SlideShare uma empresa Scribd logo
JUSTIFICATIVA DA DISCIPLINA

ANÁLISE DE PROCESSOS E ESTRUTURAS
ADMINISTRATIVAS
8–

-Estratégias Competitivas

http://sdrv.ms/1at8sir

professor-alexandre@outlook.com

Acesse o material da aula:
AS CINCO FORÇAS COMPETITIVAS
professor-alexandre@outlook.com

Nascido em 1947, estudou na Universidade de Princeton,
formou-se em Engenharia Mecânica e Aeroespacial,
concluiu em Harvard o MBA e doutorado em Economia.

MICHAEL PORTER
Se tornou professor com 26 anos. Hoje ministra aulas de Administração e
Economia pela Harvard Business School.
AS CINCO FORÇAS COMPETITIVAS
professor-alexandre@outlook.com

Cinco Forças Competitivas de Michael Porter é referência na
investigação de cenários de competição e por sua vez quando analisado
é capaz de refletir o método estratégico adotado por um dado setor

para garantir perpetuação no mercado.
ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS

professor-alexandre@outlook.com

De acordo com Porter:

“As Cinco Forças são capazes de suscitar reflexões acerca do ambiente

interno de uma organização e dessa forma estabelecer estratégias para
fazer proveito das oportunidades e precaver-se das ameaças de
mercado.”
A ideia de alcançar a vantagem competitiva
professor-alexandre@outlook.com

Porter afirmar que é necessário seguir táticas específicas de

exploração mercadológica, através do modelo de forças genéricas.
Esse modelo permite às empresas enfrentarem as cinco forças
competitivas e atingir desempenho superior no mercado.
ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS

professor-alexandre@outlook.com

O MODELO DAS CINCO FORÇAS DE MICHAEL PORTER E SEUS CRÍTICOS
O modelo das Cinco Forças de Porter (1986) pode ser compreendido

como uma ferramenta que auxilia a definição de estratégia da empresa
e leva em consideração tanto o ambiente externo como o interno.

As Cinco Forças Competitivas são definidas através de um panorama de
determinantes que as caracterizam no mercado permitindo um
entendimento preliminar do foco teórico levantado neste estudo.
RECOMENDAÇÕES DE PORTER
professor-alexandre@outlook.com

Segundo Porter, é improvável seguir com sucesso mais de um foco

estratégico e que uma tentativa de combinação entre forças genéricas
não define de forma clara o posicionamento da empresa e a deixa
sujeita às intimidações do mercado.
AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER
professor-alexandre@outlook.com
AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER
professor-alexandre@outlook.com

Ameaça de Novos Entrantes
Esta força refere-se ao grau de competitividade do mercado ou até que ponto as
empresas são capazes de entrar no mesmo segmento e concorrer por clientes. Para
Porter, os novos entrantes em um setor trazem novas capacidades, o desejo de
ganhar participações no mercado e, em geral, recursos substanciais.

Quanto maior for a possibilidade de entrada de novas empresas num dado setor,
menor é a sua atratividade.

Exemplo

A Coca Lemon foi feita em tempo recorde
(meses), após o lançamento da Pepsi Twist,
que vinha crescendo muito.
ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS
Força competitiva

professor-alexandre@outlook.com

Determinantes
• Economias de escala

• Diferenças de produtos patenteados

Ameaça de Novos Entrantes

• Identidade de marca
• Custo de mudança

• Exigências de capital
• Acesso à distribuição
• Vantagens de custo absoluto

• Curva de aprendizado
• Acesso a insumos
• Projeto de produtos de baixo custo

• Política governamental
• Retaliação esperada
AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER
professor-alexandre@outlook.com

Ameaça de Serviços ou Produtos Substitutos

Porter (1999) afirma que por imporem um teto aos preços, os serviços substitutos

limitam o potencial de um setor, a menos que este consiga melhorar a qualidade do
produto ou, de alguma forma (através de marketing) estabelecer uma diferenciação;
assim sofrerá as consequências nos lucros e, possivelmente, no crescimento.

Exemplo

.. alguns produtores concorrentes lançaram produtos da linha
“zero“ para tentar frear a Coca-Cola.
Contudo, por seu pioneirismo e tradição nesta aposta de
bebida sem açúcar, a líder atual de vendas mantém seu posto
AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER
professor-alexandre@outlook.com

Ameaça de Serviços ou Produtos Substitutos

Ameaças de serviços substitutos é a principal variável que define preço no mercado

e ativa a concorrência. No entanto, a qualidade dos produtos ou serviços será a
estratégia que determinará a opção final do consumidor.

