SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistemas de Coordenadas &
Projeções Cartográficas
Carolina Moutinho Duque de Pinho
Flávia da Fonseca Feitosa
Vitor Vieira Vasconcelos
Cartografia e Geoprocessamento para o Planejamento Territorial
Fevereiro de 2024
Para estabelecer localizações na superfície
terrestre é necessário tratá-la matematicamente.
É este um dos objetos de estudo da
GEODÉSIA
Ciência que se encarrega da determinação
da forma e das dimensões da Terra.
GAUSS (1777-1855)
Forma do planeta
representada pela
superfície delimitada
pelo nível médio do mar
homogêneo
(72% da superfície da Terra)
FORMA DA TERRA
GEÓIDE
Superfície de igual gravidade, formada pelo nível
médio dos mares em repouso, supostamente
prolongado por sob os continentes.
GEÓIDE
Forma irregular,
com ondulações
e depressões
FORMA DA TERRA
É preciso buscar um modelo mais simples para
representar a Terra→ ELIPSE
ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO
Parâmetros
a = semi-eixo maior; b = semi-eixo menor; f = achatamento = (a-b)/a
Ao girar em torno de seu eixo menor, uma ELIPSE forma um
volume achatado nos pólos: o ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO
É a figura matemática que mais se aproxima da forma do geóide.
Parâmetros são simples
ELIPSE ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO
A Terra Vista do Espaço: Esfera?
A Terra Vista do Espaço: Esfera?
Para representações em escalas
muito pequenas, a diferença
entre o raio equatorial e o raio
polar apresenta um valor
insignificante, o que permite
representar a forma a Terra, em
algumas aplicações, como uma
ESFERA.
Modelo Simplificado → Globo
Terrestre
Geóide vs. Elipsóide
Geóide
Superfície delimitada
pelo nível médio dos
mares supostamente
prolongado por sob os
continentes
Elipsóide
Modelo matemático
que define a superfície
da Terra.
Sistemas Geodésicos
DATUM
Marco geodésico, horizontal ou vertical, usado como
ponto de origem do sistema geodésico (referência)
Datum Vertical ou Altimétrico: referência para
altitude (marco “zero” – 0 m)
Datum Horizontal ou Planimétrico: referência para
coordenadas planimétricas
Origem das Altitudes
Marco “zero” do Marégrafo de Imbituba (SC)
Vincula-se ao geóide (altitude ortométrica – H)
h: ALTITUDE ELIPSOIDAL
MEDIÇÕES FEITAS COM GPS
Datum Altimétrico ou Vertical
Referência para coordenadas planimétricas
Depende dos Parâmetros do Sistema Geodésico Adotado
- Elipsóide de Referência: o raio equatorial e o achatamento
elipsoidais
- Posicionamento relativo do elipsóide em relação ao geóide
DATUM GLOBAL
GEOCÊNTRICO
•

GEÓIDE
ELIPSÓIDE
DATUM LOCAL
TOPOCÊNTRICO
•

REGIÃO
MAPEADA
GEÓIDE
ELIPSÓIDE
Datum Planimétrico ou Horizontal
Figura:
Júlio
D’Alge
Elipsóide + Datum
WGS84
Córrego Alegre
SAD69
SIRGAS2000
Ajuste “médio” para todo o mundo
Incluído em quase todos softwares e equipamentos
• Melhor ajuste na América Latina
• Padrão do IBGE
• Semelhante ao WGS84
DATUM GLOBAL
GEOCÊNTRICO
•

