SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
Gênero, ciência e tecnologia
Vitor Vieira Vasconcelos
Ciência, Tecnologia e Sociedade
Universidade Federal do ABC
Novembro, 2021
Conteúdo
• Conceitos de gênero
• Linhas de pesquisa em Gênero, Ciência e
Tecnologia
• Discriminação de mulheres e LGBT+ na
produção de ciência e tecnologia
• Perspectivas feministas de Ciência e Tecnologia
Perguntas
1. Poderiam os estudos sobre a vida e o trabalho femininos revelar aspectos de
gênero presentes no conteúdo e nos métodos adotados pelas ciências?
2. Diferenças localizadas no cérebro ou provocadas por hormônios limitariam a
aptidão feminina para atividades científicas e tecnológicas?
3. Características culturais especificamente femininas poderiam favorecer o
exercício da atividade científica e tecnológica?
4. Seria necessário preparar e educar as meninas para facilitar seu acesso as
atividades científicas e tecnológicas?
5. A entrada massiva de mulheres e de indivíduos LGBT+ na ciência contribuiria
para a superação de “vieses androcêntricos” contidos na prática científica e
tecnólógica?
6. Existiria um estilo feminino (ou feminista) de fazer ciência e tecnologia?
7. Até que ponto as mulheres e gêneros LGBT+ desenvolvem e seguem
abordagens não padronizadas, ou são inovadoras na metodologia que utilizam?
8. Seria possível falar em “ciência feminista”, ou uma ciência “LGBT+”?
9. É possível utilizar, com fins emancipatórios, ciências e tecnologias que estão
imersas nos projetos ocidentais, burgueses, brancos e masculinos?
CITELI, Maria Teresa. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000
HARDING, Sandra. The science question in feminism. Ithaca, Cornell University Press, 1986
Conceitos
https://www.multirio.rj.gov.br/media/ceds/index.php?pag=apresentacao
Conceitos
https://aminoapps.com/c/ciencias-geografia-hist/page/blog/sexualidade-e-genero/VB74_ZWS7uMqB1x0lPrnZWdRpaMJkzM1Bk
Combinações de sexo biológico,
identidade de gênero e orientação sexual
https://www.dentsu.co.jp/en/news/sp/release/2019/0110-009756.html
Sexo
biológico
Identidade
de gênero
Orientação
sexual
Lésbica:
Bissexual:
Gay:
Transgênero: Heterossexual:
Linhas de pesquisa
• Mulher e ciência
 participação, a contribuição e o status das mulheres nas
profissões e carreiras científicas e tecnológicas
 Invisibilidade ou ocultamento da autoria das contribuições
científicas e tecnológicas vindas de mulheres
 Biografias de mulheres exitosas na ciência, para estimular novas
pesquisadoras
 Nível salarial e formação profissional por gênero
 Estudo as barreiras ou incentivos da participação das mulheres
na ciência
 Fatores socioeducacionais
 Cuidados da casa e da família
 Ações afirmativas para aumentar a participação das mulheres
TERESA CITELI, Maria. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu,
Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000
Linhas de pesquisa
• Gênero e ciência
 abusos da Biologia, das Ciências Sociais e
suas tecnologias para discursos sexistas,
racistas, classistas e homofóbicos
 dúvidas quanto a ciências puras, ou seja,
tendenciosidade de gênero na seleção de
problemas e modos de pesquisa
 bases epistemológicas femininas
alternativas sobre o que é “ciência”
TERESA CITELI, Maria. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu,
Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000
3 posicionamentos em relação a
gênero e tecnologia
• Ecofeminismo
 Homens usam tecnologia para dominar a natureza e as mulheres
 Mulheres em relação mais harmônica com a natureza
• Feminismo liberal
 A tecnologia é neutra, o que muda é a forma em que homens e
mulheres estão posicionados em relação ao seu uso.
 Potencial das mulheres na ciência e tecnologia foi distorcido por
esterotipificação de gênero.
• Feminismo de perspectiva histórica
 História da cultura explica a exclusão das mulheres na tecnologia
GILL, Rosalind and GRINT, Keith. The Gender-Technology Relation: Contemporary Theory and
Research. IN: GILL, R. and GRINT, K. (orgs.). The Gender-Technology Relation: Contemporary
Theory and Research. London: Taylor & Francis Ltd., 1995, pp. 1-28.
Feminismo marxista
• Tecnologia é usada para manter relações de poder entre grupos
 Alterar a natureza
 Violentar o outro
 Convencer o outro
• Marxismo
Burgueses Proletários
• Marxismo feminista
Burgueses homens Proletários
Mulheres
• Marxismo LGBQT+
Burgueses homens Proletários
cisgênero heterossexuais Outros gêneros
COCKBURN, Cynthia. Technology, production and power. IN: KIRKUP, G. and KELLER, S. L. Inventing Women: science,
technology and gender. Cambridge, Oxford: Polity Press, Basil Blackwell and The Open University, 1992, pp. 196-211.
MILLAR, Melanie S. Cracking the gender code: who rules the wired world? Toronto: Second Story Press, 1998.
WAJCMAN, Judy. Feminism confronts technology. The Pennsylvania State University Press, 1991.
Estereótipo de cientista
Homem, não jovem, que utiliza óculos e avental branco e que,
embora heterossexual e casado, não se mostra preocupado com
atividades familiares e domésticas, tendo tempo para dedicar-se
plenamente a um conhecimento que será útil para o
desenvolvimento humano e social
FREITAS, Lucas Bueno de; LUZ, Nanci Stancki da. Gênero, Ciência e Tecnologia: estado da arte a
partir de periódicos de gênero. cadernos pagu, 2017.
Entrada “discriminada” das
mulheres no ensino superior
• Cursos de “Economia doméstica”
• Homens estudam Medicina e mulheres estudam
Enfermagem
• Posições de direção (Reitorias, Diretorias)
predominantemente ocupadas por homens
LOPES, Maria Margaret. Sobre convenções em torno de argumentos de autoridade.
Cadernos Pagu, p. 35-61, 2006.
• Jovens do sexo feminino teriam pior desempenho
em matemático do que jovens do sexo masculino
