SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 135
CONTROLADORIA E ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. João Conrado
Apresentação do professor Prof. João Conrado João Conrado de A. Carvalho,  Mestre em Administração de Empresas pela FGV/EBAPE, Especialista em Gestão de Empresas e em Marketing pela ESPM/RJ e graduado em Ciências Contábeis.  Auditor certificado pelo CFC e CNAI.   Professor da FAMA, UNDB, CEUMA, UNIVIMA, Gianna Beretta, onde ministra as disciplinas: Contabilidade de Custos; Contabilidade Tributária; Análise de Demonstrações Contábeis; Administração Financeira, entre outras. É sócio da empresa J.C. CONSULTORES LTDA, com foco em consultoria de gestão de empresas e de entes públicos. www.jccons.com.br [email_address]   0..98 8117.0334
Apresentação da disciplina ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
Apresentação da disciplina ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
A informação contábil ,[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
A informação contábil Prof. João Conrado Trata-se de um processo de identificar, medir, acumular, analisar, preparar, interpretar e comunicar informações que ajude os gerentes a cumprir os objetivos organizacionais. O objetivo da informação contábil é ajudar as pessoas, dentro e fora das organizações, a tomar decisões. Cada vez mais as organizações dependem da informação para a tomada de decisão eficaz. Entretanto, diferente das demais áreas, boa parte das empresas não instituiu um sistema integrado de informações.
Dados e informações Prof. João Conrado Dados são fatos em sua forma primária. Informação são dados organizados de acordo com as necessidades dos vários usuários. Precisam ser: Confiáveis Comparativas Periódicas Econômicas Detalhadas
Controladoria Prof. João Conrado
Estratégia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
Controle Prof. João Conrado
Padrões éticos Prof. João Conrado
Sistemas contábeis Prof. João Conrado
Case Prof. João Conrado
Teoria de Sistemas Prof. João Conrado
A empresa como um sistema Prof. João Conrado
Teoria de sistemas Prof. João Conrado
Tipos de sistema (Ackoff) Prof. João Conrado
Sistema organizacional Prof. João Conrado Acionistas Concorrentes Fornecedores Entradas Processamento Saídas Feedback Governo Sindicatos Comunidades
Visão sistêmica nas empresas Prof. João Conrado
Case Prof. João Conrado
Teoria de Sistemas Prof. João Conrado
Gestão Prof. João Conrado
Organizações Prof. João Conrado
Ambiente Prof. João Conrado AGENTES INTERESSES Investidores Retorno dos investimentos. A remuneração deve cobrir os custos de oportunidades dos investidores. Colaboradores Realização pessoal e profissional. A satisfação das necessidades mais prementes se dá pelo salário. Clientes Necessidades atendidas por meio do consumo de bens e serviços na melhor relação custo x benefício. Concorrentes Buscam maior participação no mercado. Podem conseguir vencendo a competição ou buscando alianças. Fornecedores Interesses próprios na rentabilidade dos seus negócios. As metas são atingidas pelas boas vendas realizadas. Governo, sindicados e outros grupos O governo tem interesse em arrecadar tributos, assim como os sindicatos e demais grupos. Sociedade Interessa-se pela responsabilidade social em relação ao meio ambiente à comunidade à sua volta.
Mudanças ambientais Prof. João Conrado
Modelo de Gestão Prof. João Conrado Novos negócios, mercados e tendências Cenários macro- econômicos  interno e externo Análise da concorrência Análise do ambiente Portfólio de pro- dutos e clientes Balanced Scorecard e Business Plan Performance do produto/negócio Volume, Preço, Mercado e Segmento Cadeia de valor, Custos (produ- ção, logístico e capital) Estoques, movimento de materiais Qualidade,  Produtividade e P&D Riscos e opor- tunidades Posicionamento Resultados Operações Gestão do Negócio
Case Prof. João Conrado
Modelo de decisão Prof. João Conrado Produzir ou terceirizar? Nossos preços eram fixados com base na concorrência. Agora nossos concorrentes estão na China. Como devemos proceder? Se eu decidir lançar o novo produto, incorremos em custos  que reduzirão nossos resultados neste ano e ganharei menos bônus no Natal. Os resultados só melhorarão no próximo ano. Devo ou não devo lançar o produto?
Problemas que afetam a decisão Prof. João Conrado
Tipos de decisões Prof. João Conrado
Etapas do processo decisório ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
Sistema de informações Prof. João Conrado A gestão da informação é a principal ferramenta para o controle de todos os recursos que entram, são transformados e saem da organização.  Para gerir esse elemento, é preciso definir um modelo que dissemine a forma como dados devem ser obtidos, armazenados, transformados e levados aos usuários, de forma tempestiva e útil. É importante definir o envolvimento dos elementos de forma a facilitar o processo de coleta, armazenagem, geração, comunicação da informação e tomada da decisão.
Aspectos qualitativos Prof. João Conrado
Case Prof. João Conrado
Teoria de Agência Prof. João Conrado
Ciclo das empresas Prof. João Conrado
Dilema de agência Prof. João Conrado Como conciliar os propósitos do criador do empreendimento (principal) com os dos gestores (agentes), que têm objetivos diferentes?  Os conflitos entre principal e agente são inevitáveis porque o agente recebe uma remuneração para agir de acordo com os interesses do principal e isso tende a não acontecer, pois ele buscará realizar primeiro seus próprios interesses.
Dilema de agência Prof. João Conrado A relação de agência deve ser regida por um contrato, no qual deve ser especificado o que o principal espera e como o agente será remunerado para desenvolver o seu trabalho. O Contrato perfeito não existe. A controladoria desempenha um papel relevante na redução dos conflitos, na medida em que atua como peça auxiliar no processo de monitoramento dos controles internos.
Problemas de agência Prof. João Conrado
Outros problemas Prof. João Conrado
Seleção Prof. João Conrado
Governança corporativa Prof. João Conrado
Modelo latino-americano Prof. João Conrado Variável Síntese Financiamento Alavancagem por exigíveis. Mercado de capitais pouco expressivos. Propriedade  Propriedade altamente concentrada. Gestão Gestão é exercida pelos acionistas majoritários. Conflitos de agência O principal conflito ocorre entre o acionista majoritário e os minoritários, sem poder de decisão. Proteção legal aos minoritários Fraca. A alta proporção das ações sem direito a voto dificulta a ação dos minoritários. Conselho de administração Afetada pela propriedade/gestão. A maioria dos membros está ligada aos controladores por vínculo familiar. Não atuante. Liquidez da participação acionária Prevalece a baixa liquidez em mercados especulativos. Forças de controle mais atuantes Internas. Governança corporativa Embrionária, mas evoluindo com rapidez. Abrangência dos modelos de controle Prevalecem os interesses dos acionistas.
Case Prof. João Conrado
Controles internos Prof. João Conrado ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Controles internos Prof. João Conrado
Princípios de controle interno Prof. João Conrado
Princípios de controle interno Prof. João Conrado
Princípios de controle interno Prof. João Conrado
Ciclos operacionais Prof. João Conrado VENDAS - Envolve todos os procedimentos que se iniciam na venda dos produtos e terminam com o recebimento da fatura, incluindo a emissão de nota fiscal, registros, contabilização, apuração dos impostos, baixa e recebimento. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Contas a receber Recebimento Vendas
Ciclos operacionais Prof. João Conrado COMPRAS - Envolve os procedimentos de aquisição de insumos, estoque, contabilização, registro no sistema de contas a pagar e pagamento, incluindo o registro dos impostos a recuperar sobre as aquisições. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Contas a pagar Pagamento Compras
