SlideShare uma empresa Scribd logo
Gestão de stocks- 4º trabalho SM
   Classes preconizadas por Plossl (1985, p. 20):
   Matéria-prima- são diversos tipos de materiais usados no processo de fabrico e que servirão para a
    obtenção do produto final;
   Componentes - subconjuntos que irão constituir o conjunto final do produto;
   Produtos em via de fabrico - componentes ou materiais que estão em espera no processo produtivo;
   Produtos acabados - são os produtos finais que se encontram para venda, para distribuição ou
    armazenagem
   Baseado na sua utilidade, os stocks podem ainda ser colocados numa destas categorias
    (Tersine, 1988, p. 7).
   Stock em lotes- constitui o stock adquirido no sentido de antecipar as exigências, nesse sentido, é feita
    uma encomenda em lotes numa quantidade maior do que o necessário;
   Stock de segurança - é o stock destinado a fazer face a incertezas tanto do ponto de vista do
    fornecimento como das vendas;
   Stock sazonal - trata-se do stock constituído para afrontar picos de procura sazonais, ou rupturas na
    capacidade produtiva.
   Stock em trânsito - são artigos armazenados com vista a entrarem no processo produtivo;
   Stock de desacoplamento - trata-se do stock acumulado entre actividade da produção ou em fases
    dependentes.
   É ainda referido por Silver et al. (1998, p. 30) outra categoria:
   Stock parado ou congestionado - este é designado desta forma visto os artigos terem uma produção
    limitada, entrando por isso numa espécie de competição. Visto os diferentes artigos partilharem o
    mesmo equipamento de produção e os tempos de instalação, os produtos tendem a acumular
    enquanto esperam que o equipamento fique disponível.
   Factores mais relevantes que levam as organizações a constituir stock
    (Zermati, 1986, p. 20):
   Podem-se constituir stocks com uma finalidade especulativa, comprando-
    se os mesmos a baixos preços para os vender a preços altos;
   Para assegurar o consumo regular de um produto em caso de a sua
    produção ser irregular;
   Geralmente, na compra de grandes quantidades beneficia-se de uma
    redução do preço unitário;
   Não sendo prático o transporte de produtos em pequenas
    quantidades, opta-se por encher os veículos de transporte no intuito de
    economizar nos custos de transporte, o que se traduz numa constituição
    de stock;
   A existência de stock pode-se justificar apenas pela legítima preocupação
    em fazer face às variações de consumo;
   Para prevenção contra atrasos nas entregas, provocados por avarias
    durante a produção, greves laborais, problemas no transporte, etc;
   Armazenamento de produtos, se a produção for superior ao consumo, em
    alturas de crise poderá contribuir para evitar tensões sociais;
   Beneficia-se da existência de stock, quando este evita o incómodo de se
    fazer entregas ou compras demasiado frequentes.
   Principais inconvenientes na constituição de stocks
    (Zermati, 1986, p. 22):
   Um dos inconvenientes diz respeito à própria
    fragilidade de certos produtos, que não possuem
    condições de serem mantidos em stock ou poderão ser
    mantidos em períodos muito curtos;
   Outro problema, diz respeito ao custo de posse
    traduzido no facto de existir material não vendido que
    vai acabar por imobilizar capital sem acrescentar valor;
   A ruptura apresenta-se como um enorme
    inconveniente, visto que a ocorrência desta irá
    provocar vendas perdidas e em casos extremos poderá
    levar à perda de clientes.
   Classificação de algumas decisões a tomar na gestão de stocks, por categorias e sub-categorias:
   Periodicidade
   Encomenda única
   Mais de uma encomenda
   Artigos em stock 2
   Origem
   Exterior ao fornecedor
   Do fornecedor
   Procura
   Procura constante
   Procura variável
   Procura independente
   Procura dependente
   Lead time ou tempo de aprovisionamento
   Lead time constante
   Lead time variável
   Sistemas de gestão de stocks
   Revisão contínua
   Revisão periódica
   MRP
   DRP
   Quantidade óptima de encomenda
   Custos de aprovisionamento
   Corresponde ao custo de processamento da
    encomenda, que poderá ser a compra feita a
    um fornecedor, mas também aos custos
    associados à inspecção e transferência do
    material, assim como os custos relativos à
    produção (Plossl, 1985, p. 21).
   Corresponde ao custo de processamento da
    encomenda, que poderá ser a compra feita a
    um fornecedor, mas também aos custos
    associados à inspecção e transferência do
    material, assim como os custos relativos à
    produção (Plossl, 1985, p. 21).
   São os custos directamente relacionados com a
    manutenção dos artigos em stock, poderão ser
    de obsolescência, de
    deterioração, impostos, seguros, custo do
    armazém e sua manutenção e custos do capital
    (Plossl, 1985, p. 22).
   Estes custos surgem quando não há material
    disponível para fazer face ao(s) pedido(s) do(s)
    cliente(s). Com isso, não só são gastas mais horas e
    trabalho na elaboração de novos pedidos, como em
    casos extremos poderá levar à perda do(s)
    cliente(s) (Plossl, 1985, p. 22).
   Embora estes sejam considerados os três principais
    custos associados à gestão de stocks, Plossl (1985, p.
    22), refere ainda um quarto grupo, designado por
    custo associado à capacidade, que são os custos
    relacionados com questões laborais como horas