Exemplos

Sistema de Alarme eletrônico como substitutos
para o mercado de Vigilância, ou e-mail como
substituto dos serviços dos Correios.
ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS
Força competitiva

professor-alexandre@outlook.com

Determinantes

Ameaça de Serviços ou
Produtos Substitutos .
• Desempenho relativo de preço dos
concorrentes

• Custos de mudança
• Propensão do comprador a mudar
AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER
professor-alexandre@outlook.com

Poder de Negociação dos Fornecedores

O poder de negociação dos fornecedores é capaz de exercer ameaça ao

desempenho das empresas de uma indústria através da elevação dos preços ou da
redução da qualidade dos bens e serviços.
Assim, os fornecedores poderosos dispõem de condições para espremer a
rentabilidade de um setor que não consiga compensar os aumentos de custos nos
próprios preços.
Exemplos

“a competição é o melhor dos mundos, mas na
indústria aeronáutica a competição é baixa,
não existem muitas opções de fornecimento”.
Alexandre Gonçalves Silva- Presidente Embraer
ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS

professor-alexandre@outlook.com

Força competitiva

Determinantes

• Custos de mudança
• Diferenciação de insumos

Poder de Barganha dos

Fornecedores

• Concentração de fornecedores

• Presença de insumos substitutos
• Importância do volume para os
fornecedores

• Impacto dos insumos sobre custo ou
diferenciação

• Ameaça de integração „para frente‟ ou
„para trás‟
• Custo em relação às compras totais do

setor
AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER
professor-alexandre@outlook.com

Poder de Negociação dos Consumidores

Da mesma forma que os fornecedores possuem poder de negociação, os clientes
também são capazes de forçar a baixa dos preços, de exigir melhor qualidade ou de
cobrar mais prestação de serviços, jogando os concorrentes (fornecedores) uns

contra os outros – em detrimento dos lucros do setor.
ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS
Força competitiva

Poder de barganha dos

Compradores

professor-alexandre@outlook.com

Determinantes

• Concentração de compradores
• Volume de compradores
• Custos de mudança
• Informação dos compradores
• Lucros dos compradores
• Produtos substitutos
• Capacidade de empurrar produtos
• Sensibilidade a preços
• Preço/ compras totais
• Diferença entre produtos
• Identidade da marca
• Ameaça de integração „para frente‟ do
fornecedor versus
ameaça de integração „para trás‟ da
empresa
• Impacto sobre qualidade/ desempenho
AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER
professor-alexandre@outlook.com

Rivalidade entre as Empresas Existentes
Os movimentos competitivos de uma empresa dentro de seu setor têm efeitos

significativos em seus concorrentes, que podem, portanto, desencadear esforços
para conter esses movimentos ou ações de retaliação. Quando o setor é
concentrado, dominado por um reduzido número de empresas, estas podem impor a

sua disciplina ou desempenhar um papel coordenador no setor.

Quanto maior for a rivalidade maior será a possibilidade de ocorrência de guerras de
preços, disputas publicitárias, investimentos em qualidade etc.
ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS
Força competitiva

professor-alexandre@outlook.com

Determinantes

• Crescimento da indústria

Rivalidade interna
da indústria

• Concentração e equilíbrio
• Custos fixos e valor agregado
• Excesso de capacidade crônica

• Diferenças entre produtos
• Identidade da marca
• Custos de mudança

• Complexidade das informações
• Diversidade de concorrentes
• Interesses empresariais

• Barreiras à saída
ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS

professor-alexandre@outlook.com

Segundo Porter (1980), para que uma empresa obtenha vantagem competitiva, ela
deve perseguir táticas específicas e escolher o escopo dentro do qual irá alcançá-la.

Com essa premissa, Porter (1980) descreveu três estratégias competitivas genéricas,
argumentando que elas seriam capazes de proporcionar vantagem às empresas de
forma que estas pudessem superar suas concorrentes em um determinado setor.

As

estratégias,

definidas

como

diferenciação ou enfoque,

liderança

no

custo

total,

permitiriam às empresas enfrentar as cinco

forças competitivas e alcançar um desempenho superior.
1 - Estratégia de Liderança no Custo Total
professor-alexandre@outlook.com

A estratégia de liderança de custo é implementada por firmas que procuram uma maior

participação no mercado reduzindo seus custos em relação aos dos concorrentes.

Quando implementada corretamente, essa estratégia traz retornos para a organização acima
da média de seu setor. Os custos mais baixos geram uma melhor posição para competir e

permitem que se tenha um bom desempenho, fazendo com que os concorrentes gastem seus
lucros na competição.
A manutenção de custos baixos traz flexibilidade

também

na

oportunidades

gestão
de

de

melhoria

(mercados “estrangulados”)

preços,
do

gerando
“trade-off”
2- Estratégia de Diferenciação
professor-alexandre@outlook.com

Adotando estratégias de diferenciação, as firmas alcançam vantagem competitiva
mediante a oferta de produtos ou serviços que contenham as qualidades desejadas pelos

consumidores e que, ao mesmo tempo, sejam diferentes dos produtos ou serviços
oferecidos pelos concorrentes.
Firmas que adotam estratégias de
diferenciação

costumam

focar

nos

consumidores menos sensíveis a preço
e, devido a isso, costumam

atingir uma pequena
parcela do mercado.

Padaria Bella Paulista – SP

Hipermercado
3 - Estratégia de Enfoque
professor-alexandre@outlook.com

A firma que desenvolve uma estratégia de enfoque visa um nicho de mercado,
direcionando seus esforços para as necessidades de um tipo específico de
consumidor ou de um mercado geográfico restrito.
Com o enfoque na diferenciação, a empresa procura se distinguir em seu
segmento alvo, explorando as necessidades especiais dos consumidores.