Ciclos operacionais Prof. João Conrado PRODUÇÃO - Controle de estoques, métodos de apuração de custos, contabilização. Inicia-se com a requisição dos materiais do almoxarifado, consumo na produção, até o produto ficar pronto para venda.  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Produção Apuração do Custo Requisição de MP Transf. para PP
Ciclos operacionais Prof. João Conrado PESSOAL - Atos e procedimentos  de contratação, treinamento e saída do pessoal da empresa. É desejável que as políticas de recursos humanos sejam bem claras e disponíveis. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Treinamento Despedida Contratação de pessoal
Ciclos operacionais Prof. João Conrado PATRIMÔNIO - Envolve os ativos fixos que pertencem à empresa, como móveis, máquinas, veículos, entre outros. Faz-se necessário adotar políticas rígidas de aquisição e guarda, inclusive com restrição de acesso. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Treinamento Despedida Contratação de pessoal
Sistemas de informação Prof. João Conrado C O N T R O L A D O R I A Implantação e monitoramento dos controles internos Sistema de informações Processo de gestão Decisões econômicas otimizadas ,[object Object],[object Object],[object Object]
Case Prof. João Conrado
Planejamento Prof. João Conrado
Plano estratégico  Variáveis ambientais Prof. João Conrado
Variáveis internas Prof. João Conrado
Posicionamento Prof. João Conrado
Plano estratégico - SWOT Prof. João Conrado MATRIZ SWOT Strengths (Pontos Fortes)  O que a empresa faz bem?  Que recursos especiais possui e pode aproveitar?  O que outros acham que você faz bem? Weaknesses (Pontos Fracos) No que você pode melhorar?  Onde tem menos recursos que os outros?  O que outros acham que não faz bem?  Opportunities (Oportunidades )  Quais são as oportunidades externas que você pode identificar?  Que tendências e "modas" você pode aproveitar em seu favor?  Threats (Ameaças) Que ameaças (leis, regulamentos, concorrentes) podem lhe prejudicar ?  O que seu concorrente anda fazendo?
Plano estratégico - SWOT ,[object Object],Prof. João Conrado ,[object Object]
Matriz SWOT (exemplo) Prof. João Conrado MATRIZ SWOT Ameaças Oportunidades Concorrentes não sujeitos às regras do CEPRAMA Baixa visitação dos turistas Turismo receptivo crescente CEPRAMA como local de eventos culturais Pontos Fracos Linha limitada de produtos Negociar com CEPRAMA ampliação da linha de produtos Produtos encalhados - Fazer promoção dos produtos Falta de capital de giro - - Obter recursos através do microcrédito Layout pouco atrativo - Desenvolver novo layout - Pontos Fortes Localização no CEPRAMA Negociar ampliação dos produtos Fomentar o acesso dos turistas por meio dos guias turísticos Divulgar o Box nos eventos culturais Capacidade de produzir artigos - Modernizar a linha de produtos, baixando custos.
Matriz SWOT (exemplo) Prof. João Conrado OBJETIVO METAS Descrição Prazo Quantidade Valor Ampliação/modernização da linha de produtos Desenvolver portfólio de produtos voltados para os apelos turísticos do Maranhão (motivos locais) confeccionados com insumos de baixo custo 02 meses Negociar com o CEPRAMA a comercialização do novo portfólio no BOX 10 02 meses Atrair turistas para o BOX 10 Desenvolver novo layout, que se destaque dos demais  e chame atenção do turista 01 mês Firmar parceria com guias turísticos para que os visitantes sejam levados ao BOX 10 01 mês Comissionar os guias em 5% Divulgar BOX 10 nos eventos culturais realizados no CEPRAMA 03 meses 1.000 panfletos R$ 200,00 Desfazer-se de produtos de baixo giro Fazer promoção dos produtos, reduzindo a margem de lucro Imediato Obter capital de giro para custear o Plano  Candidatar-se ao microcrédito Imediato R$ 1.000,00 Aplicar os recursos nos novos produtos do portfólio 02 meses
Planejamento Operacional Prof. João Conrado Orçamento Base Zero Orçamento Contínuo Métodos Orçamentários Orçamento Flexível Orçamento Perpétuo
Orçamento ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
Case Prof. João Conrado
Avaliação de desempenho Prof. João Conrado
Avaliação de desempenho Prof. João Conrado
Razões para avaliar Prof. João Conrado
Princípios Prof. João Conrado
Medir o patrimônio ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado PATRIMÔNIO É O CONJUNTO DOS BENS, DIREITOS E  OBRIGAÇÕES DE UMA ENTIDADE.
BENS DIREITOS OBRIGAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prof. João Conrado
BENS R$ 110.000 DIREITOS R$ 30.000 OBRIGAÇÕES R$ 70.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ 70.000 ATIVO PASSIVO Prof. João Conrado
Atividades Financeiras BALANÇO PATRIMONIAL Análise e Planejamento Financeiro Decisões de investimentos Decisões de financiamento Ativos Circulantes Passivos Circulantes Ativos Permanentes Recursos Permanentes Prof. João Conrado
Cia Balcãs (R$ 000) Prof. João Conrado DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO 2004 2003 Receita de Vendas 3.074 2.567 (-) Custo do produto vendido -2.088 -1.711 Lucro Bruto 986 856 (-) Despesas Operacionais -568 -553 Despesas de vendas -100 -108 Despesas Gerais e Administrativas -194 -187 Despesas de Leasing -35 -35 Despesas de Depreciação -239 -223 Lucro Operacional 418 303 (-) Despesas Financeiras -93 -91 Lucro Líquido Antes do Imposto de Renda 325 212 (-) Menos Provisão para o Imposto de Renda -94 -64 Lucro Líquido Depois do Imposto de Renda 231 148 (-) Dividendos para Ações Preferenciais -10 -10 Lucro Disponível para as Ações Ordinárias 221 138 Lucro por Ação (LPA) 2,90 1,81
Cia Balcãs (R$ 000) Prof. João Conrado BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2004 2003 CIRCULANTE 1.223 1.004 Caixa 363 288 Títulos Negociáveis 568 51 Duplicatas a Receber 503 365 Estoques 289 300 PERMANENTE 2.374 2.266 Terrenos e Edifícios 2.072 1.903 Máquinas e Equipamentos 1.866 1.693 Móveis e Acessórios Fixos 358 316 Veículos 275 314 Outros 98 96 Subtotal Ativo Permanente (bruto) 4.669 4.322 (-) Depreciação Acumulada -2.295 -2.056 TOTAL DO ATIVO 3.597 3.270
Cia Balcãs (R$ 000) Prof. João Conrado BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO 2004 2003 CIRCULANTE 620 483 Duplicatas a Pagar 382 270 Títulos a Pagar 79 99 Contas a Pagar 159 114 EXIGÍVEL DE LONGO PRAZO 1.023 967 Leasing Financeiro 1.023 967 TOTAL DO PASSIVO 1.643 1.450 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1.954 1.820 Ações Preferenciais 200 200 Ações Ordinárias 191 190 Ágio na Venda de Ações Ordinárias 428 418 Lucros Retidos 1.135 1.012 TOTAL DO PASSIVO 3.597 3.270
Indicadores de Liquidez Prof. João Conrado AC = Ativo Circulante; ARLP = Ativo Realizável a Longo Prazo; PC = Passivo Circulante; PELP = Passivo Exigível a Longo Prazo Indicador Cálculo Significado Capital Circulante Líquido AC – PC O CCL representa a folga financeira Liquidez Geral AC + ARLP PC + PELP Capacidade de pagamento no longo prazo Liquidez Corrente AC PC Capacidade de pagamento no curto prazo Liquidez Seca AC – Estoque PC Capacidade de pagamento no curto prazo sem contar com os estoques.
Indicadores de Atividade Prof. João Conrado Indicador Cálculo Significado Giro do Estoque CPV Estoque Indica a liquidez do estoque Prazo Médio de Cobrança Recebíveis VM por dia Tempo médio para receber as vendas a prazo Prazo Médio de Pagamento Duplicatas CM por dia Tempo médio para pagar as compras a prazo Giro do  Ativo Total Vendas Ativo Eficiência dos ativos para gerar vendas Giro dos Investimentos Vendas Permanente Eficiência do ativo permanente em gerar vendas.
Indicadores de Endividamento Prof. João Conrado Indicador Cálculo Significado Índice de Endividamento Passivo Total Ativo Total Quanto os credores estão financiando a empresa Índice de Cobertura de Juros LO DJ Capacidade da empresa em pagar juros de financiamento Composição do Endividamento PC PT Percentual de obrigações no curto prazo em relação ao total da dívida.
