerenciamento de Projetos




Sucesso em um Projeto



       Um projeto tem sucesso quando atinge

         ou supera as expectativas de seus

              principais stakeholders.
Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Áreas do conhecimento


Gerência de projetos é a aplicação de conhecimentos,
habilidades   e   técnicas   na   elaboração    de   atividades
relacionadas para atingir um conjunto de objetivos pré-
definidos

Esses processos podem ser classificados em cinco grupos
de processo (iniciação, planejamento, execução, controle e
encerramento) e nove áreas de conhecimento:
Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Áreas do conhecimento

  Gerência de Escopo
    Descreve os processos necessários para assegurar que o
     projeto contemple todo e somente o trabalho requerido
     para completar o projeto com sucesso
  Gerência de Tempo
    Descreve os processos necessários para assegurar o
     encerramento do projeto no tempo definido
  Gerência de Custo
    Descreve os processos necessários para assegurar que o
     projeto se encerrará dentro do orçamento
Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Áreas do conhecimento

      Gerência de Qualidade
            Descreve os processos necessários para assegurar
            que o projeto satisfará as necessidades contratadas
    Gerência de Recursos Humanos
            Descreve os processos necessários para assegurar o
            melhor desempenho das pessoas envolvidas
    Gerência de Comunicação
            Descreve os processos necessários assegurar, no
            tempo    certo,    a    geração,    disseminação     e
            armazenamento das informações do projeto
Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Áreas do conhecimento


  Gerência de Risco
        Descreve os processos necessários na identificação,
        análise e controle dos riscos inerentes ao projeto
  Gerência de Aquisições
        Descreve os processos necessários para aquisição de
        bens e serviços fora da organização
  Gerência da Integração
        Descreve os processos necessários para assegurar a
        perfeita coordenação entre todos os processos
        envolvidos
Sequenciamento das atividades


• Diagramas de rede do cronograma do projeto
Atividade   Sucessora   Duração

  Início      A,B         ---
                                      4   3
    A         C,D         4           A   C
    B          E          6               2
                                  I       D    F
    C         Fim         3
                                      6   5
    D         Fim         2           B   E
    E         Fim         5
   Fim         ---        ---
Desenvolvimento do cronograma
          Determina as datas de início e
          Determina as datas de início e
 término planejadas para as atividades do projeto
  término planejadas para as atividades do projeto

 • Devemos considerar:
    - datas impostas pelo negócio;
    - datas acordadas com o patrocinador, cliente ou
      outras partes interessadas;
    - restrições externas (clima, governo, regulatório);
    - fornecedores (contratos e aquisições).
 • Deve ser especificada a escala de tempo
Desenvolvimento do cronograma
            Método do Caminho Crítico
            Método do Caminho Crítico
            Critical Path Method -- CPM
            Critical Path Method CPM

 Calcula datas teóricas de início e término antecipado,
e de início e término atrasado, de todas as atividades
do cronograma, sem considerar quaisquer limitações
de recursos, realizando uma análise do caminho de
ida e uma análise do caminho de volta pelos
caminhos de rede do cronograma do projeto.
Desenvolvimento do cronograma
                  Método do Caminho Crítico
                  Método do Caminho Crítico
                  Critical Path Method -- CPM
                  Critical Path Method CPM

                            B          15    E       1
                        7       14 21 27    22 2822 28

        A          6        C       10       F       12     G      5
        1    1 6   6   7        7 16 16     17 17 28 28    29 29 33 33

                            D          3
                        7       26 9   28
            IDA                                           VOLTA
Desenvolvimento do cronograma
             Método do Caminho Crítico
             Método do Caminho Crítico
             Critical Path Method -- CPM
             Critical Path Method CPM