• Explicação biológica: diferenças genéticas refletindo
em hormônios e funcionamento do cérebro
• Explicação sociológica: construção de histórica de
estereótipos sociais de gênero
• Métodos de pesquisa biológica sobre diferenças em
sexos biológicos não estavam incorporando
contexto social de gênero
Barreiras para entrada de mulheres
em carreiras científicas e tecnológicas
FAUSTO-STERLING, Anne. Dualismos em duelo. Cadernos Pagu. 17,18, 2001-2.
Barreiras para entrada de mulheres
em carreiras científicas e tecnológicas
Barreiras para entrada de mulheres
em carreiras científicas e tecnológicas
• Percepção, durante a adolescência, que área tecnológica
é um assunto de garotos, e não de garotas
• Crença de que a carreira em ciência e tecnologia não é
compatível com demandas de formação de família.
• Estudantes colegiais mulheres procuram profissões que
consideram socialmente mais relevantes, enquanto
estudantes colegiais homens procuram profissões que
remuneram melhor, e isso afeta sua distribuição desigual
em carreiras científicas.
WEISGRAM, Erica S.; DIEKMAN, Amanda B. Making STEM “family friendly”: The impact of perceiving science careers as
family-compatible. Social Sciences, v. 6, n. 2, p. 61, 2017.
BLANCHARD KYTE, Sarah; RIEGLE-CRUMB, Catherine. Perceptions of the social relevance of science: exploring the
implications for gendered patterns in expectations of majoring in STEM fields. Social Sciences, v. 6, n. 1, p. 19, 2017.
O paradoxo
da igualdade
de gênero e
participação
em ciência e
tecnologia
STOET, Gijsbert; GEARY, David
C. The gender-equality
paradox in science,
technology, engineering, and
mathematics education.
Psychological science, v. 29,
n. 4, p. 581-593, 2018.
Igualdade
de
gênero
global
Desigualdade de gênero em desempenho em ciências
O paradoxo
da igualdade
de gênero e
participação
em ciência e
tecnologia
STOET, Gijsbert; GEARY, David
C. The gender-equality
paradox in science,
technology, engineering, and
mathematics education.
Psychological science, v. 29,
n. 4, p. 581-593, 2018.
Igualdade
de
gênero
global
% de Mulheres graduadas em Ciência, Tecnologia,
Engenharia e Matemática
O paradoxo
da igualdade
de gênero e
participação
em ciência e
tecnologia
STOET, Gijsbert; GEARY,
David C. The gender-
equality paradox in
science, technology,
engineering, and
mathematics education.
Psychological science, v.
29, n. 4, p. 581-593, 2018. Igualdade de gênero global
Desigualdade
de
gênero
em
interesse
em
ciências
Maior em garotos
Maior em garotas
Dificuldades de ascensão na
carreira de cientistas mulheres
• Dificuldade de competir em indicadores de
produtividade após nascimento dos filhos
• Dificuldade de acessar conhecimentos em posse
de homens
• Dificuldade de serem aceitas em posições de
liderança
• Sobrecarga de funções administrativas menos
prestigiadas
FREITAS, Lucas Bueno de; LUZ, Nanci Stancki da. Gênero, Ciência e Tecnologia: estado da arte a partir de
periódicos de gênero. cadernos pagu, 2017.
MOSCHKOVICH, Marília; ALMEIDA, Ana Maria F. Desigualdades de gênero na carreira acadêmica no Brasil.
Dados, v. 58, p. 749-789, 2015.
Dificuldades de ascensão na
carreira de cientistas mulheres
PATROCINO, Laís Barbosa et al. Mulheres na ciência. Caderno Espaço Feminino, v. 33, n. 1, p. 418-441, 2020.
Conceção de bolsas de produtividade do CNPq
Dificuldades de ascensão na
carreira de cientistas mulheres
PATROCINO, Laís Barbosa et al. Mulheres na ciência. Caderno Espaço Feminino, v. 33, n. 1, p. 418-441, 2020.
Participação por gênero na Academia Brasileira de Ciências
Pandemia e Gênero na atividade científica
O isolamento social (com os filhos em casa) afetou
mais a produtividade das mulheres cientistas do que
dos homens cientistas.
Porcentagem de artigos submetidos por mulheres como primeiras autoras à Revista Dados
CÂNDIDO, Marcia R., Campos, Luiz A. Pandemia reduz submissões de artigos acadêmicos assinados por
mulheres. Dados. 2020.
SQUAZZONI, Flaminio et al. Gender gap in journal submissions and peer review during the first wave of
the COVID-19 pandemic. A study on 2329 Elsevier journals. PloS one, v. 16, n. 10, p. e0257919, 2021.
Design tecnológico e dimensões de gênero
Ciência e tecnologia para quem?
• Carros grandes e rápidos para os “homens poderosos”
CABRAL, Carla Giovana. Pelas telas, pela janela: o conhecimento dialogicamente situado.
Cadernos Pagu, p. 63-97, 2006.
Design tecnológico e dimensões de gênero
Ciência e tecnologia para quem?
• Eletrodomésticos para a “mulher independente”
CABRAL, Carla Giovana. Pelas telas, pela janela: o conhecimento dialogicamente situado.
Cadernos Pagu, p. 63-97, 2006.
Design tecnológico e dimensões de gênero
Ciência e tecnologia para quem?
• Eletrodomésticos para a “mulher independente”
CABRAL, Carla Giovana. Pelas telas, pela janela: o conhecimento dialogicamente situado.
Cadernos Pagu, p. 63-97, 2006.
Transexualidade, Ciência e
Tecnologia
• Biologia e medicina encarando a homossexualidade e a
transexualidade como um desvio (ou doença) das funções
biológicas “corretas”
• Tratamentos para curar desvios sexuais
• Biomedicina para reinventar os corpos
 Cirurgias para mudar a expressão sexual do corpo
 Tratamentos hormonais para alteração da identidade sexual
o Supressão de características do sexo biológico original
o Adquirir características do sexo biológico oposto
 Liberdade ou pressão social sobre a imagem do corpo?
BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Editora Garamond, 2006.
UNGER, Cécile A. Hormone therapy for transgender patients. Translational andrology and urology, v. 5, n. 6, p. 877, 2016.
SOUZA, Érica Renata de. Corpos transmasculinos, hormônios e técnicas: reflexões sobre materialidades possíveis. Cadernos
Pagu, 2021.
Abuso e discriminação sexual em