Indicadores de Lucratividade Prof. João Conrado Indicador Cálculo Significado Margem Bruta Lucro Bruto Receita Indica a lucratividade da empresa na sua atividade principal. Margem Operacional Lucro Operac. Receita Indica a lucratividade depois de deduzidos os custos e despesas operacionais Margem Líquida Lucro Líquido Receita Índica a lucratividade da empresa após pagos todos os custos, despesas e outros gastos Retorno Sobre Ativos (ROA) Lucro Líquido Ativo Medida de eficiência dos ativos em gerar lucro Retorno Sobre PL Lucro Líquido PL Retorno dos recursos dos investimentos dos sócios da empresa.
Premissas Prof. João Conrado
Prof. João Conrado
Histórico Prof. João Conrado Desde a pré-história, o homem sempre deixou registrado o seu patrimônio . Na Idade Média o registro contábil foi sistematizado (partidas dobradas). Estudo de custos surgiu com a Revolução Industrial.
Por que estudar custos? Prof. João Conrado Para saber o lucro. Para controlar as operações Para tomar decisões.
Definições e conceitos Prof. João Conrado
Princípios gerais Prof. João Conrado
Classificação dos Custos Em relação à unidade (produto) Prof. João Conrado
Classificação dos custos Em relação ao volume Prof. João Conrado
Classificação dos gastos Prof. João Conrado MD Materiais Diretos Matéria-Prima Embalagem MOD Mão-de-Obra Direta Mensurada e identifi- cada de forma direta CIF Custos Indiretos Custos que não são MD nem MOD Despesas Gastos não  associados à produção Custo total, contábil ou fabril Custo de transformação   Custo primário ou direto   Gastos totais ou custo integral
Materiais Diretos Prof. João Conrado
Elementos dos custos Mão-de-obra direta (MOD) Prof. João Conrado Refere-se apenas ao pessoal que trabalha diretamente sobre o produto em elaboração,  "desde que seja possível a mensuração do tempo despendido e a identificação de quem executou o trabalho, sem necessidade de qualquer apropriação indireta ou rateio"  (Martins, 1998: 143).
[object Object],CIF - Exemplo Prof. João Conrado Descrição (+) Mat.diretos (+) M.O. direta (=) Custos diretos Horas-máquina Quantidade Colchões 38.000,00 3.200,00 40.200,00 500 1.000 Colchonete 42.000,00 3.600,00 45.600,00 1.500 3.000 Travesseiro 48.000,00 5.200,00 53.200,00 3.000 16.000 Total 128.000,00 12.000,00 140.000,00 5.000 20.000 (Bruni e Famá, 2003).
[object Object],CIF - Exemplo Prof. João Conrado Descrição M.Obra Indireta Materiais indiretos Seguro industrial Depreciação fabril Total Valor 8.000,00 56.000,00 4.000,00 32.000,00 100.000,00
Rateio dos CIF – Base MOD Prof. João Conrado Descrição (+) Mat.diretos (+) M.O. direta (=) Custos diretos Colchões 38.000,00 3.200,00 40.200,00 Colchonete 42.000,00 3.600,00 45.600,00 Travesseiro 48.000,00 5.200,00 53.200,00 Total 128.000,00 12.000,00 140.000,00 MD / Total (%) Rateio CIF 27% 27.000,00 30% 30.000,00 43% 43.000,00 100% 100.000,00 Custo total Quantidade Custo Unitário 68.200,00 1.000 68,20 75.600,00 3.000 25,20 96.200,00 16.000 6,01 240.000,00 - -
Rateio dos CIF – Base MD Prof. João Conrado Descrição (+) Mat.diretos (+) M.O. direta (=) Custos diretos Colchões 38.000,00 3.200,00 40.200,00 Colchonete 42.000,00 3.600,00 45.600,00 Travesseiro 48.000,00 5.200,00 53.200,00 Total 128.000,00 12.000,00 140.000,00 MD / Total (%) Rateio CIF 30% 30.000,00 33% 33.000,00 37% 37.000,00 100% 100.000,00 Custo total Quantidade Custo Unitário 70.200,00 1.000 70,20 78.600,00 3.000 26,20 85.200,00 16.000 5,31 240.000,00 - -
Prof. João Conrado
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Departamentos Prof. João Conrado
[object Object],[object Object],Departamentos - Exemplo Prof. João Conrado Descrição Cerâmica Comum Total Cerâmica Vitrificada Custo Indireto Materiais M. Obra Depreciação 900,00 300,00 - 800,00 200,00 - 600,00 400,00 1.000,00 2.300,00 900,00 1.000,00 Total 1.200,00 1.000,00 2.000,00 4.200,00
Departamentos - Exemplo Prof. João Conrado ,[object Object]
[object Object],Departamentos - Exemplo Prof. João Conrado
Departamentos - Exemplo Prof. João Conrado
Custeio Baseado em Atividades ,[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
Definição ,[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
Departamento Direcionador Compras Ordens de compras Manutenção Horas de máquina Horas de homem trabalhando Quantidade de atendimentos Almoxarifado Volume manuseado Lotes atendidos M² ocupados Prof. João Conrado
Dados Quentinhas Self Service Materiais Diretos 140.000,00 65.000,00 Mão-de-obra direta 360.000,00 135.000,00 Quantidade 280.000 60.000 Preço 3,50 12,00 Prof. João Conrado
Gastos Almox. Produção Manut. Salários e encargos 18.000,00 60.000,00 280.000,00 Materiais indiretos 6.000,00 35.000,00 120.000,00 16.000,00 5.000,00 100.000,00 Depreciação Total 40.000,00 100.000,00 500.000,00 Prof. João Conrado
Aplicação (cont.) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
Self-service Quentinha Produção Manut. Almox. Gasto Materiais diretos - - - 140.000,00 360.000,00 - 209.333,33 2,81 65.000,00 135.000,00 - 314.000,00 9,23 M. Obra direta - - - Custos Indiretos 40.000,00 100.000,00 500.000,00 Subtotal 40.000,00 100.000,00 500.000,00 500.000,00 200.000,00 Transf. Almox. -40.000,00 4.000,00 6.000,00 18.000,00 12.000,00 Subtotal - 104.000,00 506.000,00 518.000,00 212.000,00 Transf. Manut. - -104.000,00 17.333,33 58.933,33 27.733,34 Subtotal - - 523.333,33 576.933,33 239.733,34 Transf. Produção - - -523.333,33 Subtotal - - - 786.266,66 553.733,34 Quantidade - - - 280.000 60.000 - - - Custo Unitário Prof. João Conrado
Aplicação (final) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Sistema de Acumulação Prof. João Conrado
Custeio por Processo Prof. João Conrado Custo MD MOD CIF Total 50.000,00 60.000,00 80.000,00 Prod. Concluída 3.000 3.000 3.000 Produção Equivalente Unid 4.000 4.000 4.000 % 80% 40% 60% Equiv. 3.200 1.600 2.400 Soma da Produção 6.200 4.600 5.400 Custo MD MOD CIF Total Total 50.000,00 60.000,00 80.000,00 190.000,00 Soma Prod. 6.200 4.600 5.400 ------- Unit. 8,06 13,04 14,81 ----- Elaborados Unid 3.000 3.000 3.000 ----- R$ 24.193,55 39.130,43 44.444,44 107.768,43 Em processo Unid 3.200 1.600 2.400 ----- R$ 25.806,45 20.869,57 35.555,56 82.231,57
Custeio por Ordem de Produção Prof. João Conrado Materiais: 8m² de mogno a R$ 16,00 o m² 8 x R$ 16,00 = R$ 128,00 Mão-de-obra: Custo da mão-de-obra mensal n º horas x  n º horas produção 960,00 / 160 x 10 = R$ 60,00 CIF: Custo Indiretos de Fabricação n º horas x  n º horas produção 5.920,00 / 160 x 10 = R$ 370,00
Prof. João Conrado Movelaria Campestre Ltda Ordem de Produção n º  118/2005  Confecção de Mogno Data de abertura:  11/09/2006_   Jacadura Decorações Data da entrega:  15/10/2006_ Material consumido: Data 12/09/2006 Referência Doc. 1541 Valor 128,00 Acumulado 128,00 Mão-de-obra consumida: Data 13/10/2006 Referência Doc. 1423 Valor 60,00 Acumulado 188,00 CIF aplicados: Data 14/10/2006 Referência Doc. 3232 Valor 370,00 Acumulado 558,00
Prof. João Conrado
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Custeio Padrão - Utilização Prof. João Conrado
Custeio-Padrão - Variações Prof. João Conrado Preço Quantidade Pp Qp Pr Variação de Preço Qr Variação de Quantidade Variação  Conjunta
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Custeio Padrão - Exemplo Prof. João Conrado
Custeio Padrão - Exemplo Prof. João Conrado CUSTOS Couro Padrão Unit Total Mão-de-obra Unit Total Real Variações Preço Quant. Valor 80,00 0,6 48,00 80,00 180 14.400,00 14,00 3,3333 46,67 14,00 1.000 14.000,00 Preço Quant. Valor Preço Quant. Valor 210 17.850,00 85,00 85,00 0,7 59,50 990 15.840,00 16,00 16,00 3,30 52,80 + 5,00 + 0,10 + 11,50 + 5,00 + 30,00 +3.450,00 + 2,00 - 0,03 + 6,13 + 2,00 - 10 +1.840,00
Custeio Direto ,[object Object]
 