       Atividade            Duração

      PDI       UDI       PDT     UDT
  Primeira      Última       Primeira      Última
  data de       data de      data de       data de
   inicio       inicio       término       término
Método do Caminho Crítico
              Método do Caminho Crítico
              Critical Path Method -- CPM
              Critical Path Method CPM
Atividade: É um pacote mínimo de trabalho. Na rede é
  representada através de uma flecha.
Atividade Fantasma: É uma atividade que não consome
  tempo nem recursos. É utilizada apenas definir relações de
  interdependência.
Evento: Marca o início e o fim de uma atividade.
Evento marco: É um evento de importância maior em
  relação aos outros, que deve ter a data de início ou de
  conclusão controlada.
Método do Caminho Crítico
                Método do Caminho Crítico
                Critical Path Method -- CPM
                Critical Path Method CPM
Tempo mais cedo: É o tempo necessário para alcançar um
  determinado evento k, se as atividades que o antecedem não
  atrasarem.
Tempo mais tarde: Data limite para alcançar um evento k, além
  do qual o tempo total de execução das atividades será alterado.
Primeira data de início (PDI): É a primeira data de início de uma
  atividade, ou tempo mais cedo da atividade. É igual ao cedo do
  evento inicial.
Última data de início (UDI): É a última data possível para iniciar
  uma atividade sem alterar a programação. É igual ao tarde do
  evento final menos a duração da atividade.
Método do Caminho Crítico
                  Método do Caminho Crítico
                  Critical Path Method -- CPM
                  Critical Path Method CPM

Primeira data de término (PDT): É a primeira data possível para o
  término da atividade. É igual a PDI mais a duração da atividade,
  ou então, ao cedo do evento inicial mais a duração da atividade.
Última data de término: É a última data possível para a
  conclusão da atividade sem alterar a programação. É igual ao
  tarde do evento final.
Folga total (FT): É o máximo atraso permitido em uma atividade
  sem alterar o prazo limite para o seu término. Ë igual ao tarde
  do evento final menos o cedo do evento inicial, menos a duração
  da atividade.
Método do Caminho Crítico
              Método do Caminho Crítico
              Critical Path Method -- CPM
              Critical Path Method CPM

Folga livre (FL): É o atraso máximo em uma atividade sem
 alterar a data mais cedo de início da atividade seguinte. É
 igual ao cedo do evento final menos o cedo do evento
 inicial, menos a duração da atividade.
Caminho crítico (CC): É o caminho formado por atividades
 com folga nula, entre o evento inicial e o final, e
 Representa o menor tempo possível para execução do
 projeto.
Desenvolvimento do cronograma

   Atividade    Sucessora       Duração
        A          B,C,D           7
        B           E             15
        C           F             10
        D           G              3
        E           G              1
        F           G             12
        G           ---            5
Desenvolvimento do cronograma
PDT=PDI+Dur

UDI=UDT-Dur
                        f=6              f=6
                    B         15     E         1
                    7 14 21 27       22 28 22 28
      f=0              f=0               f=0            f=0
A          6        C      10       F         12     G       5
1 1      6 6        7 7 16 16        17 17 28 28     29 29 33 33
                       f=19
                    D       3
  Ativ        Dur   7 26 9 28
PDI UDI PDT UDT
                                   A-C-F-G : Caminho Crítico
EXEMPLO
                               1    1   2
Atividade   Duração   1   5    0    5   0

   A          3

   B          4

   C          7

   D          4

   E          6

   F          7

   G          4

   H          9
Introdução ao Gerenciamento de Projetos




“Sucesso é o resultado da prática constante

de fundamentos e ações vencedoras. Não há

 nada de milagroso no processo, nem sorte

                  envolvida.

Amadores aspiram, profissionais trabalham”
                                    Bill Russel
                     Considerado um dos maiores jogadores da história do basquete americano.
                                                Defendeu os EUA nos Jogos Olímpicos de 1952
Introdução ao Gerenciamento de Projetos




 “Nós somos aquilo que fazemos repetidas

vezes, repetidamente. A excelência portanto

      não é um feito, mas um hábito”.