ambientes acadêmicos
• Mulheres são mais vítimas que homens
• Minorias sexuais são mais vítimas que heterossexuais
• Abusadores usualmente são homens que estão em
posição hierárquica superior na instituição
HANGO, Darcy. Harassment and discrimination among faculty and researchers in Canada's
postsecondary institutions. Insights on Canadian Society. n. 75-006-X, 2021.
RICHEY, Christina R. et al. Gender and sexual minorities in astronomy and planetary science
face increased risks of harassment and assault. The Bulletin of the American Astronomical
Society, 2019.
Objetivo da Ciência Feminista
Produzir e disseminar saberes que não sejam
apenas sobre ou por mulheres, mas
também de relevância para as mulheres e
suas (nossas) lutas
OAKLEY, Ann. “Science, Gender, and Women’s Liberation: an argument
against postmodernism. Women’s Studies International Forum, New York,
Vol. 21, No. 2, 1998, pp.:133-146.
Ciência e Tecnologia Feminista
• História da construção social da ciência e tecnologia
privilegiou valores que mantêm o poder do que foi
socialmente construído como masculino
 Dominação da natureza e de outras pessoas
 Objetividade
 Universalidade
 Impessoalidade
• Exclusão de características do que foi socialmente
construído como feminino
 Intuição
 Sentimento
 Relação
 Detalhes particulares
 Bem estar e necessidades básicas
KELLER, Evelyn Fox. A feeling for the organism: the life and the work or Barbara McClintock. New York,
W.H. Freeman, 1983;
PACEY. Arnold. La cultura de la tecnología. México, Fondo de Cultura Económica, 1990.
Desconfortos gerados no debate
entre feminismo e ciência
1. a suposição de que feministas advogam a
plausibilidade de se propor uma ciência
feminista, pois não reconheceriam a validade
das ciências justamente por terem sido
produzidas por homens
2. a crença de que os estudos feministas, de
maneira geral, são hostis em relação à ciência
TERESA CITELI, M. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu,
Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000
Critica à Ciência Feminista
• Dualidade de formas de fazer ciência
(masculina/feminina) diminuiria a credibilidade de um
ciência universal
• Cientistas mulheres usualmente rejeitam a ideia de uma
ciência feminista
 Defender essa posição diminuiria sua credibilidade frente aos
cientistas masculinos, que são maioria e ditam as regras da
ciência.
 Independente da forma de fazer ciência, ainda é
necessária a prova empírica
KELLER, Evelyn Fox. A feeling for the organism: the life and the work or Barbara McClintock. New York,
W.H. Freeman, 1983;
Manifesto Cyborg
• Quebra de três dualidades
identitárias ao longo da
história:
 Animal x Humano ->
Origem das espécies (Darwin)
 Humano x Máquina ->
revolução industrial
 Material x Imaterial ->
tecnologia online
• Cyborg: identidade
socialmente construída, sem
dualidades pré-definidas,
inclusive
masculino x feminino
Haraway, Donna Jeanne (1985). "A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and Socialist-Feminism in the Late Twentieth
Century". Socialist Review.
Interseccionalidade em
Ciência e Tecnologia
Gênero
Grupo
étnico-racial
Classe socio-
econômica
• Relações de poder e discriminação
dentro de grupos de Gênero,
Étnico-Raciais ou Classes
socioeconômicas
• Subgrupos duplamente ou
triplamente discriminados
• Dificuldades de classificação de
individualidades híbridas
FOTOPOULOU, Aristea. Intersectionality queer
studies and hybridity: Methodological frameworks
for social research. Journal of International
Women's Studies, v. 13, n. 2, p. 19-32, 2012.
MORAIS, Fernando Luís et al. De queer a quare:
uma aposta interseccional entre gênero, raça,
etnia e classe. ITINERÁRIOS–Revista de Literatura,
2019.
Reflexões finais
• Movimento feminista colaborou para uma maior
participação das mulheres a partir da década de 1970 até
hoje, mas:
 Ainda não há uma situação de igualdade de gênero
 Distribuição de interesses e carreiras segue diferenciações
socialmente construídas entre interesses mais masculinos ou
mais feminos
• Participação feminina auxiliaria a equilibrar priorização
de objetos e estratégias de pesquisa
• Extensão mais recente do debate de discriminação
gênero na ciência e tecnologia ao público LGBT+
Perguntas
1. Poderiam os estudos sobre a vida e o trabalho femininos revelar aspectos de
gênero presentes no conteúdo e nos métodos adotados pelas ciências?
2. Diferenças localizadas no cérebro ou provocadas por hormônios limitariam a
aptidão feminina para atividades científicas e tecnológicas?
3. Características culturais especificamente femininas poderiam favorecer o
exercício da atividade científica e tecnológica?
4. Seria necessário preparar e educar as meninas para facilitar seu acesso as
atividades científicas e tecnológicas?
5. A entrada massiva de mulheres e de indivíduos LGBT+ na ciência contribuiria
para a superação de “vieses androcêntricos” contidos na prática científica e
tecnólógica?
6. Existiria um estilo feminino (ou feminista) de fazer ciência e tecnologia?
7. Até que ponto as mulheres e gêneros LGBT+ desenvolvem e seguem
abordagens não padronizadas, ou são inovadoras na metodologia que utilizam?
8. Seria possível falar em “ciência feminista”, ou uma ciência “LGBT+”?
9. É possível utilizar, com fins emancipatórios, ciências e tecnologias que estão
imersas nos projetos ocidentais, burgueses, brancos e masculinos?
CITELI, M. T. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000
HARDING, Sandra. The science question in feminism. Ithaca, Cornell University Press, 1986
Dúvidas?
Comentários?
Obrigado!
Vitor Vieira Vasconcelos
vitor.v.v@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mobilidade social
Mobilidade socialMobilidade social
Mobilidade social
Gabriel D
 