250 gramas
De: R$ 2,94 até: R$ 3,75

370%

250 gramas
De: R$ 12,78 até: R$ 13,89
professor-alexandre@outlook.com

Força da Indústria

1 - Liderança em custo

1 - Novos
Entrantes

Capacidade de reduzir
preços em retaliação a
potenciais entrantes

2 - Poder dos
Consumidores

Capacidade de oferecer
preços reduzidos para
consumidores com alto
poder de barganha

3 - Poder dos
Fornecedores

Maior flexibilidade
diante da ocorrência de
aumentos de insumos

4 - Ameaça de
Substitutos

Uso de preço baixo para
Consumidores se
Produtos especializados são mais
defesa contra substitutos tornam leais a produtos
difíceis de substituir
diferenciados,
reduzindo a ameaça de
substitutos
Melhor capacidade de
Lealdade à marca
Rivais não conseguem atender as
Competir por preço
afasta consumidores
necessidades dos consumidores
das rivais

5 - Rivalidade
Interna

2 - Diferenciação

3 - Enfoque

Lealdade do
Foco otimiza o desenvolvimento
consumidor pode
de competências essenciais que
desencorajar potenciais podem agir como barreiras de
entrantes
entrada
Consumidores têm
menor poder de
barganha devido a
poucas alternativas
de produtos
Consumidores são
menos sensíveis a
repasses de preço

Consumidores têm menor poder
de barganha devido a poucas
alternativas de produtos

Fornecedores são fortes devido
ao baixo volume, mas foco em
diferenciação facilita repasses no
aumento de preços
ANÁLISE DE PROCESSOS E ESTRUTURAS ADMINISTRATIVAS

Muito Obrigado,
Professor Alexandre Pereira
professor-alexandre@outlook.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
Kenneth Corrêa
 
Fundamentos de marketing
Fundamentos de marketingFundamentos de marketing
Fundamentos de marketing
Carlos Rocha
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
PAULO RICARDO FLORES
 
Aula 2 - Tarefas e ambiente de marketing
Aula 2 - Tarefas e ambiente de marketingAula 2 - Tarefas e ambiente de marketing
Aula 2 - Tarefas e ambiente de marketing
Kesia Rozzett Oliveira
 
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e MicroAmbientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Diego Andreasi
 
Aula de Marketing -
Aula de Marketing - Aula de Marketing -
Aula de Marketing -
Jéssica Carneiro
 
As 5 forças de porter
As 5 forças de porterAs 5 forças de porter
As 5 forças de porter
Belle Maluf
 
Aula Estratégia Empresarial
Aula Estratégia EmpresarialAula Estratégia Empresarial
Aula Estratégia Empresarial
Wilian Gatti Jr
 
Aula 001 marketing conceitos
Aula 001   marketing conceitosAula 001   marketing conceitos
Aula 001 marketing conceitos
Collaborativa Marketing e Tecnologia
 
Vantagem Competitiva
Vantagem CompetitivaVantagem Competitiva
Vantagem Competitiva
Martinica Digital
 
Plano de negócios passo a passo
Plano de negócios passo a passoPlano de negócios passo a passo
Plano de negócios passo a passo
josedornelas
 
Comportamento do consumidor
Comportamento do consumidorComportamento do consumidor
Comportamento do consumidor
Júnior Medeiros
 
Aula 2 CriaçãO De Valor
Aula 2   CriaçãO De ValorAula 2   CriaçãO De Valor
Aula 2 CriaçãO De Valor
humbertoandrade
 
Aula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismoAula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismo
NJS Consultoria
 
Aula - Estratégias de Gestão Organizacional
Aula - Estratégias de Gestão OrganizacionalAula - Estratégias de Gestão Organizacional
Aula - Estratégias de Gestão Organizacional
Michel Moreira
 
Aula 1 - Introdução ao marketing
Aula 1 - Introdução ao marketingAula 1 - Introdução ao marketing
Aula 1 - Introdução ao marketing
Kesia Rozzett Oliveira
 
Marketing Digital
Marketing DigitalMarketing Digital
Marketing Digital
Rafael Comin
 
Introdução ao marketing
Introdução ao marketingIntrodução ao marketing
Introdução ao marketing
Thayse Beckner
 
As 5 forças de porter
As 5 forças de porterAs 5 forças de porter
As 5 forças de porter
Eros Augusto Asturiano Martins
 
Aula de gestão empresarial 11 01-2014
Aula de gestão empresarial 11 01-2014Aula de gestão empresarial 11 01-2014
Aula de gestão empresarial 11 01-2014
Professora Patricia Lima
 

Mais procurados (20)

Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
 
Fundamentos de marketing
Fundamentos de marketingFundamentos de marketing
Fundamentos de marketing
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
 
Aula 2 - Tarefas e ambiente de marketing
Aula 2 - Tarefas e ambiente de marketingAula 2 - Tarefas e ambiente de marketing
Aula 2 - Tarefas e ambiente de marketing
 
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e MicroAmbientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
 
Aula de Marketing -
Aula de Marketing - Aula de Marketing -
Aula de Marketing -
 
As 5 forças de porter
As 5 forças de porterAs 5 forças de porter
As 5 forças de porter
 