                                             Aristóteles

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pmbok
PmbokPmbok
Pmbok
lcbj
 
Capacitação mps.br
Capacitação mps.brCapacitação mps.br
Capacitação mps.br
Helyer Mesquita
 
Gerenciamento de Projetos - Redes
Gerenciamento de Projetos - RedesGerenciamento de Projetos - Redes
Gerenciamento de Projetos - Redes
Claudia Costa
 
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoesGerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Jucioliver
 
Gerenciamento de projetos aula 6 (tempo)
Gerenciamento de projetos   aula 6 (tempo)Gerenciamento de projetos   aula 6 (tempo)
Gerenciamento de projetos aula 6 (tempo)
Paulo Junior
 
Gestão de projetos
Gestão de projetosGestão de projetos
Gestão de projetos
Paulo Sobrinho
 
Elaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicosElaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicos
Cursos Profissionalizantes
 
Gerenciamento de tempo em projetos
Gerenciamento de tempo em projetosGerenciamento de tempo em projetos
Gerenciamento de tempo em projetos
Sandro H. Oliveira, MBA
 
Pmbok
PmbokPmbok
Curso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms projectCurso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms project
Silas Serpa
 
Gerenciamento de Projetos - Aula02 - Conceitos - fase de iniciaçãoo
Gerenciamento de Projetos - Aula02 - Conceitos - fase de iniciaçãooGerenciamento de Projetos - Aula02 - Conceitos - fase de iniciaçãoo
Gerenciamento de Projetos - Aula02 - Conceitos - fase de iniciaçãoo
CEULJI/ULBRA Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
 
Gestão de Projetos em TI
Gestão de Projetos em TIGestão de Projetos em TI
Gestão de Projetos em TI
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Gerencia deprojeos modulo_1_final_
Gerencia deprojeos modulo_1_final_Gerencia deprojeos modulo_1_final_
Gerencia deprojeos modulo_1_final_
Marcelo Aires
 
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de ProjetosAula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
AyslanAnholon
 
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico GonzalesGestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Marcus Vinícius Godinho, MBA BPM
 
Gerenciamento de obras (1)
Gerenciamento de obras (1)Gerenciamento de obras (1)
Gerenciamento de obras (1)
Thiago Ivo
 
Gerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIGerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TI
Eliseu Castelo
 
PMBOK
PMBOKPMBOK
Material de Estudo - DPRJ
Material de Estudo - DPRJMaterial de Estudo - DPRJ
Material de Estudo - DPRJ
Gabriela Almeida
 
GPT-PMBoK
GPT-PMBoKGPT-PMBoK
GPT-PMBoK
joao87vidal
 

Mais procurados (20)

Pmbok
PmbokPmbok
Pmbok
 
Capacitação mps.br
Capacitação mps.brCapacitação mps.br
Capacitação mps.br
 
Gerenciamento de Projetos - Redes
Gerenciamento de Projetos - RedesGerenciamento de Projetos - Redes
Gerenciamento de Projetos - Redes
 
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoesGerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
 
Gerenciamento de projetos aula 6 (tempo)
Gerenciamento de projetos   aula 6 (tempo)Gerenciamento de projetos   aula 6 (tempo)
Gerenciamento de projetos aula 6 (tempo)
 
Gestão de projetos
Gestão de projetosGestão de projetos
Gestão de projetos
 
Elaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicosElaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicos
 
Gerenciamento de tempo em projetos
Gerenciamento de tempo em projetosGerenciamento de tempo em projetos
Gerenciamento de tempo em projetos
 
Pmbok
PmbokPmbok
Pmbok
 
Curso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms projectCurso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms project
 
Gerenciamento de Projetos - Aula02 - Conceitos - fase de iniciaçãoo
Gerenciamento de Projetos - Aula02 - Conceitos - fase de iniciaçãooGerenciamento de Projetos - Aula02 - Conceitos - fase de iniciaçãoo
Gerenciamento de Projetos - Aula02 - Conceitos - fase de iniciaçãoo
 