Filosofia e educação
Filosofia e educaçãoFilosofia e educação
Filosofia e educação
Peedagogia
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Maira Conde
 
Cultura e tribos urbanas - ppt
Cultura e tribos urbanas - pptCultura e tribos urbanas - ppt
Cultura e tribos urbanas - ppt
Mara Godinho
 

Mais procurados (20)

Plano de aula 2014 eliziana arte e filosofia
Plano de aula 2014 eliziana arte e filosofiaPlano de aula 2014 eliziana arte e filosofia
Plano de aula 2014 eliziana arte e filosofia
 
Mobilidade social
Mobilidade socialMobilidade social
Mobilidade social
 
Sociologia diversidade cultural
Sociologia   diversidade culturalSociologia   diversidade cultural
Sociologia diversidade cultural
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 20 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 20 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 20 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 20 do Tomazi
 
Cap1 produção do conhecimento
Cap1   produção do conhecimentoCap1   produção do conhecimento
Cap1 produção do conhecimento
 
Sociologia - imaginacão sociologica -Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - imaginacão sociologica -Prof.Altair Aguilar.Sociologia - imaginacão sociologica -Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - imaginacão sociologica -Prof.Altair Aguilar.
 
Filosofia e educação
Filosofia e educaçãoFilosofia e educação
Filosofia e educação
 
Currículo apresentação i
Currículo apresentação iCurrículo apresentação i
Currículo apresentação i
 
Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
 
éTica moral e valores
éTica moral e valoreséTica moral e valores
éTica moral e valores
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Cultura e tribos urbanas - ppt
Cultura e tribos urbanas - pptCultura e tribos urbanas - ppt
Cultura e tribos urbanas - ppt
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Espaco nao formal
Espaco nao formalEspaco nao formal
Espaco nao formal
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptxO NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
 
O trabalho da mulher
O trabalho da mulherO trabalho da mulher
O trabalho da mulher
 
Educaçao e Trabalho
Educaçao e TrabalhoEducaçao e Trabalho
Educaçao e Trabalho
 
Concepções de Educação.ppt
Concepções de Educação.pptConcepções de Educação.ppt
Concepções de Educação.ppt
 

Semelhante a Gênero, Ciência e Tecnologia

Conteúdo: Samuel Schnorr | Design: Rodrigo Castro
Conteúdo: Samuel Schnorr | Design: Rodrigo CastroConteúdo: Samuel Schnorr | Design: Rodrigo Castro
Conteúdo: Samuel Schnorr | Design: Rodrigo Castro
Rodrigo Castro
 
Mulheres, (homo)ssexualidades e diferenças na cidade de são paulo
Mulheres, (homo)ssexualidades e diferenças na cidade de são pauloMulheres, (homo)ssexualidades e diferenças na cidade de são paulo
Mulheres, (homo)ssexualidades e diferenças na cidade de são paulo
bando17demaio
 
Unid4 ativ1 pensando_sobrepossiveismudancas_silvaniabucar
Unid4 ativ1 pensando_sobrepossiveismudancas_silvaniabucarUnid4 ativ1 pensando_sobrepossiveismudancas_silvaniabucar
Unid4 ativ1 pensando_sobrepossiveismudancas_silvaniabucar
bucarbio
 

Semelhante a Gênero, Ciência e Tecnologia (20)

o feminismo mudou a ciência ?
 o feminismo mudou a ciência  ? o feminismo mudou a ciência  ?
o feminismo mudou a ciência ?
 