GEÓIDE
ELIPSÓIDE
DATUM LOCAL
TOPOCÊNTRICO
•

REGIÃO
MAPEADA
GEÓIDE
ELIPSÓIDE
SAD-69
Sistema Geodésico Sul-Americano
1969
Datum Local, Topocêntrico
SIRGAS 2000
Sistema de Referência Geocêntrico para as
Américas
Datum Global, Geocêntrico
Sistemas Geodésicos no Brasil
Figura:
Júlio
D’Alge
SAD 69 X SIRGAS 2000 X WGS 84
Na prática SIRGAS 2000 e WGS-84 podem ser considerados iguais
SAD 69 SIRGAS WGS 84
Elipsóide UGGI 67 GRS 80 UGGI 79
Semi-eixo MAIOR
a
6.378.160 6.378.137 6.378.137
Semi-eixo
MENOR
b
6.356.774,560 6.356.752,3141 6.356.752,3142
Achatamento
(a-b)/a
298,25 298,257221021 298,257223563
Dois conjuntos de dados
podem diferir no
datum, sistema de
projeção cartográfica e
sistema de
coordenadas.
Atenção!
É fundamental conhecer estes parâmetros para
cada conjunto de dados!
Imagem:
Rubens
Angulo
Filho
Como estabelecer localizações
na Superfície Terrestre?
1. Adotar um modelo matemático da Terra: Datum
Geodésico (SAD-69, SIRGAS 2000…)
1. Adotar um sistema capaz de localizar qualquer lugar
da Terra: Sistema de Coordenadas
Sistemas de Coordenadas
Necessários para a expressão da posição de pontos
sobre uma superfície.
Considerando que esta superfície seja curvilínea
(elipsóide ou esfera)
Sistema Geográfico de Coordenadas
(ou geodésico)
Cada ponto da superfície terrestre é localizado na
interseção de um meridiano e paralelo e seu
posicionamento é dado por meio de valores angulares
que correspondem a sua latitude e longitude
Conceitos Importantes
Meridianos e
Paralelos Latitude e
Longitude
Meridianos
Num modelo esférico, os meridianos são semi-círculos gerados a
partir da interseção de planos verticais que contém o eixo de rotação
terrestre com a superfície da Terra.
Um semicírculo define um meridiano que com seu antimeridiano
formam um círculo máximo.
O meridiano de origem, é denominado
Meridiano de Greenwich, com o seu
antimeridiano, divide a Terra em dois
hemisférios: leste e oeste.
▪ A leste deste meridiano, os valores
da coordenadas são crescentes,
variando entre 0° e +180°.
▪ A oeste, as medidas são
decrescentes, variando entre 0° e
-180°.
Paralelos
São círculos cujo plano é perpendicular ao eixo dos pólos.
O Equador é o paralelo que divide a Terra em dois
hemisférios (Norte e Sul) e é considerado o paralelo de
origem (0° )
Partindo-se do Equador em
direção aos pólos tem-se vários
planos paralelos ao Equador,
cujos tamanhos vão diminuindo
até que se reduzam a pontos nos
pólos Norte (+90°) e Sul (-90°)
Conceitos Importantes
Meridianos e
Paralelos Latitude e
Longitude
LONGITUDE (letra grega
lambda λ): É a distância
angular entre o lugar e o
meridiano de origem,
contada sobre um plano
paralelo ao Equador.
LATITUDE (letra grega phi
ϕ): É a distância angular
entre o lugar e o plano do
Equador, contada sobre o
plano do meridiano que
passa no lugar.
Longitude e Latitude
▪ No Equador o comprimento de 1º é de aproximadamente
111.321m (Divida 40.000 km por 360º ...)
▪ A medida que se afasta para norte ou para sul o comprimento
do arco é dado em metros pela seguinte equação:
C=111321*cos(Latitude)
Grau (º) Paralelo (m)
0 111321
30 96488
45 78848
70 38187
90 0
Comprimentos dos Arcos de 1 grau
Sistemas de Coordenadas Geográficas
(ou geodésicas)
Os valores de latitude e longitude de um local
determinam as coordenadas geográficas (ou
geodésicas) do mesmo.
Sistema abrangente de georreferenciamento
PORÉM… E quando estamos lidando com uma
superfície plana, como o mapa?
REPRESENTAÇÃO
Terra → Globo → Mapa
Globo: Simplificação – Figura da Terra em pequena escala
Mapa: Superfície Plana. Demanda transformações adicionais.
(f, l) (x, y)
Projeção de Mapas
Projeções Cartográficas
Para confeccionar um mapa, precisamos de um método segundo o qual a
cada ponto da superfície terrestre corresponda um ponto do mapa e vice
versa → SISTEMA DE PROJEÇÕES
A projeção cartográfica transforma uma posição sobre a superfície
terrestre, identificada por latitude e longitude (f - phi , l - lambda) em
uma posição em coordenadas cartesianas/planas (x,y)
Projeções Cartográficas
PROBLEMA BÁSICO
Representar uma superfície curva (a Terra) em um plano
DEFORMAÇÕES SÃO INEVITÁVEIS!!!
http://profdrikageografia.blogspot.com.br/2010/12/projecoes-cartograficas.html
Não Existe Projeção Ideal !!!
Não se pode passar de uma superfície curva para uma
superfície plana sem que haja deformações.
Portanto: Não Existe Projeção Ideal, mas apenas a
melhor representação para um determinado propósito
http://profdrikageografia.blogspot.com.br/2010/12/projecoes-cartograficas.html
Não Existe Projeção Ideal !!!
1. PROJEÇÃO CONFORME
(conformidade): Mantêm
ângulos (forma), mas não os
tamanhos
2. PROJEÇÃO EQUIDISTANTE:
Mantêm distância, mas
deforma áreas e ângulos
3. PROJEÇÃO EQUIVALENTE:
Mantêm áreas, mas distorce
as formas
4. PROJEÇÃO AFILÁTICAS: Não
conserva nenhuma das
propriedades. Busca reduzir