Análise de custos x volume x lucros ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],SITUAÇÃO VENDAS 1.000 BONÉS VENDAS 2.000 BONÉS Total Unitário Total Unitário Receita  16.000,00 16,00 32.000,00 16,00 CV 10.000,00 10,00 20.000,00 10,00 CF 5.000,00 5,00 5.000,00 2,50 Custo total 15.000,00 15,00 25.000,00 12,50 Lucro 1.000,00 1,00 7.000,00 3,50
Conceito Físico da Alavanca ,[object Object],1 Kgf 10 Kgf 10 m 1 m
Alavancagem Empresarial Variação  das Vendas 2% Gastos Fixos Variação  no Resultado 20%
Graus de alavancagem
Cálculo do Grau de Alavancagem DRE ATUAL + 30% % Receitas  100.000,00 130.000,00 30% - Custos Fixos - 40.000,00 - 40.000,00 - Custos variáveis - 40.000,00 - 52.000,00 Lucro Operacional 20.000,00 38.000,00 90% - Juros - 5.000,00 - 5.000,00 LAIR 15.000,00 33.000,00 120%
Cálculo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ponto de equilíbrio ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ponto de Equilíbrio Operacional ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ponto de Equilíbrio Econômico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ponto de Equilíbrio Financeiro ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PE - Multiprodutos Prof. João Conrado A Confeitaria Américo Vespúcio opera com três produtos: Bolo, Salgados e Doces. Os dados estão dispostos abaixo: Bolo Doce Salgado Preço de venda 20,00 16,00 8,00 Custos Variáveis 6,00 4,00 4,00 Expectativa de vendas 5.000 12.000 16.000 Custos fixos 20.000,00
PE - Multiprodutos Prof. João Conrado Bolo Doce Salgado Preço de venda 20,00 16,00 8,00 Custos Variáveis 6,00 4,00 4,00 Margem de contribuição 14,00 12,00 4,00 Mix de vendas 15% 36% 49% MC Média Ponderada 2,10% 4,32% 1,96% MC Média Total 8,38%
Resultado ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Prof. João Conrado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
sscutrim
 