Ciberfeminismos - Gênero, Ciência e Tecnologia Digital
Ciberfeminismos - Gênero, Ciência e Tecnologia DigitalCiberfeminismos - Gênero, Ciência e Tecnologia Digital
Ciberfeminismos - Gênero, Ciência e Tecnologia Digital
 
UX design, gênero e tecnologia - Desirée Maestri
UX design, gênero e tecnologia - Desirée MaestriUX design, gênero e tecnologia - Desirée Maestri
UX design, gênero e tecnologia - Desirée Maestri
 
Androcentrismo
AndrocentrismoAndrocentrismo
Androcentrismo
 
Sexualidade e Orientação Sexual - Dicas temáticas para discussão na sala de a...
Sexualidade e Orientação Sexual - Dicas temáticas para discussão na sala de a...Sexualidade e Orientação Sexual - Dicas temáticas para discussão na sala de a...
Sexualidade e Orientação Sexual - Dicas temáticas para discussão na sala de a...
 
Conteúdo: Samuel Schnorr | Design: Rodrigo Castro
Conteúdo: Samuel Schnorr | Design: Rodrigo CastroConteúdo: Samuel Schnorr | Design: Rodrigo Castro
Conteúdo: Samuel Schnorr | Design: Rodrigo Castro
 
Brasil: Mujer y Ciencia.
Brasil: Mujer y Ciencia.Brasil: Mujer y Ciencia.
Brasil: Mujer y Ciencia.
 
Brasil: Mujer y Ciencia
Brasil: Mujer y CienciaBrasil: Mujer y Ciencia
Brasil: Mujer y Ciencia
 
Contribuicao e apelo medico cientifico (versao 8)
Contribuicao e apelo medico cientifico (versao 8)Contribuicao e apelo medico cientifico (versao 8)
Contribuicao e apelo medico cientifico (versao 8)
 
Machismo nos ambientes profissional e acadêmico
Machismo nos ambientes profissional e acadêmicoMachismo nos ambientes profissional e acadêmico
Machismo nos ambientes profissional e acadêmico
 
apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
 
Seminario
SeminarioSeminario
Seminario
 
Analfabetismo Científico
Analfabetismo CientíficoAnalfabetismo Científico
Analfabetismo Científico
 
Maria betania
Maria betaniaMaria betania
Maria betania
 
Relações de gênero e história das mulheres na
Relações de gênero e história das mulheres naRelações de gênero e história das mulheres na
Relações de gênero e história das mulheres na
 
Mulheres, (homo)ssexualidades e diferenças na cidade de são paulo
Mulheres, (homo)ssexualidades e diferenças na cidade de são pauloMulheres, (homo)ssexualidades e diferenças na cidade de são paulo
Mulheres, (homo)ssexualidades e diferenças na cidade de são paulo
 
Unid4 ativ1 pensando_sobrepossiveismudancas_silvaniabucar
Unid4 ativ1 pensando_sobrepossiveismudancas_silvaniabucarUnid4 ativ1 pensando_sobrepossiveismudancas_silvaniabucar
Unid4 ativ1 pensando_sobrepossiveismudancas_silvaniabucar
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54-2023.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54-2023.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54-2023.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54-2023.pdf
 
Além da produção de conteúdo: a importância do diálogo na divulgação científica
Além da produção de conteúdo: a importância do diálogo na divulgação científicaAlém da produção de conteúdo: a importância do diálogo na divulgação científica
Além da produção de conteúdo: a importância do diálogo na divulgação científica
 
Apresentação PI I Abordagens de Gênero na Educação de Meninos e Meninas
Apresentação PI I Abordagens de Gênero na Educação de Meninos e MeninasApresentação PI I Abordagens de Gênero na Educação de Meninos e Meninas
Apresentação PI I Abordagens de Gênero na Educação de Meninos e Meninas
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGisGeocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
 
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitasAcesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
 
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
 
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
 
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicaçõesEscalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
 
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções CartográficasSistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas
 
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
 
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
 
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  BásicosIntrodução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
 
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
 
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o MarxanPlanejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
 
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no RAtividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
 
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, GeodiversidadeDiversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
 
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de CasoGeotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
 
Geotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia socialGeotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia social
 