    extraordinárias, subcontratações, despedimentos, f
    ormações e períodos de inactividade por parte do
    trabalhador.
   Um dos factores principais que levam as organizações a constituir
    stock é a possibilidade dessa mesma organização poder adquirir
    ou produzir artigos em lotes de quantidade económica. As
    organizações que usam lotes de quantidade económica, fazem-no
    sentido de manter um stock de artigos mais ou menos
    regular, artigos esses, que têm uma procura constante e
    independente. Os lotes de quantidade económica são
    estabelecidos por estes modelos determinísticos para artigos com
    procura independente, sejam eles produzidos ou adquiridos. Para
    determinar a melhor política no que toca à gestão de stocks, é
    necessária informação sobre previsões da procura, custos
    associados à gestão de stocks e tempo de aprovisionamento. Nos
    modelos determinísticos, as variáveis e todos os parâmetros são
    conhecidos ou podem ser calculados. A taxa de procura e os
    custos são também conhecidos com elevado grau de certeza e
    pressupõe-se que o tempo de reaprovisionamento é constante e
    independente da procura (Tersine, 1988, p. 90).
   As respostas às questões quando e quanto
    encomendar, dependem do natureza da procura e
    dos parâmetros usados para caracterizar o sistema.
    Neste caso, é assumido que a procura é conhecida
    e constante, o que significa que o número de
    artigos a encomendar e o tempo entre o
    processamento de encomendas não sofrem
    também eles variação. Os artigos são sujeitos a
    uma revisão contínua e quando o ponto de
    encomenda atinge um determinado nível, é feito o
    pedido de uma nova encomenda com um número
    fixo de artigos (Tersine, 1988, p. 90).
   A quantidade a encomendar que minimiza o custo total é designada por
    quantidade económica de encomenda. O nível máximo de stock Q é
    atingido no momento em que se verifica a recepção de encomenda e o
    nível mínimo no momento imediatamente anterior à sua recepção.
    Quando o nível de stock atinge o ponto de encomenda s, uma nova
    encomenda de Q unidades é colocada. A política de gestão a adoptar é
    portanto a minimização do custo total anual (CT) (UM/ano) que é dado
    por: onde:
   Q = quantidade a encomendar (unidades)
   c = custo unitário (UM/unidade)
   D = procura anual do artigo (unidades/ano)
   Ic = custo de posse unitário anual por unidade (UM/unidade ano)
   Ca = custo associado à realização de uma encomenda (UM)
   L = prazo de aprovisionamento
   e o ponto de encomenda s traduz-se da seguinte forma: s = D * L
    (Tersine, 1988, p. 91).
   Nota: as variáveis foram adaptadas ao português no sentido de facilitar a
    compreensão.
   É um processo recorrente por parte dos
    fornecedores, aplicar descontos nos artigos de uma
    encomenda no sentido de incentivar os compradores a
    encomendar em grandes quantidades. Sendo verdade que o
    comprador beneficia ao ver reduzido o preço unitário, por
    outro lado ao encomendar em grandes quantidades
    aumenta o custo de posse, visto aumentar o seu nível de
    stock. O objectivo consiste em identificar a quantidade ideal
    que minimize o custo total. São normalmente destacados
    dois tipos de descontos de quantidade, o desconto em todas
    as unidades, que resulta na redução do preço unitário na
    compra de grandes quantidades e o desconto incremental
    que aplica a redução de preço apenas se a encomenda de
    alguns artigos atingir uma quantidade previamente
    estabelecida, ou seja podem existir vários preços dentro do
    mesmo lote encomendado (Tersine, 1988, p. 99).
   Neste sistema, a constituição dos artigos em
    stock faz-se em lotes, onde os produtos
    'competem' pela capacidade de produção
    enquanto componentes individuais ou da
    mesma família de produtos, sendo muitas
    vezes produzidos com o mesmo equipamento.
    O planeamento da produção por lotes envolve
    a determinação do número ideal de artigos que
    deverão fazer parte de cada
    produção, esperando com isso minimizar o
    custo total anual (Tersine, 1988, p. 121).
   Este modelo pressupõe que quantidade
    encomendada de um determinado artigo é
    recebida num determinado tempo previamente
    estabelecido, para satisfazer as necessidades
    daquele período. Este conceito é aplicável quer o
    produto seja produzido internamente ou adquirido
    externamente. Este modelo torna-se importante na
    medida em que, se um artigo produzido com
    procura constante é de imediato constituído em
    stock, é fundamental que a quantidade de
    produção a encomendar seja desde logo
    determinada (Tersine, 1988, p. 121).
   São sistemas em que as encomendas são
    colocadas de T em T períodos de tempo
    previamente determinados e onde a
    quantidade a encomendar depende da procura
    (conhecida) entre revisões. De T em T períodos
    de tempo faz-se uma revisão do stock e
    encomenda-se a quantidade necessária para
    elevar o nível de stock ao nível máximo
    pretendido (Tersine, 1988, p. 135).
   Este modelo também designado por valor óptimo de T tem como objectivo principal
    determinar T e o respectivo valor máximo de stock associado. Este valor óptimo de T
    obtém-se com a minimização do custo total anual, para um só artigo, e é dado por
    (Tersine, 1988, p. 136)
   onde:



   T = valor óptimo de tempo entre o qual se encomenda
   c = custo unitário (UM/unidade)
   D = procura anual do artigo (unidades/ano)
   Ic = custo de posse unitário anual por unidade (UM/unidade ano)
   I = taxa de custo de posse
   Ca = custo associado à realização de uma encomenda (UM)
   L = prazo de aprovisionamento
   S = ponto de encomenda s = D * (L + T).
   Resta referir que o modelo do intervalo óptimo de encomenda possui duas
    aplicações, para um só artigo, visto anteriormente, e para múltiplos artigos, também
    designado por grupagem onde o T é calculado da seguinte forma (Tersine, 1988, p. 139)
   e S = ponto de encomenda sj = Dj * (L + T.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks finalO aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks final
joaoprates
 
Definição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocksDefinição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocks
soraiafilipa17
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
Soraia Cardozo
 
Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
warier96
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
Homero Alves de Lima
 
Custo de stocks
Custo de stocksCusto de stocks
Custo de stocks
Sabertoth613
 
Apresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Apresentação Armazenagem e Controle de EstoqueApresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Apresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Adélia Aparecida Da Silva Cossoniche
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
RitasAlmeidaMartins
 
Gestão de Armazéns
Gestão de ArmazénsGestão de Armazéns
Gestão de Armazéns
CLT Valuebased Services
 