distorções de maneira geral.
Não Existe Projeção Ideal !!!
Mercator
(conforme)
Peters
(equivalente)
Azimutal ou
Plana
Equidistante
Quanto à Superfície
de Projeção:
1. Plana ou Azimutal
2. Cilíndrica
3. Cônica
4. Polissuperficiais
(poliédrica,
policilíndrica,
policônica)
Projeções Cartográficas - Classificação
Quanto ao Tipo de
Contato:
1. Tangente
Plano: 1 Ponto
Cilindro/Cone: 1 Linha
2. Secante
Plano: 1 Linha
Cilindro/Cone:
2 Linhas
Projeções Cartográficas - Classificação
PROJEÇÕES PLANAS
Projeção Azimutal Estereográfica
Polar Equatorial Oblíqua
PROJEÇÕES CILÍNDRICAS
Projeção de Mercator
(Cilíndrica, Equatorial, Conforme)
Projeção de Peters
(Cilíndrica, Equatorial, Equivalente)
Normal ou
Equatorial
PROJEÇÃO DE MERCATOR
PN
PS
PN
PS
Projecção de Mercator: a
loxodrômica ou linha de rumo é reta
(linha a azul); parte da linha
geodésica a vermelho (ortodrômica)
Antigas cartas de navegação, porque linha de igual rumo é uma reta
As mesmas loxodrômica e
ortodrômica numa projecção
azimutal polar equidistante
Loxodrômica – curva que faz sempre o mesmo ângulo com o meridiano
Ortodrômica – distância mais curta entre os pontos, sobre o elipsóide
PROJEÇÕES CÔNICAS
Sistema de Coordenadas Planas
Sistema UTM
Sistema de coordenadas plano-retangulares mais utilizado
é baseado na
PROJEÇÃO UNIVERSAL TRANSVERSA DE MERCATOR
▪ Cilíndrica
▪ Transversa
▪ Conforme
▪ Secante
Cartas temáticas e topográficas do sistema cartográfico nacional
(IBGE)
Sistema UTM
Superfície de Projeção são 60 cilindros transversos,
cada um com uma amplitude de 6 graus em longitude
→ 60 fusos
Cada fuso possui um
meridiano central, com 3
graus para cada lado
Sistema UTM
Os 60 fusos são enumerados a partir do anti-meridiano de
Greenwich (180o W). Fuso 1 → 180oW a 174oW
Sistema UTM
▪ Cada fuso possui um meridiano central, com 3 graus para cada lado.
▪ Origem: Cruzamento do Equador (10.000.000 ou 0) com MC
(500.000) de cada fuso.
Sistema UTM
Deformações – Fator de Escala
Sistema UTM
Fusos UTM no
território brasileiro:
Fusos 18 a 25
Estado de São Paulo:
Fusos 22 e 23
Município de São
Bernardo do Campo:
Fuso 23
Sistema UTM
23 K
Sistemas de Coordenadas
Geográficas UTM
Latitude e Longitude Metros
Áreas extensas
(País, Estados)
Áreas pequenas
(bairros, lotes)
Independe de Zona Problema se área cruza
duas zonas UTM
Menos intuitivo
(“Quão longe é 1 grau?”)
Alguns algorítmos
necessitam da UTM como
unidade de medida
Cartografia oficial Trabalhos de campo
Dicas no QGIS
Como verificar o sistema geodésico de
referência de uma camada?
Botão direito sobre a camada > Properties > General
O sistema de referência
pode ser alterado
Cuidado!!!
Importante Saber!
Transformações “on-the-fly”
O mecanismo de
transformações “on-
the-fly” realiza
reprojeções
automáticas para fins
de visualização/
renderização.
São reprojeções
dinâmicas, que não
afetam o dado original
Reprojetando e Convertendo
Dados Vetoriais e Matriciais
Para reprojetar ou converter para outro formato:
Salvar a camada com o novo sistema de referência/formato
Botão direito sobre a camada > Save as...
Resumo da Aula
Fonte: Júlio D’Alge
Nós!!!
Padrão de Sistemas de Coordenadas EPSG
▪ EPSG → European Petroleum Survey Group.
▪ Organização que publica um banco de dados de informações do sistema de
coordenadas, além de alguns documentos de ótima qualidade relacionados
a projeções de mapas e data.
http://www.epsg.org/
Descrição de Sistemas de
coordenadas, projeções e Data
Parâmetros de projeção no QGIS – modelo de dados
Parâmetros de projeção no QGIS – modelo de dados
Sites para visualização de projeções
https://projectionwizard.org/#
Sites para visualização de projeções
Comparação entre distorções
https://map-projections.net/compare.php
Sites para visualização de projeções
Tamanho real:
https://thetruesize.com/#?borders=1~!MTczMTQ
Sites para visualização de projeções
Descrição projeções
https://map-projections.net/singleview.php
FITZ, P. R. Cartografia básica. São Paulo: Oficina de Textos, 2008
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Noções básicas de
cartografia. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1989. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/manual_nocoes/indice.h
tm.
ROSA, R. Cartografia básica. Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de
Geografia. Laboratório de Geoprocessamento, 2004. Disponível em:
http://www.ufscar.br/~debe/geo/paginas/tutoriais/pdf/cartografia/Cartografia
%20Basica.pdf
D’ALGE, J. Cartografia para o Geoprocessamento. In. CÂMARA, G; DAVIS, C;
MONTEIRO, A.M.V. Introdução à Ciência da Geoinformação. Disponível em:
http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/introd/cap6-cartografia.pdf
Bibliografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sólidos geométricos 6º ano
Sólidos geométricos   6º anoSólidos geométricos   6º ano
Sólidos geométricos 6º ano
Rafael Marques
 