Aula 01Senac Contas a Pagar, Receber
Aula 01Senac Contas a Pagar, ReceberAula 01Senac Contas a Pagar, Receber
Aula 01Senac Contas a Pagar, Receber
Fabiano Moura
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
razonetecontabil
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Documentos da área financeira
Documentos da área financeiraDocumentos da área financeira
Documentos da área financeira
Valéria Lins
 
Exercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonialExercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonial
capitulocontabil
 
Técnicas de Negociação
Técnicas de NegociaçãoTécnicas de Negociação
Técnicas de Negociação
andersonals
 
Custos conceitos e classificacoes
Custos conceitos e classificacoesCustos conceitos e classificacoes
Custos conceitos e classificacoes
custos contabil
 

Mais procurados (20)

Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
 
Plano de Carreira
Plano de CarreiraPlano de Carreira
Plano de Carreira
 
Aula 01Senac Contas a Pagar, Receber
Aula 01Senac Contas a Pagar, ReceberAula 01Senac Contas a Pagar, Receber
Aula 01Senac Contas a Pagar, Receber
 
Swot Starbucks CBA36
Swot Starbucks CBA36Swot Starbucks CBA36
Swot Starbucks CBA36
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
 
Proposta de Consultoria
Proposta de ConsultoriaProposta de Consultoria
Proposta de Consultoria
 
Fusões e aquisições (M&A)
Fusões e aquisições (M&A)Fusões e aquisições (M&A)
Fusões e aquisições (M&A)
 
PRO 2612 Financeira-Gitman.PDF
PRO 2612 Financeira-Gitman.PDFPRO 2612 Financeira-Gitman.PDF
PRO 2612 Financeira-Gitman.PDF
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
Documentos da área financeira
Documentos da área financeiraDocumentos da área financeira
Documentos da área financeira
 
Exercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonialExercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonial
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Gestao De Projetos
 
Empreendedorismo e Plano de Negócios
Empreendedorismo e Plano de NegóciosEmpreendedorismo e Plano de Negócios
Empreendedorismo e Plano de Negócios
 
Historia da contabilidade
Historia da contabilidadeHistoria da contabilidade
Historia da contabilidade
 
Técnicas de Negociação
Técnicas de NegociaçãoTécnicas de Negociação
Técnicas de Negociação
 
Custos conceitos e classificacoes
Custos conceitos e classificacoesCustos conceitos e classificacoes
Custos conceitos e classificacoes
 
TIR, VAL, PAYBACK
TIR, VAL, PAYBACKTIR, VAL, PAYBACK
TIR, VAL, PAYBACK
 
Gti0091 gestão financeira
Gti0091   gestão financeiraGti0091   gestão financeira
Gti0091 gestão financeira
 
Aula de Plano de Negócios
Aula de Plano de NegóciosAula de Plano de Negócios
Aula de Plano de Negócios
 

Destaque

Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
090774
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
090774
 
Introdução a administração
Introdução a administraçãoIntrodução a administração
Introdução a administração
Davi Amaral
 
AULA DE EAB tecnicas
AULA DE EAB  tecnicasAULA DE EAB  tecnicas
AULA DE EAB tecnicas
Natasha Cunha
 
Acofi cap05 anliquidez
Acofi cap05 anliquidezAcofi cap05 anliquidez
Acofi cap05 anliquidez
Adriano Bruni
 
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-StoreEstrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
IOB News
 

Destaque (20)

A Importância dos Controles Financeiros na Gestão das Empresas.
A Importância dos Controles Financeiros na Gestão das Empresas.A Importância dos Controles Financeiros na Gestão das Empresas.
A Importância dos Controles Financeiros na Gestão das Empresas.
 