Apostila almoxarifado
Apostila almoxarifadoApostila almoxarifado
Apostila almoxarifado
Caroline Azeredo
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
Moises Ribeiro
 
Administração de Estoques
Administração de EstoquesAdministração de Estoques
Administração de Estoques
Alison Gabriel
 
04 aula estocagem
04 aula estocagem04 aula estocagem
04 aula estocagem
Homero Alves de Lima
 
Custos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - ConceitosCustos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - Conceitos
Willian dos Santos Abreu
 
Planejamento de Estoque
Planejamento de EstoquePlanejamento de Estoque
Planejamento de Estoque
Nyedson Barbosa
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
Charles Rebouças
 
Indicadores de gestao de estoque
Indicadores de gestao de estoqueIndicadores de gestao de estoque
Indicadores de gestao de estoque
Wagner Garcia.´.
 
Exercicio gestao de estoque
Exercicio gestao de estoqueExercicio gestao de estoque
Exercicio gestao de estoque
Janaina Fidalgo
 
Gestão de Armazens
Gestão de ArmazensGestão de Armazens
Gestão de Armazens
guestbdad729
 

Mais procurados (20)

O aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks finalO aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks final
 
Definição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocksDefinição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocks
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
 
Custo de stocks
Custo de stocksCusto de stocks
Custo de stocks
 
Apresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Apresentação Armazenagem e Controle de EstoqueApresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Apresentação Armazenagem e Controle de Estoque
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Gestão de Armazéns
Gestão de ArmazénsGestão de Armazéns
Gestão de Armazéns
 
Apostila almoxarifado
Apostila almoxarifadoApostila almoxarifado
Apostila almoxarifado
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
Administração de Estoques
Administração de EstoquesAdministração de Estoques
Administração de Estoques
 
04 aula estocagem
04 aula estocagem04 aula estocagem
04 aula estocagem
 
Custos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - ConceitosCustos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - Conceitos
 
Planejamento de Estoque
Planejamento de EstoquePlanejamento de Estoque
Planejamento de Estoque
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Indicadores de gestao de estoque
Indicadores de gestao de estoqueIndicadores de gestao de estoque
Indicadores de gestao de estoque
 
Exercicio gestao de estoque
Exercicio gestao de estoqueExercicio gestao de estoque
Exercicio gestao de estoque
 
Gestão de Armazens
Gestão de ArmazensGestão de Armazens
Gestão de Armazens
 

Semelhante a Gestão de stocks- 4º trabalho SM

Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
Bruno Andrade
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
João Barata
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
João Barata
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Leonor Alves
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Leonor Alves
 
Gestão de stocks 4º Trabalho de SM
Gestão de stocks 4º Trabalho de SMGestão de stocks 4º Trabalho de SM
Gestão de stocks 4º Trabalho de SM
Edgar Varela Gonçalves
 
4ºtrabalho
4ºtrabalho4ºtrabalho
4ºtrabalho
Patricia Silva
 
o aprovisionamento
o aprovisionamentoo aprovisionamento
o aprovisionamento
Nicole Bettencourt
 
O aprovisionamento gestão de stocks
O aprovisionamento gestão de stocks O aprovisionamento gestão de stocks
O aprovisionamento gestão de stocks
Andreramos98
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
warier96
 
Gestão de Stocks
Gestão de StocksGestão de Stocks
Gestão de Stocks
diogovelez
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
Ricardo Pinheiro
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
Ricardo Pinheiro
 
Erick venancio 9º8
Erick venancio 9º8Erick venancio 9º8
Erick venancio 9º8
erickv99
 
Aprovisionamento mauro 9º cv
Aprovisionamento mauro 9º cvAprovisionamento mauro 9º cv
Aprovisionamento mauro 9º cv
mauromartins1999
 
Aprovisionamento mauro 9º cv
Aprovisionamento mauro 9º cvAprovisionamento mauro 9º cv
Aprovisionamento mauro 9º cv
mauromartins1999
 
Gestão de stocks fláá
Gestão de stocks   flááGestão de stocks   fláá
Gestão de stocks fláá
flaaviosoares
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
Sheila Moreira Bezerra
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
fabioboiani
 