Gestão de Projetos em TI
Gestão de Projetos em TIGestão de Projetos em TI
Gestão de Projetos em TI
 
Gerencia deprojeos modulo_1_final_
Gerencia deprojeos modulo_1_final_Gerencia deprojeos modulo_1_final_
Gerencia deprojeos modulo_1_final_
 
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de ProjetosAula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
 
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico GonzalesGestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
 
Gerenciamento de obras (1)
Gerenciamento de obras (1)Gerenciamento de obras (1)
Gerenciamento de obras (1)
 
Gerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIGerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TI
 
PMBOK
PMBOKPMBOK
PMBOK
 
Material de Estudo - DPRJ
Material de Estudo - DPRJMaterial de Estudo - DPRJ
Material de Estudo - DPRJ
 
GPT-PMBoK
GPT-PMBoKGPT-PMBoK
GPT-PMBoK
 

Semelhante a Gp resumo

Toc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetosToc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetos
Aragon Vieira
 
Gerenciamento de Projetos: cenário e aplicação
Gerenciamento de Projetos: cenário e aplicaçãoGerenciamento de Projetos: cenário e aplicação
Gerenciamento de Projetos: cenário e aplicação
Lucio Campos Neto
 
Gestao Projetos - Aula 02
Gestao Projetos - Aula 02Gestao Projetos - Aula 02
Gestao Projetos - Aula 02
Robson Silva Espig
 
gp-empreendedorismo
gp-empreendedorismogp-empreendedorismo
gp-empreendedorismo
Vitor Gonçalves
 
Gestão projetos
Gestão projetosGestão projetos
Gestão projetos
Paulo Santos
 
Estimativas cef 2000
Estimativas cef 2000Estimativas cef 2000
Estimativas cef 2000
Fátima Marinho
 
PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
Aragon Vieira
 
Project
ProjectProject
Project
Elson Menezes
 
Gerenciamento de integracao
Gerenciamento de integracaoGerenciamento de integracao
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
Gilda Almeida Sandes
 
Treinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetosTreinamento em gestão de projetos
Gestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms projectGestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms project
Rogério Fernandes da Costa
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
Gilda Almeida Sandes
 
Conceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPConceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GP
joao87vidal
 
Pmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 Portfolio
Peter Mello
 
Implantação de um PMO modelo Canvas
Implantação de um PMO modelo CanvasImplantação de um PMO modelo Canvas
Implantação de um PMO modelo Canvas
Rodrigo Lopes - Eng. - MBA - PMP - SCRUM - ITIL - COBIT
 
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - VladimirSeminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
Peter Mello
 
Tes ii aula 1 - unis
Tes ii   aula 1 - unisTes ii   aula 1 - unis
Tes ii aula 1 - unis
Andrea Alves
 
Metodologia sugerida para gestão de projetos web
Metodologia sugerida para gestão de projetos webMetodologia sugerida para gestão de projetos web
Metodologia sugerida para gestão de projetos web
diogo_plta
 
Gestão de Custos em Projetos Complexos
Gestão de Custos em Projetos ComplexosGestão de Custos em Projetos Complexos
Gestão de Custos em Projetos Complexos
GUGP SUCESU-RS
 

Semelhante a Gp resumo (20)

Toc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetosToc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetos
 
Gerenciamento de Projetos: cenário e aplicação
Gerenciamento de Projetos: cenário e aplicaçãoGerenciamento de Projetos: cenário e aplicação
Gerenciamento de Projetos: cenário e aplicação
 
Gestao Projetos - Aula 02
Gestao Projetos - Aula 02Gestao Projetos - Aula 02
Gestao Projetos - Aula 02
 
gp-empreendedorismo
gp-empreendedorismogp-empreendedorismo
gp-empreendedorismo
 
Gestão projetos
Gestão projetosGestão projetos
Gestão projetos
 
Estimativas cef 2000
Estimativas cef 2000Estimativas cef 2000
Estimativas cef 2000
 
PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
 
Project
ProjectProject
Project
 
Gerenciamento de integracao
Gerenciamento de integracaoGerenciamento de integracao
Gerenciamento de integracao
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
 
Treinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetosTreinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetos
 
Gestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms projectGestão de Projetos com Ms project
Gestão de Projetos com Ms project
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
 
Conceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPConceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GP
 
Pmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 Portfolio
 
Implantação de um PMO modelo Canvas
Implantação de um PMO modelo CanvasImplantação de um PMO modelo Canvas
Implantação de um PMO modelo Canvas
 
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - VladimirSeminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
 
Tes ii aula 1 - unis
Tes ii   aula 1 - unisTes ii   aula 1 - unis
Tes ii aula 1 - unis
 
Metodologia sugerida para gestão de projetos web
Metodologia sugerida para gestão de projetos webMetodologia sugerida para gestão de projetos web
Metodologia sugerida para gestão de projetos web
 
Gestão de Custos em Projetos Complexos
Gestão de Custos em Projetos ComplexosGestão de Custos em Projetos Complexos
Gestão de Custos em Projetos Complexos
 

Gp resumo

  • 1. Gerenciamento de projetos PROVA É UM MOMENTO PRIVILEGIADO DE ESTUDO “QUEM NÃO COLA, NÃO SAI DA ESCOLA.... MAS SE ENGANA E, UM DIA, PODE PRECISAR DO QUE COLOU....” SEJA HONESTO CONSIGO MESMO.... PROFESSOR JÁ VAI PARA O CÉU, PORTANTO, FAÇA A SUA PARTE! Não se esqueça destes assuntos:
  • 2. Início de um projeto –Os projetos são um meio de organizar atividades que não podem ser abordadas dentro dos limites operacionais normais da organização. –Os projetos são freqüentemente utilizados como um meio de atingir o plano estratégico de uma organização, seja a equipe do projeto formada por funcionários da organização ou um prestador de serviços contratado.
  • 3. Início de um projeto • Os projetos são tipicamente autorizados como resultado de uma ou mais das seguintes situações: – uma demanda de mercado – uma solicitação de um cliente Necessidade do – um avanço tecnológico negócio: – um requisito legal/regulatório Problema ou – uma necessidade social Oportunidade A alta gerência precisa decidir como responder a esses “estímulos” e para quais projetos deve fornecer autorização e termo de abertura.
  • 4. Início de um projeto Objetivo do projeto • Descreve o que o projeto deve fazer ou produzir • Deve seguir a regra SMART: • Specific (específico) • Measurable (mensurável) • Accurate (exato) • Realistic (realista) • Time bounded (limitado no tempo)
  • 5. Início de um projeto Objetivo do projeto Exemplo 1: 1. Construção de depósitos para mantimentos 2. Construção de 5 depósitos para mantimentos, em 8 meses, com previsão de investimento no valor de R$ 60.000,00 Exemplo 2: 1. Aumento da capacidade de processamento do servidor de dados 2. Aumento da capacidade de processamento do servidor de dados de 1.2 GHz para 3 GHz até o próximo período de elaboração da folha de pagamento
  • 6. Início de um projeto Restrições Fatos concretos que limitam as opções da equipe. Tempo A tríplice restrição! C usto Escopo
  • 7. Início de um projeto Restrições Exemplo: 1. “O projeto deverá estar operacional até o ano fiscal de 2009” 2. “O limite de gastos é de R$ 60.000,00” 3. “Todos os produtos devem atender às especificações da norma ISO XXXXX”
  • 8. Planejamento Planejar é definir e refinar os objetivos e traçar o caminho necessário para alcançá-los. “Muitos caminhos levam a Roma. O objetivo do planejamento é encontrar o melhor”.