Controladoria para Gestão Empresarial - IOB e-Store
Controladoria para Gestão Empresarial - IOB e-StoreControladoria para Gestão Empresarial - IOB e-Store
Controladoria para Gestão Empresarial - IOB e-Store
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
 
Cont controladoria 2008.2
Cont controladoria 2008.2Cont controladoria 2008.2
Cont controladoria 2008.2
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
 
Palestra de Gestão Estratégica em Controladoria
Palestra de Gestão Estratégica em ControladoriaPalestra de Gestão Estratégica em Controladoria
Palestra de Gestão Estratégica em Controladoria
 
Técnicas de Gestão para Análise de Negócio
Técnicas de Gestão para Análise de NegócioTécnicas de Gestão para Análise de Negócio
Técnicas de Gestão para Análise de Negócio
 
FGV BH 03 - Banking (Alisson, Noé e Talita)
FGV BH 03 - Banking (Alisson, Noé e Talita)FGV BH 03 - Banking (Alisson, Noé e Talita)
FGV BH 03 - Banking (Alisson, Noé e Talita)
 
Introdução a administração
Introdução a administraçãoIntrodução a administração
Introdução a administração
 
Congresso Gestão 2016 - Gestão financeira da conta frete: custos, margens, tr...
Congresso Gestão 2016 - Gestão financeira da conta frete: custos, margens, tr...Congresso Gestão 2016 - Gestão financeira da conta frete: custos, margens, tr...
Congresso Gestão 2016 - Gestão financeira da conta frete: custos, margens, tr...
 
Aula 13 analise de swot
Aula 13   analise de swotAula 13   analise de swot
Aula 13 analise de swot
 
Swot fct 2013
Swot fct 2013Swot fct 2013
Swot fct 2013
 
AULA DE EAB tecnicas
AULA DE EAB  tecnicasAULA DE EAB  tecnicas
AULA DE EAB tecnicas
 
Acofi cap05 anliquidez
Acofi cap05 anliquidezAcofi cap05 anliquidez
Acofi cap05 anliquidez
 
Aula 05 (4)
Aula 05 (4)Aula 05 (4)
Aula 05 (4)
 
Manual de identidade empresa SweetMania- Party design
Manual de identidade empresa SweetMania- Party designManual de identidade empresa SweetMania- Party design
Manual de identidade empresa SweetMania- Party design
 
Análise do Balanço Patrimonial do Corinthians
Análise do Balanço Patrimonial do CorinthiansAnálise do Balanço Patrimonial do Corinthians
Análise do Balanço Patrimonial do Corinthians
 
Analise de Demonstrativos financeiros - Estudo de caso
Analise de Demonstrativos financeiros - Estudo de casoAnalise de Demonstrativos financeiros - Estudo de caso
Analise de Demonstrativos financeiros - Estudo de caso
 
Análise fundamentalista cielo
Análise fundamentalista   cieloAnálise fundamentalista   cielo
Análise fundamentalista cielo
 
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-StoreEstrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
 

Semelhante a GestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria

criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptcriaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Exercicio 1.3
Exercicio 1.3Exercicio 1.3
Exercicio 1.3
pfranchi
 

Semelhante a GestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria (20)

Workshop Orçamento Positivo - 04/11/2015
Workshop Orçamento Positivo - 04/11/2015Workshop Orçamento Positivo - 04/11/2015
Workshop Orçamento Positivo - 04/11/2015
 
Seminário Planejamento Estratégico Dígitro
Seminário Planejamento Estratégico DígitroSeminário Planejamento Estratégico Dígitro
Seminário Planejamento Estratégico Dígitro
 
Caso prático adrarte
Caso prático adrarteCaso prático adrarte
Caso prático adrarte
 
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptcriaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
 
Tecnicas de gerenciamento adm
Tecnicas de gerenciamento admTecnicas de gerenciamento adm
Tecnicas de gerenciamento adm
 
Tecnicas de gerenciamento=_trabalho
Tecnicas de gerenciamento=_trabalhoTecnicas de gerenciamento=_trabalho
Tecnicas de gerenciamento=_trabalho
 
Tecnicas de gerenciamento
Tecnicas de gerenciamentoTecnicas de gerenciamento
Tecnicas de gerenciamento
 
Exercicio 1.3
Exercicio 1.3Exercicio 1.3
Exercicio 1.3
 
Gestão da informação e inteligência de mercado teste
Gestão da informação e inteligência de mercado testeGestão da informação e inteligência de mercado teste
Gestão da informação e inteligência de mercado teste
 
Como desenvolver um bom processo de governança corporativa
Como desenvolver um bom processo de governança corporativaComo desenvolver um bom processo de governança corporativa
Como desenvolver um bom processo de governança corporativa
 
Apresentação Alta Performance para Empresas
Apresentação Alta Performance para EmpresasApresentação Alta Performance para Empresas
Apresentação Alta Performance para Empresas
 
Estratégias de Comercialização
Estratégias de ComercializaçãoEstratégias de Comercialização
Estratégias de Comercialização
 
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010
Monografia Adaltro Ciências Contábeis 2010
 
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo  apresentação slides master consultoriaTrabalho em grupo  apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
 
Instituto IZI - Empreendedorismo e Planejamento de Negócios
Instituto IZI - Empreendedorismo e Planejamento de NegóciosInstituto IZI - Empreendedorismo e Planejamento de Negócios
Instituto IZI - Empreendedorismo e Planejamento de Negócios
 
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Luis Lobão
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Luis LobãoJornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Luis Lobão
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Luis Lobão
 
Estratégias, Riscos e Modelagem Empresarial
Estratégias, Riscos e Modelagem EmpresarialEstratégias, Riscos e Modelagem Empresarial
Estratégias, Riscos e Modelagem Empresarial
 
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 Passos
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 PassosAssumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 Passos
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 Passos
 