Último

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

Gênero, Ciência e Tecnologia

  • 1. Gênero, ciência e tecnologia Vitor Vieira Vasconcelos Ciência, Tecnologia e Sociedade Universidade Federal do ABC Novembro, 2021
  • 2. Conteúdo • Conceitos de gênero • Linhas de pesquisa em Gênero, Ciência e Tecnologia • Discriminação de mulheres e LGBT+ na produção de ciência e tecnologia • Perspectivas feministas de Ciência e Tecnologia
  • 3. Perguntas 1. Poderiam os estudos sobre a vida e o trabalho femininos revelar aspectos de gênero presentes no conteúdo e nos métodos adotados pelas ciências? 2. Diferenças localizadas no cérebro ou provocadas por hormônios limitariam a aptidão feminina para atividades científicas e tecnológicas? 3. Características culturais especificamente femininas poderiam favorecer o exercício da atividade científica e tecnológica? 4. Seria necessário preparar e educar as meninas para facilitar seu acesso as atividades científicas e tecnológicas? 5. A entrada massiva de mulheres e de indivíduos LGBT+ na ciência contribuiria para a superação de “vieses androcêntricos” contidos na prática científica e tecnólógica? 6. Existiria um estilo feminino (ou feminista) de fazer ciência e tecnologia? 7. Até que ponto as mulheres e gêneros LGBT+ desenvolvem e seguem abordagens não padronizadas, ou são inovadoras na metodologia que utilizam? 8. Seria possível falar em “ciência feminista”, ou uma ciência “LGBT+”? 9. É possível utilizar, com fins emancipatórios, ciências e tecnologias que estão imersas nos projetos ocidentais, burgueses, brancos e masculinos? CITELI, Maria Teresa. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000 HARDING, Sandra. The science question in feminism. Ithaca, Cornell University Press, 1986
  • 6. Combinações de sexo biológico, identidade de gênero e orientação sexual https://www.dentsu.co.jp/en/news/sp/release/2019/0110-009756.html Sexo biológico Identidade de gênero Orientação sexual Lésbica: Bissexual: Gay: Transgênero: Heterossexual:
  • 7. Linhas de pesquisa • Mulher e ciência  participação, a contribuição e o status das mulheres nas profissões e carreiras científicas e tecnológicas  Invisibilidade ou ocultamento da autoria das contribuições científicas e tecnológicas vindas de mulheres  Biografias de mulheres exitosas na ciência, para estimular novas pesquisadoras  Nível salarial e formação profissional por gênero  Estudo as barreiras ou incentivos da participação das mulheres na ciência  Fatores socioeducacionais  Cuidados da casa e da família  Ações afirmativas para aumentar a participação das mulheres TERESA CITELI, Maria. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000
  • 8. Linhas de pesquisa • Gênero e ciência  abusos da Biologia, das Ciências Sociais e suas tecnologias para discursos sexistas, racistas, classistas e homofóbicos  dúvidas quanto a ciências puras, ou seja, tendenciosidade de gênero na seleção de problemas e modos de pesquisa  bases epistemológicas femininas alternativas sobre o que é “ciência” TERESA CITELI, Maria. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000
  • 9. 3 posicionamentos em relação a gênero e tecnologia • Ecofeminismo  Homens usam tecnologia para dominar a natureza e as mulheres  Mulheres em relação mais harmônica com a natureza • Feminismo liberal  A tecnologia é neutra, o que muda é a forma em que homens e mulheres estão posicionados em relação ao seu uso.  Potencial das mulheres na ciência e tecnologia foi distorcido por esterotipificação de gênero. • Feminismo de perspectiva histórica  História da cultura explica a exclusão das mulheres na tecnologia GILL, Rosalind and GRINT, Keith. The Gender-Technology Relation: Contemporary Theory and Research. IN: GILL, R. and GRINT, K. (orgs.). The Gender-Technology Relation: Contemporary Theory and Research. London: Taylor & Francis Ltd., 1995, pp. 1-28.
  • 10. Feminismo marxista • Tecnologia é usada para manter relações de poder entre grupos  Alterar a natureza  Violentar o outro  Convencer o outro • Marxismo Burgueses Proletários • Marxismo feminista Burgueses homens Proletários Mulheres • Marxismo LGBQT+ Burgueses homens Proletários cisgênero heterossexuais Outros gêneros COCKBURN, Cynthia. Technology, production and power. IN: KIRKUP, G. and KELLER, S. L. Inventing Women: science, technology and gender. Cambridge, Oxford: Polity Press, Basil Blackwell and The Open University, 1992, pp. 196-211. MILLAR, Melanie S. Cracking the gender code: who rules the wired world? Toronto: Second Story Press, 1998. WAJCMAN, Judy. Feminism confronts technology. The Pennsylvania State University Press, 1991.
  • 11. Estereótipo de cientista Homem, não jovem, que utiliza óculos e avental branco e que, embora heterossexual e casado, não se mostra preocupado com atividades familiares e domésticas, tendo tempo para dedicar-se plenamente a um conhecimento que será útil para o desenvolvimento humano e social FREITAS, Lucas Bueno de; LUZ, Nanci Stancki da. Gênero, Ciência e Tecnologia: estado da arte a partir de periódicos de gênero. cadernos pagu, 2017.
  • 12. Entrada “discriminada” das mulheres no ensino superior • Cursos de “Economia doméstica” • Homens estudam Medicina e mulheres estudam Enfermagem • Posições de direção (Reitorias, Diretorias) predominantemente ocupadas por homens LOPES, Maria Margaret. Sobre convenções em torno de argumentos de autoridade. Cadernos Pagu, p. 35-61, 2006.