Aula Estratégia Empresarial
Aula Estratégia EmpresarialAula Estratégia Empresarial
Aula Estratégia Empresarial
 
Aula 001 marketing conceitos
Aula 001   marketing conceitosAula 001   marketing conceitos
Aula 001 marketing conceitos
 
Vantagem Competitiva
Vantagem CompetitivaVantagem Competitiva
Vantagem Competitiva
 
Plano de negócios passo a passo
Plano de negócios passo a passoPlano de negócios passo a passo
Plano de negócios passo a passo
 
Comportamento do consumidor
Comportamento do consumidorComportamento do consumidor
Comportamento do consumidor
 
Aula 2 CriaçãO De Valor
Aula 2   CriaçãO De ValorAula 2   CriaçãO De Valor
Aula 2 CriaçãO De Valor
 
Aula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismoAula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismo
 
Aula - Estratégias de Gestão Organizacional
Aula - Estratégias de Gestão OrganizacionalAula - Estratégias de Gestão Organizacional
Aula - Estratégias de Gestão Organizacional
 
Aula 1 - Introdução ao marketing
Aula 1 - Introdução ao marketingAula 1 - Introdução ao marketing
Aula 1 - Introdução ao marketing
 
Marketing Digital
Marketing DigitalMarketing Digital
Marketing Digital
 
Introdução ao marketing
Introdução ao marketingIntrodução ao marketing
Introdução ao marketing
 
As 5 forças de porter
As 5 forças de porterAs 5 forças de porter
As 5 forças de porter
 
Aula de gestão empresarial 11 01-2014
Aula de gestão empresarial 11 01-2014Aula de gestão empresarial 11 01-2014
Aula de gestão empresarial 11 01-2014
 

Semelhante a 5 Forças de Porter - Nov. 2013 - Material aula Estratégia - Professor Alexandre Pereira

Aula 7 Posicionamento EstratéGico
Aula 7   Posicionamento EstratéGicoAula 7   Posicionamento EstratéGico
Aula 7 Posicionamento EstratéGico
humbertoandrade
 
Análise de Atratividade
Análise de AtratividadeAnálise de Atratividade
Análise de Atratividade
Pricila Yessayan
 
Reunião 5 Estratégias mercadológicas
Reunião 5 Estratégias mercadológicasReunião 5 Estratégias mercadológicas
Reunião 5 Estratégias mercadológicas
Rafael Cardoso
 
Entendendo o Mercado-Workshop para Startups Supera Parque Tecnológico de Ribe...
Entendendo o Mercado-Workshop para Startups Supera Parque Tecnológico de Ribe...Entendendo o Mercado-Workshop para Startups Supera Parque Tecnológico de Ribe...
Entendendo o Mercado-Workshop para Startups Supera Parque Tecnológico de Ribe...
Rodrigo Dantas, PMP, Msc
 
Estratégia competitiva porter
Estratégia competitiva porterEstratégia competitiva porter
Estratégia competitiva porter
Ramom Santos Costa
 
Artigo 1 estratégias competitivas
Artigo 1 estratégias competitivasArtigo 1 estratégias competitivas
Artigo 1 estratégias competitivas
Paula Rodrigues
 
Influire - Competição
Influire - CompetiçãoInfluire - Competição
Influire - Competição
Sergio Luis Seloti Jr
 
Anlisedeatratividade 121216123941-phpapp02
Anlisedeatratividade 121216123941-phpapp02Anlisedeatratividade 121216123941-phpapp02
Anlisedeatratividade 121216123941-phpapp02
Yritanha Dias
 
[Marketing may 31] CRM Como Estratégia Competitiva - 5 Forças
[Marketing may 31]   CRM Como Estratégia Competitiva - 5 Forças[Marketing may 31]   CRM Como Estratégia Competitiva - 5 Forças
[Marketing may 31] CRM Como Estratégia Competitiva - 5 Forças
Tácio Lobo
 
Texto porter
Texto porterTexto porter
Texto porter
SimoneBezzan
 
Texto porter
Texto porterTexto porter
Texto porter
SimoneBezzan
 
Giancarlo Ciola - Estratégia Competitiva e Posicionamento de Mercado
Giancarlo Ciola - Estratégia Competitiva e Posicionamento de MercadoGiancarlo Ciola - Estratégia Competitiva e Posicionamento de Mercado
Giancarlo Ciola - Estratégia Competitiva e Posicionamento de Mercado
Grupo IBDEC
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
A. Rui Teixeira Santos
 
PlanejamentoestratéGico
PlanejamentoestratéGicoPlanejamentoestratéGico
PlanejamentoestratéGico
cesar
 
As 5 forças competitivas que modelam a estratégia
As 5 forças competitivas que modelam a estratégiaAs 5 forças competitivas que modelam a estratégia
As 5 forças competitivas que modelam a estratégia
Rodrigo Cruz
 
Aula 8 Planejamento EstratéGico
Aula 8   Planejamento EstratéGicoAula 8   Planejamento EstratéGico
Aula 8 Planejamento EstratéGico
humbertoandrade
 
Eco111 - Aula 05
Eco111 - Aula 05Eco111 - Aula 05
Eco111 - Aula 05
Thiago Ribeiro
 