Auxiliar Financeiro
Auxiliar FinanceiroAuxiliar Financeiro
Auxiliar Financeiro
 
Tailor | Benchmarks
Tailor | BenchmarksTailor | Benchmarks
Tailor | Benchmarks
 

GestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria

  • 1. CONTROLADORIA E ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. João Conrado
  • 2. Apresentação do professor Prof. João Conrado João Conrado de A. Carvalho, Mestre em Administração de Empresas pela FGV/EBAPE, Especialista em Gestão de Empresas e em Marketing pela ESPM/RJ e graduado em Ciências Contábeis. Auditor certificado pelo CFC e CNAI. Professor da FAMA, UNDB, CEUMA, UNIVIMA, Gianna Beretta, onde ministra as disciplinas: Contabilidade de Custos; Contabilidade Tributária; Análise de Demonstrações Contábeis; Administração Financeira, entre outras. É sócio da empresa J.C. CONSULTORES LTDA, com foco em consultoria de gestão de empresas e de entes públicos. www.jccons.com.br [email_address] 0..98 8117.0334
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. A informação contábil Prof. João Conrado Trata-se de um processo de identificar, medir, acumular, analisar, preparar, interpretar e comunicar informações que ajude os gerentes a cumprir os objetivos organizacionais. O objetivo da informação contábil é ajudar as pessoas, dentro e fora das organizações, a tomar decisões. Cada vez mais as organizações dependem da informação para a tomada de decisão eficaz. Entretanto, diferente das demais áreas, boa parte das empresas não instituiu um sistema integrado de informações.
  • 7. Dados e informações Prof. João Conrado Dados são fatos em sua forma primária. Informação são dados organizados de acordo com as necessidades dos vários usuários. Precisam ser: Confiáveis Comparativas Periódicas Econômicas Detalhadas
  • 9.
  • 11. Padrões éticos Prof. João Conrado
  • 12. Sistemas contábeis Prof. João Conrado
  • 13. Case Prof. João Conrado
  • 14. Teoria de Sistemas Prof. João Conrado
  • 15. A empresa como um sistema Prof. João Conrado
  • 16. Teoria de sistemas Prof. João Conrado
  • 17. Tipos de sistema (Ackoff) Prof. João Conrado
  • 18. Sistema organizacional Prof. João Conrado Acionistas Concorrentes Fornecedores Entradas Processamento Saídas Feedback Governo Sindicatos Comunidades
  • 19. Visão sistêmica nas empresas Prof. João Conrado
  • 20. Case Prof. João Conrado
  • 21. Teoria de Sistemas Prof. João Conrado
  • 24. Ambiente Prof. João Conrado AGENTES INTERESSES Investidores Retorno dos investimentos. A remuneração deve cobrir os custos de oportunidades dos investidores. Colaboradores Realização pessoal e profissional. A satisfação das necessidades mais prementes se dá pelo salário. Clientes Necessidades atendidas por meio do consumo de bens e serviços na melhor relação custo x benefício. Concorrentes Buscam maior participação no mercado. Podem conseguir vencendo a competição ou buscando alianças. Fornecedores Interesses próprios na rentabilidade dos seus negócios. As metas são atingidas pelas boas vendas realizadas. Governo, sindicados e outros grupos O governo tem interesse em arrecadar tributos, assim como os sindicatos e demais grupos. Sociedade Interessa-se pela responsabilidade social em relação ao meio ambiente à comunidade à sua volta.
  • 25. Mudanças ambientais Prof. João Conrado
  • 26. Modelo de Gestão Prof. João Conrado Novos negócios, mercados e tendências Cenários macro- econômicos interno e externo Análise da concorrência Análise do ambiente Portfólio de pro- dutos e clientes Balanced Scorecard e Business Plan Performance do produto/negócio Volume, Preço, Mercado e Segmento Cadeia de valor, Custos (produ- ção, logístico e capital) Estoques, movimento de materiais Qualidade, Produtividade e P&D Riscos e opor- tunidades Posicionamento Resultados Operações Gestão do Negócio
  • 27. Case Prof. João Conrado
  • 28. Modelo de decisão Prof. João Conrado Produzir ou terceirizar? Nossos preços eram fixados com base na concorrência. Agora nossos concorrentes estão na China. Como devemos proceder? Se eu decidir lançar o novo produto, incorremos em custos que reduzirão nossos resultados neste ano e ganharei menos bônus no Natal. Os resultados só melhorarão no próximo ano. Devo ou não devo lançar o produto?
  • 29. Problemas que afetam a decisão Prof. João Conrado
  • 30. Tipos de decisões Prof. João Conrado
  • 31.
  • 32. Sistema de informações Prof. João Conrado A gestão da informação é a principal ferramenta para o controle de todos os recursos que entram, são transformados e saem da organização. Para gerir esse elemento, é preciso definir um modelo que dissemine a forma como dados devem ser obtidos, armazenados, transformados e levados aos usuários, de forma tempestiva e útil. É importante definir o envolvimento dos elementos de forma a facilitar o processo de coleta, armazenagem, geração, comunicação da informação e tomada da decisão.
  • 34. Case Prof. João Conrado
  • 35. Teoria de Agência Prof. João Conrado
  • 36. Ciclo das empresas Prof. João Conrado
  • 37. Dilema de agência Prof. João Conrado Como conciliar os propósitos do criador do empreendimento (principal) com os dos gestores (agentes), que têm objetivos diferentes? Os conflitos entre principal e agente são inevitáveis porque o agente recebe uma remuneração para agir de acordo com os interesses do principal e isso tende a não acontecer, pois ele buscará realizar primeiro seus próprios interesses.
  • 38. Dilema de agência Prof. João Conrado A relação de agência deve ser regida por um contrato, no qual deve ser especificado o que o principal espera e como o agente será remunerado para desenvolver o seu trabalho. O Contrato perfeito não existe. A controladoria desempenha um papel relevante na redução dos conflitos, na medida em que atua como peça auxiliar no processo de monitoramento dos controles internos.
  • 39. Problemas de agência Prof. João Conrado
  • 40. Outros problemas Prof. João Conrado
  • 43. Modelo latino-americano Prof. João Conrado Variável Síntese Financiamento Alavancagem por exigíveis. Mercado de capitais pouco expressivos. Propriedade Propriedade altamente concentrada. Gestão Gestão é exercida pelos acionistas majoritários. Conflitos de agência O principal conflito ocorre entre o acionista majoritário e os minoritários, sem poder de decisão. Proteção legal aos minoritários Fraca. A alta proporção das ações sem direito a voto dificulta a ação dos minoritários. Conselho de administração Afetada pela propriedade/gestão. A maioria dos membros está ligada aos controladores por vínculo familiar. Não atuante. Liquidez da participação acionária Prevalece a baixa liquidez em mercados especulativos. Forças de controle mais atuantes Internas. Governança corporativa Embrionária, mas evoluindo com rapidez. Abrangência dos modelos de controle Prevalecem os interesses dos acionistas.
  • 44. Case Prof. João Conrado
  • 45.
  • 46. Controles internos Prof. João Conrado
  • 47. Princípios de controle interno Prof. João Conrado
  • 48. Princípios de controle interno Prof. João Conrado
  • 49. Princípios de controle interno Prof. João Conrado
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56. Case Prof. João Conrado
  • 58. Plano estratégico Variáveis ambientais Prof. João Conrado
  • 59. Variáveis internas Prof. João Conrado
  • 61. Plano estratégico - SWOT Prof. João Conrado MATRIZ SWOT Strengths (Pontos Fortes) O que a empresa faz bem? Que recursos especiais possui e pode aproveitar? O que outros acham que você faz bem? Weaknesses (Pontos Fracos) No que você pode melhorar? Onde tem menos recursos que os outros? O que outros acham que não faz bem? Opportunities (Oportunidades ) Quais são as oportunidades externas que você pode identificar? Que tendências e "modas" você pode aproveitar em seu favor? Threats (Ameaças) Que ameaças (leis, regulamentos, concorrentes) podem lhe prejudicar ? O que seu concorrente anda fazendo?
  • 62.
  • 63. Matriz SWOT (exemplo) Prof. João Conrado MATRIZ SWOT Ameaças Oportunidades Concorrentes não sujeitos às regras do CEPRAMA Baixa visitação dos turistas Turismo receptivo crescente CEPRAMA como local de eventos culturais Pontos Fracos Linha limitada de produtos Negociar com CEPRAMA ampliação da linha de produtos Produtos encalhados - Fazer promoção dos produtos Falta de capital de giro - - Obter recursos através do microcrédito Layout pouco atrativo - Desenvolver novo layout - Pontos Fortes Localização no CEPRAMA Negociar ampliação dos produtos Fomentar o acesso dos turistas por meio dos guias turísticos Divulgar o Box nos eventos culturais Capacidade de produzir artigos - Modernizar a linha de produtos, baixando custos.
  • 64. Matriz SWOT (exemplo) Prof. João Conrado OBJETIVO METAS Descrição Prazo Quantidade Valor Ampliação/modernização da linha de produtos Desenvolver portfólio de produtos voltados para os apelos turísticos do Maranhão (motivos locais) confeccionados com insumos de baixo custo 02 meses Negociar com o CEPRAMA a comercialização do novo portfólio no BOX 10 02 meses Atrair turistas para o BOX 10 Desenvolver novo layout, que se destaque dos demais e chame atenção do turista 01 mês Firmar parceria com guias turísticos para que os visitantes sejam levados ao BOX 10 01 mês Comissionar os guias em 5% Divulgar BOX 10 nos eventos culturais realizados no CEPRAMA 03 meses 1.000 panfletos R$ 200,00 Desfazer-se de produtos de baixo giro Fazer promoção dos produtos, reduzindo a margem de lucro Imediato Obter capital de giro para custear o Plano Candidatar-se ao microcrédito Imediato R$ 1.000,00 Aplicar os recursos nos novos produtos do portfólio 02 meses
  • 65. Planejamento Operacional Prof. João Conrado Orçamento Base Zero Orçamento Contínuo Métodos Orçamentários Orçamento Flexível Orçamento Perpétuo
  • 66.
  • 67. Case Prof. João Conrado
  • 68. Avaliação de desempenho Prof. João Conrado
  • 69. Avaliação de desempenho Prof. João Conrado
  • 70. Razões para avaliar Prof. João Conrado
  • 72.
  • 73. BENS DIREITOS OBRIGAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prof. João Conrado
  • 74. BENS R$ 110.000 DIREITOS R$ 30.000 OBRIGAÇÕES R$ 70.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ 70.000 ATIVO PASSIVO Prof. João Conrado
  • 75. Atividades Financeiras BALANÇO PATRIMONIAL Análise e Planejamento Financeiro Decisões de investimentos Decisões de financiamento Ativos Circulantes Passivos Circulantes Ativos Permanentes Recursos Permanentes Prof. João Conrado