  • 13. • Jovens do sexo feminino teriam pior desempenho em matemático do que jovens do sexo masculino • Explicação biológica: diferenças genéticas refletindo em hormônios e funcionamento do cérebro • Explicação sociológica: construção de histórica de estereótipos sociais de gênero • Métodos de pesquisa biológica sobre diferenças em sexos biológicos não estavam incorporando contexto social de gênero Barreiras para entrada de mulheres em carreiras científicas e tecnológicas FAUSTO-STERLING, Anne. Dualismos em duelo. Cadernos Pagu. 17,18, 2001-2.
  • 14. Barreiras para entrada de mulheres em carreiras científicas e tecnológicas
  • 15. Barreiras para entrada de mulheres em carreiras científicas e tecnológicas • Percepção, durante a adolescência, que área tecnológica é um assunto de garotos, e não de garotas • Crença de que a carreira em ciência e tecnologia não é compatível com demandas de formação de família. • Estudantes colegiais mulheres procuram profissões que consideram socialmente mais relevantes, enquanto estudantes colegiais homens procuram profissões que remuneram melhor, e isso afeta sua distribuição desigual em carreiras científicas. WEISGRAM, Erica S.; DIEKMAN, Amanda B. Making STEM “family friendly”: The impact of perceiving science careers as family-compatible. Social Sciences, v. 6, n. 2, p. 61, 2017. BLANCHARD KYTE, Sarah; RIEGLE-CRUMB, Catherine. Perceptions of the social relevance of science: exploring the implications for gendered patterns in expectations of majoring in STEM fields. Social Sciences, v. 6, n. 1, p. 19, 2017.
  • 16. O paradoxo da igualdade de gênero e participação em ciência e tecnologia STOET, Gijsbert; GEARY, David C. The gender-equality paradox in science, technology, engineering, and mathematics education. Psychological science, v. 29, n. 4, p. 581-593, 2018. Igualdade de gênero global Desigualdade de gênero em desempenho em ciências
  • 17. O paradoxo da igualdade de gênero e participação em ciência e tecnologia STOET, Gijsbert; GEARY, David C. The gender-equality paradox in science, technology, engineering, and mathematics education. Psychological science, v. 29, n. 4, p. 581-593, 2018. Igualdade de gênero global % de Mulheres graduadas em Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática
  • 18. O paradoxo da igualdade de gênero e participação em ciência e tecnologia STOET, Gijsbert; GEARY, David C. The gender- equality paradox in science, technology, engineering, and mathematics education. Psychological science, v. 29, n. 4, p. 581-593, 2018. Igualdade de gênero global Desigualdade de gênero em interesse em ciências Maior em garotos Maior em garotas
  • 19. Dificuldades de ascensão na carreira de cientistas mulheres • Dificuldade de competir em indicadores de produtividade após nascimento dos filhos • Dificuldade de acessar conhecimentos em posse de homens • Dificuldade de serem aceitas em posições de liderança • Sobrecarga de funções administrativas menos prestigiadas FREITAS, Lucas Bueno de; LUZ, Nanci Stancki da. Gênero, Ciência e Tecnologia: estado da arte a partir de periódicos de gênero. cadernos pagu, 2017. MOSCHKOVICH, Marília; ALMEIDA, Ana Maria F. Desigualdades de gênero na carreira acadêmica no Brasil. Dados, v. 58, p. 749-789, 2015.
  • 20. Dificuldades de ascensão na carreira de cientistas mulheres PATROCINO, Laís Barbosa et al. Mulheres na ciência. Caderno Espaço Feminino, v. 33, n. 1, p. 418-441, 2020. Conceção de bolsas de produtividade do CNPq
  • 21. Dificuldades de ascensão na carreira de cientistas mulheres PATROCINO, Laís Barbosa et al. Mulheres na ciência. Caderno Espaço Feminino, v. 33, n. 1, p. 418-441, 2020. Participação por gênero na Academia Brasileira de Ciências
  • 22. Pandemia e Gênero na atividade científica O isolamento social (com os filhos em casa) afetou mais a produtividade das mulheres cientistas do que dos homens cientistas. Porcentagem de artigos submetidos por mulheres como primeiras autoras à Revista Dados CÂNDIDO, Marcia R., Campos, Luiz A. Pandemia reduz submissões de artigos acadêmicos assinados por mulheres. Dados. 2020. SQUAZZONI, Flaminio et al. Gender gap in journal submissions and peer review during the first wave of the COVID-19 pandemic. A study on 2329 Elsevier journals. PloS one, v. 16, n. 10, p. e0257919, 2021.
  • 23. Design tecnológico e dimensões de gênero Ciência e tecnologia para quem? • Carros grandes e rápidos para os “homens poderosos” CABRAL, Carla Giovana. Pelas telas, pela janela: o conhecimento dialogicamente situado. Cadernos Pagu, p. 63-97, 2006.
  • 24. Design tecnológico e dimensões de gênero Ciência e tecnologia para quem? • Eletrodomésticos para a “mulher independente” CABRAL, Carla Giovana. Pelas telas, pela janela: o conhecimento dialogicamente situado. Cadernos Pagu, p. 63-97, 2006.
  • 25. Design tecnológico e dimensões de gênero Ciência e tecnologia para quem? • Eletrodomésticos para a “mulher independente” CABRAL, Carla Giovana. Pelas telas, pela janela: o conhecimento dialogicamente situado. Cadernos Pagu, p. 63-97, 2006.
  • 26. Transexualidade, Ciência e Tecnologia • Biologia e medicina encarando a homossexualidade e a transexualidade como um desvio (ou doença) das funções biológicas “corretas” • Tratamentos para curar desvios sexuais • Biomedicina para reinventar os corpos  Cirurgias para mudar a expressão sexual do corpo  Tratamentos hormonais para alteração da identidade sexual o Supressão de características do sexo biológico original o Adquirir características do sexo biológico oposto  Liberdade ou pressão social sobre a imagem do corpo? BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Editora Garamond, 2006. UNGER, Cécile A. Hormone therapy for transgender patients. Translational andrology and urology, v. 5, n. 6, p. 877, 2016. SOUZA, Érica Renata de. Corpos transmasculinos, hormônios e técnicas: reflexões sobre materialidades possíveis. Cadernos Pagu, 2021.