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento RemotoCap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
UFPR
 
Matemática na natureza
Matemática na naturezaMatemática na natureza
Matemática na natureza
Patrícia Morais
 
Teorema de pitágoras trabalho final
Teorema de pitágoras trabalho finalTeorema de pitágoras trabalho final
Teorema de pitágoras trabalho final
marileneisnarmourasantos
 
Fuso horario
Fuso horarioFuso horario
Fuso horario
Eduardo Vieira
 
Fotogrametria digital
Fotogrametria digitalFotogrametria digital
Fotogrametria digital
guest72086
 
Geodésia
GeodésiaGeodésia
Topografia a01
Topografia a01Topografia a01
Topografia a01
Janine Silotti
 
GPS
GPSGPS
1 conceitos e classificacao da fotogrametria
1 conceitos e classificacao da fotogrametria1 conceitos e classificacao da fotogrametria
1 conceitos e classificacao da fotogrametria
Djair Felix
 
Figuras Geométricas - 6º ano
Figuras Geométricas - 6º anoFiguras Geométricas - 6º ano
Figuras Geométricas - 6º ano
Ilton Bruno
 
Monografia agrimensura astronomia denise vieira
Monografia agrimensura astronomia denise vieiraMonografia agrimensura astronomia denise vieira
Monografia agrimensura astronomia denise vieira
Denise Vieira
 
GPS
GPSGPS
Aula3 ajustamento unilins
Aula3 ajustamento unilinsAula3 ajustamento unilins
Aula3 ajustamento unilins
hiath
 
Sistem Proyeksi Peta
Sistem Proyeksi PetaSistem Proyeksi Peta
Sistem Proyeksi Peta
Syamsul Falah
 
Formas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestreFormas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestre
Paula Tomaz
 
Aula de Geometria
Aula de GeometriaAula de Geometria
Aula de Geometria
O Blog do Pedagogo
 
Sensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Sensoriamento Remoto - Introdução TeóricaSensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Sensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Vitor Vieira Vasconcelos
 
A importância do IBGE
A importância do IBGEA importância do IBGE
A importância do IBGE
Cadernizando
 
Makalah dtm
Makalah dtmMakalah dtm
Makalah dtm
Juan Pariama
 

Mais procurados (20)

Sólidos geométricos 6º ano
Sólidos geométricos   6º anoSólidos geométricos   6º ano
Sólidos geométricos 6º ano
 
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento RemotoCap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
 
Matemática na natureza
Matemática na naturezaMatemática na natureza
Matemática na natureza
 
Teorema de pitágoras trabalho final
Teorema de pitágoras trabalho finalTeorema de pitágoras trabalho final
Teorema de pitágoras trabalho final
 
Fuso horario
Fuso horarioFuso horario
Fuso horario
 
Fotogrametria digital
Fotogrametria digitalFotogrametria digital
Fotogrametria digital
 
Geodésia
GeodésiaGeodésia
Geodésia
 
Topografia a01
Topografia a01Topografia a01
Topografia a01
 
GPS
GPSGPS
GPS
 
1 conceitos e classificacao da fotogrametria
1 conceitos e classificacao da fotogrametria1 conceitos e classificacao da fotogrametria
1 conceitos e classificacao da fotogrametria
 
Figuras Geométricas - 6º ano
Figuras Geométricas - 6º anoFiguras Geométricas - 6º ano
Figuras Geométricas - 6º ano
 
Monografia agrimensura astronomia denise vieira
Monografia agrimensura astronomia denise vieiraMonografia agrimensura astronomia denise vieira
Monografia agrimensura astronomia denise vieira
 
GPS
GPSGPS
GPS
 
Aula3 ajustamento unilins
Aula3 ajustamento unilinsAula3 ajustamento unilins
Aula3 ajustamento unilins
 
Sistem Proyeksi Peta
Sistem Proyeksi PetaSistem Proyeksi Peta
Sistem Proyeksi Peta
 
Formas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestreFormas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestre
 
Aula de Geometria
Aula de GeometriaAula de Geometria
Aula de Geometria
 
Sensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Sensoriamento Remoto - Introdução TeóricaSensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Sensoriamento Remoto - Introdução Teórica
 
A importância do IBGE
A importância do IBGEA importância do IBGE
A importância do IBGE
 
Makalah dtm
Makalah dtmMakalah dtm
Makalah dtm
 

Semelhante a Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas

Cartografia aula 2 - rede geográfica fuso horário
Cartografia   aula 2 - rede geográfica fuso horárioCartografia   aula 2 - rede geográfica fuso horário
Cartografia aula 2 - rede geográfica fuso horário
Kenia Diógenes
 
Introdução geral à topografia
Introdução geral à topografiaIntrodução geral à topografia
Introdução geral à topografia
Pessoal
 
Sistemas geodésicos de referênci acrea
Sistemas geodésicos de referênci acreaSistemas geodésicos de referênci acrea
Sistemas geodésicos de referênci acrea
Nome Sobrenome
 
Cartografia sb 2018
Cartografia sb 2018Cartografia sb 2018
Cartografia sb 2018
Gustavo Silva de Souza
 
Cartografia 2011
Cartografia 2011Cartografia 2011
Cartografia 2011
caroline-f
 
Geofísica
GeofísicaGeofísica
Geofísica
UFES
 
Aula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Aula - Projeções Cartográficas.ppt gggggAula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Aula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Centro Educacional Nilton Oliveira Santos -CENOS
 
Apresentação ciências cartográficas francisco javier cervigon ruckauer
Apresentação ciências cartográficas francisco javier cervigon ruckauerApresentação ciências cartográficas francisco javier cervigon ruckauer
Apresentação ciências cartográficas francisco javier cervigon ruckauer
Francisco Javier Cervigon Ruckauer
 