Estratégia competitiva de mercado
Estratégia competitiva de mercadoEstratégia competitiva de mercado
Estratégia competitiva de mercado
alemartins10
 
Gestão estratégica capitulo 06
Gestão estratégica   capitulo 06Gestão estratégica   capitulo 06
Gestão estratégica capitulo 06
Liliane Farias
 
Roteiro para Elaboração do PEG (Planejamento Estratégico de Gestão)
Roteiro para Elaboração do PEG (Planejamento Estratégico de Gestão)Roteiro para Elaboração do PEG (Planejamento Estratégico de Gestão)
Roteiro para Elaboração do PEG (Planejamento Estratégico de Gestão)
Rogério Souza
 

Semelhante a 5 Forças de Porter - Nov. 2013 - Material aula Estratégia - Professor Alexandre Pereira (20)

Aula 7 Posicionamento EstratéGico
Aula 7   Posicionamento EstratéGicoAula 7   Posicionamento EstratéGico
Aula 7 Posicionamento EstratéGico
 
Análise de Atratividade
Análise de AtratividadeAnálise de Atratividade
Análise de Atratividade
 
Reunião 5 Estratégias mercadológicas
Reunião 5 Estratégias mercadológicasReunião 5 Estratégias mercadológicas
Reunião 5 Estratégias mercadológicas
 
Entendendo o Mercado-Workshop para Startups Supera Parque Tecnológico de Ribe...
Entendendo o Mercado-Workshop para Startups Supera Parque Tecnológico de Ribe...Entendendo o Mercado-Workshop para Startups Supera Parque Tecnológico de Ribe...
Entendendo o Mercado-Workshop para Startups Supera Parque Tecnológico de Ribe...
 
Estratégia competitiva porter
Estratégia competitiva porterEstratégia competitiva porter
Estratégia competitiva porter
 
Artigo 1 estratégias competitivas
Artigo 1 estratégias competitivasArtigo 1 estratégias competitivas
Artigo 1 estratégias competitivas
 
Influire - Competição
Influire - CompetiçãoInfluire - Competição
Influire - Competição
 
Anlisedeatratividade 121216123941-phpapp02
Anlisedeatratividade 121216123941-phpapp02Anlisedeatratividade 121216123941-phpapp02
Anlisedeatratividade 121216123941-phpapp02
 
[Marketing may 31] CRM Como Estratégia Competitiva - 5 Forças
[Marketing may 31]   CRM Como Estratégia Competitiva - 5 Forças[Marketing may 31]   CRM Como Estratégia Competitiva - 5 Forças
[Marketing may 31] CRM Como Estratégia Competitiva - 5 Forças
 
Texto porter
Texto porterTexto porter
Texto porter
 
Texto porter
Texto porterTexto porter
Texto porter
 
Giancarlo Ciola - Estratégia Competitiva e Posicionamento de Mercado
Giancarlo Ciola - Estratégia Competitiva e Posicionamento de MercadoGiancarlo Ciola - Estratégia Competitiva e Posicionamento de Mercado
Giancarlo Ciola - Estratégia Competitiva e Posicionamento de Mercado
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 
PlanejamentoestratéGico
PlanejamentoestratéGicoPlanejamentoestratéGico
PlanejamentoestratéGico
 
As 5 forças competitivas que modelam a estratégia
As 5 forças competitivas que modelam a estratégiaAs 5 forças competitivas que modelam a estratégia
As 5 forças competitivas que modelam a estratégia
 
Aula 8 Planejamento EstratéGico
Aula 8   Planejamento EstratéGicoAula 8   Planejamento EstratéGico
Aula 8 Planejamento EstratéGico
 
Eco111 - Aula 05
Eco111 - Aula 05Eco111 - Aula 05
Eco111 - Aula 05
 
Estratégia competitiva de mercado
Estratégia competitiva de mercadoEstratégia competitiva de mercado
Estratégia competitiva de mercado
 
Gestão estratégica capitulo 06
Gestão estratégica   capitulo 06Gestão estratégica   capitulo 06
Gestão estratégica capitulo 06
 
Roteiro para Elaboração do PEG (Planejamento Estratégico de Gestão)
Roteiro para Elaboração do PEG (Planejamento Estratégico de Gestão)Roteiro para Elaboração do PEG (Planejamento Estratégico de Gestão)
Roteiro para Elaboração do PEG (Planejamento Estratégico de Gestão)
 

Mais de Alexandre Pereira

Estabelecimento de política e risco de crédito
Estabelecimento de política e risco de créditoEstabelecimento de política e risco de crédito
Estabelecimento de política e risco de crédito
Alexandre Pereira
 
Termômetro de kanitz
Termômetro de kanitzTermômetro de kanitz
Termômetro de kanitz
Alexandre Pereira
 
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e InvestimentosOrçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Alexandre Pereira
 
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e ProduçãoPlano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
Alexandre Pereira
 
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Alexandre Pereira
 
Controladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentariaControladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentaria
Alexandre Pereira
 
Fluxograma seção 5
Fluxograma   seção 5Fluxograma   seção 5
Fluxograma seção 5
Alexandre Pereira
 