  • 9. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Elementos básicos de um projeto  Subprojeto É uma parte de um projeto de grande porte. Ex: Jogos Pan-americanos (projeto) Construção da arena João Havelange (subprojeto)
  • 10. Introdução ao Gerenciamento de Projetos  Atividade Conjunto mínimo de esforços para os quais é possível alocar recursos, definir responsabilidades e controlar custos. Ex: Implantação do gramado na arena João Havelange.
  • 11. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Elementos básicos de um projeto  Atividades interdisciplinares Envolvem execução de tarefas de áreas de atuação diferentes. Ex: Bancos de dados, redes, etc.  Atividades interdependentes Quando uma tarefa depende de outra para ser concluída.  Atividades finitas, não repetitivas Possuem início e fim bem definidos e não se repetem.
  • 12. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Sucesso em um Projeto Um projeto tem sucesso quando atinge ou supera as expectativas de seus principais stakeholders.
  • 13. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Áreas do conhecimento Gerência de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades e técnicas na elaboração de atividades relacionadas para atingir um conjunto de objetivos pré- definidos Esses processos podem ser classificados em cinco grupos de processo (iniciação, planejamento, execução, controle e encerramento) e nove áreas de conhecimento:
  • 14. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Áreas do conhecimento  Gerência de Escopo Descreve os processos necessários para assegurar que o projeto contemple todo e somente o trabalho requerido para completar o projeto com sucesso  Gerência de Tempo Descreve os processos necessários para assegurar o encerramento do projeto no tempo definido  Gerência de Custo Descreve os processos necessários para assegurar que o projeto se encerrará dentro do orçamento
  • 15. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Áreas do conhecimento  Gerência de Qualidade Descreve os processos necessários para assegurar que o projeto satisfará as necessidades contratadas  Gerência de Recursos Humanos Descreve os processos necessários para assegurar o melhor desempenho das pessoas envolvidas  Gerência de Comunicação Descreve os processos necessários assegurar, no tempo certo, a geração, disseminação e armazenamento das informações do projeto
  • 16. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Áreas do conhecimento Gerência de Risco Descreve os processos necessários na identificação, análise e controle dos riscos inerentes ao projeto Gerência de Aquisições Descreve os processos necessários para aquisição de bens e serviços fora da organização Gerência da Integração Descreve os processos necessários para assegurar a perfeita coordenação entre todos os processos envolvidos
  • 17. Sequenciamento das atividades • Diagramas de rede do cronograma do projeto Atividade Sucessora Duração Início A,B --- 4 3 A C,D 4 A C B E 6 2 I D F C Fim 3 6 5 D Fim 2 B E E Fim 5 Fim --- ---
  • 18. Desenvolvimento do cronograma Determina as datas de início e Determina as datas de início e término planejadas para as atividades do projeto término planejadas para as atividades do projeto • Devemos considerar: - datas impostas pelo negócio; - datas acordadas com o patrocinador, cliente ou outras partes interessadas; - restrições externas (clima, governo, regulatório); - fornecedores (contratos e aquisições). • Deve ser especificada a escala de tempo
  • 19. Desenvolvimento do cronograma Método do Caminho Crítico Método do Caminho Crítico Critical Path Method -- CPM Critical Path Method CPM Calcula datas teóricas de início e término antecipado, e de início e término atrasado, de todas as atividades do cronograma, sem considerar quaisquer limitações de recursos, realizando uma análise do caminho de ida e uma análise do caminho de volta pelos caminhos de rede do cronograma do projeto.