Cartografia2.
Cartografia2.Cartografia2.
Cartografia2.
Professor
 
Cartografia odete
Cartografia odeteCartografia odete
Cartografia odete
geouerjvictor
 
4 a aula geo cpvem cartografia-aula-2=
4 a aula geo cpvem   cartografia-aula-2=4 a aula geo cpvem   cartografia-aula-2=
4 a aula geo cpvem cartografia-aula-2=
Wellington Moreira
 
Aula introdução cartografia
Aula   introdução cartografiaAula   introdução cartografia
Aula introdução cartografia
Omar Fürst
 
Gis4 dev
Gis4 devGis4 dev
Gis4 dev
Alaor Bianco
 
Ciências cartográficas guião de vídeo francisco javier cervigon ruckauer
Ciências cartográficas guião de vídeo francisco javier cervigon ruckauerCiências cartográficas guião de vídeo francisco javier cervigon ruckauer
Ciências cartográficas guião de vídeo francisco javier cervigon ruckauer
Francisco Javier Cervigon Ruckauer
 
Geofísica
GeofísicaGeofísica
Geofísica
jupereirr
 
Slides rivancley
Slides   rivancleySlides   rivancley
Slides rivancley
Gabriel Reis
 
Amostra apostila-ibge-2011
Amostra apostila-ibge-2011Amostra apostila-ibge-2011
Amostra apostila-ibge-2011
jjfneto83
 
Projeto cartografia ceesub - alterado 2012
Projeto cartografia   ceesub - alterado 2012Projeto cartografia   ceesub - alterado 2012
Projeto cartografia ceesub - alterado 2012
anilce
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
Celso Roberto Pitta Santos
 
6º ano (caps. 4 e 5)
6º ano (caps. 4 e 5)6º ano (caps. 4 e 5)
6º ano (caps. 4 e 5)
Alexandre Alves
 

Semelhante a Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas (20)

Cartografia aula 2 - rede geográfica fuso horário
Cartografia   aula 2 - rede geográfica fuso horárioCartografia   aula 2 - rede geográfica fuso horário
Cartografia aula 2 - rede geográfica fuso horário
 
Introdução geral à topografia
Introdução geral à topografiaIntrodução geral à topografia
Introdução geral à topografia
 
Sistemas geodésicos de referênci acrea
Sistemas geodésicos de referênci acreaSistemas geodésicos de referênci acrea
Sistemas geodésicos de referênci acrea
 
Cartografia sb 2018
Cartografia sb 2018Cartografia sb 2018
Cartografia sb 2018
 
Cartografia 2011
Cartografia 2011Cartografia 2011
Cartografia 2011
 
Geofísica
GeofísicaGeofísica
Geofísica
 
Aula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Aula - Projeções Cartográficas.ppt gggggAula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
Aula - Projeções Cartográficas.ppt ggggg
 
Apresentação ciências cartográficas francisco javier cervigon ruckauer
Apresentação ciências cartográficas francisco javier cervigon ruckauerApresentação ciências cartográficas francisco javier cervigon ruckauer
Apresentação ciências cartográficas francisco javier cervigon ruckauer
 
Cartografia2.
Cartografia2.Cartografia2.
Cartografia2.
 
Cartografia odete
Cartografia odeteCartografia odete
Cartografia odete
 
4 a aula geo cpvem cartografia-aula-2=
4 a aula geo cpvem   cartografia-aula-2=4 a aula geo cpvem   cartografia-aula-2=
4 a aula geo cpvem cartografia-aula-2=
 
Aula introdução cartografia
Aula   introdução cartografiaAula   introdução cartografia
Aula introdução cartografia
 
Gis4 dev
Gis4 devGis4 dev
Gis4 dev
 
Ciências cartográficas guião de vídeo francisco javier cervigon ruckauer
Ciências cartográficas guião de vídeo francisco javier cervigon ruckauerCiências cartográficas guião de vídeo francisco javier cervigon ruckauer
Ciências cartográficas guião de vídeo francisco javier cervigon ruckauer
 
Geofísica
GeofísicaGeofísica
Geofísica
 
Slides rivancley
Slides   rivancleySlides   rivancley
Slides rivancley
 
Amostra apostila-ibge-2011
Amostra apostila-ibge-2011Amostra apostila-ibge-2011
Amostra apostila-ibge-2011
 
Projeto cartografia ceesub - alterado 2012
Projeto cartografia   ceesub - alterado 2012Projeto cartografia   ceesub - alterado 2012
Projeto cartografia ceesub - alterado 2012
 
Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
 
6º ano (caps. 4 e 5)
6º ano (caps. 4 e 5)6º ano (caps. 4 e 5)
6º ano (caps. 4 e 5)
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGisGeocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitasAcesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicaçõesEscalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  BásicosIntrodução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o MarxanPlanejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no RAtividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, GeodiversidadeDiversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de CasoGeotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Geotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia socialGeotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia social
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Geovisualização em portais WebGIS
Geovisualização em portais WebGISGeovisualização em portais WebGIS
Geovisualização em portais WebGIS
Vitor Vieira Vasconcelos
 

Mais de Vitor Vieira Vasconcelos (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGisGeocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
Geocodificação de endereços, roteirização e geotagging no QGis
 
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitasAcesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
Acesso e aquisição de bases de imagens de satélite gratuitas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
Integração entre Biodiversidade, Geodiversidade e Paisagem - Estudos de Caso ...
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
 