Processo decisório e resoluçao de problema (6)
Processo decisório e resoluçao de problema (6)Processo decisório e resoluçao de problema (6)
Processo decisório e resoluçao de problema (6)
Alexandre Pereira
 
Representanção gráfica processo de trabalho (1)
Representanção gráfica processo de trabalho (1)Representanção gráfica processo de trabalho (1)
Representanção gráfica processo de trabalho (1)
Alexandre Pereira
 
Definição e conceito de estruturas organizacionais
Definição e conceito de estruturas organizacionaisDefinição e conceito de estruturas organizacionais
Definição e conceito de estruturas organizacionais
Alexandre Pereira
 
Conceito do processo de trabalho (1)
Conceito do processo de trabalho (1)Conceito do processo de trabalho (1)
Conceito do processo de trabalho (1)
Alexandre Pereira
 
Conceito do processo de trabalho (1)
Conceito do processo de trabalho (1)Conceito do processo de trabalho (1)
Conceito do processo de trabalho (1)
Alexandre Pereira
 
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre PereiraTaxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Alexandre Pereira
 
A estratégia na criação da marca brasileira
A estratégia na criação da marca brasileiraA estratégia na criação da marca brasileira
A estratégia na criação da marca brasileira
Alexandre Pereira
 
Como elaborar um questionario
Como elaborar um questionarioComo elaborar um questionario
Como elaborar um questionario
Alexandre Pereira
 
Resenha filmes administracao
Resenha filmes administracaoResenha filmes administracao
Resenha filmes administracao
Alexandre Pereira
 
Sintese -metodologia_de_pesquisa
Sintese  -metodologia_de_pesquisaSintese  -metodologia_de_pesquisa
Sintese -metodologia_de_pesquisa
Alexandre Pereira
 

Mais de Alexandre Pereira (17)

Estabelecimento de política e risco de crédito
Estabelecimento de política e risco de créditoEstabelecimento de política e risco de crédito
Estabelecimento de política e risco de crédito
 
Termômetro de kanitz
Termômetro de kanitzTermômetro de kanitz
Termômetro de kanitz
 
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e InvestimentosOrçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
 
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e ProduçãoPlano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
 
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
 
Controladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentariaControladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentaria
 
Fluxograma seção 5
Fluxograma   seção 5Fluxograma   seção 5
Fluxograma seção 5
 
Processo decisório e resoluçao de problema (6)
Processo decisório e resoluçao de problema (6)Processo decisório e resoluçao de problema (6)
Processo decisório e resoluçao de problema (6)
 
Representanção gráfica processo de trabalho (1)
Representanção gráfica processo de trabalho (1)Representanção gráfica processo de trabalho (1)
Representanção gráfica processo de trabalho (1)
 
Definição e conceito de estruturas organizacionais
Definição e conceito de estruturas organizacionaisDefinição e conceito de estruturas organizacionais
Definição e conceito de estruturas organizacionais
 
Conceito do processo de trabalho (1)
Conceito do processo de trabalho (1)Conceito do processo de trabalho (1)
Conceito do processo de trabalho (1)
 
Conceito do processo de trabalho (1)
Conceito do processo de trabalho (1)Conceito do processo de trabalho (1)
Conceito do processo de trabalho (1)
 
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre PereiraTaxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
Taxas de juros e avaliação de titulos rf - Professor Alexandre Pereira
 
A estratégia na criação da marca brasileira
A estratégia na criação da marca brasileiraA estratégia na criação da marca brasileira
A estratégia na criação da marca brasileira
 
Como elaborar um questionario
Como elaborar um questionarioComo elaborar um questionario
Como elaborar um questionario
 
Resenha filmes administracao
Resenha filmes administracaoResenha filmes administracao
Resenha filmes administracao
 
Sintese -metodologia_de_pesquisa
Sintese  -metodologia_de_pesquisaSintese  -metodologia_de_pesquisa
Sintese -metodologia_de_pesquisa
 