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
Thiago Thome
 

Semelhante a Gestão de stocks- 4º trabalho SM (20)

Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
 
Gestão de stocks 4º Trabalho de SM
Gestão de stocks 4º Trabalho de SMGestão de stocks 4º Trabalho de SM
Gestão de stocks 4º Trabalho de SM
 
4ºtrabalho
4ºtrabalho4ºtrabalho
4ºtrabalho
 
o aprovisionamento
o aprovisionamentoo aprovisionamento
o aprovisionamento
 
O aprovisionamento gestão de stocks
O aprovisionamento gestão de stocks O aprovisionamento gestão de stocks
O aprovisionamento gestão de stocks
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
 
Gestão de Stocks
Gestão de StocksGestão de Stocks
Gestão de Stocks
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
 
Erick venancio 9º8
Erick venancio 9º8Erick venancio 9º8
Erick venancio 9º8
 
Aprovisionamento mauro 9º cv
Aprovisionamento mauro 9º cvAprovisionamento mauro 9º cv
Aprovisionamento mauro 9º cv
 
Aprovisionamento mauro 9º cv
Aprovisionamento mauro 9º cvAprovisionamento mauro 9º cv
Aprovisionamento mauro 9º cv
 
Gestão de stocks fláá
Gestão de stocks   flááGestão de stocks   fláá
Gestão de stocks fláá
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
 