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis  - 2024
Anáise espacial baseada em distância - Prática no QGis - 2024
 
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
Análise Espacial baseada em Localização - Prática no QGis - 2024
 
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicaçõesEscalas, Resolução: Conceitos e aplicações
Escalas, Resolução: Conceitos e aplicações
 
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
Atividade prática - Introdução ao QGis - parte 2
 
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
Atividade prática - Introdução ao QGis, parte 1
 
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  BásicosIntrodução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos  Básicos
Introdução à Cartografia e Geoprocessamento - Conceitos Básicos
 
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
Representação Computacional do Espaço (Geoprocessamento)
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
 
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o MarxanPlanejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
Planejamento Sistemático de Conservação - Prática com o Marxan
 
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no RAtividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
Atividade prática de Biodiversidade e Agrodiversidade no R
 
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, GeodiversidadeDiversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
Diversidade - Biodiversidade, Agrodiversidade, Sociodiversidade, Geodiversidade
 
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de CasoGeotecnologias avançadas - Estudos de Caso
Geotecnologias avançadas - Estudos de Caso
 
Geotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia socialGeotecnologias e cartografia social
Geotecnologias e cartografia social
 
Geovisualização em portais WebGIS
Geovisualização em portais WebGISGeovisualização em portais WebGIS
Geovisualização em portais WebGIS
 

Último

497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Sistemas de Coordenadas e Projeções Cartográficas