  • 20. Desenvolvimento do cronograma Método do Caminho Crítico Método do Caminho Crítico Critical Path Method -- CPM Critical Path Method CPM B 15 E 1 7 14 21 27 22 2822 28 A 6 C 10 F 12 G 5 1 1 6 6 7 7 16 16 17 17 28 28 29 29 33 33 D 3 7 26 9 28 IDA VOLTA
  • 21. Desenvolvimento do cronograma Método do Caminho Crítico Método do Caminho Crítico Critical Path Method -- CPM Critical Path Method CPM Atividade Duração PDI UDI PDT UDT Primeira Última Primeira Última data de data de data de data de inicio inicio término término
  • 22. Método do Caminho Crítico Método do Caminho Crítico Critical Path Method -- CPM Critical Path Method CPM Atividade: É um pacote mínimo de trabalho. Na rede é representada através de uma flecha. Atividade Fantasma: É uma atividade que não consome tempo nem recursos. É utilizada apenas definir relações de interdependência. Evento: Marca o início e o fim de uma atividade. Evento marco: É um evento de importância maior em relação aos outros, que deve ter a data de início ou de conclusão controlada.
  • 23. Método do Caminho Crítico Método do Caminho Crítico Critical Path Method -- CPM Critical Path Method CPM Tempo mais cedo: É o tempo necessário para alcançar um determinado evento k, se as atividades que o antecedem não atrasarem. Tempo mais tarde: Data limite para alcançar um evento k, além do qual o tempo total de execução das atividades será alterado. Primeira data de início (PDI): É a primeira data de início de uma atividade, ou tempo mais cedo da atividade. É igual ao cedo do evento inicial. Última data de início (UDI): É a última data possível para iniciar uma atividade sem alterar a programação. É igual ao tarde do evento final menos a duração da atividade.
  • 24. Método do Caminho Crítico Método do Caminho Crítico Critical Path Method -- CPM Critical Path Method CPM Primeira data de término (PDT): É a primeira data possível para o término da atividade. É igual a PDI mais a duração da atividade, ou então, ao cedo do evento inicial mais a duração da atividade. Última data de término: É a última data possível para a conclusão da atividade sem alterar a programação. É igual ao tarde do evento final. Folga total (FT): É o máximo atraso permitido em uma atividade sem alterar o prazo limite para o seu término. Ë igual ao tarde do evento final menos o cedo do evento inicial, menos a duração da atividade.
  • 25. Método do Caminho Crítico Método do Caminho Crítico Critical Path Method -- CPM Critical Path Method CPM Folga livre (FL): É o atraso máximo em uma atividade sem alterar a data mais cedo de início da atividade seguinte. É igual ao cedo do evento final menos o cedo do evento inicial, menos a duração da atividade. Caminho crítico (CC): É o caminho formado por atividades com folga nula, entre o evento inicial e o final, e Representa o menor tempo possível para execução do projeto.
  • 26. Desenvolvimento do cronograma Atividade Sucessora Duração A B,C,D 7 B E 15 C F 10 D G 3 E G 1 F G 12 G --- 5
  • 27. Desenvolvimento do cronograma PDT=PDI+Dur UDI=UDT-Dur f=6 f=6 B 15 E 1 7 14 21 27 22 28 22 28 f=0 f=0 f=0 f=0 A 6 C 10 F 12 G 5 1 1 6 6 7 7 16 16 17 17 28 28 29 29 33 33 f=19 D 3 Ativ Dur 7 26 9 28 PDI UDI PDT UDT A-C-F-G : Caminho Crítico
  • 28. EXEMPLO 1 1 2 Atividade Duração 1 5 0 5 0 A 3 B 4 C 7 D 4 E 6 F 7 G 4 H 9
  • 29. Introdução ao Gerenciamento de Projetos “Sucesso é o resultado da prática constante de fundamentos e ações vencedoras. Não há nada de milagroso no processo, nem sorte envolvida. Amadores aspiram, profissionais trabalham” Bill Russel Considerado um dos maiores jogadores da história do basquete americano. Defendeu os EUA nos Jogos Olímpicos de 1952
  • 30. Introdução ao Gerenciamento de Projetos “Nós somos aquilo que fazemos repetidas vezes, repetidamente. A excelência portanto não é um feito, mas um hábito”. Aristóteles