  • 76. Cia Balcãs (R$ 000) Prof. João Conrado DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO 2004 2003 Receita de Vendas 3.074 2.567 (-) Custo do produto vendido -2.088 -1.711 Lucro Bruto 986 856 (-) Despesas Operacionais -568 -553 Despesas de vendas -100 -108 Despesas Gerais e Administrativas -194 -187 Despesas de Leasing -35 -35 Despesas de Depreciação -239 -223 Lucro Operacional 418 303 (-) Despesas Financeiras -93 -91 Lucro Líquido Antes do Imposto de Renda 325 212 (-) Menos Provisão para o Imposto de Renda -94 -64 Lucro Líquido Depois do Imposto de Renda 231 148 (-) Dividendos para Ações Preferenciais -10 -10 Lucro Disponível para as Ações Ordinárias 221 138 Lucro por Ação (LPA) 2,90 1,81
  • 77. Cia Balcãs (R$ 000) Prof. João Conrado BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2004 2003 CIRCULANTE 1.223 1.004 Caixa 363 288 Títulos Negociáveis 568 51 Duplicatas a Receber 503 365 Estoques 289 300 PERMANENTE 2.374 2.266 Terrenos e Edifícios 2.072 1.903 Máquinas e Equipamentos 1.866 1.693 Móveis e Acessórios Fixos 358 316 Veículos 275 314 Outros 98 96 Subtotal Ativo Permanente (bruto) 4.669 4.322 (-) Depreciação Acumulada -2.295 -2.056 TOTAL DO ATIVO 3.597 3.270
  • 78. Cia Balcãs (R$ 000) Prof. João Conrado BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO 2004 2003 CIRCULANTE 620 483 Duplicatas a Pagar 382 270 Títulos a Pagar 79 99 Contas a Pagar 159 114 EXIGÍVEL DE LONGO PRAZO 1.023 967 Leasing Financeiro 1.023 967 TOTAL DO PASSIVO 1.643 1.450 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1.954 1.820 Ações Preferenciais 200 200 Ações Ordinárias 191 190 Ágio na Venda de Ações Ordinárias 428 418 Lucros Retidos 1.135 1.012 TOTAL DO PASSIVO 3.597 3.270
  • 79. Indicadores de Liquidez Prof. João Conrado AC = Ativo Circulante; ARLP = Ativo Realizável a Longo Prazo; PC = Passivo Circulante; PELP = Passivo Exigível a Longo Prazo Indicador Cálculo Significado Capital Circulante Líquido AC – PC O CCL representa a folga financeira Liquidez Geral AC + ARLP PC + PELP Capacidade de pagamento no longo prazo Liquidez Corrente AC PC Capacidade de pagamento no curto prazo Liquidez Seca AC – Estoque PC Capacidade de pagamento no curto prazo sem contar com os estoques.
  • 80. Indicadores de Atividade Prof. João Conrado Indicador Cálculo Significado Giro do Estoque CPV Estoque Indica a liquidez do estoque Prazo Médio de Cobrança Recebíveis VM por dia Tempo médio para receber as vendas a prazo Prazo Médio de Pagamento Duplicatas CM por dia Tempo médio para pagar as compras a prazo Giro do Ativo Total Vendas Ativo Eficiência dos ativos para gerar vendas Giro dos Investimentos Vendas Permanente Eficiência do ativo permanente em gerar vendas.
  • 81. Indicadores de Endividamento Prof. João Conrado Indicador Cálculo Significado Índice de Endividamento Passivo Total Ativo Total Quanto os credores estão financiando a empresa Índice de Cobertura de Juros LO DJ Capacidade da empresa em pagar juros de financiamento Composição do Endividamento PC PT Percentual de obrigações no curto prazo em relação ao total da dívida.
  • 82. Indicadores de Lucratividade Prof. João Conrado Indicador Cálculo Significado Margem Bruta Lucro Bruto Receita Indica a lucratividade da empresa na sua atividade principal. Margem Operacional Lucro Operac. Receita Indica a lucratividade depois de deduzidos os custos e despesas operacionais Margem Líquida Lucro Líquido Receita Índica a lucratividade da empresa após pagos todos os custos, despesas e outros gastos Retorno Sobre Ativos (ROA) Lucro Líquido Ativo Medida de eficiência dos ativos em gerar lucro Retorno Sobre PL Lucro Líquido PL Retorno dos recursos dos investimentos dos sócios da empresa.
  • 85. Histórico Prof. João Conrado Desde a pré-história, o homem sempre deixou registrado o seu patrimônio . Na Idade Média o registro contábil foi sistematizado (partidas dobradas). Estudo de custos surgiu com a Revolução Industrial.
  • 86. Por que estudar custos? Prof. João Conrado Para saber o lucro. Para controlar as operações Para tomar decisões.
  • 87. Definições e conceitos Prof. João Conrado
  • 88. Princípios gerais Prof. João Conrado
  • 89. Classificação dos Custos Em relação à unidade (produto) Prof. João Conrado
  • 90. Classificação dos custos Em relação ao volume Prof. João Conrado
  • 91. Classificação dos gastos Prof. João Conrado MD Materiais Diretos Matéria-Prima Embalagem MOD Mão-de-Obra Direta Mensurada e identifi- cada de forma direta CIF Custos Indiretos Custos que não são MD nem MOD Despesas Gastos não associados à produção Custo total, contábil ou fabril Custo de transformação Custo primário ou direto Gastos totais ou custo integral
  • 92. Materiais Diretos Prof. João Conrado
  • 93. Elementos dos custos Mão-de-obra direta (MOD) Prof. João Conrado Refere-se apenas ao pessoal que trabalha diretamente sobre o produto em elaboração, "desde que seja possível a mensuração do tempo despendido e a identificação de quem executou o trabalho, sem necessidade de qualquer apropriação indireta ou rateio" (Martins, 1998: 143).
  • 94.
  • 95.
  • 96. Rateio dos CIF – Base MOD Prof. João Conrado Descrição (+) Mat.diretos (+) M.O. direta (=) Custos diretos Colchões 38.000,00 3.200,00 40.200,00 Colchonete 42.000,00 3.600,00 45.600,00 Travesseiro 48.000,00 5.200,00 53.200,00 Total 128.000,00 12.000,00 140.000,00 MD / Total (%) Rateio CIF 27% 27.000,00 30% 30.000,00 43% 43.000,00 100% 100.000,00 Custo total Quantidade Custo Unitário 68.200,00 1.000 68,20 75.600,00 3.000 25,20 96.200,00 16.000 6,01 240.000,00 - -
  • 97. Rateio dos CIF – Base MD Prof. João Conrado Descrição (+) Mat.diretos (+) M.O. direta (=) Custos diretos Colchões 38.000,00 3.200,00 40.200,00 Colchonete 42.000,00 3.600,00 45.600,00 Travesseiro 48.000,00 5.200,00 53.200,00 Total 128.000,00 12.000,00 140.000,00 MD / Total (%) Rateio CIF 30% 30.000,00 33% 33.000,00 37% 37.000,00 100% 100.000,00 Custo total Quantidade Custo Unitário 70.200,00 1.000 70,20 78.600,00 3.000 26,20 85.200,00 16.000 5,31 240.000,00 - -
  • 99.
  • 100.
  • 101.
  • 102.
  • 103. Departamentos - Exemplo Prof. João Conrado
  • 104.
  • 105.
  • 106. Departamento Direcionador Compras Ordens de compras Manutenção Horas de máquina Horas de homem trabalhando Quantidade de atendimentos Almoxarifado Volume manuseado Lotes atendidos M² ocupados Prof. João Conrado
  • 107. Dados Quentinhas Self Service Materiais Diretos 140.000,00 65.000,00 Mão-de-obra direta 360.000,00 135.000,00 Quantidade 280.000 60.000 Preço 3,50 12,00 Prof. João Conrado
  • 108. Gastos Almox. Produção Manut. Salários e encargos 18.000,00 60.000,00 280.000,00 Materiais indiretos 6.000,00 35.000,00 120.000,00 16.000,00 5.000,00 100.000,00 Depreciação Total 40.000,00 100.000,00 500.000,00 Prof. João Conrado
  • 109.
  • 110. Self-service Quentinha Produção Manut. Almox. Gasto Materiais diretos - - - 140.000,00 360.000,00 - 209.333,33 2,81 65.000,00 135.000,00 - 314.000,00 9,23 M. Obra direta - - - Custos Indiretos 40.000,00 100.000,00 500.000,00 Subtotal 40.000,00 100.000,00 500.000,00 500.000,00 200.000,00 Transf. Almox. -40.000,00 4.000,00 6.000,00 18.000,00 12.000,00 Subtotal - 104.000,00 506.000,00 518.000,00 212.000,00 Transf. Manut. - -104.000,00 17.333,33 58.933,33 27.733,34 Subtotal - - 523.333,33 576.933,33 239.733,34 Transf. Produção - - -523.333,33 Subtotal - - - 786.266,66 553.733,34 Quantidade - - - 280.000 60.000 - - - Custo Unitário Prof. João Conrado
  • 111.
  • 112.
  • 113. Custeio por Processo Prof. João Conrado Custo MD MOD CIF Total 50.000,00 60.000,00 80.000,00 Prod. Concluída 3.000 3.000 3.000 Produção Equivalente Unid 4.000 4.000 4.000 % 80% 40% 60% Equiv. 3.200 1.600 2.400 Soma da Produção 6.200 4.600 5.400 Custo MD MOD CIF Total Total 50.000,00 60.000,00 80.000,00 190.000,00 Soma Prod. 6.200 4.600 5.400 ------- Unit. 8,06 13,04 14,81 ----- Elaborados Unid 3.000 3.000 3.000 ----- R$ 24.193,55 39.130,43 44.444,44 107.768,43 Em processo Unid 3.200 1.600 2.400 ----- R$ 25.806,45 20.869,57 35.555,56 82.231,57
  • 114. Custeio por Ordem de Produção Prof. João Conrado Materiais: 8m² de mogno a R$ 16,00 o m² 8 x R$ 16,00 = R$ 128,00 Mão-de-obra: Custo da mão-de-obra mensal n º horas x n º horas produção 960,00 / 160 x 10 = R$ 60,00 CIF: Custo Indiretos de Fabricação n º horas x n º horas produção 5.920,00 / 160 x 10 = R$ 370,00
  • 115. Prof. João Conrado Movelaria Campestre Ltda Ordem de Produção n º 118/2005 Confecção de Mogno Data de abertura: 11/09/2006_ Jacadura Decorações Data da entrega: 15/10/2006_ Material consumido: Data 12/09/2006 Referência Doc. 1541 Valor 128,00 Acumulado 128,00 Mão-de-obra consumida: Data 13/10/2006 Referência Doc. 1423 Valor 60,00 Acumulado 188,00 CIF aplicados: Data 14/10/2006 Referência Doc. 3232 Valor 370,00 Acumulado 558,00
  • 117.
  • 118. Custeio-Padrão - Variações Prof. João Conrado Preço Quantidade Pp Qp Pr Variação de Preço Qr Variação de Quantidade Variação Conjunta
  • 119.
  • 120. Custeio Padrão - Exemplo Prof. João Conrado CUSTOS Couro Padrão Unit Total Mão-de-obra Unit Total Real Variações Preço Quant. Valor 80,00 0,6 48,00 80,00 180 14.400,00 14,00 3,3333 46,67 14,00 1.000 14.000,00 Preço Quant. Valor Preço Quant. Valor 210 17.850,00 85,00 85,00 0,7 59,50 990 15.840,00 16,00 16,00 3,30 52,80 + 5,00 + 0,10 + 11,50 + 5,00 + 30,00 +3.450,00 + 2,00 - 0,03 + 6,13 + 2,00 - 10 +1.840,00
  • 121.
  • 122.  
  • 123.
  • 124.
  • 125. Alavancagem Empresarial Variação das Vendas 2% Gastos Fixos Variação no Resultado 20%
  • 127. Cálculo do Grau de Alavancagem DRE ATUAL + 30% % Receitas 100.000,00 130.000,00 30% - Custos Fixos - 40.000,00 - 40.000,00 - Custos variáveis - 40.000,00 - 52.000,00 Lucro Operacional 20.000,00 38.000,00 90% - Juros - 5.000,00 - 5.000,00 LAIR 15.000,00 33.000,00 120%
  • 128.
  • 129.
  • 130.
  • 131.
  • 132.
  • 133. PE - Multiprodutos Prof. João Conrado A Confeitaria Américo Vespúcio opera com três produtos: Bolo, Salgados e Doces. Os dados estão dispostos abaixo: Bolo Doce Salgado Preço de venda 20,00 16,00 8,00 Custos Variáveis 6,00 4,00 4,00 Expectativa de vendas 5.000 12.000 16.000 Custos fixos 20.000,00
  • 134. PE - Multiprodutos Prof. João Conrado Bolo Doce Salgado Preço de venda 20,00 16,00 8,00 Custos Variáveis 6,00 4,00 4,00 Margem de contribuição 14,00 12,00 4,00 Mix de vendas 15% 36% 49% MC Média Ponderada 2,10% 4,32% 1,96% MC Média Total 8,38%
  • 135.