  • 1. Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas Carolina Moutinho Duque de Pinho Flávia da Fonseca Feitosa Vitor Vieira Vasconcelos Cartografia e Geoprocessamento para o Planejamento Territorial Fevereiro de 2024
  • 2. Para estabelecer localizações na superfície terrestre é necessário tratá-la matematicamente. É este um dos objetos de estudo da GEODÉSIA Ciência que se encarrega da determinação da forma e das dimensões da Terra.
  • 3. GAUSS (1777-1855) Forma do planeta representada pela superfície delimitada pelo nível médio do mar homogêneo (72% da superfície da Terra) FORMA DA TERRA GEÓIDE Superfície de igual gravidade, formada pelo nível médio dos mares em repouso, supostamente prolongado por sob os continentes.
  • 4. GEÓIDE Forma irregular, com ondulações e depressões FORMA DA TERRA É preciso buscar um modelo mais simples para representar a Terra→ ELIPSE
  • 5. ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO Parâmetros a = semi-eixo maior; b = semi-eixo menor; f = achatamento = (a-b)/a Ao girar em torno de seu eixo menor, uma ELIPSE forma um volume achatado nos pólos: o ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO É a figura matemática que mais se aproxima da forma do geóide. Parâmetros são simples ELIPSE ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO
  • 6. A Terra Vista do Espaço: Esfera?
  • 7. A Terra Vista do Espaço: Esfera? Para representações em escalas muito pequenas, a diferença entre o raio equatorial e o raio polar apresenta um valor insignificante, o que permite representar a forma a Terra, em algumas aplicações, como uma ESFERA. Modelo Simplificado → Globo Terrestre
  • 8. Geóide vs. Elipsóide Geóide Superfície delimitada pelo nível médio dos mares supostamente prolongado por sob os continentes Elipsóide Modelo matemático que define a superfície da Terra.
  • 9. Sistemas Geodésicos DATUM Marco geodésico, horizontal ou vertical, usado como ponto de origem do sistema geodésico (referência) Datum Vertical ou Altimétrico: referência para altitude (marco “zero” – 0 m) Datum Horizontal ou Planimétrico: referência para coordenadas planimétricas
  • 10. Origem das Altitudes Marco “zero” do Marégrafo de Imbituba (SC) Vincula-se ao geóide (altitude ortométrica – H) h: ALTITUDE ELIPSOIDAL MEDIÇÕES FEITAS COM GPS Datum Altimétrico ou Vertical
  • 11. Referência para coordenadas planimétricas Depende dos Parâmetros do Sistema Geodésico Adotado - Elipsóide de Referência: o raio equatorial e o achatamento elipsoidais - Posicionamento relativo do elipsóide em relação ao geóide DATUM GLOBAL GEOCÊNTRICO •  GEÓIDE ELIPSÓIDE DATUM LOCAL TOPOCÊNTRICO •  REGIÃO MAPEADA GEÓIDE ELIPSÓIDE Datum Planimétrico ou Horizontal Figura: Júlio D’Alge
  • 12. Elipsóide + Datum WGS84 Córrego Alegre SAD69 SIRGAS2000 Ajuste “médio” para todo o mundo Incluído em quase todos softwares e equipamentos • Melhor ajuste na América Latina • Padrão do IBGE • Semelhante ao WGS84
  • 13. DATUM GLOBAL GEOCÊNTRICO •  GEÓIDE ELIPSÓIDE DATUM LOCAL TOPOCÊNTRICO •  REGIÃO MAPEADA GEÓIDE ELIPSÓIDE SAD-69 Sistema Geodésico Sul-Americano 1969 Datum Local, Topocêntrico SIRGAS 2000 Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas Datum Global, Geocêntrico Sistemas Geodésicos no Brasil Figura: Júlio D’Alge
  • 14. SAD 69 X SIRGAS 2000 X WGS 84 Na prática SIRGAS 2000 e WGS-84 podem ser considerados iguais SAD 69 SIRGAS WGS 84 Elipsóide UGGI 67 GRS 80 UGGI 79 Semi-eixo MAIOR a 6.378.160 6.378.137 6.378.137 Semi-eixo MENOR b 6.356.774,560 6.356.752,3141 6.356.752,3142 Achatamento (a-b)/a 298,25 298,257221021 298,257223563
  • 15. Dois conjuntos de dados podem diferir no datum, sistema de projeção cartográfica e sistema de coordenadas. Atenção! É fundamental conhecer estes parâmetros para cada conjunto de dados! Imagem: Rubens Angulo Filho
  • 16. Como estabelecer localizações na Superfície Terrestre? 1. Adotar um modelo matemático da Terra: Datum Geodésico (SAD-69, SIRGAS 2000…) 1. Adotar um sistema capaz de localizar qualquer lugar da Terra: Sistema de Coordenadas
  • 17. Sistemas de Coordenadas Necessários para a expressão da posição de pontos sobre uma superfície. Considerando que esta superfície seja curvilínea (elipsóide ou esfera) Sistema Geográfico de Coordenadas (ou geodésico) Cada ponto da superfície terrestre é localizado na interseção de um meridiano e paralelo e seu posicionamento é dado por meio de valores angulares que correspondem a sua latitude e longitude
  • 19. Meridianos Num modelo esférico, os meridianos são semi-círculos gerados a partir da interseção de planos verticais que contém o eixo de rotação terrestre com a superfície da Terra. Um semicírculo define um meridiano que com seu antimeridiano formam um círculo máximo. O meridiano de origem, é denominado Meridiano de Greenwich, com o seu antimeridiano, divide a Terra em dois hemisférios: leste e oeste. ▪ A leste deste meridiano, os valores da coordenadas são crescentes, variando entre 0° e +180°. ▪ A oeste, as medidas são decrescentes, variando entre 0° e -180°.
  • 20. Paralelos São círculos cujo plano é perpendicular ao eixo dos pólos. O Equador é o paralelo que divide a Terra em dois hemisférios (Norte e Sul) e é considerado o paralelo de origem (0° ) Partindo-se do Equador em direção aos pólos tem-se vários planos paralelos ao Equador, cujos tamanhos vão diminuindo até que se reduzam a pontos nos pólos Norte (+90°) e Sul (-90°)
  • 22. LONGITUDE (letra grega lambda λ): É a distância angular entre o lugar e o meridiano de origem, contada sobre um plano paralelo ao Equador. LATITUDE (letra grega phi ϕ): É a distância angular entre o lugar e o plano do Equador, contada sobre o plano do meridiano que passa no lugar. Longitude e Latitude
  • 23. ▪ No Equador o comprimento de 1º é de aproximadamente 111.321m (Divida 40.000 km por 360º ...) ▪ A medida que se afasta para norte ou para sul o comprimento do arco é dado em metros pela seguinte equação: C=111321*cos(Latitude) Grau (º) Paralelo (m) 0 111321 30 96488 45 78848 70 38187 90 0 Comprimentos dos Arcos de 1 grau
  • 24. Sistemas de Coordenadas Geográficas (ou geodésicas) Os valores de latitude e longitude de um local determinam as coordenadas geográficas (ou geodésicas) do mesmo. Sistema abrangente de georreferenciamento PORÉM… E quando estamos lidando com uma superfície plana, como o mapa?