5 Forças de Porter - Nov. 2013 - Material aula Estratégia - Professor Alexandre Pereira

  • 1. JUSTIFICATIVA DA DISCIPLINA ANÁLISE DE PROCESSOS E ESTRUTURAS ADMINISTRATIVAS 8– -Estratégias Competitivas http://sdrv.ms/1at8sir professor-alexandre@outlook.com Acesse o material da aula:
  • 2. AS CINCO FORÇAS COMPETITIVAS professor-alexandre@outlook.com Nascido em 1947, estudou na Universidade de Princeton, formou-se em Engenharia Mecânica e Aeroespacial, concluiu em Harvard o MBA e doutorado em Economia. MICHAEL PORTER Se tornou professor com 26 anos. Hoje ministra aulas de Administração e Economia pela Harvard Business School.
  • 3. AS CINCO FORÇAS COMPETITIVAS professor-alexandre@outlook.com Cinco Forças Competitivas de Michael Porter é referência na investigação de cenários de competição e por sua vez quando analisado é capaz de refletir o método estratégico adotado por um dado setor para garantir perpetuação no mercado.
  • 4. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS professor-alexandre@outlook.com De acordo com Porter: “As Cinco Forças são capazes de suscitar reflexões acerca do ambiente interno de uma organização e dessa forma estabelecer estratégias para fazer proveito das oportunidades e precaver-se das ameaças de mercado.”
  • 5. A ideia de alcançar a vantagem competitiva professor-alexandre@outlook.com Porter afirmar que é necessário seguir táticas específicas de exploração mercadológica, através do modelo de forças genéricas. Esse modelo permite às empresas enfrentarem as cinco forças competitivas e atingir desempenho superior no mercado.
  • 6. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS professor-alexandre@outlook.com O MODELO DAS CINCO FORÇAS DE MICHAEL PORTER E SEUS CRÍTICOS O modelo das Cinco Forças de Porter (1986) pode ser compreendido como uma ferramenta que auxilia a definição de estratégia da empresa e leva em consideração tanto o ambiente externo como o interno. As Cinco Forças Competitivas são definidas através de um panorama de determinantes que as caracterizam no mercado permitindo um entendimento preliminar do foco teórico levantado neste estudo.
  • 7. RECOMENDAÇÕES DE PORTER professor-alexandre@outlook.com Segundo Porter, é improvável seguir com sucesso mais de um foco estratégico e que uma tentativa de combinação entre forças genéricas não define de forma clara o posicionamento da empresa e a deixa sujeita às intimidações do mercado.
  • 8. AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER professor-alexandre@outlook.com
  • 9. AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER professor-alexandre@outlook.com Ameaça de Novos Entrantes Esta força refere-se ao grau de competitividade do mercado ou até que ponto as empresas são capazes de entrar no mesmo segmento e concorrer por clientes. Para Porter, os novos entrantes em um setor trazem novas capacidades, o desejo de ganhar participações no mercado e, em geral, recursos substanciais. Quanto maior for a possibilidade de entrada de novas empresas num dado setor, menor é a sua atratividade. Exemplo A Coca Lemon foi feita em tempo recorde (meses), após o lançamento da Pepsi Twist, que vinha crescendo muito.
  • 10. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS Força competitiva professor-alexandre@outlook.com Determinantes • Economias de escala • Diferenças de produtos patenteados Ameaça de Novos Entrantes • Identidade de marca • Custo de mudança • Exigências de capital • Acesso à distribuição • Vantagens de custo absoluto • Curva de aprendizado • Acesso a insumos • Projeto de produtos de baixo custo • Política governamental • Retaliação esperada
  • 11. AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER professor-alexandre@outlook.com Ameaça de Serviços ou Produtos Substitutos Porter (1999) afirma que por imporem um teto aos preços, os serviços substitutos limitam o potencial de um setor, a menos que este consiga melhorar a qualidade do produto ou, de alguma forma (através de marketing) estabelecer uma diferenciação; assim sofrerá as consequências nos lucros e, possivelmente, no crescimento. Exemplo .. alguns produtores concorrentes lançaram produtos da linha “zero“ para tentar frear a Coca-Cola. Contudo, por seu pioneirismo e tradição nesta aposta de bebida sem açúcar, a líder atual de vendas mantém seu posto
  • 12. AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER professor-alexandre@outlook.com Ameaça de Serviços ou Produtos Substitutos Ameaças de serviços substitutos é a principal variável que define preço no mercado e ativa a concorrência. No entanto, a qualidade dos produtos ou serviços será a estratégia que determinará a opção final do consumidor. Exemplos Sistema de Alarme eletrônico como substitutos para o mercado de Vigilância, ou e-mail como substituto dos serviços dos Correios.
  • 13. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS Força competitiva professor-alexandre@outlook.com Determinantes Ameaça de Serviços ou Produtos Substitutos . • Desempenho relativo de preço dos concorrentes • Custos de mudança • Propensão do comprador a mudar
  • 14. AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER professor-alexandre@outlook.com Poder de Negociação dos Fornecedores O poder de negociação dos fornecedores é capaz de exercer ameaça ao desempenho das empresas de uma indústria através da elevação dos preços ou da redução da qualidade dos bens e serviços. Assim, os fornecedores poderosos dispõem de condições para espremer a rentabilidade de um setor que não consiga compensar os aumentos de custos nos próprios preços. Exemplos “a competição é o melhor dos mundos, mas na indústria aeronáutica a competição é baixa, não existem muitas opções de fornecimento”. Alexandre Gonçalves Silva- Presidente Embraer
  • 15. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS professor-alexandre@outlook.com Força competitiva Determinantes • Custos de mudança • Diferenciação de insumos Poder de Barganha dos Fornecedores • Concentração de fornecedores • Presença de insumos substitutos • Importância do volume para os fornecedores • Impacto dos insumos sobre custo ou diferenciação • Ameaça de integração „para frente‟ ou „para trás‟ • Custo em relação às compras totais do setor