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

Gestão de stocks- 4º trabalho SM

  • 2. Classes preconizadas por Plossl (1985, p. 20):  Matéria-prima- são diversos tipos de materiais usados no processo de fabrico e que servirão para a obtenção do produto final;  Componentes - subconjuntos que irão constituir o conjunto final do produto;  Produtos em via de fabrico - componentes ou materiais que estão em espera no processo produtivo;  Produtos acabados - são os produtos finais que se encontram para venda, para distribuição ou armazenagem  Baseado na sua utilidade, os stocks podem ainda ser colocados numa destas categorias (Tersine, 1988, p. 7).  Stock em lotes- constitui o stock adquirido no sentido de antecipar as exigências, nesse sentido, é feita uma encomenda em lotes numa quantidade maior do que o necessário;  Stock de segurança - é o stock destinado a fazer face a incertezas tanto do ponto de vista do fornecimento como das vendas;  Stock sazonal - trata-se do stock constituído para afrontar picos de procura sazonais, ou rupturas na capacidade produtiva.  Stock em trânsito - são artigos armazenados com vista a entrarem no processo produtivo;  Stock de desacoplamento - trata-se do stock acumulado entre actividade da produção ou em fases dependentes.  É ainda referido por Silver et al. (1998, p. 30) outra categoria:  Stock parado ou congestionado - este é designado desta forma visto os artigos terem uma produção limitada, entrando por isso numa espécie de competição. Visto os diferentes artigos partilharem o mesmo equipamento de produção e os tempos de instalação, os produtos tendem a acumular enquanto esperam que o equipamento fique disponível.
  • 3. Factores mais relevantes que levam as organizações a constituir stock (Zermati, 1986, p. 20):  Podem-se constituir stocks com uma finalidade especulativa, comprando- se os mesmos a baixos preços para os vender a preços altos;  Para assegurar o consumo regular de um produto em caso de a sua produção ser irregular;  Geralmente, na compra de grandes quantidades beneficia-se de uma redução do preço unitário;  Não sendo prático o transporte de produtos em pequenas quantidades, opta-se por encher os veículos de transporte no intuito de economizar nos custos de transporte, o que se traduz numa constituição de stock;  A existência de stock pode-se justificar apenas pela legítima preocupação em fazer face às variações de consumo;  Para prevenção contra atrasos nas entregas, provocados por avarias durante a produção, greves laborais, problemas no transporte, etc;  Armazenamento de produtos, se a produção for superior ao consumo, em alturas de crise poderá contribuir para evitar tensões sociais;  Beneficia-se da existência de stock, quando este evita o incómodo de se fazer entregas ou compras demasiado frequentes.
  • 4. Principais inconvenientes na constituição de stocks (Zermati, 1986, p. 22):  Um dos inconvenientes diz respeito à própria fragilidade de certos produtos, que não possuem condições de serem mantidos em stock ou poderão ser mantidos em períodos muito curtos;  Outro problema, diz respeito ao custo de posse traduzido no facto de existir material não vendido que vai acabar por imobilizar capital sem acrescentar valor;  A ruptura apresenta-se como um enorme inconveniente, visto que a ocorrência desta irá provocar vendas perdidas e em casos extremos poderá levar à perda de clientes.
  • 5. Classificação de algumas decisões a tomar na gestão de stocks, por categorias e sub-categorias:  Periodicidade  Encomenda única  Mais de uma encomenda  Artigos em stock 2  Origem  Exterior ao fornecedor  Do fornecedor  Procura  Procura constante  Procura variável  Procura independente  Procura dependente  Lead time ou tempo de aprovisionamento  Lead time constante  Lead time variável  Sistemas de gestão de stocks  Revisão contínua  Revisão periódica  MRP  DRP  Quantidade óptima de encomenda
  • 6. Custos de aprovisionamento  Corresponde ao custo de processamento da encomenda, que poderá ser a compra feita a um fornecedor, mas também aos custos associados à inspecção e transferência do material, assim como os custos relativos à produção (Plossl, 1985, p. 21).
  • 7. Corresponde ao custo de processamento da encomenda, que poderá ser a compra feita a um fornecedor, mas também aos custos associados à inspecção e transferência do material, assim como os custos relativos à produção (Plossl, 1985, p. 21).
  • 8. São os custos directamente relacionados com a manutenção dos artigos em stock, poderão ser de obsolescência, de deterioração, impostos, seguros, custo do armazém e sua manutenção e custos do capital (Plossl, 1985, p. 22).
  • 9. Estes custos surgem quando não há material disponível para fazer face ao(s) pedido(s) do(s) cliente(s). Com isso, não só são gastas mais horas e trabalho na elaboração de novos pedidos, como em casos extremos poderá levar à perda do(s) cliente(s) (Plossl, 1985, p. 22).  Embora estes sejam considerados os três principais custos associados à gestão de stocks, Plossl (1985, p. 22), refere ainda um quarto grupo, designado por custo associado à capacidade, que são os custos relacionados com questões laborais como horas extraordinárias, subcontratações, despedimentos, f ormações e períodos de inactividade por parte do trabalhador.