  • 25. REPRESENTAÇÃO Terra → Globo → Mapa Globo: Simplificação – Figura da Terra em pequena escala Mapa: Superfície Plana. Demanda transformações adicionais.
  • 26. (f, l) (x, y) Projeção de Mapas Projeções Cartográficas Para confeccionar um mapa, precisamos de um método segundo o qual a cada ponto da superfície terrestre corresponda um ponto do mapa e vice versa → SISTEMA DE PROJEÇÕES A projeção cartográfica transforma uma posição sobre a superfície terrestre, identificada por latitude e longitude (f - phi , l - lambda) em uma posição em coordenadas cartesianas/planas (x,y)
  • 27. Projeções Cartográficas PROBLEMA BÁSICO Representar uma superfície curva (a Terra) em um plano DEFORMAÇÕES SÃO INEVITÁVEIS!!! http://profdrikageografia.blogspot.com.br/2010/12/projecoes-cartograficas.html
  • 28. Não Existe Projeção Ideal !!! Não se pode passar de uma superfície curva para uma superfície plana sem que haja deformações. Portanto: Não Existe Projeção Ideal, mas apenas a melhor representação para um determinado propósito http://profdrikageografia.blogspot.com.br/2010/12/projecoes-cartograficas.html
  • 30. 1. PROJEÇÃO CONFORME (conformidade): Mantêm ângulos (forma), mas não os tamanhos 2. PROJEÇÃO EQUIDISTANTE: Mantêm distância, mas deforma áreas e ângulos 3. PROJEÇÃO EQUIVALENTE: Mantêm áreas, mas distorce as formas 4. PROJEÇÃO AFILÁTICAS: Não conserva nenhuma das propriedades. Busca reduzir distorções de maneira geral. Não Existe Projeção Ideal !!! Mercator (conforme) Peters (equivalente) Azimutal ou Plana Equidistante
  • 31. Quanto à Superfície de Projeção: 1. Plana ou Azimutal 2. Cilíndrica 3. Cônica 4. Polissuperficiais (poliédrica, policilíndrica, policônica) Projeções Cartográficas - Classificação
  • 32. Quanto ao Tipo de Contato: 1. Tangente Plano: 1 Ponto Cilindro/Cone: 1 Linha 2. Secante Plano: 1 Linha Cilindro/Cone: 2 Linhas Projeções Cartográficas - Classificação
  • 33. PROJEÇÕES PLANAS Projeção Azimutal Estereográfica Polar Equatorial Oblíqua
  • 34. PROJEÇÕES CILÍNDRICAS Projeção de Mercator (Cilíndrica, Equatorial, Conforme) Projeção de Peters (Cilíndrica, Equatorial, Equivalente) Normal ou Equatorial
  • 36. Projecção de Mercator: a loxodrômica ou linha de rumo é reta (linha a azul); parte da linha geodésica a vermelho (ortodrômica) Antigas cartas de navegação, porque linha de igual rumo é uma reta As mesmas loxodrômica e ortodrômica numa projecção azimutal polar equidistante Loxodrômica – curva que faz sempre o mesmo ângulo com o meridiano Ortodrômica – distância mais curta entre os pontos, sobre o elipsóide
  • 39. Sistema UTM Sistema de coordenadas plano-retangulares mais utilizado é baseado na PROJEÇÃO UNIVERSAL TRANSVERSA DE MERCATOR ▪ Cilíndrica ▪ Transversa ▪ Conforme ▪ Secante Cartas temáticas e topográficas do sistema cartográfico nacional (IBGE)
  • 40. Sistema UTM Superfície de Projeção são 60 cilindros transversos, cada um com uma amplitude de 6 graus em longitude → 60 fusos Cada fuso possui um meridiano central, com 3 graus para cada lado
  • 41. Sistema UTM Os 60 fusos são enumerados a partir do anti-meridiano de Greenwich (180o W). Fuso 1 → 180oW a 174oW
  • 42. Sistema UTM ▪ Cada fuso possui um meridiano central, com 3 graus para cada lado. ▪ Origem: Cruzamento do Equador (10.000.000 ou 0) com MC (500.000) de cada fuso.
  • 43. Sistema UTM Deformações – Fator de Escala
  • 44. Sistema UTM Fusos UTM no território brasileiro: Fusos 18 a 25 Estado de São Paulo: Fusos 22 e 23 Município de São Bernardo do Campo: Fuso 23
  • 46. Sistemas de Coordenadas Geográficas UTM Latitude e Longitude Metros Áreas extensas (País, Estados) Áreas pequenas (bairros, lotes) Independe de Zona Problema se área cruza duas zonas UTM Menos intuitivo (“Quão longe é 1 grau?”) Alguns algorítmos necessitam da UTM como unidade de medida Cartografia oficial Trabalhos de campo
  • 48. Como verificar o sistema geodésico de referência de uma camada? Botão direito sobre a camada > Properties > General O sistema de referência pode ser alterado Cuidado!!!
  • 49. Importante Saber! Transformações “on-the-fly” O mecanismo de transformações “on- the-fly” realiza reprojeções automáticas para fins de visualização/ renderização. São reprojeções dinâmicas, que não afetam o dado original
  • 50. Reprojetando e Convertendo Dados Vetoriais e Matriciais Para reprojetar ou converter para outro formato: Salvar a camada com o novo sistema de referência/formato Botão direito sobre a camada > Save as...
  • 51. Resumo da Aula Fonte: Júlio D’Alge Nós!!!
  • 52. Padrão de Sistemas de Coordenadas EPSG ▪ EPSG → European Petroleum Survey Group. ▪ Organização que publica um banco de dados de informações do sistema de coordenadas, além de alguns documentos de ótima qualidade relacionados a projeções de mapas e data. http://www.epsg.org/
  • 53. Descrição de Sistemas de coordenadas, projeções e Data
  • 54. Parâmetros de projeção no QGIS – modelo de dados
  • 55. Parâmetros de projeção no QGIS – modelo de dados
  • 56. Sites para visualização de projeções https://projectionwizard.org/#
  • 57. Sites para visualização de projeções Comparação entre distorções https://map-projections.net/compare.php
  • 58. Sites para visualização de projeções Tamanho real: https://thetruesize.com/#?borders=1~!MTczMTQ
  • 59. Sites para visualização de projeções Descrição projeções https://map-projections.net/singleview.php
  • 60. FITZ, P. R. Cartografia básica. São Paulo: Oficina de Textos, 2008 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Noções básicas de cartografia. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1989. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/manual_nocoes/indice.h tm. ROSA, R. Cartografia básica. Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de Geografia. Laboratório de Geoprocessamento, 2004. Disponível em: http://www.ufscar.br/~debe/geo/paginas/tutoriais/pdf/cartografia/Cartografia %20Basica.pdf D’ALGE, J. Cartografia para o Geoprocessamento. In. CÂMARA, G; DAVIS, C; MONTEIRO, A.M.V. Introdução à Ciência da Geoinformação. Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/introd/cap6-cartografia.pdf Bibliografia