  • 27. Abuso e discriminação sexual em ambientes acadêmicos • Mulheres são mais vítimas que homens • Minorias sexuais são mais vítimas que heterossexuais • Abusadores usualmente são homens que estão em posição hierárquica superior na instituição HANGO, Darcy. Harassment and discrimination among faculty and researchers in Canada's postsecondary institutions. Insights on Canadian Society. n. 75-006-X, 2021. RICHEY, Christina R. et al. Gender and sexual minorities in astronomy and planetary science face increased risks of harassment and assault. The Bulletin of the American Astronomical Society, 2019.
  • 28. Objetivo da Ciência Feminista Produzir e disseminar saberes que não sejam apenas sobre ou por mulheres, mas também de relevância para as mulheres e suas (nossas) lutas OAKLEY, Ann. “Science, Gender, and Women’s Liberation: an argument against postmodernism. Women’s Studies International Forum, New York, Vol. 21, No. 2, 1998, pp.:133-146.
  • 29. Ciência e Tecnologia Feminista • História da construção social da ciência e tecnologia privilegiou valores que mantêm o poder do que foi socialmente construído como masculino  Dominação da natureza e de outras pessoas  Objetividade  Universalidade  Impessoalidade • Exclusão de características do que foi socialmente construído como feminino  Intuição  Sentimento  Relação  Detalhes particulares  Bem estar e necessidades básicas KELLER, Evelyn Fox. A feeling for the organism: the life and the work or Barbara McClintock. New York, W.H. Freeman, 1983; PACEY. Arnold. La cultura de la tecnología. México, Fondo de Cultura Económica, 1990.
  • 30. Desconfortos gerados no debate entre feminismo e ciência 1. a suposição de que feministas advogam a plausibilidade de se propor uma ciência feminista, pois não reconheceriam a validade das ciências justamente por terem sido produzidas por homens 2. a crença de que os estudos feministas, de maneira geral, são hostis em relação à ciência TERESA CITELI, M. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000
  • 31. Critica à Ciência Feminista • Dualidade de formas de fazer ciência (masculina/feminina) diminuiria a credibilidade de um ciência universal • Cientistas mulheres usualmente rejeitam a ideia de uma ciência feminista  Defender essa posição diminuiria sua credibilidade frente aos cientistas masculinos, que são maioria e ditam as regras da ciência.  Independente da forma de fazer ciência, ainda é necessária a prova empírica KELLER, Evelyn Fox. A feeling for the organism: the life and the work or Barbara McClintock. New York, W.H. Freeman, 1983;
  • 32. Manifesto Cyborg • Quebra de três dualidades identitárias ao longo da história:  Animal x Humano -> Origem das espécies (Darwin)  Humano x Máquina -> revolução industrial  Material x Imaterial -> tecnologia online • Cyborg: identidade socialmente construída, sem dualidades pré-definidas, inclusive masculino x feminino Haraway, Donna Jeanne (1985). "A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and Socialist-Feminism in the Late Twentieth Century". Socialist Review.
  • 33. Interseccionalidade em Ciência e Tecnologia Gênero Grupo étnico-racial Classe socio- econômica • Relações de poder e discriminação dentro de grupos de Gênero, Étnico-Raciais ou Classes socioeconômicas • Subgrupos duplamente ou triplamente discriminados • Dificuldades de classificação de individualidades híbridas FOTOPOULOU, Aristea. Intersectionality queer studies and hybridity: Methodological frameworks for social research. Journal of International Women's Studies, v. 13, n. 2, p. 19-32, 2012. MORAIS, Fernando Luís et al. De queer a quare: uma aposta interseccional entre gênero, raça, etnia e classe. ITINERÁRIOS–Revista de Literatura, 2019.
  • 34. Reflexões finais • Movimento feminista colaborou para uma maior participação das mulheres a partir da década de 1970 até hoje, mas:  Ainda não há uma situação de igualdade de gênero  Distribuição de interesses e carreiras segue diferenciações socialmente construídas entre interesses mais masculinos ou mais feminos • Participação feminina auxiliaria a equilibrar priorização de objetos e estratégias de pesquisa • Extensão mais recente do debate de discriminação gênero na ciência e tecnologia ao público LGBT+
  • 35. Perguntas 1. Poderiam os estudos sobre a vida e o trabalho femininos revelar aspectos de gênero presentes no conteúdo e nos métodos adotados pelas ciências? 2. Diferenças localizadas no cérebro ou provocadas por hormônios limitariam a aptidão feminina para atividades científicas e tecnológicas? 3. Características culturais especificamente femininas poderiam favorecer o exercício da atividade científica e tecnológica? 4. Seria necessário preparar e educar as meninas para facilitar seu acesso as atividades científicas e tecnológicas? 5. A entrada massiva de mulheres e de indivíduos LGBT+ na ciência contribuiria para a superação de “vieses androcêntricos” contidos na prática científica e tecnólógica? 6. Existiria um estilo feminino (ou feminista) de fazer ciência e tecnologia? 7. Até que ponto as mulheres e gêneros LGBT+ desenvolvem e seguem abordagens não padronizadas, ou são inovadoras na metodologia que utilizam? 8. Seria possível falar em “ciência feminista”, ou uma ciência “LGBT+”? 9. É possível utilizar, com fins emancipatórios, ciências e tecnologias que estão imersas nos projetos ocidentais, burgueses, brancos e masculinos? CITELI, M. T. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 15, p. 39–75, 2000 HARDING, Sandra. The science question in feminism. Ithaca, Cornell University Press, 1986