  • 16. AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER professor-alexandre@outlook.com Poder de Negociação dos Consumidores Da mesma forma que os fornecedores possuem poder de negociação, os clientes também são capazes de forçar a baixa dos preços, de exigir melhor qualidade ou de cobrar mais prestação de serviços, jogando os concorrentes (fornecedores) uns contra os outros – em detrimento dos lucros do setor.
  • 17. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS Força competitiva Poder de barganha dos Compradores professor-alexandre@outlook.com Determinantes • Concentração de compradores • Volume de compradores • Custos de mudança • Informação dos compradores • Lucros dos compradores • Produtos substitutos • Capacidade de empurrar produtos • Sensibilidade a preços • Preço/ compras totais • Diferença entre produtos • Identidade da marca • Ameaça de integração „para frente‟ do fornecedor versus ameaça de integração „para trás‟ da empresa • Impacto sobre qualidade/ desempenho
  • 18. AS 5 FORÇAS SEGUNDO PORTER professor-alexandre@outlook.com Rivalidade entre as Empresas Existentes Os movimentos competitivos de uma empresa dentro de seu setor têm efeitos significativos em seus concorrentes, que podem, portanto, desencadear esforços para conter esses movimentos ou ações de retaliação. Quando o setor é concentrado, dominado por um reduzido número de empresas, estas podem impor a sua disciplina ou desempenhar um papel coordenador no setor. Quanto maior for a rivalidade maior será a possibilidade de ocorrência de guerras de preços, disputas publicitárias, investimentos em qualidade etc.
  • 19. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS Força competitiva professor-alexandre@outlook.com Determinantes • Crescimento da indústria Rivalidade interna da indústria • Concentração e equilíbrio • Custos fixos e valor agregado • Excesso de capacidade crônica • Diferenças entre produtos • Identidade da marca • Custos de mudança • Complexidade das informações • Diversidade de concorrentes • Interesses empresariais • Barreiras à saída
  • 20. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS professor-alexandre@outlook.com Segundo Porter (1980), para que uma empresa obtenha vantagem competitiva, ela deve perseguir táticas específicas e escolher o escopo dentro do qual irá alcançá-la. Com essa premissa, Porter (1980) descreveu três estratégias competitivas genéricas, argumentando que elas seriam capazes de proporcionar vantagem às empresas de forma que estas pudessem superar suas concorrentes em um determinado setor. As estratégias, definidas como diferenciação ou enfoque, liderança no custo total, permitiriam às empresas enfrentar as cinco forças competitivas e alcançar um desempenho superior.
  • 21. 1 - Estratégia de Liderança no Custo Total professor-alexandre@outlook.com A estratégia de liderança de custo é implementada por firmas que procuram uma maior participação no mercado reduzindo seus custos em relação aos dos concorrentes. Quando implementada corretamente, essa estratégia traz retornos para a organização acima da média de seu setor. Os custos mais baixos geram uma melhor posição para competir e permitem que se tenha um bom desempenho, fazendo com que os concorrentes gastem seus lucros na competição. A manutenção de custos baixos traz flexibilidade também na oportunidades gestão de de melhoria (mercados “estrangulados”) preços, do gerando “trade-off”
  • 22. 2- Estratégia de Diferenciação professor-alexandre@outlook.com Adotando estratégias de diferenciação, as firmas alcançam vantagem competitiva mediante a oferta de produtos ou serviços que contenham as qualidades desejadas pelos consumidores e que, ao mesmo tempo, sejam diferentes dos produtos ou serviços oferecidos pelos concorrentes. Firmas que adotam estratégias de diferenciação costumam focar nos consumidores menos sensíveis a preço e, devido a isso, costumam atingir uma pequena parcela do mercado. Padaria Bella Paulista – SP Hipermercado
  • 23. 3 - Estratégia de Enfoque professor-alexandre@outlook.com A firma que desenvolve uma estratégia de enfoque visa um nicho de mercado, direcionando seus esforços para as necessidades de um tipo específico de consumidor ou de um mercado geográfico restrito. Com o enfoque na diferenciação, a empresa procura se distinguir em seu segmento alvo, explorando as necessidades especiais dos consumidores. 250 gramas De: R$ 2,94 até: R$ 3,75 370% 250 gramas De: R$ 12,78 até: R$ 13,89
  • 24. professor-alexandre@outlook.com Força da Indústria 1 - Liderança em custo 1 - Novos Entrantes Capacidade de reduzir preços em retaliação a potenciais entrantes 2 - Poder dos Consumidores Capacidade de oferecer preços reduzidos para consumidores com alto poder de barganha 3 - Poder dos Fornecedores Maior flexibilidade diante da ocorrência de aumentos de insumos 4 - Ameaça de Substitutos Uso de preço baixo para Consumidores se Produtos especializados são mais defesa contra substitutos tornam leais a produtos difíceis de substituir diferenciados, reduzindo a ameaça de substitutos Melhor capacidade de Lealdade à marca Rivais não conseguem atender as Competir por preço afasta consumidores necessidades dos consumidores das rivais 5 - Rivalidade Interna 2 - Diferenciação 3 - Enfoque Lealdade do Foco otimiza o desenvolvimento consumidor pode de competências essenciais que desencorajar potenciais podem agir como barreiras de entrantes entrada Consumidores têm menor poder de barganha devido a poucas alternativas de produtos Consumidores são menos sensíveis a repasses de preço Consumidores têm menor poder de barganha devido a poucas alternativas de produtos Fornecedores são fortes devido ao baixo volume, mas foco em diferenciação facilita repasses no aumento de preços
  • 25. ANÁLISE DE PROCESSOS E ESTRUTURAS ADMINISTRATIVAS Muito Obrigado, Professor Alexandre Pereira professor-alexandre@outlook.com