  • 10. Um dos factores principais que levam as organizações a constituir stock é a possibilidade dessa mesma organização poder adquirir ou produzir artigos em lotes de quantidade económica. As organizações que usam lotes de quantidade económica, fazem-no sentido de manter um stock de artigos mais ou menos regular, artigos esses, que têm uma procura constante e independente. Os lotes de quantidade económica são estabelecidos por estes modelos determinísticos para artigos com procura independente, sejam eles produzidos ou adquiridos. Para determinar a melhor política no que toca à gestão de stocks, é necessária informação sobre previsões da procura, custos associados à gestão de stocks e tempo de aprovisionamento. Nos modelos determinísticos, as variáveis e todos os parâmetros são conhecidos ou podem ser calculados. A taxa de procura e os custos são também conhecidos com elevado grau de certeza e pressupõe-se que o tempo de reaprovisionamento é constante e independente da procura (Tersine, 1988, p. 90).
  • 11. As respostas às questões quando e quanto encomendar, dependem do natureza da procura e dos parâmetros usados para caracterizar o sistema. Neste caso, é assumido que a procura é conhecida e constante, o que significa que o número de artigos a encomendar e o tempo entre o processamento de encomendas não sofrem também eles variação. Os artigos são sujeitos a uma revisão contínua e quando o ponto de encomenda atinge um determinado nível, é feito o pedido de uma nova encomenda com um número fixo de artigos (Tersine, 1988, p. 90).
  • 12. A quantidade a encomendar que minimiza o custo total é designada por quantidade económica de encomenda. O nível máximo de stock Q é atingido no momento em que se verifica a recepção de encomenda e o nível mínimo no momento imediatamente anterior à sua recepção. Quando o nível de stock atinge o ponto de encomenda s, uma nova encomenda de Q unidades é colocada. A política de gestão a adoptar é portanto a minimização do custo total anual (CT) (UM/ano) que é dado por: onde:  Q = quantidade a encomendar (unidades)  c = custo unitário (UM/unidade)  D = procura anual do artigo (unidades/ano)  Ic = custo de posse unitário anual por unidade (UM/unidade ano)  Ca = custo associado à realização de uma encomenda (UM)  L = prazo de aprovisionamento  e o ponto de encomenda s traduz-se da seguinte forma: s = D * L (Tersine, 1988, p. 91).  Nota: as variáveis foram adaptadas ao português no sentido de facilitar a compreensão.
  • 13. É um processo recorrente por parte dos fornecedores, aplicar descontos nos artigos de uma encomenda no sentido de incentivar os compradores a encomendar em grandes quantidades. Sendo verdade que o comprador beneficia ao ver reduzido o preço unitário, por outro lado ao encomendar em grandes quantidades aumenta o custo de posse, visto aumentar o seu nível de stock. O objectivo consiste em identificar a quantidade ideal que minimize o custo total. São normalmente destacados dois tipos de descontos de quantidade, o desconto em todas as unidades, que resulta na redução do preço unitário na compra de grandes quantidades e o desconto incremental que aplica a redução de preço apenas se a encomenda de alguns artigos atingir uma quantidade previamente estabelecida, ou seja podem existir vários preços dentro do mesmo lote encomendado (Tersine, 1988, p. 99).
  • 14. Neste sistema, a constituição dos artigos em stock faz-se em lotes, onde os produtos 'competem' pela capacidade de produção enquanto componentes individuais ou da mesma família de produtos, sendo muitas vezes produzidos com o mesmo equipamento. O planeamento da produção por lotes envolve a determinação do número ideal de artigos que deverão fazer parte de cada produção, esperando com isso minimizar o custo total anual (Tersine, 1988, p. 121).
  • 15. Este modelo pressupõe que quantidade encomendada de um determinado artigo é recebida num determinado tempo previamente estabelecido, para satisfazer as necessidades daquele período. Este conceito é aplicável quer o produto seja produzido internamente ou adquirido externamente. Este modelo torna-se importante na medida em que, se um artigo produzido com procura constante é de imediato constituído em stock, é fundamental que a quantidade de produção a encomendar seja desde logo determinada (Tersine, 1988, p. 121).
  • 16. São sistemas em que as encomendas são colocadas de T em T períodos de tempo previamente determinados e onde a quantidade a encomendar depende da procura (conhecida) entre revisões. De T em T períodos de tempo faz-se uma revisão do stock e encomenda-se a quantidade necessária para elevar o nível de stock ao nível máximo pretendido (Tersine, 1988, p. 135).
  • 17. Este modelo também designado por valor óptimo de T tem como objectivo principal determinar T e o respectivo valor máximo de stock associado. Este valor óptimo de T obtém-se com a minimização do custo total anual, para um só artigo, e é dado por (Tersine, 1988, p. 136)  onde:   T = valor óptimo de tempo entre o qual se encomenda  c = custo unitário (UM/unidade)  D = procura anual do artigo (unidades/ano)  Ic = custo de posse unitário anual por unidade (UM/unidade ano)  I = taxa de custo de posse  Ca = custo associado à realização de uma encomenda (UM)  L = prazo de aprovisionamento  S = ponto de encomenda s = D * (L + T).  Resta referir que o modelo do intervalo óptimo de encomenda possui duas aplicações, para um só artigo, visto anteriormente, e para múltiplos artigos, também designado por grupagem onde o T é calculado da seguinte forma (Tersine, 1988, p. 139)  e S = ponto de encomenda sj = Dj * (L + T.